Você está na página 1de 17

INTERNA

Coletânea de Atividades e Jogos de Linguagem

FASCÍCULO 1

Disponível em: <http://www.ipresentee.com/free-stuff-free-iweb-themes-free-keynote-themes-free-mail-stationery/ >. Acesso em: 10


jun. 2013. 10h27min.

Setor de Educação de Jovens e Adultos


FUNDAÇÃO BRADESCO
INTERNA

Coletânea de Atividades e Jogos de Linguagem


1. APRESENTAÇÃO

Apresenta-se a Coletânea de Atividades e Jogos de Linguagem, resultado de pesquisas em livros e


autores sobre o assunto, com o objetivo de subsidiar o trabalho do educador com recursos que
favoreçam a aprendizagem envolvendo a leitura, compreensão e interpretação de textos bem
como, os aspectos linguísticos e produções textuais com a aplicação dos conhecimentos.

As atividades e situações de jogos apresentadas em si não se constituirão em uma boa situação de


ensino, e sim, se inseridas em um contexto das aulas por meio de estratégias e ações didáticas com
intencionalidade, atendendo aos objetivos de ensino e aprendizagem estabelecidos no Plano de
Ensino e das habilidades apresentadas na Matriz de Referência para Avaliação.

O Alfabetizador deverá planejar o uso das atividades e jogos que serão apresentados em quatro
fascículos planejados para abarcar os Eixos Temáticos da Matriz de Referência de Avaliação do
Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos da Fundação Bradesco - Língua Portuguesa:

Fascículo 1: Localizar informações explícitas em textos verbais;


Fascículo 2: Inferir os sentidos de palavras, imagens ou expressões em textos verbais e não
verbais;
Fascículo 3: Utilizar os conhecimentos adquiridos sobre a língua para ampliar a capacidade de
uso da linguagem;
Fascículo 4: Reconhecer as características e finalidades dos gêneros (literários, informativos,
publicitários, epistolares, jornalísticos, instrucionais).

Nos quatro fascículos, trabalhamos as atividades e jogos observando as três competências


apresentadas na Matriz de Avaliação:

 C1- Demonstrar conhecimentos sobre a norma culta da língua, identificando diferentes


linguagens e seus usos;
 C2- Selecionar, organizar, relacionar e interpretar dados e informações;
 C3- Recorrer aos conhecimentos sobre as linguagens para atender as múltiplas exigências
sociais, resolvendo situações-problema e operando sobre as várias áreas do conhecimento.

A Coletânea tem como foco:


 O uso em diferentes anos de escolaridade e níveis de formação de conceitos inerentes ao
uso da língua;
 Fornecer alicerces para a aprendizagem e uso dos conhecimentos linguísticos;
 Proporcionar a utilização de situações diferenciadas envolvendo o trabalho com a leitura e
escrita de textos bem como a aplicação de recursos na elaboração e revisão de textos.

Destacamos que algumas atividades ou jogos integram mais de um eixo temático, extrapolando
mais de uma competência.

Buscamos, por meio da Coletânea, o sucesso e a autonomia dos alunos na realização das propostas
e o benefício nos investimentos efetivos por melhores resultados no processo de ensinar e
aprender.

Setor de Educação de Jovens e Adultos


FUNDAÇÃO BRADESCO
INTERNA
Coletânea de Atividades e Jogos de Linguagem

FASCÍCULO 1

Localizar informações explícitas em textos verbais e não verbais.

SUMÁRIO

1 Apresentação 2
2 Objetivos do fascículo 4
3 Foco para o trabalho 4
4 Alguns conceitos 5
5 Alguns procedimentos/sugestões de atividades de
leitura e interpretação de textos verbais e não 5
verbais:
A. Interpretação e produção de logotipos, ícones e 5
outros procedimentos de simbolização gráfica;
B. Interpretação e produção de imagens, sozinhas ou 5
sequenciadas.
C. Interpretação e produção de ilustrações associadas
aos textos. Uso das mesmas como indicadores do 6
conteúdo do texto e para expressar diversas
intenções.
D. Interpretação e produção de textos associados à
imagens (e/ou sons), tais como: legenda de fotos, 6
anúncios, cartazes, histórias em quadrinhos,
piadas, vídeos, dispositivos, etc. 7
E. Procedimentos de recitação, dramatização, leitura 7
em voz alta, etc. com expressão corporal e
entonação.
F. Relação texto e música, em canções, cantos 7
musicais, etc.
G. Análise dos significados introduzidos pelo som e 7
pela imagem em produções audiovisuais e sua
relação com o texto. Interpretação da intenção
pretendida.
H. Leitura e relações em textos verbais sem apoio de 8
imagens.

