Você está na página 1de 74

Direito Constitucional p/ DEPEN -

Agente Penitenciário Federal


Profa. Nádia Carolina – Aula 02

AULA 02: Direitos Sociais. Nacionalidade. Direitos


Políticos. Partidos Políticos.

SUMÁRIO PÁGINA
1 – Direitos Sociais 1-21
2 - Nacionalidade 22-32
3 – Direitos Políticos 33-56
4 – Partidos Políticos 57-62
5 - Lista de questões 63-71
6 - Gabarito 72-74

Direitos Sociais

I. As Gerações dos Direitos e Garantias Fundamentais

Iniciaremos nossos comentários com a classificação dos direitos e


garantias fundamentais. Esses direitos, segundo a doutrina, se dividem em:

 Direitos de primeira geração: relacionam-se com a liberdade, visando à


proteção dos indivíduos perante o Estado. São as chamadas liberdades-
negativas, por limitarem o poder estatal. Fazem parte desses direitos a
liberdade de expressão, a liberdade de consciência e o direito à propriedade
privada, dentre outros. Também incluem os direitos políticos, que permitem ao
indivíduo participar da vontade do Estado.
 Direitos de segunda geração: relacionam-se com o ideal de igualdade.
São os direitos sociais, culturais e econômicos bem como os direitos coletivos
ou de coletividade. Em regra, exigem do Estado prestações sociais, como
saúde, educação, trabalho, previdência social, entre outras. A liberdade, aqui,
aparece de forma positiva, em que se exige do Estado uma ação perante os
indivíduos.
 Direitos de terceira geração: estão associados ao princípio da
fraternidade. Incluem o direito ao desenvolvimento, à paz, ao meio
ambiente, à propriedade sobre o patrimônio comum da humanidade e à
comunicação.

Parte da doutrina considera, ainda, a existência de direitos de quarta


geração. Esses incluiriam: o direito à democracia, o direito à informação e o
direito ao pluralismo. Desses direitos dependeria a concretização de uma
“civitas máxima”, uma sociedade sem fronteiras e universal.

Os direitos sociais, como vimos, pertencem à segunda geração. Por esse


motivo, exigem do Estado prestações positivas. Veja como isso foi cobrado
pelo Cespe:

1 (Cespe/2012/TER-RJ) As normas que tratam de direitos sociais


são de eficácia limitada, ou seja, de aplicabilidade mediata, já que,
para que se efetivem de maneira adequada, se devem cumprir

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
exigências como prestações positivas por parte do Estado, gastos
orçamentários e mediação do legislador.

Comentários:

De fato, as normas que tratam de direitos sociais são de eficácia limitada e


aplicabilidade mediata. Questão correta.

II. Conceito

Dando continuidade à nossa aula, que tal lermos juntos o art. 6º da


Constituição?

Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a


alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a
previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a
assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.

Esse artigo trata dos direitos sociais, que são prestações positivas
(ações) realizadas pelo Estado para melhorar a qualidade de vida dos
hipossuficientes, ou seja, dos mais necessitados. Segundo Alexandre de
Moraes, esses direitos constituem normas de ordem pública, com a
característica de imperativas, sendo invioláveis, portanto, pela vontade das
partes da relação trabalhista.

A alimentação foi incluída no rol de direitos sociais pela Emenda


Constitucional no 64/2010. O objetivo dessa inclusão foi o fortalecimento das
políticas públicas de segurança alimentar, em consonância com vários tratados
internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Vejamos como isso foi cobrado em prova:

2 (Cespe/2012/TRE-RJ) A alimentação tem, no ordenamento


jurídico nacional, o estatuto de direito fundamental, o que obriga o
Estado a garantir a segurança alimentar de toda a população.

Comentários:

De fato, trata-se de direito fundamental, conforme dispõe o art. 6º da


Constituição Federal. Questão correta.

III. O Papel do Judiciário na Proteção dos Direitos Sociais

Os direitos sociais são indispensáveis para que a realização da dignidade


da pessoa humana. Assim, o “mínimo existencial” referente a cada um desses
direitos deve ser objeto de proteção judicial.

Nesse sentido, entende o STF que “embora inquestionável que resida,


primariamente, nos Poderes Legislativo e Executivo, a prerrogativa de formular
e executar políticas públicas, revela-se possível, no entanto, ao Poder

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Judiciário, ainda que em bases excepcionais, determinar, especialmente nas
hipóteses de políticas públicas definidas pela própria Constituição, sejam estas
implementadas, sempre que os órgãos estatais competentes, por
descumprirem os encargos político-jurídicos que sobre eles incidem em caráter
impositivo, vierem a comprometer, com a sua omissão, a eficácia e a
integridade de direitos sociais e culturais impregnados de estatura
constitucional. (...)A intervenção do Poder Judiciário, em tema de
implementação de políticas governamentais previstas e determinadas no
texto constitucional, notadamente na área da educação infantil, objetiva
neutralizar os efeitos lesivos e perversos, que, provocados pela omissão
estatal, nada mais traduzem senão inaceitável insulto a direitos básicos que a
própria Constituição da República assegura à generalidade das pessoas.”1

IV. Os Direitos Sociais e a Reserva do Possível

A teoria da reserva do possível serve para determinar os limites em que


o Estado deixa de ser obrigado a dar efetividade aos direitos sociais. Segundo
ela, a efetivação dos direitos sociais encontra dois limites: a suficiência de
recursos públicos e a previsão orçamentária da respectiva despesa.

Assim, trata-se de uma teoria que afasta a aptidão do Poder Judiciário de


intervir na garantia da efetivação de direitos sociais. Para que esse limite à
ação do Judiciário seja válido, entretanto, é necessária a comprovação da
ausência de recursos orçamentários suficientes para a implementação da ação
estatal.

É importante destacar que a reserva do possível tem sido


paulatinamente abandonada pelo STF, em seus julgados. A Corte Suprema,
quando da análise de situações em que o Estado descumpriu uma obrigação de
efetivar uma prestação positiva, tem exigido, para fazer uso da reserva do
possível, não só a confirmação da inexistência de recursos, mas também a
denominada exaustão orçamentária.

E o que é exaustão orçamentária? É a situação em que inexistem


recursos suficientes para que a Administração cumpra determinada decisão
judicial. É a famosa “falta de verbas”.

3 (Cespe/2010/DPU) Os direitos sociais são exemplos típicos de


direitos de 2.ª geração.

1
STF, ARE 639337 SP, DJe-177 DIVULG 14-09-2011 PUBLIC 15-09-2011
EMENT VOL-02587-01 PP-00125
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Comentários:

Os direitos sociais, como dissemos, são exemplos de direitos de segunda


geração, relacionando-se com o ideal de igualdade. Questão correta.

4 (Cespe/2010/DPU) Os direitos sociais são exemplos de


liberdades negativas.

Comentários:

Os direitos sociais são exemplos de liberdades positivas, pois exigem do


Estado uma ação em prol dos indivíduos. Questão incorreta.

5 (Cespe/2012/TRE-RJ) Entre os direitos sociais garantidos na CF


se incluem o direito à alimentação e o direito ao trabalho.

Comentários:

É o que dispõe o art. 6º da Constituição Federal. Questão correta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

V. O Art. 7º da Constituição Federal

No art. 7º da Constituição, são enumerados os direitos sociais individuais


dos trabalhadores. Leia-o atentamente, pois ele costuma ser cobrado em sua
literalidade.

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além


de outros que visem à melhoria de sua condição social:

Note que a Constituição, no caput do art. 7º, equipara os direitos do


trabalhador rural aos do trabalhador urbano.

I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária


ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que
preverá indenização compensatória, dentre outros direitos;

Segundo o ADCT (Ato das Disposições Constitucionais Transitórias), art.


10, até a promulgação dessa lei complementar essa indenização ficará restrita
a 40% sobre os depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS),
realizados em favor do empregado. Além disso, ficará vedada a dispensa
arbitrária ou sem justa causa:

 Do empregado eleito para cargo de direção de comissões internas de


prevenção de acidentes, desde o registro de sua candidatura até um ano
após o final de seu mandato;

 Da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco


meses após o parto.

Questão de prova:

6 (Cespe/2010/Abin) Para aprovação de lei que preveja


indenização compensatória como meio de proteção contra a
despedida arbitrária ou sem justa causa, exige-se quórum de votação
de maioria simples, conforme determina a CF.

Comentários:

Segundo a Constituição, a regulamentação da despedida arbitrária ou sem


justa causa cabe à lei complementar, que preverá indenização
compensatória, dentre outros direitos (art. 7o, I, CF). Questão incorreta.

II - seguro-desemprego, em caso de desemprego


involuntário;

Note que o seguro-desemprego só é devido no caso de desemprego


involuntário.

III - fundo de garantia do tempo de serviço;

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Destaca-se, no que se refere a esse inciso, que o FGTS não é direito dos
servidores públicos estatutários.

IV - salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente


unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais
básicas e às de sua família com moradia, alimentação,
educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e
previdência social, com reajustes periódicos que lhe
preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação
para qualquer fim;

Observe que o salário mínimo é fixado em lei formal, é único em todo o


território nacional e não pode sofrer vinculação, ou seja, servir como
indexador, para qualquer fim. Essa vedação à vinculação, assim como a
garantia de reajustes periódicos, visa a resguardar o seu poder aquisitivo.

V - piso salarial proporcional à extensão e à complexidade


do trabalho;

VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em


convenção ou acordo coletivo;

Ressalta-se, quanto a esse dispositivo, que há uma hipótese excepcional


em que é possível a redução do salário: a determinação dessa medida em
convenção ou acordo coletivo. Essa flexibilidade se deve ao fato de que muitas
vezes é mais benéfico para uma categoria aceitar uma redução salarial (numa
crise econômica, por exemplo), que arcar com um grande aumento do
desemprego.

Questão de prova:

7 (Cespe/2012/TRE-RJ) A CF garante ao trabalhador a


irredutibilidade salarial, o que impede que o empregador diminua, por
ato unilateral ou por acordo individual, o valor do salário do
trabalhador. A redução salarial só será possível se estiver prevista em
convenção ou acordo coletivo.

Comentários:

É o que determina o art. 7º, VI, da Constituição. Questão correta.

VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os


que percebem remuneração variável;

VIII - décimo terceiro salário com base na remuneração


integral ou no valor da aposentadoria;

IX - remuneração do trabalho noturno superior à do


diurno;

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime
sua retenção dolosa;

XI - participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da


remuneração, e, excepcionalmente, participação na
gestão da empresa, conforme definido em lei;

XII - salário-família pago em razão do dependente do


trabalhador de baixa renda nos termos da lei;

Note que o benefício do salário-família só é devido ao trabalhador de


baixa renda, em razão de seu dependente (filho menor, por exemplo), sendo
os critérios para seu recebimento definidos em lei formal.

XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas


diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a
compensação de horários e a redução da jornada,
mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho;

A regra é a prestação de trabalho por até 8 horas diárias e 44 semanais.


Caso haja necessidade de maior dedicação ao labor, haverá pagamento de
hora-extra, nos termos do inciso XVI, que veremos a seguir. Também pode,
excepcionalmente, haver redução da jornada de trabalho, mediante acordo ou
convenção coletiva.

XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em


turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação
coletiva;

O trabalho prestado em turnos ininterruptos de revezamento é


aquele prestado por trabalhadores que se revezam nos postos de trabalho nos
horários diurno e noturno, com freqüência diária, semanal ou mensal. Nesse
caso, devido ao grande desgaste para a saúde do trabalhador, a Constituição
prevê uma jornada de seis horas. Note que esta poderá, excepcionalmente, ser
aumentada, em caso de negociação coletiva

XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos


domingos;

Atente para a palavra preferencialmente. Não há obrigação de


concessão desse repouso no domingo: ele pode acontecer em qualquer outro
dia da semana.

XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no


mínimo, em cinquenta por cento à do normal;

Note a expressão no mínimo. Uma questão de concurso que disser que


essa remuneração é necessariamente 50% superior à do serviço normal estará
errada.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos,
um terço a mais do que o salário normal;

Da mesma forma que no inciso superior, a Constituição estabelece um


piso para o adicional de férias. Este poderá ser maior.

XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do


salário, com a duração de cento e vinte dias;

XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei;

A licença-paternidade é benefício que até hoje não foi regulamentado


pela legislação infraconstitucional, continuando em vigor o mandamento
previsto no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT).
Entretanto, o ADCT, em seu art. 10, § 1º, determina que "até que lei venha a
disciplinar o disposto no art. 7º, XIX da Constituição, o prazo da licença-
parternidade a que se refere o inciso é de cinco dias".

XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante


incentivos específicos, nos termos da lei;

XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no


mínimo de trinta dias, nos termos da lei;

Veja que o aviso prévio poderá ser maior que 30 dias. A Constituição
apenas estabelece um limite mínimo para esse direito.

XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de


normas de saúde, higiene e segurança;

XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas,


insalubres ou perigosas, na forma da lei;

XXIV - aposentadoria;

XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o


nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-
escolas;

Atente para o limite de 5 anos. Ele tem sido bastante cobrado nos
concursos.

XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos de


trabalho;

XXVII - proteção em face da automação, na forma da lei;

XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do


empregador, sem excluir a indenização a que este está
obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa;

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Observe que, mesmo pagando seguro contra acidentes de trabalho, o
empregador continua sujeito à indenização caso estes ocorram. Entretanto, é
necessário que haja dolo ou culpa.

XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de


trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os
trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos
após a extinção do contrato de trabalho;

Esse inciso precisa ser analisado com atenção. Inicialmente, verifique


que, tanto para o trabalhador urbano quanto para o rural, há possibilidade de
se requererem créditos relativos aos últimos cinco anos do contrato de
trabalho. Entretanto, desfeito o vínculo laboral, o trabalhador terá apenas dois
anos para reclamar tais créditos na Justiça. Nesse caso, entretanto, a cada dia
de inércia, perderá um dia de direito. Se entrar com uma ação trabalhista no
último dia do prazo de dois anos, só poderá reaver os créditos referentes aos
três últimos anos do contrato de trabalho, por exemplo.

XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de


funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade,
cor ou estado civil;

XXXI - proibição de qualquer discriminação no tocante a


salário e critérios de admissão do trabalhador portador de
deficiência;

XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual,


técnico e intelectual ou entre os profissionais
respectivos;

XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou


insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a
menores de dezesseis anos, salvo na condição de
aprendiz, a partir de quatorze anos;

“Dissecando-se” o artigo, temos que:

 A idade mínima para se trabalhar é aos dezesseis anos;

 Há, entretanto, uma exceção a esse limite mínimo de idade: pode-se


trabalhar a partir dos quatorze anos de idade, na condição de aprendiz;

 Os menores de dezoito anos jamais poderão exercer trabalho noturno,


perigoso ou insalubre.

XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com


vínculo empregatício permanente e o trabalhador
avulso.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Esse dispositivo tem importância imensa quando do estudo da
Seguridade Social. Por enquanto, apenas memorize-o.

O parágrafo único do art. 7º da Constituição sofreu importantes


modificações no ano de 2013, por meio de emenda constitucional que
assegurou importantes direitos trabalhistas aos empregados domésticos. Veja:

Parágrafo único. São assegurados à categoria dos


trabalhadores domésticos os direitos previstos nos incisos IV,
VI, VII, VIII, X, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII,
XXIV, XXVI, XXX, XXXI e XXXIII e, atendidas as condições
estabelecidas em lei e observada a simplificação do
cumprimento das obrigações tributárias, principais e
acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas
peculiaridades, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e
XXVIII, bem como a sua integração à previdência social.

Na tabela abaixo, relaciono todos os direitos dos domésticos e destaco,


em negrito, tudo aquilo que resulta de previsão da EC no 72/2013:

Salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz


de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua
família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer,
vestuário, higiene, transporte e previdência social, com
reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo,
sendo vedada sua vinculação para qualquer fim.

Irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou


acordo coletivo.

Garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os


Direitos do que percebem remuneração variável (direito assegurado
doméstico após a EC no 72/2013).

Proteção do salário na forma da lei, constituindo crime


sua retenção dolosa (direito assegurado após a EC no
72/2013).

Décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou


no valor da aposentadoria.

Duração do trabalho normal não superior a oito horas


diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a
compensação de horários e a redução da jornada,
mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho
(direito assegurado após a EC no 72/2013).

