Você está na página 1de 8

F.A.Q.

Aqui você poderá encontrar os principais questionamentos levantados por nossos clientes e parceiros,
seguidos da explicação elaborada pela equipe técnica da LabTools.

O que é um microcontrolador?
O que significa PIC?
Qual a diferença do PIC em relação a outros microcontroladores?
Quem é a Microchip?
Quais os distribuidores e representantes da Microchip?
Por que a LabTools utiliza o PIC?
O que é o MpLab?
Como eu gravo um programa dentro do PIC?
Qual a diferença entre McFlash e McPlus?
Por que o McFlash e o McPlus são similares ao PICstartPlus?
Quais são os PICs gravados pelo McFlash?
Quais são os PICs gravados pelo McPlus?
Como é o livro "Desbravando o PIC"?
Qual a configuração para gravar os exercícios do Desbravando o PIC?
O que é a placa McLab1?
Quais são os temas do Curso PIC 1 / Desbravando o PIC?
O que é o Método Aprendendo em Casa?
Como é o livro "Conectando o PIC"?
O que é a placa McLab2?
Quais são os temas do Curso PIC 2 / Conectando o PIC?
O mesmo set de instruções do PIC é utilizado em toda família deste microcontrolador?
Quais os procedimentos para efetuar gravações dos exemplos dos livros nos kits didáticos?
Existem instituições que ensinam a tecnologia PIC no Brasil?
Como comprar os produtos da LabTools?
O que significam as letras introduzidas no final do nome do PIC?
Qual a diferença entre Flash e OTP?
Qual a diferença do PIC 16F84 e do PIC 16F628?
Quais os periféricos disponíveis no PIC?
Para que serve o Code Protection?
O que é o Watch Dog Timer?
Qual a freqüência máxima de trabalho de um PIC?
O PIC é um microcontrolador RISC?
O que é RISC?
Qual a quantidade máxima de I/Os disponíveis em um PIC?
Qual a capacidade máxima de memória de programa de um PIC?
Qual a capacidade máxima de memória de dados de um PIC?
Qual a diferença em termos percentuais, sobre o custo de um microcontrolador Flash e OTP?
Existe a possibilidade de gravação de apenas parte da memória da programação de um PIC?
Existe a possibilidade de um PIC se comunicar com outro PIC?
Com o PIC gravado com Code Protection, existe a possibilidade de quebra desta proteção?
Atualmente qual o número de modelos PIC no mercado?
Existem compiladores C para PIC? Quais são?
Qual a relação em termos de tamanho de programa entre o C e o Assembly?

O que é um microcontrolador?
Podemos definir o microcontrolador como um "pequeno" componente eletrônico, dotado de uma
"inteligência" programável, utilizado no controle de processos lógicos. O controle de processos deve ser
entendido como o controle de periféricos, tais como: led´s, botões, display's de cristal líquido (LCD),
resistências, relês, sensores diversos (pressão, temperatura, etc.) e muitos outros. São chamados de controles
lógicos pois a operação do sistema baseia-se nas ações lógicas que devem ser executadas, dependendo do
estado dos periféricos de entrada e/ou saída.
Voltar ao índice
O que significa PIC?
É o nome que a Microchip adotou para a sua família de microcontroladores, sendo que a sigla significa
Controlador Integrado de Periféricos.
Voltar ao índice

Qual a diferença do PIC em relação a outros Microcontroladores?


Atualmente todos os microcontroladores são muito parecidos, a grande diferença está no projetista, tanto no
aspecto do hardware quanto do software.
Talvez a maior vantagem do PIC sobre os demais é exatamente a sua popularização, pois hoje é muito fácil
achar material sobre ele, de livros a cursos completos.
Voltar ao índice

Quem é a Microchip?
A Microchip é uma empresa norte americana, fundada em 1989, com sede na cidade de Chandler, Arizona
(oeste dos E.U.A.) Esta empresa desenvolve, fabrica e comercializa microcontroladores (PIC), memórias
seriais (I²C e SPI), produtos para segurança (Keeloq), identificadores por RF (RFID), conversores A/D,
circuitos integrados de supervisão (Bronw out) e amplificadores operacionais.
Veja também: Links
Voltar ao índice

Quais os distribuidores e representantes da Microchip?


