Você está na página 1de 246

Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.

br

Química Orgânica
1° Semestre
Curso Anual de Química
Prof. Alexandre Oliveira
Assunto Página
Módulo 01 - Introdução à Química Orgânica 03

Módulo 02 - Funções Orgânicas – I 53

Módulo 03 - Funções Orgânicas – II 87

Módulo 04 - Isomeria Constitucional e Estereoisomeria: 131

Isomeria cis-trans
Módulo 05 - Estereoisomeria – Isomeria óptica 159

Módulo 06 - Isomeria Conformacional 203

Módulo 07 - Acidez e Basicidade de Compostos Orgânicos 225

www.cursoanualdequimica.com
www.vestcursos.com

1
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

2
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

MÓDULO 01
Introdução à Química Orgânica
Para se manterem vivos, desde cedo os seres humanos têm de ser capazes de distinguir entre dois tipos de
materiais em seu mundo. “Você pode manter-se de raízes e grãos”, alguém deve ter dito, “mas você não pode
viver na sujeira. Você pode ficar aquecido queimando galhos de árvore, mas você não pode queimar pedras.’
Por volta do século XVIII, os cientistas pensaram ter entendido a essência dessa diferença, e, em 1807. Jöns
Jakob Berzelius deu nome aos dois tipos de materiais. Acreditava-se que substâncias derivadas de organismos
vivos continham uma força vital imensurável – a essência da vida. Estas foram denominadas “orgânicas”.
Substâncias derivadas de minerais – e as quais faltava essa força vital – eram “inorgânicas”.
Muitas das substâncias existentes em produtos naturais são conhecidas desde a Antiguidade. Por exemplo, o
vinho, obtido pela fermentação da uva, e o álcool, obtido pela destilação de sucos fermentados.
Entretanto, somente no século XVIII teve início a sistematização dos processos
de obtenção de substâncias a partir de produtos naturais. O químico sueco Karl Wilhelm Scheele, por exemplo,
fez uma série de extrações de substâncias a partir de produtos naturais.
Nessa mesma época, ou seja, no ano de 1777, surge pela primeira vez a expressão Química Orgânica,
introduzida na literatura química pelo químico sueco Torben Olof Bergman (1735-1784).
Desse modo, de acordo com Bergman, temos:
 compostos orgânicos: substâncias dos organismos vivos;
 compostos inorgânicos: substâncias do reino mineral.

A Teoria da Força Vital


Após o conhecimento de um grande número de substâncias extraídas de organismos vivos, começou-se a
perceber que elas apresentavam semelhanças entre si e acentuadas diferenças de composição e de propriedade em
relação às substâncias do reino mineral. Posteriormente, o químico francês Antoine Laurent de Lavoisier (1743-
1794), depois de muitas análises, concluiu que o elemento carbono está presente em todas as substâncias
provenientes de organismos vivos.
No início do século XIX nascia uma ideia errada, segundo a qual as substâncias extraídas de organismos vivos
não podiam ser produzidas em laboratório, pois só poderiam ser formadas com a interferência de uma força vital,
existente apenas nos organismos vivos. Essa ideia ficou conhecida como a Teoria da Força Vital, defendida
ardorosamente pelo célebre químico sueco Jôns lakob Berzelius, que dizia:

“Na natureza viva os elementos estão sujeitos a leis diversas que os da natureza privada de vida. Assim sendo, os
compostos orgânicos não podem ser formados somente sob a influência de forças físicas e químicas comuns, mas
necessitam da intervenção de uma força vital particular”.

Não concordando com a ideia da força vital, o químico alemão Friedrich Wohler, discípulo e amigo de
Berzelius, após inúmeras tentativas conseguiu, em 1828, por acaso, preparar em laboratório a substância ureia
(já conhecida e extraída da urina dos animais) sem a intervenção de qualquer força vital. Isso foi feito por simples
aquecimento do composto cianato de amônio, pertencente ao reino mineral. Veja:

Essa preparação é conhecida hoje como síntese de Wõhler.


A síntese de Wõhler tem importância histórica muito grande, pois foi a partir dela que os cientistas começaram
realmente a preparar os compostos orgânicos em laboratório.
3
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

As análises dos compostos orgânicos revelam a presença do elemento carbono. Por isso, em 1848, Leopold
Gmelin (1788-1853) reconheceu claramente que o carbono é o elemento fundamental dos compostos orgânicos,
e em 1858 Friedrich August Kekulé (1829-1896) definiu a Química Orgânica como sendo a química dos
compostos de carbono. Isso se conserva até hoje, pois atualmente são aceitos os seguintes conceitos:

Química Orgânica é o ramo da Química que estuda os compostos do carbono.

Composto orgânico é a substância que contém o elemento carbono na sua constituição, seja ela existente ou
não em organismo vivo.

Atualmente são conhecidos alguns milhões de compostos orgânicos, número esse que aumenta
assustadoramente a cada dia.
Você certamente pode perceber que os compostos orgânicos têm ação notável na Medicina, na indústria e na
nossa vida diária.

O Elemento Químico Carbono

Como o carbono é a unidade fundamental dos compostos orgânicos, torna-se necessário um conhecimento
mais profundo sobre esse elemento. Desse modo, podemos saber o que ele tem de especial para poder formar
tantos compostos.
A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada a partir da segunda metade do século XIX, com
as ideias de Archibald Scott Couper (1831-1892) e Kekulé sobre o comportamento químico do carbono. Dentre
essas ideias, hoje conhecidas por postulados de Couper-Kekulé, três são fundamentais.

1.° postulado: O átomo de carbono é tetravalente Este postulado nos mostra que o átomo de carbono pode
estabelecer quatro pares eletrônicos, ou seja, quatro ligações covalentes. Veja por que:

O átomo de carbono tem número atômico 6, o que significa que ele apresenta seis elétrons distribuídos nas
camadas K e L. Por apresentar quatro elétrons na última camada (L), o carbono pode compartilhar quatro
elétrons com outros átomos, de modo a completar o octeto e, assim, se estabilizar.

O carbono apresenta quatro unidades de valência:

4
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

2.° postulado: As quatro unidades de valência do carbono são iguais entre si.
Um composto de fórmula molecular CH3Br apresenta as seguintes fôrrnulas eletrônica e estrutural
plana:

Está provado que só existe um composto de fórmula CH 3Br, o que nos permite dizer que as quatro
fórmulas acima representam um único composto. Esse fato nos leva, então, à conclusão de que as quatro valências
do carbono são exatamente iguais entre si.

3.° postulado: Átomos de carbono ligam-se diretamente entre si, formando estruturas denominadas cadeias
carbônicas.
A capacidade que átomos de um mesmo elemento têm de se ligarem entre si é característica de alguns
elementos, tais como enxofre, nitrogênio, oxigênio e fósforo.
Quando dois átomos se ligam através de um único par eletrônico, a ligação recebe o nome de ligação simples.
Quando dois átomos se ligam através de dois pares eletrônicos, a ligação recebe o nome de ligação dupla.
Quando dois átomos se ligam através de três pares eletrônicos, a ligação recebe o nome de ligação tripla.

Cadeia carbônica é a estrutura formada por átomos de carbono ligados entre si, podendo haver, entre
dois carbonos, um átomo de outro elemento, que recebe o nome de heteroátomo.

A ligação covalente

Ligação covalente: é a ligação formada pelo compartilhamento de elétrons entre os átomos envolvidos na
ligação. Ocorre envolvendo principalmente átomos de hidrogênio e ametais, como por exemplo: H 2, O2, HCl,
SO2, H2SO4.

5
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Orbitais atômicos:
Um orbital é uma região tridimensional em tomo do núcleo onde há a probabilidade de se encontrar um
elétron.

Observe a formação de algumas moléculas através de ligações covalentes simples:

a) a molécula de H2

b) a molécula de HCl

6
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

c) a molécula de Cl2

Observe também a formação da molécula de N2, que apresenta uma ligação covalente tripla.
d) a molécula de N2

7
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

A hibridação do Carbono

A hibridação consiste numa "mistura" de orbitais atômicos puros. Assim, os orbitais atômicos
híbridos surgem da fusão de orbitais atômicos puros, de tal modo que esses orbitais híbridos sejam
equivalentes entre si e diferentes dos orbitais puros originais.

De acordo com a distribuição eletrônica, o átomo de carbono deveria ser bivalente, pois apresenta
somente dois elétrons em orbitais Px e Py disponíveis para formar pares eletrônicos.
A teoria da hibridização consegue explica o fato de o carbono ser tetravalente.

a) Hibridação sp3 do carbono:

8
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

b) Hibridação sp2 do carbono:

9
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

c) Hibridação sp do carbono:

10
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Estruturas de Lewis, Kekulé e condensadas


Estruturas de Lewis
Os símbolos químicos que temos usado, nos quais os elétrons de valência são representados por pontos. são
chamados estruturas de Lewis. Essas estruturas são úteis porque nos mostram que átomos são ligados juntos e
nos deixam saber quando qualquer átomo possui pares de elétrons livres ou tem carga formal.
As estruturas de Lewis para H2O. H3O+. H3O+ e H2O2 são mostradas a seguir:

par de elétrons livres

H H
H O H O H H O H O O H
água íon hidrônio íon hidróxido peróxido de hidrogênio

Ao desenhar uma estrutura de Lewis, tenha certeza de que os átomos de hidrogênio estejam rodeados por
apenas dois elétrons e que C, O, N e átomos de halogênio (F, Cl, Br. I) estejam rodeados por não mais que oito
elétrons – a regra do octeto deve ser obedecida. Elétrons de valência não utilizados em ligações são chamados
elétrons não-compartilhados ou pares de elétrons livres.

Uma vez que os átomos e elétrons estão no lugar, cada átomo deve ser examinado para ver quando urna
carga pode ser designada para ele. Uma carga positiva ou negativa designada a um átomo é chamada carga formal;
o átomo de oxigênio no íon hidrônio tem carga formal + 1, e o átomo de oxigênio no íon hidróxido tem carga
formal – 1 Uma carga formal é a diferença entre o número de elétrons de valência que um átomo tem quando
não está ligado a nenhum outro átomo e o número de elétrons que “possui” quando está ligado. Um átomo “possui’
todos os seus pares de elétrons livres e metade de seus elétrons (compartilhados) em ligação.

Carga formal = número de elétrons de valência –


(número de elétrons livres + 1/2 do número de elétrons em ligação)

Por exemplo, um átomo de oxigênio tem seis elétrons de valência. Na água (H 2O), o oxigênio “possui” seis
elétrons (quatro elétrons livres e metade de quatro elétrons em ligação). Como o número de elétrons que ele
“possui’ é igual ao número de elétrons de valência (6 – 6 = 0), o átomo de oxigênio na água não tem carga formal.
No íon hidrônio (H3O+) ele “possui” cinco elétrons: dois elétrons livres mais três (metade de seis) elétrons ligantes.
Como o número de elétrons que ele “possui” é um a menos que o número de elétrons de valência (6 – 5 = 1), sua
carga formal é +1. O oxigênio no íon hidróxido (HO–) “possui” sete elétrons: seis elétrons livres mais um (metade
de dois) elétron ligante. Como “possui” um elétron a mais que seus elétrons de valência (6 – 7 = –1), sua carga
formal é – 1.

Sabendo que o nitrogênio tem cinco elétrons de valência, certifique-se de que a carga formal apropriada foi
designada ao átomo de nitrogênio nas estruturas de Lewis a seguir:

H
H N H H N H H N H N N H
H H H H H
amônia íon amônio ânion amideto hidrazina

O carbono tem quatro elétrons de valência. Pense por que o átomo de carbono nas estruturas de Lewis
abaixo tem a carga formal indicada:

11
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

H H H H H H
H C H H C H C H C H C C H
H H H H H H
metano cátion metila ânion metila radical etano
um carbocátion um carbânion metila

Uma espécie que contém átomos de carbono carregados positivamente é chamada carbocátion, e uma
espécie que contém carbono carregado negativamente é chamada carbânion. (Relembre que um cátion é um íon
carregado positivamente e um ânion é um íon carregado negativamente.) Carbocátions eram formalmente
chamados íons carbônios; tal termo pode ser visto em livros de química antigos. Uma espécie que contém um
átomo com apenas um único elétron desemparelhado é chamada radical (também chamada radical livre). O
hidrogênio tem um elétron de valência, e cada halogênio (E Cl, Br, 1) tem sete elétrons de valência, ficando as
espécies a seguir com as cargas formais indicadas:

H H H Br Br Br Br Cl Cl
íon íon radical íon radical bromo cloro
hidrogênio hidreto hidrogênio brometo bromo

Estudando as moléculas nesta seção, note que, quando os átomos não carregam carga formal ou elétron
desemparelhado, o hidrogênio e os halogênios têm uma ligação covalente, o oxigênio sempre tem duas ligações
covalentes, o nitrogênio sempre tem três e o carbono, quatro. Note que (exceto pelo hidrogênio) a soma do número
de ligações e pares livres é quatro: os halogênios com uma ligação têm três pares livres; o oxigênio com duas
ligações tem dois pares livres; e o nitrogênio com três ligações tem apenas um par livre. Átomos que têm mais ou
menos ligações que o número necessário para um átomo neutro terão carga formal ou um elétron desemparelhado.
Esses números são muito importantes para se lembrar quando estamos desenhando estruturas de substâncias
orgânicas porque fornecem um método rápido para reconhecer se estamos cometendo um erro.

F Cl
H O N C
I Br

uma ligação uma ligação duas ligações três ligações quatro ligações

Nas estruturas de Lewis para CH2O, HNO3, CH2O, CO32– e N2, observe que cada átomo tem o octeto
completo (exceto o hidrogênio, que tem a última camada completa) e a carga formal apropriada. (Desenhando a
estrutura de Lewis para a substância que tem dois ou mais átomos de oxigênio, evite ligações simples oxigênio–
oxigênio. Essas são ligações fracas, e poucas substâncias as têm.)

O O O O
H C O H H O N O H C H O C O N N

Um par de elétrons compartilhados pode também ser mostrado como urna linha entre dois átomos. Compare
as estruturas anteriores com as seguintes:

O O O O
H C O H H O N O H C H O C O N N

Suponha que lhe foi pedido que desenhasse uma estrutura de Lewis. Neste exemplo vamos usar HNO2.
1. Determine o número total dos elétrons de valência (1 para H, 5 para N e 6 para cada O = 1 + 5 + 12 = 18).
12
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

2. Use o número de elétrons de valência para formar ligações e completar o octeto com elétrons livres.
3. Se depois que todos os elétrons tiverem sido designados algum átomo (outro que não o hidrogênio) não
tiver o octeto completo, use o elétron livre para formar dupla ligação.
4. Assinale a carga formal para qualquer átomo cujo número de elétrons de valência não seja igual ao
número de seus elétrons livres mais a metade de seus elétrons em ligação. (Nenhum dos átomos em
HNO2 tem carga formal.)

N não tem um use um par de elétrons para


octeto completo formar uma ligação dupla ligação dupla

H O N O H O N O

18 elétrons foram designados pelo uso de um par de elétrons livres


do oxigênio para formar uma ligação
dupla, N conseguiu um octeto completo

Estrutura de Kekulé
Nas estruturas de Kekulé os elétrons em ligação são desenhados como linhas, e os pares de elétrons livres
são normalmente inteiramente omitidos, a menos que sejam necessários para chamar a atenção de alguma
propriedade química da molécula. (Apesar de os pares de elétrons livres não serem mostrados, é preciso lembrar
que átomos neutros de nitrogênio, oxigênio e halogênio sempre os têm: um par no caso do nitrogênio, dois no
caso do oxigênio e três no caso do halogênio.)
O H H
H C O H H C N H O N O H C H H C N H
H H H
Estruturas condensadas
Frequentemente, estruturas são simplificadas pela omissão de alguma das ligações covalentes (ou todas) e
pela lista dos átomos ligados a um carbono particular (ou nitrogênio ou oxigênio) perto deste, com subscrição
para indicar o número daqueles átomos. Esse tipo de estrutura é chamada estrutura condensada. Compare as
estruturas anteriores com as seguintes:

HCO2H HCN HNO2 CH4 CH3NH2

Mais exemplos de estruturas condensadas e convenções mais utilizadas para criá-las são encontrados Tabela
1.1. Observe que desde que nenhuma das moléculas na tabela 1.1. tenha carga formal ou pares de elétrons livres,
cada C tem quatro ligações, cada N tem três, cada O tem duas e cada H ou halogênio tem uma ligação.

Tabela 1.1 – Estruturas de Kekulé e condensadas


Estrutura de Kekulé Estruturas condensadas

Átomos ligados ao carbono são mostrados à direita do carbono. Outros átomos que não sejam H podem ser
mostrados pendurados no carbono.

H H H H H H
H C C C C C C H CH3CHBrCH2CH2CHClCH3 ou CH3CHCH2CH2CHCH3
H Br H H Cl H Br Cl

13
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Grupos CH2 repetidos podem ser mostrados entre parênteses.

H H H H H H
H C C C C C C H CH3CH2CH2CH2CH2CH3 ou CH3(CH2)4CH3
H H H H H H

Grupos ligados ao carbono podem ser mostrados (entre parênteses) à direita do carbono ou pendurados no
carbono.

H H H H H H
H C C C C C C H CH3CH2CH(CH3)CH2CH(OH)CH3 CH3CH2CHCH2CHCH3
H H CH3 H OH H CH3 OH

Grupos ligados ao carbono à direita mais afastados não são postos entre parênteses.

H H CH3 H H CH3
H C C C C C H CH3CH2C(CH3)2CH2CH2OH ou CH3CH2CCH2CH2OH
H H CH3 H OH CH3

Dois ou mais grupos considerados idênticos ligados ao “primeiro” átomo à esquerda podem ser mostrados
(entre parênteses) à esquerda do átomo ou pendurado nele.

H H H H
H C N C C C H (CH3)2NCH2CH2CH3 ou CH3NCH2CH2CH3
H H C H H H H CH3
H

H H H H H
H C C C C C H (CH3)2CHCH2CH2CH3 ou CH3CHCH2CH2CH3
H H C H H H H CH3
H
Um oxigênio duplamente ligado a um carbono pode ser mostrado pendurado no carbono ou à direita dele.

14
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

O
CH3CH2CCH3 ou CH3CH2COCH3 ou CH3CH2C( O)CH3

O
CH3CH2CH2CH ou CH3CH2CH2CHO ou CH3CH2CH2CH O

O
CH3CH2COH ou CH3CH2CO2H ou CH3CH2COOH
O
CH3CH2COCH3 ou CH3CH2CO2CH3 ou CH3CH2COOCH3

Orbitais atômicos e moleculares


Ligação no metano

Figura
3
(a) Os quatro orbitais sp são orientados na direção do canto de um tetraedro, levando cada ângulo a ter
109,5°.
(b) Um desenho do orbital do metano, mostrando a sobreposição de cada orbital sp 3 do carbono com o orbital s
de um hidrogênio. (Para simplificar, os lobos menores do orbital sp 3 não são mostrados.)

Ligação no etano

15
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Figura
Ilustração do etano. A ligação C – C é formada pela sobreposição sp3 – sp3, e cada ligação C – H é formada
pela sobreposição sp3 – s. (Os lobos menores dos orbitais sp3 não são mostrados).

Ligação no eteno: uma ligação dupla

Figura
Carbono hibridizado em sp2. Os três orbitais sp2 degenerados ficam no plano. O orbital p não hibridizado é
perpendicular ao plano. (Os lobos menores dos orbitais sp 2 não são mostrados.)

A Figura
(a) Uma ligação C – C no eteno e uma ligação a formada pela sobreposição de sp2 – sp2, e as ligações C – H
são formadas pela sobreposição sp2 – s. (b) A segunda ligação C – C é uma ligação  formada pela
sobreposição lado a lado de um orbital p de um carbono com o orbital p do outro. (c) Há um acúmulo de
densidade eletrônica acima e abaixo do plano que contém os dois átomos de carbono e os quatro de
hidrogênio.

16
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Quatro elétrons mantêm os carbonos unidos em uma ligação dupla C – C; apenas dois elétrons ligam os
átomos de carbono em uma ligação simples C – C. Isso significa que uma ligação dupla C – C é mais forte (174
kcal/mol ou 728 kJ/mol) e menor (1,33 A) que uma ligação simples C – C (90 kcal/mol ou 377 kJ/mol, e 1,54 A).

Ligação em etino: uma ligação tripla

Figura
Carbono hibridizado em sp. Os dois orbitais sp são orientados 180° distantes um do outro, perpendicular aos
dois orbitais p não hibridizados. (Os lobos menores do orbital sp não são mostrados.)

A Figura
(a) A ligação , C-C no etino é formada pela sobreposição sp – sp, e as ligações C – H são formadas pela
sobreposição sp – s. Os átomos de carbono e os átomos ligados a ele estão em linha reta. (b) As duas ligações
 carbono-carbono são formadas pela sobreposição lado a lado do orbital p de um carbono com o orbital p do
outro carbono. (c) A ligação tripla tem região eletrônica densa acima e abaixo, e na frente e atrás do eixo
internuclear da molécula.

Como os dois átomos de carbono na ligação tripla são mantidos unidos por seis elétrons, uma ligação tripla é mais
forte (231 kcal/mol ou 967 kJ/mol) e menor (1,20 A) que uma ligação dupla.

17
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

O cátion metila (+CH3)


O carbono carregado positivamente no cátion metila é ligado a três átomos, de modo que ele hibridiza três orbitais
- um s e dois p. Portanto, ele forma suas três ligações covalentes usando orbitais sp 2. Seu orbital p não hibridizado
fica vazio. O carbono carregado positivamente e os três átomos ligados a ele ficam no plano. O orbital p fica
perpendicular ao plano.

O radical metila (CH3)


O átomo de carbono no radical metila também é hibridizado em sp2. O radical metila difere do cátion metila por
um elétron desemparelhado. Tal elétron está no orbital p. Observe a semelhança nos modelos bola e vareta do
cátion metila e do radical metila. Os mapas potenciais, entretanto, são bem diferentes por causa da adição de um
elétron no radical metila.

O ânion metila (-CH3)


O carbono carregado negativamente no ânion metila tem três pares de elétrons ligantes e um par livre. Os quatro
pares de elétrons estão bem distantes quando os quatro orbitais que contêm os elétrons ligantes e os livres apontam
para o canto de um tetraedro. Em outras palavras, um carbono carregado negativamente é hibridizado em sp 3. No
ânion metila, três dos orbitais sp3 do carbono se sobrepõem cada um ao orbital s de um hidrogênio, e o quarto
orbital sp3 segura o par livre.

18
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Compare os mapas do potencial para cátion metila, o radical metila e o ânion metila.

Ligação na água
O átomo de oxigênio na água (H2O) forma duas ligações covalentes. Como o oxigênio tem dois elétrons
desemparelhados na configuração eletrônica da sua camada de valência (Tabela 1.2), ele não precisa promover
um elétron para formar o número (dois) de ligações covalentes necessárias para alcançar uma camada de valência
de oito elétrons (isto é, completar seu octeto). Se presumirmos que o oxigênio que orbitais p para formar duas
ligações O – H, como predito pela configuração eletrônica da sua camada de valência, esperaríamos um ângulo
de ligação aproximadamente de 90 °, porque os dois orbitais p estão em ângulo reto um do outro. Entretanto, o
ângulo observado experimentalmente é de 104,5 °. Como podemos explicar o ângulo observado? O oxigênio
precisa usar orbitais híbridos para formar ligações covalentes, assim como o carbono. O orbital s e os três orbitais
p precisam hibridizar-se para produzir quatro orbitais sp3.

O ângulo de ligação em uma molécula indica quais orbitais são usados na formação da ligação.

Água - uma substância única


Água é a substância mais abundante encontra da em organismos vivos. Suas propriedades
inigualáveis permitiram à vida se originar e evoluir. Seu alto calor de fusão (o calor necessário para converter um
sólido em líquido) protege organismos de congelamento em baixas temperaturas porque muito calor precisa ser
removido da água para congelá-la. A alta capacidade de calor (o calor necessário para subir a temperatura de uma
substância em dada quantidade) minimiza a troca de temperatura nos organismos, e o alto calor de vaporização
(o calor necessário para converter um líquido em um gás) permite aos animais aquecerem-se com uma perda
mínima de fluido corporal. Como a água líquida é mais densa que o gelo, este é formado na superfície da água,
flutuando e isolando a água embaixo. Por isso oceanos e lagos não congelam de baixo para cima. É também por
isso que plantas e animais aquáticos podem sobreviver enquanto oceanos e lagos vivem congelados.

Cada uma das duas ligações O – H é formada pela sobreposição de um orbital sp3 do oxigênio com o orbital
s de um hidrogênio. Um par livre ocupa cada um dos dois orbitais sp 3 restantes.
O ângulo de ligação na água é um pouco menor (104,5 °) que o ângulo de ligação tetraédrico (109,5°) no
metano, presumivelmente porque cada par livre "sente" apenas um núcleo, o que o faz mais difuso que o par
ligante, que "sente" dois núcleos e é, portanto, relativamente confinado entre eles. Consequentemente, há mais
repulsão entre pares de elétrons livres, causando a aproximação das ligações O – H e desta forma diminuindo o
ângulo de ligação.

19
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Compare o mapa de potencial eletrostático da água com o do metano. Água é uma molécula polar; metano é
apolar.

Ligação na amônia e no íon amônio


Os ângulos de ligação observados experimentalmente na amônia são de 107,3 °. Eles indicam que o nitrogênio
também usa orbitais híbridos quando forma ligações covalentes. Como carbono e oxigênio, os orbitais s e p da
segunda camada do nitrogênio hibridizam para formar quatro orbitais sp 3 degenerados.

As ligações N – H na amônia são formadas pela sobreposição de um orbital sp3 do nitrogênio com o orbital
s do hidrogênio. O único par de elétrons livres ocupa um orbital sp 3. O ângulo de ligação (107,3°) é menor que o
ângulo de ligação tetraédrico (109.5°) porque a repulsão eletrônica entre o par livre relativamente difuso e os pares
ligantes é maior que a repulsão entre dois pares ligantes. Observe que os ângulos de ligação em NH 3 (107,3°) são
maiores que os em H2O (104.5°) porque o nitrogênio só tem um par livre, enquanto o oxigênio tem dois.

Como o íon amônio (+NH4) tem quatro ligações N – H idênticas e nenhum par livre, todos os ângulos de
ligação são de 109,5° – como os ângulos de ligação no metano.

20
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Hibridização de orbital, comprimento de ligação, força de


ligação e ângulos de ligação
Todas as ligações simples são ligações . Todas as ligações duplas são compostas por urna ligação  e uma
ligação π. Todas as ligações triplas são compostas por uma ligação  e duas ligações π. A maneira mais fácil para
determinar a hibridização do átomo de carbono, oxigênio ou nitrogênio é olhar o número de ligações π que ele
forma: se ele não forma ligação π, ele é hibridizado em sp3; se ele forma uma ligação π, ele é hibridizado em sp2;
se ele forma duas ligações π, ele é hibridizado em sp. As exceções são carbocátion e radicais alquila, que são
hibridizados em sp2 - não porque eles formem uma ligação π, mas porque eles têm um orbital p vazio ou meio
completo.
Comparando comprimentos e forças de uma ligação simples, dupla e tripla, vemos que quanto mais há
ligações segurando os dois átomos de carbono, menor e mais forte é a ligação carbono-carbono (Tabela).
Ligações triplas são menores e mais fortes que ligações duplas, que são menores e mais fortes que ligações
simples.
Uma ligação dupla (ligação  mais uma ligação π) é mais forte que uma ligação simples (ligação  ), mas não é
duas vezes mais forte. Podemos concluir, portanto, que uma ligação π é mais fraca que uma ligação . Isso é o que
esperaríamos, porque a sobreposição alinhada que forma a ligação  é melhor que a sobreposição lado a lado que forma
uma ligação π.
Os dados na Tabela indicam que uma ligação  C-H é menor e mais forte que uma ligação  C-C. Isso ocorre
porque o orbital s do hidrogênio está mais perto do núcleo do que o orbital sp3 do carbono. Consequentemente, os
núcleos estão mais próximos em uma ligação formada pela sobreposição sp3-s do que em uma ligação formada pela
sobreposição sp3-sp3. Além disso, sendo rena ligação C-H menor, ela é mais forte que uma ligação C-C, uma vez que
há densidade eletrônica maior na região de sobreposição de um orbital sp3 com um orbital s do que na região de
sobreposição de dois orbitais sp3.
O comprimento e a força de uma ligação C-H dependem da hibridização do átomo de carbono a que o hidrogênio
está ligado. Quanto maior o caráter s do orbital usado pelo carbono para fazer a ligação, menor e mais forte é a ligação
- de novo, porque um orbital s está mais próximo do núcleo que um orbital p. Então uma ligação C-H formada por
carbono hibridizado em sp (50% s) é menor e mais forte que uma ligação C-H formada por um carbono hibridizado
em sp2 (33,3% s), que, enfim, é menor e mais forte que uma ligação C-H formada por um carbono hibridizado em sp3
(25%).
O ângulo de ligação também depende do orbital usado pelo carbono para formar a ligação. Quanto maior a
quantidade do caráter s no orbital, maior o ângulo de ligação. Por exemplo, carbonos hibridizados em sp têm ângulos
de ligação de 180°. Carbonos hibridizados em sp2 têm ângulos de ligação de 120°, e carbonos hibridizados em sp3 têm
ângulos de ligação de 109,5°.

Resumindo:
Uma ligação π é mais fraca que uma ligação ; Quanto maior a densidade eletrônica na região de sobreposição dos
orbitais, mais forte é a ligação; Quanto maior o caráter s, menor e mais forte é a ligação; Quanto maior o caráter s,
maior é o ângulo de ligação.

21
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Classificação dos carbonos sp3


A classificação de determinado átomo de carbono sp 3 (que faz 4 ligações simples) em uma cadeia carbônica
apresenta como único critério o número de carbonos que estão ligados ao carbono que será classificado. Assim,
temos:

Carbono primário (P)


É o átomo de carbono que está ligado a no máximo um átomo de carbono, como mostram os exemplos:
H H P

CH3
H C C H
P P
H3C N CH3
H H P P

Carbono secundário (S)


É o átomo de carbono que está ligado a 2 outros átomos de carbono, como mostram os exemplos:
H H
H H H S
P P C
H C C C H H C C H
S
H H H S S
H H
Carbono terciário (T)
É o átomo de carbono que está ligado a 3 outros átomos de carbono, como mostram os exemplos:

H H
H
H P H S S
P H C C H
H C C C H H
T
H H H C TC C H
CP H S P
H
H H H
H

Carbono quaternário (Q)


É o átomo de carbono que está ligado a 4 outros átomos de carbono, como mostram os exemplos:

22
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

H H HH
H H P
H S CH
H C C
H H
Q
S C C P HH
H C C C H Q C
H
H H H C C H H
S
C H
S

H H H
H

Cadeias Carbônicas
As cadeias carbônicas – estruturas formadas por átomos de carbono ligados entre si – recebem uma
classificação totalmente independente daquela atribuída ao composto orgânico. E importante não confundir a
classificação da cadeia carbônica com qualquer tipo de classificação dos compostos orgânicos.

Cadeias carbônicas abertas ou acíclicas ou alifáticas


As cadeias carbônicas acíclicas ou alifáticas são cadeias abertas (que apresentam no mínimo duas
extremidades distintas).
São classificadas de acordo com os seguintes critérios:

♦ Quanto ao tipo de ligação entre os carbonos, podem ser saturadas ou insaturadas.


Uma cadeia carbônica é saturada quando apresenta apenas ligações simples (do tipo  ) entre carbonos,
independentemente do tipo de ligação que possa ocorrer entre o carbono e o átomo de um outro elemento qualquer.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do propanonitrilo.
H3C C C N
H2
Note que as ligações do tipo  não se localizam entre carbonos, mas sim entre um átomo de carbono e um
átomo de nitrogênio; portanto, a cadeia carbônica é de fato saturada.
Uma cadeia carbônica é insaturada quando apresenta pelo menos uma ligação dupla ou tripla (do tipo  )
entre carbonos.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do 2-buteno.
H3C C C CH3
H H

♦ Quanto à presença de heteroátomo átomo diferente de carbono e hidrogênio a cadeia pode ser homogênea
ou heterogênea.
Uma cadeia carbônica é homogênea quando não apresenta heteroátomo entre carbonos
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do n-hexilamina.
H3C C C C C C NH2
H2 H2 H2 H2 H2
Observe que os átomos diferentes de carbono e hidrogênio não se encontram entre dois carbonos
Uma cadeia carbônica é heterogênea quando apresenta heteroátomo entre carbonos.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do éter dlietílico.
H3C C O C CH3
H2 H2

♦ Quanto ao tipo de carbono – primário, secundário, terciário ou quaternário –, a cadeia homogênea pode
ser normal ou ramificada.
Uma cadeia carbônica homogênea é normal quando apresenta apenas carbonos primários e secundários.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do 3-nitro-heptano.
23
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

H2 H2 H
H2C C C C NO2
H3C CH2
CH3

Note que a cadeia não precisa ser escrita necessariamente na horizontal para ser classificada como normal.
Uma cadeia carbônica homogênea é ramificada quando apresenta pelo menos um carbono terciário ou
quaternário.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do 3-metilpentano.
H
H3C C C C CH3
H2 H2
CH3
As cadeias carbônicas heterogêneas são consideradas ramificadas quando um dos carbonos da cadeia
(com exceção dos carbonos das extremidades) ou o heteroátomo estabelece ligação com um átomo de carbono.
Exemplo: cadeias carbônicas das moléculas da metil-isopropilamina, etil-dimelilamina, dietilamina.

H
H3C C N CH3 H3C C N CH3 H3C C N C CH3
H2 H2 H H2
CH3 CH3
ramificada ramificada normal

Cadeias carbônicas cíclicas aromáticas


As cadeias carbônicas cíclicas (fechadas) são ditas aromáticas quando apresentam pelo menos um núcleo
aromático ou anel benzênico.
As cadeias aromáticas são classificadas segundo os critérios:
♦ Quanto ao número de núcleos aromáticos que apresentam, podem ser mononucleares e polinucleares.
Uma cadeia carbônica aromática é mononuclear quando possui um único núcleo aromático.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do vinilbenzeno.

CH2 CH2

O núcleo aromático é um ciclo formado por 6 átomos de carbono que estabelecem ligações intermediárias
entre simples e duplas, originadas teoricamente de ligações  alternadas e ressonantes.

Uma cadeia carbônica aromática é polinuclear quando possui mais de um núcleo aromático; nesse caso,
sofre uma subclassificação.
♦ Quanto à posição dos núcleos aromáticos na cadeia.
Se os núcleos aromáticos são formados a partir de dois carbonos comuns, dizemos que são núcleos
aromáticos condensados.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do naftaleno.

Observe que, pela própria definição, as cadeias carbônicas aromáticas são também insaturadas e
homocíclicas (cíclicas homogêneas).

24
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Se os núcleos aromáticos não tiverem carbonos comuns, dizemos que são núcleos aromáticos isolados.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do peróxido de benzoíla.
O O
C C
O O

Cadeias carbônicas cíclicas alicíclicas


Alicíclicas são cadeias carbônicas cíclicas que não possuem núcleo aromático.
Classificam-se do mesmo modo que as cadeias acíclicas.
♦ Quanto ao tipo de ligação entre os carbonos, podem ser saturadas ou insaturadas.
Uma cadeia carbônica cíclica alicíclica é saturada quando apresenta apenas ligações simples (do tipo  )
entre carbonos, independentemente do tipo de ligação que possa ocorrer entre o carbono e o átomo de um outro
elemento qualquer.

Exemplo: cadeia carbônica de molécula do ciclobutanona.

O
H2C C

H2C CH2
Uma cadeia carbônica cíclica é insaturada quando apresenta pelo menos uma ligação dupla ou tripla (do
tipo ) entre carbonos.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do ciclopropeno.

CH2
HC CH

♦ Quanto à presença de heteroátomo – átomo diferente de carbono e hidrogênio cadeia pode ser homocíclica
ou heterocíclica.
Uma cadeia carbônica é homocíclica quando não apresenta heteroátomo entre carbonos.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do ciclo-heptano.
H2
C
H2C CH2

H2C CH2
H2C CH2

Uma cadeia carbônica é heterocíclica se apresenta heteroátomo entre carbonos.


Exemplo: cadeia carbônica da molécula do tiofeno.
S
HC CH
HC CH

♦ Quanto ao tipo de carbono – primário, secundário, terciário ou quaternário –, a cadeia homocíclica pode
ser normal ou ramificada.
Uma cadeia carbônica homocíclica é normal quando apresenta apenas carbonos secundários.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do ciclopentano.
25
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

H2
C
H2C CH2
H2C CH2
Uma cadeia carbônica homocíclica é ramificada se possui pelo menos um carbono terciário ou quaternário.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do 1-etil-3,3-dimetil-hexano.
H2
H C CH3
C C CH
H3C C 3
H2
H2C CH2
C
H2

As cadeias carbônicas heterocíclicas são consideradas ramificadas quando um dos carbonos do ciclo ou o
heteroátomo estabelecer ligação com um átomo de carbono fora do ciclo.
Exemplos: cadeias carbônicas das moléculas do ciclo-1.2-propilenoamina, cicloetileno-metilamina e do
cicloetilenoamina.

NH
N CH3 NH
H2C C CH3
H2 H2C CH2 H2C CH2

ramificada ramificada normal

Cadeias carbônicas mistas


São cadeias carbônicas que possuem uma parte acíclica e uma parte cíclica que, por sua vez, pode ser
alicíclica e/ou aromática.
Observe os exemplos a seguir:
♦ Cadeia carbônica parte acíclica e parte cíclica alicíclica
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do vinilciclopentano.
H2
C
H
H2C C
C CH2
H2C CH2 H
♦ Cadeia carbônica parte aromática e parte acíclica.
Exemplo: cadeia carbônica da molécula do n-propilbenzeno.

C C CH3
H2 H2

♦ Cadeia carbônica parte aromática, parte alicíclica e parte acíclica.


Exemplo: cadeia carbônica da molécula do 1-etil-4-ciclopropilbenzeno.

H3C C CH2
H2
H2C CH2

As tabelas a seguir trazem uma síntese do que foi visto a respeito da classificação de cadeias carbônicas.

26
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Cadeias Abertas ou acíclicas


carbônicas (possuem no mínimo duas extremidades)
Quanto ao tipo de Saturada Insaturada
ligação entre carbonos. Possui apenas ligações simples entre Possui pelo menos uma ligação dupla ou
carbonos. tripla entre carbonos.
Exemplo: Exemplo:
H O H3C C CH2
N C C C H
H
CH3
Quanto à presença de Homogênea Heterogênea
heteroátomo Não possui heteroátomo entre carbonos. Possui heteroátomo entre carbonos.
Exemplo: Exemplo:
O H3C O C CH3
H2
H3C C C C NH2
H2 H2
Quanto à classificação Normal e homogênea Ramificada e homogênea
dos carbonos. Possui apenas carbono primário e Possui pelo menos um carbono terciário
secundário. ou quaternário.
Exemplo: Exemplo:
H3C C C CH3 H H2
H2 H2 H3C C C CH3
CH3

Cadeias Aromáticas
carbônicas (possuem pelo menos um núcleo aromático)
Quanto ao número de Mononucleares Polinucleares
núcleos aromáticos. Possui apenas um núcleo aromático. Possui mais de um núcleo aromático.
Exemplo: Exemplo:
C
H2

Quanto à disposição dos Isolados Condensados


núcleos aromáticos. Os núcleos aromáticos não possuem Os núcleos aromáticos possuem átomos
átomos de carbono comuns. de carbono comuns.
Exemplo: Exemplo:
O
C

Cadeias Alicíclicas
carbônicas (não possuem núcleo aromático)
27
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Quanto ao tipo de Saturada Insaturada


ligação entre carbonos. Possui apenas ligações simples entre Possui pelo menos uma ligação dupla ou
carbonos. tripla entre carbonos.
Exemplo: Exemplo:
H2 H
C C
H2C CH2 HC CH2

Quanto à presença de Homocíclica Heterocíclica


heteroátomo Não possui heteroátomo entre carbonos. Possui heteroátomo entre carbonos.
Exemplo: Exemplo:
H2 S CH2
C
H2C CH2 H2C CH2

H2C CH2

Quanto à classificação Normal e homocíclica Ramificada e homocíclica


dos carbonos. Possui apenas carbono primário e Possui pelo menos um carbono terciário
secundário. ou quaternário.
Exemplo: Exemplo:
H CH3
H2C CH2 C
H2C CH2
H2C CH2

28
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Observe o resumo seguinte:

Nomenclatura de substituintes alquila


A retirada de um hidrogênio de um alcano resulta em um substituinte alquila (ou grupo alquila).
Substituintes alquila são nomeados pela troca do sufixo “ano” do alcano por “ila”. A letra “R” é usada para indicar
qualquer grupo alquila.

CH3 CH3CH2 CH3CH2CH2 CH3CH2CH2CH2


grupo metila grupo etila grupo propila grupo butila

R
qualquer grupo alquila
Se um hidrogênio de um alcano é trocado por um OH, a substância se torna um álcool; se for trocado por
um NH2, a substância se torna uma amina; e se for trocado por um halogênio, se torna um haleto de alquila.

R OH R NH2 R X X = F, Cl, Br ou I
álcool amina haleto de alquila

29
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Um nome de grupo alquila seguido pelo nome da classe da substância (álcool, amina etc.) produz o nome
comum da substância. Os exemplos seguintes mostram como os nomes dos grupos alquila são usados para
construir nomes comuns:

CH3OH CH3CH2NH2 CH3CH2CH2Br CH3CH2CH2CH2Cl


álcool metílico etilamina brometo de propila cloreto de butila

CH3I CH3CH2OH CH3CH2CH2NH2 CH3CH2CH2CH2OH


iodeto de metila álcool etílico propilamina álcool butílico

Observe que há um espaço entre o nome do grupo alquila e o nome da classe da substância, exceto no caso
de aminas.
Dois grupos alquila – um grupo propila e outro isopropila – contêm três átomos de carbono. Um grupo
propila é obtido quando um hidrogênio é removido de um carbono primário do propano. Carbono primário é o
carbono ligado a apenas um outro carbono. Um grupo isopropila é obtido quando um hidrogênio é removido de
um carbono secundário. Carbono secundário é o carbono ligado a dois outros carbonos. Note que um grupo
isopropila, como o nome indica, tem seus três átomos de carbono arranjados como uma unidade iso.

Estruturas moleculares podem ser desenhadas de maneiras diferentes. Cloreto de isopropila, por exemplo,
é desenhado aqui de duas maneiras. Ambas representam a mesma substância. À primeira vista, as representações
tridimensionais parecem ser diferentes: os grupos metila estão um ao lado do outro em uma estrutura e em ângulos
retos na outra. No entanto, as estruturas são idênticas porque o carbono é tetraédrico. Os quatro grupos ligados ao
carbono central – um hidrogênio, um cloro e dois grupos metila – apontam para o canto de um tetraedro. Se
rodarmos o modelo tridimensional 90° à direita no sentido horário, poderemos ver que os dois modelos são os
mesmos.

Um carbono primário é ligado a um carbono; um carbono secundário, a dois; e um carbono terciário, a três
carbonos.
Existem quatro grupos alquila que contêm quatro átomos de carbono. Os grupos butila e isobutila têm um
hidrogênio removido de um carbono primário. Um grupo sec-butila tem um hidrogênio removido de um carbono
secundário (sec-, geralmente abreviado s-, designado para carbono secundário), e um grupo terc-butila tem um
hidrogênio removido de um carbono terciário (terc-, também abreviado t-, designado para terciário). Um carbono

30
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

terciário é o que está ligado a três outros carbonos. Observe que o grupo isobutila é o único grupo com uma
unidade iso.

Um nome de um grupo alquila linear geralmente tem prefixo “n” (para “normal”), a fim de enfatizar que
seus carbonos estão em uma cadeia não ramificada. Se o nome não tem um prefixo como “n” ou “iso”, presume-
se que o carbono esteja em uma cadeia não ramificada.

Como os carbonos, os hidrogênios em uma molécula também são referidos como primário, secundário e
terciário. Hidrogênios primários estão ligados a carbonos primários, hidrogênios secundários estão ligados a
carbonos secundários e hidrogênios terciários estão ligados a carbonos terciários.

Como o nome químico precisa especificar apenas uma substância, a única vez que veremos o prefixo “sec”
é em sec-butila. O nome “sec-pentila” não pode ser utilizado porque tem dois átomos de carbono secundários
diferentes. Portanto, existem dois grupos alquila diferentes que resultam da remoção de um hidrogênio de um
carbono secundário do pentano. Como o nome especifica duas substâncias diferentes, ele não é um nome correto.

O prefixo “terc” é encontrado em terc-butila e terc-pentila porque cada um dos nomes de substituintes
descreve apenas um grupo alquila. O nome “terc-hexila” não pode ser usado porque descreve dois grupos alquila
diferentes. (Em literatura antiga, talvez seja encontrado “amua” no lugar de “pentila” para designar grupo alquila
com cinco carbonos.)

31
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Se examinarmos as estruturas seguintes, veremos que, sempre que o prefixo “iso” é usado, uma unidade iso
estará em uma extremidade da molécula e qualquer grupo substituindo um hidrogênio estará na outra extremidade:

Observe que um grupo iso tem uma metila no penúltimo carbono da cadeia. Note também que todas as
substâncias isoalquila têm um substituinte (OH, Cl, NH2 etc.) em um carbono primário, exceto para o isopropila,
que tem um substituinte em um carbono secundário. O grupo isopropila poderia ser chamado grupo sec-propila.
Qualquer dos dois nomes seria apropriado porque o grupo tem uma unidade iso, e um hidrogênio foi removido de
um carbono secundário. Os químicos decidiram chamá-lo isopropila, entretanto, o que significa que “sec” é usado
apenas para sec-butila.
Os nomes de grupos alquila são utilizados tão frequentemente que é preciso memorizá-los. Alguns dos
grupos alquila mais comuns estão compilados na abaixo.

Nomes de alguns grupos alquila

Classificação e nomenclatura de grupos


Como a cadeia principal é a que possui o grupo funcional, excetuando-se os casos de compostos de função
mista (com mais de um grupo funcional), os grupos geralmente são formados apenas de carbono e hidrogênio e
por isso são ditos derivados de hidrocarbonetos.
Assim, uma vez escolhida a cadeia principal, as cadeias restantes são consideradas grupos ou grupamentos.
O nome dos grupos deve vir antes do nome da cadeia principal e irá depender de dois fatores: do tipo de ligação
entre carbonos e do tipo de carbono (primário, secundário ou terciário).
♦ Tipo de ligação entre carbonos.
32
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Se o grupo for saturado (tiver apenas ligações simples entre carbonos), o nome será:

Prefixo que indica o número de carbonos + il (ou ila).

♦ Tipo de carbono onde se encontra a valência livre – valência que liga o grupamento à cadeia principal.
Estudaremos agora os grupos monovalentes – com apenas uma valência livre
A tabela a seguir fornece a estrutura e o nome dos principais grupos.

Veja na tabela que os grupos estão divididos em 5 grupos principais:


♦ Alquilas ou alcoílas: possuem apenas ligações simples.
♦ Alquenilas: possuem uma ligação dupla entre carbonos.
♦ Alquinilas: possuem uma ligação tripla entre carbonos.
♦ Cíclicos: a valência livre encontra- se no carbono de um ciclo saturado.
♦ Arilas: a valência livre encontra-se no carbono de um núcleo aromático.

Classificação e
Nome do grupo Estrutura do grupo Localização da valência livre
no de carbonos
Alquila
Metil H3C ––
1 carbono
Como ambos os carbonos são
Alquila H3C C primários, nesse caso não
Etil H2
2 carbonos importa em qual deles se
localiza a valência livre.
Valência livre localizada no
Alquila H3C C C
n-propil H2 H2 carbono primário. A letra n
3 carbonos
significa normal.
Valência livre localizada no
s-propil ou sec-propil carbono secundário. A letra s
Alquila
ou isopropil H3C C CH2 ou a palavra sec significa
3 carbonos H2
1-metiletil secundário (sec está em
desuso).
Valência livre localizada no
Alquila H3C C C C
n-butil H2 H2 H2 carbono primário do radical
4 carbonos
com cadeia normal.
Valência livre localizada no
Alquila s-butil ou sec-butil carbono secundário do radical
H3C C C CH3
4 carbonos 1-metilpropil H2 H com cadeia normal.

Valência livre localizada no


Alquila t-butil ou terc-butil H3C C CH3 carbono terciário. A letra t ou a
4 carbonos 1,1-dimetiletil palavra terc significa terciário
CH3 (terc está em desuso).
H Valência livre localizada no
Alquila Isobutil H3C C C carbono primário do radical
4 carbonos 2-metilpropil H2 com cadeia ramificada.
CH3
Valência livre localizada no
Alquila H3C C C C C carbono primário do grupo com
n-pentil H2 H2 H2 H2
5 carbonos cadeia normal.

33
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Classificação e
Nome do grupo Estrutura do grupo Localização da valência livre
no de carbonos
H Valência livre localizada no
Alquila isoamil ou isopentil H3C C C C carbono primário do grupo com
5 carbonos 3-metilbutil H2 H2 uma ramificação no carbono 3.
CH3

H Valência livre localizada no


Alquila s-amil ou sec-amil H3C C C CH3 carbono secundário do grupo
5 carbonos 1,2-dimetilpropil H com cadeia ramificada.
CH3
Valência livre localizada no
Alquila t-pentil ou terc-pentil H3C C C CH3 carbono terciário.
5 carbonos 1,1-dimetilpropil H2
CH3
CH3 Valência livre localizada no
carbono primário.
Alquila Neopentil H3C C C
5 carbonos 2,2-dimetilpropil H2
CH3
Valência livre localizada no
Alquila carbono primário do grupo com
1-metilbutil H3C C C C CH3
5 carbonos H H2 H2 uma ramificação no carbono 2.

Valência livre localizada no


Alquila carbono secundário (carbono 2)
1-etilpropil H3C C C C CH3
5 carbonos H2 H H2 do grupo com cadeia normal.

Alquenila H2C C ––
etenil ou vinil H
2 carbonos
Valência livre localizada no
Alquenila Propenil H3C C C
H H carbono primário que faz a
3 carbonos Prop-1-enil
ligação dupla.
Valência livre localizada no
Alquenila Isopropenil
H3C C CH2 carbono secundário.
3 carbonos 1-metilenil H
Valência livre localizada no
Alquenila H2C C C
alil H H2 carbono primário, oposto à
3 carbonos
ligação dupla.
Alquinila
etinil HC C —
2 carbonos
Valência livre localizada no
Alquinila Propinil H3C C C carbono primário que faz a
3 carbonos Prop-1-inil
ligação tripla.
Valência livre localizada no
Alquinila Propargil HC C C
H2 carbono primário, oposto à
3 carbonos Prop-2-inil
ligação tripla.
H Valência livre localizada em
Cíclico C
ciclopropil qualquer um dos carbonos do
3 carbonos
H2C CH2 ciclo.
H2C CH2 Valência livre localizada em
Cíclico H
ciclobutil qualquer um dos carbonos do
4 carbonos H2C C
ciclo.

34
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Classificação e
Nome do grupo Estrutura do grupo Localização da valência livre
no de carbonos
Valência livre localizada em
um dos carbonos do núcleo
Arila aromático.
fenil
6 carbonos Observação: o nome fenil
deriva de feno, benzeno em
alemão.
Valência livre localizada no
Arila carbono 2 em relação ao grupo
orto-toluil ou o-toluil
7 carbonos metil.
CH3 o = orto (posição 1-2 no anel).
H3C Valência livre localizada no
Arila carbono 3 em relação ao grupo
meta-toluil ou m-toluil
7 carbonos metil.
m = meta (posição 1-3 no anel).
Valência livre localizada no
Arila carbono 4 em relação ao grupo
para-toluil ou p-toluil
7 carbonos metil.
H3C p = para (posição 1-4 no anel).

 
Arila Valência livre localizada em
 -naftil
10 carbonos uma das posições  .
 

Arila  Valência livre localizada em
 -naftil
10 carbonos uma das posições  .
 
Não se enquadra C
H2 Valência livre localizada em
em nenhuma
benzil carbono ligado a um núcleo
classificação
aromático.
7 carbonos

Vejamos agora os grupos divalentes:


Os grupos divalentes que possuem as valências livres em carbonos diferentes são nomeados utilizando-se
o prefixo indicativo da quantidade de átomos de carbonos, seguido da terminação ileno.
Os grupos divalentes que possuem as valências livres no mesmo carbono são nomeados utilizando-se o
prefixo indicativo da quantidade de átomos de carbonos, seguido da terminação ilideno.

Classificação e
Nome do grupo Estrutura do grupo Localização da valência livre
no de carbonos
H2C CH2 As duas valências livres se
Alquileno
Etileno encontram em cada um dos
2 carbonos
átomos de carbono.
Alquileno H2C CH CH3 As valências livres estão nos
1,2-propileno
3 carbonos átomos de carbono 1 e 2.
Alquileno H2C CH2 CH2 As valências livres estão nos
1,3-propileno
3 carbonos átomos de carbono 1 e 3.

35
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Classificação e
Nome do grupo Estrutura do grupo Localização da valência livre
no de carbonos

orto-fenileno
Arileno As valências livre estão nos
ou
6 carbonos carbonos 1 e 2.
o-fenileno

meta-fenileno
Arileno As valências livre estão nos
ou
6 carbonos carbonos 1 e 3.
m-fenileno

para-fenileno
Arileno As valências livre estão nos
ou
6 carbonos carbonos 1 e 4.
p-fenileno

H
As duas valências livres se
Alquilideno H3C C
Etilideno encontram no mesmo átomo de
2 carbonos
carbono.

