Você está na página 1de 223

฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀
฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

A edição brasileira deste livro tem muito poucas alterações

significativas em relação ao original. Procurou-se manter dentro do possível o tom do material. No caso das referências onde o original era em inglês, procurou-se comparar com o original.

O ponto que demandou maior esforço de adaptação foi o uso dos

numerais. Em espanhol, o sistema numérico é completamente diferente do sistema brasileiro. Foram mantidas as recomendações do livro, exceto as específicas do espanhol. Para adaptá-las, foram consultados manuais de redação brasileiros.

Nas recomendações sobre aspectos do texto, referências específicas a dicionários em espanhol foram mantidas e traduzidas quando a mesma figura de linguagem, por exemplo, também existe em português, mas mantendo a referência à fonte espanhola.

A frase mais difícil de traduzir neste livro tinha apenas 4 palavras:

“Mutis por el foro”. Está no capítulo 3, num gráfico sobre essa inadequação de alguns títulos. Era um título de uma notícia colombiana sobre a saturação do noticiário com informações sobre

o seqüestro da senadora Ingrid Betancourt. Já traduzi histórias em

quadrinhos que demandaram pesquisar Plutarco, Shakespeare, a história da Máfia e até noções sobre esclerose lateral amiotrófica. Nada disso, porém, demorou tanto a compreender quanto essas quatro palavras. Perguntei ao autor o que a frase queria dizer. Ele respondeu:

“até em espanhol a frase é críptica”. A tradução (“Saída pelo fórum”) não é boa. Mas, como se pode ver ao longo das recomendações do

livro, sequer o foi a própria idéia de usar o título.

Mesmo se fosse uma expressão comum na Colômbia, há outra questão interessante suscitada pelas recomendações do livro. Sendo o seqüestro de Betancourt notícia no mundo inteiro, nada mais natural do que algum brasileiro (ou americano, ou japonês, ou sueco) interessado no assunto procurar informações a respeito no principal jornal colombiano, disponível na Internet para todos os leitores do mundo. Por melhor que possa ser o artigo, o título enigmático corre o risco de alienar esse leitor.

฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

฀฀

฀฀

฀฀

฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

฀฀