Você está na página 1de 54

ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

1- Introdução:

A tecnologia SAP ALE permite a comunicação entre sistemas R/3 ou entre sistemas R/3 e outros sistemas
legacy. Quando um novo sistema ERP é implementado a empresa necessita construir interfaces entre seu
sistema ERP e o seus sistemas legacy, ou outros sistemas ERP. ALE provê mecanismos inteligentes para
que a empresa atinja esta integração e distribuição de dados, diminuindo o tempo de implementação e
facilitando a construção das aplicações. Os componentes ALE são integrados com as aplicações do SAP e
portanto asseguram uma maior confiabilidade junto ao sistema.

Suas principais vantagens são:


- rapidez na construção das aplicações,
- redução nos esforços de desenvolvimento,
- implementação rápida
- maior confiabilidade em relação aos processos tradicionais para carga de informações

2- Conceitos básicos da tecnologia ALE:

2.1 – Sistema Lógico ( Logical System ):

Um sistema lógico é uma representação de um R/3 ou um outro sistema externo no SAP para a
distribuição de dados para o sistema R/3.
Todo o client R/3 usado para ALE ou EDI tem de ter um sistema lógico associado. Ele pode
tornar-se o receptor ( mensagens de entrada ) ou o remetente ( mensagens de saída ) das
mensagens do sistema.
Além do sistema lógico base criado, um outro sistema lógico deve ser criado dentro do R/3 para
cada sistema externo usado por interfaces ALE. Para as interfaces de entrada este sistema lógico
representará o remetente ( outro R/3, ou sistema externo legacy ) em relação ao receptor ( sistema
lógico base ). Para interfaces de saída este sistema lógico representará o receptor em relação ao
sistema lógico base ( remetente ).

2.2 – Tipo de Mensagem ( Message Type ):

Uma mensagem representa o tipo de informação trocada entre os sistemas R/3, ou entre o sistema
R/3 e um sistema externo. Ela caracteriza o envio do dado através dos sistemas, relacionando à
estrutura do dado um documento eletrônico ( IDOC ).

2.3 – Tipo IDOC e IDOC ( IDOC type / IDOC):

Um Tipo IDOC é um documento intermediário que representa a estrutura do dado associado com a
mensagem, enquanto o IDOC é um objeto contendo os dados de uma determinada mensagem.
Cada IDOC contém um e somente um tipo de objeto. Ex: O IDOC do tipo “A1”, tipo de
mensagem “A” contém somente os dados do documento tipo “A”.
Os componentes do IDOC são:
- Registro de controle;
- Registro de dados;
- Registro de status.

2.3.1 – Registro de controle: O registro de controle, ou EDI_DC, é uma estrutura que


contém diversos campos com informação sobre o IDOC, tal como qual é o tipo de IDOC, o
tipo da mensagem, as informações do remetente, do receptor e o sentido (1 para outbound,
2 para inbound). Esta informação fornece dados de controle no outbound e de opções de
processamento em um IDOC inbound. Sua chave é composta do client (MANDT) e o
número de IDOC (DOCNUM). O registro de EDI_DC de um IDOC é armazenado na
tabela EDIDC. Cada IDOC tem um registro de controle.

2.3.2 – Registro de dados: O registro de dados, que compõe a estrutura EDI_DD, contem
os dados da aplicação. Cada registro de EDI_DD tem uma chave parcial que que consiste
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

em diversos campos que descrevem o conteúdo do registro. A chave de 55/63 bytes é


seguida pelo campo SDATA, que tem 1000 bytes de comprimento e do tipo Long
Character. O campo de SDATA armazena os dados da aplicação, e sua estrutura é
determinada pelo campo chave SEGNAM (nome do segmento). Um IDOC consiste em um
ou mais registro de dados, e sua seqüência e estrutura são ditadas pela seqüência e pela
estrutura dos segmentos em um tipo dado de IDOC. A parcela de SDATA do registro de
dados é redefinida para cada ocorrência baseada na estrutura do segmento, com os
primeiros 55/63 bytes do registro de dados que identifica o nome, a seqüência, e a
hierarquia do segmento. Em uma interface outbound, os módulos da função de ALE/EDI
preenchem estes segmentos com dados da aplicação. Em uma interface inbound, os
módulos de aplicação processam os dados contidos nos segmentos. Os registros de dados
são armazenados na tabela EDID2.

2.3.3- Registro de Status: Ele contém as informações de status do IDOC como falha ou
sucesso nos vários estágios do processamento. O status também inclui os timestamps e
datas de quando um particular processamento foi feito permitindo com isto a manutenção
de um histórico do processamento. Um IDOC pode ter um ou mais registros de status.
Esses registros podem ser acessados ou criados apenas pelos módulos de função do SAP
( APIs ), não são externos.
Para apresentar estas informações siga o caminho Tools  Administration  Process
Technology  IDOC  IDOC Basis
Documentation  IDOC Record Types

Ou executando a transação WEDI

3- Modelo de distribuição:

Em um sistema de R/3 um modelo de distribuição de cliente é uma ferramenta que armazena


informações sobre o fluxo das mensagens através dos vários sistemas. Ele utiliza um modelo de
referência de distribuição do SAP-delivered como sua base. O modelo da distribuição de cliente
armazena os dados que dizem quais fluxos de mensagens (tipos de mensagem) vão a certos
sistemas lógicos. Muitas mensagens podem fluir para um sistema lógico, bem como uma
mensagem pode fluir para diversos sistemas. Com o uso dos objetos de filtro e das listas (que eu
descreverei logo), é também possível especificar em um modelo os critérios para filtrar
informações para um sistema específico. Um modelo da distribuição do cliente pode ser criado em
um sistema R/3 com o sistema lógico base desse cliente como o sistema lógico do sistema "
remetente ".
A transação BD64 ou o seguinte caminho de menu podem ser usados para manter o modelo:

Do IMG (guia da execução),


Cross-Application Components  Distribution (ALE)
Distribution Customer Model  Maintain Distribution
Customer Model Directly  Maintain Distribution Customer Model Directly.