6 Outras possibilidades de atividades com textos 13


verbais e não verbais: leitura e localização de
informações explícitas nos textos, de forma oral e
escrita.

7 Referências Bibliográficas 17
INTERNA
Localizar informações explícitas em textos verbais e não verbais

FASCÍCULO 1

OBJETIVO:

Apresentar procedimentos, atitudes e sugestões de atividades que possam ser realizadas


com foco no sistema de comunicação verbal e não verbal bem como, na localização de
informações explícitas em textos verbais e não verbais.

FOCO PARA O TRABALHO:

Educador: Neste fascículo, destacamos a importância da leitura com ênfase em


procedimentos e estratégias que devem ser organizados de forma que o aluno possa ler,
compreender e interpretar textos verbais e não verbais.

O foco para o trabalho relaciona-se à localização de informações que podem estar


expressas literalmente no texto ou por meio de paráfrases, (isto é, dizer de outra maneira o
que se leu).

As atividades são apoiadas por meio de textos-base (verbais e não verbais) que dão
suporte ao desenvolvimento do Eixo 1 da Matriz Referência para Avaliação de Língua
Portuguesa, no qual o aluno é orientado a localizar, identificar, reconhecer, fazer distinção,
comparar abordagens e posicionar-se criticamente diante das as informações explícitas
seguindo as pistas fornecidas pelo próprio texto.

Matriz de Avaliação:

Durante as atividades espera-se que o aluno seja capaz de retomar o texto, localizando,
dentre outras informações, aquela que foi solicitada.
INTERNA
ALGUNS CONCEITOS:

 Significado e necessidade do gesto e da expressão corporal na língua oral e na


verbalização do escrito;
 Conhecimento de logotipos significativos para os alunos, sinais icônicos e outros
símbolos gráficos nas ruas, escolas, etc.
 Significado do som e da imagem associados à textos escritos em filmes, montagens
audiovisuais, etc. de uso na escola.
 Elementos linguísticos e não linguísticos da comunicação escrita. A ilustração e a
tipografia como fontes de informações acerca do texto a ser lido.
 Valor semântico da imagem em textos, tais como anúncios, cartazes, revistas em
quadrinhos, piadas, etc. e sua relação com o texto escrito.

ALGUNS PROCEDIMENTOS/ SUGESTÕES DE ATIVIDADES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO


DE TEXTOS VERBAIS E NÃO VERBAIS:

A. Interpretação e produção de logotipos, ícones e outros procedimentos de


simbolização gráfica;

Exemplo: Interpretação de logotipos e símbolos gráficos.

O peso do grafismo em nossa cultura está presente no nosso dia a dia nas nossas roupas,
calçados, meios de transporte, estradas, lojas, etc. Os estímulos gráficos são muitos e ler e
interpretá-los se constitui numa via para o acesso à leitura e à escrita.

O que observar durante as atividades:

 Reconhecimento e identificação dos símbolos e do seu contexto de produção;


 Elaboração oral do texto com que se relaciona o símbolo e escrita (opcional) do texto.

B. Interpretação e produção de imagens, sozinhas ou sequenciadas;

Exemplo: Leitura de imagens sozinhas ou sequenciadas.

Interpretações de textos que acompanhados de imagens facilitam a atribuição dos


significados ao escrito.

O que observar durante as atividades:


INTERNA
 Reconhecimento e enumeração dos elementos concretos da imagem;
 Interpretação do sentido global da ilustração.

