Você está na página 1de 189

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Instituto de Geociências e Ciências Exatas

Câmpus de Rio Claro

GEOLOGIA DA REGIÃO
PONTALINA (GO)

Guillermo Rafael Beltran Navarro

Orientador: Prof. Dr. Antenor Zanardo

Tese elaborada junto ao Programa de


Pós-Graduação Geociências – Área de
concentração em Geologia Regional
para obtenção de Título de Doutor em
Geociências

Rio Claro (SP)


2006
550 Navarro, Guillermo Rafael Beltran
N322g Geologia da região de Pontalina (GO) / Guillermo Rafael
Beltran Navarro. – Rio Claro : [s.n.], 2006
125 f. : il., tabs., fots., gráfs., mapas

Tese (doutorado) – Universidade Estadual Paulista,


Instituto de Geociências e Ciências Exatas
Orientador: Antenor Zanardo

1. Geologia. 2. Geologia regional. 3. Faixa Brasília. 4.


Arco magmático de Goiás. 5. Geoquímica. I. Título.

Ficha Catalográfica elaborada pela STATI – Biblioteca da UNESP


Campus de Rio Claro/SP
A FER pelo apoio e carinho [e ao Popesco (saudades)].
A meu pai prof. dr. Jose Ramon e família (as duas)
AGRADECIMENTOS

Meus sinceros agradecimentos a todas as pessoas e entidades que colaboraram para que
este trabalho fosse realizado e em especial aos professores doutores Antenor Zanardo e Luiz Sergio
Amarante Simões pela orientação, confiança e amizade.
Aos professores do Departamento de Petrologia e Metalogenia (DPM) Nelson Angeli,
Marcos Aurélio Farias de Oliveira, Norberto Morales, Antonio Carlos Artur, Jairo Roberto
Gimenèz Rueda e Atonio José Ranalli Nardy pelas discussões e auxilio em interpretações dos
dados.
Aos técnicos: Nelson Pereira Lopes Júnior, pela confecção das seções delgadas, Wladimir
Barbosa Júnior e Mirtes Malagutti pela realização das análises químicas.
Aos Professores Doutores Renato de Moraes (IG-USP) e Ticiano José Saráiva pelas dicas e
colaboração.
Aos demais funcionários, bibliotecárias, secretárias, técnicos de laboratório e colegas.
Ao CNPq (processo ) e FAPESP (processo ) pelo apoio financeiro.
SUMÁRIO

Índice i
Índice de Tabelas ii
Índice de Figuras iii
Índice de Fotos iv
Resumo v

CAPÍTULO I 1
1 – Introdução 1
CAPÍTULO II 9
2 - Geologia Regional 9
CAPÍTULO III 32
3 – Geologia Local 32
CAPÍTULO IV 44
4 – Descrição Petrográfica das Unidades 44
CAPÍTULO V 70
5 – Geologia Estrutural 70
CAPÍTULO VI 82
6 – Metamorfismo e Química Mineral 82
CAPÍTULO VII 100
7 – Geoquímica 100
CAPÍTULO VIII 111
8 – Geocronologia 111
CAPÍTULO IX 115
9 – Conclusões e considerações finais 115

Referências Bibliográficas 118


ÍNDICE

CAPÍTULO I 1

1 – Introdução 1

1.2 – Objetivos 2

1.3 – Localização da área de estudo 2

1.4 – Métodos aplicados para a elaboração deste trabalho 3

1.4.1 – Levantamento de dados pré-existentes 3

1.4.2 – Interpretação de fotos aéreas e imagens de satélite 4

1.4.3 – Trabalhos de campo 4

1.4.4 – Digitalização da Base Topográfica 4

1.4.5 – Petrografia 5

1.4.6 – Análises químicas de rocha total 5

1.4.7 – Química Mineral 6

1.4.8 – Geocronologia (método Sm-Nd) 7

1.4.9 – Elaboração de mapa geológico da área 7

1.4.10 – Confecção da Tese 8

CAPÍTULO II 9

2 – Geologia Regional 9

2.1 – Aspectos Gerais 9

2.2 – Compartimentação Geológica da Área de Estudo 10

2.2.1 – Domínio Sul (Arco Magmático de Goiás) 12

2.2.2 – Domínio Norte (Grupo Araxá) 22

2.3 – Geocronologia 25

CAPÍTULO III 32

3 – Geologia Local 32

3.1 – Domínio Sul (rochas atribuídas ao Arco Magmático de Goiás) 32

3.1.1 – Unidades A 34

3.1.2 – Unidade B 37
3.2 – Domínio Norte (Grupo Araxá) 39

3.2.1 – Unidade Xistosa 39

3.2.2 – Unidade Quartzítica 41

3.2.3 – Metaultramafitos Tipo Morro Feio 42

CAPÍTULO IV 44

4 – Descrição Petrográfica das Unidades 44

4.1 – Domínio Sul (rochas atribuídas ao Arco Magmático de Goiás) 44

4.1.1 – Unidades A 44

4.1.2 – Unidade B 55

4.2 – Domínio Norte (Grupo Araxá) 63

4.2.1 – Unidade Xistosa 63

4.2.2 – Unidade Quartzítica 66

CAPÍTULO V 67

5 – Geologia Estrutural 70

CAPÍTULO VI 82

6 – Metamorfismo e Química Mineral 82

6.1.1 – Metamorfismo do Domínio Norte (Grupo Araxá) 82

6.1.2 – Metamorfismo no Domínio Sul 89

6.2 – Geotermobarometria 96

CAPÍTULO VII 100

7 – Geoquímica 100

7.1 – Geoquímica das rochas gnáissicas 100

7.2 – Geoquímica das rochas metamáficas 104

CAPÍTULO VII 111

8 – Geocronologia 111

CAPÍTULO IX 115

9 – Conclusões e Considerações Finais 115


Bibliografia e Referências Bibliográficas 118

ANESXOS 129

ANEXO I – Mapa de Pontos


Mapa Geológico
ANEXO II - Tabela I: Resultados das Análises de Química Mineral

ANEXO II - Tabela I: Resultados das Análises Químicas


ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 1.1 – (A) Mapa de localização da área de estudo e vias de acesso (Fonte: Mapa Rodoviário do Brasil, 3
1995) (B) Localização da área nas folhas topográficas na escala 1:100.000 (IBGE, 1973, 1974) mostrando os
limites intermunicipais. 1- Jandaia, 2- Palmeira de Goiás, 3- Guapó, 4- Varjão, 5- Mairipotaba, 6- Aragoiânia,
7- Hidrolândia, 8- Bela Vista de Goiás, 9- Edéia, 10- Cromínia, 11- Piracanjuba, 12- Morrinhos, 13- Aloândia,
14- Pontalina, 15- Joviânia, 16- Goiatuba, 17- Bom Jesus de Goiás, 18- Buriti Alegre.

Figura 2.1 – (A) Mapa esquemático da Província Tocantins (modificado de FUCK et al., 1994). (B) Mapa 11
geológico regional esquemático mostrando a localização dos Domínios Norte e Sul na área de estudo
(modificado de LACERDA FILHO et al., 1995).

Figura 2.2 – Mapa geológico esquemático da Faixa Brasília segundo Almeida (1968b). 13

Figura 2.3 – Mapa geológico esquemático da área de estudo segundo Araújo et al. (1980). 14

Figura 2.4 – Mapa geológico esquemático da área de estudo segundo Ianhez et al. (1983). 16

Figura 2.5 – Mapa geológico esquemático da área de estudo segundo Lacerda Filho et al. (1995). 17

Figura 2.6 – Mapas geológicos esquemáticos de parte da área de estudo segundo (1) Navarro (2002) e (2) 19
Rocha (2003).

Figura 2.7 – Mapa geológico esquemático mostrando as idades modelo, Rb-Sr e isócrona Sm-Nd rocha total na 27
porção sudoeste de Goiás (modificado de LACERDA FILHO, 1995).

Figura 3.1 – Mapa geológico esquemático da área de estudo. 33

Figura 5.1 – Estereogramas das medidas estruturais obtidas no campo. A) Estereograma de pólos da foliação 74
Sn; B) Estereograma de pólos de planos axiais de dobras Dn, C) Estereograma dos eixos de dobras Dn, D)
Estereograma do bandamento, E) Estereograma da lineação mineral e/ou de estiramento, F) Estereograma da
lineação de intersecção de Sn com Sn-1 (=Sn-2//Sn-1).

Figura 5.2 – Estereogramas mostrando o padrão da foliação e lineação mineral e ou de estiramento entre os 75
dois domínios. A) Estereograma de pólos da foliação Sn do Domínio Norte. B) Estereograma de pólos da
foliação Sn do Domínio Sul. C) Estereograma da lineação mineral e ou de estiramento do Domínio Norte. D)
Estereograma da lineação mineral e ou de estiramento do Domínio Sul.

Figura 5.3 – Mapa geológico simplificado da área de estudo mostrando a variação na direção da foliação 76
principal (Sn) e da lineação mineral e ou de estiramento nos domínios Norte e Sul.

Figura 6. 1 – Mapa geológico esquemático mostrando a localização das amostras analisadas 84


Figura 6.2 – Exemplos do padrão de distribuição de proporções moleculares em granadas do Grupo Araxá 85
(Domínio Norte).

Figura 6.3 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para rochas do Domínio Norte (Grupo 85
Araxá)

Figura 6.4 – Diagrama de classificação dos anfibólios analisados (Diagrama simplificado de LEAKE et al. 86
1997).

Figura 6.5 – Diagrama de classificação de biotitas de rochas do Domínio Norte (Grupo Araxá). 86

Figura 6.6 – Perfil composicional de granada de rocha metamáfica do Domínio Norte (Grupo Araxá) 87

Figura 6.7 – Diagrama de classificação de anfibólios da amostra SG-153 do Domínio Norte (Grupo Araxá). 88

Figura 6.8 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para amostra SG-153 do Domínio Norte 88
(Grupo Araxá)

Figura 6.9 – Perfis composicionais de distribuição de proporções moleculares em granadas de gnaisses do 90


Domínio Sul.

Figura 6.10 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para rochas do Domínio Sul 90

Figura 6.11 – Diagrama de classificação de anfibólios das amostras ME-1-61 (quadrados cinzas) e PO-101 91
(quadrados brancos).

Figura 6.12 – Diagrama de classificação de biotitas de rochas do Domínio Sul. 92

Figura 6.13 – Diagrama de classificação dos anfibólios analisados (Diagrama simplificado de LEAKE et al. 92
1997).

Figura 6.14 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para rochas do Domínio Sul 93

Figura 6.15 – Padrão de distribuição de proporções moleculares em granadas de anfibolitos do Domínio Sul. 93

Figura 6.16 – Composição de cristais de piroxênio da amostra SG-155 (Domínio Sul) 94

Figura 6.17 – Diagrama P x T mostrando a trajetória P – T do metamorfismo da área de estudo. 98

Figura 6.18 - Diagrama P - T mostrando as condições de pressão (BLUNDY; HOLLAND, 1990) e 99


temperatura (OTTEN, 1984) cálculadas em anfibólios. + = núcleo dos cristais. x = borda dos cristais.

Figura 7.1 – Mapa geológico esquemático mostrando a localização das amostras analisadas. Círculos brancos: 101
amostras de gnaisses; círculos pretos: amostras de anfibolitos
Figura 7.2 - Padrão de distribuição Ti2O2, Al2O3, FeOT, MgO, CaO, Na2O, K2O e P2O3 versus Si2O. Cruzes = 102
amostras analisadas. Quadrados = rochas de outras regiões relacionadas ao Arco Magmático de Goiás
(Arenópolis e Mara Rosa, dados de PIMENTEL; FUCK, 1991; VIANA et al., 1995).

Figura 7.3 – (A) Gráfico de classificação baseada na relação Al2O3, Na2O, K2O e CaO. Cruzes = amostras 102
analisadas. (B) Gráfico de classificação baseado em minerais normativos. Cruzes = amostras analisadas.
Quadrados cinzas = rochas de outras regiões relacionadas ao Arco Magmático de Goiás (Arenópolis, Iporá,
Mara Rosa e Firminópolis, dados de PIMENTEL; FUCK, 1991; RODRIGUES et al., 1999; VIANA et al.,
1995).

Figura 7.4 – (A) Padrão de distribuição de elementos normalizados pelo manto primitivo (TAYLOR; 103
MACLENNAN, 1985). (B) Padrão de distribuição de ETR normalizados pelo manto primitivo (TAYLOR;
MACLENNAN, 1985). Cruzes = amostras analisadas. Área cinza = rochas de outras regiões relacionadas ao
Arco Magmático de Goiás (Arenópolis, Sancrerlândia, Matrinxã e Mara Rosa, dados de PIMENTEL; FUCK,
1991; VIANA et al., 1995).

Figura 7.5 - Gráficos discriminantes de ambientes tectônicos (PEARCE et al., 1984). Cruzes = amostras 104
analisadas. Quadrados cinza = rochas de outras regiões relacionadas ao Arco Magmático de Goiás
(Arenópolis, Sancrerlândia, Iporá, Firminópolis, Matrinxã e Mara Rosa, dados de PIMENTEL; FUCK, 1991;
RODRIGUES et al., 1999; VIANA et al., 1995).

Figura 7.6 – Diagramas para discriminação de rochas espilitizadas e alteração por processos pós magmáticos. 105
(A) Diagrama de Müllen (1982) e (B) Diagrama de Miyashiro (1975).

Figura 7.7 – Diagramas para caracterização química da origem dos protólitos de rochas metamáficas. (A) 105
Diagrama de Winchester et al (1980) e (B) Diagrama de Leake (1964) onde Mg e c correspondem aos
parâmetros de Niggli (1954).

Figura 7.8 – Composição das amostras da área de estudo. (A) Diagrama de Winchester e Floyd (1977). (B) 106
Diagrama de Cox et al. (1979).

Figura 7.9 – (A) Diagrama de álcalis vs. sílica (IRVINE; BARAGAR, 1971), mostrando a natureza subalcalina 106
das amostras analisadas. (B) Diagrama AFM (A = Na2O + K2O; F = FeOT, M = MgO) mostrando o caráter
toleítico das amostras analisadas.

Figura 7.10 – Diagramas binários de elementos maiores e incompatíveis vs MgO, mostrando a variação da 107
composição das amostras analisadas.

Figura 7.11 - Diagramas de ETR das rochas metamáficas analisadas e de basaltos de outros ambientes 108
tectônicos normalizados pelo condrito*. (A) grupo 1, (B) grupo 2. N-MORB** = basalto normal de cadeia
meso oceânica, E-MORB** = basalto enriquecido de cadeia meso oceânica, OIB** = basalto de ilha
oceânica, IATB*** = basalto toleítico de arco de ilha. Valores compilados de: * Taylor & McLennan (1985),
** = Sun & McDonough (1989), *** = Wilson (1995).

Figura 7.12 - Diagramas de concentrações normalizadas para elementos traços das rochas metamáficas 109
analisadas e de basaltos de outros ambientes tectônicos normalizados por N-MORB*. (A) grupo 1, (B) grupo
2. E-MORB** = basalto enriquecido de cadeia meso oceânica, OIB** = basalto de ilha oceânica, IATB** =
basalto toleítico de arco de ilha, IACAB** = basalto cálcio-alcalino de arco de ilha. Valores compilados de: *
Sun & McDonough (1989), ** Sun (1980).

147
Figura 8.1 - Composição isotópica (razões Sm/144Nd e 143
Nd/ 147
Nd) das amostras da região de Pontalina. 112
Cruzes = amostras de gnaisses e metavulcânicas. Losangos pretos = anfibolitos. Quadrados brancos = amostras
de gnaisses da região de Pontalina, Losango branco = anfibolito (dados de Pimentel et al. (2000b). Quadrados
cinza = rochas de outras regiões do Arco Magmático de Goiás.

Figura 8.2 - Composição isotópica de Nd de rochas gnáissicas da área de estudo (linhas cheias: amostras 113
analisadas; linhas tracejadas: dados de PIMENTEL et al., 2000b). A = composição isotópica de rochas do
Arco Magmático de Goiás em outras regiões de Goiás. B = Composição isotópica de gnaisses arqueanos de
Goiás.

Figura 8.3 - Composição isotópica de Nd de rochas metamáficas da área de estudo (linha tracejada: 113
PIMENTEL et al., 2000b). A = composição isotópica de rochas do Arco Magmático de Goiás em outras
regiões de Goiás. B = Composição isotópica de gnaisses arqueanos de Goiás.
ÍNDICE DE FOTOS
Fotomicrografia 4.1 – Epidoto-biotita-muscovita-quartzo gnaisse onde se observa muscovitização comum nos 51
gnaisses da porção central do Domínio Sul. Nicóis cruzados aumento 2,5x. Lâmina PO-63C.

Fotomicrografia 4.2 – Biotita-hornblenda gnaisse onde ocorrem porfiroclástos de hornblenda e bandamento 51


composicional formado por bandas nematoblásticas (hornblenda) e granoblásticas (quartzo e plagioclásio).
Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-61.

Fotomicrografia 4.3 – Hornblenda-biotita gnaisse porfiróide, cataclástico, milonítico. Nicóis cruzados, 51


aumento 2,5x. Lâmina ME-111.

Fotomicrografia 4.4 – Granada-muscovita-biotita gnaisse exibindo porfiroblásto subeuedral de granada. Nicóis 51


cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-153C.

Fotomicrografia 4.5 – Hornblenda-biotita gnaisse porfiróide, cataclástico, milonítico. Nicóis cruzados, 51


aumento 2,5x. Lâmina SG-159A.

Fotomicrografia 4.6 – Anfibolito fino exibindo bandamento descontínuo paralelo à foliação Sn e estrutura 51
xistosa e textura nematoblástica. Nicóis cruzados, aumento 10x. Lâmina PO-98.

Fotomicrografia 4.7 – Granada anfibolito onde se observam porfiroblástos de granada anedrais a subedrais. 51
Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-136A.

Fotomicrografia 4.8 – Reação na borda entre boudin de anfibolito (A) e gnaisse (Gn), onde se observa 51
gnaissificação do anfibolito através da entrada de material quartzo feldspático, gerando granada (G),
muscovita (M), biotita (B), epidoto (E). Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-88.

Fotomicrografia 4.9 – Biotita gnaisse porfiróide milonítico. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-118. 59

Fotomicrografia 4.10 – Bandamento litológico constituído por bandas de sericita (S) e de quartzo (Q), e 59
porfiroblásto de granada (G) subeudral com bordas sericitizadas. Nas bandas de sericita observam-se cristais
reliquiares de muscovita (M). Granada-biotita-clorita-muscovita-sericita-quartzo xisto. Nicóis cruzados,
aumento 2,5x. Lâmina PO-118.

Fotomicrografia 4.11 – Biotita-muscovita-quartzo xisto. Nicóis cruzados, aumento 5x. Lâmina PO-112. 59

Fotomicrografia 4.12 – Biotita-muscovita-quartzo gnaisse granoblástico. Nicóis cruzados, aumento 5x. Lâmina 59
PO-123.

Fotomicrografia 4.13 – Muscovita xisto. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-215. 59

Fotomicrografia 4.14 – Muscovita-quartzo xisto bandado. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-32. 59
Fotomicrografia 4.15 –Porfiroblásto de granada (G) com inclusões de estaurolita (E) e cianita (C). Granada- 59
biotita-muscovita gnaisse. Nicóis cruzados, aumento 5x. Lâmina MA-3-37.

Fotomicrografia 4.16 – Biotita-muscovita gnaisse. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-38. 59

Fotomicrografia 4.17 –Epidoto-muscovita ganisse. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-40. 68

Fotomicrografia 4.18 – Anfibolito. Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-149. 68

Fotomicrografia 4.19 – Muscovita (M) junto a plagioclásio em anfibolito. Nicóis cruzados, aumento 5x. 68
Lâmina ME-149.

Fotomicrografia 4.20 – Rocha metavulcânica constituída por porfiroblástos de hornblenda (cristais prismáticos 68
verdes) em meio a matriz constituída principalmente por cristais de plagioclásio. Quadrado: área da foto 4.20.
Aumento 63x (Lupa). Lâmina ME-203.

Fotomicrografia 4.21 – Porfiroblástos de hornblenda (cristais prismáticos verdes) em meio a matriz constituída 68
principalmente por cristais de plagioclásio com quartzo e biotita dispersos. Aumento 63x (Lupa). Nicóis
cruzados, aumento 5x. Lâmina ME-203. Lâmina ME-203.

Fotomicrografia 4.22 – Granada-biotita-muscovita-quartzo xisto (Grupo Araxá). Nicóis cruzados, aumento 68


2,5x. Lâmina PO-25.

Fotomicrografia 4.23 – Cristal de cianita em granada-biotita-muscovita-quartzo xisto. Nicóis cruzados, 68


aumento 5x. Lâmina SG-91.

Fotomicrografia 4.24 – Bandamento composicional dobrado. Muscovita-quartzito. Nicóis cruzados, aumento 68


2,5x. Lâmina ME-27.

Foto 5.1 – Bandamento composicional constituído por pequenas lentes de anfibolito (xenólitos) em gnaisse 72
(biotita ortognaisse porfiróide). Afloramento PO-230. Unidade A (Domínio Sul).

Foto 5.2 – Bandamento composicional constituído por variações de porções lepidoblásticas (xistos) e 72
granoblásticas (quartzitos). Afloramento PO-185. Unidade B (Domínio Sul).

