Você está na página 1de 17

Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

PLANO DE AULA
02 DE MAIO DE 2021.
Início: 08h00min às 12h00min
1. AULA TEÓRICA.
2. ÁUDIO VISUAL – AULAS
SUPLEMENTARES. MATERIAL
DIDÁTICO - PARTE DA
AVALIAÇÃO FINAL.
1 - Introdução.
Os vírus são seres muito simples e pequenos
(medem menos de 0,2 µm), formados
basicamente por uma cápsula protéica
envolvendo o material genético, que,
dependendo do tipo de vírus, pode ser o DNA,
RNA ou os dois juntos (citomegalovírus).

ÁUDIO VISUAL – AULAS


SUPLEMENTARES. MATERIAL
DIDÁTICO - PARTE DA AVALIAÇÃO
FINAL.
Vírus – Introdução à Pandemia – Covid-19.
48 minutos.
Este documentário oferece uma explicação
científica relacionada com o surto global do
corovavírus. A Ciência é complexa e

9
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

dividida por testemunhos de especialistas e


gráficos reveladores, que proporcionam
uma idéia clara sobre os perigos do
COVID-19 e suas implicações para as
sobrevivências.

https://www.youtube.com/watch?v=AjhB5
QD32u8
<iframe width="560" height="315"
src="https://www.youtube.com/embed/AjhB5QD32u8?
controls=0" title="YouTube video player"
frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay;
clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-
in-picture" allowfullscreen></iframe>

10
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

ÁUDIO VISUAL – AULAS


SUPLEMENTARES. MATERIAL
DIDÁTICO - PARTE DA AVALIAÇÃO
FINAL.
Vírus – Introdução à Pandemia – Covid-19.
45 minutos.

Evolução do Vírus: Do Ebola a Covid


19
https://www.youtube.com/watch?v=mIxnuXtP
8JM
<iframe width="560" height="315"
src="https://www.youtube.com/embed/mIxnuXtP8JM?c
ontrols=0" title="YouTube video player"
frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay;
clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-
in-picture" allowfullscreen></iframe>

11
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

ÁUDIO VISUAL – AULAS


SUPLEMENTARES. MATERIAL
DIDÁTICO - PARTE DA AVALIAÇÃO
FINAL.
Vírus – Introdução à Pandemia – Covid-19.
Epicentro - 24h em Wuhan | Documentário
50 minutos.
https://www.youtube.com/watch?v=riYB5x
FRHgg&t=137s

Neste documentário produzido pela CGTN


- China Global Television Network, saiba
mais sobre o início da crise de saúde
pública na China que se transformou numa
pandemia: o COVID-19. O novo
coronavírus começou a circular durante a

12
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

temporada de viagens mais movimentada


na China, na qual milhões visitam suas
famílias no feriado do Ano Novo Lunar. Em
meio ao crescimento da epidemia, uma
Wuhan sitiada se mobiliza para salvar
aqueles que estão no epicentro da
emergência. Numa manobra sem
precedentes, a China isolou a grande
metrópole na esperança de impedir a
disseminação do vírus. Curta as páginas do
Jornalismo TV Cultura nas redes sociais!
Instagram:
http://instagram.com/jornalismotvcultura
Facebook:
https://www.facebook.com/jornalismotv...
Twitter: https://twitter.com/jornal_cultura
Acesse o site da TV Cultura:
http://tvcultura.com.br
<iframe width="560" height="315"
src="https://www.youtube.com/embed/riYB5xFRHgg?c
ontrols=0" title="YouTube video player"
frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay;
clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-
in-picture" allowfullscreen></iframe>

13
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

ÁUDIO VISUAL – AULAS


SUPLEMENTARES. MATERIAL
DIDÁTICO - PARTE DA AVALIAÇÃO
FINAL.
53 minutos.

