Você está na página 1de 18

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO

TRIBUNAL DO JÚRI
Danilo Henrique Nunes1
Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP)

Rafael Catani Lima2


Centro Universitário FAFIBE.

Jonatas dos Santos Silva3


Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos/SP

Artigo recebido em: 27/01/2019


Artigo aceito em: 27/05/2019

Resumo
O tribunal do júri é o único instituto os jurados. Esta pesquisa guiou-se
judicial previsto na Constituição pelo método dedutivo, buscando
Federal que conta com participação contemplar as arbitrariedades impostas
popular, não sendo possível negar seu aos suspeitos, principalmente nos
papel relevante para a sociedade, já que crimes dolosos contra a vida, e que
visa, pelo menos em tese, inclusive, são encontradas em livros, artigos
evitar o arbítrio estatal. Porém, em científicos, publicações de grandes
razão dos anseios midiáticos, torna-se meios de comunicação, resultando na
um instituto devassado. Deste modo, ponderação dos princípios da liberdade
o presente artigo tem como objetivo de informação e da presunção de
analisar a influência midiática exercida inocência do acusado, buscando
no tribunal do júri e sua relação com a assegurar ao acusado a dignidade
presunção de inocência, a qual, muitas humana e, provisoriamente, o uso de
vezes, é afetada pelo uso demasiado das do instituto do desaforamento, bem
fontes de informação. Com a análise como a renúncia do respectivo tribunal
de diversos autores, o estudo trata de do júri pelo próprio acusado.
ressaltar o sensacionalismo como forma
de atrair para os meios de comunicação Palavras-chave: influência da mídia;
a atenção da população, entre eles, tribunal do júri; decisões dos jurados.

1 Mestre em Direitos Coletivos e Cidadania pela Universidade de Ribeirão Preto – Unaerp – Ribeirão Preto/SP.
E-mail: dhnunes@hotmail.com
2 Doutorando em Direito pela PUC/SP. Mestre em Direitos Coletivos e Cidadania. Professor e Coordenador do
Curso de Direito e de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário Fafibe em Bebedouro/SP. Advogado.
E-mail: rafael.catani.adv@gmail.com
3 Graduado pelo Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos/SP. E-mail: jonatashet23@gmail.com

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


154 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

THE INFLUENCE OF THE MEDIA IN THE


COURT OF JUSTICE

Abstract
The Jury’s Court is the only judicial institute deductive method, seeking to contemplate
foreseen in the Federal Constitution that the arbitrariness imposed on the suspects,
has popular participation, and it cannot especially in crimes against life, which
be denied its relevant role for society, since are found in books, scientific articles,
it aims at least in theory to avoid state publications of major media, resulting in
arbitration. But due to media anxieties, the pondering of the principles of freedom
it becomes a destitute institute. Thus, of information and of the presumption of
this article aims to analyze the media innocence of the accused, seeking to ensure
influence exercised in the Court of the to the accused the human dignity and
Jury and its relation to the presumption provisionally the use of the instigation
of innocence, which is often affected by institute, as well as the resignation of the
the overuse of information sources. With respective Court of the jury by the accused
the analysis of several authors, the study himself.
tries to emphasize sensationalism as a
means of attracting the attention of the
population, among them jurors, to the Keywords: influence of the media; jury
media. Their research was guided by the court; decisions of the jury.

Introdução
A mídia tem um poder imenso, tendo aqueles que asseveram que ela é o
quarto poder, ao lado dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, contando
com proteção ressalvada pela Constituição Federal, em rol de garantias fundamen-
tais da pessoa humana, sendo, desse modo, clausula pétrea.
Por ser um órgão composto por variados tipos de pessoas, o tribunal do júri
é mais propício ao sensacionalismo da mídia, resultando em debates em locais pú-
blicos e que refletem em plenário de julgamento, muitas das vezes, condenando o
acusado antes mesmo que este exerça sua defesa, já que figura como um “inimigo”
da sociedade, o qual, da maneira o mais prolongada possível, deve permanecer
enclausurado.
As políticas criminais, ao lado da influência midiática, ao transformar o sus-
peito de determinado crime em inimigo, atribuem à sociedade a sensação de dever
de castigar aquele que está sendo julgado, mesmo que este não mereça receber
qualquer tipo de punição, pois pode ser o caso de o acusado ser inocente. Isto

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 155

porque cada vez mais os delitos contra a vida são o embasamento central dos no-
ticiários, os quais são mais presentes em quase todos os lares brasileiros, seja por
meio da internet ou da televisão.
Desse modo, este artigo estuda a influência que os meios de comunicação
exercem sobre os jurados e suas consequências ao extrapolar os poderes consti-
tucionais concedidos, ignorando o dever de apenas informar os casos e emitindo
juízos de valor, como se tem visto. Cumpre ressaltar que a influência afeta até a
presunção de inocência dos acusados, produzindo em larga escala a cultura do
medo, quando cada crime ocorre, com único objetivo de auferir lucro e captar
audiência.
A partir desse contexto, e visando à dignidade humana daquele que está
sendo submetido a julgamento, surge o fim de buscar a ponderação dos abusos
comunicativos, não os suprimindo, visto que este estudo não tem como ideia o
cerceamento do princípio da liberdade de expressão, e sim sua ponderação quando
conflitante com outra garantia constitucional. O direito de ser julgado por seus
semelhantes é visto com bons olhos se exercido de forma correta, proporcionando
ao réu o devido processo legal. Cria-se a expectativa de que o tribunal do júri possa
unicamente garantir a participação da população no poder judiciário, evitando-se
quaisquer abusos autoritários, mantendo-se a coerência e a busca da efetiva verda-
de, caso esteja livre das pressões exercidas diariamente pelos noticiários.