Repouso semanal remunerado, preferencialmente aos


domingos.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

Remuneração do serviço extraordinário superior, no


mínimo, em cinquenta por cento à do normal (direito
assegurado após a EC no 72/2013).

Gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço


a mais do que o salário normal.

Licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com


a duração de cento e vinte dias.

Licença-paternidade, nos termos fixados em lei.

Aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no


mínimo de trinta dias, nos termos da lei.

Redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de


normas de saúde, higiene e segurança (direito
assegurado após a EC no 72/2013).

Aposentadoria.

Reconhecimento das convenções e acordos coletivos de


trabalho (direito assegurado após a EC no 72/2013).

Proibição de diferença de salários, de exercício de


funções e de critério de admissão por motivo de sexo,
idade, cor ou estado civil (direito assegurado após a EC
no 72/2013).

Proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e


critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência
(direito assegurado após a EC no 72/2013).

Proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a


menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de
dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir
de quatorze anos (direito assegurado após a EC no
72/2013).

Integração à previdência social.

Relação de emprego protegida contra despedida


arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei
complementar, que preverá indenização compensatória,
dentre outros direitos (direito assegurado após a EC no
72/2013).

Seguro-desemprego, em caso de desemprego


o
involuntário (direito assegurado após a EC n 72/2013).

Fundo de garantia do tempo de serviço (direito

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
assegurado após a EC no 72/2013).

Remuneração do trabalho noturno superior à do diurno (direito


assegurado após a EC no 72/2013).

Salário-família pago em razão do dependente do


trabalhador de baixa renda nos termos da lei (direito
assegurado após a EC no 72/2013).

Assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o


nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e
pré-escolas (direito assegurado após a EC no 72/2013).

Seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do


empregador, sem excluir a indenização a que este está
obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa (direito
assegurado após a EC no 72/2013).

Outro ponto importante é que alguns dos direitos previstos pela EC n o


72/2013 precisam de regulamentação para que possam ser usufruídos. São
eles:

 Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa


causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização
compensatória, dentre outros direitos;
 Seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;
 Fundo de garantia do tempo de serviço;
 Remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;
 Salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa
renda nos termos da lei;
 Assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5
(cinco) anos de idade em creches e pré-escolas;
 Seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem
excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou
culpa.

Não custa sistematizar tudo isso em outra tabela, para melhor


compreensão:

Direitos assegurados aos Direitos assegurados aos domésticos pela PEC


domésticos por normas no 72/2013
originárias da Constituição
De exercício imediato:
 Salário mínimo, fixado
em lei, nacionalmente  Garantia de salário, nunca inferior ao mínimo,
unificado, capaz de atender a para os que percebem remuneração variável;
suas necessidades vitais  Proteção do salário na forma da lei,
básicas e às de sua família constituindo crime sua retenção dolosa;
com moradia, alimentação,  Duração do trabalho normal não superior a oito
educação, saúde, lazer, horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada
a compensação de horários e a redução da jornada,

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
vestuário, higiene, transporte mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho;
e previdência social, com  Remuneração do serviço extraordinário
reajustes periódicos que lhe superior, no mínimo, em cinquenta por cento à do
normal;
preservem o poder aquisitivo,
 Redução dos riscos inerentes ao trabalho, por
sendo vedada sua vinculação meio de normas de saúde, higiene e segurança;
para qualquer fim;  Reconhecimento das convenções e acordos
 Irredutibilidade do coletivos de trabalho;
salário, salvo o disposto em  Proibição de diferença de salários, de exercício
convenção ou acordo coletivo; de funções e de critério de admissão por motivo de
 Décimo terceiro salário sexo, idade, cor ou estado civil;
 Proibição de qualquer discriminação no tocante
com base na remuneração
a salário e critérios de admissão do trabalhador
integral ou no valor da portador de deficiência;
aposentadoria;  Proibição de trabalho noturno, perigoso ou
 Repouso semanal insalubre a menores de dezoito e de qualquer
remunerado, trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na
preferencialmente aos condição de aprendiz, a partir de quatorze anos.
domingos; Direitos de exercício condicionado à obediência
à regulamentação legal
 Gozo de férias anuais
remuneradas com, pelo  Relação de emprego protegida contra
menos, um terço a mais do despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos
que o salário normal; de lei complementar, que preverá indenização
 Licença à gestante, sem compensatória, dentre outros direitos;
prejuízo do emprego e do  Seguro-desemprego, em caso de desemprego
salário, com a duração de involuntário;
 Fundo de garantia do tempo de serviço;
cento e vinte dias;
 Remuneração do trabalho noturno superior à
 Licença-paternidade, do diurno;
nos termos fixados em lei;  Salário-família pago em razão do dependente
 Aviso prévio do trabalhador de baixa renda nos termos da lei;
proporcional ao tempo de  Assistência gratuita aos filhos e dependentes
serviço, sendo no mínimo de desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em
creches e pré-escolas;
trinta dias, nos termos da lei;
 Seguro contra acidentes de trabalho, a cargo
 Aposentadoria;
do empregador, sem excluir a indenização a que este
 Integração à está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa.
previdência social.

Como poucos direitos listados nos incisos do art. 7º da Constituição


ficaram “de fora”, ou seja, poucos não foram atribuídos aos domésticos, acho
interessante lista-los abaixo, para que você não caia em eventuais
“pegadinhas” de prova:

 Piso salarial proporcional à extensão


e à complexidade do trabalho;
Direitos que não foram,  Participação nos lucros, ou resultados,
atribuídos, pela CF/88, desvinculada da remuneração, e,
aos domésticos excepcionalmente, participação na
gestão da empresa, conforme definido
em lei;
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
 Jornada de seis horas para o trabalho
realizado em turnos ininterruptos de
revezamento, salvo negociação coletiva;
 Proteção do mercado de trabalho da
mulher, mediante incentivos
específicos, nos termos da lei;
 Adicional de remuneração para as
atividades penosas, insalubres ou
perigosas, na forma da lei;
 Proteção em face da automação, na
forma da lei;
 Ação, quanto aos créditos
resultantes das relações de trabalho,
com prazo prescricional de cinco
anos para os trabalhadores urbanos
e rurais, até o limite de dois anos
após a extinção do contrato de
trabalho;
 Proibição de distinção entre trabalho
manual, técnico e intelectual ou
entre os profissionais respectivos;
 igualdade de direitos entre o trabalhador
com vínculo empregatício permanente e
o trabalhador avulso.

Obviamente, alguns desses direitos não foram previstos para o


doméstico pelas próprias características do trabalho. Não faria sentido, por
exemplo, prever uma “participação nos lucros”, já que não trabalham em uma
pessoa jurídica. De todo modo, peço que preste atenção na lista acima, com
destaque para aquilo que deixei em negrito, combinado?

Apesar dessa aparente falta de isonomia, é importante que você atente


para um detalhe: a Constituição Federal prevê, sim, a igualdade de direitos
entre domésticos e demais trabalhadores, urbanos e rurais. Nos termos da PEC
no 72/2013, diz-se que esta “altera a redação do parágrafo único do art. 7º da
Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas
entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos
e rurais”.

Resolvamos, agora, algumas questões...

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
8 (Cespe/2012/TJ-AC) Os direitos sociais elencados no texto
constitucional são integralmente assegurados aos trabalhadores
urbanos, rurais e domésticos.

Comentários:

Nem todos os direitos assegurados aos trabalhadores urbanos e rurais


são assegurados aos domésticos. Apenas aqueles previstos no parágrafo único
do art. 7º o são. Questão incorreta.

9 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) Ao trabalhador doméstico


são garantidos todos os direitos previstos no art. 7º da CF.

Comentários:

Questão praticamente idêntica à anterior. Nem todos os direitos


assegurados aos trabalhadores urbanos e rurais são assegurados aos
domésticos. Apenas aqueles previstos no parágrafo único do art. 7º o são.
Questão incorreta.

10 (Cespe/2010/Prefeitura de Boa Vista) Tanto o trabalhador


urbano quanto o trabalhador rural têm direito a assistência gratuita
para seus filhos e dependentes, em creches e pré-escolas até
determinada idade.

Comentários:

Segundo o art. 7º, XXV, da Constituição, é assegurado aos trabalhadores


urbanos e rurais a assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o
nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-escolas. Questão
correta.

11 (Cespe/2010/TRE-MT) A CF assegura ao trabalhador assistência


gratuita aos seus filhos e dependentes desde o nascimento até seis
anos de idade em creches e pré-escolas.

Comentários:

Cuidado com a “pegadinha”! De acordo com o art. 7º, XXV, da


Constituição, é assegurado aos trabalhadores urbanos e rurais a assistência
gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de
idade em creches e pré-escolas. Questão incorreta.

12 (Cespe/2010/TRE-MT) A licença-paternidade é benefício que até


hoje não foi regulamentado pela legislação infraconstitucional,
continuando em vigor o mandamento previsto no Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias, que fixou o prazo de sete dias corridos
para sua concessão.

Comentários:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
A licença-paternidade é benefício que até hoje não foi regulamentado
pela legislação infraconstitucional, continuando em vigor o mandamento
previsto no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT).
Entretanto, o ADCT, em seu art. 10, § 1º, determina que "até que lei venha a
disciplinar o disposto no art. 7º, XIX da Constituição, o prazo da licença-
paternidade a que se refere o inciso é de cinco dias". Questão incorreta.

13 (Cespe/2010/TRE-MT) A CF elevou o décimo terceiro salário a


nível constitucional, colocando-o na base da remuneração integral,
para o trabalhador na ativa, e do valor da aposentadoria, para o
aposentado.

Comentários:

De fato, a Constituição garante aos trabalhadores urbanos e rurais o


décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da
aposentadoria (art. 7º, VIII, CF). Questão correta.

14 (Cespe/2010/TRE-MT) O salário mínimo pode ser fixado tanto


por lei em sentido formal quanto por decreto legislativo, com vigência
em todo o território nacional, que consubstancia a participação do
Congresso Nacional na definição do montante devido à
contraprestação de um serviço.

Comentários:

Nada disso! De acordo com o art. 7º, IV, da Constituição Federal, o


salário-mínimo deverá ser fixado somente em lei. Questão incorreta.

15 (Cespe/2009/TCE-RN) A CF insere, entre os direitos dos


trabalhadores urbanos e rurais, a igualdade de direitos entre o
trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador
avulso.

Comentários:

É o que se observa no art. 7º, XXXIV, da Carta Magna. Questão correta.

16 (Cespe/2009/TRE-MG) Não constitui direito social dos


trabalhadores urbanos e rurais a garantia de salário, nunca inferior ao
mínimo, para os que percebem remuneração variável.

Comentários:

A Constituição assegura, sim, a trabalhadores urbanos e rurais a


garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem
remuneração variável (art. 7º, VII, CF). Questão incorreta.

17 (Cespe/2009/TRE-MG) Não constitui direito social dos


trabalhadores urbanos e rurais o seguro contra acidentes de trabalho,

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
a cargo do empregador, excluindo-se a indenização a que este está
obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa.

Comentários:

Segundo a Constituição da República, é direito dos trabalhadores


urbanos e rurais o seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do
empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando
incorrer em dolo ou culpa; (art. 7º, XXVIII). Portanto, a previsão do
enunciado, de fato, não constitui direito social dos trabalhadores urbanos e
rurais. Questão correta.

18 (Cespe/2009/TRE-MG) Não constitui direito social dos


trabalhadores urbanos e rurais a irredutibilidade do salário, salvo o
disposto em convenção ou acordo coletivo.

Comentários:

A Constituição assegura, sim, aos trabalhadores urbanos e rurais, a


irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo
(art. 7º, VI, CF). Questão incorreta.

19 (Cespe/2009/Banco Central) É direito social dos trabalhadores


urbanos e rurais a jornada de sete horas para o trabalho realizado em
turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva.

Comentários:

Cuidado com a “pegadinha”! A Constituição Federal assegura aos


trabalhadores urbanos e rurais jornada de seis horas para o trabalho realizado
em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva (art. 7º,
XIV, CF). Questão incorreta.

20 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) A CF assegura


expressamente a igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo
empregatício permanente e o trabalhador avulso.

Comentários:

É o que está previsto no art. 7º, XXXIV, da Constituição. Questão


correta.

21 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) O direito de ação, quanto a


créditos resultantes das relações de trabalho, prescreve em cinco anos
após a extinção do contrato de trabalho, para os trabalhadores
urbanos, e em dois anos, para os trabalhadores rurais.

Comentários:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Segundo o art. 7º, XXIX, da Constituição, o prazo prescricional é de
cinco anos tanto para trabalhadores urbanos quanto para rurais, até o limite
de dois anos após a extinção do contrato de trabalho. Questão incorreta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
VI. Direitos sociais coletivos dos trabalhadores

Em seus arts. 8º a 11, a Constituição enumera vários direitos coletivos


dos trabalhadores. Que tal lermos esses dispositivos juntos, fazendo os
apontamentos necessários para gabaritar as questões de prova a eles
referentes?

Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado


o seguinte:

I - a lei não poderá exigir autorização do Estado para a


fundação de sindicato, ressalvado o registro no órgão
competente, vedadas ao Poder Público a interferência e
a intervenção na organização sindical;

Note que esse dispositivo estabelece que a fundação de sindicato


independe de autorização (nem lei poderá exigir isso), mas que é necessário
registro no órgão competente. Veda, também, a interferência do Poder Público
nos sindicatos, fortalecendo a liberdade sindical.

II - é vedada a criação de mais de uma organização


sindical, em qualquer grau, representativa de categoria
profissional ou econômica, na mesma base territorial, que será
definida pelos trabalhadores ou empregadores interessados,
não podendo ser inferior à área de um Município;

Tem-se, aqui, a defesa da unicidade da organização sindical. Assim,


não podem coexistir mais de um sindicato da mesma categoria profissional
(trabalhadores) ou econômica (empregadores), dentro de uma idêntica base
territorial. Em caso de conflito, a solução dar-se-á pela anterioridade, ou seja,
a categoria será representada ela entidade que primeiro realizou seu registro
no órgão competente.

Questão de prova:

22 (Cespe/2012/TJ-AC) Em decorrência do princípio da unicidade


sindical, é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em
qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econômica,
na mesma base territorial, que não pode ser inferior à área de um
município.

Comentários:

É o que determina o art. 8º, inciso II, da Constituição. Questão correta.

III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses


coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões
judiciais ou administrativas;

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Destaca-se que o STF, com base nos incisos acima, entende que o
sindicato pode atuar na defesa de todos os direitos individuais e coletivos dos
integrantes da categoria que representa. Exemplo: o sindicato dos Auditores
da Receita Federal poderá atuar na defesa judicial ou administrativa de um
único membro acusado de acesso imotivado aos sistemas do órgão.

IV - a assembleia geral fixará a contribuição que, em se


tratando de categoria profissional, será descontada em folha,
para custeio do sistema confederativo da representação
sindical respectiva, independentemente da contribuição
prevista em lei;

A contribuição confederativa possui caráter facultativo e seus


valores são fixados em assembleia pelos filiados da entidade associativa,
enquanto que a contribuição sindical é exigida de todos os integrantes da
categoria econômica ou profissional, independentemente de serem
sindicalizados ou não, orientando-se pelos princípios estabelecidos no Direito
Tributário. Trata-se de tributo fixado no artigo 149 da Constituição Federal,
de cobrança compulsória2.

Para melhor fixação das duas possíveis contribuições a serem fixadas por
sindicato, veja o quadro abaixo:

Contribuição confederativa Contribuição sindical


• É facultativa; • É obrigatória;
• Fixada pela assembleia geral • Fixada em lei;
• Natureza de tributo

V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a


sindicato;

VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas


negociações coletivas de trabalho;

VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser votado


nas organizações sindicais;

VIII - é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a


partir do registro da candidatura a cargo de direção ou
representação sindical e, se eleito, ainda que suplente,
até um ano após o final do mandato, salvo se cometer
falta grave nos termos da lei.

Atente para os prazos. Caso um membro do sindicato se candidate a


cargo de direção ou representação sindical, não poderá ser dispensado a partir
do registro de sua candidatura. Se eleito (mesmo suplente), não poderá ser

2
STF, RE 534829 MT, DJe-158, 24/08/2009.
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
dispensado até um ano depois de findo o mandato, exceto se cometer falta
grave, nos termos da lei.

Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-se à


organização de sindicatos rurais e de colônias de pescadores,
atendidas as condições que a lei estabelecer.

Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos


trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo
e sobre os interesses que devam por meio dele
defender.

§ 1º - A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e


disporá sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da
comunidade.

§ 2º - Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às penas


da lei.

O art. 9º da CF assegura aos trabalhadores o direito de greve.


Entretanto, determina que tal direito não é absoluto, uma vez que as
necessidades inadiáveis da comunidade deverão ser atendidas e aqueles que
abusarem do direito ficarão sujeitos a penas fixadas em lei.

Art. 10. É assegurada a participação dos trabalhadores e


empregadores nos colegiados dos órgãos públicos em que
seus interesses profissionais ou previdenciários sejam objeto
de discussão e deliberação.

Art. 11. Nas empresas de mais de duzentos empregados, é


assegurada a eleição de um representante destes com a
finalidade exclusiva de promover-lhes o entendimento direto
com os empregadores.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Nacionalidade

Os arts. 12 e 13 da Constituição, de que trataremos a seguir,


relacionam-se à nacionalidade.

“E o que é nacionalidade, professora?”

É o vínculo jurídico e político existente entre a pessoa (nacional) e a


nação. Esta, por sua vez, é o grupo humano fixado em um território cujos
membros se sentem parte de uma unidade (apresentam consciência de sua
nacionalidade), tendo em comum laços históricos, culturais, econômicos e
linguísticos.

Há dois tipos de nacionalidade: a primária (originária) e a secundária


(adquirida). A primeira resulta do nascimento, sendo estabelecida por critérios
sanguíneos ou territoriais. Já a segunda depende de ato volitivo (da vontade),
praticado depois do nascimento (em regra, pela naturalização).

Como dissemos, a nacionalidade primária pode ser estabelecida tanto


pela origem sanguínea da pessoa (“ius sanguinis”) quanto pela origem
territorial (“ius soli”). Pelo primeiro critério, é nacional todo aquele filho de
nacionais, independentemente de onde tenha nascido. Já pelo segundo, é
nacional quem nasce no território do Estado que o adota, independentemente
da origem sanguínea dos seus pais.

NASCIMENTO

PRIMÁRIA
(ORIGINÁRIA)
“IUS SOLI” (REGRA)
OU “IUS SANGUINIS”
NACIONALIDADE (EXCEÇÃO)

SECUNDÁRIA
(ADQUIRIDA OU ATO VOLITIVO
DERIVADA)

A Constituição Brasileira, como você verá a seguir, adotou em regra o


“ius soli”. Há, entretanto, exceções, nas quais predomina o “ius sanguinis”.

Vamos à análise do art. 12 da CF?

No inciso I do artigo 12, tem-se as hipóteses de aquisição originária da


nacionalidade. Tente memorizá-las, caro (a) aluno (a), pois são cobradas nos
concursos em sua literalidade.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Art. 12. São brasileiros:

I - natos:

a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de


pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço
de seu país;

Veja que a Constituição adota, nessa hipótese, o critério “ius soli”,


considerando nato qualquer pessoa nascida em território nacional, mesmo que
de pais estrangeiros. Entretanto, há uma exceção: se o nascido no Brasil for
filho de estrangeiros a serviço de seu país, não será brasileiro nato.

b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe


brasileira, desde que qualquer deles esteja a serviço da
República Federativa do Brasil;

Adota-se, nessa hipótese, o “ius sanguinis”, com um requisito


adicional: o fato de qualquer um dos pais (ou ambos) estar a serviço da
República Federativa do Brasil, o que significa qualquer serviço prestado por
órgão ou entidade da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos
Municípios.

Questão de prova:

23 (Cespe/2012/TJ-RR) Suponha que Jean tenha nascido na França


quando sua mãe, diplomata brasileira de carreira, morava naquele
país em razão de missão oficial. Nessa hipótese, segundo a CF, Jean
será automaticamente considerado brasileiro naturalizado, com todos
os direitos e deveres previstos no ordenamento jurídico brasileiro.

Comentários:

Nesse caso, Jean será automaticamente considerado brasileiro nato, com


base no art. 12, I, “b”, da Constituição Federal. Questão incorreta.

c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe


brasileira, desde que sejam registrados em repartição
brasileira competente ou venham a residir na República
Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois
de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira;

Nessa alínea “c” do inciso I, verifica-se a existência de duas


possibilidades distintas de aquisição de nacionalidade daquele que tem pai ou
mãe brasileira:

 Registro em repartição brasileira competente;

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
 Residência no território brasileiro e, uma vez adquirida a maioridade, a
opção expressa pela nacionalidade brasileira. É a chamada nacionalidade
potestativa, por depender da vontade da pessoa.

“Puxa, Nádia! E se o menor filho de pai ou mãe brasileira (ou ambos)


vier a residir no Brasil? Não será brasileiro nato não?”

Excelente pergunta! Nesse caso, o menor será considerado, sim,


brasileiro nato. Entretanto, a aquisição definitiva de sua nacionalidade
dependerá de sua manifestação após a maioridade. Uma vez esta tendo sido
atingida, a opção passa a ser condição suspensiva da nacionalidade brasileira.
Entenda que, sendo condição suspensiva, a opção pela nacionalidade
brasileira paralisa os efeitos desta até sua implementação.

Questão de prova:

24 (Cespe/2013/TRF 2ª Região) Com a Emenda Constitucional n.º


54/2007, passaram a ser considerados brasileiros natos os nascidos
no estrangeiro, de pai e mãe brasileiros, desde que sejam registrados
em repartição brasileira competente ou venham a residir no Brasil
após atingir a maioridade.

Comentários:

Não basta vir a residir no Brasil após a maturidade. É necessário que haja a
opção expressa pela nacionalidade brasileira. Questão incorreta.

Dando continuidade à análise do art. 12, que tal verificarmos as


condições para a aquisição secundária da nacionalidade? Observe que esta
sempre se dará por manifestação do interessado (ou seja, sempre será
expressa), mediante naturalização.

Art. 12. São brasileiros:


(...)
II - naturalizados:
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade
brasileira, exigidas aos originários de países de língua
portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e
idoneidade moral;

Tem-se, aqui, a naturalização ordinária, concedida aos estrangeiros


que cumpram os requisitos descritos em lei. No caso daqueles originários de
países de língua portuguesa, o processo de naturalização é facilitado, sendo
apenas exigidos dois requisitos: residência no Brasil por um ano ininterrupto
e idoneidade moral. Entretanto, o mero cumprimento dos requisitos não
assegura ao estrangeiro a nacionalidade brasileira. A concessão desta é ato
discricionário do Chefe do Poder Executivo, ou seja, depende de uma análise
quanto à conveniência e à oportunidade por parte deste.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na
República Federativa do Brasil há mais de quinze anos
ininterruptos e sem condenação penal, desde que
requeiram a nacionalidade brasileira.

Nessa alínea, há previsão da naturalização extraordinária, que


depende de três requisitos:

 Residência ininterrupta no Brasil por mais de quinze anos;


 Ausência de condenação penal;
 Requerimento do interessado.

Ao contrário do que ocorre na naturalização ordinária, o interessado tem


direito subjetivo à nacionalidade brasileira. Portanto, esta não pode ser
negada pelo Chefe do Executivo.

Por fim, é importante destacar entendimento do STF no sentido de que


não se revela possível, em nosso sistema jurídico-constitucional, a aquisição
da nacionalidade brasileira jure matrimonii, vale dizer, como efeito direto e
imediato resultante do casamento civil”3. Isso porque tal hipótese não foi
contemplada pela Constituição.

Esquematizando:

Os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de


pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de
seu país (critério “ius soli”)
Os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe
brasileira, desde que qualquer deles esteja a serviço da
Brasileiros República Federativa do Brasil (critério “ius sanguinis”)
natos Os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe
brasileira, desde que sejam registrados em repartição
brasileira competente ou venham a residir na República
Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois
de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira
(nacionalidade potestativa)
Os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade
brasileira, exigidas aos originários de países de língua
portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e
idoneidade moral (naturalização ordinária – concessão
ato discricionário do Presidente da República)
Brasileiros
Os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na
naturalizados
República Federativa do Brasil há mais de quinze anos
ininterruptos e sem condenação penal, desde que
requeiram a nacionalidade brasileira (naturalização
extraordinária – concessão é direito subjetivo do
interessado)

3
Ext 1.121, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 18-12-2009, Plenário, DJE de 25-6-2010.
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Questão de prova:

25 (Cespe/2013/TRF 2ª Região) Serão considerados brasileiros


naturalizados os estrangeiros de qualquer nacionalidade residentes no
Brasil há mais de quinze anos ininterruptos, mas, com relação aos
originários de países de língua portuguesa, a CF prevê somente que
tenham residência permanente no país como condição para adquirir a
nacionalidade brasileira.

Comentários:

A Constituição Federal prevê que serão considerados brasileiros naturalizados


os estrangeiros de qualquer nacionalidade residentes no Brasil há mais de
quinze anos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade
brasileira. Não basta, portanto, ter residido no nosso país por mais de quinze
anos para adquirir a nacionalidade brasileira. Também no caso de originários
de países de língua portuguesa, não basta a residência permanente no Brasil
por um ano ininterrupto (prazo mínimo que o enunciado nem mencionou!).
Exige-se, também, idoneidade moral. Questão incorreta.

§ 1º Aos portugueses com residência permanente no País,


se houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão
atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos
previstos nesta Constituição.

Não temos, no parágrafo acima, uma hipótese de naturalização: o


português residente no Brasil continuará sendo português. O que se tem é
uma previsão de se estender, a ele, os direitos inerentes ao brasileiro
naturalizado, se atendidas duas condições: reciprocidade no ordenamento
jurídico português e residência permanente no Brasil.

§ 2º A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros


natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta
Constituição.

Só a Constituição pode estabelecer distinção entre brasileiros natos e


naturalizados, jamais a lei! Uma dessas distinções diz respeito à ocupação de
alguns cargos, conforme veremos a seguir.

§ 3º São privativos de brasileiro nato os cargos:


I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
III - de Presidente do Senado Federal;
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;
V - da carreira diplomática;
VI - de oficial das Forças Armadas;
VII - de Ministro de Estado da Defesa.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Essa lista é taxativa, caro (a) aluno (a)! Quem não está na lista não
precisa ser brasileiro nato para assumir o cargo.

Como decorar a lista? Achando a lógica dela! Vamos à explicação...

O legislador constituinte buscou assegurar que Presidente da República


fosse brasileiro nato para garantir a soberania nacional. Ou seja, para garantir
que o Chefe do Executivo não usaria o cargo para servir a interesses de outros
Estados. Para isso, também só permitiu a brasileiros natos o acesso a cargos
que podem suceder o Presidente: Vice-Presidente da República, Presidente da
Câmara dos Deputados, Presidente do Senado Federal e Ministro do Supremo
Tribunal Federal.

Também em nome da defesa da soberania nacional, nosso constituinte


restringiu o acesso à carreira diplomática. Isso porque o diplomata representa
o Brasil em outros Estados, e poderia mais facilmente sucumbir aos interesses
destes se fosse naturalizado. Seria difícil para um argentino naturalizado
brasileiro celebrar um tratado que favorecesse o Brasil em detrimento da
Argentina, por exemplo.

A explicação para o acesso somente de brasileiros natos aos dois últimos


cargos é ainda mais óbvia! Somente o nato pode ser oficial das Forças
Armadas ou Ministro do Estado da Defesa. Isso para diminuir o risco de os
ocupantes desses cargos favorecerem qualquer outra nação em caso de
guerra. Imagine as Forças Armadas pedirem a um naturalizado que
bombardeie a terra em que nasceu! Dificilmente a ordem seria acatada, não é
mesmo? E o Ministro da Defesa? Como planejaria usar as Forças Armadas
brasileiras contra seus próprios conterrâneos? Seu julgamento certamente
ficaria comprometido, com graves danos à segurança do Brasil...

Vejamos como isso tem sido cobrado em prova:

26 (Cespe/2012/TJ-AC) O cargo de ministro de Estado das Relações


Exteriores e o de ministro da Defesa são privativos de brasileiros
natos.

Comentários:

O cargo de Ministro das Relações Exteriores não é privativo de brasileiro nato.


Questão incorreta.

27 (Cespe/2013/TRE-MS) O brasileiro naturalizado não pode


ocupar o cargo de deputado federal, privativo de brasileiro nato.

Comentários:

O cargo de deputado federal não é privativo de brasileiro nato. Segundo o §


3º do art. 12 da Constituição, são privativos de brasileiro nato os cargos:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
 De Presidente e Vice-Presidente da República;
 De Presidente da Câmara dos Deputados;
 De Presidente do Senado Federal;
 De Ministro do Supremo Tribunal Federal;
 Da carreira diplomática;
 De oficial das Forças Armadas;
 De Ministro de Estado da Defesa.

Questão incorreta.

Agora que já sabemos tudo sobre a aquisição da nacionalidade, que tal


analisarmos as hipóteses em que esta pode ser perdida?

4º - Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro


que:
I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial,
em virtude de atividade nociva ao interesse nacional;
II - adquirir outra nacionalidade, salvo no casos:
a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei
estrangeira;
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira,
ao brasileiro residente em estado estrangeiro, como
condição para permanência em seu território ou para o
exercício de direitos civis;

Verifica-se que a perda da nacionalidade pode se dar por sentença


judicial (se for praticada atividade nociva ao interesse nacional) ou por
aquisição de outra nacionalidade. Entretanto, no último caso, a nacionalidade
brasileira não será perdida se for reconhecida pela lei estrangeira ou se a
naturalização for condição imposta pela lei estrangeira para que o brasileiro
possa permanecer no território estrangeiro ou lá exercer direitos civis. Nessas
hipóteses excepcionais, o indivíduo terá dupla nacionalidade: a brasileira e a
estrangeira.

A perda da nacionalidade tem caráter personalíssimo. Não se estende a


ascendentes ou descendentes, limitando-se à pessoa em questão. Veja como
isso já foi cobrado em prova:

28 (Cespe/2012/TRE-RJ) Os efeitos jurídicos de sentença


transitada em julgado que trate da perda da nacionalidade brasileira
não são personalíssimos, podendo-se estender, portanto, a terceiros.

Comentários:

Os efeitos jurídicos da perda de nacionalidade são, sim, personalíssimos. Não


se estendem a terceiros. Questão incorreta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Só para cobrirmos qualquer surpresa na prova, peço que leia o art. 13,
transcrito a seguir:

Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República


Federativa do Brasil.
§ 1º - São símbolos da República Federativa do Brasil a
bandeira, o hino, as armas e o selo nacionais.
§ 2º - Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
poderão ter símbolos próprios.

29 (Cespe/2010/TRT 21ª Região) Segundo estipula a CF, na parte


em que trata dos direitos de nacionalidade, é privativo de brasileiro
nato o exercício do cargo de ministro de Estado.

Comentários:

Segundo a CF/88. São privativos de brasileiro nato os seguintes cargos:

PRESIDENTE E VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA


DE BRASILEIRO NATO
CARGOS PRIVATIVOS

PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

PRESIDENTE DO SENADO FEDERAL

MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

CARREIRA DIPLOMÁTICA

OFICIAL DAS FORÇAS ARMADAS

MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA

Questão incorreta.

30 (Cespe/2009/MPE-RN) Os cargos de deputado federal e senador


da República são privativos de brasileiros natos.

Comentários:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Nenhum desses cargos consta da lista do art. 12, § 3º, da Constituição.
Portanto, não se trata de cargos privativos de brasileiros natos. Questão
incorreta.

31 (Cespe/2010/MPE-SE) Os estrangeiros originários de países de


língua portuguesa adquirirão a nacionalidade brasileira se mantiverem
residência contínua no território nacional pelo prazo mínimo de quatro
anos, imediatamente anteriores ao pedido de naturalização.

Comentários:

Os estrangeiros originários de países de língua portuguesa adquirem


nacionalidade brasileira cumprida a exigência de residência por um ano
ininterrupto e idoneidade moral (art. 12, II, “a”, CF). Questão incorreta.

32 (Cespe/2010/TCE-BA) Somente o brasileiro naturalizado pode


perder sua nacionalidade em virtude de atividade nociva ao interesse
nacional.

