Você está na página 1de 6

REDE NACIONAL DE TANATOLOGIA

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS

TANATOLOGIA GERAL

Conceito de morte. O homem, a morte e a história. O medo da morte. A relação da


criança e do adolescente com a morte. Criança – O império da fantasia. Adolescente – O
mito do herói. Adulto e Idoso – É hora de enfrentar o inevitável. Adulto – O nascimento
da morte. Idoso – A plenitude do ser. As perdas e o luto. A separação e os mecanismos
de defesa. A pessoa gravemente enferma. Sobre o suicídio.

BIBLIOGRAFIA

ARRIÉS, P. O Homem diante da Morte. Vol. I e II, 2ºed. Rio de Janeiro: Francisco
Alves, 1989.
BECKER, E. A Negação da Morte. Rio de Janeiro: Record, 1973.
BOSS, M. Angústia, Culpa e Libertação. 3ºed. São Paulo: Duas Cidades, 1991.
BOWLBY,J. Apego e Perda. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

PERDAS E O PROCESSO DO LUTO

As reações psicológicas e emocionais às perdas. O luto no ciclo vital da família.


Luto antecipatório. Fases e Tarefas do enlutado. O profissional que trabalha com luto:
como se preparar e como se cuidar.

BIBLIOGRAFIA

BOWLBY, J. Apego e Perda. São Paulo, Martins Fontes, 1984.


CASSORLA, R.S.M. (ORG.) Da Morte. Campinas, Papirus, 1991.
KOVACS, M. J. Morte e Desenvolvimento Humano. Casa do Psicólogo, São Paulo,
1994
PARKES, C.M. Luto: Estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo, SUMMUS
Editorial, 1998.
WALSH, F. e MCGOLDRICK, M. Morte na Família: Sobrevivendo às perdas. Porto
Alegre, Artes Médicas, 1998.
WORDEN, J.W. Terapia do Luto. 2ªEd. Porto Alegre, Artes Médicas,1998.

1
REDE NACIONAL DE TANATOLOGIA

INFÂNCIA E MORTE

Problemáticas. Desenvolvimento da criança. A Psicologia e o Profissional (de


saúde e de educação) interagindo com a criança. Aspectos psicológicos relativos à
criança, à vida e à morte / morrer, à família e ao profissional (de saúde e educação).

BIBLIOGRAFIA

ABERASTURY, A. et al. A percepção da morte na criança e outros escritos. (tradução


FOLBERG, M. N. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984.
ADORNO, I. Conversando com a criança sobre a morte. Campinas: Editorial Psy, 1994.
ARIÈS, P. A história da morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.
BOWLBY, J. Apego e perda: apego: a natureza do vínculo, vol. 1. 2a. ed. São Paulo:
Martins Fontes, 1990.
BOWLBY, J. Cuidados maternos e saúde mental. 3a. ed. São Paulo: Martins Fontes,
1995.
BOWLBY, J. Apego e perda: separação: angústia e raiva, vol. 2. 3a. ed. São Paulo:
Martins Fontes, 1998.
BOWLBY, J. Apego e perda: perda: tristeza e depressão, vol. 3. 2a. ed. São Paulo:
Martins Fontes, 1998.

ADOLESCÊNCIA E MORTE
A adolescência é uma etapa da formação do indivíduo que permite uma visão de
possibilidades em relação ao mundo. Essa visão abre os olhos desse indivíduo para a
ruptura mais radical por que pode passar : a morte. O pensamento lógico-formal abrindo
o pensamento reflexivo é ao mesmo tempo aprisionador pelo confronto do adolescente
com a liberdade. Estudar a representação da morte para o adolescente é essencial para a
compreensão de suas rupturas.

BIBLIOGRAFIA

ABERASTURY, A.; KNOBEL, M. (1981). Adolescência normal. Porto Alegre: Artes


Médicas.
ESSLINGER, I. & KOVÁCS, M. J. (1999). Adolescência: vida ou morte? São Paulo:
Ática.
KOVÁCS, M. J. (1992). Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do
Psicólogo.

