Você está na página 1de 68

RELATÓRIO)TÉCNICO!

ESPÉCIES)INDICADAS)AO)PAISAGISMO)
DAS)ESTRADAS)TURÍSTICAS)DE)BENTO)GONÇALVES/RS!

DEZEMBRO DE 2013
__________________________________________________________________________

SUMÁRIO

1.! Apresentação ................................................................................................................. 3!

2.! Introdução ...................................................................................................................... 3!

3.! Caracterização Fitogeográfica ....................................................................................... 4!

4.! Rotas Turísticas ............................................................................................................. 5!

5.! Espécies Vegetais Indicadas para o Paisagismo ........................................................ 11!

6.! Situações-modelo passíveis de intervenção ............................................................... 13!

7.! Outras situações .......................................................................................................... 21!

8.! Referências Bibliográficas ........................................................................................... 23!

9.! Anexos ......................................................................................................................... 25!

__________________________________________________________________________
2
__________________________________________________________________________

1. Apresentação

Este relatório visa complementar o Estudo Preliminar do Projeto Paisagístico nas


estradas turísticas de Bento Gonçalves, na região do Vale dos Vinhedos, RS. A intenção é
apresentar opções e sugestões de espécies vegetais a serem utilizadas no Projeto
Executivo, tendo como base cinco roteiros turísticos já consagrados na região:

• Roteiro 01 - Vale dos Vinhedos


• Roteiro02 - Caminho de Pedras
• Roteiro 03 - Vale do Rio das Antas
• Roteiro 04 - Caminhos de Eulália
• Roteiro 05 - Cantinas Históricas

Este documento contém uma breve contextualização da região do Vale dos


Vinhedos, a descrição fitofisionômica do ambiente, seguido da indicação das espécies
potenciais ao paisagismo no entorno das vias, e uma ficha técnica sobre cada espécie
vegetal sugerida.

2. Introdução

A região do Vale dos Vinhedos localiza-se a 130km da capital Porto Alegre, na


porção nordeste do Estado do Rio Grande do Sul e ocupa cerca de 80 km2, abrangendo os
municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul.

Figura 1: Mapa de localização dos três municípios que compõem o Vale dos Vinhedos.

__________________________________________________________________________
3
__________________________________________________________________________

O processo de imigração italiana para região da Serra gaúcha ocorreu a partir 1875,
com a chegada dos primeiros italianos aos núcleos coloniais da Colônia Caxias, Dona Isabel
e Conde D'Eu. Os imigrantes, na sua maioria vindos do norte da Itália, ocuparam
inicialmente as terras localizadas na encosta do Planalto Nordeste do Rio Grande do Sul
(Relatório Paisagismo Bento v. 01A). A partir de 1910, a construção da ferrovia que
interligava Caxias, Garibaldi e Bento Gonçalves a Porto Alegre possibilitou o
desenvolvimento do setor vinícola na região. Na década de 30, Bento Gonçalves começou a
ampliar seus investimentos no setor, especialmente em agroindústrias vinícolas. A partir dos
anos 60, 70 e 80, com o crescente desenvolvimento industrial no Brasil houve um grande
investimento na produção de vinhos de melhor qualidade. Este atividade foi responsável
pelo enriquecimento da região e pela criação de uma identidade cultural, já consagrada no
país.

Atualmente, existe a Aprovale (Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale


dos Vinhedos), que trabalha com 29 vinícolas associadas a 35 estabelecimentos
relacionados ao turismo. A associação foi criada em 1995, e tem como responsabilidade
controlar os produtos protegidos pela Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos e a gestão
da marca. A Indicação Geográfica de um produto como o vinho é de suma importância para
agregar valor, uma vez que vinhos de diferentes regiões, elaborados com a mesma
tecnologia, apresentam-se distintos (Aprovale; http://www.valedosvinhedos.com.br). A
Indicação Geográfica valoriza as peculiaridades das diferentes regiões de produção e a
originalidade dos produtos, qualificando-os. O Vale dos Vinhedos em 2002 obteve o
reconhecimento como Indicação Geográfica.

3. Caracterização Fitogeográfica

A região do Vale dos Vinhedos é classificada fitogeograficamente como Floresta


Estacional Decidual - Floresta Montana (cotas superiores a 400m), entretanto nas porções
de maior altitude é possível que elementos da Floresta Ombrófila Mista (Floresta com
Araucária) também apareçam (Rambo, 1956). O Vale encontra-se a uma altitude média de
742m. Além disso, apresenta dois períodos térmicos distintos: meses mais quentes
(novembro a fevereiro) com temperaturas médias superiores a 20°C, e meses de inverno
(junho a agosto) com as médias inferiores a 15°C.

A formação denominada Floresta Estacional Decidual abrange cerca de 31.000 km2


e ocupa a maior parte da face sul do Planalto da Araucárias, e áreas de relevo ondulado da
bacia do rio Ijuí (Teixeira et al., 1986). O frio é fator condicionante para a estacionalidade
fisiológica das plantas, na qual mais de 50% perdem as folhas nos meses de inverno. A

__________________________________________________________________________
4
__________________________________________________________________________

família das leguminosas é predominante nesta formação florestal (Jarenkow & Waechter,
2001), sendo a grápia (Apuleia leiocarpa) espécie vegetal representativa, responsável pela
fitofisionomia original da região. Entretanto, a grápia foi intensamente explorada, da mesma
forma que a Araucária, pelos imigrantes que habitavam a região, sofrendo declínio
populacional significativo. Outras espécies como angico (Parapiptadenia rigida), cincho
(Sorocea bonplandii), catiguá (Trichilia claussenii), cedro (Cedrella fissilis), cangerana
(Cabralea canjerana), açoita-cavalo (Luehea divaricata), cabreúva (Myrocarpus frondosus),
estruturam a comunidade vegetal da Florestal Estacional Decidual. As canelas, da família
das lauráceas, preferenciais da Floresta Ombrófila Mista também aparecem nessa região,
muito provavelmente devido à proximidade das distintas formações e das condições
ambientais favoráveis.

A Floresta Ombrófila Mista possui a espécie Araucaria angustifolia como maior


representante da formação. A Araucária pode ser considerada espécie-chave no
ecossistema em que ocorre, devido ao seu porte e dominância, e também por produzir
frutos ricos em carboidrato em um período de escassez alimentar para fauna nativa, o
inverno. Embora Araucária constitua o estrato dominante, os estratos médio e inferior
possuem grande riqueza de espécies, tais como a erva-mate (Ilex paraguariensis), canela-
fogo (Cryptocaria aschersoniana), pinheiro-bravo (Podocarpus lambertii); espinheira-santa
(Maytenus ilicifolia), xaxim (Dicksonia sellowiana), camboatá-branco (Matayba
elaeagnoides), juvevê (Zanthoxylum kleinii), entre muitas outras. Segundo Nascimento
(2001), esses estratos inferiores são importantes centros de dispersão para inúmeras
espécies, principalmente das famílias botânicas Myrtaceae e Lauraceae.

4. Rotas Turísticas

As rotas turísticas do Vale dos Vinhedos são vias a serem percorridas de carro.
Neste sentido, toda percepção para escolha de espécies paisagísticas baseou-se neste fato,
uma vez que os pontos focais de interesse podem variar desde a paisagem de fundo, como
arbustos e árvores que ocorrem próximo à rodovia. Os elementos cor e estrutura das
plantas podem destacar esse pontos atrativos, através das flores, frutos, escolha de
espécies caducifólias, plantas com maior ou menor porte.

As cinco rotas turísticas foram percorridas com o objetivo de avaliar as espécies


vegetais já existentes ao longo das vias, que podem servir como atrativo paisagístico para
os turistas que visitam a região. Com base nessa visita técnica foi possível também elencar
outras espécies potenciais para o paisagismo da região. É importante ressaltar que a
escolha dessas plantas deu-se no sentido de não descaracterizar a região do Vale dos
Vinhedos, e sim ressaltar ainda mais a bela paisagem já existente.

__________________________________________________________________________
5
__________________________________________________________________________

Identificou-se cinco principais situações que possibilitam diferentes tipos de


intervenção: (1) urbana, sem muita vegetação; (2) rural-urbana, onde há o recuo das casas,
geralmente com uma área verde passível de intervenção ou área verde já bem cuidada
pelos moradores; (3) rural, onde há cultivos agrícolas, na maioria das vezes, videiras; (4)
locais de talude com bastante erosão; (5) áreas com vegetação nativa. As fotos a seguir
ilustram os tipos de situação encontradas ao longo das vias.