H As duas valências livres se


Alquilideno
n-propilideno encontram no átomo de
3 carbonos H3C CH2 C carbono 1.

As duas valências livres se


Alquilideno Isopropilideno
H3C C CH3 encontram no mesmo átomo de
3 carbonos 1-metil-etilideno
2.

As duas valências livres se


Alquilideno
metileno H2C encontram no mesmo átomo de
1 carbono
carbono.
H
As duas valências livres se
Alquilideno Benzilideno
C encontram no mesmo átomo de
7 carbonos Fenil-metileno
carbono.

Séries orgânicas
Um conjunto de compostos orgânicos constitui uma série orgânica quando a diferença entre cada dois
compostos consecutivos da série é fornecida por um termo constante.

Séries homólogas
Quando um conjunto de compostos orgânicos pode ser ordenado de que a diferença entre 2 compostos
consecutivos seja de apenas 1 grupo – CH2, dizemos que esses compostos constituem uma série homóloga.

36
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Exemplos:

As séries homólogas apresentam a seguinte fórmula geral:


C n H 2n  a E b Fc ...
Em que as letras E e F representam elementos diferentes de carbono e de hidrogênio,e as letras a, b e c representam
números inteiros.
Assim, teremos:
♦ a fórmula geral da série I, do metano, é CnH2n + 2 ;

♦ a fórmula geral da série II, do metanol é CnH2n + 2 O.

A partir desse raciocínio, são frequentes indagações do tipo:

♦ Qual o nome do 8o composto da série do metano?


CnH2n+2 C8H2 . 8 + 2 C8H18

H3C C C C C C C CH3 octano


H2 H2 H2 H2 H2 H2

♦ Qual a fórmula molecular do 20o composto da série do metanol?


CnH2n+2 C20H 2 . 20 + 2 C20H42O ou C20H41OH

Série isóloga
Quando um conjunto de compostos orgânicos pode ser ordenado de modo que a diferença entre 2 compostos
consecutivos seja de apenas um grupo H2, dizemos que esses compostos constituem uma série isóloga. Exemplos:
H H H H
H C C H H C C H H C C H

+ + H H
etino eteno etano
H2 H2

H H H H
H C C CH3 H C C CH3 H C C CH3
H H _ _

propano H2 propeno H2 propino

37
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Séries heteróloga
Quando uma série de compostos orgânicos de funções químicas diferentes possui o mesmo número de
átomos de carbono, dizemos que esses compostos constituem uma série heteróloga.
A tabela a seguir fornece alguns exemplos de compostos que possuem 3 carbonos, mas apresentam grupos
funcionais diferentes.

Fórmula Fórmula Nome do Grupo


estrutural molecular composto funcional
H3C C CH3
H2 C3H8 Propano Hidrocarboneto

H3C C C OH
H 2 H2 C3H8O Propanol Álcool

O
C C3H6O Propanona Cetona
H3C CH3
O
H3C C C C3H6O Propanal Aldeído
H2 H
O
H3C C C C3H6O2 Ácido propanóico Ácido carboxílico
H2 OH

38
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

INTRODUÇÃO À QUÍMICA ORGÂNICA


Exercícios de Aprendizagem

1. (Pucrj) Recentemente, os produtores de laranja


do Brasil foram surpreendidos com a notícia de que
a exportação de suco de laranja para os Estados
Unidos poderia ser suspensa por causa da
contaminação pelo agrotóxico carbendazim,
representado a seguir.
De acordo com as informações acima, assinale a(s)
proposição(ões) CORRETA(S).
01) O ácido fálico apresenta seis ligações
covalentes do tipo pi  π .
02) As moléculas de ácido fólico são polares e
interagem com a água por ligações de
hidrogênio.
04) O bloco I apresenta uma hidroxila fenólica.
De acordo com a estrutura, afirma-se que o 08) O bloco II apresenta um átomo de carbono com
carbendazim possui: hibridização sp2.
a) fórmula molecular C9H11N3O2 e um carbono 16) O bloco III apresenta um átomo de carbono
terciário. assimétrico.
b) fórmula molecular C9H9N3O2 e sete carbonos 32) A estrutura química do ácido fálico apresenta
secundários. quatro átomos de carbono com hibridização sp.
c) fórmula molecular C9H13N3O2 e três carbonos
primários. 3. (Enem) As moléculas de nanoputians lembram
d) cinco ligações pi  π  e vinte e quatro ligações
figuras humanas e foram criadas para estimular o
interesse de jovens na compreensão da linguagem
sigma  σ  . expressa em fórmulas estruturais, muito usadas em
química orgânica. Um exemplo é o NanoKid,
e) duas ligações pi  π  e dezenove ligações sigma
representado na figura:
σ .
2. (Ufsc) O ácido fólico é uma vitamina
hidrossolúvel, obtida pela ingestão de alimentos,
pois não é sintetizada pelo organismo humano. Atua
em conjunto com a vitamina B12, sendo essencial
na multiplicação celular de todos os tecidos, já que
é indispensável à síntese do DNA e
consequentemente à divisão celular. Especialistas
indicam a administração diária de um comprimido
contendo 0,005 g de ácido fálico desde os três
meses que antecedem a concepção até o terceiro
mês de gestação, visando prevenir principalmente a
incidência de malformações no fechamento do tubo
neural dos bebês. O ácido fólico, fórmula molecular
C19H19O6N7, é constituído por três blocos
construtivos: I – deriva do composto nitrogenado
pteridina, II – deriva do ácido p-aminobenzoico e III
– deriva do ácido glutâmico.
Em que parte do corpo do NanoKid existe carbono
Segue abaixo a fórmula estrutural simplificada do quaternário?
ácido fólico: a) Mãos.
b) Cabeça.
c) Tórax.
d) Abdômen.
e) Pés.

4. (Ufpr) O átomo de carbono sofre três tipos de


hibridação: sp3, sp2 e sp. Essa capacidade de
combinação dos orbitais atômicos permite que o
39
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

carbono realize ligações químicas com outros Com relação ao butanoato de etila, é correto afirmar
átomos, gerando um grande número de compostos que:
orgânicos. A seguir são ilustradas estruturas de dois a) é um éter e apresenta dois substituintes: uma
compostos orgânicos que atuam como hormônios. butila e uma etila.
b) pode ser representado por
H3C  CH2  CH2  CO  CH2  CH3.
c) apresenta um carbono com hibridização sp em
sua estrutura.
d) apresenta carbonos primários, secundários e
terciários em sua estrutura.
e) não forma ligações de hidrogênio entre suas
moléculas.
Acerca da hibridação dos átomos de carbono nos
dois hormônios, considere as seguintes afirmativas: 7. (Feevale) A celulose é um polímero orgânico
presente nas paredes das células vegetais, mais
1. A testosterona possui dois átomos de carbono especificamente um polissacarídeo da glicose,
com orbitais híbridos sp2. conforme mostra a figura abaixo.
2. A progesterona possui quatro átomos de carbono
com orbitais híbridos sp2.
3. Ambos os compostos apresentam o mesmo
número de átomos de carbono com orbitais
híbridos sp3.
4. O número total de átomos de carbono com orbitais
híbridos sp3 na testosterona é 16.
A cadeia carbônica da glicose pode ser classificada
Assinale a alternativa correta. como:
a) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. a) fechada, homogênea, ramificada e saturada.
b) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras. b) aberta, heterogênea, simples e insaturada.
c) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras. c) fechada, heterogênea, ramificada e saturada.
d) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. d) fechada, heterogênea, ramificada e insaturada.
e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. e) aberta, homogênea, ramificada e saturada.

8. (Unisc) Analisando as estruturas dos compostos


5. (Espcex (Aman)) Assinale a alternativa correta: orgânicos I- Eugenol, II- Mentona, III- Vanilina,
Dados: assinale a única alternativa em que a característica
Elemento H C O é observada igualmente nos três compostos.
Químico (Hidrogênio) (Carbono) (Oxigênio)
Número
Z=1 Z=6 Z=8
Atômico

a) O metanol, cuja fórmula estrutural é H3C — OH,


apresenta quatro ligações do tipo π (pi).
b) O butano e o metilpropano apresentam a mesma
fórmula molecular  C4H10  e a mesma massa a) Igual número de carbonos assimétricos
molar de 58 g mol e, por conseguinte, possuem b) Número de carbonos hibridizados sp 3
iguais pontos de fusão e ebulição. c) Igual número de carbonos terciários
c) Metano, etano e propano são constituintes de d) Nenhum carbono hibridizado sp
uma série homóloga de hidrocarbonetos. e) Mesmo número de ligações π
d) Uma cadeia carbônica homogênea é ramificada
quando apresenta somente carbonos primários e 9. (Udesc) Analise o composto representado na
secundários. figura a seguir.
e) A união das estruturas dos radicais orgânicos etil
e t-butil (ou terc-butil) gera um composto orgânico
cuja estrutura é nomeada por 2-metilhexano.

6. (Udesc) Um flavorizante muito conhecido na


indústria de alimentos é o butanoato de etila, que,
ao ser misturado aos alimentos, confere a estes um
sabor de abacaxi.

40
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Assinale a alternativa correta em relação ao molecular e nanotecnologia, além de um avanço no


composto. desenvolvimento e melhoria da tecnologia de
a) Este composto representa um alcano de cadeia dispositivos eletrônicos. De acordo com o jornal
linear. espanhol “El País”, a molécula de pentaceno pode
b) Este composto possui apenas três carbonos ser usada em novos semicondutores orgânicos.
terciários. Folha Online, 28/08/2009
c) Este composto possui quatro insaturações.
d) Neste composto encontra-se apenas um carbono
assimétrico.
e) Este composto é representando pela forma
molecular C16H32.

10. (cftmg) O antraceno, formado por 3 anéis


benzênicos com todos os carbonos híbridos do tipo
sp2, é um composto orgânico de cadeia aromática
condensada. Além disso, contém 4 carbonos
terciários e os demais, secundários. Portanto, sua
fórmula molecular é
a) C14H10.
b) C14H14.
Acima, foto da molécula de pentaceno e, a seguir,
c) C16H12.
representação da sua fórmula estrutural.
d) C18H14.

11. (Pucpr) No início do século passado, a chamada


gripe espanhola foi responsável pela morte de
milhares de pessoas em todo o mundo.
Recentemente, uma nova gripe (gripe suína) com
potencial efeito fatal atemorizou novamente a
sociedade humana.
A respeito do pentaceno, são feitas as afirmações I,
Para o combate dessa doença, um medicamento foi
II, III e IV.
bastante procurado, o Tamiflu®.
I. É uma molécula que apresenta cadeia carbônica
aromática polinuclear.
II. A sua fórmula molecular é C22H14.
III. O pentaceno poderá ser utilizado na indústria
eletrônica.
IV. Os átomos de carbono na estrutura acima
possuem hibridização sp3.
Estão corretas
a) I, II, III e IV.
b) II, III e IV, apenas.
Na estrutura apresentada estão assinalados três c) I, II e III, apenas.
núcleos que, por característica, são, d) I, III e IV, apenas.
respectivamente, átomos de carbono: e) I, II e IV, apenas.
a) Terciário, linear e híbrido sp3. 13. (Ufmg) A estrutura dos compostos orgânicos
b) Alifático, acíclico e natural. pode ser representada de diferentes modos.
c) Carboxílico, neutro e iônico.
d) Carboxílico, híbrido sp2 e carbonílico. Analise estas quatro fórmulas estruturais:
e) Híbrido sp2, quiral e híbrido sp3.

12. (Mackenzie) Cientistas “fotografam”


molécula individual
Os átomos que formam uma molécula foram
visualizados de forma mais nítida pela primeira vez,
por meio de um microscópio de força atômica. A
observação, feita por cientistas em Zurique (Suíça) A partir dessa análise, é CORRETO afirmar que o
e divulgada na revista “Science”, representa um número de compostos diferentes representados
marco no que se refere aos campos de eletrônica nesse conjunto é

41
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

a) 1. XIX, com os estudos de Couper e Kekulé, referentes


b) 2. ao comportamento químico do carbono. Dentre as
c) 3. ideias propostas, três particularidades do átomo de
d) 4. carbono são fundamentais, sendo que uma delas
refere-se à formação de cadeias.
14. (Uece) Uma revisão de estudos prova que a
Escreva a fórmula estrutural (contendo o menor
vitamina K preserva a saúde dos ossos, previne
número de átomos de carbono possível) de
contra doenças do coração e pode até afastar
hidrocarbonetos apresentando cadeias carbônicas
tumores. A vitamina K1 (filoquinona, fitonadiona)
encontra-se principalmente nos vegetais de folhas com as seguintes particularidades:
verdes, tais como folhas de nabo, espinafres, a) acíclica, normal, saturada, homogênea.
brócolis, couve e alface. Outras fontes ricas são as b) acíclica, ramificada, insaturada etênica,
sementes de soja, fígado de vaca e chá verde. Boas homogênea.
fontes incluem a gema de ovo, aveia, trigo integral, c) aromática, mononuclear, ramificada.
batatas, tomates, aspargos, manteiga e queijo. Com
respeito à filoquinona, cuja fórmula estrutural se
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
encontra a seguir, assinale a afirmação verdadeira.
As funções orgânicas oxigenadas constituem uma
grande família de compostos orgânicos, uma vez
que, depois do carbono e do hidrogênio, o oxigênio
é o elemento químico de maior presença nesses
compostos. O comportamento químico e demais
propriedades desses compostos estão diretamente
relacionados à maneira como os elementos
químicos citados se apresentam nas moléculas das
a) Possui em sua composição química 31 átomos de diferentes substâncias.
carbono.
b) Seis é o número de carbonos terciários em sua
estrutura. 2. (Ufpb) A xilocaína, ou lidocaína, é um composto
c) É um composto aromático polinuclear oxigenado que apresenta a propriedade de atuar
condensado com uma função mista de um como anestésico local. A fórmula estrutural desse
aldeído. anestésico é representada a seguir.
d) Possui 74 ligações sigma () e 7 ligações pi ( π ).

15. (Mackenzie) O mentol, usado na fabricação de


balas e chicletes para propiciar uma sensação
refrescante, afeta os sensores responsáveis pela
sensação de frio, tornando-os ativos a uma
temperatura acima do normal. A fórmula estrutural
do mentol:
Em relação à xilocaína, é INCORRETO afirmar que:
a) apresenta fórmula molecular C14H22ON.
b) apresenta sete átomos de carbono com
hibridização do tipo sp2.
c) tem quatro átomos de carbono primário.
d) tem quatro ligações .
e nela é possível identificar: e) possui cadeia carbônica mista e heterogênea.
a) um radical fenil.
b) os radicais metil e isopropil. 3. (Espcex (Aman) 2016) O composto representado
c) uma substância orgânica da função fenol. pela fórmula estrutural, abaixo, pertence à função
d) um álcool aromático. orgânica dos ácidos carboxílicos e apresenta alguns
e) uma substância de fórmula mínima CHO. substituintes orgânicos, que correspondem a uma
ramificação como parte de uma cadeia carbônica
principal, mas, ao serem mostrados isoladamente,
INTRODUÇÃO À QUÍMICA ORGÂNICA como estruturas que apresentam valência livre, são
Exercícios de Fixação denominados radicais.

1. (Uff) A estrutura dos compostos orgânicos (Texto adaptado de: Fonseca, Martha Reis Marques
começou a ser desvendada nos meados do séc. da, Química: química orgânica, pág 33, FTD, 2007).

42
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

O tratamento convencional para obtenção de


água potável utiliza métodos tais como aeração, pré-
cloração, carvão ativado e outros, a fim de remover
substâncias que causam odor e sabor nos
suprimentos públicos de água, decorrentes da
atividade industrial, esgotos domésticos, gases
dissolvidos, matéria mineral dissolvida e algas.
Assim, nas águas com ferro (+2) e manganês (+2),
formam-se óxidos amarronzados que alteram a cor
e sabor dessas águas, enquanto que o gás sulfídrico
(sulfeto de hidrogênio) lhes altera o sabor e o odor.
Substâncias orgânicas, como, por exemplo, os
O nome dos substituintes orgânicos ligados compostos 2-trans-6-cis-nonadienal e 3-cis-hexenol
respectivamente aos carbonos de número 4, 5 e 8 produzidos por algas, em níveis muito baixos
da cadeia principal, são (nanograma/L), causam alterações no sabor e odor.
a) etil, toluil e n-propil.
b) butil, benzil e isobutil.
c) metil, benzil e propil. 5. (Ufpel) Sobre os compostos orgânicos citados no
d) isopropil, fenil e etil. texto, é correto afirmar que apresentam cadeia
e) butil, etil e isopropil. a) homogênea, alifática e saturada.
b) heterogênea, alifática e insaturada.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: c) heterogênea, aromática e saturada.
O limoneno é um composto orgânico natural d) homogênea, aromática e insaturada.
existente na casca do limão e da laranja. Sua e) homogênea, alifática e insaturada.
molécula está representada a seguir:
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
Você já sentiu o ardido de pimenta na boca? Pois
bem, a substância responsável pela sensação
picante na língua é a capsaicina, substância ativa
das pimentas. Sua fórmula estrutural está
representada a seguir.

6. (Uel)

4. (Ufrgs) Sobre essa molécula, é correto afirmar


que ela
a) é aromática.
b) apresenta fórmula molecular C10H15.
c) possui cadeia carbônica insaturada, mista e Em relação à estrutura da capsaicina, considere as
homogênea. afirmativas a seguir.
d) apresenta 2 carbonos quaternários.
e) possui somente 2 ligações duplas e 8 ligações
simples. I. Apresenta cadeia carbônica insaturada.
II. Apresenta três átomos carbono terciário.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: III. Apresenta possibilidade de formar ligações
Os recursos hídricos podem ser considerados (ponte) de hidrogênio.
sob três aspectos distintos: como elemento físico da
IV. Apresenta um ciclo de 6 átomos de carbono sp 2
natureza, como ambiente para a vida e como fator
com elétrons  ressonantes.
indispensável à vida na Terra.
A água usada no abastecimento de
comunidades humanas requer padrões de Estão corretas apenas as afirmativas:
qualidade. Assim, ela não deve apresentar sabor, a) I e II.
odor e aparência desagradáveis, bem como não b) I e IV.
deve conter substâncias nocivas e microrganismos c) II e III.
patogênicos. d) I, III e IV.

43
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

e) II, III e IV.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


A proteína do leite apresenta uma composição
variada em aminoácidos essenciais, isto é,
aminoácidos que o organismo necessita na sua
dieta, por não ter capacidade de sintetizar a partir de
outras estruturas orgânicas. A tabela a seguir
apresenta a composição em aminoácidos
essenciais no leite de vaca.

7. (Ufpel)

Com base na fórmula estrutural apresentada


anteriormente, qual o número de átomos de carbono
terciários que ocorrem em cada molécula da
prednisona?
a) 3
b) 4
c) 5
d) 6
e) 7

9. (Mackenzie) Do trinito tolueno (T.N.T.), cuja


fórmula estrutural é mostrada na figura a seguir. É
INCORRETO dizer que:
Sobre os aminoácidos representados pelas fórmulas
estruturais é correto afirmar que leucina, isoleucina
e valina diferem, respectivamente, nos substituintes
(- R)
a) Isobutil, sec-butil e isopropil
b) Isopropil, etil e metil
c) Sec-butil, propil e etil
d) Isobutil, metil e n-butil a) em relação ao metil, o grupo nitro está em posição
e) Metil, etil e n-propil orto e para.
b) a cadeia carbônica é aromática, mononuclear e
8. (Cesgranrio) A PREDNISONA é um ramificada.
glicocorticoide sintético de potente ação anti- c) o número de hidrogênios, em uma molécula, é
reumática, antiinflamatória e antialérgica, cujo uso, igual a cinco.
como de qualquer outro derivado da cortisona, d) todos os carbonos são híbridos sp3.
requer uma série de precauções em função dos e) é um poderoso explosivo.
efeitos colaterais que pode causar. Os pacientes
submetidos a esse tratamento devem ser 10. (Mackenzie)
periodicamente monitorados, e a relação entre o
benefício e reações adversas deve ser um fator
preponderante na sua indicação.

Sobre o limoneno, substância obtida do óleo de


limão, representada acima, é INCORRETO afirmar
que:

44
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

a) apresenta uma cadeia cíclica e ramificada. c) hexil, etil e metil


b) apresenta duas ligações covalentes pi. d) metil, etil e fenil
c) apresenta um carbono quaternário. e) benzil, etil e metil
d) sua fórmula molecular é C10H16.
e) apresenta três carbonos terciários. 15. (Pucpr) O cheiro de peixe podre é indicativo da
presença da substância X que apresenta as
11. (Pucrj) Um grupo de compostos, denominado seguintes características:
ácidos graxos, constitui a mais importante fonte de
energia na dieta do Homem. Um exemplo destes é
I. É uma amina terciária
o ácido linoleico, presente no leite humano. A sua
II. Seus carbonos apresentam 9 ligações sigma s-
fórmula estrutural simplificada é:
sp3
III. Possui uma cadeia heterogênea
CH3(CH2)4(CH)2CH2(CH)2(CH2)7COOH
IV. Sua massa molar é 59 g/mol.
(Massas atômicas: H = 1, C = 12, N = 14, O = 16.)
Sua cadeia carbônica é classificada como:
a) Aberta, normal, saturada e homogênea.
b) Aberta, normal, insaturada e heterogênea. A única fórmula que corresponde à descrição da
c) Aberta, ramificada, insaturada e heterogênea. substância X é a:
d) Aberta, ramificada, saturada e homogênea.
e) Aberta, normal, insaturada e homogênea.

12. (Pucmg) Os compostos isopentano, neopentano


e isobutano apresentam o seguinte número de
carbonos, respectivamente:
a) 5, 5, 4
b) 6, 6, 4
c) 5, 6, 4
d) 6, 4, 5
e) 6, 6, 5

13. (Pucpr) Em relação ao composto 2,4-dimetil-3-


hexanol, são feitas as seguintes afirmações:

I - É um álcool terciário.
II - Sua fórmula molecular é C8H18O
III - Apresenta 2 carbonos terciários. 16. (Pucrs) A "fluxetina", presente na composição
química do Prozac, apresenta fórmula estrutural
IV - Apresenta um carbono assimétrico.
V - Apresenta 4 carbonos primários.

Estão corretas:
a) I, III, IV e V
b) I, II, III e V
c) II, III, IV e V
d) I, II, III e IV
e) I, II, III, IV e V

14. (Pucpr) Dado o composto:

Com relação a este composto, é correto afirmar que


apresenta
Os radicais ligados aos carbonos 3, 5 e 6 da cadeia a) cadeia carbônica cíclica e saturada.
principal são, respectivamente: b) cadeia carbônica aromática e homogênea.
a) metil, etil e benzil c) cadeia carbônica mista e heterogênea.
b) fenil, etil e metil d) somente átomos de carbonos primários e
secundários.
45
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

e) fórmula molecular C17H16ONF.

17. (Pucrs) A fórmula estrutural que representa


corretamente um álcool com cadeia carbônica
alifática e insaturada é

a) Cadeias aromáticas com núcleo benzênico.


b) Arranjo de cadeias carbônicas acíclicas.
c) Cadeias alicíclicas de ligações saturadas.
d) Cadeias carbônicas heterocíclicas.
e) Arranjo de anéis de ciclohexano.

20. (Uerj) Na fabricação de tecidos de algodão, a


adição de compostos do tipo N-haloamina confere a
eles propriedades biocidas, matando até bactérias
que produzem mau cheiro.
O grande responsável por tal efeito é o cloro
presente nesses compostos.
18. (Uece) O radical benzeno chama-se fenil,
enquanto benzil é o radical derivado do tolueno.
Estes dois radicais apresentam as seguintes
estruturas:

A cadeia carbônica da N-haloamina acima


representada pode ser classificada como:
a) homogênea, saturada, normal
b) heterogênea, insaturada, normal
c) heterogênea, saturada, ramificada
d) homogênea, insaturada, ramificada

21. (Ufes) O lanosterol é um intermediário na


biossíntese do colesterol, um importante precursor
de hormônios humanos e constituinte vital de
membranas celulares.

19. (Uel) Dentre os componentes do cigarro,


encontram-se a nicotina que interfere no fluxo de
informações entre as células, a amônia que provoca
irritação nos olhos e o alcatrão, formado pela
mistura de compostos como o benzopireno, o
crizeno e o antraceno, todos com potencial
cancerígeno. Sobre o benzopireno, cuja estrutura
química é apresentada a seguir, é correto afirmar
que a molécula é formada por: Os números de carbono terciários e quaternários
com hibridização sp3 e o número de elétrons 
existentes na molécula do lanosterol são,
respectivamente,
a) 2, 4 e 2.
b) 2, 4 e 4.
c) 3, 3 e 2.
d) 3, 4 e 2.
46
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

e) 3, 4 e 4.
A respeito desse ácido, é correto afirmar que ele
22. (Ufes) O chá da planta Bidens pilosa, conhecida possui
vulgarmente pelo nome de picão, é usado para a) somente átomos de carbono secundários e
combater icterícia de recém-nascidos. Das folhas cadeia carbônica normal.
dessa planta, é extraída uma substância química, b) átomos de carbono primários e secundários, e
cujo nome oficial é 1-fenilepta-1,3,5-triino e cuja cadeia carbônica ramificada.
estrutura é apresentada a seguir. Essa substância c) átomos de carbono primários e secundários, e
possui propriedades antimicrobianas e, quando cadeia carbônica insaturada.
irradiada com luz ultravioleta, apresenta atividade d) átomos de carbono primários e terciários, e
contra larvas de mosquitos e nematoides. Sobre a cadeia carbônica saturada.
e) átomos de carbono primários e terciários, e
estrutura dessa substância, pode-se afirmar que
cadeia carbônica ramificada.

25. (Pucrj 2015) A seguir está representada a


estrutura do metacrilato de metila.

a) possui 12 átomos de carbono com hibridização


sp2.
b) possui 12 ligações  carbono-carbono.
c) não possui carbonos com hibridização sp3.
d) possui 3 átomos de carbono com hibridização sp.
e) possui 9 ligações  carbono-carbono.

23. (Uff) Analise a estrutura seguinte e considere as


Essa substância possui fórmula molecular
regras de nomenclatura da IUPAC.
a) C4H6O2 e 2 ligações pi ( π).
b) C4H6O2 e 4 ligações pi ( π).
c) C5H8O2 e 4 ligações pi ( π).
d) C5H8O2 e 10 ligações sigma (σ).
e) C5H8O2 e 14 ligações sigma (σ).

26. (Ufpel) O Mescal é uma planta da família das


Cactáceas, nativa do México, usada pela população
de certas partes do país como alucinógeno, em
rituais religiosos primitivos. O efeito alucinógeno
dessa planta é decorrente de um alcaloide
conhecido como mescalina. Observe sua estrutura:

Assinale a opção que indica as cadeias laterais


ligadas, respectivamente, aos carbonos de números
4 e 5 da cadeia hidrocarbônica principal.
a) propil e isobutil
b) metil e isobutil
c) terc-pentil e terc-butil
d) propil e terc-pentil
e) metil e propil

24. (Pucrj 2015) A seguir está representada a


estrutura do ácido fumárico.

Sobre a mescalina, é correto afirmar que


I - tem fórmula molecular C11H17O3N.
II - tem na sua estrutura carbonos primários e
quaternários.
III - tem hibridação do tipo sp3-sp3 nos carbonos do
anel benzênico.
47
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Está(ão) correta(s)
a) todas as afirmativas.
b) as afirmativas I e II.
c) as afirmativas II e III.
d) as afirmativas I e III.
e) somente a afirmativa I.

27. (Uece 2015) Vem de uma flor, cura a dor, mas


causa morte e pavor. É a aspirina, o remédio mais
conhecido do mundo. Contém o ácido acetilsalicílico
existente em flores do gênero Spirae, muito usadas
em buquês de noivas. Além de curar a dor, esse
ácido também é usado para proteger o coração de a) Radical I: terc-butil.
doenças, pois ele também impede a formação de b) Radical II: alil.
coágulos, mas, se usado indiscriminadamente, pode c) Radical III: benzil.
causar a morte. Veja a estrutura de uma molécula d) Radical IV: p-toluil.
desse ácido e assinale a afirmação verdadeira.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
Observe o remédio a seguir e sua composição para
responder à(s) questão(ões).

a) Sua massa molar está abaixo de 180 g / mol.


b) Na estrutura existem dois carbonos primários,
seis carbonos secundários e um carbono
terciário.
c) Pode ser isômero de um éster que possua a
seguinte fórmula química: C9H8O4.
d) Possui cinco ligações π (pi) e vinte ligações σ Google Imagens. Disponível
(sigma). em:<http://www.aspirina-
ca.com/scripts/pages/es/home/index.php> Acesso
28. (Uece 2015) A medicina ortomolecular surgiu em: 15 abr. 2015 (Com adaptações).
para corrigir desequilíbrios químicos provocados
pelos radicais livres, que desempenham papel
importante nas doenças e no envelhecimento. Em 29. (G1 - ifsul 2015) O composto orgânico
um organismo equilibrado e saudável, algumas reproduzido no início da página apresenta várias
moléculas são logo destruídas. Nas pessoas em que características, dentre as quais, caracteriza-se
são encontrados altos níveis de radicais livres, o como correta a
equilíbrio é refeito com o uso de antioxidantes, a) presença de anel aromático com quatro ligações
juntamente com diversas outras medidas duplas alternadas.
preconizadas pela medicina ortomolecular. b) existência de três átomos de carbono com
hibridização sp.
Atente aos radicais livres apresentados a seguir e
c) massa molar aproximadamente igual a
assinale a opção que associa corretamente o radical
livre ao seu nome. 200 gmol1.
d) presença de cinco ligações covalentes em eixos
paralelos (ligação pi).

30. (Ufrrj) A estrutura do Geraniol, precursor de um


aromatizante com odor de rosas, está colocada a
seguir.

48
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

01) três carbonos híbridos em sp3 e três carbonos


híbridos em sp2.
02) seis orbitais não-híbridos denominados "p puro".
04) todos os átomos de hidrogênio ligados aos de
carbono através de ligações  (s-sp2).
08) três ligações do tipo .
Em relação à molécula, pode-se afirmar que 16) apenas seis ligações do tipo .
32) todos os carbonos híbridos em sp2.
a) apresenta 30 ligações sigmas () e 2 pi (). 64) três carbonos saturados e três carbonos
b) é um hidrocarboneto de cadeia insaturada. insaturados.
c) os carbonos três e quatro da cadeia principal
apresentam hibridações sp3 e sp2, 34. (Ufsm) Considere, a seguir, o conjunto de
respectivamente. representações de moléculas de algumas
d) dos dez carbonos, quatro são trigonais e seis são substâncias químicas com fundamental importância
tetraédricos. na fisiologia humana.
e) apresenta cadeia acíclica, ramificada,
heterogênea e insaturada.

31. (Ufrrj) Dos compostos a seguir, aquele que


apresenta uma cadeia carbônica acíclica, normal,
saturada e heterogênea é o
a) 2- propanol.
b) etilamina.
c) 1- cloro - propano.
d) etoxi - etano.
e) hidroxi - benzeno.

32. (Ufrgs) A fumaça liberada na queima de carvão


contém muitas substâncias cancerígenas, dentre
elas os benzopirenos, como, por exemplo, a
estrutura
Então, qual a afirmação correta a respeito das
ligações químicas existentes nas moléculas
representadas?
a) Todas as moléculas contêm ligações  entre
carbono sp3 e nitrogênio.
b) Na serotonina e na tirosina, existem ligações 
entre carbono sp2 e oxigênio.
c) Todas as moléculas contêm, pelo menos, uma
Sua cadeia carbônica corresponde a um ligação entre carbono sp e oxigênio.
a) hidrocarboneto, insaturado, aromático, com d) Todas as moléculas contêm ligações  em um
núcleos condensados. sistema com deslocalização de elétrons.
b) hidrocarboneto, alicíclico, insaturado, com três e) Somente na serotonina, existem ligações  e 
núcleos condensados. entre átomos de carbono e nitrogênio.
c) heterocíclico, saturado, aromático.
d) ciclo homogêneo, saturado, aromático. 35. (Enem 2014) A forma das moléculas, como
e) alqueno, insaturado, não aromático. representadas no papel, nem sempre é planar. Em
um determinado fármaco, a molécula contendo um
33. (Ufsc) A estrutura do hidrocarboneto aromático grupo não planar é biologicamente ativa, enquanto
benzeno (C6H6) é representada pelo híbrido de moléculas contendo substituintes planares são
ressonância a seguir, que possui: inativas.

O grupo responsável pela bioatividade desse


fármaco é

49
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

a)

b)

Resposta da questão 4:
[C]
c)

Análise das alternativas:

a) Alternativa errada. A cadeia não é aromática,


d)
pois não há ressonância.
b) Alternativa errada. A fórmula molecular é C10H16.
c) Alternativa correta. A cadeia carbônica é
mista, apresenta duas ligações pi (2
insaturações), como possui apenas átomos
e) de carbono é homogênea.
d) Alternativa errada. A molécula apresenta 3
Gabarito: carbonos primários, 4 carbonos secundários e 3
carbonos terciários.
Resposta da questão 1: e) Alternativa errada. A molécula apresenta 2
Ver figura. ligações duplas e 16 ligações simples (cada
carbono faz 4 ligações e quando não aparecem
estão subentendidas).

Resposta da questão 5: [E]

Resposta da questão 6: [D]

Resposta da questão 7: [A]

Resposta da questão 8: [C]

Resposta da questão 9: [D]

Resposta da questão 10: [C]

Resposta da questão 11: [E]


Resposta da questão 2:
[A] Resposta da questão 12: [A]

Resposta da questão 3: Resposta da questão 13: [C]


[D]
Resposta da questão 14: [B]

Resposta da questão 15: [C]

Resposta da questão 16: [C]

50
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Resposta da questão 17: [C]

Resposta da questão 18: [D]

Resposta da questão 19: [A]

Resposta da questão 20: [C]

Resposta da questão 21: [E]

Resposta da questão 22: [E]

Resposta da questão 23: [A] [C] Correta. Existem diferentes estruturas isômeras
formadas a partir da fórmula C9H8O4.
Resposta da questão 24: [C]
[D] Incorreta. Possui 5 ligações pi e 21 ligações do
A estrutura do ácido fumárico possui cadeia tipo sigma.
carbônica insaturada. O número de carbonos
primários e secundários é ilustrado abaixo: Resposta da questão 28:
[C]

[I] Radical sec-butil ou s-butil.


[II] Radical etenil ou vinil.
[III] Radical Benzil.
[IV] Radical meta-toluil.

Resposta da questão 29:


[D]
Resposta da questão 25:
[E] [A] Incorreta. O anel aromático possui 3 duplas
ligações alternadas.

[B] Incorreta. Átomo de carbono com hibridização


do tipo sp, deve possui uma tripla ligação ou
duas duplas, o que não ocorre no composto da
aspirina.

[C] Incorreta. Massa molar da aspirina


C9H8O4  12  9  1 8  16  4  180g / mol

[D] Correta. A molécula apresenta 5 duplas


ligações sendo 5 ligações do tipo pi, que ocorre
em eixos paralelos (subnível p).
A fórmula molecular do composto será: C5H8O2,
com 14 ligações tipo sigma (σ).

Resposta da questão 26:


[E]

Resposta da questão 27:


[C]

[A] Incorreta. O ácido acetilsalicílico possui fórmula


molecular C9H8O4 de massa molecular Resposta da questão 30: [D]
180g/mol.
Resposta da questão 31: [D]
[B] Incorreta.
Resposta da questão 32: [A]

51
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira www.portalepisteme.com.br

Resposta da questão 33: 02 + 04 + 08 + 32 = 46

Resposta da questão 34: [D]

Resposta da questão 35: [A]

A molécula contendo um grupo não planar é


biologicamente ativa, ou seja, não apresenta
ligação pi ( π), o que é o caso da alternativa [A].

52
www.cursoanualdequimica.com – e-mail: cursodequimica@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

MÓDULO 02
Funções Orgânicas – I
2.1. Nomenclatura dos Alcanos
Antigamente, quando poucos compostos orgânicos puros eram conhecidos, cada composto novo recebia um
nome escolhido pelo seu descobridor. Assim, a uréia (CH 4N2O) é uma substância cristalina isolada a partir da
urina; a morfina (C17H19NO3) é um analgésico cujo nome se relaciona a Morfeu, o deus grego dos sonhos, e o
ácido barbitúrico é um agente tranquilizante cujo nome é uma homenagem de seu descobridor a uma amiga
chamada Bárbara.
Com o crescimento da ciência da química orgânica no século XIX, aumentou progressivamente o número
dos compostos conhecidos, e passou a ser necessário um método sistemático para nomeá-los. O sistema de
nomenclatura que usaremos neste curso é o que foi desenvolvido pela União Internacional de Química Pura e
Aplicada, IUPAC (International Union of Pure and Applied Chemistry).
No sistema IUPAC,o nome de um composto químico é constituído de três panes: prefixo, um composto
principal e um sufixo, O composto principal relaciona-se à parte da molécula identificada com a cadeia principal
e informa o número e o arranjo dos átomos de carbono que a compõem, o sufixo identifica a função química a
que a molécula pertence, e o prefixo fornece a localização dos grupos funcionais e de outros substituintes na
cadeia principal.

Quando abordarmos novos grupos funcionais, forneceremos as regras da nomenclatura IUPAC que se
aplicam. Além disto, nestes módulos 2 e 3 estaremos fornecendo uma visão geral da nomenclatura orgânica e
também estaremos estudando como são nomeados os compostos que contêm mais de um grupo funcional. Por
ora, vejamos como nomear os alcanos de cadeia ramificada.

53
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

nome estrutura de Kekulé estrutura condensada

H
metano H C H CH4
H

H H
etano H C C H CH3CH3

H H

H H H
propano H C C C H CH3CH2CH3
H H H

H H H H

butano H C C C C H CH3CH2CH2CH3
H H H H

Quando o número de carbonos ultrapassa três em um alcano, o número de estruturas possíveis aumenta.
Existem duas estruturas possíveis para um alcano com fórmula molecular C 4H10. Além do butano – um alcano de
cadeia linear – há um butano ramificado chamado isobutano. Ambas as estruturas preenchem o requisito de que
todo carbono forma quatro ligações e cada hidrogênio forma apenas uma.
Substâncias como butano e isobutano, que têm a mesma fórmula molecular, mas diferem na ordem com
que os átomos são conectados, são chamados isômeros constitucionais – suas moléculas têm diferentes
constituições. Na realidade, o isobutano recebeu este nome porque ele é um isômero do butano. A unidade
estrutural – um carbono ligado a um hidrogênio e dois grupos CH 3 – que existe no isobutano veio a ser chamada
“iso”. Assim, o nome isobutano diz que a substância é um alcano com quatro carbonos com uma unidade estrutural
iso.
CH3CH2CH2CH3 CH3CHCH3 CH3CH
butano CH3 CH3
isobutano unidade
estrutural "iso"

Existem três alcanos com a fórmula molecular C 5H12. Pentano é o alcano de cadeia linear. Isopentano,
como seu nome indica, tem uma unidade estrutural iso e cinco átomos de carbono. O terceiro isômero é chamado
neopentano. A unidade estrutural com um carbono rodeado por outros quatro carbonos é chamada “neo”.
CH3 CH3
CH3CH2CH2CH2CH3 CH3CHCH2CH3 CH3CCH3 CH3CCH2
pentano CH3 CH3
CH3
isopentano neopentano unidade
estrutural "neo"

54
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Existem cinco isômeros constitucionais com a fórmula molecular C 6H14. Agora somos capazes de nomear
três deles (hexano, iso-hexano e neo-hexano), mas não podemos nomear os outros dois sem definir nomes para
novas unidades estruturais.

CH3
CH3CH2CH2CH2CH2CH3 CH3CHCH2CH2CH3 CH3CCH2CH3
nome comum: hexano CH3 CH3
nome sistemático: hexano iso-hexano neo-hexano
2-metilpentano 2,2-dimetilbutano
CH3CH2CHCH2CH3 CH3CH CHCH3
CH3 CH3 CH3
3-metilpentano 2,3-dimetilbutano

Uma substância pode ter mais de um nome, mas este deve especificar apenas uma substancia.
Existem nove alcanos com fórmula molecular C7H15. Podemos nomear apenas dois deles (heptano e iso-
heptano) sem definir uma nova unidade estrutural. Observe que neo-heptano não pode ser usado como um nome
porque três heptanos diferentes têm um carbono que é ligado a quatro outros carbonos e um nome precisa
especificar apenas uma substancia.
O número de isômeros constitucionais aumenta rapidamente quando o número de carbonos no alcano
aumenta. Por exemplo, existem 75 alcanos com fórmula molecular C 10H22 e 4.347 alcanos com a fórmula
molecular C15H32. Para evitar ter de memorizar os nomes de milhares de unidades estruturais, os químicos
elaboraram regras que nomeiam substâncias com base em suas estruturas. Dessa forma, somente as regras têm de
ser aprendidas. Como o nome é baseado na estrutura, essas regras tomam possível deduzir a estrutura de uma
substância a partir de seu nome.
Esse método de nomenclatura é chamado nomenclatura sistemática. É chamado também nomenclatura
Iupac porque foi designado pela comissão da União Internacional de Química Pura e Aplicada (Iupac –
International Union of Pure and Applied Chemistry) em uma reunião em Genebra, Suíça, em 1892. As regras da
Iupac têm sido revisadas continuamente por essa comissão desde então. Nomes como isobutano e neopentano –
nomes não sistemáticos – são chamados nomes comuns. Os nomes sistemáticos ou “Iupac” são mostrados em
seguida. Antes de podermos entender como um nome sistemático é construído para um alcano, precisamos
aprender como nomear substituintes alquila.

CH3CH2CH2CH2CH2CH2CH3 CH3CHCH2CH2CH2CH3
nome comum: heptano CH3
nome sistemático: heptano
iso-heptano
2-metil-hexano
CH3CH2CHCH2CH2CH3
CH3CH CHCH2CH3 CH3CHCH2CHCH3
CH3
CH3 CH3 CH3 CH3
3-metil-hexano 2,3-dimetilpentano 2,4-dimetilpentano
CH3 CH3
CH3 CH3
CH3CCH2CH2CH3 CH3CH2CCH2CH3 CH3CH2CHCH2CH3 CH3C CHCH3
CH3 CH3 CH2CH3 CH3
2,2-dimetilpentano 3,3-dimetilpentano 3-etilpentano 2,2,3-trimetilbutano
2.2. Nomenclatura de Alcanos
55
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

A nomenclatura sistemática de um alcano é obtida utilizando-se as seguintes regras:

1. Determine o número de carbonos na cadeia contínua de carbono mais comprida. Tal cadeia é chamada cadeia
principal. O nome que indica o número de carbonos da cadeia principal se toma o “último nome” do alcano.
Por exemplo, uma cadeia principal com oito átomos de carbono seria chamada octano. A cadeia contínua
mais comprida nem sempre é linear; algumas vezes pode-se caminhar em ziguezagues para se obter a cadeia
contínua mais comprida.

Primeiro determine o número de carbonos na cadeia contínua mais comprida.

2. O nome de qualquer substituinte alquila que está ligado à cadeia principal é citado antes do nome da cadeia
principal, junto com um número para designar o carbono ao qual ele está ligado. A cadeia é numerada de
modo a dar ao substituinte o menor número possível. O nome do substituinte e o nome da cadeia principal
são unifica dos em uma palavra (ou separados por um hífen), e há um hífen entre o número e o nome do
substituinte.

Numere a cadeia para que o substituinte receba o menor número possível.

1 2 3 4 5 6 5 4 3 2 1
CH3CHCH2CH2CH3 CH3CH2CH2CHCH2CH3
CH3 CH2CH3
2-metilpentano 3-etil-hexano

1 2 3 4 5 6 7 8
CH3CH2CH2CHCH2CH2CH2CH3
CHCH3
CH3
4-isopropiloctano

Observe que apenas nomes sistemáticos têm números; nomes comuns nunca contêm números.

CH3
CH3CHCH2CH2CH3
nome comum: iso-hexano
nome sistemático: 2-metilpentano
Números são utilizados apenas para nomes sistemáticos, nunca para comuns.

56
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

3. Se mais de um substituinte estiver ligado à cadeia principal, a cadeia é numerada na direção que resultará no
menor número possível no nome da substância. Os substituintes são listados em ordem alfabética (não
numérica), com cada substituinte recebendo o número apropriado. No exemplo seguinte, o nome correto (5-
etíl-3- metil-octano) contém 3 como menor número, enquanto o nome incorreto (4-etil-6-metiloctano) contém
4 como menor número:
Substituintes são listados em ordem alfabética.

CH3CH2CHCH2CHCH2CH2CH3
CH3 CH2CH3
5-etil-3-metiloctano
e não
4-etil-6-metiloctano
porque 3 < 4

Se dois ou mais substituintes são iguais, os prefixos “di”, “tri” e “letra” são utilizados para indicar quantos
substituintes idênticos a substância possui. Os números que indicam a localização dos substituintes idênticos são
listados e separados por vírgula. Note que é preciso haver tantos números no nome quanto substituintes existirem.
Um número e uma palavra são separados por um hífen; números são separados por uma vírgula.

CH3 CH3
CH3CH2CHCH2CHCH3 CH3CH2CH2C CCH2CH3
CH3 CH3 CH3 CH3
2,4-dimetil-hexano 3,3,4,4-tetrametil-heptano

Os prefixos di, tri, tetra, sec e terc são ignorados na ordem alfabética dos grupos substituintes, mas os
prefixos iso, neo e ciclo não.
Di, tri. tetra, sec e terc são ignorados na ordem alfabética.
Iso, neo e ciclo não são ignorados na ordem alfabética.
CH2CH3 CH3 CH3

CH3CH2CCH2CH2CHCHCH2CH2CH3 CH3CH2CH2CHCH2CH2CHCH3

CH2CH3 CH2CH3 CHCH3


CH3
3,3,6-trietil-7-metildecano
5-isopropil-2-metiloctano

4. Quando ambas as direções levam ao menor número para um dos substituintes, a direção escolhida a que
fornece o menor número possível para um dos substituintes restantes.

CH3 CH3 CH2CH3


CH3CCH2CHCH3 CH3CH2CHCHCH2CHCH2CH3
CH3 CH3 CH3
2,2,4-trimetilpentano 6-etil-3,4-dimetiloctano
e não e não
2,4,4-trimetilpentano 3-etil-5,6-dimetiloctano
porque 2 < 4 porque 4 < 5
5. Se o mesmo número de substituintes for obtido em ambas as direções, o primeiro grupo citado recebe o
menor número.
57
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Só se a mesma numeração for obtida em ambas as direções é que o primeiro grupo citado receberá o menor
número.
Cl CH2CH3

CH3CHCHCH3 CH3CH2CHCH2CHCH2CH3

Br CH3
2-bromo-3-clorobutano 3-etil-5-metil-heptano
e não e não
3-bromo-2-clorobutano 5-etil-3-metil-heptano

6. Se uma substância tem mais que duas cadeias de mesmo comprimento, a cadeia principal será a que tiver o
maior número de substituintes.

No caso de duas cadeias com o mesmo número de carbonos, escolha a que tiver mais substituintes.

3 4 5 6 1 2 3 4 5 6
CH3CH2CHCH2CH2CH3 CH3CH2CHCH2CH2CH3
2
CHCH3 CHCH3
1
CH3 CH3
3-etil-2-metil-hexano (dois substituintes) e não
3-isopropil-hexano (um substituinte)

7. Nomes como “isopropila”, “sec-butila” e “terc-butila” são nomes de substituintes aceitáveis no sistema
Iupac de nomenclatura, porém nomes sistemáticos para os substituintes são preferíveis. Nomes sistemáticos
para os substituintes são obtidos ao se numerar o substituinte alquila que se inicia no carbono que por sua
vez está ligado à cadeia principal. Isso significa que o carbono que está ligado à cadeia principal é sempre
o carbono número 1 do substituinte. Em uma substância como 4-(l-inetil-etil)-octano, o nome do substituinte
está entre parênteses; o número dentro do parênteses indica a posição do substituinte, enquanto o número
fora do parênteses indica a posição na cadeia principal.

CH3CH2CH2CH2CHCH2CH2CH3 CH3CH2CH2CH2CHCH2CH2CH2CH2CH3
2 3
2

1 CHCH3 CH2CHCH3
1

CH3 CH3
4-isopropiloctano 5-isobutildecano
ou ou
4-(1-metil-etil)-octano 5-(2-metil-propil)-decano

Alguns substituintes têm apenas um nome sistemático:

CH2CH2CH3 CH3 CH3


1
CH3CH2CH2CH2CHCH2CHCH2CH2CH3 CH3CHCHCH2CHCH2CHCH2CH3
3 2 3 4
2
CH3CHCHCH3 CH3 CH2CH2CH2CH2CH3
1
CH3
6-(1,2-dimetil-propil)-4-propildecano 2,3-dimetil-5-(2-metil-butil)-decano

Essas regras nos permitem nomear milhares de alcanos e eventualmente aprenderemos as regras adicionais
necessárias para nomear outros tipos de substâncias. As regras são importantes se desejarmos procurar uma
58
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

substância na literatura científica, porque normalmente ela estará listada pelo seu nome sistemático. No entanto,
é necessário seguirmos com o aprendizado dos nomes comuns porque eles já existem há tanto tempo e são tão
consagrados no vocabulário químico que acabam sendo muito utilizados em conversas científicas, além de serem
sempre encontrados na literatura.

Observe os nomes sistemáticos para os hexanos e heptanos isoméricos no início deste módulo para ter
certeza de que entendeu como são construídos.

2.3. Fórmula molecular e grau de insaturação


Você aprendeu que a fórmula molecular geral para alcanos não-cíclicos é CnH2n+2. Também foi visto que
a fórmula molecular geral para os alcanos cíclicos é C nH2n porque a estrutura cíclica possui dois hidrogênios a
menos. As substâncias não-cíclicas são chamadas acíclicas (“a” é “não” em grego).

A fórmula molecular geral para um hidrocarboneto é CnH2n+2, menos dois hidrogênios para cada ligação 
ou ciclo presente na molécula.

A fórmula molecular geral para alcenos acíclicos é C nH2n porque, como resultado da ligação dupla carbono-
carbono, um alceno tem dois hidrogênios a menos do que os alcanos com o mesmo número de átomos de carbonos.
Assim, a fórmula molecular geral para os alcenos cíclicos deve ser C nH2n-2. Podemos, portanto, estabelecer a
seguinte regra: A fórmula molecular geral para um hidrocarboneto é menos CnH2n+2, menos dois hidrogênios
para cada ligação π e/ou ciclos na molécula.

CH3CH2CH2CH2CH3 CH3CH2CH2CH CH2


alcano alceno
C5H12 C5H10 alcano cíclico alceno cíclico
CnH2n+2 CnH2n C5H10 C5H8
CnH2n CnH2n-2
Portanto, se conhecemos a fórmula molecular de um hidrocarboneto, podemos determinar quantos ciclos
e/ou ligações  determinado hidrocarboneto possui porque, para cada dois hidrogênios que são perdidos na
fórmula molecular CnH2n+2, um hidrocarboneto tem uma ligação π ou um ciclo. Por exemplo, uma substância com
a fórmula molecular C8H14 necessita de quatro hidrogênios para tornar-se C8H18 (C8H2x8+2). Consequentemente, a
substância tem pelo menos (1) duas ligações duplas, (2) um anel e uma ligação  , (3) dois ciclos, ou (4) uma
ligação tripla. Lembre-se de que uma ligação tripla consiste em duas ligações  e uma  .

Várias substâncias com fórmula molecular C8H14


CH3(CH2)5C CH CH2CH3
CH3CH CH(CH2)3CH CH2

Como alcanos contêm o número máximo possível de ligações carbono-hidrogênio – isto é, estão saturados
com hidrogênios – eles são chamados de hidrocarbonetos saturados. Ao contrário, alcenos são chamados de
hidrocarbonetos insaturados, porque eles possuem menos hidrogênios do que o máximo esperado. O número
total de ligações π e ciclos em um alceno é chamado de grau ou número de insaturação.

CH3CH2CH2CH3 CH3CH CHCH3


hidrocarboneto saturado hidrocarboneto insaturado

2.4. Nomenclatura dos alcenos

59
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

A nomenclatura sistemática (IUPAC) de alcenos é obtida substituindo-se a terminação “ano” do


correspondente alcano por “eno”. Por exemplo, um alceno com dois carbonos é chamado de eteno e um alceno
com três carbonos é chamado de propeno. Eteno é também Frequentemente chamado pelo nome comum de
etileno.

H2C CH2 CH3CH CH2


nomenclatura sistemática: eteno propeno ciclopenteno ciclo-hexeno
numenclatura comum: etileno propileno

Os nomes de muitos alcenos precisam de um número para indicar a posição da ligação dupla (os quatro
nomes citados anteriormente não precisam, porque não há ambiguidade). As regras da Iupac que foram aprendidas
anteriormente aplicam-se aos alcenos, como a seguir:

1. A cadeia contínua mais longa que contém o grupo funcional (neste caso, a ligação dupla carbono-
carbono) é numerada na direção que der o menor número ao sufixo do grupo funcional. Por exemplo,
1-buteno significa que a ligação dupla está entre o primeiro e o segundo carbono do buteno; 2-hexeno
significa que a ligação dupla está entre o segundo e o terceiro carbono do hexeno.