Comentários:

É verdade! Trata-se, nesse caso, de cancelamento de naturalização (art.


12, § 4º, I, CF). Questão correta.

33 (Cespe/2010/TRT 21ª Região) Os nascidos no estrangeiro de pai


brasileiro ou de mãe brasileira somente podem ser considerados
brasileiros natos se, após registrados em repartição brasileira
competente, vierem a residir no Brasil e optarem pela nacionalidade
brasileira.

Comentários:

Reza o art. 12, I, “c”, da Carta Magna, que será considerado brasileiro
nato o nascido no estrangeiro de pai brasileiro ou mãe brasileira se:

 For registrado na repartição brasileira competente OU


 Vier a residir na República Federativa do Brasil e optar, a qualquer
tempo, pela nacionalidade brasileira.

Trata-se, portanto, de duas hipóteses distintas. No segundo primeiro


caso, não há necessidade de o brasileiro nato vir a residir no Brasil e optar pela
nacionalidade brasileira. Questão incorreta.

34 (Cespe/2010/TRE-MT) A legislação infraconstitucional não


poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados,
de modo que, em virtude do princípio da igualdade, as únicas
hipóteses de tratamento diferenciado são as que constam
expressamente do texto constitucional.

Comentários:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
É isso mesmo! De acordo com o § 2º do art. 12 da Constituição, a lei não
poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, salvo nos
casos previstos nesta Constituição. Questão correta.

35 (Cespe/2010/TRE-MT) A naturalização é um direito público


subjetivo que constitui ato administrativo de caráter vinculado, uma
vez que o chefe do Poder Executivo encontra-se obrigado a concedê-la,
desde que sejam atendidos os requisitos legais e constitucionais para
sua obtenção.

Comentários:

Isso só ocorre na naturalização extraordinária (art. 12, II, “b”, CF). A


naturalização ordinária é ato discricionário, comportando análise quanto à sua
conveniência e oportunidade (art. 12, II, “a”, CF). Questão incorreta.

36 (Cespe/2010/TRE-MT) Aos portugueses com residência


permanente no Brasil, se houver reciprocidade em favor de brasileiros,
serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro nato.

Comentários:

Preste atenção neste detalhe: aos portugueses com residência


permanente no Brasil, se houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão
atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro naturalizado (art. 12, § 1º, CF).
Questão incorreta.

37 (Cespe/2009/Banco Central) A perda da nacionalidade brasileira


pode decorrer de ato do ministro da Justiça ou de decisão judicial e
tem como consequência o retorno do indivíduo à situação de
estrangeiro.

Comentários:

A perda da nacionalidade pode se dar por sentença judicial (se for


praticada atividade nociva ao interesse nacional) ou por aquisição de outra
nacionalidade. (art. 12, § 4º, CF). Questão incorreta.

38 (Cespe/2009/OAB) Em nenhuma hipótese, brasileiro nato perde


a nacionalidade brasileira.

Comentários:

É possível que o brasileiro nato perca sua nacionalidade caso adquira


outra nacionalidade, ressalvados os seguintes casos:

 Reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira;


 Imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao brasileiro
residente em estado estrangeiro, como condição para permanência em seu
território ou para o exercício de direitos civis.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 31 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Questão incorreta.

39 (Cespe/2009/ANATEL) Mário, casado com Ângela, é analista


administrativo da ANATEL e esteve a serviço dessa agência em Paris
nos meses de outubro e novembro de 2008, quando, nesse período,
nasceu seu filho Lúcio, em hospital de Brasília. Caso Lúcio tivesse
nascido em Paris, ele não poderia ocupar os cargos de ministro do
Supremo Tribunal Federal e de oficial das Forças Armadas, haja vista
que esses cargos são privativos de nascidos no Brasil.

Comentários:

Ainda que Lúcio tivesse nascido em Paris, seria brasileiro nato, por incidir
na hipótese do art. 12, I, “b”, da Constituição Federal. Por isso, poderá, sim,
ocupar esses cargos, que são privativos de brasileiro nato. Questão incorreta.

40 (Cespe/2010/INSS) O filho do embaixador da China no Brasil,


caso nasça em território nacional, é considerado brasileiro nato.

Comentários:

Veja o que determina a Constituição:

Art. 12. São brasileiros:

I - natos:

a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de


pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço
de seu país;

Como o pai, que é chinês, está a serviço da China, o filho do embaixador


não é brasileiro nato. Questão incorreta.

41 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) As distinções entre


brasileiros natos e naturalizados, além das constantes na CF, devem
ser previstas em lei complementar.

Comentários:

Somente a Constituição pode estabelecer distinção entre brasileiros


natos e naturalizados. Veja o que determina o § 2º do art. 12 da Constituição:

§ 2º A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros


natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta
Constituição.

Questão incorreta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Direitos Políticos

Para iniciarmos nosso estudo sobre os direitos políticos, nada melhor que
defini-los, não é mesmo?

Os direitos políticos são aqueles que garantem a participação no


processo político e nos órgãos governamentais, por meio das diversas formas
de sufrágio: direito de voto, direito à elegibilidade, direito à participação
popular etc.

“Nádia, e o que significa sufrágio? Sempre achei que fosse sinônimo de


voto...”

Não confunda os conceitos, meu aluno (ou minha aluna). O sufrágio é a


capacidade de votar e ser votado, a essência dos direitos políticos. De acordo
com a doutrina, o sufrágio pode ser de dois tipos:

 Universal: quando o direito de votar é concedido a todos os nacionais,


independentemente de condições econômicas, culturais, sociais ou outras
condições especiais;
 Restrito (qualificativo): quando o direito de votar depende do
preenchimento de algumas condições especiais, sendo atribuído a apenas uma
parcela dos nacionais. O sufrágio restrito pode ser censitário, quando
depender do preenchimento de condições econômicas (renda, bens, etc.) ou
capacitário, quando exigir que o indivíduo apresente alguma característica
especial (ser alfabetizado, por exemplo).

O sufrágio apresenta dois aspectos: a capacidade eleitoral ativa e a


capacidade eleitoral passiva.

Capacidade Capacidade
eleitoral eleitoral Sufrágio
ativa passiva

A primeira – ativa - representa o direito de votar e de alistar-se como


eleitor (alistabilidade). A segunda – passiva - compreende o direito de ser
votado e eleger-se para um cargo político (elegibilidade).

Os direitos políticos são, portanto, instrumentos de exercício da


soberania popular, característica dos regimes democráticos. Esses regimes
podem ser de três diferentes espécies:

 Democracia direta: é aquela em que o povo exerce o poder diretamente,


sem intermediários ou representantes;

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
 Democracia representativa ou indireta: é aquela em que o povo elege
representantes4 que, em seu nome, governam o país;
 Democracia semidireta ou participativa: é aquela em que o povo tanto
exerce o poder diretamente quanto por meio de representantes. Trata-se de
um sistema híbrido, com características tanto da democracia direta quanto da
indireta. É adotada no Brasil.

Feitas essas observações, que tal a leitura do art. 14 da Constituição?

Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio


universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para
todos, e, nos termos da lei, mediante:
I - plebiscito;
II - referendo;
III - iniciativa popular.

Como você percebeu, lendo o “caput” desse artigo, nossa Constituição


consagra o sufrágio universal, assegurando o direito de votar a todos os
nacionais, independentemente de qualquer requisito. Além disso, note que os
direitos políticos expressamente consignados na Constituição compreendem o
direito ao sufrágio; o direito ao voto nas eleições, plebiscitos e referendos e o
direito à iniciativa popular de lei.

“O que são plebiscito e referendo, professora?”

Tanto o plebiscito quanto o referendo são formas de consulta ao povo


sobre matéria de grande relevância. A diferença entre esses institutos reside
no momento da consulta. Enquanto no plebiscito a consulta se dá previamente
à edição do ato legislativo ou administrativo, que retratará a decisão popular,
no referendo ela ocorre posteriormente, cabendo ao povo ratificar (confirmar)
ou rejeitar o ato.

Questão de prova:

42 (Cespe/2013/TRE-MS) O plebiscito e o referendo são formas de


exercício indireto da soberania popular. A participação popular, em
ambos os casos, faz-se posteriormente à promulgação da lei.

Comentários:

Trata-se de formas de exercício direto da soberania popular. No referendo,

4
Na representação, o representante exerce um mandato e não fica vinculado à vontade do
povo (mandato livre), diferentemente do que ocorre no mandato imperativo, em que o
representante se vincula à vontade dos representados, sendo apenas um veículo de
transmissão desta. Além disso, ele não representa apenas os seus eleitores, mas toda a
população de um território (mandato geral).

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
faz-se posteriormente à promulgação da lei; no plebiscito, previamente.
Questão incorreta.

i. Capacidade eleitoral ativa

Como vimos, a capacidade eleitoral ativa é aquela que assegura ao


nacional o direito de votar nas eleições, plebiscitos e referendos. Falando nisso,
você sabe a diferença entre plebiscito e referendo?

No Brasil esta é adquirida mediante alistamento eleitoral, a pedido do


interessado. É com o alistamento que se adquire, portanto, a capacidade de
votar.

Questão de prova:

43 (Cespe/2013/TRF 2ª Região/Juiz) No Brasil, o alistamento


eleitoral depende da iniciativa do nacional que preencha os requisitos
constitucionais e legais exigidos, não havendo inscrição de ofício por
parte da autoridade judicial eleitoral.

Comentários:

O alistamento eleitoral, no Brasil, se dá somente a pedido do interessado.


Questão correta.

Além da capacidade de votar, a qualidade de eleitor dá, ao nacional, a


condição de cidadão, tornando-o apto a exercer vários direitos políticos, mas
nem todos. Para fruir de todos os direitos políticos, é necessário o
preenchimento de outras condições. Assim, com o alistamento o cidadão
garante seu direito de votar, mas não o de ser votado, uma vez que o
alistamento é apenas uma das condições da elegibilidade.

Art. 14, §1º - O alistamento eleitoral e o voto são:


I - obrigatórios para os maiores de dezoito anos;
II - facultativos para:
a) os analfabetos;
b) os maiores de setenta anos;
c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.

Memorize isto: o alistamento eleitoral e o voto são obrigatórios para os


maiores de 18 anos e facultativos para os analfabetos, os maiores de 70 anos
e aqueles entre 16 e 18 anos. E a quem é vedado o alistamento? A resposta é
dada pelo art. 14, §2º da CF:

§ 2º - Não podem alistar-se como eleitores os estrangeiros


e, durante o período do serviço militar obrigatório, os
conscritos.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
No que concerne ao art. 14, § 1º, I, da Carta Magna, destaca-se a
posição do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) acerca da obrigatoriedade do voto
dos portadores de deficiência grave, cuja natureza e situação impossibilite ou
torne extremamente oneroso o exercício de suas obrigações eleitorais. Nesse
sentido, a Corte observou a existência de “lacuna”, e não, silêncio, da
Constituição. Assinalou que o legislador constitucional, ao facultar o voto aos
maiores de setenta anos, certamente atentou para as prováveis limitações
físicas decorrentes de sua idade.

Nesse sentido, o Tribunal Superior Eleitoral apontou que pessoas com


deficiências graves, como os tetraplégicos e os deficientes visuais inabilitados
para a leitura em braile, por exemplo, poderiam se encontrar em situação até
mais onerosa que a dos idosos. Assim, o próprio art. 5º, § 2º, da Constituição
Federal autorizaria a interpretação que legitimava a extensão do direito
reconhecido aos idosos e aos portadores de deficiência grave. Com esses
fundamentos, expediu-se a Resolução no 21.920/2004, que eximiu de sanção
“pessoa portadora de deficiência que torne impossível ou demasiadamente
oneroso o cumprimento das obrigações eleitorais, relativamente ao
alistamento e ao exercício do voto”.

Outra questão relevante analisada pelo TSE, que deu origem à Resolução
o
n 20.806/2001 diz respeito à exigência de comprovação de quitação do
serviço militar para fins de alistamento dos indígenas. Constatando lacuna na
legislação, o Tribunal considerou que somente os índios integrados (excluídos
os isolados e os em via de integração) seriam obrigados a tal comprovação.

No que se refere ao § 2º do art. 14 da CF/88, como você viu, o


alistamento é vedado aos estrangeiros e aos conscritos. Para seu melhor
entendimento (e memorização), esclareço que conscrito é, em linhas gerais, o
brasileiro que compõe a classe de nascidos entre 1º de janeiro e 31 de
dezembro de um mesmo ano, chamada para a seleção, tendo em vista a
prestação do serviço militar inicial obrigatório. Além disso, o TSE considera
conscritos os médicos, dentistas, farmacêuticos e veterinários que prestam
serviço militar obrigatório.5

Esquematizando:

5
Resolução do TSE no 15.850/89.
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

ALISTAMENTO E
VOTO • PARA MAIORES DE 18 ANOS
OBRIGATÓRIOS

• PARA ANALFABETOS;
ALISTAMENTO E
VOTO • MAIORES DE SETENTA ANOS;
FACULTATIVOS • MAIORES DE DEZESSEIS E MENORES DE
DEZOITO ANOS.

• PARA OS ESTRANGEIROS
ALISTAMENTO E
VOTO VEDADOS • DURANTE O SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO,
PARA OS CONSCRITOS.

44 (Cespe/2010/TRE-BA) A participação indireta do povo no poder


ocorre com a representação. Nesta, o representante exerce um
mandato e não fica vinculado à vontade dos representados. Além
disso, o eleito não representa apenas os seus eleitores, mas toda a
população de um território. Desse modo, o mandato é considerado
livre e geral.

Comentários:

É isso mesmo! O mandato é considerado livre porque o representante


tem total liberdade, não estando vinculado à vontade do eleitor. Esse tipo de
mandato se contrapõe ao mandato imperativo, em que o representante se
vincula à vontade do representado. Além disso, é considerado geral porque o
representante representa todo o povo, não só quem o elegeu. Questão correta.

45 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) É vedado aos estrangeiros, ainda


que naturalizados brasileiros, o alistamento como eleitores.

Comentários:

Os estrangeiros naturalizados brasileiros têm, sim, direito ao alistamento


como eleitores. Questão incorreta.

46 (Cespe/2009/TRE-MA) Em conformidade com a CF, é obrigatório


o voto para uma brasileira, analfabeta, que tenha 67 anos de idade no
dia da eleição.

Comentários:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
O alistamento e o voto são facultativos para os analfabetos. Questão
incorreta.

47 (Cespe/2009/TRE-MG) Os estrangeiros podem alistar-se como


eleitores.

Comentários:

Os estrangeiros, por força do art. 14, § 2º, da Constituição Federal, não


podem se alistar como eleitores. Questão incorreta.

48 (Cespe/2009/TRE-MG) Não são alistáveis os brasileiros


conscritos, durante o serviço militar obrigatório, e os policiais
militares.

Comentários:

Reza a Constituição que não podem alistar-se como eleitores os


estrangeiros e, durante o período do serviço militar obrigatório, os conscritos
(art. 14, § 1º). Essa vedação não se estende aos policiais militares. Questão
incorreta.

49 (Cespe/2010/Abin) A soberania popular é exercida, em regra,


por meio da democracia representativa. A Constituição Federal
brasileira consagra, também, a democracia participativa ao prever
instrumentos de participação intensa e efetiva do cidadão nas decisões
governamentais.

Comentários:

De fato, alguns autores consideram nossa forma de democracia como


sendo participativa, uma vez que prevê mecanismos de participação efetiva do
cidadão nas decisões do governo. É o caso do orçamento participativo, por
exemplo. Questão correta.

50 (Cespe/2011/TRE-ES) O “status” de cidadão tem duas


dimensões: a ativa, que se traduz pela capacidade de exercício do
sufrágio, e a passiva, traduzida pela legitimação para acesso a cargos
públicos.

Comentários:

De fato, segundo a doutrina, o direito ao sufrágio se expressa de dois


modos:

 Capacidade eleitoral ativa: direito de votar;


 Capacidade eleitoral passiva: direito de ser votado (acesso a cargos
públicos).

