Você está na página 1de 22

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO,

GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

SUPERINTENDÊNCIA DE ABASTECIMENTO (SAB)

MANUAL DE COMUNICAÇÃO DE INCIDENTES


EM INSTALAÇÕES DO ABASTECIMENTO

VERSÃO 1
REVISÕES
DATA DE
VERSÃO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES
APROVAÇÃO

1 VERSÃO INICIAL 28/10/2016

2
Conteúdo
INTRODUÇÃO ................................................................................................................................ 5
Tabela 1: Resumo Geral de Incidentes Comunicáveis........................................................... 6
GLOSSÁRIO DE TERMOS ................................................................................................................ 7
ORIENTAÇÕES GERAIS ................................................................................................................... 9
INCIDENTES COMUNICÁVEIS....................................................................................................... 11
1. RISCO DE DANO AO MEIO AMBIENTE OU À SAÚDE HUMANA ....................................... 11
1.1. Quase incidentes comunicáveis .............................................................................. 11
1.1.1. Vazamento significante de derivados de petróleo ou biocombustível ............... 11
1.1.2. Vazamento maior de derivados de petróleo ou biocombustível ........................ 11
1.1.3. Vazamento de substâncias nocivas ou perigosas................................................ 11
1.1.4. Vazamento significante de gás inflamável .......................................................... 12
1.1.5. Vazamento de produto seguido de flash ............................................................ 12
1.1.6. Ferimentos leves e moderados ........................................................................... 12
1.1.7. Inalação de vapores............................................................................................. 12
1.1.8. Queda de pessoas ............................................................................................... 12
1.1.9. Queda de objetos ................................................................................................ 12
1.1.10. Furto de produto ................................................................................................. 13
1.1.11. Quase acidentes de alto potencial ...................................................................... 13
2. DANO AO MEIO AMBIENTE ............................................................................................. 14
2.1. Perda de contenção ................................................................................................ 14
2.1.1. Descarga menor de derivados de petróleo ou biocombustível .......................... 15
2.1.2. Descarga pequena de derivados de petróleo ou biocombustível....................... 15
2.1.3. Descarga média de derivados de petróleo ou biocombustível ........................... 15
2.1.4. Descarga grande de derivados de petróleo ou biocombustível ......................... 15
2.1.5. Descarga de substâncias nocivas ou perigosas ................................................... 15
2.1.6. Descarga significante de gás inflamável.............................................................. 16
2.1.7. Descarga maior de gás inflamável....................................................................... 16
3. DANO À SAÚDE HUMANA ............................................................................................... 17
3.1. Reação adversa a substâncias nocivas ou perigosas ............................................... 17
4. FERIMENTOS GRAVES...................................................................................................... 18
4.1. Ferimentos graves em empregado do operador da instalação .............................. 18
4.2. Ferimentos graves em empregado contratado pelo operador da instalação e seus
subcontratados ................................................................................................................... 18

3
4.3. Ferimentos graves em pessoal alheio à instalação decorrente de incidente
operacional.......................................................................................................................... 18
5. OCORRÊNCIA DE FATALIDADES ....................................................................................... 19
5.1. Fatalidade de empregado do operador da instalação ............................................ 19
5.2. Fatalidade de empregado contratado pelo operador da instalação e seus
subcontratados ................................................................................................................... 19
5.3. Fatalidade de pessoal alheio à instalação decorrente de incidente operacional ... 19
6. PREJUÍZOS MATERIAIS AO PATRIMÔNIO PRÓPRIO, A TERCEIROS OU À POPULAÇÃO ... 20
6.1. Falhas estruturais .................................................................................................... 20
6.1.1. Falhas nas estruturas das instalações que possam comprometer a segurança do
local 20
6.1.2. Danos nas estruturas das instalações decorrentes de incidente operacional .... 20
6.2. Eventos navais ............................................................................................................. 20
6.2.1. Danos em embarcações e píeres que possam comprometer a segurança do local
20
6.2.2. Afundamento/naufrágio de embarcação ou instalações de armazenamento
flutuantes ............................................................................................................................ 20
6.3. Eventos de transporte ............................................................................................. 20
6.3.1. Incidentes envolvendo caminhões tanque ou vagões tanque sob
responsabilidade do agente regulado ou de empresa coligada ......................................... 20
6.4. Incêndios ................................................................................................................. 21
6.4.1. Princípio de incêndio ........................................................................................... 21
6.4.2. Incêndio significante ........................................................................................... 21
6.4.3. Incêndio maior .................................................................................................... 21
6.5. Explosões ................................................................................................................. 21
6.5.1. Explosão de atmosfera explosiva ........................................................................ 21
6.5.2. Explosão mecânica .............................................................................................. 21
7. INTERRUPÇÃO NÃO PROGRAMADA POR MAIS DE 24 HORAS ........................................ 22
7.1. Paradas não programadas....................................................................................... 22
7.1.1. Parada não programada superior a 24 horas decorrente de incidente
operacional.......................................................................................................................... 22

4
INTRODUÇÃO
O objetivo deste manual é orientar os agentes regulados pela Superintendência de
Abastecimento (SAB) sobre os procedimentos necessários na comunicação de incidentes que
venham a ocorrer em suas instalações assim como explicitar e detalhar o entendimento desta
Superintendência em relação à Resolução ANP nº 44, de 22/12/2009, que regula o assunto.