1 Origem do tribunal do júri


O tribunal do júri é um órgão especial do Poder Judiciário de primeira
instância, colegiado e heterogêneo, consistente em 1 juiz togado (presidente) e 25
cidadãos por sessão de julgamento, dos quais 7 serão escolhidos como jurados a
partir de sorteio e que julgam os crimes dolosos contra a vida, conforme o art. 447
do Código de Processo Penal (CPP) (BRASIL, 1941).
Cabe apontar que prezado instituto é um órgão temporário, em virtude de
ser constituído em sessões periódicas no ano, com soberania em relação às suas
respectivas decisões, tomadas de maneira sigilosa e com íntima convicção, não
necessitando ser fundamentada pelos seus integrantes (jurados), como prelecio-
nam o art. 453 do mesmo diploma legal supracitado e o art. 5º, inc. XXXVIII, da
Constituição Federal (CF) (BRASIL, 1941; 2018).
Trata-se de um direito fundamental estabelecido na Lei Magna vigente, com
a participação de cidadãos na aplicação da justiça criminal nos crimes dolosos
contra a vida, tornando-se umas das mais democráticas instituições, pois visa com-
bater os arbítrios estatais.

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


156 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

Quanto a suas origens, ainda que tenha recebido os primeiros traços e as-
pectos de sua forma no solo britânico (BARBOSA, 1897), a origem do júri en-
contra-se de forma variada nas opiniões dos autores no que tange às suas origens
mais remotas. O máximo que se pode afirmar é que: tribunais populares sempre
existiram, tendo o júri que conhecemos atualmente surgido no mundo anglo-sa-
xão (FREITAS, 2016).
Cumpre anotar que a antiguidade greco-romana também conviveu com ilus-
trado tribunal, constituindo as primeiras bases do júri atual, mas nada comparado
à inserção que o modelo britânico proporcionou. Em solo brasileiro, o júri surgiu
apenas no século XIX, com a promulgação do Decreto Imperial de 18 de junho de
1822, assinado pelo Príncipe Regente Dom Pedro I, antes mesmo da independên-
cia, com competência restrita aos delitos e abusos da imprensa (MARQUES, 1963
apud FREITAS, 2016, p. 15), definidos como toda publicação, ainda que verbal,
que fosse contra a ordem e a tranquilidade da União, além das doutrinas incendiá-
rias e subversivas, capazes de promover a anarquia e destruir o sistema do Reino.
A Constituição Federal de 1824 foi a primeira a tratar sobre o tribunal do
júri, em seu art. 152, integrado ao Poder Judiciário, alcançando, assim, apenas
status Constitucional. De igual modo, a Constituição de 1934 deixou o respectivo
mecanismo fora do rol dos direitos e garantias fundamentais. As Constituições
de 1891, de 1946, de 1967 e a derradeira Constituição de 1988, “é que deram
menção ao Júri na enumeração dos direitos e garantias individuais” (PORTO,
2007, p. 26).
O júri na sociedade brasileira contemporânea tem previsão na Carta Magna,
no art. 5º, inc. XXXVIII. Já a lei que prevê sua organização é infraconstitucional,
estando mais precisamente nos arts. 406 a 490 do Código de Processo Penal, de
outubro de 1941, com as alterações introduzidas pela Lei n. 11.689, de 2008.
Ainda que seja um preceito constitucional, os requisitos para ocupar cargo de
jurado não são definidos pelo mesmo diploma, tampouco pelo Código de Proces-
so Penal, o que enseja vários questionamentos e, infelizmente, seu mau uso, o que
compromete a Justiça, bem como os preceitos legais e constitucionais, que serão
abordados no presente trabalho.

2 Princípios constitucionais e processuais do júri


Como visto, a Constituição Federal de 1988 recepcionou a instituição do
júri, fazendo previsão, em seu art. 5º, inc. XXXVIII, aos princípios expostos a
seguir.

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 157

2.1 Plenitude de defesa e sigilo das votações


No júri, é necessário mais que a ampla defesa, que é cabível em todos os tipos
de processos, pois, em tal situação, a atuação da defesa deve ser plena, devendo ser
o trabalho do defensor o mais perfeito possível. O juiz e o promotor deverão ser
vigilantes quanto ao desempenho do advogado, podendo ambos requerer (promo-
tor) ou determinar (juiz) a dissolução do conselho de sentença, por considerar o
acusado totalmente indefeso.
Renato Brasileiro de Lima menciona a diferença entre plenitude de defesa e
ampla defesa, ressaltando que o advogado de defesa não precisa se restringir a uma
atuação exclusivamente técnica, ou seja, é perfeitamente possível que o defensor
utilize a argumentação extrajurídica, valendo-se de razões de ordem social, emo-
cional etc. (LIMA, 2017).
É possível concluir que o referido princípio visa proteger o acusado, para
que este, se inocente ou não tão culpável, seja condenado pela insuficiência de seu
defensor.
Quanto ao sigilo das votações, os jurados, ao votar, decidem de forma secre-
ta, não sendo possível identificar como cada um estabeleceu seu voto. O citado
princípio busca manter a segurança e a tranquilidade dos jurados, sem medo de
possíveis represálias. A votação é feita em sala especial, como faz disposição o art.
485, caput, do Código de Processo Penal, não violando de forma alguma o prin-
cípio da publicidade. Tal disposição já se encontra pacificada na jurisprudência
em razão da previsão legal do art. 5º, inc. LX, da Lei Magna, que dispõe sobre a
restrição de publicidade de atos processuais quando o interesse social exigir.