C. Interpretação e Produção de ilustrações associadas aos textos e o seu uso como


indicadores do conteúdo do texto e para expressar diversas intenções.

Exemplo: Sequenciação de imagens ou textos:

A sequenciação de imagens ou partes de textos desordenados permitem a construção de


textos narrativos e de processos expositivos (relatos).

O que observar durante as atividades:

 Interpretação correta de cada uma das imagens;


 Critérios usados para estabelecer relações entre as imagens e justificativa da decisão
tomada para organizá-las.

D. Interpretação e produção de textos associados à imagens (e/ou sons), tais como:


legendas de fotos, anúncios, cartazes, histórias em quadrinhos, piadas, vídeos,
dispositivos, etc.

Exemplo: Relação texto-ilustração

A imagem é o ponto para o início da compreensão e antecipação do conteúdo do texto


bem como um complemento de significados que nem sempre aparecem explícitos no
texto.

Muitas vezes a palavra tem valor como explicação da imagem, ou seja, como complemento
ou sustentação e mesmo como explicação de um gráfico, por exemplo.

Algumas atividades que podem estabelecer relações entre textos e a ilustração/imagem:

Leitura e interpretação de imagens;


Leitura e elaboração de sequências de imagens;
Leitura de títulos, legendas, anúncios, cartazes, histórias em quadrinhos, piadas e outros;
Ilustração de textos de autoria dos próprios alunos.

O que observar durante as atividades:

 Compreensão da mensagem e significado do texto a ser ilustrado;


 Identificação de ideias e detalhes que relacionam as ilustrações com o texto.
INTERNA
E. Procedimentos de recitação, dramatização, leitura em voz alta, etc. com expressão
corporal e entonação.

Exemplo: Dramatização e representação: Texto e gesto

A dramatização e a representação corporal são importantes aliados nas estratégias


pedagógicas que podem integrar e globalizar muitos temas, e áreas do conhecimento. Por
meio da motivação exercida pela dramatização, a memorização e interação com textos
clássicos e complexos podem ser facilitados e absorvidos com qualidade pelos alunos.

O que observar durante as atividades:

 A qualidade da expressão gestual e corporal e o grau de ajuste às características do


texto;
 Memorização, pronúncia, ritmo, entonação e recitação.

F. Relação texto e música, em canções, cantos musicais, etc.


Exemplo: Relação texto e música

A música permite aproximar o aluno aos textos literários poéticos de forma facilitada. A
elaboração de cancioneiros, a leitura, interpretação e escrita de textos de canções
populares, regionais, de épocas e próximas aos alunos são atividades que interessam e
facilitam o processo de ler e compreender textos bem como analisar informações
explícitas.

O que observar durante as atividades:

 A Seleção adequada do repertório, valorizado músicas trazidas pelos próprios alunos;


 A Seleção e combinação dos recursos textuais e musicais que se quer trabalhar e
adequação desses à situação.
 Memorização dos textos das canções.

G. Análise dos significados introduzidos pelo som e pela imagem em produções


audiovisuais e sua relação com o texto. Interpretação da intenção pretendida.

Exemplo: Relações textos, imagens e audiovisuais

A combinação de texto escrito, imagens e música são encontradas em dispositivos de


montagens audiovisuais, vídeos, televisão, cinema, etc. Hoje o audiovisual tem um amplo
predomínio nas nossas vidas e aprender a ler “Cinema, TV, vídeos e etc. devem fazer parte
do nosso cotidiano escolar. Para nossos alunos jovens e adultos, o uso desses recursos é
diário em nossas salas de aula, portanto é essencial aproximá-los de estratégicas de como
ler e localizar informações.
INTERNA
Para elaboração de um programa de TV, por exemplo, é essencial a escrita anterior de um
roteiro do que será apresentado, veiculado. Tudo é cuidadosamente planejado, escrito e
depois transformado em uma linguagem própria para veiculação de forma mais visual e
verbal, ocupando o texto original uma dimensão menor.

O que observar durante as atividades:

 O estabelecimento de relações entre o texto, às imagens e sons que o acompanham.

