Você está na página 1de 14

Computação em nuvem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Computação em nuvem (em inglês,


cloud computing), é um termo
coloquial para a disponibilidade sob
demanda de recursos do sistema de
computador, especialmente
armazenamento de dados e capacidade
de computação, sem o gerenciamento
ativo direto do utilizador. O termo
geralmente é usado para descrever
centros de dados disponíveis para
muitos utilizadores pela Internet.
Nuvens em grande escala,
predominantes hoje em dia, geralmente
têm funções distribuídas em vários
locais dos servidores centrais. Se a
conexão com o utilizador for
relativamente próxima, pode ser
designado um servidor de borda.

O armazenamento de dados é feito em


serviços que poderão ser acedidos de A nuvem (cloud) é o nome genérico dado à computação em
qualquer lugar do mundo, a qualquer servidores disponíveis na Internet a partir de diferentes
hora, não havendo necessidade de provedores.
instalação de programas ou de
armazenar dados. O acesso a programas, serviços e arquivos é remoto, através da Internet - daí a
alusão à nuvem[1]. O uso desse modelo (ambiente) é mais viável do que o uso de unidades físicas[2].

Num sistema operacional disponível na Internet, a partir de qualquer computador e em qualquer


lugar, pode-se ter acesso a informações, arquivos e programas num sistema único, independente de
plataforma. O requisito mínimo é um computador compatível com os recursos disponíveis na
Internet. O PC torna-se apenas um chip ligado à Internet — a "grande nuvem" de computadores —
sendo necessários somente os dispositivos de entrada (teclado, rato/mouse) e saída (monitor).

Índice
Corrida pela tecnologia
Modelos de serviço
Serviços oferecidos
Característica de computação em nuvem
Modelo de implantação
Nuvem privada
Nuvem pública
Nuvem híbrida
Outros
Nuvem comunitária
Nuvem HPC
Multicloud
Nuvem de BigData
Nuvem Distribuída
Arquitetura
Arquitetura de Nuvem
Engenharia de Nuvem
Vantagens
Desvantagens
Gerenciamento da segurança da informação na nuvem
Revelações da Vigilância pela NSA
Dúvidas
Sistemas atuais
No Brasil
Ver também
Referências
Ligações externas

Corrida pela tecnologia


Empresas como Amazon, Oracle, Google, IBM e Microsoft foram as primeiras a iniciar uma grande
ofensiva nessa nuvem de informação ("information cloud"), que especialistas consideram uma
"nova fronteira da era digital". Aos poucos, essa tecnologia vai deixando de ser utilizada apenas em
laboratórios para ingressar nas empresas e, em breve, em computadores domésticos.

O primeiro serviço na Internet a oferecer um ambiente operacional para os utilizadores —


antigamente, disponível no endereço www.webos.org — foi criado por um estudante sueco, Fredrik
Malmer, utilizando as linguagens XHTML e Javascript.

Em 1999, foi criada nos EUA a empresa WebOS Inc., que comprou os direitos do sistema de Fredrik e
licenciou uma série de tecnologias desenvolvidas nas universidades do Texas, Califórnia e Duke.

Modelos de serviço
Atualmente, a computação em nuvem é dividida em dez tipos:

IaaS - "Infrastructure as a Service" ou Infraestrutura como Serviço (em português): refere-se a


serviços online que fornecem APIs de alto nível usadas para desreferenciar vários detalhes de
baixo nível da infraestrutura de rede subjacente, como recursos de computação física,
localização, particionamento de dados, dimensionamento, segurança, backup etc. Executa as
máquinas virtuais como convidados. "Pools" de "hipervisores" dentro do sistema operacional de
nuvem podem suportar um grande número de máquinas virtuais e a capacidade de escalonar os
serviços de acordo com os diferentes requisitos dos clientes. Os contentores Linux são
executados em partições isoladas de um único kernel do Linux em execução diretamente no
hardware físico. "Cgroups" e "namespaces" do Linux são as tecnologias subjacentes do kernel
do Linux usadas para isolar, proteger e gerenciar os contentores. A contentorização oferece
i d h d i t li ã ã há b d "hi i " Alé di
maior desempenho do que virtualização, porque não há sobrecarga de "hipervisor". Além disso,
a capacidade do contentor é dimensionada automaticamente de maneira dinâmica com a carga