O caminho até a opção Distribuição ALE pode ser obtido também pela transação SALE
diretamente.

4- Tipos de objetos de filtro e objetos de filtro:

Um tipo de objeto de filtro é usado no modelo da distribuição de cliente para definir um critério de
seleção no tipo de mensagem que flui a um sistema lógico. Um tipo do objeto de filtro com um
valor associado a ele é chamado um objeto de filtro. Por exemplo, BUKRS (código da companhia)
é um tipo do objeto de filtro disponível para o tipo de mensagem DEBMAS (mestre de cliente).
Para distribuir dados do mestre de cliente somente de código " 1001 " da companhia a um sistema
lógico particular, você usaria o tipo BUKRS para criar um objeto do filtro com o valor BUKRS =
1001. Você pode ter vários objetos filtros com valores diferentes para o mesmo tipo de mensagem
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

associado com esse sitema lógico. Ao determinar o receptor de uma mensagem particular baseada
no modelo da distribuição, o ALE filtra o objeto. Como com o modelo da distribuição de cliente,
os objetos de filtro são relevantes somente ao ALE.

5- Change pointers:

Os change pointers são os objetos R/3 que a marcam mudanças dos dados mestre do SAP. Os
ponteiros de mudança são controlados por mecanismos próprio em uma ferramenta Shared Master
Data ( SMD) e são baseados em objetos Change Document (CD) . Os objetos CD gravam as
mudanças que ocorrem aos dados mestres à nível do campo. Estas mudanças são armazenadas nas
tabelas de cabeçalho e detalhe. A configuração do ALE fornece uma ligação entre objetos CD e
ponteiros de mudança. Os mecanismos internos atualizam as tabelas BDCP e BDCPS (cabeçalho e
detalhe), que armazenam os ponteiros de mudança.

6- Portas:

Uma porta é uma representação lógica de um canal de comunicação no SAP, sendo os dados
comunicados IDOCs.
Há quatro tipos de portas que podem ser definidas em R/3: tRFC, File, R/2, e Internet. O ALE
pode usar todos os tipos para distribuir IDOCs, quando EDI usa tipicamente uma porta file-based.
As portas tRFC e File podem ligar os destinos de RFC conectados por R/3-to-R/3 ou TCP/IP.
Ligando as portas de destinos por RFC, a porta pode também chamar scripts para invocar os
subsistemas EDI, software de mapeamento de IDOC e o ftp.

Você pode manter portas executando a transação WE21 ou WEDI, ou selecionando IDOC -> Port
Definition. Os destinos do RFC podem ser mantidos usando a transação SM59.

7- Documentação:

Para efetuar a documentação dos desenvolvimentos que fazem utilização da tecnologia ALE 2
modelos de documentos foram disponibilizados na pasta “Modelos de Documentos” os
formulários Conversão ALE e Interface ALE.

Estes modelos de documentos possuem campos específicos para referenciar os elementos básicos
de configuração ALE, como sistema lógico, porta, tipo de mensagem, modelos de distribuição,
filtros e change pointers.

A seguir estão relacionados alguns links / endereços de documentos que ilustram como pode ser
feita a seqüência de passos para a configuração do sistema para ALEs Inbound, Outbound e R3-
R3. A partir destas informações será feito o preenchimento dos modelos de documentos citados.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

CONFIGURAÇÃO DO SAP PARA ALE INBOUND


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

1) Execute a transação: SALE


2) Entre no item: Opções globais / Instalar sistemas lógicos / Atualizar sistemas lógicos.
3) A mensagem “A tabela é independente do mandante” aparecerá. Tecle <enter>.
4) Pressione o botão <novas entradas>.
5) Crie um sistema lógico para o SAP. Ex:. ‘DEV400’ – sistema lógico SAP
Crie um sistema lógico para cada sistema legado existente. Ex:. ‘FPW’ – sistema lógico da
folha de pagamento.
6) Pressione o botão <save>.
7) Uma tela pedindo o change request aparecerá. Escolha o change request e tecle <enter>.
8) Tecle <voltar – F3> duas vezes para voltar a tela anterior.
9) Entre no item: Opções globais / Instalar sistemas lógicos / Atribuir sistema lógico ao
mandante.
10) A mensagem “A tabela é independente do mandante” aparecerá. Tecle <enter>.
11) Selecionar o mandante. Ex:. ‘400’. Dê duplo click em cima do mandante escolhido. Uma
nova tela aparecerá. Preencha o campo: sistema lógico com o sistema lógico do SAP
criado no passo 5). Ex:. ‘DEV400’.
12) Pressione o botão <save>.
13) A mensagem: “Atenção ao modificar o sistema lógico” aparecerá. Tecle <enter>.
14) Tecle <voltar – F3> para voltar a tela anterior.
15) Tecle <voltar – F3> para voltar a tela anterior.
16) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para portas. Tecle
<Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir um intervalo, tecle
<voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE. Senão tecle <voltar –
F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo: 000000001 até 009999999.
17) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para IDocs. Tecle
<Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir um intervalo, tecle
<voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE. Senão, tecle <voltar –
F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo: 0000000000000001 até
9999999999999999.
18) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para tipos de IDocs.
Tecle <Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir um intervalo,
tecle <voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE. Senão, tecle
<voltar – F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo: 0000001 até 9999999.
19) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para indicador de
modificação. Tecle <Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir
um intervalo, tecle <voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE.
Senão, tecle <voltar – F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo:
0000000001 até 9999999999.
20) Importante: Caso um intervalo tenha que ser criado, entre no menu :Intervalo /
Transportar / Sim. Este passo é necessário para transportar o intervalo.
21) Entre no item: Opções globais / Definir codes ISO. Verifique se todos os itens foram
configurados pela equipe funcional.
22) Entre no item: Opções globais / Efetuar opções globais de workflow. Pressione o botão
<customizing automático>. A mensagem: “RFC password must be synchronized” pode
aparecer. Tecle <voltar – F3>. Pressione o sinal verde ao lado da linha: “RFC destination
has not yet been tested in this session. Please test”. Pressione o botão <sincronizar
senhas>. Tecle <voltar – F3>. Pressione o botão <testar destino RFC>. Pressione o sinal
verde ao lado da linha: “Monitoring job for work items with errors is scheduled. Marque o
campo: status da monitorização work items incorretos com OFF. Tecle <save>. Tecle
<voltar – F3>.
Este item estará totalmente configurado quando todos os sinais da primeira parte estiverem
verdes, menos o sinal “Monitoring job for work items with errors is not scheduled” que deve
estar amarelo.
23) Entre no item: Comunicação / Definir destino RFC / Conexões R/3. Pressione o botão:
<criar>. Preencha os campos:
- Destino RFC com o sistema lógico do SAP. Ex:. ‘DEV400’.
- Ctg da ligação com o valor ‘3’ (ligação ao sistema R/3).
- Descrição com uma descrição breve.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

