Você está na página 1de 204

Etapas

• Apresentação dos Professores


• Apresentação dos Alunos
• Breve histórico Showbusiness brasileiro com a Evolução no Impaco
dos Eventos
• Premissas para a função de Produtor : Planejamento & Organização
• Premissas para o Produtor : Objetivos, Interesses & Pré-requisitos
• Panorama geral da formação : Funções, Ferramentas, Pré-requisitos
• Paralelos entre Produção nas áreas de Entretenimento –
Corporativo – Marketing & Esporte
• Mercado de Entretenimento: Local, Regional & Nacional
• Áreas de Atuação Profissional da Produção
• Conceitos Básicos, presente em Todas As Áreas
• Exercício de produção
• Etapas do Processo Produtivo
• Exemplos de Aplicação dos Conceitos Básicos nas Áreas de Atuação
IATEC
Instituto de Artes e Técnicas em Comunicação

Apresentação
A história do IATEC é um exemplo de que nada acontece por
acaso.
Em 1999, Carlos Roberto Pedruzzi, Sólon do Valle e Luiz
Helênio uniram-se para promover um workshop na PUC-RJ que
foi um sucesso. A partir dessa experiência , perceberam que o
mercado de áudio era carente de mão de obra qualificada e ,
portanto, de formação para estes profissionais. Com esta
determinação, poucos meses após o bem sucedido evento, os três
formalizaram a parceria que resultou no Instituto de Artes e
Técnicas em Comunicação, o IATEC.
PREMIOS

O Prêmio de Áudio Profissional (Prêmio PA), concedido pela


AMI Internacional Comercial Ltda, foi criado em 2000,
com o objetivo de homenagear os profissionais e atividades de
áudio que mais se destacaram no ano.

O IATEC foi o vencedor do Prêmio PA 2002, na categoria


Destaque do Ano, como a empresa que mais contribuiu para
melhorar o nível deste mercado no Brasil. Depois de um intervalo
de nove anos, o prêmio voltou a ser entregue e o IATEC
novamente figurou entre os ganhadores do Prêmio PA 2011 em
duas categorias: novamente como Destaque do Ano e como
Melhor Ensino de Áudio
APRESENTAÇÃO

Professor do Curso de
Produção Executiva de
Shows e Eventos:
Alvaro Nascimento
APRESENTAÇÃO

Alunos do Curso de
Produção Executiva de
Shows e Eventos
Uma breve história do
Showbusiness no Brasil
a partir de 1920.
Uma breve história do Showbusiness no Brasil a partir de 1920.

Teatro de Revista
Gênero musical de Entretenimento
de caráter satírico, com origem no
final do Barroco Francês, tendo seu
ápice no século XX. No Brasil teve sua
maior expressão no início do século
19, no Rio de Janeiro, com a criação
do Teatro do Recreio, que ligaria o
Teatro de Revista à música popular
até a década de 1930. A sua evolução
veio com a criação de novas
coreografias, textos elaborados com
apelo direto as emoções sensoriais:
Luzes, Cores, Música, Nudez e
Palavrões
Houve a aceleração dos
ritmos dos quadros musicais.
Evolução das Revistas –
Shows nos moldes
internacionais
Adaptação dos palcos dos
cassinos.
Iluminação e cenários
sofisticados, construção de
passarelas, coristas e
dançarinas. Figurinos
brilhantes.
Década de 1940 - 1950

Consolidação dos shows


modernos.
Consolidação dos Shows
Sofisticados – Teatro de
Revista transformado
definitivamente em
ESPETÁCULO para atender as
Altas Camadas da Sociedade.
Década de 1960 - 1970
O início da década de 60 é marcado
por problemas econômicos, pela
inflação, pelo alto custo de vida, pelo
desemprego, além da instabilidade
política e a luta pela permanência da
democracia. Em 1961 é criado o
Centro Popular de Cultura. Seu plano
de ação para as mudanças desejadas
incluía discussões sobre a realidade
sócio-política, econômica e cultural do
Brasil. Os CPCs se organizaram por
todo o país. Defendiam a opção pela
arte revolucionária, com o intuito de
desenvolver uma atividade
conscientizadora junto às classes
populares.
Década de 1960 - 1970

Os militares assumiram o poder


político com o golpe de 64,
assim, o país mergulhou num
período de 21 anos de
governos autoritários
comandados por generais.
Apesar da situação política
delicada, a produção cultural
não foi afetada até 1968.
Assim, em Dezembro de 64
nasceu o show musical Opinião
(Nara Leão, Zé Keti e João do
Vale ). A escolha do nome teve
um sentido notoriamente
político e de resistência.
Década de 1960 - 1970
Além da música, o cinema trouxe um
grande debate sobre a cultura
nacional popular. O movimento ficou
conhecido como CINEMA NOVO;
iniciou por volta de 1960 e durou até
1967. A proposta dos filmes era
mostrar a realidade brasileira e as
relações sociais conflituosas,
ambientadas, sobretudo no mundo
rural. A estética da fome era o
princípio norteador do movimento.
Entre outras produções do período
estão Vidas Secas, O pagador de
promessas e Deus e o Diabo na Terra
do Sol.
Festivais da Canção
Entre os anos de 1966 e 1968 os Festivais da Canção foram os
principais veículos da música engajada e nacionalista voltada
para os problemas sociais brasileiros. No ano de 66, a cidade
de São Paulo parou pra torcer pelas músicas “A Banda” e
“Disparada”. Com medo da reação do público, os jurados
decidiram considerar as duas empatadas em primeiro lugar.
Em 1967 o clima político tornava-se mais tenso e sombrio. As
manifestações dos estudantes pedindo a volta da democracia
preocupavam o governo militar. As denúncias sobre tortura
ganhavam destaque na imprensa do Brasil e do exterior.
No final de 68, Caetano anunciou o final do movimento.
Considerado um marco divisório na história da música, foi
durante os festivais da canção que se cunhou o termo “MPB”.
Os festivais da canção continuavam com grande prestígio e
foram o palco de protestos da classe média intelectualizada,
dos estudantes, etc.
O regime instituiu rígida censura a todos os meios de
comunicação, colocando fim à agitação política e cultural do
período. Nenhuma oposição ao governo seria tolerada, era a
época do slogan oficial: “Brasil, ame-o ou deixe-o”.
Década de 80 – Os Reis da Noite e Rock Nacional
-Nesta década surgem os “Reis da
Noite” José Victor Oliva e Ricardo
Amaral (Hippopotamus e Gallery).
Roberto Medina – criou a mais famosa
Indústria do Entretenimento (Rock in
Rio) e a Família Prioli pilotava o
Canecão – RJ.
- Ampliação da linguagem cênica
Novas tecnologias (câmeras, iluminação
e sonorização), Técnicas de projeção
(recursos multimídia), Uso de enormes
cenários, Surgimento de performances
integradas (teatro, dança, artes visuais –
filmes, textos)
- Surgimento de performances
interativas (modificação das relações
entre artista e público
OS GRANDES SHOWS INTERNACIONAIS
CHEGAM NO BRASIL!
Década de 90 até os dias de hoje: Consolidação do Setor
Hollywood Rock (1988 a 1993)
Rock in Rio ( desde 85 até hj)
Pavarotti in Concert (1991)
Madonna – The Girl Show (1993)
U2 (2006)
Rolling Stones (2006)
Cirque du Soleil (2006)
Paul McCartney (desde 1990)
Lollapalooza ( desde 2011)
Planeta Atlântida (desde 1996 - POA)
João do Rock (desde 2002 – Ribeirão Preto)
>>Dos 25 festivais mais antigos no mundo,
02 estão no Brasil, RiR e Lolla!!!
Premissas para a função
de Produtor :
Planejamento &
Organização
UMA APARÊNCIA SIMPLES, MAS CHEIA DE MISTÉRIOS!

Tudo parece muito simples quando você assiste a um evento e


tudo, parece estar funcionando ou quase.

É nesse “quase” ou “tudo” que entra a função da produção dos


eventos.

Pode-se dizer que este mercado de trabalho está em crescimento,


pois até os anos 80, este tipo de serviço só era realizado pelos
cerimoniais oficiais, por profissionais da área de relações públicas
ou ainda de maneira “caseira”, onde as pessoas com mais iniciativa
se destacavam entre os demais e assumiam a liderança no evento.
Diretamente ligada ao Brieffing Original e aos
times de Criação, Planejamento e budget.
Em qualquer tipo de produção temos
3 ETAPAS BÁSICAS a cumprir:

 Pré-Produção – planejamento

 Produção Executiva – execução

 Pós-Produção – desmontagem
O Planejamento
A Organização
Breve esclarecimento sobre modos de formação
dos profissionais no Brasil

SP > Em sua maioria, originário nas Agências de publicidade,


com desdobramento para Agências de Eventos.

RJ > Em sua maioria, originário nos Escritórios de


Empresariamento Artístico.