Foto 5.3 – Bandamento composicional (Sn-2//Sn-1 constituído por intercalações de veios e/ou lentes de 72
quartzo em quartzo xisto transposto. Afloramento PO-185. Unidade B (Domínio Sul).

Foto 5.4 – Foliação Sn-1 paralela ao contato entre quartzito e xisto (bandamento composicional), dobrado pela 72
foliação Sn (transposição de Sn-2//Sn-1). Afloramento PO-213. Unidade Quartzítica (Domínio Norte – Grupo
Araxá).

Foto 5.5 – Foliação Sn-1 paralela ao contato entre quartzito e xisto (bandamento composicional) dobrado 72
(transposição de Sn-2//Sn-1). Afloramento PO-214. Unidade Quartzítica (Domínio Norte – Grupo Araxá).
Foto 5.6 – Foliação Sn-1 (bandamento composicional) dobrado (transposição de Sn-2//Sn-1). Afloramento PO- 72
226. Unidade B (Domínio Sul).

Foto 5.7 – Muscovita-quartzo xisto dobrado. Afloramento PO-189. Unidade B (Domínio Sul). 72

Foto 5.8 – Xistosidade definida pela relação Sn-2//Sn-1//Sn. 72

Fotomicrografia 5.1 – Xistosidade paralela à foliação Sn (Sn-2//Sn-1//Sn). Epidoto-muscovita gnaisse. Nicóis 80


descruzados aumento 2,5x. Lâmina ME-86 (Domínio Sul).

Fotomicrografia 5.2 – Bandamento composicional paralela à xistosidade. Nicóis descruzados aumento 2,5x. 80
Lâmina PO-32 (Grupo Araxá).

Fotomicrografia 5.3 – Dobras Dn. Bandamento composicional milimétrico dobrado, a dobra apresenta flancos 80
paralelos à foliação Sn (Sn-2//Sn-1//Sn). Nicóis cruzados aumento 2,5x. Lâmina ME-26 (Domínio Norte).

Fotomicrografia 5.4 – Bandamento composicional dobrado pela foliação Sn. Nicóis descruzados aumento 80
2,5x. Lâmina PO-146.

Fotomicrografia 5.5 – Bandamento composicional dobrado pela foliação Sn que rompe parte da linha de 80
charneira da dobra. Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-153.

Fotomicrografia 5.6 – Porfiroblásto de granada exibindo foliação interna (Si) obliqua a foliação Sn. Nicóis 80
cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-108.

Fotomicrografia 5.7 – Agregados de micas (muscovita) sigmoidais que indicam sentido de transporte de topo 80
de W. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-32.

Fotomicrografia 5.8 – Granada-muscovita-biotita xisto na qual ocorrem porfiroblástos de granada com 80


sombras de pressão assimétricas que indicam sentido de transporte de topo de W para L. Nicóis cruzados,
aumento 2,5x. Lâmina ED-1-48.
ÍNDICE DE TABELAS
Tabela 2.1 – Dados isotópicos e geocronológicos de rochas do Arco Magmático de Goiás. 26

Tabela 2.2 – Dados Isotópicos e geocronológicos de rochas da região de Pontalina 28

Tabela 2.3 – Dados Isotópicos e geocronológicos de rochas metassedimentares do Grupo Araxá. 29

Tabela 2.4 – Dados geocronológicos sobre o metamorfismo na região sul de Goiás 30

Tabela 6.1 – Minerais analisados por microssonda eletrônica 83

Tabela 6.2. Associações minerais presentes nas amostras usadas para termobarometria. A localização das 96
amostras é mostrada na Figura 6.1

Tabela 6.3 - Resultados das condições P e T do metamorfismo calculados com o THERMOCALC 97

Tabela 8.1 - Dados isotópicos Sm/Nd e idades modelo de gnaisses da região de Pontalina. 112
RESUMO
Na região de Pontalina - GO afloram duas seqüências alóctones, estruturadas pela
principal fase deformacional, que colocou as rochas dos Terrenos-Gnáissicos
Metassedimentares (Arco Magmático de Goiás) sobre as rochas do Grupo Araxá. A análise
dos dados estruturais (foliação, lineação de estiramento e indicadores cinemáticos, em
diferentes escalas) demonstra que o transporte tectônico foi, dominantemente, de oeste
para leste. Ambas as unidades apresentam paragêneses minerais ou associações
relacionadas ao auge metamórfico típicas da fácies anfibolito. As associações minerais
observadas revelam que o pico metamórfico atingiu temperaturas mínimas da ordem de
600°C, em ambiente de pressão compatível ou superior ao regime barroviano. Aspectos
texturais e microestruturais indicam que estas associações foram geradas no estágio inicial
do desenvolvimento da foliação principal (Sn) ou mesmo antes. Análises químicas de
gnaisses e de rochas metamáficas mostram que as rochas da região apresentam
características geoquímicas de magmas gerados em ambientes de arcos magmáticos. As
idades modelo TDM em rocha total e dados isotópicos (Sm/Nd) de gnaisses e rochas
metamáficas da região são semelhantes aos valores obtidos para litotipos de contexto
geológico similar, em outras regiões de Goiás, atribuídas ao Arco Magmático de Goiás.
Desta forma, o conjunto litológico em foco corresponde à extensão mais meridional do
Arco Magmático de Goiás, de idade neoproterozóica.
1

CAPÍTULO I

1 – INTRODUÇÃO

Parte dos terrenos pré-cambrianos que ocorrem na região sul/sudeste de Goiás e


sul/sudoeste de Minas Gerais, são constituídos por cinturões móveis ou seqüências mais
recentes, apresentando história tectono-metamórfica complexa, que circundam ou recobrem
áreas cratônicas mais antigas.
Estudos estruturais associados a metamórficos podem levar à obtenção de informações
sobre diferentes níveis crustais e ambientes tectônicos, propiciando o esclarecimento das
relações entre acresção crustal, formação de cinturões móveis antigos, possíveis movimentos
de placas, limites de placas, domínios transpressivos e distensivos e antigos regimes termais e
seus caminhamentos metamórficos.
A área pesquisada está contida na Faixa de Dobramentos Brasília, porção central da
Província Tocantins. A Faixa de Dobramentos Brasília é dividida, segundo a proposta de Fuck
(1990, 1994) e Fuck et al. (1993, 1994, 2005) em duas zonas: interna à oeste e externa à leste.
Pesquisas geológicas relativamente recentes advogam que a Faixa Brasília é o do produto de
um processo de colisão continental, que guarda registros de um Ciclo de Wilson completo,
que inclui seqüências metassedimentares plataformais de margem passiva e seqüências
marinhas profundas (BARBOSA et al., 1970a, 1970b; MARINI et al., 1984a, 1984b;
VALENTE, 1986; FUCK et al., 1993; DARDENNE, 2000; VALERIANO et al., 2004, entre
outros); rochas metamáficas/metaultramáficas do tipo alpino, reconhecidas como melange
ofiolítica (DRAKE JR., 1980; VALENTE, 1986; NILSON, 1984; STRIEDER; NILSON,
1992a, 1992b, 1992c; BROD et al., 1991; FUCK et al., 1993; STRIEDER, 1993;
DARDENNE, 2000; NAVARRO, 2002; ANGELI et al., 2004, 2005) e, também inclui restos
de arcos magmáticos (PIMENTEL; FUCK, 1991, 1992; FUCK et al., 1993, 1994;
PIMENTEL et al., 1996, 1998, 2000, 2004; LACERDA FILHO et al., 1999; DARDENNE,
2000), provavelmente provenientes do consumo de Placa São Franciscana.
As publicações existentes até o momento atestam que grande parte dos terrenos
gnáissicos da Faixa Brasília carecem, em muitas áreas, em especial na área enfocada por esta
Tese, de estudos mais aprofundados que envolvam: detalhamento de campo (mapeamento
geológico e estrutural), estudo da natureza geoquímica das rochas que os compõem (análises
químicas de minerais e rocha total), estudos isotópicos e geocronológicos, etc. A compreensão
2

destes dados pode esclarecer a origem destas rochas e o real significado geológico de suas
presenças.

1.2 – OBJETIVOS

Um dos problemas de grande importância a investigar, para um completo


conhecimento da evolução crustal de uma dada região, é o da origem e evolução tectono-
metamórfica de terrenos gnáissico-graníticos e rochas associadas. O objetivo da pesquisa é a
obtenção de dados mineralógicos, petrográficos, estruturais, litoquímicos e isotópicos, e à
confecção de mapa geológico na escala 1:100.000, almejando fornecer subsídios que
possibilitem a compreensão da evolução geológica das rochas e associações petrogenéticas,
que ocorrem na região SW da Província Tocantins, no limite entre rochas atribuídas ao Arco
Magmático de Goiás e a Faixa Brasília, na porção sul do estado de Goiás, nos arredores dos
municípios de Pontalina e Morrinhos.
A escolha da presente área deve-se: à carência de conhecimento geológico, uma vez
que ainda não foi alvo de estudos de detalhes e, por considerarmos que estes terrenos podem
contribuir para o entendimento da evolução geológica ou tectônica da região de estudo.

1.3 – LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO

A área de estudo situa-se a sudoeste de Goiânia, no Estado de Goiás, e abrange parte


das folhas topográficas Piracanjuba (Folha SE-22-X-D-I), Edéia (Folha SE-22-X-C-III),
Joviânia (Folha SE-22-X-C-VI) e Morrinhos (Folha SE-22-X-D-IV), na escala 1:100.000 do
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (1973, 1974), localizada entre as
coordenadas (latitude N 17º 17’ 19’’ longitude E 49º 27’ 25’’ e latitude N 17º 44’ 09’’
longitude E 49° 06’ 49’’).
A área abrange parte dos municípios de Palmeira de Goiás, Edéia, Cromínia,
Piracanjuba e principalmente parte dos municípios de Mairipotaba, Pontalina e Morrinhos,
situados cerca de 100 km a sul da cidade de Goiânia (Figura 1.1).
Partindo de Goiânia, o acesso à área de estudo pode ser feito pela rodovia federal (BR
– 153) até o trevo de acesso às cidades de Cromínia e Mairipotaba, localizado na Vila
conhecida como Prof. Jamil (ou Bela Vista); seguindo então pela rodovia estadual (GO - 217),
até o trevo para a cidade de Pontalina, localizado na cidade de Cromínia, de onde se tem
acesso à porção norte da área.
3

6 17o00
50º 3 8
A B 7 49o00
2
4
1
16º 10
Folha Edéia Folha Piracanjuba
5
11
9

Área de Estudo

7
GO - 21

14

13
GO - 216 Folha Joviânia Folha Morrinhos
12
15
o
50 00
16
17 18
18o00

Figura 1.1 – (A) Mapa de localização da área de estudo e vias de acesso (Fonte: Mapa Rodoviário do
Brasil, 1995) (B) Localização da área nas folhas topográficas na escala 1:100.000 (IBGE, 1973, 1974)
mostrando os limites intermunicipais. 1- Jandaia, 2- Palmeira de Goiás, 3- Guapó, 4- Varjão, 5-
Mairipotaba, 6- Aragoiânia, 7- Hidrolândia, 8- Bela Vista de Goiás, 9- Edéia, 10- Cromínia, 11-
Piracanjuba, 12- Morrinhos, 13- Aloândia, 14- Pontalina, 15- Joviânia, 16- Goiatuba, 17- Bom Jesus
de Goiás, 18- Buriti Alegre.

O acesso à porção central da área é feito pelo trevo entre a rodovia federal (BR – 153)
com a rodovia estadual (GO – 216), mais a sul, que possibilita atingir o município de
Pontalina. O aceso a porção sul da área é feito pelo trevo da cidade de Morrinhos com a
rodovia federal (BR – 153) através de estrada de terra (Figura 1.1).

1.4 – MÉTODOS APLICADOS PARA A ELABORAÇÃO DESTE TRABALHO

1.4.1 - Levantamentos de dados preexistentes


Esta etapa consistiu em uma fase preparatória para as atividades a serem
desenvolvidas nas etapas posteriores, incluindo o levantamento bibliográfico em periódicos,
livros, teses de doutorado, dissertações de mestrado, monografias, além de anais de
congressos, simpósios e outros encontros científicos, enfocando a Faixa Brasília e, em
especial a área de estudo, para obtenção de dados cartográficos e geológicos já existentes.
4

Os principais trabalhos consultados (mapas de levantamentos geológicos anteriores)


foram os de Araújo et al. (1980), Ianhez et al. (1983), Valente (1986), Lacerda Filho (1995),
Lacerda Filho et al. (1995, 1999), Simões et al. (1999a, 1999b, 1999c), Navarro (1999, 2002)
e Rocha (2003).
Foram também abordados os temas que fazem parte deste trabalho, como
metamorfismo, geotermobarometria, geologia estrutural e geoquímica.

1.4.2 – Interpretação de fotos aéreas e imagens de satélite


O estudo de fotointerpretação e de processamento de imagens de satélite, foi elaborado
utilizando fotografias aéreas da Força Aérea Norte-Americana (USAF), na escala 1:60.000,
do ano de 1969 e imagem de satélite do ENGESAT Imagens de Satélite (LANDSAT 7 ETM,
bandas Ms, Tm e Pan), do ano de 2001, na escala 1:250.000.
Para a interpretação da imagem de satélite foi utilizada uma composição colorida das
bandas 3, 4 e 7. O objetivo desta atividade foi racionalizar os trabalhos de campo, através da
identificação das principais estruturas tectônicas, e facilitar a identificação dos contatos
geológicos entre as unidades, entre outros.

1.4.3 - Trabalhos de campo


Os trabalhos de campo foram realizados em quatro etapas, de 10 dias cada, totalizando
40 dias. Consistiram em levantamentos geológicos de âmbito regional, visando um
entendimento das relações estruturais, petrográficas, metamórficas e cronológicas entre as
rochas. Os afloramentos visitados foram descritos, cartografados, amostrados e tiveram seus
dados estruturais levantados.
Os dados obtidos no campo foram integrados aos dados de outros levantamentos
anteriores realizados na área (em especial ARAÚJO et al., 1980; SIMÕES et al., 1999a;
NAVARRO, 2002) e resultaram em um mapa na escala de 1:100.000. A localização dos
afloramentos visitados durante os levantamentos de campo é mostrada no mapa de pontos
(Anexo I – Mapa de Pontos).

1.4.4 – Digitalização da base topográfica


A base geográfica da área de estudo foi compilada de parte das folhas topográficas na
escala 1:100.000 (Folhas Morrinhos - SE-22-X-D-IV, Piracanjuba - SE-22-X-D-I, Aloândia -
SE-22-X-C-VI e, Edéia - SE-22-X-C-III), todas do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE) dos anos de 1973 e 1974.
5

A compilação da base geográfica foi feita através da digitalização utilizando-se o


programa AUTOCAD versão 14 da Autodesk.

1.4.5 - Petrografia
Algumas amostras coletadas nos trabalhos de campo foram selecionadas para a
elaboração de seções delgadas e seções polidas, feitas no Laboratório de Laminação do
Departamento de Petrologia e Metalogenia - DPM do Instituto de Geociências e Ciências
Exatas (IGCE), UNESP - Câmpus de Rio Claro; visando-se caracterizar a mineralogia,
texturas e estruturas primárias e tectono-metamórficas, relações microtectônicas e cinemáticas
e, grau metamórfico.
O estudo das seções delgadas (totalizando 150 lâminas) permitiu estudar e/ou
estabelecer relações entre os constituintes mineralógicos e/ou texturais das rochas gnáissicas
com a deformação e metamorfismo da região. Os números das lâminas descritas no item 7.2
correspondem ao número do afloramento onde as amostras foram coletadas (Anexo I – Mapa
de Pontos).

1.4.6 - Análises químicas de rocha total


Com base no estudo petrográfico foram selecionadas trinta e sete amostras para
determinação das composições químicas das rochas (elementos maiores e traço). Destas,
dezenove amostras correspondem a rochas gnáissicas e dezoito amostras correspondem a
amostras de rochas metamáficas. Das amostras analisadas, vinte amostras foram selecionadas
para a determinação de Elementos Terras Raras - ETR (nove amostras de gnaisses e onze
amostras de metamáficas).
As amostras selecionadas para análise química de rocha total foram preparadas no
Laboratório de Geoquímica (Labogeo) do Departamento de Petrologia e Metalogenia (DPM)
do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE), UNESP - Câmpus de Rio Claro.
A preparação das amostras seguiu as seguintes etapas:
as porções com evidências de alteração intempérica, bem como as zonas de
cisalhamento/cataclase localizadas e fraturas/vênulas tardias, foram retiradas por
fragmentação manual ou através de corte de serra de disco diamantado;
as partes maciças melhor preservadas e consideradas mais representativas foram desagregadas
e diminuídas através de corte em fatias e posterior prensagem, quando foi reduzida a
granulação de 2mm;
6

foi executada pulverização em moinho oscilante, que reduziu as amostras à granulação de


silte fino e argila.
Em todas as etapas foram realizadas operações de limpeza dos equipamentos,
seguindo os procedimentos de limpeza rotineiros (uso de palha de aço, pincel, estopa com
álcool, secagem do equipamento com ar comprimido, etc.).
As amostras pulverizadas foram encaminhadas ao Laboratório de Geoquímica
(Labogeo) do Departamento de Petrologia e Metalogenia (DPM) do Instituto de Geociências e
Ciências Exatas (IGCE), UNESP - Câmpus de Rio Claro.
As análises de elementos maiores e traços foram realizadas pelo método de
Fluorescência de Raios X (FRX). Foram analisados Si, Al, Ti, Ca, Fe, Mn, Mg, Na, K e P,
com os resultados apresentados em porcentagem de peso de óxido; e Ba, Cr, Cu, Nb, Ni, Rb,
Sr, Y e Zr, com teores expressos em partes por milhão (ppm), utilizando a metodologia
proposta por Nardy et al. (1997).
A análise dos Elementos Terras Raras - ETR (La, Ce, Nd, Sm, Eu, Gd, Dy, Er, Yb,
Lu) foram executada pelo método ICP – AES (Espectrometria de Emissão Atômica com
Fonte de Plasma Acoplado Indutivamente), utilizando os procedimentos descritos por
Malagutti et al. (1998).
A localização das amostras e o resultado das análises químicas estão apresentados no
Anexo I (Mapa de Pontos) e Tabela I (Anexo III) respectivamente. Para a manipulação dos
dados geoquímicos e construção dos diagramas utilizou-se o programa MINPET versão 2.02
(RICHARD, 1995).

1.4.7 – Química mineral


Após o estudo petrográfico, algumas lâminas foram selecionadas para análise de
química mineral por microssonda eletrônica. As lâminas selecionadas foram polidas no
Laboratório de Laminação do Departamento de Petrologia e Metalogenia (DPM) do Instituto
de Geociências e Ciências Exatas (IGCE), UNESP - Câmpus de Rio Claro, e levadas ao
laboratório de Microssonda do Instituto de Geociências da USP (IG-USP), onde foram
metalizadas com carbono.
As análises realizadas através de microssonda eletrônica da marca JEOL modelo
SUPERPROBE JXA-8600 no laboratório de Microssonda do Instituto de Geociências da USP
(IG-USP). As análises foram realizadas sob as seguintes condições: potencial de aceleração
15KV, corrente de 20nA (nanoâmper), diâmetro de 5µ e o tempo de exposição de 10
segundos. Foram analisadas 12 lâminas delgadas de amostras, nas quais se obteve dados
7

químicos das seguintes fases minerais: anfibólio, biotita, clorita, epidoto, feldspatos
(plagioclásios e feldspatos alcalinos), granadas, moscovita, piroxênios e opacos.
Parte destas análises foi realizada pelo Prof. Dr. Renato Moraes do Departamento de
Mineralogia e Geotectônica do Instituto de Geociências (IG) da USP e, pelo Prof. Dr. Luiz
Sérgio Amarante Simões do Departamento de Petrologia e Mineralogia do Instituto de
Geociências e Ciências Exatas (IGCE), da UNESP, Campus de Rio Claro.
As fórmulas estruturais dos minerais analisados foram calculadas através dos
programas MINPET versão 2.02 (RICHARD, 1995) e THERMOCALC (POWELL;
HOLLAND, 1994). Os resultados das análises de química mineral são mostrados na Tabela I
(Resultados das Análises de Química Mineral) do Anexo II.

1.4.8 – Geocronologia (método Sm-Nd)


Nove amostras foram selecionadas para a determinação de Idades Modelo (TDM) em
rocha total para a determinação da idade do protólito. Das nove amostras, sete amostras
correspondem a gnaisses e duas a rochas metamáficas.
A preparação das amostras seguiu o processo descrito no item 4.7. Após a
pulverização, as amostras foram encaminhadas ao Laboratório de Geoquímica Isotópica, do
Departamento de Petrologia e Metalogenia (DPM), da Universidade Estadual Paulista
(UNESP), onde foi realizada à abertura química de amostras para análise isotópica de rocha
total utilizando os procedimentos descritos por Hackspacher et al. (2004).
As análises das razões isotópicas Sm-Nd foram feitas em Espectrômetro de Massa por
ionização termal (TIMS) da marca Finningan MAT-262 multi-coletor do Laboratório de
Geocronologia do Instituto de Geociências da Universidade de Brasília (UnB).
O método Sm – Nd foi utilizado porque permite a obtenção de idades modelo (TDM),
que correspondem à idade de geração de magmas primários acrescidos à crosta devido à
diferenciação crosta manto (SATO; TASSINARI, 1993; SATO et al., 1995; SATO, 1998),
permitindo a separação de rochas juvenis de rochas geradas em outros eventos (anteriores ou
posteriores a um dado evento de acreção crustal).