Na esfera de atuação da Superintendência de Abastecimento (SAB), o procedimento de


comunicação de incidentes aplica-se a variados segmentos de agentes econômicos, conforme
a seguir especificado:

• Distribuidor de combustíveis líquidos (Resolução ANP nº 58/2014)


• Distribuidor de combustíveis de aviação (Resolução ANP nº 17/2006)
• Distribuidor de GLP (Resolução ANP nº 15/2005)
• Distribuidor de asfaltos (Resolução ANP nº 2/2005)
• Distribuidor de solventes (Resolução ANP nº 24/2006)
• Transportador revendedor retalhista (Resolução ANP nº 8/2007)
• Transportador revendedor retalhista na navegação interior (Resolução ANP nº 10/2016)
• Revendedor varejista de combustíveis automotivos (Resolução ANP nº 41/2013)
• Revendedor varejista de combustíveis de aviação (Resolução ANP nº 18/2006)
• Revendedor varejista de GLP (Portaria ANP nº 297/2003)
• Produtor de lubrificante acabado (Resolução ANP nº 18/2009)
• Coletor de lubrificante usado ou contaminado (Resolução ANP nº 20/2009)
• Rerrefinador de lubrificante usado ou contaminado (Resolução ANP nº 19/2009)

É responsabilidade do agente regulado o envido da Comunicação Inicial de Incidente (CI) e do


Relatório Detalhado de Incidentes (RDI) conforme definido pelos Anexos I e II da referida
resolução, estando o agente sujeito às penalidades da legislação vigente em caso de omissão.

Para que a ação da ANP seja proporcional ao evento comunicado, faz-se necessário que as
informações sejam as mais completas e fidedignas possíveis, podendo, a qualquer tempo,
serem retificadas junto a esta Agência de forma a apresentar as reais e atuais informações
sobre o evento incidental.

A tipificação aqui estabelecida permitirá o correto trâmite de informações e a pronta ação do


Estado, a partir do acionamento das estruturas de resposta. Além disso, os incidentes
comunicados serão registrados em um banco de dados, oportunamente categorizados e
disponibilizados para que análises estatísticas sejam realizadas para identificar as
oportunidades de melhoria da segurança nas atividades reguladas.

O resumo dos incidentes comunicáveis à ANP está disponível na Tabela 1 e quaisquer dúvidas
ou sugestões podem ser encaminhadas à ANP através do email
incidentes.abastecimento@anp.gov.br.

5
Tabela 1: Resumo Geral de Incidentes Comunicáveis
RESUMO DE INCIDENTES COMUNICÁVEIS
1 – RISCO DE DANO AO 3 – DANO À 7 – INTERRUPÇÃO NÃO
2 – DANO AO MEIO 4 – FERIMENTOS 5 – OCORRÊNCIA
MEIO AMBIENTE OU À SAÚDE 6 – PREJUÍZOS MATERIAIS AO PATRIMÔNIO PRÓPRIO, A TERCEIROS OU À POPULAÇÃO1 PROGRAMADA POR
AMBIENTE GRAVES DE FATALIDADES
SAÚDE HUMANA HUMANA MAIS DE 24 HORAS1
PERDA DE DANO À SAÚDE FERIMENTOS OCORRÊNCIA DE FALHAS EVENTOS EVENTOS DE PARADAS NÃO
QUASE ACIDENTE INCÊNDIOS EXPLOSÕES
CONTENÇÃO HUMANA GRAVES FATALIDADES ESTRUTURAIS NAVAIS TRANSPORTE PROGRAMADAS
Falhas nas Danos em Incidentes
estruturas das embarcações e envolvendo
Reação adversa a Ferimentos graves Fatalidade de Parada não programada
Vazamento significante de Descarga menor de instalações que píeres que caminhões tanque ou Explosão de
substâncias em empregado do empregado do Princípio de superior a 24 horas
derivados de petróleo ou derivados de petróleo possam possam vagões tanque sob atmosfera
nocivas ou operador da operador da incêndio decorrente de incidente
biocombustível ou biocombustível comprometer a comprometer a responsabilidade do explosiva
perigosas instalação instalação operacional
segurança do segurança do agente regulado ou
local local de empresa coligada