H. Leitura e relações em textos verbais sem apoio de imagens.

Um texto verbal, em geral, traz informações que se situam na sua superfície – e são, assim,
explícitas – ou traz informações implícitas ou subentendidas. Diante do texto, cabe ao
educador desenvolver estratégias por meio da leitura e interpretação, com levantamento e
apresentação de questões pertinentes, a fim de que o aluno aprenda a localizar e a
explorar essas informações.

O que observar durante as atividades:

 A capacidade do aluno para localizar, no percurso do texto, uma informação.


 A identificação de uma determinada informação, entre várias outras expressas no
texto.

Exemplos: Leitura de texto, seguida de questões:

Exemplo 1:

Zumbi, O Herói do Brasil

Quem inventou a escravidão


Foi uma alma pervertida
Que viu também nesse chão
Toda sua obra cumprida
Negro sofrendo maus-tratos
Ao longo de sua vida.

O negro vivia na África


Quando era capturado
Vinha em navio negreiro
No porão acorrentado
Viver como estrangeiro
Cativo e humilhado.

Longe da terra natal


O negro foi conduzido
Pra crescer canavial
Ter seu mundo esquecido
Pra fazer rico de engenho
Aumentar o produzido.
INTERNA

Sofria grandes maus-tratos


Depois de capturado
Era pego em armadilha
Logo estava acorrentado
Nem ele, nem família
Nunca era respeitado.

(Francisco Ferreira Filho Diniz)

O texto trata de que assunto:

a) Corrupção.
b) Trabalhadores do campo.
c) Escravos.
d) Família
e) Sofrimento

Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/1190321/DLFE-208011.pdf/1.0. Acesso em: 25/05/2013>.


14h50min.

Exemplo 2:

Quem vai salvar a vida


(...) No dia seguinte era sábado, e meu pai pegou o Trovão, nosso cachorro, e já ia
saindo com ele pra passear.
Eu então perguntei:
– Ô, pai, que tal levar um saquinho para pegar a sujeira do Trovão?
– Pegar a sujeira? – ele perguntou.
– Então, pai, não se pode deixar sujeira no meio da rua...
– Ora, ora – meu pai respondeu –, a rua é pra isso mesmo!
– Pai, que absurdo! A rua é de todos! É como se você levasse seu cachorro pra sujar
a casa dos outros. Você não vê que a gente pisa nessa sujeira e traz pra casa? Não vê que
tem crianças pequenas que andam na rua e sujam os pés?
Meu pai me olhou torto, torto. E foi embora.
Mas, quando ele voltou, eu vi que ele tinha um saquinho, que ele atirou no lixo (...).
(Ruth Rocha. Quem vai salvar a vida? São Paulo, FTD, 2009)

A parte do texto que nos indica que o narrador é um filho ou filha é

a) “A rua é de todos!”
b) “Ora, ora(...), a rua é para isso mesmo!”
c) “(...) não se pode deixar a sujeira no meio da rua...”
d) “Meu pai me olhou torto, torto.”

Lendo o trecho “Mas, quando ele voltou, eu vi que ele tinha um saquinho, que ele atirou
no lixo (...)”, pode-se concluir que o pai
INTERNA

a) resolveu comprar sacos de lixo.


b) desistiu de passear com o cão.
c) recolheu a sujeira de seu cachorro.
d) pisou no lixo encontrado na rua.

A expressão destacada na frase “Meu pai me olhou torto, torto.” quer dizer que o pai
olhou o filho (a) com
a) alegria.
b) insatisfação.
c) desrespeito.
d) orgulho.

Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/1190321/DLFE-208011.pdf/1.0. Acesso em: 25/05/2013>.


14h55min.
Exemplo 3:

Você conhece alguma festa popular?

