Você está na página 1de 8

PROCESSAMENTO E ANÁLISE DE IMAGENS BIOMÉDICAS

Disciplina: Processamento e Análise de Imagens Biomédicas - 2020.4


Faculdade de Engenharia Elétrica e Biomédica
Universidade Federal do Pará
Prof. Isabela Miziara
Alunos: Rafael Silva de Oliveira e Marcos Héricles de Carvalho

1. Introdução

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células da mama. Esse
processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor.
Há vários tipos de câncer de mama. Por isso, a doença pode evoluir de diferentes formas.
Alguns tipos têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente. Esses
comportamentos distintos se devem às características próprias de cada tumor.
A mamografia de rastreamento – exame de rotina em mulheres sem sinais e sintomas de
câncer de mama – é recomendada na faixa etária de 50 a 69 anos, a cada dois anos. Fora dessa faixa
etária e dessa periodicidade, os riscos aumentam e existe maior incerteza sobre benefícios, mas vale
ressaltar que o exame pode ser solicitado por pessoas de qualquer idade que estejam com suspeitas.
Existe tratamento para câncer de mama, e o Ministério da Saúde oferece atendimento por
meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

1.1 Motivação

Mamografia é uma radiografia das mamas feita por um equipamento de raios X chamado
mamógrafo, capaz de identificar alterações suspeitas de câncer antes do surgimento dos sintomas, ou
seja, antes que seja palpada qualquer alteração nas mamas.
O ​Programa de Qualidade em Mamografia (PQM), é uma iniciativa do Ministério da Saúde,
com a participação do INCA, da ANVISA, das Vigilância Sanitárias locais e do Colégio Brasileiro de
Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) com vistas a garantir a qualidade da mamografia em
todos os serviços de mamografia do país. As ações envolvem a verificação do cumprimento da
legislação sanitária vigente, o controle da dose, da qualidade da imagem e do laudo (interpretação da
imagem radiológica).

1.2 Objetivos

As imagens biomédicas possuem alguns problemas quando não ocorre um tratamento


adequado. As estruturas presentes nessas imagens necessitam de cuidado para que o diagnóstico seja
preciso. Dessa forma, nosso estudo tem como objetivo aplicar técnicas de tratamento nessas imagens,
afim de obter uma melhor definição das imagens ao ponto de que seja possível melhor visualizar e
identificar os nódulos das imagens fornecidas avaliar o potencial de técnicas de processamento de
imagens biomédicas e analisar o impacto do aprimoramento na identificação das principais estruturas
dessas imagens.

2. Metodologia

Utilizando os conhecimentos adquiridos na disciplina de Processamento e Análise de Imagens


Biomédicas, aplicamos as técnicas de processamento e algoritmos para obter uma maior definição das
imagens. Onde: para ajuste de brilho e contraste, utilizamos transformações lineares ou
transformações não lineares. Para alargamento da faixa dinâmica e modificação do contraste,
utilizamos a equalização de histograma. Para realçar a imagem, utilizamos filtro passa alta. Para
suavizar a imagem, utilizamos um filtro passa-baixa.Aplicamos ainda técnicas de inversão de cores e
binarização para melhor destacar o nódulo do fundo da imagem e redimensionamos a imagem a fim
de que fosse recortada e ampliada a região em que se encontra o nódulo.
Para tanto, os algoritmos foram implementados em MatLab (código disponível nos anexos) e
experimentado obtendo os resultados devidos.

2.1. Experimentos
Foram tratadas três imagens, todas relacionadas a tumores mamários. A seguir segue a figura
1, a qual irá ser tratada:

Nessa imagem, foram usados tratamentos para aumento de brilho por meio de transformação
linear, em seguida, para melhor visualização do nódulo, foi feita a inversão de cores. Afim de
aproximar melhor a imagem e o nodulo, foi feito um corte ns imagem, como se pode ver nas figuras
abaixo:
Assim, podemos classificar o nódulo da esquerda como formato circular e com contorno
circunscrito, já o da direita, possui formato irregular e contorno espicular.
Agora em relação à segunda imagem tratada, temos basicamente os mesmo procedimentos de
transformação linear e inversão de cores. Porém nessa imagem, também foi realizada a equalização de
histogramas, mas com um resultado não tão bom como o primeiro, pode se observar nas figuras
abaixo:
Assim, podemos classificar o nódulo como irregular e com contorno espicular. Em relação a
terceira imagem, houveram alguns processos repetidos, como a transformação linear e a inversão de
cores. Na tentativa de melhorar a imagem, foi colocado um filtro mediana, porém a imagem ficou
com menor qualidade após a suavização do filtro.
Assim, podemos classificar o nódulo dessa última imagem, com distorções arquiteturais, pois
apresenta raios espiculares e possui contorno espicular.

3. Conclusões
É nítido a importância que estes tratamentos representam, principalmente, para a área da
saúde. Desta forma, é de extrema importância que estas técnicas sejam estudadas, implementadas e
aprimoradas para agregar ao constante desenvolvimento dos processos de tratamento de imagens
biomédicas.

4. Referências

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA​. Diretrizes para a


detecção precoce do câncer de mama no Brasil. Rio de Janeiro, 2015.

MIGOWSKI, A. et al. Diretrizes para detecção precoce do câncer de mama no Brasil. II – Novas
recomendações nacionais, principais evidências e controvérsias. Cadernos de Saúde Pública, Rio de
Janeiro, v.34, n.6, p. e00074817, 2018.

INSTITUTO NACIONAL DO CANCER (​INCA​/MS) PRÓ-ONCO. Estimativas 2000,


Disponível:https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama. MINISTÉRIO DA SAÚDE.

Anexos