Numere a cadeia contínua mais longa que contém o grupo funcional que dá o menor número possível ao
sufixo do grupo funcional.

Observe que l-buteno não apresenta um nome comum. Você deve estar atento, pois pode chamá-lo de
butileno, uma vez que é análogo ao “propileno” para o propeno, mas butileno não é um nome apropriado. Um
nome pode ser ambíguo, e “butileno” pode significar 1-buteno ou 2-buteno.

2. O nome de um substituinte é citado antes do nome da cadeia carbônica contínua mais longa que contém
o grupo funcional, junto com o número que designa o carbono ao qual o substituinte está ligado. Note
que a cadeia ainda é numerada na direção que dê o menor número possível ao sufixo do grupo funcional.

60
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Substituintes são citados em ordem alfabética.


3. Se uma cadeia possui mais de um substituinte, eles são citados em ordem alfabética, usando-se a mesma
regra para a ordem que foi explicada anteriormente. (Os prefixos di, tri, sec e terc devem ser ignorados
quando os substituintes são postos em ordem alfabética, mas iso, neo e ciclo não são ignorados.) O
número apropriado é então assinalado para cada substituinte.

Br Cl
2 4 6 8
1 3 5 7 CH3CH2CHCHCH2CH
2
CH
1
2
7 6 5 4 3

5-bromo-4-cloro-1-hepteno
3,6-dimetil-3-octeno

4. Se o mesmo número para o sufixo do grupo funcional no alceno for obtido para ambas as
direções, o nome correto é o que contém o menor número para o substituinte. Por exemplo,
2,5-dimetil-4-octeno é um 4-octeno em que a cadeia mais longa é numerada da esquerda para
a direita ou da direita para a esquerda. Se você numerar da esquerda para a direita, os
substituintes estão na posição 4 e 7, mas se numerar da direita para a esquerda eles se
apresentam na posição 2 e 5. Comparando os quatro números para substituintes, 2 é menor,
sendo a substância chamada 2,5-dimetil-4-octeno, e não 4,7-dimetil-4-octeno.

CH3CH2CH2C CHCH2CHCH3 CH3CHCH CCH2CH3


CH3 CH3 Br CH3
2,5-dimetil-4-octeno 2-bromo-4-metil-3-hexeno
e não e não
4,7-dimetil-4-octeno 5-bromo-3-metil-3-hexeno
porque 2 < 4 proque 2 < 3

5. Em alcenos cíclicos, um número não é necessário para denotar a posição do grupo funcional,
porque o ciclo é sempre numerado com as ligações duplas entre os carbonos 1 e 2.

2
5 CH3 CH3
1 3 CH2CH3 1

4
2
4
5
3 CH3 CH2CH3
3-etilciclopenteno 4,5-dimetilciclo-hexeno 4-etil-3-metilciclo-hexeno

Em ciclo-hexenos, a ligação dupla está entre os carbonos C-l e C-2, não importando que se
desloque pelo anel no sentido horário ou anti-horário. Então, você deve mover ao redor do anel
na direção que o substituinte leve o menor número, e não na direção que resultaria na menor
soma dos números dos substituintes. Por exemplo, 1,6-diclorociclo-hexeno não é chamado 2,3-
diclorociclo-hexeno porque l,6-diclorociclo-hexeno tem o menor número de substituinte (1);
observe que ele não apresenta a menor soma de números de substituintes (1 + 6 = 7
versus 2 + 3 = 5).

61
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Cl
Cl CH3CH2 CH3

1,6-diclorociclo-hexeno 5-etil-1-metilciclo-hexeno
e não e não
2,3-diclorociclo-hexeno 4-etil-2-metilciclo-hexeno
porque 1 < 2 porque 1 < 2

6. Se ambas as direções levam ao mesmo número para o sufixo do grupo funcional e o mesmo
menor número(s) para um ou mais substituintes, os substituintes são ignorados e a direção é
alterada para a que fornece o menor número para o substituinte que resta.

Br Cl
CH3CHCH2CH CCH2CHCH3
CH3 CH2CH3 Br CH3

2-bromo-4-etil-7-metil-4-octeno 6-bromo-3-cloro-4-metilcicloexeno
e não e não
7-bromo-5-etil-2-metil-4-octeno 3-bromo-6-cloro-5-metilcicloexeno
porque 4 < 5 porque 4 < 5

Os carbonos sp2 de um alceno são chamados carbonos vinílicos. O carbono sp3 que está
adjacente ao carbono vinílico é chamado carbono alílico.

carbono vinílicos

RCH2 CH CH CH2R

carbonos alílicos

Dois grupos que contêm uma ligação dupla carbono-carbono podem usar nomes comuns - o grupo
vinílico e o grupo alílico. O grupo vinílico é o menor grupo possível que contém o carbono vinílico; o
grupo alílico é o menor grupo possível que contém o carbono alílico. Quando “alil” for usado na
nomenclatura, o substituinte deve estar ligado ao carbono alílico.

H2C CH H2C CHCH2


grupo vinílico grupo alílico
H2C CHCl H2C CHCH2Br
nomenclatura sistemática: cloroeteno 3-bromo-propeno
nome comum: cloreto de vinila brometo de alila

2.4.1. Estrutura dos alcenos

A estrutura do menor alceno foi descrita no módulo 1. Outros alcenos apresentam estruturas similares. Cada
carbono da ligação dupla em um alceno possui três orbitais sp2 que se encontram em um plano com ângulos de
62
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

120°. Cada um dos orbitais sp2 apresenta sobreposições com outros orbitais de outros átomos para formarem
ligações  . Assim, uma das ligações carbono-carbono da ligação dupla é uma ligação  , formada pela
sobreposição de um orbital sp2 de um carbono com outro orbital sp2 do outro carbono. A segunda ligação carbono-
carbono na ligação dupla (a ligação  ) é formada pela sobreposição lado a lado do orbital p remanescente do
carbono sp2. Uma vez que três pontos determinam um plano, cada carbono sp2 e os dois átomos ligados por
ligações simples se encontram no mesmo plano. Para ocorrer uma sobreposição máxima entre orbitais, os dois
orbitais p devem estar paralelos entre si. Dessa maneira, todos os seis átomos do sistema da dupla ligação se
encontram no mesmo plano.

H3C CH3
C C
H3C CH3

os seis átomos de carbono


estão em um mesmo plano

É importante lembrar que a ligação  representa as nuvens que se encontram acima e abaixo do plano
definido pelos dois carbonos sp2 e os quatro átomos ligados a eles.

sobreposição de orbitais p
para formarem a ligação 

H3C CH3
C C
H3C CH3

2.5. Nomenclatura de alcenos com mais de um grupamento funcional


Para se chegar ao nome sistemático de um dieno, devemos inicialmente identificar pelo nome de seu alceno
a cadeia contínua mais longa que contenha ambas as ligações duplas, e depois trocar a terminação “eno” pela
terminação “adieno”. A cadeia é numerada na direção que fornece à ligação dupla os menores números possíveis.
Os números que indicam a localização das ligações duplas são citados antes do nome da substância ou precedem
o sufixo. Os substituintes são citados em ordem alfabética. O propadieno, o menor dos membros da classe de
substâncias conhecidas como alenos, é Frequentemente chamado aleno.
6 2
CH3 4
1 2 3
5 3
CH2 C CH2 CH2 C CH CH2 Br 4

sistemático: propadieno 2-metil-1,3-butadieno 5-bromo-1,3-ciclo-hexadieno


comum: aleno ou ou
2-metilbuta-1,3-dieno 5-bromociclo-hexa-1,3-dieno
isopreno
CH3 CH3 CH2CH3
6 5 4 3 2 1 1 3 5 6 7
2 4
CH3CH CHCH2C CH2 CH3C CHCH CCH2CH3

2-metil-1,4-hexadieno 5-etil-2-metil-2,4-heptadieno
ou ou
2-meitl-hexa-1,4-dieno 5-etil-2-metil-hepta-2,4-dieno
63
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Para nomear um alceno no qual o segundo grupamento funcional não é outra ligação dupla – e é nomeado
com um sufixo de grupamento funcional –, escolha a cadeia contínua mais longa que contenha ambos os grupos
funcionais e cite ambas as designações no final do nome. A terminação “eno” é citada primeiro com a terminação
“o” omitida para evitar duas vogais adjacentes. A localização do primeiro grupamento funcional citado é sempre
dada antes do nome da cadeia. A localização do segundo grupamento funcional é citada imediatamente antes de
seu sufixo.
Se os grupamentos funcionais são uma ligação dupla e uma ligação tripla, a cadeia é numerada na direção
que fornece o número mais baixo ao nome da substância. Assim, o número mais baixo é dado para o sufixo do
alceno na substância à esquerda e ao sufixo do alcino na substância à direita.

Quando os grupos funcionais são uma ligação dupla e uma ligação tripla, a cadeia é numerada de moda a
fornecer a menor número passível ao nome da substância, independentemente de qual grupamento funcional
adquire o menor número.

1 2 3 4 5 6 7
7 6 5 4 3 2 1
CH3CH CHCH2CH2C CH CH2 CHCH2CH2C CCH3

5-hepten-1-ino 1-hepten-5-ino
e não 2-hepten-6-ino e não 6-hepten-2-ino
porque 1 < 2 porque 1 < 2

CH2CH2CH2CH3

CH2 CHCHC
2 3 4
CCH
5 6 3
1

3-butil-1-hexen-4-ino
A cadeia contínua mais longa possui oito carbonos, porém a cadeia
de oito carbonos não contém ambos os grupos funcionais; portanto,
a substância é nomeada como um hexenino porque a cadeia contínua
mais longa que contém ambos os grupos funcionais possui seis carbonos.

Se o mesmo número for obtido em ambas as direções, a cadeia é numerada na direção que fornece à ligação
dupla o menor número.
Se ocorrer empate entre uma ligação dupla e uma ligação tripla. a ligação dupla adquire o menor número.

1 2 3 4 5 6 6 5 4 3 2 1
CH3CH CHC CCH3 HC CCH2CH2CH CH2
2-hexen-4-ino 1-hexen-5-ino
não 4-hexen-2-ino não 5-hexen-1-ino

As prioridades relativas aos sufixos dos grupamentos funcionais estão apresentadas no módulo seguinte. Se
o sufixo do segundo grupamento funcional possuir uma prioridade maior do que o alceno, a cadeia é numerada
na direção que estabelece o menor número possível ao grupamento funcional de maior prioridade.
A cadela é numerada de modo a fornecer o menor número possível ao grupamento funcional de maior
prioridade.

64
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

CH3 NH2
CH2 CHCH2OH CH3C CHCH2CH2OH CH2 CHCH2CH2CH2CHCH3
2-propen-1-ol 4-metil-3-penten-1-ol 6-hepten-2-amina
e não 1-propen-3-ol

CH3CH2CH2CH2CH2CHCH CH2 CH3


NH2
OH OH
1-octen-3-ol 6-metil-2-ciclo-hexenol 3-ciclo-hexanamina
2.6. Nomenclatura dos Alcinos
O nome sistemático de um alcino é obtido ao se substituir a terminação “ano” do alcano correspondente por
“ino”. Do mesmo modo como são nomeadas substâncias com outros grupos funcionais, a maior cadeia contínua
que contém a ligação tripla carbono-carbono é numerada na direção que forneça ao sufixo do grupo funcional
alcino o menor número possível. Se a ligação tripla estiver no fim da cadeia, o alcino é classificado como alcino
terminal. Os alcinos com ligações triplas localizadas em outra parte da cadeia são chamados alcinos internos. Por
exemplo, o 1-butino é um alcino terminal, ao passo que o 2-pentino é um alcino interno.

CH2CH3
HC CH
CH3CH2C CH CH3C CCH2CH3 CH3CHC CCH3
Sistemático etino 1-butino 2-pentino 4-metil-2-hexino
Comum: acetileno etilacetileno etilmetilacetileno sec-butilmetilacetileno
alcino terminal alcino interno
Na nomenclatura comum, os alcinos são nomeados como acetilenos substituídos. O nome comum é obtido
citando os nomes dos grupos alquila, em ordem alfabética, que substituíram os hidrogênios do acetileno. Acetileno
é um nome comum infeliz para o menor alcino, pois a sua terminação “eno” é característica de uma ligação dupla
preferivelmente a uma ligação tripla.
Se o mesmo número para o sufixo do grupo funcional alcino for obtido contando a partir de ambas as
direções da cadeia carbônica, o nome sistemático correto é o que apresenta o substituinte com o menor número.
Se a substância possuir mais de um substituinte, estes são listados em ordem alfabética.

Cl Br CH3
CH3CHCHC CCH2CH2CH3 CH3CHC CCH2CH2Br
1 2 3 4 5 6 7 8 6 5 4 3 2 1

3-bromo-2-cloro-4-octino 1-bromo-5-metil-3-hexino
e não 6-bromo-7-cloro-4-octino e não 6-bromo-2-metil-3-hexino
porque 2 < 6 porque 1 < 2

O grupo propargila que contém uma ligação tripla é usado na nomenclatura comum. Analogamente ao grupo
alil que contém uma ligação dupla, visto no módulo 01.

Um substituinte recebe o menor número possível somente se não houver sufixo do grupo funcional ou se o
mesmo número para o sufixo do grupo funcional for obtido em ambas as direções.

65
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

HC CHCH2 H2C CHCH2


grupo propargila grupo alila

HC CCH2Br H2C CHCH2OH


brometo de propargila álcool alílico

2.7. Estrutura dos alcinos


A estrutura do etino foi discutida anteriormente. Cada carbono está hibridizado em sp, portanto cada um
tem dois orbitais sp e dois orbitais p. Um orbital sp se sobrepõe ao orbital s de um hidrogênio e o outro se sobrepõe
ao orbital sp do outro carbono. Uma vez que os orbitais sp estão orientados o mais longe possível um do outro
para minimizar a repulsão eletrônica, o etino é uma molécula linear com ângulos de ligação de 180.

ligaçã  formada
180° pela sobreposição sp-s 180°

H C C H H C C H

ligaçã  formada
pela sobreposição sp-sp

Uma ligação tripla é composta de uma ligação  a e duas ligações  .

Os dois outros orbitais p de cada carbono estão orientados em ângulos retos entre si em relação aos orbitais
sp. Cada um dos dois orbitais p de um carbono se sobrepõe ao orbital p paralelo do outro carbono para formar
duas ligações  . Um par de orbitais p sobrepostos resulta em uma nuvem de elétrons acima e abaixo da ligação
 , e o outro par resulta em uma nuvem de elétrons na frente e atrás da ligação  . O mapa de potencial eletrostático
do etino mostra que o resultado final pode ser imaginado como um cilindro de elétrons empacotado em torno da
ligação  .

Vimos que uma ligação tripla carbono-carbono é menor e mais forte do que uma ligação dupla, que é menor
e mais forte do que uma ligação simples. Vimos também que uma ligação  carbono-carbono é mais fraca do
que uma ligação σ carbono-carbono. A fraqueza relativa da ligação  permite que os alcinos reajam facilmente.
Como os alcenos, os alcinos são estabilizados por grupos alquila doadores de elétrons. Alcinos internos,
consequentemente, são mais estáveis do que alcinos terminais. Vimos agora que grupos alquila estabilizam
alcenos, alcinos, carbocátions e radicais alquila.

2.8. Nomenclatura de cicloalcanos


Cicloalcanos são alcanos com seus átomos de carbono arranjados em um anel. Por causa do anel, um
cicloalcano tem dois hidrogênios a menos que um alcano acíclico (não cíclico) com o mesmo número de carbonos.
Isso significa que a fórmula geral para um cicloalcano é CnH2n. Cicloalcanos são nomeados pela adição do prefixo
“ciclo” ao nome do alcano, que expressa o número de átomos de carbono no anel.

66
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

CH2 CH2
CH2 H2C CH2 H2C CH2
H2C CH2
H2C CH2 H2C CH2 H2C CH2
H2C CH2 CH2
ciclopropano ciclobutano ciclopentano ciclo-hexano

Cicloalcanos são quase sempre escritos como fórmula de linha de ligação. A fórmula de linha de ligação
mostra as ligações carbono-carbono como linhas, mas não mostram os carbonos ou hidrogênios ligados aos
carbonos. Átomos diferentes de hidrogênio e carbono ligados a outros átomos que não o carbono são mostrados.
Cada vértice em uma fórmula de linha de ligação representa um carbono. Subentende-se que cada carbono está
ligado ao número apropriado de hidrogênios para dar ao carbono quatro ligações.

ciclopropano ciclobutano ciclopentano ciclo-hexano

Moléculas acíclicas também são representadas por fórmulas de linha de ligação. Em uma fórmula de linha
de ligação para uma molécula acíclica, as cadeias de carbono são representadas por linhas em ziguezague.
Novamente, cada vértice descreve um carbono, presumindo-se que os carbonos estejam presentes no início e no
final da linha.

3 1 5 3 1
2
4 2 6 4

butano 2-metil-hexano 3-metil-4-propil-heptano 6-etil-2,3-dimetilnonano

As regras para nomear cicloalcanos lembram as regras para nomear alcanos acíclicos:
1. No caso de cicloalcanos com um substituinte alquila ligado, o anel é a cadeia principal, a menos que o
substituinte tenha mais átomos de carbono que o anel. Neste caso, o substituinte é a cadeia principal, e
o anel é nomeado como um substituinte. Não há necessidade de numerar a posição de um único
substituinte.

Se houver apenas um substituinte no anel, não dê número ao substituinte.

CH3 CH2CH3 CH2CH2CH2CH2CH3

metilciclopentano etilciclo-hexano 1-ciclobutilpentano

2. Se o anel tem dois substituintes, eles são citados em ordem alfabética, e o número 1 é dado ao substituinte
citado primeiro.

67
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

CH3CH2 CH3

H3C
CH3
CH2CH2CH3
CH3
1-metil-2-propilciclopentano 1-etil-3-metilciclopentano 1,3-dimetilciclo-hexano

3. Se houver mais que dois substituintes no anel, eles são citados em ordem alfabética. O substituinte que
é dado à posição número 1 é o que resulta em um segundo substituinte que recebe o menor número
possível. Se dois substituintes têm o mesmo número menor, o anel é numerado — ou no sentido horário
ou no anti-horário — na direção que dê ao terceiro substituinte o menor número possível. Por exemplo,
o nome correto da substância a seguir é 4-etil-2-metil-l-propilciclo-hexano, e não 5-etil-l-metil-2-
propil-ciclo-hexano:

CH3
CH3CH2CH2
CH3

CH3 CH2CH3 CH3

4-etil-2-metil-1-propilciclo-hexano 1,1,2-trimetilciclopentano
e não e não
1-etil-3-metil-4-propilciclo-hexano 1,2,2-trimetilciclopentano
porque 2 < 3 porque 1 < 2
e não e não
5-etil-1-metil-2-propilciclo-hexano 1,1,5-trimetilciclopentano
porque 4 < 5 porque 2 < 5

Halogênios são tratados exatamente como grupos alquila:

2 CH3 1 CH3
E NÃO
1 2
Br Br

1-Bromo-2-metil-ciclo-butano 2-bromo-1-metil-ciclo-butano

A seguir temos mais alguns exemplos:

Br Cl
1
CH3
1
2 6 CH3
CHCH2CH3 5
2
3 5
4 3
CH3CH2 4 CH3
CH2CH3
1-Bromo-3-etil-5-metil- (1-Metil-propil)-ciclo-butano 1-Cloro-3-etil-2-metil-
ciclo-hexano (ou sec-butil-ciclo-butano) ciclo-pentano

68
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

2.9. Nomenclatura de benzenos monossubstituídos


Alguns benzenos monossubstituídos são designados simplesmente ao se colocar o nome do substituinte
seguido da palavra ‘benzeno’.

Br Cl NO2 CH2CH3

bromobenzeno clorobenzeno nitrobenzeno etilbenzeno


usado como solvente
no polimento de sapatos

Alguns nomes de benzenos monossubstituídos incorporam o nome do substituinte. Infelizmente, tais nomes
devem ser memorizados.

CH3 OH NH2 SO3H

tolueno fenol anilina ácido benzenossulfônico

O O
OCH3 CH CH2 C C C N
H OH

anisol estireno benzaldeído ácido benzóico benzonitrila

Com exceção do tolueno, anéis benzênicos com um substituinte alquila são denominados benzenos
alquilsubstituídos ou alcanos fenilsubstituídos.
CH3
CH3CHCH3 CH3CHCH2CH3 CH3CCH3 CH3CHCH2CH2CH3 CH3CH2CHCH2CH3

isopropilbenzeno sec-butilbenzeno terc-butilbenzeno 2-fenilpentano 3-fenilpentano


cumeno
Quando um anel benzênico é um substituinte, ele é denominado grupo fenila. Um anel benzênico com um
grupo metileno é denominado grupo benzila. O grupo fenila recebeu o nome derivado da palavra ‘feno’, que foi
rejeitado para o benzeno.

69
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

CH2

grupo fenila grupo benzila

CH2Cl

O CH2OCH2

cloro-metilbenzeno éter difenílico éter dibenzílico


cloreto de benzila
Um grupo arila (Ar) é o termo geral usado tanto para um grupo fenila quanto para um grupo fenila
substituído, assim como um grupo alquila (R) é o termo gemi usado para um grupo derivado de um alcano. Em
outras palavras, ArOH poderia ser usado para designar quaisquer dos seguintes fenóis:
OH OH OH OH

Br

CH2CH3
OCH3
2.10. Nomenclatura de benzenos dissubstituídos e polissubstituídos
Benzenos polissubstituídos

As posições relativas de dois substituintes em um anel benzênico podem ser indicadas tanto por números
quanto pelos prefixos orto, meta e para. Substituintes adjacentes são denominados orto, substituintes separados
por um carbono são denominados meta e substituintes localizados em oposição um ao outro são designados para.
Frequentemente, somente suas abreviaturas (o, m, p) são empregadas para designar as substâncias.

Br
Br Br

Br

Br
Br
1,2-dibromobenzeno 1,3-dibromobenzeno 1,4-dibromobenzeno
orto-dibromobenzeno meta-dibromobenzeno para-dibromobenzeno
o-dibromobenzeno m-dibromobenzeno p-dibromobenzeno
Se os dois substituintes são diferentes, eles são indicados em ordem alfabética. Ao primeiro substituinte
citado é dada a posição 1 e o anel é numerado na direção que dá ao segundo substituinte o número mais baixo
possível.

70
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Cl
NO2
CH2CH3

I Cl
Br
1-cloro-3-iodobenzeno 1-bromo-3-nitrobenzeno 1-cloro-4-etilbenzeno
meta-cloro-iodobenzeno meta-bromo-nitrobenzeno para-cloro-etilbenzeno
e não
1-iodo-3-clorobenzeno ou
meta-iodo-clorobenzeno

Se um dos substituintes pode ser incorporado a um nome, esse nome é usado e ao substituinte incorporado
é dada a posição 1.
NH2
OH
Cl CH2CH3

CH3
NO2

2-clorotolueno 4-nitroanilina 2-etilfenol


orto-clorotolueno para-nitroanilina orto-etilefenol
e não e não e não
orto-cloro-metilbenzeno para-amino-nitrobenzeno orto-etil-hidroxibenzeno
Alguns benzenos dissubstituídos incorporam em seu nome ambos os substituintes.

CH3
CH3
CH3
NH2

CH3
OH
orto-toluidina meta-xileno
para-cresol
usado como conservante de
madeira até ser proibido por
razões ambientais
Benzenos polissubstituídos

Se o anel benzênico tem mais de dois substituintes, os substituintes são numerados de modo que sejam
usados os números mais baixos possíveis. Os substituintes são indicados em ordem alfabética com os seus
números apropriados.

71
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

NO2 Br Cl
1 4 4
Br 3 3
2

3 2 2
4 1 NO2 O2N 1

Cl Cl Br
2-bromo-4-cloro- 4-bromo-4-cloro- 1-bromo-4-cloro-
1-nitrobenzeno 2-nitrobenzeno 2-nitrobenzeno

Assim como em benzenos dissubstituídos, se um dos substituintes pode ser incorporado a um nome, esse
nome é usado e ao substituinte incorporado é dada a posição 1. O anel é numerado em um sentido que resulta nos
números mais baixos possíveis no nome da substância.

Cl
CH2CH3
Br CH3 Br
NH2

NO2
I
OH

5-bromo-2-nitrotolueno 3-bromo-4-clorofenol 2-etil-4-iodoanilina

2.11. Compostos Bicíclicos


Nomeamos os compostos que contém dois anéis fundidos ou formando ponte como bicicloalcanos, e
usamos o nome do alcano correspondente ao número total dos átomos de carbono nos anéis como
nome principal. O seguinte composto, por exemplo, contém sete átomos de carbono e é, portanto, um
bicicloeptano. Os átomos de carbono comuns a ambos os anéis são chamados de cabeça de ponte, e
cada ligação, ou cada cadeia de átomos, ligando os átomos de cabeça de ponte, é chamada de ponte.

Nós então interpomos no nome uma expressão entre colchetes, o que denota o número de átomos de
carbono em cada ponte (em ordem decrescente de comprimento). Por exemplo:

Se houver substituintes, iremos numerar o sistema de anéis fundido começando em uma cabeça de
ponte, e continuando, em primeiro lugar, ao longo da ponte mais comprida até a outra cabeça de ponte,
72
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

e depois ao longo da ponte mais comprida seguinte, de volta à primeira cabeça de ponte. A ponte mais
curta será numerada por último.

73
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

FUNÇÕES ORGÂNICAS - I
Exercícios de Aprendizagem

01. Dê o nome sistemático para as substâncias a seguir:

02. Desenhe a estrutura e dê a nomenclatura sistemática de uma substância com a fórmula molecular C5H12 que
tem:

a. apenas hidrogênios primários e secundários


b. apenas hidrogênios primários
c. um hidrogênio terciário
d. dois hidrogênios secundários

03. Determine o grau de insaturação para os hidrocarbonetos com as fórmulas moleculares a seguir:
a. C10H16
b. C20H34
c. C8H16
d. C12H20
e. C40H56

04. Determine o grau de insaturação e desenhe as estruturas possíveis para substâncias com as seguintes fórmulas
moleculares:
a. C3H6
b. C3H4
c. C4H6

05. Dê o nome Iupac para cada uma das seguintes substâncias:

a. CH3CHCH CHCH3 d. BrCH2CH2CH CCH3


CH3 CH2CH3

CH3
b. CH3CH2C CCHCH3 e.
CH3 CH3
CH3 Cl
74
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Br
c. f. CH3CH CHOCH2CH2CH2CH3

06. Dê o nome sistemático de cada uma das seguintes substâncias:

CH3
CH3
a. e.

b. CH2 CHCH2C CCH2CH3 f. HOCH2CH2C CH

CH3
c. CH3CH CCH2CH CH2 g. CH3CH CHCH CHCH CH2

CH CH2 CH3 CH3


d. CH3CH2CH CCH2CH2C CH h. CH3CH CCH2CHCH2OH

07. Dê o nome sistemático para cada uma das seguintes substâncias:

a. BrCH2CH2C CCH3 c. CH3OCH2C CCH2CH3

b. CH3CH2CHC CCH2CHCH3 d. CH3CH2CHC CH


Br Cl CH2CH2CH3
08. Dê o nome sistemático para cada uma das substâncias a seguir:

a. CH2CH3 e. CH3CHCH2CH2CH3
CH3

b. CH2CH3 f. CH2CH3

CH2CHCH3
CH3
c. H3C g.

H3C CH2CH3

75
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

d. h. CH3CH2CHCH3

CH3CHCH3
09. Nomeie as seguintes substâncias:

a. CH2CH3 c. O
Br C
H
OH

b. Cl Br d. CH2CH3
CH3

10. Dê nomes a cada um dos seguintes alcanos bicíclicos:

76
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

FUNÇÕES ORGÂNICAS - I
Exercícios de Fixação

1. (Uece) O propano e o butano, que constituem o


gás liquefeito do petróleo, são gases inodoros.
Contudo, o cheiro característico do chamado “gás
butano” existente em nossas cozinhas deve-se à
presença de várias substâncias, dentre as quais o
butilmercaptana, que é adicionado ao gás para
alertar-nos quanto a possíveis vazamentos.
Sobre o butilmercaptana, cuja fórmula estrutural é A respeito do composto acima, analise as
H3C  CH2  CH2  CH2  S  H, é correto afirmar-se proposições abaixo.
que ( ) Uma molécula de Penicilina G possui 18 átomos
a) devido à presença do enxofre, sua cadeia de hidrogênio.
carbônica é heterogênea. ( ) Pode ser observada a funcionalidade amida.
b) a hibridização que ocorre no carbono dos grupos ( ) Pode ser observada a funcionalidade lactama.
CH2 é do tipo sp2. ( ) A Penicilina G pode ser desprotonada na
c) sua função orgânica é denominada de tiol. presença de uma base.
d) pertence à família dos hidrocarbonetos. ( ) Pode-se observar a funcionalidade tiol, uma vez
que a molécula possui um átomo de enxofre.
2. (Ufsm) A biodiversidade do Brasil é considerada
uma fonte de substâncias biologicamente ativas. Sua 4. (Uepg) Com relação aos radicais abaixo, assinale
preservação é fundamental tanto pelo valor intrínseco o que for correto.
dessa imensa riqueza biológica quanto pelo seu
enorme potencial como fonte de novos fármacos.
Plantas, animais, micro-organismos terrestres e
marinhos têm sido a fonte de substâncias com
atividade farmacológica. A maioria dos fármacos em
uso clínico ou são de origem natural ou foram
desenvolvidos por síntese química planejada a partir
de produtos naturais. Por exemplo, o sildenafil usado
no tratamento da disfunção erétil foi desenvolvido a
partir do alcaloide papaverina.

01) A adição de uma hidroxila ao metileno do radical


(V) gera um composto fenólico.
02) O radical alila (II), derivado dos alcenos, é obtido
Quanto à estrutura molecular da papaverina, é correto com a remoção de um átomo de hidrogênio do
afirmar que possui carbono saturado do propeno.
a) cadeias alicíclicas heterogêneas. 04) Os radicais (IV) e (V) são chamados de fenila e
b) ligações sigma entre carbono sp e carbono sp2. benzila, respectivamente.
c) anéis aromáticos e funções éter. 08) Ao ligar-se simultaneamente a um átomo de
d) ligação pi entre carbonos sp3. nitrogênio os radicais (VI), (VII) e (VIII), tem-se o
e) anéis saturados e função amida. N-etil-N-metil-1-propanamina, que é classificado
como amina terciária.
3. (Ufpe) Considere a fórmula estrutural plana a 16) 2,2,4-Trimetilpentano é o nome do hidrocarboneto
seguir, da Penicilina G, um composto natural com resultante da união dos grupos isobutila (I) e t-
atividade antibiótica: butila (III).

5. (Uem) O uso de Bisfenol A (BPA) na produção de


garrafas plásticas, mamadeiras e copos para bebês
77
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

foi proibido no Brasil, no final de 2011, devido a


suspeitas de danos à saúde humana. Sobre o BPA
(estrutura mostrada a seguir), assinale o que for
correto.

De acordo com a sua estrutura, é correto afirmar que


01) É um hidrocarboneto aromático. azoxistrobina possui as seguintes funções orgânicas:
02) É uma molécula planar. a) éter e éster.
04) Apresenta plano de simetria. b) éster e cetona.
08) Sua fórmula molecular é C15H16O2. c) álcool e fenol.
16) Devido à presença de grupos hidroxila, é um d) aldeído e éter.
composto altamente solúvel em água. e) ácido carboxílico e amina.

6. (Mackenzie) Das substâncias orgânicas 8. (Unesp) Recentemente, pesquisadores criaram um


apresentadas abaixo, assinale a alternativa que algodão que é capaz de capturar elevadas
representa uma molécula de caráter anfótero. quantidades de água do ar. Eles revestiram fibras
naturais de algodão com o polímero I, que tem a
propriedade de sofrer transições rápidas e reversíveis
em resposta a mudanças de temperatura. Assim, as
fibras revestidas funcionam como uma “esponja de
algodão”. Abaixo dos 34 °C as fibras do algodão
a) revestido se abrem, coletando a umidade do ar.
Quando a temperatura sobe, os poros do tecido se
fecham, liberando toda a água retida em seu interior -
uma água totalmente pura, sem traços do material
sintético.
(www.inovacaotecnologica.com.br. Adaptado.)
b)

c)

Na representação do polímero I, observa-se a


d) unidade da cadeia polimérica que se repete n vezes
para a formação da macromolécula. Essa unidade
polimérica apresenta um grupo funcional classificado
como
a) amina.
b) amida.
c) aldeído.
e) d) hidrocarboneto.
e) éster.
7. (Pucrj) A substância representada é conhecida
comercialmente como azoxistrobina e é muito 9. (Ita) Considere as seguintes substâncias:
utilizada como fungicida em plantações de alho,
amendoim e arroz, no combate às pragas.

78
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Analise a estrutura e indique as funções orgânicas


presentes:
a) amida e haleto orgânico.
b) amida e éster.
c) aldeído e cetona.
d) ácido carboxílico e aldeído.
e) ácido carboxílico e amina.
Dessas substâncias, é(são) classificada(s) como
cetona(s) apenas 12. (Ufrgs) O carmaterol, cuja estrutura é mostrada
a) I e II. abaixo, está em fase de testes clínicos para o uso no
b) II. tratamento de asma.
c) II e III.
d) II, III e IV.
e) III.

10. (Ufg) No início da glicólise, a glicose na forma


cíclica é fosforilada. A seguir, uma enzima promove a
abertura do anel e uma transformação de grupo
funcional, seguida de fechamento de anel, produzindo
a frutose-6-fosfato. A sequência de transformação
dos grupos funcionais está apresentada a seguir.
Assinale a alternativa que contém funções orgânicas
presentes no carmaterol.
a) Ácido carboxílico, éter e fenol
b) Amina, amida e fenol
c) Álcool, éster e fenol
d) Aldeído, amina e éter
e) Álcool, amina e éster

13. (Ufg) Os aminoácidos são substâncias de caráter


anfótero devido à presença de grupos –NH2 e –
COOH. Quando dois aminoácidos reagem entre si,
Nesse sentido, conclui-se que a transformação de um ocorre a formação de um dipeptídeo com eliminação
dos grupos funcionais envolve a conversão de de água. Desse modo, o grupo funcional presente na
a) um álcool em éter. ligação peptídica é
b) um álcool em cetona. a) um fenol.
c) um aldeído em éter. b) uma amida.
d) um aldeído em cetona. c) um éster.
e) uma cetona em éter. d) uma amina.
e) um ácido carboxílico.
11. (Pucrj) A esparfloxacina é uma substância
pertencente à classe das fluoroquilonas, que possui 14. (Ibmecrj) A sacarose (C12H22O11), também
atividade biológica comprovada. conhecida como açúcar de mesa, é um tipo de glicídio
formado por uma molécula de glicose e uma de uma
frutose produzida pela planta ao realizar o processo
de fotossíntese.

79
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Matéria-Prima
5 para Produção
De acordo com a sua fórmula estrutural, indique as de Plástico
funções na molécula de sacarose:
a) álcool e fenol
b) álcool e éter A alternativa correta que relaciona a ordem com o
c) álcool e cetona grupo funcional de cada composto orgânico é:
d) cetona e álcool a) 1 – fenol; 2 – aldeído; 3 – éter; 4 – álcool; 5 –
e) éter e cetona nitrocomposto.
b) 1 – álcool; 2 – fenol; 3 – cetona; 4 – éster; 5 –
15. (Uerj) Um produto industrial consiste na amida.
substância orgânica formada no sentido direto do c) 1 – fenol; 2 – álcool; 3 – éter; 4 – ácido carboxílico;
equilíbrio químico representado pela seguinte 5 – nitrocomposto.
equação: d) 1 – álcool; 2 – cetona; 3 – éster; 4 – aldeído; 5 –
amina.
e) 1 – fenol; 2 – aldeído; 3 – éster; 4 – ácido
carboxílico; 5 – amida.

A função orgânica desse produto é: 17. (Mackenzie) Durante os jogos olímpicos de


a) éster Londres 2012, um atleta albanês da equipe de
b) cetona levantamento de peso, acusou teste positivo para o
c) aldeído uso do anabolizante stanozolol. Essa substância é
d) hidrocarboneto uma droga antiga, relativamente barata, fácil de ser
detectada e, como outros esteroides anabolizantes, é
16. (Espcex (Aman)) A tabela abaixo cria uma utilizada para imitar os efeitos dos hormônios sexuais
vinculação de uma ordem com a fórmula estrutural do testosterona e diidrotestosterona. Abaixo são
composto orgânico, bem como o seu uso ou fornecidas as fórmulas estruturais do stanozolol e da
característica: testosterona.

Uso ou
Ordem Composto Orgânico
Característica

Produção de
Desinfetantes
1
e
Medicamentos Considere as seguintes afirmações:

I. O stanozolol possui a fórmula molecular C21H32N2O.


II. Na testosterona estão presentes as funções
orgânicas álcool e cetona.
III. Ambas as estruturas podem formar ligações de
2 Conservante
hidrogênio intermoleculares.
IV. Somente a testosterona apresenta carbonos
assimétricos.
V. O stanozolol é um hidrocarboneto de cadeia
Essência de carbônica heterogênea e mista.
3
Maçã
Estão corretas, somente,
a) I, II e V.
Componente b) II, III e IV.
4
do Vinagre c) III, IV e V.
d) I, II e III.
80
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

e) I, III e V.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Xote Ecológico
(Composição: Luiz Gonzaga)

Não posso respirar, não posso mais nadar


A terra está morrendo, não dá mais pra plantar
Se planta não nasce se nasce não dá
Até pinga da boa é difícil de encontrar a) Escreva os nomes das funções orgânicas
Cadê a flor que estava aqui? oxigenadas encontradas na estrutura da penicilina.
Poluição comeu. b) Represente a estrutura da penicilina G e determine
E o peixe que é do mar? a fórmula molecular deste medicamento.
Poluição comeu
E o verde onde que está? 20. (Ufrgs) O ácido núdico, cuja estrutura é mostrada
Poluição comeu abaixo, é um antibiótico isolado de cogumelos como
Nem o Chico Mendes sobreviveu o Tricholoma nudum.

Do texto, a letra de música composta por Luiz


Gonzaga, pode-se observar a preocupação do autor
com o meio ambiente e o efeito da degradação deste
na qualidade de um produto tipicamente brasileiro, a
cachaça.
Em relação a uma molécula de ácido núdico, é correto
18. (Uepb) Dos produtos que podem ser afirmar que o número total de átomos de hidrogênio,
componentes da cachaça, podem ser encontrados de ligações duplas e de ligações triplas é,
1,4-butanodiol, ácido acético, isobutanol e heptanoato respectivamente,
de etila, A qual sequência de funções orgânicas, a) 1 – 1 – 2.
respectivamente, pertencem estes compostos? b) 1 – 2 – 3.
a) Fenol, éster carboxílico, enol e anidrido ácido. c) 3 – 1 – 2.
b) Éster, éster carboxílico, fenol e éster. d) 3 – 2 – 3.
c) Fenol, ácido carboxílico, álcool e éster. e) 5 – 1 – 3.
d) Álcool, ácido carboxílico, álcool e éster.
e) Álcool, ácido carboxílico enol e sal de ácido
21. (Udesc) A molécula de ibuprofeno é conhecida
carboxílico.
por seu efeito analgésico no organismo humano. No
19. (Uftm) A crescente resistência humana a entanto, somente um de seus isômeros apresenta
antibióticos poderá fazer com que esses esse efeito.
medicamentos não sejam mais eficazes em um futuro
próximo, levando o mundo a uma era ‘pós-
antibióticos’, na qual uma simples infecção na
garganta ou um arranhão podem ser fatais, afirma a
OMS (Organização Mundial da Saúde).

(http://g1.globo.com/ciencia-e-saude)

Desde a descoberta da penicilina em 1928 por


Alexander Fleming, diversos outros antibióticos foram
Com relação à molécula de ibuprofeno, é correto
sintetizados pela indústria farmacêutica. Na estrutura
afirmar que:
da benzilpenicilina, conhecida como penicilina G, o
a) apresenta em sua estrutura dois carbonos
grupo R corresponde ao radical benzil.
assimétricos.
b) possui seis carbonos com hibridização sp2 .
c) sua fórmula molecular é C13H24O2.
d) apresenta em sua estrutura somente um carbono
assimétrico.
e) é um hidrocarboneto cíclico, ramificado e saturado.

81
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

22. (Unesp) Observe a estrutura do corticoide


betametasona.

24. (Fgv) A fórmula molecular da substância I, que


apresenta sabor de canela, é
a) C9H8O.
b) C9H9O.
c) C8H6O.
d) C8H7O.
Com relação à estrutura representada, pode-se e) C8H8O.
afirmar que
a) o composto apresenta seis carbonos assimétricos.
25. (Udesc) Analise o composto representado na
b) o composto apresenta três grupos funcionais de
figura abaixo:
cetona.
c) o composto apresenta dois grupos funcionais de
álcool.
d) o composto apresenta seis átomos de carbono com
hibridização do tipo sp 2 .
e) o composto sofre reação de eliminação, pois
apresenta duplas ligações.
Sobre o composto, é incorreto afirmar que:
23. (Ufpb) O uso de micro-organismos como a) o seu nome é 2,2,4- trimetil-4-penteno.
catalisadores, a biocatálise, vem sendo adotado em b) apresenta dois carbonos com hibridização sp 2.
reações químicas, pois reduz os impactos ambientais c) é um alceno ramificado de cadeia aberta.
gerados pelos processos clássicos, em que são d) é um hidrocarboneto ramificado de cadeia aberta.
usados os tradicionais catalisadores. A hidrogenação e) apresenta seis carbonos com hibridização sp 3.
da 3-cianopiridina, abaixo representada, é um
exemplo de reação biocatalítica que tem sido
empregada com sucesso. 26. (Unicamp simulado) Pesquisas recentes sugerem
uma ingestão diária de cerca de 2,5 miligramas de
resveratrol, um dos componentes encontrados em
uvas escuras, para que se obtenham os benefícios
atribuídos a essas uvas.

Considerando o exposto, julgue os itens a seguir,


relativos ao composto A:
( ) Contém o grupo funcional carboxila.
( ) Contém o grupo funcional dos aldeídos.
( ) Apresenta cadeia carbônica homogênea.
( ) Apresenta cadeia carbônica insaturada.
( ) Possui fórmula molecular C6H5NO3 . Considere a fórmula estrutural da molécula dessa
substância:
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: De acordo com essa fórmula, o resveratrol é um
A indústria de alimentos utiliza vários tipos de agentes a) polifenol de fórmula molecular C14H12O3.
flavorizantes para dar sabor e aroma a balas e gomas b) ácido orgânico de fórmula molecular C14H12O3.
de mascar. Entre os mais empregados, estão os c) triol de fórmula molecular C14H3O3.
sabores de canela e de anis. d) ácido orgânico de fórmula molecular C14H3O3.

82
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

27. (Uftm) A morfina e a metadona são analgésicos


potentes e provocam graves efeitos colaterais, que 29. (Uemg) A influenza é uma virose respiratória
vão desde problemas respiratórios à dependência aguda que ocorre durante todo ano, sendo
química. popularmente conhecida como gripe. A estrutura
química, a seguir, representa o Oseltamivir, um
componente dos antigripais, atualmente utilizado.

Sobre as moléculas da morfina e da metadona,


afirma-se que ambas apresentam: Sobre a estrutura acima, é INCORRETO afirmar que
I. Grupo funcional amina. a) apresenta fórmula molecular C16H28N2O4.
II. Dois anéis aromáticos. b) apresenta os grupos funcionais amina e éter.
III. Dois átomos de carbono assimétrico. c) é um composto aromático.
IV. Um átomo de carbono quaternário. d) é um composto insaturado.
É correto o que se afirma apenas em 30. (Mackenzie) Matar célula tumoral pode ajudar
a) I e II. na propagação do câncer
b) I e IV.
c) II e III. Não adianta só matar o câncer: é preciso fazer isso
d) II e IV. do jeito certo, ou a morte das células tumorais só
e) III e IV. serve para que a doença continue firme.
A mensagem não muito animadora é o principal
28. (Uerj) A sigla BTEX faz referência a uma mistura resultado do trabalho de um pesquisador da USP, que
de hidrocarbonetos monoaromáticos, poluentes mostra a importância de atacar não apenas o tumor,
atmosféricos de elevada toxidade. mas também a área aparentemente saudável que o
circunda.
Considere a seguinte mistura BTEX: Em experimentos com camundongos, o pesquisador
da USP verificou que algumas das células
responsáveis por proteger o organismo são
justamente aquelas encarregadas de manter o câncer
em atividade. Os dados vieram ao tratar os
camundongos cancerosos com um quimioterápico
bem conhecido, a dacarbazina. Segundo o
pesquisador, a dacarbazina consegue levar à morte
muitas células do câncer, mas muitas vezes não é
capaz de eliminar o tumor.
Folha Online, 25/08/2009

Ao fim de um experimento para separar, por


destilação fracionada, essa mistura, foram obtidas
três frações. A primeira e a segunda frações
continham um composto distinto cada uma, e a
terceira continha uma mistura dos outros dois
restantes.

Os compostos presentes na terceira fração são:


a) xileno e benzeno
A estrutura da dacarbazina está representada acima
b) benzeno e tolueno e a respeito dela é correto afirmar que
c) etilbenzeno e xileno
d) tolueno e etilbenzeno Dado: massa molar em (g/moℓ) H = 1, C = 12, N =

83
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

14 e O = 16

a) a sua massa molar é equivalente a 184 g/moℓ.


b) o composto apresenta os grupos funcionais cetona
e amina.
c) há a presença de um átomo de carbono
assimétrico.
d) existe somente um átomo de carbono secundário.
e) não forma ligações de hidrogênio intermolecular.

Sobre a sibutramina, é INCORRETO afirmar que:


TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: a) trata-se de uma substância aromática.
b) identifica-se um elemento da família dos
halogênios em sua estrutura.
c) sua fórmula molecular é C12H11NCℓ.
d) identifica-se uma amina terciária em sua estrutura.
e) identifica-se a presença de ligações  em sua
estrutura.

33. (Ufc) Um dos motivos de preocupação e conflito


O eugenol, estrutura química representada na figura,
nas famílias diz respeito aos distúrbios do sono em
é uma substância encontrada no cravo-da-índia.
adolescentes. Na fase da puberdade, o organismo
Apresenta odor característico e é utilizado em
atrasa em até quatro horas a produção da melatonina,
consultórios dentários como anestésico local antes
hormônio que regula a necessidade de dormir. Sobre
da aplicação de anestesia.
a estrutura da melatonina, representada a seguir, é
correto afirmar que:

O processo de obtenção do eugenol no laboratório


químico é relativamente simples, conforme indicado
a) Apresenta um anel heterocíclico.
no aparato experimental representado na figura.
b) Contém as funções éter e amina secundária.
c) Representa um composto opticamente ativo.
31. (Fgv) O número de átomos de carbono terciário
d) Apresenta dez carbonos com hibridização sp 2.
na molécula de eugenol e o nome do processo de
e) Contém quatro pares de elétrons não-ligantes.
obtenção representado na figura são,
respectivamente,
34. (Udesc) Analise as afirmativas em relação aos
a) 1 e adsorção.
compostos a seguir. Assinale (V) para as afirmativas
b) 1 e destilação.
verdadeiras e (F) para as falsas.
c) 3 e adsorção.
d) 3 e cromatografia.
e) 3 e destilação.

32. (Pucrj) A sibutramina (representada a seguir) é


um fįrmaco controlado pela Agéncia Nacional de
Vigilāncia Sanitįria que tem por finalidade agir como
moderador de apetite.
( ) O composto (B) é um hidrocarboneto cíclico,
também conhecido como cicloparafina.
( ) O composto (B) é um hidrocarboneto aromático.
( ) O composto (A) apresenta aromaticidade.
( ) O composto (A) não é um hidrocarboneto, é

84
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

conhecido como cicloparafina.


( ) O composto (B) é conhecido como anel 13. [B]
aromático.
14. [B]
Assinale a alternativa que contém a sequência
CORRETA, de cima para baixo. 15. [A]
a) V - F - F - V - V
b) F - V - V - F - V 16. [E]
c) F - F - V - V - F
d) V - V - F - F - V 17. [D]
e) V - F - V - F - F
18. [D]
35. (Mackenzie) O mentol, usado na fabricação de
balas e chicletes para propiciar uma sensação 19.
refrescante, afeta os sensores responsáveis pela a) Teremos as seguintes funções oxigenadas: ácido
sensação de frio, tornando-os ativos a uma carboxílico e amida.
temperatura acima do normal. A fórmula estrutural do
mentol:

b) A estrutura da penicilina G pode ser representada


e nela é possível identificar: por:
a) um radical fenil.
b) os radicais metil e isopropil.
c) uma substância orgânica da função fenol.
d) um álcool aromático.
e) uma substância de fórmula mínima CHO.

GABARITO Fórmula molecular: C16H18N2O4S.

1. [C] 20. [D]

2. [C] 21. [D]

3. V, V, V, V, F 22. [D]

4. 02 + 04 + 08 + 16 = 30. 23. V – F – F – V – V.

5. 04 + 08 = 12 24. [A]

6. [D] 25. [A]

7. [A] 26. [A]

8. [B] 27. [B]

9. [A] 28. [C]

10. [B] 29. [C]

11. [E] 30. [D]

12. [B] 31. [B]


85
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

32. [C] 34. [E]

33. [A] 35. [B]

86
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

MÓDULO 03
Funções Orgânicas – II
3. Principais funções orgânicas

Hidrocarbonetos

Funções Sulfuradas

87
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Funções Oxigenadas

88
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Funções Nitrogenadas

Funções Halogenadas

3.1. Nomenclatura de haletos de alquila


Haletos de alquila são substâncias em que um hidrogênio de um alcano foi trocado por um halogênio.
Haletos de alquila são classificados como primário, secundário ou terciário, dependendo do carbono ao qual o
halogênio estiver ligado. Haletos de alquila primários têm um halogênio ligado a um carbono primário; haletos
de alquila secundários têm um halogênio ligado a um carbono secundário; e haletos de alquila terciários têm

89
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

um halogênio ligado a um carbono terciário. Os pares de elétrons livres nos halogênios geralmente não são
mostrados a não ser que precisem chamar a atenção para alguma propriedade química do átomo.

O numero de grupos alquila ligados ao carbono ao qual o halogênio está ligado determina se um haleto de
alquila e primário, secundário ou terciário.

Os nomes comuns de haletos de alquila consistem no nome halogênio seguido pelo nome do grupo alquila
– com o final “o” do nome do halogênio substituído por “eto” (isto é, fluoreto, brometo, iodeto).

No sistema Iupac, haletos de alquila são nomeados como alcanos substituídos. Os nomes do prefixo do
substituinte são os nomes dos halogênios (isto é, flúor, cloro, bromo, iodo). Portanto, haletos de alquila são muitas
vezes chamados de haloalcanos.

3.2. Nomenclatura de éteres


Éteres são substâncias em que um oxigênio é ligado a dois substituintes alquila. Se os dois substituintes
alquila são idênticos, o éter é um éter simétrico. Se os dois substituintes são diferentes, o éter é um éter assimétrico.

O nome comum de um éter consiste nos nomes de dois substituintes alquila (em ordem alfabética),
precedidos pela palavra “éter”. Os éteres menores são quase sempre chamados pelos nomes comuns.

90
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O sistema IUPAC nomeia um éter como um alcano com um substituinte RO. Os substituintes são nomeados
ao se trocar o final “ila” no nome do substituinte alquila por “oxi”.

3.3. Nomenclatura dos alcoóis


Alcoóis são substâncias em que um hidrogênio de um alcano foi substituído por um grupo OH. Os alcoóis
são classificados como primário, secundário ou terciário, dependendo se o grupo OH está ligado a um carbono
primário. secundário ou terciário – da mesma forma que os haletos de alquila são classificados.

O nome comum para álcool consiste no nome do grupo alquila ao qual o grupo OH está ligado precedido
da palavra “álcool”.

O grupo funcional é o centro da reatividade em uma molécula. Em um álcool, OH é o grupo funcional. O


sistema Iupac usa um sufixo para denotar certos grupos funcionais. O nome sistemático de um álcool, por
exemplo, é obtido quando se troca o final “o” do nome da cadeia principal pelo sufixo “ol”.

91
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Quando necessário, a posição do grupo funcional é indicada por um número que precede imediatamente o
nome do álcool ou o sufixo. Os nomes mais recentes aprovados pela lupac são os com número que precede
imediatamente o sufixo. Entretanto, nomes cujo número precede o nome do álcool têm sido utilizado por muito
tempo, sendo os mais prováveis de aparecerem na literatura, em garrafas de reagentes e em testes-padrão. Esses
serão os que mais aparecerão neste livro.

As regras seguintes são utilizadas para nomear uma substância que tem um sufixo para grupo funcional:
1. A cadeia principal é a cadeia contínua mais longa que contém o grupo funcional.
2. A cadeia principal é numerada na direção que dê o menor número possível para o sufixo do grupo
funcional.

3. Se há um sufixo de grupo funcional e um substituinte, o sufixo do grupo funcional recebe o menor número
possível.

Quando há apenas um substituinte, este recebe o menor número possível.


Quando há apenas um grupo funcional, o sufixo do grupo funcional recebe o menor número possível.
Quando há um grupo funcional e um substituinte, o sufixo do grupo funcional recebe o menor número
possível.

4. Se o mesmo número para o sufixo do grupo funcional for obtido em ambas as direções, a cadeia será
numerada na direção que dê o menor número possível para o substituinte. Observe que não é necessário designar
por um número o sufixo do grupo funcional em uma substância cíclica porque se presume que tal posição seja 1.