O Carnaval, é claro!
Mas você sabe há quanto tempo existem festas como o carnaval?
Os povos das antigas civilizações faziam festas para homenagear seus deuses e
agradeciam à natureza pelo alimento que colhiam da terra.
Essas festas foram transmitidas de pais para filhos até os dias de hoje.
Elas mostram o jeito de ser de cada povo, suas tradições e sua cultura.
No Brasil, as tradições portuguesas uniram-se à dança indígena e ao batuque africano.
O Maracatu tem trajes e danças que lembram os antigos guerreiros e a festa do divino
de origem portuguesa, tem danças folclóricas de origem africana.
Danças como a Congada e o Moçambique vieram da cultura africana.
O Cateretê e os Caboclinhos são danças de origem indígena.
Festas como Bumba-meu-Boi narram lendas por meio de dança.
E a Cavalhada narra a história de antigas lutas. Parece um teatro ao ar livre, sempre com
roupas muito coloridas e máscaras curiosas.
Em dezembro, a folia de reis celebra o nascimento do menino Jesus.
E na virada do ano a rainha do mar, Iemanjá, é homenageada nas águas do oceano.
São muitas as festas populares. Com elas aprendemos uma porção de coisas... histórias,
lendas, comidas típicas, músicas e artesanatos.
Conhecer as festas populares é conhecer o seu próprio povo.
Abre alas que eu quero passar
(Newton Foot)
O tema principal abordado no texto acima refere-se às

a) festas de homenagem aos deuses.


b) festas populares brasileiras.
c) antigas civilizações.
d) danças dos antigos guerreiros.
INTERNA

O trecho do texto que expressa a opinião do autor é:

a) “Elas mostram o jeito de ser de cada povo, suas tradições e sua cultura.”
b) ” Festas como o Bumba - meu – Boi... narram lendas por meio de dança.”
c) “No Brasil, as tradições portuguesas uniram-se à dança indígena e ao batuque
africano.”
d) “Parece um teatro ao ar livre, sempre com roupas muito coloridas e máscaras
curiosas.”
Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/1190321/DLFE-208011.pdf/1.0>. Acesso em: 25 mai. 2013.
15h05min.

Exemplo 4

Texto I – Notas baixas são resultados de muito tempo em frente ao videogame. Ter
acesso contínuo – e sem controle – ao videogame em casa, afeta significativamente o
rendimento escolar de crianças

Os pais devem encorajar a moderação aos seus filhos quando o assunto é videogame. Mais
do que apenas deixá-los afastados de atividades físicas e vivências sociais necessárias para
o seu desenvolvimento, ter um videogame em casa também pode piorar o desempenho
acadêmico em algumas crianças. (...) Os pesquisadores apontam uma relação bastante
clara quanto ao tempo gasto com videogame e o nível de declínio acadêmico e de
aprendizado, especialmente quando as crianças jogavam após o período da escola. Os
autores dizem que é nessa idade que as crianças refinam seu nível de linguagem (escrita e
falada) e o uso contínuo do videogame pode atrasar essa fase. “Os resultados mostraram
claramente que possuir um videogame em casa pode ter resultados bastante negativos na
vida real”, concluem os autores.
(adaptado de http://oqueeutenho.uol.com.br)
Texto II – Imersos na tecnologia e mais espertos
As crianças e os adolescentes de hoje vivem cercados de videogame, computador, TV e
DVD. As últimas descobertas da ciência dizem que o uso desses recursos na medida certa
ao contrário do que se pensava, pode ajudá-los a afiar a inteligência.
Revista Veja, Ed. Abril, ed. 1926, ano 38, nº 41.

Desempenho acadêmico – rendimento de um indivíduo em instituição de ensino.


Declínio - diminuição, decadência. Refinam - apuram, aprimoram.
Glossário (Fonte: Dicionário Escolar da Língua Portuguesa- Academia Brasileira de Letras)

Com relação ao assunto abordado, os textos I e II

a) expressam opiniões a favor do uso de videogames por crianças.


b) relatam as últimas descobertas da ciência e condenam o uso das tecnologias.
c) apontam que o tempo gasto no videogame não afeta o rendimento escolar das
d) crianças.
e) apresentam pontos de vista diferentes em relação ao uso do videogame.
Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/1190321/DLFE-208011.pdf/1.0>. Acesso em: 25 mai. 2013.
INTERNA
15h50min.