2.2 Soberania dos veredictos e competência para o


julgamento dos crimes dolosos

Prelecionado princípio traduz que um tribunal formado por juízes de Direito


não pode modificar a decisão de um corpo de jurados no que diz respeito ao mé-
rito de suas decisões. Contudo, tal afirmação não demonstra que as decisões dos
jurados são irrecorríveis, podendo ser revisada por Tribunal competente para isso.
Para tanto, é necessário diferenciar duas situações, conforme a disposição dada
pelo art. 593, inciso III e seguintes do Código de Processo Penal (CPP) (BRASIL,
1941):

(i) Impugnação à decisão dos jurados propriamente em si, ou


seja, aquela proferida por conselho de sentença. Nestes casos,

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


158 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

caso haja recurso de apelação, o Tribunal de Justiça não tem com-


petência para alteração. O que se pode fazer é anulação a decisão
dos jurados e determinar a realização de novo júri.
(ii) Impugnação à decisão do Juiz-Presidente. Neste caso, em caso
de recurso de apelação, poderá o Tribunal de Justiça modificar a
decisão imposta.

No tocante à competência do tribunal do júri, determinam o art. 5º, inc.


XXXVIII, alínea d, da Constituição Federal c. com o art. 74, §1º, do Código de
Processo Penal, que compete ao tribunal do júri a competência para o julgamento
dos crimes dolosos contra a vida, sejam eles na forma tentada ou consumada.
Complementando o dispositivo anterior, os arts. 76, 77 e 78, inc. I, do Código de
Processo Penal doutrinam a aplicação do tribunal do júri nos crimes conexos aos
dolosos contra a vida.

3 A mídia e sua influência nas decisões dos jurados


Nilo Batista (2003 apud FREITAS, 2016, p. 142) aponta que a vinculação
entre a mídia e o sistema penal é algo que sempre existiu ao longo de toda história,
o que se denomina criminologia midiática (ZAFFARONI, 2012).
Já Pierre Bordieu (1997, p. 23) reconhece que a influência da mídia nos
dias atuais “exerce uma espécie de monopólio sobre a formação das cabeças de
uma parcela muito importante da população”, principalmente no que se refere
ao âmbito penal, demonstrando que os meios de comunicação, mesmo quando
desprovidos de qualquer natureza, já demonstravam interesse no sistema criminal,
fomentando, assim, a criação de estereótipo do criminoso e a cultura do medo.
A mídia dominou de forma predominante a questão criminal, tendo em vista
que a violência faz parte da vida cotidiana, migrando de um jornalismo limitado,
que, de forma coesa e sucinta, informava os fatos ocorridos, para atuar como ver-
dadeira máquina estatal, visando apenas à instigação, o que se reflete diretamente
nos tribunais do júri, deixando de ser imparcial e tomando parte no debate, ex-
pondo apenas seus pontos de vista e posições (ALMEIDA; GOMES, 2013 apud
FREITAS, 2016, p. 181).
É sabido que “Crimes dolosos contra a vida, via de regra, têm atraído o
sensacionalismo da mídia […]” (PRATES; TAVARES, 2008, p. 34), que são de
competência do tribunal do júri. Os juízes leigos, ao decidirem apenas por íntima
convicção, favorecem os meios midiáticos, pois não é possível identificar qual ju-
rado fora influenciado pelo sensacionalismo e deixou de observar a imparcialida-
de, tendo em vista o sigilo das votações.

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 159

A falta da imparcialidade pelos jurados está diretamente atrelada à liberdade


de outrem, que está sendo discutida. Resta ressaltar que os jurados julgam segun-
do suas convicções, tomadas pelas provas produzidas em plenário, decidindo de
maneira justa e buscando alcançar a justiça em sua plenitude. Para Capez (2009,
p. 630), a imparcialidade busca a garantia individual dos acusados:
A finalidade do tribunal do júri é a de ampliar o direito de defesa
dos réus, funcionando como uma garantia individual dos acusa-
dos pela prática de crimes dolosos contra a vida, e permitir que,
em lugar do juiz togado, atado a regras jurídicas, sejam julgados
pelos seus pares.

Surge, assim, a difícil tarefa de reservar ao acusado um julgamento justo, pois


maléfica é a atuação da imprensa na divulgação dos casos em que há grande uso
de violência, a qual, via de regra, é utilizada nos crimes dolosos contra vida, sendo
estes, geralmente, os que atraem o interesse da população.