92
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5. Se houver mais que um substituinte, os substituintes são citados em ordem alfabética.

Lembre que o nome de um substituinte é estabelecido antes do nome da cadeia principal, e o sufixo do
grupo funcional é especificado depois do nome da cadeia principal.

3.4. Enóis
Os enóis são compostos instáveis, que não existem na forma isolada.
Denomina-se enol todo composto orgânico que possui um grupo —OH (hidróxi) ligado a um carbono que
faz ligação dupla.
Grupo funcional:

O nome oficial (IUPAC) de um enol segue o esquema: prefixo + en + ol


Observe os exemplos a seguir.

H OH OH
C C etenol 1-propen-1-ol
H3C C CH2
H H
OH H
OH 2-buten-2-ol
1-propen-2-ol
H3C C C CH3
H3C C CH2

Como o oxigênio é um átomo muito eletronegativo, ele atrai para si os elétrons da ligação  feita entre os
carbonos, provocando um rearranjo na molécula, que acaba se transformando num aldeído ou numa cetona.
Exemplos:
H
H OH O
C C H C C
H H H
H
etenol: OH em carbono terminal produz aldeído etanal

OH O H
H3C C CH2 H3C C CH2
1-propen-2-ol: OH em carbono terminal produz cetona propanona

93
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

3.5. Nomenclatura de aminas


Aminas são substâncias em que um ou mais átomos de hidrogênio da amônia foram substituídos por grupos
alquila. Aminas menores são caracterizadas pelo odor de peixe. O tubarão fermentado, um prato tradicional da
Islândia, cheira exatamente como trietilamina. Existem aminas primárias, secundárias e terciárias. A
classificação depende de quantos grupos alquila são ligados ao nitrogênio. As aminas primárias têm um grupo
alquila ligado ao nitrogênio, as secundárias têm dois grupos alquila ligados e as terciárias têm três grupos alquila
ligados.

O número de grupos alquila ligados ao nitrogênio determina se a amina é primária, secundária ou terciária.

Observe que o número de grupos alquila ligados ao nitrogênio determina se uma amina é primária,
secundária ou terciária. Para um haleto de alquila ou um álcool, por outro lado, o número de grupos alquila ligados
ao carbono no qual o halogênio ou o OH estão ligados determina a classificação.

O nome comum de uma amina consiste no nome de grupo alquila ligado ao nitrogênio, em ordem alfabética,
seguido por “amina”. O nome inteiro é escrito como uma única palavra (diferente de nomes comuns de alcoóis,
éteres e haletos de alquila, em que “álcool”, “éter’ e “haleto” são palavras separadas).

O sistema Iupac utiliza um sufixo para denotar o grupo funcional amina. O final “o” do nome da cadeia
principal é substituído por “amina” – similar à forma como os alcoóis são nomeados. Um número identifica o
carbono ao qual o nitrogênio está ligado. O número pode aparecer antes do nome da cadeia principal ou antes de
“amina”. O nome de qualquer grupo alquila ligado ao nitrogênio é precedido por “N” (em itálico) para indicar que
o grupo está ligado ao nitrogênio em vez de a um carbono.

94
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os substituintes – independentemente de quando estão ligados ao nitrogênio ou à cadeia principal – são


listados em ordem alfabética e depois um número ou um “N” é designado para cada um. A cadeia é numerada na
direção que dê o menor número possível para o sufixo do grupo funcional.

Substâncias com nitrogênio ligado a quatro grupos alquila – desse modo dando ao nitrogênio uma carga
formal positiva – são chamadas sais de amônio quaternário. Os nomes consistem em nomenclaturas dos grupos
alquila em ordem alfabética seguidos por “amônio” (em uma palavra só) e precedidos do nome do contra-íon mais
a preposição “de”.

Aminas secundárias e terciárias simétricas são nomeadas pela adição dos prefixos di- ou tri- ao nome do
grupo alquila:

As aminas secundárias e terciárias assimetricamente substituídas são nomeadas como aminas primárias N-
substituídas. O grupo alquila maior é escolhido como nome principal, e demais grupos alquila são considerados
N-substituintes do nome principal (N- porque estão ligados ao nitrogênio).

95
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Existem relativamente poucos nomes comuns para as aminas simples. As regras IUPAC reconhecem os
nomes anilina, para o amino-benzeno, e toluidina, para o amino-tolueno.

As aminas heterocíclicas são compostos em que o átomo de nitrogênio é parte de um anel e também são
bastante comuns. Cada sistema heterocíclico diferente tem seu próprio nome principal. O átomo de nitrogênio
heterocíclico recebe sempre o número 1.

A Tabela 3.1 a seguir resume as formas em que haletos de alquila, alcoóis e aminas são nomeados.

Tabela 3.1 – Resumo de nomenclatura


Nome sistemático Nome comum
Haleto de Alcano substituído haleto mais grupo alquila ao qual o halogênio está ligado
Alquila CH3Br bromometano CH3Br brometo de metila
CH3CH2Cl cloroetano CH3CH2Cl cloreto de etila
Éter Alcano substituído éter mais grupo alquila ligado ao oxigênio
CH3OCH3 metoximetano CH3OCH3 éter dimetílico
CH3CH2OCH3 metoxietano CH3CH2OCH3 éter etilmetílico
Álcool sufixo do grupo funcional é ol álcool mais grupo alquila ao qual o oxigênio está ligado
CH3OH metanol CH3OH álcool metílico
CH3CH2OH etanol CH3CH2OH álcool etílico
Amina sufixo do grupo funcional é amina amina mais grupo alquila ligado ao nitrogênio
CH3CH2NH2 etanamina CH3CH2NH2 etilamina
CH3CH2CH2NHCH3 CH3CH2CH2NHCH3 metilpropilamina
N-metil-1-propanamina

3.6. Nomenclatura de ácidos carboxílicos e derivados


Ácidos carboxílicos
Na nomenclatura sistemática, um ácido carboxílico é nomeado pela substituição da terminação ‘o’ no nome
do alcano pelo termo ‘óico’, colocando-se a palavra ‘ácido’ no início do nome. Por exemplo, o alcano com um
carbono é o metano, assim o ácido carboxílico com um carbono será ácido metanóico.
96
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os ácidos carboxílicos que contêm seis carbonos ou menos são Frequentemente nomeados pelos seus nomes
comuns. Esses nomes foram escolhidos pelos químicos antigos para descrever alguma característica da substância,
normalmente sua origem. Por exemplo, o ácido fórmico é encontrado nas formigas, abelhas e outros insetos que
picam; o nome se origina de formica, que significa ‘formiga’, em latim. O ácido acético – contido no vinagre –
foi assim designado por derivar de acetum, palavra latina para ‘vinagre’. O ácido propiônico é o menor ácido a
apresentar algumas das características dos ácidos graxos maiores; o nome deriva das palavras gregas pro (‘o
primeiro’) e pion (‘gordura’). O ácido butírico é encontrado em manteigas rançosas e origina-se da palavra
butyrum, do latim, que quer dizer ‘manteiga’. O ácido capróico é encontrado no leite de cabra, e se você tiver
oportunidade de sentir o cheiro de cabra e do ácido capróico, perceberá que eles têm o mesmo odor. Caper é a
palavra em latim para ‘cabra’.
Na nomenclatura sistemática, a posição do substituinte é designada por um número, O carbono carbonílico
de um ácido carboxílico é sempre o carbono C-1. Na nomenclatura comum, a posição do substituinte é designada
por uma letra do alfabeto grego, e o carbono carbonílico não tem designação. O carbono adjacente ao carbono
carbonílico é o carbono  , o carbono adjacente ao carbono  é o carbono  , e assim por diante.

Observe cuidadosamente os seguintes exemplos para ter certeza de que entendeu a diferença entre a
nomenclatura sistemática (Iupac) e a nomenclatura comum.

O grupo funcional do ácido carboxílico é chamado grupo carboxila.

97
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os ácidos carboxílicos nos quais o grupo carboxila está ligado a um anel são nomeados pela adição das
palavras ‘ácido’ antes do nome do cicloalcano correspondente e da palavra ‘carboxílico’ após o nome do
respectivo cicloalcano.

Haletos de acila
Os haletos de acila são substâncias que têm um átomo de halogênio no lugar do grupo –OH de um ácido
carboxílico. Os haletos de acila mais comuns são os cloretos de acila e os brometos de acila. Os cloretos de acila
são nomeados substituindo-se a palavra ‘ácido’, do ácido carboxílico correspondente, pelas palavras ‘cloreto de’,
e a terminação ‘óico’ por ‘oila’. Os brometos de acila são designados substituindo-se a palavra ‘ácido’, do ácido
carboxílico correspondente, pelas palavras ‘brometo de’, e a terminação ‘óico’ por ‘oila’. Para os ácidos
designados pela terminação ‘carboxílico’, a palavra ácido deve ser substituída pela palavra ‘haleto’ (cloreto ou
brometo).

Anidridos de ácido
A perda de água de duas moléculas de um ácido carboxílico resulta em um anidrido de ácido. ‘Anidrido’
significa ‘sem água’.

Se as duas moléculas de ácido carboxílico que formam o anidrido de ácido forem iguais, o anidrido é
chamado anidrido simétrico. Se as duas moléculas de ácido carboxílico forem diferentes, o anidrido é chamado
anidrido misto. Os anidridos simétricos são designados pelo nome do ácido carboxílico correspondente,
substituindo-se a palavra ‘ácido’ por ‘anidrido’. Os anidridos mistos são nomeados ao se manter os mesmos nomes
dos ácidos carboxílicos correspondentes em ordem alfabética, substituindo-se a palavra ‘ácido’ por ‘anidrido’.

Ésteres
98
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Um éster é uma substância que tem um grupo OR’ no lugar do grupo OH do ácido carboxílico. Ao nomear
um éster, retira-se a palavra ácido do nome ácido carboxílico. A seguir, a terminação ‘ico’ do nome do ácido
carboxílico é substituída por ‘ato’, acrescenta-se a palavra ‘de’ e, finalmente, coloca-se o nome do grupo (R)
ligado ao oxigênio da carboxila descrito como radical alquila.

Os sais dos ácidos carboxílicos são nomeados da mesma maneira. A palavra ‘ácido’ do ácido carboxílico é
retirada, e escreve-se o nome do ácido substituindo-se a terminação ‘óico’ por ‘ato’, seguido pela palavra ‘de’ e
pelo nome do cátion.

Os ésteres cíclicos são chamados lactonas. Na nomenclatura sistemática, são nomeados como ‘2-
oxacicloalcano-nas’. Os nomes comuns são derivados dos nomes comuns dos ácidos carboxílicos, os quais
designam o tamanho da cadeia carbônica, e a letra grega para indicar o carbono no qual o oxigênio estiver ligado.
Assim, lactonas com um ciclo de quatro membros são  -lactonas (o oxigênio da carboxila está no carbono  ),
lactonas com um ciclo de cinco membros são  lactonas, e com ciclos de seis membros são  -lactonas.

99
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Amidas
Uma amida tem um grupo NH2, NHR ou NR2 no lugar do grupo OH de um ácido carboxílico. Amidas são
nomeadas usando-se o nome do ácido sem a palavra ‘ácido’ e substituindo-se a terminação ‘óico’ por ‘amida’. As
terminações ‘carboxílico’ e ‘ico’ também são substituídas por ‘amida’ para os ácidos com essas terminações.

Se um substituinte estiver ligado ao nitrogênio, o nome do substituinte é descrito inicialmente (se houver
mais de um substituinte ligado ao nitrogênio, eles são descritos no início e em ordem alfabética), seguido pelo
nome da amida. O nome de cada substituinte é precedido pela letra Nem maiúsculo para indicar que o substituinte
está ligado ao nitrogênio.

As amidas cíclicas são chamadas lactamas. Sua nomenclatura é similar à das lactonas. As lactamas são
chamadas ‘2-azacicloalcanonas’ na nomenclatura sistemática (o termo ‘aza’ é usado para designar o átomo de
nitrogênio). Em sua nomenclatura comum, o comprimento da cadeia carbônica é indicado pelo nome comum do
ácido carboxílico, e uma letra grega indica o carbono ao qual o nitrogênio está ligado.

Nitrilas
As nitrilas são substâncias que contêm o grupo funcional C N . As nitrilas são consideradas derivados
dos ácidos carboxílicos porque, como todas as substâncias carboniladas da classe I, elas reagem com água para
formar ácidos carboxílicos. Na nomenclatura sistemática, nitrilas são nomeadas com a adição da palavra ‘nitrila’
ao nome do correspondente alcano. Observe que a ligação tripla do grupo nitrila está contida no número de
carbonos da cadeia contínua mais longa. Na nomenclatura comum, as nitrilas são nomeadas retirando-se a palavra
‘ácido’ do ácido carboxílico correspondente e substituindo-se a terminação ‘ico’ do nome do ácido por ‘nitrila’.
As nitrilas também podem ser nomeadas como alquilcianetos, usando o nome do grupo alquil que estiver ligado
ao grupo C N .

100
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os nitrilos também são chamados cianetos de alquila


Denomina-se nitrilo todo composto orgânicos derivados do cianeto de hidrogênio ou ácido cianídrico. HCN,
pela substituição do hidrogênio por um radical de hidrocarboneto.
Grupo funcional:

O nome oficial (IUPAC) de um nitrilo seguinte o esquema: prefixo + infixo + o + nitrilo ou nitrila
Observe os exemplos a seguir:

3.7. Isonitrilos ou isonitrilas


Os isonitrilos também são chamados de isocianetos de alquila ou carbilaminas.
Denomina-se isonitrilo todo composto orgânicos derivados do isocianeto de hidrogênio ou ácido
isocianídrico, HNC, pela substituição do hidrogênio por um radical de hidrocarboneto.
Grupo funcional:

C N C ou C NC

O nome oficial (IUPAC) de um nitrilo segue o esquema: nome do radical (prefixo + il) + carbilamina
Observe os exemplos a seguir.

101
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

3.8. Nomenclatura de aldeídos e cetonas


Aldeídos
A nomenclatura sistemática de um aldeído é obtida pela substituição da terminação ‘ano’ do nome do
hidrocarboneto correspondente por ‘al’. Por exemplo, um aldeído com um carbono é denominado metanal; um
aldeído com dois carbonos é etanal. A posição do carbono carbonílico não foi designada porque ele esta sempre
no final do correspondente hidrocarboneto e, portanto, sempre na posição 1.
O nome comum de um aldeído é o mesmo nome comum do correspondente ácido carboxílico (Seção 17.1),
exceto pelo fato de a palavra ‘aldeído’ ser substituída por ‘ico’, além de se retirar a palavra ‘ácido’. Quando o
nome comum é usado, a posição do substituinte é designada pela letra grega minúscula. O carbono carbonílico
não é designado o carbono adjacente ao carbono carbonílico é o carbono  .

Observe que a terminação ‘ano’ não é retirada no hexanodial.


Se o grupo aldeído estiver ligado no anel, o aldeído é nomeado pela adição de ‘carbaldeído’ ao nome da
substância cíclica.

Vimos que o grupo carbonílico tem maior prioridade do que um grupo álcool ou amina. Contudo, as
substâncias carboniladas não têm a mesma prioridade. As prioridades de vários grupos carbonílicos na
nomenclatura estão mostradas na Tabela.
Se uma substância tiver dois grupos funcionais, aquele com a menor prioridade é indicado pelo seu prefixo.
O prefixo de um oxigênio de aldeído que é a parte do hidrocarboneto correspondente é ‘oxo’. O prefixo do carbono
número 1 do grupo aldeído que não faz parte do hidrocarboneto correspondente é a ‘formila’

102
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Tabela 3.8 – Sumário da nomenclatura do grupo funcional


Classes Sufixo do nome Prefixo do nome
Ácido carboxílico –óico (ácido no início) Carboxi
Éster –oato Alcoxicarbonila
Amina –amida Amido
Nitrila –nitrila Ciano
Aldeído –al Oxo (=O)
Aldeído –al Formi (–CH=O)
Cetona –ona Oxo (=O)
Álcool –ol Hidroxi
Amina –amina Amino
Alceno –eno Alquenila
Aumento de Alcino –ino Alquinila
prioridade
Alcano –ano Alquila
Éter – Alcoxi
Haleto de alquila – Halo

Se uma substância tiver tanto o grupo funcional alceno como um aldeído, o alceno é citado primeiro, com
a terminação ‘o’ substituída por ‘ai’.

Cetonas
A nomenclatura sistemática de uma cetona é obtida adicionando-se à terminação ‘ano’ do alcano
correspondente a terminação ‘na’. A cadeia é numerada na direção que fornecer o menor número de carbonos que
possua a função cetona. No caso de cetonas cíclicas, o número que representa a posição da função não é necessário
porque supõe-se que o carbono carbonílico ocupe a posição 1. Frequentemente, os nomes derivados são usados
para as cetonas – os substituintes ligados ao carbono carbonílico são citados em ordem alfabética, seguidos da
palavra ‘cetona’.

Apenas algumas cetonas apresentam nomenclaturas comuns. A menor cetona, a propanona, normalmente é
referida pelo seu nome comum, acetona. A acetona é um solvente comum em laboratório. A nomenclatura comum
também é usada por algumas cetonas fenílicas substituídas; o número de carbonos (os outros além do grupo fenila)
é indicado pelo nome comum do ácido carboxílico substituindo-se a terminação ‘ico’ pela terminação ‘ofenona’,
lembrando que nos ácidos carboxílicos a palavra ácido vem antes do nome.

103
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Se a cetona apresentar um segundo grupo funcional de maior prioridade no nome, o oxigênio da cetona será
modificado pelo prefixo ‘oxo’.
O O O
O O

H
OCH3
O
nomenclatura 4-oxopentanal 2-metil-3-oxo-butanoato
sistemática: de metila 2-(3-oxopentila)-
ciclo-hexanona

3.9. Tióis, sulfeto e sais de sulfônio


Tióis são semelhantes a alcoóis, mas contêm enxofre. Também são chamados de mercaptanas, pois formam
fortes complexos com cátions de metais pesados, como o mercúrio e o arsênio (eles capturam o mercúrio, daí o
nome).

Os tióis são nomeados pela adição do sufixo “tiol” ao nome do hidrocarboneto mais próximo. Se houver
um segundo grupo funcional na molécula, o grupo SH pode ser indicado pelo nome substituinte “mercapto”.
Assim como outros nomes substituintes, ele é citado antes do nome do hidrocarboneto mais próximo.

Os tióis de baixo peso molecular são notados pelo seu odor forte e pungente, como os associados a cebolas,
alhos e gambás. O gás natural é completamente inodoro e pode causar explosões mortais se um vazamento não
for detectado. Assim, uma pequena quantidade de tiol é adicionada ao gás natural, fornecendo certo odor para que
vazamentos de gás possam ser detectados.
O enxofre é maior que o oxigênio, portanto a carga negativa de um íon tiolato se espalha em um espaço
maior, tornando-o mais estável que um íon alcóxido. Lembre-se de que quanto mais estável for a base, mais forte
será o seu ácido conjugado. Tióis, porém, são ácidos mais fortes (pKa = 10) que os alcoóis, e os íons tiolato são
bases mais fracas que os íons alcóxido. Os grandes íons tiolato não são tão bem solvatados quanto os íons alcóxido,
então, em solvente práticos, os íons tiolato são melhores nucleófilos que os íons alcóxido.

Em virtude de o enxofre não ser tão eletronegativo quanto o oxigênio, os tióis não fazem ligações hidrogênio
fortes. Consequentemente, eles têm atrações intermoleculares mais fracas e, portanto, pontos de ebulição

104
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

consideravelmente mais baixos que os alcoóis. Por exemplo, o ponto de ebulição do CH 3CH2OH é 78°C, enquanto
o ponto de ebulição do CH3CH2SH é 37° C.
Os semelhantes aos éteres que contêm enxofre são chamados sulfetos ou tioéteres.

3.10. Nitrocompostos
Os nitrocompostos são derivados orgânicos do ácido nítrico, HNO 3.
Os nitrocompostos apresentam o grupo nitro, –– NO2, ligado a uma cadeia carbônica.
Grupo funcional:
O
C N O ou C NO2

O nome oficial (IUPAC) de um nitrogênio segue o esquema: nitro + prefixo + infixo + o


Observe os exemplos a seguir.

3.11. Sais de amônio quaternário


A parte orgânica de um sal de amônio quaternário é o cátion:
Teoricamente o cátion de um sal de amônio quaternário é derivado do íon amônio, NH14 , pela substituição
dos 4 hidrogênios por 4 radicais (alquila ou arila).
Grupo funcional:

105
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O nome oficial (IUPAC) de um sal de ácido carboxílico segue o esquema:


nome do ânion + de + nome dos radicais + amônio

Observe os exemplos a seguir:

3.12. Ácidos sulfônicos


Os ácidos sulfônicos são derivados orgânicos do ácido sulfúrico, H 2SO4.
Ácido sulfônicos são compostos orgânicos que apresentam o grupo sulfônico, – SO3H, ligado a um radical
(cadeia carbônica).
Grupo funcional:

O
C S OH ou C SO3H
O

O nome oficial (IUPAC) de um ácido sulfônico segue o esquema:


ácido + prefixo + infixo + o + sulfônico

Observe os exemplos a seguir.

3.13. Compostos de Grignard


106
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os compostos de grignard são ditos organometálicos, porque possuem um metal ligado diretamente a um
átomo de carbono.
Denomina-se compostos de Grignard toda substância que possui uma cadeia carbônica (radical) ligada a
um átomo de magnésio e este, por sua vez, ligado a um átomo de halogênio: cloro, bromo ou iodo.
Grupo funcional:

O nome oficial (IUPAC) de um composto de Grignard segue o esquema:


nome do halogeneto + de + nome do radical (prefixo + il) + magnésio

Observe os exemplos a seguir.

3.16. Tioéter
Nomenclatura usual: nomes dos grupos substituintes ligados ao átomo de enxofre em ordem
alfabética + tio éter

Nomenclatura oficial: o grupo que contém o enxofre é nomeado como um substituinte alquiltio
(metil-tio; etil-tio; isopropil-tio; etc).
H3C S CH3 H3C CH S CH CH2 CH3
dimetil-tioéter (usual) CH3 CH2
metil-tiometano
CH2
H3C S CH2 CH3 CH3
etil-metil-tioéter (usual) 3-isopropil-tio-hexano
metil-tio-etano
H3C S CH CH2 CH2 CH3
H3C CH S CH CH3
CH2
CH3 CH3
CH3
di-isopropil-tioéter (usual)
3-metil-tio-hexano
2-isopropil-tio-propano

3.14. Nomenclatura de Compostos Orgânicos Polifuncionais


Quando tratamos com compostos de função mista, uma das funções é considerada a principal. Assim, a cadeia
principal é a maior e que contém o grupo funcional dessa função. Os demais grupos funcionais são considerados
ramificações.
Segundo a nomenclatura Iupac, a ordem de preferência na escolha da função principal e a denominação dos
grupos funcionais, considerados ramificações, são dadas de acordo com o seguinte esquema:

107
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Observe os exemploes seguintes:

108
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

109
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

FUNÇÕES ORGÂNICAS - II
Exercícios de Aprendizagem

01. Dê dois nomes para cada uma das substâncias a seguir e diga quando cada haleto de alquila é primário,
secundário ou terciário:

a. c.

b. d.

02. Desenhe as estruturas e forneça os nomes sistemáticos de a-c pela substituição de um cloro por um hidrogênio
do metil-ciclo-hexano:
a. haleto de alquila primário
b. haleto de alquila terciário
c. três haletos de alquila secundários

03. a. Dê o nome sistemático (IUPAC) para cada um dos éteres a seguir:

1. 4.

2. 5.

3. CH3CH2CH2CH2CHCH2CH2CH3 6.
OCH3

b. Todos estes éteres têm nome comum?


c. Quais são seus nomes comuns?

04. Desenhe as estruturas para uma série homóloga de alcoóis que tem de um a seis átomos de carbono, dando
em seguida a cada um os nomes comum e sistemático.

05. Dê o nome sistemático a cada uma das substância a seguir e indique se cada uma é um álcool primário,
secundário ou terciário.

a. d. CH3CHCH2CHCH2CH3
CH3 OH

b. e.

c. f.

110
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

06. Escreva as estruturas de todos os alcoóis terciários com a fórmula molecular C 6H14O e dê o nome sistemático
de cada um.

07. Dê os nomes comum e sistemático para cada uma das substâncias a seguir:

a. d.

b. e.

c.

08. Liste as substâncias a seguir em ordem decrescente de ponto de ebulição:

a.

b.

c.

09. Dê o nome para as seguintes substâncias:

a. d. g.

b. e. h.

c. f. i.

111
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

10. Dê dois nomes para cada uma das seguintes substâncias:

a. d.

b. e.

c. f. CH2 CHCCH2CH2CH2CH3

11. Dê o nome para as seguintes substâncias:

a. b. c.

112
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

FUNÇÕES ORGÂNICAS - II 3. (Enem 2013) O glifosato (C3H8NO5P) é um


Exercícios de Fixação herbicida pertencente ao grupo químico das glicinas,
1. (Ita) Um produto natural encontrado em algumas classificado como não seletivo. Esse composto possui
plantas leguminosas apresenta a seguinte estrutura: os grupos funcionais carboxilato, amino e fosfonato.
A degradação do glifosato no solo é muito rápida e
realizada por grande variedade de microrganismos,
que usam o produto como fonte de energia e fósforo.
Os produtos da degradação são o ácido
aminometilfosfônico (AMPA) e o N-metilglicina
(sarcosina):

a) Quais são os grupos funcionais presentes nesse


produto?
b) Que tipo de hibridização apresenta cada um dos
átomos de carbono desta estrutura?
c) Quantas são as ligações sigma e pi presentes
nesta substância?

2. (Espcex (Aman) 2016) O composto denominado


comercialmente por Aspartame é comumente A partir do texto e dos produtos de degradação
utilizado como adoçante artificial, na sua versão apresentados, a estrutura química que representa o
enantiomérica denominada S,S-aspartamo. A glifosato é:
nomenclatura oficial do Aspartame especificada pela
União Internacional de Química Pura e Aplicada
(IUPAC) é ácido 3-amino-4-[benzil-2-metoxi-2-
oxoetil)amino]-4-oxobutanóico e sua estrutura
química de função mista pode ser vista abaixo. a)

b)

c)

d)

A fórmula molecular e as funções orgânicas que


podem ser reconhecidas na estrutura do Aspartame e)
são:
a) C14H16N2O4 ; álcool; ácido carboxílico; amida; éter. 4. (Ueg) O aumento na expectativa de vida do ser
b) C12H18N2O5; amina; álcool; cetona; éster. humano está relacionado, entre outras coisas, às
condições higiênico-sanitárias. Entretanto, é
c) C14H18N2O5 ; amina; ácido carboxílico; amida;
inquestionável que o desenvolvimento de vários
éster. medicamentos eficazes no tratamento de muitas
d) C13H18N2O4 ; amida; ácido carboxílico; aldeído; doenças também desempenhou um papel importante
éter. na longevidade do ser humano. A grande parte dos
e) C14H16N3O5 ; nitrocomposto; aldeído; amida; fármacos comercializados são compostos orgânicos.
cetona. Suas propriedades terapêuticas estão relacionadas,
entre outros fatores, à presença de certos grupos
funcionais em sua estrutura. Considerando a
molécula orgânica a seguir, responda ao que se pede:
113
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

nervo ótico até o cérebro, causando a sensação de


visão.

a) Utilizando os espaços designados na figura,


identifique a função química que representa cada um
a) É função presente no cis-retinal:
dos grupos funcionais.
____________________________.
b) Que tipo de interação química intramolecular está
representado em (I)?
b) A fórmula molecular do cis-retinal é:
______________________________________.
5. (Enem 2014) O biodiesel não é classificado como
uma substância pura, mas como uma mistura de
c) O número de ligações ™ (pi) no cis-retinal é:
ésteres derivados dos ácidos graxos presentes em
______________________________________.
sua matéria-prima. As propriedades do biodiesel
variam com a composição do óleo vegetal ou gordura
d) O número de átomos de CARBONO com
animal que lhe deu origem, por exemplo, o teor de
hibridação sp£ no cis-retinal é:
ésteres saturados é responsável pela maior
______________________________________.
estabilidade do biodiesel frente à oxidação, o que
resulta em aumento da vida útil do biocombustível. O
7. (Enem 2012) A produção mundial de alimentos
quadro ilustra o teor médio de ácidos graxos de
poderia se reduzir a 40% da atual sem a aplicação de
algumas fontes oleaginosas.
controle sobre as pragas agrícolas. Por outro lado, o
Teor médio do ácido graxo (% em massa)
uso frequente dos agrotóxicos pode causar
Fonte Mirís Palmí Esteá Olei Linol Linolê contaminação em solos, águas superficiais e
Oleagi tico tico rico co eico nico subterrâneas, atmosfera e alimentos. Os
nosa (C14: (C16: (C18: (C1 (C18: (C18:3 biopesticidas, tais como a piretrina e coronopilina, têm
0) 0) 0) 8:1) 2) )
sido uma alternativa na diminuição dos prejuízos
Milho < 0,1 11,7 1,9 25,2 60,6 0,5
Palma 1,0 42,8 4,5 40,5 10,1 0,2 econômicos, sociais e ambientais gerados pelos
Canola < 0,2 3,5 0,9 64,4 22,3 8,2 agrotóxicos.
Algodã
0,7 20,1 2,6 19,2 55,2 0,6
o
Amend
< 0,6 11,4 2,4 48,3 32,0 0,9
oim

MA, F.; HANNA, M. A. “Biodiesel Production: a


review”. Bioresource Technology, Londres, v. 70, n. 1
jan. 1999 (adaptado).

Qual das fontes oleaginosas apresentadas produziria


um biodiesel de maior resistência à oxidação?
a) Milho.
b) Palma.
c) Canola.
d) Algodão.
e) Amendoim.

6. (Ufv) Quando a luz entra nos olhos, o cis-retinal é


convertido em seu isômero trans. Esta mudança de
geometria molecular gera um sinal que é levado pelo

114
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Identifique as funções orgânicas presentes


simultaneamente nas estruturas dos dois
biopesticidas apresentados:
a) Éter e éster.
b) Cetona e éster.
c) Álcool e cetona.
d) Aldeído e cetona.
e) Éter e ácido carboxílico.

8. (Ufrgs 2015) Em 1851, um crime ocorrido na alta


sociedade belga foi considerado o primeiro caso da
Química Forense. O Conde e a Condessa de
Bocarmé assassinaram o irmão da condessa, mas o Sobre o cloranfenicol, fazem-se as seguintes
casal dizia que o rapaz havia enfartado durante o afirmativas:
jantar. Um químico provou haver grande quantidade
de nicotina na garganta da vítima, constatando assim
I. Apresenta 6 carbonos sp 2 e 4 carbonos sp3 .
que havia ocorrido um envenenamento com extrato
de folhas de tabaco. II. Possui a função amida em sua estrutura.
III. Sua fórmula molecular é C11H12O5N2C 2.
IV. É um hidrocarboneto alifático e ramificado.
V. Possui a função nitrila em sua estrutura.

São INCORRETAS as afirmativas:


a) I, III, IV e V
b) II, III, IV e V
c) I, IV e V, apenas
d) II, III e IV, apenas

10. (Ime 2015) A eritromicina é uma substância


antibacteriana do grupo dos macrolídeos muito
utilizada no tratamento de diversas infecções. Dada a
Sobre a nicotina, são feitas as seguintes afirmações. estrutura da eritromicina abaixo, assinale a alternativa
que corresponde às funções orgânicas presentes.
I. Contém dois heterociclos.
II. Apresenta uma amina terciária na sua estrutura.
III. Possui a fórmula molecular C10H14N2 .

Quais estão corretas?


a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e II.
e) I, II e III.

9. (Pucmg 2015) A estrutura do cloranfenicol,


antibiótico de elevado espectro de ação, encontra-se
apresentada abaixo:

a) Álcool, nitrila, amida, ácido carboxílico.


b) Álcool, cetona, éter, aldeído, amina.
c) Amina, éter, éster, ácido carboxílico, álcool.
d) Éter, éster, cetona, amina, álcool.
e) Aldeído, éster, cetona, amida, éter.

11. (Ita) Em relação ao paracetamol, que é um


analgésico muito consumido, cuja fórmula é:

115
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

a) Quais os grupos funcionais presentes no


paracetamol?
b) Quais os tipos de hibridização de cada um dos oito
átomos de carbono do paracetamol?
c) Quantas e quais são as ligações sigma e pi
presentes no paracetamol?
Sugestão: Suas respostas ficarão mais apropriadas a) V, IV, III, I, II
se você redesenhar a fórmula, numerar os carbonos, b) IV, III, V, I, II
etc. c) V, III, IV, II, I
d) V, III, IV, I, II
12. (Ufc) O uso da talidomida no tratamento de enjoo
e como sedativo durante a gravidez foi relacionado 14. (Uff) Um composto orgânico X apresenta os
com malformação congênita. Entretanto, esta droga quatro átomos de hidrogênio do metano substituídos
continua sendo utilizada no tratamento de certos pelos radicais: isopropil, benzil, hidroxi e metil.
casos de hanseníase e, mais recentemente, como A fórmula molecular de X é:
uma opção no tratamento da AIDS. Com base na a) C12H16O2
estrutura da talidomida, representada na figura a b) C11H16O
seguir, assinale as afirmativas corretas: c) C12H18O
d) C11H14O2
e) C11H14O

15. (Ufpr) As denúncias de falsificação de


medicamentos têm sido embasadas em diferenças na
rotulagem e aspectos físicos dos produtos, mas
somente uma análise química pode identificar e
quantificar a presença dos princípios ativos. Na
estrutura a seguir mostra-se o Sildenafil, princípio
ativo do Viagra. A análise preliminar de um
comprimido desse medicamento, comprado em uma
farmácia qualquer, revela:

01) Todos os átomos de carbono ligados aos átomos


de oxigênio, apresentam hibridação sp 3.
02) O composto apresenta as funções amina e
aldeído.
04) As duplas ligações do anel benzênico estão
totalmente conjugadas entre si, existindo,
inclusive, conjugação dessas duplas com as
duplas dos grupos C = O diretamente ligados ao
referido anel.
08) Na estrutura da talidomida existem 5 pares de
elétrons .
16) A fórmula molecular da talidomida é C13H10N2O4.

13. (Uece) Com relação aos radicais orgânicos,


associe a coluna da esquerda com a da direita e "A amostra apresenta, dentre outras possíveis, as
assinale a sequência correta, de cima para baixo: funções orgânicas éter e amina e átomos de carbono,
hidrogênio, nitrogênio, enxofre e oxigênio." Com base
nas informações apresentadas, é correto afirmar:
116
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

01) O resultado da análise preliminar indica a 18. (Puc-rio) A dipirona sódica e o paracetamol são
presença de todos os elementos químicos que fármacos que se encontram presentes em
compõem a molécula do princípio ativo do Viagra. medicamentos analgésicos e antiinflamatórios.
02) A análise identifica duas funções orgânicas
presentes na molécula do princípio ativo do
Viagra.
04) O Sildenafil apresenta quatro anéis, sendo três
heterocíclicos e um aromático.
08) Na estrutura ilustrada acima há onze carbonos
com hibridização sp2.
16) O principio ativo do Viagra apresenta caráter
ácido devido aos pares de elétrons livres nos
átomos de nitrogênio.
32) A estrutura do Sildenafil apresenta sete elétrons
que participam de ligações  no anel aromático. Considerando a estrutura de cada composto, as
ligações químicas, os grupamentos funcionais e a
16. (Fgv) As estruturas a seguir são, respectivamente, quantidade de átomos de cada elemento nas
representantes das seguintes classes de compostos moléculas, marque a opção correta.
orgânicos: a) A dipirona sódica é uma substância insolúvel em
a) anidrido, éter, amina, éster, cetona. água.
b) éter, anidrido, amina, éster, éster. b) Apenas o paracetamol é uma substância
c) anidrido, éster, amida, éster, lactona. aromática.
d) anidrido, éter, amida, éster, lactona. c) A massa molecular da dipirona sódica é menor que
e) éter, éter, amida, cetona, éster. a do paracetamol.
d) Na dipirona sódica, identifica-se um grupo
sulfônico.
e) O paracetamol e a dipirona sódica são
aminoácidos.

19. (Puccamp) Duas doenças não infecciosas que


preocupam o homem moderno são a diabetes e o mal
de Alzheimer.
Enquanto a cura de diabetes está sendo pesquisada
através da engenharia genética, testes de laboratório
utilizando a melatonina indicaram bons resultados
para controlar o mal de Alzheimer.
A fórmula estrutural da melatonina é:

17. (Ita) Sabemos que o analgésico sintetizado por A.


Bayer tem a fórmula estrutural mostrada a seguir:
em relação à constituição deste composto, qual das
opções a seguir contém a afirmação ERRADA?

Analisando-a, um estudante afirmou que, na molécula


da melatonina
I. há 11 carbonos e 12 hidrogênios , além de outros
elementos.
II. identifica-se pelo menos um anel aromático.
III. identifica-se um grupo funcional amida.
IV. identifica-se um grupo funcional éter.
Este composto contém:
V. identifica-se um grupo funcional amina cíclica.
a) Um grupo carboxila.
Todas essas afirmações são corretas, EXCETO
b) Um anel aromático e um grupo carboxila.
a) I
c) Um grupo éter e um anel aromático.
b) II
d) Um grupo éster e um grupo carboxila.
c) III
e) Um anel aromático, um grupo éster e um grupo
d) IV
carboxila.
e) V

117
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

20. (Pucmg) A seguir estão representadas as Considerando-se esse composto, é CORRETO


estruturas de três substâncias usadas como afirmar que ele apresenta os seguintes grupos
anestésicos locais. Assinale o grupo funcional comum funcionais:
a todas elas. a) amina, cetona, fenol e éter.
b) amida, cetona, álcool e éster.
c) amida, fenol e éter.
d) amina, éster e álcool.

23. (Pucpr) Qual a sequência correta?


a) 1. Estireno, 2. Fenol, 3. Anilina, 4. Cumeno.
b) 1. Anilina, 2. Estireno, 3. Cumeno, 4. Fenol.
c) 1. Estireno, 2. Cumeno, 3. Anilina, 4. Fenol.
d) 1. Estireno, 2. Anilina, 3. Cumeno, 4. Fenol.
e) 1. Anilina, 2. Cumeno, 3. Estireno, 4. Fenol.

a) amida
b) éster
c) amina
d) fenol

21. (Pucmg) As substâncias a seguir são importantes


agentes orais contraceptivos.

24. (Pucpr) Uma série de compostos químicos que


apresentam propriedades químicas semelhantes e
grupos funcionais característicos pertencem a uma
determinada função.
Assim, os grupos funcionais: -COOH, -NH2, -COH e -
CO pertencem, respectivamente, às seguintes
funções:
a) ácido carboxílico, amina, aldeído e cetona.
b) ácido carboxílico, amina, cetona e aldeído.
c) cetona, ácido carboxílico, aldeído e amina.
d) ácido carboxílico, amida, cetona e aldeído.
Assinale a afirmativa INCORRETA. e) aldeído, amina, cetona e ácido carboxílico.
a) O etinilestradiol apresenta um grupo funcional fenol
em sua estrutura. 25. (Pucsp) Os aromas e sabores dos alimentos são
b) O acetato de noretindrona é um éster da essenciais para nossa cultura na escolha, no preparo
noretindrona. e na degustação dos alimentos. A seguir estão
c) Os três compostos apresentam como funções representadas algumas das substâncias
orgânicas em comum: cetona, álcool e alquino. responsáveis pelas sensações características do
d) A noretindrona apresenta um grupo funcional gengibre, da framboesa, do cravo e da baunilha.
cetona em sua estrutura.

22. (Pucmg) O estimulante cardíaco e respiratório


metamivam possui a fórmula estrutural a seguir.

118
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

27. (Enem 2015) Uma forma de organização de um


sistema biológico é a presença de sinais diversos
utilizados pelos indivíduos para se comunicarem. No
caso das abelhas da espécie Apis mellifera, os sinais
utilizados podem ser feromônios. Para saírem e
voltarem de suas colmeias, usam um feromônio que
indica a trilha percorrida por elas (Composto A).
A função química presente nas quatro estruturas Quando pressentem o perigo, expelem um feromônio
representadas é de alarme (Composto B), que serve de sinal para um
a) éster. combate coletivo. O que diferencia cada um desses
b) álcool. sinais utilizados pelas abelhas são as estruturas e
c) cetona. funções orgânicas dos feromônios.
d) aldeído.
e) fenol.

26. (Uece 2015) Cada alternativa a seguir apresenta


a estrutura de uma substância orgânica aplicada na
área da medicina. Assinale a opção que associa
corretamente a estrutura a suas funções orgânicas.
a) O propranolol, fármaco anti-hipertensivo indicado
para o tratamento e prevenção do infarto do
miocárdio, contém as seguintes funções orgânicas:
álcool e amida.

As funções orgânicas que caracterizam os feromônios


de trilha e de alarme são, respectivamente,
a) álcool e éster.
b) aldeído e cetona.
b) O eugenol, que possui efeitos medicinais que c) éter e hidrocarboneto.
auxiliam no tratamento de náuseas, flatulências, d) enol e ácido carboxílico.
indigestão e diarreia contém a função éter. e) ácido carboxílico e amida.

28. (Upf 2015) O químico Woodward, no período de


1945 a 1958, sintetizou os alcaloides quinina (1),
estriquinina (2) e reserpina (3). Alcaloides são
compostos orgânicos nitrogenados que possuem um
ou mais átomos de nitrogênio em seu esqueleto
c) O composto abaixo é um antisséptico que possui
carbônico, de estrutura complexa e de caráter básico.
ação bacteriostática e detergente, e pertence à família
dos álcoois aromáticos.
Observe a fórmula estrutural dos alcaloides.

d) O p-benzoquinona, usado como oxidante em


síntese orgânica é um éster cíclico.

119
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

I. Na fórmula (A), identificam-se as funções éter e


amina.
II. A histamina (B) possui duas aminas secundárias e
uma amida.
III. A fórmula molecular da molécula (C) é C15NO3H.
IV. Na fórmula (C), identificam-se as funções cetona,
amina e ácido carboxílico.

Assinale a alternativa que contém todas as


afirmativas corretas.
a) I e IV.
b) I e III.
c) II e III.
d) I, II e III.
e) II, III e IV.

30. (Ufc) Para-Cimeno (usado em perfumaria), Timol


(desinfetante em produtos de higiene oral) e Mentol
Sobre as estruturas das substâncias químicas (sabor de menta em balas e sorvetes), cujas
descritas acima, assinale a alternativa incorreta. estruturas estão representadas a seguir, são três
a) As estruturas 1, 2 e 3 apresentam pelo menos um substâncias comuns em óleos essenciais.
anel aromático.
b) Na estrutura 1, há uma hidroxila caracterizando a
função álcool, ligada a um átomo de carbono
secundário.
c) Na estrutura 3, existem átomos de oxigênio entre
átomos de carbonos, como heteroátomos, relativos
à função éter e à função éster.
d) A estrutura 2 é uma função mista, na qual existem
os grupos funcionais relativos à amida, ao éter e à
amina.
e) Na estrutura 3, tem-se um sal orgânico formado
pela substituição da hidroxila do grupo carboxila de
um ácido orgânico por um grupo alcoxila
proveniente de um álcool.
De acordo com as estruturas e observando as normas
da IUPAC, é correto afirmar.
29. (Uel) As aminas são um grupo de substâncias a) O para-Cimeno é um hidrocarboneto, o Timol é um
orgânicas usadas como medicamento. A ingestão de álcool e o Mentol é um fenol.
b) O para-Cimeno é o 1-Isopropil-4-metil-benzeno, o
um antistamínico diminui o efeito da histamina, que é
Timol é o 1-Hidroxi-3-metil-6-isopropil-benzeno e o
uma substância produzida pelo corpo humano em
Metol é o 3-Metil-6-isopropil-ciclohexanol.
resposta às reações alérgicas. O medicamento
c) O Timol é um produto de redução do para-Cimeno,
Toradol é usado por dentistas para aliviar a dor de enquanto o Mentol é o produto da hidrogenação
seus pacientes. catalítica completa do Timol.
As fórmulas das substâncias citadas no texto estão d) O Mentol é o único destes compostos que pode
apresentadas na sequência. assumir uma conformação em cadeira em que os três
substituintes ocupem posições equatoriais.
e) Os três compostos possuem carbonos primários,
secundários e terciários, e são opticamente ativos.

31. (Ufc) A cefalexina, um antibiótico alternativo às


penicilinas, contém os grupamentos funcionais
"amida", "ácido carboxílico", "sulfeto" e "amina
primária". Observe a figura abaixo e assinale a
Com relação às fórmulas das moléculas alternativa que é consistente com a estrutura correta
representadas em (A), (B) e (C), são feitas as da cefalexina, após a substituição das letras R, X, Y e
Z pelos grupos funcionais citados.
seguintes afirmativas:

120
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

pode-se AFIRMAR que


a) apenas um desses compostos é um éter aromático.
b) todos são aldeídos aromáticos.
c) apenas vanilina e eugenol são éteres aromáticos.
d) apenas cinamaldeído é um ácido aromático.
e) todos são alquenos aromáticos.

34. (Ufmg) A ergonovina é um alcalóide natural


encontrado em alguns fungos parasitas:

a) R = OH, X = O, Y = NH‚ e Z = S
b) R = NH‚, X = S, Y = OH e Z = O
c) R = OH, X = S, Y = NH‚ e Z = O
d) R = NH‚, X = O, Y = OH e Z = S
e) R = SH, X = O, Y = NH‚ e Z = O

32. (Ufc) A forma totalmente ionizada do EDTA, um


sequestrante de metais, encontra-se representada a
seguir.
Considerando-se a estrutura desse produto, é
INCORRETO afirmar que a ergonovina apresenta
a) um grupo carbonila.
b) um grupo hidroxila.
c) dois anéis benzênicos.
d) dois grupos amino.

35. (Ufmg) Observe este quadro, em que estão


representadas quatro substâncias orgânicas -
numeradas de I a IV - e os aromas a elas associados:
Sobre esta molécula, pode-se afirmar, corretamente,
que:
a) é bastante solúvel em hexano.
b) apresenta quatro grupos carboxilatos.
c) possui vinte pares de elétrons não ligantes.
d) sequestra metais por interações íon-dipolo
induzido.
e) é um sequestrante mais eficiente de Ca++ em pH
ácido.

33. (Ufes) Dados os compostos orgânicos adiante,

Essas substâncias são usadas na indústria como


aromatizantes sintéticos, no lugar de extratos das
frutas correspondentes.
Considerando-se as estruturas de cada uma dessas
substâncias, é INCORRETO afirmar que
a) III é um éster.
b) I apresenta cadeia ramificada.
c) IV é a mais volátil.
d) II tem um grupo funcional aromático.

36. (Ufpe) Sobre as propriedades de alguns


compostos orgânicos, podemos afirmar:
121
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

( ) os álcoois apresentam uma hidroxila ligada ao


carbono como grupo funcional, podendo formar
pontes de hidrogênio.
( ) os ácidos carboxílicos não formam pontes de
hidrogênio e, por isso, apresentam ponto de ebulição
muito baixo.
( ) os ésteres, as cetonas, os aldeídos, os ácidos
carboxílicos e as amidas têm em comum o grupo
funcional carbonila.
( ) os aldeídos, assim como os álcoois, possuem
uma hidroxila como grupo funcional.
( ) as aminas são compostos que apresentam uma
ligação carbono-nitrogênio, como grupo funcional e
apresentam um caráter básico.

37. (Ufpe) A seguir são dadas as fórmulas de alguns a) Cetona; éter; amina.
constituintes nutricionais encontrados em diversos b) Cetona; hidrocarboneto; amida.
alimentos: c) Fenol; éster; amina.
d) Álcool; amina; amida.
e) Éter; amina; amida.

38. (Ufpi) Algumas indústrias de laticínios


introduziram recentemente no mercado o "leite
ômega". Um tipo de leite rico em gorduras
poliinsaturadas. O Ácido Linolênico, um ácido -3
(ômega três, em virtude da última insaturação situar-
se entre o antipenúltimo carbono da cadeia e seu
anterior), apresenta a estrutura dada a seguir. Com
relação a esta, escolha a opção que contém o nome
correto do Ácido Linolênico.

1, 2 e 3 são conhecidos, respectivamente, como: a) Ácido octadeca-3,6,9-trienoico


b) Ácido octadeca-9,12,15-trienoico
a) ácidos graxos, hidrocarbonetos e aminoácidos. c) Ácido octadeca-8,11,14-trienílico
b) carboidratos, ácidos graxos e proteínas. d) Ácido octadeca-8,11,14-trienoico
c) ésteres graxos, carboidratos e proteínas. e) Ácido octadeca-3,6,9-trienílico
d) ácidos graxos, carboidratos e hidrocarbonetos.
e) ésteres graxos, hidrocarbonetos e proteínas. 40. (Ufpi) Amburosídeo B (Phytochemistry 50, 71-74,
2000), cuja estrutura é dada a seguir, foi isolada de
38. (Ufpi) O Viagra, o principal agente oral contra 'Amburana cearensís' (imburana-de-cheiro ou
impotência sexual masculina, é um sal de Ácido cumaru) na busca pelo principio ativo responsável
cítrico e Sildenafila, a substância mostrada abaixo. pela atividade anti-malárica da mesma. Escolha a
Escolha a opção que contém três funções orgânicas alternativa que apresenta quatro funções orgânicas
presentes na Sildenafila. presentes no Amburosídeo B.

a) Fenol; Cetona; Ácido carboxílico; Álcool


b) Cetona; Éter; Éster; Álcool

122
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

c) Cetona; Éter; Ácido carboxílico; Álcool


d) Fenol; Éter; Éster; Álcool
e) Fenol; Cetona, Éter; Álcool

41. (Ufpi) O composto antibacteriano ácido oxalínico


é representado pela fórmula estrutural:

I. Apresenta em sua estrutura as funções amina e


cetona.
II. Apresenta propriedades alcalinas devido à
presença de sítios básicos de Lewis.
III. Todos os átomos de carbono presentes nos anéis
e apresenta as seguintes funções: estão hibridizados na forma sp2 .
a) éster, cetona, amina e éter. IV. Sua fórmula molecular é C8H9N4O2.
b) éter, cetona, amina e ácido carboxílico.
c) éster, amida, amina e ácido carboxílico. São VERDADEIRAS:
d) éster, amina, fenol e cetona. a) somente as afirmações I, II e III.
e) éter, amida, éster e amina. b) somente as afirmações II e III.
c) somente as afirmações I e IV.
42. (Ufrgs 2015) O ELQ  300 faz parte de uma nova d) somente as afirmações III e IV
classe de drogas para o tratamento de malária. e) somente as afirmações II, III e IV.
Testes mostraram que o ELQ  300 é muito superior
aos medicamentos usados atualmente no quesito de 44. (Upf 2015) Com relação às aminas, assinale a
desenvolvimento de resistência pelo parasita. alternativa correta.
a) Amina é todo composto orgânico derivado da
amônia pela substituição de um, dois ou três
nitrogênios por substituintes orgânicos.
b) Aminas apresentam comportamento ácido em
razão de terem, em sua composição, um átomo de
nitrogênio que pode compartilhar seu par isolado.
c) Aminas aromáticas apresentam comportamento
básico mais acentuado do que as aminas alifáticas
devido ao par de elétrons livres do átomo de
São funções orgânicas presentes no ELQ  300 nitrogênio entrar em ressonância com os elétrons
do anel aromático.
a) amina e cetona.
d) Aminas são compostos polares; as aminas
b) amina e éster.
primárias e as secundárias podem fazer ligações
c) amida e cetona.
de hidrogênio, o que não ocorre com as terciárias.
d) cetona e éster.
e) éter e ácido carboxílico. e) O composto butan 1  amina apresenta 4 átomos
de carbono em sua estrutura e tem o átomo de
43. (Pucpr 2015) Durante muito tempo acreditou-se nitrogênio entre átomos de carbono, como
que a cafeína seria a droga psicoativa mais heteroátomo.
consumida no mundo. Ao contrário do que muitas
pessoas pensam, a cafeína não está presente apenas 45. (Enem 2010) Os pesticidas modernos são
no café, mas sim em uma gama de outros produtos, divididos em várias classes, entre as quais se
por exemplo, no cacau, no chá, no pó de guaraná, destacam os organofosforados, materiais que
entre outros. Sobre a cafeína, cuja fórmula estrutural apresentam efeito tóxico agudo para os seres
está apresentada abaixo, são feitas as seguintes humanos. Esses pesticidas contêm um átomo central
afirmações. de fósforo ao qual estão ligados outros átomos ou
grupo de átomos como oxigênio, enxofre, grupos
metoxi ou etoxi, ou um radical orgânico de cadeia
longa. Os organofosforados são divididos em três
subclasses: Tipo A, na qual o enxofre não se

123
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

incorpora na molécula; Tipo B, na qual o oxigênio, As funções orgânicas presentes na molécula desse
que faz dupla ligação com fósforo, é substituído pelo adoçante são, apenas,
enxofre; e Tipo C, no qual dois oxigênios são a) éter, amida, amina e cetona.
substituídos por enxofre. b) éter, amida, amina e ácido carboxílico.
c) aldeído, amida, amina e ácido carboxílico.
BAIRD, C. Química Ambiental. Bookman, 2005. d) éster, amida, amina e cetona.
e) éster, amida, amina e ácido carboxílico.
Um exemplo de pesticida organofosforado Tipo B,
que apresenta grupo etoxi em sua fórmula estrutural, 47. (Ufscar) Estudos pré-clínicos têm demonstrado
está representado em: que uma droga conhecida por aprepitante apresenta
ação inibitória dos vômitos induzidos por agentes
quimioterápicos citotóxicos, tais como a cisplatina.
Essa droga apresenta a seguinte fórmula estrutural:

a)

b)

c)
Duas das funções orgânicas encontradas na estrutura
dessa droga são
a) cetona e amina.
b) cetona e éter.
c) amina e éter.
d) d) amina e éster.
e) amida e éster.