Foto 1: Zona urbana com pouca ou nenhuma vegetação no entorno da via, Rota Vale do Rio das Antas.

Foto 2: Zona rural-urbana, Rota Caminhos de Pedras.

__________________________________________________________________________
6
__________________________________________________________________________

Foto 3: Zona rural, Rota Vale dos Vinhedos.

Foto 4: Local de talude com erosão, Rota Caminhos de Pedra.

Foto 5: Vegetação nativa próxima à rodovia, Rota Vale do Rio das Antas.

__________________________________________________________________________
7
__________________________________________________________________________

É importante ressaltar que existem alguns trechos com paisagens de grande beleza
cênica (muitas que têm vista para os vales ou construções históricas), que não necessitam
de qualquer tipo de intervenção. As fotos abaixo ilustram essa situação

Foto 6: Vista da Vinícola Miolo, Vale dos Vinhedos. Nota-se o cultivo de rosas em frente ao pés dos
parrerais, pois os fungos atacam primeiro as roseiras, ao invés de atacarem as videiras. Esta prática
recorrente embeleza ainda mais a paisagem.

Foto 7: Rota Cantinas Históricas.

__________________________________________________________________________
8
__________________________________________________________________________

Foto 8: Casa da Erva Mate, Rota Cantinas Históricas.

Foto 9: Vista da rodovia, Rota Caminhos de Pedra.

Há também os mirantes, alguns existentes outros ainda por serem construídos, nos
quais podem ser trabalhados elementos paisagísticos próximos ao estacionamento, ou
próximos aos "mercados" existentes para venda de produtos coloniais. Nestes casos é de
extrema importância que a vegetação escolhida não cubra ou diminua a vista do mirante.

__________________________________________________________________________
9
__________________________________________________________________________

Foto 10: Vista de um mirante já existente na Rota do Vale do Rio das Antas.

Foto 11: Vista da Rota das Cantinas Históricas, Faria Lemos, RS.

__________________________________________________________________________
10
__________________________________________________________________________

Foto 12: Destaque para corticeiras-da-serra floridas, Rota das Cantinas Históricas.

5. Espécies Vegetais Indicadas para o Paisagismo

As situações encontradas ao longo dos trechos das rotas turísticas necessitam de


diferentes tipos de intervenção. Sendo assim, elaborou-se uma lista de plantas classificadas
de acordo com sua estrutura, hábitat e utilização. Todas as espécies que foram
selecionadas são adaptadas ao frio da região, e necessitam de baixa manutenção. No
momento do plantio se fará necessária a utilização de composto orgânico para nutrição das
mudas recém plantadas, bem como irrigação. No total, 41 espécies são indicadas como
potenciais para utilização no paisagismo das rotas. As espécies vegetais sugeridas foram
classificadas em cinco categorias:

• Espécies herbáceas (HERB)


• Espécies arbustivas (ARB)
• Espécies arbóreas (ARV)
• Espécies para formar forrações (FOR)
• Espécies trepadeiras ou escandentes (TRE)

Abaixo segue a tabela com indicação das espécies.

__________________________________________________________________________
11
__________________________________________________________________________

Tabela 1: Lista das espécies potenciais ao paisagismo para as rotas turísticas da região do Vale dos
Vinhedos, RS.

CLASSIFICA
FAMÍLIA' ESPÉCIE' NOME'POPULAR' ORIGEM'
ÇÃO'
Agapanthacea
Agapanthus*africanus* agapanto* HERB* África*
e*
Cannaceae* Canna*limbata* birí7silvestre* HERB* Brasil*
Hemerocallida
Hemerocallis*x*hibrida* lírio* HERB* Ásia*e*Europa*
ceae*
Poaceae* Cortaderia*selloana* capim7dos7pampas* HERB* Nativa*do*RS*
Verbenaceae* Lantana*camara* camaradinha* HERB* Nativa*do*RS*
Ericaceae* Rhododendron*simsii* azaléia* ARB* China*
Fabaceae* Calliandra*brevipes* topete7de7cardeal* ARB* Nativa*do*RS*
Fabaceae* Calliandra*tweediei** topete7de7cardeal* ARB* Nativa*do*RS*
princo7de7princesa7
Onagraceae* Fuchsia*regia* ARB* Nativa*do*RS*
da7mata*
Rubiaceae* Rudgea*parquioides* 7* ARB* Nativa*do*RS*
Solanaceae* Brunfelsia*uniflora* manacá7de7cheiro* ARB* Nativa*do*RS*
Ásia,*China*e*
Theaceae* camélia* ARB*
Camellia*japonica* Japão*
Araucariaceae* Araucaria*angustifolia* Araucária* ARV* Nativa*do*RS*
Arecaceae* Butia*eriopsatha* butiá7da7serra* ARV* Nativa*do*RS*
Handroanthus*
Bignoniaceae* ipê7roxo* ARV* Nativa*do*RS*
heptaphyllus*
Argentina,*
Bignoniaceae* Jacaranda*mimosifolia* jacarandá7mimoso* ARV* Bolívia*e*
Paraguai*
Boraginaceae* Cordia*trichotoma* louro* ARV* Nativa*do*RS*
Fabaceae* Bauhinia*forficata* Pata7de7vaca* ARV* Nativa*do*RS*
Enterolobium*
Fabaceae* timbaúva* ARV* Nativa*do*RS*
contortisiliquum*
Fabaceae* Erythrina*falcata* corticeira7da7serra* ARV* Nativa*do*RS*
Fabaceae* Handroanthus*albus* ipê7da7serra* ARV* Nativa*do*RS*
Fabaceae* Inga*marginata* inga7feijão* ARV* Nativa*do*RS*
Fabaceae* Mimosa*scabrella* bracatinga* ARV* Nativa*do*RS*
Fagaceae* Quercus*robur* carvalho7vermelho* ARV* Europa*
Melastomatac
Tibouchina*sellowiana* quaresmeira* ARV* Nativa*do*RS*
eae*
Meliaceae* Cedrela*fissilis* cedro* ARV* Nativa*do*RS*
Myrtaceae* Acca*sellowiana* goiaba7serrana* ARV* Nativa*do*RS*
Campomanesia*
Myrtaceae* guabirobeira* ARV* Nativa*do*RS*
xanthocarpa*
Myrtaceae* Eugenia*involucrata* cerejeira* ARV* Nativa*do*RS*
América*do*
Platanaceae* Platanus*spp.* plátano* ARV*
Norte*

__________________________________________________________________________
12
__________________________________________________________________________

CLASSIFICA
FAMÍLIA' ESPÉCIE' NOME'POPULAR' ORIGEM'
ÇÃO'
Proteaceae* Grevillea*robusta* grevilha* ARV* Austrália*
Rutaceae* Citrus*limonius* limão7cravo* ARV* Ásia*
Rutaceae* Citrus*limonius* limão7siciliano* ARV* Ásia*
Theaceae* Laplacea*acutifolia* pau7de7santa7rita* ARV* Nativa*do*RS*
Asphodelacea
Bulbine*frutescens* bulbine* FOR* África*
e*
Iridaceae* Neomarica*caerulea* falso7íris* FOR/HERB* Brasil*
Acanthaceae* Thunbergia*grandiflora* tumbérgia7azul* TRE* Índia*
África,*Ásia*e*
Araliaceae* Hedera*helix* hera* TRE/FOR*
Europa*
Bignoniaceae* Pyrostegia*venusta* cipó7são7joão* TRE* Nativa*do*RS*
buganvile;*três7
Nyctaginaceae* Bougainvillea*glabra* TRE* Brasil*
marias*
China,*Japão,*
Parthenocissus*
Vitaceae* hera7japonesa* TRE* Coréia*do*
tricuspidata*
Norte*e*Sul*

6. Situações-modelo passíveis de intervenção

Aqui são apresentadas algumas situações que ocorrem ao longo das vias, que
servem para ilustrar a potencialidade de utilização das plantas indicadas ao paisagismo.

• Utilização de espécies herbáceas

Os muros de taipa de pedras são parte da história do Rio Grande do Sul e não
necessitam ser cobertos por trepadeiras ou outras plantas, pois são muito bonitos.
Entretanto, o local da foto a seguir poderia facilmente ser embelezado com a utilização de
espécies herbáceas, como o agapanto ou o falso-íris.

__________________________________________________________________________
13
__________________________________________________________________________

Foto 13: Muro de taipa de pedras.

Quando a intenção não é cobrir toda a cerca, e sim manter a visibilidade para dentro
do terreno, é possível a utilização de espécies herbáceas em maciços, como o lírio ou o
falso-íris.