A Microchip é representada no Brasil pela empresa Artimar. Os microcontroladores PIC podem ser
comprados junto aos distribuidores autorizados: Bevian, Future Eletronics, Farnell do Brasil, Avnet e
Hitech.
Veja também: Links
Voltar ao índice

Por que a LabTools utiliza o PIC?


Quando começamos a estudar microcontroladores, em meados de 1995, pesquisamos todas as opções
existentes no mercado e optamos pelo PIC considerando os seguintes aspectos:
· Apesar da Microchip ser uma empresa nova (1989) ela estava muito bem no mercado de
microcontroladores.
· Foi a empresa que nos ofereceu maior suporte técnico, através de seu representante no Brasil.
· Possuía uma ferramenta unificada de trabalho (MpLab), sendo a única naquela época.
· Investia em produtos que ajudavam a popularização dos microcontroladores, como o primeiro modelo de 8
pinos.
· Possuía produtos modernos e robustos (RISC, arquitetura haward, periféricos avançados, etc)
Até hoje a Mosaico continua trabalhando com a Microchip por ser a marca que ainda obtém maior média de
vantagens, tanto para nós quanto para nossos clientes.
Voltar ao índice

O que é o MpLab?
O MpLab é um ambiente integrado de desenvolvimento (I.D.E.: Integrated Development Environment). No
mesmo ambiente o usuário pode executar todos os procedimentos relativos ao desenvolvimento de um
software para o PIC (edição, compilação, simulação, gravação), tornando o trabalho do projetista mais
produtivo. Este programa é totalmente gratuito e pode ser pego neste próprio site (veja Downloads).

Edição
O MpLab possui um editor de texto para seus programas que possui diversas ferramentas de auxílio como
localizar, substituir, recortar, copiar e colar.

Compilação
Compilar significa traduzir um programa escrito em assembly (mneumônicos) para linguagem de máquina
(números). A compilação gera um arquivo com extensão .hex (hexadecimal) a partir dos arquivos de código
fonte (.asm) e de projeto (.pjt). É o conteúdo do arquivo hexadecimal que é gravado na memória de
programa do PIC.

Simulação
O MpLab possui ferramentas para simulação do programa no próprio computador, possibilitando a
execução passo a passo, visualização e edição do conteúdo dos registradores, edição de estímulos (entradas),
contagem de tempo de execução, etc.

Gravação
Para que o programa seja executado no microcontrolador, o arquivo hexadecimal deve ser gravado no PIC.
O MpLab oferece suporte aos gravadores fabricados pela Microchip. Os gravadores da LabTools (McFlash
e McPlus) também funcionam dentro do MpLab

Emulação
A Emulação é um recurso de desenvolvimento que possibilita testes em tempo real. O MpLab oferece
suporte ao hardware necessário para estar emulando um determinado programa. Esta emulação é feita
conectando-se (através do hardware mencionado) o computador ao sistema projetado, no lugar do PIC.

Veja também: Downloads


Voltar ao índice

Como eu gravo um programa dentro do PIC?


Depois de editado e compilado um programa, o resultado deverá ser gravado na memória interna do PIC.
Para isso será necessário o uso de um hardware extra que interliga o computador ao PIC. Este equipamento
é chamado de gravador. A LabTools disponibiliza atualmente dois gravadores de PIC: McFlash e McPlus
Veja também: McFlash, McPlus
Voltar ao índice

Qual a diferença entre McFlash e McPlus?


