Você está na página 1de 8

Tema: A Cura de Um Homem da Mão Ressequida

Texto: Marcos 3. 1 – 6

Marcos 3. 1 – 6 Mateus 12. 9 – 14 Lucas 6. 6 – 11


1 De novo, entrou Jesus na 9 Tendo Jesus partido dali, 6 Sucedeu que, em outro
sinagoga e estava ali um entrou na sinagoga deles. sábado, entrou ele na
homem que tinha 10 Achava-se ali um homem sinagoga e ensinava. Ora,
ressequida uma das que tinha uma das mãos achava-se ali um homem
mãos. ressequida ; e eles, então, cuja mão direita estava
2 E estavam observando a com o intuito de acusá- ressequida.
Jesus para ver se o curaria lo, perguntaram a Jesus: 7 Os escribas e os fariseus
em dia de sábado, a fim É lícito curar no sábado? observavam-no,
de o acusarem. 11 Ao que lhes respondeu: procurando ver se ele faria
3 E disse Jesus ao homem Qual dentre vós será o uma cura no sábado, a fim
da mão ressequida: Vem homem que, tendo uma de acharem de que o
para o meio! ovelha, e, num sábado, acusar.
4 Então, lhes perguntou: É esta cair numa cova, não 8 Mas ele, conhecendo-lhes
lícito nos sábados fazer o fará todo o esforço, os pensamentos, disse ao
bem ou fazer o mal? Salvar tirando-a dali? homem da mão ressequida:
a vida ou tirá-la? Mas eles 12 Ora, quanto mais vale um Levanta-te e vem para o
ficaram em silêncio. homem que uma ovelha? meio; e ele, levantando-se,
5 Olhando-os ao redor, Logo, é lícito, nos permaneceu de pé.
indignado e condoído com sábados, fazer o bem. 9 Então, disse Jesus a eles:
a dureza do seu coração, 13 Então, disse ao homem: Que vos parece? É lícito,
disse ao homem: Estende Estende a mão. Estendeu- no sábado, fazer o bem ou
a mão. Estendeu-a, e a a, e ela ficou sã como a o mal? Salvar a vida ou
mão lhe foi restaurada. outra. deixá-la perecer?
6 Retirando-se os fariseus, 14 Retirando-se, porém, os 10 E, fitando todos ao redor,
conspiravam logo com os fariseus, conspiravam disse ao homem: Estende
herodianos, contra ele, em contra ele, sobre como lhe a mão. Ele assim o fez, e
como lhe tirariam a vida. tirariam a vida. a mão lhe foi restaurada.
11 Mas eles se encheram de
furor e discutiam entre si
quanto ao que fariam a
Jesus.
I. O LOCAL QUE OCORREU O FATO – v. 1a

1 De novo, entrou Jesus na sinagoga e estava ali um homem que


tinha ressequida uma das mãos.

De novo, entrou Jesus na sinagoga...


Essa era uma pratica comum de Jesus, ir à Sinagoga, e a partir dali
ensinar o povo. Essa mesma prática foi utilizada por Paulo durante a
primeira viagem missionária, em cada cidade que chegava procurava
logo uma sinagoga, e como um rabino conhecido era lhe dada a
oportunidade de ensinar.
Marcos nos informa que Jesus estava de volta à Sinagoga, porém, não
identifica a localização dessa sinagoga.
Lucas 6. 6 – Diz que esse dia era um dia de sábado e que Ele
“ensinava”.

II. A CONDIÇÃO DO HOMEM – v. 1b


...e estava ali um homem que tinha ressequida uma das mãos.
Marcos e Mateus informam que o homem estava na sinagoga, e que
tinha uma das mãos ressequidas, enquanto Lucas 6. 6 diz que tinha a
“mão direita estava ressequida”.

1) Este era um sinal de maldição – 1Rs. 13. 4 – 6; Zac. 11. 17


1Rs. 13. 4 – 6 – Tendo o rei (Jeroboão II) ouvido as palavras do
homem de Deus, que clamara contra o altar de Betel, Jeroboão
estendeu a mão de sobre o altar, dizendo: Prendei-o! Mas a mão que
estendera contra o homem de Deus secou , e não a podia recolher.
O altar se fendeu, e a cinza se derramou do altar, segundo o sinal que
o homem de Deus apontara por ordem do Senhor.
Então, disse o rei ao homem de Deus: Implora o favor do Senhor, teu
Deus, e ora por mim, para que eu possa recolher a mão. Então, o
homem de Deus implorou o favor do Senhor, e a mão do rei se lhe
recolheu e ficou como dantes.

2) Não podia oficializar como sacerdote, se ele fosse da


descendência de Levi
Lev. 21. 21 – Nenhum homem da descendência de Arão, o sacerdote,
em quem houver algum defeito se chegará para oferecer as ofertas
queimadas do Senhor; ele tem defeito; não se chegará para oferecer o
pão do seu Deus.

3) A impossibilidade de realizar trabalhos manuais – Evangelho de


Hebreus 12. 10
“E eis que Melech, um homem que tinha uma das mãos atrofiadas,
rogava: .Eu era um escultor, buscando a vida com minhas mãos. Rogo-
te, Yeshua, que restaures a minha saúde, para que não seja humilhado
tendo que mendigar por alimento!”.

Havia uma promessa em Isaías 35 que fazia referência aos dias do


Messias.