3.1 Liberdade de imprensa


Preceituam Mendes e Branco (2016) que a liberdade de expressão é um dos
direitos fundamentais mais preciosos, sendo reivindicada pelo ser humano em
toda a história. Se não fosse assim, a Constituição Federal Brasileira de 1988 não
reservaria vários dispositivos acerca do tema, surgindo como direito assegurado à
sociedade e, principalmente, aos meios de comunicação, que entregam aos pri-
meiros informações e fatos, que devem ser descritos e mencionados de forma im-
parcial.
É sabido que a liberdade de imprensa não pode sofrer censuras pelo poder
estatal. Contudo, tal elemento não é absoluto, haja vista que pode sofrer restrições,
conforme disposição do art. 220, §1º, da Constituição Federal.
Complementa Cruz (2003 apud LEITE, 2011, p. 9): “É que o disposto no
artigo 220 está intimamente relacionado, também, à dignidade da pessoa huma-
na. A constituição não permite um total sacrifício do particular ao interesse social.
A relação tem um limite, que é a dignidade da pessoa humana”.
O respeito à dignidade humana é erigido à condição de limite da liberdade
de expressão, pois o primeiro é a base do Estado democrático e vetor hermenêu-
tico indispensável para a compreensão adequada de qualquer direito. Neste viés,
a liberdade de imprensa deve ser utilizada apenas como forma de transmissão de
informações e de notícias ocorridas nos cenários regional, nacional e mundial,
cumprindo, assim, sua finalidade, sem que houvesse prejuízo ao indivíduo e à sua
dignidade. Mello (2010, p. 119), neste sentido, pontua que:

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


160 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

Sabe-se que não é permitido aos meios de comunicação, se utili-


zar da prerrogativa da liberdade de informação jornalística, que
lhe é garantida pela Constituição Federal, para divulgar notícias
que ofendam a outras liberdades igualmente garantidas, tais
como a intimidade, a vida privada e a presunção de inocência.

A ideia de insegurança, acusações a determinadas pessoas e pregação da cul-


tura do medo trazem como consequência o isolamento de pessoas, que acarreta
diretamente no tribunal do júri, já que os jurados representam aquela parcela de
pessoas que se sentem ameaçadas, excluindo-se tacitamente o ideal de que o acu-
sado fosse julgado por um semelhante a si e afastando, desse modo, a aplicação do
princípio da presunção de inocência.
Deve-se, assim, buscar o interesse público, e não o privado, já que o último
tem como único intuito o interesse de auferir lucro sobre os processos criminais,
mesmo que, para tal, tenha de deixar de observar sua respectiva finalidade.

3.2 Da presunção de inocência

A Constituição Federal preceitua, em seu art. 5º, LVII, que ninguém será
considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória,
demonstrando, assim, a presunção da inocência ou da não culpabilidade.
O respectivo princípio deve ser aplicado no tribunal do júri, haja vista que o
denunciado, ao ser julgado pelos seus semelhantes, deverá ter observado o estado
presumível de inocência garantida até que se prove o contrário, ainda que tenha
sido “condenado” pela mídia e pela opinião pública.
Garantindo a presunção de inocência do réu, observará a dignidade da pessoa
humana, e, nos termos de Sarlet (2012, p. 131), “[…] o Estado deverá ter como
meta permanente, a proteção, promoção e realização de uma vida com dignidade
para todos […]”, impedindo que o réu seja alvo de humilhações, e o uso da força
midiática de forma totalitária, pois em ambas situações servem aos ensejos dos
meios de comunicação, que pregam a intolerância e a condenação dos suspeitos a
qualquer custo.
Contudo, no Brasil, não há a observância desses preceitos constitucionais,
bem como raros são os casos de tribunais que atuam com veredictos pré-molda-
dos, seja pela cultura do medo implementada em nossa sociedade ou pela vigorosa
opinião pública sobre determinado caso concreto.

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 161

3.3 Liberdade de imprensa e presunção de


inocência do acusado
Conforme o desenvolver do estudo, verificou-se que os princípios da presun-
ção de inocência do acusado e a liberdade de imprensa colidem, sendo que ambos
são direitos ou garantias fundamentais relacionadas a liberdade, fixando de forma
veemente os limites do poder estatal.
A utilização da liberdade de imprensa de forma arbitraria e sensacionalista,
ou seja, de modo a interferir na composição da opinião pública e na construção de
valores sociais e individuais, atinge diretamente o princípio da presunção de ino-
cência do acusado. Neste aspecto, Garland (2008) relata que a mídia pós-moderna
funciona como elemento oportunista, tomando os objetos do crime como objeto
central de seus noticiários, já que estão inseridos em uma sociedade que cada vez
mais vivencia o fenômeno criminal. Mediante a presente inserção apresentada,
é possível verificar que programas inteiros são criados com matérias criminais,
tornando-se um atrativo imperdível, já que muitas das vezes ocupam os horários
de pico de audiência.
Importante ponderar que é sabido que, no ordenamento jurídico, os direitos
em conflito não podem ser hierarquizados, sendo que o caso concreto dirá qual
deles devem recuar, estabelecendo-se, assim, uma ponderação aceitável. Para isso,
a utilização do princípio da proporcionalidade é a ferramenta essencial para resol-
ver as possíveis diligências. Para definir proporcionalidade, ater-se-á à menção feita
por Schäfer e DeCarli (2007 apud LEITE, 2011, p. 19):
O princípio da proporcionalidade permite que o magistrado;
diante da colisão de direitos fundamentais, decida de modo que
se maximize a proteção constitucional, impedindo o excesso na
atividade restritiva aos direitos fundamentais. O objetivo não é
anular um ou outro princípio constitucional, mas encontrar a
solução que mantenha os respectivos núcleos essenciais.