Ferimentos graves Fatalidade de Danos nas Afundamento /


em empregado empregado estruturas das naufrágio de
Vazamento maior de Descarga pequena de
contratado pelo contratado pelo instalações embarcação ou Incêndio Explosão
derivados de petróleo ou derivados de petróleo
operador da operador da decorrentes de instalações de significante mecânica
biocombustível ou biocombustível
instalação e seus instalação e seus incidente armazenamento
subcontratados subcontratados operacional flutuantes

Ferimentos graves Fatalidade de


em pessoal alheio à pessoal alheio à
Descarga média de
Vazamento de substâncias instalação instalação Incêndio
derivados de petróleo
nocivas ou perigosas decorrente de decorrente de Maior
ou biocombustível
incidente incidente
operacional operacional

Descarga grande de
Vazamento significante de
derivados de petróleo
gás inflamável
ou biocombustível

Descarga de
Vazamento de produto
substâncias nocivas ou
seguido de flash
perigosas

Ferimentos leves e Descarga significante


moderados de gás inflamável

Descarga maior de gás


Inalação de vapores
inflamável

Queda de pessoas

Queda de objetos

Furto de produto

Quase acidentes de alto


potencial
1
Conforme §1º do Art. 2º da Resolução ANP º44/2009, estão dispensados da apresentação de Comunicação Inicial de Incidente referente aos itens 6 e 7 os agentes que atuam no segmento de revenda de combustíveis e de GLP
6
GLOSSÁRIO DE TERMOS
Acidente: Qualquer evento inesperado que cause danos ao meio ambiente ou à saúde
humana, prejuízos materiais ao patrimônio próprio ou de terceiros, ocorrência de
fatalidades ou ferimentos graves para o pessoal próprio ou para terceiros ou a
interrupção das operações da Instalação por mais de 24 (vinte e quatro) horas.

Comunicação Inicial de Incidente (CI): Breve descrição de Incidente Comunicável,


envolvendo agente regulado pela SAB, contendo no mínimo as informações descritas
no anexo I da Resolução ANP nº 44/2009.

OBS: Estão dispensados da apresentação de Comunicação Inicial de Incidente


referente aos itens 6 (Prejuízos materiais ao patrimônio próprio, à terceiros ou à
população) e 7 (Interrupção não programada por mais de 24 horas) da Tabela 1 os
agentes que atuam no segmento de revenda de combustíveis e de GLP.

Descarga: Qualquer despejo, escape, derrame, vazamento, esvaziamento, lançamento


para fora ou bombeamento de derivados de petróleo, biocombustíveis, substâncias
nocivas ou perigosas, em qualquer quantidade, a partir de uma embarcação, instalação,
sistema ou equipamento.

Flash: Ignição momentânea (perdura apenas por um curto espaço de tempo) de


mistura inflamável sem ocorrência de explosão.

Furto de produto: subtração de derivados de petróleo ou biocombustíveis, para si ou


para outrem, com fim de assenhoramento definitivo.

Incidente Comunicável: Entende-se como Incidente Comunicável qualquer ocorrência,


decorrente de fato ou ato intencional ou acidental, envolvendo:

a) risco de dano ao meio ambiente ou à saúde humana;

b) dano ao meio ambiente ou à saúde humana;

c) prejuízos materiais ao patrimônio próprio ou de terceiros;

d) ocorrência de fatalidades ou ferimentos graves para o pessoal próprio ou para


terceiros; ou

e) interrupção não programada das operações da Instalação por mais de 24 (vinte e


quatro) horas.

Dentro deste conceito de Incidente estão incluídos os quase acidentes e os acidentes


relacionados com a segurança operacional, estando relacionados na Tabela 1.

7
Incidente Operacional: Incidente ocorrido em decorrência ou no âmbito da Operação
da Instalação.

Instalação: Estrutura terrestre ou fluvial, fixa ou móvel, utilizada nas atividades de


armazenamento, distribuição, revenda ou processamento de derivados de petróleo e
biocombustíveis reguladas pela SAB, como por exemplo: Bases de armazenamento e
distribuição de combustíveis, solventes, gás liquefeito de petróleo (GLP), asfaltos;
instalações de Transportadores Revendedores Retalhistas, produtores de óleo
lubrificante acabado, coletores e rerrefinadores de óleo lubrificante usado ou
contaminado; postos revendedores de combustíveis, revendedores varejistas de GLP,
postos revendedores flutuantes e postos revendedores marítimos.

Operação da Instalação: são as atividades diretamente ligadas com o armazenamento,


distribuição, revenda ou processamento de derivados de petróleo e biocombustíveis.