Foto 14: Outra possibilidade de utilização de espécies herbáceas é ao longo das cercas das casas.

• Utilização de espécies arbustivas

As espécies arbustivas são excelentes opções quando há limitação na altura, como é


ocaso quando há rede elétrica próxima ao local do plantio. Os arbustos indicados possuem
flores ornamentais que não necessitam de muita manutenção.

__________________________________________________________________________
14
__________________________________________________________________________

Foto 15: Este canteiro bem à frente na foto pode ser utilizado para plantar espécies arbustivas, que não
atingirão grandes alturas, e que não irão interferir na visualização do empreendimento. Exemplos são:
mancá-de-cheiro, a quaresmeira, ou a azaléia.

Neste caso há um espaço pequeno, mas que é passível de intervenção com


arbustos de pequeno porte, como o brinco-de-princesa e a Rudgea parquioides; ou até
mesmo com maciços de herbáceas.

Foto 16: Recuo pequeno de uma casa, com possibilidade de intervenção paisagística.

__________________________________________________________________________
15
__________________________________________________________________________

• Utilização de espécies arbóreas

As árvores podem ser utilizadas em diversas situações. O mais importante é ter


espaço para o crescimento da planta, principalmente em termos de desenvolvimento de
raízes e altura (principalmente se houver rede elétrica).

Foto 17: Nos dois lados da rodovia é possível de plantio de árvores. É possível que se escolha alguma
espécie com flores bastante ornamentais, como o ipê-da-serra o jacarandá para o lado esquerdo (sem
rede elétrica), e a pata-de-vaca para o lado direito, pois apresenta menor porte de altura.

Foto 18: Aqui também é possível a utilização de árvores para embelezar a paisagem da região. Neste
caso pode-se optar por árvores de grande porte, como a Araucária, o Louro-pardo e a corticeira-da-serra.

__________________________________________________________________________
16
__________________________________________________________________________

Foto 19: Outra possibilidade de plantio de árvores de grande porte. Aqui ainda existe uma outra situação,
que é a erosão do talude, que deve ser contido

Foto 20: Outro local com possibilidade de plantio de árvores. Provavelmente esta área coberta com brita
sirva de estacionamento para carros e ônibus, entretanto o plantio pode ser realizado próximo ao guard-
rail. Além disso, é possível também o plantio de espécies herbáceas próximo à própria casa, o que a
deixaria ainda mais convidativa para visitação.

__________________________________________________________________________
17
__________________________________________________________________________

• Utilização de espécies para formar forrações

As forrações são utilizadas para cobrir áreas que ficariam sem vegetação alguma e
com solo aparente. Geralmente são plantas rasteiras, de pequeno porte, que podem
acompanhar o plantio de árvores e arbustos maiores. As forrações têm por função principal,
nestes casos, impedir que ocorra erosão do solo. Abaixo segue exemplo de forração
utilizada na Rota do Vale do Rio das Antas. As forrações podem ser utilizadas em canteiros
ou diretamente abaixo de árvores.

Foto 21: Exemplo de forração utilizada para não deixar o solo desnudo: hera.

Foto 22: Outro exemplo de forração no entorno de árvores, com a espécie Bulbine, também indicada para
plantio.

__________________________________________________________________________
18
__________________________________________________________________________

• Utilização de espécies trepadeiras ou escandentes

As trepadeiras possuem inúmeras funções dentro do paisagismo. No atual contexto


sugere-se a utilização das trepadeiras e de algumas espécies herbáceas (como é o caso do
capim-dos-pampas) para contenção de diversos focos de erosão encontrados ao longo das
vias percorridas. Espécies como a hera, tumbérgia-zaul, cipó-são-joão são indicadas para
conter o solo nessas situações.

Importante ressaltar que as trepadeiras necessitam de um auxílio para iniciar o


processo de cobertura de determinados locais. É importante a colocação de estruturas como
alguns arames ou fios para conduzir a planta ao local escolhido e facilitar a cobertura do
local.

Foto 23: À direita é possível observar o processo de erosão ocorrendo.

__________________________________________________________________________
19
__________________________________________________________________________

Foto 24: Outro processo erosivo ocorrendo ao lado da via.

Foto 25: Área declivosa coberta totalmente por hera. Nota-se que a vegetação impede que o solo comece
a erodir.

__________________________________________________________________________
20
__________________________________________________________________________

Além da função de conter erosão, as trepadeiras podem ser utilizadas para cobrir
determinadas estruturas, que não necessitam ficar aparentes.

Foto 26: Muro já sendo coberto por trepadeira. Esta espécie (hera) foi indicada para utilização.

Foto 27: Muro sendo coberto por hera.

7. Outras situações

Aqui são apresentadas algumas situações encontradas ao longo das vias que foram
percorridas, e que foram classificadas como importantes de serem destacadas.

__________________________________________________________________________
21
__________________________________________________________________________

1. Muro totalmente descoberto de vegetação e com aparência deteriorada. Neste caso,


temos algumas opção de solução: (1) retirar um pouco do calçamento e plantar
algumas árvores para diminuir o impacto visual; (2) retirar um pouco do calçamento
bem próximo ao muro e plantar trepadeiras para subirem e cobrirem o muro; (3) uma
última opção poderia ser a pintura ou grafitagem do muro por profissional
especializado.

Foto 28: Muro totalmente descoberto de vegetação.

2. Resíduos de corte de árvores jogados ao longo da rodovia. Sugere-se a remoção de


todos os resíduos por parte do responsável e descarte adequado do material.

Foto 29: Residuos de corte de árvore.

__________________________________________________________________________
22
__________________________________________________________________________

3. Pontos de parada para venda de produtos coloniais. Locais como este


provavelmente não apresentam vegetação, pois servem como estacionamentos para
os turistas. Entretanto, é bastante possível a intervenção paisagística através do
plantio de arbustos ou espécies herbáceas que não comprometam as vagas de
estacionamento. Neste caso é possível o plantio de trepadeiras em vasos grandes
para que possam cobrir a tela verde da foto, melhorando a sensação térmica do
local, ou até mesmo a utilização de vasos, e também o cobrimento do talude
descoberto de vegetação.

Foto 30: Exemplo de local junto à rodovia que vende produtos coloniais, e que pode ser trabalhado na
questão paisagística, Rota do Vale do Rio das Antas.

8. Referências Bibliográficas

JARENKOW, J.A.; WAECHTER, J.L. 2001. Composição, estrutura e relações florísticas


do componente arbóreo de uma Floresta Estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista
Brasileira de Botânica, São Paulo, v.24, n.3, p.263-272.

NASCIMENTO, A.R.T.; LONGHI, S.J. & BRENA, D.A. 2001. Estrutura e padrões de
distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em
Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n.1, p. 105-119.

RAMBO, B. 1956. A fisionomia do Rio Grande do Sul. Livraria Selbach, Porto Alegre.

TEIXEIRA, M.B., COURA-NETO, A.B., PASTORE, U. & RANGEL FILHO, A.L.R. 1986.
Vegetação. As regiões fitoecológicas, sua natureza e seus recursos econômicos. Estudo

__________________________________________________________________________
23
__________________________________________________________________________

fitogeográfico. In Levantamento de recursos naturais. Instituto Brasileiro de Geografia e


Estatística, Rio de Janeiro, v. 33, p.541-632.

Sites:

http://www.ufrgs.br/fitoecologia/florars/

http://www.valedosvinhedos.com.br/

http://www.ipef.br/

http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/documentos/documento_288.pdf

__________________________________________________________________________
24
__________________________________________________________________________

9. Anexos
Anexo 1: ART (anotação de Responsabilidade Técnica)

__________________________________________________________________________
25
__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________
26
__________________________________________________________________________

Anexo 2: Ficha Técnica das espécies indicadas para o paisagismo.

__________________________________________________________________________
27
Agapanthus*africanus!
Agapanto!
Família!botânica:!Agapnthaceae!
Origem:!ÁfricaAltura:!até!1!metro!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!HERB!