Exemplo 5

Atividade: Explorando textos instrutivos

Objetivos:
 Ler e compreender o texto instrucional do jogo “Colocando em ordem”

Entregue digitado às regras do primeiro jogo. Por meio da leitura e da análise desse texto,
os alunos conhecerão as características desse gênero textual. Abaixo um exemplo:

COLOCANDO EM ORDEM

COMO JOGAR:

 REUNIR EM CÍRCULO.
 COLOCAR OS CADERNOS NO MEIO.
 ESCOLHER UMA PESSOA PARA ORGANIZAR OS CINCO PRIMEIROS CADERNOS.
 CADA ALUNO DEVERÁ, A SUA VEZ, CONTINUAR A FILA, OBEDECENDO A SEQUÊNCIA
ORGANIZADA PELO PRIMEIRO JOGADOR.

Obs. Outros textos podem ser utilizados.

Para explorar o texto, sugerimos alguns procedimentos:

a) Leitura.

Leia o texto para os alunos e pergunte:

 Que texto é esse?


 Para que ele serve?
 O que ele ordena que os jogadores façam?
 O texto contém todas as ordens necessárias para o jogo?

Registre no quadro as observações feitas pelos alunos. Ao final do debate, leia os


apontamentos e explique para eles a definição do gênero instrução: texto que ordena e
instrui como devemos agir em relação a alguma atividade, jogo, etc.

b) Localização de informações.

Leia as regras aleatoriamente e peça aos alunos que as localizem no texto, sublinhando-as.

c) Localização de palavras.

Dite algumas palavras do texto e peça à eles que as circulem. Peça também que as separem
em sílabas e contem quantas letras têm cada uma.

Disponível em: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=28384>. (adaptado). Acesso em: 22


INTERNA
mai. 2013. 14h32min.

OUTRAS POSSIBILIDADES DE ATIVIDADES COM TEXTOS VERBAIS E NÃO VERBAIS:


LEITURA E LOCALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES EXPLÍCITAS NOS TEXTOS, DE FORMA ORAL E
ESCRITA.

Os esquemas a seguir adaptados do Livro de Curto, Lluis Maruny. Escrever e Ler: materiais e
recursos para a sala de aula. trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: Arte Médicas Sul, 2000. Volume II
constituem exemplos que permitem ao educador adequá-los a sua realidade, envolvendo Jovens e
Adultos na tarefa de ler e localizar, identificar, reconhecer, fazer distinção, comparar
abordagens e posicionar-se criticamente diante das informações explícitas seguindo as
pistas fornecidas pelo próprio texto/ gênero.

Exemplo 1:

LEITURA DE UM CARTAZ
SELEÇÃO DE DADOS Criar uma situação favorável para leitura e interpretação de
cartazes. Podem se valer de situações do momento que estão
acontecendo na escola. Ex.: festas, concursos, campanhas,
espetáculos de teatro, danças, circo, etc.
Podem ser trazidos, pelo educador ou pelos alunos cartazes das
próprias atividades escolares e de circulação na comunidade
elaborados graficamente ou escritos à mão.
DESENVOLVIMENTO DA  Identificação do tema do cartaz a partir da ilustração, um
ATIVIDADE logotipo conhecido ou outros indicadores e pistas.
 Formulação de perguntas acerca do tema do cartaz: lugar, dia e
hora, título da atividade, etc.
 Identificação de palavras conhecidas, identificação das cifras
que aparecem no cartaz, a que se referem, etc.
 Complementação da leitura com apoio do educador e da
turma: Comentário sobre as características do cartaz e do seu
conteúdo.
Obs. O educador deve esclarecer por meio de problematização
e com foco na antecipação do conteúdo do cartaz (O que deve
ser? Onde? Quando?) levando o aluno a perceber os
fragmentos persuasivos explícitos e implícitos no texto,
trabalhar pistas de como identificá-los, bem como trabalhar
suas características gráficas.
CONTEÚDOS/HABILIDADES Função dos cartazes e características.
ESPECÍFICAS Procedimentos de leitura e localização de informações e
interpretação de dados.
Análise da relação entre a mensagem escrita e a ilustração,
tipografia.
Articulação de mensagens verbais com imagens, recursos plásticos
e tipográficos, etc.
MATERIAIS Um ou diversos cartazes.
Caderno para registro da análise da atividade.
INTERNA
ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS As características do cartaz (motivação, linguagem breve e precisa,
sintaxe simples, repetição de elementos, presença de ilustração,
letras grandes, etc.) tornam-se especialmente adequadas como
texto de leitura, inclusive antes da decifração com alunos ainda
não alfabetizados.