computacional, o que elimina o problema de provisionamento excessivo e permite o


facturamento baseado em uso.[3] As nuvens de IaaS geralmente oferecem recursos adicionais,
como uma biblioteca de imagem de disco de máquina virtual, armazenamento bruto de bloco,
armazenamento de arquivos ou objetos, firewalls, balanceadores de carga, endereços IP, VLANs
(redes locais virtuais) e pacotes de software.[4] Os provedores de nuvem IaaS fornecem esses
recursos sob demanda a partir de seus grandes pools de equipamentos instalados nos
datacenters. Para conectividade de área ampla , os clientes podem usar a Internet ou as nuvens
da operadora (redes privadas virtuais dedicadas). Para implantar seus aplicativos, os utilizadores
da nuvem instalam imagens do sistema operacional e seu software de aplicativo na infraestrutura
de nuvem. Nesse modelo, o utilizador da nuvem corrige e mantém os sistemas operacionais e o
software do aplicativo. Provedores de nuvem geralmente cobram serviços IaaS em uma base de
computação utilitária: o custo reflete a quantidade de recursos alocados e consumidos;
PaaS - "Plataform as a Service" ou Plataforma como Serviço (em português): dá aos
desenvolvedores as ferramentas necessárias para criar e hospedar aplicativos Web. A PaaS foi
desenvolvida para proporcionar aos utilizadores o acesso aos componentes necessários para
desenvolver e operar rapidamente aplicativos Web ou móveis na Internet, sem se preocupar com
a configuração ou gerenciamento da infraestrutura subjacente dos servidores, armazenamento,
redes e bancos de dados. (p.ex.: IBM Bluemix, Windows Azure e Jelastic)[5]. A definição do
NIST de computação em nuvem define Plataforma como um serviço como[6]: A capacidade
oferecida ao consumidor é implementar na infraestrutura em nuvem os aplicativos criados ou
adquiridos ou controlados pelo consumidor criados usando linguagens de programação,
bibliotecas, serviços e ferramentas suportados pelo provedor. O consumidor não controla a
infraestrutura de nuvem subjacente, incluindo rede, servidores, sistemas operacionais ou
armazenamento, mas tem controle sobre os aplicativos implantados e possivelmente
configurações para o ambiente de hospedagem de aplicativos;
DaaS - "Desktop as a Service" ou Área de trabalho como serviço (em português): O desktop
como serviço (DaaS) é uma solução de computação em nuvem na qual a infraestrutura de
desktop virtual é terceirizada para um provedor terceirizado. A funcionalidade DaaS conta com o
desktop virtual, que é uma sessão controlada pelo utilizador ou uma máquina dedicada que
transforma serviços de nuvem sob demanda para utilizadores e organizações em todo o mundo.
Esse é um modelo eficiente no qual o provedor de serviços controla todas as responsabilidades
de back-end que normalmente seriam fornecidas pelo software aplicativo. Desktop como um
serviço também é conhecido como desktop virtual ou serviços de desktop hospedados. O DaaS
facilita o gerenciamento de vários tipos de recursos de computadores, incluindo desktops,
laptops, unidades de mão e thin clients. O DaaS usa execução distribuída ou execução remota,
dependendo do tipo de implementação. O DaaS é uma alternativa econômica para soluções de
TI convencionais e é usado por organizações e empresas que exigem altos níveis de
desempenho e disponibilidade. Além disso, o DaaS serve como uma solução ideal para
pequenas organizações com recursos limitados[7];
SaaS - "Software as a Service" ou Software como Serviço (em português): O software como
um serviço oferece um produto completo, executado e gerenciado pelo provedor de serviços. Na
maioria dos casos, as pessoas que se referem ao software como um serviço estão se referindo
às aplicações de utilizador final. Com uma oferta de SaaS, não é necessário pensar sobre como
o serviço é mantido ou como a infraestrutura subjacente é gerenciada, você só precisa pensar
em como usará este tipo específico de software.(p.ex.: Google Docs , Microsoft SharePoint
Online)[8];
CaaS - "Comunicativo as a Service" ou Comunicação como Serviço (em português): uso de
uma solução de Comunicação Unificada hospedada em Data Center do provedor ou fabricante
(p.ex.: Microsoft Lync);
XaaS - "Everything as a Service" ou Tudo como Serviço (em português): quando se utiliza tudo,
infraestrutura, plataformas, software, suporte, enfim, o que envolve T.I.C. (Tecnologia da
Informação e Comunicação) como um Serviço. Tudo como um serviço oferece a flexibilidade
para que utilizadores e empresas personalizem seus ambientes de computação para criar as
experiências que desejam tudo sob demanda O XaaS é dependente de uma forte plataforma de
experiências que desejam, tudo sob demanda. O XaaS é dependente de uma forte plataforma de
serviços em nuvem e conectividade confiável à Internet para ganhar com sucesso tração e
aceitação entre indivíduos e empresas[9];
DBaas - "Data Base as a Service" ou Banco de dados como Serviço (em português): O nome
já deixa claro que essa modalidade é direcionada ao fornecimento de serviços para
armazenamento e acesso de volumes de dados. A vantagem aqui é que o detentor da aplicação
conta com maior flexibilidade para expandir o banco de dados, compartilhar as informações com
outros sistemas, facilitar o acesso remoto por utilizadores autorizados, entre outros[10];
SECaaS - "Security as a Service" - ou Segurança como Serviço (em português): é um modelo
de negócio, onde o provedor de serviço integra serviços de segurança em uma infraestrutura
corporativa por meio mais eficiente do que indivíduos ou corporações podem prover por si
próprias - quando o custo total de posse é considerado[11];
FaaS - "Function as a Service" - ou Função como Serviço (em português): é uma chamada de
procedimento remoto hospedada em serviço que aproveita a computação sem servidor para
permitir a implementação de funções individuais na nuvem que são executadas em resposta a
eventos.[12] O FaaS está incluído no termo mais amplo computação sem servidor, mas os termos
também podem ser usados de forma intercambiável[13];
MBaaS - "Mobile Back-End as a Service" - ou Back-End móvel como Serviço (em português):
também conhecido como Back-End como um Serviço (BaaS), os desenvolvedores de
aplicativos móveis e de aplicativos web são providos com uma maneira de vincular seus
aplicativos a serviços de armazenamento em nuvem e computação em nuvem com Interface de
programação de aplicações (APIs) expostas às suas aplicações e Kit de desenvolvimento de
software personalizado (SDK). Os serviços incluem gerenciamento de utilizadores, notificações
por push, integração com serviços de redes sociais[14], entre outros. Esse é um modelo
relativamente recente na computação em nuvem[15], com a maioria das startups de BaaS
datadas de 2011 ou posteriores[16][17][18], mas as tendências indicam que esses serviços estão
ganhando tração significativa junto aos consumidores corporativos[19].

Serviços oferecidos
Os seguintes serviços atualmente são oferecidos por empresas:

Servidor Cloud
Hospedagem de Sites em Cloud
Load Balancer em Cloud
Email em Cloud
Processador de texto

Característica de computação em nuvem


A definição de computação em nuvem do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia identifica "cinco
características essenciais":

Auto atendimento sob demanda - Um consumidor pode utilizar unilateralmente recursos de


computação, como tempo de servidor e armazenamento de rede, conforme necessário,
automaticamente, sem exigir interação humana com cada provedor de serviços;

Amplo acesso à rede - Os recursos estão disponíveis na rede e são acedidos por meio de
mecanismos padrão que promovem o uso por plataformas heterogêneas (por exemplo, telefones
celulares, tablets, notebooks e estações de trabalho);
Pool de recursos - Os recursos de computação do provedor são agrupados para atender a
vários consumidores usando um modelo de multilocação, com diferentes recursos físicos e
virtuais atribuídos e reatribuídos dinamicamente de acordo com a demanda do consumidor;
Elasticidade rápida - Os recursos podem ser provisionados e liberados elasticamente, em
alguns casos automaticamente, para escalar rapidamente para fora e para dentro de acordo com
a demanda. Para o consumidor, os recursos disponíveis para utilização muitas vezes parecem
ilimitados e podem ser apropriados em qualquer quantidade e a qualquer momento;
Serviço medido - Os sistemas em nuvem controlam e otimizam automaticamente o uso de
recursos aproveitando um recurso de medição em algum nível de abstração apropriado ao tipo
de serviço (por exemplo, armazenamento, processamento, largura de banda e contas de
utilizador ativas). O uso de recursos pode ser monitorado, controlado e relatado, fornecendo
transparência tanto para o provedor quanto para o consumidor do serviço utilizado.