- Idioma com o valor ‘PT’.


- Mandante com o mandante escolhido. Ex:. ‘400’.
- Usuário com o usuário responsável pela ALE.
- Senha com o valor da senha do usuário.
Tecle <save>. Uma tela aparecerá, tecle <voltar – F3>.
Para verificar a conexão: dê um duplo click no destino RFC criado e pressione o botão:
<testar ligação>.
24) Entre no item: Comunicação / Atribuir destino RFC para sistema lógico. Pressione o botão
<novas entradas>. Preencha os campos:
- Sistema lógico com o sistema lógico do SAP. Ex:. ‘DEV400’. Importante: O nome do
sistema lógico deverá respeitar o MAIUSCULO/MINUSCULO criado no item 5).
- Destino RFC com o MESMO NOME do sistema lógico do SAP. Ex:. ‘DEV400’.
Tecle <save>. Tecle <voltar – F3> duas vezes.
25) Entre no item: Atualizar modelo de distribuição. Pressione o botão <visão de modelo>.
Preencha os campos:
- Modelo de visão com um nome qualquer de modelo. Ex:. ‘INTERFACES’.
- Texto breve.
Tecle <enter>. Marque o modelo criado. Pressione o botão <anexar tipo de mensagem>.
Preencha os campos:
- Emissor/cliente com o sistema lógico do sistema legado.
- Recebedor/servidor com o sistema lógico do SAP.
- Tipo de mensagem com o valor ‘FIDCC1’ que corresponde a criação de documentos FI
no SAP.
Tecle <enter>. Pressione o botão <save>. Tecle <voltar – F3>.
26) Entre no item: Comunicação / Gerar protocolos de transmissão. No campo visão modelo colocar o
modelo criado. Ex:. ‘INTERFACES’. Verifique se a opção Processamento imediato está selecionada
para os parâmetros de entrada. Pressione o botão <executar – F8>. Tecle <voltar – F3> duas vezes.
27) Entre no item: Comunicação / Atualização manual de protocolos de transmissão / Definir
porta. Dê duplo click no item File. Pressione o botão <exibir/modificar>. Pressione o botão
<novas entradas>. Crie uma porta para cada arquivo a ser enviado. Preencha os campos:
- Porta com o valor da porta do arquivo. Ex:. ‘Z000000001’.
- Descrição
Pressione o botão <file de entrada>. Preencha os campos:
- Destino com o diretório do Unix onde o arquivo de entrada será encontrado. Ex:.
‘/interfaces/Data_in/’.
- File de entrada com o nome fixo do arquivo de entrada ou módulo da função com a
função que calculará o nome do arquivo de entrada (a escolha de qual dos campos
será preenchido depende do formato do nome do arquivo de entrada). Tecle <enter>.
Pressione <save>. Tecle <voltar – F3> quatro vezes.
28) Entre no item: Distribuição e interfaces de aplicações / Unidades organizacionais globais /
Estabelecer empresas globais. Dê duplo click no item Empresas unívocas globais.
Pressione o botão <Novas entradas>. Crie uma entrada para cada empresa global.
Pressione <save>. Tecle <voltar – F3> duas vezes. Dê duplo click no item Atribuição
empresa globalPlContas. Associe cada empresa global criada ao seu plano de contas.
Pressione <save>. Tecle <voltar – F3>. Dê duplo click no item Atribuição empresa ->
empresa global. Entre com a empresa global correspondente a cada empresa. Pressione
<save>. Tecle <voltar – F3>.
29) Execute a transação: SPRO. Tecle <enter>. Pressione <F5>. Entre no item: Componentes
válidas para todas as aplicações / Interface IDoc – Electronic Data Interchange / Interface
IDoc – base / Ativar acoplamento de consumidores de eventos para entrada IDoc. A
mensagem: “Ativar entrada de IDoc ?” aparecerá. Tecle <sim>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

EXECUTAR A INTERFACE COM ALE

1) Execute o módulo de função EDI_DATA_INCOMING passando os parâmetros:


- Pathname com o caminho completo e o nome do arquivo de entrada no Unix. Ex:
‘/interfaces/Data_in/folha/folha.txt’
- Porta com o valor da porta do arquivo. Ex:. ‘Z000000001’.
2) Para verificar o status dos IDocs, execute a transação WEDI. Entre no menu: IDoc / Listas
IDoc e defina os parâmetros de seleção dos IDocs. Pressione o botão de executar.
3) Para ver os IDocs que possuem um determinado status, dê duplo click no número de IDocs
que estão no status desejado. Aparecerá uma lista de IDocs ordenada pelo número do
IDoc. Para ver ou modificar um determinado IDoc basta dar duplo click sobre ele.
4) Na tela principal na transação WEDI pressione o botão <pasta de entrada> para ver as
mensagens enviadas para a caixa de entrada durante a execução dos IDocs. Apenas as
mensagens de erro serão enviadas para a caixa de entrada.
5) Para executar novamente um IDoc, utilize a transação BALE e escolha no menu :
Trabalhos periódicos / IDocs em entrada ALE. A tela que aparecerá permitirá a execução
de um IDoc.

