Você está na página 1de 24

SECRETARIA DE ESTADO DE

EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES


DIRETORIA DE ENSINO – DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA – DIVISÃO DE ENSINO MÉDIO – DIVISÃO DE CURRÍCULO

UNIDADE III –
ENSINO HÍBRIDO

Rua Rio Grande do Sul nº 1907 - Volta Seca - CEP. 69.911-018 (68) 3213-2334/3213-2343 div.medio@gmail.com / see@ac.gov.br

RIO BRANCO – AC, ABRIL DE 2021.


AULAS REMOTAS
O distanciamento e o isolamento social impostos
pelo combate à proliferação do novo Coronavírus
e do COVID-19 fizeram com que mudássemos
diversos aspectos da nossa rotina. Quando
falamos da área da Educação, a principal mudança
foi a transição do ensino presencial para o ensino
a distância (EaD) ou aulas remotas, conceitos que
possuem suas similaridades e diferenças.
E para que essa continuidade das atividades
presenciais ocorra em ambientes virtuais, é
essencial a adoção de tecnologias variadas,
permitindo a comunicação, a interação e a
avaliação dos estudantes, mesmo eles estando
afastados da escola.
O QUE É O ENSINO A DISTÂNCIA?
O ensino a distância, ou simplesmente EaD, é uma
modalidade de ensino que possui uma estrutura
política e didática-pedagógica completa, procurando
englobar de maneira flexível toda uma gama de
conteúdos e atividades para cada disciplina, de acordo
com objetivos e características dos conhecimentos e
das habilidades gerais, específicas e socioemocionais
orientadas pelos órgãos diretivos da Educação no país,
como é o caso da Base Nacional Comum
Curricular (BNCC).
Mais do que apresentar conteúdos e encaminhar
atividades, o EaD deve possuir uma metodologia bem
definida e compatível com a interação virtual, inclusive
no que tange ao processo avaliativo dos estudantes.
O QUE SÃO AULAS REMOTAS OU ENSINO REMOTO?
Diferentemente do EaD, o ensino remoto preconiza a
transmissão em tempo real das aulas. A ideia é que professor e
alunos de uma turma tenham interações nos mesmos horários
em que as aulas da disciplina ocorreriam no modelo presencial.
Grosso modo, isso significa manter a rotina de sala de aula em
um ambiente virtual acessado por cada um de diferentes
localidades.
A instituição de ensino pode, por exemplo, criar turmas
específicas com atividades remotas, desde que seja respeitado
todo o planejamento de conteúdo e carga horária contratado.
Adaptações podem e devem ser feitas para adequar a forma de
apresentação das disciplinas, mas de maneira geral é seguido o
que foi pensado para o ensino presencial.
A partir dessas premissas, a demanda tecnológica das aulas
remotas é menor, sendo possível adotar aplicativos e serviços
abertos e genéricos de comunicação e interação.
AS DIFERENÇAS ENTRE AULAS REMOTAS E EAD NA
PRÁTICA
Como é a dinâmica das aulas remotas
Aula EaD: prioriza o uso de videoaulas gravadas, garantindo acesso assíncrono
(a qualquer tempo) e buscando promover conteúdos e atividades
autoinstrucionais, ou seja, que o aluno consiga acompanhar e realizar sozinho.
Aula remota: baseada principalmente em transmissões ao vivo ou então
gravadas nos dias e horários habituais dos encontros presenciais da turma,
promove o constante contato entre educador e estudantes.
Como são os materiais didáticos
Aula EaD: os materiais são preparados de maneira mais abrangente, com maior
padronização entre as turmas e séries.
Aula remota: o ideal é que os conteúdos sejam elaborados pelo professor da
disciplina, facilitando a adaptação para cada turma de acordo com a maior ou
menor evolução daqueles estudantes.
AS DIFERENÇAS ENTRE AULAS REMOTAS E EAD NA
PRÁTICA
Como funciona o cronograma das aulas remotas
Aula EaD: a realização das aulas é planejada de forma unificada, gerando um
calendário para todos os alunos dentro do conteúdo programado para a série.
Aula remota: segue o calendário proposto no Plano de Aula, devendo receber
apenas as mudanças necessárias para atender ao cenário de crise.
Como tirar dúvidas
Aula EaD: normalmente as plataformas usadas para disponibilização das videoaulas
possuem também meios de interação com o tutor da disciplina, o que pode ocorrer
em tempo real ou de forma assíncrona.
Aula remota: como as aulas são pautadas em transmissões ao vivo, os alunos
possuem interação diária ou frequente com o professor para sanar suas dúvidas.
Embora isso possa ser uma interação mais pessoal, dúvidas surgidas durante as
atividades complementares exigem maior organização principalmente dos alunos,
para que não deixem de registrar e questionar o educador no encontro seguinte.
FERRAMENTAS SÍNCRONAS E ASSÍNCRONAS: COMO USAR NO ENSINO
A DISTÂNCIA
A primeira coisa a ser feita é alinhar com a equipe docente da escola com
qual das estratégias de comunicação abaixo as aulas serão elaboradas:
•Síncronas – aulas cuja a interação entre o professor e os alunos acontece
em tempo real, uma vez que, todos precisam estar ao mesmo tempo e no