Demais estados > Em sua maioria, originário nos eventos


públicos, ampliando relação com os escritórios Artísticos &
Agencias de publicidade.
MODELO DE ORGANOGRAMA
(Diretor Geral )
(Diretor de Produção)
(Diretor Executivo de Entretenimento _ Experiência)
(Diretor Executivo de Marketing)

Diretor Artístico Geral Gerente de Produção Diretor Musical Direção Operacional

EQUIPE DE PRODUÇÃO EQUIPE TÉCNICA EQUIPE ARTÍSTICA DIREÇÃO MUSICAL

Produtor Master Diretor Técnico Direção Geral Diretor Musical

Assistente de Produção Diretor Técnico Assistente Assistente de Diretor Geral Banda / Músicos

Produtor Artístico Patch Roteiristas Arregimentação

Produtor de Montagem Técnico de PA Light Designer Operadores

Produtor Financeiro Técnico de Montagem Operador de Áudio

Produtor Logística Técnico de MC Figurinista

Produtor de Backstage Alignment System Assistente de Palco

Produtor de Conteúdo Diretor de Palco

Apoios Diretor de Palco Assistente

Coordenador Apoios -
Roadies
assistentes por área

Departamento Jurídico

Despachante para alvaras e


liberações
Premissas para o
Produtor e sua
formação:
Objetivos, Interesses
& Pré-requisitos
Antes, fundamental esclarecer a diferença:

*Profissionais que trabalham COM


Produção

*Profissionais que trabalham EM Produção


A CareerCast, empresa norte-americana de consultoria em trabalho, divulgou
o seu "Ranking 2013" com os 200 melhores e piores empregos da
atualidade. Segundo a pesquisa, a profissão de Organizador de Eventos
ocupa o lugar nº 62, tendo melhorado em comparação com o ano anterior,
quando aparecia na 82ª colocação.

O estudo é baseado numa combinação de cinco critérios: exigências físicas,


ambiente de trabalho, remuneração, estresse e probabilidades de
contratação. Dessa forma, os melhor empregos seriam aqueles que oferecem
uma boa qualidade de vida com um mínimo de estresse.

Os cinco melhores empregos, segundo o Ranking 2013, seriam: ciências


atuariais, engenheiro biomédico, engenheiro de software, audiólogo e
planejador financeiro. Já os cinco piores empregos, entre os 200 avaliados,
seriam: trabalhador de plataforma de Petróleo, ator, militar, lenhador e
repórter de jornal
É natural que os profissionais de eventos tenham mudanças de comportamento, em
maior ou menor grau, as vésperas de acontecer um evento no qual tenham que assumir
responsabilidades que demandem energia e concentração fora do comum. É a chamada
“tensão pré-evento”, uma espécie de estresse específico que afeta uns mais do que
outros, mas afeta praticamente a todos esses profissionais, de acordo com as
circunstâncias.

Você ouve dizer: “Nossa, fulano está chato hoje!” "Fulano está esquisito!” "Fulano está se
achando!" Mas não é necessariamente isso. Ele pode estar apenas um pouco cansado e
focado, organizando e repassando constantemente um extenso “check list mental” do
qual constam dezenas de compromissos, tarefas e prazos inadiáveis, assim como diversos
procedimentos.
Um simples descuido ou um pequeno esquecimento podem jogar tudo por água abaixo.

Portanto, não estar disponível aos bate papos do dia a dia, é para não perder o seu foco
principal. Mas não o julgue de forma errada. A questão é todos buscarem manter
equilibro e a inteligência emocional e dar apoio uns aos outros como toda equipe
vencedora o faz.
Ideal é agir com a natural sabedoria e coragem que caracteriza os profissionais do setor,
pois, a final de contas, PRODUÇÃO não é para os fracos, certo?!!!
O Mercado do
Entretenimento: Local,
Regional & Nacional
MERCADO DE ENTRENIMENTO
EM QUE MOMENTO ESTAMOS??
MERCADO

Em 2011 o Festival Internacional de Música, Rock in Rio, voltou para a cidade


que impôs seu nome ao Festival mesmo com edições em outras grandes
metrópoles mundiais.
Vinte anos depois de termos sediado a ECO92, sediamos a Conferência das
Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio + 20 em 2012.
Criado nos anos 90 por Perry Farrel do Jane's Addiction o festival Lollapalooza ,
um dos festivais mais badalados da América, já está na 7ª edição em SP.
Em 2015 a cidade de ITU recebeu o Tomorrowland Brasil festival belga de
música eletrônica que desembarca na terra brasilis!
O PLANETA ATLANTIDA que começou em 1996, já esta na 24ª. edição e é
definitivamente um dos maiores eventos do país.
Tivemos a Copa das Confederações, a Copa do Mundo, JMJ, em 2016 as
Olimpíadas e as Para Olimpíadas, Copa das Américas em 2019, isso tudo sem
falar nos grandes nomes do show business mundial que vêm e ainda irão passar
pelo País nos próximos anos.
G1.com - Notícias em destaque:
Shows de Paul McCartney no Brasil
são eleitos os melhores de 2014.
O que atrai estes eventos, as
empresas estrangeiras e as “super”
estrelas da música internacional ao
Brasil?
MERCADO
 A estabilização da economia;

 O crescente potencial de consumo do mercado brasileiro.


Em 2009, a consultora Nielsen numa pesquisa com 25 mil pessoas em
50 países, revelou que 50% dos brasileiros, após pagarem as todas as
despesas essenciais, pretendiam gastar o que sobrasse em
entretenimento.

 Segundo o IBGE, a média brasileira de despesa mensal com cultura por


família é de 4,4% do total de rendimentos, acima da educação (3,5%),
não variando em razão da classe social, ocupando a 6ª. Posição nos
gastos da família brasileira.

 As empresas promotoras de grandes espetáculos se especializaram


muito.

 Com a mudança no setor fonográfico, onde a venda de CDs deixou de


ser rentável, gravadoras e artistas investem em “megaturnês”.
Um mercado em plena ascensão
Na cultura
 Apenas 13% dos brasileiros frequentam cinema uma vez por ano;

 92% dos brasileiros nunca frequentaram museus;

 93,4% dos brasileiros jamais frequentaram alguma exposição de


arte;

 78% dos brasileiros nunca assistiram a espetáculo de dança,


embora 28,8% saiam para dançar;

 Mais de 90% dos municípios não possuem salas de cinema,


teatro, museus e espaços culturais multiuso.

*Dados do Programa Mais Cultura do Minc.


EVENTOS

O mercado brasileiro de eventos cresceu cerca de 14% ano nos últimos 12


anos. Em 2013 gerou R$209,2 bilhões, em um total de 590 mil eventos
realizados. O segmento arrecada R$ 48,7 bilhões em impostos, gera 7,5
milhões de empregos e representa 4,3% do PIB do Brasil.
Do total de eventos realizados no Brasil em 2013, ou seja, 52% aconteceram
nos estados da Região Sudeste. Depois temos:
Nordeste - 116.362 ou 20%,
Sul - 88.420 ou 15%
Centro-oeste - 54.669 ou 9%
Norte - 25.721 ou 4%
Comparando com o resultado da pesquisa realizada em 2001, o Sudeste
manteve sua posição, enquanto o Sul perdeu para o Nordeste, que em 2001
ocupava a terceira posição.
EVENTOS

 As micro e pequenas empresas são maioria entre as que atuam no


mercado de eventos. Elas correspondem 76,8% do mercado que
faturou, somente no ano passado cerca de R$ 209,2 bilhões.
 Em 2013 foram realizados 590.913 eventos nos 9.445 espaços
disponíveis no país (bares/restaurantes, casa e salões de festas; casas
noturnas; centros de convenções e exposições, clubes, hotéis, escolas,
marinas, parques, teatros, etc).
 •O estudo da ABEOC (Assoc. Brasileira de Empresas de Eventos) revela
também a perda de espaço dos meios tradicionais de comunicação e o
avanço da internet como veículo de divulgação dos eventos.
 Os sites são os principais meios, com 84,4% de utilização, seguido das
redes sociais (66,5%), do e-mail marketing (46,6%). Os jornais e o rádio,
por exemplo, aparecem com percentuais de 24,8% e 18,2%,
respectivamente. *dados da ABEOC (ass. bras de empresas de eventos)
EVENTOS

 O período de agosto a dezembro é o mais disputado para


a realização de eventos, com o ápice em novembro,
com 59,1% dos espaços ocupados em todo o país, sendo
que 95,6% foram de caráter nacional e 4,4% de caráter
internacional. O que indica um grande potencial para
o crescimento.

 Numero de participantes por região:


Região Centro-Oeste: 18.243.000
Região Nordeste: 33.915.225
Região Norte: 6.399.276
Região Sudeste: 106.230.447
Região Sul: 37.383.838
EMPREGOS

Por ser um setor intensivo em mão de obra, a indústria


de eventos contribui de forma significativa no processo
de geração de emprego no país, totalizando 7,5
milhões de empregos diretos, terceirizados e indiretos.
As empresas organizadoras geram 1.371.955
empregos diretos e terceirizados, enquanto os espaços
para eventos somam 521.463 empregos. Utilizando o
multiplicador de emprego da indústria turística
brasileira, que estabelece três empregos indiretos para
cada direto ou terceirizado, chega-se a 7.573.676 de
empregos.
TEMOS MÃO DE OBRA CAPACITADA PARA ATENDER
ESSA DEMANDA?????????
Capacitação dos profissionais, prestadores de
serviços e fornecedores.