Questão correta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 38 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
ii. Capacidade eleitoral passiva

A capacidade eleitoral passiva está relacionada ao direito de ser votado, de


ser eleito (elegibilidade). Obviamente, a condição de eleitor (alistabilidade) é
fundamental para que alguém seja elegível. Entretanto, outros requisitos
necessitam ser cumpridos. Esquematizando:

Eleitores

Elegíveis

Para que alguém possa concorrer a um mandato eletivo, é necessário o


cumprimento de algumas condições de elegibilidade e a não incidência
em qualquer das inelegibilidades, que são impedimentos à capacidade
eleitoral passiva.

Quais as condições de elegibilidade? Vejamos o que traz o §3º do art. 14


da CF:

§ 3º - São condições de elegibilidade, na forma da lei:

I - a nacionalidade brasileira;

II - o pleno exercício dos direitos políticos;

III - o alistamento eleitoral;

IV - o domicílio eleitoral na circunscrição;

V - a filiação partidária;

VI - a idade mínima de:

a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da


República e Senador;

b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de


Estado e do Distrito Federal;

c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado


Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
d) dezoito anos para Vereador.

Algumas observações. No inciso I, verifica-se que uma das condições de


elegibilidade é a nacionalidade brasileira. Destaca-se, entretanto, que a
condição de português equiparado equivale à nacionalidade brasileira,
tornando seu detentor elegível. Memorize bem o parágrafo acima, pois ele é
bastante cobrado em provas, em sua literalidade.

Esquematizando:

NACIONALIDADE BRASILEIRA

PLENO EXERCÍCIO DOS DIREITOS


ELEGIBILIDADE

POLÍTICOS
CONDIÇÕES DE

ALISTAMENTO ELEITORAL

DOMICÍLIO ELEITORAL NA
CIRCUNSCRIÇÃO

FILIAÇÃO PARTIDÁRIA

IDADE MÍNIMA

Questões de prova:

51 (Cespe/2013/TRE-MS) A atual CF permite candidaturas avulsas


para a presidência da República, facultando aos candidatos dirigirem-
se diretamente aos eleitores sem a necessidade de filiação partidária.

Comentários:

A filiação partidária é uma das condições de elegibilidade (art. 14, § 3º, CF). O
ordenamento jurídico brasileiro não permite candidaturas avulsas. Questão
incorreta.

52 (Cespe/2013/TRE-MS) Uma das condições para concorrer em


pleitos eleitorais é o prévio alistamento eleitoral.

Comentários:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

É o que dispõe o art. 14, § 3º, da Constituição. Questão correta.

53 (Cespe/2013/TRE-MS) É condição de elegibilidade a idade


mínima de trinta e cinco anos para o cargo de governador de estado.

Comentários:

A idade mínima para o exercício do cargo de Governador de Estado é de trinta


anos (art. 14, § 3º, VI, “b”, CF). Questão incorreta.

Quem são os inelegíveis? A Constituição estabelece algumas hipóteses


de inelegibilidade (§§ 4º ao 7º, art. 14, CF), mas elas não são exaustivas
(“numerus clausus”). Isso porque a Carta Magna expressamente autoriza que
lei complementar estabeleça outras hipóteses de inelegibilidade (CF, art. 14,
§9º).

Algumas inelegibilidades estabelecidas pela Constituição são absolutas


(impedem que se concorra em qualquer eleição, a qualquer cargo eletivo).
Destaca-se que só a Constituição pode estabelecer tais inelegibilidades. Outras
são relativas, restritas a alguns cargos eletivos, em virtude de situações
especiais.

O §4º do art. 14 estabelece inelegibilidades absolutas, como se pode ver


a seguir:

§ 4º - São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos.

Veja que os analfabetos, apesar de poderem votar, não podem ser


votados. E que, entre os inalistáveis, temos os estrangeiros e os conscritos,
durante o período do serviço militar obrigatório.

Questão de prova:

54 (Cespe/2013/TRE-MS) Os analfabetos são inelegíveis.

Comentários:

É o que determina o art. 14, § 4º, da Constituição Federal. Questão correta.

Já o §5º do art. 14 traz uma hipótese de inelegibilidade relativa por


motivos funcionais:

§ 5º O Presidente da República, os Governadores de Estado


e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver
sucedido, ou substituído no curso dos mandatos poderão
ser reeleitos para um único período subsequente.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Observe que a expressão “para um único período subsequente” veda a
reeleição para um terceiro mandato sucessivo. Se o terceiro mandato vier
alternado com o mandato de outra pessoa, entretanto, não há vedação.

Nesse sentido, entende o STF que cidadão que já exerceu dois mandatos
consecutivos de prefeito, ou seja, foi eleito e reeleito, fica inelegível para um
terceiro mandato, ainda que seja em município diferente. Veda-se, com isso, a
figura do “prefeito itinerante”, que exerce mais de dois mandatos consecutivos
em municípios distintos. De acordo com o Plenário, tendo em vista a segurança
jurídica, esse entendimento deve ser aplicado a partir das eleições de 2012 e,
portanto, não pode retroagir para alcançar o mandato de quem foi eleito dessa
forma nas eleições municipais anteriores6.

Destaca-se, ainda, que não se exige a desincompatibilização do Chefe do


Executivo candidato à reeleição. Isso significa que ele não precisa renunciar ou
se afastar do cargo para candidatar-se à reeleição.

Outra observação é que o Vice-Presidente da República, o Vice-


Governador e os Vice-Prefeitos poderão, também, ser eleitos para os mesmos
cargos, por um único período subsequente. Também poderão se candidatar, na
eleição subsequente, ao cargo do titular, mesmo que o tenham substituído no
curso do mandato.

Já quando o Chefe do Executivo concorre a outros cargos, a regra é


diversa. Há, nesse caso, necessidade de desincompatibilização. Se o Presidente
da República, o Governador de Estado e o Prefeito não renunciarem a seus
mandatos até seis meses antes do pleito, serão inelegíveis.

§ 6º - Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da


República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal
e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos
até seis meses antes do pleito.

Já o Vice-Presidente, o Vice-Governador e o Vice-Prefeito poderão


concorrer normalmente a outros cargos, preservando seus mandatos, desde
que nos seis meses anteriores ao pleito não sucedam ou substituam o titular.

Só para lembrar: a sucessão ocorre quando alguém (geralmente o Vice


do Chefe do Executivo) ocupa o lugar do Chefe do Executivo até o final de seu
mandato, passando a ocupar o seu cargo. É o que acontece se o Presidente da
República renunciar, por exemplo: o Vice-Presidente (em regra) passará a
ocupar o cargo do Chefe do Executivo. Já na substituição, o Vice (ou outra
pessoa) ocupa o cargo do Chefe do Executivo apenas temporariamente. É o
que acontece quando o Presidente da República viaja para o exterior, por
exemplo.

6
RE 637485/RJ, rel. Min. Gilmar Mendes, 1º.8.2012. (RE-637485)

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Em momento futuro, falaremos sobre quais outros cargos, além do Vice,
podem substituir o Chefe do Executivo. Não se preocupe!

Jurisprudência importante para as provas: o STF admite a elegibilidade


de ex-prefeito de município-mãe que, renunciando seis meses antes da
eleição, candidata-se a prefeito do município-filho, desmembrado do
município-mãe. Observe que, nesse caso, a desincompatibilização é
necessária.

§ 7º - São inelegíveis, no território de jurisdição do titular,


o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o
segundo grau ou por adoção, do Presidente da República,
de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal,
de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis
meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato
eletivo e candidato à reeleição.

No §7º do art. 14, temos as causas de inelegibilidade relativa por


motivos de casamento, parentesco ou afinidade. São denominadas
inelegibilidade reflexa, pois o fato de uma pessoa ocupar um cargo reflete
sobre terceiros.

Importante ressaltar que a inelegibilidade reflexa alcança só o território


de jurisdição do titular. Assim, os afetados pela inelegibilidade (cônjuge e
parentes consanguíneos até segundo grau ou por adoção) devido ao cargo de
Prefeito, não poderão candidatar-se a qualquer cargo do Executivo ou
Legislativo dentro do Município; os afetados pelo cargo de Presidente da
República não poderão candidatar-se a qualquer cargo eletivo no país. Essas
regras estendem-se a quem substituir o Chefe do Executivo nos seis meses
anteriores ao pleito eleitoral.

Nem mesmo a dissolução do casamento, quando ocorrida durante o


mandato, afasta a inelegibilidade reflexa. É o que determina o STF na súmula
vinculante 18. Além disso, caso um município seja desmembrado, o parente do
prefeito do município-mãe é afetado pela inelegibilidade reflexa quanto ao
município-filho, não podendo candidatar-se à Prefeitura deste, por exemplo.

Observe, entretanto, que, ao final do §7º do art. 14 da CF, há uma


exceção: “salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição”.
Dessa forma, a inelegibilidade reflexa não é aplicável caso o cônjuge, parente
ou afim já possua mandato eletivo, caso em que poderá candidatar-se à
reeleição, mesmo se ocupar cargo dentro da circunscrição do Chefe do
Executivo.

Destaca-se, aqui, importante entendimento do Tribunal Superior Eleitoral


(TSE). Entende a Corte que se o Chefe do Executivo renunciar seis meses
antes da eleição, seu cônjuge, parentes ou afins até o segundo grau poderão
candidatar-se a todos os cargos eletivos da circunscrição, desde que ele
pudesse concorrer à própria reeleição. Isso é válido para o próprio cargo do
titular.
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
O §8º do art. 14 da Carta Magna trata da condição de militar. Leia-o com
atenção:

§8º - O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes


condições:
I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-
se da atividade;
II - se contar mais de dez anos de serviço será agregado
pela autoridade superior e, se eleito, passará
automaticamente, no ato da diplomação, para a
inatividade.

Observe que o militar, portanto, é alistável e pode ser eleito, devendo


afastar-se da atividade se tiver menos de dez anos de serviço ou sendo
agregado pela autoridade superior (conservando-se ativo até a diplomação) se
tiver mais do que esse tempo de serviço. Entretanto, em seu art. 143, §3º, V,
a Constituição veda a filiação do militar a partido político.

Diante disso, o TSE determinou que, caso o militar venha a candidatar-


se, a ausência de prévia filiação partidária (uma das condições de
elegibilidade) será suprida pelo registro da candidatura apresentada pelo
partido político e autorizada pelo candidato.

Esquematizando:
O MILITAR ALISTÁVEL É ELEGÍVEL
ATENDIDAS AS SEGUINTES

CASO TENHA MENOS DE 10 DEVERÁ AFASTAR-SE DA


ANOS DE SERVIÇO ATIVIDADE.
CONDIÇÕES...

SERÁ AGREGADO PELA


AUTORIDADE SUPERIOR E,
CASO TENHA MAIS DE 10 SE ELEITO, PASSARÁ
ANOS DE SERVIÇO AUTOMATICAMENTE, NO
ATO DA DIPLOMAÇÃO,
PARA A INATIVIDADE.

Como mencionamos anteriormente, a Constituição prevê que lei


complementar nacional poderá criar outras hipóteses de inelegibilidade
relativa. Veja o que dispõe o §9º do art. 14 da CF/88:

§ 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de


inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
proteger a probidade administrativa, a moralidade para
exercício de mandato considerada vida pregressa do
candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições
contra a influência do poder econômico ou o abuso do
exercício de função, cargo ou emprego na administração
direta ou indireta.

Note que eu falei em lei complementar (LC) nacional. Qual a


diferença entre uma LC nacional e uma federal? Guarde isso: a nacional,
abrange todos os entes federados (União, Estados, Distrito Federal e
Municípios). É o caso do Código Penal, por exemplo. Já a federal abrange
somente a União. Exemplo: Lei 8.112/1990, que institui o Regime Jurídico dos
Servidores Públicos Civis da União, das autarquias, inclusive as em regime
especial, e das fundações públicas federais. Obviamente, mesmo na omissão
disso nesse parágrafo, emenda constitucional também pode criar novas
hipóteses de inelegibilidade relativa. Outros atos normativos, jamais!

Releia a parte grifada do §9º do art. 14 da Carta Magna, de


memorização obrigatória.

As inelegibilidades relativas podem ser tanto as previstas pela


Constituição quanto outras, criadas por lei complementar para proteger a
probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada
vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições
contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função,
cargo ou emprego na administração direta ou indireta.

Com base no §9º do art. 14 da Constituição, foi elaborada a LC n o


64/1990, que estabeleceu casos de inelegibilidade e determinou outras
providências. Essa lei sofreu alteração recente pela Lei Complementar no
135/2010, a “Lei da Ficha Limpa”, que previu novas hipóteses de
inelegibilidade.

Os parágrafos seguintes são cobrados em sua literalidade:

§10 - O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a


Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da
diplomação, instruída a ação com provas de abuso do poder
econômico, corrupção ou fraude.
§ 11 - A ação de impugnação de mandato tramitará em
segredo de justiça, respondendo o autor, na forma da lei,
se temerária ou de manifesta má-fé.

O §10 traz um prazo para impugnação do mandato eletivo (15 dias após
a diplomação) e as causas para a ação (abuso do poder econômico, corrupção
ou fraude). O §11 determina que a ação tramitará em segredo de justiça
(exceção à publicidade dos atos processuais) e prevê a punição para o autor
que agir de má-fé.

Questão de prova:
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

55 (Cespe/2013/TRE-MS) A ação de impugnação de mandato


eletivo deverá ser proposta na justiça eleitoral no prazo de quinze
dias da diplomação, independentemente de provas iniciais de abuso
do poder econômico, corrupção ou fraude cometida.

Comentários:

Reza a Constituição (art. 14, § 10) que o mandato eletivo poderá ser
impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da
diplomação, instruída a ação com provas de abuso do poder econômico,
corrupção ou fraude. Questão incorreta.

No art. 15, a Constituição traz as hipóteses de privação dos direitos


políticos. Esta pode dar-se de maneira definitiva (denominando-se PERDA) ou
temporária (suspensão). Importante ressaltar que a Constituição, em
resposta à ditadura que a precedeu, não permite, em nenhuma hipótese, a
cassação dos direitos políticos. Que tal lermos juntos o art. 15?

Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja


perda ou suspensão só se dará nos casos de:
I - cancelamento da naturalização por sentença transitada
em julgado;
II - incapacidade civil absoluta;
III - condenação criminal transitada em julgado, enquanto
durarem seus efeitos;
IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou
prestação alternativa, nos termos do art. 5º, VIII;
V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, §
4º.

Observe que a Constituição não determina expressamente os casos de


perda e os de suspensão dos direitos políticos. Entretanto, segundo a doutrina,
tem-se a perda nos incisos I e IV do art. 15 da CF e suspensão nos demais
incisos.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

CANCELAMENTO DA NATURALIZAÇÃO
POR SENTENÇA TRANSITADA EM
JULGADO
PERDA DOS
DIREITOS
POLÍTICOS RECUSA DE CUMPRIR OBRIGAÇÃO A
TODOS IMPOSTA OU PRESTAÇÃO
ALTERNATIVA, NOS TERMOS DO ART.
5º, VIII.

INCAPACIDADE CIVIL ABSOLUTA

SUSPENSÃO CONDENAÇÃO CRIMINAL TRANSITADA


DOS DIREITOS EM JULGADO, ENQUANTO DURAREM
POLÍTICOS SEUS EFEITOS

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, NOS


TERMOS DO ART. 37, § 4º

A perda dos direitos políticos implica a privação definitiva e permanente


desses direitos. Já a suspensão, resulta na privação provisória dos mesmos.

No caso de condenação criminal transitada em julgado, a suspensão dos


direitos políticos é imediata, implicando imediata perda do mandato eletivo.
Trata-se, segundo o STF, de norma autoaplicável, que independe, para sua
imediata incidência, de qualquer ato de intermediação legislativa. 7

Essa regra referente à perda do mandato, entretanto, não se aplica a


membro do Congresso Nacional. Por determinação do art. 55, § 2º, da CF/88,
a perda do mandato será decidida pela Casa a que pertencer o congressista,
por voto secreto e de maioria absoluta, mediante provocação da respectiva
Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada
ampla defesa.8

No artigo seguinte (art. 16, CF) a Constituição traz o princípio da


anterioridade eleitoral:

Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em


vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição
que ocorra até um ano da data de sua vigência.