Operador da Instalação: Agente regulado autorizado pela SAB para operar na referida
instalação.

Quase acidente: Qualquer evento inesperado com potencial de risco para a segurança
operacional, não causando danos à saúde humana ou ao meio ambiente.

Relatório Detalhado de Incidente (RDI): Relatório completo dos eventos relacionados


nos itens 1, 2, 3, 4, 5, 6, e 7 da Tabela 1, contendo no mínimo as informações descritas
no anexo II da referida Resolução ANP nº 44/2009.

OBS: Estão dispensados da apresentação do Relatório Detalhado de Incidente os


agentes que atuam no segmento de revenda de combustíveis e GLP, exceto quando
expressamente notificados a prestar esclarecimentos.

Segurança Operacional: A prevenção, mitigação e resposta a eventos que possam


causar acidentes que coloquem em risco a vida humana ou o meio ambiente através
da adoção de um sistema de gestão que assegure a integridade das Instalações
durante todo o seu ciclo de vida.

Substância Nociva ou Perigosa: Qualquer substância que, se descarregada no meio


ambiente, é capaz de gerar riscos ou causar danos à saúde humana, aos ecossistemas,
ou prejudicar o uso do ar, da água, do solo e de seu entorno.

Vazamento: Liberação não planejada ou não controlada de qualquer material oriundo


de tanques, vasos de pressão, tubulações ou demais equipamentos projetados para
servirem como recipientes para derivados de petróleo, biocombustíveis ou substâncias
nocivas ou perigosas.

8
ORIENTAÇÕES GERAIS
Os incidentes comunicáveis constantes neste manual referem-se, exclusivamente, aos
eventos incidentais diretamente relacionados à operação da instalação, incluindo a
manutenção e a inspeção operacional de seus equipamentos, no que tange às
atividades reguladas pela SAB. Na Tabela 1 estão listados os principais eventos que
devem ser comunicados. Cenários não previstos nessa tabela podem ser comunicáveis
desde que requisitados pela SAB, após consulta do Agente Regulado, utilizando os
meios oficiais de contato com essa superintendência.

Para o correto entendimento dos termos e requisitos aqui identificados, recomenda-se


a leitura e entendimento prévio à ocorrência de um evento incidental.

Este manual está organizado de forma a facilitar a identificação da necessidade de um


incidente ser comunicável ou não, bem como do entendimento das informações a
serem prestadas à ANP.

As instalações que deverão seguir os procedimentos para comunicação de incidente


são aquelas compostas por estruturas terrestres ou fluviais, fixas ou móveis, utilizadas
nas atividades de armazenamento, distribuição, revenda ou processamento de
derivados de petróleo e biocombustíveis, tais como: bases de armazenamento e
distribuição de combustíveis, solventes, gás liquefeito de petróleo (GLP), asfaltos;
instalações de Transportadores Revendedores Retalhistas; produtores de óleo
lubrificante acabado, coletores e rerrefinadores de óleo lubrificante usado ou
contaminado; postos revendedores de combustíveis, revendedores varejistas de GLP,
postos revendedores flutuantes e postos revendedores marítimos.

O agente regulado deverá enviar a Comunicação Inicial de Incidente (CI) e, quando for
o caso, o Relatório Detalhado de Incidente (RDI) por meio de correio eletrônico para o
endereço incidentes.abastecimento@anp.gov.br. O comunicado e o relatório
detalhado devem ser enviados, preferencialmente, em formato digital de texto, no
próprio corpo do email ou como arquivo anexo nos formatos PDF, DOC ou DOCX.

De acordo com o Art. 2º da Resolução ANP nº 44/2009, está previsto que a


Comunicação Inicial de Incidente seja realizada imediatamente após a ocorrência do
evento. Convenciona-se na SAB o prazo de até 24 horas corridas como comunicação
imediata, exceto para o caso de interrupção não programada das operações por mais
de 24 horas, em que o prazo é de 48 horas.

Estão dispensados da apresentação de Comunicação Inicial de Incidente referente aos


itens 6 (Prejuízos materiais ao patrimônio próprio, à terceiros ou à população) e 7
(Interrupção não programada por mais de 24 horas) da Tabela 1 os agentes que atuam
no segmento de revenda de combustíveis e de GLP.

9
Conforme Art. 3º da supracitada Resolução, um Relatório Detalhado de Incidente (RDI)
deverá ser enviado à SAB em até 30 dias corridos após a ocorrência do incidente nos
seguintes eventos:

 Dano ao meio ambiente


 Dano à saúde humana
 Ferimentos Graves
 Ocorrências de Fatalidades
 Prejuízos materiais ao patrimônio próprio, a terceiros ou à população
 Paradas não programadas

Estão dispensados da apresentação do Relatório Detalhado de Incidente os agentes


que atuam no segmento de revenda de combustíveis e GLP, exceto quando
expressamente notificados a prestar esclarecimentos.