! É! uma! planta! herbácea,! rizomatosa,! tolerante( a( baixas(


temperaturas( de( inverno.! Na! primavera,! apresenta! belas! e!
globosas! inflorescências! com! numerosas! flores! brancas,!
liláses!ou!azuis,!dependendo!da!variedade.!As(inflorescências(
são( muito( duráveis.! As! folhas! são! longas,! laminares! de! cor!
verde!escura,!de!forma!que,!mesmo!quando!estão!sem!flores,!
sua!folhagem!é!muito!bonita.!
! No! paisagismo,! o! agapanto! é! ideal! para! maciços! e!
bordaduras!a!pleno(sol.!É!uma!planta!excelente!para!bordar!a!
parte!baixa!de!muros!e!arbustos!em!renques.(É(muito(rús;ca,(
resistente( a( doenças( e( de( baixíssima( manutenção.( Resiste(
ao(frio,(geadas(e(a(es;agem(em(curtos(períodos.(MulRplicaS
se!pela!divisão!das!mudas!que!se!formam!na!base!da!planta.!
Canna*limbata*
BiríSsilvestre!
Família!botânica:!Cannaceae!
Origem:!América!do!Sul,!Brasil!
Altura:!0,6!a!1,8!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!HERB!
!
! O! biríSsilvestre! é! uma! planta! herbácea,! de! folhagem!
ornamental.! ! Suas! folhas! são! grandes! e! podem! ser! verdes! ou!
avermelhadas.! Suas! flores! apresentam! coloração! vermelha! e!
amarela,! que! surgem! na! primavera! e! verão.( Gosta( de( muita(
água( e! por! este! moRvo! é! comum! observáSla! próxima! a!
banhados!e!áreas!alagadiças.!Sua!uRlização!no!paisagismo!está!
ligada!a!esta!caracterísRca,!locais(bastante(úmidos(a(pleno(sol,(
como(áreas(adjacentes(à(corregos(d’água.(Podem!formar!belos!
maciços!e!bordaduras.!
! Deve! ser! culRvada! em! solo! rico! em! matéria! orgânica.! É(
tolerante( ao( frio.! MulRplicaSse! por! sementes! e! divisão! do!
rizoma!(raízes)!da!planta.!

Foto:!Rota!Vale!do!Rio!das!Antas!
Hemerocallis*x*hibrida*
Lírio!
Família!botânica:!Hemerocallidaceae!
Origem:!Ásia!e!Europa!
Altura:!até!1!metro!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!HERB!
!
! É! uma! das! plantas! preferidas! para! culRvo! em! jardim,! pois!
além! de! ser! muito! fácil! de! culRvar! possui! a! exuberância! das!
plantas! mais! aristocráRcas.! A! floração! é! influenciada! pela!
variedade! hor_cola,! mas! em! geral! ocorre! nos! meses! mais!
quentes! em! climas! subtropicais! e! temperados! e! durante! o! ano!
todo!em!regiões!tropicais.!!
! Apresenta( grande( versa;lidade( e( rus;cidade( no!
paisagismo,! sendo! uma! excelente! bordadura! pelo! efeito!
marcante! de! suas! folhas,! da! mesma! forma! destacaSse! em!
maciços! ou! grupos.! É( a( flor( eleita( para( jardins( de( pouca(
manutenção,! como! em! condomínios! e! jardins! públicos.! Devem!
ser!culRvados!em!solos!férteis,!adubados!com!matéria!orgânica!
e!irrigados!periodicamente.!Algumas!variedades!apreciam!o!frio,!
outras!apresentam!boa!tolerância.!!
Cortaderia*selloana*
CapimSdosSpampas!
Família!botânica:!Poaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!2,5!a!4!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!HERB!
! Suas( inflorescências( se( parecem( com( grandes( plumas! e!
podem! ser! de! coloração! branca,! amarelada! ou! arroxeada,!
formadas! principalmente! no! verão.! As! folhas! são! longas,!
lineares! e! com! bordas! cortantes.! Sendo! um! planta! diferente,!
sua! beleza! é! ressaltada! se! uRlizada! isolada! em! gramados,!
podendo! ser! plantada! em! conjuntos.( PrestaHse( para( conter(
erosão(de(terrenos(erodidos.(
!Deve!ser!culRvado!a!pleno!sol,!em!solo!férRl!e!com!regas!
periódicas.! Tolerante( ao( frio.( MulRplicaSse! pela! divisão! da!
touceira.!!
Lantana*camara*
Camaradinha;!cambará!
Família!botânica:!Verbenaceae!
Origem:!América!Central,!América!do!Sul!
Altura:!até!1,2!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!HERB!

! Arbusto( florífero( de( efeito( muito( ornamental,! o!


cambará! é! excelente! para! a! formação! de! maciços! e!
bordaduras.!É(uma(planta(muito(resistente.(As!inflorescências!
são! compostas! por! numerosas! flores,! formando! miniSbuquês!
das! mais! variadas! cores,! como! laranja,! rosa,! vermelho,!
amarelo!e!branco.!
!Deve(ser(cul;vado(a(pleno(sol,!em!solo!férRl!enriquecido!
com! composto! orgânico,! com! regas! periódicas.! Tem! grande!
potencial! invasivo,! tornandoSse! daninha! em! determinadas!
situações.!Também!é!considerada!planta!tóxica.!Tolerante(ao(
frio( e( às( podas.( Planta( muito( resistente,( prestando( muito(
bem(ao(paisagismo.!MulRplicaSse!por!estacas!e!sementes.!
Rhododendron*simsii*
Azaléia!
Família!botânica:!Ericaceae!
Origem:!China!
Altura:!até!1,5!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARB!

! As! azaléias! são! arbustos! de! folhagem! verdeSescura! e!


floração( abundante.! Podem! ter! flores! com! cores! diferentes,!
como! branco,! rosa,! vermelho! ou! mescladas.! Devem! ser!
culRvadas! sob! pleno! sol,! em! solos! rico! em! matéria! orgânica,!
com! regas! regulares,! não! é! necessária! a! calagem! já! que! os!
rododendros! e! azaléias! apreciam! solos! ácidos.! As( azaléias(
ainda( apreciam( o( frio! e! podem! ser! podadas! com! cuidado! e!
sempre!no!final!da!floração.!MulRplicamSse!por!estaquia.!
Calliandra*brevipes*
TopeteSdeScardeal!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!2!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARB!
!O!topeteSdeScardeal!é!um!arbusto!lenhoso,!que!gera!várias!
ramificações,! ficando! entre! 1! e! 2! m! de! altura.! Possui(
florescimento(exuberante,(muito(ornamental.(As!flores!formam!
capítulos!densos,!com!estames!cor!de!rosa,!também!podendo!ser!
brancos! e! roxos,! em! outras! variedades.! O! florescimento! ocorre!
na! primaveraSverão.! É( tolerante( a( geadas( e( ao( frio,( sendo( que(
seu(florescimento(é(mais(intenso(na(região(sul(do(país,(onde(as(
temperaturas(são(mais(baixas.((
! A( planta( desenvolveHse( melhor( quando( cul;vada( sob( sol(
pleno.( É! culRvado! como! planta! isolada! ou! formando! conjuntos,!
mas! o! efeito! ornamental! mais! notável! é! como! cercaSviva.!
MulRplicaSse! por! meio! de! estacas,! mas! com! maior! facilidade!
através!de!sementes,!originando!plantas!mais!vigorosas.(
Calliandra*tweediei*
TopeteSdeScardeal!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!5!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARB!

! A! caliandra! é! uma! planta! arbusRva,! lenhosa! e! muito!


florífera.! As! inflorescências! são! do! Rpo! umbela,! com! flores!
vermelhas,! caracterizadas! pelos! longos! e! sedosos! estames,! que!
dão! ao! conjunto! da! inflorescência! um! aspecto! de! pompom.! É(
uma( espécie( muito( ornamental,( devido( principalmente( ao(
charme( de( suas( flores( felpudas.! Ela! é! excelente! para! formar!
cercas! vivas! topiadas! ou! renques! informais.! Também! pode! ser!
plantada! isolada,! criando! um! certo! destaque! ao! jardim! quando!
está!florida.!
!Deve(ser(cul;vada(a(pleno(sol,(em(solo(fér;l,(drenável,(sem(
cuidados( especiais,( pois( é( bastante( rús;ca.( MulRplicaSse! por!
estacas!e!sementes!e!é!tolerante(ao(frio.(