Coronavírus: Alerta Ambiental.


https://www.youtube.com/watch?v=6D7xkLN
hGP8
<iframe width="560" height="315"
src="https://www.youtube.com/embed/6D7xkLNhGP8
?controls=0" title="YouTube video player"
frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay;
clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-
in-picture" allowfullscreen></iframe>

14
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

ÁUDIO VISUAL – AULAS


SUPLEMENTARES. MATERIAL
DIDÁTICO - PARTE DA AVALIAÇÃO
FINAL.
11 minutos.

VÍRUS E O CORONAVÍRUS
https://www.youtube.com/watch?v=QSoNZ0r
ZYcA

<iframe width="560" height="315"


src="https://www.youtube.com/embed/QSoNZ0rZYcA
?controls=0" title="YouTube video player"
frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay;
clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-
in-picture" allowfullscreen></iframe>

15
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

1.1 - O citomegalovírus, conhecido como


“CMV”, é um vírus da mesma família do
herpes, que pode se apresentar com sintomas,
exemplos: febre, mal estar e inchaço na
barriga. O exemplo do herpes, esse vírus
também estão presentes na maioria das
pessoas, mas só provoca sintomas quando o
sistema imunológico encontra-se debilitado,
podem ocorrer em gestante, pessoas com HIV
ou em pacientes que está a fazer tratamento
oncológico (contra o câncer, por exemplo).
Durante a gravidez, esse vírus é detectado
através dos exames do pré-natal, mas
geralmente é inofensivo e não provoca
nenhuma alteração no bebê, principalmente
quando a mulher foi infectada ainda antes de
engravidar. No entanto, quando a mulher é
infectada durante a gestação, o vírus pode
causar problemas como microcefalia e surdez
no bebê.
1.1.1 - Principais sintomas. Normalmente, a
infecção pelo CMV não causa sintomas, sendo
comum que a pessoa descubra que está
infectado quando faz algum exame de sangue
específico para o vírus. No entanto, alguns
sintomas podem surgir quando o sistema
imunológico está baixo, como por exemplo:
1. Febre acima de 38ºC;

16
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

2. Cansaço excessivo;
3. Inchaço da barriga;
4. Barriga dolorida;
5. Mal estar generalizado;
6. Inflamação do fígado;
7. Aborto espontâneo;
8. Em pessoas com HIV/AIDS, pode
ocorrer infecção na retina, cegueira,
encefalite, pneumonia e ulceras no
intestino e esôfago.
1.1.2 - Como diagnosticar. O diagnóstico da
infecção pelo citomegalovírus é feito através
de exame de sangue específico, que mostram
se existem anticorpos contra o vírus. Quando o
resultado do exame traz o resultado reagente
CMV IgM, indica que a infecção pelo vírus
ainda está no início, mas se o resultado for
reagente CMV IgG, significa que o vírus está
presente há mais tempo no organismo,
permanecendo, então, por toda vida, assim
como acontece com a herpes. Na gravidez,
caso o resultado seja reagente CMV IgM a
grávida deve iniciar o tratamento com
antivirais ou imunoglobulinas, para evitar a
transmissão para o bebê.

17
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

1.1.3 - Principais complicações. As


complicações da infecção pelo
citomegalovírus ocorrem principalmente nas
crianças que são infectadas pelo vírus durante
a gravidez, e incluem:
1. Microcefalia;
2. Atraso no desenvolvimento;
3. Coriorretinite e cegueira;
4. Paralisia cerebral;
5. Defeitos na formação dos dentes;
6. Paralisia de algumas partes do corpo,
principalmente das pernas;
7. Surdez neurossensorial.
Já nos adultos, as complicações surgem
quando a infecção se desenvolve muito, como
acontece em pessoas com o sistema imune
enfraquecido, resultando principalmente em
cegueira e perda dos movimentos das pernas,
por exemplo.

1.1.4 - Como acontece a transmissão do vírus.