Modelo de implantação
A adoção de sistemas Cloud Computing dependem das características tecnológicas e do modo como
os utilizadores percebem a utilidade da Cloud. Por exemplo se os sistemas Cloud forem fáceis de usar
e se acrescentarem utilidade aos utilizadores finais, estes tendem a usar sistemas Cloud[20]. Para
auxiliar na decisão do utilizador final na escolha do modelo Cloud, o utilizador deverá identificar a
adequação da infraestrutura tecnológica, deverá mensurar os custos e o retorno desse investimento,
bem como identificar as medidas de controle de integridade de informação, a usabilidade da
informação e dos sistemas. Neste contexto, importa ainda identificar as medidas de confiabilidade e
segurança e integridade dos sistemas da informação e dos dados[21]. Dependemos das necessidades
das aplicações que serão implementadas no modelo de implantação[22]. A restrição ou abertura de
acesso depende do processo de negócios, do tipo de informação e do nível de visão desejado.
Percebemos que certas organizações não desejam que todos os utilizadores possam aceder e utilizar
determinados recursos no seu ambiente de computação em nuvem. Segue abaixo a divisão dos
diferentes tipos de implantação:

Nuvem privada

As nuvens privadas são aquelas construídas exclusivamente para um único utilizador (uma empresa,
por exemplo). Diferentemente de um data center privado virtual, a infraestrutura utilizada pertence
ao utilizador, e, portanto, ele possui total controle sobre como as aplicações são implementadas na
nuvem. Uma nuvem privada é, em geral, construída sobre um data center privado.

Segundo Veras, a nuvem privada é uma infraestrutura em nuvem operada exclusivamente para uma
única organização, e quase sempre operada pela própria organização ou por terceiros e hospedada
interna ou externamente. Realizar um projeto de nuvem privada requer engajamento significativo
para virtualizar o ambiente de negócios e exige que a organização reavalie as decisões sobre os
recursos existentes. Pode melhorar os negócios, mas cada etapa do projeto levanta questões de
segurança que devem ser abordadas para evitar vulnerabilidades sérias[23].

A hospedagem interna é bastante interessante, quando o controle dos dados é algo muito crítico,
nesses casos, hospedar através de algum provedor, não é uma solução interessante, devido a perda do
controle do armazenamento das informações.

Nuvem pública

Uma nuvem é chamada de "nuvem pública" quando os serviços são disponibilizados em uma rede
aberta para uso público. Os serviços de nuvem pública podem ser gratuitos[24]. Tecnicamente, pode
haver pouca ou nenhuma diferença entre a arquitetura de nuvem pública e privada, entretanto, a
consideração de segurança pode ser substancialmente diferente para serviços (aplicativos,
armazenamento e outros recursos) disponibilizados por um provedor de serviços para uma base de
usuários pública e quando a comunicação é efetuada através de uma rede não confiável. Geralmente,
usuários pública e quando a comunicação é efetuada através de uma rede não confiável. Geralmente,
os provedores de serviços de nuvem pública, como o Amazon Web Services (AWS), a Oracle, a
Microsoft e o Google, possuem e operam a infraestrutura em seu data center e o acesso é geralmente
feito pela Internet. A AWS, Oracle, Microsoft e Google também oferecem serviços de conexão direta
chamados "AWS Direct Connect", "Oracle FastConnect", "Azure ExpressRoute" e "Cloud
Interconnect" respectivamente. Essas conexões exigem que os clientes comprem ou concedam uma
conexão privada a um ponto de "peering" oferecido pelo provedor de nuvem[25][26].

Nuvem híbrida

Nas nuvens híbridas temos uma composição dos serviços disponibilizados por nuvens públicas,
privadas e de terceiros com orquestração entre essas plataformas[27]. Elas permitem que uma nuvem
privada possa ter seus recursos acedidos a partir de uma reserva de recursos em uma nuvem pública.
Essa característica possui a vantagem de manter os níveis de serviço mesmo que haja flutuações
rápidas na necessidade dos recursos. A conexão entre as nuvens pública e privada pode ser usada até
mesmo em tarefas periódicas que são mais facilmente implementadas nas nuvens públicas, por
exemplo. O termo computação em ondas é, em geral, utilizado quando se refere às nuvens híbridas.

Outros

Nuvem comunitária

A nuvem comunitária é de uso exclusivo para específicas comunidades de consumidores de


organizações com interesses compartilhados (Requerimentos de segurança, política, considerações de
compliance, entre outros). Ela pode ser gerenciada por uma ou mais organizações na comunidade,
por terceiros, ou por alguma combinação entre eles, e podem ser hospedadas tanto internamente ou
externamente. Seu custo por utilizadores é maior a Nuvem pública (porém, menor do que na Nuvem
privada), então apenas alguns recursos de menor custo da computação em nuvem podem ser
aplicados[28].

Nuvem HPC

Nuvem HPC se refere ao uso dos serviços e infraestrutura da computação em nuvem para executar
aplicações de alta performance (em inglês, High Performance Computing Cloud ou HPC Cloud)[29].
Essas aplicações consomem uma porção considerável de poder de computação e de memória, e são
tradicionalmente aglomerados de computadores. Vários vendedores oferecem servidores que
suportam a execução dessas aplicações[30][31][32][33]. Em nuvem HPC, o modelo de implantação
permite que todos os recursos de HPC estejam dentro da infraestrutura do provedor da nuvem ou em
diferentes porções de recursos HPC a serem compartilhados entre o provedor e o cliente no local em
que a infraestrutura se encontra. A implementação de nuvem para rodar aplicações de alta
performance (HPC applications) começou majoritariamente para aplicações compostas de tarefas
independentes, sem "Inter-process Communication" (IPC). Conforme os provedores de nuvens
começaram a oferecer tecnologias de rede de alta velocidade, como a InfiniBand (https://en.wikipedi
a.org/wiki/InfiniBand), aplicações com multiprocessamento totalmente acopladas começaram a se
beneficiar dos serviços de nuvem também.