Fotos:!Rota!CanRnas!Histórica!
Fuchsia*regia*
BrincoSdeSprincesa!
Família!botânica:!Onagraceae!
Origem:!NaRva!do!RS!!!!!!!!!!!
!Ciclo!de!vida:!perene!
Altura:!até!1,5!metros!!!!!!!!!!!
Classificação:!ARB!
Luminosidade:!meiaSsombra;!sol!pleno!
!Flor(símbolo(do(Rio(Grande(do(Sul,!o!brincoSdeSprincesa!ou!
fúcsia! é! uma! planta! que! faz! um! enorme! sucesso! internacional.!
Possui! muitas! variedades,! sendo! que! tanto! pétalas,! quanto!
sépalas!podem!ser!de!cores!e!de!formas!diferentes.!A!ramagem!
é!pendente,!mas!pode!haver!variações,!com!plantas!mais!eretas!
e! outras! mais! pendentes.! O! porte! também! varia! entre! as!
culRvares,!de!forma!que!há!formas!arbusRvas!e!outras!de!porte!
herbáceo.!
!Para!ficar!sempre!bonito,!o!brinco!de!princesa!requer!boa!
iluminação,! de! preferência! sob! luz! difusa! ou! meiaSsombra,! no!
entanto! muitas! variedades! vão! bem! sob! sol! pleno.! Mas! um!
detalhe!é!unânime,!as!fúcsias!apreciam(o(frio(e(portanto(deveH
se( dar( preferência( para( o( cul;vo( no( sul( do( país( e( nas( regiões(
serranas.!A!propagação!pode!ser!por!sementes!ou!por!estacas.!
!
Rudgea*parquioides*
Família!botânica:!Onagraceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!3!metros!!
Luminosidade:!meiaSsombra;!sol!pleno!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARB!
!Espécie(na;va(do(RS,(adaptada(às(condições(de(frio(da(
Serra.( Suas! flores! brancas! são! bastante! vistosas,! tornando! a!
espécie! apropriada! ao! paisagismo.! Entretanto,! esta! planta!
ainda! não! é! muito! uRlizada! (muito! provavelmente! por!
desconhecimento).!Provavelmente(seja(encontrada(com(mais(
facilidade( em( viveiro( de( plantas( na;vas,( do( que( em(
floriculturas.(
Brunfelsia*uniflora*
ManacáSdeScheiro;!Primavera!
Família!botânica:!Solanaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!3!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARB!
! O( manacáHdeHcheiro,( como( o( próprio( nome( diz,( é(
extremamente(perfumado,(além(disso(suas(flores(mudam(de(cor.!
Inicialmente! elas! são! azulSarroxeadas! e! com! o! passar! do! tempo,!
vão! clareando! até! tornaremSse! brancas.! Com! isto,! durante! a!
floração,! o! manacáSdeScheiro! apresenta! um! colorido! muito!
especial.!A!floração!ocorre!na!primavera!e!verão.!
! Sua( u;lização( no( paisagismo( é( muito( ampla,! podendo! ser!
culRvada!isolada!ou!em!grupos.!Devem!ser!culRvadas!a!pleno!sol,!
em! solo! férRl! enriquecido! com! matéria! orgânica,! com! regas!
regulares.!Tolera!sombra!parcial,!e(aprecia(o(frio.!MulRplicaSse!por!
estaquia!e!por!sementes.!

Foto:!Rota!CanRnas!Históricas!
Camellia*japonica*
Camélia!
Família!botânica:!Theaceae!
Origem:!Ásia!
Altura:!varia!de!1!a!3,5!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARB!

! VersáRl,! pode( ser( u;lizada( como( arbusto( ou( arvoreta.! É!


muito! popular,! sendo! culRvada! no! mundo! todo,! tanto! em! climas!
tropicais,! como! temperados.! As! flores! solitárias! podem! ser! de!
diversos!Rpos,!sendo!que!as!mais!comuns!são!as!brancas,!as!róseas!
e!as!vermelhas,!e!não!são!raras!as!bicolores.!
! Sua! uRlização! paisagísRca! é! ampla.! A! época! de! sua! floração!
varia! de! acordo! com! o! clima! em! que! está! inserida,! podendo!
ocorrer!desde!o!outono/inverno!até!durante!ano!todo!em!regiões!
mais! quentes.! As! camélias! podem! ser! culRvadas! em! solos! ácidos,!
férteis! e! bem! irrigados,! à( meiaHsombra( ou( sob( sol( pleno.! Não! se!
adaptam! a! climas! demasiado! quentes! e! toleram( geadas( e( neves.(
MulRplicamSse!por!estaquia!e!por!alporquia.!
Araucaria*angusAfolia*
Araucária!
Família!botânica:!Araucariaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!acima!de!12!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
! A! araucária! é! reconhecida! pela! sua! beleza,! função!
ecológica! e! uRlidade! para! o! homem.! Apesar( de( todas( estas(
qualidades,(é(uma(espécie(em(ex;nção.!Seu!porte!é!bastante!
grande,! chegando! aos! 50! metros! de! altura.! DiferenciaHse( de(
outros( pinheiros( pela( sua( estrutura( em( candelabro( e( pelos(
seus( saborosos( pinhões.! Os! pinhões! são! sementes! grandes! e!
servem!de!alimento!para!diversas!espécies,!entre!aves,!animais!
selvagens! e! domésRcos,! inclusive! o! homem.! O! pinheiroSdoS
paraná! é! uma! árvore! exigente,! vegeta! em! solos! férteis! e!
profundos! e! não! se! desenvolve! bem! em! solos! muito! úmidos.!
Tolerante(ao(frio(e(às(geadas.(MulRplicaSse!por!sementes.!
BuAa*eriospatha*
BuRáSdaSserra!
Família!botânica:!Arecaecae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!10!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
!Bu#a%eriospatha%é(uma(espécie(de(palmeria(comum(nos(
campos( de( Santa( Catarina( e( do( Rio( Grande( do( Sul.( Tem! seus!
frutos! bastante! apreciados! tanto! pela! fauna! quanto! pelo!
homem.!Ocorre!sob!áreas!de!campos!raramente!entrando!em!
florestas!e!algumas!vezes!associada!à!espécie!Araucária.!
! Esta( planta( é( bastante( ornamental,( tendo( grande((
potencial( paisagís;co,! tanto! por! seu! porte,! como! por! seus!
frutos.! Aprecia! sol! direto! e! é! bem( adaptada( às( condições( de(
frio(da(Serra.(
Handroanthus*heptaphyllus*
IpêSroxo!
Família!botânica:!Bignoniaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!20!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

!Árvore!naRva!do!RS,!tendo!como!carácterísRca!marcante!
a!perda!de!suas!folhas!no!período!do!inverno,!e!as!flores!cor!
de! rosa! muito! exuberantes.! A! floração! ocorre! com! a! planta!
totalmente!despida!de!sua!folhagem.!Espécie!de!elevado!valor!
ornamental!quando!em!flor.!Suas!sementes!são!disseminadas!
pelo!vento.!
Jacaranda*mimosifolia*
JacarandáSmimoso!
Família!botânica:!Bignoniaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!15!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
!Árvore!de!porte!médio,!que!aRnge!cerca!de!15!metros.!De!
copa! rala,! arredondada! a! irregular,! folhagem! delicada,! é! uma!
árvore!decídua!a!semiSdecídua.!No!inverno,!o!jacarandáSmimoso!
perde! suas! folhas,! que! dão! lugar! às! flores! na! primavera.! Suas!
flores!são!duráveis,!perfumadas!e!grandes,!de!coloração!azul!ou!
arroxeada.!!
!Deve!ser!culRvada!a!sol!pleno,!em!solo!férRl,!bem!drenado,!
enriquecido! com! matéria! orgânica! e! irrigado! no! primeiro! ano!
após!o!planRo.!MulRplicaSse!por!sementes.!
AdaptaSse!a!uma!ampla!variedade!de!locais,!mas!aprecia!o!clima!
subtropical.!!
Cordia*trichotoma*
LouroSpardo!
Família!botânica:!Boraginaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!30!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

! Esta! árvore! apresenta! beleza! em! sua! copa! por! causa! das!
folhas! pardas,! com! nuances! amarronzados.! Isto! é! relevante! já!
que,! na! ausência! das! floradas,! os! maRzes! de! verde! acentuam! a!
profundidade! daquilo! que! é! contemplado.! O( louroHpardo( é(
caducifólio( e( não( é( muito( exigente( em( termos( de( fer;lidade(
nem(de(clima.!O!crescimento!é!rápido!e!sua!florada!exuberante,!
que! atrai! beijaSflores! e! abelhas,! cobre! totalmente! a! copa! nos!
meses!de!inverno.!Dependendo!da!região,!as!flores!surgem!mais!
cedo.! Propicia! excelente! madeira! uRlizada! em! marcenaria! fina.!
Além(disso,(suporta(bem(geadas.(
Bauhinia*forficata*
PataSdeSvaca!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!9!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