Exemplo 2:

LEITURA DE UMA NOTÍCIA


SELEÇÃO DE DADOS Criar uma situação favorável para leitura e interpretação uso,
de textos informativos.
DESENVOLVIMENTO DA  Apresentar o jornal na sala de aula como documento
ATIVIDADE informativo escrito: o que é, para que serve, como é, o
que traz, como se organiza o conteúdo (seção, formato,
etc.) quais o aluno conhece, quem os lê, que
conhecimentos prévios tem sobre os jornais, etc. Dada a
complexidade desse tipo de texto, a apresentação pode
ser feita em vários momentos ao longo do ano letivo,
levando-se em conta o trabalho a ser realizado.
 Preparação da leitura: Conhecimentos prévios sobre a
notícia, formulação de hipóteses a partir da imagem, etc.
 Leitura e comentário da manchete.
 Leitura prévia da notícia por parte do professor ou
diretamente pelos alunos para captar o argumento (o que
aconteceu?).
 Leituras sucessivas para identificar todos os elementos da
notícia (onde, quando, por quê, etc.).
 Recapitulação oral do texto.

CONTEÚDOS/HABILIDADES  Procedimentos de leitura de notícias.


ESPECÍFICAS  Procedimentos de verbalização do que foi escrito-
reconstrução do texto.
MATERIAIS A notícia pode ser lida diretamente do jornal ou extraída.
ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS A atividade pode se feita coletivamente onde o grupo possa
trabalhar com a mesmo ou uma notícia diferente e ao final
compartilhá-la com os demais colegas.
INTERNA
OUTRAS SUGESTÕES*  Trabalhar a escrita da legenda de uma foto que
corresponda a uma notícia – Objetivos: observar a
relação texto-imagem, levantar e compartilhar
informações implícitas no texto de forma oral e/ou
escrita.
 Relacionar Legendas com as imagens correspondentes –
Objetivos: compartilhar informações, levantar hipóteses
de antecipação do conteúdo da legenda, relacionar
mensagem à imagem.
 Escrever uma manchete de uma notícia – Objetivos:
observar qual a ideia principal da notícia que deve refletir
na manchete, compartilhar informações relacionadas à
notícia.

*Podem também ser explorada para o desenvolvimento de habilidades e competências previstas para o Eixo 2- Inferir os sentidos de
palavras, imagens ou expressões em textos verbais e não verbais.

Exemplo 3:

LEITURA DE UM CONTO PELO PROFESSOR


SELEÇÃO DE DADOS Dispor de uma variedade de gêneros literários adequados à
jovens e adultos e de textos literários de qualidade
Obs. Os textos literários devem ser apreciados e estarem à
margem das exigências avaliadoras ou do esforço de
aprendizagem de decodificação.
DESENVOLVIMENTO DA  O educador deve criar estratégias para antecipar o
ATIVIDADE conteúdo do conto, seu tema, personagens, formulando
boas perguntas sobre o que deve acontecer na história,
bem como, levantar hipóteses sobre o conteúdo gráfico
desse gênero.
 Seleção do conto que será lido (trazido por um aluno ou
selecionado pelo educador).
 Leitura silenciosa.
 Observação do texto/livro (capa, tamanho, ilustrações, o
que nos sugere, tem muitas ou poucas letras).
 Leitura do título e compreensão/assunto.- Antecipação
do assunto.
 Leitura enfática, com interrupções, objetivando
assegurar a compreensão e para antecipar o conteúdo
(leitura em tom mais alto).
 Recapitulação e reconstrução oral do texto (podendo
também realizar registro escrito).
CONTEÚDOS/HABILIDADES Procedimentos de leitura e localização de informações.
ESPECÍFICAS Motivação e interesse pelos textos literários (prazer de ler).
Hábitos de audição atenta a leitura.
INTERNA
MATERIAIS Um ou diversos contos.
Caderno para registro da análise da atividade.
ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS Além do levantamento de informações explícitas no texto a
atividade deve despertar o interesse e o prazer pela leitura.
OUTRAS SUGESTÕES*  Interpretação de imagens sequenciadas para ordená-las
posteriormente.
 Completar títulos de contos conhecidos a partir de uma
lista de palavras possíveis.
 Relacionar uma lista de personagens ou títulos de contos
conhecidos com suas imagens.
 Dramatização de um conto conhecido.
 Reconstrução de um conto conhecido com imagens.