DICAS

1) Transação: BD60 -> para reduzir uma message type.


2) Para verificar a estrutura do arquivo de entrada de uma determinada message type,
execute a transação WEDI. Pressione o botão <tipo de IDoc>. Escolha a message type e
pressione o botão <representação em árvore>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

CONFIGURAÇÃO DO SAP PARA ALE OUTBOUND


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

30) Execute a transação: SALE


31) Entre no item: Opções globais / Instalar sistemas lógicos / Atualizar sistemas lógicos.
32) A mensagem “A tabela é independente do mandante” aparecerá. Tecle <enter>.
33) Pressione o botão <novas entradas>.
34) Crie um sistema lógico para o SAP. Ex:. ‘DEV400’ – sistema lógico SAP
Crie um sistema lógico para cada sistema legado existente. Ex:. ‘FPW’ – sistema lógico da
folha de pagamento.
35) Pressione o botão <save>.
36) Uma tela pedindo o change request aparecerá. Escolha o change request e tecle <enter>.
37) Tecle <voltar – F3> duas vezes para voltar a tela anterior.
38) Entre no item: Opções globais / Instalar sistemas lógicos / Atribuir sistema lógico ao
mandante.
39) A mensagem “A tabela é independente do mandante” aparecerá. Tecle <enter>.
40) Selecionar o mandante. Ex:. ‘400’. Dê duplo click em cima do mandante escolhido. Uma
nova tela aparecerá. Preencha o campo: sistema lógico com o sistema lógico do SAP
criado no passo 5). Ex:. ‘DEV400’.
41) Pressione o botão <save>.
42) A mensagem: “Atenção ao modificar o sistema lógico” aparecerá. Tecle <enter>.
43) Tecle <voltar – F3> para voltar a tela anterior.
44) Tecle <voltar – F3> para voltar a tela anterior.
45) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para portas. Tecle
<Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir um intervalo, tecle
<voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE. Senão tecle <voltar –
F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo: 000000001 até 009999999.
46) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para IDocs. Tecle
<Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir um intervalo, tecle
<voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE. Senão, tecle <voltar –
F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo: 0000000000000001 até
9999999999999999.
47) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para tipos de IDocs.
Tecle <Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir um intervalo,
tecle <voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE. Senão, tecle
<voltar – F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo: 0000001 até 9999999.
48) Entre no item: Opções globais / Atualizar intervalo de numeração para indicador de
modificação. Tecle <Intervalos numeração>. Tecle <subintervalos – exibição>. Se já existir
um intervalo, tecle <voltar – F3> três vezes e retorne para a tela de configuração ALE.
Senão, tecle <voltar – F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo:
0000000001 até 9999999999.
49) Importante: Caso um intervalo tenha que ser criado, entre no menu :Intervalo /
Transportar / Sim. Este passo é necessário para transportar o intervalo.
50) Entre no item: Opções globais / Definir codes ISO. Verifique se todos os itens foram
configurados pela equipe funcional.
51) Entre no item: Opções globais / Efetuar opções globais de workflow. Pressione o botão
<customizing automático>. A mensagem: “RFC password must be synchronized” pode
aparecer. Tecle <voltar – F3>. Pressione o sinal verde ao lado da linha: “RFC destination
has not yet been tested in this session. Please test”. Pressione o botão <sincronizar
senhas>. Tecle <voltar – F3>. Pressione o botão <testar destino RFC>. Pressione o sinal
verde ao lado da linha: “Monitoring job for work items with errors is scheduled. Marque o
campo: status da monitorização work items incorretos com OFF. Tecle <save>. Tecle
<voltar – F3>.
Este item estará totalmente configurado quando todos os sinais da primeira parte estiverem
verdes, menos o sinal “Monitoring job for work items with errors is not scheduled” que deve
estar amarelo.
52) Entre no item: Comunicação / Definir destino RFC / Conexões R/3. Pressione o botão:
<criar>. Preencha os campos:
- Destino RFC com o sistema lógico do SAP. Ex:. ‘DEV400’.
- Ctg da ligação com o valor ‘3’ (ligação ao sistema R/3).
- Descrição com uma descrição breve.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

- Idioma com o valor ‘PT’.