O QUE É FUNDAMENTAL?
Vínculo com princípios como:
• Comprometimento
• Atendimento
• Responsabilidade
• Pontualidade
• Ética
Áreas de Atuação
Profissional da
Produção
Entretenimento, Corporativo, Marketing & Esporte
ÁREAS DE ATUAÇÃO

Música:
Área Não Industrial / Produção Artística
Produção Artística = Empresariamento, Direcionamento artístico &
Administração de Carreira
Produção Executiva = Gerência Geral
Produção Técnica ou Direção Técnica = Coordenação técnica
Produção Interna ou Escritório ou Base = Pré-produção
Área Industrial / Produção Fonográfica
Produção Fonográfica = Gravadoras / Selos
Produção Musical = Co-autoria do produto

Teatro & Dança: (Atentar para a diferença de que em Ballet


Clássico, majoritariamente há música ao vivo que gera uma
segunda etapa de produção: Música Erudita)
Produtor = Viabilização e Administração Financeira + Gestão de Carreira
Produção Executiva = Direção de Produção
Assistência de produção = Execução por área
Administração = Manutenção
Cinema & TV & Publicidade
Produtor = Empresa que viabiliza financeira e estrategicamente o Projeto
Produção Executiva = Administração Financeira
Direção de Prod. & Gerência de Prod. (TV) = Coordenação & Administração
Produção & Assistência de Produção = Execução por área: Locação, Elenco,
Musical, Arte, Cenário, Figurino, Engenharia e Set (Platô).

Rádio:
Produção Musical = Programação & Catálogo
Produção = Promoção & Execução
Novas Mídias = Rádio Digital (internet)

Artes plásticas / Literatura


Produtor Executiva / Editora = Empresa que viabiliza financeira e estrate-
gicamente o Projeto
Produção & Assistência de produção = Execução
Eventos Corporativos (>Mídia Interna) & Eventos Especiais (>Mídia externa):
Variante POR projeto: ENTRETENIMENTO - CORPORATIVO - MARKETING - ESPORTE

Produtora / Agência produtora = Empresa que viabiliza/ capta financeira e estrategicamente o Projeto
Direção de Produção = Administração financeira, atendimento ao cliente e conceitual
Gerência de Produção = Planejamento operacional
Produção Máster ou Produtor Executivo = Artístico, Operacional e técnico. Administração de todos
os recursos estruturais, físicos, humanos e financeiros do projeto, aspectos legais e jurídicos. É a pessoa de
campo que sabe de tudo do projeto.
Produtores de Áreas & Assistentes = Infraestrutura, cenário, serviços, logística, área técnica, ativações,
A&B, artístico, liberações, financeiro e etc. Cabe ao Produtor de Montagem o desenvolvimento do
Caderno de Artes para aprovação do cliente e , posteriormente, aplicado e conferido no evento.

Produção Artística: Desenvolve projetos personalizados, cria, elabora projetos, conceito, criação artíst.
e seleciona profissionais especializados;
Coordenação ou Direção Geral: Garante que tudo o que foi idealizado pelo diretor artístico seja
executado, atento a fidelidade ao projeto;
Captação de Recursos: Capta recursos, cria plano de captação e estudo de patrocínio, apoio, parceria
público e/ou privado em função do perfil do projeto;
Produtor : Tem a função de EXECUTAR, faz a análise de viabilidade técnica dos projetos de acordo com
as estratégias de patrocínio, é a ponte de relacionamento entre produção executiva e produção
artística. Trabalha cronograma, organização e operacionalização geral de toda infra-estrutura e logística
de realização do projeto.
MODELOS

MODELOS DE BOOK DE
PRODUÇÃO &
RELATÓRIO DE
MONTAGEM, ANEXO
Conceitos Básicos,
presente em Todas
As Áreas
- Cenografia, Palco & Infraestrutura (montagem, manutenção e
Desmontagem de “sites”
- Sonorização
- Iluminação
- Vídeo: Telão + Projeção + Painel de LED ou Videowall, monitores
de TV, Captação & Transmissão Simultânea + Adequação de
Conteúdo
- Energia
- Logística: Transporte, Hospedagem e Alimentação
- A&B
- Recursos Humanos Terceirizados: Carregadores, Limpeza,
Manobristas, Operador de Tráfego, Equipe de Apoio, Receptivo, Posso
Ajudar , promotores e afins.
- Segurança
- Identificação
- Neutralização de Carbono
- Promoção / Mídia
- Seguros
- Direção Artística
- Legalização, Liberações & Direito no Entretenimento
A produção é o que torna um
projeto ou ideias viáveis, envolve
muitos profissionais e deve ser
realizada com antecedência e
atenção aos DETALHES.
PRODUTOR = FACILITADOR

PRODUTOR NÃO PRECISA ENTENDER


PROFUNDAMENTE DE PALCO, SOM, LUZ E VÍDEO,
ETC..., MAS,
PRECISA ENTENDER O QUE
O EVENTO PRECISA:
DO PALCO,
DO SOM,
DA LUZ E
DO VÍDEO...
Cenografia, Palco,
Infraestrutura,
montagem,
manutenção e
desmontagem de “sites
Vamos começar pelo PALCO, afinal, todo e qualquer evento
precisa de um palco.

Sendo ao ar livre ele pode ser nos formatos: órbit, caixote,


passarela, altar, tablado, pódio...

O PALCO pode contemplar uma cenografia específica, em


conformidade com a necessidade do evento e da relação que
este pretende ter com a plateia.

Para a montagem há necessidade de um arquiteto ou


Engenheiro ( Palco & estrutura) e um arquiteto ou designer
(cenografia) para assinar o projeto (ART).
TEATRO & AR LIVRE

(VAMOS CONSIDERAR TEATROS = CASAS DE SHOWS)


TEATROTEATROS
/ CASA DE SHOW
O COMEÇO DE TUDO
Tragédia grega – 550 AC
A tragédia, e o teatro, nasceram das celebrações e ritos a Dionísio, o deus
campestre do vinho. Em tais festividades, as pessoas bebiam vinho até ficarem
embriagadas, o que lhes permitia entrar em contato com o deus homenageado.
Homens fantasiados de bodes (em grego, tragos) encenavam o mito de Dionísio
e da dádiva dada por ele à humanidade: o vinho.
COLISEU DE ROMA – 70 DC
SHAKESPEARE’S GLOBE
1599
DIAS ATUAIS NO BRASIL

MUNICIPAL RIO CASTRO ALVES DA PAZ

JOSÉ DE ALENCAR BRADESCO


TIPOS DE PALCO
PALCO ITALIANO
-Palco italiano: onde os
espectadores ficam apenas de
frente. O público situa-se mais
distante da platéia.
PALCO ARENA
Palco arena: área
central situada no
fundo da platéia. O
público senta-se em
uma especie de
puleiro a seu redor.
Geralmente, os
teatros de arena são
muito pequenos, de
modo que os atores
e o público mantêm
uma relação mais
estreita.
PALCO ELIZABETANO
Palco elizabetano: tem
a característica de um
palco misto. É um
espaço fechado,
retangular, com uma
grande ampliação de
proscênio (em formato
retangular ou circular).
O público o circunda
por três lados:
Retangular, circular ou
misto
ELEMENTOS QUE COMPÕE O PALCO - I
Abraçadeira: Peça de metal em vários modelos para fixação ou
conexão de elementos e peças. Utilizados na amarração de varas e
outros equipamentos cenográficos.

Alçapão: Abertura do chão do palco, dissimulada aos olhos dos


espectadores, para encenar efeitos de aparição e desaparição de atores
ou objetos cênicos.

Bambolina: Pano estreito que tapa o teto do palco, ocultando os


refletores.

Coxia: Espaços de serviço e circulação não visíveis ao público,


localizados nos extremos laterais e de fundo do palco, determinando o
movimento de cenografia e acesso de atores. As laterais com uma
dimensão mínima da metade do palco e o fundo com espaço suficiente
para passagem de atores.
ELEMENTOS QUE COMPÕE O PALCO - II
Ciclorama: Cortina esticada, semelhante a uma tela, que se estende
pelo fundo do palco com armação em forma de "U" aberto e que é
colocada ao fundo do palco. Pode ser nas cores branco, pérola, cinza ou
azul claro.

Cortina de boca: Cortina de boca de cena que caracteristicamente se


movimenta nos sentidos laterais, fechando ou abrindo nas mudanças de
atos, encerramentos ou aberturas das sessões.

Fosso de Orquestra: : Espaço que abriga conjuntos de músicos, não


interferindo com o visual de público por estar no plano inferior ao nível
do palco. Pode ser executado através de elevadores hidráulicos ou pisos
removíveis (quartelada).

Linóleo: Tapete de borracha especial colocado como forração do piso do


palco, com função de proteção e/ou acabamento; também utilizado para
amortecer o impacto dos movimentos, sendo muito utilizado em
espetáculos de dança.
ELEMENTOS QUE COMPÕE O PALCO - III
Pano de fundo: Sinônimo de rotunda. Às vezes pode ser um outro
pano, à frente da rotunda do palco.