Multicloud

O Multicloud é o uso de vários serviços de computação em nuvem em uma única arquitetura


heterogênea para reduzir a dependência de fornecedores individuais, aumentar a flexibilidade por
meio de opções, mitigar desastres etc. Diferencia-se da nuvem híbrida em se referir a vários serviços
em nuvem, em vez de várias implantações modos (público, privado, legado)[34][35][36].
em nuvem, em vez de várias implantações modos (público, privado, legado) .

Nuvem de BigData

Os problemas para transferir grandes quantidades de dados para a nuvem, assim como segurança
desses dados uma vez que esses dados estão na nuvem inicialmente dificultaram a implementação de
nuvem para Big Data, mas agora que muitos dados se originam na nuvem e com o advento dos
servidores "bare-metal", a nuvem se tornou[37] uma solução para usada para diversos casos,
incluindo análise de negócios ("business analytics") e análises geoespaciais ("geospatial analysis")[38].

Nuvem Distribuída

Uma plataforma de computação em nuvem pode ser montada por máquinas distribuídas em
diferentes locais, conectadas a uma rede ou a um serviço de hub. Existem dois tipos de nuvem
distribuída: computação com recursos públicos ("public-resource computing") e nuvem voluntária
("volunteer cloud").

Computação com recursos públicos: Este tipo de nuvem distribuída é resultado de uma extensa
definição de computação em nuvem, porque eles são mais semelhantes à nuvem distribuída do
que à computação em nuvem. De qualquer forma, esta é considerada uma subclasse da
computação em nuvem, e alguns exemplos incluem plataforma distribuídas de computação
como: BOINC e Folding@Home;
Nuvem voluntária: Esta é caracterizada como a interseção entre nuvem distribuída e computação
em nuvem, onde a infraestrutura da computação em nuvem é construída utilizando recursos
voluntários. Muitos desafios surgem por conta deste tipo de infraestrutura, por causa da
volatilidade dos recursos usados para a construção e por conta do ambiente dinâmico em que
opera. Esta também pode ser chamada de nuvens de pessoa para pessoa ("peer-to-peer
cloud"), ou nuvens "ad-hoc". A Cloud@Home é uma iniciativa interessante nessa direção, ela
tem como objetivo implementar uma infraestrutura de computação em nuvem utilizando recursos
voluntários provendo um modelo de negócios que incentiva contribuições através de restituição
financeira.[39]

Arquitetura

Arquitetura de Nuvem

Arquitetura de nuvem,[40] os sistemas de arquitetura dos


sistemas de software envolvidos na entrega da computação em
nuvem, tipicamente envolvem múltiplos componentes de nuvem
comunicando-se entre si através de um mecanismo de
acoplamento solto, como uma fila de mensagens. O fornecimento
elástico implica inteligência no uso de acoplamento rígido ou
solto aplicado a mecanismos como esses e outros.

Cloud computing sample


Engenharia de Nuvem architecture

Engenharia de nuvem é a aplicação de disciplinas de engenharia


à computação em nuvem. Tal acarreta uma abordagem sistemática para as preocupações de alto nível
de comercialização, padronização e governança na concessão, desenvolvimento, operação e
manutenção de sistemas de computação em nuvem. É um método multidisciplinar que engloba
contribuições de diversas áreas, como sistemas, software, web, desempenho, informação, segurança,
plataforma, risco e engenharia de qualidade.
plataforma, risco e engenharia de qualidade.

Vantagens
A maior vantagem da computação em nuvem é a possibilidade de utilizar softwares sem que estes
estejam instalados no computador. Mas há outras vantagens:[41]

Na maioria das vezes o utilizador não precisa se preocupar com o sistema operacional e
hardware que está usando em seu computador pessoal, podendo aceder os seus dados na
"nuvem computacional" independentemente disso;
As atualizações dos softwares são feitas de forma automática, sem necessidade de intervenção
do utilizador;
O trabalho corporativo e o compartilhamento de arquivos se tornam mais fáceis, uma vez que
todas as informações se encontram no mesmo "lugar", ou seja, na "nuvem computacional";
Os softwares e os dados podem ser acedidos em qualquer lugar, basta apenas que haja acesso
à Internet, não são mais restritos ao ambiente local de computação, nem dependem da
sincronização de mídias removíveis;
O utilizador tem um melhor controle de gastos ao usar aplicativos, pois a maioria dos sistemas
de computação em nuvem fornece aplicações gratuitamente e, quando não gratuitas, são pagas
somente pelo tempo de utilização dos recursos, paga pelo que consome[42]; Não é necessário
pagar por uma licença integral de uso de software;
Diminui a necessidade de manutenção da infraestrutura física de redes locais cliente/servidor,
bem como da instalação dos softwares nos computadores corporativos, pois esta fica a cargo do
provedor do software em nuvem, bastando que os computadores clientes tenham acesso à
Internet;
A infraestrutura necessária para uma solução de computação em nuvem é bem mais enxuta do
que uma solução tradicional de hospedagem ou alojamento, consumindo menos energia,
refrigeração e espaço físico e consequentemente contribuindo para a preservação e o uso
racional dos recursos naturais.

Desvantagens
A maior desvantagem da computação em nuvem vem fora do propósito desta, que é o acesso à
internet. Caso você perca o acesso, comprometerá todos os sistemas embarcados.

Velocidade de processamento: caso seja necessário uma grande taxa de transferência, se a


internet não tiver uma boa banda, o sistema pode ser comprometido. Um exemplo típico é com
mídias digitais ou jogos;
Assim como todo tipo de serviço, ele é custeado.