- Mandante com o mandante escolhido. Ex:. ‘400’.
- Usuário com o usuário responsável pela ALE.
- Senha com o valor da senha do usuário.
Tecle <save>. Uma tela aparecerá, tecle <voltar – F3>.
Para verificar a conexão: dê um duplo click no destino RFC criado e pressione o botão:
<testar ligação>.
53) Entre no item: Comunicação / Atribuir destino RFC para sistema lógico. Pressione o botão
<novas entradas>. Atribua cada sistema lógico a um destino RFC. Preencha os campos:
- Sistema lógico com os sistemas lógico criados. Ex:. ‘DEV400’ ou ‘FPW’. Importante: O
nome do sistema lógico deverá respeitar o MAIUSCULO/MINUSCULO criado no item
5).
- Destino RFC com o MESMO NOME do sistema lógico do SAP para o sistema lógico do
SAP, ex.:. ‘DEV400’ e com ‘SERVER_EXEC’ para cada sistema lógico legado.
Tecle <save>. Tecle <voltar – F3> duas vezes.
54) Entre no item: Atualizar modelo de distribuição. Pressione o botão <visão de modelo>.
Preencha os campos:
- Modelo de visão com um nome qualquer de modelo. Ex:. ‘INTERFACES’.
- Texto breve.
Tecle <enter>. Marque o modelo criado. Pressione o botão <anexar tipo de mensagem>.
Preencha os campos:
- Emissor/cliente com o sistema lógico do SAP.
- Recebedor/servidor com o sistema lógico do sistema legado.
- Tipo de mensagem com o valor ‘FIDCC1’ que corresponde a criação de documentos FI
no SAP.
Tecle <enter>. Pressione o botão <save>. Tecle <voltar – F3>.
55) Entre no item: Comunicação / Atualização manual de protocolos de transmissão / Definir
porta. Dê duplo click no item File. Pressione o botão <exibir/modificar>. Pressione o botão
<novas entradas>. Crie uma porta para cada arquivo a ser enviado. Preencha os campos:
- Porta com o valor da porta do arquivo. Ex:. ‘Z000000001’.
- Descrição
Pressione o botão <file de saída>. Preencha os campos:
- Destino com o diretório do Unix onde o arquivo de saída será colocado. Ex:.
‘/interfaces/Data_out/’.
- File de saída com o nome fixo do arquivo de saída ou módulo da função com a função
que calculará o nome do arquivo de saída (a escolha de qual dos campos será
preenchido depende do formato do nome do arquivo de saída). Tecle <enter>.
Pressione <save>. Tecle <voltar – F3> quatro vezes.
56) Entre no item: Comunicação / Gerar protocolos de transmissão. No campo visão modelo colocar o
modelo criado. Ex:. ‘INTERFACES’. Informe o tamanho do pacote de saída, ou seja, quantos IDocs
serão colocados em cada arquivo de saída (obs.: pelos testes realizados acredita-se que esse valor não
é respeitado). Se a opção transferir imediatamente IDoc for selecionada será criado um arquivo de
saída para cada IDoc gerado. Se a opção agrupar e transferir IDoc for selecionada os IDocs serão
gerados mas o arquivo de saída não será criado automaticamente. Será necessária a criação manual
do arquivo (veja item executar interface com ALE). Nesse caso o arquivo será criado com todos os
IDocs gerados até o momento. Pressione o botão <executar – F8>. Tecle <voltar – F3> duas vezes.
57) Entre no item: Comunicação / Atualização manual dos protocolos de transmissão / Atualizar o
protocolo de transmissão. Para cada sistema lógico que receberá dados do SAP atualize a porta de
transmissão. Preencha o campo No. Parceiro com o nome do sistema legado. Preencha o campo
Tp.parcereir com o valor ‘LS’. Click no botão <Parâmetro de saída>. Click no botão <Exibir 
Modificar>. Dê duplo click na primeira linha da tabela. Modifique o campo prt. destinat. Para o
valor da porta referente ao sistema lógico selecionado anteriormente. Click no botão <Entrada
seguinte – F8>. Repita a atualização da porta para todas as mensagens de cada sistema lógico.
58) Entre no item Distribuição de dados mestre / Ativar indicador de modificação / Ativar o
indicador de modificações (geral). Click na checkbox ativo. Click no botão <save>. Uma
tela pedindo o change request aparecerá. Escolha o change request e tecle <enter>.
59) Entre no item: Trabalhos periódicos / Planejar geração de IDoc a partir de indicadores de
modificação / Definir variantes. Preencha o campo programa com o valor ‘RBDMIDOC’. Selecione
o item variantes e click no botão <Modificar>. Preencha o campo variante com o nome da variante a
ser criada e click no botão <Criar>. Click no botão <Continuar>. Preencha o campo Tipo de
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

mensagem com a mensagem referente aos IDocs que serão criados. Click no botão <Avançar – F6>.
Preencha o campo Significado com uma descrição da variante criada. Click no botão <save>.
60) Entre no item: Trabalhos periódicos / Planejar geração de IDoc a partir de indicadores de
modificação / Planejar jobs. Preencha o campo Nome do job com um nome significativo.
Especifique a classe do job. Click no botão <Steps – F6>. Verifique se o campo nome está
preenchido com o valor ‘RBDMIDOC’. Se não estiver, preencha-o. Preencha o campo Variante com
o nome da variante criada no passo anterior. Click no botão <save>. Click no botão <voltar – F3>.
Click no botão <Data execução>. Escolha a periodicidade do job. Click no botão <save>. Click no
botão <voltar – F3>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

EXECUTAR A INTERFACE COM ALE

6) Para verificar o status dos IDocs, execute a transação WEDI. Entre no menu: IDoc / Listas
IDoc e defina os parâmetros de seleção dos IDocs. Pressione o botão de executar.
7) Para ver os IDocs que possuem um determinado status, dê duplo click no número de IDocs
que estão no status desejado. Aparecerá uma lista de IDocs ordenada pelo número do
IDoc. Para ver ou modificar um determinado IDoc basta dar duplo click sobre ele.
8) Na tela principal na transação WEDI pressione o botão <pasta de entrada> para ver as
mensagens enviadas para a caixa de entrada durante a execução dos IDocs. Apenas as
mensagens de erro serão enviadas para a caixa de entrada.
9) Para criar o arquivo de saída quando a opção agrupar e transferir IDocs foi selecionada,
utilize a transação BALE e escolha no menu : Trabalhos periódicos / IDocs em saída ALE.
Selecione a opção Enviar (status 30) e pressione o botão <executar – F8>.

