Você está na página 1de 3

Nome: Melisa da Rosa Risso

Tema do grupo: Ansiedade no trabalho

ANSIEDADE DOS ENFERMEIROS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Juliana Sangaletti
Luciane B.Ceretta
Maria Tereza Soratto

13 jun 2018.

O artigo começa abordando que os indivíduos, trabalhadores da saúde,


possuem maior prevalência em casos de problemas na saúde mental. E define a
ansiedade como uma doença direcionada para o futuro, com a manifestação de
apreensão em momentos de insegurança sobre acontecimentos da vida cotidiana e
reações físicas como tensão física, insônia, dificuldade de em ter foco, taquicardia,
entre outros. Traz dados, onde mostra que a ansiedade é considerada o mal do
século, pois conforme a Organização Mundial da Saúde, 80% dos indivíduos
desenvolverão essa doença em algum momento de suas vidas.
O texto mostra que a ansiedade dos profissionais enfermeiros envolvia
sintomas cognitivos, físicos e motores e era a causa do absenteísmo por doenças
relacionadas ao trabalho. E enfatiza a importância de estudar essas manifestações
de ansiedade dentro desse campo.
É sugerido no texto, que seja feita uma avaliação da ansiedade dos
enfermeiros dentro dos espaços de trabalho para melhorar o processo de trabalho
em saúde, a prática clínica e o atendimento aos pacientes. E considerado que
existem diversos fatores que podem ocasionar no desenvolvimento dessa doença,
dentro do ESF, como por exemplo processo de trabalho e sobrecarga de trabalho;
gestão de pessoas e da equipe multiprofissional; burocracia e papel administrativo;
relacionamento interpessoal com a equipe multiprofissional; acessibilidade ao local
de trabalho, sendo que algumas ESF são localizadas na zona rural; instabilidade
empregatícia devido às relações políticas.

O estudo evidenciou que 85,72% dos enfermeiros apresentaram nível de


ansiedade leve e 14,28%% nível moderado. Os fatores associados à
ocorrência de ansiedade nos enfermeiros da ESF vincularam- se principalmente ao
excesso de trabalho, seguido da falta de valorização profissional; pressão
exercida no processo de trabalho; preocupação e agitação no cotidiano do
trabalho.

O artigo trouxe um pequeno apanhado de dados, junto da experiência das


autoras no tema. Mesmo sendo sucinto foi possível identificar as principais causas
que levam esses profissionais a manifestarem crises de ansiedade dentro ou fora do
ambiente de trabalho.

ANSIEDADE DOS ENFERMEIROS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA


(2018)

Juliana Sangaletti
Luciane B.Ceretta
Maria Tereza Soratto

7 ENFERMEIROS

TEMPO ATUANDO COMO ENFERMEIROS ERA VARIADO

85,72% ANSIEDADE LEVE E 14,28% ANSIEDADE MODERADA

PRINCIPAIS CAUSAS:

EXCESSO DE TRABALHO

FALTA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL

PRESSÃO EXERCIDA NO PROCESSO DE TRABALHO

PREOCUPAÇÃO E AGITAÇÃO NO COTIDIANO DO TRABALHO

ACESSIBILIDADE AO LOCAL DE TRABALHO

IMPORTÂNCIA DO AUTO CUIDADO


O texto mostra que a ansiedade dos profissionais enfermeiros envolvia
sintomas cognitivos, físicos e motores e era a causa do absenteísmo por doenças
relacionadas ao trabalho.

É sugerido no texto, que seja feita uma avaliação da ansiedade dos enfermeiros
dentro dos espaços de trabalho para melhorar o processo de trabalho em saúde, a
prática clínica e o atendimento aos pacientes.

Você também pode gostar