Gerenciamento da segurança da informação na nuvem


Sete princípios de segurança em uma rede em nuvem[43]:

Acesso privilegiado de utilizador - A sensibilidade de informações (https://www.serpro.gov.br/l


gpd/menu/protecao-de-dados/dados-sensiveis-lgpd) confidenciais nas empresas obriga um
controle de acesso dos utilizadores e informação bem específica de quem terá privilégio de
administrador, para que então esse administrador controle os acessos;
Compliance com regulamentação - As empresas são responsáveis pela segurança,
integridade e a confidencialidade de seus próprios dados. Os fornecedores de computação em
nuvem devem estar preparados para auditorias externas e certificações de segurança;
Localização dos dados - A empresa que usa cloud provavelmente não sabe exatamente onde
os dados estão armazenados, talvez nem o país onde as informações estão guardadas. O
fornecedor deve estar disposto a se comprometer a armazenar e a processar dados em

jurisdições específicas, assumindo um compromisso em contrato de obedecer os requerimentos


de privacidade que o país de origem da empresa pede;
Segregação dos dados - Geralmente uma empresa divide um ambiente com dados de diversos
clientes. Procure entender o que é feito para a separação de dados, que tipo de criptografia é
segura o suficiente para o funcionamento correto da aplicação;
Recuperação dos dados - O fornecedor em cloud deve saber onde estão os dados da empresa
e o que acontece para recuperação de dados em caso de catástrofe. Qualquer aplicação que
não replica os dados e a infraestrutura em diversas localidades está vulnerável a falha completa.
Importante ter um plano de recuperação completa e um tempo estimado para tal;
Apoio à investigação - A auditabilidade de atividades ilegais pode se tornar impossível na
computação em nuvem uma vez que há uma variação de servidores conforme o tempo onde
estão localizados os acessos e os dados dos utilizadores. Importante obter um compromisso
contratual com a empresa fornecedora do serviço e uma evidência de sucesso no passado para
esse tipo de investigação;
Viabilidade em longo prazo - No mundo ideal, o seu fornecedor de computação em nuvem
jamais vai falir ou ser adquirido por uma empresa maior. A empresa precisa garantir que os seus
dados estarão disponíveis caso o fornecedor de computação em nuvem deixe de existir ou seja
migrado para uma empresa maior. Importante haver um plano de recuperação de dados e o
formato para que possa ser utilizado em uma aplicação substituta.

Revelações da Vigilância
pela NSA
Em outubro de 2013 a imprensa publicou, com
base nos documentos revelados por Edward
Snowden, que através do Programa
MUSCULAR, o GCHQ britânico e a NSA
secretamente invadiram os principais enlaces
de comunicação dos centros de processamento
de dados do Yahoo! e do Google ao redor do
mundo, tendo acesso aos dados da nuvem de
ambos[45].
Desenho entre os documentos - Nuvem do Google com a
Um dos slides de uma apresentação da NSA face sorrindo ironicamente que irritou aos engenheiros do
sobre o programa mostra como este funciona e Google[44]
apresenta um rosto com um sorriso indicando
o sucesso da NSA em invadir os sistemas alvo.
Em palestra em abril de 2014, o jornalista Barton Gellman disse que quando os engenheiros do
Google viram o slide, responderam furiosamente ao ataque ao sistema do Google. Foi também este
slide um dos fatores importantes em convencer o jornal Washington Post da necessidade e
importância de publicar os documentos revelados por Edward Snowden[46].

Dúvidas
Arquitetura em nuvem é muito mais que apenas um conjunto (embora massivo) de servidores
interligados. Requer uma infraestrutura de gerenciamento desse grande fluxo de dados que incluem
funções para aprovisionamento e compartilhamento de recursos computacionais, equilíbrio dinâmico
do workload e monitoração do desempenho.

Embora a novidade venha ganhando espaço, ainda é cedo para dizer se dará certo ou não. Os
arquivos são guardados na web e os programas colocados na nuvem computacional - e não nos
arquivos são guardados na web e os programas colocados na nuvem computacional e não nos
computadores em si - são gratuitos e acessíveis de qualquer lugar. Mas a ideia de que 'tudo é de todos
e ninguém é de ninguém' nem sempre é algo bem visto.
O fator mais crítico é a segurança, considerando que os dados ficam “online” o tempo todo.

Sistemas atuais
Os sistemas operacionais para Internet mais utilizados são:

Google Chrome OS: Desenvolvido pela Google, já incorporado nos Chromebooks, disponíveis
desde 15 de junho de 2011. Trabalha com uma interface diferente, semelhante ao do Google
Chrome, em que todas as aplicações ou arquivos são salvos na nuvem e sincronizados com sua
conta do Google, sem necessidade de salvá-los no computador, já que o HD dos dois modelos
de Chromebooks anunciados contam com apenas 16gb de HD[47];
Joli Os: desenvolvido por Tariq Krim, o ambiente de trabalho chamado jolicloud usa tanto
aplicativos em nuvem quanto aplicativos offline, baseado no ubuntu notebook remix, já tem
suporte a vários navegadores como Google Chrome, Safari, Firefox, e está sendo desenvolvido
para funcionar no android;
YouOS: desenvolvido pela empresa WebShaka, cria um ambiente de trabalho inspirado nos
sistemas operacionais modernos e utiliza a linguagem Javascript para executar as operações.
Ele possui um recurso semelhante à hibernação no MS-Windows XP, em que o utilizador pode
salvar a área de trabalho com a configuração corrente, sair do sistema e recuperar a mesma
configuração posteriormente. Esse sistema também permite o compartilhamento de arquivos
entre os utilizadores. Além disso, possui uma API para o desenvolvimento de novos aplicativos,
sendo que já existe uma lista de mais de 700 programas disponíveis. Fechado pelos
desenvolvedores em 30 de julho de 2008;
DesktopTwo: desenvolvido pela empresa Sapotek, tem como pré-requisito a presença do
utilitário Flash Player para ser utilizado. O sistema foi desenvolvido para prover todos os serviços
necessários aos utilizadores, tornando a Internet o principal ambiente de trabalho. Utiliza a
linguagem PHP como base para os aplicativos disponíveis e também possui uma API, chamada
Sapodesk, para o desenvolvimento de novos aplicativos. Fechado para desenvolvedores;
G.ho.st: Esta sigla significa “Global Hosted Operating SysTem” (Sistema Operacional Disponível
Globalmente), tem como diferencial em relação aos outros a possibilidade de integração com
outros serviços como: Google Docs, Meebo, ThinkFree, entre outros, além de oferecer suporte a
vários idiomas;
eyeOS: Este sistema está sendo desenvolvido por uma comunidade denominada EyeOS Team e
possui o código fonte aberto ao público. O objetivo dos desenvolvedores é criar um ambiente
com maior compatibilidade com os aplicativos atuais, MS-Office e OpenOffice. Possui um
abrangente conjunto de aplicativos, e o seu desenvolvimento é feito principalmente com o uso da
linguagem PHP;
iCloud: Sistema lançado pela Apple em 2011, é capaz de armazenar até 50gb de fotos, músicas,
documentos, livros e contatos gratuitamente, com a possibilidade de adquirir mais espaço em
disco (pago);
Ubuntu One: Ubuntu One é a suíte que a Canonical (Mantenedora da distribuição Linux Ubuntu)
usa para seus serviços online. Atualmente com o Ubuntu One é possível fazer backups,
armazenamento, sincronização e compartilhamento de arquivos e vários outros serviços que a
Canonical adiciona para oferecer mais opções e conforto para os utilizadores;
IBM Cloud (https://www.ibm.com/br-pt/cloud): Sistema da IBM que engloba um conjunto de
serviços e produtos integrados em nuvem voltados para a empresa. O portfólio incorpora
sofisticada tecnologia de automação e autosserviço para tarefas tão diversas como
desenvolvimento e teste de software, gerenciamento de computadores e dispositivos, e
colaboração;
Dropbox: Dropbox é um sistema de armazenamento em nuvem que inicia-se gratuitamente com
2gb e conforme indica amigos o espaço para armazenamento de arquivos cresce até 50gb.
Também tem opções pagas com maior espaço;
OneDrive: Serviço de armazenamento em nuvem da Microsoft com 5gb free e com a
possibilidade de adquirir mais espaço. Tem serviços sincronizados com o Windows 8, Windows
phone e Xbox.

No Brasil
No Brasil, a tecnologia de computação em nuvem é muito recente, mas está se tornando madura
muito rapidamente. Empresas de médio, pequeno e grande porte estão adotando a tecnologia
gradativamente. O serviço começou a ser oferecido comercialmente em 2008 e em 2012, ocorreu uma
grande adoção.

A empresa Centralx®[48] foi a primeira a desenvolver a tecnologia em nuvem no Brasil, em 2001[49].


Desenvolvedora de software para consultório médico[50], em 2001 lançou o HiDoctor® NET, que
permitiu que os dados do software fossem sincronizados com a Internet, de maneira que vários
computadores pudessem ser mantidos com os mesmos dados atualizados e ainda que os médicos
conseguissem, através de conexão segura com a Internet, aceder aos dados dos seus pacientes. Sendo
assim, foi a primeira aplicação a implementar o conceito de “nuvem” e sincronização de dados no
Brasil e a Centralx® a primeira empresa a oferecer a tecnologia para sistemas médicos. A tecnologia
de sincronia multiponto e acesso web aos dados do software instalado são usados até hoje pelo
programa, que recebe atualizações constantes.

No ano seguinte, 2002, a empresa Katri[51] também desenvolveu a tecnologia no Brasil, batizando-a
IUGU. Aplicada inicialmente no site de busca de pessoas físicas e jurídicas Fonelista. Durante o
período em que esteve no ar, de 2002 a 2008, os utilizadores do site puderam comprovar a grande
diferença de velocidade nas pesquisas proporcionada pelo processamento paralelo.

Em 2009 a tecnologia evoluiu muito e sistemas funcionais desenvolvidos no início da década já


passam de sua 3ª geração, incorporando funcionalidades e utilizando de tecnologias como "índices
invertidos" ("inverted index").

No ambiente acadêmico o Laboratório de Redes e Gerência da UFSC foi um dos pioneiros a


desenvolver pesquisas em Computação em Nuvem publicando artigos sobre segurança, IDS
("Intrusion Detection Systems") e SLA ("Service Level Agreement") para computação em nuvem.
Além de implantar e gerenciar uma nuvem privada e computação em nuvem verde.

Existem pouco menos de 10 empresas ofertantes do serviço em nuvens públicas (que podem ser
contratadas pela internet em estrutura não privativa e com preços e condições abertas no site) com
servidores dentro do Brasil e com baixa latência. A maioria utiliza tecnologia baseada em Xen, KVM,
VMWare, Microsoft Hypervisor.

Ver também
Vigilância de Computadores e Redes
Jogo em nuvem
Fog computing

Referências
1. «Cloud Computing - novo modelo de computação» (http://sisnema.com.br/Materias/idmat019433.
htm). Sisnema. 22 de janeiro de 2009
2. «AT&T oferece cloud computing» (https://web.archive.org/web/20080823164235/http://info.abril.c
om.br/aberto/infonews/082008/05082008-20.shl). Revista Info. Consultado em 3 de setembro de
2008. Arquivado do original (http://info.abril.com.br/aberto/infonews/082008/05082008-20.shl) em
23 d t d 2008
23 de agosto de 2008