*Podem também ser explorada para o desenvolvimento de habilidades e competências previstas para o Eixo 2- Inferir os sentidos de
palavras, imagens ou expressões em textos verbais e não verbais.

Exemplo 4:

LEITURA DE UMA RECEITA CULINÁRIA – textos prescritivos


SELEÇÃO DE DADOS Receitas trazidas pelos alunos ou pelo educador.
DESENVOLVIMENTO DA  Preparação para a leitura com comentário do título e
ATIVIDADE hipóteses sobre a elaboração da receita.
 Leitura e comentário dos ingredientes. São necessários
para quê?
 Leitura e comentários sobre o processo de elaboração
(utensílios que serão utilizados).
 Recapitulação da leitura observando as informações
explícitas no texto por meio de perguntas orais sobre a
receita.
CONTEÚDOS/HABILIDADES Características textuais da receita.
ESPECÍFICAS Procedimentos para leitura de textos prescritivos.
MATERIAIS Receitas culinárias.
ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS É interessante que os alunos comprovem na prática (em
casa) que a receita deve estar presente ao longo da
elaboração e, ser consultada, constantemente, com o foco
em evitar erros na elaboração de um prato.

Exemplo 5:

IDENTIFICAÇÃO DAS IDEIAS PRINCIPAIS DE UM TEXTO – Textos expositivos


SELEÇÃO DE DADOS Em relação a um tema de trabalho, trata-se de localizar
informações e repostas a perguntas previamente
formuladas.
INTERNA
DESENVOLVIMENTO DA  A partir de um roteiro de trabalho e do levantamento dos
ATIVIDADE conhecimentos prévios dos alunos, identificar questões
concretas às quais se busca respostas no texto.
 Leitura prévia focalizando as ideias principais.
 Leitura posterior com chance para formulação de novas
perguntas e que ajudem estabelecer outras ideias
importantes do texto.
CONTEÚDOS/HABILIDADES Identificação das ideias principais por meio de
ESPECÍFICAS procedimentos de leitura.
MATERIAIS Textos selecionados para a atividade.
ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS Convém que o educador discuta com os alunos o que é
importante em um texto: quais as ideias principais e como
elas são destacadas.

Referências:

 COLL, César, TEBEROSKY, Ana. Aprendendo Português. Conteúdos essenciais para o


Ensino Fundamental de 1ª a 4ª série. São Paulo: Editora Ática, 2000.

 CURTO, Lluís Maruny, MORILLO, Maríbel Ministral e TEIIDÓ, Manuel Miralles.


Escrever e ler materiais e recursos para sala de aula- Materiais e recursos para a
sala de aula. trad. Ernani Rosa - Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. V. II.

 Programa de Formação continuada de professores dos anos/séries iniciais do


Ensino Fundamental. Pró Letramento. Alfabetização e Linguagem (fascículo 7):
Modos de Falar Modos de Escrever. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de
Educação Básica, Universidade de Brasília - UNB, Ed revisada, 2007.

 Programa Gestão da Aprendizagem Escolar - Gestar II. Língua Portuguesa:


Atividades de Apoio à Aprendizagem 4 - AAA4: Leitura e processos de escrita I
(Versão do Professor). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Básica, 2008.

 Sites:
www.rio.rj.gov.
www.portaldoprofessor.mec.gov.br.

Você também pode gostar