7
STF, RMS 22.470-AgR, Rel. Min. Celso de Mello, j. 11.06.96, DJ de 27.09.96.
8
Nesse sentido, entende o STF que da “condenação criminal transitada em julgado, ressalvada
a hipótese do art. 55, § 2º, da Constituição, resulta por si mesma a perda do mandato eletivo
ou do cargo do agente político (RE 418.876, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, j. 30..03.04, DJ
04.06.04). .
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 48 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
O que você deve gravar para a prova? A lei eleitoral tem vigência (“força
de lei”) imediatamente, na data de sua publicação. Entretanto, produz efeitos
apenas em momento futuro: não se aplica à eleição que ocorrer até um ano da
data de sua vigência.

Com base nesse dispositivo, o STF9 afastou a aplicação da “Lei da Ficha


Limpa” às eleições de 2010. Mesmo essa lei tendo entrado em vigor em 2010,
não pôde ser aplicada às eleições realizadas nesse ano.

56 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) Considere que Petrônio tenha sido


eleito e diplomado no cargo de prefeito de certo município no dia
1.º/1/2008. Nessa situação hipotética, o mandato eletivo de Petrônio
poderá ser impugnado ante a justiça eleitoral, no prazo de 15 dias a
contar da diplomação, por meio de ação instruída com provas de abuso
do poder econômico, corrupção ou fraude.

Comentários:

É o que determina o § 10 do art. 15 da CF/88, segundo o qual “o


mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de
quinze dias contados da diplomação, instruída a ação com provas de abuso do
poder econômico, corrupção ou fraude”. Questão correta.

57 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) Suponha que Pedro, deputado


federal pelo estado X, seja filho do atual governador do mesmo estado.
Nessa situação hipotética, Pedro é inelegível para concorrer à
reeleição para um segundo mandato parlamentar pelo referido estado.

Comentários:

De acordo com o § 7º do art. 14, “são inelegíveis, no território de


jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o
segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de
Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja
substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de
mandato eletivo e candidato à reeleição”. Pedro, por já ser deputado federal,
poderá, sim, candidatar-se ao mesmo cargo. Trata-se de uma exceção à
inelegibilidade reflexa. Questão incorreta.

58 (Cespe/2011/TRE-ES) Todos os que sofrem condenação criminal


com trânsito em julgado estão com seus direitos políticos suspensos

9
RE 633703/MG, Rel. Min. Gilmar Mendes, j. 23.03.2011, DJe 18.11.2011.
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 49 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
até que ocorra a extinção da punibilidade, como consequência
automática da sentença condenatória.

Comentários:

É isso mesmo! Trata-se de consequência automática da sentença


condenatória. Questão correta.

59 (Cespe/2010/TCE-BA) A comprovação da improbidade


administrativa, que poderá ser declarada tanto pela via judicial quanto
por processo administrativo, gera a perda dos direitos políticos, que
somente poderão ser readquiridos por meio de ação rescisória.

Comentários:

A comprovação da improbidade administrativa é causa de suspensão,


não de perda dos direitos políticos. Questão incorreta.

60 (Cespe/2010/TRE-BA) Os conscritos, durante o período do


serviço militar obrigatório, são inalistáveis e inelegíveis.

Comentários:

Determina a Constituição que são inelegíveis os inalistáveis (art. 14., §


4º, CF). Como os conscritos, durante o serviço militar obrigatório, são
inalistáveis (art. 14, § 2º, CF), são, por consequência, também inelegíveis.
Questão correta.

61 (Cespe/2007/TJ-DFT) São inelegíveis os inalistáveis.

Comentários:

É o que dispõe a Carta da República em seu art. 14., § 4º, CF. Questão
correta.

62 (Cespe/2000) No Brasil, quem tem capacidade eleitoral passiva


tem, necessariamente, a ativa; todavia, nem todo eleitor é elegível.

Comentários:

De fato, a condição de eleitor (alistabilidade) é fundamental para que


alguém seja elegível. Entretanto, outros requisitos necessitam ser cumpridos:
algumas condições de elegibilidade e a não incidência em qualquer das
inelegibilidades. Questão correta.

63 (Cespe/2000) Todos aqueles que podem votar podem ser


votados.

Comentários:

Como vimos, nem todos os alistáveis são elegíveis. Questão incorreta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 50 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
64 (Cespe/2010/MPE-SE) O militar somente pode ser candidato a
cargo eletivo se possuir mais de dez anos de serviço.

Comentários:

Todos os militares alistáveis são elegíveis. Caso o militar tenha mais de


10 anos de serviço, será agregado pela autoridade superior e, se eleito,
passará automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade. Questão
incorreta.

65 (Cespe/2010/DPU) É elegível o militar com mais de 10 anos de


serviço, desde que seja agregado pela autoridade superior.

Comentários:

Se o militar contar mais de dez anos de serviço, para ser elegível deverá
será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente,
no ato da diplomação, para a inatividade (art. 14, § 8º, CF). Questão correta.

66 (Cespe/2009/TRE-MG) Não é considerado elegível o nacional que


esteja submetido à suspensão ou à perda de direitos políticos.

Comentários:

De fato, nesses casos o nacional não é elegível, uma vez que não está
em pleno exercício de seus direitos políticos, condição de elegibilidade (art. 14,
§ 3º, CF). Questão correta.
O MILITAR ALISTÁVEL É ELEGÍVEL
ATENDIDAS AS SEGUINTES

CASO TENHA MENOS DE 10 DEVERÁ AFASTAR-SE DA


ANOS DE SERVIÇO ATIVIDADE.
CONDIÇÕES...

SERÁ AGREGADO PELA


AUTORIDADE SUPERIOR E,
CASO TENHA MAIS DE 10 SE ELEITO, PASSARÁ
ANOS DE SERVIÇO AUTOMATICAMENTE, NO
ATO DA DIPLOMAÇÃO,
PARA A INATIVIDADE.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 51 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
67 (Cespe/2010/TRE-MT) Caso um cidadão com trinta anos de
idade, militar com oito anos de serviços prestados, pretenda se
candidatar nas próximas eleições, ele deverá ser afastado
temporariamente pela autoridade superior e, se eleito, passará,
automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade.

Comentários:

Nesse caso, como o militar tem menos de 10 anos de serviço, deverá se


afastar da atividade. Questão incorreta.

68 (Cespe/2009/TRE-MA) Caso um brasileiro, militar há 12 anos,


pretenda candidatar-se a deputado estadual nas próximas eleições,
então, para concorrer ao cargo eletivo, a CF exige somente que ele se
afaste da atividade.

Comentários:

Nesse caso, por contar mais de dez anos de serviço, esse militar será
agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no
ato da diplomação, para a inatividade (art. 14, § 8º, II, CF). Não se exige que
ele se afaste da atividade: essa exigência só ocorre para os militares com
menos de dez anos de serviço (art. 14, § 8º, I, CF). Questão incorreta.

69 (Cespe/2009/TCE-ES) A capacidade eleitoral ativa é suficiente


para a aquisição da capacidade eleitoral passiva.

Comentários:

Outrosrequisitos necessitam ser cumpridos para a aquisição da


capacidade eleitoral passiva: algumas condições de elegibilidade e a não
incidência em qualquer das inelegibilidades. Questão incorreta.

70 (Cespe/2009/TCE-ES) São relativamente inelegíveis os


inalistáveis e os analfabetos.

Comentários:

Para os inalistáveis e os analfabetos, a inelegibilidade é absoluta.


Questão incorreta.

71 (Cespe/2009/MPE-RN) Os analfabetos são inalistáveis e


inelegíveis.

Comentários:

De fato, os analfabetos são inelegíveis (art. 14, § 4º, CF). Entretanto,


têm alistamento e voto facultativos (art. 14, § 1º, II, “a”, CF). Questão
incorreta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 52 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
72 (Cespe/2009/TRE-MG) Os analfabetos são alistáveis, razão pela
qual dispõem de capacidade para votar e ser votado.

Comentários:

Os analfabetos são, de fato, alistáveis, podendo votar (art. 14, § 1º, II,
“a”, CF). Entretanto, são inelegíveis, não podendo ser votados (art. 14, § 4º,
CF). Questão incorreta.

73 (Cespe/2010/DPU) A cassação dos direitos políticos é admitida


em casos de crime de responsabilidade, desde que dado o direito de
ampla defesa e contraditório ao indiciado pelo referido crime.

Comentários:

A cassação de direitos políticos é vedada no ordenamento jurídico


brasileiro (art. 15, “caput”, CF). Questão incorreta.

74 (Cespe/2010/MPE-SE) Mesmo que já sejam detentores de


mandato eletivo ou candidatos à reeleição, são absolutamente
inelegíveis o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o
segundo grau ou por adoção, do presidente da República, do
governador de estado, do prefeito ou de quem os haja substituído
dentro dos seis meses anteriores ao pleito.

Comentários:

Nesse caso, o detentor de cargo eletivo candidato à reeleição é, sim,


elegível, por força do art. 14, § 7º, da CF/88. Questão incorreta.

75 (Cespe/2010/MPE-SE) Para concorrer à reeleição, os detentores


de cargos eletivos no Poder Executivo não precisam renunciar ao
mandato.

Comentários:

Apenas para concorrerem a outros cargos, o Presidente da República, os


Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar
aos respectivos mandatos até seis meses antes do pleito (art. 14, § 6º, CF).
Para concorrerem à reeleição, não há tal exigência. Questão correta.

76 (Cespe/2009/TRE-MG) Para concorrerem a outros cargos, o


presidente da República, os governadores de estado e do Distrito
Federal e os prefeitos não precisam renunciar aos respectivos
mandatos antes do pleito.

Comentários:

Nada disso! De acordo com a Constituição, para concorrerem a outros


cargos, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 53 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até seis
meses antes do pleito (art. 14, § 6º, CF). Para concorrerem à reeleição, não há
tal exigência. Questão incorreta.

77 (Cespe/2010/TRE-MT) Um cidadão com dezoito anos de idade,


boliviano naturalizado brasileiro, não pode candidatar-se a vereador
em uma pequena cidade do interior de um estado brasileiro, por faltar-
lhe capacidade eleitoral passiva.

Comentários:

Nesse caso, foram cumpridas as condições para a elegibilidade, uma vez


que houve a naturalização e há pleno exercício dos direitos políticos, por se
tratar de um cidadão. Também o requisito de idade mínima (18 anos) foi
obedecido. Assim, considerando que o enunciado não traz nenhuma condição
de inelegibilidade, deduz-se que esse cidadão é, sim, elegível. Questão
incorreta.

78 (Cespe/2010/TRE-MT) Ao governador de determinado estado da


Federação que pretenda candidatar-se a deputado federal nas
próximas eleições não se exigirá a desincompatibilização do cargo,
visto que se trata de eleição para outro cargo público.

Comentários:

Determina o § 6º do art. 14 da Constituição que para concorrerem a


outros cargos, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do
Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até
seis meses antes do pleito. Exige-se, portanto, a desincompatibilização.
Questão incorreta.

79 (Cespe/2009/MPE-RN) O presidente da República, os


governadores de estado e do DF e os prefeitos, caso desejem
concorrer a outros cargos, devem renunciar aos respectivos mandatos
até seis meses antes do pleito.

Comentários:

É o que determina o 6º do art. 14 da Constituição. Questão correta.

80 (Cespe/2010/TRE-MT) A ação de impugnação de mandato


tramitará em segredo de justiça, devendo o autor responder, na forma
da lei, se temerária ou de manifesta má-fé.

Comentários:

É o que determina o § 11 do art. 14 da Constituição. Questão correta.

81 (Cespe/2010/TRE-MT) A CF proíbe aos militares, enquanto


estiverem em serviço ativo, a filiação a partidos políticos, razão pela

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 54 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
qual os membros das Forças Armadas não podem ser candidatos a
cargo eletivo, salvo se, em qualquer circunstância, afastarem-se
definitivamente da atividade militar que desenvolvem.

Comentários:

O militar pode, sim, se candidatar a cargo eletivo, cumpridas as


condições do § 8º do art. 14 da CF/88. O TSE determinou que, caso o militar
venha a candidatar-se, a ausência de prévia filiação partidária (uma das
condições de elegibilidade) será suprida pelo registro da candidatura
apresentada pelo partido político e autorizada pelo candidato. Questão
incorreta.

82 (Cespe/2009/TCE-ES) A condenação criminal com trânsito em


julgado configura hipótese de perda dos direitos políticos.

Comentários:

São hipóteses de perda ou de suspensão dos direitos políticos (art. 15,


CF):

CANCELAMENTO DA NATURALIZAÇÃO
POR SENTENÇA TRANSITADA EM
JULGADO
PERDA DOS
DIREITOS
POLÍTICOS RECUSA DE CUMPRIR OBRIGAÇÃO A
TODOS IMPOSTA OU PRESTAÇÃO
ALTERNATIVA, NOS TERMOS DO ART.
5º, VIII.

INCAPACIDADE CIVIL ABSOLUTA

SUSPENSÃO CONDENAÇÃO CRIMINAL TRANSITADA


DOS DIREITOS EM JULGADO, ENQUANTO DURAREM
POLÍTICOS SEUS EFEITOS

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA,
NOS TERMOS DO ART. 37, § 4º

A condenação criminal transitada em julgado é hipótese de suspensão


dos direitos políticos. Questão incorreta.

83 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) A condenação criminal com trânsito


em julgado ensejará a perda dos direitos políticos do condenado.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 55 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Comentários:

Essa é uma questão recorrente do Cespe. Não custa repetir: a


condenação criminal transitada em julgado é hipótese de suspensão dos
direitos políticos. Questão incorreta.

84 (Cespe/2010/TRE-MT) A lei que alterar o processo eleitoral


entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição
que ocorrer até seis meses antes da data de sua vigência.

Comentários:

Reza o art. 16 da Constituição que a lei que alterar o processo eleitoral


entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que
ocorra até um ano da data de sua vigência. Questão incorreta.

85 (Cespe/2009/TCE-ES) Lei complementar é a única espécie


normativa autorizada pela CF para disciplinar a criação de outros casos
de inelegibilidade relativa, além dos já previstos na própria CF.

Comentários:

É o que determina o art. 14, § 9º, da Constituição. Questão correta.

86 (Cespe/2009/TRE-MA) Se um brasileiro, estudante, tem 20 anos


de idade, milita por determinado partido político e está no pleno
exercício dos seus direitos políticos, então, nesse caso, a CF permite
que ele se candidate a vereador do município do seu domicílio
eleitoral.

Comentários:

Esse brasileiro não incorre em nenhuma inelegibilidade. Tem idade maior


do que a mínima exigida para os vereadores (art. 14, § 3º, VI, “d”, CF) e está
em pleno gozo de seus direitos políticos. Também o fato de ser militar não
impede a candidatura (art. 14, § 8º, CF). Questão correta.

87 (Cespe/2013/TRE-MS) A lei que alterar o processo eleitoral e os


casos de inelegibilidade terá aplicação imediata, por força do princípio
da probidade administrativa.

Comentários:

Reza o art. 16 da Constituição que a lei que alterar o processo eleitoral


entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que
ocorra até um ano da data de sua vigência. Não há, portanto, aplicabilidade
imediata da lei nesse caso. Questão incorreta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 56 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Partidos políticos

Iniciaremos nossa análise pelo conceito de partidos políticos. Trata-se de


associações de pessoas que se unem para alcançar e manter o poder político
por meio das eleições.

A Constituição trata dos partidos políticos em seus art. 17. Vamos à sua
análise.

Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de


partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o
regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos
fundamentais da pessoa humana e observados os seguintes
preceitos:

Veja que é plena a liberdade de criação dos partidos políticos, desde que
resguardados: a soberania nacional (não pode haver partido vinculado a
entidade ou governo estrangeiro), o regime democrático, o pluripartidarismo
(que, afinal, é um dos fundamentos da nossa República) e os direitos
fundamentais da pessoa humana (não pode haver partido nazista ou racista,
por exemplo). A seguir, são listados os preceitos a serem observados pelos
partidos políticos:

I - caráter nacional;

Não pode haver um partido político envolvendo só um Estado-membro


ou município, ou o Distrito Federal. Só poderá ser reconhecido como partido
político aquele que tiver repercussão em todo o país. Isso visa a evitar que
interesses de grupos minoritários tenham legitimidade, em detrimento
daqueles que representam toda a sociedade.

Questão de prova:

88 (Cespe/2013/TRE-MS) A CF autoriza a criação de partido político


de caráter regional, mas condiciona essa criação ao registro dos
estatutos da agremiação política no TRE.