2
REDE NACIONAL DE TANATOLOGIA

KOVÁCS, M. J., ESSLINGER, I., VAICIUNAS, N. & FRANCO, M. H. P. (2003).


Falando de morte com o adolescente [ Filme-vídeo ]. Insight Produções. São Paulo:
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. VHS/ NTSC, 15 min. color.

ADULTO E MORTE

Abordar as principais características sócio cognitivas do sujeito adulto. As


especificações das fases adultas jovem, médio e maduro no desenvolvimento humano.
O significado da perda na vida adulta.

BIBLIOGRAFIA

BEE, H. O Ciclo Vital. Ed. Artes Médicas, 1997.


BRUNER, J. (1997a). Realidade mental, mundos possíveis (M.A.G. Domingues, Trad.)
Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1986)
ERIKSON, E. H. Infância e Sociedade. Ed. Zahar, 1974.
PARKES, C. M. Luto: Estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo: SUMMUS
Editorial, 1998.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1996.

VELHICE E MORTE

O Velho: Ser biológico, ser biográfico. Relacionamento entre o profissional da


saúde e o idoso. Os direitos do paciente idoso. O idoso como paciente terminal.
Envelhecimento e morte.

BIBLIOGRAFIA

ELIAS, N. A solidão dos moribundos, seguido de envelhecer e morrer. Rio de Janeiro:


Zahar, 2001.
D’ASSUMPÇÃO, E. Biotanatologia e Bioética. São Paulo, Paulinas, 2005
KOVACS, M. J., Morte e Desenvolvimento Humano. Casa do Psicólogo, São
Paulo,1994.
KASTEBAUM, R. e AISENBERG,R. Psicologia da Morte. São Paulo,Pioneira.1983.
BEAUVIOR, S. Uma Morte Muito Suave, Rio de Janeiro. Nova Fronteira,1984.
COSTA, E. Gerontodrama Social: Envelhecimento em Cena. São Paulo.Agora,1998.
FREITAS, E.V. de cols. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Guanabara Koogan,2002.
MORAGAS, M. R. Gerontologia Social. São Paulo, Paulinas, 1997.

3
REDE NACIONAL DE TANATOLOGIA

GIGLIO, Z. C.; LEÓN, L. M. O idoso internado: percepções de equipe de saúde de uma


unidade de psiquiatria. Informação Psiquiátrica 17 (4), 1988.

ESPIRITUALIDADE E MORTE

Estudo das principais religiões da humanidade, no que diz respeito à visão de cada
uma delas sobre a morte e a pós-morte. Ênfase sobre as religiões como maior presença
em nossa cultura e em nosso país: catolicismo, igrejas cristãs reformadas, kardecismo,
umbandismo, judaísmo, islamismo, budismo, igrejas pentecostais. Mas também com
abordagem sobre a visão agnóstica e ateia.

BIBLIOGRAFIA

BOWKER, J - Os sentidos da morte. São Paulo, Paulos, 1995.


D´ASSUMPÇÃO, E. A Os que partem, os que ficam. Petrópolis, Vozes,
D´ ASSUMPÇÃO, E. A. Morte e Espritualidade. Belo Horizonte, Cirplast, 2006.
VICTOR, H. - NOTAKER, H. – GAARDER, J. O Livro das Religiões. São Paulo, Cia
das Letras, 2000.
ZAIDHAFT, S. Morte e Formação Médica. Francisco Alves editora, 1990.

RAZÕES BIOLÓGICAS, PSICOLÓGICAS E SOCIAIS DA MORTE

Relacionar sexo e morte nas dimensões: biológica, psicológica e social.

BIBLIOGRAFIA

BATAILLE, G. O Erotismo: o proibido e a transgressão. 2ed., Lisboa, Moraes Editores,


1980.
FREUD, S. Além do Princípio do Prazer. In: Edição Standard Brasileira das Obras
Psicológicas Completas de Sigmund Freud. 2.ed. Ed: Imago, Rio de
Janeiro, .1987.
RUFFIÉ, J. O Sexo e a Morte. Rio de Janeiro, Nova fronteira, 1988.
WILLIAM, R.C. Sexo e as Origens da Morte. Rio de Janeiro, Ed. Record, 2006.