!Árvore(decídua((que(perde(suas(folhas),(que(precisa(de(sol(
para( um( bom( desenvolvimento( e( de( crescimento( rápido.(
Bastante! uRlizada! em! paisagismo.! Planta! pioneira,! que! possui!
uma!copa!globosa!e!raízes!superficiais.! !A!folha!é!simples!com!a!
supermcie!lisa!e!brilhante,!em!formato!de!“pata!de!vaca”.!Sua!flor!
é!branca!e!apresentaSse!em!cachos!na!extremidade!dos!galhos,!e!
suas!sementes!são!disseminadas!pelo!vento.!!
!ReproduzSse!por!sementes!ou!por!estaquia!e!apresenta!um!
desenvolvimento! moderado! sendo! muito! uRlizada! para! a!
arborização!urbana!e!o!paisagismo!e!na!medicina!popular.!
Enterolobium*contorAsilliqum**
Timbaúva!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!35!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
! É( uma( árvore( de( crescimento( rápido( que( fornece( boa(
sombra(na(primavera(e(verão(e(perde(suas(folhas(no(inverno,(
deixando( a( luz( do( sol( passar.! Desta! forma! ela! é! bastante!
apropriada! para! arborização! de! regiões! com! estações! bem!
marcadas.!
!As!inflorescências!surgem!na!primavera!com!cerca!de!10!
a! 20! flores! brancas.! Os! frutos! que! se! seguem! são! vagens,!
recurvadas!e!semilenhosas,!em!formato!de!rim!ou!de!orelha,!o!
que! rendeu! a! esta! espécie! diversos! nomes! populares,! como:!
orelhaSdeSmacaco,! orelhaSdeSnegro,! orelhaSdeSpreto,! árvoreS
dasSpatacas,! orelhaSdeSonça,! etc.! Eles! surgem! verdes! e! se!
tornam!pretos!em!junho!e!julho,!quando!amadurecem.!
! Essa( espécie( deve( ser( cul;vada( sob( pleno( sol,! em! solo!
férRl,!preferencialmente!úmido!e!irrigado!no!primeiro!ano!de!
implantação.!MulRplicaSse!por!sementes.!
!
Erythrina*falcata*
CorRceiraSdaSserra!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!30!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

! CorRceira! é! uma! árvore! da! família! das! legumisosas!


(Fabaceae),!naRva!do!sul!do!Brasil,!seu!é!tronco!tortuoso.!Suas!
folhas! são! compostas,! e! suas! flores! são! vermelhas! de! cálice!
campanulado.!O!fruto!é!uma!vagem,!conhecido!também!como!
legume,! com! sementes! semelhantes! ao! feijão.! Tem( grande(
importância( para( o( paisagismo,( pois( quando( florida( é(
extremamente( ornamental.( O! que! mais! chama! a! atenção! é!
que! durante! a! sua! floração! as! folhas! caem,! deixando! apenas!
as!flores!alaranjadas!à!mostra.!
Handroanthus*albus*
IpêSdaSserra!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!30!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
! Árvore! com! tronco! reto! ou! levemente! tortuoso,! casca!
externa!grossa!com!fissuras!longitudinais!esparsas!e!profundas.!
Com! ramos! grossos,! tortuosos! e! compridos,! o! ipêSamareloSdaS
serra! possui! copa! alongada! e! alargada! na! base.! As! raízes! de!
sustentação!e!absorção!são!vigorosas!e!profundas.!
! A( espécie( perde( as( folhas( que( coincidem( com( o( período(
de( floração.! A! floração! iniciaSse! no! final! de! julho! e! vai! até!
setembro,! podendo! ocorrer! alguma! variação! devido! a!
fenômenos! climáRcos.! Em! culRvo,! a! espécie! inicia! o! processo!
reproduRvo!após!o!terceiro!ano.!As!flores!são!amareloSouro!e,!
por! sua! exuberância,! atraem! abelhas! e! pássaros,!
principalmente! beijaSflores! que! são! importantes! agentes!
polinizadores.!É(usada(no(paisagismo(urbano,(e(desenvolveHse(
bem(sob(sol(pleno.(
Inga*marginata*
IngaSfeijão!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!12!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

! Árvore( com( uso( potencial( para( fins( ornamentais( na(


arborização( urbana.! Planta! apícola,! produtora! abundante! de!
néctar! e! pólen.! A! polpa! dos! frutos! é! comes_vel! e! de! sabor!
agradável,! apesar! da! pequena! dimensão! dos! frutos,! produz!
abundantemente,! e! o! arilo! soltaSse! facilmente! das! sementes,!
facilitando!o!consumo.!
!Produz(flores(em(picos(de(florações(ao(longo(do(ano,(sem(
períodos( definidos( de( floração,( as( flores( são( bastante(
aromá;cas( e( atra;vas( para! os! insetos,! principalmente! abelhas,!
moscas!e!borboletas.!
! Planta( que( gosta( de( áreas( úmidas,( e( se( dá( bem( em( sol(
pleno( ou( meia( sombra.! Bastante! uRlizada! para! recuperação! de!
áreas!degradadas.!
Mimosa*scabrella*
BracaRnga!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!20!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
! A! bracaRnga! é! uma! espécie! naRva! das! regiões! de! clima!
frio! do! Brasil.! Além! disso,! é! considerada( pioneira,! _pica! de!
capoeiras!e!capoeirões.!!Ocorre!em!maciços,!apresenta!tronco!
reto,!com!fuste!de!até!15!m.!Porém,!quando(isolada,(o(tronco(
é( curto( e( ramificado.( As( flores( são( amarelas( e( pequenas,(
porém( muito( belas.! No! Rio! Grande! do! Sul,! a! floração! ocorre!
de!julho!a!outubro!e!a!fruRficação,!de!novembro!a!fevereiro.!
! A! maior! área! de! ocorrência! natural! dessa! espécie! se! dá!
sob! clima! temperado! úmido.! Entretanto,! também! ocorre! em!
clima! subtropical! úmido! e! subtropical! de! alRtude.! A(
braca;nga( não( suporta( períodos( de( seca( prolongados,( e(
suporta( bem( geadas.! Normalmente! ocorre! em! solos! pobres,!
ácidos!bem!drenados.!É(pouco(exigente(em(fer;lidade.(
Quercus*robur*
CarvalhoSvermelho;!CarvalhoSroble!
Família!botânica:!Fabaceae!
Origem:!Europa!
Altura:!até!40!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

! !O!carvalhoSvermelho!é!uma!árvore(de(grande(porte,!que!
aRnge!30!a!40!metros!de!altura!e!que!tem!um!tempo!de!vida!
entre! 500! a! 1000! anos.! Esta! espécie! possui! copa! redonda! e!
extensa! em! árvores! adultas,! e! contorno! oval! piramidal! em!
indivíduos!jovens.!As(suas(folhas(são(caducas(e(permanecem(
com( um( verde( forte( ao( longo( do( outono,( antes( de( se(
tornarem(castanhas(persis;ndo(na(árvore(até(ao(inverno.(
!O!carvalho!roble!é!uma!espécie!bem!adaptada!aos!climas!
temperados! úmidos,! que! apresenta( grande( resistência( ao(
frio.((
Tibouchina*sellowiana*
Quaresmeira!
Família!botânica:!Melastomataceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!8!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

!A!planta!apresenta!floração(duas(vezes(ao(ano,!mais!
intensa! no! início! do! ano,! que! coincide! com! o! período! da!
quaresma! cristã,! daí! o! nome! da! planta.! Quando! culRvada!
com! devido! cuidados,! também! apresenta! flores,! no!
outono.!
! De! copa! densa,! com! folhas! verde! escuro! e! floração!
que! atrai! muito! polinizadores,! a! ! quaresmeira! trataSse! de!
uma! árvore( de( fácil( manutenção( e( crescimento( lento.!
Além! da! importância! ecológica,! a! quaresmeira! não!
apresenta! raízes! agressivas,! permiRndo! seu! planRo! em!
calçadas! sem! danificáSlas.! Suas( flores( são( cor( de( rosa( e(
branco( e( bastante( ornamentais,( tornando( a( espécie(
potencial(ao(paisagismo.(
Cedrela*fissilis*
Cedro!
Família!botânica:!Meliaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!de!20!a!35!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

! O! cedro! é! uma! espécie! que! se! comporta! como!