mesmo ambiente virtual.
•Assíncronas – são aquelas aulas que acontecem no tempo dos estudantes,
isso porque o professor e os alunos não precisam interagir ao mesmo
tempo para realizar as atividades
Estabelecer se as aulas serão síncronas ou assíncronas não significa que
uma elimina a outra. Por exemplo, você pode marcar uma videoconferência
com seus alunos (momento síncrono), mas as atividades que os educandos
vão realizar possui um prazo de entrega e cada um faz no seu tempo
(momento assíncrono).
É possível promover encontros virtuais entre pessoas via internet e
que permitem o compartilhamento de telas, arquivos e textos.
Basta marcar uma data e horário e compartilhar com seus alunos.
Seguem algumas sugestões para você usar:
• Google Meet: Essa é a ferramenta do Google para realizar
videoconferências com até 250 pessoas em uma só reunião.
• Zoom: O Zoom é uma empresa de serviços de conferências. Em
sua versão gratuita é possível realizar videoconferências com até
25 pessoas e limite de até 40 minutos.
• Jitsi: O Jitsi também disponibiliza uma plataforma para a criação
e gerenciamento de videoconferências gratuita no mercado.
Esse tipo de comunicação requer que os materiais estejam disponíveis para os seus alunos a partir de um
determinado dia e horário. É claro que elas podem ser compartilhadas aos poucos, mas os materiais precisam ficar
disponíveis para os alunos por um longo tempo e é preciso ter outros meios de comunicação mais eficazes.
O seu celular: Isso mesmo! O seu celular é uma excelente ferramenta para a gravação de suas aulas.
As plataformas de videoconferências: As versões Premium das plataformas de videoconferência oferecem a
oportunidade de gravar o momento. Você pode gravar as suas aulas através de uma delas e depois disponibilizá-las
para seus alunos.
E-mail: O e-mail é uma das ferramentas básicas de comunicação nos dias atuais. Crie grupos, configure os níveis de
interação, o gerencie e disponibilize os conteúdos por e-mail. A troca de interações por lá é sempre bem-vinda.
Google Classroom: Essa plataforma gratuita do Google permite a criação, compartilhamento e gerenciamento de
atividades que os seus alunos irão desenvolver.
Escola em Movimento: Uma ferramenta que pode te ajudar a entregar os conteúdos construídos para os seus
alunos. Você cadastra os alunos como usuários na ferramenta e já pode compartilhar os vídeos das aulas gravadas,
imagens, lições de casa e documentos. Para se comunicar com eles, habilite e utilize o nosso módulo de conversas.
Trello: Está disponível gratuitamente o Trello Business Class para auxiliar as escolas no gerenciamento das suas
equipes e seus projetos.
É de extrema importância estimular momentos de interação com os seus alunos mesmo à distância, mas também é
fundamental respeitarmos o seu tempo para desenvolver as atividades.
A elaboração e o desenvolvimento da aula online não acontece do mesmo jeito como na aula presencial. Por isso, tentar
reproduzir o que se faz na sala de aula para uma sala online, pode não dar muito certo. É preciso flexibilizar currículo, o tempo
de aula, a disponibilização de materiais didáticos, a proposta pedagógica.
• Crie uma diretriz com regras e expectativas para as aulas que acontecerão de modo virtual. E não se esqueça de
compartilhar com os seus alunos;
• Pergunte aos seus alunos como estão se sentindo em relação a essa nova situação;
• Comece as aulas com perguntas para quebrar o gelo e separar um momento para que aconteça uma interação livre entre os
alunos e você;
• Concentre as suas aulas nos principais conceitos do conteúdo;
• No planejamento das suas aulas e atividades, tente envolver as metodologias ativas;
• Inicie os calls entre 5 a 10 minutos com antecedência para verificar a estabilidade da sua internet.
• Ter um plano B. Vai que alguma não deu muito certo, acontece!
• Envolva os alunos a cada 5 minutos, para mantê-los engajados e interessados no assunto;
• Aprenda ao máximo sobre as ferramentas utilizadas e pensar na sua logística;
• Tome cuidado para não sobrecarregar o dia dos alunos com atividades.
Essas foram algumas das dicas que compartilhamos com o intuito de ajudá-lo na criação e desenvolvimento das aulas online
que estão sendo rapidamente (re) adaptadas.
ENSINO HÍBRIDO
“Num mundo em profunda transformação a
educação precisa ser muito mais flexível,
híbrida, digital, ativa, diversificada. Os
processos de aprendizagem são múltiplos,
contínuos, híbridos, formais e informais,
organizados e abertos, intencionais e não
intencionais.
Hoje há inúmeros caminhos de aprendizagem
pessoais e grupais que concorrem e interagem
simultânea e profundamente com os formais e
que questionam a rigidez dos planejamentos
pedagógicos das instituições educacionais”.
MORRAN, 2017.
Você sabia que o ensino híbrido ou blended learning promove a mistura entre o ensino
presencial e as propostas do ensino online?