3. «Elastic Containers» (https://site.elastichosts.com/blog/elastic-containers/). ElasticHosts Blog. 1


de abril de 2014. Consultado em 15 de junho de 2019
4. «IBM Press | InformIT» (http://www.informit.com/promotions/ibm-press-141142).
www.informit.com. Consultado em 15 de junho de 2019
5. «Tipos de Computação em Nuvem – Definição | Microsoft Azure» (https://azure.microsoft.com/pt-
br/overview/types-of-cloud-computing/). azure.microsoft.com. Consultado em 16 de novembro de
2018
6. «Peter Mell; Timothy Grance (September 2011). The NIST Definition of Cloud Computing
(Technical report). National Institute of Standards and Technology: U.S. Department of
Commerce.» (https://nvlpubs.nist.gov/nistpubs/Legacy/SP/nistspecialpublication800-145.pdf)
(PDF). Consultado em 15 de junho de 2019
7. «What is Desktop as a Service (DaaS)? - Definition from Techopedia» (https://www.techopedia.co
m/definition/14176/desktop-as-a-service-daas). Techopedia.com (em inglês). Consultado em
2018-12-04T21:12:53Z Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
8. «Tipos de cloud computing - Amazon Web Services» (https://aws.amazon.com/pt/types-of-cloud-c
omputing/). Amazon Web Services, Inc. Consultado em 16 de novembro de 2018
9. Stroud, Forrest. «What Is Everything-as-a-Service (XaaS)? Webopedia Definition» (https://www.w
ebopedia.com/TERM/E/everything-as-a-service_xaas.html). www.webopedia.com (em inglês).
Consultado em 2018-12-04T21:06:36Z Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
10. edersonmelo (7 de abril de 2015). «Cloud PaaS, DaaS, IaaS e TaaS» (https://www.edersonmelo.c
om/cloud-paas-daas-iaas-e-taas/). Ederson Melo. Consultado em 2018-12-04T21:04:01Z
Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
11. https://www.cio.com/article/3192649/security/security-as-a-service-model-gains-traction.html
12. https://www.martinfowler.com/bliki/Serverless.html
13. Sbarski, Peter (2017-05-04). Serverless Architectures on AWS: With examples using AWS
Lambda (1st ed.). Manning Publications. ISBN 9781617293825 (https://en.wikipedia.org/wiki/Spec
ial:BookSources/9781617293825).
14. https://pando.com/2013/06/24/anypresence-partners-with-heroku-to-beef-up-its-enterprise-
mbaas-offering/ Acesso em 29 de novembro de 2018
15. https://techcrunch.com/2012/10/11/kii-cloud-opens-doors-for-mobile-developer-platform-with-25-
million-end-users/ Acesso em 29 de novembro de 2018
16. https://www.techgoondu.com/2012/09/30/fatfractal-ups-the-ante-in-backend-as-a-service/ Acesso
em 29 de novembro de 2018
17. https://readwrite.com/2011/11/09/mobile-backend-as-a-service-pa/ Acesso em 29 de novembro de
2018
18. https://techcrunch.com/2014/01/07/mobstac-raises-2-million-in-series-b-to-help-brands-leverage-
mobile-commerce/ Acesso em 29 de novembro de 2018
19. https://www.programmableweb.com/news/builtio-building-enterprise-mbaas-platform-
iot/interview/2014/03/03 Acesso em 29 de novembro de 2018
20. Pinheiro, Pedro; Aparicio, Manuela; Costa, Carlos (16 de maio de 2014). «Adoption of cloud
computing systems» (http://dl.acm.org/citation.cfm?id=2618168.2618188). ACM: 127–131.
ISBN 9781450327138. doi:10.1145/2618168.2618188 (https://dx.doi.org/10.1145%2F2618168.26
18188)
21. Reixa, Miguel; Costa, Carlos; Aparicio, Manuela (11 de junho de 2012). «Cloud services
evaluation framework» (http://dl.acm.org/citation.cfm?id=2316936.2316948). ACM: 61–69.
ISBN 9781450315258. doi:10.1145/2316936.2316948 (https://dx.doi.org/10.1145%2F2316936.23
16948)
22. Um estudo sobre os benefícios e os riscos de segurança na utilização de Cloud Computing. -
Fabrício Rodrigues (http://fabriciorhs.wordpress.com/2010/09/28/cloud-computing) - Artigo
publicado na UNISUAM
23. Neto, Manoel Veras de Sousa (20 de agosto de 2015). Computação em Nuvem: Nova Arquitetura
de TI (https://books.google.com.br/books?id=d9RkCgAAQBAJ&printsec=frontcover&dq=computa
cao+em+nuvem&hl=en&sa=X&ved=0ahUKEwi25YP7l-ziAhWME7kGHZ9aDlcQ6AEILTAA#v=one
page&q&f=false). [S.l.]: Brasport. ISBN 9788574527475
24. «What is public cloud? - Definition from WhatIs.com» (https://searchcloudcomputing.techtarget.co
m/definition/public-cloud). SearchCloudComputing (em inglês). Consultado em 22 de junho de
2019
25. «IDC eXchange » Blog Archive » Defining "Cloud Services" and "Cloud Computing" » (https://we
b.archive.org/web/20100722074526/http://blogs.idc.com/ie/?p=190). web.archive.org. 22 de julho
de 2010. Consultado em 22 de junho de 2019
26. «Dedicated Network Connectivity - Oracle FastConnect» (https://cloud.oracle.com/en_US/fastcon
nect). cloud.oracle.com. Consultado em 22 de junho de 2019
27. «99% of Indian companies set to adopt multiple Hybrid Cloud within 3 years» (https://www.techex
plorist.com/99-indian-companies-set-adopt-multiple-hybrid-cloud-3-years/28454/). Tech Explorist
(em inglês). 10 de dezembro de 2019. Consultado em 10 de dezembro de 2019
28. Peter Mell; Timothy Grance (September 2011). The NIST Definition of Cloud Computing (https://n
vlpubs.nist.gov/nistpubs/Legacy/SP/nistspecialpublication800-145.pdf) (Technical report). National
Institute of Standards and Technology: U.S. Department of Commerce. doi (https://en.wikipedia.or
g/wiki/Digital_object_identifier):10.6028/NIST.SP.800-145 (https://nvlpubs.nist.gov/nistpubs/Legac
y/SP/nistspecialpublication800-145.pdf). Special publication 800-145..
29. Netto, M.; Calheiros, R.; Rodrigues, E.; Cunha, R.; Buyya, R. (2018). "HPC Cloud for Scientific
and Business Applications: Taxonomy, Vision, and Research Challenges". ACM Computing
Surveys. 51 (1): 8:1–8:29. doi:10.1145/3150224 (https://dl.acm.org/citation.cfm?doid=3177787.31
50224).
30. https://aws.amazon.com/hpc/
31. https://www.ibm.com/cloud/hpc
32. https://azure.microsoft.com/en-us/solutions/big-compute/
33. https://pod.penguincomputing.com/
34. «What is multi-cloud strategy? - Definition from WhatIs.com» (https://searchcloudcomputing.techt
arget.com/definition/multi-cloud-strategy). SearchCloudComputing (em inglês)
35. King, Rachel. «Pivotal's head of products: We're moving to a multi-cloud world | ZDNet» (https://w
ww.zdnet.com/pivotals-head-of-products-were-moving-to-a-multi-cloud-world-7000030737/).
ZDNet (em inglês)
36. «Manage Multiple Cloud Accounts with MultCloud» (http://www.groovypost.com/reviews/multcloud
-manage-multiple-cloud-accounts/). www.groovypost.com (em inglês). Consultado em 30 de
setembro de 2018
37. «Is the Cloud Finally Ready for Big Data? - Dataconomy» (http://dataconomy.com/2016/08/cloud-r
eady-for-big-data/). Dataconomy (em inglês). 31 de agosto de 2016
38. Yang, Chaowei; Huang, Qunying; Li, Zhenlong; Liu, Kai; Hu, Fei (3 de novembro de 2016). «Big
Data and cloud computing: innovation opportunities and challenges» (https://www.tandfonline.co
m/doi/full/10.1080/17538947.2016.1239771). International Journal of Digital Earth (em inglês). 10
(1): 13–53. ISSN 1753-8947 (https://www.worldcat.org/issn/1753-8947).
doi:10.1080/17538947.2016.1239771 (https://dx.doi.org/10.1080%2F17538947.2016.1239771)
39. Cunsolo, Vincenzo D.; Distefano, Salvatore; Puliafito, Antonio; Scarpa, Marco (2009). «Volunteer
Computing and Desktop Cloud: The Cloud@Home Paradigm» (https://www.computer.org/csdl/pro
ceedings/nca/2009/3698/00/3698a134-abs.html). IEEE. 2009 Eighth IEEE International
Symposium on Network Computing and Applications (em English): 134–139.
ISBN 9780769536989. doi:10.1109/NCA.2009.41 (https://dx.doi.org/10.1109%2FNCA.2009.41)
40. Building GrepTheWeb in the Cloud, Part 1: Cloud Architectures
41. «O que é computação em nuvem?» (http://www.infowester.com/cloudcomputing.php)
42. «Cloud o que é e para que server?» (https://www.mandic.com.br/cloud/). MANDIC. Consultado
em 24 de fevereiro de 2020

