Você está na página 1de 10

Tipos de

Radiação

Radiação Alfa é uma partícula formada por um átomo de hélio com carga
positiva. A distância que uma partícula percorre antes de parar é chamada alcance.
Num dado meio, partículas alfa de igual energia têm o mesmo alcance. O alcance
das partículas alfa é muito pequeno, o que faz que elas sejam facilmente blindadas.
Uma folha fina de alumínio barra completamente um feixe de partículas de 5MeV.
A inalação ou ingestão de partículas alfa é muito perigosa.

Radiação Beta é também uma partícula, de carga negativa, o elétron. Sua


constituição é feita por partículas beta que são emitidas pela maioria dos nuclídeos
radioativos naturais ou artificiais e tem maior penetração que as partículas alfa. O
32 P dá uma radiação beta até 1,7 MeV com uma penetração média de 2 a 3 mm na
pele, e alcança, em pequena proporção, 8 mm. Se o emissor beta é ingerido, como
acontece nos casos de diagnóstico e terapêutica, os efeitos são muito mais
extensos.

Radiação Gama é uma onda eletromagnética. As substâncias radiativas emitem


continuamente calor e têm a capacidade de ionizar o ar e torná-lo condutor de
corrente elétrica. São penetrantes e ao atravessarem uma substância chocam-se
com suas moléculas. A radiação gama tem seu poder de penetração muito grande.
Sua emissão é obtida pela maioria, não totalidade, dos nuclídeos radioativos
habitualmente empregados. Quando a fonte de material radioativo for beta ou
gama é necessário colocação de uma barreira entre o operador e fonte.

Radiação eletromagnética invisível, emitida por corpos aquecidos. Pode ser


detectada por meio de células fotoelétricas, possui muitas aplicações. Desde o
aquecimento de interiores até o tratamento de doenças de pele e dos músculos.
Para produzir o infravermelho, em geral empregam-se lâmpadas de vapor de
mercúrio a de filamento longo incandescente.
A radiação infravermelha é usada para obter fotos de objetos distantes
encobertos pela atmosfera, também muito utilizada por astrônomos para observar
estrelas e nebulosas que são invisíveis com luz normal. Uma outra utilidade deste
tipo de radiação é o uso nas fotografias infravermelhas, que são muito precisas. O
infravermelho foi muito utilizado na II Guerra Mundial.
Alguns exemplos de Infra-vermelho.

Produzida por descargas elétricas em tubos de gás. Cerca de 5% da energia


mandada pelo Sol consiste nesta radiação, mas a maior parte da que incide sobre a
Terra é filtrada pelo O e pelo ozônio na atmosfera, estes protegem a vida na
Terra. Esta radiação é impregnada principalmente em tubos fluorescentes, mas
também em aplicações médicas que incluem lâmpadas germicidas, o tratamento do
Raquitismo e doenças de pele, enriquecimento de leite e ovos com vitamina D.
É dividida em três classes: UV-A, UV-B e UV-C. As ondas de menor período são
as mais nocivas aos organismos vivos. A UV-A é a mais perigosa e tem período
entre 4000A (ângstrons) e 3150A. UV-B tem período entre 3150A e 2800A e
causa queimaduras na pele.

Toda vida, em nosso planeta, está exposta à radiação cósmica* e à radiação


proveniente de elementos naturais radioativos existentes na crosta terrestre
como potássio, césio etc. A intensidade dessa radiação tem permanecido constante
por milhares de anos e se chama radiação natural ou radiação de fundo, e provém
de muitas fontes.
Cerca de 30% a 40% dessa radiação se deve aos raios cósmicos. Alguns
materiais radioativos -- como potássio-40, carbono-14, urânio, tório etc. – estão
presentes em quantidades variáveis nos alimentos.
Uma quantidade raoável de radiação vem do solo e de materiais de construção.
Assim, pois, a radiação de fundo pode variar de local para local.
O valor médio da radiação de fundo em locais habitados é de 1,25 milisievert
(mSv) ao ano.

São feixes de partículas produzidos por um eletrodo negativo (cátodo) de um


tubo contendo gás comprimido. São resultado da ionização do gás e provocam
luminosidade. Os raios catódicos são identificados no final do século passado por
Willian Crookes. O tubo de raios catódicos é usado em osciloscópios e televisões.