Neste sentido, é importante destacar a utilização de novas e


diferentes metodologias que possam contribuir com as
necessidades educativas atuais. O ensino híbrido, se define
como uma metodologia que agrega adequadamente o ensino
por meios tecnológicos, sem substituir, mas integrando com o
formato tradicional.
“O acesso e a produção de informações e conhecimento, que
se organizam por meio do hibridismo e da ubiquidade,
invertem a estrutura tradicional da organização do espaço de
sala de aula, possibilitando novas reconfigurações na
simultaneidade do tempo e dos espaços, congruentes com as
demandas da cultura contemporânea”
MANTOVANI, 2016.
O QUE É ENTÃO ENSINO HÍBRIDO?

“Um ensino ao qual você integra atividades


tecnológicas como também virtuais em conjunto com
o ensino tradicional, utilizando atividades planejadas
e que possuam um valor pedagógico.”
BLOG/COURSIFY

“Um ensino que traz a ideia de utilizar ferramentas


tecnológicas para o cotidiano escolar e sair um pouco
do giz e quadro (lousa), mas não quer dizer algo
desorganizado onde os alunos irão acessar a internet
sem um rumo ou que se precise investir “milhões”
em equipamentos.
BLOG/FORLEVEN
O QUE É EDUCAÇÃO HÍBRIDA E POR QUE ELA É UMA TENDÊNCIA?