Para a melhoria do tratamento da informação oriunda de incidentes no abastecimento,


foi definida uma metodologia na qual os tipos de incidentes identificados neste
manual são incluídos de forma acumulativa. Dessa forma, um único evento pode ter
diversos tipos e classificações, permitindo assim em análise futura um tratamento
estatístico aprimorado para o relacionamento entre falhas, consequências e efeitos,
que será utilizado na formação de uma base de conhecimento para a melhoria futura
da regulação de segurança operacional.

As categorias de vazamento, descarga e incêndios definidas como “Significante”,


“Menor”, “Maior”, “Pequena”, “Média” e “Grande” não são aditivas entre si e a cada
incidente deve ser atribuído apenas uma destas, sem prejuízo da adição de outros
tipos.

As informações sobre um acidente em curso devem estar sempre atualizadas junto à


ANP, conforme demanda a Resolução ANP 44/2009. No caso da evolução de um
cenário acidental já comunicado, o evento deve ser retificado e não informado como
um novo evento.

As Fatalidades e os Ferimentos Graves não incluem as ocorrências ocasionadas por


doenças profissionais e mortes naturais ocorridos nas instalações reguladas.

10
INCIDENTES COMUNICÁVEIS

1. RISCO DE DANO AO MEIO AMBIENTE OU À SAÚDE HUMANA


1.1. Quase incidentes comunicáveis
Conforme Art. 3º da Resolução ANP nº 44/2009, todas as situações mencionadas nessa
classe de incidentes não requerem o envio de Relatório Detalhado de Incidente.
Contudo, algumas considerações devem ser observadas para que o incidente seja
enquadrado nessa classe.

1.1.1. Vazamento significante de derivados de petróleo ou


biocombustível
Vazamento de derivados de petróleo ou biocombustível com volume entre 0,16 m 3 e 8
m3, desde que contidos pelo sistema de drenagem oleosa e direcionados para caixa
Separadora de Água e Óleo (SAO) ou Estação de Tratamento de Efluentes (ETE).

Nota: Nos casos em que o vazamento não seja contido por esse sistema ou ocorra
direcionamento deste para terrenos de solo permeável, rios, lagos, águas marítimas ou
sistema de drenagem de águas pluviais, o evento deverá ser tratado como um dano ao
meio ambiente.

1.1.2. Vazamento maior de derivados de petróleo ou biocombustível


Vazamento de derivados de petróleo ou biocombustível com volume acima de 8 m3,
desde que contidos pelo sistema de drenagem oleosa e direcionados para caixa
Separadora de Água e Óleo (SAO) ou Estação de Tratamento de Efluentes (ETE).

Nota: Nos casos em que o vazamento não seja contido por esse sistema ou ocorra
direcionamento deste para terrenos de solo permeável, rios, lagos, águas marítimas ou
sistema de drenagem de águas pluviais, o evento deverá ser tratado como um dano ao
meio ambiente.

1.1.3. Vazamento de substâncias nocivas ou perigosas


Vazamento de substâncias que possam causar danos ao meio ambiente, à saúde
humana, ferimentos graves ou fatalidades desde que totalmente contidos.

Dentre estas podemos citar: ácidos, bases, líquidos corrosivos, metais pesados,
substâncias e resíduos tóxicos entre outros.

Nota: Nos casos em que o vazamento não seja totalmente contido por um sistema de
drenagem ou ocorra direcionamento deste para terrenos de solo permeável, rios,
lagos, águas marítimas ou sistema de drenagem de águas pluviais, o evento deverá ser
tratado como um dano ao meio ambiente.

11
1.1.4. Vazamento significante de gás inflamável
Vazamento de gás inflamável (notadamente GLP e GNV) em que a taxa de liberação é
maior que 0,1 kg/s com uma duração entre 2 e 5 minutos ou uma quantidade entre 12
kg e 30 kg durante o evento.

No caso de revenda varejista de GLP ou posto revendedor com GNV, qualquer


vazamento a partir de 1 kg deve ser reportado.

1.1.5. Vazamento de produto seguido de flash


Vazamento de material inflamável, ocorrendo flash e não originando qualquer dano ao
patrimônio, à saúde humana ou ao meio ambiente.

Note que a ocorrência de flash deverá ser comunicada independente de ser


identificada a origem do vazamento.

1.1.6. Ferimentos leves e moderados


Ferimentos decorrentes de incidente operacional que não estejam enquadrados como
ferimentos graves.

