Você está na página 1de 3

PSICOPATOLOGIA: SAÚDE X DOENÇA

1) Diferencie os conceitos de normalidade e anormalidade.

De acordo com Dumas (2011), às vezes é difícil determinar quem se


comporta normalmente e quem tem dificuldades importantes – em grande medida
porque essa definição é tanto uma questão de julgamento social e de valor quanto
uma questão de fato. Assim, há diversos critérios adotados para a normalidade e
anormalidade na psicopatologia.
A normalidade em suas diversas constituições, se transpõe de forma
flexível, demonstrando que seu significado se transforma de acordo com as
condições individuais. Portanto, pode-se afirmar que o limite do normal e o
patológico é impreciso.
Os critérios de normalidade e patologia variam de acordo com a função
dos fenômenos específicos com os quais se trabalha, e também de acordo com a
opção teórica do profissional.

2) Correlacionando Psicopatologias e Aprendizagem, quais queixas podem


caracterizar o perfil desta criança no ambiente escolar?

Em relação às psicopatologias que envolvem a aprendizagem, há uma


série de especificidades que necessitam ser levadas em consideração, sendo elas:
agitação, ansiedade, teimosia, mentiras, agressividades, expressão de sentimentos
de maneira inadequada, dificuldades de interação/relacionamento, déficits
acadêmicos, medos, angústias, falta de apetite, problemas com sono e vigília.
Essas são apenas algumas características que podem ser observadas em
uma suposta doença mental. O campo da psicopatologia inclui um vasto número de
fenômenos humanos diferenciados, associados a um diagnóstico de doença mental.

3) O que pode ajudar o profissional a identificar patologias?

De início, o professor deve conhecer os sintomas comuns das patologias


relacionadas à aprendizagem. Assim, ao conhecer os sintomas comuns aos
transtornos de aprendizagem, Deficiência Intelectual e TDAH, por exemplo, o
professor é capaz de identificar aquelas crianças que apresentam perfil similar a
esses transtornos e encaminhar a criança para uma avaliação mais pormenorizada.
Embora a função do professor não seja a de diagnosticar a criança, a
identificação precoce dos sintomas facilita o estabelecimento da melhor intervenção
para cada caso, e auxilia no aprendizado adequado de cada criança, respeitando
suas diferenças.

4) A ansiedade ou o Transtorno de Ansiedade Generalizada podem impactar o


desenvolvimento da criança no ambiente escolar? Explique.

A ansiedade pode prejudicar o aluno em vários aspectos e pode


desencadear consequências graves. Nesse sentido, alunos com transtornos de
ansiedade, geralmente, apresentam dificuldade para se concentrar e para assimilar
informações ditas pelo professor, o que acarreta uma aprendizagem pouco
satisfatória. Além disso, sentimentos negativos podem tomar conta dos
pensamentos desses alunos, dificultando seu foco no aprendizado.
Sendo assim, na ansiedade generalizada, ela é flutuante: a criança tem
vários temores persistentes e irrealistas que perturbam bastante seu
comportamento.

1
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

DUMAS, Jean E. Psicopatologia da infância e da adolescência. 3 ed. Porto


Alegre: Artmed, 2011.

LEARNING, Cengage. Psicopatologia da Aprendizagem. [e-book]. Disponível em:


<https://issuu.com/cengagebrasil/docs/9788522122554_livreto_issuu>. Acesso em:
08/12/2020.

SALLUM, Isabela. Como o professor pode ajudar a identificar transtornos de


aprendizagem em sala de aula? In: Blog Person Clinical Brasil. Disponível em:
<https://www.pearsonclinical.com.br/blog/2017/educacao/como-o-professor-pode-
ajudar-a-identificar-transtornos-de-aprendizagem-em-sala-de-aula/>. Acesso em:
08/12/2020.

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. Quais os riscos que a ansiedade pode trazer
para o aluno? In: Brasil Escola. Disponível em:
https://brasilescola.uol.com.br/saude/quais-os-riscos-que-ansiedade-pode-trazer-
para-aluno.htm. Acesso em: 08/12/2020.

WHITBOURNE, Susan Krauss; HALGIN, Richard P. Psicopatologia. Perspectivas


clínicas dos transtornos psicológicos. 7 ed. Porto Alegre: Artmed, 2015.

Você também pode gostar