Perna: Elemento que se caracteriza como limite lateral do palco. Tecido


sem armação. O conjunto de pernas e bambolinas é parte da câmara
negra.

Proscênio: À frente do palco; ante cena. Prolongamento no mesmo


nível do palco projetado até o público que se adapta a diversas formas e
dimensões.

Quartelada: Tampos de madeira que compõem o piso do palco.

Vara de cenário ou de luz: Barra de metal ou madeira, utilizada para


se dependurar elementos cenográficos, equipamentos de luz e
vestimentas de palco.
urdimento
varas

bambolina

pernas

cortina
ciclorama
PLANTA BAIXA

CORTE
INFORMAÇÕES
TÉCNICAS
TEATROS
FICHA TÉCNICA TEATROS
MAPAS E PLANTAS

Planta Baixa Palco


Mapa de Varas de Luz
Mapa de Varas de Cenário
Cortes
MAPAS E PLANTAS

Mapa de Varas de Luz


MAPAS E PLANTAS

Corte
MATERIAL DE PALCO
- PRATICÁVEIS
- BANCOS, BANQUETAS E CADEIRAS
- ESTANTES DE PARTITURA
- BACKLINE – AMPLIFICADORES DE BAIXO, GUITARRA E TECLADO E
CAIXA PARA TECLADO
- INSTRUMENTOS
- PISO DE DANÇA: LINÓLEO
- TAPETES E CARPETES
- FITAS DE SINALIZAÇÃO
ESPAÇOS DE APOIO NOS TEATROS

Áreas de Atendimento
ao Público:
• Bilheterias
• Banheiros
• Chapelaria
• Camarins
• Administração
• Produção e Técnica
• Salas de Ensaio
• Depósitos
• Vestiários .
UMA INFORMAÇÃO PARA CADA NECESSIDSADE
QUAL A SUA PRODUÇÃO?

O QUE É IMPORTANTE PARA VOCÊ E SUA PRODUÇÃO?

TROCAR INFORMAÇÕES COM OS TEATROS


AO AR LIVRE
O modelo deve estar alinhado com o conceito
do evento.
Para dimensionar o tamanho temos que
considerar: o espaço existente, o tipo de piso
e, principalmente, os riders (necessidades das
atrações) e quantidade de artistas.

ATENÇÃO: analise de a posição do sol e do


vento. Posicionar, preferencialmente, de frente
para a entrada do evento.

Contemplar espaços para as áreas de


montagem das bandas, depósito de
equipamentos, escadas e rampas de acesso, e
docas de carga e descarga. A altura do piso é
calculada em função da quantidade de público.
BOX TRUSS E CONCHA
MODELOS DE COBERTURA DUAS ÁGUAS
PROJETO AQUARIUS
REVEILLON COPACABANA
ROCK IN RIO 2011
U2 – 360
ELEMENTOS QUE COMPÕE UM PALCO AO AR LIVRE
House Mix
Coxias
Área de movimentação de
palco
Área para mesas de monitor
Área para cases
Torres de Som e Luz
Torres de Delay
Barricada
Pequeno Camarim
WC Químico
Doca
Rampa
ÁREAS PARA COMUNICAÇÃO
Fundo de Palco
Saia de Palco
Testeira
Telas Ortofônicas
Laterais de Palco
ÁREAS DE SEGURANÇA
Barricada
Fechamento Back Stage
Sala de Acaltelamento de
Armas
ARREDORES
O que prever no planejamento de
implantação?
ÁREA DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO
- Bilheteria
- Entrada / Gradeamentos / Triagem
- Revista / Seleção
- Catracas
- Rampas e locais para PNE
- Informações
- Juizado de Menores
- Achados e perdidos
- Venda Merchandising
ÁREAS PARA ARTISTAS E AFINS

Camarins
- Individuais
- Coletivos
> Artista Principal
> Músicos
> Técnica
> Apresentadores
> Bailarinos
> DJ’s
> Autoridades
Montar o mais próximo ao palco
possível.
Seguir parâmetros estabelecidos no
contrato / rider.
Prever banheiros exclusivos.

- Salas de Ensaio
- Áreas de Convivência
- Salas de Estudo
OUTROS ESPAÇOS
Produção
- Direção de Produção
- Produção do Artista
- Produção Artística
- Produção Geral
- Financeiro
- Logística

Serviços
- Posto Médico
- Limpeza
- Segurança
- Carregadores
- Brigada
- Promotores e Posso Ajudar
- Depósitos
> produção
> móveis
> palco
Caçambas e lixeiras

• Considerar as caçambas de recolhimento de lixo durante


todo o período de montagem, evento e desmontagem.

• Utilizar lixeiras e caçambas para lixo reciclável e caçamba


para lixo orgânico.

• As lixeiras devem ser bem distribuídas, separando os


diversos tipos de resíduos (no caso da cidade possuir
coleta seletiva).

• Privilegiar as áreas próximas aos bares e áreas de


consumo de alimentos e bebidas.

• As empresas de recolhimento de lixo devem ser


certificadas pela secretaria de meio ambiente do estado.
IMPORTANTE

UTI Médica

• Posicionar as ambulâncias próximo aos postos médicos, ou


vias de circulação de serviço, próximo palco, com facilidade
de acesso do público.
• Prever ambulância durante a montagem.
• Quantidade depende da quantidade de público e tipo de
evento (no Rio Cremerj define a quantidade).

Postos médicos

• Quantidade e tamanho são definidos de acordo com o


tamanho do evento (no RJ o Cremerj elabora este plano de
atendimento).
• Prever instalação de ponto de água.
• Importante ter um posto próximo ao palco.
• Local de fácil acesso de pessoas e veículos.
• Atenção no horário de funcionamento.
OUTROS ESPAÇOS
A&B
- Bares
- Local para Ambulantes
- Depósitos de Bebidas
- Depósito de Gelo
- Local para refeições das equipes
de trabalho

Infraestrutura
- Banheiros
> Equipe
> Serviço e Ambulantes
> Público
- Área para Geradores
- Estacionamento
- Área para Lixo
Área para Abastecimento
PLANTA DE IMPLATNAÇÃO DE EVENTO COM ROTA DE FUGA
DESCRITIVO DE PRODUÇÃO

DESCRITIVO DE PRODUÇÃO
Mobilário /
no Espaço Local elétrica internet ac
Equipamentos

A TÉRREO
Vão do pilotisTóten de entrada +
Recepção do em frente a Tapete vermelho e Iluminação Cênica no
1 ### ###
Público entrada da separadores de fila + tóten
rampa Receptivo
Pórtico em estrutura
Pórtico
2 Pilotis metálica com Iluminação Cênica ### ###
Cenográfico
cenografia
Balcão com cenografia
tomadas para 1
Sala de Entrega e Tapadeira no fundo
Entrada acervo impressora, 3 laptops,
3 de Camisetas e com lona impressa + 3 mega
Cinemateca frigobar e moden / Ver
Convites banquetas + frigo +
Iluminação de serviço
armários baixos
Estrutura em madeira
tomadas para 1
com cenografia + 6
impressora, 3 laptops, split da Loc
4 Bilheteria Pilotis cadeiras de escritorio 3 mega
frigobar e moden / Ar
+ armário baixo +
Iluminação
estante + cofre + frigo
Estrutura em
octanorm com Tomadas já tem / split da Loc
5 Posto Médico Pilotis ###
adesivos + Mesa + Iluminação Ar
cadeiras + geladeira
Tapete + Cenografia
ponto de luz para
6 Rampa de Acesso existente com mini lâmpadas de ###
cenografia
PLANILHA DE MOBILIÁRIO
mobiliário SALÃO
no
item forneced local quan referência foto
or t
1
Mesas Bistrô Bombo - BRANCO NVNVNV Fumoir (7) 13
+ Pista de
dança (6)

2
Banqueta Bombo - BRANCO JHGF Fumoir + 26
Pista de
dança

Balcão curvo em fórmica branca POIU Caixa no 1 2,00m 548


Lounge VIP

3
Mesa Bistrô cromada com tampo de KKJJG Pérgula 30
vidro (12) +
Salão (9) +
Restaurant
e (5) +
Conv. (4)
PLANILHA DE MOBILIÁRIO

mobiliário de serviço e camarins

no item quant fornecedor local


produção, posto médico, dep.
1 Mesa de escritório - 1m 15 POKJUY
produção, segurança
2 Mesa de reunião redonda 1 produção e A&B
3 Cadeira escritório rodízio 19 produção
4 Cadeira escritório fixa 16 produção
5 Armário baixo com chave 7 produção
6 Armário alto de ferro com chave 3 serviço
7 Estante de ferro 16 vários
Balcão reto 1m com prateleiras
8 catering
internas + 1 Bancão curco 2m
10 Balcão Curvo em Fórmica Branca 1 Customização
Armário Vestiário Loker com 2 portas e
11 16 Vestiário Geral
cadeados - Cozinha
Armário Vestiário Loker com 2 portas e
12 48 Vestiário Geral
cadeados
13 Cofre 2 Bilheteria e Segurança
14 Frigobar 9 vários
15 Geladeira 1 vários
16 Sofá 2 lugares branco 2 camarim e sala produção2
17 Poltrona branca 2 camarim e sala produção2
18 Arara de roupas 4 camarins
19 Mesa Bistrô Tampo MDF 7 camarins
Sonorização
SONORIZAÇÃO
Dimensionar o local a ser sonorizado,
verificando a capacidade do espaço, prever
expectativa de público para este local,
relação das atrações (O que? Quem?),
solicitar as necessidades de quem irá
utilizar os equipamentos (riders), solicitar
um engenheiro de áudio para adequar as
necessidades do usuário ao local e, então,
estabelecer os equipamentos necessários
para uma sonorização eficiente. Há
necessidade de um engenheiro para
assinar o projeto (ART).
AO DIMENSIONAR O EQUIPAMENTO
DE SOM É NECESSÁRIO CONSIDERAR
• Tamanho do local
• Aberto ou fechado
• Público estimado
• Necessidades artísticas
• Necessidades técnicas