BENEFÍCIOS
O grande desafio dos
A educação híbrida permite professore está em facilitar
É o resultado da mistura de que as aulas sejam mais o uso de ferramentas
métodos de ensino dinâmicas, acessíveis e digitais, dar feedbacks aos
presenciais e online afim flexíveis, já que o aluno alunos em tempo real e
de melhorar a experiência pode escolher como deseja planejar as aulas de acordo
do estudante – o que pode aprender. A integração de com os dados que podem
acontecer por meio de conteúdo online e o ser obtidos em exercícios
videoaula, sala de aula aprendizado colaborativo online, atendendo as
invertida, entre outras também conseguem expectativas dos
coisas. melhorara a formação dos estudantes.
estudantes.
DEFINIÇÃO DESAFIOS
“Desse modo, a educação híbrida se caracteriza pelos processos de ensino e aprendizagem
que ocorrem na combinação de atividades presenciais (no espaço geográfico) com
atividades online, mediados pelo fluxo de interação e comunicação que as Tecnologias
Digitais proporcionam aos atores envolvidos nesses processos.”
MANTOVANI, 2016.

Contribuindo com a ideia da inserção de práticas inovadoras, utilização de técnicas e


métodos diferenciados com ou sem o uso de tecnologias digitais, para o ensino híbrido as
metodologias ativas demonstram ser promissoras no processo de ensino e de
aprendizagem, pois se fundamentam no aprendizado protagonista bem como, no
protagonismo juvenil diante da educação integral do indivíduo.
Logo, temos que:

➢ O ensino híbrido combina atividades com ou


sem professor com o uso de tecnologias. Dessa
forma, possibilita que o aluno estude sozinho, com
ou sem o apoio da internet, e em sala de aula, seja
em grupo ou com o professor.
PROFESSOR DAVI

➢ Sistematizando, o ensino híbrido por meio das


metodologias ativas visa promover a formação
profissional, pessoal e social do indivíduo.
➢ O ensino híbrido propicia que o ensino e a aprendizagem aconteçam de inúmeras formas, em
todos os momentos e em múltiplos espaços.
O ENSINO HÍBRIDO E SUAS POSSIBILIDADES NA EDUCAÇÃO
MODELO DESCRIÇÃO
Os estudantes revezam-se entre modalidades de ensino, com roteiro fixo pré-definido ou ainda a
critério do professor, sendo que em pelo menos uma destas modalidades deve-se adotar a do ensino
on-line. Este modelo de Rotação possuí uma subdivisão, podendo ser ainda, Rotacional por estações de
Rotação
trabalho, Laboratório Rotacional, Sala de aula invertida e Rotação Individual, estes são compreendidos
como modelos sustentados, não havendo uma desconstrução do modelo tradicional de sala de aula,
mas apenas a incorporação de tecnologias nele.
Os estudantes têm uma lista a ser cumprida, com ênfase no ensino on-line. O ritmo de cada estudante
Flex
é personalizado e o educador fica à disposição para esclarecer dúvidas.
O estudante é responsável pela organização de seus estudos, de acordo com os objetivos gerais a
A La Carte serem atingidos, organizados em parceria com o educador; a aprendizagem, que pode ocorrer no
momento e local mais adequados, é personalizada.
Trata de uma experiência realizada por toda a escola, em que em cada disciplina (como a de
Virtual
matemática, por exemplo), os estudantes dividem seu tempo entre a aprendizagem on-line e a
enriquecido
presencial.
Fonte: Bacich, Neto e Trevisani (2015) apud CAMILLO et al (2018) adaptado.
Contudo, hoje em dia, um modelo está se destacando dentro do ensino híbrido é a sala de aula invertida (SAI)
ou flipped classroom, que consiste no método de ensino através do qual a lógica da organização de uma sala de
aula é de fato invertida.
PROFESSOR/ESTU ANTES DA SALA NA SALA DE AULA DEPOIS DA SALA DE
DANTE DE AULA AULA
Deve elaborar Deve avaliar como foi o
e/ou selecionar Promove processo de ensino-
materiais de discussões, aprendizagem, que pode
apoio e questionamentos ser realizado por
PROFESSOR compartilhar os e desafios ao alunos,
materiais pelos problematizações como: construção e
ambientes e esclarece produção de projetos de
virtuais com os dúvidas. pesquisa sobre o
estudantes. conteúdo.
Participa das
discussões e das
Acessa o Modelo de Sala de Aula Invertida (SAI)
atividades,
conteúdo, Fonte: CAMILLO et al (2018) adaptado.
contribuem a
assumindo a Realiza revisão do
ESTUDANTE partir do que foi
responsabilidade conteúdo estudado.
estudado e
de estudar antes
esclarecem
da aula.
dúvidas com o
professor.
Bom,
Agora que você, parte da equipe assessora do núcleo, já viu um pouco sobre o Ensino Híbrido, qual relação de
tais informações você faria com as escolas que você acompanha? Alguma delas já aplica o ensino híbrido? Se
ainda não, está disposto a apoiar seus gestores e professores nessa tarefa?