48. (Ufv) A azadiractina é um composto natural


isolado da árvore indiana 'Azadirachta indica' com
potente atividade nematicida e antialimentar para
e) insetos.

46. (Ufscar) O aspartame, estrutura representada a


seguir, é uma substância que tem sabor doce ao
paladar. Pequenas quantidades dessa substância
são suficientes para causar a doçura aos alimentos
preparados, já que esta é cerca de duzentas vezes
mais doce do que a sacarose.

As funções de 1 a 4 marcadas na estrutura da


azadiractina são, respectivamente:
a) alqueno, éster, álcool, ácido carboxílico.
b) alqueno, éter, álcool, éster.
c) dieno, cetona, fenol, éster.
d) alquino, éter, fenol, cetona.
e) alqueno, álcool, éter, ácido carboxílico.

124
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

(3) O composto IV contém a função fenol.


49. (Enem 2ª aplicação 2010) A curcumina, (4) Por conterem anel benzênico, os compostos
substância encontrada no pó-amarelo-alaranjado apresentados podem ser classificados como
extraído da raiz da cúrcuma ou açafrão-da-índia aromáticos.
(Curcuma longa), aparentemente, pode ajudar a
combater vários tipos de câncer, o mal de Alzheimer
e até mesmo retardar o envelhecimento. Usada há
quatro milênios por algumas culturas orientais,
apenas nos últimos anos passou a ser investigada GABARITO
pela ciência ocidental.
1. a) Observe a estrutura a seguir:

Na estrutura da curcumina, identificam-se grupos


característicos das funções
a) éter e álcool.
b) éter e fenol.
c) éster e fenol.
d) aldeído e enol.
e) aldeído e éster.
b) 1 - sp£
50. (Unb) O quadro abaixo apresenta as estruturas de 2 - sp£
algumas substâncias comumente usadas em
protetores solares. Essas substâncias bloqueiam 3 - sp£
seletivamente a radiação ultravioleta, prejudicial à
saúde. Suas estruturas químicas incluem anel 4 - sp£
benzênico substituído. 5 - sp£

6 - sp¤

7 - sp¤
8 - sp£
c) 23 ligações sigma e 4 ligações pi

Resposta da questão 2:
[C]

I. ácido p-aminobenzóico (PABA)


II. 2-hidroxi-4-metoxi-benzofenona (ozibenzona)
III. p-(N, N-dimetil) aminobenzoato de 2-etilhexila
IV. salicilato de 2-etilhexila
V. p-metoxicinamato de 2-etilhexila
Com relação a essas estruturas químicas, julgue os
itens a seguir.
(1) Os compostos II e V contêm a função éter.
(2) O composto III é isômero do composto de fórmula
molecular C17H27NO2.
3. [B]
125
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

resiste à oxidação.
De acordo com o texto o glifosato possui os grupos
funcionais carboxilato, amino e fosfonato: Analisando a tabela:

Mirístico Palmítico Esteárico


(C14:0) (C16:0) (C18:0)
0 insaturação 0 insaturação 0 insaturação

Oleico Linoleico Linolênico


(C18:1) (C18:2) (C18:3)
1 insaturação 2 insaturações 3 insaturações

A partir dos ácidos graxos mirístico, palmítico e


esteárico, vem:

Teor médio do ácido graxo (% em massa)


Mirístico Palmítico Esteárico
Total
(C14:0) (C16:0) (C18:0)
13,7
Os produtos da degradação são o ácido Milho 0,1 11,7 1,9
%
aminometilfosfônico (AMPA) e o N-metilglicina 48,3
Palma 1,0 42,8 4,5
(sarcosina): %
4,6
Canola 0,2 3,5 0,9
%
23,4
Algodão 0,7 20,1 2,6
%
14,4
Amendoim 0,6 11,4 2,4
%

Palma 48,3 % (composto mais saturado)

6. a) aldeído
Então: b) C‰H‚†O
c) 6
d) 11

7. [B]

Teremos as funções cetona e éster nas estruturas


dos dois biopesticidas apresentados:

4. a)

b) Ligação de hidrogênio.

5. [B] Resposta da questão 8:


[E]
Quanto menor a presença de insaturações (ligações
duplas), maior a resistência à oxidação, ou seja, Análise das afirmações:
quanto mais saturado for o composto, mais ele
126
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

[I] Correta. Contém dois heterociclos.

[II] Correta. Apresenta uma amina terciária na sua


estrutura.
[II] Correta. Possui a função amida em sua estrutura.

[III] Correta. Possui a fórmula molecular C10H14N2 .

[III] Correta. Sua fórmula molecular é C11H12O5N2C 2.

[IV] Incorreta. Apresenta função mista: álcool,


nitrocomposto e amida.

Resposta da questão 9:
[C]

Análise das afirmativas:

[I] Incorreta. Apresenta 7 carbonos sp 2 e 4 carbonos


sp3 .

[V] Incorreta. Possui a função nitrocomposto em sua


estrutura.

127
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Resposta da questão 10: 24. [A] 25. [E]


[D]
Resposta da questão 26:
Teremos: [B]

[A] Incorreta.

[B] Correta.

[C] Incorreta.
11. a) - OH ligado ao anel benzênico (fenol)
b) e c) Observe as figuras a seguir:

[D] Incorreta.

12. 16 13. [D]


14. [C] 15. 01 + 02 + 04 + 08 = 15
16. [D]
17. [D]
O hidrocarboneto é apolar e pode ser solubilizado
pela região apolar do tensoativo.

Resposta da questão 27:


[A]

As funções orgânicas que caracterizam os


feromônios de trilha e de alarme são,
respectivamente, álcool e éster.

18. [D] 19. [A]


20. [C] 21. [C]
22. [C] 23. [B]
128
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Resposta da questão 28: [D] Correta. A estrutura 2 é uma função mista, na


[E] qual existem os grupos funcionais relativos à
amida, ao éter e à amina.
Análise das alternativas;

[A] Correta. As estruturas 1, 2 e 3 apresentam pelo


menos um anel aromático.

[E] Incorreta. A estrutura 3 não apresenta a função


sal orgânico.

[B] Correta. Na estrutura 1, há uma hidroxila


caracterizando a função álcool, ligada a um
átomo de carbono secundário.

29. [A]
30. [D] 31. [B]
32. [B] 33. [C]
34. [C] 35. [D]
36. V F V F V 37. [C]
38. [E] 39. [B]
40. [D] 41. [B]
[C] Correta. Na estrutura 3, existem átomos de Resposta da questão 42:
oxigênio entre átomos de carbonos, como [A]
heteroátomos, relativos à função éter e à função
éster. Funções orgânicas presentes no ELQ  300:

129
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

livres do átomo de nitrogênio entrar em


ressonância com os elétrons do anel aromático.

[D] Correta. Aminas são compostos polares; as


aminas primárias e as secundárias podem fazer
ligações de hidrogênio, o que não ocorre com as
terciárias, pois estas não possuem o grupo NH,
nem NH2.

Resposta da questão 43: [E] Incorreta. O composto butan 1  amina


[B] apresenta 4 átomos de carbono em sua estrutura
e o grupo amino ligado ao primeiro carbono.
[I] Incorreta.

Resposta da questão 45:


[E]

Temos o grupo etoxi na alternativa E:

[II] Correta. Base de Lewis são compostos que doam


par de elétron, assim o átomo de nitrogênio
possui par de elétrons disponível para uma
possível ligação, pois possui 5 elétrons na
camada de valência e apenas 3 estão envolvidas
nas ligações.

[III] Correta. Os átomos de carbono que estão


presentes em ambos os anéis possuem ligação 46. [E] 47. [C]
dupla, possuem assim hibridação sp2. 48. [B]

[IV] Incorreta. A fórmula molecular correta da cafeína Resposta da questão 49:


será: C8H10N4O2. [B]

Resposta da questão 44: Teremos:


[D]

Análise das alternativas:

[A] Incorreta. Amina é todo composto orgânico


derivado da amônia pela substituição de um, dois
ou três hidrogênios (H) por substituintes
orgânicos.

[B] Incorreta. Aminas apresentam comportamento


básico em razão de terem, em sua composição,
um átomo de nitrogênio que pode compartilhar
seu par isolado, ou seja, se comportar como uma
base de Lewis.
[C] Incorreta. Aminas aromáticas apresentam
comportamento básico menos acentuado do que
as aminas alifáticas devido ao par de elétrons 50. V V V V

130
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

MÓDULO 04
Isomeria Constitucional e Estereoisomeria – Isomeria cis-trans

Isomeria Constitucional

1. Isomerismo: Isômeros Constitucionais


Isomeria: é o fenômeno pelo qual o mesmo grupo de átomos dá origem a substâncias diferentes, devido a
arranjos atômicos diferentes.
Isômeros: são compostos com a mesma fórmula molecular, mas com arranjos atômicos diferentes;
portanto com propriedades diferentes.
Isômeros são compostos diferentes que possuem a mesma fórmula molecular. Do grego isos + meros, que
significa “feitos das mesmas partes”

1.1. Isômeros constitucionais são isômeros que diferem entre si porque seus átomos estão conectados
em uma ordem diferente. Exemplos de isômeros constitucionais são os seguintes:

Fórmula Molecular Isômeros Constitucionais

CH3
C4H10 CH3CH2CH2CH3 e
Butano CH3CHCH3
Isobutano

CH3CHCH3
C3H2Cl CH3CH2CH2CI e
1-Cloropropano CI
2-Cloropropano

C2H6O CH3CH2OH e CH3OCH3


Etanol Éter dimetílico

Compostos como o butano e o isobutano, cujos átomos têm arranjos diferentes, são chamados isômeros
de constituição.

131
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Como mostra a Tabela, o número de isômeros possíveis para alcanos cresce bastante quando cresce o
número de átomos de carbono da molécula.

Tabela 3.2 Número de alcanos isômeros


Fórmula Número de isômeros Fórmula Número de isômeros
C6H14 5 C10H22 75
C7H16 9 C15H32 4.347
C8H18 18 C20H42 366.319
C9H20 35 C30H62 4.111.846.763

A isomeria de constituição não está limitada aos alcanos; ela ocorre amplamente em toda a química
orgânica. Os isômeros de constituição podem apresentar esqueletos carbônicos distintos (como ocorre no caso do
isobutano e do butano), grupos funcionais diferentes (como em álcool etílico e dimetil-éter) ou ainda localizações
diferenciadas do grupo funcional ao longo da cadeia (como se dá com a isopropilamina e a propilamina).
Independentemente da razão para a existência da isomeria, os isômeros de constituição têm sempre a mesma
fórmula, mas apresentam um esquema de ligação diferente entre os átomos.

CH3
CH3CH2CH2CH3
Esqueletos carbônicos diferentes: CH3CHCH3 e
Butano
2-Metil-propano
(Isobutano)

CH3CH2OH CH3OCH3
Grupos funcionais diferentes: e
Álcool etílico Dimetil-éter

NH2
Posições diferentes dos grupos CH3CH2CH2NH2
CH3CHCH3 e
funcionais Propilamina
Isopropilamina

1.2. Classificação dos Isômeros constitucionais


a) Isomeria de cadeia: caracteriza-se por apresentar isômeros da mesma função orgânica que apresentam
números diferentes de átomos de carbono na cadeia principal.
132
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os casos de isomeria de cadeia são: cadeia fechada e cadeia aberta, cadeia ramificada e cadeia normal,
cadeia homogênea e cadeia heterogênea; cadeia etínica e cadeia dietênica.
Obs.: No caso dos compostos cíclicos essa isomeria pode também ser chamada de isomeria de núcleo ou de
anel;
C H3
H3C C H2 C H 2 C H2 C H3 H3C CH C H2 C H 3 H 3C C C H3
n-pentano C H3 C H3
C 5 H 12 (2-)metilbutano (2,2-)dimetilpropano

CH2 CH2 CH2


H2C CH CH2 CH3
C4H8 CH2 CH2 H2C CH CH3
1-buteno
ciclobutano metilciclopropano

Obs.: O exemplo de isomeria de cadeia com cadeia homogênea e cadeia heterogênea ocorre entre aminas e
também com as amidas:

O O
H3 C N CH3 H3 C CH2 NH2 H3 C CH2 C
H3 C C
H NH CH3 NH2
dimetilamina etilamina
N-metil-etanamida propanamida

Isomeria entre compostos de cadeia etínica e dietênica:

H3C C C H H2C C CH2


etínica dietênica
b) Isomeria de posição: caracteriza-se por apresentar isômeros da mesma função orgânica que apresentam
a mesma cadeia principal, mas que possuem grupos funcionais, radicais ou duplas e triplas ligações em posições
diferentes;

H3C CH2 CH2 H3C CH CH3


OH OH
1-propanol 2-propanol
C3H8O

H2C CH CH2 CH3 H3C CH CH CH3


1-buteno
2-buteno
C4H8

H3 C CH CH2 CH2 CH3 H3 C CH2 CH CH2 CH3


CH3 CH3
2-metilpentano 3-metilpentano

c) Isomeria de compensação ou Metameria: caracteriza-se por apresentar isômeros da mesma função


orgânica, mas que apresenta um heteroátomo em diferentes posições na cadeia carbônica, entre carbonos;

133
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Obs.: Ocorre principalmente entre éteres; entre ésteres; entre aminas; entre amidas.
H3C O CH2 CH2 CH3 H3C CH2 O CH2 CH3
metóxi-propano etóxi-etano
C 4H10O

H3C NH CH2 CH2 CH3 H3C CH2 NH CH2 CH3


metil-propilamina dietilamina
C4H11N

O O
H3C C H3C CH2 C
O CH2 CH3 O CH3
C4H8O2 etanoato de etila propanoato de metila

d) Isomeria de função ou Funcional: caracteriza-se por apresentar isômeros de funções orgânicas


diferentes.
Ex.: aldeído, cetona e epóxido; éter e álcool; ácido carboxílico e éster; fenol, éter aromático e álcool
aromático; nitrila e isonitrila; tio-álcool e tio-éter.

O O OH
O CH3
H C H3 C C
O CH3 CH3
OH
metanoato de metila ácido etanóico metóxibenzeno
ácido carboxílico e éster 1-hidróxi-2-metilbenzeno

H3C CH2 OH H3C O CH3 CH2 OH álcool benzílico

etanol metóxi-metano
fenol, éter aromático e álcool aromático
álcool e éter

H H H O H H O
O
H C C C H C C C H H C C C H
H H H H H H H
aldeído cetona epóxido
propanal propanona 1,2-epóxido de propileno

H H H H H H H H
H C C C N H C C N C H C C SH H C S C H
H H H H H H H H
nitrila isolnitrila tio-álcool tio-éter

134
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

e) Isomeria dinâmica ou Tautomeria: caracteriza-se por apresentar isômeros de funções orgânicas


diferentes, mas que se transformam um no outro quando em solução, através de um equilíbrio dinâmico. Os dois
isômeros coexistem numa solução em equilíbrio.

Obs.: Ocorre geralmente entre: aldeído e enol (equilíbrio aldo-enólico), cetona e enol (equilíbrio ceto-enólico).
Obs.: uma mistura de tautômeros é chamada de mistura alelotrópica;

O
H2C C OH H3C C
H H
aldeído
enol (mais estável)

OH O
H3C C CH2 H3C C CH3
enol cetona
(mais estável)

Obs.: enol é uma função orgânica caracterizada pela presença da hidroxila (OH) ligada a um carbono com
dupla ligação, o que o diferencia de um álcool, pois o álcool possui hidroxila ligada a carbono saturado.

CH3 CH3
H3C C N CH3 H2C C N CH3
H
imina enamina

Esquema de Classificação dos Isômeros Constitucionais

Existe equilíbrio Função


não
químico entre eles?

não sim Tautomeria


Os isômeros
pertencem a mesma
função?
Cadeia
sim não

A cadeia é do mesmo
tipo? Posição
não
sim
AA diferença estánanaposição
diferença está posiçãodo
heteroátomo entre
do heteroátomo? carbonos?

sim
Metameria (Compensação)

135
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

2. Estereoisomeria – Isomeria cis-trans


2.1. Estereoisomeria - Introdução

Estereoisômeros não são isômeros constitucionais – eles têm seus átomos constituintes conectados na mesma
sequência. Estereoisômeros diferem apenas no rearranjo de seus átomos no espaço. Os isômeros cis e trans de
alcenos são estereoisômeros.

O cis-1,2-dicloroeteno e o trans-1,2-dicloroeteno são isômeros porque ambos os compostos têm a mesma


fórmula molecular (C2H2Cl2), mas são diferentes. Estereoisômeros não são isômeros constitucionais, porque a
ordem das conexões dos átomos em ambos os compostos é a mesma. Ambos os compostos têm dois átomos de
carbono centrais ligados por uma ligação dupla, e ambos os compostos tem um átomo de cloro e um átomo de
hidrogênio ligado aos dois átomos centrais. Os isômeros cis-1,2-dicloroeteno e trans-1,2-dicloroeteno diferem
apenas no arranjo de seus átomos no espaço. No cis-1,2-dicloroeteno os átomos de hidrogênio estão no mesmo
lado da molécula, e no trans-1,2-dicloroeteno os átomos de hidrogênio estão em lados opostos. Então, cis-1,2-
dicloroeteno e trans-1,2-dicloroeteno são estereoisômeros.

Estereoisômeros podem ser subdivididos em duas categorias gerais: enantiômeros e diastereômeros.


Enantiômeros são estereoisômeros cujas moléculas são imagens especulares uma da outra, que não se
superpõem. Diastereômeros são estereoisômeros cujas moléculas não são imagens especulares uma das
outras.

Moléculas de cis-1,2-dicloroeteno e trans-1,2-dicloroeteno não são imagens especulares uma da outra. Mas
cis-1,2-dicloroeteno e trans-1,2-dicloroeteno são estereoisômeros, como não se relacionam como um objeto e sua
imagem especular, são diastereômeros.

Isômeros cis e trans de cicloalcanos nos fornecem outro exemplo de estereoisômeros que são diastereômeros
um do outro.

Estes dois compostos são isômeros um do outro, porque são compostos diferentes que não se convertem um
no outro e porque têm a mesma fórmula molecular (C 7H14). Eles não são isômeros constitucionais porque seus
átomos estão ligados na mesma sequência. Portanto são estereoisômeros. Eles diferem apenas no rearranjo de
seus átomos no espaço. Eles não são enantiômeros porque suas moléculas não são imagens especulares uma da
outra. São portanto diastereômeros.

136
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

2.2. Isomeria geométrica ou cis-trans


Observe os esquemas abaixo:

137
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

3.A Estereoquímica dos Alquenos e dos Ciclo-alcanos


Até agora, consideramos as moléculas como se elas tivessem duas dimensões e demos pouca atenção às
consequências químicas que advém do arranjo espacial dos átomos nas moléculas. Chegou o momento de
acrescentar a terceira dimensão a nosso estudo. Estereoquímica é o ramo da química envolvida com os aspectos
tridimensionais das moléculas.

3.1. Isomeria Cis – Trans nos Alquenos


A ausência de rotação em torno da ligação dupla carbono-carbono tem consequências químicas, além do
interesse teórico. Considere um alqueno dissubstituído, como o 2-buteno. (Dissubstituído significa que dois
substituintes estão ligados aos carbonos da ligação dupla.) Estruturalmente, os dois grupos metila do 2-buteno
podem estar do mesmo lado da ligação dupla ou em lados opostos, como nos ciclo-alcanos dissubstituído. A figura
abaixo mostra os dois isômeros do 2-buteno.
Como a rotação da ligação não pode ocorrer, os dois 2-butenos não podem se interconverter facilmente: eles
são compostos diferentes e podem ser separados. Como no caso dos ciclo-alcanos dissubstituídos, chamamos
estes compostos de estereoisômeros cis-trans. O composto cujos substituintes estão no mesmo lado da ligação
dupla é denominado cis-2-buteno, e o isômero cujos substituintes estão em lados opostos da ligação dupla é
denominado trans-2-buteno.
A isomeria cis-trans não se limita aos alquenos dissubstituídos. Ela ocorre sempre que cada carbono da
ligação dupla está ligada a dois grupos diferentes. Se um dos carbonos da ligação dupla estiver ligado a dois
grupos idênticos, a isomeria cis-trans desaparece.

Isômeros cis e trans do 2-


buteno. O isômero cis tem os
dois grupos metila no mesmo
lado da ligação dupla e o
isômero trans tem os grupos
metila em lados opostos.

Exigências para a existência de isomeria cis-trans nos alquenos. Compostos que tem os carbonos
ligados a dois grupos idênticos não possuem isômeros cis-trans.
a a b a H3C CH3 H3C Cl
C C C C C C C C
b b a b Cl Cl Cl CH3
(cis) a = b (trans) cis-2,3-dicloro-2-buteno trans-2,3-dicloro-2-buteno

138
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Como os dois orbitais p que formam a ligação  devem estar paralelos para se encontrarem em
sobreposição máxima, a rotação livre da ligação dupla não ocorre. Se a rotação ocorresse, os dois orbitais p
poderiam não apresentar sobreposição perfeita e a ligação  poderia se quebrar. A barreira rotacional em tomo
da ligação dupla é de 63 kcal/mol. Compare esta barreira rotacional com a barreira rotacional (2,9 kcal/mol) em
torno da ligação simples carbono-carbono.

a ligação  é rompida

H3C CH3 H3C H H3C H


C C C C C C
H H H CH3 H CH3

isômero cis isômero trans

A rotação em torno da ligação dupla carbono-carbono pode romper a ligação  .


Devido à existência de uma barreira rotacional em torno da ligação carbono-arbono, um alceno como o 2-
buteno pode existir sob duas formas distintas: os hidrogênios ligados aos carbonos sp2 podem estar ligados do
mesmo lado ou em lados opostos da ligação dupla. O isômero que apresenta os hidrogênios no mesmo lado da
ligação dupla é chamado isômero cis, e o isômero com os hidrogênios em lados opostos na ligação dupla é
chamado isômero trans. Um par de isômeros como cis-2-buteno e trans-2-buteno são chamados isômeros cis-
trans ou isômeros geométricos. O isômero cis apresentava os substituintes no mesmo lado do ciclo e o isômero
trans possuía os substituintes em lados opostos do ciclo. Os isômeros cis-trans têm a mesma fórmula molecular,
mas diferem na forma como os átomos estão arranjados no espaço.
H3C CH3 H3C H
C C C C
H H H CH3
cis-2-buteno trans-2-buteno

Se um dos carbonos sp2 da ligação dupla estiver ligado a dois substituintes iguais, só existe uma estrutura
possível para o alceno. Em outras palavras, isômeros cis e trans não são possíveis para alcenos que apresentam
substituintes idênticos ligados a um dos carbonos da ligação dupla.

isômeros cis e trans não são possíveis para estas substâncias


porque dois substituintes no mesmo carbono são iguais

H CH3 CH3CH2 CH3


C C C C
H Cl H CH3

Devido à barreira rotacional em tomo da ligação dupla, isômeros cis e trans não podem se interconverterem
(exceto sob condições extremas suficientes para superar a barreira rotacional e quebrar a ligação  ). Esse fato
significa que eles podem ser separados um do outro. Em outras palavras, os dois isômeros são substâncias
diferentes com distintas propriedades físicas, com diferentes pontos de ebulição e momentos de dipolo. Note que
trans-2-buteno e trans-2-dicloro-eteno possuem momentos de dipolo (  ) zero porque os momentos dipolares das
ligações se cancelam.

139
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

H3C CH3 H3C H Cl Cl Cl H


C C C C C C C C
H H H CH3 H H H Cl
cis-2-butano trans-2-butano cis-1,2-dicloroeteno trans-1,2-dicloroeteno
p.e. = 3,7° C p.e. = 0,9° C p.e. = 60,3° C p.e. = 47,5° C
 = 0,33D =0D  = 2,95 D =0D

Os isômeros cis e trans podem se interconverterem (sem a presença de reagentes) somente quando a
molécula absorve calor suficiente ou energia luminosa para causar a quebra da ligação  , porque uma vez que a
ligação  é quebrada a rotação pode ocorrer em torno da ligação  restante. Interconversão cis-trans, então, não
é um processo prático de laboratório.

H3C CH2CH3 H3C H


> 180°C
C C C C
ou
H H H CH2CH3
hv
cis-2-penteno trans-2-penteno

Interconversão cis-trans na visão

Quando a rodopsina absorve luz, a ligação dupla se interconverte entre as formas cis e trans. Este é um
importante processo na visão.

ligação dupla cis


ligação dupla trans

luz
N opsina

N opsina
metarodopsina II
rodopsina (trans-rodopsina)

3.2. Regras de Sequência: A Classificação E,Z


A nomenclatura cis-trans utilizada funciona bem na descrição da geometria de ligações duplas dissubstituídas,
mas não é precisa quando se trata de ligações tri e tetrassubstituídas. (Trissubstituído significa que três
substituintes se ligam aos átomos de carbono da ligação dupla; Tetrassubstituído significa que quatro substituintes
se ligam aos átomos de carbono da ligação dupla.)
Um método geral de descrição da geometria da ligação dupla é o sistema de nomenclatura E,Z, que utiliza as
chamadas regras de sequência para atribuir propriedades aos grupos substituintes. Considerando-se,
separadamente, cada extremidade da ligação dupla, usam-se as propriedades dadas pelas regras de sequência para
definir a geometria. Se os grupos de maior prioridade encontram-se no mesmo lado da ligação dupla, o alqueno
recebe a denominação Z (do alemão zusammen, “juntos”).Se os grupos de maior prioridade estão em lados
opostos, o alqueno recebe a denominação E (do alemão entgegen, “opostos”). A figura abaixo mostra estas
situações.

140
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Sistema de nomenclatura E,Z para os alquenos substituídos. Os grupos de prioridade mais alta em cada carbono
encontram-se do mesmo lado do isômero Z e em lados opostos no isômero E.

Quando cada carbono sp2 de um alceno estiver ligado a somente um substituinte, podemos usar o termo cis
e trans para designar a estrutura do alceno. Se os hidrogênios estiverem de um lado da ligação dupla, este é o
isômero cis, caso estejam em lados opostos, este é o isômero trans. Entretanto, como designar os isômeros de
uma substância como 1-bromo-2-cloropropeno?

Br Cl Br CH3
C C C C
H CH3 H Cl

Qual isômero é o cis e qual é o trans?

Para uma substância como 1-bromo-2-cloropropeno, o sistema cis-trans de nomenclatura não pode ser
usado porque existem quatro substituintes diferentes nos carbonos vinílicos. O sistema E, Z de nomenclatura foi
criado para esse tipo de situação.
A nomenclatura em um isômero no sistema E, Z se inicia determinando as prioridades relativas dos grupos
ligados a um carbono sp2 e então ao outro carbono sp2 (as regras para assinalamento de prioridades relativas serão
explicadas a seguir). Se os grupos de maior prioridade estiverem no mesmo lado da ligação dupla, o isômero tem
a configuração Z (Z é zusommen, “junto” em alemão). Caso os grupos de maior prioridade estejam em lados
opostos da ligação dupla, o isômero tem configuração E (E é entgegen, “oposto” em alemão).
O isómero Z apresenta os grupos de maior prioridade no mesmo lado.

menor prioridade menor prioridade menor prioridade maior prioridade


C C C C
maior prioridade maior prioridade maior prioridade menor prioridade

isômero Z isômero E

As prioridades relativas para os grupos ligados aos carbonos sp2 são determinadas com a utilização das
seguintes regras:
• Regra 1. As prioridades relativas dos dois grupos ligados a um carbono sp2 dependem do número atômico
dos átomos que estão ligados diretamente ao carbono sp2. O maior número atômico é o de maior
prioridade.
Por exemplo, na substância a seguir, um dos carbonos sp2 está ligado a Br e a H:

141
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

maior prioridade maior prioridade

Br Cl Br CH3
C C C C
H CH3 H Cl

isômero Z isômero E

Br tem número atômico maior do que H, assim Br tem maior prioridade do que H. O outro carbono sp2
está ligado a Cl e a C. O Cl tem número atômico maior, assim Cl tem maior prioridade do que C (observe
que você pode usar o número atômico de C, mas não a massa do grupo CH 3 porque as prioridades estão
baseadas nos números atômicos, e não nas massas dos grupos). O isômero da esquerda tem os grupos de
maior prioridade (Br e Cl) no mesmo lado da ligação dupla, assim, este é o isômero Z. O isômero da
direita tem os grupos de maior prioridade nos lados opostos da ligação dupla; desse modo, este é o
isômero E.

Considere separadamente cada um dos carbonos da ligação dupla, olhe para os dois átomos diretamente
ligados a ele e atribua prioridades de acordo com os números atômicos. Um átomo com número atômico
mais alto recebe prioridade mais alta. Assim, os átomos mais comumente ligados a uma ligação dupla são
ordenados do seguinte modo:

Como o cloro tem o número atômico maior do que o do carbono, a substituição por um Cl tem prioridade
mais alta que o grupo metila (CH3). Um grupo metila porém, tem prioridade mais alta que um hidrogênio e
o isômero (a) tem, portanto, geometria E (grupos de alta prioridade em lados opostos da ligação dupla). O
isômero (b) possui geometria Z (grupos de altas prioridades no mesmo lado da ligação dupla).

• Regra 2. Caso os dois substituintes ligados ao carbono sp2 se iniciem com o mesmo átomo ligado a C da
dupla (há um empate), deve-se continuar o movimento para fora do ponto de ligação e considerar o
número atômico dos átomos que estão ligados aos átomos “empatados”.

Nas seguintes substâncias, um dos carbonos sp2 está ligado em ambos os casos a Cl e a C do grupo CH2Cl:

Se os átomos ligados ao carbono sp2 são os mesmos, os átomos ligados no carbono em que houve o
“empate” devem ser comparados aquele com maior número atômico será o grupo com maior prioridade.

142
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

CH3 CH3
ClCH2 CHCH3 Cl CHCH3
C C C C
Cl CH2OH ClCH2 CH2OH

isômero Z isômero E

Cl tem o número atômico maior do que C, assim, o grupo Cl apresenta maior prioridade. Ambos os átomos
ligados aos outros carbonos sp2 são C (do grupo CH2OH e do grupo CH(CH3)2, de modo que há um
empate nesse ponto. O C do grupo CH 2OH está ligado a O, a H e a outro H, e o C do grupo CH(CH3)2
está ligado a C, a outro C e a H. Desses seis átomos, o O tem o maior número atômico. Sendo assim, o
grupo CH2OH apresenta maior prioridade que o grupo CH(CH3)2 (observe que não se pode somar os
números atômicos; deve-se apenas usar o átomo que possua o maior número atômico). Os isômeros E e
Z são os mostrados.

Se não for possível resolver a geometria usando o átomo imediatamente ligado aos carbonos da ligação
dupla, use sucessivamente os grupos de átomos mais afastados até encontrar a primeira diferença. Assim,
um substituinte etila, –CH2CH3, e um substituinte metila, –CH3, seriam equivalentes pela regra 1 porque,
em ambos, o primeiro átomo é carbono. Pela regra 2, no entanto, o grupo etila tem prioridade mais alta do
que o grupo metila, porque os segundos átomos são C,H,H contra H,H,H. Observe os exemplos seguintes
da aplicação da regra:

• Regra 3. Se um átomo está ligado duplamente com outro átomo, o sistema de prioridades trata como se
estivesse usando ligações simples a dois daqueles átomos. Caso um átomo esteja ligado triplamente com
outro átomo, o sistema de prioridades trata como se ele estivesse ligado a três do mesmo átomo.
Por exemplo, um dos carbonos sp2 no seguinte par de isômeros está ligado ao grupo CH,CH 3 e ao grupo
CH=CH2:
HOCH2 CH CH2 HOCH2 CH2CH3
C C C C
HC C CH2CH3 HC C CH CH2
isômero Z isômero E
Se os átomos estiverem ligados por ligações duplas a outro átomo, considere como se eles estivessem
ligados com ligações simples a outros dois átomos do mesmo elemento.

Se um átomo estiver ligado por ligações triplas a outro átomo, considere como se eles estivessem ligados
com ligações simples a outros três átomos do mesmo elemento.

Cancele os átomos que são idênticos nos dois grupos; use os átomos restantes para determinar o grupo
com maior prioridade.

Uma vez que os átomos ligados ao carbono sp2 são ambos C, há um empate. O primeiro carbono do grupo
CH2CH3 está ligado a C, a H e a outro H. O primeiro carbono do grupo CH=CH2 está ligado a H e ligado
duplamente a C. Assim, é considerado como se estivesse ligado a C, a outro C e a H. Um carbono é
143
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

cancelado nos dois grupos, restando dois H no grupo CH 2CH3 e um C e um H no grupo CH=CH2. O C
tem maior prioridade do que H; logo, CH=CH 2 apresenta maior prioridade do que CH2CH3. Os dois
átomos que estão ligados ao outro carbono sp2 são C, havendo outro empate. O C ligado triplamente é
considerado como se estivesse ligado a C, a outro C, e a um terceiro C; o outro C está ligado a O, a H e
a outro H. Desses seis átomos, o O apresenta maior número atômico, de modo que o grupo CH2OH tem
maior prioridade do que . C CH

Átomos com ligações múltiplas são equivalentes ao mesmo número de átomos com ligações simples. Um
substituinte aldeído (–CH = O), por exemplo, que tem um átomo de carbono em ligação dupla com um
oxigênio, é equivalente a um substituinte que tem um átomo de carbono ligado a dois átomos de oxigênio
por ligação simples:

• Regra 4. No caso de isótopos (átomos com o mesmo número atômico, mas diferente número de massa),
o número de massa é usado para determinar a prioridade relativa.
Nas seguintes estruturas, por exemplo, um dos carbonos sp2 está ligado a um deutério (D) e a um
hidrogênio (H):

CH3
H CH CH2
H CHCH3
C C
C C
D CHCH3
D CH CH2
CH3
isômero Z isômero E

Se os átomos possuem o mesmo número atômico, mas diferem no número de massa, o que apresenta
maior massa tem a maior prioridade.

144
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

D e H possuem o mesmo número atômico, mas D tem número de massa maior, assim D tem maior
prioridade do que H. Os C que estão ligados ao outro carbono sp2 estão ambos ligados a C, a outro C e a
H; deve-se seguir para o próximo átomo para desempatar a prioridade. O segundo átomo do carbono do
grupo CH(CH3)2 está ligado a H, a outro H e a um terceiro H, já o segundo carbono do grupo CH=CH2
está ligado a H, a outro H e a C. Logo, CH=CH2 apresenta maior prioridade do que CH(CH3)2.
Observe que em todos os exemplos em nenhum momento se inclui o átomo ligado à ligação σ do átomo de
origem. Na diferenciação entre os grupos CH(CH3)2 e CH=CH2 no último exemplo, você, entretanto, inclui o
átomo unido à ligação π do átomo de origem. No caso da ligação tripla, incluem-se os átomos ligados a ambas as
ligações  do átomo de origem.

3.2.1. Isômeros configuracionais de dienos

Um dieno como o l-cloro-2,4-heptadieno possui quatro isômeros configuracionais porque cada uma das
ligações duplas pode possuir tanto a configuração E quanto a configuração Z. Assim, existem os isômeros E-E,
Z-Z, E-Z e Z-E. As regras para a determinação das configurações E e Z serão apresentadas no módulo de isomeria
geométrica. Lembre-se de que o isômero Z possui os grupamentos de maior prioridade do mesmo lado.
O isômero Z possui os grupamentos de maior prioridade do mesmo lado.
H H H H
C C CH2CH3 C C H
ClCH2 C C ClCH2 C C
H H H CH2CH3
(2Z,4Z)-1-cloro-2,4-heptadieno (2Z,4E)-1-cloro-2,4-heptadieno

ClCH2 H ClCH2 H
C C CH2CH3 C C H
H C C H C C
H H H CH2CH3
(2E,4Z)-1-cloro-2,4-heptadieno (2E,4E)-1-cloro-2,4-heptadieno

4. Estabilidade dos Alquenos


A interconversão cis-trans dos isômeros de alquenos não ocorre
espontaneamente, porém sua ocorrência pode ser induzida tratando-
se o alqueno com um catalisador ácido forte. Se convertermos o cis-
2-buteno e o trans-2-buteno um no outro e deixarmos que eles
alcancem o equilíbrio, veremos que a estabilidade dos dois não é a
mesma. O isômero trans é favorecido em relação ao isômero cis, na
razão de 76% trans para 24% cis.

O cis-2-buteno é menos estável do que isômeros trans devido à tensão estérica que se estabelece quando os dois
grupos metila se aproximam.

145
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Ordem decrescente de estabilidade dos alquenos:

5. Isomeria Cis-Trans nos Ciclo-alcanos


A química dos ciclo-alcanos é semelhante em vários aspectos à química dos alcanos de cadeia aberta
(acíclicos). Ambas as classes de compostos são apolares e quimicamente inertes em relação à maioria dos
reagentes. Existem, contudo, algumas diferenças importantes.
Uma das diferenças é que os ciclo-alcanos são menos flexíveis do que seus correspondentes de cadeia aberta.
Sabemos que as ligações  são cilindricamente simétricas. Em outras palavras, a interseção de um plano que corta
o orbital de uma ligação simples carbono – carbono é circular. Devido a esta simetria cilíndrica, a rotação em
torno das ligações carbono-carbono é possível em moléculas de cadeia aberta. No etano, por exemplo, ocorre
rotação livre em torno da ligação C – C, possibilitando a conversão entre os diferentes arranjos geométricos dos
hidrogênios.
Contrastando com a rotação livre em torno das ligações simples nos alcanos de cadeia
aberta, existe muito menos liberdade de rotação nos ciclo-alcanos, devido as suas
restrições geométricas. O ciclo-propano, por exemplo, é uma molécula rígida planar (três
pontos definem um plano). Não é possível a rotação em torno de uma ligação carbono –
carbono no ciclo-propano sem que ocorra rompimento do anel.
Os ciclo-alcanos maiores têm mais liberdade de movimentos, e os anéis muito grandes
(com 25 ou mais carbonos) são tão flexíveis que quase não se distinguem dos alcanos de
cadeia aberta. Os anéis de tamanhos comuns (com 3, 4, 5, 6 ou 7 carbonos C3, C4, C5, C6
ou C7) têm, no entanto, restrições severas de seus movimentos moleculares.
Devido à sua estrutura cíclica, os ciclo-alcanos apresentam dois lados, o lado “de
cima” e o “de baixo”, gerando a possibilidade de ocorrência de isomeria nos ciclo-alcanos
substituídos. Existem, por exemplo, dois isômeros diferentes do 1,2-dimetil-ciclo-
propano, um com os dois grupos metila do mesmo lado do anel e o outro com os grupos
metila em lados opostos. Ambos os isômeros são compostos estáveis e não se
interconvertem sem rompimento e formação de ligações químicas.
Diferentemente dos isômeros butano e isobutano, que têm seus átomos ligados de
modo diferente, os dois isômeros do 1,2-dimetil-ciclo-propano possuem o mesmo
esquema de ligação dos átomos, mas diferem na orientação espacial dos átomos.
Compostos que têm os átomos ligados na mesma ordem e diferem na orientação
tridimensional são chamados estereoisômeros.

Ocorre rotação livre em torno da ligação simples carbono-carbono do etano devido à simetria cilíndrica da
ligação .
A estrutura do ciclo-propano. Nenhuma rotação é possível em torno das ligações carbono-carbono sem que
haja rompimento da ligação e abertura do anel.

Existem dois isômeros diferentes do 1,2-dimetil-ciclo-propano, um deles, com os grupos metila do mesmo
lado do anel e outro com os grupos metila em lados opostos do anel.
146
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os 1,2-dimetil-ciclo-propano são um tipo especial de estereoisômeros chamados de isômeros cis-trans.Os


prefixos cis - (do latim, “do mesmo lado”) e trans – (do latim, “do outro lado”) são empregados para distingui-
los. A ocorrência de isomeria cis- trans é comum nos ciclo-alcanos substituídos.

H H H H H H H H
a C a a C H3C C CH3
b H C CH3
C C C C C C C C
b b b a H H H3C H
(cis) a=b (trans) cis-1,2-dimetilciclopropano trans-1,2-dimetilciclopropano

Outro exemplo:

147
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ISOMERIA CONSTITUCIONAL E ESTEREOISOMERIA – ISOMERIA CIS-TRANS


Exercícios de Aprendizagem
01. Represente as estruturas dos cinco isômeros de fórmula C6H14.

02. Existem sete isômeros de constituição com a fórmula C 4H10O. Represente quantos conseguir.

03. Desenhe três isômeros constitucionais com a fórmula molecular C 3H8O3.


04. Quais dos seguintes compostos podem existir como pares de isômeros cis-trans? Desenhe cada um dos pares
cis-trans e indique a geometria de cada isômero.

(a) CH3CH = CH2 (b) (CH3)2 C = CHCH3

(c) CH3CH2CH = CHCH3 (d) (CH3)2C = C(CH3)CH2CH3

(e) CICH = CHCI (f) BrCH = CHCI

05. Levando em conta as regras de sequência, especificamos as configurações dadas nos exemplos seguintes.
Analise cada um deles e veja se os nomes estão corretos.

06. Especifique a configuração da ligação dupla do composto E ou Z:

07. Classifique como E em Z os alquenos a seguir:

08. Desenhe e nomeie os cincos isômeros do penteno, C 5H10. Ignore os isômeros E, Z.


09. Desenhe e nomeie os 13 isômeros do hexeno, C 6H12. Ignore os isômeros E, Z.
10. Determine se a configuração de cada um dos seguintes alquenos é E ou Z:

148
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

a) Escreva as fórmulas estruturais dos isômeros de


ISOMERIA CONSTITUCIONAL E posição.
ESTEREOISOMERIA – ISOMERIA CIS- b) Qual isômero apresenta maior ponto de fusão?
TRANS Justifique a resposta, esquematizando a interação
molecular responsável pela propriedade observada
Exercícios de Fixação
para este isômero.
1. (Uerj) Um técnico de laboratório encontrou, no 5. (Cefet MG 2015) O ácido butanoico é um
refrigerador, três frascos - A, B e C - contendo composto orgânico que apresenta vários isômeros,
substâncias diferentes, rotulados com a mesma entre eles substâncias de funções orgânicas
fórmula: diferentes. Considerando ésteres e ácidos
carboxílicos, o número de isômeros que esse ácido
possui, é
a) 3.
b) 4.
c) 5.
d) 7.
e) 8.

6. (Ufc ) A molécula de diflureteno, C2H2F2,


apresenta três fórmulas estruturais distintas, que
Para identificar a substância contida em cada frasco, são caracterizadas por diferentes posições dos
o técnico realizou alguns experimentos, obtendo os átomos de flúor e hidrogênio, ligados aos átomos de
seguintes resultados: carbono.
a) Escreva as estruturas de Lewis dos três isômeros
- o frasco A continha a substância com ponto de estruturais do difluoreteno, relacionados na questão.
ebulição mais baixo; b) Classifique estas espécies químicas, quanto suas
- o frasco B possuía uma substância que, por polaridades moleculares. Justifique.
oxidação total, produziu um ácido carboxílico.
7. (Cesgranrio) PERNILONGOS ESCOLHEM
Indique os tipos de isomeria plana existentes, SUAS VÍTIMAS PELO CHEIRO
respectivamente, entre as substâncias contidas nos Se você diz que pernilongos gostam mais de morder
pares de frascos A/B e B/C. a sua pele que a dos outros, talvez você não esteja
dizendo nenhum absurdo. O entomologista Jerry
2. (Ufrj) Existem cinco compostos aromáticos Butler montou um espécie de olfactômero e
diferentes, aqui representados pelas letras A, B, C, constatou, num trabalho para a Universidade da
D e E, com a fórmula molecular C7H8O. Flórida, nos EUA, que, quando saem em busca do
sangue necessário para o trabalho de pôr ovos,
a) A, B e C são isômeros de posição. Identifique a pernilongos fazem sua escolha, principalmente, a
função química desses compostos. partir do cheiro.
b) Escreva a fórmula estrutural do composto D, Butler descobriu, auxiliado pela pesquisadora Karan
sabendo que seu ponto de ebulição é maior que o Mckenzie, que pernilongos conseguem detectar um
de E. odor até a uma distância de 60 quilômetros: a
respiração ou o suor de um corpo, misturado a
3. (Unesp) Esta questão se refere a derivados de outras substâncias, fica no ar, e vão sendo
ácido propiônico. rastreados. Uma das preferências notadas no teste
a) Escreva as fórmulas estruturais dos isômeros que são odores decorrentes do ácidos lático e do ácido
podem ser obtidos a partir do ácido propiônico, úrico.
substituindo-se um átomo de hidrogênio ligado a http://www.galileuon.com.br/nd/20000828.htm
carbono por um grupo -OH.
b) Um dos isômeros obtidos no item a) apresenta
também atividade óptica, e é conhecido como ácido
lático. Com base nestas informações, escreva o
nome oficial do ácido lático.

4. (Unesp) Substituindo-se dois átomos de Em relação ao ácido lático, de fórmula estrutural


hidrogênio da molécula do benzeno por dois grupos acima, presente nos odores que são a preferência
hidroxila, podem-se obter três isômeros de posição, de pernilongos, é possível afirmar que:
que apresentam pontos de fusão diferentes. a) possui dois isômeros opticamente ativos.
149
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

b) possui grupo funcional relativo à função fenol.


c) é isômero funcional do ácido 3-hidróxi- 11. (Mackenzie) Relativamente ao (ácido)
propanóico. butanóico, que é encontrado na manteiga rançosa,
d) apresenta cadeia carbônica heterogênea. é correto afirmar que:
e) sua massa molar é igual a 66g/mol. a) é isômero de cadeia do (ácido) metilpropanóico.
b) apresenta fórmula molecular C2H4O.
8. (Pucpr) Dado o composto: H3C-C(O)-CH(CH2)- c) não apresenta isomeria de função.
CH2-CH(CH3)2 d) possui um carbono assimétrico.
e) possui um carbono terciário.
São feitas as seguintes afirmações:
I - É uma cetona. 12. (Mackenzie) A alternativa que apresenta um par
II - Seu nome oficial é 2,4-dimetil-5-hexanona. de isômeros planos é:
III - Apresenta isomeria ótica. a) pentanal e 2 - metil - 1 - butanol.
IV - Apresenta carbonos com hibridação sp2 e sp3 b) 3 - metil - pentano e 2,3 - dimetil - butano.
c) 1,2 - dihidróxi - propano e ácido propanóico.
São verdadeiras as afirmativas: d) trimetilamina e etildimetilamina.
a) Apenas I, II e III. e) metóxi - metano e etano.
b) Apenas II, III e IV.
c) Apenas I, II e IV. 13. (Mackenzie) Entre os compostos de fórmulas
d) Apenas I, III e IV. mostradas adiante
e) I, II, III e IV.

9. (Cesgranrio) Sejam os compostos orgânicos a


seguir:

tem-se isomeria:
a) de cadeia.
b) de posição.
c) de função.
d) cis-tras ou geométrica.
e) de tautomeria.

14. (Mackenzie) O número máximo de isômeros de


fórmula molecular C5H12 é:
a) 6
Dentre as opções a seguir, assinale a correta: b) 5
a) I e IV são isômeros de núcleo; II e V são c) 4
metâmeros; III e VI são isômeros geométricos. d) 3
b) II e III bem como V e VI são isômeros de cadeia; e) 2
I e IV são isômeros geométricos.
c) I e IV são metâmeros; II e V são isômeros 15. (Mackenzie)
funcionais; III e VI são isômeros geométricos.
d) I e IV são isômeros funcionais; II e V são
tautômeros; III e VI são isômeros ópticos.
e) II e V são isômeros geométricos; I e IV são
tautômeros; III e VI são metâmeros.

10. (Uece 2015) O 1,4-dimetoxi-benzeno é um


sólido branco com um odor floral doce intenso. É
usado principalmente em perfumes e sabonetes. O Dos compostos I e II acima, é INCORRETO afirmar
número de isômeros de posição deste composto, que:
contando com ele, é a) I é um aldeído.
a) 2. b) II é uma cetona.
b) 3. c) I e II são isômeros de cadeia.
c) 5. d) I e II são isômeros de função.
d) 4. e) o nome comercial de II é acetona.
150
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

16. (Puc-rio ) Indique, entre as alternativas a seguir, 5. tautomeria


a que apresenta um hidrocarboneto isômero do Pares
2,2,4-trimetilpentano. ( ) etoxi-propano e metoxi-butano
a) Octano. ( ) etenol e etanal
b) Pentano. ( ) etanoato de metila e ácido propanóico
c) Propano. ( ) 1-propanol e 2-propanol
d) Butano. ( ) n-pentano e neopentano
e) Nonano. A numeração CORRETA encontrada, de cima para
baixo, é:
17. (Pucmg) Considere os seguintes pares de a) 5 - 4 - 2 - 3 - 1
compostos: b) 3 - 1 - 2 - 4 - 5
1) propanal e propanona. c) 5 - 2 - 4 - 3 - 1
2) 1-buteno e 2-buteno. d) 3 - 5 - 1 - 2 - 4
3) metoxi-metano e etanol. e) 4 - 5 - 2 - 3 - 1
4) n-pentano e neopentano.
5) metil-n-propilamina e di-etilamina. 21. (Pucmg) "A 4-metil-2-pentanona é usada como
São, respectivamente, isômeros de função e cadeia: solvente, na produção de tintas, ataca o sistema
a) 1 e 2 nervoso central, irrita os olhos e provoca dor de
b) 2 e 3 cabeça"
c) 3 e 4 (Globo Ciência, maio de 1997)
d) 4 e 5
e) 5 e 2 O composto considerado é isômero funcional de:
a) 1-hexanol
18. (Pucmg) Todas as afirmações são corretas, b) hexanal
EXCETO: c) 4-metil-butanal
a) Os isômeros ópticos apresentam regiões de d) 4-metil-1-pentanol
assimetria.
b) Tautomeria ocorre entre aldeído e cetona. 22. (Pucmg) O hidrocarboneto de fórmula C…H10
c) Todo carbono quiral é tetraédrico. pode apresentar os seguintes tipos de isomeria:
d) A mesma fórmula molecular pode apresentar a) apenas de cadeia e de posição
fórmulas estruturais diferentes. b) apenas de função, de cadeia e de posição
e) O ácido 2 - hidroxi - propanóico apresenta quatro c) de cadeia, de posição, geométrica e óptica
isômeros ópticos. d) de compensação, tautomeria, cis-trans e óptica

19. (Pucmg) Analise os compostos a seguir. 23. (Pucpr) Dados os compostos:


1. CH3COCH3 I - 2-buteno
II - 1-penteno
2. CH3COOCH3 III - ciclopentano
IV - 1,2-dicloro-ciclobutano
3. CH3CH2CHO apresentam isomeria geométrica:
a) Apenas I e IV.
4. CH3CH2COOH
b) Apenas I e II.
5. CH3CH2CH2OH c) Apenas II e III.
d) Apenas I, II e III.
6. CH3OCH2CH3 e) I, II, III e IV.
São isômeros os pares:
a) 1 e 5; 2 e 4 24. (Pucrs) O propeno e o ciclopropano são
b) 2 e 4; 3 e 5 representados, respectivamente, pelas fórmulas
c) 1 e 3; 2 e 4
d) 3 e 6; 1 e 5
e) 2 e 4; 3 e 6

20. (Pucmg) Numere a segunda coluna


relacionando os pares de compostos com o tipo de
isomeria na primeira coluna.
lsomeria
1. de cadeia
2. de função
3. de posição
4. de compensação
151
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Pela análise dessas substâncias pode-se afirmar d) posição e posição


que
a) são polares. 27. (Ufrrj) As substâncias A, B e C têm a mesma
b) são isômeros de cadeia. fórmula molecular (C3H8O). O componente A tem
c) apresentam diferentes massas moleculares. apenas um hidrogênio ligado a um carbono
d) apresentam mesma classificação de átomos de secundário e é isômero de posição de C. Tanto A
carbono. quanto C são isômeros de função de B. As
e) apresentam diferentes tipos de ligação entre os substâncias A, B e C são, respectivamente,
átomos. a) 1-propanol, 2-propanol e metoxietano.
b) etoxietano, 2-propanol e metoxietano.
25. (Pucsp) A seguir são apresentados alguns pares c) isopropanol, 1-propanol e metoxietano.
de estruturas: d) metoxietano, isopropanol e 1-propanol.
e) 2-propanol, metoxietano e 1-propanol.

28. (Ufrs) Com a fórmula molecular C4H11N, são


representados os seguintes pares compostos:

Os pares de estruturas que são isômeros entre si


são
a) II, IV e VI.
b) I, II e VI. os pares I, II e III são, respectivamente,
c) I, II e IV. a) isômeros de posição, metâmeros e isômeros de
d) I, II, IV e V. cadeia.
e) II, IV, V e VI. b) isômeros de posição, tautômeros e isômeros
funcionais.
26. (Uerj) A gasolina é uma mistura de c) isômeros de cadeia, metâmeros e isômeros de
hidrocarbonetos diversos que apresenta, dentre posição.
outros, os seguintes componentes: d) isômeros funcionais, isômeros de posição e
isômeros de cadeia.
e) isômeros de cadeia, isômeros de posição e
metâmeros.