43. «Cloud Computing: Conheça os sete riscos de segurança em cloud computing» (https://web.archi
ve.org/web/20130414022018/http://computerworld.uol.com.br/negocios/2008/07/11/conheca-os-s
ete-riscos-de-seguranca-em-cloud-computing/). Computer World. 11 de julho de 2008.
Consultado em 10 de novembro de 2011. Arquivado do original (http://computerworld.uol.com.br/
negocios/2008/07/11/conheca-os-sete-riscos-de-seguranca-em-cloud-computing///) em 14 de
abril de 2013
44. 20131030-Wapo-Muscular Smiley | (https://www.eff.org/document/2013-10-30-wapo-muscular-sm
iley)Electronic Frontier Foundation - 30 de dezembro 2013
45. «Espionagem da NSA inclui invasão a data centers de Google e Yahoo» (http://www.jb.com.br/cie
ncia-e-tecnologia/noticias/2013/10/31/espionagem-da-nsa-inclui-invasao-a-data-centers-de-googl
e-e-yahoo-diz-jornal/). Jornal do Brasil. 31 de outubro de 2013. Consultado em 10 de maio de
2014
46. Vigilancia Global pela NSA - aos 29 minutos e 33 segundos o rosto com sorriso ironico
desenhado | Vídeo | (http://www.c-span.org/video/?319002-1/nsa-surveillance-media-coverage)C-
SPAN | 23 de abril de 2014 (em inglês)
47. http://www.google.com/chromebook/
48. «Centralx® - Sistemas Inteligentes em Saúde» (https://centralx.com.br/)
49. «A Nova Geração do Software Médico» (https://web.archive.org/web/20020306125339/http://ww
w.hidoctor.com.br/hidoctor7/)
50. «Software médico HiDoctor» (https://www.hidoctor.com.br/)
51. «Nuvem Computacional completo» (https://web.archive.org/web/20100429053023/http://empresa.
eiboo.com.br/?p=27). eiboo.com.br. 11 de maio de 2009. Consultado em 10 de fevereiro de 2010.
Arquivado do original (http://empresa.eiboo.com.br/?p=27) em 29 de abril de 2010

Ligações externas
«Computação em nuvem: entenda este novo modelo de computação» (http://idgnow.uol.com.br/c
omputacao_corporativa/2008/08/13/cloud-computing-entenda-este-novo-modelo-de-
computacao). , em IDG Now!
«Computação nas nuvens vai baratear acesso à Internet, aposta Google» (http://g1.globo.com/N
oticias/Tecnologia/0,,MUL455811-6174,00.html). , em Globo.com
«Computação em Nuvem: Prepare-se para a nova onda da tecnologia» (https://computerworld.co
m.br/2008/04/17/cloud-computing-prepare-se-para-a-nova-onda-em-tecnologia/). , de Computer
World
«Começou a corrida atrás da Nuvem Informativa» (https://aeon.com.br/comecou-a-corrida-atras-
da-nuvem-informativa). , em Aeon
«11 categorias de computação em nuvem» (https://computerworld.com.br/2010/03/04/11-categori
as-de-cloud-computing/). , de Computer World
Conteúdo completo sobre Cloud Computing (http://33amd.com/blog/cloud-computing) em
linguagem simples, em 33AMD
«O que é Computação em Nuvem» (https://techmob.com.br/o-que-e-computacao-em-nuvem-clo
ud-computing/). , em TECHMOB

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Computação_em_nuvem&oldid=60623169"

Esta página foi editada pela última vez às 04h29min de 11 de março de 2021.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da
Creative Commons; pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de utilização.