Você deve está se perguntando, o que a equipe do núcleo tem a ver com isso, quem deveria se apropriar de
ensino híbrido é o professor, pois ele que estará trabalhando o pedagógico com os estudantes. A equipe de
assessores do núcleo tem tudo a ver, pois é esta equipe que dará suporte para que as equipes gestoras
auxiliem seus professores no desenvolvimento de um bom trabalho. E o ensino híbrido apresenta um leque de
possibilidades que a equipe pode fazer uso durante os momento de grupos de estudos ou momentos
formativos para melhorar na didática nas escolas. É nossa função enquanto assessor pedagógico dar suporte,
promovendo na prática como desenvolver uma prática de ensino inovadora para que nossas equipes gestoras
possam replicar em suas escolas com seus professores.
COMO AVALIAR NO ENSINO HÍBRIDO?

No contexto do ensino híbrido, é preciso


repensar o que significa a avaliação, resignificá-
la, torná-la mais personalizada e feita ao longo
do processo de aprendizagem.

A avaliação não pode se restringir ao binômio


aprovar x reprovar, que se torna punitivo, e
avançar para ser um instrumento de
reorientação de prática pedagógica. Maior
personalização é o objetivo do ensino híbrido, e
a avaliação deve assumir novo foco, não como
aprovação/reprovação, mas como maneira de
redirecionar os caminhos.
QUAIS SÃO OS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO NO ENSINO HÍBRIDO?

Avaliação diagnóstica – o que os alunos já


sabem ou conhecem.

Avaliação reguladora – o que os alunos


aprenderam no decorrer do período.

Avaliação somativa – qual a evolução dos


alunos em conteúdos mais específicos.

Avaliação personalizada – uso dos níveis de


complexidade diferenciados.

Avaliação contínua – redirecionando os


caminhos.
E COMO AS EQUIPES DO NÚCLEO PODEM AUXILIAR GESTORES E PROFESSORES NOS
PROCESSOS DE AVALIAÇÃO NO ENSINO HÍBRIDO?

É importante que a equipe envolva tanto a gestão, quanto todos os professores nas
discussões sobre a avaliação pois, na perspectiva democrática, todos devem debater ideias e
construir coletivamente as propostas e critérios sobre como avaliar as aprendizagens dentro
dos domínios (cognitivo, afetivo e psicomotor) para os mais diversos recursos metodológicos
oferecidos pelo ensino híbrido na escola, considerando critérios fundamentais, prioritários e
necessários. É preciso que busquemos meios e façamos sugestões de como auxiliar nossas
escolas no processo de avaliação.
Chegamos ao final desta leitura sobre Ensino
Híbrido. Convido você, agora, a reforçar este
conhecimento, assistindo aos vídeos “Diferença
entre Aula Remota e EaD e Ensino Híbrido –
Personalização e Tecnologia na educação”. Não
esqueça de fazer em seguida a atividade
proposta!

Você também pode gostar