Você está na página 1de 1

Professor Silvio Araujo de Sousa

Geografia - Economia
Dólar versus Real
Dólar (US$) versus Real (R$) Escola Estadual Prof. Renê Rodrigues de
Somente para leigos em economia Moraes - Guarujá - SP— 13/03/2011

Dólar versus Real para leigos, texto adaptado exclusivamente com finalidades pedagógicas

Dólar cada vez mais barato


Por que a redução do valor do Dólar quando convertido para o Real, fato que a princípio pode parecer
interessante, pode resultar em consequência desastrosas para a economia do país ?
Leis de Mercado
Uma lei tradicional no mercado é a Lei da oferta e da procura, esta lei afirma que, quanto maior a o-
ferta de determinado produto no mercado, o preço do mesmo tende a cair , sendo verdadeiro também
o inverso, quando ocorre a escassez do produto, seu preço tende a subir , neste nosso estudo, o pro-
duto é o dólar cuja quantidade em excesso no mercado tende a influenciar o preço para baixo.
US$ 24,356 bilhões em dois meses, volume maior que todo o ano de 2010
De acordo com o Banco Central, até o dia 4 de março de 2011 haviam entrado no Brasil US$ 24,356
bilhões da moeda americana, um volume considerável, visto que durante todo o ano de 2010 o saldo
dessa moeda foi US$ 24,354 bilhões. Entre as razões que explicam esse fluxo volumoso da moeda a-
mericana, estão as altas taxas de juros praticada no Brasil. Provavelmente a maior do mundo.
Consequência - Desvalorização
A consequência imediata da presença desse volume em dólar no mercado brasileiro é a queda do valor
da mesma quando convertida para o real (valorização do real), com a cotação de 10 de março fechan-
do em US$ 1 = R$ 1,66.
Os efeitos dessa desvalorização sobre a economia
Para o exportador: Vamos usar como exemplo um exportador que consegue colocar cada unidade de
seu produto no mercado externo por US$ 100,00 , receberá o equivalente a R$ 166,00 , caso continue
essa desvalorização da moeda americana, esse exportador passará a receber cada vez menos R$ por
unidade de produto, porém os seus custos de produção em R$ continuam o mesmo, fato que pode
levar a um estado de pressão sobre todos os setores da empresa, exigindo readequações organizacio-
nais para aumentar a competitividade, isto é, redução de custos, que entre outros efeitos, geralmente
resulta em redução de mão de obra, tradução: desemprego.
Para o importador: Um outro efeito dessa desvalorização é trazer vantagens para o importador,
pois os produtos importados ficam mais baratos, logo ocorre um aumento na importação desses pro-
dutos, o que pode num determinado prazo e situação colocar em risco a balança comercial (saldo en-
tre importação e exportação) do país. Ao mesmo tempo que a facilidade de compras no exterior preju-
dica a indústria interna, situação que soma-se a necessidade de busca de competitividade.
Vantagens Relativas: Por outro lado para quem tem dívidas em dólares terá que desembolsar menos
reais para pagar essa dívida, como por exemplo, quem faz uso de cartão de crédito internacional, po-
rém é uma vantagem relativa, pois se nenhuma ação for tomada em relação a essa desvalorização da
moeda americana, a economia do país através de sua estrutura produtora pode ser seriamente pre-
judicada.
Qual ação emergencial neste caso ?
É ai que entra em ação o Banco Central, para que o preço não caia demasiadamente, o Banco Central
intervém no mercado, comprando dólares ( retirando do mercado - reduzindo a oferta), e em apenas
dois meses já comprou o equivalente a 44% das aquisições feitas em 2010. Essa tomada de ação colo-
ca as reservas em dólar do Brasil em um nível recorde de US$ 311 bilhões.
(Documento base para adaptação deste texto: Folha de São Paulo – sexta feira 11 de março de 2011)

Professor Silvio Araujo de Sousa - Geografia - Escola Estadual Professor Renê Rodrigues de Moraes - Guarujá - SP - Brasil