Sendo analisado o caso concreto e verificada a dificuldade em estabelecer a


proporcionalidade, é preferível que a liberdade de imprensa delimite sua atua-
ção até o necessário, rejeitando a parte supérflua na presente situação, pois não
é razoável que a liberdade de imprensa não essencial prevaleça em detrimento da
presunção de inocência em seu grau necessário, em virtude de estar mais atrelada
à liberdade do indivíduo, limitando-se, porém, para que não ocorram sacrifícios
desnecessários de um em relação ao outro.

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


162 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

Importante observar que a presunção de inocência deve ser sempre garantida


ao indivíduo, sob os ditames da própria Justiça. Por outro lado, é necessário ressal-
tar que é livre o fornecimento de informações à população, desde que se limitem
às previsões legais e verídicas, não induzindo a erro seu público-alvo.

4 Análise de casos concretos


Como dito anteriormente, fica a encargo dos jurados o árduo trabalho de jul-
gar sem se submeter à influência midiática. Nota-se, porém, que, em detrimento
da própria dificuldade, o plenário do júri julga conforme suas emoções, que são
aguçadas com o conteúdo dos noticiários, como se verá nos exemplos expostos a
seguir.

4.1 Caso Daniella Perez

A atriz Daniella Ferrante Perez Gazolla, filha da novelista Glória Perez, foi
morta em 1992 com 18 golpes de tesoura, na cidade do Rio de Janeiro. O ator
Guilherme de Pádua, que atuava com a vítima na novela De Corpo e Alma, e sua
esposa Paula Thomaz, foram denunciados como autores do delito.
Em virtude de a vítima ser jovem e atuar na maior emissora do país, a TV
Globo, que de igual maneira empregava o então acusado do delito, causou-se
grande mobilização midiática, e Freitas (2016) pondera que, até então, não havia
crime anterior que tivesse mobilizado a mídia, atraindo a atenção diária de uma
população inteira.
A veiculação em vários programas de televisão, rádios e capas de revista foi de
tamanha proporção que se tornou impossível calcular sua abrangência. Freitas –
novamente de modo objetivo – demonstra a influência de um programa de grande
repercussão para o fato:

O programa JORNAL NACIONAL, exibido pela Rede Globo


de Televisão na data de 29.12.1992, dá uma mostra razoável de
como a televisão cuidou do crime em exame. O referido Jornal te-
levisionado exibiu uma reconstituição não oficial do crime, a qual
participaram atores muitos parecidos com a vítima e os acusados.
[…]. Sem praticamente nenhum tipo de ressalva, o repórter […],
fez afirmações categóricas, como se não existisse nenhuma dúvida
sobre quem seria o assassino da atriz Daniella Perez. Inclusive o
nome do principal suspeito até então foi pronunciado e repetido
incontáveis vezes […] (FREITAS, 2016, p. 214).

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 163

Neste sentido, o complementa com a respectiva reportagem televisiva


apontada:
[…] em seguida os dois saem, cada um no próprio carro. Gui-
lherme segue Daniella Perez por dez quilômetros. Meia hora de-
pois, eles entram numa rua pouco movimentada. Daniella vai
para o carro de Guilherme e eles começam a brigar. Ele tenta
estrangular a atriz, ela foge. Guilherme pega uma tesoura no por-
ta-luvas e persegue Daniella. A atriz é assassinada com quinze gol-
pes de tesouro no peito e três no pescoço. Guilherme abandona o
corpo no mato e foge. O carro do ator foi levado para Delegacia e
examinado pelos policiais. Não havia marcas de sangue. O carro
havia sido lavado poucas horas antes. Guilherme de Pádua foi
preso em casa no começo da manhã. Ele tem vinte e três anos, é
casado e a mulher está grávida de quatro meses. A polícia interro-
gou Guilherme por mais de três horas, ele estava descontrolado.
No início Guilherme negou tudo, mas acabou confessando o cri-
me (FREITAS, 2016, p. 214).

O promotor de justiça José Muiños Piñeiro, que atuou no caso, citou em


entrevista o peso da mídia e a percepção dos jurados para o caso:
Era a primeira vez que não era necessário explicar para os jurados
quem era a vítima, inclusive eu disse isso no júri. Daniella Perez
estava todos os dias na novela das oito, era como se fosse a irmã
ou a filha de todos os brasileiros – observa ele. – Eu trabalhava no
interior e tinha chegado há dois anos na capital. Quando me vi
diante de um caso de tanta repercussão, senti o peso. Eu estava o
tempo todo exposto, vigiado pela mídia. E se eu não conseguisse
condenar os assassinos? (ROCHA, 2012).

Guilherme e sua esposa, Paula, foram condenados a 19 anos de reclusão e a


18 anos e 6 meses de reclusão, respectivamente, tendo sido a pena da última redu-
zida a 15 anos pelo Tribunal de Justiça. Porém, antes que tivessem sido submetidos
a plenário, é possível perceber que estes já eram considerados culpados, pois eram
tratados de tal maneira.