São capazes de atravessar o corpo humano, durante a travessia, o feixe sofre


um certo enfraquecimento. Ele provoca a iluminação de certos sais minerais.
O uso do raio X tem sido uma importante ferramenta de diagnóstico e terapia.
Os raios X são absorvidos pelos ossos enquanto passam facilmente pelos outros
tecidos.
Em 1895 Wilhelm Konrad von Röntgen descobre acidentalmente os raios X
quando estudava válvulas de raios catódicos. Verificou que algo acontecia fora da
válvula e fazia brilhar no escuro focos fluorescentes. Eram raios capazes de
impressionar chapas fotográficas através de papel preto. Produziam fotografias
que revelavam moedas nos bolsos e os ossos das mãos. Estes raios desconhecidos
são chamados simplesmente de "x".

Nêutrons são partículas muito penetrantes. Elas se originam do espaço externo,


por colisões
de átomos na atmosfera, e por quebra ou ficção de certos átomos dentro do reator
nuclear. Água e concreto são as formas mais comuns usadas como barreiras contra
radiação por nêutrons.
Mutação
Você sabe o que é Mutação?

A mutação é uma alteração permanente no material genético, entretanto, ela pode ser uma
modificação casual ou induzida na informação genética.

Como acontece a mutação?

Para ocorrer uma mutação é preciso que ocorra algum dano na seqüência de nucleotídeos do
DNA, as células possuem um mecanismo de reparação do DNA, mas ocasionalmente ocorre
algum tipo de falha neste mecanismo ou mesmo o dano é irreparável, assim as células
replicam nesta condição.
Após se replicarem, as células que sobrevivem carregam os danos genéticos da célula-mãe e
passam a apresentar novas características, ocorrendo assim uma mutação.
Outra forma de acontecer à mutação é a modificação dos genes; nas cromossômicas,
mudando o número ou a estrutura dos cromossomos.

No contexto biológico, a mutação é bastante importante, pois atua de forma crucial na


evolução das espécies, são nestas mutações que ocorrem à origem de novas espécies ou de
raças de animais domésticos ou, à diversidade de plantas cultivadas.
Mutação
Gênica
Uma mutação é definida como qualquer alteração permanente do DNA. Pode ocorrer
em qualquer célula, tanto em células da linhagem germinativa como em células
somáticas. As mutações envolvem Mutações Cromossômicas (quebra ou rearranjo dos
cromossomos) e Mutações Gênicas.

A mutação é uma modificação da informação genética, e que pode resultar em


indivíduos ou células com alterações fenotípicas. A mutação é qualquer mudança na
seqüência do DNA no genoma. Existem dois tipos de mutação. A mutação pontual, que
é uma mudança que afeta uma única posição no gene. Isto pode causar mudanças na
proteína por ele codificada.

As mutações pontuais são muitas vezes geradas por erros na duplicação do DNA ou na
hora transcrever o DNA para RNA. As mutações cromossômicas, que podem ser
alterações no número dos cromossomos de uma célula, ou podem ser alterações
estruturais, rearranjos do DNA. Elas podem ser provocadas durante algumas das etapas
da divisão celular, durante a segregação dos cromossomos, ou durante o momento do
crossing over. Podem existir agentes mutagênicos, que induzem as mutações, corantes
artificiais, conservantes, radiação, ondas eletromagnéticas, são alguns deles. A síndrome
de Down ou mongolismo é uma doença provocada por uma mutação cromossômica
numérica, uma trissomia do cromossomo 21. O cromossomo pode perder um pedaço, é
mutação estrutural chamada de deficiência; esse pedaço pode inserir-se em outro
cromossomo, acontece então uma translocação, que é uma anomalia estrutural na qual
um pedaço de um cromossomo se insere em outro não homólogo. O cromossomo pode
sofrer duas quebras e o pedaço intermediário sofre um giro de 180o e solda-se as
extremidades de uma forma invertida, é a inversão.