DICAS

3) Transação: BD60 -> para reduzir uma message type.


4) Para verificar a estrutura do arquivo de entrada de uma determinada message type,
execute a transação WEDI. Pressione o botão <tipo de IDoc>. Escolha a message type e
pressione o botão <representação em árvore>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

CHANGE POINTERS

1) Change pointers são registros das modificações ocorridas nos dados mestres. Quando
dados mestres são criados ou alterados, os change pointers armazenam as mudanças
ocorridas.
2) Para cada dado mestre (por exemplo: material, clientes, fornecedores) existe uma
mensagem correspondente. Para que as modificações de um determinado dado mestre
sejam armazenadas nos change pointers é preciso que eles tenham sido ativados para a
mensagem correspondente a esse dado mestre (ver item 29).
3) Existe um programa (‘RBDMIDOC’) que cria IDocs a partir dos change pointers
armazenados. Esse programa recebe como parâmetro uma mensagem. Os IDocs serão
gerados a partir dos change pointers dos dados mestres referentes a mensagem passada
como parâmetro. Por isso é necessária a criação de um job para rodar esse programa
periodicamente.

REDUÇÃO DE IDOCS

1) Para verificar se um IDoc é redutível execute a transação BD60. A mensagem “A tabela é


independente do mandante” aparecerá. Tecle <enter>. Dê duplo click na mensagem
desejada para ver os seus detalhes. Se a checkbox Tipo de mensagem reduzível estiver
marcada o IDoc referente a essa mensagem pode ser reduzido. Caso contrário não. Para
tornar um IDoc reduzível basta clicar nessa checkbox. Se a mensagem desejada não
aparecer na tabela é possível criar uma nova entrada na tabela. Para isso clique no botão
<Novas entradas>. Preencha o campo Tipo de base com a mensagem desejada. O
campo Tipo de mensagem deve ser preenchido com o mesmo valor do campo Tipo de
base. Click na checkbox Tipo de mensagem reduzível. Preencha o campo Módulo de
função de edição com a função que cria os IDocs desta mensagem. Click no botão <save>.
2) Para reduzir um IDoc entre na transação SALE.
3) Entre no item: Distribuição de dados mestre / Reduzir estruturas intermediárias p/ dados
mestre.
4) Preencha o campo Visão (tipo mensagem) com o nome do IDoc reduzido. Click no botão
<Criar – F5>.
5) Preencha o campo Depto.de com o IDoc original (aquele que será reduzido). Pressione
<Enter>.
6) Preencha o campo Visão (ctg.mens.) com uma descrição para o IDoc reduzido. Pressione
<Enter>.
7) Aparecerá a estrutura em árvore do IDoc original. Os segmento e campos obrigatórios
aparecerão em verde e os demais aparecerão em vermelho indicando que eles não foram
selecionados e por isso não farão parte do IDoc reduzido.
8) Para incluir um segmento no IDoc reduzido selecione-o na estrutura em árvore e pressione
o botão <Selecionar>. Para remover um segmento do IDoc reduzido selecione-o na
estrutura em árvore e pressione o botão <Desmarcar>. Os segmentos obrigatórios não
podem ser removidos do IDoc reduzido.
9) Quando um segmento á adicionado ao IDoc reduzido, somente os campos obrigatórios
desse segmento são selecionados. Para selecionar outros campos dentro deste segmento
dê duplo click no segmento na estrutura em árvore. Marque as checkbox referentes aos
campos que serão incluídos no IDoc reduzido e pressione o botão <Selecionar>. Para
remover campos do IDoc reduzido marque as checkbox referentes aos campos que serão
removidos do IDoc reduzido e pressione o botão <Desmarcar>.
10) Pressione <Enter> para retornar à estrutura em árvore. Quando terminar de selecionar
todos os segmentos e campos desejados click no botão <save>. Uma tela pedindo o
change request aparecerá. Escolha o change request e tecle <enter>.
11) Execute a transação BD60. A mensagem “A tabela é independente do mandante”
aparecerá. Tecle <enter>. Dê duplo click na mensagem criada anteriormente (referente ao
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

IDoc reduzido) para ver os seus detalhes. Preencha o campo Módulo de função de edição
com a função que cria os IDocs desta mensagem. Essa função deve ser a mesma
utilizada no IDoc original (a partir do qual foi criado o reduzido). Click no botão <save>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

CONFIGURAÇÃO DO SAP PARA ALE INBOUND


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

61) Execute a transação: SALE

obs.: configuração de IMG para ABAP/4.

62) Entre no item: Opções globais > Instalar sistemas lógicos > Atualizar sistemas
lógicos.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

63) A mensagem “A tabela é independente do mandante” aparecerá. Tecle <enter>.

64) Pressione o botão <novas entradas>.


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

65) Crie um sistema lógico para o SAP.

Ex:. ‘DK6_010’ – sistema lógico SAP

Crie também um sistema lógico para cada sistema legado existente.

66) Pressione o botão <save>.

67) Uma tela pedindo o change request aparecerá. Escolha o change request e tecle <enter>.

68) Tecle <voltar – F3> duas vezes para voltar a tela principal.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

69) Entre no item: Opções globais > Instalar sistemas lógicos > Atribuir sistema lógico ao
mandante.

70) A mensagem “A tabela é independente do mandante” aparecerá. Tecle <enter>.


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

71) Selecionar o mandante.

Ex:. ‘030’. Dê duplo click em cima do mandante escolhido. Uma nova tela aparecerá.
Preencha o campo: sistema lógico com o sistema lógico do SAP criado no passo 5). Ex:.
‘DK6_030’.

72) Pressione o botão <save>.

73) A mensagem: “Atenção ao modificar o sistema lógico” aparecerá. Tecle <enter>.

74) Tecle <voltar – F3> até voltar a tela principal.