CONCEITUAÇÃO
• Objetivo do evento
• nível sonoro
• proposta artística

ESCOLHER O MELHOR FORNECEDOR


• Indicação artística
• Analisar a melhor opção do ponto de vista técnico
• Atendimento e parceria
• Custo de logística
LOCAL DO EVENTO

• TEATRO OU CASA DE SHOW = SOM EXISTENTE, VER O


QUE PRECISA COMPLETAR

• AR LIVRE = ÁREA X NÚMERO DE PESSOAS

• CENTRO DE CONVENÇÕES E LOCAIS PARA EVENTO =


CASO A CASO
SUPORTE TÉCNICO
Devemos contar sempre com o apoio de um Técnico de som ou diretor técnico,
para:
• Analisar o rider do local / Fazer as adaptações necessárias
• Fazer o link entre o artista e o local / evento
• Operar o som na hora do evento / fornecer ART do som para o evento

FORNECER...
O produtor deverá fornecer informações para que o técnico possa dimensionar o
som
• público estimado
• planta do local
• rider técnico do local e rider técnico dos artistas envolvidos
• roteiro do evento

PREVER...
• O tempo de montagem + passagem de som + imprevistos
• Número de técnicos para alimentação e transporte fora do rio
• Local para técnica em grandes eventos
• Local para cases de som
• Local para carretas
EQUIPAMENTO DE SOM
No geral é composto de:

• Pa (public address)
• Monitores RIDER TÉCNICO
• Side field MAPA DE PALCO
• Amplificadores e caixas
LISTAGENS
• Subwoofer
• Racks de som
• Microfones
• Mesa de som – PA
• Mesa de som - Monitor
RIDER
RIDER TÉCNICO

MAPA DE PALCO

TÉCNICO
LISTAGENS
SEPULTURA
SEPULTURA
EVENTOS CORPORATIVOS

Essencial que o Cliente, através de seu atendimento


ou “função similar”, levante com seus clientes
internos o descritivo do que ocorrerá, levantando
TODO o descritivo técnico e operacional necessário:
Tipos de microfone, tipos e formatos de Conteúdo
visual: TVs, LED, Telão, Formato adequado com a
tecnologia do conteúda a ser exibido, Extensão do
arquivo de conteúdo, Demanda de WEB (cabo- wi-fi),
duração do arquivo, demanda de testes e ajustes do
conteúdo, carga elétrica condicional para o
funcionamento e MAIS IMPORTANTE: se há e como
se dá a interação com o expectador.

Somente com este descritivo, será possível


dimensionar, de fato, a demanda técnica e custos.
EXEMPLO: IVETE SANGALO
EXEMPLOS DE MAPA DE PALCO
Iluminação
ILUMINAÇÃO
Verificar as condições do local (palco, cobertura,
estruturas de fixação de equipamentos, área
de plateia, projetos e ambientes cenográficos,
etc.), solicitar as necessidades do usuário (rider),
convocar um iluminador para adaptar as
necessidades ao local, sabendo que pode ser
viável a adaptação do local às necessidades e
definir o equipamento que será necessário para
um bom plano de luz. Então orçar e executar. Há
necessidade de um engenheiro para assinar o
projeto
(ART).
PARA DIMENSIONAR O EQUIPAMENTO DE LUZ É NECESSÁRIO
CONSIDERAR
Tamanho do palco e ambiente
Incidência ou não de luz externa
Hora do evento ou show
Suportes para equipamentos de luz
Necessidades artísticas

CONCEPÇÃO RIDER TÉCNICO


• Proposta artística ( Nos corporativos, deve-se levar em conta o Conceito
do produto ou evento emMAPAquestão,
DEobservando
PALCO cores de Marca e de
concorrentes).
• Intenção da luz LISTAGENS
• nível de iluminação
• objetivo do evento

ESCOLHER O MELHOR FORNECEDOR


• Indicação artística
• Analisar a melhor opção do ponto de vista técnico
• Atendimento e parceria
• Custo de logística
LOCAL DO EVENTO

• TEATRO OU CASA DE SHOW = LUZ EXISTENTE,


VER O QUE PRECISA COMPLETAR

• AR LIVRE = ÁREA DO PALCO + ÁREA DE


PÚBLICO

• CENTRO DE CONVENÇÕES E LOCAIS PARA


EVENTO = GERALMENTE NÃO TEM SUPORTE
PARA REFLETORES
JANTAR COMITE RIO 2016
CAMAROTE
CARAS
EQUIPAMENTO DE LUZ

No geral é composto de:

• Refletores
• Lâmpada par
• Elipsoidal
• Fresnel
• Moving lights
• Strobo
• Par led
• Treliças
• Mesa de controle
• Suportes e garras / travas de segurança
SUPORTE TÉCNICO
Devemos contar sempre com o apoio de um Técnico de luz ou iluminador
Para:
• Analisar o rider do local e os riders dos artistas
• Fazer as adaptações necessárias
• Fazer o link entre o artista e o local / evento
• Montar e afinar a luz / fornecer ART de luz para o evento

FORNECER...
O produtor deverá fornecer informações para que o técnico possa
dimensionar o equipamento de luz necessário.
• projeto de cenografia
• planta do local
• rider técnico do local e rider técnico dos artistas envolvidos
• roteiro do evento

PREVER...
O tempo de montagem + afinação + passagem de som + imprevistos
Número de técnicos para alimentação e transporte fora do rio
Local para racks de luz e cases de luz
VÍDEO
TELÃO + PROJEÇÃO

PAINEL DE LED OU
VIDEOWALL

MONITORES DE TV

CAPTAÇÃO /
TRANSMISSÃO
SIMULTÂNEA

CONTEÚDO
PARA DIMENSIONAR O TIPO DE EQUIPAMENTO DE
VÍDEO NECESSÁRIO DEVEMOS CONSIDERAR:

• Tamanho do palco e das laterais (asas)


• Incidência ou não de luz externa
• Hora do evento ou show
• Suportes para tela e projetor / painel de led
• Necessidades artísticas
• Necessidades técnicas
Evento: BRICS
2014 - Evento de
Fortaleza -
Julho/2014

Multiprojeção
em tela curva de
58 x 5.5m com
12 projetores de
20K full HD,
Spyder X20 e
coolux
Videowall com monitores de 46" em formato 6x3,
TVS led de 90" e ipads.

FASHION RIO – ABRIL 2014


CAMPANHA CARINHO DE VERDADE
CRISTO REDENTOR - 2010
https://www.youtube.com/watch?v=24CLja7sdgI
https://www.youtube.com/watch?v=tnj_KxUU8FY (com
making off
Tecnologia

• Telão para transmissão simultânea


• Vídeo Conferências e afins.
• Internet
• Sistema para Bilheteria
Tecnologia:

Telão para transmissão simultânea, TI, Vídeo, Internet,


Conferências e afins.
Energia
ENERGIA

Vital para qualquer evento. O fornecimento de


energia pode já estar instalado no local
(transformadores ou caixas de alimentação)
ou terá que ser colocado à disposição
(geradores móveis). Deve-se verificar o local
com auxílio de um eletricista para dimensionar
a capacidade de cada fonte e adequar o
fornecimento à demanda do evento.
Necessário aterramento e um engenheiro para
assinar o projeto (ART).

Observar a Legislação que obriga o uso de fontes


alternativas ( geradores).
GERADORES

• Listar os equipamentos a serem alimentados e as cargas de energia


necessárias.

• Som e vídeo podem compartilhar o mesmo gerador, mas nenhum dos


dois podem ser compartilhados com o sistema de iluminação, à não ser
que seja instalado um transformador isolador.

• Analisar quantos dias e horas de funcionamento serão necessários


(consumo de diesel).

Os geradores podem ser utilizados para fornecimento de energia para



2
serviços e equipamentos secundários (cozinha, bares, montagem), ou
como back up do sistema de geradores para as atividades principais
(som, luz, vídeo).