secundária! inicial! ou! secundária! tardia,! de( crescimento(
rela;vamente( rápido.! Ocorre! tanto! na! floresta! primária,!
principalmente! nas! bordas! da! mata! ou! clareiras,! como! na!
floresta! secundária.! É( uma( árvore( caducifólia,( as( flores( são(
pequenas,(brancas(com(tons(levemente(esverdeados(e!ápice!
rosado.!Os(frutos(são(cápsulas(em(forma(de(pêra,(deiscentes;(
as(sementes(são(aladas(e(dispersas(pelo(vento.!
! Normalmente,! o! cedro! ocorre! em! solos! profundos! e!
úmidos,!de!textura!argilosa!a!arenoSargilosa,!e!bem!drenados.!
Não! se! desenvolve! adequadamente! em! solos! mal! drenados,!
rasos!ou!com!lençol!freáRco!superficial.!
Acca*sellowiana*
GoiabaSserrana!
Família!botânica:!Myrtaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!5!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

!A!planta!adulta!é!uma!arvoreta!de!até!5!m!de!altura,!de!
tronco! curto! e! tortuoso,! com! casca! parda! descamante! e!
folhagem! notavelmente! discolor.! É! uma! planta! de! ambientes!
quentesStemperados! a! subtropicais,! desenvolvendoSse!
também! nos! trópicos,! requerendo,! contudo,! alguns! dias! de!
baixas! temperaturas! para! poder! fruRficar.( DáHse( bem( no(
nosso(clima,(resis;ndo(à(geada,(apesar(de(ser(um(arbusto(de(
folha(persistente.(
!Suas(flores(são(exuberantes(pelas(cores(e(as(pétalas(são(
comes[veis.( Fruto! de! dimensões! semelhantes! a! uma! goiaba!
g r a n d e ,! c o m! p o l p a! e x t r e m a m e n t e! s u c u l e n t a! e!
perfumadíssima.!!
Campomanesia*xanthocarpa*
Guabiroba!
Família!botânica:!Myrtaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!20!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
! Árvore( de( crescimento( rápido( que( é( resiste( a( geadas(
inferiores(a(0(grau,!vegeta!bem!em!qualquer!alRtude.!O(solo(
pode(ser(profundo,(úmido,(neutro,(com(cons;tuição(arenosa(
ou(argilosa((solo(vermelho)(e(até(pedregoso,(porém,(deve(ter(
boa(fer;lidade(natural.(
! Fru;fica( de( outubro( a( janeiro( e( seus( frutos( são( muito(
saborosos.!As!flores!são!melíferas!e!os!frutos!são!consumidos!
inSnatura,! ou! usados! para! fazer! geléias,! sorvetes! e! licores!
deliciosos.! As! árvores! não! devem! faltar! em! reflorestamentos!
de! preservação! permanente,! pois! seus! frutos! alimentam!
diversas!espécies!de!pássaros!e!outros!animais!e!a!madeira!é!
de! boa! qualidade! para! obras! internas.! Árvore( com( grande(
potencial(paisagís;co.(
Eugenia*involucrata*
Cerejeira!
Família!botânica:!Myrtaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!20!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!!!!!!!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
! A! cerejeiraSdoSrioSgrande! é! uma! árvore! fru_fera! e!
ornamental,! bastante! popular! nos! quintais! e! pomares! do! sul! e!
sudeste! do! Brasil.! Sua! copa! é! colunar! e! o! tronco! é! reto,! liso! e!
descamante,!com!belas!tonalidades!de!cinza,!castanho,!verde!ou!
vermelho,!dependendo!da!fase!da!casca.!
! No! jardim! ou! no! pomar,! a! cerejeiraSdoSrioSgrande! se!
destaca! pelo! tronco! elegante! e! copa! decídua,! que! marca! as!
estações! e! ainda! fornece! numerosos! fruRnhos.! Além! disso,! é!
indispensável! em! áreas! de! reflorestamento,! pois! é! muito!
atraRva! para! a! vida! silvestre.! Os! frutos! são! muito! saborosos,!
doces!e!levemente!ácidos,!com!polpa!carnosa!e!suculenta.!
!Deve!ser!culRvada!sob!sol!pleno!ou!meia!sombra.!Aprecia!
sombreamento!parcial!e!irrigação!periódica!nos!primeiros!anos!
após!o!planRo,!sendo!gradaRvamente!descoberta.!Tolerante!ao!
frio.!Floresce!e!fruRfica!na!primavera.!
Platanus*spp.!
Plátano!
Família!botânica:!Platanaceae!
Origem:!América!do!Norte!
Altura:!até!40!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
! É( uma( árvore( caducifólia( de( grande( envergadura,( cuja(
altura( pode( chegar( aos( 35( ou( 40( metros,! com! o! tronco!
geralmente!direito,!alto,!com!um!diâmetro!que!pode!chegar!aos!
3! m.! A! casca! é! delgada,! de! cor! pálida! cinzenta! esverdeada! ou!
amarelada,!desprendeSse!em!pequenas!placas.!A!copa!é!ampla,!
arredondada,! ainda! que,! com! a! poda,! possa! assumir! diversas!
formas.! No( Sul( do( Brasil( é( bastante( u;lizada( para(sutentar( os(
parrerais.( Floresce( na( primavera,! os! frutos! são! aquénios!
rodeados! de! pêlos! de! cor! pardacenta,! acastanhada! ou!
amarelada,! cuja! maturação! ocorre! no! final! do! verão.! Os! frutos!
permanecem!na!árvore!até!à!primavera!seguinte.!
!É(muito(tolerante(à(poluição(atmosférica(e(à(compactação(
de( raízes,( o( que( a( faz( muito( popular( para( árvore( de( beira( de(
ruas(ou(estradas(urbanas.(Resiste(rela;vamente(bem(ao(vento(
e(ao(frio(invernal.(
Grevillea*robusta!
Grevilha!
Família!botânica:!Proteaceae!
Origem:!Austrália!
Altura:!de!12!a!20!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

! Árvore! com! tronco! recto,! folhagem( caduca( e( flores(


amareloHalaranjadas,( bastante( ornamentais.! Casca! cinzentoS
clara! até! escura,! áspera,! com! muitas! fissuras.! Grevilha( é( uma(
árvore( de( rápido( crescimento,( resistente( ao( seco( e( ao( frio,!
regenerando! fácilmente! por! semente! no! viveiro! e! natural.!
Plantado!generalmente!para!madeira,!sombra!e!lenha.!!
!Plantada(como(árvore(ornamental(e(para(sombra(ao(lado(
de( estradas( e! em! cafezais.! Flores! produzem! éectar.! Plantada!
nas! regiões! tropicais! e! subtropicais! do! mundo.! Suporta(
temperaturas( de( zero( até( H10( °C.! Cresce! bem! em! solos!
arenosos,!limosos!e!ácidos.!
Citrus*x*limonius!
LimãoScravo!
Família!botânica:!Rutaceae!
Origem:!ÁsiaAltura:!até!6!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

!O!limoeiroScravo,!uma!arvoreta!espinhenta!e!chega!a!5–
6! m! de! altura.! As( folhas( são( de( um( verde( intenso( e(
aromá;cas.( As( flores( são( pequenas,( cheirosas( e( melíferas.!
O! limãoScravo! é! um! fruto! redondo,! ligeiramente! achatado,!
mas! irregular,! quase! disforme.! A! casca,! de! cor! verdeS
amarelada! ou! amarela,! toma! uma! forte! cor! alaranjada! na!
maturação,!mas!tem!manchas!e!uma!aparência!grosseira.!A!
polpa! é! de! aparência! geralmente! sã,! alaranjada,! com! um!
suco!abundante,!muito!ácido,!saboroso!e!rico!em!vitamina!C.!
( Não( é( uma( planta( muito( exigente( em( solo( e(
nutrientes,( e( adaptaHse( bem( às( condições( de( frio( da( serra(
gaúcha.(
Citrus*x*limonius!
LimãoSsiciliano!
Família!botânica:!Rutaceae!
Origem:!Ásia!
Altura:!até!6!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!
!TrataSse!do!limão!verdadeiro,!digamos,!o!limão!original.!
Seu! culRvo! é! abundante,! basicamente,! em! áreas( de( climas(
mais( frios( ou( subtropicais,! moRvo! pelo! qual! é! bastante!
produzido! e! consumido! na! Europa,! assim! como! nos! países!
andinos!da!América!LaRna.!!
!Na(falta(de(sol,(apresentam(menos(suco(e(mais(casca.!
Maior!e!mais!alongado,!terminando!com!duas!extremidades!
proeminentes,!é!de!cor!amarela,!casca!grossa,!abundante!e!
levemente! rugosa,! portanto! menos! suculento! quando!
comparado!às!outras!variedades!de!limão.!
Laplacea*acuAfolia!
PauSdeSsantaSrita!
Família!botânica:!Theaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!10!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!ARV!

