Você está na página 1de 1

18/12/2010

William I Guillaume Guilherme Conquis…

William I [ou Guilherme] o Conquistador, Rei da Inglaterra

I [ o u Guilherme ] o C o n q u i s t a

(1028 - 1087)

e i d a I n g l a t e r r a (1028 -

Rei inglês (1066-1087), nascido em Falaise, Normandia, ficou também conhecido como William o Bastardo ou William da ormandia, e em francês como Guillaume Le Conquérant ou Le Bâtard, ou Guillaume De ormandie, que se tornou duque da Normandia (1035) e respeitado como um os maiores soldados da Idade Média. Filho ilegítimo do Duque Roberto I da Normandia e de Herleve ou Arlette, filha de um curtidor de peles de Falaise, com a morte do pai (1035), foi reconhecido pela família dele como o herdeiro, tendo um tio como regente do ducado durante sua menor idade William. Aos 15, o Rei o Henry I da França, o sagrou cavaleiro. Liderou com sucesso uma rebelião dentro da própria Normandia (1047) liderada pelos nobreza favorável a submissão ao rei francês. O exército de Henry I da França, seu antigo aliado, foi derrotado na Batalha de Mortemer (1054). Seus sucessos e sua reputação o ajudaram a negociar o matrimônio dele a Mathilda, filha do Conde Baldwin V de Flanders. Na época da invasão dele de Inglaterra, era um chefe militar muito experimentado e temido, dentro e fora da Normandia unificada. A sua reivindicação do trono inglês baseava-se na sua afirmação de que o casto Eduardo o Confessor, de quem era um primo distante, tinha lhe prometido o trono (1051) e que, assim, Haroldo II era então um usurpador. Além disso, teve o apoio de Imperador Henry IV e a aprovação papal. Pensando assim, com a morte de Eduardo e a coroação de Haroldo, preparou uma grande força de invasão, com cerca de 600 navios, 7000 homens, incluindo 3000 de cavalaria e atravessou o Canal da Mancha e aportou em Pevensey e, partiu para Londres e encontrou as tropas de Haroldo II em Senlac, Hastings. O confronto final foi uma das batalhas mais famosas da história inglesa: a Batalha de Hastings (1066), Sussex, onde após derrotar as tropas de seu rival Haroldo II. A sangrenta batalha só terminou com o Rei Haroldo e seus irmãos mortos e um saldo de 1500 a 2000 guerreiros mortos do lado normando e outros tantos ou mais, do lado inglês. O Bastardo havia conquistado em poucos dias uma vitória que romanos, saxões e dinamarqueses haviam lutado longa e duramente para alcançar. Ele havia conquistado um país de um milhão e meio de habitantes e provavelmente o mais rico da Europa, na época. Ganhou ao reino inglês e foi coroado no dia de Natal na Abadia de Westminster, e por esse feito ficou conhecido na história como The Conqueror. O regime que se instaurou a partir da conquista foi caracterizado pela centralização, pela força e, naturalmente, pela língua dos conquistadores: um dialeto franco-normando. O próprio rei não falava inglês e, por ocasião de sua morte (1087), não havia uma única região da Inglaterra que não fosse controlada por um normando. Durante seu reinado ainda enfrentou movimentos armados organizados na sua maioria pelos descendentes de Ethelred e/ou pelos dinamarqueses ou escoceses. Morreu em Rouen e foi enterrado na abadia de Santo Estêvão, em Caen. Nos últimos meses de governo e de vida também enfrentou os franceses e dividiu seu reino com os filhos, deixando a Normandia para o mais velho Roberto, e a Inglaterra para William Rufus. Para seu filho mais jovem, Henry, deixou 5 mil libras de prata. Seus sucessores, William II (1087-1100) e Henry I (1100-1135), passaram cerca de metade de seus rein ados na França e provavelmente possuíam pouco conhecimento de inglês. Durante os 300 anos que se seguiram, principalmente nos 150 anos iniciais, a língua usada pela aristocracia na Inglaterra era o francês. Falar francês tornou-se então condição para aqueles de origem anglo-saxônica em busca de ascensão social através da simpatia e dos favores da classe dominante.

Figura copiada do OFFICIAL WEB SITE ROYAL:

http://www.royal.gov.uk/

Imprimir
Imprimir
Os Normandos
Os Normandos
< Dicionário >
< Dicionário >