A transmissão do citomegalovírus pode
ocorrer através do contato com secreções do
corpo, como as da tosse e da saliva, através do

18
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

contato íntimo com uma pessoa infectada ou


por meio do compartilhamento de objetos
contaminados, como copos, talheres e toalhas.
Além disso, o vírus também pode ser
transmitido através de transfusões sanguíneas
ou de mãe para filho, principalmente quando a
mulher grávida é infectada durante a gestação.
1.1.5 - Como prevenir. Para prevenir a
contaminação pelo citomegalovírus é
importante lavar bem as mãos, principalmente
antes e após ir ao banheiro e trocar a fralda da
criança, por exemplo, além de lavar bem os
alimentos na hora de cozinhá-los. Além disso,
é importante usar preservativo nas relações
sexuais e evitar dividir objetos pessoais com
outras pessoas.
1.1.5.1 - Um alerta. O Curso e o docente alerta
que este momento é um espaço informativo,
de divulgação e educação de temas
relacionados com saúde, não devendo ser
utilizado como substituto ao diagnóstico
médico ou tratamento sem antes consultar um
profissional de saúde.

1.1.6 - Referência Bibliográfica.

19
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

Pannuti C. Citomegalovirose. In: Focaccia R,


Veronesi R, editores. Tratado de infectologia.
São Paulo: Atheneu; 2009. p. 363-71;
Mendrone Junior A. Prevalência da infecção
pelo citomegalovírus: a importância de
estudos locais. Rev Bras Hematol Hemoter.
2010 fev;32(1):7-8; Stagno S, Reynolds DW,
Huang E-S, Thames SD, Smith RJ, Alford CA.
Congenital cytomegalovirus infection —
occurrence in an immune population. N Engl J
Med. 1977 Jun;296(22):1254-8; Stagno S,
Reynolds DW, Pass RF, Alford CA. Breast
milk and the risk of cytomegalovirus infection.
N Engl J Med. 1980 May;302(19):1073-6;
Stagno S, Pass RF, Dworsky ME, Henderson
RE, Moore EG, Walton PD, et al. Congenital
cytomegalovirus infection — the relative
importance of primary and recurrent maternal
infection. N Engl J Med. 1982
Apr;306(16):945-9.
1.1.7 – Importância ecológica dos vírus. Vírus
são a mais abundante entidade biológica em
ambientes aquáticos. Existem
aproximadamente um milhão deles em uma
colher de chá de água do mar. E eles são
essenciais para a regulação dos ecossistemas
de água salgada e de água doce. A maioria
destes vírus são bacteriófagos, que são
inofensivos para plantas e animais. Eles
infectam e destroem as bactérias em
comunidades microbianas aquáticas e este é o

20
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

mais importante mecanismo de reciclar


carbono no ambiente marinho. As moléculas
orgânicas liberadas das células bacterianas
pelos vírus estimulam crescimento bacteriano
e de algas.
1.1.7.1 – Bacteriófagos. Importância dos
vírus.

Um bacteriófago um vírus que infectas


bactérias.
Os bacteriófagos estão presentes em diversos
ambientes, podendo ser isolados de água, solo,
produtos alimentares e, até mesmo, de outros
microrganismos. Apesar de também poder
estar presente no organismo, principalmente
na pele, na cavidade oral, nos pulmões e nos
sistemas urinários e gastrointestinais, os
bacteriófagos não provocam doenças ou
alterações no corpo humano, isso porque
possuem preferência por células procarióticas,
ou seja, células menos evoluídas, como a das

21
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

bactérias. Os bacteriófagos, também


conhecidos como fagos, são uns grupos de
vírus capazes de infectar e se multiplicar
dentro das células bacterianas e que, quando
saem, promovem a sua destruição. Além
disso, são capazes de estimular resposta
imunológica do organismo, de modo que não
conseguem atuar nos microrganismos
responsáveis pelo bom funcionamento do
organismo, além de possuírem elevada
especificidade em relação ao seu hospedeiro,
isto é, ao microrganismo patogênico. Assim,
as bactérias que fazem parte do micro bioma
não são destruídas devido à relação positiva
estabelecida entre os bacteriófagos e o sistema
imune.
1.1.7.1.1 – Característica do Bacteriófago.
Características do bacteriófago. Os
bacteriófagos são vírus que podem ser
encontrados em diversos ambientes, inclusive
no corpo humano, no entanto não causam
alterações ou doenças já que não possuem
especificidade para as células que constituem
o corpo. Outras características do bacteriófago
são: São formados por um capsídeo, que é
uma estrutura formada por proteínas que tem
como função proteger o material genético do
vírus; Podem possuir diferentes tipos de
material genético, como fita dupla de DNA,
fita simples de DNA ou RNA; Além de
poderem ser diferenciados quanto à sua