CUIDADOS PALIATIVOS E BIOÉTICA

Cuidados paliativos e aspectos psicológicos, o cuidado à família do paciente


gravemente enfermo, morrer com dignidade, o profissional de saúde e a morte. Bioética

4
REDE NACIONAL DE TANATOLOGIA

– conceitos básicos e definições; Princípios da bioética, Abordagem multidisciplinar em


Bioética; Bioética nos cuidados no fim da vida; em busca da dignidade no fim da vida.
Bioética no cuidado hospitalar, Reações Psicológicas à Infecção - HIV e à AIDS.
Intervenção Psicológica: Intervenção na Prevenção Primária, Intervenção no Apoio a
Sujeitos Afetados.

BIBLIOGRAFIA

KÜBLER-ROSS, E. AIDS: O Desafio Final. São Paulo: Best Seller, 1998.


PAULILO, M.A.S. AIDS: Os sentidos dos riscos. São Paulo, Veras, 1999
SANCHES, R.M. Escolhi a vida. Desafios da AIDS mental. São Paulo: Olho d´água.
BOWLBY, J. Apego e Perda. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
CASSORLA, R.S.M. (ORG.) Da Morte. Campinas: Papirus, 1991.
KASTENBAUM, R. e AISENBERG, R. Psicologia da Morte. São Paulo: Pioneira,
1983.
KUBLER-ROSS, E. Sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 1981.
KOVÁCS, M. J. (Org.) Morte e Desenvolvimento Humano. 2ª ed., São Paulo: Casa do
Psicólogo, 1992.
STEDEFORD, A. Encarando a Morte. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIANTE DA MORTE

O necro-sistema; os profissionais diante da própria morte a da morte do outro.


BIBLIOGRAFIA

KASTENBAUM, R.; AISENBERG, R. Psicologia da morte. Ed. Concisa. São Paulo:


Liv. Pioneira Ed.: 1983.
KOVÁCS, M.J. (coord.) Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do
Psicólogo, 1992.
BECKER, E. A. Negação da Morte. Rio de Janeiro, Artes Médicas, 1986.
BOWLBY, J. Apego e perda. São Paulo, São Paulo, Martins Fontes, 1984.
STEDEFORD, A. Encarando a morte. Porto Alegre, Artes Médicas, 1986.

SUICÍDIO

Identificar os comportamentos auto destrutivos e suicidas. Identificar as formas


individuais dos diferentes tipos de suicidas. Verificar as relações do suicídio com os
demais fatores sociais. Verificar as principais variáveis associadas ao suicídio.

5
REDE NACIONAL DE TANATOLOGIA

Diferenciar os vários tipos de assassinatos. Relacionar os meios de comunicação de


massa e violência.

BIBLIOGRAFIA

CASSORLA, R. O QUE É SUICÍDIO. 4ª ED. SÃO PAULO: BRASILIENSE, 1992.


DURKEIM, E. O Suicídio Rio de Janeiro, Zahar,1982.
GUILLON, C.; LE BONNIEE, Y. Suicídio: modo de usar. São Paulo, EMW, 1984.
KALINA, E.; KOVADLOFF, S. As Cerimônias da Destruição. Rio de Janeiro,
Francisco Alves, 1983.
KASTENBAUM, R.; AISENBER, R. Psicologia da Morte. São Paulo, Pioneira,1983.
PAIVA, L. Depressão e Suicídio. Vol 2. Rio de Janeiro: Imago, 1982.
TORRES, W. A Psicologia e a Morte. Rio de Janeiro, FGV, 1980.

ASSASSINATO

Diferenciar os vários tipos de assassinatos. Relacionar os meios de comunicação de


massa e violência. O Homicídio e Sociedade. Assassinato e transtorno mental.

BIBLIOGRAFIA

KASTENBAUM, R.; AISENBER, R. Psicologia da Morte. São Paulo, Pioneira,1983.


TORRES, W. A Psicologia e a Morte. Rio de Janeiro, FGV, 1980.

Você também pode gostar