29. (Ufrs) A respeito dos seguintes compostos,


pode-se afirmar que

Os pares de componentes I - II e I - III apresentam


isomeria plana, respectivamente, do tipo: a) são isômeros de posição.
a) cadeia e cadeia b) são metâmeros.
b) cadeia e posição c) são isômeros funcionais.
c) posição e cadeia d) ambos são ácidos carboxílicos.
152
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

e) o composto I é um ácido carboxílico, e o composto


II é um éter.

30. (Ufv) O número de isômeros constitucionais


existentes com a fórmula molecular C2H7N é:
a) 6
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5

31. (Ufv) Considere os nomes dos hidrocarbonetos


a seguir: a) I e II não possuem isômero geométrico.
I - 2,2-dimetilbutano b) I e II são isômeros de função.
II - 3-metilexano c) II e III possuem tautômeros.
III - 1,2-dimetilciclobutano d) III possui um isômero ótico.
IV - cicloexano e) III e IV são isômeros de cadeia.
V - hex-1-eno
A opção que relaciona CORRETAMENTE isômeros 35. (Pucsp) Assinale a alternativa que contém
é: apenas isômeros do 1-penteno (C5H10).
a) IV e V.
b) II e IV.
c) I e III.
d) I e IV.
e) II e V.

32. (Unaerp) O eugenol é um óleo essencial extraído


do cravo-da-índia que tem propriedades
anestésicas. O iso-eugenol é outro óleo essencial
extraído da noz-moscada. a) pentano, cis-2-penteno e ciclopenteno.
Dadas as estruturas dos dois óleos, pode-se dizer b) trans-2-penteno, pentanol e cis-3-penteno.
que: c) 2-metil-1-penteno, trans-2-penteno e
ciclopentano.
d) cis-2-penteno, ciclopentano, e 2-metil-1-buteno.
e) 2-metil-1-buteno, ciclopentano e 2-metil-1-
butanol.

36. (Enem 2013) O citral, substância de odor


fortemente cítrico, é obtido a partir de algumas
plantas como o capim-limão, cujo óleo essencial
possui aproximadamente 80%, em massa, da
substância. Uma de suas aplicações é na fabricação
a) são isômeros funcionais. de produtos que atraem abelhas, especialmente do
b) são isômeros de cadeia. gênero Apis, pois seu cheiro é semelhante a um dos
c) não são isômeros. feromônios liberados por elas. Sua fórmula
d) são isômeros de posição. molecular é C10H16O, com uma cadeia alifática de
e) são formas tautoméricas. oito carbonos, duas insaturações, nos carbonos 2 e
6; e dois grupos substituintes metila, nos carbonos 3
33. (Unesp) Têm a mesma fórmula molecular C5H10: e 7. O citral possui dois isômeros geométricos,
a) n-pentano e metilciclobutano. sendo o trans o que mais contribui para o forte odor.
b) penteno-1 e ciclopentano.
c) pentino-2 e ciclopenteno. Para que se consiga atrair um maior número de
d) 2-metilbutano e dimetilciclopropano. abelhas para uma determinada região, a molécula
e) 2,2-dimetilpropano e etilciclopropano. que deve estar presente em alta concentração no
produto a ser utilizado é:
34. (Unirio) A partir das estruturas dos compostos de
I a IV abaixo, assinale a alternativa correta.
a)

153
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

c) II e IV
d) I, III e IV
e) II, III e IV
b)
40. (Pucrs) Considerando os compostos orgânicos
numerados de I a IV

c)

d)

e)
NÃO é correto afirmar que _________ são isômeros
37. (Uepg 2015) Com respeito aos compostos de __________.
aromáticos citados abaixo, identifique quais a) I e II; posição
apresentam isomeria de posição (orto, meta ou b) I e III; cadeia
para) e assinale o que for correto. c) II e III; função
01) Etilbenzeno. d) II e IV; cadeia
02) Ácido benzoico. e) I, III e IV; cadeia
04) Dibromobenzeno.
08) Tolueno. 41. (Pucsp) Sob aquecimento e ação da luz, alcanos
16) Xileno. sofrem reação de substituição na presença de cloro
gasoso, formando um cloro alcano:
38. (Uerj 2015) Considere um poderoso luz
desinfetante, formado por uma mistura de cresóis CH4 + Cl2  CH3Cl + HCl
(metilfenóis), sendo o componente predominante calor
dessa mistura o isômero para. Considere que, em condições apropriadas, cloro e
Apresente as fórmulas estruturais planas dos dois propano reagem formando, principalmente,
cresóis presentes em menor proporção no produtos dissubstituídos. O número máximo de
desinfetante. Apresente, também, esse mesmo tipo isômeros planos de fórmula C3H8Cl‚ obtido é
de fórmula para os dois compostos aromáticos a) 5
isômeros de função dos cresóis. b) 4
c) 3
39. (Pucrs) Com a fórmula molecular C7H8O existem d) 2
vários compostos aromáticos, como, por exemplo, e) 1

42. (Uel) Em cada um dos itens (I a IV) são dadas 2


estruturas e uma afirmativa sobre elas.

Considerando os compostos acima, afirma-se que:


I. "X" pertence à função química éter.
II. "Y" apresenta cadeia carbônica heterogênea.
III. "Z" apresenta isômeros de posição.
IV. "X", "Y" e "Z" apresentam em comum o grupo
benzila.

Pela análise das afirmativas, conclui-se que


somente estão corretas
a) I e II
b) I e III
154
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

A alternativa que contém todas as afirmativas


corretas é: (01) A é isômero funcional de B.
a) I e II (02) Os compostos B e C apresentam carbono
b) I e III assimétrico.
c) II e III (04) A substância A denomina-se etoxietano.
d) II e IV (08) As substâncias A, B e C possuem pelo menos
e) III e IV um átomo de carbono com hibridização sp2.
(16) B e C são isômeros de posição.
43. (Uepa 2015) A lignina é um polímero de (32) O nome IUPAC da substância B é 1-propanol.
constituição difícil de ser estabelecida, por causa
não somente da complexidade de sua formação, 45. (Unirio) Que alternativa apresenta um isômero
baseada em unidades fenilpropanoides (figura de função do o-cresol?
abaixo), como também, porque sofre modificações
estruturais durante seu isolamento das paredes
celulares das plantas. Eles são altamente
condensados e muito resistentes à degradação. A
sequência em que as unidades p-hidroxifenila (1),
guaiacila (2) e siringila (3), em proporções diferentes
são condensadas, é o que define a origem da
lignina, ou seja, a planta de origem.

GABARITO

1.
Sobre os compostos fenilpropanoides, analise as O frasco A possui um éter, pois possui o menor
afirmativas abaixo. ponto de ebuilição: metanoato de etila
O frasco B possui o álcool 1-propanol ou propan-1-
I. Os compostos 1 e 2 são isômeros de função. ol, pois usa oxidação total produz o ácido
II. Os compostos 2 e 3 são isômeros de posição. propanoico (oxidação de álcool primário);
III. O composto 3 não possui carbono quiral. O frasco C possui o 2-propanol ou propan-2-ol, sua
oxidação produziria a propanona (oxidação e álcool
IV. O composto 1 possui isomeria cis e trans.
V. Os compostos 2 e 3 não são isômeros. secundário).

A alternativa que contém todas as afirmativas Entre A e B: isomeria de função


corretas é: Entre B e C: isomeria de posição.
a) I e II
b) I e III 2. a) Fenol
c) II e IV b) Observe a figura a seguir:
d) II e V
e) III e V

44. (Ufsc) Na tabela a seguir encontram-se


informações a respeito de três substâncias, que 3. a) Observe as fórmulas estruturais a seguir:
possuem a fórmula molecular C3H8O.

Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).

155
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

b) Devido a maior eletronegatividade do flúor em


b) O ácido lático é oficialmente denominado ácido 2- relação ao carbono e hidrogênio, as nuvens
hidroxipropanóico. eletrônicas que caracterizam as ligações covalentes
4. a) Os isômeros de posição são mostrados na envolvendo estes elementos apresentarão maior
figura adiante. densidade na proximidade dos átomos de flúor. Nas
moléculas I e II, como os átomos de F e H estão em
posição cis, as estruturas resultarão em momentos
de dipolo diferentes de zero, e tais espécies são
polares. Na estrutura III, os átomos de F e H estão
em posição trans, e o momento de dipolo resultante
será zero, resultando em uma molécula apolar.
7. [A]
8. [D]
9. [D]
Resposta da questão 10:
[B]

O 1,4-dimetoxi-benzeno (para dimetoxi-benzeno)


possui os isômeros 1,3- dimetoxi-benzeno (meta
dimetoxi-benzeno) e o 1,2-dimetoxi-benzeno (orto
dimetoxi-benzeno), portanto 2 isômeros
b) O maior ponto de fusão é apresentado pelo
constitucionais, somando com o próprio composto 3
composto para-diidroxibenzeno por ser uma
isômeros.
molécula mais simétrica, o que possibilita um maior
número de pontes de hidrogênio intermoleculares.

Resposta da questão 5:
[C]

Cinco isômeros:

11. [A]
12. [B]
13. [A]
14. [D]
15. [C]
16. [A]
17. [C]
18. [B]
19. [C]
20. [E]
21. [B]
22. [C]
23. [A]
24. [B]
6. a) Observe as estruturas a seguir: 25. [A]
26. [C]
156
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

27. [E]
28. [A] Fórmulas estruturais planas do dois compostos
29. [C] aromáticos isômeros de função (éter e álcool) dos
30. [B] cresóis:
31. [A]
32. [D]
33. [B]
34. [D]
35. [D]
36. [A]
O citral tem fórmula molecular C10H16O, com uma
cadeia alifática de oito carbonos, duas insaturações,
nos carbonos 2 e 6; e dois grupos substituintes
metila, nos carbonos 3 e 7. O citral possui dois
isômeros geométricos, sendo o trans o que mais
contribui para o forte odor que atrai as abelhas. 39. [B]
Então, teremos:
40. [C]

41. [B]

42. [B]

Resposta da questão 43:


[E]

[I] Incorreta. Os compostos 1 e 2, não apresentam


isomeria, pois apresentam fórmulas moleculares
Resposta da questão 37:
distintas: composto 1: C9H11O e composto 2:
04 + 16 = 20.
C10H14O2.
Apresentam isomeria de posição:
[II] Incorreta. Os compostos 2 e 3, não apresentam
isomeria, pois apresentam fórmulas moleculares
distintas: composto 2: C10H14O2 e composto 3:
C11H16O3.

[III] Correta. O composto 3, não apresenta carbono


quiral, pois não apresenta, carbono ligado a 4
ligantes diferentes.

[IV] Incorreta. O composto I não apresenta isomeria


geométrica. Para compostos cíclicos é
necessário que pelo menos dois carbonos do
ciclo apresente ligantes diferentes entre si.

[V] Correta. Os compostos 1 e 2, não apresentam


isomeria, pois apresentam fórmulas moleculares
Resposta da questão 38: distintas: composto 1: C9H11O e composto 2:
Fórmulas estruturais planas dos dois cresóis
presentes em menor proporção, ou seja, orto e C10H14O2.
meta:
44. 01 + 16 + 32 = 49

45. [E]

157
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

158
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

MÓDULO 05

Estereoisomeria – Isomeria óptica


Ao contrário dos átomos nos isômeros constitucionais, os átomos em estereoisômeros são conectados da
mesma maneira. Estereoisômeros (também chamados isômeros configuracionais) diferem na forma com que
seus átomos estão organizados no espaço. Os estereoisômeros são substâncias diferentes que não se
interconvertem facilmente. Por essa razão, podem ser separados. Há dois tipos de estereoisômeros: isômeros cis-
trans e isômeros que contêm centros quirais.

Estereoisômeros são também chamados de isômeros configuracionais;


Isômeros cis-trans são também chamados de isômeros geométricos;

5.1. Isômeros Enantiômeros e o Carbono Tetraédrico

Uma molécula que não é idêntica a sua imagem especular tem um tipo especial de isomeria espacial
denominada enatiomorfismo (do grego enantio, “oposto”). Os isômeros ou enantiômeros relacionam-se do
mesmo modo que a mão direita se relaciona com a esquerda, e aparecem sempre que carbono tetraédrico está
ligado a quatro substituintes diferentes (não é necessário que um deles seja H). O ácido láctico (ácido 2-hidroxi-
propanóico), por exemplo, existe como um par de enantiômeros porque existem quatro grupos diferentes (— H,
— OH, — CH3, — COOH) no átomo de carbono número 2:

Você pode tentar à vontade, mas não conseguirá superpor uma molécula de (+)-ácido láctico e uma molécula
de (–)-ácido láctico porque elas não são idênticas, como mostra a figura abaixo. Se quaisquer dois grupos, digamos
— H e — COOH, se ajustarem, os dois grupos restantes não se ajustarão.

159
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Tentativas de superpor as imagens especulares do ácido láctico: (a) Quando os substituintes — H e — OH coincidem,
os substituintes — COOH e — CH3 não coincidem; (b) quando — COOH e — CH3 coincidem, — H e — OH não
coincidem. Não importa o modo como as moléculas estão orientadas, elas não são idênticas.

Enantiômeros ocorrem apenas com compostos cujas moléculas são quirais. Uma molécula quiral é definida
como uma que não é idêntica a sua imagem no espelho. A molécula quiral e sua imagem especular são
enantiômeros, e a relação entre a molécula quiral e sua imagem especular é definida como enantiomérica.

A palavra quiral vem da palavra grega cheir, que significa “mão”. Objetos quirais (incluindo moléculas)
possuem um lado direito e outro esquerdo. O termo quiral é usado para descrever moléculas de enantiômeros
porque estão relacionadas umas com a outra da mesma maneira que uma mão esquerda está relacionada com uma
mão direita.

Muitos objetos familiares são quirais e a quiralidade de alguns desses objetos é clara porque normalmente
nos referimos a eles como possuindo lateralidade, lado direito e lado esquerdo.

Objetos (e moléculas) que se superpõem a suas imagens são aquirais. As meias, por exemplo, são aquirais,
enquanto as luvas são quirais.

A quiralidade de moléculas pode ser demonstrada com compostos relativamente simples. Considere, por
exemplo, o 2-butanol.

160
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Se o modelo I é colocado em frente a um espelho, o modelo II é visto no espelho e vice-versa. Os modelos


I e II não se superpõem um no outro; portanto eles representam moléculas diferentes, mas isoméricas. Uma vez
que os modelos I e II são imagens especulares um do outro, que não se superpõem, as moléculas que representam
são enantiômeros.

Como podemos saber quando existe a possibilidade de enantiômeros? Uma (mas não a única) é reconhecer
que um par de enantiômeros é sempre possível para moléculas que contêm um átomo tetraédrico com
quatro diferentes grupos ligados a ele. No 2-butanol este átomo é C2. Os quatro grupos diferentes que estão
ligados ao C2 são um grupo hidroxila, um átomo de hidrogênio, um grupo metila e um grupo etila.

Uma propriedade importante dos enantiômeros é que trocar quaisquer dois grupos ligados ao átomo
tetraédrico que carrega quatro grupos diferentes converte um enantiômero no outro.

Como a troca de dois grupos em C2 converte um estereoisômero em outro, C2 é um exemplo do que é


chamado um estereocentro. Um estereocentro é definido como um átomo carregando grupos de natureza tal
que uma troca de quaisquer dois grupos irá produzir um estereoisômero. O carbono 2 do 2-butanol é um
exemplo de um estereocentro tetraédrico. Porém, nem todos os estereocentros são tetraédricos. Os átomos de
carbono de cis- e trans-1,2-dicloroeteno são exemplos de estereocentros planos triangulares porque uma troca de
grupos em qualquer dos átomos também produz um estereoisômero (um diastereômero). Em geral, quando se
refere a compostos orgânicos, o termo estereocentro implica um estereocentro tetraédrico, a não ser que
especificado. (Um átomo de carbono que é um estereocentro também pode ser chamado de um carbono
estereogênico.) Enantiômeros como os do 2-butanol não se interconvertem espontaneamente.

Ex.: diastereômeros ou diastereoisômeros


Cl Cl Cl H
C C C C
H H H Cl
cis-1,2-dicloroeteno trans-1,2-dicloroeteno

Por algum tempo, átomos tetraédricos com quatro diferentes grupos foram chamados átomos quirais ou
átomos assimétricos. Então, em 1984, K. Mislow (da Universidade de Princeton) e J. Siegel (atualmente na
Universidade da Califórnia, em San Diego) apontaram que o uso destes termos representava uma fonte de
confusão conceitual em estereoquímica, que existia desde a época de Van’t Hoff. Quiralidade é uma propriedade
geométrica que penetra e afeta todas as partes de uma molécula quiral. Todos os átomos de 2-butanol, por
exemplo, estão em um ambiente quiral e portanto, todos são ditos quirotópicos. Quando consideramos um átomo
como C2 do 2-butanol da maneira que descrevemos aqui, porém, o estamos considerando um estereocentro,
portanto, devemos designá-lo como tal, e não como um “átomo quiral”.

161
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O átomo de carbono tetraédrico de 2-butanol que carrega quatro grupos diferentes. [Por convenção, estes átomos são
Frequentemente representados com um asterisco(*).]

Se todos os átomos tetraédricos em uma molécula têm dois ou mais grupos ligados que são os mesmos, a
molécula não tem um estereocentro. A molécula se superpõe em sua imagem especular e é aquiral. Um exemplo
de uma molécula deste tipo é o 2-propanol; os átomos de carbono 1 e 3 carregam três átomos de hidrogênio
idênticos e o átomo central carrega dois grupos metila idênticos. Se número atômico maior do que o do hidrogênio,
assim atribuímos ao grupo etila a prioridade mais elevada, b, e ao grupo metila a prioridade mais baixa, c (C, H,
H) > (H, H, H).

Quando um deles é girado, as duas estruturas se superpõem e então não representam enantiômeros. Eles representam
duas moléculas do mesmo composto. 2-propanol não estereocentro.

Moléculas de imagem especular não sobreponível são chamadas enantiômeros (do grego enantion, que
significa "oposto"). Os dois estereoisômeros de 2-bromobutano são enantiômeros. Uma molécula que tem imagem
especular não sobreponível, como um objeto que tem imagem especular não superponível, é quiral. Cada um dos
enantiômeros é quiraI. Uma molécula que tem imagem especular sobreponível, como um objeto que tem uma
imagem especular sobreponível, é aquiral. Para ver se uma molécula aquiral é sobreponível a sua imagem
especular (isto é, se são moléculas idênticas) gire mentalmente a molécula aquiral no sentido horário. Note que a
quiralidade é uma propriedade da molécula toda.

Um estereocentro (ou centro estereogênico) é um átomo em que o intercâmbio de dois grupos produz um
estereoisômero. Por isso, ambos os carbonos assimétricos - onde a troca de dois grupos produz um enantiômero
e os carbonos onde a permuta de dois grupos converte um isômero eis a outro isômero trans (ou isômero Z em
um isômero E) - são estereocentros.

162
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.2. Testes para Quiralidade: Planos de Simetria


O último modo de testar a quiralidade molecular é construir modelos de molécula e sua imagem especular e
então determinar se eles se superpõem. Se os dois modelos se superpõem, a molécula que eles representam é
aquiral. Se os modelos não se superpõem, então as moléculas que eles representam são quirais. Podemos aplicar
este teste com modelos reais, como acabamos de descrever, ou podemos aplicá-lo desenhando estruturas
tridimensionais e tentando superpô-las em nossa imaginação.
Existem outras ajudas, entretanto, que irão nos auxiliar no reconhecimento de moléculas quirais. Já
mencionamos uma: a presença de um único estereocentro tetraédrico. As outras ajudas estão baseadas na ausência
de certos elementos de simetria na molécula. Uma molécula não será quiral, por exemplo, se possuir um plano de
simetria.
Um plano de simetria (também chamado um plano especular) é definido como um plano imaginário que corta
uma molécula de maneira que duas metades da molécula sejam uma imagem especular da outra. O plano pode
passar pelos átomos, entre os átomos, ou por ambos. Por exemplo, o 2-cloropropano tem um plano de simetria,
enquanto o 2-clorobutano não. Todas as moléculas com um plano de simetria são aquirais.
Moléculas que não são idênticas a suas imagens especulares e que existem, portanto, como dois enantiômeros
são denominadas quirais (do grego kheirós, “mão”). É impossível fazer coincidir uma molécula quiral com sua
imagem especular (enantiômero).
Como saber se uma determinada molécula é quiral ou não? Uma molécula que tem um plano de simetria não
pode ser quiral. Um plano de simetria é um plano que corta um objeto (ou uma molécula) de tal forma que uma
das metades do objeto é a imagem especular da outra metade. Um balão de vidro, por exemplo, tem um plano de
simetria. Se você cortá-lo ao meio, uma das metades será a imagem especular da outra. A mão, por outro lado,
não possui um plano de simetria. A metade da mão não é imagem especular da outra metade.
Uma molécula que possui um plano de simetria em qualquer de suas conformações possíveis é idêntica a sua
imagem especular e, portanto, não é quiral, é aquiral. Assim, o ácido propanóico, que tem um plano de simetria
no alinhamento é aquiral. O ácido láctico (ácido 2-hidróxi-propanóico), por outro lado, não possui plano de
simetria e, por isto, é quiral.

Molécula aquiral do ácido propanóico e molécula quiral do ácido láctico. O ácido propanóico tem um plano de simetria
que faz de um dos lados molécula a imagem especular do outro. O ácido láctico não possui um plano de simetria.

A causa mais comum (embora não a única) da quiralidade nas moléculas orgânicas é a presença de um átomo
de carbono ligado a quatro grupos diferentes — como, por exemplo, o carbono 2 do ácido láctico. Estes átomos
de carbono são denominados centros assimétricos ou centros estereogênicos. Observe que a quiralidade é uma
propriedade da molécula como um todo e que o centro estereogênico é a causa da quiralidade.
As diferenças não aparecem, necessariamente, próximo do centro estereogênico. O 5-bromo-decano, por
exemplo, é uma molécula quiral porque quatro grupos diferentes estão ligados a C5, o centro estereogênico
(marcado com um asterisco):

163
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Observe, agora, o metil-ciclo-hexano e a 2-metil-ciclo-hexanona.

Outros exemplos de moléculas quirais são mostrados a seguir: Verifique você mesmo se os centros
assinalados são estereogênicos. (Lembre-se: carbonos — CH2 —, — CH3, C = C e C  C não podem ser centros
estereogênicos.)

5.3. Atividade Ótica


O estudo da estereoquímica tem suas origens no trabalho do cientista francês Jean Baptiste Biot no início
do século XIX. Biot, um físico, estava investigando a natureza da luz planopolarizada. Um feixe de luz comum
é formado por ondas eletromagnéticas que oscilam em um número infinito de planos perpendiculares à direção
da propagação da luz. Quando um feixe de luz comum passa através de um dispositivo denominado polarizador,
somente as ondas luminosas que oscilam em um determinado plano conseguem atravessar — daí o nome luz
planopolarizada. As ondas luminosas que vibram em todos os outros planos são bloqueadas.

Os campos elétrico e magnético oscilante de um feixe se luz ordinária em um plano. As ondas representadas
aqui ocorrem em todos os planos possíveis com luz ordinária.
164
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Biot fez a extraordinária observação de que quando um feixe de luz planopolarizada passa através de uma
solução contendo certas moléculas orgânicas como o açúcar e a cânfora o plano de polarização sofre rotação.
Nem todas as substâncias orgânicas exibem esta propriedade, mas as que o fazem são denominadas oticamente
ativas.
O ângulo de rotação da luz planopolarizada pode ser medido com um instrumento denominado
polarímetro. Coloca-se a solução contendo moléculas orgânicas oticamente ativas em um tubo de amostra, a luz
planopolarizada passa através do tubo e ocorre a rotação do plano. A luz chega, então, a um segundo polarizador
denominado analisador. Podemos determinar o novo plano de polarização girando o analisador até que a luz passe
através dele. A rotação observada é simbolizada pela letra  (alfa) e expressa em graus.

Além de determinar o ângulo de rotação, podemos também encontrar a direção da rotação. Do ponto de
vista de um observador que olha diretamente através do eixo do analisador, algumas moléculas oticamente ativas
giram a luz polarizada para a esquerda (em sentido horário) e são denominadas levógiras, e outras giram a luz
polarizada para a direita (em sentido horário) e são denominadas dextrógiras. Por convenção, a rotação para a
esquerda recebe o sinal negativo (–), e a rotação para direita recebe o sinal positivo (+). A (–)-morfina, por
exemplo, é levógira, e a (+)-sacarina é dextrógira.

A direção da rotação da luz plano-polarizada é Frequentemente incorporada nos nomes dos compostos
opticamente ativos. Os dois conjuntos seguintes mostram como isso é feito.

165
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Os compostos anteriores também ilustram um princípio importante: Não existe correlação óbvia entre as
configurações de enantiômeros e a direção [(+) ou ( – )] em que eles rodam a luz plano-polarizada.

(R)-(+)-2-metil-1butanol e (R)-(–)-1-cloro-2metilbutano têm a mesma configuração, ou seja, têm o mesmo


arranjo geral de seus átomos no espaço. Eles têm, entretanto, um efeito oposto na direção de rotação do plano de
luz plano-polarizada.

166
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.4. Rotação Específica


O ângulo de rotação observado em uma experiência de polarimetria depende do número de moléculas
oticamente ativas que o feixe de luz encontra. Quanto maior o número de moléculas, maior a rotação observada.
Assim, o ângulo de rotação depende da concentração da amostra e do passo ótico da amostra. Se dobrarmos a
concentração da amostra, a rotação observada dobrará. Semelhantemente, se mantivermos constante a
concentração, mas dobrarmos o comprimento do tubo de amostra, a rotação observada dobrará. O ângulo de
rotação depende ainda do comprimento de onda da luz utilizada.
Para expressarmos os dados da rotação ótica de uma forma útil e que permita comparações, precisamos
padronizar as condições da medida. A rotação específica, []D, de um composto é definida como sendo a rotação
observada quando se utiliza luz de comprimento de onda igual a 589 nanômetros (nm), passo ótico, l, igual a 1
decímetro, e concentração de amostra, C, igual a 1 g/mL. (A luz de 589 nm é a chamada linha D do sódio, a luz
amarela emitida pelas lâmpadas de sódio comuns; 1 nm = 10 –9 m.)
α
αD  Rotação observada (graus)

Passo ótico l (dm) X Concentração C (g / ml) l X C

Quando os dados de rotação ótica são expressos na forma padronizada, a rotação específica, []D, é uma
constante física característica de um determinado composto oticamente ativo. Alguns exemplos estão listados na
Tabela.
Rotação específica de algumas moléculas orgânicas
[]D (graus) Composto []D (graus)
Composto
Cânfora +44,26 Penicilina V +233
Morfina –132 Glutamato monossódico +25,5
Sacarose +66,47 Benzeno 0
Colesterol –31,5 Ácido acético 0

5.5. Pasteur Descobre os Enantiômeros


Pouco se fez após a descoberta da atividade ótica por Biot até que Louis Pasteur iniciasse seu trabalho,
em 1849. Pasteur teve sua formação acadêmica em química, mas interessou-se pela cristalografia. Ele começou a
pesquisar os sais cristalinos do ácido tartárico obtidos a partir do vinho e estava repetindo algumas medidas
publicadas anos antes quando fez uma surpreendente descoberta. Ao recristalizar uma solução concentrada de
tartarato de amônio e sódio abaixo de 28ºC, cristais de dois tipos diferentes se formavam. Além disto, os dois
tipos de cristais eram imagem especular um do outro. Em outras palavras, os cristais estavam relacionados entre
si do mesmo modo que a mão direita se relaciona com a esquerda.
Trabalhando cuidadosamente com pinças, Pasteur separou os cristais em duas porções, uma de cristais
destros e outra de cristais sinistros. Muito embora a amostra original (uma mistura 50:50 de destros e sinistros)
fosse oticamente inativa, as soluções contendo somente os cristais de cada uma das porções separadas eram
oticamente ativas e suas rotações específicas eram iguais, com sinais opostos.
Hoje em dia, descreveríamos o trabalho de Pasteur dizendo que ele descobriu o fenômeno da
enantiomeria. Os sais de ácido tartárico enantioméricos que Pasteur separou são fisicamente idênticos em quase
todos os aspectos, exceto na forma dos cristais e em sua interação com a luz planopolarizada. Eles têm os mesmos
pontos de fusão e de ebulição, as mesmas solubilidades e propriedades espectroscópicas.

5.6. Nomenclatura de Enantiômeros: o Sistema (R-S)


Os dois enantiômeros do 2-butanol são os seguintes:

167
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Se nomearmos estes dois enantiômeros usando apenas o sistema de nomenclatura IUPAC que aprendemos
até agora, eles terão o mesmo nome: 2-butanol (ou álcool séc-butílico). Isto é indesejável porque cada composto
deve ter seu próprio nome.

Três químicos, R. S. Canh Inglaterra, C. k. Ingold (Inglaterra) e V. Prelog (Suíça) desenvolveram um


sistema de nomenclatura que, quando adicionado ao sistema IUPAC, resolve estes dois problemas. Este sistema,
chamado de sistema (R-S), ou sistema Cahn-Ingold-Prelog, é atualmente amplamente utilizado e faz parte da
regras da IUPAC.

De acordo com este sistema, um enantiômero do 2-butanol deve ser designado R-2-butanol e o outro
enantiômero deve ser designado (S)-2-butanol. [(R) e (S) vêm das palavras latinas rectus e sinister, significando
direito e esquerdo, respectivamente.] Diz-se que essas moléculas têm configurações opostas em C-2.

1. A cada um dos quatros grupos ligados ao estereocentro é atribuída uma prioridade ou preferência 1, 2,
3 ou 4. A prioridade é primeiro atribuído com base no número atômico do átomo que está diretamente
ligado ao estereocentro. Ao grupo com maior número atômico é atribuído a maior prioridade, 1; ao grupo
com número atômico imediatamente inferior é atribuída a prioridade seguinte, 2; e assim por diante. (No
caso de isótopos, o isótopo de maior massa atômica tem a prioridade mais elevada.)

2. Quando uma prioridade não pode ser atribuída com base no número atômico dos átomos que estão
diretamente ligados ao estereocentro, então o próximo conjunto de átomos presentes nos grupos não-
designados é examinado. Este processo continua até que uma decisão possa ser tomada. Atribuímos uma
prioridade no primeiro ponto de diferença. (As regras para uma cadeia ramificada necessitam que sigamos
a cadeia com átomos de prioridade mais elevada.)

3. Agora, giramos a fórmula (ou modelo), de modo que o grupo de prioridade mais baixa 4 fique afastado
do observador. Então traçamos um caminho de 1 para 2 para 3. Se, quando fazemos isso, a direção de
nossos dedos (ou lápis) está no sentido horário, o enantiômero é chamado de (R). Se a direção está no
sentido anti-horário, o enantiômero é chamado de (S). Com base nisto, o enantiômero I do 2-butanol é
(R)-2-butanol.

As primeiras três regras do sistema Cahn-Ingold-Prelog permitem designar por (R) ou (S) a maioria dos
compostos contendo ligações simples. Para cada compostos contendo ligações múltiplas, uma outra regra é
necessária.

4. Para cada grupo contendo ligações duplas ou triplas são atribuídas prioridades como se ambos os átomos
estivessem duplicados ou triplicados, ou seja, onde os símbolos entre parênteses são representações duplas ou
triplas de átomos na outra extremidade da ligação múltipla.

168
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Então, o grupo vinila, —CH=CH2, tem prioridade mais elevada do que o grupo isopropila, —CH(CH3)2).
Se o grupo (ou átomo) de menor prioridade está ligado com uma cunha tracejada, desenhe uma seta do grupo
(ou átomo) de maior prioridade (1) para o grupo (ou átomo) com a maior prioridade seguinte (2). Se a seta aponta
no sentido horário a substância tem a configuração R; se ela aponta para o sentido anti-horário, a substância tem
configuração S.

Se o grupo de menor prioridade não está ligado a uma cunha tracejada, então proceda como no passo anterior:
desenhe uma seta do grupo (ou átomo) com a maior prioridade (1) para o grupo com a maior prioridade seguinte
(2). Como você trocou dois grupos, agora está determinando a configuração do enantiômero da molécula original.
Então se a seta aponta para o sentido horário, o enantiômero (com os grupos trocados) tem configuração R, o que
significa que a molécula original tem configuração S. Ao contrário, se a seta aponta para um sentido anti-horário,
o enantiômero (com os grupos trocados) tem configuração S, o que significa que a molécula original tem
configuração R.

Você pode desenhar a seta do grupo 1 para o grupo 2 passando pelo grupo de menor prioridade (4), mas nunca a
desenhe passando pelo grupo seguinte de menor prioridade (3).

169
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.7. Diastereoisômeros
Moléculas como o ácido láctico, a alanina e o gliceraldeído são relativamente simples por que possuem apenas
um centro estereogênico e podem existir apenas como dois enantiômeros. A situação se torna mais complexa, no
entanto, com as moléculas que têm mais de um centro estereogênico.
Observe o amino-ácido treonina (ácido 2-amino-3-hidróxi-butanóico), por exemplo. Como a treonina possui
dois centros estereogênicos (C2 e C3), existem quatro estereoisômeros possíveis.
Os quatro estereoisômeros da treonina podem ser classificados em dois pares de enantiômeros. O
estereoisômero 2R, 3R é a imagem especular do 2S, 3S, e o estereoisômero 2R, 3S é a imagem especular do 2S,
3R. Mas qual será relação existente entre duas configurações que não são imagens especulares uma da outra? Que
relação existe, por exemplo, entre o isômero 2R, 3R e o isômero 2R, 3S? Eles são estereoisômeros, porém não
são enantiômeros. Uma relação como está é descrita por um novo termo — diastereoisômeros.
Os diastereoisômeros são estereoisômeros que não são imagem especular um do outro. Os diastereoisômeros
têm configurações opostas em um ou mais centros estereogênicos, mas têm a mesma configuração em outros. Os
enantiômeros têm configurações opostas em todos os centros estereogênicos.

Relações entre quatro estereoisômeros da treonina


Estereoisômeros Enantiomérico em relação a Diastereoisomérico em relação a
2R, 3R 2S, 3S 2R, 3S e 2S, 3R
2S, 3S 2R, 3R 2R, 3S e 2S, 3R
2R, 3S 2S, 3R 2R, 3R e 2S, 3S
2S, 3R 2R, 3S 2R, 3R e 2S, 3S

Os quatro estereoisômeros do ácido 2-amino-3-hidróxi-butanóico (treonina).

Os enatiômeros possuem:
- Propriedades físicas idênticas (exceto no desvio da luz polarizada);
- Propriedades químicas idênticas: eles reagem igualmente com um dado reagente aquiral;

Os diastereoisômeros possuem:
- Propriedades físicas diferentes (PF; PE; solubilidade; rotação específica, etc);
- Propriedades químicas diferentes: eles reagem com um dado reagente aquiral de modo diferente;

Enantiômeros eritro: são aqueles com grupos similares do mesmo lado da cadeia de carbonos;

Enantiômeros treo: são aqueles com grupos similares de lados opostos da cadeia de carbonos;

170
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.8. As Formas Racêmicas


A rotação líquida do plano de polarização que se observa para uma solução composta de moléculas de (R)-2-
butanol sozinhas não seria observada se o feixe de luz passasse através de uma solução que contivesse quantidades
equimolares de (R)-2-butanol e (S)-2-butanol. Em última instância, moléculas de (S)-2-butanol poderiam estar
presentes em quantidades iguais às de (R)-2-butanol, e para qualquer orientação possível de um enantiômero, uma
molécula do outro enantiômero estaria em uma orientação de imagem especular. Cancelamentos exatos de todas
as rotações ocorreriam, e a solução da mistura equimolar de enantiômeros seria opticamente inativa.
Uma mistura equimolar do dois enantiômeros é chamada de forma racêmica (ou racemato ou mistura
racêmica). Uma forma racêmica não apresenta rotação de luz plano-polarizada; como tal, é Frequentemente
designada como (  ).

5.9. Compostos Meso


Vejamos um outro exemplo de um composto com dois centros estereogênicos: o ácido tartárico.

As estruturas 2R, 3R e 2S, 3S são imagem especular uma da outra, não são idênticas e constituem,
portanto, um par de enantiômeros. A observação cuidadosa mostra, no entanto, que as estruturas 2R, 3S e 2S, 3R
são idênticas, como se pode ver girando 180º uma das estruturas:

171
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

As estruturas 2R,3S e 2S,3R são idênticas porque a molécula possui um plano de simetria e é, por isso,
aquiral. O plano de simetria corta a ligação C2 — C3, e faz da metade da molécula a imagem especular da outra
metade.

Um plano de simetria corta a ligação C2 – C3 do ácido meso-tartárico e torna a molécula aquiral.

Por causa do plano de simetria, o estereoisômeros do ácido tartárico mostrado na figura acima é aquiral,
apesar de possuir dois centros estereogênicos. Compostos aquirais que têm centros estereogênicos são
denominados compostos meso. Assim, o ácido tartárico existe em três formas estereoisoméricas: dois
enantiômeros e um composto meso.
Se uma substância tem um plano de simetria, ela não será opticamente ativa mesmo que tenha carbonos
assimétricos;

Se uma substância tem um plano de simetria, ela não será opticamente ativa mesmo que tenha carbonos
assimétricos;

5.10. Moléculas com Mais de Dois Centros Estereogênicos


172
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Sabemos agora que um único centro estereogênico em uma molécula dá origem a dois estereoisômeros (um par
de enantiômeros) e que dois centros estereogênicos em uma molécula dão origem a quatro estereoisômeros (dois
pares de enantiômeros), no máximo. Em geral, uma molécula com n centros estereogênicos têm um máximo de
2n estereoisômeros (2n – 1 pares de enantiômeros). O colesterol, por exemplo, tem oito centros estereogênicos,
tornando possível a existência de 2 8 = 256 estereoisômeros (128 pares de enantiômeros), embora muitos deles
estejam sujeitos a uma tensão grande demais para existirem. Somente um, entretanto, é produzido pela natureza.

5.11. Nomeando Compostos com Mais de Um Estereocentro


Se um composto tem mais de um estereocentro tetraédrico, analisamos cada centro separadamente e decidimos
se é (R) ou (S). Então, usando números, dizemos qual designação se refere a cada átomo de carbono.
Considere o estereoisômero A de 2,3-dibromobutano.

O composto A, é (2R, 3R)-2,3-dibromobutano.

173
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.12. Projeções de Fischer


Em 1891, Emil Fischer sugeriu um método baseado na projeção de um átomo de carbono tetraédrico sobre
uma superfície plana. Estas projeções Fischer foram logo adotadas e são agora um dos métodos padrão de
representação da estereoquímica de centros estereogênicos.
Um átomo de carbono tetraédrico é representado numa projeção de Fischer por meio de duas linhas
perpendiculares. As linhas horizontais representam ligações que saem do plano da página, e as linhas verticais
representam ligações que atravessam o plano da página :

O ácido (R)-láctico, por exemplo, pode ser representado do seguinte modo:

A fórmula de projeção de Fischer para (2R, 3R)-2,3-dibromobutano é escrita da seguinte maneira:

174
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.13. Atribuindo Configurações R,S às Projeções de Fischer

As projeções de Fischer podem ser utilizadas para especificar mais de um centro estereogênico em uma
molécula, simplesmente “empilhando-se” os centros. A treose, por exemplo, um açúcar simples de quatro
carbonos, tem a configuração 2S,3R:

Se o grupo de menor prioridade estiver na vertical (para trás) a configuração obtida pela seta corresponde a
configuração real da molécula;

Se o grupo de menor prioridade estiver na posição horizontal (para frente), a resposta que você recebe da
direção da seta será oposta à resposta correta;

Você poderá desenhar a seta do grupo 1 para o grupo 2 passando pelo grupo de menor prioridade (4), mas
nunca a desenhe passando pelo grupo 3.

5.14. As notações D e L
A menor aldose (poli-hidróxialdeído) é o gliceraldeído;
O gliceraldeído existe na forma de um par de enantiômeros, pois possui um carbono assimétrico;
175
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.15. Estereoisomeria e Quiralidade nos Ciclo-hexanos Substituídos

Vimos que os anéis nos ciclo-hexanos substituídos assumem a geometria tipo cadeira e que a conformação
de um dado composto pode ser prevista pela observação das interações estéricas na molécula. Para completar o
estudo da estereoquímica do ciclo-hexano precisamos, agora, observar o efeito da conformação sobre a
estereoisomeria e sobre a quiralidade.

Ciclo-hexanos 1,4-Dissubstituídos
Os ciclo-hexanos 1,4-dissubstituídos têm um plano de simetria que contém os dois substituintes e os
carbonos 1 e 4 do anel. Como resultado disso, os diastereoisômeros cis e trans são aquirais. Para o 1,4-dimetil-
ciclo-hexano.

176
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O 1-bromo-4-metilciclo-hexano não possui nenhum carbono assimétrico. Este composto só possui


dois estereoisômeros, o isômero cis e o isômero trans; Os isômeros cis e trans não possuem enantiômeros;

Ciclo-hexanos 1,3-Dissubstituídos
Os ciclos-hexanos 1,3-dissubstituídos têm dois centros estereogênicos logo são possíveis quatro
estereoisômeros. O trans-1,3-dimetil-ciclo-hexano existe como um par de enantiômeros, mas o cis-1,3-dimetil-
ciclo-hexano tem um plano de simetria, logo é um composto meso.

177
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O 1-bromo-3-metilciclobutano não possui nenhum carbono assimétrico. Este composto só possui dois
estereoisômeros, o isômero cis e o isômero trans; Os isômeros cis e trans não possuem enantiômeros;

O 1-bromo-3-metilciclo-hexano possui dois carbonos assimétricos, assim ele possui quatro


estereoisômeros. O isômero cis existe como um par de estereoisômeros e o isômero trans ocorre como um par
de estereosiômeros;

Ciclo-hexanos 1,2-Dissubstituídos
Os ciclo-hexanos 1,2-dissubstituídos têm dois centros estereogênicos, logo são possíveis quatro
estereoisômeros. O trans-1,2-dimetil-ciclo-hexano não tem plano de simetria e existe como um par de
enantiômeros. A situação do isômero cis é mais complicada. Visto na conformação em cadeira, o cis-1,2-dimetil-
ciclo-hexano parece existir como um par de enantiômeros oticamente ativos. Na realidade, entretanto, os dois
enantiômeros não podem ser isolados porque se interconvertem rapidamente. Em função disto, o cis-1,2-dimetil-
ciclo-hexano existe como uma mistura racêmica.

178
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O 1-bromo-2-metilciclopentano possui dois carbonos assimétricos e quatro estereoisômeros. O isômero cis


existe como um par de estereoisômeros e o isômero trans ocorre como um par de estereosiômeros;

5.16. Compostos Meso em substâncias cíclicas


No caso de substâncias cíclicas, o isômero cis será a substância meso e o isômero trans existirá como
enantiômeros;

O cis-1,2-dibromociclo-hexano existe na forma de dois confôrmeros: cadeira e bote. A conformação


cadeira não possui plano de simetria e a configuração bote possui. O composto é classificado como meso, pois
um de seus confôrmeros possui um plano de simetria;

179
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.17. Moléculas Quirais que Não Possuem um Átomo Tetraédrico com Quatro
Grupos Diferentes
Uma molécula é quiral se não se superpõe com sua imagem especular. A presença de um átomo tetraédrico
com quatro grupos diferentes é apenas um local que pode conferir quiralidade em uma molécula. A maioria das
moléculas quirais que encontraremos terá estes estereocentros. Muitas moléculas quirais são conhecidas,
entretanto, que não os possuem. Um exemplo é o 1,3-dicloroaleno.

Alenos são compostos cujas moléculas contêm a seguinte sequência de ligação dupla:

Os planos das ligações  dos alenos são perpendiculares entre si.

Esta geometria das ligações  faz com que os grupos ligados aos átomos de carbono terminais fiquem nos
planos perpendiculares, e, devido a isto, alenos com diferentes substituintes nos átomos de carbono das
extremidades são quirais (Fig. 5.22). (Alenos não apresentam isomerismos cis-trans.)

Formas enantioméricas de 1,3-dicloroaleno. Estas duas moléculas não se superpõem em suas imagens especulares e são
portanto quirais. Elas não possuem um átomo tetraédrico com quatro grupos diferentes.

Os compostos bifenílicos apresentam isomeria ótica se a seguinte condição for estabelecida: Os grupos
da posição orto em cada anel deverão ser diferentes e volumosos, assim os anéis aromáticos ficam perpendiculares
um em relação ao outro; A ≠ B.

180
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

5.18. Quiralidade em Heteroátomos

Como a causa mais comum da quiralidade é a existência de quatro substituintes diferentes em um átomo
tetraédricos de elementos diferentes do carbono também podem ser centros estereogênicos. O silício, o nitrogênio,
o fósforo e o enxofre são comumente encontrados em moléculas orgânicas, e todos eles podem eventualmente ser
centros estereogênicos. Sabemos, por exemplo, que o nitrogênio trivalente é tetraédrico, com o par isolado de
elétrons atuando como se fosse o quarto “substituinte”. Será que o nitrogênio trivalente é quiral? Será que um
composto como o etil-metilamina existe na forma de um par de enantiômeros?

A resposta é, ao mesmo tempo, sim e não. Em princípio, sim, mas na prática não. Os compostos trivalentes
do nitrogênio sofrem inversão rápida como um guarda-chuva no vento, que interconverte os enantiômeros. Assim,
não é possível isolar os enantiômeros, exceto em casos muito especiais.

O silício, o nitrogênio, o fósforo e o enxofre são comumente encontrados em moléculas orgânicas, e todos
eles podem eventualmente ser centros estereogênicos.
Essas substâncias possuem um centro quiral e existem como enantiômeros e inclusive podem ser separados;

5.19. A Quiralidade na Natureza


Moléculas quirais podem apresentar suas lateralidades diferentes de muitas maneiras, incluindo a maneira
que afetam os seres humanos. Uma forma enantiomérica de um composto chamado limoneno, é responsável
principalmente pelo odor das laranjas, e o outro enantiômero pelo odor dos limões. Um enantiômero de um
composto chamado carvona é a essência do cominho, e o outro a essência de hortelã.

181
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

A atividade de medicamentos contendo estereocentro pode da mesma forma variar entre enantiômeros, às
vezes com sérias ou mesmo trágicas consequências. Durante muitos anos antes de 1963 o medicamento talidomida
foi usado para aliviar náusea matinal em mulheres grávidas. Em 1963 foi descoberto que a talidomida era usada
de terríveis defeitos congênitos em muitas crianças nascidas após o uso do medicamento. Mais tarde, (começaram
a aparecer a evidências indicando que enquanto um dos enantiômeros da talidomida a molécula dextrógira) tinha
o efeito intencional de curar a náusea matinal, o outro enantiômero, que também estava presente no medicamento
(em uma quantidade igual), podia ser a causa dos defeitos congênitos .
Um outro exemplo de como diferentes quiralidades podem afetar as propriedades biológicas de uma
molécula é o amino-ácido dopamina, mais apropriadamente denominada ácido 2-amino-3-(3,4-di-hidróxi-fenil)-
propanóico, a dopamina tem um único centro estereogênico e existe como dois enantiômeros. O enantiômero
dextrógiro, a D-dopamina, não tem nenhum efeito fisiológico no homem, mas o enantiômero levógito, a L-
dopamina, é largamente empregado por sua grande eficiência no tratamento da doença de Parkinson, uma doença
crônica do sistema nervoso central.

Por que estereoisômeros diferentes têm prioridades biológicas diferentes? Para exercer sua ação biológica,
uma molécula quiral precisa encaixar-se em um receptor quiral no sítio ativo, de modo muito semelhante ao da
mão que se ajusta a uma luva. Porém, assim como a mão direita só se ajusta a uma luva direita, estereoisômero
em particular só se encaixa em um receptor com a forma complementar apropriada. Qualquer outro
estereoisômero ficaria mal-ajustado, como a mão direita em uma luva esquerda. A figura abaixo mostra uma
representação esquemática da interação entre uma molécula quiral e um receptor biológico quiral. Um
enantiômero se encaixa perfeitamente ao receptor, mas o outro não.

(a) Um dos enantiômeros se ajusta exatamente ao sítio quiral de um receptor e exerce seu efeito biológico. O
outro enantiômero (b) não se ajusta ao mesmo receptor e é inativo.

5.20. Separação de enantiômeros: resolução


Os enantiômeros não podem ser separados por métodos físicos, como destilação fracionada nem cristalização
fracionada, pois possuem pontos de fusão e ebulição idênticos e solubilidade idênticos. A separação de
enantiômeros é chamada de resolução de uma mistura racêmica;

182
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

1) Método físico: com o auxílio de uma pinça Louis Paster foi o primeiro a separar um par de enântiômeros com
sucesso. Ele separou os enantiômeros do sal tartarato de amônio e sódio.
Mais tarde os químicos reconheceram como Pasteur teve sorte. O tartarato de amônio e sódio forma cristais
as simétricos somente sob determinadas condições justamente as condições que Pasteur tinha empregado. Sob
outras condições, são formados os cristais simétricos. Mas, para citar Pasteur, "a oportunidade favorece a mente
preparada".

2) Método biológico: uma enzima converte, seletivamente, um enantiômero da mistura racêmica em outro
composto, após o qual o enantiômero que não reagiu e o novo composto são separados;

3) Cromatografia usando meio quiral: esta técnica é aplicada em Cromatografia Líquida de Alta Eficiência
(HPLC) e em outras cromatografias; Interações diastereoméricas entre moléculas da mistura racêmica e o meio
da cromatografia fazem com que os enatiômeros do racemato se movam através do cromatógrafo em velocidades
diferentes. Assim os enantiômeros são coletados separadamente à medida que eluem do cromatógrafo;
Nesse método, a mistura a ser separada é dissolvida em um solvente e a solução passa através de uma coluna
empacotada com um material que tende a absorver substâncias orgânicas. Se a coluna cromatográfica for
acondicionada com material quiral, pode-se supor que os dois enantiômeros se deslocarão através da coluna em
ordens diferentes, pois terão afinidades distintas pelo material quiral exatamente como a mão direita prefere a
luva direita - de modo que um enantiômero sairá da coluna antes do outro. O material quiral é um exemplo de
uma sonda quiral- ele pode distinguir entre enantiômeros. Um polarímetro é um outro exemplo de sonda quiral.
Dois tipos de moléculas biológicas que são sondas quirais são as enzimas e os receptores, as duas são proteínas.

4) Método Químico: consiste em converter os enantiômeros em diastereoisômeros. Os diastereoisômeros podem


ser separados, pois possuem propriedades físicas diferentes. Depois da separação os enantiômeros são convertidos
nos enantiômeros originais;
Por exemplo, uma vez que um ácido reage com uma base para formar um sal, a mistura racêmica de ácido
carboxílico reage com uma base opticamente pura de ocorrência natural (um único enantiômero) para formar dois
sais diastereoisoméricos. Morfina, estricnina e brucina são exemplos de bases quirais de ocorrência natural
normalmente usadas com esse propósito. A base quiral existe como enantiômero puro porque, quando uma
substância quiral é sintetizada em um sistema vivo, geralmente só um enantiômero é formado. Se um ácido-R
reage com uma base-S, um sal-R,S será formado; quando um ácido-S reage com uma base-S, um sal-S,S será
formado.
Um dos carbonos as simétricos no sal-R,S é idêntico ao carbono as simétrico do sal-S,S, e o outro carbono
as simétrico no sal-R,S é imagem especular de um carbono as simétrico do sal-S,S. Portanto, os sais são
diastereoisômeros e têm propriedades físicas diferentes, por isso podem ser separados. Após a separação, podem
ser convertidos de volta em ácidos carboxílicos por adição de um ácido forte como HCl. A base quiral pode ser
separada do ácido carboxílico e usada novamente.

183
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ESTEREOISOMERIA – ISOMERIA ÓPTICA


Exercício de Aprendizagem
01. Quais dos seguintes composto são quirais?

02. Assinale com asteriscos os centros estereogênicos das seguintes moléculas:

04. Diga se as duas estruturas em cada par representam enantiômeros ou duas moléculas do mesmo composto em
orientações diferentes.

05. Especifique como R ou S as configurações das seguintes moléculas:

07. Atribua configurações R, S a cada um dos centros estereogênicos das seguintes moléculas. Quais delas são
enantiômeros e quais são diastereoisômeros?

184
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

08. Quais das seguintes estruturas representam compostos meso?

09. Quantos centros estereogênicos possui a morfina? Quantos estereoisômeros da morfina são possíveis, em
princípio?

10. Quais das seguintes projeções de Fischer representam o mesmo enantiômero?

11. Os seguintes pares de projeções de Fischer são idênticos ou são enantiômeros?

12. Classifique como R ou S os centros estereogênicos destas moléculas:

13. Atribua designações (R) ou (S) a cada dos seguintes compostos:

185
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ESTEREOISOMERIA - ISOMERIA ÓPTICA


Exercícios de Fixação

1. (Ufrj) Um determinado alceno, por hidrogenação


catalítica, produz o 2,3-dimetilpentano.
a) Apresente o nome e a fórmula estrutural deste
alceno sabendo que o mesmo possui isomeria
geométrica (cis-trans).
b) Escreva a fórmula estrutural de um isômero de
posição do 2,3-dimetilpentano que apresenta um
carbono quaternário.

