Você está na página 1de 6

Entrevista Exclusiva: Melissa Rosenberg roteirista de

Twilight

Adaptar Twilight. Não é exatamente um trabalho sórdido. Certamente um


trabalho difícil - mas alguém tinha que fazê-lo. E seria a roteirista Melissa
Rosenberg, o primeiro salto de vigor entusiasmado que criativamente
emprestou seu nome para a adaptação às telas, da Summit Entertainment,
do romance de Stephenie Meyer sobre vampiros, lobisomens, e mais
importante, sobre Bella (Kristen Stewart), a jovem garota que se apaixona
por um imortal chamado Edward (interpretado por Robert Pattinson). Além
de seu trabalho como escritora no Step Up (2006), Rosenberg é produtora e
escritora da série de serial killer Dexter, agora entrando na sua terceira
temporada. Antes disso, ela passou um tempo em The O.C. e voando em
Birds of Prey.

Em meio ao aumento da presença da imprensa em volta de Twilight, o que


tem colocado o jovem elenco em evidência, nós sentimos que é o momento
de virar a atenção em quem estava no começo dessa adaptação. A seguir
temos uma conversa do site ShockTillYouDrop.com's com Rosenberg que
tirou um tempinho dos suas obrigações em Dexter, para falar conosco sobre
o processo de escrita e do inegável fascínio de Twilighttem nos seus leitores.
E ela tem um pouco a dizer sobre Dexter Morgan também.

ShockTillYouDrop.com: Twilight foi um projeto que você teve que ir


atrás ou a Summit lhe procurou?

Melissa Rosenberg: Na verdade eles me procuraram. Eu escrevi Step Up


para eles e tivemos uma ótima relação de trabalho. Eles me pediram para
fazer Step Up 2, mas eu não estava disponível. Quando eu recusei, pensei
que havia destruído minha relação com eles, mas oito meses depois eles me
chamaram e perguntaram como você se sente a respeito de adolescentes e
vampiros? Você esta brincando eu adoro adolescentes e vampiros [risos].
Eles me mostram o livro e eu amei.
ShockTillYouDrop.com: Parece que todo mundo que pára para ler o
livro termina em poucos dias, se não em horas – você teve a mesma
experiência? E qual foi a sua reação inicial?

Rosenberg: Eu o li todo em oito horas – um dia longo – porque estávamos


trabalhando no filme e eu fui contagiada. Eu amei a mitologia que ela
[Stephenie Meyer] criou. Vampiros com certeza já foi temas de histórias o
suficiente. Todos nos já vimos zilhoes de diferentes filmes de vampiros. E
aparecer com algo novo sobre vampiro é uma coisa muito difícil de fazer. A
última pessoas que fez isso, eu acho, foi Joss Whedon e antes dele Anne
Rice. Agora temos Stephenie Meyer e ela reinventou a mitologia e continuou
real o suficiente para que os fãs devotados pudessem afundar suas presas.
[risos] eu estava realmente impressionada e maravilhada com a sua
invenção. No centro, os relacionamentos e os personagens que ela
apresenta são ótimos, e o que o faz diferente é o quem os personagens são.

ShockTillYouDrop.com: O primeiro Step Up foi seu primeiro filme,


Twilight o segundo, pode ser perigoso. Você pode falar sobre o
processo de escolha e o que foi estabelecido pela Stephenie e
então decidir o que manter e o que retirar?

Rosenberg: Foi enfeitando menos e condensando mais. Existem muitas


conversas que ficam melhores no livro e não muito boas no filme. - digo, as
cenas de sentar e conversar. A essência, você condensa tudo até a essência
dos personagens e seu emocional, e sempre indicando pontos que
impulsionam a história e permanecendo fiel ao livro. Uma coisa como essa
que tem tanto suporte dos fãs, nosso intento o tempo todo era ficar fiel ao
livro e não de ficar adaptando palavra por palavra e sim fazendo com que
tivéssemos certeza que as relações dos personagens e suas jornadas
emocionais permanecessem as mesmas. Se a cena é na cafeteria onde eles
têm uma conversa de vinte paginas ou andando numa ponte, captar a
emoção é o elemento mais importante.

ShockTillYouDrop.com: Porque tudo isso tem sido contado da


perspectiva da Bella, como você conseguiu trabalhar com a parte
em que a personagem fica em silêncio dependente de cada coisa
que Edward faz? Ela descreve detalhadamente e é tudo interno.

Rosenberg: Bem, você tem que dar ao diretor um cenário onde eles podem
trabalhar. Você tem que criar uma situação para cada ator e para o diretos,
se você não vai ouvir o que estão pensando, você tem que ver, coreografar
na escrita. Eu realmente não estarei fazendo meu trabalho se deixar o
elenco e o diretor descobrirem sozinhos. Improviso [riso]. Você tem que
preparar a cena e fazer com que os atores estejam naquele momento.

ShockTillYouDrop.com: Teve alguma coisa que você achou difícil


passar para o roteiro e o que você colocou que não estava no livro?

Rosenberg: Eu pude colocar novidades, mas isso nasceu da essência do


livro, da intenção. Os vampiros ruins, por exemplo, eles só aparecem no
livro nos últimos 25 por cento da história, mas você deve saber que eles
estão por ai. Onde eles estiveram? O que eles estão fazendo? Estou
pegando do livro os personagens e lhes dando uma pequena história. Estou
deixando a audiência saber que é uma coisa que está preste a acontecer.
Ainda mais, esses personagens são divertidos [risos]. Em qualquer
momento que eu os coloque na tela eles serão divertidos.