4.2 Caso Valíssia Fernandes de Jesus


No dia 12 de outubro de 2016, por volta das 19 horas, na cidade de Pitan-
gueiras (SP), região de Ribeirão Preto, a acusada Mirian Aparecida Siqueira teria

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


164 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

matado com uma faca a adolescente Valíssia Fernandes de Jesus, de 15 anos, que
estava grávida de oito meses, com o intuito de ficar com o bebê, utilizando-se,
para tanto, de meios ardis para atrair a vítima à sua residência para que ali pudesse
cometer o delito.
No dia 14 de outubro, foi decretada a prisão temporária da ré Mirian e, pos-
teriormente, sua prisão preventiva, tendo esta, logo em seguida, apresentado sua
defesa prévia, alegando insanidade mental. Porém, após saneado o processo, foi
determinada a realização de audiência de instrução e julgamento, tendo contado
com a revolta dos familiares e amigos da vítima (TESTEMUNHA NEGA…,
2017).
O site de notícias G1, vinculado à Rede Globo, destacou em seus títulos ex-
pressões que indicavam a autoria do delito e apontavam Miriam como a assassina,
reproduzindo de forma prematura as suspeitas levantadas pela polícia, mesmo sem
ter sido realizada qualquer diligência aprofundada sobre o caso:

Mulher fingiu gestação e matou jovem grávida para ficar com


bebê, diz polícia
Delegado acredita que a suspeita tem gravidez psicológica e pla-
nejou crime. Adolescente de 15 anos foi morta a facadas e teve
filho retirado da barriga (OLIVEIRA; FIGUEIREDO, 2016).

Após a publicação das manchetes e a inflamação em redes sociais, e antes


mesmo de existir processo judicial contra os possíveis fatos praticados pela acusa-
da, houve condenação pela população da pequena cidade, que de maneira cons-
tante demonstrou sua revolta.
Neste aspecto, é imprescindível o anexo de comentários tecidos no mesmo
site que veiculou as matérias supramencionadas:

[…] É uma brutalidade sem tamanho. Muita maldade dessa as-


sassina. Matou uma menina nova, e uma criança inocente. São
dois crimes bárbaros. Merece acabar a vida na cadeia. Assim
pagará pelo seu erro.
[…] “Suspeita” de matar jovem grávida e tirar feto do útero con-
firma crime”. Ela confessou ela não é mais suspeita.
[…] Ela assassinou friamente a mãe e o filho que ainda não
tinha nascido. Agora ninguém pode tocar a mão nela. Ela tem
a proteção da polícia da Justiça é de e Coisa e Tal. No Brasil,
é assim se você quiser ter a justiça a seu favor seja bandido ou
assassino.”

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 165

[…] estou arrepiado com esta notícia. porque? preservar a vida


de pessoas tão sujas, tão ruins, que já superou a maldade hu-
mana, se algumas pessoas que está nesta terra não merece estar
vivas, esta mulher com certeza é [sic.] uma delas, se ela fez isso
mesmo (OLIVEIRA; FIGUEIREDO, 2016, grifos nossos).

Tais comentários são uma pequena parcela entre todos os que se encontram
na reportagem em questão, denotando à acusada a culpa, mesmo que esta, até o
presente momento, não tenha ido a julgamento do tribunal do júri, demonstran-
do que desejam a condenação da acusada, mesmo que antes da apreciação das
provas em plenário.
Com base nesses dois casos concretos, verificou-se que aos jurados é imposto
um árduo trabalho de representar a sociedade no Poder Judiciário e que, em vir-
tude das citadas notícias e matérias, vem reiteradamente sendo utilizado de forma
incorreta, desrespeitando os preceitos fundamentais, entre eles, a dignidade da
pessoa humana e da presunção de inocência do(a) acusado(a).

5 Possibilidades a serem analisadas e


suas consequências
A atuação nos meios de comunicação implica diretamente a aplicação dos
objetivos tutelados pelo tribunal do júri, que consistem em evitar o arbitramento
estatal no tocante aos crimes dolosos contra a vida
A liberdade de imprensa, como visto anteriormente, não é plena e absoluta.
Apesar de a Constituinte de 1988 dispor, no art. 220, sobre o irrestrito Direito à
manifestação e à informação, cabe apontar que a supracitada norma ainda pontua
uma orientação principiológica em seu art. 221 e seguintes. Deste modo, ao se
informar e manifestar, as emissoras de rádio e televisão deverão atender concreta-
mente aos desejos constituintes, pois diversas vezes influenciam o cidadão, o qual,
de igual modo, exercita os direitos constitucionais acima apontados. Segundo as
palavras de Sarlet (2014, p. 198), não se deve “[…] falar em direitos fundamentais
absolutos ou conferidos ao seu titular de maneira ilimitada […]”. Contudo, o
direito de imprensa deve ser preservado, ainda que esta reiteradamente cruze as
limitações pré-estabelecidas.
O ideal é que haja um corpo de jurados imparcial e apto a julgar segun-
do suas convicções, após a análise de provas com observação do contraditório e
ampla defesa, e não reproduzir o que foi visto nas capas de revistas e matérias de
telejornais. Contudo, até se alcançarem a responsabilidade de que o pré-julga-
mento é um vício a ser sanado no decorrer do processo e a acepção de que a mídia

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


166 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

produz efeitos, ainda que de forma indireta, deve-se buscar a adoção de medidas,
institutos consistentes e concretos para garantir a integridade do réu.
Neste caso, o art. 427 do Código de Processo Penal dispõe sobre desafo-
ramento, que é umas das maneiras de possibilitar um julgamento justo ao réu,
consistindo em remeter o julgamento pelo plenário do júri para a comarca mais
próxima, quando estão presentes os requisitos ali mencionados, entre eles, quando
houver dúvida sobre a imparcialidade dos jurados:

Art. 427. Se o interesse da ordem pública o reclamar ou houver


dúvida sobre a imparcialidade do júri ou a segurança pessoal do
acusado, o Tribunal, a requerimento do Ministério Público, do
assistente, do querelante ou do acusado ou mediante represen-
tação do juiz competente, poderá determinar o desaforamento
do julgamento para outra comarca da mesma região, onde não
existam aqueles motivos, preferindo-se as mais próximas.