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

75) Entre no item: Opções globais > Atualizar intervalo de numeração para portas.

76) Tecle <Intervalos numeração>.


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

77) Tecle <subintervalos – exibição>.

78) Se já existir um intervalo, tecle <voltar – F3> até retornar à tela de configuração ALE.
Senão tecle <voltar – F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo:
000000001 até 009999999.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

79) Entre no item: Opções globais > Atualizar intervalo de numeração para IDocs.

80) Tecle <Intervalos numeração>.


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

81) Tecle <subintervalos – exibição>.

82) Se já existir um intervalo, tecle <voltar – F3> até retornar à tela de configuração ALE.
Senão, tecle <voltar – F3>, tecle <subintervalos – modificação> e crie o intervalo:
0000000000000001 até 9999999999999999.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

83) Entre no item: Opções globais > Atualizar intervalo de numeração para tipos de IDocs.

84) Siga o mesmo roteiros que dos outros intervalos de numeração, mas considere o seguinte
intervalo de valores em caso de criação: 0000001 até 9999999.

85) Entre no item: Opções globais > Atualizar intervalo de numeração para indicador de
modificação.

86) Siga o mesmo roteiros que dos outros intervalos de numeração, mas considere o seguinte
intervalo de valores em caso de criação: 0000000001 até 9999999999.

87) Importante: Caso um intervalo tenha que ser criado, entre no menu :Intervalo >
Transportar / Sim. Este passo é necessário para transportar o intervalo.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

88) Entre no item: Opções globais > Definir codes ISO. Verifique se todos os itens foram
configurados pela equipe funcional.

89) Selecionar item a item e verificar os valores cadastrados.


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

90) Entre no item: Opções globais > Efetuar opções globais de workflow.

91) Pressione o botão <customizing automático>.

92) A mensagem: “RFC password must be synchronized” pode aparecer. Tecle <voltar – F3>.
Pressione o sinal verde ao lado da linha: “RFC destination has not yet been tested in this
session. Please test”. Pressione o botão <sincronizar senhas>. Tecle <voltar – F3>.
Pressione o botão <testar destino RFC>. Pressione o sinal verde ao lado da linha:
“Monitoring job for work items with errors is scheduled. Marque o campo: status da
monitorização work items incorretos com OFF. Tecle <save>. Tecle <voltar – F3>.
93) Este item estará totalmente configurado quando todos os sinais da primeira parte estiverem
verdes, menos o sinal “Monitoring job for work items with errors is not scheduled” que deve
estar amarelo.

94) Entre no item: Comunicação > Definir destino RFC > Conexões R/3.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

95) Pressione o botão: <criar>. Preencha os campos:


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

- Destino RFC com o sistema lógico do SAP. Ex:. ‘DK6_030’.


- Ctg da ligação com o valor ‘3’ (ligação ao sistema R/3).
- Descrição com uma descrição breve.
- Idioma com o valor ‘PT’.
- Mandante com o mandante escolhido. Ex:. ‘030’.
- Usuário com o usuário responsável pela ALE.
- Senha com o valor da senha do usuário.
Tecle <save>. Uma tela aparecerá, tecle <voltar – F3>.
Para verificar a conexão: dê um duplo click no destino RFC criado e pressione o botão:
<testar ligação>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

96) Entre no item: Comunicação > Atribuir destino RFC para sistema lógico.

97) Pressione o botão <novas entradas>. Preencha os campos:


- Sistema lógico com o sistema lógico do SAP. Ex:. ‘DK6_030’. Importante: O nome do
sistema lógico deverá respeitar o MAIUSCULO/MINUSCULO criado no item 5).
- Destino RFC com o MESMO NOME do sistema lógico do SAP. Ex:. ‘DK6_030’.
Tecle <save>. Tecle <voltar – F3> duas vezes.

98) Entre no item: Atualizar modelo de distribuição. Pressione o botão <visão de modelo>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Preencha os campos:
- Modelo de visão com um nome qualquer de modelo. Ex:. ‘INTERFACES’.
- Texto breve.
Tecle <enter>. Marque o modelo criado. Pressione o botão <anexar tipo de mensagem>.
Preencha os campos:
- Emissor/cliente com o sistema lógico do sistema legado.
- Recebedor/servidor com o sistema lógico do SAP.
- Tipo de mensagem com o valor ‘FIDCC1’ que corresponde a criação de documentos FI
no SAP.
Tecle <enter>. Pressione o botão <save>. Tecle <voltar – F3>.

99) Entre no item: Comunicação / Gerar protocolos de transmissão. No campo visão modelo colocar o
modelo criado. Ex:. ‘INTERFACES’. Verifique se a opção Processamento imediato está selecionada
para os parâmetros de entrada. Pressione o botão <executar – F8>. Tecle <voltar – F3> duas vezes.

100) Entre no item: Comunicação / Atualização manual de protocolos de transmissão /


Definir porta. Dê duplo click no item File. Pressione o botão <exibir/modificar>. Pressione o
botão <novas entradas>. Crie uma porta para cada arquivo a ser enviado. Preencha os
campos:
- Porta com o valor da porta do arquivo. Ex:. ‘Z000000001’.
- Descrição
Pressione o botão <file de entrada>. Preencha os campos:
- Destino com o diretório do Unix onde o arquivo de entrada será encontrado. Ex:.
‘/interfaces/Data_in/’.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

- File de entrada com o nome fixo do arquivo de entrada ou módulo da função com a
função que calculará o nome do arquivo de entrada (a escolha de qual dos campos
será preenchido depende do formato do nome do arquivo de entrada). Tecle <enter>.
Pressione <save>. Tecle <voltar – F3> quatro vezes.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

101) Entre no item: Distribuição e interfaces de aplicações / Unidades organizacionais


globais / Estabelecer empresas globais. Dê duplo click no item Empresas unívocas
globais. Pressione o botão <Novas entradas>. Crie uma entrada para cada empresa global.
Pressione <save>. Tecle <voltar – F3> duas vezes. Dê duplo click no item Atribuição
empresa globalPlContas. Associe cada empresa global criada ao seu plano de contas.
Pressione <save>. Tecle <voltar – F3>. Dê duplo click no item Atribuição empresa ->
empresa global. Entre com a empresa global correspondente a cada empresa. Pressione
<save>. Tecle <voltar – F3>.