! Árvore! naRva! da! serra! gaúcha,! adapta( às( condições(


climá;cas(de(frio.(Árvore!pioneira,!que!prefere!condições!de!
bastante! luminosidade.! Geralmente! ocorre! nas! bordas! de!
mato.!
!Possui(flores(brancas(bastante(ornamentais,(por(isso(é(
indicada(ao(paisagismo(da(região.(
Bulbine*frutescens!
Bulbine!
Família!botânica:!Asphodelaceae!
Origem:!África!
Altura:!até!0,5!metro!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!FOR!
! A! bulbine! é! uma! pequena! planta! herbácea,! sem! caule,!
de! raízes! tuberosas! e! com! folhagem! e! florescimento!
ornamentais.! Suas! folhas! suculentas,! verdes,! alongadas! e!
cilíndricas!formam!uma!touceira!a!parRr!da!base!e!são!muito!
semelhantes!as!folhas!de!cebola.!As!inflorescências!aparecem!
durante!a!primavera!e!o!verão.!
!Também(é(muito(rús;ca,(exigindo(pouca(manutenção,(
Sua!floração!atrai!abelhas.!Deve(ser(cul;vada(a(pleno(sol(ou(
sombra( parcial,! em! solo! férRl,! bem! drenável! e! enriquecido!
com!matéria!orgânica,!com!regas!periódicas.!Tolerante(à(seca(
e( a( uma( ampla( faixa( climá;ca.( Capaz( de( suportar( o( frio(
mesmo( que( suas( folhas( sejam( danificadas,( pois( têm( uma(
excelente( capacidade( de( rebrotar( na( primavera.( MulRplicaS
se!por!divisão!das!touceiras!e!por!sementes.!
Neomarica*caerulea!
FalsoSíris!
Família!botânica:!Iridaceae!
Origem:!Brasil!
Altura:!até!1!metro!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!FOR!

! O( falsoHíris( apresenta( folhagem( muito( ornamental,!


disposta! em! leque.! As! flores! azuis! são! grandes! e! bonitas,!
porém! são! pouco! duráveis.! É( uma( planta( apropriada( para(
canteiros( de( baixa( manutenção,! exigindo! poucas! adubações!
periódicas.! Pode! ser! culRvada! em! conjuntos! com! outras!
plantas,! assim! como! em! maciços! ou! como! bordadura.! A(
floração( pode( se( estender( durante( o( ano( todo,( mas( é( mais(
abundante(na(primavera(e(no(verão.(
! Devem! ser! plantadas! a( pleno( sol( ou( meiaHsombra,! em!
solo! férRl! e! enriquecido! com! matéria! orgânica,! com! regas!
regulares.!Aprecia(o(frio.(MulRplicaSse!por!divisão!da!planta.(
Thunbergia*grandiflora!
TumbérgiaSazul!
Família!botânica:!Acanthaceae!
Origem:!Índia!
Altura:!até!6!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!TRE!
! A( tumbérgiaHazul( é( uma( trepadeira( muito( rús;ca( e(
ornamental.! Ela( apresenta( flores( grandes( de( coloração( azul(
com(o(centro(branco,(que(aparecem(o(ano(todo,(mas(com(mais(
intensidade( na( primavera( e( no( verão.( Ocorre! ainda! uma!
variedade! de! flores! brancas.! Suas! folhas! são! perenes,! verdeS
escuras! e! um! pouco! dentadas.! Tem! boa! velocidade! de!
crescimento,!sendo!uma!óRma!opção!para!cobrir!pergolas,!arcos!
e! caramanchões.! Ela! é! muito! atraRva! para! as! abelhas!
mamangavas.!
!Deve(ser(cul;vada(sob(pleno(sol(em(solo(fér;l,(enriquecido!
com! matéria! orgânica,! com! regas! regulares.! Tolera( bem( o( frio(
subtropical.(MulRplicaSse!por!estaquia.!!
Hedera*helix!
Hera!
Família!botânica:!Araliaceae!
Origem:!Ásia,!África!e!Europa!
Altura:!até!12!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!TRE!
!É(uma(planta(de(textura(semiHlenhosa(com(ramos(longos(
e( reptantes,( com( raízes( adven[cias,( que( lhe( doam( a(
caracterís;ca( de( trepadeira( também.( Sua! capacidade! de!
fixação! é! ideal! para! forrar! esculturas! feitas! de! arame! e! outros!
substratos,! dando! forma,! volume! e! textura! às! mesmas.! As!
diversas! variedades! estão! amplamente! disponíveis! para! se!
adaptar!ao!gosto!de!cada!paisagista!e!jardineiro.!
!Deve(ser(cul;vada(sob(sol(pleno(ou(meiaHsombra,!em!solo!
férRl,! bem! drenável! e! enriquecido! com! matéria! orgânica,!
irrigado! periodicamente.! A( hera( aprecia( a( umidade( e( o( frio(
subtropical,( e( não( suporta( solos( encharcados.( É( tolerante( a(
geadas(e(podas(para(o(controle(do( crescimento.(MulRplicaSse!
por!sementes,!estaquia!ou!mergulhia.!
(
Pyrostegia*venusta!
CipóSsãoSjoão!
Família!botânica:!Bignoniaceae!
Origem:!NaRva!do!RS!
Altura:!até!12!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!TRE!

! Trepadeira! muito! uRlizada! na! decoração! das!


fesRvidades! de! São! João! em! todo! o! Brasil.! Produz( muitas(
inflorescências,(compostas(de(pequenas(flores(alongadas(e(
alaranjadas(em(pleno(inverno(destacandoHse.(É!uma!planta!
interessante!quando!queremos!ter!flores!vistosas!nos!meses!
frios.! Cobre! muito! bem! pérgolas,! cercas,! treliças,! muros! e!
caramanchões.!
!Devem!ser!culRvadas!em!solo!férRl!com!regas!regulares,!
sempre!a!sol(pleno.!É!frequente!observáSla!nas!matas!a!beira!
das!estradas.!MulRplicaSse!por!sementes!e!por!estaquia.!
Bougainvillea*glabra!
Buganvile;!TrêsSmarias!
Família!botânica:!Nyctaginaceae!
Origem:!Brasil!
Altura:!até!6!metros!
Luminosidade:!sol!pleno!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!TRE!
! Trepadeira( lenhosa,( de( florescimento( abundante( e(
espetacular.! Sua! folhas! são! pequenas,! lisas,! levemente!
alongadas!e!brilhantes.!As(flores(são(pequenas(e(projetadas,(
de(coloração(amarelo(creme,(envolvidas(por(brácteas(róseas.(
Pode!ser!conduzida!com!arbusto,!arvoreta,!cercaSviva!e!como!
trepadeira,! enfeitando! com! majestade! pérgolas! e!
caramanchões!de!estrutura!forte.!
! Devem! ser! culRvadas! em! solo! férRl,! previamente!
preparado! com! adubos! químicos! ou! orgânicos,! sempre! a!
pleno( sol.( Oriunda! de! sul! do! Brasil,! de! caracterísRca!
subtropical,! ela( suporta( muito( bem( o( frio( e( às( geadas,!
vegetando( bem( em( áreas( de( al;tude( também.! MulRplicaSse!
por!sementes,!alporquia!e!estaquia.!
Parthenocissus*tricuspidata*
HeraSjaponesa!
Família!botânica:!Vitaceae!
Origem:!China,!Japão,!Coréia!do!Norte!e!Sul!
Altura:!acima!de!12!metros!
Luminosidade:!sol!pleno/meia!sombra!
Ciclo!de!vida:!perene!
Classificação:!TRE!
! A! heraSjaponesa! é! uma! trepadeira( lenhosa,( decídua,( de(
folhagem( ornamental( e( dotada( de( fortes( gavinhas( adesivas,(
que( a( tornam( capaz( de( se( fixar( a( muros( e( paredes.! Ela! pode!
crescer!até!30!metros!ou!mais,!em!altura!e!comprimento,!se!lhe!
for! oferecido! suporte! adequado.! Também! pode! ser! conduzida!
como!forração.!
!Deve(ser(cul;vada(sob(sol(pleno(ou(meiaHsombra,!em!solo!
férRl,! drenável,! enriquecido! com! matéria! orgânica! e! irrigado!
regularmente.( Seu( crescimento( é( rápido( a( moderado,( sendo(
de( baixa( manutenção.( Aprecia( o( clima( subtropical( e(
temperado,( onde( a( beleza( de( suas( folhas( pode( ser( apreciada(
em( todas( as( suas( cores.( Tolerante! à! salinidade! de! regiões!
litorâneas.!MulRplicaSse!por!estaquia!e!por!sementes.!