1.4.9 – Elaboração de mapa geológico da área


A área estudada abrange aproximadamente 1459 km2, exibindo a forma de um
polígono irregular, situada nos arredores dos municípios de Mairipotaba, Cromínia,
Piracanjuba, Morrinhos e Pontalina, localidades situadas ao sul da cidade de Goiânia no
estado de Goiás.
8

O mapa geológico da área (Anexo I – Mapa Geológico) na escala 1:100.000 foi


elaborado com base nos dados de campo, petrográficos e da compilação de algumas
informações contidas em trabalhos anteriores, em especial nos trabalhos de Araújo et al.
(1980), Simões et al. (1999a), Rezende et al. (1999), Navarro (1999, 2002) e Rocha (2003).

1.4.10 – Confecção da tese


Os resultados obtidos neste trabalho são apresentados em um volume. O presente
volume é dividido em 10 capítulos, que abrange a apresentação, discussão e interpretação dos
dados. No final do volume são anexados os mapas elaborados (mapa de pontos, geológico e
estrutural), tabelas de dados estruturais, tabela de dados litogeoquímicos, tabela de química
mineral, tabela de dados isotópicos usados para a elaboração de estereogramas, cálculos de
geotermobarometria, gráficos, etc.
9

CAPÍTULO II

2 - GEOLOGIA REGIONAL

2.1 – Aspectos gerais


A área de estudo situa-se na porção ocidental da Zona Interna da Faixa Brasília, no
limite entre os metassedimentos da Zona Interna da Faixa Brasília (segundo as propostas de
FUCK, 1990, 1994; FUCK et al., 1993, 1994, 2005) e os terrenos gnáissicos associados ao
Arco Magmático de Goiás, na porção central da Província Tocantins. A Faixa Brasília
corresponde a um cinturão orogênico neoproterozóico desenvolvido durante a convergência
de três importantes blocos continentais: o Cráton Amazônico a oeste, o Cráton do São
Francisco a leste e o Bloco Paraná a sul, que se encontra sob os sedimentos e rochas
vulcânicas da Bacia do Paraná.
Grande parte da Zona Interna da Faixa Brasília foi inicialmente denominada de Faixa
Uruaçu (ALMEIDA et al., 1976). Segundo estes autores a Faixa Uruaçu seria constituída por
rochas metassedimentares e metabásicas metamorfizadas na fácies xisto verde alto a
anfibolito de alta pressão, às quais associam-se pequenos corpos intrusivos básico-
ultrabásicos e magmatismo ácido sin- a pós-tectônico, incluídas no Grupo Araxá (BARBOSA
et al., 1955, 1970b), metamorfizadas durante o Ciclo Uruaçuano (ALMEIDA, 1968a) entre
1000 – 1300 Ma. Almeida et al. (1976) ressaltam o fato de que, tradicionalmente, a Faixa
Uruaçu é considerada como sendo formada essencialmente por seqüências de micaxistos,
restringindo gnaisses e migmatitos a unidades pré-uruaçuanas. Entretanto, atentam para o fato
de que essas rochas apresentam, em muitos locais, transição gradual, que existem ocorrências
de inconformidades angulares e carência de mapeamento. Tais aspectos dificultariam a sua
separação, desta forma parte do Maciço Central de Goiás é englobado na Faixa Uruaçu.
Restringem o termo Faixa de Dobramentos Brasília a uma faixa de metassedimentos detríticos
depositados em condições miogeossinclinais (Grupos Araí e Canastra) e sedimentos
psamíticos, pelíticos e carbonáticos (Formação Paraopeba) metamorfizados nas condições
xisto verde baixo durante o Ciclo Brasiliano (ALMEIDA et al., 1976).
Fuck (1990) e Fuck et al. (1993, 1994), em nova proposta de estruturação da Província
Estrutural Tocantins (Figura 2.1a), utilizam o termo Faixa Brasília para designar um sistema
de dobramentos neoproterozóicos, incluindo nesta denominação as rochas atribuídas a Faixa
de Dobramentos Uruaçu. Nesta, a Faixa Brasília é dividida em duas zonas: a Zona Externa,
localizada junto à margem oeste do Cratón do São Francisco (correspondendo em sua maior
10

parte à Faixa Brasília no conceito antigo); e a Zona Interna, localizada mais a oeste
(corresponde na sua maior parte à antiga Faixa Uruaçu). Esta proposta associa uma nova
unidade tectônica a Faixa Brasília, definida na década de noventa, no estado de Goiás por
Pimentel e Fuck (1991, 1992), denominada de Arco Magmático de Goiás.
Na área de estudo afloram rochas atribuídas a duas unidades litoestratigráficas
associadas à Faixa Brasília: o Grupo Araxá (Zona Interna) e Arco Magmático de Goiás. O
Grupo Araxá é constituído principalmente por metassedimentos distais turbidíticos, com
significativa presença de finos (pelitos), incluindo rochas metamáficas e metaultramáficas
interpretadas como restos de assoalho oceânico, assumindo características de melange
ofiolítica (DRAKE Jr., 1980; NILSON, 1984; FUCK, 1990, BROD et al., 1991; STRIEDER;
NILSON, 1992a, 1992b, 1992c; FUCK et al., 1993, 1994; STRIEDER, 1993; DARDENNE,
2000; VALERIANO et al., 2004). Ao Grupo Araxá também associam-se corpos graníticos de
dimensões variadas sin- tardi-tectônicos (granitos Encruzadilha, Sesmaria, Tambú, Maratá,
granitóides tipo Aragoiânia e Piracanjuba), interpretados em parte como granitos derivados da
fusão de metassedimentos deste grupo (PIMENTEL et al., 1997a, 1999a, 1999b, 2000a;
REZENDE et al., 1999).
O Arco Magmático de Goiás é representado por ortognaisses com “intercalações” de
rochas de origem sedimentar e/ou vulcanossedimentar/tufogênicas (seqüências
metavulcanossedimentares), interpretados como parte de crosta juvenil com assinatura
geoquímica e isotópica de arcos magmáticos intraoceânicos a cordilheiranos, formados
durante ciclo orogênico no neoproterozóico (PIMENTEL; FUCK, 1992; DARDENNE, 2000;
PIMENTEL et al., 2000a; VALERIANO et al., 2004). Ao Arco Magmático de Goiás
associam-se corpos graníticos (granito Serra Negra, Serra do Irã, Caiapó, Iporá, Israelândia,
Serra do Impertinente, Fazenda Nova, Novo Brasil) e máfico-ultramáficos (complexos
Americano do Brasil e Anicuns-Santa Barbará, diorito Córrego do Lajeado) tardi- a pós-
orogênicos, resultantes de magmatismo bimodal, relacionados ao ultimo estágio colisional da
Faixa Brasília (PIMENTEL et al., 2000a; VALERIANO et al., 2004).

2.2 – Compartimentação geológica da área de estudo


A área de estudo tem recebido distintas interpretações litoestratigráficas e
geocronológicas durante os últimos anos. Inicialmente a área foi relacionada ao Grupo Araxá
e embasamento de idade arqueana, e mais recentemente a terrenos neoproterozóicos do Arco
Magmático de Goiás. Neste trabalho a estruturação geológica desta é dividida em dois
compartimentos denominados de Domínio Norte e Domínio Sul (Figura 2.1b).
11

A) 55º

? Coberturas Fanerozoícas
BRASIL
? o
12o S
Faixa Paraguaí-Araguaia
46 W
?
Faixa Brasília
20º

Porangatu Arco Magmático de Goiás

Zona Externa
Mara Rosa

Zona Interna

Cráton do São Francisco

Brasília Maciço de Goiás


Arenópolis Sancrerlândia
Iporá
Piranhas Firminópolis
Goiânia Estado de Goiás

Área de Estudo

? Provável extensão do
Arco Magmático de Goiás

o
46 W
20o S

100 0 100 km

B) CG
Goiânia

BP
Bacia do Paraná

Faixa Brasília CG CG

Arco Magmático de Goiás

Grupo Araxá

CG Complexo Granulítico Varjão


Anápolis-Itauçu

Mairipotaba CG
Cromínia
Área de Estudo Piracanjuba
Edéia
DN
DN
Domínio Norte
Edealina
DS Domínio Sul DS
17º 30’
Pontalina

Aloândia
Morrinhos
0 km 30 km BP

BP
49º 30’

Figura 2.1 – (A) Mapa esquemático da Província Tocantins (modificado de FUCK et al., 1994). (B)
Mapa geológico regional esquemático mostrando a localização dos Domínios Norte e Sul na área de
estudo (modificado de LACERDA FILHO et al., 1995).
12

O Domínio Norte é constituído pelas rochas do Grupo Araxá (ARAÚJO et al., 1980;
REZENDE et al., 1999), e o Domínio Sul por rochas associadas ao Arco Magmático de Goiás
(PIMENTEL et al., 2000a, 2000b; NAVARRO et al., 2004; NAVARRO; ZANARDO, 2005).
A seguir será apresentada uma breve síntese dos principais trabalhos realizados na região.

2.2.1 – Domínio Sul (Arco Magmático de Goiás)


Almeida (1968a) associa as rochas que afloram ao sul de Goiânia ao Grupo Araxá
(Série Araxá – BARBOSA, 1955). Para esse autor esta unidade é constituída por
metassedimentos eugeossinclinais onde predominam biotita xistos comumente granatíferos,
com intercalações de quartzitos, e localmente de gnaisses, mármores calcíticos ou
dolomíticos, anfibolitos e metabasitos (Figura 2.2).
Almeida (1968a) reúne estas rochas na “Região de Dobramentos Uraçuanos” de idade
uruaçuana. Esta divisão, que engloba os gnaisses que ocorrem na região à leste do Grupo
Araxá (divisão atual), agrupando-os na Faixa Uruaçu/Grupo Araxá foi mantida por Hasui e
Almeida (1970), Barbosa et al. (1970b), Almeida et al. (1976), entre outros.
Trabalhos regionais elaborados por Schobbenhaus et al. (1975a, 1975b), Marini et al.
(1978, 1984a, 1984b), Danni e Fuck (1981), Ianhez et al. (1983), Valente (1986), Lacerda
Filho (1995), Rezende et al. (1999) relacionam extensas áreas de rochas gnáissicas, que
ocorrem na porção oeste de Goiás e Minas Gerais, ao embasamento da Faixa Brasília de idade
arqueana e/ou paleoproterozóica.
Araújo et al. (1980), no levantamento geológico realizado na região sudeste de Goiás
(Projeto Pontalina), mapearam gnaisses relacionados ao embasamento sob a denominação de
Conjunto Migmatítico, de idade pré-cambriana superior (Figura 2.3).
O Conjunto Migmatítico, segundo esses autores, é dividido em rochas metamórficas-
migmatíticas que abrangem metatexitos e diatexitos. Os metatexitos são constituídos por
bitotita gnaisses, biotita-muscovita gnaisses, muscovita gnaisses, etc., com estruturas do tipo
schollen, ptigmáticas, agmáticas e principalmente estromáticas, apresentando normalmente
paleossomas de anfibolitos, de hornblenda gnaisses, de granada-biotita xistos, e de biotita
gnaisses.
Os diatexitos correspondem a corpos isolados associados a metatexitos, com os quais
estão intimamente relacionados. São constituídos por rochas homogêneas, apresentando
estruturas do tipo nebulítica a schlieren, apresentando composição granodiorítica a granítica,
sendo constituídos por hornblenda/biotita gnaisses podendo conter granada.
13

ia a
Aragu

s
CAVALCANTE

in
nt
ca
14º

To
NIQUELÂNDIA
PILAR DE GOIÁS

o
Ri
o
Ri

BRASÍLIA
GOIÁS
16º

PIRANHAS GOIÂNIA

Área de estudo

MORRINHOS
52º
18º
a
íb
ana
o r
Ri
O
50
Pa

50º
O
15

Goiânia

ARAXÁ
Localização da área
de estudo.
48º 46º

0 km 100 km 200 km 300 km

Coberturas Fanerozóicas, derrames basalticos e Grupo Canastra


intrusões alcalinas .
FAIXA EUGEOSSINCLINAL ARAXÁ
FAIXA PARAGUAI-ARAGUAIA
Grupo Araxá
Grupo Tocantis
Corpos Graníticos
Grupos Alto Paraguai, Araras e Corumbá
Maciços Básico-Ultrabásicos
Grupo Cuiabá
MACIÇO MEDIANO GOIANO
FAIXA MIOGEOSSINCLINAL BRASÍLIA

Grupo Bambuí

Limite da Plataforma do São Francisco (a leste) Cidades

Limite da Plataforma do Guaporé (a oeste) Rios

Figura 2.2 – Mapa geológico esquemático da Faixa Brasília segundo Almeida (1968b).
14

17º 18’ 19’’


49º 42’ 06’’

ROCHEDO

EDEALINA

DOIS IRMÃOS

PONTALINA
GO - 21
6

BR-
153
50O

15O

Goiânia

49º 03’ 25’’


MORRINHOS
Localização
da área.
17º 44’ 50’’
0 km 16 km
CENOZÓICO

Coberturas Quaternárias/Terciárias (aluviões recentes, Muscovita-quartzo xistos feldspáticos com gnaisses associados,
latossolos com ou sem desenvolvimento de crostas lateríticas) muscovíticos, quartzo xistos e quartzitos

MESOZÓICO Diatexitos

Bacia do Paraná (Basaltos, arenitos interpostos e diques de PRÉ-CAMBRIANO MÉDIO A SUPERIOR


rochas básicas)
Grupo Araxá
PRÉ-CAMBRIANO SUPERIOR
Intrusivas básico-ultrabásicas (serpentinitos, talco-clorita xistos,
Intrusivas Ácidas (granitos, granodioritos, tonalitos, talco xistos, esteatitos e clorititos)
comumente gnaissificados e cataclasados)
Anfibolitos
Anfibolitos
Seqüencia Quartzosa(quartzitos puros, micáceos, quartzo xistos,
Serpentinitos, talco xistos, clorita xistos localmente feldspáticos)

Conjunto Migmatítico Seqüência Xistosa (granada-plagioclásio-biotita-muscovita xistos


carbonáticos ou não, estaurolita-hornblenda-granada-biotita-
Metatexitos (com paleossomas de anfibolitos, hornblenda- muscovita xistos; anfibolitos. Localmente gnaissificados e/ou com
biotita gnaisses, biotita gnaisses e granada-biotita xistos) migmatização incipinete)

CONVENÇÕES

Falhas Contato transicional ou gradacional Cidades

Falhas aproximadas Anticlinal Rios

Falha inversa e/ou de Anticlinal com flanco invertido Estradas


empurrão
Sinclinal com flanco invertido Área de Estudo
Contato definido

Figura 2.3 – Mapa geológico esquemático da área de estudo segundo Araújo et al. (1980).
15

Na porção central da área, Araújo et al. (1980) separam uma subunidade constituída
por quartzitos micáceos ou não, muscovita-quartzo xistos, sericita-cianita xisto, por vezes
feldspátizados, e muscovita gnaisses, que seriam resultado da migmatização de rochas de
Grupo Araxá (Seqüência Quartzosa – ver item a seguir).
Ianhez et al. (1983), na síntese regional, englobam parte das rochas do Domínio Sul no
Complexo Goiano de idade arqueana e no Grupo Araxá, de idade proterozóica inferior a
média (Figura 2.4). Estes autores descrevem a sul da área, no trecho entre Aloândia – rodovia
Br 153 (GO-213), muscovita gnaisses e gnaisses facoidais.
Na estrada que vai de Aloândia a Pontalina, aproximadamente até a metade da
distância, afloram segundo esses autores, granito gnaisses cataclasados, com enclaves de
rochas xistosas associadas ao Grupo Araxá. Ianhez et al. (1983) também descrevem
blastomilonitos e migmatitos além de biotita-quartzo-plagioclásio gnaisse, em trechos das
rodovias de Pontalina a Cromínia (GO-040 e Br-153) e na região da Serra da Boa Vista, na
estrada vicinal que liga Pontalina a Mairipotaba.
Na região a norte da estrada GO-215 e a oeste, ocorrem segundo Ianhez et al. (1983)
gnaisses, granito gnaisses, migmatitos e anfibolitos, que apresentam estruturas acamadadas e
mais raramente ptigmáticas. Na região do vale do Rio Meia Ponte e a sul, leste e sudeste de
Pontalina até próximo a cidades de Aloândia, estes autores descrevem uma seqüência
associada ao Grupo Araxá de micaxistos alterados, granatíferos ou não, com lentes de
quartzitos micáceos intercaladas por corpos anfibolíticos, em grande parte transformados a
tremolita-actinolita xistos; além de clorititos e talco xistos derivados de rochas
metaultramáficas. Descrevem ainda na rodovia que liga Pontalina a Edealina e Joviânia, uma
seqüência de rochas derivadas de ultramáficas (opaco-sericita-clorita xisto), ressaltando que
esta região pode representar uma seqüência tipo vulcanossedimentar dentro do Grupo Araxá.
Lacerda Filho et al. (1995) e Rezende et al. (1999) agrupam os gnaisses da região sob
a denominação de Granito-Gnaisses Indiferenciados pertencentes ao Complexo Granito-
Gnáissico de idade arqueana (Figura 2.5). Para esses autores, os terrenos granito-gnáissicos
que ocorrem desde a porção noroeste de Goiás e se estendem até a região de Edeía-Edealina-
Pontalina-Aloândia, onde desaparecem sob as rochas vulcânicas e sedimentares da Bacia do
Paraná, seriam partes dos terrenos Granito-Gnaisses Indiferenciados.
Os terrenos Granito-Gnaisses Indiferenciados são compostos por granitóides
homogêneos e/ou gnaissificados, representados por ortognaisses graníticos, tonalíticos e
granodioríticos, algumas vezes milonitizados e contendo restitos de rochas básicas a
ultrabásicas, com freqüentes diques e stocks máfico-ultramáficos.
16

49º 38’ 41’’

17º 18’ 56’’

50O

O
15

Goiânia

49º 03’ 23’’


Localização
da área.
17º 46’ 55’’

FORMAÇÕES PALEOZÓICAS
ROCHAS DE POSICIONAMENTO INDEFINIDO.
Depósitos Terciário/Quaternários.

Bacia do Paraná Ultramáficas


0 km 10 km
UNIDADES MESO/PALEOPROTEROZÓICAS Calcossilicáticas.

Grupo Araxá OCORRÊNCIAS DE ROCHAS..

UNIDADES ARQUEANAS. anfibolito calcossilicática quartzo xisto ultrabásica

Complexo Goiano

CONVENÇÕES.
Sinclinais invertidos. Rios
Cavalgamentos
Anticlinais invertidos Cidades
Falhas
Anticlinais Área de Estudo
Falhas inseridas
Estradas
Falhas com deslocamento

Figura 2.4 – Mapa geológico esquemático da área de estudo segundo Ianhez et al. (1983).
17

17º 18’ 19’’


49º 42’ 06’’

ROCHEDO
EDEALINA

PONTALINA

50O

O
15
Goiânia

49º 03’ 25’’


ALOÂNDIA MORRINHOS
Localização
da área.
17º 44’ 50’’
0 km 16 km

CENOZÓICO
Granitóides Tipo Piracanjuba (metabiotita-granito pórfiro,
Coberturas Quaternárias/Terciárias metagranodiorito, metatonalito)

MESOZÓICO Suíte Gabro-diorítica Anicuns Santa Barbara (metagabros, metanortositos


gabróico, e subordinadamente metapiroxenito e metanortosito pegmatóide)
Bacia do Paraná (Basaltos toleíticoscom intercalações de arenito fino)
PALEOPROTEROZÓICO
MESOPROTEROZÓICO
Seqüência Metavulcanossedimentar Anicuns-Itaberaí (metaultramáficas,
Granitóides Tipo Aragoiânia (granada-biotita-muscovita metagranito, anfibolio xisto, clorita xisto, mármores, muscovita-quartzo xisto, granada
biotita-metagranodiorito) anfibolito, metachert ferrífero, granada-biotita xisto, clorita xisto com
intercalações de quartzitos puros ou micáceos, com granada e magnetita
Grupo Araxá (Unidade B)
ARQUEANO/PALEOPROTEROZÓICO
Calci-clorita-biotita/muscovita xisto, calci-granada-biotita-quartzo xisto
feldspático, calci-clorita-muscovita-biotita-quartzo xisto, hornblenda- Complexo Granulítico Anápolis-Itauçu (Associação de Rochas
granada xisto feldspático, granada-clorita xisto, biotita-muscovita xisto Supracrustais: gnaisses granadíferos, sillimanita gnaisses, gnaisses cálcio-
feldspático, grafita xisto silicáticos, anfibolitos)

Quartzitos micáceos, com intercalações de muscovita xistos e grafita ARQUEANO


xistos
Complexo Granito-Gnáissico (ortognaisses graníticos, tonalíticos,
Metaultramafitos Tipo Morro Feio (serpentinitos, talco xisto, clorita xisto) granodioríticos e trondhjemitos.