1.1.7. Inalação de vapores


Ocorrência de náusea, irritação ocular, tontura, cefaleia ou qualquer outro mal estar
decorrente de inalação de vapores, após descarga de derivados de petróleo (inclusive
GLP e GNV), biocombustíveis, substâncias nocivas ou perigosas, desde que não ocorra
perda de consciência ou constatação de sequelas.

1.1.8. Queda de pessoas


Ocorrência de queda de pessoa de uma altura superior a 2 metros desde que a queda
não provoque ferimentos graves.

1.1.9. Queda de objetos


Ocorrência de queda de objeto de uma altura superior a 2 metros e com energia
potencial superior a 20 J.

Nota: Para o cálculo da energia potencial do objeto, multiplique seu peso em quilos
(kg) pela altura da queda em metros (m).

12
1.1.10. Furto de produto
Ocorrência furto de produto que seja regulado pela ANP, como derivados de petróleo
e biocombustíveis, dentro das instalações do agente regulado.

1.1.11. Quase acidentes de alto potencial


Devem ser considerados como Quase Acidentes de alto potencial quaisquer Quase
Acidentes diretamente ligados à operação da instalação em que haja potencial de risco
de ocasionar danos à saúde humana, ferimentos graves e/ou fatalidades, ou de causar
danos ao meio ambiente de acordo com as classificações indicadas neste manual.

13
2. DANO AO MEIO AMBIENTE
Nota: Os eventos aqui listados como “Dano ao Meio Ambiente” são eventos de
poluição que causam ou podem causar danos ambientais, não implicando que a
comunicação realizada pelo Agente Regulado seja considerada como declaração
própria de ocorrência de dano comprovado ao meio ambiente.

A atuação da ANP restringe-se ao recebimento de informações dos incidentes para a


resposta e fiscalização dos requisitos normativos no âmbito administrativo, além da
análise de causas de eventos para atuação corretiva.

A ocorrência ou não do dano ao meio ambiente dos eventos abaixo listados deve ser
identificada posteriormente ao evento, mediante atuação de órgãos competentes,
com o uso de todas as informações acerca do evento e cumprindo os requisitos
legislativos em vigor.

2.1. Perda de contenção


Deverão ser considerados todos os vazamentos nos quais derivados de petróleo,
biocombustíveis e demais substâncias nocivas ou perigosas não sejam totalmente
contidos por um sistema de drenagem ou ocorra direcionamento destes para terrenos
de solo permeável, rios, lagos, águas marítimas, sistema de drenagem de águas
pluviais ou diretamente para a atmosfera (no caso de gases como o GLP e o GNV).

Quaisquer liberações de gás com uma taxa menor de 0,1 kg/s ou uma quantidade
inferior a 1 kg não deverão ser consideradas para efeitos deste tipo de evento.

Nota: Para cálculo das taxas de liberação de gás pode ser utilizada a equação (1)
indicada abaixo, quando não houver método mais preciso para cálculo.

(1)

Onde:
d = diâmetro equivalente do furo (mm), ou seja, diâmetro do disco de área
idêntica à área do furo transversal ao fluxo
ρ = densidade do gás em kg/m3 (na pressão de operação)
Po= Pressão de operação em bar

Conforme citado anteriormente, no caso específico de Vazamentos ou Descargas de


um determinado tipo de substância não se aplica o princípio cumulativo adotado para
os demais incidentes. Estes eventos devem ser considerados mutuamente excludentes
em sua categoria, ou seja, só se pode incluir um tipo de Vazamento para um
determinado tipo de substância. Por exemplo, um Vazamento com 2 kg/s de taxa de
liberação, com um total vazado de 500 kg de gás liquefeito de petróleo (GLP), tendo
ocasionado um Incêndio Maior e um Ferimento Grave deve ser incluído como

14
Descarga Maior de gás inflamável, Incêndio Maior e Ferimento Grave, não sendo
cabível a comunicação cumulativa como Vazamento Significante de gás inflamável e
Descarga Significante de gás inflamável.

Para incidentes em águas jurisdicionais brasileiras (notadamente rios, lagos e águas


marítimas) devem ser observados os requisitos da Lei nº 9966, de 28 de abril de 2000 e
do Decreto nº 4136 de 20 de fevereiro de 2002. Como a legislação não atribui valores
mínimos de Descargas a serem comunicados, todos os incidentes de derramamento
das atividades descritas na legislação supracitada devem ser comunicados à ANP.

A seguir estão identificados os tipos de incidentes de perda de contenção bem como


as linhas de corte estabelecidas para esta comunicação.

2.1.1. Descarga menor de derivados de petróleo ou biocombustível


Descarga de derivados de petróleo ou biocombustível com volume inferior a 1 m3 que
não foram totalmente contidos um por um sistema de drenagem ou que ocorreu
direcionamento destes para terrenos de solo permeável, rios, lagos, águas marítimas
ou sistema de drenagem de águas pluviais.