FESTIVAIS
GERADORES
• Sempre que houver geladeiras e freezes que precisem permanecer
ligados 24hs, analisar forma segura de mantê-los ligados,
eliminando o risco de queda de energia.
• Considerar sempre back up

• Considerar cercamento do equipamento com grades e agente de


segurança.

• Ao posicionar, considerar emissão de CO2, afastar ao máximo da


área de circulação de público e avaliar a distância entre o
equipamento e o ponto de utilização (cabos).

• Verificar a frequência (Hz) e a voltagem (V) do equipamento.

• O equipamento deve ser dimensionado com sobra de carga em


relação a demanda. Ex.: se a demanda é de 70 KVA, considerar
equipamento de 100 KVA.
<<<<500 kvas

O kVA é uma medida de


potência elétrica
Logística
Logística

A Logística é a parte invisível dos eventos,


para o público e , muitas vezes, para o
próprio staff. Ela irá se tornar visível, para
todos, e tangível no instante em que ocorrer
um problema ou demanda de alteração. Ela
permite que o público, o cliente e o
Patrocinador , tenham suas expectativas e
planejamentos cumpridos ou superados.
Transporte:
Analisar as necessidades do trabalho a ser realizado, fundamentando as opções
com as diretrizes: QUEM ou O QUE será transportado? Quantas pessoas? Se há
equipamentos e suas dimensões e pesos, checar as distâncias que serão percorridas
e fundamentalmente, a verba disponível para então definir a melhor opção: carro
simples, carro luxo, vans, pick ups, furgões, caminhões pequenos, médios, grandes
ou ainda carretas, avião de linha, de carga ou frete e demais opções.

Hospedagem:
Analisar as necessidades do trabalho a ser realizado, fundamentando as opções
com as diretrizes: QUEM será hospedado? Quantas pessoas? Sempre preferir um
local de hospedagem próximo ao local de trabalho. Isto facilita o andamento da
produção em tempo de translado, custo de transporte, além de evitar trânsito.
Dimensiona-se o número de hóspedes, sempre checando as possibilidades de
roomlist (singles, duplos e suítes) e então se faz o orçamento

Alimentação:
Checar a quantidade de refeições e as condições do local ou das imediações.
A solução poderá vir em três caminhos distintos: o fornecimento de
catering, diárias de alimentação ou permuta que requer translado dos co-
mensais para outro local para as refeições. Tudo dependerá do custo e dos
hábitos dos mesmos.
A&B:
Mais específico para Eventos Corporativos e Eventos
Especiais. Conforme o brieffing do evento há padrões de
atendimento como: inserção de restaurantes
preexistentes que montem uma estação no local em
formato de “Praça de Alimentação”.

Em função da infraestrutura existente no local do evento


deve-se prover: energia, instalações elétricas, hidráulica,
esgotamento e afins.

As opções de serviço serão norteadas pelo tipo de


cardápio e estrutura viável que será ofertado, definindo
assim, as opções de serviço: pratos, copos, talheres e se
o mesmo será: volante ou empratado ou selfservice ou à
francesa.
Bares e cozinhas de apoio.

• As cozinhas de apoio necessitam de instalação hidro-sanitária.

• Toda a área de manipulação e preparo de alimentos e bebidas deverá


seguir as normas da vigilância sanitária.

• Considerar área de carga e descarga próxima aos bares e cozinhas.

Refeitório.

• Em grandes eventos é necessária a montagem de refeitórios para as


equipe de produção e técnicos de plantão, e para as equipes de
serviço.
• Caso a área não seja grande o suficiente para atender a todos
simultaneamente, deverá ser feita escala para as refeições.
Recursos Humanos Terceirizados:
Carregadores, Segurança, Limpeza, Manobristas, Operador de Tráfego,
Equipe de Apoio, Receptivo, promotores e afins.

Terceirização é a contratação de serviços especializados que


são realizados autonomamente por empresa terceirizada, não
se tratando de fornecimento de trabalhadores. Ao contrário,
não existe pessoalidade e nem subordinação jurídica entre os
trabalhadores da terceirizada e a empresa tomadora de
serviços.
A empresa contratante e a empresa prestadora de serviços
devem desenvolver atividades diferentes e ter finalidades
distintas. Isso significa dizer que os empregados da empresa
prestadora de serviços não devem trabalhar na atividade-fim
da empresa tomadora de serviço, caso contrário a terceirização
será considerada ilícita.

IMPORTANTE: observar legislação do Município onde o


evento ocorre & as Normas exigidas pelo Patrocinador
ou Agência que opera o evento.
Recursos Humanos Terceirizados:
Carregadores, Segurança, Limpeza, Manobristas, Operador de
Tráfego, Equipe de Apoio, Receptivo, promotores e afins
SEGURANÇA

Segurança é antes de tudo um conceito que dever ser


aplicado a cada detalhe e ao evento como um todo. Afinal,
estamos lidando com vidas humanas, inclusive a nossa.

Em função do evento que será realizado e do local


onde este ocorrerá, dimensiona-se a quantidade de
homens, avaliando ponto a ponto do local, as
características do “público”, os turnos necessários, os
equipamentos, lembrando que pode haver
montagens e/ou desmontagens longas (segurança
patrimonial), área vip, camarotes, bilheterias, house-
mix, “valão”, backstage, acompanhamento de
artistas, aeroportos, batedores, “sangria financeira”
dentre outros.
PLANILHA DE SEGURANÇA Rio-à-Porter - Edição Maio/Junho de 2010
Local: Armazéns 4, anexo 4/5, 5, anexo 5/6 e 6 - Cais do Porto - Praça Mauá
MONTAGEM de 15 a 25/05/2010 total de dias 11
LOCAL 8h às 20h 20h às 8h
Portão carga e descarga - bolsão estac. 6 1 1
Portão limite armazém 5 1 1
Interno armazém 6 1 1
Interno armazém 5 1 1
Interno armazém anexo 5/6 1 1
Interno armazém anexo 4/5 1 1
Interno armazém anexo 4 1 1
TOTAL 7 7 14 154 diárias

MONTAGEM de 26 a 28/05/2010 total de dias 3


LOCAL 8h às 20h 20h às 8h
Portão carga e descarga - bolsão estac.6 2 2
Saídas de emergência / Interno armazéns 6 4
Adm/Caf 1 1
Perimetral área técnica externa 6 6
Portão limite armazém 4 1 1
TOTAL 16 14 30 90 diárias

EVENTO de 29/05 a 01/06/2010 total de dias 4


LOCAL 9h às 22h 22h às 9h
Portão carga e descarga - bolsão estac.6 2 2
Saídas de emergência / Interno armazéns 10 6
Portão entrada/saída 2 1
Portão saída 1 1
Administração/CAF 0 1
Portão limite armazém 4 1 1
Recepção 5 2
Perimetral área técnica externa 6 6
Estandes / Interno armazéns 0 26
TOTAL 27 46 73 292 diárias

DESMONTAGEM 02 e 03/06/2010 total de dias 2


LOCAL 8h as 20h 20h as 8h
Portão carga e descarga - bolsão estac. 6 2 2
Portão limite armazém 4 1 1
Adm/CAF 1 1
Perimetral area técnica externa 6 6
Interno armazéns 8 4
TOTAL 18 14 32 64 diárias

DESMONTAGEM/ENTREGA DOS ARMAZÉNS 04/06/2010 total de dias 1


LOCAL 8h as 20h 20h as 8h
Portão carga e descarga - bolsão estac. 6 1 1
Portão limite armazém 5 1 1
Interno armazém 6 1 1
Interno armazém 5 1 1
Interno armazém anexo 5/6 1 1
Interno armazém anexo 4/5 1 1
TOTAL 6 6 12 12 diárias
TOTAL DIARIAS 612
Identificações:

Credenciar é uma arte. Esta função deve ser realizada por uma pessoa
ou empresa que conheça bem os trabalhos que serão realizados no
evento para poder endereçar as credenciais às pessoas certas com as
funções certas. É uma espécie de censura, mas funcional.

Neutralização de Carbono:

A produção do evento deve enviar todas as informações para um


especialista no tema (empresas ou ONG´s) que irá quantificar a taxa
que deverá ser paga às instituições promotoras da NEUTRALIZAÇÃO DE
CARBONO, promovendo, assim, a aquisição de um SELO DE QUALIDADE
NATURAL (Carbon Free), numa reposição, em fatos, do consumo
previsto no evento. (reflorestamento, mapeamento e afins).
Promoção / Mídia:
Planos de mídia podem prever os cinco meios fundamentais de comunica
ção sendo os que englobam mídia paga através de anúncios, com garantia
de veiculação: Mídia Televisiva: TV e Cinema; Radiofônica: Rádios;
Impressa: jornais, revistas, outdoor, bus door, folhetagem; Digital:internet,
sites de relacionamento, SMS e demais recursos em telefonia. Há ainda a
que gera a mídia espontânea: chamada Interpessoal, sem garantia de vei-
culação, utilizada através de relações pessoais (dicas e recomendações,
Boca-a-boca) e através de Assessoria de Imprensa, que tem custo e
buscam matérias editoriais, notas de colunas e curiosidades.