Todavia, nos casos de repercussão nacional, seria quase impossível a resolu-


ção do impasse com a mídia, já que os cidadãos das comarcas próximas estariam
afetados por ela.
Por outro lado, há de se mencionar que, nos Estados Unidos, há uma série de
medidas dispostas em lei que podem ser adotadas pelo juiz togado com o intuito
de sanar qualquer vício no julgamento. Entre essas medidas, está prevista a possi-
bilidade de renúncia ao júri por escolha do acusado.
Já no Brasil, é mais que sabido que a Constituição Federal de 1988 reconhece
o tribunal do júri, constituindo este como uma garantia fundamental, ainda que
maculado por fatores extrajudiciais, entre eles, a mídia. Desse modo, a renúncia ao
tribunal do júri pode se tornar uma opção para o réu, não sendo uma causa inédita
em ordenamentos jurídicos de outros países.
Sabe-se que nossa Lei Superior nada trata sobre a renúncia ao exercício do
direito fundamental citado (FREITAS, 2016), sendo majoritário o posicionamen-
to de que, por serem direitos inatos, não podem ser renunciados pelo sujeito desse
direito. O que se admite seria seu não exercício, mas não sua renunciabilidade.
Novais (1996 apud FARIAS; TEIXEIRA, 2016, p. 306), de modo diverso,
pontua:

A renúncia é também uma forma de exercício do direito fun-


damental, dado que, por um lado, a realização de um direito
fundamental inclui, em alguma medida, a possibilidade de se
dispor dele, inclusive o sentido de sua limitação, desde que esta

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 167

seja uma expressão genuína do direito de auto-determinação e


livre desenvolvimento da personalidade individual, e porque, por
outro lado, através da renúncia o indivíduo prossegue a realização
de fins e interesses próprios que ele considere, no caso concreto,
mais relevantes que os fins realizáveis através de um exercício po-
sitivo do direito.

Com base nas palavras do autor derradeiro e nos fatores midiáticos que in-
fluenciam nas decisões jurídicas, a renúncia ao tribunal do júri é uma situação
plausível, visto que somente necessita de regulamentação sobre o tema. Isso por-
que, considerando que o réu possa, contra sua vontade, ser julgado por cidadãos
que não estão em mesma situação que a sua e que, muitas vezes. se entregam às
pressões midiáticas, torna-se inviável o uso desse direito fundamental.

Considerações finais
Com esta pesquisa, buscou-se analisar, a partir de preceitos elencados no
decorrer do trabalho, a influência da mídia nas decisões proferidas pelo tribunal
do júri, tendo o presente estudo realizado abordagem sobre o posicionamento dos
jurados mediante a prática de delitos em grande repercussão.
Isso porque os meios de comunicação, ao exercerem seus papéis constitu-
cionais, ultrapassam de forma violadora o objetivo de informar o cidadão sobre
as notícias recorrentes, passando a induzir sobre este determinadas influências de
pensamento, por intermédio do sensacionalismo, estando tais notícias diariamen-
te à disposição da população. Cabe mencionar que as citadas induções são fei-
tas de forma clara e sem receio algum, já que os meios midiáticos usam de suas
prerrogativas constitucionais de liberdade de expressão/informação para abordar
assuntos que trazem em seu âmago preconceitos enraizados desde a época de for-
mação de nosso país, com o único intento de auferir lucro, gerado pelos índices
de audiência.
Um dos principais focos estudados no presente artigo foi o dos conflitos evi-
denciados que o abuso na liberdade de informação gera na presunção de inocência
do acusado, pois há recorrente juízo de valor exercido por uma pessoa que ainda
não foi condenada em definitivo. A liberdade de comunicação deve ser orientada
por meio de medidas públicas, assim como aqueles que, por anos, tiveram sen-
timento de vingança e por justiça de modo inconsciente, buscando satisfazer as
garantias constitucionais, evitando, assim, que o sentimento pessoal gradualmente
induzido anteriormente influa nas decisões em plenário.

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


168 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

Entre as medidas públicas, verificou-se a existência do instituto do desafora-


mento, já regulamentado pelo Código de Processo Penal e utilizado nos casos em
que há dúvida sobre a imparcialidade dos jurados. Embora o citado instrumento,
com redação dada pela Lei n. 11.689, de 2008, tenha muito a desenvolver, de-
monstra-se desde já ineficaz para assegurar um julgamento justo ao réu, já que não
há barreiras para a propagação de informação, de modo que a comarca a que seja
destinada a realização do plenário também tenha sido atingida.
Assim, encarando a realidade atual do júri, com reiteradas influências ex-
teriores sobre os jurados, muitas delas difundidas pela própria mídia, verifica-se
ser quase impossível a asseguração da dignidade da pessoa humana ao acusado,
surgindo, ainda que de maneira íntima, o desejo de renúncia ao tribunal do júri,
sendo julgado por juízes de Direito e não de fato, garantindo, assim, de maneira
efetiva, ou pelo menos de forma mais ampla, os direitos fundamentais e sociais, a
serem protegidos pelas autoridades judiciais.