2. (Ufc) Recentemente, especial atenção tem sido


dada aos alfa-hidroxi-ácidos (AHAs). Algumas a) Quantos carbonos assimétricos e quantos
destas substâncias são utilizadas no tratamento da isômeros D possui a glicose?
pele, visando retardar a aparência do b) Que tipo de isomeria está presente entre a glicose
envelhecimento das pessoas. Muitos AHAs são de e a frutose?
origem vegetal ou animal, tais como os ácidos: c) A partir da estrutura da D(-) frutose, desenhe a
glicólico (da cana de açúcar), láctico (do leite), estrutura da L (+) frutose.
málico (da maçã), e cítrico (das frutas cítricas). As
fórmulas estruturais destes compostos estão 4. (Ufpe) A cortisona é um esteróide que possui
representadas a seguir: efeito antiinflamatório e é importante no tratamento
da asma e da artrite.

A partir de sua estrutura, podemos afirmar que a


a) Escreva a fórmula estrutural de um aldeído que cortisona:
apresente um carbono quiral e que seja isômero do ( ) Possui 6 carbonos assimétricos.
ácido láctico. ( ) Possui uma função de álcool primário e outra
b) Qual a hibridação do átomo de carbono do grupo de álcool secundário.
carboxila presente no ácido glicólico? ( ) Possui três funções de cetona.
( ) Apresenta atividade óptica devido apenas aos
3. (Unirio ) Os principais componentes do mel são a carbonos que possuem grupamentos metílicos.
glicose e a frutose, obtidas por hidrólise enzimática ( ) Pode apresentar tautomeria.
da sacarose coletada do néctar das flores pelas
abelhas. 5. (Ufpe) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos
parênteses a letra (V) se a afirmativa for verdadeira
ou (F) se for falsa.

Considere os seguintes compostos orgânicos:


A: CH3 - CH2 - CH2 - CH2Br
B: CH3 – CH2 - CH = CH3
C: CH3 - CH = CH - CH3
D: CH3 - CH2 - CHBr - CH3
É possível afirmar que o(s) composto(s):
( ) A e D são isômeros estruturais.
186
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

( ) C pode ser obtido a partir de D através de uma II. Penteno -1


reação de eliminação. III. 1,2 - Dimetil Ciclopropano
( ) A apresenta atividade óptica. IV. Ciclobutano
( ) B e C apresentam isomeria cis-trans. Em relação à possibilidade de isomeria cis-trans,
( ) A pode ser obtido pela adição de HBr a C. pode-se afirmar que:
a) aparece apenas no composto I.
6. b) ocorre em todos.
(Cesgranrio) PERNILONGOS ESCOLHEM c) ocorre somente nos compostos II e IV.
SUAS VÍTIMAS PELO CHEIRO d) aparece somente nos compostos I e III.
Se você diz que pernilongos gostam mais de morder e) só não ocorre no composto I.
a sua pele que a dos outros, talvez você não esteja
dizendo nenhum absurdo. O entomologista Jerry 9. (Cesgranrio) Em 1848, Louis Pasteur estudou os
Butler montou um espécie de olfactômero e sais de potássio e amônio obtidos do ácido racêmico
constatou, num trabalho para a Universidade da (do latim racemus que significa cacho de uva), o qual
Flórida, nos EUA, que, quando saem em busca do se depositava nos tonéis de vinho durante a sua
sangue necessário para o trabalho de pôr ovos, fermentação. Após observar que esse ácido era
pernilongos fazem sua escolha, principalmente, a uma mistura de dois outros com a mesma fórmula
partir do cheiro. molecular do ácido tartárico; que, separados,
Butler descobriu, auxiliado pela pesquisadora Karan desviavam a luz plano-polarizada e juntos, em
Mckenzie, que pernilongos conseguem detectar um quantidade iguais, perdiam essa propriedade,
odor até a uma distância de 60 quilômetros: a nasceu o conceito de mistura racêmica. De acordo
respiração ou o suor de um corpo, misturado a com o exposto, assinale a opção correta, com
outras substâncias, fica no ar, e vão sendo relação aos conceitos de isomeria espacial.
rastreados. Uma das preferências notadas no teste a) Uma mistura racêmica é uma mistura
são odores decorrentes do ácidos lático e do ácido equimolecular de dois compostos enantiomorfos
úrico. entre si.
http://www.galileuon.com.br/nd/20000828.htm b) O 1-butanol por ser um álcool opticamente ativo
pode originar uma mistura racêmica.
c) O 2-buteno apresenta dois isômeros ópticos, cis-
2-buteno e o trans-2-buteno.
d) O 2-butanol apresenta três isômeros ópticos
ativos denominados dextrógiro, levógiro e racêmico.
e) Quando um composto desvia a luz plano-
polarizada para a direita é chamado de levógiro.
Em relação ao ácido lático, de fórmula estrutural
acima, presente nos odores que são a preferência 10. (Ita) Qual das substâncias a seguir apresenta
de pernilongos, é possível afirmar que: isomeria geométrica?
a) possui dois isômeros opticamente ativos. a) Ciclo-propano.
b) possui grupo funcional relativo à função fenol. b) Ciclo-buteno.
c) é isômero funcional do ácido 3-hidróxi- c) Ciclo-pentano.
propanóico. d) Ciclo-hexano.
d) apresenta cadeia carbônica heterogênea. e) Benzeno.
e) sua massa molar é igual a 66g/mol.
11. (Puccamp) Considere as fórmulas estruturais
7. (Cesgranrio) Dados compostos: seguintes:
1- CH3 - CH = CH – CH3 I. CH2(OH) – CH2(OH)
2- CH2 = CH – CH2 – CH3 II. CH3 - CH(OH) – CH2 – CH3
3- CH3CH - (CH3) –CH3 III. CH2(OH) - CH = CH – CH3
4- CH3 – CH2 – CH2 – CH3 IV. CH2(OH) - CH = CH2
Podemos afirmar que: Há isômeros ópticos e isômeros geométricos,
a) 1 e 2 são isômeros geométricos. respectivamente, nos compostos representados por
b) 1 e 3 são isômeros de posição. a) I e II
c) 1 e 4 são isômeros funcionais. b) I e IV
d) 3 e 4 são isômeros de posição. c) II e III
e) 3 e 4 são isômeros de cadeia. d) II e IV
e) III e IV
8. (Cesgranrio) Considere os compostos:
I. Buteno -2
187
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

12. (Pucpr) Alguns compostos orgânicos podem


apresentar mais de um tipo de isomeria, por
exemplo, isomeria espacial tipo cis-trans e óptica.
Qual dos compostos a seguir apresenta essa
propriedade?
a) 2-penteno
b) 4-metil-2-pentino
c) 2,4-dicloro-pentano
d) 2,4-dimetil-2-penteno
e) 2,4-dicloro-2-penteno

13. (Pucrs) A anfetamina, um medicamento que


pode ser usado no tratamento de pacientes que
sofrem de depressão e também em regimes para
emagrecimento, apresenta fórmula estrutural Leia e analise as seguintes proposições e assinale
a soma da(s) CORRETA(S).
01) Um aminoácido obrigatoriamente possui um
grupo amina e um grupo álcool carboxílico,
podendo ou não estar protonados.
02) A molécula de fenilalanina possui um carbono
Com relação a esse composto, é correto afirmar que assimétrico, portanto possui um isômero óptico.
apresenta 04) O nome IUPAC dessa molécula apresentada é
a) cadeia carbônica heterogênea. ácido 2  amino  3  fenil  propanóico.
b) fórmula molecular C9H8N.
08) Pode-se identificar nessa molécula as funções
c) carbono assimétrico.
orgânicas amina, fenol e ácido carboxílico.
d) somente átomos de carbono primários e
16) A fórmula química da fenilalanina é C9H11NO2.
secundários.
e) isômeros geométricos.
15. (Enem 2014) A talidomida é um sedativo leve e
14. (Ifsc 2015) Um dos aminoácidos presentes nas foi muito utilizado no tratamento de náuseas,
proteínas que ingerimos é a fenilalanina. Após comuns no início da gravidez. Quando foi lançada,
ingerido, o fígado transforma parte do aminoácidos era considerada segura para o uso de grávidas,
fenilalanina em tirosina, outro aminoácido. Este sendo administrada como uma mistura racêmica
último é necessário para a produção de melanina composta pelos seus dois enantiômeros (R e S).
(pigmento que dá cor escura à pele e aos cabelos) Entretanto, não se sabia, na época, que o
e de hormônios como adrenalina, noradrenalina e enantiômero S leva à malformação congênita,
tiroxina. Nos portadores de uma doença genética afetando principalmente o desenvolvimento normal
denominada fenilcetonúria, o fígado apresenta uma dos braços e pernas do bebê.
deficiência que não permite a conversão de
fenilalanina em tirosina. Isso eleva os níveis de COELHO, F. A. S. “Fármacos e quiralídade”.
fenilalanina presente no sangue, provocando outras Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola,
desordens no organismo.[...] O teste do pezinho São Paulo, n. 3, maio 2001 (adaptado).
permite diagnosticar precocemente a fenilcetonúria
e evitar sérios problemas de saúde para a criança. Essa malformação congênita ocorre porque esses
enantiômeros
Fonte: Peruzzo, F. M.; Canto, E. L. Química na a) reagem entre si.
abordagem do cotidiano. 3 ed. São Paulo: 2003. b) não podem ser separados.
c) não estão presentes em partes iguais.
d) interagem de maneira distinta com o organismo.
e) são estruturas com diferentes grupos funcionais.

16. (Ufsc 2015)

188
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Analisando-se tal fórmula é possível concluir que o


gliceraldeído possui
a) isômeros geométricos (cis-trans).
b) moléculas com carbono assimétrico.
c) moléculas com ligações apolares, somente.
O canabidiol (fórmula estrutural acima) é uma d) fórmula molecular C3(OH)6.
substância química livre de efeitos alucinógenos e) moléculas com grupo carboxila.
encontrada na Cannabis sativa. Segundo estudos
científicos, essa substância pode ser empregada no 18. (Ufc) O aroma dos perfumes, geralmente, resulta
tratamento de doenças que afetam o sistema de misturas de compostos químicos. Moléculas com
nervoso central, tais como crises epilépticas, estruturas químicas semelhantes não possuem
esclerose múltipla, câncer e dores neuropáticas. De necessariamente aromas similares. Nerol e geraniol,
acordo com a ANVISA (Agência Nacional de por exemplo, cujas estruturas são representadas a
Vigilância Sanitária), o medicamento contendo seguir, são constituintes naturais de perfumes e
canabidiol está inserido na lista de substâncias de exalam diferentes aromas.
uso proscrito no Brasil. Interessados em importar o
medicamento precisam apresentar a prescrição
médica e uma série de documentos, que serão
avaliados pelo diretor da agência. A autorização
especial requer, em média, uma semana. Já existem
algumas campanhas pela legalização do
medicamento.

Disponível em:
Com relação às moléculas anteriormente
<http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/no
representadas, é correto afirmar que nerol e geraniol
ticia/2014/08/anvisa-autoriza-37-pedidos-de-
são isômeros:
importacao-do-canadibiol-desde-abril.html>
a) óticos.
[Adaptado] Acesso em: 22 ago. 2014.
b) de posição.
c) de compensação.
d) geométricos.
Sobre o assunto tratado acima, é CORRETO afirmar
e) de função.
que:
01) a fórmula molecular do canabidiol é C21H30O2.
19. (Mackenzie 2015) Determinado composto
02) os grupos hidroxila estão ligados a átomos de orgânico apresenta as seguintes características:
carbono saturados presentes em um anel
benzênico. I. Cadeia carbônica alifática, saturada, ramificada e
04) o canabidiol apresenta massa molar igual a homogênea.
314 g / mol. II. Possui carbono carbonílico.
08) a molécula do canabidiol apresenta entre III. Possui enantiômeros.
átomos de carbono 22 ligações covalentes do IV. É capaz de formar ligações de hidrogênio.
tipo sigma (σ) e 5 ligações covalentes do tipo pi
( π). O composto orgânico que apresenta todas as
características citadas acima está representado em
16) a ordem decrescente de eletronegatividade dos
elementos químicos presentes no canabidiol é
carbono > hidrogênio > oxigênio.
32) o átomo de carbono apresenta dois elétrons na
sua camada de valência.
64) a molécula de canabidiol apresenta isomeria
geométrica.

17. (Ufal) A fórmula estrutural do gliceraldeído é a)

189
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

22. (Uff) Algumas substâncias têm a propriedade de


desviar o plano de vibração da luz polarizada e são
denominadas oticamente ativas. Esta propriedade
caracteriza os compostos que apresentam isomeria
ótica. A condição necessária para a ocorrência de
isomeria ótica é que a substância apresente
assimetria.
b) Considere as representações espaciais (Fischer)
das estruturas a seguir:

c)

d)

Em relação às estruturas I, II, III e IV afirma-se,


corretamente:
a) Todas apresentam atividade ótica.
e) b) Somente a I e a II apresentam atividade ótica.
c) Somente a I e a III apresentam atividade ótica.
d) Somente a III e a IV apresentam atividade ótica.
20. (Ufes ) Dados os compostos e) Somente a II e a IV apresentam atividade ótica.

23. (Ufpe) A fexofenadina é um anti-histamínico não


sedativo que surgiu como um substituto para um
outro medicamento que causava fortes efeitos
colaterais. Este composto apresenta a seguinte
estrutura molecular:

é (são) opticamente ativo(s):


a) somente I. Pode-se afirmar que este composto possui:
b) I e II. a) dois carbonos quirais (assimétricos) e um grupo
c) I e III. funcional ácido carboxílico.
d) I, II e III. b) um carbono quiral (assimétrico) e um grupo
e) II e III. funcional fenol.
c) dois carbonos quirais (assimétricos) e dois grupos
21. (Ufes) O número máximo de isômeros ópticos funcionais álcoois.
que podem ser representados pela fórmula d) um carbono quiral (assimétrico) e um grupo
molecular C3H6BrCl é funcional amina.
a) 2 e) três carbonos quirais (assimétricos) e três grupos
b) 3 funcionais aromáticos.
c) 4
d) 5 24. (Ufpe) A origem da homoquiralidade da nossa
e) 6 biota é um dos grandes mistérios da ciência
moderna. Das moléculas a seguir, de ocorrência

190
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

comum nos seres vivos, qual não apresenta centro


quiral (centro assimétrico ou centro estereogênico)?

a) O THC possui um carbono assimétrico, portanto


deve ser opticamente ativo.
b) O THC possui dois carbonos assimétricos,
portanto deve ser opticamente ativo.
c) O THC possui três carbonos assimétricos,
portanto deve ser opticamente ativo.
d) O THC possui quatro carbonos assimétricos,
portanto deve ser opticamente ativo.
e) O THC não possui qualquer carbono assimétrico,
portanto deve ser opticamente inativo.

26. (Ufpi) Pesquisas na UFC revelaram que um dos


principais componentes da flor de macela,
comercializada em ervanários populares para
problemas estomacais e do fígado, é o Ácido
centipédico, cuja estrutura é dada a seguir. Escolha
a opção correta, relacionada com a estereoquímica
da ligação dupla que não se encontra conjugada
com a carboxila e possui somente um grupo metila.

a) Configuração Trans (ou E na nomenclatura mais


moderna)
b) Configuração Cis (ou Z na nomenclatura mais
moderna)
c) Por causa dos dois carbonos metilênicos não há
isomeria nessa posição.
25. (Ufpi) Alguns países já consideram a liberação d) Por causa dessa dupla ligação o composto só
da maconha ('Cannabis sativa'), para fins apresenta isomeria óptica.
medicinais. Dada a estrutura do princípio ativo da e) Nesta dupla há um exemplo claro de tautomeria.
maconha, o tetrahidrocanabinol (THC), escolha a
opção correta. 27. (Ufrn) Os isômeros óticos se diferenciam,
fundamentalmente, pelo sentido para o qual
desviam o plano da luz polarizada.
O composto orgânico que apresenta isomeria ótica
é:

191
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

28. (Ufrn) A alfazema, flor silvestre do Oriente Médio assinale a afirmativa correta.
aclimatada na Península Ibérica, é empregada, a) O composto II apresenta isomeria geométrica e o
desde a Antiguidade, como matéria-prima na composto IV, isomeria óptica.
fabricação de perfumes. A estrutura da substância b) Apenas os compostos I e III apresentam isomeria
chamada linalool, responsável pelo cheiro agradável geométrica.
do óleo de alfazema, encontra-se representada c) Apenas o composto IV apresenta isomeria
abaixo. geométrica.
d) Todos os compostos apresentam isomeria
geométrica.
e) Os compostos I e IV apresentam isomeria óptica.

átomos de carbono e nitrogênio.

31. (Enem 2014) O estudo de compostos orgânicos


permite aos analistas definir propriedades físicas e
químicas responsáveis pelas características de
Quanto à posição do grupo funcional e ao tipo de cada substância descoberta. Um laboratório
isomeria espacial, pode-se classificar o linalool investiga moléculas quirais cuja cadeia carbônica
como um álcool seja insaturada, heterogênea e ramificada.
a) primário, com isomeria geométrica.
b) terciário, com isomeria ótica. A fórmula que se enquadra nas características da
c) primário, com isomeria ótica. molécula investigada é
d) terciário, com isomeria ótica e geométrica. a) CH3  (CH)2  CH(OH)  CO  NH  CH3.
b) CH3  (CH)2  CH(CH3 )  CO  NH  CH3.
29. (Ufrs) Na natureza existem produtos que, pela
modificação da disposição relativa dos ligantes de c) CH3  (CH)2  CH(CH3 )  CO  NH2.
um centro quiral (carbono assimétrico), apresentam d) CH3  CH2  CH(CH3 )  CO  NH  CH3.
propriedades organolépticas diferentes. Um e) C6H5  CH2  CO  NH  CH3.
exemplo é observado no limoneno, encontrado em
óleos essenciais, onde um dos isômeros apresenta 32. (Ufsm) Observe as seguintes moléculas:
sabor de laranja e o outro, de limão.
Pode-se afirmar que estes compostos são isômeros
a) geométricos.
b) ópticos.
c) de posição.
d) de cadeia.
e) de função.

30. (Ufrs) Dados os seguintes compostos orgânicos:

192
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Então, pode-se dizer que as moléculas


representadas em
a) A são isômeros óticos.
b) B são enantiômeros.
c) C são tautômeros.
d) A são isômeros geométricos.
e) B e C são isômeros óticos.

33. (Unesp) O neurotransmissor serotonina é


sintetizado no organismo humano a partir do
triptofano. As fórmulas estruturais do triptofano e da apresenta dois isômeros ativos e um isômero
serotonina são fornecidas a seguir. inativo.
16. Os hidrocarbonetos podem apresentar isomeria
de posição e cadeia.
32. O butanal e a butanona são isômeros funcionais.
64. O ciclopropano e o propeno são isômeros de
posição.

36. (Pucsp 2015) A melanina é o pigmento


responsável pela pigmentação da pelee do cabelo.
Em nosso organismo, a melanina é produzida a
partir da polimerização da tirosina, cuja estrutura
está representada a seguir.
Com respeito a essas moléculas, pode-se afirmar
que
a) apenas a molécula do triptofano apresenta
atividade óptica.
b) ambas são aminoácidos.
c) a serotonina é obtida apenas por hidroxilação do
anel benzênico do triptofano.
d) elas são isômeras.
e) as duas moléculas apresentam a função fenol.

34. (Unesp) Entre os compostos Sobre a tirosina foram feitas algumas afirmações:
I. C2H6O,
I. A sua fórmula molecular é C9H11NO3.
II. C3H6O e
II. A tirosina contém apenas um carbono quiral
III. C2H2 Cl2, (assimétrico) em sua estrutura.
apresentam isomeria geométrica: III. A tirosina apresenta as funções cetona, álcool e
a) I, apenas. amina.
b) II, apenas.
c) III, apenas. Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmação(ões)
d) I e II, apenas. a) I e II.
e) II e III, apenas. b) I e III.
c) II e III.
35. (Unioeste) Sobre a isomeria, assinale a(s) d) I.
afirmativa(s) correta(s): e) III.
01. (CH3)2C=CH2 apresenta isômeros "cis" e "trans". 37. (Udesc 2015) As doenças infecciosas são a
02. O 1,2-dicloro-1-penteno apresenta isomeria segunda maior causa de mortalidade do mundo
geométrica. devido às altas taxas de resistência microbiana,
04. Na molécula do 3-metilpentanodiol-2,4 há dois especialmente em ambientes hospitalares. No
carbonos assimétricos. entanto, a diminuição na descoberta de novos
08. O composto antibióticos torna-se preocupante. Desta maneira, o
antibiótico ceftobiprol está em estudos clínicos no
FDA (Food and Drug Administration), ou seja, último
estágio antes de ser comercializado.

193
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

A estrutura do ceftobiprol possui:


a) apenas três carbonos quirais.
b) dez carbonos com hibridização sp 2 e uma função
química ácido carboxílico.
c) apenas ciclos condensados e uma função amina
primária em sua estrutura.
d) apenas três centros estereogênicos e dez
carbonos com hibridização sp2 .
e) três lâminas secundárias em sua estrutura.

38. (Uem 2015) Observe a lista de moléculas No que diz respeito às moléculas apresentadas,
orgânicas abaixo e assinale a(s) alternativa(s) assinale a afirmação verdadeira.
correta(s) a respeito da isomeria. butan-1-ol, a) As moléculas I e II são isômeros de cadeia e I e
isopropanol, éter dietílico, propanona, n-propanol, IV são isômeros de posição.
ciclopropano, propanal, propeno, metóxipropano, b) As moléculas II e III são isômeros de posição e a
1,2-dicloroeteno. molécula I pode apresentar isomeria geométrica
01) O propanol e o propanal são isômeros de trans e isomeria óptica.
cadeia. c) As moléculas I e III são tautômeros, e a molécula
02) Há pelo menos 2 pares de moléculas que podem IV pode apresentar isomeria geométrica cis e
ser classificados como isômeros funcionais. isomeria óptica.
04) Somente uma molécula pode apresentar d) As moléculas I e IV não são isômeros.
isomeria geométrica.
08) As moléculas butan-1-ol, éter dietílico e 40. (Uel 2015) Leia o texto a seguir.
metóxipropano podem ser classificadas, duas a
duas, como isômeros de função duas vezes, e A atividade óptica foi um mistério fundamental da
como metâmeros uma vez. matéria durante a maior parte do século XIX. O físico
16) Nenhuma das moléculas apresenta isomeria francês, Jean Baptist Biot, em 1815, descobriu que
óptica. certos minerais eram opticamente ativos, ou seja,
desviavam o plano de luz polarizada. Em 1848,
39. (Uece 2015) No olho humano, especificamente Louis Pasteur foi além e, usando um polarímetro,
na retina, o cis-11-retinal se transforma no trans-11- percebeu que o fenômeno está associado à
retinal pela ação da luz e, assim, produz impulso presença de dois tipos de substâncias opticamente
elétrico para formar a imagem; por isso, o ser ativas: as dextrógiras (desvio do plano de luz para a
humano precisa de luz para enxergar. Esses dois direita) e as levógiras (desvio do plano de luz para a
compostos são isômeros. Observe as 4 moléculas a esquerda). As observações de Pasteur começaram
seguir: a se conectar com outras anteriores, como as de
Schelle que, em 1770, isolou o ácido lático (Figura
4) opticamente inativo do leite fermentado e
Berzelius que, em 1807, isolou a mesma substância
de músculos, porém com atividade óptica.

Adaptado de: GREENBERD, A. Uma Breve História


da Química da Alquimia às Ciências Moleculares
Modernas. Trad. de Henrique Eisi Toma, Paola
Corio e Viktoria Klara Lakatos Osório. São Paulo:
Edgard Blücher Ltda., 2009. p.297-299.

194
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

a) Captopril
b) Ibuprofeno
c) Paracetamol
d) Captopril e ibuprofeno
e) Todos os fármacos apresentados

42. (Ucs 2015) A talidomida, cuja estrutura química


encontra-se representada abaixo, foi comercializada
pela primeira vez na Alemanha em 1957. A indústria
farmacêutica que a desenvolveu acreditou que a
mesma era tão segura que a prescreveu para
mulheres grávidas para combater enjoos matinais.
Infelizmente, várias gestantes que a utilizaram
tiveram bebês com mãos, braços, pés e pernas
atrofiadas (efeito teratogênico). Posteriormente,
Com base no texto e nos conhecimentos sobre verificou-se que a talidomida apresentava
isomeria óptica, assinale a alternativa correta. quiralidade e que apenas a ( ) talidomida era
a) Os isômeros ópticos do ácido lático possuem
propriedades físico-químicas diferentes, como teratogênica, enquanto a ( ) talidomida é que
pontos de fusão e ebulição. minimizava o enjoo matinal.
b) O ácido lático isolado do músculo por Berzelius
era opticamente ativo porque possuía plano de
simetria.
c) O ácido lático possui dois carbonos quirais e dois
isômeros ópticos que são diastereoisômeros.
d) O ácido lático, do leite fermentado, isolado por
Schelle, pode formar até duas misturas
racêmicas.
e) O ácido lático, do leite fermentado, isolado por
Schelle, tinha os dois enantiômeros em
quantidades iguais, a mistura racêmica.
A ( ) talidomida e a ( ) talidomida são
41. (Upe 2015) A imagem a seguir indica a a) isômeros de cadeia.
sequência de uma simulação computacional sobre a b) tautômeros.
análise de uma propriedade física exibida por um c) isômeros de função.
fármaco. d) enantiômeros.
e) isômeros de compensação.

43. (Ufrgs 2015) O fulvinol, cuja estrutura é


mostrada abaixo, foi isolado de uma esponja
marinha presente na costa da Espanha.

I. É um hidrocarboneto acíclico insaturado.


Entre os fármacos indicados abaixo, qual(is) II. Apresenta ligações duplas trans e cis.
exibe(m) resposta similar ao observado nessa III. Apresenta 4 carbonos com geometria linear.
simulação?
Quais estão corretas?
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.
195
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

44. (Fgv) São feitas as seguintes afirmações sobre I. os dois ácidos apresentam igual ponto de fusão,
o composto 3,5-dimetil-hepta-2-eno: pois possuem a mesma massa molecular.
II. os átomos de carbono indicados com os números
I. A sua fórmula molecular é C9H18. 1 e 2, no ácido fumárico, são carbonos assimétricos.
II. Apresenta um átomo de carbono com arranjo III. esses ácidos formam um par de isômeros
trigonal planar. geométricos.
III. Apresenta isômeros ópticos. IV. o ácido maleico é mais solúvel em água, pois a
IV. Apresenta isomeria geométrica. sua molécula é mais polar que a do ácido fumárico.
Pela análise das afirmativas, conclui-se que estão
São corretas as afirmações contidas apenas em corretas apenas
a) II e III. a) I e II
b) III e IV. b) I e III
c) I, II e III. c) II e IV
d) I, II e IV. d) III e IV
e) I, III e IV. e) I, II e IV

45. (Pucmg) Os carboidratos são assim chamados 47. (Uern 2015) A intolerância à lactose é o nome
porque possuem fórmula empírica CH2O, o que que se dá à incapacidade parcial ou completa de
sugere um "hidrato de carbono" existem digerir o açúcar existente no leite e seus derivados.
normalmente em equilíbrio entre a forma de cadeia Ela ocorre quando o organismo não produz, ou
aberta e cíclica. Dois importantes carboidratos são a produz em quantidade insuficiente, uma enzima
glicose e a frutose, cujas estruturas abertas são digestiva chamada lactase, cuja função é quebrar as
representadas a seguir. moléculas de lactose e convertê-las em glucose e
galactose (figura). Como consequência, essa
substância chega ao intestino grosso inalterada. Ali,
ela se acumula e é fermentada por bactérias que
fabricam ácido lático e gases, promovem maior
retenção de água e o aparecimento de diarreias e
cólicas.

Sobre as duas estruturas, é INCORRETO afirmar


que:
a) possuem fórmula molecular C6H12O6.
b) são polares e devem, portanto, ser solúveis em
água.
c) possuem carbonos assimétricos ou
estereocentros.
d) as duas estruturas possuem carbonilas e são,
portanto, cetonas.
(Disponível em:
n Analise as informações a seguir. http://acomidadavizinha.blogspot.com.br/2014/03/in
tolerancia-lactose.html. Adaptado.)
Sobre os ácidos maleico e fumárico que apresentam
as fórmulas estruturais a seguir: A respeito dos compostos ilustrados anteriormente,
é correto afirmar que
a) a glucose possui sete hidrogênios.
b) a lactose possui dez carbonos assimétricos.
c) a galactose não é um composto opticamente
ativo.
d) as funções presentes nos três compostos são:
álcool e anidrido.
pode-se afirmar que 48. (Pucmg 2015) Os aminoácidos são compostos
que apresentam isomeria óptica, com exceção da

196
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

glicina. Um exemplo de aminoácido com atividade


óptica é a alanina. Abaixo, estão apresentadas 3 Observe, então, as estruturas:
estruturas tridimensionais da alanina.

É CORRETO afirmar que:


a) II e III são enantiômeros. Com base nessas informações, é possível afirmar:
b) I e III são o mesmo composto.
c) I e II são o mesmo composto. I. O aspartame é o éster metílico de um dipeptídeo,
d) I e II são enantiômeros. sendo a fenilalanina um dos aminoácidos
constituintes.
49. (Uepg 2015) Assinale o que for correto com II. A fenilalanina e a tirosina são diferenciadas pela
respeito aos isômeros da alanina. função fenol.
III. Das três moléculas representadas, apenas a
tirosina apresenta um núcleo benzênico.
IV. A fenilalanina e a tirosina possuem atividade
ótica, pois as duas apresentam um carbono
quiral.

Está(ão) correta(s)
a) apenas I.
b) apenas I, II e IV.
01) Cada isômero apresenta um carbono quiral. c) apenas III.
02) São isômeros ópticos. d) apenas II, III e IV.
04) O composto d-alanina desvia o plano da luz e) I, II, III e IV.
polarizada para a direita.
08) Não são imagens especulares.
16) Uma mistura equimolar desses isômeros
representa uma mistura racêmica.

50. (Ufsm 2015) A vida moderna tem exigido do


homem uma mudança de hábitos, dentre eles, o
alimentar. Os Fast Foods surgem como alternativa
rápida para a alimentação, no entanto dietas
calóricas não balanceadas, aliadas ao
sedentarismo, têm levado a um aumento da massa
corporal. Em busca de alternativas para dietas
restritivas, o setor alimentício tem desenvolvido
produtos light e diet. O aspartame é utilizado como
edulcorante (adoçante) em alimentos dietéticos e,
após sua ingesta, sofre hidrólise sendo convertido
em fenilalanina, um aminoácido aromático.
O organismo humano metaboliza o excesso desse
aminoácido, inicialmente pela enzima fenilalanina-
hidroxilase, produzindo outro aminoácico: a tirosina.
Pessoas portadoras de fenilcetonúria ‒ uma doença
de herança autossômica recessiva, não conseguem
realizar essa etapa metabólica. A doença é
diagnosticada por meio do teste do pezinho e pode
causar retardo mental.

Fonte: FELTRE, Ricardo. Fundamentos da química.


Vol. único. São Paulo: Moderna, 2008. p.175.
(adaptado)
197
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

GABARITO

1. Observe a figura a seguir:

[04] Correta. A fenilalanina possui o nome oficial


(segundo a IUPAC ) de ácido
2. Observe a figura a seguir: 2-amino-3-fenil-propanoico.

[08] Incorreta. A fenilalanina não possui a função


fenol em sua estrutura, apenas as funções
amina e ácido carboxílico.

[16] Correta. A fenilalanina possui a fórmula


molecular C9H11NO2.

3. a) quatro a sete 15. [D]


b) função A respeito dos enantiômeros dextrogiro e levogiro, é
c) Observe a figura a seguir possível afirmar:
- Não reagem entre si.
- Podem ser separados opticamente.
- Podem estar presentes em partes iguais, 50 % do
dextrogiro e 50 % do levogiro (mistura racêmica).
- Interagem de maneira distinta com o organismo.
- São estruturas que apresentam os mesmos grupos
funcionais.

Resposta da questão 16:


01 + 04 + 08 + 64 = 77.

[01] Correta. O canabidiol apresenta C21H30O2.


4. V F V F V 5. V V F F F
6. [A] 7. [E] [02] Incorreta. Os grupos hidroxilas estão ligados a
8. [D] 9. [A] carbonos insaturados.
10. [B] 11. [C]
12. [E] 13. [C]
Resposta da questão 14:
02 + 04 + 16 = 22.

[01] Incorreta. Um aminoácido obrigatoriamente


possui um grupo amina e um grupo ácido
carboxílico.

[02] Correta. A molécula de fenilalanina possui um


carbono assimétrico, possuindo isomeria
óptica. [04] Correta.
C  12  21  252
H  1 30  30
O  16  2  32
252  30  32  314 g / mol
198
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ligação pi), heterogênea (apresenta heteroátomo) e


[08] Correta. ramificada (apresenta carbono terciário):

CH3  (CH)2  CH(CH3 )  CO  NH  CH3

32. [D] 33. [A]


34. [E] 35. F V V V V V F
[16] Incorreta. A ordem do mais para o menos Resposta da questão 36:
eletronegativo será: [A]
oxigênio  carbono  hidrogênio.
Análise das afirmações:
[32] Incorreta. O carbono possui 4 elétrons na
camada de valência.] [I] Correta. A sua fórmula molecular é C9H11NO3.

[64] Correta. A isomeria geométrica se apresenta no


anel aromático, pois para que ocorra esse tipo de
isomeria em cadeia fechada, dois átomos de
carbono devem apresentar pelo menos dois ou mais
grupos diferentes ligados a ele, que por sua vez,
precisam ser iguais aos ligantes do outro átomo de
carbono. Essa condição ocorrerá, por exemplo, com
os carbonos ligados a hidroxila.

17. [B]
18. [D]
Resposta da questão 19:
[E] [II] Correta. A tirosina contém apenas um carbono
quiral (assimétrico) em sua estrutura.
O composto faz ligações de hidrogênio, pois possui
uma hidroxila.
Classificação da cadeia carbônica: alifática (aberta
sem anel aromático), saturada (ligações simples
entre os carbonos), ramificada (possui carbono
terciário) e homogênea (não possui heteroátomo):

[III] Incorreta. A tirosina apresenta as funções fenol,


amina e ácido carboxílico.

20. [C] 21. [E]


22. [B] 23. [D]
24. [B] 25. [B]
26. [A] 27. [A]
28. [B] 29. [B]
30. [A]
31. [B]
Molécula quiral (* apresenta carbono assimétrico)
cuja cadeia carbônica seja insaturada (apresenta
199
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

As moléculas butan-1-ol, éter dietílico e


metóxipropano podem ser classificadas, duas a
duas, como isômeros de função duas vezes, e como
metâmeros uma vez.

Resposta da questão 37:


[A] Nenhuma das moléculas apresenta isomeria óptica,
ou seja, carbono assimétrico.
[A] Correta. A molécula do Ceftobiprol possui 3
centros quirais. Resposta da questão 39:
[B]

As moléculas II e III são isômeros de posição, ou


seja, a posição dos átomos de bromo varia nas duas
estruturas.

A molécula I pode apresentar isomeria cis-trans,


pois apresenta cadeia fechada e dois ligantes
diferentes entre si (H e Br) ligados a dois carbonos
consecutivos.
[B] Incorreta. Os carbonos com hibridação sp 2 são
aqueles que possuem dupla ligação, total de 11 A molécula I também pode apresentar isomeria
carbonos. óptica, pois possui dois carbonos quirais ou
[C] Incorreta. Possui ciclos condensados e isolados. assimétricos.
[D] Incorreta. Possui apenas 2 centros
estereogênicos, ou seja, geradores de
estereoisomeria.
[E] Incorreta. Possui apenas 2 aminas secundárias
em sua estrutura.

Resposta da questão 38:


02 + 04 + 08 + 16 = 30.

O propanol e o propanal não são isômeros, pois Resposta da questão 40:


apresentam fórmulas moleculares diferentes. [E]

[A] Incorreta. Isômeros ópticos possuem iguais


pontos de fusão e ebulição.
[B] Incorreta, pois o ácido lático isolado por Berzelius
era opticamente ativo, por apresentar carbono
quiral (não possui plano simetria).
[C] Incorreta. O ácido lático possui apenas um
carbono quiral e 2 isômeros opticamente ativos.
Há pelo menos 2 pares de moléculas que podem ser [D] Incorreta. O ácido lático forma apenas uma
classificados como isômeros funcionais. Por mistura racêmica.
exemplo, ácido carboxílico e éster e álcool e éter. [E] Correta. O ácido lático isolado do leite
fermentado tinha os dois enantiômeros em
A isomeria geométrica leva em consideração a quantidades iguais à mistura racêmica.
geometria da estrutura da molécula. Um tipo de
geometria vale para várias representações. Resposta da questão 41:
200
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

[C]

Na simulação verifica-se que a luz polarizada não


sofre desvio, conclui-se que o fármaco analisado
não apresenta carbono assimétrico ou quiral, ou
seja, trata-se do paracetamol.

Resposta da questão 48:


[D]

Resposta da questão 42:


[D]

A ( ) talidomida e a ( ) talidomida são isômeros


ópticos (possuem carbono quiral ou assimétrico)
que formam um par de enantiômeros (destrógiro e
levógiro). Resposta da questão 49:
01 + 02 + 04 + 16 = 23.

[01] Correta. Cada isômero possui um carbono


quiral, ou seja, um carbono ligado a 4 ligantes
diferentes entre si.

Resposta da questão 43:


[D]

Análise das afirmações: [02] Correta. Por apresentarem carbono quiral


apresentam isomeria óptica.
[I] Incorreta. A molécula pertence à função álcool
(presença do grupo OH ligado a carbono [04] Correta. O prefixo d significa dextrógiro, ou seja,
saturado). desvio da luz polarizada para a direita.

[II] Correta. Apresenta ligações duplas trans e cis. [08] Incorreta. Se os compostos são isômeros,
consequentemente, um é a imagem especular
do outro.
44. [E]
[16] Correta. Uma mistura racêmica é composta por
45. [D] 46. [D] partes iguais de 2 enantiômeros de uma molécula
quiral.
Resposta da questão 47:
[B] Resposta da questão 50:
[B]
A lactose possui dez carbonos assimétricos (*), ou
seja, ligados a quatro ligantes diferentes entre si. [I] Correta. O aspartame é um éster metílico de um
dipeptídeo, sendo a fenilalanina um dos
aminoácidos constituintes.
[II] Correta. A fenilalanina e a tirosina são
diferenciadas pela função fenol, pois ambas,
201
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

possuem a função ácido carboxílico e amina. [IV] Correta. Ambos os compostos irão apresentar
[III] Incorreta. As 3 moléculas apresentadas atividade óptica, pois apresentam apenas um
apresentam núcleo benzênico. carbono quiral.

202
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

MÓDULO 06

Isomeria Conformacional

6.1. As Conformações do Etano


Sabemos que o átomo de carbono sp 3 tem a geometria do tetraedro e que as ligações carbono-carbono dos
alcanos são o resultado da superposição  dos orbitais sp3 dos átomos de carbono. Vejamos agora as
consequências tridimensionais disto. Quais são as relações espaciais entre os hidrogênios de um carbono e os
hidrogênios do carbono adjacente?
Pode ocorrer rotação livre em torno de ligações carbono-carbono simples em moléculas de cadeia aberta,
como o etano, devido à simetria cilíndrica da ligação . A superposição dos orbitais é exatamente a mesma para
todos os arranjos geométricos dos átomos. Os diferentes arranjos dos átomos que provêm da rotação interna em
uma ligação simples são denominados conformações, e uma conformação específica é denominada um
confôrmero (isômero conformacional). Ao contrário dos isômeros constitucionais, os isômeros conformacionais
diferentes não são normalmente isolados porque se interconvertem rapidamente.

Algumas das conformações do etano. A rotação rápida em volta da ligação simples carbono-carbono interconverte os
isômeros conformacionais.

Os químicos representam os isômeros conformacionais de duas maneiras, conforme se vê na figura. As


representações em cavalete são fórmulas em perspectiva que apresentam a ligação carbono-carbono segundo
uma linha de figura e indicam a orientação espacial pela exibição de todas as ligações C – H. Nas projeções de
Newman, a ligação carbono-carbono é colocada diretamente na linha de visão do observador e os dois átomos de
carbono são representados como círculos coincidentes. As ligações do carbono frontal são representadas por linhas
que chegam ao centro do círculo. As ligações do carbono posterior se interrompem na circunferência do círculo.
A vantagem do uso das projeções de Newman vem de seu traçado fácil e da facilidade de visualização das relações
espaciais entre os substituintes dos átomos de carbono.
As substâncias são tridimensionais, mas somos limitados à folha de papel bidimensional ao analisar suas
estruturas. Fórmulas em perspectiva, projeções em cavalete e projeções de Newman são métodos químicos
normalmente utilizados para representar no papel a ligação . Em uma fórmula em perspectiva, linhas sólidas
são usadas para ligações que ficam no plano do papel, cunhas sólidas para ligações saindo do plano do papel e
cunhas tracejadas para ligações que entram no plano do papel. Em uma projeção em cavalete estamos olhando a
ligação carbono-carbono de um ângulo oblíquo. Em uma projeção de Newman estamos desprezando o
comprimento de uma ligação carbono-carbono específica. O carbono em frente é representado por um ponto com
três ligações em interseção e o carbono de trás, por um círculo. As três linhas saindo de cada carbono representam
as outras três ligações. Na discussão das conformações dos alcanos, usaremos as projeções de Newman porque
são mais fáceis de desenhar e são eficazes na representação da relação espacial dos substituintes nos dois átomos
de carbono.

203
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Apesar do que acabamos de dizer a respeito da simetria da ligação , na realidade a rotação não é totalmente
livre. A experiência demonstra que há uma pequena barreira (12 kJ/mol; 2,9 kcal/mol) para a rotação e que
algumas conformações são mais estáveis do que outras. A conformação de mais baixa energia, a mais estável, é
a que tem as ligações carbono-hidrogênio mais afastadas entre si (em oposição na projeção de Newman). A
conformação de energia mais alta, menos estável, é a que tem as seis ligações carbono-hidrogênio o mais próximo
possível entre si (em coincidência ou eclipsada na projeção de Newman). Entre estas duas conformações-limite
há um sem-número de outras possibilidades. Como a barreira de rotação de 12 kJ/mol é causada por três interações
de coincidência hidrogênio-hidrogênio iguais, podemos estimar um valor de aproximadamente 4,0 kJ/mol (1,0
kcal/mol) para cada interação isolada.

204
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Representação em esqueleto e projeção de Newman do etano. A projeção em esqueleto contempla a molécula


a partir de um ângulo oblíquo, e a projeção de Newman considera a molécula na projeção de topo.

A energia extra de 12 kJ/mol presente na conformação em coincidência do etano é chamada de tensão de


torção. A barreira de energia de rotação que provém da tensão de torção pode ser representada em um gráfico de
energia potencial contra o ângulo de rotação das ligações C – H nos carbonos frontais e posterior (o ângulo diedro),
que varia de zero a 360º.

Energia potencial do etano como função do ângulo de rotação em torno da ligação carbono-carbono.

Gráfico de energia potencial versus rotação de ligação no etano. Os isômeros conformacionais em oposição têm 12
kJ/mol menos energia do que os isômeros conformacionais em coincidência.

Os valores mínimos de energia ocorrem nas conformações em oposição, e os valores máximos de energia
ocorrem nas conformações em coincidência.
A que se atribui a tensão de torção? A causa tem sido alvo de controvérsia, mas a maior parte dos químicos
acredita que a tensão de torção é consequência da repulsão entre as nuvens de elétrons nas ligações. Os cálculos
indicam que à distância internuclear hidrogênio-hidrogênio no isômero em oposição é de 2,55 Å, e que esta
distância diminui para 2,29 Å no isômero em coincidência.

6.2. As Conformações do Propano


O propano é o termo seguinte na série dos alcanos, e nele encontramos novamente uma pequena
barreira de rotação em torno das ligações carbono-carbono. Esta barreira é ligeiramente maior no propano —
14kJ/mol (3,4 kcal/mol) contra 12 kJ/mol.
205
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Projeções de Newman do propano, mostrando as conformações em oposição e em coincidência. O isômero em


oposição tem 14 kJ/mol de energia a menos.
No isômero em coincidência do propano, existem duas interações hidrogênio-hidrogênio como as
encontradas no etano, e uma terceira interação entre uma ligação carbono-hidrogênio e uma ligação carbono-
carbono. Como estimamos para cada interação de coincidência hidrogênio-hidrogênio um “custo” energético de
4,0 kJ/mol, podemos atribuir o valor de 14 – (2 X 4,0) = 6,0 kJ/mol (1,4 kcal/mol) para a interação de coincidência
entre a ligação carbono-carbono e a ligação carbono-hidrogênio.

6.3. As Conformações do Butano


O butano tem três ligações simples carbono-carbono e a molécula pode girar em torno delas. Na figura
seguinte, confôrmeros em oposição e eclipsados são desenhados para a rotação em torno da ligação C1-C2:

206
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Observe que o carbono no primeiro plano na projeção de Newman tem o menor número. Embora os
confôrmeros em oposição resultantes da rotação em torno da ligação C1-C2 tenham a mesma energia, os
confôrmeros em oposição resultantes da rotação em torno da ligação C2-C3 não têm.
A questão conformacional torna-se mais complexa com o aumento do número de carbonos do alcano. Para o
butano, por exemplo, o gráfico de energia potencial versus rotação em torno da ligação C2 – C3.
Nem todas as conformações em oposição do butano, entretanto, possuem a mesma energia, assim como nem
todas as conformações em coincidência. O arranjo de menor energia é denominado conformação anti, e nele os
dois grupos metila, que são maiores do que os hidrogênios, estão o mais distante possível, isto é, a 180º um do
outro. Com a rotação interna da ligação C2 – C3, alcança-se uma conformação em coincidência, em que existem
duas interações metila-hidrogênio e uma interação hidrogênio-hidrogênio. Se a energia das interações em
coincidência for igual aos valores de energia estimados para o etano e o propano, é de se esperar que esta
conformação em coincidência seja mais tensionada do que a conformação anti por 2 X 6,0 kJ/mol (duas interações
metila-hidrogênio) mais 4,0 kJ/mol (uma interação hidrogênio-hidrogênio), ou um total de 16kJ/mol (3,8
kcal/mol). É exatamente o que se observa experimentalmente.

À medida que a rotação da ligação prossegue, um mínimo de energia — correspondendo a uma nova
conformação em oposição — encontrado quando os grupamentos metila estão a 60º um do outro. Esta
conformação é denominada conformação vici ou conformação gauche e tem energia 3,8 kJ/mol (0,9 kcal/mol)
maior do que a conformação anti, mesmo não tendo nenhuma interação de coincidência. Esta diferença de energia
é decorrente dos átomos de hidrogênio dos dois grupos metila estarem próximos uns dos outros na conformação
vici, o que resulta em tensão estérica. A tensão estérica é a interação repulsiva que ocorre quando os átomos se
aproximam mais que os seus raios atômicos permitem. É o resultado de tentativa de forçar dois átomos a ocuparem
o mesmo espaço físico.
O confôrmero D, no qual os grupos metila estão o mais distantes possível, é mais estável do que os outros
dois em oposição (B e F). O confôrmero em oposição mais estável (D) é chamado confôrmero anti, e os outros
dois confôrmeros em oposição (B e F) são chamados confôrmeros gauche ("goche"). (Anti é o termo grego para
"oposto de"; gauche é o termo francês para "esquerda".) No confôrmero anti, os substituintes maiores estão
opostos um ao outro; no gauche, estão adjacentes. Os dois confôrmeros gauche têm a mesma energia, mas os dois
são menos estáveis que o confôrmero anti. Os confôrmeros anti e gauche não têm a mesma energia devido à tensão
estérica. Tensão estérica é a tensão (isto é, a energia extra) em uma molécula quando os átomos ou grupos estão
tão próximos um do outro que resultam em repulsão entre as nuvens eletrônicas dos átomos ou grupos. Por
exemplo, há mais tensão estérica em um confôrmero gauche que em um anti porque os dois grupos metila estão
mais próximos no primeiro caso. Este tipo de tensão estérica é chamado interação gauche.

207
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Gráfico de energia potencial versus rotação da ligação C2 – C3 do butano. Um máximo de energia ocorre quando os
dois grupamentos metila estão em coincidência e um mínimo de energia ocorre quando os dois grupamentos metila
estão bem distantes entre si (anti)

208
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Interação entre os grupamentos metila no butano vici. A tensão estérica ocorre porque os dois grupamentos metila estão
muito perto um do outro.

Chegar-se a um máximo de energia quando o ângulo diedro entre os grupos metila se aproxima de 0º.
Apreciáveis tensão de torção e tensão estérica ocorrem porque agora os grupamentos metila se aproximam ainda
mais do que na conformação assimétrica. Estima-se um total de 19 kJ/mol (4,5 kcal/mol) de tensão de torção nesta
conformação, o que leva ao valor de 11 kJ/mol (2,5 kcal/mol) para a interação de coincidência metila-metila: a
diferença entre a tensão total (19 kJ/mol) e a tensão das duas interações de coincidência hidrogênio-hidrogênio (2
X 4,0 kcal/mol) é igual a 11 kJ/mol.

Após 0º, os confôrmeros obtidos por rotação são a imagem especular do que já vimos. Alcança-se uma outra
conformação vici, depois uma outra conformação em coincidência, e finalmente a conformação anti.
A ideia de se definir valores de energia para interações específicas em uma molécula é muito útil e voltaremos
a ela mais adiante neste capítulo. Um resumo do que vimos até aqui está na tabela 4.1.
Os mesmos princípios revelados para o butano aplicam-se ao pentano, ao hexano e a todos os alcanos
superiores. A conformação mais favorável de qualquer alcano é aquela em que as ligações carbono-carbono estão
em um arranjo em oposição, mantendo os substituintes de maior volume na situação anti, uns em relação aos
outros. A figura 4.7 mostra uma estrutura generalizada de alcano.
Para completar, é importante compreender que quando falamos que um determinado isômero conformacional
é “mais estável” do que outro, não queremos dizer que a molécula permanece na conformação mais estável. À
temperatura ambiente, o nível de energia térmica é suficiente para provocar a rotação rápida em torno das ligações
, estabelecendo-se o equilíbrio entre todos os isômeros conformacionais. Em um determinado instante, todavia,
encontraremos sempre uma porcentagem maior das moléculas nas conformações mais estáveis do que
conformações menos estáveis.

Tabela 7.1 Energia de interação em isômeros conformacionais de alcanos


Energia
Interação Causa (kJ/mol) (kcal/mol)
H  H em coincidência Tensão de torção 4,0 1,0
H  CH3 em coincidência Principalmente tensão de torção 6,0 1,4
CH3  CH3 em coincidência Tensão estérica e de torção 11 2,6
CH3  CH3 vici Tensão estérica 3,8 0,9

209
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

A conformação mais estável de um alcano é aquela em que todos os substituintes estão em oposição e as ligações
carbono-carbono estão em arranjo anti, conforme mostrado nesta estrutura do decano.

6.4. Conformação e Estabilidade dos Ciclo-alcanos: Teoria da Tensão de Baeyer

No fim do século XIX, os químicos já conheciam a existência das moléculas cíclicas, mas os limites do
tamanho dos anéis que podiam existir não estavam bem definidos. Conheciam-se numerosos compostos contendo
anéis menores ou maiores. Nenhum dos ciclo-propanos ou ciclo-butanos, por exemplo, era conhecido, apesar dos
muitos esforços para obtê-los.
Uma interpretação teórica dessa observação foi proposta no ano de 1885 por Adolf Von Baeyer. Este propôs
que, como o carbono prefere a geometria tetraédrica com ângulos de ligação de aproximadamente 109º, anéis
diferentes dos de cinco ou seis átomos poderiam der demasiadamente tensionados e, portanto, não existiriam.
Baeyer baseou sua hipótese na noção geométrica simples de que um anel de três átomos (ciclo-propano) teria de
ser um triângulo equilátero, com ângulos de ligação de 60º, um anel de quatro átomos (ciclo-butano) deveria ser
um quadrado, com ângulos de ligação de 90º, um anel de cinco átomos (ciclo-pentano) deveria ser um pentágono
regular, com ângulos de ligação de 108º, e assim por diante.
Segundo a análise de Baeyer, o ciclo-propano, com a distorção do ângulo de ligação sendo 109º – 60º = 49º,
deveria possuir muita tensão angular e, portanto, seria altamente reativo. O ciclo-butano (109º – 90º = 19º de
tensão angular) também seria reativo, mas o ciclo-pentano (109º – 108º = 1º de tensão angular) seria quase livre
de tensão, mas o ciclo-hexano (109º – 120º = – 11º de tensão angular) deveria ter alguma tensão, mas o ciclo-
heptano (109º – 128º = – 19º de tensão angular) e os ciclo-alcanos superiores teriam necessariamente ângulos de
ligações maiores. Seguindo essa linha de raciocínio, Baeyer propôs que os anéis muito grandes deveriam ter muita
tensão angular e não existiriam.