Os dois gravadores simulam o PICStartPlus (gravador oficial da Microchip), rodando diretamente de dentro
do MpLab.
O McFlash grava toda a família Flash. O McPlus, além de gravar a família Flash, grava vários modelos da
família OTP, totalizando mais de 90 modelos.
Veja também: McFlash, McPlus
Voltar ao índice

Por que o McFlash e o McPlus são similares ao PICstartPlus?


O McFlash e McPlus são similares ao PICstartPlus pois são gravadores de desenvolvimento que foram
projetados para trabalhar com o mesmo protocolo, operando dentro do MpLab. A vantagem dos primeiros é
que são muito mais baratos.
Veja também: McFlash, McPlus
Voltar ao índice

Quais são os PICs gravados pelo McFlash?


Este gravador serve para trabalhar com a linha de PICs do tipo Flash, gravando os modelos das famílias
12F, 16F e 18F. Maiores detalhes podem ser obtidos diretamente na ficha do produto.
Veja também: McFlash
Voltar ao índice

Quais são os PICs gravados pelo McPlus?


Este gravador serve para trabalhar com quase toda a linha de PICs, incluindo modelos Flash e OTP.
Somente os modelos de PIC mais antigos não são suportados por este gravador. Maiores detalhes podem ser
obtidos diretamente na ficha do produto.
Veja também: McPlus
Voltar ao índice

Como é o livro "Desbravando o PIC"?


Este livro destina-se ao aprendizado da linguagem assembly do PIC e é baseado no PIC16F84. Na verdade,
o set de instruções aprendido serve para toda a família 12 e 16, e os exercícios podem ser facilmente
executados em outros modelos, tal como o PIC16F628. Com ele você aprenderá também sobre o MpLab,
compilação, gravação e debugação.
Veja também: Desbravado o PIC, McLab1, McFlash, Curso Módulo I, Método I
Voltar ao índice
Qual a configuração para gravar os exercícios do Desbravando o PIC?
Ao utilizar PICs 16F84 para execução dos exercícios do livro Desbravando o PIC, utilize os seguintes
Configurations Bits:
Oscilator - XT
WDT - OFF
POWER TIMER - OFF
CODE PROTECTION - OFF
Veja também: Desbravando o PIC, McLab1
Voltar ao índice

O que é a placa McLab1?


Esta é uma placa didática de baixo custo destinada ao aprendizado básico da programação do PIC. Opera
com PICs de 18 pinos e executa todos os exercícios do livro "Desbravando o PIC". Trabalha diretamente
com os gravadores da LabTools.
Veja também: McLab1, McFlash, Desbravando o PIC, Curso Módulo I, Método I
Voltar ao índice

Quais são os temas do Curso Módulo I / Desbravando o PIC?


· Introdução aos microcontroladores
· Arquitetura PIC 16F84 e 16F628
· R.I.S.C. x C.I.S.C.
· Ciclo de Máquina
· Pipeline
· Watchdog Timer
· Interrupções
· O MpLab
· Gravação
· EEPROM
· Código fonte
· Set de instruções completo
· Diretrizes
· Assembly
· Power Up
· Power On Reset
· Brown Out
· Simulação
Veja também: Curso Módulo I, Desbravando o PIC, Método I
Voltar ao índice

O que é o Método Aprendendo em Casa?


Devido as dificuldades de certos clientes para poderem se deslocar até o centro de treinamento da Mosaico,
foram criados os métodos de ensino dentro do sistema Aprendendo em Casa. Tratam-se de pacotes com
todo o material didático necessário para o aprendizado, do básico (Método I) até o avançado (Método II).
Você estará recebendo na sua casa ou empresa, o livro, o gravador a placa didática, manuais e CD´s. Uma
ferramenta indicada para quem está fora de São Paulo e gosta de aprender sozinho.
Veja também: Método I, Método II
Voltar ao índice

Como é o livro "Conectando o PIC"?