22
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

composição genética, os bacteriófagos


também podem ser diferenciados pela
estrutura do capsídeo; São incapazes de se
multiplicar fora de um hospedeiro, ou seja,
precisam estar em contato com uma célula
bacteriana para que possa haver replicação, e
por isso podem também ser conhecidos como
"parasitas bacterianos"; Apresentam elevada
especificidade para o hospedeiro, que são as
células bacterianas. Fagos são muito
importantes na biologia molecular sendo
utilizados como vetores de clonagem para
inserir DNA nas bactérias. Eles estão sendo
também avaliada por pesquisadores médicos
como uma alternativa aos antibióticos para
tratar infecções por bactérias, técnica
conhecida como Fagoterapia. Phage display é
um teste para investigar interações de
proteínas pela integração de múltiplos genes
de um banco de genes em fagos(Porto: Porto
Editora, 2003-2018. [consult. 2021-02-24
15:45:45]. Disponível na Internet:
https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$bac
teriofago Bacteriófagos. Brasil Escola
Informática. Biologia (Seres Vivos). Alunos
Online. Consultado em 7 de março de 2021)
1.1.7.1.1.1 – Capsídio. Cápside ou capsídeo é
o invólucro de origem protéica dos vírus
formado por proteínas e que protege e facilita
sua proliferação, e além de proteger o ácido
nucléico (DNA ou RNA e, em alguns casos

23
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

raros, os dois tipos juntos), tem a capacidade


de se combinar quimicamente com substâncias
presentes na superfície celular. Alguns vírus
têm apenas um tipo de proteínas nos seus
capsídeos, mas a maioria tem vários tipos
diferentes que se associam de formas
específicas, formando o capsômero.
1.1.7.1.1.2 – Capsômeros são estruturas
proteicas que se encaixam e formam uma
cápsula de proteção para o genoma viral. Essa
cápsula, que além de proteger, também
transporta o material genético e em alguns
casos tem a capacidade de se ligar a membrana
de uma célula hospedeira, é chamada de
capsídeo. Capsídeos então são formados por
blocos menores que se juntam chamadas de
capsômeros. Um dos menores vírus
conhecidos, o bacteriófago phi-X174, tem por
exemplo 60 capsômeros formando o seu
capsídeo. Já o maior vírus, encontrado em uma
espécie de mosca, tem 1500 capsômeros na
constituição do capsídeo(Referência -
BARRETO, Rosimar de Castro et al. Relação
papilomavírus (HPV) e tumor maligno da
cavidade bucal. Rev Bras Cien Saúde, v. 18, n.
3, p. 261-70, 2014. – Link).
1.1.7.1.1.3 - AULA INTERATIVA
ABERTA.

24
Especialista Professor César Augusto Venâncio da Silva

FASES DA REPLICAÇÃO VIRAL -


Bacteriófago infectando uma bactéria.

https://www.youtube.com/watch?v=t2FoZy-
K4Hk&t=12s
<iframe width="560" height="315"
src="https://www.youtube.com/embed/t2FoZy
-K4Hk?controls=0" title="YouTube video
player" frameborder="0"
allow="accelerometer; autoplay; clipboard-
write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-
picture" allowfullscreen></iframe>
1.1.7.1.1.4 - AULA INTERATIVA
ABERTA.

https://www.youtube.com/watch?v=tpluO1
g2MSw
Bacteriófago Virologia.
<iframe width="560" height="315"
src="https://www.youtube.com/embed/tpluO1
g2MSw?controls=0" title="YouTube video
player" frameborder="0"
allow="accelerometer; autoplay; clipboard-
write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-
picture" allowfullscreen></iframe>
Virologia.

25

Você também pode gostar