Você está na página 1de 19

IFAL

DESIGN DE INTERIORES

FUNDAMENTOS DOS ESTILOS DECORATIVOS

ERE 2
Aula síncrona – 22 . 02. 2021

Profa.: Camila Casado


ESTILOS SUGERIDOS PARA A BANCA:

Antiguidade
- Clássico (Grécia e Roma) Eclético
- Vitoriano
Barroco
- Luíses (XIII, XIV) Protomodernista
- Arts and Crafts, Art Noveau, Art
Rococó Déco
- Luís XV
Contemporâneo
Neoclássico - Vintage, Retrô, Romântico
- Luís XVI
- Império
Contemporâneo Em tempos passados,
utilizava-se o termo vintage
VINTAGE para fazer alusão às melhores
colheitas de uva, que
acarretavam na produção de
vinhos refinados e
envelhecidos.

Os móveis vintage possuem


um aspecto antigo por causa
das marcas causadas pelo
tempo e uso, como arranhões,
cores desbotadas, pintura
descascada e superfícies
desgastadas. São cadeiras para
cozinha com ar nostálgico,
armários para TV que
remontam à época de ouro da
telinha, cadeiras de balanço
que nos lembram nossas
avós.
Decoração vintage

As composições podem acontecer de maneira bem variada.


Uma das possibilidades que deixam o ambiente cheio de
personalidade é a mistura de peças vintage com uma
decoração contemporânea. A combinação de móveis atuais e
antigos oferece um toque original, já que os elementos se
destacam e criam uma atmosfera inovadora.
Também é possível apostar no estilo clássico, com o devido
cuidado para garantir harmonia entre os móveis e acessórios,
além das cores e materiais. Lembre-se: o cômodo não pode
ficar parecendo um museu! Outra dica: os tons usados nas
paredes e no revestimento do piso devem ser mais neutros e
sóbrios.
Na figura, vemos pequenos exemplos desse tipo de ambientação, onde são usados móveis antigos organizados
em um novo contexto, compondo o ambiente com peças contemporâneas. Nos dois ambientes, os móveis
resistiram ao tempo e estão em condições de continuarem a ser usados.
Quer sejam adquiridos em leilões, por herança, ou em brechós, para ser considerada vintage, as peças devem ter
sido confeccionadas nos séculos anteriores ao atual, originais, e que, por sua qualidade material, sobreviveram
ao longo dos anos, estando aptas para continuarem a ser úteis.
Utilizando símbolos de momentos históricos, a ambientação vintage cria cenários procurando valorizar a natureza
sentimental do passado, remetendo a um período da nossa história, um lugar, recriado, não da mesma forma em
que existiu nesse passado, mas a partir das aspirações e necessidades atuais.
Em antiquários as peças são avaliadas a partir de critérios que vão além de um olhar curioso, como a qualidade do
material, o estado de conservação e a procedência. A raridade do objeto é um outro critério que faz com que peças
pequenas consigam, muitas vezes, atingir valores maiores do que peças grandes; o estilo também é um fator relevante e
está atrelado ao período em que foi confeccionado, como o período Barroco, Art Nouveau, Art Decó, etc., cujas
características devem estar de acordo com as técnicas e limitações da época.
Todos esses critérios encarecem o mobiliário antigo, porém, vem surgindo outra maneira de projetarmos a ambientação
vintage, de forma a torna-la acessível a uma maior quantidade de pessoas: a customização e restauração de mobiliário
antigo adquiridos em demolições ou em brechós. A customização proporciona uma possibilidade de intervenção para o
designer de interior rejuvenescendo, agregando valor, readaptando ao uso diário uma peça que estaria condenada ao
descarte. Resgata valores históricos, mas também econômicos, pois um móvel customizado custa, em média, 30% do
valor de um móvel novo
Na figura, vemos essa variante da
ambientação vintage. Neste caso, como o
móvel está com o revestimento muito
avariado, necessitando de reparos, está
sendo proposto uma intervenção, que
poderá ser feita com pintura, adesivação,
revestimento com folheado, etc.
Acessórios Vintage

Porta-retratos, lâmpadas, cortinas, vasos de cristal, tricôs, adornos prateados,


almofadas e mantas bordadas são acessórios vintage incríveis para deixar o
ambiente acolhedor. Com seu encanto atemporal, é possível preencher cada
cantinho da casa com aconchego e tradição — palavras de ordem do estilo
vintage.
VINTAGE X RETRÔ