Este livro explica toda a introdução e apresentação do PIC 16F877, possuindo 10 aulas com assuntos
específicos (vide temas do Módulo II). Para cada uma destas aulas você terá acesso a teoria da aula, os
recursos do PIC, lógica do exemplo, esquema elétrico, fluxograma, código, dicas, comentários e exercícios
propostos.
Temas relevantes: Arquitetura PIC16F877, I/OS e timers, varredura de display de 4 dígitos, operação com
display de cristal líquido (LCD), conversor A/D interno, conversor A/D por RC, os módulos CCP
(Capture/Compare/PWM), E²PROM, comunicação serial 1 (SPI e I²C), comunicação serial 2 (USART),
outras características.
Veja também: Conectando o PIC, McLab2, McFlash, Curso Módulo II, Método II
Voltar ao índice
O que é a placa McLab2?
Esta é uma placa didática bem mais avançada destinada ao aprendizado profundo dos recursos e periféricos
do PIC. Opera com PICs de 40 pinos e executa todos os exercícios do livro "Conectando o PIC", possuindo
recursos como LCD, Displays de leds, botões, comunicação RS-232, sistema de temperatura, A/D, etc.
Trabalha diretamente com os gravadores da LabTools.
Veja também: McLab2, McFlash, Conectando o PIC, Curso Módulo II, Método II
Voltar ao índice

Quais são os temas do Curso Módulo II / Conectando o PIC?


· Arquitetura PIC16F877
· I/OS e timers
· varredura de display de 4 dígitos
· operação com display de cristal líquido (LCD)
· conversor A/D interno
· conversor A/D por RC
· os módulos CCP (Capture/Compare/PWM)
· E²PROM, comunicação serial 1 (SPI e I²C)
· comunicação serial 2 (USART)
· outras características.
Veja também: Curso Módulo II, Conectando o PIC, Método II
Voltar ao índice

O mesmo set de instruções do PIC é utilizado em toda família deste microcontrolador?


A grande vantagem da família PIC é que todos os modelos possuem um set de instruções bem parecido,
assim como mantêm muitas semelhanças entre suas características básicas. Desta forma, ao conhecermos e
estudarmos um PIC, estaremos nos familiarizando com todos os microcontroladores da Microchip, o que
facilitará a migração para outros modelos. Os microcontroladores de 12 Bits possuem 33 instruções e os de
14Bits possuem 35 instruções, sendo bem similares. Já as famílias 17 e 18 possuem um set de instruções
bem maior.
Voltar ao índice

Quais os procedimentos para efetuar gravações dos exemplos dos livros nos kits didáticos?
Para efetuar as gravações, primeiramente as placas devem estar corretamente instaladas conforme os
manuais que seguem junto ao kit. Vale salientar que o gravador McFlash ou McPlus realiza gravação in-
circuit, portanto, não é necessário retirar o PIC da placa de desenvolvimento e espetá-lo no soquete McSoc.
Este só lhe terá serventia se seu hardware não tiver entrada para o cabo RJ11 dos gravadores. O gravador
deve estar conectado ao Microcomputador através da Serial RS-232 e à placa de desenvolvimento através
do cabo RJ11. O MpLab e os exemplos do livro devem estar instalados em seu PC. Realizados todos os
procedimentos mencionados, um novo projeto deverá ser aberto em seu MpLab, associando um código-
fonte e compilando o mesmo, conforme instruções do livro Desbravando o PIC, páginas 32 à 37. Por último,
gravar o código compilado (HEX) em seu PIC, acessando a tela de gravação a partir do menu
"PICStartPlus/Enable Programmer" conforme página 43.
Veja também: McFlash, Desbravando o PIC, Downloads, Curso Módulo I
Voltar ao índice

Existem instituições que ensinam a tecnologia PIC no Brasil?