Embora haja alguma verdade na proposição de Baeyer quanto à tensão angular em anéis pequenos, ele
estava equivocado ao acreditar que anéis pequenos e anéis grandes fossem demasiadamente tensionados para
existir. Atualmente, anéis de todos os tamanhos, de 3 até 30 componentes e mesmo acima disto, podem ser
obtidos. O conceito de tensão angular, entretanto. A tensão induzida na molécula quando um ângulo de ligação
se deveria do valor tetraédrico ideal, é de grande utilidade.
Inicialmente os químicos observaram que substâncias encontradas na natureza geralmente tinham anéis
de cinco e seis membros. Substâncias com anéis de três e quatro membros foram encontradas com menor
frequência. Essa observação sugere que substâncias com anéis de cinco e seis membros sejam mais estáveis que
as substâncias com anéis de três e quatro membros. Em 1885, o químico alemão Adolf von Baeyer propôs que a
instabilidade de anéis com três e quatro membros deve-se à tensão angular. Sabemos que, ideal mente, um carbono
hibridizado em Sp3 tem ângulo de ligação de 109,5°. Baeyer sugeriu que a estabilidade de um cicloalcano pode
ser calculada pela determinação de quão próximo o ângulo de um cicloalcano está do ângulo de ligação tetraédrico
ideal de 109,5°. Os ângulos em um triângulo equilátero são de 60°. Os ângulos de ligação no ciclopropano,
portanto, são comprimidos de um ângulo de ligação ideal de 109,5° para 60°, um desvio de 49,5°. Tal desvio de
210
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ângulo de ligação de um ângulo ideal causa uma tensão chamada tensão angular. A tensão angular em um anel de
três membros pode ser observada ao se olhar para a sobreposição dos orbitais para formar as ligações  no
ciclopropano. Ligações  normais são formadas pela sobreposição de dois orbitais Sp 3 que apontam diretamente
um para o outro. No ciclopropano, a sobreposição dos orbitais não pode ser apontada diretamente um para o outro.
Portanto, ela é menos efetiva do que uma ligação C-C normal. Como os orbitais ligantes C-C no ciclopropano não
podem apontar diretamente um para o outro, eles têm um formato que lembra uma banana e, consequentemente,
são algumas vezes chamados ligações banana. Em adição à tensão angular, anéis de três membros também
possuem tensão torsional porque todas as ligações C-H adjacentes estão eclipsadas. Os ângulos de ligação em um
ciclobutano planar teriam de ser comprimidos de 109,5° para 90°, o ângulo associado com um anel planar de
quatro membros. Seria esperado que o ciclobutano planar tivesse menos tensão angular que o ciclopropano porque
os ângulos de ligação no ciclobutano estão distantes apenas 19,5° do ângulo de ligação ideal.

(a) sobreposição de orbitais Sp3 em uma ligação  normal. (b) Sobre posição de orbitais sp3 no
ciclopropano.

Baeyer previu que o ciclopentano seria o mais estável dos cicloalcanos porque os ângulos de ligação (l08°)
são próximos do ângulo tetraédrico ideal. Ele previu que o ciclo-hexano, com ângulos de 120°, seria menos estável
e que o aumento do número de lados em cicloa1canos diminuiria a estabilidade. Ao contrário do que Bayer previu,
o ciclo-hexano é mais estável que o ciclopentano; além disso, substâncias não se tornam cada vez menos estáveis
quando o número de lados aumenta. O erro que Baeyer cometeu foi presumir que todas as moléculas cíclicas são
planares. Como três pontos definem um plano, os carbonos do ciclopropano devem estar no plano. Os outros
cicloa1canos, entretanto, não são planares. Substâncias cíclicas se torcem e se curvam a fim de obter uma estrutura
que minimize os três tipos diferentes de tensão que podem desestabiJizar uma substância cíclica:

1. Tensão angular é a tensão induzida em uma molécula quando os ângulos de ligação são diferentes do
ângulo de ligação tetraédrico ideal de 109,5°.
2. Tensão torsional é causada pela repulsão entre os elétrons ligantes de um substituinte e os elétrons
ligantes de um substituinte próximo.
3. Tensão estérica é causada por átomos ou grupos de átomos muito aproximados uns dos outros.

Embora o ciclobutano planar tivesse menos tensão angular que o ciclopropano, ele poderia ter maior
tensão torsional porque possui oito pares de hidrogênios eclipsados, comparado com os seis pares do ciclopropano.
Assim, o ciclobutano não é uma molécula planar - é uma molécula inclinada. Um de seus grupos metileno é
inclinado a um ângulo em torno de 25° fora do plano definido pelos outros três átomos de carbono. Isso aumenta
a tensão angular, mas o aumento é compensado pelo decréscimo da tensão torsional como resultado de os
hidrogênios adjacentes não estarem eclipsados como estariam se estivessem em um anel planar. Se o ciclopentano
fosse planar, como Baeyer tinha previsto, ele essencialmente não teria tensão angular, mas dez pares de
hidrogênios eclipsados estariam sujeitos a tensão torsional considerável. O ciclopentano dobra, permitindo que os
211
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

hidrogênios fiquem quase em oposição. No processo, entretanto, ele adquire alguma tensão angular. A forma
dobrada do ciclopentano é chamada forma de envelope porque seu formato lembra um envelope retangular com
a aba levantada.

Representações do ciclopentano

6.5. Conformações do Ciclo-hexano

Os ciclo-hexanos substituídos são os ciclo-alcanos mais comuns na natureza. Um grande número de


compostos, incluindo muitos agentes farmacêuticos importantes, contém anéis de ciclo-hexano.
Ao contrário da concepção de Baeyer, o ciclo-hexano não é plano, e ocorre em conformações tridimensionais
que não têm tensão. Os ângulos C – C – C do ciclo-hexano podem assumir a configuração do tetraedro livre de
tensão, se o anel adotar a conformação em cadeira, assim chamada devido à sua semelhança com uma
espreguiçadeira — um encosto, um assento e um descanso para as pernas. Olhando qualquer ligação carbono-
carbono na projeção de Newman, é fácil verificar que o ciclo-hexano na conformação em cadeira não possui
tensão de torção: todas as ligações C – H adjacentes estão em oposição.

Conformação em cadeira, livre de tensão, do ciclo-hexano. Todos os ângulos de ligação C – C – C são iguais a 111,5º
(próximos ao valor ideal de 109,5º do tetraedro) e todas as ligações adjacentes C – H estão em oposição.

É importante lembrar que, quando se desenha o ciclo-hexano em cadeira, as ligações inferiores estão na
frente e as superiores atrás.

212
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

1. Desenhe duas linhas paralelas inclinadas para


baixo e levemente afastadas uma da outra. Isto
representa quatro dois seis átomos de carbono do
ciclo-hexano em um plano.
1. Posicione um quinto átomo de carbono acima e à
direita do plano dos outros quatro e completa as
ligações.
2. Posicione o sexto átomo de carbono abaixo e à
esquerda do plano dos quatro e complete as
ligações. Repare que as ligações do átomo de
carbono inferior são paralelas às ligações do
carbono elevado.

Como desenhar a conformação em cadeira do ciclo-hexano.

6.6. Ligações Axiais e Equatoriais no Ciclo-hexano

A conformação em cadeira do ciclo-hexano tem muitas consequências. Veremos que o comportamento


químico de muitos ciclo-hexanos substituídos é diretamente controlado por suas conformações. Outra
consequência da conformação em cadeira é a existência de duas posições diferentes para os átomos de hidrogênio
no anel: as posições axiais e as posições equatoriais. O ciclo-hexano em cadeira possui seis hidrogênios axiais
perpendiculares ao plano médio do anel (paralelos ao eixo do anel) e seis hidrogênios equatoriais, que estão no
plano médio do anel (em volta do equador do anel).

213
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Átomos de hidrogênio axiais e equatoriais do ciclo-hexano em cadeira. Os seis átomos de hidrogênio axiais são
paralelos ao eixo do anel, e os seis átomos de hidrogênio equatoriais se encontram no plano médio do anel.

Procedimento para desenhar as ligações axiais e equatoriais do ciclo-hexano em cadeira.

6.7. Mobilidade Conformacional do Ciclo-hexano

Como o ciclo-hexano tem dois tipos de posição, axial e equatorial, poderíamos esperar que existissem duas
formas isoméricas de um ciclo-hexano monossubstituído. No entanto, existe apenas um metil-ciclo-hexano, um
bromo-ciclo-hexano, um ciclo-hexano, etc., porque os anéis do ciclo-hexano são conformacionalmente móveis à
temperatura normal. As duas conformações em cadeira se interconvertem facilmente, resultando na troca de
posições axiais e equatoriais. Essa interconversão de conformações em cadeira, que costuma ser designada como
a inversão do anel, é apresentada na Figura a seguir. Os modelos moleculares mostram o processo com mais
clareza, por isso sugerimos que você pratique a inversão do anel utilizando modelos.

214
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

A inversão do anel do ciclo-hexano em cadeira interconverte as posições axiais e equatoriais.

Um ciclo-hexano na conformação em cadeira pode ser convertido na outra conformação em cadeira


conservando-se os quatro átomos de carbono do meio em seus respectivos lugares e dobrando-se os dois carbonos
das extremidades em sentidos opostos. O resultado é a interconversão das posições axiais e equatoriais. Um
substituinte axial em uma conformação em cadeira, e vice-versa. O metil-ciclo-hexano com o grupo metila axial
torna-se, por exemplo, metil-ciclo-hexano com o grupo metila equatorial. Como a barreira de energia para a
interconversão cadeira-cadeira é de cerca de 45 kJ/mol (10,8 kcal/mol) apenas, o processo é muito rápido à
temperatura normal. Assim, vemos somente o que parece ser uma única estrutura, e não os isômeros axial e
equatorial.
O ciclo-hexano rapidamente se interconverte entre duas conformações em cadeira estáveis por causa da
fácil rotação em torno das ligações carbono-carbono. Essa interconversão é conhecida como oscilação de anel
(Figura). Quando os dois confôrmeros em cadeira se interconvertem, as ligações que estão em equatorial em uma
cadeira se tornam axiais no outro confôrmero em cadeira, e vice-versa .

As ligações que são axiais em um confôrmero em cadeira estão em equatorial no outro confôrmero em
cadeira. As ligações que estão em equatorial em um confôrmero em cadeira estão em axial no outro.
O confôrmero em cadeira com um substituinte metila em posição equatorial é o confôrmero mais
estável porque um substituinte tem mais espaço e, portanto, menos interações estéricas quando está na
posição equatorial. Em outras palavras, as três ligações axiais no mesmo lado do anel estão paralelas
entre si; qualquer substituinte em axial estará relativamente perto do substituinte em axial no outro
carbono. Como as interações dos substituintes estão em posições relativas 1,3 umas das outras, tais
interações estéricas desfavoráveis são chamadas interações 1,3 diaxiais. Se tomarmos poucos minutos
para construir modelos, veremos que um substituinte tem mais espaço se estiver em posição equatorial
do que se estiver em posição axial.

215
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O ciclo-hexano também pode existir em uma conformação em bote, como mostrado na Figura a seguir.
Como o confôrmero em cadeira, o confôrmero em bote é livre de tensão angular. Entretanto, a conformação em
bote não é tão estável quanto a conformação em cadeira porque algumas das ligações no confôrmero em bote
estão eclipsadas, dando-lhe uma tensão torsional. Além disso, o confôrmero em bote é desestabilizado pela
proximidade dos hidrogênios-mastro (os hidrogênios na "proa" e na "popa" do bote), que causam tensão estérica.

Confôrmero em bote do ciclo-hexano, projeção de Newman do confôrmero em bote e modelo bola e


vareta mostrando que algumas ligações estão eclipsadas.

As conformações que o ciclo-hexano pode assumir quando interconverte de um confôrmero em cadeira


para o outro são mostradas na Figura a seguir. Para converter de um confôrmero em bote para o confôrmero em
cadeira, um carbono do topo do confôrmero em bote precisa ser puxado para baixo, tomando-se, então, o carbono
mais baixo. Quando o carbono é puxado para baixo apenas um pouco, um confôrmero bote torcido (ou bote
inclinado) é obtido. O confôrmero bote torcido é mais estável que o confôrmero em bote porque há menos formas
eclipsadas; consequentemente, menos tensão torsional, e os hidrogênios-mastro afastam-se uns dos outros,
aliviando assim um pouco a tensão estérica. Quando o carbono é puxado para baixo no ponto onde está no mesmo
plano dos lados do bote, é obtido um confôrmero muito instável, o confôrmero meia-cadeira. Puxando o carbono
um pouco mais para baixo, produz-se o confôrmero em cadeira. O gráfico na Figura mostra a energia de uma
molécula de ciclo-hexano quando se interconverte de um confôrmero em cadeira para outro; a barreira de
interconversão é de 12,1 kcal/mol (50,6 kJ/mol). A partir desse valor pode ser calculado que o ciclo-hexano sofre
105 viradas de anel por segundo à temperatura ambiente. Em outras palavras, os dois confôrmeros em cadeira
estão em rápido equilíbrio. Como os confôrmeros em cadeira são os mais estáveis, a qualquer instante mais
moléculas de ciclo-hexano estão em conformações em cadeira do que em qualquer outra conformação. Foi
calculado que, para cada mil moléculas de ciclo-hexano em uma conformação em cadeira, não mais que duas
moléculas estão na próxima conformação mais estável - a em bote torcido.

216
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Confôrmeros do ciclo-hexano - e suas energias relativas - como um confôrmero em cadeira se


interconvertendo no outro confôrmero em cadeira.

6.8. Conformações dos Ciclo-hexanos Monossubstituídos

Embora os anéis de ciclo-hexano se interconvertam rapidamente à temperatura normal, os dois isômeros


conformacionais de um ciclo-hexano monossubstituído não são igualmente estáveis. No metil-ciclo-hexano, por
exemplo, o isômero conformacional com o grupo metila equatorial é mais estável do que o axial por 8,0 kJ/mol
(1,8 kcal/mol). O mesmo ocorre para outros ciclo-hexanos monossubstituídos: o isômero com o substituinte
equatorial é quase sempre mais estável do que o isômero com o substituinte na posição axial.
A diferença de energia entre os isômeros conformacionais axial e equatorial é decorrente da tensão estérica
causada pelas chamadas interações 1,3-diaxiais. Isto é, o grupo metila axial no C1 está muito próximo dos
hidrogênios axiais dos carbonos em C3 e C5, resultado em 7,6 kJ/mol (1,8 kcal/mol) de tensão esférica.

Interconversão do metil-ciclo-hexano axial e equatorial, representada de diferentes modos. O isômero


conformacional com o grupo metila equatorial é mais estável do que o isômero conformacional com o grupo metila
axial por 7,6 kJ/mol.

217
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Um substituinte está em posição equatorial em um confôrmero em cadeira e em posição axial no outro. O


confôrmero com o substituinte em equatorial é mais estável.

6.9. Análise Conformacional dos Ciclo-hexanos Dissubstituídos

Os ciclo-hexanos monossubstituídos têm usualmente o substituinte na posição equatorial. Nos ciclo-hexanos


dissubstituídos, a situação é um pouco mais complexa porque precisam ser considerados os efeitos estéricos de
ambos os substituintes. Antes de decidir qual é a conformação favorecida, é necessário analisar todas as interações
esféricas em todas as conformações em cadeira possíveis.
Se houver dois substituintes em um anel ciclo-hexano, ambos os substituintes precisam ser levados em
consideração na determinação de qual dos dois confôrmeros em cadeira será mais estável. Vamos iniciar
observando o l,4-dimetilciclohexano. Inicialmente, observe que existem dois dimetilciclo-hexanos diferentes. Um
tem os dois grupos metila do mesmo lado do anel ciclo-hexano; ele é chamado isômero cis (cis vem do latim e
quer dizer "neste lado"). O outro tem os dois grupos metila em lados opostos do anel; é chamado isômero trans
(trans vem do latim e quer dizer "transversal"). Cis-1,4-dimetilciclo-hexano e trans-1,4-dimetilciclo-hexano são
chamados isômeros geométricos ou Isômeros cis-trans:Eles têm os mesmos átomos, que são ligados na mesma
ordem, mas diferem no arranjo espacial dos átomos

Primeiro vamos determinar qual dos dois confôrmeros em cadeira do cis-l,4-dimetilciclo-hexano é mais
estável. Um dos confôrmeros tem um grupo metila na posição equatorial e outro grupo metila na posição axial. O
outro confôrmero em cadeira também tem um grupo metila na posição equatorial e o outro na posição axial.
Portanto, ambos os confôrmeros em cadeira são igualmente estáveis.

218
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

No entanto, os dois confôrmeros em cadeira do trans-l,4-dimetilciclo-hexano têm estabilidades diferentes


porque em um os dois grupos metila estão em posição equatorial e no outro, em posição axial.

O confôrmero em cadeira com os dois substituintes nas


posições axiais tem quatro interações 1,3 diaxiais, levando-o a ser
aproximadamente 4 X 0,9 kcal/mol = 3,6 kcal/mol (15,1 kJ/mol)
menos estável que o confôrmero com os dois grupos substituintes
nas posições equatoriais. Podemos, portanto, presumir que o
trans-l,4-dimetilciclo-hexano existirá quase inteiramente na
conformação diequatorial mais estável.

Agora observemos os isômeros geométricos do l-terc-butil-3-metilciclo-hexano. Ambos os substituintes


do isômero cis estão em posições equatoriais em um confôrmero e em axiais no outro. O confôrmero com ambos
os substituintes na posição equatorial é mais estável.

Os dois confôrmeros do isômero trans têm um substituinte na posição equatorial e outro na posição axial.
Como o grupo terc-butila é maior que o grupo metila, as interações 1,3 diaxiais serão mais fortes quando o grupo
terc-butila estiver na posição axial. Dessa forma, o confôrmero com o grupo terc-butila na posição equatorial será
mais estável.

219
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Vejamos o caso do 1,2-dietil-ciclo-hexano. Existem dois isômeros, o cis-1,2-dietil-ciclo-hexano e o trans-


1,2-dietil-ciclo-hexano, que não se interconvertem facilmente e precisam ser considerados separadamente. No
isômero cis, ambos os grupos metila estão do mesmo lado do anel, e o composto pode existir em qualquer das
duas conformações em cadeira apresentada na Figura.(Frequentemente é mais fácil verificar se um composto é
cis- ou trans-dissubstituído desenhando o anel em uma representação plana e depois convertendo-o parar uma
conformação em cadeira).

Conformações do cis- e do trans-1,2-dietil-ciclo-hexano. No isômero cis, as duas conformações em cadeira têm a mesma
energia porque cada uma possui um grupo metila axial e um grupo metila equatorial. No isômero trans, a conformação
com ambos os grupos metila equatoriais é favorecida por 11,4 kJ/mol (2,7 kcal/mol) em relação à conformação com
ambos os grupos metila axiais.

6.10. Ciclo-hexano em Bote

Além do ciclo-hexano em cadeira, uma segunda conformação, denominada ciclo-hexano em bote, é também
livre de tensão angular. Até aqui não havíamos prestado nenhuma atenção a ela por que a conformação em bote é
menos estável do que a conformação em cadeira.
O ciclo-hexano em bote é aproximadamente 29 kJ/mol (7,0 kcal/mol) menos estável do que o ciclo-hexano
em cadeira, embora este valor possa ser reduzido para cerca de 23 kJ/mol (5,5 kcal/mol) por leve torção que atenua
a tensão de torção. Porém, mesmo a conformação em bote torcido é muito mais tensionada do que a conformação
em cadeira, e as moléculas adotam esta geometria apenas em circunstâncias especiais.

Conformação em bote do ciclo-hexano. Nesta conformação existem tensão estérica e tensão de torção, mas não existe
tensão angular.

220
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

6.11. Conformações das Moléculas Policíclicas

Um último ponto que devemos considerar na estereoquímica dos ciclo-alcanos é o que acontece quando dois
ou mais anéis de ciclo-alcanos se fundem para formar uma molécula policíclica — por exemplo, a decalina:

A decalina tem dois anéis de ciclo-hexano que compartilham dois átomos de carbono (os carbonos da ponte
C1 e C6). A decalina pode existir nas duas formas isoméricas, dependendo da fusão dos anéis, trans ou cis. Na
trans-decalina, os átomos de hidrogênio dos carbonos da cabeça da ponte estão em lados opostos dos anéis; na
cis-decalina, os hidrogênios da cabeça da ponte estão do mesmo lado. A Figura a seguir mostra a representação
dos dois compostos com as conformações dos ciclo-hexanos em cadeira. Observe que a trans- e a cis-decalina não
se interconvertem. Elas são estereoisômeros cis-trans e têm o mesmo relacionamento do cis e do trans-1,2-dietil-
ciclo-hexano.
O norbornano ou biciclo [2.2.1]-heptano é outro sistema comum com anéis fundidos. Como a decalina, o
norbornano é um biciclo-alcano, assim chamado porque para se gerar uma estrutura aberta dois anéis devem ser
quebrados. Seu nome sistemático, biciclo [2.2.1]-heptano, exprime o fato de que a molécula é bicíclica, possui
sete carbonos e três pontes de 2, 2 e 1 átomos de carbono, respectivamente, ligando os dois carbonos da cabeça
de ponte.

Representações da trans- e da cis-decalina. Os átomos de hidrogênio dos carbonos das cabeças de ponte do isômero cis
estão do mesmo lado e no isômero trans, em lados opostos.

221
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

O norbornano tem um anel de ciclo-hexano em bote com os carbonos 1 e 4 unidos por uma ponte –CH2–. Ao
desenhar a estrutura, repare que a ligação que está atrás de uma outra é assinalada por uma interrupção no traçado
da linha. O uso de um modelo molecular é especialmente útil para se entender a estrutura tridimensional do
norbornano.

222
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ISOMERIA CONFORMACIONAL
Exercício de Aprendizagem
01. Construa um gráfico de energia potencial versus ângulo de rotação da ligação carbono-carbono para o propano,
dando valores para os máximos de energia.
02. Considere o 2-metil-propano (isobutano). Observando com atenção a ligação C2 – C1:
(a) Desenhe a projeção de Newman da conformação mais estável.
(b) Desenhe a projeção de Newman da conformação menos estável.
(c) Faça um gráfico de energia versus ângulo de rotação em torno da ligação C2 – C1.
(d) Como uma interação de coincidência hidrogênio-hidrogênio “custa” 4,0 kJ/mol e uma interação de
coincidência hidrogênio-metila 6,0 kJ/mol, dê valores de energia aos máximos e mínimos de seu gráfico.

03. Desenhe o 1,1-dimetil-ciclo-hexano, indicando o grupamento metila axial e o equatorial.


04. Desenhe as duas conformações em cadeira diferentes do bromo-ciclo-hexano, mostrando todos os átomos de
hidrogênio. Identifique cada substituinte como axial ou equatorial.
05. Qual é a conformação mais estável do cis-1-terc-butil-4-cloro-ciclo-hexano e por quanto de energia ela é
favorecida?
06. Quais são as energias relativas das três conformações em oposição (alternadas) possíveis em torno da ligação
C2–C3 no 2,3-dimetil-butano?

07. Construa um diagrama qualitativo de energia potencial para a rotação em torno da ligação C–C do 1,2-
dibromo-etano. Qual é a conformação mais estável? Rotule as conformações anti e vici do 1,2-dibromo-etano.

08. Desenhe um anel de ciclo-hexano em cadeira e rotule as posições como axiais ou equatoriais.

09. Por que um ciclo-hexano 1,3-cis-dissubstituído é mais estável do que o seu isômero trans?

10. Por que um ciclo-hexano 1,2-trans-dissubstituído é mais estável do que o seu isômero cis?

223
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ISOMERIA CONFORMACIONAL
Exercício de Fixação
01) Desenhe o 1,2,3,4,5,6-hexametilciclo-hexano com:
a) todos os grupos na posição axial;
b) todos os grupos na posição equatorial;

02) Determine se cada uma das substâncias seguintes é cis ou trans:

a) H H e) H

Cl Br
Cl CH3

H
b) Br f) H

H Cl
H3C CH3

H H
c) H g) H
H CH3
CH3 CH3
Br H

03) Responda o que se pede:


a) Desenhe o confôrmero em cadeia mais estável do cis-1-etil-2-metil-ciclo-hexano.
b) Desenhe o confôrmero mais estável do trans-1-etil-2-metilciclo-hexano.
c) Qual é mais estável, cis-1-etil-2-metil-ciclo-hexano ou trans-1-etil-2-metilciclo-hexano?

04) para cada um dos ciclo-hexanos dissubstituídos, indique quando os substituintes nos dois confôrmeros em
cadeira estiverem ambos na posição equatorial em um confôrmero em cadeira ou ambos em axial no outro ou
um em equatorial e o outro em axial em cada um dos confôrmeros em cadeira:
a) cis-1,2- c) cis-1,3- e) cis-1,4-
b) trans-1,2- d) trans-1,3 f) trans1,4-

05) Qual dos seguintes confôrmeros tem a maior energia?

CH3 CH3

Cl CH3
Cl Cl
C
A B

224
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

MÓDULO 07
Acidez e Basicidade de Compostos Orgânicos

7.1. Acidez e Basicidade em Compostos Orgânicos


Considerando-se que quase todas as reações químicas, exceto as iônicas (em solução aquosa), envolvem
ruptura e formação de novas ligações por envolvimento de elétrons, podemos afirmar, dentro dos conceitos
modernos, que “toda a reação química é do tipo ácido – base”.
Conceitos Fundamentais:
I. Arrenhius:

Ácidos: São substâncias que em solução aquosa, liberam íons [H]+ (prótons).

Nota: Os íons H+, por serem muito pequenos e de elevada carga, se encontram solvatados (hidratados),
associando-se às diversas moléculas de água, para formar espécies, como [ H 3O+; H5O2+; H7O3+; H9O4+ etc.]. São
unidades poliméricas de, pelo menos, uma molécula de água na espécie [H 3O+; hidrônio ou hidroxônio].
Exemplos:

Bases: São substâncias que; em solução aquosa, liberam íons hidroxilas [OH]–.

Notas: As hidroxilas dissociáveis encontram-se na forma de íons (ânions) atraídas pelos íons (cátions) metálicos.
No caso das bases iônicas, ocorre uma dissociação, enquanto nos ácidos preferimos chamar de ionização, uma
vez que estes são moleculares.

Exemplos:

II. Bronsted — Lowry:

Ácidos: São substâncias moleculares ou (entidades iônicas) que em qualquer reação química doam prótons.

Bases: São substâncias moleculares ou (entidades iônicas) que em qualquer reação química recebem prótons.

225
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Exemplos:

Notas:
– No conceito de Bronsted-Lowry, a’ alia-se a força do ácido e da base pela capacidade que a espécie química
tem de transferência de prótons.
– A seta em duplo sentido indica um equilíbrio químico. em que se pode destacar a força do ácido ou da base,
sendo que os pares ácido-base de membros diferentes da equação denominam-se de “conjugados”.

Regra Geral:
“Ácido forte apresenta base conjugada fraca e ácido fraco apresenta base conjugada forte e vice-versa”.

Em 1923. G. N. Lewis propôs novas definições para os termos “ácido” e “base”. Ele definiu um ácido como
uma espécie que aceita um par de elétrons e uma base como urna espécie que doa um par de elétrons. Todos os
ácidos doadores de prótons se enquadram na definição de Lewis porque perdem um próton e o próton aceita um
par de elétrons.

Base de Lewis: tem par, vai doar.


Ácido de Lewis: precisa de par de elétrons

A definição de Lewis de ácidos é muito mais abrangente que a de Bronsted-Lowry porque não é limitada a
substâncias que doam prótons. De acordo com a definição de Levis, substâncias como cloreto de alumínio (AlCl3),
trifluoreto de boro (BF3) e borano (BH3) são ácidos porque têm orbitais de valência incompletos e podem aceitar
um par de elétrons. Essas substâncias reagem com uma substância que tem pares de elétrons livres como um
próton reage com a amônia, mas elas não são doadoras de prótons. Assim, a definição de Lewis de ácido inclui
todos os ácidos doadores de prótons e alguns ácidos adicionais que não têm prótons. Em todo este texto, o termo
“ácido” é usado para significar ácidos doadores de próton, e o termo ácido de Lewis é usado para se referir aos
ácidos não doadores de prótons como AlCl3 ou BF3. Todas as bases são bases de Lewis porque têm um par de
elétrons que podem compartilhar ou com um átomo como alumínio ou boro ou com um próton.

226
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Força Ácido – Base

– No conceito de Arrenhius, a força de um ácido ou de uma base pode ser avaliada normalmente, pelo seu
grau de dissociação α representado por:
1 a 5% ácido fraco 
d d  número de partículas dissociadas  
   5 a 50% ácido moderado 
D D = número de partículas dissolvidas  > 50% ácido forte 
 

– No conceito de Bronsted – Lowry, a força de um ácido H – X pode ser calculada pelo seu grau de equilíbrio,
de acordo com a expressão:

“A concentração de água, em grade excesso em relação às partículas, é considerada constante”.


Assim:
“Quanto maior o valor de Ka, mais forte será o ácido”

– Da mesma forma, para uma base MOH, temos:

Assim:
“Quanto maior o valor de K b, mais forte será a base”

– Como os valores de Ka e de Kb são muito pequenos (potências negativas de 10), usam-se como definições:

227
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

pK a   log10  K a e pK b   log10  K b

Logo:

“Quanto menor o valor numérico de pK a, tanto mais forte será o ácido e, quanto menor o valor
numérico de pK b, mais forte será a base”

Exemplos:

Fatores que Determinam a Acidez:

1. A natureza de ligação H – X em função da eletronegatividade.


2. Efeitos que estabilizam X– em relação à HX, tornando o conjugado uma base fraca.

Exemplo 1:

Exemplo 2:

228
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

“A estabilidade da espécie X, por dispersão de carga, torna a base de Bronsted-Lowry conjugada mais
fraca, portanto o ácido será mais forte”.

– As moléculas, cujas estruturas de ressonância se apresentam com separação de cargas e têm seus ânions X –
estabilizados com estruturas canônicas de mesma energia, dissociam-se mais facilmente.

Exemplo 3:

– Ácido Fórmico

Exemplo 4:
– Fenol

229
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

I I

– O metanóico é mais ácido que o fenol, porque os dois átomos de oxigênio acomodam melhor a carga negativa
que os átomos de carbono do anel benzeno.
De uma maneira geral, temos:

O efeito indutivo negativo (-Is):


- Aumenta a polaridade da ligação O-H, facilitando a saída do próton H+;
- Aumenta a afinidade eletrônica do oxigênio, facilitando a saída do próton H+;
- Diminui a densidade eletrônica do oxigênio, aumentando a estabilidade da base conjugada e portanto aumentado
a acidez.

Exemplo 5:

230
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

+Is

R O H “ efeitoindutivo
indutivoretirador
doador aumenta
diminui aa acidez”
"efeito acidez"

+Is H ; Me ; Et ; Prop ; i-Prop


O
R C
OH

O efeito indutivo negativo (+Is):


- Diminui a polaridade da ligação O-H, dificultando a saída do próton H+;
- Diminui a afinidade eletrônica do oxigênio, dificultando a saída do próton H +;
- Aumenta a densidade eletrônica do oxigênio, diminuindo a estabilidade da base conjugada e portanto diminuindo
a acidez.

Exemplo 6:

1º Caso:

Álcool – Água – Fenol

- O efeito indutivo doador [+Is] dos grupos alquílicos nos álcoois é maior que o do hidrogênio na água, o que
diminui a polaridade da ligação O — H. No fenol, o efeito mesômero retirador [-M] do grupo fenil facilita a saída
do H+ e estabiliza o ânion, dispersando a sua carga. Os ânions R – O– não apresentam dispersão de carga negativa
sobre os carbonos saturados sp3, portanto são bases conjugadas mais fortes.

2º Caso
Hidrocarbonetos:

Exemplo 1:

231
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

- Quanto maior o caráter s, mais estável é a base conjugada e maior será a acidez. Elétrons s são em média menos
energéticos que elétrons p. sp(50% de caráter s); sp2(33,3% de caráter s); sp3(25% de caráter s).
É como se os átomos de carbono do etino fossem mais eletronegativos que os átomos de carbono do etano;

Exemplo 2:

– Nos ânions aromáticos, ocorre deslocalização da carga negativa no anel benzeno e quanto maior for o número
de estruturas de ressonância, maior a estabilidade da espécie conjugada X –.

3° Caso:

Ácidos Carboxílicos:
a) Alifáticos:

Exemplo 1:

– O efeito indutivo doador [+ Is] dos grupos alquílicos maiores diminui a polaridade da ligação O – H, dificultando
a saída do próton e, em relação à base conjugada do ânion X–, a disponibilidade eletrônica é aumentada no átomo
de oxigênio o que favorece a recombinação do próton.
232
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Em geral, ácidos monocarboxílicos alifáticos saturados diminuem a acidez com um maior número átomos de
carbono, embora nem sempre haja regularidade, pois outros fatores, tais como efeitos estérico ou do solvente,
também podem influenciar.

Exemplo 2:

– O efeito indutivo retirador [–Is] do cloro atrai os elétrons das ligações do carbono, estendendo-se, até a carboxila,
o que aumenta a polaridade da ligação O – H, portando facilitando a saída do próton. Em relação
à base conjugada X–, sua força será menor, à medida que a disponibilidade dos elétrons for diminuída.

Exemplo 3:
– Um grupo mais fortemente retirador tal como o flúor, tornará ainda, o ácido mais forte.

“Grupos substituintes retiradores [–Is] aumentam a acidez dos ácidos, monocarboxílicos saturados,
enquanto os grupos substituintes doadores [+Is] provocam a diminuição da acidez”

Exemplo 4:

– Nos ácidos di-carboxílicos, cada carboxila compete no efeito retirador para aumentar a acidez, o que se pode
observar, à medida que elas se aproximam como no ácido oxálico.
– Em geral, os ácidos di-carboxílicos alifáticos e saturados são tanto mais fracos, quanto maior for o seu número
de átomos de carbono, embora estas diferenças ‘tendam a desaparecer, quando a distância entre as carboxilas vai
ficando maior. Como nos di-ácidos comuns, normalmente a segunda dissociação é mais fraca que a primeira.

– Entretanto, a força de um ácido pode variar da primeira para segunda dissociação, quando pontes de hidrogênio
são formadas e estabilizam o ânion intermediário, após a saída do primeiro hidrogênio.

233
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Na 1ª etapa de ionização a base conjugada é mais estável, pois ocorre a formação de ligações de hidrogênio
intramoleculares;
A 2ª etapa de ionização fica dificultada, pois a ponte de hidrogênio intramolecular dificulta a saída do próton H+;
b) Aromáticos:

– O fenil bem como carbonos insaturados são grupos retiradores e, têm capacidade de atrair os elétrons da
carboxila e estabilizar o ânion por ressonância, para deixar a base conjugada mais fraca. Este efeito pode ser
aumentado ou diminuído pela presença de outros grupos substituintes doadores ou receptores, no anel benzeno.
– O mesmo fato ocorrerá com os fenóis:
Assim:

– Os efeitos dos grupos substituintes em posições orto; meta e para influem também na força ácida de fenóis e
ácidos carboxílicos aromáticos.

234
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

– O efeito do substituinte na posição orto é reforçado pelo maior efeito indutivo retirador do nitrogênio, que
provoca mais acidez, porém decresce à medida que se distancia da carboxila. Nas posições orto e para, o efeito
mesômero contribui para o maior número de estruturas de ressonância que na posição meta. Em alguns casos,
corno no ácido salicílico, este efeito é ainda mais pronunciado, pois há possibilidade de. formação de pontes de
hidrogênio.

Fatores que Determinam a Basicidade:


a) A disponibilidade da carga negativa ou do par eletrônico não ligante (Base de Lewis).
b) A capacitação para receber prótons no acoplamento (Base de Bronsted - Lowry).

Exemplo 1:

– O efeito indutivo doador [+Is] cresce do hidrogênio para o maior radical alquílico, aumentando a disponibilidade
dos elétrons do nitrogênio, tomando as aminas primárias alifáticas mais básicas que a amônia.
– Em geral, quanto maior for a cadeia de uma amina primária saturada, maior sua basicidade, embora este aumento
se tome pouco significativo, à medida que o efeito indutivo perde a força.

Exemplo 2:

– Para as aminas ramificadas, os grupos metílicos favorecem o aumento da densidade eletrônica (base de Lewis),
no entanto o efeito estérico dos grupos maiores dificulta a captação do próton (base de Bronsted-Lowry), tomando
as aminas terciárias mais fracas. Este fato, também, pode ser explicado pelo baixo grau de solvatação do cátion [

235
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

R3N --- H2O]+ em água, cujas pontes de hidrogênio provocam a estabilização do cátion. Quanto mais átomos de
hidrogênio, maior a solvatação com pontes de hidrogênio e, portanto, maior a basicidade.

Nota:
– Em solventes não aquosos, tais como clorobenzeno, DMSO. a ordem de basicidade crescente é estabelecida.

R-NH2 R2NH R3 N

Aminas Alifáticas – Amidas:


Exemplo 1:

– Mesmo que o carbono seja um átomo menos eletronegativo do que o cloro para atrair elétrons do nitrogênio,b
grupo vinila é um forte retirador por efeito mesômero [–M], deslocando os elétrons π; enquanto o cloro atrai
elétrons por efeito indutivo [–Is] e o grupo etil repele por efeito indutivo [+Is].

– A mesma situação ocorre com as amidas, o que as toma menos básicas que as aminas com mesmo número
de átomos de carbono.

236
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

Aminas Aromáticas:

– O grupo fenila assim como a ligação dupla ou a carbonila, atraem elétrons do nitrogênio da amina, tomando-a
menos básica. A introdução de grupos substituintes no anel aumenta ou diminui a basicidade da amina, conforme
os efeitos indutivo, mesomérico ou estérico.

– Assim praticamente não têm caráter básico as aminas:

237
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ACIDEZ E BASICIDADE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS


Exercícios Propostos

01. a. Qual é o ácido mais forte?

b. Qual é o ácido mais forte?

02. Para cada uma das substâncias seguintes, indique qual é o ácido mais forte:
a. CH3OCH2CH2OH ou CH3CH2CH2CH2OH
 
b. CH 3CH 2 CH 2 N H 3 ou CH 3CH 2 CH 2 O H 2
c. CH3OCH2CH2CH2OH ou CH3CH2OCH2CH2OH

d.

03. Liste as substâncias a seguir em ordem decrescente de acidez:

04. Para cada uma das substâncias a seguir, indique qual é a base mais forte:

a. c.

b. d.
O O
CH3CCH2CH2O- ou CH3CH2CCH2O-

05. a. Quais dos íons haleto (F–, Cl–, Br– e I–) é a base mais forte?
b. Qual é a base mais fraca?

06. Coloque os compostos de cada item em ordem crescente de acidez. Justifique cada caso.

238
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

OH OH OH

a) I) II) III)

NO2
Me
COOH COOH COOH

b) I) II) NO2 III)

NO2
OH OH OH

c) I) II) III) O2N NO2

O Me NO2 NO2
07. Coloque os compostos de cada item em ordem crescente de basicidade. Justifique cada caso.
NH2 NH2 NH2

a) I) II) III)

O CH3
NO2
NH2 NH2 NH2

O CH3
b) I) II) III)
O CH3

O CH3
08. (Cesgranrio)

239
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

De acordo com a teoria Ácido - base de Bronsted Lowry, "ácido é toda substância capaz de ceder prótons (H®)". Assim, na
série de compostos orgânicos acima, a sequência correta em ordem decrescente de acidez é:
a) I > II > III > IV b) II > I > IV> III c) III > IV > I > II
d) IV > III > I > II e) IV > III > II > I

240
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

ACIDEZ E BASICIDADE DE COMPOSTOS


ORGÂNICOS
Exercícios de Fixação

1. (Uel 2014) Os efeitos especiais do isoeugenol


presente na noz-moscada são conhecidos desde a
antiga China. É notória a importância que essa Em relação à acidez e a basicidade relativa dos
molécula exerceu no comércio e na construção e hidrocarbonetos e de seus íons, e CORRETO o que
destruição de cidades. se afirma em
a) Os prótons do etano, H , são os de menor
acidez.
b) O etino é o hidrocarboneto de menor acidez.
c) O íon carbânio do eteno é o de maior basicidade.
d) O ânion H2C  CH é a base conjugada do etino.

4. (Ita) Considere os seguintes ácidos:

I. CH3COOH.
II. CH3CH2COOH.
III. CH2ClCH2COOH.
Sobre essa molécula, atribua V (verdadeiro) ou F IV. CHCl2CH2COOH.
(falso) às afirmativas a seguir.
V. CCl3CH2COOH.
( ) A molécula apresenta estrutura alicíclica Assinale a opção que contém a sequência
insaturada. CORRETA para a ordem crescente de caráter ácido:
( ) Apresenta 2 carbonos primários, 7 carbonos a) I < II < III < IV < V.
secundários e 1 carbono terciário. b) II < I < III < IV < V.
( ) É uma estrutura com grupos funcionais c) II < I < V < IV < III.
compostos. d) III < IV < V < II < I.
( ) O grupo funcional hidroxila é caracterizado e) V < IV < III < II < I.
como álcool.
( ) Segundo o conceito ácido-base de Arrhenius, 5. (Pucmg) Os ácidos orgânicos
essa molécula apresenta caráter básico.
(1) CH3COOH,
Assinale a alternativa que contém, de cima para
(2) CH2ClCOOH,
baixo, a sequência correta.
a) V – F – V – V – F. (3) CHCl2COOH,
b) V – F – F – F – V.
c) F – V – V – F – F. (4) CH3CH2CH2COOH,
d) F – V – F – V – V. (5) CCl3COOH
e) F – F – V – V – F.
têm a ordem decrescente de acidez indicada pelos
2. (Uerj 2014) Os ácidos carboxílicos e os fenóis números:
são substâncias orgânicas com caráter ácido. a) 3, 5, 2, 4, 1
Apesar de os ácidos carboxílicos possuírem, em b) 5, 3, 2, 1, 4
c) 2, 3, 5, 1, 4
geral, valores de pKa menores que os dos fenóis, o
ácido benzoico apresenta pKa igual a 4,21, d) 1, 3, 5, 2, 4
e) 4, 1, 3, 5, 2
enquanto o 2,4,6-trinitrofenol apresenta pKa igual a
0,38.
Escreva a fórmula estrutural deste fenol e justifique 6. (Pucmg) Considerando os ácidos CH2ClCOOH,
sua acidez superior à do ácido benzoico.
CHCl2COOH, CCl3COOH, CH3COOH, CF3COOH,
3. (Unimontes 2014) Considere as estruturas dos o mais fraco e o mais forte são respectivamente:
hidrocarbonetos e os seus respectivos pKas.
a) CH2ClCOOH e CH3COOH
b) CH3COOH e CCl3COOH
c) CCl3COOH e CHCl2COOH
241
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

d) CH3COOH e CF3COOH b) I
c) F
e) CCl3COOH e CF3COOH
d) CH3

7. (Pucsp) Os frascos A, B, C e D apresentam 10. (Ufes) Considere os ácidos


SOLUÇÕES AQUOSAS das substâncias a seguir.
Assinale a alternativa que apresenta corretamente o
pH dessas soluções.
I – Cl3C-CO2H
II – CH3-CO2H
III – CH3-CH2-CH2-CO2H
IV – HCO2H
A opção que representa corretamente a ordem
crescente de acidez é:
a) I, III, IV, II.
b) I, IV, II. III.
c) III, II, IV, I.
d) III, I, II, IV.
e) IV, II, III, I.

11. (Ufes) Um ácido carboxílico será tanto mais


8. (Uerj) Uma indústria química tem como despejo forte, quanto mais estável for sua base conjugada
industrial as substância abaixo numeradas: (carboxilato). A base conjugada é normalmente
estabilizada pela presença de grupos retiradores de
I) CH3-COOH elétrons adjacentes à carbonila, que tendem a
reduzir, por efeito indutivo, a densidade de carga
II) CH3-CH2-OH sobre o grupo carboxilato. Baseado nessas
III) CH3-CH2 – NH2 afirmações, assinale a alternativa que apresenta o
ácido mais forte:
IV) CH3-CONH2
Para processar um tratamento adequado a este a) CH3COOH
despejo, a fim de evitar uma agressão ao meio b) ClCH2COOH
ambiente, foram necessários vários tipos de
tratamento. A primeira substância tratada foi a de c) ClCH2CH2COOH
caráter básico mais acentuado, que corresponde à d) Cl2CHCOOH
de número:
a) I e) HCOOH
b) II
c) III 12. (Uff) Considere os compostos:
d) IV I - Éter etílico
II - Fenol
9. (Uerj) Os ácidos orgânicos, comparados aos III - n-Propanol
inorgânicos, são bem mais fracos. No entanto, a Marque a opção que apresenta os compostos
presença de um grupo substituinte, ligado ao átomo indicados em ordem crescente de acidez.
de carbono, provoca um efeito sobre a acidez da a) I, III, II
substância, devido a uma maior ou menor ionização. b) II, I, III
Considere uma substância representada pela c) III, II, I
estrutura a seguir: d) I, II, III
e) III, I, II

13. (Ufmg) Considere as substâncias fenol, ácido


acético, ácido benzóico e cloreto de metilamônio.
Em relação a essas substâncias e a suas soluções
aquosas de mesma concentração em mol/L, todas
Essa substância estará mais ionizada em um as alternativas estão corretas, EXCETO
solvente apropriado quando X representar o a) A solução de cloreto de metilamônio tem pH
seguinte grupo substituinte: menor do que sete.
a) H
242
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

b) O ácido acético reage com carbonatos ( ) O mais polar é o composto (2).


produzindo gás carbônico. ( ) O composto (1) é mais solúvel em solventes
c) O ácido benzóico é um composto aromático. apolares.
d) O fenol é uma base segundo a teoria de ( ) Os compostos (2) e (3) são polares.
Arrhenius. ( ) Nenhum deles é polar porque o anel benzênico
e) O pH da solução de fenol é maior do que o da é perfeitamente simétrico nos três casos.
solução de ácido acético.
17. (Ufpe) Ácidos orgânicos são utilizados na
14. (Ufpe) Identifique cada afirmativa como indústria química e de alimentos, como
verdadeira ou falsa: conservantes, por exemplo. Considere os seguintes
( ) As aminas primárias alifáticas são mais básicas ácidos orgânicos:
que as aromáticas.
( ) Os fenóis são mais ácidos do que os álcoois.
( ) O álcool etílico tem ponto de ebulição mais
elevado que o éter dimetílico.
( ) A reação característica dos alcenos é de
eliminação.
( ) O ácido cloroacético apresenta menor acidez
que o ácido acético.

15. (Ufpe) Ácido acético e ácido trifluoroacético


apresentam as seguintes fórmulas estruturais

A ordem crescente de acidez destes compostos em


água é:
Ambos os ácidos carboxílicos são solúveis em água. a) I < II < III
Sobre estes compostos podemos afirmar: b) II < I < III
( ) os dois ácidos liberam íons em solução aquosa. c) III < II < I
( ) o grau de dissociação iônica do ácido acético é d) II < III < I
100%. e) I < III < II
( ) o ácido acético é mais forte que o ácido
trifluoroacético. 18. (Ufpe) Analisando a tabela a seguir, com valores
( ) o grupo CF3 influencia na acidez do grupo de constantes de basicidade, Kb, a 25 °C para
carboxílico. diversas bases, podemos afirmar que:
( ) o ácido trifluoroacético tem massa molar
superior ao ácido acético.

16. (Ufpe) Existem três diferentes diclorobenzenos,


C6H4Cl‚ dependendo da localização dos átomos de
cloro:

a) a amônia é uma base mais fraca que o hidróxido


de zinco.
b) a anilina é a base mais forte.
c) a piridina e a amônia têm a mesma força básica.
d) a dimetilamina é a base mais forte.
e) a anilina é mais básica que a piridina.

19. (Ufrrj) O odor característico de peixe resulta da


liberação de metilamina, que é uma base orgânica.
Sobre estes compostos pode-se dizer: Na cozinha é comum o uso
( ) Todos têm o mesmo momento de dipolo, pois
sua composição química é a mesma.

243
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

de limão para minimizar esse odor, o que se e) alcanos, álcoois e fenóis.


fundamenta na reação de neutralização da amina,
devido ao pH ácido do suco do limão 22. (Ufsm) Relacione as substâncias da coluna A
com os valores de Ka na coluna B.
COLUNA A
1 . Ácido 4-nitro-benzóico
2. Ácido benzóico
3. 4-nitro-tolueno
4. Fenol
5. 4-metil-fenol
6. 4-metil-tolueno
COLUNA B
Utilizando o critério de basicidade dos compostos (A) 1,3 x 10-10
orgânicos nitrogenados, ao colocarmos as
substâncias anteriores em ordem decrescente de (B) 6,5 x 10-11
basicidade, obteremos a seguinte ordenação para (C) 6,3 x 10-5
os compostos:
a) II, III, I. (D) 3,8 x 10-4
b) I, II, III.
c) lI, I, III. A relação correta é
d) III, Il, l. a) 1 D, 2C, 4A, 5B.
e) I, III, II. b) 2B, 1A, 3C, 6D.
c) 4A, 6B, 1C, 5D.
20. (Ufrs) Na tabela a seguir, são apresentados os d) 1C, 2D, 3A, 6B.
pontos de fusão, os pontos de ebulição e as e) 2B, 1D, 4C, 3A.
constantes de ionização de alguns ácidos
carboxílicos. 23. (Unifesp) Ácidos carboxílicos e fenóis originam
soluções ácidas quando dissolvidos em água.
Dadas as fórmulas moleculares de 5 substâncias

I. C2H6O
II. C2H4O2
III. CH2O
IV. C6H6O
A respeito dessa tabela, são feitas as seguintes V. C6H12O6
afirmações.
I - O ácido propanóico é um sólido à temperatura as duas que originam soluções com pH < 7, quando
ambiente. dissolvidas na água, são:
II - O ácido acético é mais forte que o ácido fórmico. a) I e II.
III - O ácido metanóico apresenta menor ponto de b) I e IV.
ebulição devido a sua menor massa molecular. c) II e IV.
Quais estão corretas? d) II e V.
a) Apenas I. e) III e IV.
b) Apenas II.
c) Apenas III. 24. (Unirio) Os ácidos carboxílicos são compostos
d) Apenas I e III. orgânicos que apresentam o mais pronunciado
e) Apenas II e III. caráter ácido, muito embora sejam considerados
ácidos fracos. Quando em solução aquosa, liberam
21. (Ufscar) O caráter ácido dos compostos íon hidrônio ou hidroxônio, como a reação a seguir:
orgânicos difere bastante um dos outros. Uma
comparação da acidez pode ser feita por meio das
estruturas e das constantes de ionização, Ka. Os
valores das constantes ao redor de 10-42, 10-18 e
10-10 podem ser atribuídos, respectivamente, a
a) fenóis, álcoois e alcanos. Dos ácidos a seguir, o que apresenta mais
b) fenóis, alcanos e álcoois. acentuado caráter ácido, isto é, mais forte, é o:
c) álcoois, fenóis e alcanos. a) benzóico.
d) alcanos, fenóis e álcoois. b) propanóico.
244
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

c) ’ cloro butanóico. aromático, o que facilita somente a liberação do íon


d) monocloro acético. H+, o que caracterizaria como um composto ácido.
e) – iodo pentanóico.
Resposta da questão 2:
25. (Unirio) O vinagre é uma mistura de vários Fórmula estrutural do 2,4,6-trinitrofenol
ingredientes, sendo o ácido etanóico o principal
componente. A única substância que tem um caráter
ácido maior do que o ácido etanóico é:

O pKa indica a força do ácido, ou seja, quanto menor


for seu valor, maior é a acidez do composto. No
geral, os ácidos carboxílicos apresentam valores de
pKa inferiores aos dos fenóis.
GABARITO Nesse caso, esse comportamento pode ser
explicado pelo fato do fenol, possuir em sua
Resposta da questão 1: estrutura química três grupos nitro (–NO2), que por
[C] ser um grupo muito eletronegativo, possuem forte
efeito de atrair elétrons, o que facilita a ionização do
[Falsa] Trata-se de uma cadeia carbônica mista e fenol. Grupos que produzem esse efeito são
insaturada. chamados de desativadores do anela aromático.
A presença de 3 grupos nitro na molécula facilita a
[Verdadeira] Carbono primário está ligado apenas a ionização da substância, aumentando a acidez do
um carbono, sendo o carbono do éter também composto.
considerado primário ou nulário. Carbono Assim, pKa = – log Ka
secundário está ligado a 2 átomos de carbono e o Então, quanto menor o valor de pKa, maior o valor
terciário a 3 átomos de carbono. Observe a molécula de Ka e, consequentemente, maior a acidez da
com os carbonos assinalados: espécie química.

Resposta da questão 3:
[A]

[A] Correta. Quanto maior o valor de pKa menor será


a acidez do composto.
[B] Incorreta. Pelo valor de pKa o etino possui a
maior acidez entre os 3 compostos.
[C] Incorreta. Como o hidrocarboneto de menor
acidez é o etano, seu íon carbânion será o de
maior basicidade.
[D] Incorreta. O ânion HC  C , será a base
conjugada do etino.

4. [B]
[Verdadeira] Possui as funções fenol e éter. 5. [B]

[Falsa] A hidroxila ligada diretamente ao anel 6. [D]


aromático caracteriza um fenol. 7. [D]

[Falsa] O conceito de Arrhenius é valido somente em 8. [C]


meio aquoso, pois a base segundo esse cientista 9. [C]
libera o íon OH-, nesse caso o oxigênio desse
composto é estabilizado pela ressonância do anel 10. [C]

245
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com
Curso de Química – Prof. Alexandre Oliveira

11. [D] 19. [E]


12. [A] 20. [C]
13. [D] 21. [E]
14. V V V F F 22. [A]
15. V F F V V 23. [C]
16. F V V V F 24. [D]
17. [D] 25. [E]
18. [D]

246
www.cursoanualdequimica.com.br e-mail: alexandrequimica.ce@gmail.com

Você também pode gostar