Comentários:

A Constituição Federal apenas permite a criação de partidos políticos de


caráter nacional. Questão incorreta.

II - proibição de recebimento de recursos financeiros de


entidade ou governo estrangeiros ou de subordinação a
estes;

III - prestação de contas à Justiça Eleitoral;

IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 57 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Com o intuito de favorecer a democracia, foi assegurada autonomia aos
partidos políticos no §1º do art. 17, mas exigiu-se que seus estatutos
estabelecessem normas de disciplina e fidelidade partidária. Com o mesmo
objetivo, também foram assegurados aos partidos políticos recursos de fundo
partidário e acesso ao rádio e à televisão (na forma da lei) e foi vedada a
utilização de organização paramilitar pelos mesmos.

No que se refere à proibição de recebimento de recursos estrangeiros,


buscou-se garantir a soberania nacional. Essa proibição visa a impedir que os
interesses da República Federativa do Brasil fiquem subordinados ao capital
estrangeiro.

Por fim, a prestação de contas à Justiça Eleitoral tem como objetivo


impedir a existência de “caixa dois” nos pleitos eleitorais. Com isso, as contas
dos partidos seriam todas submetidas à fiscalização financeira, em prol da
moralidade pública.

§ 1º É assegurada aos partidos políticos autonomia para


definir sua estrutura interna, organização e funcionamento
e para adotar os critérios de escolha e o regime de suas
coligações eleitorais, sem obrigatoriedade de vinculação
entre as candidaturas em âmbito nacional, estadual,
distrital ou municipal, devendo seus estatutos estabelecer
normas de disciplina e fidelidade partidária.

A autonomia partidária assegurada no § 1º do art. 17 visa a impedir


qualquer controle do Estado sobre os partidos políticos, criando uma “área de
reserva estatutária absolutamente indevassável pela ação normativa do Poder
Público, vedando, nesse domínio jurídico, qualquer ensaio de ingerência
legislativa do Poder Estatal (STF, ADI 1.407-MC, DJ de 17.04.2001). Nesse
sentido, garante-se aos partidos a liberdade para estabelecerem normas sobre
seu funcionamento, escolha de seus candidatos, critérios de filiação e
militância e duração do mandato de seus dirigentes. Não pode o legislador
ordinário interferir nessa matéria, que é de competência dos partidos,
observadas as disposições constitucionais.

§ 2º - Os partidos políticos, após adquirirem personalidade


jurídica, na forma da lei civil, registrarão seus estatutos no
Tribunal Superior Eleitoral.

A aquisição de personalidade jurídica dos partidos políticos dar-se-á


conforme as normas do Código Civil (arts. 45 e 985) e da Lei de Registros
Públicos (art. 120). Nesse sentido, a aquisição da personalidade se dá, por
serem os partidos políticos pessoas jurídicas de direito privado, com a
inscrição do ato constitutivo no respectivo registro, averbando-se no
registro todas as alterações por que passar o ato constitutivo. Após o Cartório
de Registros de Títulos e Documentos aferir se os requisitos legais foram
respeitados, resta lavrar o registro dos estatutos do partido político no Tribunal
Superior Eleitoral (TSE) (STF, RE 164.458-AgRg, DJ de 02.06.1995).

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 58 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Veja como isso foi cobrado, em prova recente do Cespe:

89 (Cespe/2013/TRF 2ª Região) Embora se caracterizem como


pessoas jurídicas de direito privado, os partidos políticos só adquirem
personalidade jurídica após o registro de seus estatutos no tribunal
regional eleitoral do estado em que estejam sediados.

Comentários:

A aquisição de personalidade jurídica pelos partidos políticos se dá com a


inscrição do ato constitutivo no respectivo registro. O registro de seus
estatutos no TRE do estado em que sediados é ato posterior a isso. Questão
incorreta.

§ 3º - Os partidos políticos têm direito a recursos do fundo


partidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma
da lei.

No que se refere ao fundo partidário, seu objetivo é garantir o


financiamento das atividades dos partidos políticos. Os recursos desse fundo
são distribuídos pelo TSE aos órgãos nacionais dos partidos (Lei 9.096/95, art.
41, II).

Já o acesso gratuito ao rádio e à TV, conforme se depreende do § 3º do


art. 17, é instituído pelo legislador ordinário, que estabelece anualmente os
critérios de sua utilização. Seu objetivo é “igualizar, por métodos ponderados,
as oportunidades dos candidatos de maior ou menor expressão econômica no
momento de expor ao eleitorado suas propostas” (STF, ADI 956, DJ de
20.04.2001).

§ 4º - É vedada a utilização pelos partidos políticos de


organização paramilitar.

Essa proibição se coaduna com o art. 5º, XVII, CF.

90 (Cespe/2011/TRE-ES) Os partidos políticos adquirem


personalidade jurídica mediante o registro de seus estatutos no
Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Comentários:

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 59 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
A aquisição da personalidade jurídica pelos partidos políticos se dá com a
inscrição do ato constitutivo no respectivo registro. Só depois é lavrado o
registro dos seus estatutos no TSE. Questão incorreta.

91 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) Os partidos políticos adquirem


personalidade jurídica com registro dos seus estatutos no Tribunal
Superior Eleitoral.

Comentários:

A aquisição da personalidade jurídica pelos partidos políticos se dá com a


inscrição do ato constitutivo no respectivo registro. Só depois é lavrado o
registro dos seus estatutos no TSE. Questão incorreta.

92 (Cespe/2010/TRE-MT) Os partidos políticos adquirem


personalidade jurídica na forma da lei civil, devendo, após isso,
registrar seus estatutos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Comentários:

É o que determina o § 2º do art. 17 da Carta Magna. Após o Cartório de


Registros de Títulos e Documentos aferir se os requisitos legais foram
respeitados, resta lavrar o registro dos estatutos do partido político no Tribunal
Superior Eleitoral (TSE). Questão correta.

93 (Cespe/2009/MPE-RN) Os partidos políticos não são dotados de


personalidade jurídica, porém seus estatutos devem ser registrados no
Tribunal Superior Eleitoral.

Comentários:

Os partidos políticos possuem, sim, personalidade jurídica. Questão


incorreta.

94 (Cespe/2009/OAB) A CF consagra o princípio da liberdade


partidária de modo ilimitado e irrestrito, não admitindo condicionantes
para a criação, fusão, incorporação e extinção dos partidos políticos.

Comentários:

A criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos deverão,


sim, obedecer a condicionantes. São eles a soberania nacional, o regime
democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana
e vários outros preceitos estabelecidos pelo art. 17, incisos, da Constituição.
Questão incorreta.

95 (Cespe/2009/OAB) Os partidos políticos somente adquirem


personalidade jurídica após duplo registro: no registro civil das
pessoas jurídicas e no tribunal regional eleitoral do estado em que
estão sediados.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 60 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Comentários:

A personalidade dos partidos políticos é adquirida na forma da lei civil.


No TSE, ocorre apenas o registro de seus estatutos. Questão incorreta.

96 (Cespe/2009/OAB) Somente os partidos com representação no


Congresso Nacional podem usufruir dos recursos do fundo partidário e
ter acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei.

Comentários:

O § 3º do art. 17 da Constituição estende esse direito a todos os partidos


políticos. Questão incorreta.

97 (Cespe/2002/TJ-AC) Um partido político criado em 1992 e que


defenda interesses de trabalhadores poderá receber recursos
financeiros de governo estrangeiro que tiver representação
diplomática no Brasil.

Comentários:

A Constituição veda o recebimento de recursos financeiros de entidade


ou governo estrangeiros ou de subordinação a estes pelos partidos políticos
(art. 17, II, CF). Questão incorreta.

98 (Cespe/2002/TJ-AC) Os partidos políticos podem se utilizar de


organização paramilitar para definição de suas funções ideológicas e
de sua estrutura interna.

Comentários:

A CF/88 veda a utilização pelos partidos políticos de organização


paramilitar (art. 17, § 4º, CF). Questão incorreta.

99 (Cespe/2002/TJ-AC) Partidos políticos, sejam eles integrantes ou


não da bancada governista, têm acesso gratuito à televisão na forma
da lei.

Comentários:

De fato, esse acesso é garantido pela Constituição em seu art. 17, § 3º.
Questão correta.

100 (Cespe/2002/TJ-AC) Considere a seguinte situação hipotética. O


presidente de um partido político tentou registrar o estatuto da sua
agremiação política no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Acre, onde
recebeu a informação de que tal registro deveria ser feito no Tribunal
Superior Eleitoral (TSE). Nessa situação, foi correta a informação
prestada pelo TRE.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 61 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Comentários:

De fato, o registro do partido político deverá ser feito no TSE, conforme


art. 17, § 2º, CF. Questão correta.

101 (Cespe/2002/TJ-AC) Para a criação de um partido político, deve-


se observar, sempre, o respeito aos direitos fundamentais da pessoa
humana.

Comentários:

É o que determina o art. 17, “caput”, da Constituição. Questão correta.

102 (Cespe/2009/TRE-MG) Os partidos políticos têm autonomia para


a definição de sua estrutura interna, sua organização e seu
funcionamento, bem como para o recebimento de recursos financeiros
de procedência estrangeira.

Comentários:

De fato, os partidos políticos têm autonomia para definir sua estrutura


interna, organização e funcionamento e para adotar os critérios de escolha e o
regime de suas coligações eleitorais (art. 17, § 1º, CF). Entretanto,
diferentemente do que diz o enunciado, é vedado aos partidos políticos o
recebimento de recursos financeiros de entidade ou governo estrangeiros ou
de subordinação a estes (art. 17, II, CF). Questão incorreta.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 62 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Lista de Questões

1 (Cespe/2012/TER-RJ) As normas que tratam de direitos sociais


são de eficácia limitada, ou seja, de aplicabilidade mediata, já que,
para que se efetivem de maneira adequada, se devem cumprir
exigências como prestações positivas por parte do Estado, gastos
orçamentários e mediação do legislador.

2 (Cespe/2012/TRE-RJ) A alimentação tem, no ordenamento


jurídico nacional, o estatuto de direito fundamental, o que obriga o
Estado a garantir a segurança alimentar de toda a população.

3 (Cespe/2010/DPU) Os direitos sociais são exemplos típicos de


direitos de 2.ª geração.

4 (Cespe/2010/DPU) Os direitos sociais são exemplos de


liberdades negativas.

5 (Cespe/2012/TRE-RJ) Entre os direitos sociais garantidos na CF


se incluem o direito à alimentação e o direito ao trabalho.

6 (Cespe/2010/Abin) Para aprovação de lei que preveja


indenização compensatória como meio de proteção contra a despedida
arbitrária ou sem justa causa, exige-se quórum de votação de maioria
simples, conforme determina a CF.

7 (Cespe/2012/TRE-RJ) A CF garante ao trabalhador a


irredutibilidade salarial, o que impede que o empregador diminua, por
ato unilateral ou por acordo individual, o valor do salário do
trabalhador. A redução salarial só será possível se estiver prevista em
convenção ou acordo coletivo.

8 (Cespe/2012/TJ-AC) Os direitos sociais elencados no texto


constitucional são integralmente assegurados aos trabalhadores
urbanos, rurais e domésticos.

9 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) Ao trabalhador doméstico


são garantidos todos os direitos previstos no art. 7º da CF.

10 (Cespe/2010/Prefeitura de Boa Vista) Tanto o trabalhador


urbano quanto o trabalhador rural têm direito a assistência gratuita
para seus filhos e dependentes, em creches e pré-escolas até
determinada idade.

11 (Cespe/2010/TRE-MT) A CF assegura ao trabalhador assistência


gratuita aos seus filhos e dependentes desde o nascimento até seis
anos de idade em creches e pré-escolas.

12 (Cespe/2010/TRE-MT) A licença-paternidade é benefício que até


hoje não foi regulamentado pela legislação infraconstitucional,
continuando em vigor o mandamento previsto no Ato das Disposições

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 63 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
Constitucionais Transitórias, que fixou o prazo de sete dias corridos
para sua concessão.

13 (Cespe/2010/TRE-MT) A CF elevou o décimo terceiro salário a


nível constitucional, colocando-o na base da remuneração integral,
para o trabalhador na ativa, e do valor da aposentadoria, para o
aposentado.

14 (Cespe/2010/TRE-MT) O salário mínimo pode ser fixado tanto


por lei em sentido formal quanto por decreto legislativo, com vigência
em todo o território nacional, que consubstancia a participação do
Congresso Nacional na definição do montante devido à
contraprestação de um serviço.

15 (Cespe/2009/TCE-RN) A CF insere, entre os direitos dos


trabalhadores urbanos e rurais, a igualdade de direitos entre o
trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador
avulso.

16 (Cespe/2009/TRE-MG) Não constitui direito social dos


trabalhadores urbanos e rurais a garantia de salário, nunca inferior ao
mínimo, para os que percebem remuneração variável.

17 (Cespe/2009/TRE-MG) Não constitui direito social dos


trabalhadores urbanos e rurais o seguro contra acidentes de trabalho,
a cargo do empregador, excluindo-se a indenização a que este está
obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa.

18 (Cespe/2009/TRE-MG) Não constitui direito social dos


trabalhadores urbanos e rurais a irredutibilidade do salário, salvo o
disposto em convenção ou acordo coletivo.

19 (Cespe/2009/Banco Central) É direito social dos trabalhadores


urbanos e rurais a jornada de sete horas para o trabalho realizado em
turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva.

20 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) A CF assegura


expressamente a igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo
empregatício permanente e o trabalhador avulso.

21 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) O direito de ação, quanto a


créditos resultantes das relações de trabalho, prescreve em cinco anos
após a extinção do contrato de trabalho, para os trabalhadores
urbanos, e em dois anos, para os trabalhadores rurais.

22 (Cespe/2012/TJ-AC) Em decorrência do princípio da unicidade


sindical, é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em
qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econômica,
na mesma base territorial, que não pode ser inferior à área de um
município.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 64 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
23 (Cespe/2012/TJ-RR) Suponha que Jean tenha nascido na França
quando sua mãe, diplomata brasileira de carreira, morava naquele país
em razão de missão oficial. Nessa hipótese, segundo a CF, Jean será
automaticamente considerado brasileiro naturalizado, com todos os
direitos e deveres previstos no ordenamento jurídico brasileiro.

24 (Cespe/2013/TRF 2ª Região) Com a Emenda Constitucional n.º


54/2007, passaram a ser considerados brasileiros natos os nascidos
no estrangeiro, de pai e mãe brasileiros, desde que sejam registrados
em repartição brasileira competente ou venham a residir no Brasil
após atingir a maioridade.

25 (Cespe/2013/TRF 2ª Região) Serão considerados brasileiros


naturalizados os estrangeiros de qualquer nacionalidade residentes no
Brasil há mais de quinze anos ininterruptos, mas, com relação aos
originários de países de língua portuguesa, a CF prevê somente que
tenham residência permanente no país como condição para adquirir a
nacionalidade brasileira.

26 (Cespe/2012/TJ-AC) O cargo de ministro de Estado das Relações


Exteriores e o de ministro da Defesa são privativos de brasileiros
natos.

27 (Cespe/2013/TRE-MS) O brasileiro naturalizado não pode ocupar


o cargo de deputado federal, privativo de brasileiro nato.

28 (Cespe/2012/TRE-RJ) Os efeitos jurídicos de sentença transitada


em julgado que trate da perda da nacionalidade brasileira não são
personalíssimos, podendo-se estender, portanto, a terceiros.

29 (Cespe/2010/TRT 21ª Região) Segundo estipula a CF, na parte


em que trata dos direitos de nacionalidade, é privativo de brasileiro
nato o exercício do cargo de ministro de Estado.

30 (Cespe/2009/MPE-RN) Os cargos de deputado federal e senador


da República são privativos de brasileiros natos.

31 (Cespe/2010/MPE-SE) Os estrangeiros originários de países de


língua portuguesa adquirirão a nacionalidade brasileira se mantiverem
residência contínua no território nacional pelo prazo mínimo de quatro
anos, imediatamente anteriores ao pedido de naturalização.

32 (Cespe/2010/TCE-BA) Somente o brasileiro naturalizado pode


perder sua nacionalidade em virtude de atividade nociva ao interesse
nacional.