Muitas universidades, colégios técnicos e até cursos profissionalizantes já adotaram a matéria de
microcontroladores, sendo a maioria dos casos baseados no PIC. Infelizmente estes cursos são, na sua
maioria, muito superficiais e não possuem os mesmos objetivos práticos que impomos aos módulos
ministrados em nosso Centro de Capacita��o.
Veja também: Curso Módulo I, Curso Módulo II, Método I, Método II
Voltar ao índice

Como comprar os produtos da LabTools?


Atualmente o pagamento pode ser feito através de Depósito Bancário ou Bloqueto. Entre em contato com
nosso departamento comercial (email ou 11-4992-8775) para validar a compra.
Veja também: Como comprar
Voltar ao índice
O que significam as letras introduzidas no final do nome do PIC?
Quando um novo modelo é lançado seu nome não possui letra alguma. As letras (A,B, C...) representam
novas versões para o mesmo modelo. Quanto mais nova a versão, mais barato é o PIC, porém pode haver
alterações em certas características elétricas.
Voltar ao índice

Qual a diferença entre Flash e OTP?


A família Flash possui a memória de programa regravável eletronicamente (os PICs Flash podem ser
gravados de 1000 até 10.000 vezes. Dentro desta família, os PICs da linha 16F87XA podem ser gravados de
1000 até 1000.000 de vezes). A família OTP (One Time Programm) grava somente uma vez.
Voltar ao índice

Qual a diferença do PIC 16F84 e do PIC 16F628?


Ambos são PICs do tipo Flash com 18 pinos, só que o modelo 16F628 é mais novo e por isso possui uma
série de vantagens:
· Mais barato
· Possui dois osciladores internos (4MHz e 32KHz)
· Possui o dobro da memória de programa (2K,1K)
· Possui mais RAM (224 X 68)
· Possui mais E²PROM (128 x 64)
· Possui mais I/Os (16 x 13)
· Possui 3 timers
· Possui USART
Veja também: PICs
Voltar ao índice

Quais os periféricos disponíveis no PIC?


Atualmente existem diversos periféricos, dependendo do modelo: Oscilador Interno, E²PROM, Conversor
A/D, PWM, Capture, Compare, USART, I²C, SPI, CAN, Drive para LCD, Timers, Comparadores, RF e
outros.
Consulte o sistema SLEEP em nosso site para maiores informações sobre os recursos e PICs.
Veja também: SLEEP
Voltar ao índice

Para que serve o Code Protection?


Code Protection é o Sistema de Proteção do Código do PIC, que impedirá que qualquer pessoa consiga ler o
programa gravado dentro do PIC. É a proteção que você terá para que ninguém possa "copiar" o seu
sistema. No caso de PICs da família Flash, que são regraváveis , não há problemas em deixar essa opção
ativada, pois esse código impedirá a leitura da memória, mas não impedirá a gravação de outro programa. Já
em casos de PICs Janelados (apagados por luz ultravioleta) a gravação de um componente com essa opção
ligada pode resultar em sua perda, impedindo a regravação do mesmo.
Voltar ao índice

O que é o Watch Dog Timer?


O watchdog é um recurso disponível no PIC que parte do princípio que todo sistema é passível de falha. Se
todo sistema pode falhar, cabe ao mesmo ter recursos para que, em ocorrendo uma falha, algo seja feito de
modo a tornar o sistema novamente operacional.
Dentro do PIC existe um contador incrementado por um sinal oscilador (RC) independente. Toda vez que
este contador extrapola o seu valor máximo retornando a zero, é provocado a reinicialização do sistema
(reset).
Clear Watchdog
Se o sistema estiver funcionado da maneira correta, de tempos em tempos uma instrução denominada clear
watchdog timer (CLRWDT) zera o valor deste contador, impedindo que o mesmo chegue ao valor máximo.
Desta maneira o Watchdog somente irá "estourar" quando algo de errado ocorrer (travando o sistema)
Pre-Scale
O período normal de estouro do Watchdog Timer é de aproximadamente 18 ms. No entanto, algumas vezes
este tempo é insuficiente para que o programa seja normalmente executado. A saída neste caso é alocar o
recurso de Pre Scale de modo a aumentar este período. Se sem o pre scale o período é de 18ms, quando
atribuímos ao Watchdog Timer um pre scale de 1:2 (um para dois) nós dobramos este período de modo que
o processamento possa ser executado sem que seja feita uma reinicialização.
Voltar ao índice

Qual a freqüência máxima de trabalho de um PIC?