2.1.2. Descarga pequena de derivados de petróleo ou biocombustível


Descarga de derivados de petróleo ou biocombustível com volume entre 1 m 3 e 8 m3
que não foram totalmente contidos um por um sistema de drenagem ou que ocorreu
direcionamento destes para terrenos de solo permeável, rios, lagos, águas marítimas
ou sistema de drenagem de águas pluviais.

2.1.3. Descarga média de derivados de petróleo ou biocombustível


Descarga de derivados de petróleo ou biocombustível com volume entre 8 m3 e 200 m3
que não foram totalmente contidos um por um sistema de drenagem ou que ocorreu
direcionamento destes para terrenos de solo permeável, rios, lagos, águas marítimas
ou sistema de drenagem de águas pluviais.

2.1.4. Descarga grande de derivados de petróleo ou biocombustível


Descarga de derivados de petróleo ou biocombustível com volume maior que 200 m 3
que não foram totalmente contidos um por um sistema de drenagem ou que ocorreu
direcionamento destes para terrenos de solo permeável, rios, lagos, águas marítimas
ou sistema de drenagem de águas pluviais.

2.1.5. Descarga de substâncias nocivas ou perigosas


Descarga de substâncias que possam causar danos ao meio ambiente, à saúde humana,
ferimentos graves ou fatalidades que não foram totalmente contidos por um sistema

15
de drenagem ou que ocorreu direcionamento destas para terrenos de solo permeável,
rios, lagos, águas marítimas ou sistema de drenagem de águas pluviais.

2.1.6. Descarga significante de gás inflamável


Descarga de gás inflamável (notadamente GLP e GNV) em que a taxa de liberação está
entre 0,1 kg/s e 1,0 kg/s com uma duração acima de 5 minutos ou uma quantidade
entre 30 kg e 300 kg durante o evento.

2.1.7. Descarga maior de gás inflamável


Descarga de gás inflamável (notadamente GLP e GNV) em que a taxa de liberação é
maior que 1 kg/s com uma duração maior que 1 minuto ou uma quantidade maior do
que 300 kg durante o evento.

16
3. DANO À SAÚDE HUMANA
Além dos ferimentos graves e fatalidades que são danos à saúde humana destacados
em categorias próprias, destacam-se os seguintes eventos a serem comunicados à ANP.

3.1. Reação adversa a substâncias nocivas ou perigosas


Qualquer evento onde ocorra uma reação alérgica, fortes náuseas/enjoos ou demais
reações decorrentes da exposição de integrantes da força de trabalho a substâncias
nocivas ou perigosas.

17
4. FERIMENTOS GRAVES
Os Ferimentos Graves comunicáveis são os ferimentos decorrentes da Operação da
Instalação e estão claramente identificados no parágrafo único, inciso II do artigo 1º da
Resolução ANP nº 44/2009 transcrito a seguir.

“ferimento grave: qualquer ocorrência, decorrente de fato ou ato intencional ou


acidental, envolvendo:
a) fratura (excluindo de dedos);
b) amputação;
c) perda de consciência devido à asfixia ou à exposição a substâncias nocivas ou
perigosas;
d) lesão de órgãos internos;
e) deslocamento de articulações;
f) perda de visão;
g) hipotermia ou outras doenças relacionadas à exposição à temperaturas extremas;
ou
h) necessidade de internação por mais de 24 (vinte e quatro) horas.”

Nota: São incluídos nos ferimentos descritos no item g) os casos de queimaduras de 2º


e 3º graus.

Tais eventos devem ser reportados à ANP de acordo com as definições a seguir.

4.1. Ferimentos graves em empregado do operador da instalação


Quando como consequência de Incidente Operacional tenha ocorrido qualquer um dos
danos à saúde categorizados como ferimentos graves em empregados do Operador da
Instalação (empresa(s) detentora(s) da Autorização).

4.2. Ferimentos graves em empregado contratado pelo operador da


instalação e seus subcontratados
Quando como consequência de Incidente Operacional tenha ocorrido qualquer um dos
danos à saúde categorizados como ferimentos graves em empregado contratado pelo
Operador da Instalação e seus subcontratados.

4.3. Ferimentos graves em pessoal alheio à instalação decorrente de


incidente operacional
Quando como consequência de Incidente Operacional tenha ocorrido qualquer um dos
danos à saúde categorizados como ferimentos graves em pessoa não incluída nos
subitens 4.1 e 4.2.