CONVENÇÕES

Falhas Contato definido Rios

Lineamentos Anfibolitos Estradas

Cavalgamentos Cidades Área de Estudo

Figura 2.5 – Mapa geológico esquemático da área de estudo segundo Lacerda Filho et al. (1995).
18

São geralmente ricos em biotita e hornblenda e predominam tonalitos, biotita granito e


gnaisses porfiríticos de granulação média, com foliação e bandamento exibindo
ocasionalmente expressivas zonas de cisalhamento dúcteis e com veios pegmatíticos
(LACERDA FILHO; OLIVEIRA, 1994b, 1995; LACERDA FILHO, 1995; REZENDE et al.,
1999).
A norte/noroeste da cidade de Pontalina, Lacerda Filho (1995) e Rezende et al. (1999)
associam as rochas presentes, à Seqüência Metavulcanossedimentar Anicuns-Itaberaí de idade
paleoproterozóica (Figura 2.5).
A Seqüência Metavulcanossedimentar Anicuns-Itaberaí foi definida inicialmente na
região a noroeste de Goiânia e compreendia uma faixa orientada no sentido norte-sul,
localizada na região entre as cidades de Mossâmedes e Itaberaí (BARBOSA, 1987).
Posteriormente foi estendida até a região de Edealina e Pontalina (LACERDA FILHO, 1995;
LACERDA FILHO et al., 1995; BAÊTA et al., 1998; REZENDE et al., 1999). É composta,
nas áreas tipo, por uma seqüência de rochas metavulcânicas básica-ultrabásica a
intermediárias, químico-exalativa/mistas (tufáceas) e metassedimentares, milonitizadas e
metamorfizadas na fácies xisto verde baixo a anfibolito. Ocorre como faixas irregulares
formando uma estrutura em arco no sentido norte-sul, próximo à cidade de Aurilândia,
estendendo-se até a região de Edealina (LACERDA FILHO, 1995; REZENDE et al., 1999).
Na região de Pontalina-Mairipotaba, Gomes et al. (1986) descrevem uma seqüência de
rochas supracrustais de natureza vulcanossedimentar de baixo grau metamórfico (fácies xisto
verde/epidoto anfibolito), constituída por mica xisto, xisto feldspáticos, anfibolitos, rochas
calcossilicatadas e gnaisses diversos, anteriormente atribuída ao Grupo Araxá. Esta seqüência
foi subdividida em quatro unidades distintas, variando desde metassedimentos
aluminosos/ferruginosos na base até metassedimentos pelíticos no topo, relacionados à
Seqüência Rio Meia Ponte (definição informal), que faria contato por falha com o Grupo
Araxá, mostrando provável discordância angular. Esta seqüência, segundo esses autores, seria
referente a sedimentos pelíticos/carbonáticos impuros depositados em ambiente de bacias
restritas, sob provável influência de atividade fumarólica exalativa (GOMES et al., 1986).
Navarro (2002) utiliza a denominação informal “Terrenos Gnáissicos-
Metassedimentares” para as rochas gnáissicas e metassedimentares que ocorrem entre
Pontalina e Mairipotaba (Figura 2.6). Segundo esse autor esta unidade é dividida em duas
unidades A e B. A Unidade A é composta por um conjunto de gnaisses constituídos por
hornblenda-biotita gnaisse, biotita gnaisse, granada-biotita gnaisse, com lentes de anfibolito e
granada anfibolito.
19

17º 18’ 19’’


50O
49º 42’ 06’’

15O
1
Goiânia
B

A
A
Dois Irmãos Localização das área de estudo
B
B Pontalina

0 km 20 km

escala

49º 03’ 25’’


17º 44’ 50’’

1 Depósitos Aluvionares. 2 Depósitos Aluvionares.

Depósitos Detrito-Lateríticos. Depósitos Detrito-Lateríticos.

Granióides Tipo Aragoiânia Unidade (A) - gnaisses bandados

Metaultramafitos Tipo Morro Feio Unidade (B) - hornblenda-biotita


ortognaisse
Terrenos Gnáissicos-Metassedimentares.
Unidade (C) - granada-biotita xisto
Unidade A (Grupo Araxá)

Unidade B

Grupo Araxá.

Unidade Xistosa

Unidade Quartzítica

Cavalgamento Estradas

Rampa Lateral Drenagens

Contatos Indefinidos Metaultramáficas (métricas)

Contatos Área de estudo

Figura 2.6 – Mapas geológicos esquemáticos de parte da área de estudo segundo (1) Navarro (2002) e
(2) Rocha (2003).
20

A Unidade B é constituída por gnaisses muscovíticos e biotíticos com intercalações de


metamáficas (anfibolitos parcialmente e/ou totalmente biotitizados), hornblenda gnaisses,
anfibolitos, granada anfibolitos, localmente, anfibólio xisto e metaultramáficas. Ocorrem
ainda dentro desta unidade porções de quartzitos, quartzitos micáceos ou não, feldspáticos ou
não e quartzito ferruginoso (magnetita-muscovita quartzito e magnetita-muscovita xisto),
xistos (granada-biotita xisto, muscovita xisto, biotita-muscovita xisto).
Rochas metaultramáficas ocorrem intercaladas nesta unidade, sendo a principal
ocorrência o Morro Dois Irmãos. Este é constituído por serpentinito, clorita xisto e talco xisto.
Os corpos menores de metaultramáficas são constituídos essencialmente por talco xisto e
clorita xisto (NAVARRO, 2002).
Rocha (2003) estudou a região a SE de Pontalina e NW de Morrinhos (Figura 2.6), e
dividiu o conjunto de gnaisses que ocorrem nesta região em duas unidades: i) Unidade
Gnaisses Bandados, que foi subdividida em subunidade 1 e 2; e ii) Unidade Hornblenda-
biotita Gnaisses. A primeira unidade é constituída por gnaisses bandados quartzosos,
muscovita gnaisses, epidoto-bitotita-muscovita gnaisses, com intercalações de muscovita
quartzito às vezes feldspáticos, muscovita quartzo xistos e muscovita xistos, com raras lentes
de anfibolitos (subunidade 1); muscovita e biotita gnaisses bandados, com porções de
hornblenda/biotita gnaisses, com ou sem granada, apresentando intercalações de metamáficas
(anfibolitos, granada anfibolitos) e de biotita/muscovita xistos feldspáticos ou não
(subunidade 2); e hornblenda-biotita ortognaisse porfiróide (Unidade 2).
Ao longo da década de 90 novos dados foram incorporados, principalmente em função
de dados isotópicos e geocronológicos demostrando que nas regiões NW e SW do estado de
Goiás, extensas áreas de rochas anteriormente relacionadas ao embasamento de idade
arqueana/paleoproterozóica, correspondem a terrenos juvenis neoproterozóicos (PIMENTEL;
FUCK, 1991, 1992; PIMENTEL et al., 1991, 1997b, 2000b; VIANA et al., 1995;
RODRIGUES et al., 1999; LAUX et al., 2001, 2003, 2005; NAVARRO et al., 2004, 2005) e
são incluídos no Arco Magmático de Goiás (FUCK, 1994; FUCK et al., 1994, 2005;
PIMENTEL et al., 2000a, 2004; DARDENNE, 2000). O Arco Magmático de Goiás
(PIMENTEL; FUCK, 1991, 1992; PIMENTEL et al., 1991) ocorre na porção oeste da Faixa
Brasília e divide-se em dois segmentos. O primeiro com direção NE-SW, que aflora na região
de Mara Rosa-Porangatu; e o outro com direção aproximadamente NW-SE, que aflora na
região de Bom Jardim a Firminópolis.
O Arco Magmático de Goiás é constituído por terrenos de ortognaisses (gnaisse
Arenópolis, Matrinxã, Sancrerlândia, Firminópolis, Turviânia, Mara Rosa, Palminópolis,
21

granitóide Choupana) originados de rochas plutônicas geradas em ambiente de arco de ilhas


modernos (arcos intraoceânicos e cordilherianos), granitos miloníticos (granitos Macacos,
Serra do Tatu, Mina de Posse), que ocorrem associados a seqüências
metavulcanossedimentares (seqüências Arenópolis, Iporá, Amorinópolis, Jaupaci, Bom
Jardim de Goiás, Anicuns-Itaberaí, Mara Rosa, Santa Terezinha) constituídas por rochas
metavulcânicas (metabasaltos, metatufos intermediários) metassedimentos (pelitos, psamitos),
metassedimentos químicos (metacherts, formações ferríferas) e rochas metaultramáficas.
Associado ao Arco Magmático de Goiás, por toda sua extensão, ocorrem corpos
intrusivos de composição granítica (os corpos mais bem estudados são os granitos Serra
Negra, Serra do Irã, Caiapó, Iporá, Israelândia, Serra do Impertinente, Fazenda Nova, Novo
Brasil) e básico-ultrabásico (os corpos mais bem estudados são complexo Americano do
Brasil e Anicuns-Santa Bárbara, diorito Córrego do Lajeado) com características tardi- a pós-
orogênica.
Corpos graníticos intrusivos sin- tardi- e pós-tectônicos, de idades proterozóicas são
conhecidos na região, anteriormente correlatos ao Complexo Basal Goiano (IANHEZ et al.,
1983; Mapa Geológico do Estado de Goiás, DNPM/CPRM, escala 1:1.000.000, 1987) e ao
Conjunto Migmatitíco (Diatexitos – ARAÚJO et al., 1980). Os principais corpos do Domínio
Sul ocorrem nos arredores de Aloândia e noroeste de Pontalina. Estes corpos são reunidos sob
a denominação de granitóides Tipo Rio Piracanjuba (LACERDA FILHO, 1995; LACERDA
FILHO et al., 1995; REZENDE et al., 1999). Inicialmente este conjunto de granitos foi
cartografado por Lacerda Filho (1989) e ocorre principalmente na região da bacia hidrográfica
do Rio Piracanjuba. Essa suíte é representada por granitóides porfiríticos de composição
granítica a granodiorítica, de natureza crustal calcioalcalina (LACERDA FILHO; OLIVEIRA,
1994a, 1995). Os litotipos mais comuns nessa suíte são biotita granito porfirítico,
granodiorito, tonalito e alcaligranito, leuco a mesocráticos, desenvolvidos em regime sin- a
tardi-tectônico. Encontram-se restritos a zonas de cisalhamento dúcteis transcorrentes, onde
desenvolveu textura/estrutura protomilonítica, milonítica e ultramilonítica, o que lhes confere
bandamento gnáissico (LACERDA FILHO; OLIVEIRA, 1994a; REZENDE et al., 1999).
São granitóides híbridos, moderadamente contaminados, do tipo I-MC (granitos tipo I,
crustais mistos), peraluminosos com leve tendência metaluminosa (LACERDA FILHO;
OLIVEIRA, 1994a, 1994b, 1995).
A leste de Pontalina, próximo a Morrinhos, aflora um corpo plutônico, sin-tectônico,
orientado no sentido norte-sul, associado por Lacerda Filho et al. (1995) e Rezende et al.
(1999) como parte do Complexo Gabro-Diorítico Anicuns-Santa Bárbara, de idade
22

neoproterozóica. Na área tipo, esta unidade é constituída por litotipos gabróicos (hornblenda
gabros, gabros, anortositos e noritos) e dioríticos (diorito, microdiorito, com quartzo diorito
nas bordas), com piroxenitos subordinados (LACERDA FILHO, 1995; REZENDE et al.,
1999).
O Domínio Sul desaparece sob um pacote de derrames vulcânicos de idade Juro-
Cretácica (Formação Serra Geral) e sedimentos (Grupo Botucatu) mesozóicos da Bacia do
Paraná (Figuras 3.3, 3.4 e 3.5) (ARAÚJO et al., 1980; REZENTE et al., 1999).

2.2.2 – Domínio Norte (Grupo Araxá)


O Domínio Norte é constituído principalmente por rochas metassedimentares (Grupo
Araxá), ao qual associam-se corpos graníticos e metaultramáficos. O Grupo Araxá foi
definido inicialmente por Barbosa (1955) na região de Araxá, estado de Minas Gerais, sob a
denominação de Série Araxá. Incluiu nesta unidade um conjunto de metassedimentos “de
caráter eugeossinclinal”, onde predominariam biotita xistos, comumente granatíferos, que se
alternariam com camadas quartzíticas e, localmente com lentes de gnaisses, mármores
calcíticos e/ou dolomíticos, anfibolitos e metabasitos; sendo intrudido por rochas graníticas,
básicas e ultramáficas. Posteriormente, Barbosa et al. (1970b) restringiram o significado de
“Grupo Araxá” para xistos com duas micas e com granada, rutilo, zircão, turmalina, cianita e
estaurolita, intercalados por quartzitos, por vezes ferríferos, e anfibolitos; estendendo essa
denominação até a parte central do estado de Goiás.
Araújo et al. (1980) divide este “Grupo Araxá” em duas unidades (Figura 2.3) as quais
denominou de Seqüência Xistosa e Seqüência Quartzosa. A Seqüência Xistosa é constituída
essencialmente por granada-biotita xisto, localmente, enriquecidos em cianita, estaurolita,
carbonato e/ou feldspatos, normalmente, apresentando segregações de quartzo e quartzo e
feldspatos formando vênulas e veios de dimensões métricas. A Seqüência Quartzosa é
constituída de quartzo xisto, muscovita-quartzo xisto e quartzitos puros ou micáceos, podendo
ou não ser portadores de feldspatos, biotita e/ou granada.
No Mapa Geológico do Estado de Goiás (DNPM/CPRM, escala 1:1.000.000, 1987) e
no estudo de Ianhez et al. (1983), o Grupo Araxá é definido como uma unidade paleo-
mesoproterozóica composta por gnaisses, anfibolitos, anfibólio xistos, mica xistos
feldspáticos com granada, cianita, estaurolita, epidoto e calcita; talco-clorita-
actinolita/tremolita xisto; quartzitos e quartzo xistos; lentes de metavulcânicas ácidas e
metaultramáficas.
23

Valente (1986) define o Grupo Araxá como uma unidade constituída por
metassedimentos eugeossinclinais do Proterozóico Médio, composto por seqüências de mica
xisto associado a xistos feldspáticos, anfibolitos, hornblenda-granada xistos feldspáticos
(metagrauvacas), localmente com fácies carbonáticas; apresentando seqüências metapsamo-
pelíticas (quartzitos e xistos intercalados), além de inúmeros corpos de rochas
metaultramáficas.
Para Lacerda Filho e Oliveira (1994b), Lacerda Filho (1995) e Rezende et al. (1999), o
Grupo Araxá na região é composto por uma seqüência pelítica marinha, constituída por calci-
clorita-(biotita/muscovita) xistos, calci-clorita-biotita xistos feldspáticos, calci-granada-
biotita-quartzo xisto feldspático, granada-clorita xistos, hornblenda-granada xisto
feldspáticos, grafita xistos, lentes de metacalcários e subordinadamente, quartzitos micáceos
com intercalações de muscovita xistos e grafita xistos; lentes de anfibolitos e
metaultramáficas (correspondendo à Unidade B do Grupo Araxá, definida por esses autores)
(Figura 2.5).
Corpos metaultramáficos de dimensões variadas ocorrem alojados tectonicamente,
principalmente no Grupo Araxá e em algumas porções do Domínio Sul. O principal corpo de
rocha metaultramáfica localiza-se a sul da Serra do Paraíso, estendendo-se por uma faixa de
pelo menos 16 km de comprimento por até 2 km de largura (NILSON, 1984; SIMÕES et al.,
1999b; NAVARRO, 2002). Corresponde a uma faixa alongada e boudinada, com direção W-
E, constituída de serpentinito à qual associam-se talco xisto e clorita xisto. As porções mais
espessas dessa faixa apresentam um zoneamento composicional, não contínuo em
afloramentos que, da borda para o centro, variam de clorita xisto e magnetita-clorita xisto,
talco-clorita xisto e talco xisto (normalmente ocorrem intercalações de lentes descontínuas
destes litotipos com espessuras centimétricas a métricas). O centro é constituído por
serpentinito com alguma clorita e talco xisto (BERBERT, 1970; ARAÚJO et al., 1980;
DANNI; TEIXEIRA, 1981; NILSON, 1984; NAVARRO, 2002; RODRIGUES, 2003). No
morro de Platina e Magnesita ocorrem lentes de cromita podiforme (BERBERT, 1970;
ARAÚJO et al., 1980; DANNI; TEIXEIRA, 1981; NILSON, 1984; NAVARRO, 2002;
RODRIGUES, 2003; ANGELI et al., 2004, 2005). Os cromititos apresentam estrutura maciça,
com concentrações de 70 a 85% de cromita sustentando matriz essencialmente serpentinítica,
com clorita e talco subordinados; textura pull apart, e cristais com dimensões variando em
torno de 0,5 mm (ANGELI et al., 2004, 2005). Quimicamente as cromitas exibem relações
Cr2O3 - TiO2, Cr x Mg e Cr/Cr+Al x Mg/Mg+Fe2+ semelhante a de complexos do tipo Alpino,
24

indicando que se trata de depósitos alóctones associados a melange ofiolítica (ANGELI et al.,
2004, 2005).
Corpos menores (dimensões entre 200 m x 50 m, até dimensões métricas) de
metaultramáficas constituídas por talco xisto/clorita xisto e talco xisto ocorrem nos
metassedimentos do Grupo Araxá, além de corpos menores de dimensões métricas (não
ultrapassando 20 x 10m) encontram-se totalmente talcificados e dispersos pela região
(NAVARRO, 2002). Os relictos de texturas primárias observadas nestes corpos são
sugestivos de texturas cumuláticas em rocha original (protólito) de natureza harzburgítica a
lherzolítica. Quimicamente e normativamente estas rochas apresentam composição dunítica a
peridotítica (NAVARRO, 2002).
Esses corpos metaultramáficos têm sido interpretados como parte de melange
ofiolítica (DRAKE Jr, 1980; STRIEDER; NILSON, 1992a, 1992b; STRIEDER, 1993;
NAVARRO 2002; ANGELI et al., 2004, 2005).
Lacerda Filho (1995) e Rezende et al. (1999), classificam as ocorrências de rochas
metaultramáficas na região SW de Goiás como Metaultramafitos Tipo Morro Feio, os quais
descrevem como uma série de corpos alóctones de metaultramáficas, alojados tectonicamente
no Grupo Araxá, constituídos por serpentinitos, clorita xistos e talco xistos, ocasionalmente
exibindo lentes de cromita podiforme.
Corpos graníticos encontram-se alojados nas rochas metassedimentares do Grupo
Araxá (Figura 2.5) agrupados na suíte de Granitóides Tipo Aragoiânia, individualizada
durante a elaboração das folhas Caraíba e Leopoldo de Bulhões por Lacerda Filho (1989) e
Oliveira (1989). Anteriormente estes corpos eram relacionados ao Complexo Goiâno
(IANHEZ et al., 1983). Os corpos graníticos desta suíte são compostos por granodiorito e
biotita-muscovita granito. São corpos sin-tectônicos, relacionados às zonas de cisalhamento
transcorrentes (LACERDA FILHO; OLIVEIRA, 1994a, 1994b, 1995). São granitos do tipo I-
SC (granitos peraluminosos de derivação crustal fortemente contaminados) de composição
peraluminosa e filiação calcio-alcalina (LACERDA FILHO; OLIVEIRA, 1994a, 1995).
Coberturas de idade terciária-quaternária ocorrem nos dois domínios estudados.
Correspondem a uma superfície desenvolvida a partir de processos de laterização e
aplainamento, observada em grandes áreas do centro-oeste brasileiro. É caracterizada por
latossolos vermelhos amaronzados, estrutura indefinida e textura areno-argilosa, com
predominância de hidróxido de ferro (goethita) e subordinadamente caulinita e gibbsita
(REZENDE et al., 1999). Apresentam perfis de espessuras variadas, lateríticos maturos
(saprolitos com horizontes bem definidos, mosqueados, ferruginosos com pisólitos, com
25

formação de crosta ferruginosa) e imaturos (latossolos com níveis ferruginosos), onde


ocorrem níveis de stone lines, com predominância de fragmentos angulosos de quartzo,
geralmente dispostos na porção superior dos mesmos (REZENDE et al., 1999).
Os aluviões quaternários ocorrem junto aos principais cursos d’água da região
ocorrendo principalmente nas planícies de inundação e ao longo das drenagens de maior
porte, com baixo gradiente e feições anastomosadas (REZENDE et al., 1999). Correspondem
a depósitos aluvionares constituídos por sedimentos inconsolidados, predominantemente
arenosos, representado por areias com níveis de cascalhos, lentes silte-argilosas e turfas
(Figura 2.5).

2.3 – Geocronologia
Como citado anteriormente, extensas áreas constituídas por gnaisses expostas no oeste
do estado de Goiás, as quais se atribuíam idades arqueanas/paleoproterozóicas são,
atualmente, relacionadas ao Arco Magmático de Goiás de idade neoproterozóica.
Os dados geocronológicos e isotópicos disponíveis até o presente sugerem que o Arco
Magmático de Goiás é resultado de um sistema de arcos de ilhas intraoceânico, caracterizados
por rochas plutônicas (calcio-alcalinas) e vulcânicas (de composição dacítica a andesito
basaltica). Tais arcos foram formados entre ~900 a ~600 Ma, sendo resultado de dois eventos
de acresção crustal: um entre ~900 e ~800 Ma e o outro entre ~670 a ~600 Ma (PIMENTEL
et al., 2004; LAUX et al., 2005).
Ao segundo evento magmático se associam inúmeros corpos tonalíticos-
granodioríticos – graníticos e máfico - ultramáficos que ocorrem alojados no Arco Magmático
de Goiás e ao Complexo Anápolis Itauçu (PIMENTEL et al., 2004).
As idades modelo TDM para as rochas do arco magmático variam entre 0,8 a 2,2 Ga
(Tabela 2.1, Figura 2.7), predominando idades entre 0,9- 1,2 Ga, e valores isotópicos εNd(T)
variando entre –15,1 a + 6,9, predominando valores positivos. A presença de idades modelo
mais velhas são interpretadas como contaminação/componente de crosta siálica mais antiga
paleoproterozóica (RODRIGUES et al., 1999; PIMENTEL et al., 2000b, 2003).
Um último evento magmático (tardi- pós- orogênico/colisional) ocorreu entre ~600 a
480 Ma (Tabela 2.1). Ester magmatismo é caracterizado por um grande número de corpos
máficos-ultramáficos (diorito sub-vulcânico Mara Rosa, Gabro do Rio Caiapó, Diorito Serra
do Irã), e de intrusões graníticas (granitos Serra Negra, Serra do Irã, Caiapó, Iporá,
Israelândia, Serra do Impertinente) e é interpretado como resultado de refusão de crosta
26

isotopicamente semelhante à rochas do Arco Magmático de Goiás (PIMENTEL et al., 1996a,


1999b).