Os efeitos de uma mutação sobre o fenótipo variam enormemente. Algumas podem não
ter efeito perceptível e outras podem possuir efeitos deletérios sobre a probabilidade de
sobrevivência e ou reprodução do organismo. Se a mutação acontece no genoma das
células germinativas, ela pode muito provavelmente passar para outras gerações, o que
pode ser muito perigoso para a sobrevivência do indivíduo dependendo da mutação.
Algumas mutações foram selecionada pelo homem por apresentar um interesse
econômico. A laranja “baiana” é um exemplo típico, ela é devida a uma mutação que
ocorreu em 1870 numa única laranjeira da Bahia e, posteriormente, foi cultivada pelo
homem.
Nas populações as mutações gênicas que ocorrem levam a introdução de novos tipos de
genes, que contribuem para aumentar a variabilidade genética. Se as novas mutações
forem adaptativas às condições ambientais elas serão mantidas, caso não sejam elas
serão eliminadas da população pela seleção natural. Alguns organismos como as
bactérias e vírus podem provocar alterações no DNA da célula, pois eles podem
carregar material genético de outras células e introduzi-lo no genoma da célula
infectada. Bactérias e alguns eucariotos freqüentemente carregam no seu citoplasma
moléculas de DNA circularizadas, e que se replicam independentemente, conhecidas
como plasmídios. Alguns desses plasmídios podem afetar o fenótipo da célula, dando-
lhe resistência a antibióticos.

Substituição de Nucleotídeos

A substituição de um único nucleotídeo ( ou mutação de ponto ) numa seqüência de


DNA pode alterar o código de uma trinca de bases e levar à substituição de uma trinca
de bases por outra.

Mutações de Sentido Trocado


Alteram o "sentido" do filamento codificador do gene ao especificar um aminoácido
diferente.

Mutações Sem Sentido


Normalmente a tradução do RNAm cessa quando um códon finalizador ( UAA, UAG e
UGA) é alcançado. Uma mutação que gera um dos códons de parada é denominada
mutação sem sentido.

Mutações no Processamento do RNAm


O mecanismo normal pelo qual os íntrons são excisados do RNA não processado e os
éxons unidos para formar um RNAm maduro depende de determinadas seqüências de
nucleotídeos localizadas nos sítio aceptor (intron/exon) e no sítio doador (exon/intron) .
As mutações podem afetar as bases necessárias no sítio doador ou aceptor da emenda,
interferindo na emenda normal do RNA naquele sítio ou podem envolverem
substituições de bases dos íntrons, podendo criar sítios doadores ou aceptores
alternativos que competem com os normais durante o processamento do RNA.

Deleções e Inserções

Causadas pela inserção ou deleção de um ou mais pares de bases.

Deleção e Inserção de Códons

Quando o número de bases envolvidas não é múltiplo de três, a mutação altera a leitura
da tradução a partir do ponto de mutação resultando numa uma proteína com seqüência
de aminoácidos diferentes.

Quando o número de bases envolvidas é múltiplo de três, a mutação resulta numa


proteína com a adição ou falta de aminoácidos.

Quando ocorre a inserção de elementos repetitivos há o interrompimento das seqüências


codantes
O que é uma mutação? (em Biologia)

O material genético de um indivíduo pode sofrer alterações, que por vezes originam anomalias.
Estas alterações denominam-se por mutações, os indivíduos que as manifestam são os mutantes.

Através de uma alteração na sequência de bases azotadas na molécula de DNA pode originar-se
mudanças nas proteínas produzidas. Quando estas proteínas asseguram uma “função-chave” no
organismo, pode dar origem a uma doença.

Existem várias doenças resultantes de mutações, de seguida temos três exemplos:

- Albinismo
- Hemofilia
- Drepanocitose, ou também conhecida por Anemia Falciforme.

No caso da drepanocitose, o gene da molécula de DNA que determina a síntese de uma das cadeias da
molécula foi modificado num ponto preciso, passando a existir uma outra forma desse gene, ocorreu uma
mutação génica. A timina (base azotada) é substituída, assim, a mensagem genética é alterada. Nesta
doença a hemoglobina denomina-se por hemoglobina S, tendo, as hemácias forma de foice. Esta
deformação impede a passagem ao nível dos capilares, dificultando a oxigenação normal dos tecidos.

O efeito de uma mutação a nível celular pode ser tão pequeno que seja difícil evidenciar-se, mas também
pode ser muito significativo conduzindo à morte da célula ou até mesmo do organismo.

Nem sempre as mutações são drásticas como falamos até agora.

