Você está na página 1de 9

FUNDAÇÃO TÉCNICO EDUCACIONAL SOUZA

MARQUES

TRATAMENTO TÉRMICO

REVENIDO
TURMA: E361M

[2011]
2

FUNDAÇÃO TÉCNICA EDUCACIONAL SOUZA MARQUES


NOME(S) DO(S) ACADÊMICO(S)
Número(s)
FACULDADEda(s)
DEmatrícula(s)
ENGENHARIA

TRATAMENTO TÉRMICO

REVENIDO

Alunos: Luiz Antonio Paulo de Lima; Thiago fernandes;

RIO DE JANEIRO, 10 de março de 2011.


RESUMO

Este relatório visa a análise de tratamento térmico do tipo revenido, e comparação das
amostras temperada e outra com revenido após a tempera. Amostras utilizadas: aço SAE
1045. Pontos estudados: dureza Rockwell, e aspectos micrográfico.
4

INTRODUÇÃO

Os tratamentos térmicos consistem, essencialmente em aquecer o material a uma certa


temperatura e esfriá-lo em determinadas condições.
Esses tratamentos podem ser: recozimento, têmpera e revenido.
A têmpera tende a tornar o aço excessivamente rígido (pouca elasticidade) e frágil
(pouca resistência ao choque) e a criar tensões internas, o que é corrigido pelo revenido, que
consiste em reaquecer a peça temperada a uma temperatura abaixo da zona crítica (723 °C) e
esfriá-la lentamente. Com o revenido diminui-se progressivame a dureza, o limite de
resistência, o limite de escoamento, mas aumenta o alongamento, a estricção e resistência ao
choque.
5

OBJETIVO DO ALÍVIO DE TENSÕES

• Ajustar uma determinada propriedade;


• Aumentar a Tenacidade;
• Diminuir as tensões internas;

CURVAS DO REVENIDO

PARÂMETROS DO ALÍVIO DE TENSÕES

1. Temperatura de aquecimento; θ=600 °C


• Θ ≤ 100 °C : martensita, textura de agulha.
• 100 < θ ≤ 400 °C: Troostita ou perlita fina.
• 400 < θ ≤ 600 °C: Sorbita.
• 600 < θ ≤ 700 °C: Esferoidita.

Martensita > Troostita > Sorbita > Esferoidita

2. Tempo de permanência na temperatura de aquecimento ou tempo de encharque.

T= 20 min/cm da menor dimensão da peça. 20min/cm x 1,5= 30 min.

3. Velocidade de resfriamento:
Lenta.

4. Propriedade desejada.
Ex: Ajuste de dureza.
6
7

MATERIAIS UTILIZADOS

• Corpo de prova SAE 1045; corpo de prova marcado com a letra B.


• Lixas das seguintes granulometria: 100, 220, 320, 400, 500 e 600;
• Lixadeira;
• Água;
• Álcool;
• Tenaz;
• Politriz;
• Alumina de 1μ;
• Forno;
• Nital 2%;
• Microscópio;
• Máquina fotográfica;
• Durometro Rockwell;
8

PROCEDIMENTO

• Colocar peça no forno e aquecer até 600 °C.


• Deixar a esta temperatura durante 30 minutos.
• Desligar o forno e deixar a peça resfriar no interior do forno.
• Começar a lixar, na lixa 100 até todos os riscos ficarem na mesma direção e superfície
plana, vira-se a peça 90° e lixa-se com a lixa 220 até todos os riscos da lixa anterior
desaparecerem, gira-se 90° passando para a lixa 320 e assim sucessivamente até a lixa
600.
• Lavar a peça com água para remoção dos resíduos das lixas.
• Fazer o polimento na politriz, usando a alumina como lubrificante.
• Lava-se a peça com água passando um algodão molhado, para retirada das manchas
brancas da alumina.
• Joga-se álcool e seca-se com secador.
• Faz-se o ataque com o Nital 2% durante 8 segundos.
• Lava-se a peça com água, joga-se álcool e seca-se com secador.
• Faz-se análise no microscópio comparando as mostras com e sem o revenido.
• Tira-se uma foto da superfície polida da amostra com o revenido.
• Faz-se o ensaio de dureza nas amostras.
9

CONCLUSÃO

A experiência não foi concluída por falta de tempo, ficando para a próxima
aula os resultados finais.