Tabela 2.1 – Dados isotópicos e geocronológicos de rochas do Arco Magmático de Goiás.


Idades Modelo ε(T) Idade U/Pb Idade Rb/Sr
(cristalização) (cristalização)

Ortognaisses
Arenópolis1 1,07 – 1,16 +1,9 - +3,2 899 + 57
Matrinxã1,.5 0,85 – 1,04 +4,1 - +6,3 669 + 3 895 + 290
Sanclerlândia1 0,9 - 1,08 +4,4 - +6,3 940 +150
Mara Rosa2 0,9 – 1,0 +4,6 856 + 13
Firminópolis3,5 1,1 – 1,40 -4,6 634 + 8
Iporá3,5 1,01 – 1,18 +0,3 804 + 6 673 + 75
Fazenda Nova-Maiporá3 0,88 – 0,95
Anicuns4 1,42 – 1,60
Turviânia5,6 0,9 – 1,11 +0,9 - +1,9 630 + 5
Choupana5,6 1,06 – 1,07 +1,7 - +2,8 662 + 12
Palminópolis5,6 0,98 – 2,27 -15,1 - +2,6 637 + 20
Granitos Miloníticos
JHL 065 0,91 +5,1 810 + 10
JHL 105 1,47 -1,8 790 + 12
JHL 27d5 1,36 -1,7 821 + 10
Lavrinha5 0,89 +4,8 748 + 14
Creoulo5 1,07 +3,6 782 + 14
Fazendinha5 1,24-1,29 -3,7 614 + 5
São João5 1,05 +3,8 792 + 5
Mina de Pose9 1,0 – 1,1 +3,7 862 + 8
Santa Tereza9 1,5 -0,5 605 + 33
Mara Rosa9 1,1 +2,9 635 + 12
Seqüências Metavulcanossedimentares (metavulcânicas)
Arenópolis1,8 0,94 – 1,40 +2,5 - +6,9 929 + 8 933 + 60
Fazenda Nova1 0,93 – 1,13 +0,2 - +2,4 608 + 48
Jaupaci1 0,92 – 0,97 +3,2 - +4,7 764 + 14 587 + 45
Mara Rosa2 1,0 862 + 8
Iporá3 0,77 – 1,01 636 + 6
Anicuns-Itaberaí4 0,91 – 1,12 +4,4 - +5,5 815 + 10
Complexos Máfico e Máfico – Ultramáficos
Seq. Anicuns St. Bárbara9 1,1 –1,26 + 2,2 - +2,5 598 + 8
Córrego Seco9 1,07 – 1,13 +1,8 - +2,6 622 + 6
Complexo A. do Brasil9 0,9 – 1,1 +2,4 626 + 8
Mara Rosa9 603 + 6
Diorito Iporá9 672 + 6
Magmatismo Bimodal pós- tardi- orogênico
Gran. Rio Caipó10 0,93 – 1,24 -4,2 - +2,1 587 + 17
Gran Serra do Iran10 0,93 – 1,40 -2,7 - +2,0 588 + 19
Gran. Serra Negra10 1,3 – 1,58 -3,0 - -3,4 508 + 18
Gran. Iporá10 0,89 – 1,23 -3,3 - +2,1 490 + 24
Gran. Impertinente10 0,92 – 2,65 -4,6 - +1,1 485 + 18
Gran. Israelândia10 0,84 – 0,92 +2,3 - +3,0 579 + 4 554 + 20
Diorito sub-vulcâ (Mara Rosa) 10 1,0- 1,2 -2,1 - +1,9 630 + 3
Gabro Rio Caiapó10 1,0 -0,5 - +2,4 598 + 19
Diorito Serra do Iran10 1,0 -0,5 - +2,4 623 + 16
Granito Faina10 567 + 5
1 - Pimentel e Fuck (1992), 2 -Viana et al. (1995), 3 – Rodrigues et al. (1999), 4 – Laux et al. (2001), 5 – Laux et al. (2005), 6 – Pimentel et al. (2000)
7 – Laux et al. (2004), 8 – Pimentel et al. (2003), 9 – Pimentel et al. (2004), 10 – Pimentel et al. (1996)
27

1,97 2,2
1,1
1,32 1,18
0,9 1,23
1,58 1,65 1,45
1,24 1,05
1,29 15O 1,46 1,37 1,36
0,61 1,21 1,43
1,1 0,86 0,95
1,1
Goiânia
Anápolis 2,08
1,01
1,16 0,94
1,16 0,92
1,05 1,02 1,0 0,63
0,8-1,08 0,91 0,97
1,16 0,89 0,95 O 2,22
0,9 501,32
0,62 1,47 1,07 1,26 2,29
Firminópolis 1,1 área 1,56
Localização da1,95 de estudo 1,32
1,16 1,37 2,4 1,80 1,92
1,0
1,91 1,84
Trindade 1,90
1,76
2,10
1,1 0,89
1,45 Goiânia 2,18 1,81
1,96 2,15
1,47
0,95 1,62 1,30
2,2

Varjão
1,2

1,9 1,62
Mairipotaba Cromínia
1,0

Edéia
2,0 Piracanjuba
1,0*
Edealina 0,95*
1,22* 0,9*
1,0
1,0 1,0 1,21* 0,95
1,0 1,0
1,0 0,9 0,76 0,95
1,08* 1,01*
1,3
1,1 1,05* 1,11*

Aloândia 1,45
Morrinhos
1,1

1,0

Bacia do Paraná Complexo Granulítico Anápolis-Itauçu

Arco Magmático de Goiás Seqüências Metavulcanossedimentares

Grupo Araxá Área de estudo

Idades Rb/Sr (IANHEZ et al., 1983; PIMENTEL et al., 1996)

Idades isócrona rocha total Sm/Nd (PIMENTEL et al., 1999)

Idades Sm-Nd (TDM) (PIMENTEL et al., 1996, 1999, 2000b; RODRIGUES et al., 1999; LAUX et al., 2000, 2001;
PIUZANA et al. 2003. *Dados deste trabalho)

Figura 2.7 – Mapa geológico esquemático mostrando as idades modelo, Rb-Sr e isócrona Sm-Nd
rocha total na porção sudoeste de Goiás (modificado de LACERDA FILHO, 1995).
28

As primeiras informações geocronológicas para as rochas do Domínio Sul, foram


obtidas por Ianhez et al. (1983) através de idades isocrônicas Rb/Sr de ~1.000 Ma (com
87
razões Sr/86Sr variando entre 0,7099 e 0,7160 e Ri = 0,704) em gnaisses, na região de
Pontalina – Edealina, e foram interpretadas, por esses autores, como provável idade de
formação destas rochas.
Dados geocronológicos e isotópicos Sm/Nd para rochas do Domínio Sul (PIMENTEL
et al., 2000b; NAVARRO et al., 2004) mostram que as rochas da região apresentam idades
modelo TDM semelhantes a outras áreas do Arco Magmático de Goiás. As idades modelo
variando entre 0,91 a 1,23 Ga (Tabela 2.2, Figura 2.7), e idade isocrônica (rocha total) Sm-Nd
mostram idades de 762 + 77 Ma, com valor isotópico εNd(762) = +2,9 obtidas na região de
Pontalina, associam as rochas ao Arco Magmático.

Tabela 2.2 – Dados Isotópicos e geocronológicos de rochas da região de Pontalina


147
Sm/144Nd 143
Sm/144Nd Idades Modelo

ALO – 1 0,128 0,512219 1,45


ALO – 2 0,122 0,512365 1,12
EDE – 1C 0,130 0,511926 2,0
EDE – 2A 0,123 0,511818 2,04
PONT – 1 0,098 0,512317 0,96
PONT – 2 0,122 0,512438 0,91
PONT – 3 0,105 0,512296 1,06
PONT – 4A 0,091 0,512249 0,94
PONT – 4C 0,135 0,512570 1,1
PONT – 4B 0,106 0,512164 1,23
Dados de Pimentel et al. (2000)

Resultados isotópicos e geocronológicos (Tabela 2.3, Figura 2.7) para rochas


metassedimentares do Grupo Araxá, obtidos pelo método Sm – Nd, mostram valores
homogêneos para as razões 147Sm/144Nd (variando entre 0,079 a 0,234) e distribuição bimodal
de idades modelo variando em dois intervalos: um entre 1,10 – 1,45 e o outro variando entre
1,76 – 2,5 (FISCHEL et al., 1999a, 1999b; PIMENTEL et al. 1999a, 1999b, 2003; PIUZANA
et al. 2003a, 2003b).
Segundo Pimentel et al. (1999a, 1999c, 2001) e Fischel et al. (1999a, 1999b), o padrão
bimodal dos valores de idades modelo (TDM) indicam que as fontes dos sedimentos da “bacia
Araxá” seriam compostos por rochas juvenis neoproterozóicas (rochas do Arco Magmático de
Goiás) e fontes mais velhas paleoproterozóicas (provavelmente rochas do Cráton do São
Francisco ou crosta siálica paleoproterozóica), ou então cada idade modelo obtida para os
29

metassedimentos representaria idades de mistura refletindo as características das fontes, que


foram erodidas para formar o sedimento original.

Tabela 2.3 – Dados Isotópicos e geocronológicos de rochas metassedimentares do Grupo Araxá.


147
Metassedimentos Grupo Araxá Sm/144Nd 143
Sm/144Nd Idades Modelo

PALM –2B(1) 0,088 0,512010 1,25


ALO – 1(1) 0,128 0,512219 1,45
ALO – 2(1) 0,122 0,512365 1,12
MORRI – 1(1) 0,126 0,512320 1,25
MAR – 1(1) 0,130 0,512337 1,26
PIRE – 1(2) 0,139 0,511945 2,15
CORU – (2) 0,131 0,512371 1,21
ITAPAI – (1) 0,130 0,512365 1,23
ANA - 2(3) 0,111 0,511535 2,22
94 – 1 – 134B(2) 0,114 0,511770 1,93
94 – 1 – 145(1) 0,129 0,512320 1,29
94 – 2 – 79(1) 0,118 0,511771 2,01
LB – 2 –137(1) 0,126 0,511819 2,10
MGV – 37 0,079 0,511933 1,25
MGV – 41 0,123 0,511864 1,96
MGV – 38 0,234 0,511532
MGV – 35 0,121 0,511879 1,90
MGV – 34 0,103 0,512314 1,0
MGV – 40 0,122 0,511954 1,79
MGV – 36 0,083 0,511397 1,88
MGV – 33 0,109 0,511509 2,23
MGV – 42 0,113 0,511712 1,96
HS – 318A. 0,116 0,511781 1,95
ANA – 145 0,139 0,511967 2,18
ANA – 34 0,125 0,512314 1,24
ANA – 36A. 0,128 0,512372 1,18
ANA – 65 0,129 0,511947 1,96
ENA – LAJ – 1 0,111 0,511160 2,14
ANA – 297 0,129 0,512277 1,37
ANA – 235 0,145 0,512218 1,81
ANA – 167 0,123 0,511936 1,84
ANA – 18 0,120 0,511952 1,76
Dados de Pimentel et al. (2001)

Dados U-Pb (SHIRIMP) obtidos em zircões detríticos de metassedimentos do Grupo


Araxá (PIUZANA et al., 2003a, 2003b) mostram um padrão bimodal de idades de
cristalização para as rochas-fonte. Estes, em concordância com idades modelos obtidas,
indicam a presença de duas áreas-fonte com idades distintas, uma neoproterozóica (rochas do
Arco Magmático de Goiás) e outra mais velha paleoproterozóica (provavelmente derivadas da
erosão de rochas do Cráton do São Francisco). Segundo Piuzana et al. (2003b), o limite de
deposição dos sedimentos originais do Grupo Araxá seria ~643 Ma e a idade mínima seria
menor que 638 Ma, sugerindo que os sedimentos foram depositados e metamorfisados em um
curto intervalo de tempo. Para Pimentel et al. (2001), parte dos sedimentos que tem sido
30

mapeado como Grupo Araxá, pode representar equivalentes de sedimentação de margem


passiva (metassedimentos com idades modelo paleoproterozóicas) e outra parte representaria
ambiente de retro-arco (metassedimentos com idades modelo neoproterozóicas).
Análises isotópicas e geocronológicas de diversos corpos graníticos, intrusivos no
Grupo Araxá (relacionados às suítes de granitóides tipo Rio Piracanjuba e Aragoiânia), que
afloram na região sul de Goiás mostram razões isotópicas 147Sm – 144Nd variando entre 0,09 –
0,15 e idades modelo variando entre 1,0 – 2,55 Ga, exibindo um padrão bimodal de
distribuição semelhante às rochas do Grupo Araxá. Segundo Pimentel et al. (1999a, 1999b)
esses valores indicam que pelo menos parte desses granitos representa a fusão de
metassedimentos do Grupo Araxá.
Estudos isotópicos (U/Pb, Rb/Sr e Sm/Nd – Tabela 2.4) realizados na Faixa Brasília,
têm demostrado que por volta de 650 a 600 Ma ocorreu importante evento metamórfico
(fácies anfibolito a granulito), de caráter regional que afetou toda a Zona Interna e o Arco
Magmático de Goiás.

Tabela 2.4 – Dados geocronológicos sobre o metamorfismo na região sul de Goiás


U/Pb Rb/Sr Sm/Nd
Arco Magmático de Goiás
637 Ma (1) a 600 + 31 Ma (4) b 610 Ma a
594 + 37 Ma (1) a 594 + 37 Ma (4) b 604 Ma a
a
632 + 4 Ma (1)
Grupo Araxá
~643 Ma (5) e 622 + 2 Ma (3)f
680 + 2 Ma (3)f
Complexo Anápolis-Iatuçu
638 + 37 Ma (5) e 633 + 28 Ma (2) c
639 + 9 Ma (5) e 625 + 16 Ma (3) d
e
640 + 8 Ma (5) 603 + 31 Ma (2) d
650 + 10 Ma (5) e 606 + 30 Ma (3) e
e
655 + 10 Ma (5) 625 + 16 Ma (3) e
657 + 11 Ma (5) e 635 + 28 Ma (3) e
e
653 + 13 Ma (5)
640 + 10 Ma (5) e
664 + 1 Ma (5) e
Dados (1) U/Pb em titanita, (2) isócrona mineral, (3) granada rocha total, (4) rocha total, (5) SHIRIMP em zircão
a – Pimentel et al. (2000a), b – Pimentel e Fuck (1992), c – Fischel et al. (1998), d – Fischel et al. (1999), e – Piuzana et al. (2003b),
f – Simões (2005)

A evolução geológica do Arco Magmático de Goiás e Grupo Araxá (segundo


PIMENTEL et al., 2000a, 2004; VALERIANO et al., 2004) pode ser resumida da seguinte
forma:
31

i - ) entre 900 – 800 Ma – formação do sistema de arco de ilhas, caracterizado por vulcânicas
cálcio-alcalinas e corpos plutônicos tonalíticos e dioríticos. Neste período ocorreu também a
intrusão das séries inferiores dos complexos máfico-ultramáficos acamadados (Niquelândia e
Barro Alto e Cana Brava).
ii - ) entre 770 – 760 Ma – pico metamórfico (fácies granulito), registrado principalmente em
rochas dos complexos máfico-ultramáficos acamadados, relacionados a episódio colisional.
iii - ) entre 670 – 600 Ma – período de intensa atividade ígnea (intrusão de inúmeros corpos
tonalíticos, granodioríticos, graníticos e corpos máfico – ultramáficos).
iv - ) entre ~ 640 – 600 Ma –pico metamórfico da fácies anfibolito a granulito. Granitogênese
sin- colisional.
v - ) 480 < 600 Ma – magmatismo pós- orogênico bimodal. Soerguimento regional.
32

CAPÍTULO III

3 - GEOLOGIA LOCAL

Neste capítulo são abordados os aspectos mesoscópicos, texturais, estruturais e


estratigráficos das unidades geológicas que ocorrem na região de Pontalina. Com base nos
levantamentos de campo (escala 1:100.000), a região foi dividida em dois domínios (Anexo I
– Mapa Geológico), como citado no item anterior: Domínio Sul (rochas relacionadas ao Arco
Magmático de Goiás) e Domínio Norte (Grupo Araxá) (Figura 3.1).
O Domínio Sul corresponde a cerca de 70% da área de estudo, ocupa a porção sul e
oeste da área, sendo representada por um conjunto de gnaisses e metassedimentos (Conjunto
Migmatítico – ARAÚJO et al., 1980; Granito-Gnaisses Indiferenciados e Seqüência
Metavulcanossedimentar Anicuns-Itaberaí – LACERDA FILHO, 1995; REZENDE et al.,
1999; Terrenos Gnáissicos-Metassedimentares – NAVARRO, 2002) aos quais se associam
corpos metaultramáficos e corpos intrusivos ácidos (figuras 2.3, 2.5 e 2.6 – Capítulo II).
O Domínio Norte corresponde a cerca de 30% da área mapeada, ocupa a porção norte
e leste da região e é representado pelos metassedimentos do Grupo Araxá (ARAÚJO et al.,
1980; IANHEZ et al., 1983; LACERDA FILHO, 1995; REZENDE et al., 1999; NAVARRO,
2002). Navarro (2002) subdividiu as rochas que ocorrem nesta porção em duas unidades
denominadas, respectivamente, de Xistosa e Quartzítica seguindo a proposta de Araújo et al.
(1980). A este grupo se associam corpos intrusivos de caráter ácido sin-tectônicos e corpos
metaultramáficos (Granitóides Tipo Aragoiânia, Metaultramafitos Tipo Morro Feio -
LACERDA FILHO, 1995; REZENDE et al., 1999; NAVARRO, 2002) – (figuras 2.3, 2.4, 2.5
e 2.6 – Capítulo II).
A relação de contato entre os domínios é tectônica marcada por falha de empurrão na
parte leste da área e por uma rampa lateral á noroeste. O contato entre as Unidades A e B do
Domínio Sul é transicional, sendo em parte de difícil caracterização devido à falta de
afloramentos e continuidade entre os tipos de rochas.

3.1 – Domínio Sul (rochas atribuídas ao Arco Magmático de Goiás)


Esta unidade é constituída por um conjunto de gnaisses (hololeucocráticos a
mesocráticos), ao qual se associam rochas metamáficas, metaultramáficas e
metassedimentares (metassedimentos psamíticos e pelíticos).
33

55º
8084 658

BRASIL

Goiás

20º

50º 48º 46º

14º
PONTE
52º
BRASÍLIA
16º
DOIS IRMÃOS GOIÂNIA

Área de
estudo 18º

PONTALINA

696

8056
IA
ME

0 km 20 km

Depósitos Aluvionares.
Depósitos Detrito-Lateríticos.

DOMÍNIO SUL (Arco Magmático de Goiás)


MORRINHOS
Terrenos Gnáissicos Metassedimentares.

Unidade B - intercalações de muscovita/biotita gnaisse, hornblenda gnaisse, quartzito micáceo ou não, muscovita/biotita xisto, muscovita
xisto, localmente com magnetita/hematita e lentes de metamáficas e ultramáficas

Unidade A - Predomínio de muscovita gnaisse, biotita-muscovita gnaisse com intercalações de hornblenda-biotita/muscovita gnaisse,
hornblenda gnaisses com ou sem granada, biotita gnaisse, muscovita gnaisse com lentes de metamáficas e ultramáficas. Hornblenda-biotita
gnaisse e biotita gnaisse porfiróides com lentes de anfibolito

DOMÍNIO NORTE (Grupo Araxá)

Metaultramafitos Tipo Morro Feio (serpentinito, talco xisto e clorita xisto, localmente com metabásicas associadas).

Intercalações de granada-muscovita xisto, muscovita-quartzo xisto, granada-muscovita-sericita xisto com intercalações de biotita/muscovita
gnaisse

Unidade Xistosa (granada-biotita/muscovita xisto e granada-biotita-muscovita paragnaisses).

Unidade Quartzítica (intercalações de quartzitos micáceos ou não com granada-muscovita/biotita xisto, muscovita/biotita xisto).

Cavalgamento Contatos Estradas

Contatos Inferidos Falha inferida Drenagens

Figura 3.1 – Mapa geológico esquemático da área de estudo.


34

Grande parte dessas rochas encontram-se sob depósitos terciário/quaternários, o que


dificulta a delimitação das variedades petrológicas. Com base nos dados obtidos no
levantamento geológico de campo e na distribuição/predomínio de litotipos esta unidade é
dividida em duas subunidades, informalmente denominadas de Unidade A e Unidade B
(seguindo a proposta de NAVARRO, 2002).