Isto depende do modelo. Existem PICs que operam até 8, 10, 20, 25, 30 ou até 40 MHz.
Outra informação importante é que para um determinado modelo de PIC (por exemplo 16F84A), que deve
operar até 20MHz, podem ser compradas unidades que só foram testadas para uma freqüência menor. O
valor desta freqüência é escrito após o nome do PIC, separado por um traço. Por exemplo, o PIC 16F84A-04
só opera até 4MHz.
Veja também: SLEEP
Voltar ao índice

O PIC é um microcontrolador RISC?


Sim, os PICs utilizam tecnologia RISC.
Voltar ao índice

O que é RISC?
RISC significa Reduced Instruction Set Computer (Computador com Set de Instruções Reduzido). Desta
forma, os PICs possuem cerca de 35 instruções (o número correto varia de acordo com o microcontrolador),
muito menos que os microcontroladores convencionais (CISC) que chegam a possuir mais de 100
instruções. Isto torna o aprendizado muito mais fácil e dinâmico, mas, por outro lado, implica no fato de que
muitas funções devem ser "construídas", pois não possuem uma instrução direta, exigindo maior habilidade
do programador.
Voltar ao índice

Qual a quantidade máxima de I/Os disponíveis em um PIC?


O maior modelo hoje possui 68 I/Os (PIC 18C858/ 8620 /8720)
Veja também: SLEEP
Voltar ao índice

Qual a capacidade máxima de memória de programa de um PIC?


No caso de memória interna são 65K (16 Bits) para o PIC 18F8720
Veja também: SLEEP
Voltar ao índice

Qual a capacidade máxima de memória de dados de um PIC?


O maior modelo também é o 18F8720, com 3.840 Bytes.
Veja também: SLEEP
Voltar ao índice

Qual a diferença em termos percentuais, sobre o custo de um microcontrolador Flash e OTP?


Isto também é muito relativo, mas a premissa de que os modelos Flash são muito mais caros está sendo
derrubada pelo avanço da tecnologia. Hoje possuímos modelos Flash competitivos em relação aos OTP.
Voltar ao índice

Existe a possibilidade de gravação de apenas parte da memória da programação de um PIC?


Sim. Pode ser gravada uma única posição dentro de toda a memória ou um bloco dela. Isto torna a gravação
muito mais rápida.
Voltar ao índice

Existe a possibilidade de um PIC se comunicar com outro PIC?


Sim, das mais variadas formas. Os protocolos SPI e I²C foram desenvolvidos pelo mercado e encontram-se
dentro de vários modelos para a comunicação entre periféricos, incluindo 2 ou mais PICs.
Veja também: SLEEP
Voltar ao índice

Com o PIC gravado com Code Protection, existe a possibilidade de quebra desta proteção?
Não. A proteção de código impede que qualquer pessoa consiga ler o programa gravado no PIC, incluindo o
proprietário do sistema. A proteção é feita por um hardware interno.
Voltar ao índice
Atualmente qual o número de modelos PIC no mercado?
Cerca de 103, incluindo as versões de um mesmo modelo (atualizado em: Dez/2002)
Veja também: SLEEP
Voltar ao índice

Existem compiladores C para PIC? Quais são?


Sim, de fabricantes especializados como CCS e Hitec
Voltar ao índice

Qual a relação em termos de tamanho de programa entre o C e o Assembly?


Normalmente o programa final (compilado) em linguagem "C"é o maior que em assembly, mas isso
depende muito da qualidade do compilador C e do programador.
Voltar ao índice