18
5. OCORRÊNCIA DE FATALIDADES
As Fatalidades comunicáveis são os óbitos decorrentes de incidentes ocorridos na
Operação da Instalação desde que estas ocorram em até um ano da data do incidente.
Estes eventos devem ser comunicados seguindo a tipificação apresentada a seguir. São
excluídos destes eventos os óbitos ocorridos por causas naturais e em acidentes de
trânsito.

As Fatalidades não devem ser contabilizadas como Ferimentos Graves.

5.1. Fatalidade de empregado do operador da instalação


Quando como consequência de Incidente Operacional tenha ocorrido o óbito de
pessoa contratada pelo Operador da Instalação (empresa(s) detentora(s) da
Autorização).

5.2. Fatalidade de empregado contratado pelo operador da instalação e


seus subcontratados
Quando como consequência de Incidente Operacional tenha ocorrido o óbito de
pessoa contratada pelo Operador da Instalação e seus subcontratados.

5.3. Fatalidade de pessoal alheio à instalação decorrente de incidente


operacional
Quando como consequência de Incidente Operacional tenha ocorrido o óbito de
qualquer pessoa não incluída nos subitens 5.1 e 5.2.

19
6. PREJUÍZOS MATERIAIS AO PATRIMÔNIO PRÓPRIO, A TERCEIROS OU À
POPULAÇÃO
6.1. Falhas estruturais
6.1.1. Falhas nas estruturas das instalações que possam comprometer a
segurança do local
Falhas devido à fadiga mecânica, corrosão ou desgaste de estruturas que possam
comprometer a segurança ou operação normal da instalação.

6.1.2. Danos nas estruturas das instalações decorrentes de incidente


operacional
Danos nas estruturas da instalação ocorridos devido à incidente operacional.

6.2. Eventos navais


6.2.1. Danos em embarcações e píeres que possam comprometer a
segurança do local
Danos em embarcações como balsas de combustível, postos revendedores flutuantes,
postos revendedores marítimos e embarcações utilizadas por Transportador
Revendedor Retalhista na Navegação Interior (TRRNI), assim como em Píeres utilizados
no carregamento e descarregamento de combustíveis que possam comprometer a
segurança ou operação normal da instalação.

6.2.2. Afundamento/naufrágio de embarcação ou instalações de


armazenamento flutuantes
Afundamento/naufrágio de embarcações como balsas de combustível e embarcações
utilizadas por Transportador Revendedor Retalhista na Navegação Interior (TRRNI),
assim como postos revendedores flutuantes, postos revendedores marítimos e demais
instalações de armazenamento de combustíveis flutuantes.

6.3. Eventos de transporte


6.3.1. Incidentes envolvendo caminhões tanque ou vagões tanque sob
responsabilidade do agente regulado ou de empresa coligada
Acidentes rodoviários envolvendo caminhões tanque ou incidentes envolvendo vagões
tanque sob responsabilidade do agente regulado ou de empresa coligada ao agente
regulado desde que tenha ocorrido vazamento de produto.

20
6.4. Incêndios
6.4.1. Princípio de incêndio
Qualquer incêndio que tenha sido debelado ou interrompido de forma que não tenha
causado danos que o qualifiquem como Incêndio Maior ou Significante.

6.4.2. Incêndio significante


Qualquer incêndio que cause:

a) Ferimento que cause um ou mais dias de afastamento e que não seja categorizado
como Ferimento Grave;

b) Dano a uma Instalação que é julgado com potencial de causar fatalidade(s) ou


Ferimento(s) Grave(s);

c) Dano a uma Instalação que tenha ocasionado mobilização de pessoal para ponto de
reunião, ponto de encontro ou abandono da unidade; ou

d) Dano Severo que comprometa significantemente a integridade estrutural de uma


Instalação (de uma perspectiva de meio ambiente ou segurança), caso esta continue
operando sem reparo imediato.

6.4.3. Incêndio maior


Qualquer incêndio que cause:

a) Fatalidade(s) ou Ferimento(s) grave(s)

b) Perda da instalação; ou

c) Dano para a Instalação que cause uma parada não programada de no mínimo 72
(setenta e duas) horas;

6.5. Explosões
6.5.1. Explosão de atmosfera explosiva
Ignição de atmosfera explosiva criada a partir do Vazamento de fluidos inflamáveis
com consequente sobrepressão nas redondezas.

6.5.2. Explosão mecânica


Explosão de equipamentos pressurizados, vasos de pressão (inclusive de GLP e GNV),
caldeiras e suas tubulações ocasionando sobrepressão nas redondezas.

21
7. INTERRUPÇÃO NÃO PROGRAMADA POR MAIS DE 24 HORAS
7.1. Paradas não programadas
7.1.1. Parada não programada superior a 24 horas decorrente de
incidente operacional

Parada não planejada de uma Instalação por período superior a 24 (vinte e quatro)
horas.

22

Você também pode gostar