3.1.1 - Unidade A
A Unidade A apresenta orientação NW-SE, ocupa a parte sul e leste da área e
corresponde aos litotipos agrupados no Conjunto Migmatítico (ARAÚJO et al., 1980), nos
Terrenos Granito-Gnaisses Indiferenciados descritos por Lacerda Filho (1995) e Rezende et
al. (1999) e recentemente ao Arco Magmático de Goiás (PIMENTEL, 2000a, 2000b;
NAVARRO et al., 2004).
As rochas desta unidade afloram na forma de lajedos métricos principalmente ao longo
das drenagens e como blocos de formas variadas nas áreas de pastagens e matas.
Na porção leste esta subunidade é limitada, a leste, pelos metassedimentos do Grupo
Araxá, ocorre estruturada no sentido norte-sul, acompanhando o contato com os
metassedimentos do referido grupo. É constituída por gnaisses bandados com porções xistosas
e rochas metaultramáficas e metamáficas intercaladas.
Os principais tipos de rochas desta subunidade são muscovita gnaisses e biotita
muscovita gnaisses, comumente, quartzosos, mesocráticos a leucocráticos, com epidoto e
hornblenda, bandados de coloração cinza a esbranquiçada, freqüentemente com coloração
avermelhada devido alteração e aspecto xistoso, feição também realçada pela alteração.
Apresentam estrutura gnáissica do tipo bandada e xistosidade bem desenvolvida, localmente
apresentando dobras intrafoliares, assimétricas e apertadas, de espessuras variadas, textura
lepidoblástica a granoblástica, granulação média a grossa e foliação marcante. Algumas
porções apresentam porfiroblastos de feldspato de até um centímetro de comprimento, com
formas sub-retangulares a ovaladas, orientados segundo a foliação principal.
Próximo ao contato com a Unidade B ocorre com certa freqüência granada-
biotita/muscovita gnaisse, ao qual se associam localmente boudins e lentes métricas de
metamáficas.
As rochas metamáficas que ocorrem nestes gnaisses são constituídas por anfibolitos
e granada anfibolitos. São bandados ou homogêneos, apresentam dimensões variadas,
formando pequenas lentes boudinadas, às vezes, com formas irregulares de coloração verde
35

escura. Possuem textura nematoblástica, granulação média a grossa, estrutura xistosa,


localmente com granada.
O bandamento dos anfibolitos é milimétrico a centimétrico, descontínuo, marcado
por bandas hornblendíticas e quartzo-feldspáticas, podendo em alguns casos apresentar
lentes de quartzo paralelas a xistosidade. As porções mais máficas são constituídas por
bandas mais hornblendíticas e biotíticas, que formam um fraco bandamento.
Os anfibolitos homogêneos são granonematoblásticos apresentando em alguns
exemplares aspectos gabróicos reliquiares, possuem coloração verde a verde escuro, são
melanocráticos a mesocráticos de granulação média a grossa. Em alguns locais, nessa
unidade, se observam veios e/ou bolsões quartzo-feldspáticos, aspecto indicativo de que,
pelo menos localmente, estas rochas sofreram fusão parcial.
Também ocorrem nesta unidade porções xistosas constituídas por muscovita xisto e
muscovita-quartzo xisto de granulação média a grossa, apresentando lentes de quartzo
paralelas à foliação, estrutura xistosa, texturas lepidoblásticas a localmente
lepidogranoblásticas de coloração avermelhada a rosada, podendo localmente apresentar
porções feldspáticas.
A nordeste do distrito de Dois Irmãos aflora uma seqüência de biotita ortognaisse,
hornblenda-biotita ortognaisse relativamente homogêneos, mesocráticos a leucocráticos,
geralmente com porfiroblastos de feldspatos, com formas ocelares a elípticas e dimensões
centimétricas. Possuem foliação e xistosidade bem desenvolvidas, granulação média a grossa,
coloração cinza escuro, bandamento descontínuo marcado por lentes/boudins de rochas
metamáficas, geralmente, dispostos paralelos à foliação. As rochas metamáficas são
constituídas por granada anfibolitos, anfibolitos e anfibólio xistos, mais raramente ocorrem
lentes métricas de rochas metaultramáficas associadas (talco xisto). Os anfibolitos apresentam
coloração verde escura, granulação média à grossa, são mesocráticos a melanocráticos, fraco
bandamento descontínuo marcado por porções quartzo feldspáticas e anfibolíticas e,
localmente, exibem feições indicativas de reações de assimilação pelos materiais que deram
origem aos gnaisses, gerando granada anfibolitos de granulação média a grossa. As rochas
metaultramáficas são constituídas por talco xisto de granulação fina a média, estrutura xistosa,
textura lepidoblástica, e coloração cinza a esbranquiçada. Esta seqüência de ortognaisse forma
uma faixa contínua, com direção N – S, acompanhando o contato entre o Grupo Araxá.
Próximo ao contato entre esta subunidade e o Grupo Araxá, na região de Morrinhos,
esta faixa de gnaisse é constituída por hornblenda-biotita ortognaisse homogêneo, localmente
com granada, de granulação média a grossa, com textura granoblástica a granolepidoblástica,
36

estrutura gnáissica porfiróide. Aflora na forma de matacões e lajedos entre os córregos das
Perobas e Barreiro. Possui coloração cinza-escuro quando sã e avermelhada quando alterado.
Os porfiroblastos/porfiroclasto observados nestas rochas são de dimensões centimétricas com
formas ovaladas a ocelares, geralmente orientados segundo a foliação.
Na porção central desta subunidade ocorrem hornblenda gnaisses bandados, com
porções anfibolíticas, às vezes, biotitizadas, sob a forma de alguns matacões, dispersos em
meio à cobertura e em alguns cortes da estrada que liga Pontalina a Cromínia. O
bandamento composicional observado é marcado por intercalações de anfibolitos, anfibólio
gnaisses e biotititos, com muscovita gnaisses e gnaisse hololeucocráticos, que apresentam
espessuras variadas. O bandamento geralmente é paralelo a foliação, sendo que em algumas
porções esta estrutura aparece dobrada.
Os gnaisses são de coloração cinza claro a esbranquiçados, apresentam granulação
média a grossa, são granoblásticos a localmente granonematoblásticos ou
granolepidoblásticos. Também se observam nesses gnaisses bolsões quartzo-feldspáticos,
com restos difusos de hornblenda e biotita gnaisse (migmatização incipiente). As porções
metamáficas (anfibolitos e biotititos) são mesocráticas a melanocráticas, apresentam
estruturas nematoblásticas com porções granoblásticas e lepidoblásticas (biotititos),
granulação média a grossa e foliação marcante.
A noroeste de Pontalina afloram ortognaisses biotíticos e hornblendíticos com ou
sem granada, mesocráticos e bandados. Localmente, apresentam porfiroclastos de feldspato
com formas retangulares a elípticas, orientadas segundo a foliação principal. São
granoblásticos a lepidoblásticos, apresentam bandamento composicional, granulação média
a grossa, foliação marcante, localmente, com porções miloníticas e “apófises e/ou veios”
quartzo feldspáticos que cortam o bandamento gnáissico. O bandamento é constituído por
bandas lepidoblásticas constituídas por biotita e anfibólio, às vezes, anfibolíticas com
texturas nematoblásticas e bandas leucocráticas quartzo feldspáticas, com alguma biotita e
muscovita exibindo textura granolepidoblástica.
A este conjunto se associam lentes de metamáficas (anfibolitos) de dimensões
variadas, que apresentam orientação paralela a foliação presente. São constituídos por
anfibolitos homogêneos de granulação média a grossa, de coloração verde a verde escura,
nematoblásticos, apresentando contato abrupto com as porções gnáissicas.
Próximo ao distrito de Dois Irmãos (município de Pontalina) em meio a uma extensa
área de cobertura Terciário/Quaternária, aflora um morrote constituído por serpentinito,
clorita xisto e talco xisto (Morro Dois Irmãos). Os serpentinitos são de coloração verde
37

escuro, que quando alterados apresentam cor verde azulada. A textura é lepidoblástica, em
feltro a decussada, a granulação média a fina, estrutura quase isótropa (homogênea), com
aspecto maciço na porção central dos corpos e xistosidade paralela à foliação principal
próximo as bordas. Nos corpos mais espessos, pode ser encontrado ao longo de
descontinuidades, crisotilo com textura tipo slip cross e slip mass, “veios” de clorita grossa, a
exemplo do Morro Dois Irmãos, onde planos de fratura extensionais cortam a estruturação
geral com atitude média ao redor de 320-300/80.
Na borda deste corpo observa-se uma foliação marcante, paralela à foliação
principal, que conforme segue em direção ao centro do maciço vai ficando fraca e
desaparece, tornando-se isótropo na porção central, quando esta não está cortada por zona
de cisalhamento. Nas porções xistosas (intercalações de clorita xisto, talco xisto e mais
raramente serpentinito), localizadas nas bordas ou ao longo de zonas de cisalhamento a
textura é lepidoblástica, a estrutura xistosa e granulação média a grossa, sendo fina nos
termos ricos em antigorita.
Ocorrem ainda pequenos corpos talcificados de metaultramáficas nesta subunidade.
São constituídos essencialmente por talco, com alguma clorita. Apresentam colorações
verdes de tonalidade fraca, cinza e esbranquiçadas, granulação fina a média, textura
lepidoblástica e estrutura xistosa.
Boudins (de dimensões centimétricas a métricas) de anfibolitos homogêneos,
nematoblásticos, de granulação média a grossa, com foliação paralela a subparalela a
foliação principal ocorrem associados a ocorrência de rocha metaultramáfica (talco xisto e
subordinadamente clorita xisto), que aflora ao lado da ponte da GO-216 sobre o Rio Meia
Ponte (margem direita).

3.1.2 - Unidade B
Ao norte e sul-sudeste de Pontalina, na região das Serras da Boa Vista, São
Lourenço, Mota e do Lobo ocorre uma seqüência constituída por intercalações de gnaisses
(muscovita/biotita gnaisse, hornblenda gnaisse) e metassedimentos (quartzitos micáceos ou
não, e muscovita/biotita xisto a gnaisse), às quais se associam, localmente, metamáficas
(anfibolitos). Essa seqüência estende-se no sentido NW-SE até os arredores da cidade de
Pontalina (ao norte) e W-E (ao sul), sendo que, anteriormente, foi denominada de Seqüência
Meia Ponte (GOMES et al., 1986) e de Seqüência Metavulcanossedimentar-Anicuns
Itaberaí (LACERDA FILHO, 1995; REZENDE et al., 1999).
38

Os metassedimentos são constituídos principalmente por xistos (granada-biotita xisto,


muscovita xisto, biotita-muscovita xisto, magnetita/hematita sericita xisto, muscovita quartzo
xisto, às vezes, feldspáticos), quartzito micáceo ou não, e quartzito ferruginoso. Os xistos
apresentam foliação marcante, granulometria média, são lepidoblásticos, localmente, mostram
porfiroblastos de granada e magnetita.
Os quartzitos são esbranquiçados, micáceos ou não, homogêneos, granoblásticos e
granolepidoblásticos e apresentam também foliação ondulada. Os quartzitos ferruginosos são
granoblásticos, com lentes centimétricas de magnetita/hematita, granulometria fina a média e
foliação ondulada. Localmente, ocorrem veios de quartzo ricos em magnetita/hematita. Essa
unidade desaparece próximo ao Rio dos Bois, sob os depósitos terciários e quaternários.
Na porção SW de Pontalina, afloram metassedimentos psamíticos e pelíticos,
grauvaquianos e possivelmente químicos. São compostos por muscovita xisto, biotita-
muscovita xisto, quartzito e quartzito micáceo, magnetita-muscovita quartzito e magnetita-
muscovita xisto, aos quais se associam, localmente muscovita/biotita gnaisses alterados.
As porções quartzíticas possuem intercalações de muscovita-quartzo xisto de
dimensões variadas o que marca um bandamento composicional paralelo a foliação. Os
quartzitos são granoblásticos a granolepidoblásticos, possuem coloração cinza a branca,
granulação média a grossa e fraco bandamento. As porções xistosas são lepidoblásticas a
granolepidoblásticas, encontram-se intercaladas com as porções quartzíticas, apresentam
granulação grossa à média, e forte crenulação observada localmente. Ocorrem principalmente
na região da estrada que liga Pontalina a Edealina, e em parte da estrada entre Pontalina
Aloândia.
Intercalados aos metassedimentos ocorrem gnaisses, metamáficas e
metaultramáficas. Os gnaisses são muscovíticos e biotíticos, normalmente quartzosos,
leucocráticos, bandados, com porções félsicas homogêneas, algumas vezes
hololeucocráticas, com intercalações de metamáficas (hornblenda gnaisses e anfibolitos) e
metaultramáficas. Os gnaisses micáceos possuem granulação média a grossa, textura
granoblástica, granolepidoblástica e lepidoblástica, bandamento composicional marcante,
forte xistosidade coloração cinza a esbranquiçada.
Na Serra de São Lorenço afloram, nesta subunidade, gnaisses bandados constituídos
por porções hornblendíticas e quartzo feldspáticas, de espessuras centimétricas. Apresentam
estruturas gnáissicas do tipo augen ou flaser, xistosidade bem desenvolvida, paralela ao
bandamento composicional.
39

As rochas metamáficas desta unidade são constituídas por anfibolitos e biotititos


(biotita xisto). Os anfibolitos são bandados ou homogêneos, apresentam dimensões variadas,
formando pequenas lentes boudinadas. Possuem textura nematoblástica, granulação média a
grossa, estrutura xistosa e a granada aparece em alguns locais. O bandamento dos
anfibolitos é milimétrico a centimétrico, descontínuo. As porções biotíticas (biotita xisto),
possuem textura lepidoblástica, granulação média a grossa e estrutura xistosa.
Na Serra do Aguapé, essa seqüência é caracterizada por um conjunto de biotita
gnaisse e hornblenda gnaisse, com intercalações de anfibolitos. Localmente, ocorrem
intercalações de granada-biotita/muscovita gnaisse, granada xisto, quartzo xisto, quartzito e
quartzito ferruginoso.
Os gnaisses são bandados em escala centimétrica a decimétrica e incluem variedades
como granada-biotita gnaisse, hornblenda gnaisse e granada-hornblenda gnaisse. Em geral
são meso a leucocráticos, apresentam granulações média, foliação marcante, localmente
com porfiroblasto/porfiroclastos de feldspato (chegando localmente a 8 mm) e/ou granada.
As rochas metamáficas incluem variedades como hornblenda anfibolitos, granada-
hornblenda anfibolitos e mais localmente anfibólio xistos. Ocorrem como intercalações
métricas a decimétricas nos gnaisses e variam de bandados a homogêneos.
A foliação nesses anfibolitos é marcada pelo bandamento entre porções com
granulação fina e média, que é ondulada e apresenta baixo ângulo de mergulho. Possuem
aspecto maciço e são melanocráticos, localmente com granada. O anfibólio xisto é de
granulação grossa, melanocrático e exibe textura nematoblástica.

3.2 – Domínio Norte (Grupo Araxá)


Este domínio é constituído pelas rochas metassedimentares e litotipos intimamente
associados atribuídos ao Grupo Araxá, e corpos intrusivos ácidos (Granitóides Tipo
Aragoiânia) e corpos metaultramáficos (Metaultramafitos tipo Morro Feio).

3.2.1 - Unidade Xistosa


A unidade xistosa (Seqüência Xistosa - ARAÚJO et al., 1980) é a mais expressiva na
área mapeada e é constituída por uma seqüência de granada-muscovita/biotita-xistos, ricos
em veios e/ou lentes de quartzo, deformados e concordantes e distribuídos de forma mais ou
menos homogênea. Essas rochas, por vezes são feldspáticas, chegando a constituir camadas
de paragnaisses. Nos planos onde a deformação foi mais intensa apresenta estrutura
laminada, com aspecto xistoso a gnáissico milonítico/blastomilonítico.
40

Aflora na forma de blocos arredondados e lajedos (de dimensões métricas a


decamétricas) sendo bem observados nas áreas desmatadas (pastagens). Esta forma de
afloramentos é mais comum a sul da Serra do Paraíso (a sul dos municípios de Mairipotaba e
Cromínia) e na Br-153 entre Morrinhos e Prof. Jamil. As rochas, desta unidade, são
leucocráticas a mesocráticas; apresentam texturas lepidoblásticas a granolepidoblásticas, o
que lhes confere, localmente, fraco e difuso bandamento, foliação de baixo ângulo, estrutura
xistosa e granulação média a grossa.
Possui forte crenulação marcada por veios e/ou lentes de quartzo dobradas, formando
dobras intrafoliais (dobras recumbentes simétricas a assimétricas, com plano axial paralelo a
subparalelo à foliação principal).
As lentes e/ou veios de quartzo apresentam dimensões variadas, podendo ser
milimétricos a métricos. Ocorrem paralelos à foliação principal e em alguns afloramentos
encontram-se dobrados pela foliação principal.
Em alguns locais, observam-se nos xistos lentes de anfibolitos homogêneos, com
textura nematoblástica, granulação média a grossa e foliação marcada pela orientação dos
cristais de anfibólio, paralelos à foliação principal. As dimensões dessas lentes varia de
centimétrica a métrica. Ocorrem ainda nos xistos, pequenos bolsões pegmatóides,
granoblásticos, constituídos por quartzo-feldspato-biotita, de dimensões variadas. As
porções alteradas dessa unidade apresentam coloração vermelho claro e quando bem
alteradas geram solo avermelhado argilo-arenoso.
Na região de Morrinhos, a oeste, aflora uma seqüência de muscovita-quartzo xisto,
muscovita xisto, granada-muscovita xisto, biotita-muscovita xistos de coloração avermelhada
(quando alterados) a cinza prateados, com algumas intercalações de gnaisses (biotita-
muscovita gnaisses). Esta unidade ocorre orientada no sentido N-S, margeando o contato
entre o Grupo Araxá e as rochas do Domínio Sul.
As rochas apresentam textura lepidoblástica, localmente granolepidoblásticas,
estrutura xistosa e granulação média a grossa. As intercalações entre os tipos de rocha desta
unidade marcam um bandamento com mergulho baixo para oeste. Apresenta forte crenulação
marcada por veios e/ou lentes de quartzo e pelo bandamento dobrado, formando dobras
intrafoliais (dobras recumbentes simétricas a assimétricas, com plano axial paralelo a
subparalelo a foliação principal). O contato entre esta seqüência e a Unidade Xistosa é
abrupto, localmente próximo ao contato ocorrem porções de biotita gnaisse e hornblenda
biotita gnaisse de coloração cinza escuro, granulação média a grossa, textura
granolepidoblástica, estrutura xistosa, ocorrendo como pequenos lajedos e blocos, às vezes,
41

apresentando veios graníticos que cortam o bandamento apresentado por estas rochas. Os
veios graníticos são leucocráticos, exibem texturas granulares (aplíticas) a
granolepidoblásticas, granulações grossas a médias e cor branca a cinza claro.

3.2.2 - Unidade Quartzítica


A unidade quartzítica (Seqüência Quartzosa - ARAÚJO et al., 1980) é constituída por
uma associação de quartzito puro e micáceo, com ou sem granada e cianita (quartzitos
micáceos e mica-quartzo xistos), intercalados por granada-muscovita/biotita xisto, que se
estende no sentido W-E, desde a região do Rio dos Bois até a região de Rochedo (Serras do
Paraíso e Potreiro). A W do Rio dos Bois essa unidade inflete no sentido SW-NE (Serra da
Água Limpa).
Estratigraficamente, da base para o topo, esta seqüência é constituída por muscovita-
quartzo xisto, granada-muscovita/biotita xisto, muscovita quartzito, localmente os xistos
ficam ricos em plagioclásio formando pequenas porções gnáissicas (pequenas camadas e/ou
lentes de muscovita gnaisse e granada-biotita/muscovita gnaisse).
A porção intermediária desta seqüência é constituída predominantemente por quartzito
e quartzito micáceo, com espessuras métricas e intercalações centimétricas a métricas de
biotita/muscovita xisto, com ou sem granada. Entre as camadas métricas de quartzito ocorrem
intercalações de xistos pelíticos (granada-biotita xisto, granada-muscovita xisto, que podem
gradar para gnaisse). Essas camadas apresentam intercalações decimétricas a centimétricas de
quartzito e quartzito micáceo.
A unidade quartzítica grada, em direção ao topo da seqüência, para uma seqüência de
intercalações de quartzito e quartzito micáceo, muscovita/biotita xisto e biotita xisto, com ou
sem granada.
Existem porções quartzíticas, com aspecto maciço e bandado, onde aparecem leitos
marcados por porções mais micáceas e menos micáceas e por intercalações xistosas. Os
quartzitos são de coloração branca a creme (orto-quartzitos e quartzitos micáceos),
apresentam granulação média a fina, textura granoblástica, localmente granolepidoblástica.
Os leitos e/ou camadas de quartzitos apresentam baixo ângulo de mergulho, paralelos à
foliação principal, localmente apresentam dobras intrafoliares (dobras recumbentes,
assimétricas), transpostas pela foliação principal.
Os xistos dessa unidade são cinza claro (prateados) a cinza escuro, apresentam
textura lepidoblástica a granolepidoblásticas, e granulação média a grossa; xistosidade
paralela a subparalela ao bandamento marcado pelas intercalações de contatos bruscos a
42

gradacionais. As porções alteradas dessa unidade apresentam colorações rosa-claro a creme


e quando bem alteradas geram solo rosa esbranquiçado arenoso.