102) Execute a transação: SPRO. Tecle <enter>. Pressione <F5>.

103) Entre no item: Componentes válidas para todas as aplicações > Interface IDoc –
Electronic Data Interchange > Interface IDoc – base > Ativar acoplamento de
consumidores de eventos para entrada IDoc. A mensagem: “Ativar entrada de IDoc ?”
aparecerá. Tecle <sim>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

EXECUTAR A INTERFACE COM ALE

10) Execute o módulo de função EDI_DATA_INCOMING passando os parâmetros:


- Pathname com o caminho completo e o nome do arquivo de entrada no Unix. Ex:
‘/interfaces/Data_in/folha/folha.txt’
- Porta com o valor da porta do arquivo. Ex:. ‘Z000000001’.

11) Para verificar o status dos IDocs, execute a transação WEDI. Entre no menu: IDoc / Listas
IDoc e defina os parâmetros de seleção dos IDocs. Pressione o botão de executar.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

12) Para ver os IDocs que possuem um determinado status, dê duplo click no número de IDocs
que estão no status desejado. Aparecerá uma lista de IDocs ordenada pelo número do
IDoc. Para ver ou modificar um determinado IDoc basta dar duplo click sobre ele.

13) Na tela principal na transação WEDI pressione o botão <pasta de entrada> para ver as
mensagens enviadas para a caixa de entrada durante a execução dos IDocs. Apenas as
mensagens de erro serão enviadas para a caixa de entrada.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

14) Para executar novamente um IDoc, utilize a transação BALE e escolha no menu :
Trabalhos periódicos / IDocs em entrada ALE. A tela que aparecerá permitirá a execução
de um IDoc.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

DICAS

5) Transação: BD60 -> para reduzir uma message type.


6) Para verificar a estrutura do arquivo de entrada de uma determinada message type,
execute a transação WEDI. Pressione o botão <tipo de IDoc>. Escolha a message type e
pressione o botão <representação em árvore>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

ALE Passo a Passo para envio de materiais

Transação SPRO

Definir sistemas lógicos para enviar e receber

Atribuir sistema lógico ao mandante


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Atribuir sistema lógico LOGSYS150 ao client de origem 150


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Atribuir sistema lógico LOGSYS120 ao client destino 120

Definindo parâmetros de comunicação – SM59


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Criar conexão R/3 para comunicação com o client 120


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

<ENTER>

Para testar a conexão, clicar em <Testar ligação>.


Em seguida, clicar em <Logon remoto>. Uma sessão no client de destino devera ser aberta.

Criar conexão R/3 para comunicação com o client 150. Logar no client 120.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

<ENTER>

Repetir os testes do destino criado anteriormente.

Até agora, definimos os clients que serão utilizados para a comunicação, inclusive usuário e
senha de Logon. Em seguida, vamos configurar os tipos de mensagem que serão distribuídas
entre estes clients.

Modelo de distribuição

Log no client de origem 150 e entre na transação SPRO ou vá direto à transação BD64.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Clicar em Visão de modelo.

Clicar em Ctg. Mensagem. Entrar com o client de origem e destino e o tipo de mensagem
MATMAS (enviar materiais).
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Gerando os perfis de parceiros no client de origem (protocolo de transmissão) - BD82


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Para o client de origem 150, o sistema parceiro é o LOGSYS120.

Executar (F8)
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Em seguida, iremos distribuir o modelo GETSTART, ou seja, informar ao sistema o fluxo de


mensagem que será distribuído (no caso, materiais entre os clients 150 e 120). Para isto,
iremos transportar o modelo de distribuição do client de origem para o client de destino. No
client 150, entre novamente na transação BD64. Clique sobre o modelo GETSTART e
selecione <Distribuir>.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

O próximo passo será gerar os perfis de parceiro no client destino 120. Para isto, entre no client
120 e vá à transação BD82. O Sistema parceiro agora será o LOGSYS150.

Executar (F8)
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

A customização do ALE termina aqui. O próximo passo será criar um ou mais materiais e
distribuí-los entre os clients.

Crie um material como modelo do MAT1_ALE na transação MM01. Em seguida, siga o


seguinte caminho (ou entre na BALM):

Selecione no menu a opção Geral->Material->Enviar.


ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Executar (F8)

Aparecerão algumas mensagens informativas durante o processo. Clique em <ENTER> para


continuar.

Entre agora no client destino e verifique se o material foi criado (MM03). Se não encontrá-lo,
algum erro ocorreu ou a transmissão ainda não terminou.
Para verificar o que ocorreu, entre na transação WE05 (Síntese de Idoc). Entre com data de
execução.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Executar (F8)

Verifique o status da Ctg. Mensagem MATMAS. Se estiver com 03, 12 ou 38, foi enviado com
sucesso. Se estiver com status 30, ainda não finalizou. Caso contrário, ocorreu um erro.

Para analisar o erro, clique 2 vezes sobre a ctg. Mensagem MATMAS. Aparecerá o idoc criado.
ALE – Aspectos básicos para aplicações no sistema R/3

Clique em <Regs. Status>. Todos os status gerados para este idoc serão apresentados.
Analise a mensagem associada ao status de erro, se houver.

Você também pode gostar