Seguros:
Há vários tipos: Seguro de Responsabilidade Civil (ainda não obrigatório
em âmbito nacional), Seguro de Acidentes pessoais, Seguro “No Show”,
Seguro de equipamentos, dentre outros.

Direção Artística:
Outra arte. Compatibilizar artistas e públicos semelhantes numa mesma
noite, pode garantir ou não o sucesso de um evento. Dar ao público o que
ele espera é a alma desta função.
Legalização, Liberações e
Direito no
Entretenimento
Todo evento precisa ser liberado. Cada um em sua área ou departamento específico. O
fator determinante para as liberações é o espaço físico onde ocorrerá o evento.

Se este espaço for privado, este local, para funcionar legalmente, já possui ALVARÁ de
funcionamento obtido na junta comercial da cidade e diversos órgãos públicos.

Se o espaço for uma área pública, há de se buscar um ALVARÁ temporário ou


documentação similar constando um “Nada opor” dos órgãos envolvidos. Legalizar é
ESSENCIAL por três motivos:

1 – É Lei.

2 – Quanto um Promotor ou Produtor se dispõe a realizar um evento, ele assume o


Conceito de “Responsabilidade Civil” e deve responder por este status.

3 – Liberar & Legalizar, é um ato protecionista a realização do evento, direcionamento


as responsabilidades e aval dos órgãos competentes para tal. Em caso de algum
incidente, haverá um órgão público que legislou e avalizou a realização naquelas
condições.

Todo projeto, para iniciar o processo de legalização, deve ter: Um brieffing


completo + Descritivo detalhado & Implantação desejada. Estes arquivos
deverão acompanhar todo o processo, em todos os órgãos.
Este processo deve ser conduzido por um Jurista e/ou despachante, com início,
PELO MENOS, sessenta dias antes do evento, lembrando que se trata de
trâmite Público e pode haver exigências de adaptação.
Alguns dos órgãos existentes:

• Riotur – Para eventos que promovam o turismo e consequentemente a


economia no município

• Subprefeitura – determinada pela região da área da realização do evento,


caso este ocorra em área pública (praia, praças, ruas, vilas, avenidas, parques e
afins). Entrada com ofício descritivo do evento para avaliação da viabilidade pela
Prefeitura.

• Secretaria Municipal de Esporte e Lazer – para eventos esportivos e


recreativos que envolvam áreas públicas.

• Distrito Naval – Para áreas onde o perímetro esteja sob administração Militar

• Prefeitura Militar – Órgão administrador da área pública sob Comando Militar

• SEOP – Secretaria Municipal de Ordem Pública

• Diversões Públicas – órgão regulador de eventos em áreas públicas.

• CLF – Comissão de Licenciamento e Fiscalização – para veiculação de marcas


e Utilização de Espaço Público – Departamento da prefeitura responsável por
mensurar e valorar a aplicação de merchandising e tributação oriunda destes.
Também utilizado para eventos que ocorram em locais públicos.
• CET – Companhia de Engenharia de Tráfego, responsável pela engenharia de mo
bilidade veicular pública na localidade do evento.

• Parques e Jardins – órgão regulador de áreas de parques e Jardins no município. Para


realização de eventos nestas áreas, há de se ter autorização deste. Ex. Parque do
Flamengo (Aterro)

• Comlurb – órgão municipal, responsável pela limpeza Urbana.

• Defesa Civil – Órgão de defesa civil pública, balizador de condicionamento de segurança

• Bombeiros – Órgão de defesa socorrista para incêndios e segurança pública.

• CREA / CAU – Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura/ Conselho de Arquitetura


e Urbanismo – Fiscalização de obras e construções permanentes e temporárias.

• Juizado de Menores – Órgão regulador de liberalidade de frequência aos eventos.

• ANAC / DAC – Departamento de Aviação Civil – regulador do uso do espaço aéreo

• Guarda Costeira – Órgão regulador das atividades nas águas costeiras.

• Vigilância Sanitária – fornecedor de A&B deve apresentar ALVARÁ emitido neste órgão

• Itamarati & Ministério do Trabalho & Ministério da Justiça – órgãos Públicos


envoltos no processo de Emissão de Vistos de trabalho para Prestadores de Serviço de
origem Internacional.
• Guarda Municipal – Responsável pala segurança Patrimonial do Município. Comando da
área do evento.

• Polícia Militar – Responsável pela segurança Pública. Via batalhão próximo ao evento.

• Polícia Civil – Responsável Investigativo de fatos. Via delegacia próxima ao evento.

• Polícia Federal – Âmbito federal. Para casos com atrações internacionais.

• Ecad – Escritório Central de Arrecadação de Direitos Autorais – Todo e qualquer


evento que tenha música, seja ao vivo, mecânica ou incidental. (obras lítero-musicais)

• Sbat – Sociedade Brasileira de Autores Teatrais – Escritório central que arrecada


os direitos autorais de obras literárias.

• Sated – Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão. Neste sindicato


estão: atores, modelos, técnicos, roadies, produtores, camareiros.....

• OMB – Ordem dos Músicos do Brasil – Órgão regulador de capacitação profissional.

• Sindicato dos Músicos – Órgão protecionista ao músico profissional.

• Sindicato de dança – Órgão protecionista de bailarinos profissionais.


LIBERAÇÕES PARA EVENTOS EM LOCAL ABERTO - Documentação necessária:
01 - Requerimento padrão;
02 - Comprovante de pagamento da taxa devida; (veja aqui o código do DAEM)
03 - Documento especificando o local, data, horário, público estimado, faixa etária a qual se destina o evento;
04 - Cópia do Contrato Social;
05 - Cópia da carteira de identidade do responsável;
06 - Instrumento de procuração outorgando poderes ao requerente;
07 - Contrato de cessão de espaço;
08 - ART dos serviços de sonorização, iluminação, distribuição de energia elétrica de baixa tensão e de grupos
geradores;
09 - ART da montagem de todas as estruturas utilizadas no evento - palco, PA de som, camarotes, camarins,
house-mix, torres, passarelas, arquibancadas, postos médicos, cenografia, cercamento, etc;
10 - ART específica dos testes de carga, bem como o memorial descritivo conclusivo aprovando a estrutura para o
fim declarado contendo fotos do carregamento no local;
11 - ART de instalação/ manutencão dos engenhos mecânicos quando houver parque de diversões;
11-A - Certidão de Registro emitida pelo CREA-RJ, certificando que o profissional encontra-se registrado e com as
contribuições junto a CREA-RJ em dia (pode ser retirada pelo profissional junto ao CREA-RJ);
12 - CART emitida pelo CREMERJ em conformidade com a Resolução CREMERJ nº 187/03 com a respectiva FARE
emitida pelo GSE (localizado na Praça São Salvador, 04 - Catete). A documentação especificada neste item só é
necessária em eventos com público estimado acima de 1.000 pessoas).
13 - Nota fiscal de compra ou aluguel de extintores para o evento;
14 - Ensaio de flamablidade, ou documento similar para as estruturas cobertas por lonas, atestando as
características auto-extinguíveis da mesma;
15 - Certificado de Garantia de Ignifugação de carpetes, tecidos, cortinas, cenografias e materiais decorativos
construídos com material de fácil combustão;
16 - Declaração de “Nada a Opor” dos órgãos públicos envolvidos (Batalhão de Polícia Militar, Delegacia de Polícia e
Prefeitura ou Subprefeitura);
17 - Dois jogos de plantas com layout do evento, em escala ou cotada (padrão ABNT) assinada pelo
engenheiro/arquiteto responsável; (com a indicação das saídas de emergências e localização do posto
médico);
18 - Plantas das estruturas a serem montadas para o evento, em escala ou cotada (padrão ABNT);
19 - Quando houver exposição ou competição legal de animais, rodeios, deverá ser apresentado documento de
autorização da Secretaria Estadual da Agricultura, bem como declaração de médico veterinário responsabilizando-
se pelo bem estar dos animais.
20 – Pasta plástica tipo “classificadora”
Exercício de produção
ENTENDER E CERTIFICAR COM
CLIENTE O BRIEFING DE UM
EVENTO CORPORATIVO
ESSENCIAL QUE OS OBJETIVOS
ESTEJAM CLAROS PARA A
PRODUÇÃO.
BRIEFING

Cliente: Holla Telefonia


Evento: Convenção de Vendas - Gerência Brasil - NATAL 2020 - TODOS JUNTOS!!!
DATA: evento será numa 3af de outubro
HORÁRIO DO EVENTO: 08:00 às 20:45
Expectativa de Público: 80 participantes (30 das capitais e principais cidades do Brasil + 50 do Estado do RJ, incluso diretor e equipe dos deptos de vendas,
marketing e comunicação) - OBS: os participantes de outros estados pagarão suas proprias pax aereas através do centro de custo.
Hospedagem e transporte apenas para os 30 participantes oriundo de outras cidades.
PROGRAMA DO EVENTO
1o.dia
14:00 - Chegada do coordenador e equipe de receptivo nos aeroportos (Galeão e Santos Dumont)

14:30 - Inicio da chegada dos participantes (Galeão e Santos Dumont)