3.2.3 - Metaultramafitos Tipo Morro Feio


A maioria dos corpos metaultramáficos observados na região ocorrem encaixado na
Unidade Xistosa do Grupo Araxá. O principal corpo de rocha metaultramáfica localiza-se a
sul da Serra do Paraíso, estendendo-se por uma faixa de pelo menos 16 km de comprimento
por até 2 km de largura (NILSON, 1984; SIMÕES et al., 1999b; NAVARRO, 2002).
Corresponde a uma faixa alongada, com direção W-E, constituída de serpentinito ao
qual se associam talco xisto e clorita xisto, que aparentemente se estende pelo menos até a
região do Córrego das Areias. Essa faixa é constituída por morros que se elevam na
topografia (Morro Paraíso, da Platina, da Magnesita, Morro I), cercados por depósitos
terciário/quaternários, o que dificulta determinar com exatidão a continuidade dessas rochas.
As porções mais espessas dessa faixa (Morro da Platina, Magnesita, Paraíso, Morro
I) apresentam um zoneamento composicional, não contínuo em afloramentos, que da borda
para o centro, varia de clorita xisto e magnetita-clorita xisto, talco-clorita xisto e talco xisto
(normalmente ocorrem intercalações de lentes descontínuas destes litotipos com espessuras
centimétricas a métricas). O centro é constituído por serpentinito com alguma clorita e talco
xisto (BERBERT, 1970; ARAÚJO et al., 1980; NAVARRO, 2002).
Os serpentinitos dessa faixa são de coloração verde escuro, verde azulado quando
alterados e apresentam textura lepidoblástica, em feltro a decussada e a granulação é muito
fina a fina. São homogêneos, com aspecto maciço (no centro), apresentando xistosidade
paralela à foliação principal próximo às bordas. Nessa rocha é comum a presença de
porfiroblastos de carbonato estirados ou não, alteração local para garnierita e neoformação
de hidromagnesita ao longo de fraturas (mais rara). Dentro das porções mais espessas
ocorrem veios de crisotila com texturas tipo slip cross e “veios” de clorita grosseira, em
planos distensivos que cortam a estruturação geral dos morros.
Nas porções xistosas da borda dessa faixa observa-se uma foliação marcante paralela
à foliação principal, que à medida em que segue para o centro do maciço torna-se menos
proeminente, chegando a desaparecer. As bordas apresentam textura lepidoblástica,
estrutura xistosa e granulação média a grossa. Nos clorita xistos que ocorrem nas bordas dos
corpos metaultramáficos são comuns porfiroblastos de magnetita e carbonato de dimensões
variadas (chegam a 0,8 mm de diâmetro). Nas porções mais finas dessa faixa, o serpentinito
apresenta-se mais foliado e as faixas de clorita xisto e talco xisto estão menos proeminentes.
43

Nos Morros da Magnesita e Platina ocorrem pods de cromititos de dimensões métricas.


Ainda dentro do Grupo Araxá, ocorrem 14 corpos menores (dimensões entre 200 m
x 50 m, até dimensões métricas) de metaultramáficas constituídas por talco xisto/clorita
xisto e talco xisto. Esses corpos afloram na forma de pequenos morrotes, constituídos por
blocos dispersos. Alguns desses corpos contém anfibolitos e tremolita-actinolita xisto
associados e porções “pegmatóides” de clorita xisto.
Em geral na borda predominam blocos de clorita xisto, de coloração verde escuro,
crenulado, com granulação média a grossa, textura lepidoblástica, estrutura xistosa e com
porfiroblastos de magnetita (podendo em alguns corpos estar ausente).
Em alguns destes corpos ocorrem turmalina-clorita xisto, nos quais as turmalinas
estão parcialmente orientadas, sob a forma de cristais, que apresentam dimensões
milimétricas a centimétricas (são porfiroblásticas), coloração bem escura ou preta e
freqüentemente estão parcialmente alteradas.
Os talco xistos ocorrem nas porções centrais destes corpos e são constituídos
essencialmente por talco, com alguma clorita. Mostram colorações verdes claro, cinza e
esbranquiçado, granulação fina à média, textura lepidoblástica, estrutura xistosa,
apresentando crenulação paralela à foliação principal. De modo geral, as porções
intermediárias desses pequenos corpos são compostas por intercalações de clorita xisto e
talco xisto, em proporções variadas, formando localmente bandamento milimétrico a
centimétrico.
Os corpos menores de dimensões métricas (não ultrapassando 20 x 10m) encontram-
se totalmente talcificados. A orientação destes corpos acompanha a direção da foliação
principal, estando alojados paralelamente aos metassedimentos.
O contato entre as encaixantes e a faixa principal de metaultramáficas é tectônico.
Na borda N do Morro da Platina observam-se intercalações de metaultramáficas (turmalina-
clorita xisto, talco xisto e localmente serpentinito) com metassedimentos (granada-
muscovita/biotita xisto).
44

CAPÍTULO IV

4 - DESCRIÇÃO PETROGRÁFICA DAS UNIDADES

Neste capítulo estão descritas as principais características petrográficas observadas nos


diferentes litotipos encontrados na área de estudo. A petrografia está embasada em dados de
campo e laboratório, envolvendo a análise de 150 seções delgadas obtidas de amostras
selecionadas por suas representatividades e baixo grau de alteração.

4.1 – Domínio Sul (rochas atribuídas ao Arco Magmático de Goiás)


Constituindo este domínio aparecem muscovita gnaisses e biotita muscovita gnaisses,
comumente quartzosos e com epidoto, bandados, de coloração cinza a esbranquiçada,
mesocráticos a leucocráticos, por vezes porfiróides. Petrograficamente, este conjunto de
gnaisses apresenta textura granoblástica a granolepidoblástica, bandamento marcado por finas
concentrações de filossilicatos (bandas lepidoblásticas) com espessuras de 0,2 mm a 1 cm,
marcando a foliação. Esses gnaisses de acordo com a mineralogia podem ser agrupados em:

4.1.1 - Unidade A
1) (Epidoto/biotita)-muscovita-quartzo gnaisses (Fotomicrografia 4.1). Estas rochas
ocorrem na porção central da área a sudeste de Pontalina, estendendo-se desde próximo ao
contato com a Unidade B até o contato com o Grupo Araxá, podendo ocorrer intercalada nas
rochas da Unidade B. Apresentam estrutura gnáissica do tipo bandada e xistosidade bem
desenvolvida, paralela à subparalela ao bandamento composicional e à foliação, localmente
dobrado, de espessuras variadas, textura lepidogranoblástica a granoblástica, granulação
média a grossa.
O feldspato potássico (microclínio) chega a constituir até 10% do volume e o
oligoclásio ocorre com teor variando de 20 a 30%. Estas fases cristalinas apresentam
dimensões médias entre 0,2-0,6 mm, localmente constituindo porfiroblastos ou porfiroclastos,
com diâmetros de 5 a 6 milímetros, normalmente, possuem formas alongadas (irregulares a
subretangulares) dispostas de maneira orientada, exibindo contatos lobulados, localmente com
extinção ondulante e ou feições de recristalização. Ocorrem preferencialmente nas porções
granoblásticas dos gnaisses e estão parcialmente muscovitizados e/ou sericitizados,
especialmente o plagioclásio. A albita ocorre de forma subordinada na borda de outros
feldspatos, tanto o potássico como o sódico-cálcico.
45

O quartzo, nas lâminas analisadas, aparece constituindo de 30 a 60% do volume,


ocorre sob a forma de pequenas lentes de espessuras de 1,5 a 0,7 mm, associado aos
feldspatos e micas e está orientado segundo a foliação. Possui forma anédrica, granulação
entre 0,2 e 0,5 mm, extinção ondulante e contatos lobulados a poligonais.
A muscovita constitui 10 a 25% do volume, possui dimensões médias entre 0,3 a 0,5
mm, chegando localmente a 3 mm. Os cristais apresentam formas tabulares a irregulares e
aparece corroendo os feldspatos. Neste conjunto de gnaisses se observa uma muscovitização
tardia, a qual confere a rocha, em amostra de mão, um aspecto xistoso, embora em alguns
litotipos mesmos os cristais maiores, com dimensões de até 3 mm, não apresentam orientação
preferencial, enquanto que as micas anteriores encontram-se orientadas segundo o
bandamento e a foliação. Em condições de menores temperaturas e ou menor fluxo de fluido
também ocorre à formação de sericita sobre cristais de feldspatos (microclínio e oligoclásio) e
mesmo sobre as micas mais antigas.
A biotita neste conjunto de gnaisses ocorre de forma subordinada sempre em menor
quantidade que a muscovita (chegando a 7%), aparece orientada, mostrando pleocroísmo
marrom, com formas tabulares a irregulares. Os cristais possuem dimensões entre 0,3 a 1,2
mm, aparecendo associadas à muscovita formando pequenas bandas lepidoblásticas ou
dispersa pela lâmina.
O epidoto esta sempre presente e ocorre em proporções variadas chegando a 15%, é
subeuedral a anedral, localmente idiomórfico, associa-se ao plagioclásio ou está disperso
pela lâmina. Possui tamanho submilimétrico (tamanho inferior a 0,7 mm podendo
localmente chegar a 2 mm). Apresenta coloração verde amarelada a verde azulada,
encontra-se parcialmente orientado segundo a foliação. Em menores proporções exibe
formas euédricas a anédricas e dimensões inferiores a 0,5 mm. Ainda podem ser observados
pequenos cristais dispersos de: zircão, titanita, minerais opacos e apatita.

2) Biotita-hornblenda gnaisses (Fotomicrografia 4.2). Estes gnaisses afloram na porção


central desta subunidade, ocorrendo na forma de matacões dispersos em meio à cobertura e
em alguns cortes da estrada, que liga Pontalina a Cromínia.
Petrograficamente apresenta bandamento descontínuo formado por bandas
lepidonematoblásticas (espessura entre 0,5 a 1,0 mm) constituídas por hornblenda, biotita e
muscovita, e bandas granoblásticas compostas, basicamente, por plagioclásio, feldspato
potássico e quartzo. Exibe foliação marcante definida pelo bandamento e orientação dos
minerais ou pela presença de agregados minerais, com formas lenticulares.
46

A hornblenda (35%) mostra pleocroísmo verde oliva, verde azulado a verde claro (γ e
β) a verde amarelado pálido a amarelo pálido (α), formas irregulares, chegando a 4 mm de
tamanho. Algumas vezes é poiquiloblástica, com “inclusões” de epidoto, quartzo, titanita e
opacos. Dispõe-se de forma orientada e está parcialmente alterada para biotita,
tremolita/actinolita e epidoto.
O plagioclásio (oligoclásio - 30%) forma cristais irregulares, de limites lobulados, com
dimensões médias em torno de 1 mm e encontra-se orientado segundo a foliação. Está
parcialmente muscovitizado e epidotizado (saussuritizado) e freqüentemente apresenta bordas
recristalizadas com neoformação de albita.
O quartzo (20%) é submilimétrico e ocorre associado ao feldspato potássico e ao
plagioclásio nas porções granoblásticas. Apresenta extinção ondulante, dimensões inferiores a
0,5 mm, contatos engrenados a lobulados, mais raramente poligonais, forma anédrica e está
orientado segundo a foliação.
A biotita (10%) forma palhetas, que exibem formas tabulares a irregulares na seção
delgada. Apresenta dimensões de até 1 a 2 mm e é resultante da alteração da hornblenda,
possui coloração marrom e está orientada segundo a foliação.
A muscovita (<1%) ocorre na forma de cristais tabulares a irregulares. Está
parcialmente orientada e encontra-se dispersa pela lâmina, constituindo ocasionalmente
cristais com até 1 mm. Junto à hornblenda e biotita ocorrem pequenos cristais de clorita
(<2%) sem orientação preferencial e dimensões de até 1 mm.
Em menor proporção, dispersa pela lâmina, com forma anédrica a subédrica, e com
dimensões inferiores a 0,8 mm, ocorre epidoto, rutilo, zircão e apatita.

3) Hornblenda-biotita ortognaisses (Fotomicrografia 4.3). Este conjunto de gnaisses ocorre


a noroeste de Pontalina (ver mapa geológico – Anexo I). Os litotipos agrupados nesse
conjunto apresentam bandamento descontínuo com espessura entre 0,5 a 3,0 mm, foliação
milonítica e textura meta ígnea (blastogranular e blastoporfirítica) preservada, localmente com
porfiroclastos de feldspato potássico e oligoclásio. As texturas metamórficas dominantes são a
granoblástica a granolepidoblástica e lepidogranoblástica, ocorrendo também termos
porfiroclásticos ou porfiroblásticos.
A hornblenda (5 a 15%) é verde com pleocroísmo nítido, verde oliva a amarelo
esverdeado claro. Exibe formas irregulares, com até 4 mm de comprimento, é poiquilítica
com inclusões de epidoto, quartzo, titanita e opacos. Dispõe-se de forma orientada e está
parcialmente alterada para biotita e epidoto.
47

O plagioclásio (oligoclásio 10 a 25%) forma cristais irregulares, que mostram contatos


lobulados a poligonais e possuem dimensões médias em torno de 6 mm a 1 cm. Está orientado
segundo a foliação, encontra-se parcialmente muscovitizado e epidotizado (saussuritizado) e,
freqüentemente, apresenta bordas recristalizadas com neoformação de albita.
O feldspato alcalino (30 a 40%) aparece junto ao plagioclásio, nas bandas
granoblásticas e ocorre orientado. Apresenta contatos lobulados a poligonais, dimensões entre
6 mm e 1,2 cm, chegando a constituir porfiroclastos com dimensões médias e está
parcialmente muscovitizado, porém nitidamente menos que o plagioclásio. Os feldspatos
apresentam, às vezes, zoneamento interno e estão orientados segundo a foliação.
O quartzo é submilimétrico, ocorre associado aos feldspatos nas porções
granoblásticas. Possui extinção ondulante, dimensões inferiores a 0,5 mm, contatos lobulados
a poligonais, forma anédrica e está orientado segundo a foliação.
A biotita (10 a 25%) forma palhetas, que na seção delgada exibem formas tabulares a
irregulares, apresentando dimensões de até 1 a 2 mm. É resultante da alteração da hornblenda,
apresenta cor marrom e está orientada segundo a foliação. Em menor proporção, dispersa pela
lâmina, com forma anédrica e com dimensões inferiores a 0,8 mm ocorrem: epidoto,
muscovita, rutilo, zircão e apatita.

4) Granada-muscovita/biotita gnaisses (Fotomicrografia 4.4). Estes tipos de gnaisses são


relativamente comuns próximo ao contato com a Unidade B. Apresentam coloração cinza
escura e estrutura gnáissica bandada, textura lepidoblástica a granolepidoblástica; são
constituídos principalmente por granada, biotita, muscovita e plagioclásio.
O plagioclásio (oligoclásio) encontra-se disperso pela lâmina, com tamanho
submilimétrico e orientado segundo a foliação, com teores variando de 15 a 40%. É
xenomórfico, localmente, alteração para albita e sericita (saussuritização). A albita ocorre na
forma anédrica com dimensões submilimétricas, orientada segundo a foliação dispersa pela
lâmina.
O quartzo aparece com concentrações entre 20 a 40%, constituindo pequenas bandas
com espessuras de 1,5 mm a 0,7 mm, orientadas segundo a foliação. Apresenta forma
anédrica, granulação menor que 0,4 mm, extinção ondulante e contatos lobulados.
A muscovita e a biotita ocorrem sob a forma de cristais submilimétricos a
centimétricos, chegando a constituir porfiroblastos (dimensões entre 0,3 a 1,2 mm) e
representam cerca de 30% do total da rocha. A muscovita mostra leve pleocroísmo e formas
tabulares a irregulares, ocorrendo orientadas paralelas à foliação.
48

A biotita encontra-se parcialmente muscovitizada/sericitizada, com forma tabular e


orientada segundo a foliação. Possui cor verde a marrom e concentra-se nas porções
lepidoblásticas junto à muscovita, onde aparece alterando para esta e com dimensões
inferiores a 1 mm.
A granada é poiquiloblástica (possui inclusões de rutilo, quartzo, opacos e
plagioclásio) e em nenhum caso observado ultrapassou 8% do volume da rocha. Possui forma
anédrica, está parcialmente alterada (ocorrendo bordejada por clorita, sericita e epidoto) e
possui tamanho submilimétrico (entre 0,2 a 0,3 mm).
A clorita ocorre normalmente associada à biotita e a granada e pode chegar a constituir
10% do volume, porém o normal é aparecer com teor menor que 8%. É submilimétrica,
algumas vezes chegando a atingir 1 mm de comprimento e ocorre orientada segundo a
foliação.
Os acessórios (apatita, zircão, opacos) são anédricos a subédricos, submilimétricos e
encontram-se dispersos pela rocha.

5) Hornblenda-biotita ortognaisses porfiróides (Fotomicrografia 4.5). Este conjunto de


gnaisses ocorre a leste de Pontalina junto e próximo ao contato com o Grupo Araxá (ver mapa
geológico – Anexo I). Corresponde a um corpo ovóide de coloração cinza escura e granulação
grossa, relativamente homogênea, apresentando bandamento composicional descontínuo. É
constituído principalmente por plagioclásio, quartzo, microclínio com quantidades
subordinadas de hornblenda, granada e biotita.
O quartzo é submilimétrico, ocorre associado aos feldspatos nas porções
granoblásticas. Exibe extinção ondulante, dimensões inferiores a 0,5 mm, contatos lobulados
a poligonais, forma anédrica e está orientado segundo a foliação, perfazendo cerca de 20%.
A hornblenda (10 a 20% do volume) é verde com pleocroísmo verde claro a verde
amarelado. Possui formas irregulares, é poiquilítica (chegando a 4 mm), com inclusões de
epidoto, quartzo, titanita e opacos. Dispõe-se de forma orientada e está parcialmente alterada
para biotita e epidoto.
O plagioclásio (oligoclásio) constitui cerca de 30% do volume da rocha e ocorre sob a
forma de cristais irregulares, que mostram contatos lobulados e possuem dimensões médias
em torno de 6 mm a 1 cm (porfiroclastos). Está orientado segundo a foliação, encontra-se
parcialmente saussuritizado e freqüentemente apresenta bordas recristalizadas com
neoformação de albita.
49

O feldspato alcalino (5 a 10% do volume) ocorre orientado, com contatos lobulados a


poligonais, dimensões entre 6 mm e 1,2 cm e está parcialmente alterado.
A biotita (15 a 20%) forma palhetas, que na seção delgada exibem formas tabulares a
irregulares, apresentando dimensões de até 1 a 2 mm. Contém cor marrom, leve extinção
ondulante, e está orientada segundo a foliação.
O epidoto é subeuedral, granular a prismático, levemente pleocróico, de contornos
irregulares, raramente retos, dimensões de 0,5 a 1 mm e perfaz cerca de 5% do volume. A
granada é anedral, possui dimensões milimétricas (2 a 2,5 mm), ocorre dispersa pela lâmina,
com bordas parcialmente cloritizadas e a sua porcentagem é menor que 5%.
Em menor proporção, dispersa pela lâmina, com forma anédrica e com dimensões
inferiores a 0,8 mm ocorrem: muscovita, rutilo, zircão e apatita.

6) Anfibolitos (Fotomicrografia 4.6 e 4.7). Os anfibolitos que ocorrem nessa unidade são
nematoblásticos, de granulação fina a grossa, localmente bandados, com raros relictos de
textura ígnea preservada. Ocorrem por toda a unidade, intercalados nos gnaisses e são
constituídos principalmente por hornblenda, plagioclásio e quartzo, podendo ocorrer ainda
como minerais essenciais granada, biotita, tremolita/actinolita e mais raramente
cummingtonita. Como minerais acessórios ocorrem apatita, rutilo, zircão, opacos, clorita,
allanita e epidoto, constituindo rochas como granada-anfibolitos, anfibolitos e anfibólio
xistos.
A hornblenda ocorre na forma de cristais de dimensões que variam de 0,4 mm a 5 mm,
orientados segundo a foliação. É poiquiloblástica com inclusões de quartzo e minerais opacos,
de forma anedral a subeuedral e está parcialmente alterada para biotita, clorita,
tremolita/actinolita e epidoto. Sua proporção média nas lâminas é de 70%.
A cummingtonita (quando ocorre) aparece em proporções inferiores a 5 %,
normalmente, no núcleo das hornblendas, possui forma anédrica, com tamanho médio de 0,3
mm. A tremolita/actinolita ocorre associada à hornblenda, sendo resultado da alteração desta.
Apresenta formas subeuedrais a anedrais, dimensões que variam de 0,5 a 0,2 mm e
normalmente encontra-se parcialmente orientada.
O quartzo (1 a 15%) e o plagioclásio (ausente a 30%) ocorrem formando lentes que,
localmente, marcam bandamento composicional, observado nos anfibolitos. São anedrais,
milimétricos (tamanho médio de 1 mm) a submilimétricos e estão parcialmente orientados
segundo a foliação. O epidoto é anedral a subeuedral, chegando a ter tamanho milimétrico
50

(até 3 mm), normalmente orientados segundo a foliação e, ocorre como acessório


(quantidades inferiores a 5%).
A granada quando ocorre é porfiroblástica, poiquilobástica, subeuedral a anedral,
apresenta dimensões médias variando de 0,3 a 0,7 mm, está normalmente dispersa pela lâmina
e pode constituir até 10% do volume da rocha. As inclusões são constituídas principalmente
por opacos e quartzo. Em alguns casos a granada é resultado de reação na borda entre o
anfibolito e gnaisse, onde se observa infiltração de material granítico segundo planos de
rompimento, gerando estrutura gnáissica no anfibolito e a formação de granada, muscovita,
biotita, epidoto e quartzo (Fotomicrografia 4.8).
A biotita (ausente até 3%) possui tamanho milimétrico (1 mm) a submilimétrico,
formas tabulares a irregulares, e normalmente ocorre formando pequenos agregados ou como
cristais isolados junto à hornblenda.
A clorita é resultado da alteração da biotita e hornblenda, ocorre em quantidade
inferior a 1%, possui dimensões milimétricas a submilimétricas. A apatita chega a constituir
até 3% do volume é anedral, ocorre dispersa pela lâmina e exibe dimensões submilimétricas a
milimétricas (até 2 mm de comprimento).
Os acessórios titanita, opacos e rutilo, no conjunto chegam a constituir mais de 4% do
volume, exibem dimensões submilimétricas e estão dispersos pela lâmina.
A titanita é comum, podendo em alguns casos atingir cerca de 4% da área da lâmina, é
anedral a subeuedral, ocorre dispersa localmente marcando trilhas ou envolvendo rutilo e suas
dimensões nunca ultrapassam 0,3 mm.
Em uma lâmina (lâmina SG-155) ocorre clinopiroxênio como acessório, é anedral,
com dimensões variando de 0,3 a 0,5 mm, disperso pela lâmina, localmente, com bordas de
hornblenda e biotita/clorita. Como acessório também pode ocorrer muscovita bordejando os
plagioclásios.