O vintage se difere do retrô porque corresponde a objetos Outra característica marcante é a exclusividade, já que a
antigos que resistiram às ações do tempo e continuam a produção ocorria em uma escala menor. Em razão disto,
preservar a qualidade e beleza ao longo das décadas, enquanto muitos adeptos do vintage valorizam a aquisição de peças
o retrô representa uma releitura de peças do passado, porém originais ao invés dos exemplares retrô, buscando por
elaboradas atualmente. antiquários, lojas especializadas, casas de leilão e brechós.
O SEGREDO É MESCLAR OS ESTILOS COM BOM SENSO
Criando ambientes vintage
Quarto: pense em cômodas com pés curvilíneos, penteadeiras de ar provençal, papel de parede
romântico, porta-retratos e espelhos com molduras barrocas e muita iluminação indireta. Caso
deseje um estilo mais sessentinha, aposte em uma roupa de cama e tapetes com estampas
geométricas, móveis de linhas retas e uma luminária tipo lava-lamp.

Cozinha: as lanchonetes norte-americanas dos anos 50 são a epítome do estilo vintage. Para
uma volta grastonômica ao passado, é possível investir em revestimentos em tons pastel ou
elementos op-art, como os azulejos ou pisos formando desenhos quadriculados em preto e
branco. Porcelanas decoradas e pratos para cupcake com sinais de desgaste no esmalte
completam a linha de acessórios para uma cozinha vintage.

Sala de estar: releituras de sofás, cadeiras e poltronas de grandes nomes do design modernista
são peças que podem ajudar a compor um estilo vintage. Uma cristaleira e molduras de quadro
desgastadas também trazem um ar nostálgico ao ambientes, que podem ser adornados com
caixas de madeira estampadas, almofadas em crochê, além de um ventilador de pé ou
aparelhos de som antigos, como a vitrola ou o gramofone.

Banheiro: nada remete tanto ao estilo vintage como uma banheira vitoriana. Além disso,
revestimentos em combinações de cores e aplicações de papel de parede criam uma atmosfera
relaxante quando combinados com espelhos imponentes e vasos de flor em cerâmica.

Varanda: lembre-se da casa de seus avós quando você era criança. Abuse de elementos
naturais, cadeiras confortáveis, linhas retas, plantas e uma confortável rede – um paraíso
vintage estará à sua disposição!
RETRÔ
O termo retrô é usado para se referir a
objetos ou qualidades que pertencem a um
passado próximo, mas que de alguma forma
não estão dentro do panorama
contemporâneo, isto é, nos remete a algo
que poderia ser “antigo” ou “velho”. Apesar
deste conceito, atualmente no âmbito
decorativo é usado para aqueles interiores
que se inspiram nas tendências ornamentais
de 1920-1980. Trata-se de capturar um
elemento específico de uma era anterior
para o nosso tempo, onde o passado chega e
permanece presente.

Normalmente o conceito retrô tende a ser confundido com vintage, porém, há grandes diferenças quanto ao que se refere ao significado
destes. O vintage está relacionado com aquelas peças que foram criadas e desenhadas em uma determinada época do passado, já o retrô
lembra o antigo sem que a sua realização esteja sujeita àquela época. O retrô é feito hoje em dia e evoca o passado, o vintage é aquilo que
já envelheceu, pertence ao passado. O vintage consiste em resgatar móveis e objetos de segunda mão ou velhos e dar-lhes vida nova. É um
estilo muito ligado aos jovens, dos países do norte da Europa, e da crise econômica que impede inventar e reciclar uma nova linguagem
estética, e o retrô é um termo que se aplica ao estilo, independentemente da época ou da qualidade, e é usado tanto em uma peça quanto
em um abiente como um todo. O retrô é sobre atmosferas e ambientes que remetem a outros tempos, aplicando os critérios estéticos que
estão ligados a estes. Estes interiores de nenhuma maneira pretendem repetir um ambiente nostálgico do passado, e sim buscam
representar as grandes qualidades que tinham este. Uma decoração retrô não significa uma repetição de uma década específica de design,
o retrô é inovador ao tratar dos objetos de influência antiga de uma forma dinâmica, porém conservando sua essência.
Para conseguir um estilo retrô contemporâneo é necessário conhecer os objetos que estiveram na moda durante esse
espaço de tempo e entender ainda como funcionava o ambiente interior a nível de iluminação e cromatismo, já que
esses fatores influenciam na estética que se quer projetar, combinando estes com elementos da época atual.

A maioria das peças retrô têm sido usualmente


reeditadas pelas fábricas de móveis , porém existem
outras de imitação que têm um desenho praticamente
idêntido às do passado, contudo confeccionadas em
materiais mais simples e preços mais razoáveis.