ShockTillYouDrop.com: Dos personagens de Twilight, com qual você


se divertiu?

Rosenberg: James foi um ótimo divertimento. Mas Charlie, o pai, foi


excelente. Ele foi um personagem cheio de qualidades. Como a Bella, ele
tem dificuldade, pois os dois são muito calados. Você tem que achar esses
momentos. Enquanto escrevia tinha essas cenas bem curtas que traziam
muito peso para eles, eu amo essas cenas, amo os atores atuando nessa
cena. Eu realmente gostei de fazer os personagens humanos. Alguns deles
eram bem concisos. Tivemos que cortar alguns personagens e obviamente
que não cortamos os Cullens. Então juntamos alguns personagens em um
só. O Eric é um personagem resultado de uma combinação de outros, e
realmente foi divertido escrevê-lo. Jéssica também foi uma junção e foi
igualmente divertida.
ShockTillYouDrop.com: A Summit e a Stephenie Meyer tiveram que
aprovas cada alteração que foi feita?

Rosenberg: O que aconteceu é que esse livro foi uma opção para a
Paramount anos antes da Summit. Acho que era a MTV quem estava
desenvolvendo um roteiro – eu nunca li, eles não deixariam – mas Stephenie
disse que era um bom roteiro, porém não tinha nada a ver com o seu livro.
Eu acho que ela ficou bastante preocupada em entregar isso para outro
estúdio, pois ele queria seu livro adaptado. Algumas coisas não podiam
mudar. Primeiramente os personagens deveriam ser os mesmos, e os
vampiros deveriam ter os mesmos poderes e as mesmas limitações. Nós
tínhamos essa manifestação de vontades e começamos com algumas
páginas. Eles mandaram para mim e pensei que não existia nada nas
vontades que poderia me atrapalhar. Nós todos temos os nossos livros
favoritos adaptados para o cinema então disse por que eles fazem isso?

ShockTillYouDrop.com: O que você acha que interessa os fãs nos


livros?

Rosenberg: Eu acho que são várias coisas. Para começar temos Bella,
todas nós temos sido esta garota. Para as mulheres. Todas tem sido essa
humana e falível pessoa. E descendência de vampiros que se entregam a
um amor inatingível e essencial. É esse anseio que sentimos, esse delicioso
anseio. Eu acho que é por isso que eles são tão populares. Para Stephenie,
ela criou essa família um tanto inatingível, misteriosa, formada por pessoas
que são boas. Eles são acessíveis. Ela demonstra isso lentamente, ela seduz
você – porque o livro é contado pelo ponto de vista da Bella, você conhece
Edward e sua família pelo ponto de vista dela. Pedaço por pedaço, você vai
aprendendo quem é esse lindo rapaz e mostra a você quão humano ele é. O
ritmo da Stephenie e dos personagens deixam você entusiasmada.
ShockTillYouDrop.com: Poderia a Stephenie Meyer ter feito isso
com qualquer coisa que não vampiros?

Rosenberg: A sexualidade natural é bastante exclusiva para os vampiros,


mas à medida que você continua lendo os lobisomens também tornam-
importantes. Fico feliz que ela trouxe isso para os lobisomens. Mas o
vampiro é uma das poucas criaturas que carrega com ele essa sexualidade
convidativa, que está bem próxima da superfície.

ShockTillYouDrop.com: Você já leu todos os livros?

Rosenberg: Estou mesmo no meio de Breaking Dawn.

ShockTillYouDrop.com: Quais são os seus sentimentos por ela até


agora?

Rosenberg: Não me conte como termina! Até agora estou amando. Toda
vez que eu virar a página como eu estou, Uau, está realmente
acontecendo!? Ela se soltou. Os três primeiros livros foram de repressão,
repressão e repressão e, de repente, ela está sem controle. É uma coisa
corajosa para se fazer, para uma escritora de uma série de uma séria tão
amada Este é o meu mundo e eu estou levando ele até este ponto. Eu estou
abrindo as portas e deixando que todos olhem. É incrivelmente satisfatório
depois desses livros cheios de mistério.

ShockTillYouDrop.com: Você está escrevendo o roteiro de Lua


Nova?

Rosenberg: Eu vou ter dizer...Sem comentários. Tem havido discussões. O


futuro está sendo mantido sob segredos.

ShockTillYouDrop.com: O inicio da temporada de Dexter vai


começar. Eu sei que você não pode dizer muito sobre a terceira
temporada, mas o que podemos esperar?

Rosenberg: Nós estamos filmando o episódio sete agora, estamos


escrevendo o nono e temos mais três. A evolução de Dexter continua. Ele
está se movendo em direção a altruísmo num ritmo lento. A coisa sobre
essa época... Ele sempre tem uma necessidade de conexão, porque ele é
um pessoa isolada. Por isso, durante toda a primeira temporada ele tinha
Rudy, a segunda temporada foi Lila. Nesta temporada ele tem um amigo -
um verdadeiro amigo - e todas as ramificações que vêm com isso. É uma
relação muito boa e há uma série de complicações com isso. É explorar esse
lado da humanidade e está gostando disso.