Isaías 35. 4 – 6 – Dizei aos desalentados de coração: Sede fortes, não


temais. Eis o vosso Deus. A vingança vem, a retribuição de Deus; ele
vem e vos salvará. Então, se abrirão os olhos dos cegos, e se
desimpedirão os ouvidos dos surdos; os coxos saltarão como
cervos, e a língua dos mudos cantará; pois águas arrebentarão no
deserto, e ribeiros, no ermo.

III. A CREDULIDADE DOS FARISEUS – v. 2


2 E estavam observando a Jesus para ver se o curaria em dia de
sábado, a fim de o acusarem.

E estavam observando a Jesus...


Nem Marcos e nem Mateus identificam que são os que o observavam,
apenas Lucas 6. 7 diz que eram “os escribas e fariseus”.
Eles já vinham fazendo isso desde Jerusalém e por onde Jesus
passava.

...para ver se o curaria em dia de sábado...


Adolf Pohl (1998, p. 126) que “essa passagem é uma prova de que
nem os adversários de Jesus duvidavam para curar”.
Parece que quando se tratava de curar e ajudar Jesus não se importava
com o dia da semana.

Mateus 12. 10 – Achava-se ali um homem que tinha uma das mãos
ressequida; e eles, então, com o intuito de acusá-lo, perguntaram a
Jesus: É lícito curar no sábado?
Mateus diz que os fariseus fizeram a pergunta, provavelmente
enquanto Jesus ensinava.

...a fim de o acusarem.


Curar era um dos trabalhos médicos proibidos em dia de sábado.
Somente perigo de vida teria servido de exceção.

Lucas 13. 14 - O chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus


curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que se deve
trabalhar; vinde, pois, nesses dias para serdes curados e não no
sábado.

Dewey Mulholland (1999, p. 66): “A lei não proibia salvar uma vida
numa emergência no sábado. Mas a vida daquele homem não corria
perigo.”

William Hendriksen (2002, p. 152): “Qualquer ato de cura no sábado


somente poderia ser realizado se a vida da pessoa estivesse em risco”.

IV. A ATITUDE DE JESUS DIANTE DO QUESITIONAMENTO DOS


FARISEUS – v. 3 – 5

3 E disse Jesus ao homem da mão ressequida: Vem para o meio!


Jesus coloca o homem e a sua condição em evidência.
As sinagogas eram circulares, e havia um espaço entre a primeira fileira
e o local onde o rabino ficava sentado.
Para que todos vissem o que iria acontecer e para que todos
testemunhasse o que ele haveria de fazer.

4 Então, lhes perguntou: É lícito nos sábados fazer o bem ou fazer


o mal? Salvar a vida ou tirá-la? Mas eles ficaram em silêncio.
Jesus usa o mesmo método dos fariseus e retruca a pergunta:
É lícito nos sábados fazer o bem ou fazer o mal? Salvar a vida ou
tirá-la?
Mateus 12.11 informa que Jesus fez mais uma pergunta: “Qual
dentre vós será o homem que, tendo uma ovelha, e, num sábado, esta
cair numa cova, não fará todo o esforço, tirando-a dali?”

Uma vez que os escribas e fariseus eram peritos em dar as respostas,


Jesus coloca diante deles a questão.

Diante da pergunta de Jesus eles ficaram em silêncio.


A resposta era óbvia, claro que é certo fazer o bem. Mas, eles ficam em
silêncio por causa da dureza do coração deles. Eles não querem admitir
que Jesus está correto, e eles estavam errados em suas tradições.

5 Olhando-os ao redor, indignado e condoído com a dureza do seu


coração, disse ao homem: Estende a mão. Estendeu-a, e a mão
lhe foi restaurada.

1) Jesus ficou indignado – irado, furioso – pela fala de compaixão dos


fariseus.
2) Jesus ficou condoído com a dureza do coração deles – em não
aceitar que o quê eles estavam ensinando estava errado, que eles
estavam colocando as suas tradições acima da misericórdia e do fazer o
bem.
3) Jesus então cura o homem – e ao invés de trazer quebrantamento
sobre os corações dos fariseus, endureceu-os ainda mais, e trouxe mais
condenação sobre eles, ver verso 6.

6 Retirando-se os fariseus, conspiravam logo com os herodianos,


contra ele, em como lhe tirariam a vida.
Buscaram ajuda para matar Jesus. A pena de morte somente podia ser
autorizada pela autoridade romana. Os fariseus detestavam os
herodianos.
Herodianos = partido político

O QUE MARCOS QUER NOS ENSINAR

1) A guarda do sábado está condicionado às necessidades do homem,


ao bem-estar do homem. E, como Filho do Homem, Jesus pode nos
dizer de que maneira o sábado pode ser guardado.

2) Tão preocupados com as suas tradições, os fariseus esqueceram de


olhar para as Escrituras, que davam testemunho de Jesus, sendo
capazes de crucifica-lo.

3) Que as evidências de que o Reino de Deus havia chegado e que o


Messias estava presente, mas a dureza do coração dos fariseus cegou-
lhes o entendimento;

4) Desmascara o farisaísmo daqueles dias, que o que os judeus


praticavam naqueles dias não era a religião que Deus havia revelado a
Moises, e por isso Jesus se opôs a ela e deu o seu verdadeiro e real
sentido.

Você também pode gostar