As mutações podem conduzir à formação de novas proteínas com novas capacidades, que poderão ser
úteis. Algumas mutações podem contribuir para a variabilidade genética.

Entre agentes mutagénicos físicos mais conhecidos pode referir-se os raio-X, raios gama e a radiação
ultravioleta. Substâncias químicas, como corantes alimentares e alguns componentes do fumo do cigarro
podem conduzir à alteração do material genético de uma célula, desenvolvendo assim, diversas formas de
mutação.
Câncer
Principais causas da doença, como
nascem os tumores, a metástase,
tratamento, oncologia, origem da
palavra, tipos de câncer, câncer de
mama, câncer de próstata, câncer de
pele

Célula atacada pelo câncer

Introdução

A palavra câncer tem origem no latim, cujo significado é caranguejo.


Tem esse nome, pois as células doentes atacam e se infiltram nas células
sadias como se fossem os tentáculos de um caranguejo.

Esta doença tem um período de evolução duradouro, podendo, muitas


vezes, levar anos para evoluir até ser descoberta. Atualmente, foram
identificados mais de cem tipos desta doença, sendo que a maioria tem
cura (benignos), desde que identificados num estágio inicial e tratados
de forma correta.

Como os tumores nascem

Os tumores aparecem no organismo quando as células começam a


crescer de uma forma descontrolada, em função de um problema nos
genes. A causa dessa mutação pode ter três origens : genes que
provocam alterações na seqüência do DNA; radiações que quebram os
cromossomos e alguns vírus que introduzem nas células DNAs
estranhos. Na maioria das situações, as células sadias do organismo
impedem que estes DNAs passem adiante as informações.

O tumor desenvolve um conjunto de rede de vasos sanguíneo para se


manter. Através da corrente sanguínea ou linfática, as células malignas
chegam em outros órgãos, desenvolvendo a doença nestas regiões. Esse
processo de irradiação da doença é conhecido como metástase.

Esta doença é tão perigosa, pois possui capacidade eficiente de


reprodução dentro das células e também porque se reproduz e coloniza
facilmente áreas reservadas a outras células.

Principais causas

Existem vários fatores que favorecem o desenvolvimento do câncer.


Podemos citar como principais : predisposição genética (casos na
família), hábitos alimentares, estilo de vida e condições ambientais.
Todos estes fatores aumentam o risco de uma pessoa desenvolver a
doença.

Cãncer nos pulmões, na boca e na laringe são as principais doenças


causadas pelo cigarro. Bebida alcoólica em excesso pode provocar, com
o tempo, o aparecimento de câncer na boca. Sol em excesso pode afetar
as células e cresce o risco do desenvolvimento desta doença na pele. O
câncer de mama tem origens nos distúrbios hormonais e é mais comum
nas mulheres. A leucemia (câncer no sangue) é desencadeado pela
exposição à radiações.

Determinadas infecções podem desencadear o surgimento de tumores no


estômago e no fígado. A vida estressante, a alimentação inadequada
(rica em gorduras, conservantes e pobre em fibras) também estão
relacionados a alguns tipos de câncer.

Tratamento

O melhor tratamento ainda é aquele que visa evitar o surgimento da


doença. Para tanto, os especialistas aconselham as pessoas a ter uma
vida saudável: alimentação natural e rica em fibras, evitar o fumo e o
álcool, ter uma vida tranqüila, fugindo do estresse, usar protetores ou
bloqueadores solares e fazer exames de rotina para detectar o início da
doença.

Atualmente, a medicina dispõe da radioterapia e de cirurgias para


combater a doença. Quando se faz necessário a retirada do tumor, a
cirurgia é o procedimento mais adequado. Já a radiação é utilizada para
matar as células cancerígenas. Porém, este segundo procedimento tem
efeitos colaterais como, por exemplo, queimaduras na pele provocada
pela passagem da radiação.

A quimioterapia é um procedimento que visa, através da administração


de drogas, impedir a reprodução das células cancerígenas, levando-as à
morte. Esse procedimento também tem efeitos colaterais como, por
exemplo, a queda de cabelos.
Nos casos de câncer de mama e de próstata é usada a hormonoterapia,
pois estes tipos de tumores são sensíveis à ação de determinados
hormônios.

Você sabia?

- O dia 8 de abril é considerado o Dia Mundial de Combate ao cânc