Referências
BARBOSA, R. O júri e a independência da magistratura. Rio de Janeiro: MEC,
1897. p. 148. (Obras Completas de Rui Barbosa, v. XXIII, tomo III). Disponível
em: <http://www.stf.jus.br/bibliotecadigital/ruibarbosa/18428/pdf/18428.pdf>.
Acesso em: 18 maio. 2018.
BORDIEU, P. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.
BRASIL. Código de Processo Penal. Decreto-Lei n. 3.689, de 3 de outubro de
1941. Código de Processo Penal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/decreto-lei/Del3689.htm>. Acesso em: 18 mar. 2018.
BRASIL. Constituição (1824). Constituição Política do Império do Brazil. Rio de
Janeiro, 1824. Constituição Política do Império do Brasil, elaborada por um Con-
selho de Estado e outorgada pelo Imperador D. Pedro I, em 25.03.1824. Dis-
ponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm>.
Acesso em: 21 abr. 2018.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 15.
ed. atual. e ampl. – São Paulo: Saraiva Educação, 2018.
BRASIL. Lei n. 11.689, de 9 de junho de 2008. Altera dispositivos do Decreto-Lei
n. 3.689, de 3 de outubro de 1941 – Código de Processo Penal, relativos ao Tri-
bunal do Júri, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.
br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11689.htm>. Acesso em: 24 jul. 2019.

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


Danilo Henrique Nunes & Rafael Catani Lima & Jonatas dos Santos Silva 169

CAPEZ, F. Curso de Processo Penal. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
FARIAS, C. M.; TEIXEIRA, J. P. A. Renúncia a direitos fundamentais: modalida-
des e efeitos a partir da teoria constitucional contemporânea. Revista Pensamento
Jurídico, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 290-139, 2016.
FREITAS, P. C. Criminologia midiática e tribunal do júri: a influência da mídia
e da opinião pública na decisão dos jurados. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.
GARLAND, D. A cultura do controle: crime e ordem social na sociedade contem-
porânea. Rio de Janeiro: Revan, 2008. p. 338.
LEHFELD, L. S.; LÉPORE, P. E; FERREIRA, O. A. V. A. Monografia jurídica:
guia prático para elaboração do trabalho científico e orientação metodológica. 2
ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2015.
LEITE, B. E. A influência da mídia no princípio da presunção de inocência no tribu-
nal do júri. Tenente Portela: PUC-RS, 2011. Disponível em: <http://www3.pucrs.
br/pucrs/files/uni/poa/direito/graduacao/tcc/tcc2/trabalhos2011_1/bruna_leite.
pdf>. Acesso em: 24 jul. 2019.
LIMA, R. B. Manual de processo penal. v. I. 5. ed. rev. ampl. e atual. Salvador:
JusPodivm, 2017.
MELLO, C. G. Mídia e crime: liberdade de informação jornalística e presunção
de inocência. Revista de Direito Público, Londrina, v. 5, n. 2, p. 106-122, ago.
2010. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/direitopub/arti-
cle/view/7381/6511>. Acesso em: 10 abr. 2018.
MENDES, G. F.; BRANCO, P. G. G. Curso de direito constitucional. 11. ed. São
Paulo: Saraiva, 2016. (Série IDP).
OLIVEIRA, A.; FIGUEIREDO, T. Mulher fingiu gestação e matou jovem grá-
vida para ficar com bebê, diz polícia. G1, 14 out. 2016. Disponível em: <http://
g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/2016/10/mulher-fingiu-gestacao-
-e-matou-jovem-gravida-para-ficar-com-bebe-diz-policia.html>. Acesso em: 22
jul. 2019.
PORTO, H. A. M. Júri: procedimentos e aspectos do julgamento – questionários.
São Paulo: Saraiva, 2007.
PRATES, F. C.; TAVARES, N. F. A. A influência da mídia nas decisões do conse-
lho de sentença. Revista Direito e Justiça. Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 33-39, jul./
dez. 2008.

Dom Helder - Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019


170 A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO TRIBUNAL DO JÚRI

ROCHA, C. Daniella Perez: 20 anos do assassinato que mudou a lei. O Globo. Rio
de Janeiro, dez. 2012. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/daniella-pe-
rez-20-anos-do-assassinato-que-mudou-lei-7125130>. Acesso em: 15 abr. 2018.
SARLET, I. W. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constitui-
ção de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.
SARLET, I. W. Notas introdutórias ao sistema constitucional de direitos e de-
veres fundamentais. In: CANOTILHO, J. J. G.; MENDES, G. F.; SARLET, I.
W. (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva-Almedina,
2014. p. 185-213.
TESTEMUNHA NEGA que acusada de matar grávida e tirar feto do útero para
ficar com bebê eram amigas. G1, 9 jun. 2017. Disponível em: <https://g1.globo.
com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/testemunha-nega-que-acusada-de-matar-
-gravida-e-tirar-feto-do-utero-para-ficar-com-bebe-eram-amigas.ghtml>.nAcesso
em: 26 maio 2018.
ZAFFARONI, E. R. A palavra dos mortos: conferências de criminologia cautelar.
São Paulo: Saraiva, 2012.

Dom Helder Revista de Direito, v.2, n.2, p. 153-170, Janeiro/Abril de 2019