16:00 - Inicio do check in dos participantes no Hotel


2o. Dia
SALA 1 - PLENARIAS
08:00 - Welcome Coffee - credenciamento - Hall das salas
09:00 - Abertura pelo MC
09:03 -MC convida o Presidente para dar as Boas Vindas
Presidente solicita a Exibição de Filme Institucional (time: 00:01:32)
Despedida do presidente
09:15 - MC - Convida a gerente de conteudos
10:29 - MC - agradece a participação e avisa o coffee break no hall das salas
10:30 - Coffee Break - Hall das salas
11:00 - Premiação de Todos os Gerentes - Volume de Vendas, Crescimento de Vendas, Menos Descontos - Sala 1
12:20 - Ao final da apresentação todos são convidados para se dirigirem a Sala 2 onde será servido o almoço.
13:30 - Apresentação do I-Phone 5 e da Tecnologia 4G, com Serviços e Ligações Livres no Brasil - Depto de Marketing - Sala 1
14:0 as0 - Palestra com ( definir palestrante) tema : Rede de Relacionamentos na Internet - Sala 1
SALA 2 - ALMOÇO
12:30 - Almoço - Sala 2
15:00 - Coffee Break hall das salas
SALA 3 - SHOW ROOM
15:30 - Visita ao Show Room - Sugerir Ambientação - Salão 3
SALA 2 - COQUETEL
17:00 - Diretor de Vendas aborda pontos positivos e negativos, apresenta estratégia e metas para 2018 - Encerramento e convite para o coquetel - Salão 2
18:00 - Inicio do Coquetel de encerramento + DJ ( sugerir) + Projeção da Convenção dos melhores momentos + Show Stand Up com o artista ____ Salão 2
20:45 - Encerramento do Evento
22:00 - Início da Desmontagem
02:00 - Fim da Desmontagem
Etapas do Processo
Produtivo
ETAPAS

• PRÉ PRODUÇÃO

• PRODUÇÃO/EXECUÇÃO

• PÓS PRODUÇÃO
ETAPAS

● Pré – Produção = Planejamento

É o momento de levantamento dos dados do evento em


questão. Esta fase é fundamental para o bom andamento dos
trabalhos, pois em função da precisão no levantamento das
informações, é que o produtor poderá planejar todo o
processo e encaminhamento das ações a serem realizadas.
Nesta etapa, o produtor deve obter informações como:
ETAPAS – PRÉ PRODUÇÃO

Primeiro momento / geral


• Data e horário do evento
• Local do evento
• Expectativa de público
• Qual ou quais as atrações do evento
• Cronologia das atrações
• Visita técnica ao local

Segundo momento / atração /checar disponibilidade


• Quem é? Quais são?
• Quantas pessoas envolvidas
• Riders técnicos (som, luz, palco).
• Necessidades operacionais (passagens / hospedagem / alimentação
/ transporte)
• Complementos operacionais (mídia / contrato)
Uma vez o projeto criado e definido o seu escopo, partimos para o seu
PLANEJAMENTO e VIABILIZAÇÃO DE RECURSOS.
Nesta fase levantamento os custos de todos os itens necessários a sua
realização.
Tendo obtido os recursos financeiros, passamos para a fase de
implantação de acordo com o escopo do projeto.
No caso de grandes eventos ou festivais é quando são elaborados os
projetos de : Implantação - Estruturas - Instalações Elétricas -
Hidráulicas e de Geradores - Acessos – e finalização/adequação do
Projeto Cenográfico.

Terceiro momento
• Orçamentos gerais (mínimo de três, ideal em cinco)/
• Elaboração da planilha geral de custos do evento
• Contact list
• Contrato de locação e contratação de fornecedores
• ARTs - Alvarás e Autorizações dos Órgãos Públicos Competentes
• Cruzamento das informações
Quarto momento
• Check up das informações com os representantes das atrações
• Confirmação das informações com os fornecedores
• Montagem de um cronograma de ações
ETAPAS - PRODUÇÃO

Produção Executiva = Execução

É a realização em si do evento. Isto significa e abrange todas as


etapas. Desde verificar o local até o evento realizado. Cabe ao
produtor se certificar de TODAS as ações. Tendo um cronograma
idealizado, cabe a ele cumpri-lo, em princípio, na íntegra, salvo os
imprevistos que possam desviar a elaboração inicial. Neste caso,
deve-se adaptar o cronograma a nova forma, objetivando retomar
as necessidades originais
PRODUÇÃO

Para um bom desempenho do produtor, é necessário


que este tenha conhecimento de todas as informações
adquiridas no período de pré-produção pois, desta
maneira, terá mais “autoridade” para redirecionar os
caminhos e atingir as metas iniciais.

Vale lembrar que a presença do produtor é


fundamental. Em muitos casos, contrata-se um
assistente de produção ou mesmo outro produtor para
executar o projeto. Pode-se ainda ter dois produtores
“duplando” na coordenação. O importante é quem vai
executar tenha todas as informações para realizar o
projeto conforme planejado.
ETAPA – PÓS PRODUÇÃO

● Pós – Produção = Desmontagem e


fechamentos

Como o nome diz, ocorre após a realização do


evento. Esta etapa reflete a atenção e
Profissionalismo do produtor. Cabe a ele
“desmontar” todo o circo armado para a
realização do evento, sem deixar “rastros” de
que tenha passado por ali.
Devolver tudo o que foi solicitado ou contratado, certificando-se de que
cada fornecedor teve retorno de seus equipamentos e bens, certificar-se
de que todos tiveram seus trabalhos remunerados e quitados, deixando
claro que você como produtor cumpriu seu dever e responsabilidade.
Cabe ainda ao produtor o fechamento das contas abertas, ou seja,
efetivar a prestação de contas do evento, seja ao empresário, ao
patrocinador ou à empresa a qual o contratou, apresentando
todos os recibos e notas fiscais de serviços contratados, bem como os
comprovantes de pagamento para que fique transparente toda a
negociação financeira.
E, ao final, apresentar um relatório de todo o processo ao seu
contratante, apontando ali, todas as dificuldades enfrentadas, as
soluções que foram optadas ou dadas e fazendo uma avaliação
geral do evento, expondo opinião pessoal e profissional. Esta avaliação
é FUNDAMENTAL para a correção dos caminhos optados inicialmente em
uma nova oportunidade. É com essa avaliação que mais se aprende em
produção, lembrando que cada evento é um evento diferente e cada
caso é um caso específico.
SENHORAS
SENHORASEESENHORES,
SENHORES ECOM
COM VOCÊS…
VOCES...
Exemplos de
Aplicação dos
Conceitos Básicos nas
Áreas de Atuação
A APRESENTAÇÃO
DE UM ARTISTA
PRECISA DE:

RIDER TÉCNICO

MAPA DE PALCO

LISTAGENS
MONTAR O RIDER DO ARTISTA

NECESSIDADES DE:

- Palco
- Som
- Iluminação
- Necessidades de Camarins
- Serviço de Catering nos Camarins
- Transporte Local
- Passagens
- Diárias de Alimentação
EXEMPLO: IVETE SANGALO
EXEMPLO: IVETE SANGALO
EXEMPLO: IVETE SANGALO
EXEMPLO: IVETE SANGALO
INFORMAÇÕES BASICAS PARA NEGOCIAÇÃO COM OS
CONTRATANTES

NECESSIDADES OPERACIONAIS

Exemplo:

• Cachê: R$ 600.000,00 (seiscentos mil reais)


• Forma de pagamento: 50% na assinatura do contrato e 50% 48
HORAS ANTES.
• Passagem aérea ou terrestre: 13 pax – Rio/Destino/Rio +
01 – SP/Destino/SP + Custo do Jato privado para Artista e
“Party A” de seu Staff.
• Transporte terrestre: 01 carro luxo + 01 Van com ar + 01 Van
cargo ( todos à disposição da produção do artista)
• Hospedagem: 01 suíte + 01 single + 06 aptos duplos
• Alimentação: 14 diárias de R$150,00 por pessoa
• Carga: 1.300 kg
• Rider som e luz, em anexo.
• Camarim: ver listagem anexa
Exemplo borderô / custos por show
ITEM QUANTIDADE Valor unitário Valor Total
CACHE 1 R$ 8.000,00 R$ 8.000,00
NOTA
SUB TOTAL R$ 8.000,00
ECCO PRODS 15% R$ 1.200,00
RECEITA R$ 6.800,00
DESPESAS
ITEM QUANTIDADE Valor unitário Valor Total
Alvaro 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Rafael 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Danilo 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Richard 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Gabriel 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Breno 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Pedro 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Sopro 1 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Backing vocal 1 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Backing vocal 2 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Tec som 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Produtor 1 R$ 400,00 R$ 400,00
Roadie 1 R$ 300,00 R$ 300,00
Despesas extras R$ 200,00 R$ 200,00
TOTAL de DESPESAS R$ 5.300,00

Cachê Liquido TR R$ 1.500,00


APRESENTAÇÃO DOS
EXEMPLOS DE
NEGOCIÇÃO ENTRE
ARTISTAS E
EMPRESARIOS
BOA SORTE!!!!!!!!!