A concepção do retrô no ámbito decorativo está muito


vinculada aos anos 60 e 70 por suas características
ousadas e futuristas. Atualmente existem empresas que
desenham mobiliário com esta inspiração debido a
grande demanda existente. Um exemplo disso são os
refrigeradores americanos do inicio dos anos 60, cujo
mecanismo e tecnología é recente porém sua aparência é
totalmente retrô. Por outro lado, os móveis mais
importantes deste período foram tão transcedentais que
ainda são produzidos hoje, como é o caso da Bubble
Chair, de Eero Aarnio e Poltrona Egg, de Arne Jacobsen.
Na atualidade vemos uma revolução de interiores retrô baseada nos critérios dos anos 60. Dentro destes se destacam
duas linhas que não são diametralmente opostas porém têm inspirações dessa década baseando-se em concepções
diferentes. A primeira é uma reiterpretação desta concentrando-se na seleção do mobiliário e da atmosfera própria
desse estilo incluido elementos psicodélicos e divertidos, enquanto que a segunda se concentra na saturação
cromática e nos aspectos gráficos associados aomovimento Pop Art. A tendência de recuperar esses esteticismos,
reside no fato de que toda produção que existiu a nível de consumo, foi dentro de uma sociedade economicamente
estável, portanto, reivindicar esta época é resgatar de certa forma o glamour e uma elegância individualista que em
algum momento se perdeu em nossa geração, é por isso que voltar e trazer tudo isso para o presente é um modo de
afirmar nosso otimismo em direção a um contexto social muito mais promisor do que aquele que confina com nossa
realidade.
Em uma ambientação retrô, são utilizados móveis e objetos confeccionados na
atualidade, porém, com design de estilos passados, ou seja, são réplicas ou
releituras. Nos exemplos da figura, todos os produtos são inspirados em
modelos do século XX, mais precisamente, nos anos 60, como a televisão LG,
com pés palito e formato em tubo, porém com o sistema de controle remoto;
a geladeira Brastemp frost free, com controle eletrônico externo; a cadeira
Sonic Chair do Designer Holger Fritzlar, criada em 2007, remete à Delta Ball
Chair do Designer Eero Aarnio, mas, com sistema de som e entrada para iPad
ou computador portátil.
ROMÂNTICO
O estilo romântico é naturalmente delicado,
sereno, íntimo, mas não necessariamente uma
decoração feminina. O importante nesse estilo
é ser acolhedor e confortável. É possível ter
uma decoração no estilo romântico que agrade
aos homens e as mulheres.
A decoração é um gosto pessoal e deve ser
funcional, portanto a organização e disposição
de um ambiente romântico pode ser também
descontraído ou mais simétrico.
As cores associadas ao estilo romântico são
suaves, com tons neutros, os tons pastéis e o
branco. A essa paleta básica é possível
adicionar pontos de cores fortes como o verde,
lilás, amarelo, azul. Estampas listradas, florais,
com inspiração vitoriana são as texturas mais
associadas a esse estilo e podem ser colocadas
em papéis de parede, cortinas, sofás, poltronas,
lençóis etc. Todos esses detalhes devem ser
avaliados e projetados para que não haja
conflito de informações visuais.
Alguns detalhes são como
presentes para o ambiente, por
exemplo, no dormitório é
possível usar diversas almofadas
bem confortáveis, com texturas
diferentes (cetim, seda, veludo,
rendas, laços, tricô etc.) e
estampas variadas, completando
o cenário e dando um toque
especialmente romântico.
Os tapetes não são peças chave
desse estilo, mas ajudam muito
a deixar o ambiente
aconchegante e confortável,
objetivo da decoração
romântica. Eles podem ser
usados, mas deve-se privilegiar
um chão simples, em madeira
ou outro material que seja
aconchegante.
Os materiais mais utilizados no estilo romântico
são: ferro, madeira clara, madeira escura e
peças pintadas de branco, por exemplo,
cômodas ou gaveteiros.
No mobiliário podemos notar curvas, pés
arredondados e peças trabalhadas com
detalhes vistosos. Móveis antigos customizados
(o que os deixam mais atuais, sem perder o
requinte) são uma ótima opção para compor
um ambiente no estilo romântico.
Nos dormitórios, aqueles bancos estofados que
ficam nos pés da cama são uma peça marcante
desse estilo.
A luz natural, como em outros estilos, é um
elemento muito importante na decoração
romântica. É possível trabalhar a decoração
com cortinas, utilizando tecidos transparentes
ou semi transparentes para filtrar essa
claridade (dependendo do ambiente e da
função).