33 (Cespe/2010/TRT 21ª Região) Os nascidos no estrangeiro de pai


brasileiro ou de mãe brasileira somente podem ser considerados
brasileiros natos se, após registrados em repartição brasileira
competente, vierem a residir no Brasil e optarem pela nacionalidade
brasileira.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 65 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
34 (Cespe/2010/TRE-MT) A legislação infraconstitucional não
poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados,
de modo que, em virtude do princípio da igualdade, as únicas
hipóteses de tratamento diferenciado são as que constam
expressamente do texto constitucional.

35 (Cespe/2010/TRE-MT) A naturalização é um direito público


subjetivo que constitui ato administrativo de caráter vinculado, uma
vez que o chefe do Poder Executivo encontra-se obrigado a concedê-la,
desde que sejam atendidos os requisitos legais e constitucionais para
sua obtenção.

36 (Cespe/2010/TRE-MT) Aos portugueses com residência


permanente no Brasil, se houver reciprocidade em favor de brasileiros,
serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro nato.

37 (Cespe/2009/Banco Central) A perda da nacionalidade brasileira


pode decorrer de ato do ministro da Justiça ou de decisão judicial e
tem como consequência o retorno do indivíduo à situação de
estrangeiro.

38 (Cespe/2009/OAB) Em nenhuma hipótese, brasileiro nato perde


a nacionalidade brasileira.

39 (Cespe/2009/ANATEL) Mário, casado com Ângela, é analista


administrativo da ANATEL e esteve a serviço dessa agência em Paris
nos meses de outubro e novembro de 2008, quando, nesse período,
nasceu seu filho Lúcio, em hospital de Brasília. Caso Lúcio tivesse
nascido em Paris, ele não poderia ocupar os cargos de ministro do
Supremo Tribunal Federal e de oficial das Forças Armadas, haja vista
que esses cargos são privativos de nascidos no Brasil.

40 (Cespe/2010/INSS) O filho do embaixador da China no Brasil,


caso nasça em território nacional, é considerado brasileiro nato.

41 (Cespe/2012/Câmara dos Deputados) As distinções entre


brasileiros natos e naturalizados, além das constantes na CF, devem
ser previstas em lei complementar.

42 (Cespe/2013/TRE-MS) O plebiscito e o referendo são formas de


exercício indireto da soberania popular. A participação popular, em
ambos os casos, faz-se posteriormente à promulgação da lei.

43 (Cespe/2013/TRF 2ª Região/Juiz) No Brasil, o alistamento


eleitoral depende da iniciativa do nacional que preencha os requisitos
constitucionais e legais exigidos, não havendo inscrição de ofício por
parte da autoridade judicial eleitoral.

44 (Cespe/2010/TRE-BA) A participação indireta do povo no poder


ocorre com a representação. Nesta, o representante exerce um
mandato e não fica vinculado à vontade dos representados. Além
disso, o eleito não representa apenas os seus eleitores, mas toda a
Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 66 de 74
Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
população de um território. Desse modo, o mandato é considerado
livre e geral.

45 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) É vedado aos estrangeiros, ainda


que naturalizados brasileiros, o alistamento como eleitores.

46 (Cespe/2009/TRE-MA) Em conformidade com a CF, é obrigatório


o voto para uma brasileira, analfabeta, que tenha 67 anos de idade no
dia da eleição.

47 (Cespe/2009/TRE-MG) Os estrangeiros podem alistar-se como


eleitores.

48 (Cespe/2009/TRE-MG) Não são alistáveis os brasileiros


conscritos, durante o serviço militar obrigatório, e os policiais
militares.

49 (Cespe/2010/Abin) A soberania popular é exercida, em regra,


por meio da democracia representativa. A Constituição Federal
brasileira consagra, também, a democracia participativa ao prever
instrumentos de participação intensa e efetiva do cidadão nas decisões
governamentais.

50 (Cespe/2011/TRE-ES) O “status” de cidadão tem duas


dimensões: a ativa, que se traduz pela capacidade de exercício do
sufrágio, e a passiva, traduzida pela legitimação para acesso a cargos
públicos.

51 (Cespe/2013/TRE-MS) A atual CF permite candidaturas avulsas


para a presidência da República, facultando aos candidatos dirigirem-
se diretamente aos eleitores sem a necessidade de filiação partidária.

52 (Cespe/2013/TRE-MS) Uma das condições para concorrer em


pleitos eleitorais é o prévio alistamento eleitoral.

53 (Cespe/2013/TRE-MS) É condição de elegibilidade a idade


mínima de trinta e cinco anos para o cargo de governador de estado.

54 (Cespe/2013/TRE-MS) Os analfabetos são inelegíveis.

55 (Cespe/2013/TRE-MS) A ação de impugnação de mandato eletivo


deverá ser proposta na justiça eleitoral no prazo de quinze dias da
diplomação, independentemente de provas iniciais de abuso do poder
econômico, corrupção ou fraude cometida.

56 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) Considere que Petrônio tenha sido


eleito e diplomado no cargo de prefeito de certo município no dia
1.º/1/2008. Nessa situação hipotética, o mandato eletivo de Petrônio
poderá ser impugnado ante a justiça eleitoral, no prazo de 15 dias a
contar da diplomação, por meio de ação instruída com provas de abuso
do poder econômico, corrupção ou fraude.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 67 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
57 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) Suponha que Pedro, deputado
federal pelo estado X, seja filho do atual governador do mesmo estado.
Nessa situação hipotética, Pedro é inelegível para concorrer à
reeleição para um segundo mandato parlamentar pelo referido estado.

58 (Cespe/2011/TRE-ES) Todos os que sofrem condenação criminal


com trânsito em julgado estão com seus direitos políticos suspensos
até que ocorra a extinção da punibilidade, como consequência
automática da sentença condenatória.

59 (Cespe/2010/TCE-BA) A comprovação da improbidade


administrativa, que poderá ser declarada tanto pela via judicial quanto
por processo administrativo, gera a perda dos direitos políticos, que
somente poderão ser readquiridos por meio de ação rescisória.

60 (Cespe/2010/TRE-BA) Os conscritos, durante o período do


serviço militar obrigatório, são inalistáveis e inelegíveis.

61 (Cespe/2007/TJ-DFT) São inelegíveis os inalistáveis.

62 (Cespe/2000) No Brasil, quem tem capacidade eleitoral passiva


tem, necessariamente, a ativa; todavia, nem todo eleitor é elegível.

63 (Cespe/2000) Todos aqueles que podem votar podem ser


votados.

64 (Cespe/2010/MPE-SE) O militar somente pode ser candidato a


cargo eletivo se possuir mais de dez anos de serviço.

65 (Cespe/2010/DPU) É elegível o militar com mais de 10 anos de


serviço, desde que seja agregado pela autoridade superior.

66 (Cespe/2009/TRE-MG) Não é considerado elegível o nacional


que esteja submetido à suspensão ou à perda de direitos políticos.

67 (Cespe/2010/TRE-MT) Caso um cidadão com trinta anos de


idade, militar com oito anos de serviços prestados, pretenda se
candidatar nas próximas eleições, ele deverá ser afastado
temporariamente pela autoridade superior e, se eleito, passará,
automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade.

68 (Cespe/2009/TRE-MA) Caso um brasileiro, militar há 12 anos,


pretenda candidatar-se a deputado estadual nas próximas eleições,
então, para concorrer ao cargo eletivo, a CF exige somente que ele se
afaste da atividade.

69 (Cespe/2009/TCE-ES) A capacidade eleitoral ativa é suficiente


para a aquisição da capacidade eleitoral passiva.

70 (Cespe/2009/TCE-ES) São relativamente inelegíveis os


inalistáveis e os analfabetos.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 68 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
71 (Cespe/2009/MPE-RN) Os analfabetos são inalistáveis e
inelegíveis.

72 (Cespe/2009/TRE-MG) Os analfabetos são alistáveis, razão pela


qual dispõem de capacidade para votar e ser votado.

73 (Cespe/2010/DPU) A cassação dos direitos políticos é admitida


em casos de crime de responsabilidade, desde que dado o direito de
ampla defesa e contraditório ao indiciado pelo referido crime.

74 (Cespe/2010/MPE-SE) Mesmo que já sejam detentores de


mandato eletivo ou candidatos à reeleição, são absolutamente
inelegíveis o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o
segundo grau ou por adoção, do presidente da República, do
governador de estado, do prefeito ou de quem os haja substituído
dentro dos seis meses anteriores ao pleito.

75 (Cespe/2010/MPE-SE) Para concorrer à reeleição, os detentores


de cargos eletivos no Poder Executivo não precisam renunciar ao
mandato.

76 (Cespe/2009/TRE-MG) Para concorrerem a outros cargos, o


presidente da República, os governadores de estado e do Distrito
Federal e os prefeitos não precisam renunciar aos respectivos
mandatos antes do pleito.

77 (Cespe/2010/TRE-MT) Um cidadão com dezoito anos de idade,


boliviano naturalizado brasileiro, não pode candidatar-se a vereador
em uma pequena cidade do interior de um estado brasileiro, por faltar-
lhe capacidade eleitoral passiva.

78 (Cespe/2010/TRE-MT) Ao governador de determinado estado da


Federação que pretenda candidatar-se a deputado federal nas
próximas eleições não se exigirá a desincompatibilização do cargo,
visto que se trata de eleição para outro cargo público.

79 (Cespe/2009/MPE-RN) O presidente da República, os


governadores de estado e do DF e os prefeitos, caso desejem
concorrer a outros cargos, devem renunciar aos respectivos mandatos
até seis meses antes do pleito.

80 (Cespe/2010/TRE-MT) A ação de impugnação de mandato


tramitará em segredo de justiça, devendo o autor responder, na forma
da lei, se temerária ou de manifesta má-fé.

81 (Cespe/2010/TRE-MT) A CF proíbe aos militares, enquanto


estiverem em serviço ativo, a filiação a partidos políticos, razão pela
qual os membros das Forças Armadas não podem ser candidatos a
cargo eletivo, salvo se, em qualquer circunstância, afastarem-se
definitivamente da atividade militar que desenvolvem.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 69 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
82 (Cespe/2009/TCE-ES) A condenação criminal com trânsito em
julgado configura hipótese de perda dos direitos políticos.

83 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) A condenação criminal com


trânsito em julgado ensejará a perda dos direitos políticos do
condenado.

84 (Cespe/2010/TRE-MT) A lei que alterar o processo eleitoral


entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição
que ocorrer até seis meses antes da data de sua vigência.

85 (Cespe/2009/TCE-ES) Lei complementar é a única espécie


normativa autorizada pela CF para disciplinar a criação de outros casos
de inelegibilidade relativa, além dos já previstos na própria CF.

86 (Cespe/2009/TRE-MA) Se um brasileiro, estudante, tem 20 anos


de idade, milita por determinado partido político e está no pleno
exercício dos seus direitos políticos, então, nesse caso, a CF permite
que ele se candidate a vereador do município do seu domicílio
eleitoral.

87 (Cespe/2013/TRE-MS) A lei que alterar o processo eleitoral e os


casos de inelegibilidade terá aplicação imediata, por força do princípio
da probidade administrativa.

88 (Cespe/2013/TRE-MS) A CF autoriza a criação de partido político


de caráter regional, mas condiciona essa criação ao registro dos
estatutos da agremiação política no TRE.

89 (Cespe/2013/TRF 2ª Região) Embora se caracterizem como


pessoas jurídicas de direito privado, os partidos políticos só adquirem
personalidade jurídica após o registro de seus estatutos no tribunal
regional eleitoral do estado em que estejam sediados.

90 (Cespe/2011/TRE-ES) Os partidos políticos adquirem


personalidade jurídica mediante o registro de seus estatutos no
Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

91 (Cespe/2009/TRF 5ª Região) Os partidos políticos adquirem


personalidade jurídica com registro dos seus estatutos no Tribunal
Superior Eleitoral.

92 (Cespe/2010/TRE-MT) Os partidos políticos adquirem


personalidade jurídica na forma da lei civil, devendo, após isso,
registrar seus estatutos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

93 (Cespe/2009/MPE-RN) Os partidos políticos não são dotados de


personalidade jurídica, porém seus estatutos devem ser registrados no
Tribunal Superior Eleitoral.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 70 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
94 (Cespe/2009/OAB) A CF consagra o princípio da liberdade
partidária de modo ilimitado e irrestrito, não admitindo condicionantes
para a criação, fusão, incorporação e extinção dos partidos políticos.

95 (Cespe/2009/OAB) Os partidos políticos somente adquirem


personalidade jurídica após duplo registro: no registro civil das
pessoas jurídicas e no tribunal regional eleitoral do estado em que
estão sediados.

96 (Cespe/2009/OAB) Somente os partidos com representação no


Congresso Nacional podem usufruir dos recursos do fundo partidário e
ter acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei.

97 (Cespe/2002/TJ-AC) Um partido político criado em 1992 e que


defenda interesses de trabalhadores poderá receber recursos
financeiros de governo estrangeiro que tiver representação
diplomática no Brasil.

98 (Cespe/2002/TJ-AC) Os partidos políticos podem se utilizar de


organização paramilitar para definição de suas funções ideológicas e
de sua estrutura interna.

99 (Cespe/2002/TJ-AC) Partidos políticos, sejam eles integrantes


ou não da bancada governista, têm acesso gratuito à televisão na
forma da lei.

100 (Cespe/2002/TJ-AC) Considere a seguinte situação hipotética. O


presidente de um partido político tentou registrar o estatuto da sua
agremiação política no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Acre, onde
recebeu a informação de que tal registro deveria ser feito no Tribunal
Superior Eleitoral (TSE). Nessa situação, foi correta a informação
prestada pelo TRE.

101 (Cespe/2002/TJ-AC) Para a criação de um partido político, deve-


se observar, sempre, o respeito aos direitos fundamentais da pessoa
humana.

102 (Cespe/2009/TRE-MG) Os partidos políticos têm autonomia para


a definição de sua estrutura interna, sua organização e seu
funcionamento, bem como para o recebimento de recursos financeiros
de procedência estrangeira.

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 71 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02

1. CORRETA
2. CORRETA
3. CORRETA
4. INCORRETA
5. CORRETA
6. INCORRETA
7. CORRETA
8. INCORRETA
9. INCORRETA
10. CORRETA
11. INCORRETA
12. INCORRETA
13. CORRETA
14. INCORRETA
15. CORRETA
16. INCORRETA
17. CORRETA
18. INCORRETA
19. INCORRETA
20. CORRETA
21. INCORRETA
22. CORRETA
23. INCORRETA
24. INCORRETA
25. INCORRETA
26. INCORRETA
27. INCORRETA
28. INCORRETA
29. INCORRETA
30. INCORRETA
31. INCORRETA
32. CORRETA
33. INCORRETA
34. CORRETA
35. INCORRETA
36. INCORRETA
37. INCORRETA
38. INCORRETA
39. INCORRETA

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 72 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
40. INCORRETA
41. INCORRETA
42. INCORRETA
43. CORRETA
44. CORRETA
45. INCORRETA
46. INCORRETA
47. INCORRETA
48. INCORRETA
49. CORRETA
50. CORRETA
51. INCORRETA
52. CORRETA
53. INCORRETA
54. CORRETA
55. INCORRETA
56. CORRETA
57. INCORRETA
58. CORRETA
59. INCORRETA
60. CORRETA
61. CORRETA
62. CORRETA
63. INCORRETA
64. INCORRETA
65. CORRETA
66. CORRETA
67. INCORRETA
68. INCORRETA
69. INCORRETA
70. INCORRETA
71. INCORRETA
72. INCORRETA
73. INCORRETA
74. INCORRETA
75. CORRETA
76. INCORRETA
77. INCORRETA
78. INCORRETA
79. CORRETA
80. CORRETA
81. INCORRETA
82. INCORRETA
83. INCORRETA
84. INCORRETA
85. CORRETA

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 73 de 74


Direito Constitucional p/ DEPEN -
Agente Penitenciário Federal
Profa. Nádia Carolina – Aula 02
86. CORRETA
87. INCORRETA
88. INCORRETA
89. INCORRETA
90. INCORRETA
91. INCORRETA
92. CORRETA
93. INCORRETA
94. INCORRETA
95. INCORRETA
96. INCORRETA
97. INCORRETA
98. INCORRETA
99. CORRETA
100. CORRETA
101. CORRETA
102. INCORRETA

Profa. Nádia Carolina www.estrategiaconcursos.com.br 74 de 74