7) Biotita gnaisses porfiróides (Fotomicrografia 4.9). Estas rochas afloram na porção


noroeste de Pontalina entre o conjunto de rochas de origem eminentemente metassedimentar
(Grupo Araxá) e a seqüência de muscovita gnaisses da Unidade A. Esses gnaisses apresentam
bandamento gnáissico (bandamento composicional marcado por finas bandas lepidoblásticas e
granoblásticas com espessuras de 0,2 mm a 1 cm, que contornam os porfiroclastos), textura
granoblástica a lepidogranoblástica e porfiroblástica/porfiroclásticas. São constituídos por
feldspato potássico (microclínio), oligoclásio, quartzo e biotita; subordinadamente ocorre
muscovita, epidoto e mais raramente hornblenda.
51
52

Fotomicrografia 4.1 – Epidoto-biotita-muscovita-quartzo gnaisse onde se observa muscovitização


comum nos gnaisses da porção central do Domínio Sul. Nicóis cruzados aumento 2,5x. Lâmina PO-
63C.

Fotomicrografia 4.2 – Biotita-hornblenda gnaisse onde ocorrem porfiroclástos de hornblenda e


bandamento composicional formado por bandas nematoblásticas (hornblenda) e granoblásticas
(quartzo e plagioclásio). Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-61.

Fotomicrografia 4.3 – Hornblenda-biotita gnaisse porfiróide, cataclástico, milonítico. Nicóis cruzados,


aumento 2,5x. Lâmina ME-111.

Fotomicrografia 4.4 – Granada-muscovita-biotita gnaisse exibindo porfiroblásto subeuedral de


granada. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-153C.

Fotomicrografia 4.5 – Hornblenda-biotita gnaisse porfiróide, cataclástico, milonítico. Nicóis cruzados,


aumento 2,5x. Lâmina SG-159A.

Fotomicrografia 4.6 – Anfibolito fino exibindo bandamento descontínuo paralelo à foliação Sn e


estrutura xistosa e textura nematoblástica. Nicóis cruzados, aumento 10x. Lâmina PO-98.

Fotomicrografia 4.7 – Granada anfibolito onde se observam porfiroblástos de granada anedrais a


subedrais. Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-136A.

Fotomicrografia 4.8 – Reação na borda entre boudin de anfibolito (A) e gnaisse (Gn), onde se observa
gnaissificação do anfibolito através da entrada de material quartzo feldspático, gerando granada (G),
muscovita (M), biotita (B), epidoto (E). Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-88.
53

O feldspato potássico (15 a 25%) e o oligoclásio (20 a 40%) exibem dimensões médias
entre 0,2-0,6 mm. Os cristais ocorrem orientados, parcialmente muscovitizados e
sericitizados, com formas irregulares, bordas recristalizadas e albitizadas. Os porfiroclastos
são constituídos por feldspato potássico e oligoclásio e tem dimensões variando de 5 mm a 6
mm.
O quartzo (30 a 45%) ocorre formando agregados cristalinos definindo pequenas
lentes de espessuras de 1,5 a 0,7 mm, associado aos feldspatos e micas e está orientado
segundo a foliação. Possui forma anédrica, granulação entre 0,2 e 0,5 mm, extinção ondulante
e contatos lobulados a poligonais.
A biotita (pode chegar a 15%) possui cor marrom, formas tabulares a irregulares,
dimensões submilimétricas a milimétricas (0,3 mm a 1,2 mm), aparecendo associadas à
muscovita e formando pequenas bandas lepidoblásticas. A muscovita ocorre orientada, com
forma tabular a irregular, dimensões entre 0,3 a 0,5 mm chegando esporadicamente a 2,5 mm,
pode chegar a constituir 7% do volume, mas normalmente representa menos de 5% do
volume.
Em menor proporção, dispersos pela lâmina, ocorrem epidoto rutilo, zircão, opacos,
turmalina e apatita. O primeiro chega a constituir 3% do volume da rocha e resulta da
alteração do plagioclásio, às vezes, é idiomórfico e as dimensões são normalmente inferiores a
0,2 mm, esporadicamente chegando a atingir 1 mm. Esses minerais apresentam formas
anédricas a euédricas e dimensões inferiores a 0,5 mm.
A hornblenda quando ocorre, possui dimensões entre 0,4 a 8 mm, forma anédrica e é
poiquilítica (inclusões de opacos, quartzo e plagioclásio), parcialmente alterada para biotita.

8) rochas metassedimentares (xistos e gnaisses). Esta unidade de rochas aflora a leste de


Morrinhos, no contato entre os metassedimentos do Grupo Araxá e os gnaisses da Unidade A,
constituindo uma serra no sentido norte-sul. É constituída preferencialmente por quartzo
xistos e quartzitos comumente granatíferos, com porções gnáissicas intercaladas. As rochas
possuem estrutura xistosa e textura lepidoblástica a granoblásticas, apresentam bandamento
composicionais descontínuos. São constituídos por quantidades variáveis de biotita,
muscovita, clorita, plagioclásio (oligoclásio), quartzo e granada; subordinadamente opacos,
epidoto, zircão.

Xistos (Fotomicrografia 4.10, 4.11). São rochas granolepidoblásticas a lepidoblásticas,


apresentando bandamento composicional descontínuo de até 3 mm. São constituídos
54

principalmente de quartzo, biotita, muscovita, clorita, sericita e granada, em proporções


variadas constituído rochas do tipo biotita-sericita-muscovita-clorita-quartzo xisto, granada-
biotita-clorita-muscovita-sericita-quartzo xisto e clorita-sericita-quartzo xisto. O quartzo, que
constitui em média 40 a 45% do volume, apresenta contatos engrenados a lobulados e o
tamanho dos grãos, na maioria, é submilimétrico, chegando localmente a milimétrico (1 mm).
Possui extinção ondulante, formas anedrais e está parcialmente alongado e orientado segundo
a foliação.
A clorita, muscovita e biotita são em geral submilimétricas (<0,6 mm), podendo
constituir porfiroblastos de até 3 mm (com exceção da biotita); apresentam formas
subeuedrais e os cristais ocorrem normalmente orientados segundo a foliação, constituindo
bandas lepidoblásticas. A clorita é subordinada a biotita e granada, podendo em alguns casos
constituir pequenas lentes junto com a biotita, nestes casos pode chegar a 20%. A muscovita
(3% a 15%) ocorre sob a forma cristais pequenos e agregados de granulação muito fina
(sericita). A granada pode ocorrer como um constituinte principal (chegando a 8%) ou de
forma subordinada, é subeuedral a euedral, possui dimensões submilimétricas, média de 0,5
mm, com os maiores cristais chegando a 4 mm de diâmetro. Ocorre normalmente com as
bordas cloritizadas e sericitizadas, em alguns casos está representada apenas por
pseudomorfos, foi totalmente cloritizada.
A sericita ocorre nas bordas de cristais de granada e muscovita, localmente
constituindo bandas de até 1 mm, onde pode ocorrer restos de cristais de muscovita. É
submilimétrica e ocorre parcialmente orientada.
Como acessórios ocorrem normalmente turmalina, zircão, apatita e minerais opacos,
os quais apresentam dimensões submilimétricas (<0,6 mm) e proporções inferiores a 1%.

Biotita-muscovita-quartzo gnaisses (Fotomicrografia 4.12). Rochas granoblásticas com


fraco bandamento marcado por porções mais grossas intercaladas com porções mais finas, de
granulação fina a média. São constituídos por: plagioclásio, muscovita, biotita e quartzo com
porções subordinadas de biotita, epidoto, sericita e opacos. O quartzo corresponde em média a
45% do volume total das rochas é submilimétrico (<0,6mm), ocorre orientado segundo a
foliação, apresenta extinção ondulante e contatos lobulados. O plagioclásio (oligoclásio ±
25%) é anedral, sub milimétrico (tamanho médio de 0,5 mm, às vezes, pode atingir até 1 mm),
apresenta contatos irregulares e ocorre parcialmente alterado para sericita, apresentando
localmente bordas albitizadas.
55

A biotita (5%) é marrom, anedral a subeuedral, apresenta dimensões médias de 0,4


mm, as palhetas ocorrem parcialmente orientadas segundo a foliação e alteradas nas bordas
para sericita e clorita. A muscovita (15%) é anedral a subeuedral, ocorre parcialmente
orientada, possui tamanho médio de 0,4 mm, podendo atingir até 1,2 mm, está parcialmente
alterada para sericita e apresenta leve extinção ondulante.
O epidoto é subeuedral, submilimétrico (localmente pode atingir 1 mm) e ocorre
disperso pela lâmina. A sericita (4%) ocorre bordejando cristais de muscovita e os
plagioclásios, localmente forma pequenos aglomerados irregulares.
Os acessórios ou secundários são anedrais submilimétricos (<0,4mm), ocorrem
dispersos pela lâmina e são constituídos de opacos, epidoto e sericita.

4.1.2 - Unidade B
1) rochas metassedimentares (xistos e quartzitos). Possuem estrutura xistosa e textura
lepidoblástica a granoblásticas, mostram bandamento composicional descontínuo. São
constituídos por muscovita, quartzo e pelos acessórios: plagioclásio, epidoto, opacos, rutilo e
zircão. Estas rochas apresentam variedades do tipo muscovita xisto, muscovita-quartzo xisto e
quartzitos. Afloram como pequenas lentes e ou camadas intercaladas junto a gnaisses e mais
raramente com rochas metamáficas nas serranias a leste, norte e sul de Pontalina (Serras de
São Lorenço, do Lobo e do Mota).

Muscovita xistos (Fotomicrografia 4.13). São rochas de granulação média a grossa,


lepidoblástica a granolepidoblástica e estrutura xistosa. O quartzo é submilimétrico, apresenta
extinção ondulante e teores de menos de 1 % a 10%. Seu tamanho é inferior a 0,5 mm,
apresenta contatos lobulados a poligonais, forma anédrica e está orientado segundo a foliação.
A muscovita (85 a 98 %) é submilimétrica a milimétrica, possui dimensões entre 1 a 2 mm.
Mostra leve pleocroísmo, formas tabulares a irregulares, localmente, formando pequenas
porções (aglomerados) onde apresenta dimensões submilimétricas e fraca orientação.
Em algumas lâminas nos aglomerados são observados restos de plagioclásio
(oligoclásio?) com forma anédrica e dimensões inferiores a 0,2 mm. Os acessórios (o
principal acessório é a magnetita) ocorrem dispersos pela lâmina, são submilimétricos,
anédricos, possuem dimensões inferiores a 0,6 mm e constituem menos de 5%.

Muscovita quartzitos. Contém textura granoblástica com porções lepidogranoblásticas e


estrutura com grau variável de anisotropia de quase maciça a bem xistosa.
56

O quartzo constitui de 50 a 60% do volume e aparece definindo pequenas bandas,


com espessuras de 1,5 mm a 0,7 mm, orientadas segundo a foliação. Possui forma anédrica,
granulação inferior a 0,4 mm, extinção ondulante e contatos lobulados. A muscovita (25 a
35%) constitui cristais submilimétrico, que ocorrem orientados e concentrados em domínios
lenticulares gerando porções lepidoblásticas. Localmente, em meio a essas bandas, ocorre
na forma de cristais irregulares parcialmente orientados, com dimensões de até 1,3 mm.
Subordinadamente ocorrem junto às bandas muscovíticas, restos de plagioclásio (<5%) de
forma anédrica e dimensões inferiores a 0,7 mm, alterando para muscovita.
Os acessórios comuns são: opacos, rutilo, epidoto e zircão. Ocorrem dispersos pela
lâmina, com dimensões inferiores a 0,5 mm e formas irregulares.
Cristais de carbonato podem ocorrer dispersos nas porções muscovíticas, formando
pequenos agregados orientados segundo a foliação, com granulação submilimétrica e forma
anédrica.
O epidoto é subeuedral, ocorre junto ao plagioclásio ou disperso pela lâmina. Possui
tamanho submilimétrico (menor que 0,7 mm) e está parcialmente orientado segundo a
foliação.

Muscovita-quartzo xistos (Fotomicrografia 4.14). Apresentam estrutura xistosa bandada,


com alternância de camadas descontínuas lepidoblásticas e granoblásticas de espessuras
centimétricas a milimétricas. A muscovita (30 a 45%) apresenta tamanho médio de 0,5 mm
chegando a 3 mm, apresenta contatos retos, estão orientadas paralelas à foliação, exibe
formas subeuedrais, leve extinção ondulante e ocorre formando agregados lenticulares. O
quartzo (40 a 50%) ocorre sob a forma de cristais alongados e recristalizados, apresenta
extinção ondulante, contatos retos a lobulados, granulação média da ordem 0,5 mm e
concentra-se nas porções granoblásticas, que constituem agregados lenticulares paralelos a
foliação.
Os minerais opacos são anedrais, submilimétricos, perfazem até 10% da lâmina,
ocorrem dispersos pela rocha, orientados segundo a foliação, com dimensões médias de 0,3
mm. O rutilo é anedral a subeuedral e ocorre disperso pela lâmina, com tamanho médio de
0,3 mm.

2) Granada-estaurolita-cianita-muscovita-biotita gnaisse com hornblenda (Foto


micrografia 4.15). Uma única ocorrência desta rocha foi registrada, ao norte da serra de São
Lorenço intercalada a muscovita xistos e rochas metamáficas. Possui estrutura xistosa
57

bandada, determinada pelas porções granoblásticas e lepidoblásticas. É constituído por:


plagioclásio, muscovita, biotita, cianita, granada e estaurolita. Como acessórios ocorre,
epidoto, apatita, hornblenda, rutilo, turmalina, zircão e opacos (perfazendo cerca de 5% da
lâmina). O quartzo (± 30%) é submilimétrico, ocorre junto ao oligoclásio/albita, nas porções
granoblásticas, apresenta extinção ondulante, tamanho inferior a 0,5 mm, contatos lobulados
a poligonais, forma anédrica e está orientado segundo a foliação.
O plagioclásio (oligoclásio ± 20% e mais raramente andesina ± 5%) encontra-se
disperso pela lâmina, é anedral, com tamanho submilimétrico e orientado segundo a
foliação. A albita (<2%) também ocorre na forma anédrica com dimensões submilimétricas,
orientada segundo a foliação e dispersa pela lâmina, normalmente, bordejando o
plagioclásio mais rico em cálcio.
A muscovita (± 20%) constitui cristais de dimensões submilimétricas (entre 0,3 a 1,3
mm), está parcialmente alterada para sericita, apresenta leve pleocroísmo e formas tabulares a
irregulares e está parcialmente orientada. A biotita (± 15%) apresenta forma tabular e cor
marrom. Está orientada segundo a foliação e concentra-se nas porções lepidoblásticas junto à
muscovita, onde aparece alterando para esta.
A cianita (± 6%) e a estaurolita (± 9%) contêm inclusões de quartzo e opacos, e
possuem tamanho médio de 1 a 3 mm (localmente são submilimétricas). Os cristais exibem
forma anédrica a subeuédrica, orientados segundo a foliação, ocorrendo junto a granada e nas
porções lepidoblásticas, onde se encontram parcialmente muscovitizadas e sericitizadas.
A granada é poiquiloblástica (possui inclusões de rutilo, quartzo, opacos e
plagioclásio), não ultrapassando 6% do volume, possui forma anédrica, está parcialmente
alterada (ocorrendo bordejada por clorita, sericita e epidoto) e possui tamanho milimétrico
(entre 2 a 3 mm). A hornblenda (± 3%) é anédrica, orientada segundo a foliação e as
dimensões são milimétricas a submilimétricas (tamanho médio de 1 mm).
A clorita (<2%) ocorre sempre subordinada a biotita, hornblenda e granada. É
submilimétrica (<0,5 mm) e ocorre orientada segundo a foliação. Os acessórios epidoto,
apatita, rutilo, turmalina, zircão e opacos são anédricos, submilimétricos e encontram-se
dispersos pela rocha.

3) biotita/muscovita gnaisses (Fotomicrografia 4.16). Estas rochas ocorrem intercaladas


junto às rochas metassedimentares descritas acima. Possuem estrutura xistosa bandada,
determinada pelas porções granoblásticas e lepidoblásticas. São constituídas por:
58

plagioclásio, feldspato potássico, muscovita, biotita. Como acessórios ocorrem: apatita,


zircão e opacos (perfazendo cerca de 5% da lâmina).
O quartzo é submilimétrico (normalmente menor que 1 mm), ocorre junto aos
feldspatos nas porções granoblásticas e granolepidoblásticas, apresenta teores entre 25 a
40%, extinção ondulante, tamanho inferior a 1 mm, contatos lobulados a poligonais, forma
anédrica e está orientado segundo a foliação.
O feldspato potássico (microclínio) aparece parcialmente muscovitizado, apresentando
forma anédrica, teores entre 5 a 10%, dimensões submilimétricas (menor que 1 mm), está
orientado segundo a foliação, às vezes, alterado para sericita e apresenta bordas recristalizadas
de albita. O plagioclásio (oligoclásio) encontra-se disperso pela lâmina, com teores de 10 a
20%, formas anedrais, dimensões médias de 1 a 2 mm, contatos lobulados, localmente,
alterado para albita e sericita.
A muscovita (20 a 35%) é submilimétrica a milimétrica (0,8 a 1,5 mm), anedral a
subeuedral, levemente pleocróica, encontra-se parcialmente orientada, sendo também
observada como produto de alteração dos feldspatos potássicos. A biotita (5 a 15%) encontra-
se orientada segundo a foliação, possui cor marrom e concentra-se nas porções lepidoblásticas
junto à muscovita, onde aparece alterando para esta e com dimensões inferiores a 1 mm.
Os acessórios (opacos, apatita e zircão) são anédricos, submilimétricos e encontram-se
dispersos pela rocha.

4) Epidoto-biotita-muscovita gnaisses (Fotomicrografia 4.17). Estas rochas ocorrem


intercaladas junto às rochas metassedimentares descritas acima. Possuem estrutura xistosa,
bandamento descontínuo determinado pelas porções granoblásticas e lepidoblásticas. São
constituídos por: plagioclásio, feldspato potássico, muscovita, biotita e epidoto.
Como acessórios ocorrem: apatita, zircão e opacos (perfazendo cerca de 5% da
lâmina).
O quartzo constitui 25 a 35% da rochas, é submilimétrico a milimétrico (varia entre
0,5 a 4 mm), ocorre junto aos feldspatos nas porções granoblásticas e granolepidoblásticas,
apresenta extinção ondulante, contatos lobulados a poligonais, forma anédrica e está
orientado segundo a foliação.
O feldspato potássico (microclínio) representa 10 a 20% do volume, aparece
parcialmente muscovitizado, com formas anédricas, dimensões milimétricas (1 a 2 mm) e está
orientado segundo a foliação; localmente mostrando bordas recristalizadas de albita.
59
60

Fotomicrografia 4.9 – Biotita gnaisse porfiróide milonítico. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina
PO-118.

Fotomicrografia 4.10 – Bandamento litológico constituído por bandas de sericita (S) e de quartzo (Q),
e porfiroblásto de granada (G) subeudral com bordas sericitizadas. Nas bandas de sericita observam-se
cristais reliquiares de muscovita (M). Granada-biotita-clorita-muscovita-sericita-quartzo xisto. Nicóis
cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-118.

Fotomicrografia 4.11 – Biotita-muscovita-quartzo xisto. Nicóis cruzados, aumento 5x. Lâmina PO-
112.

Fotomicrografia 4.12 – Biotita-muscovita-quartzo gnaisse granoblástico. Nicóis cruzados, aumento 5x.


Lâmina PO-123.

Fotomicrografia 4.13 – Muscovita xisto. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-215.

Fotomicrografia 4.14 – Muscovita-quartzo xisto bandado. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-
32.

Fotomicrografia 4.15 –Porfiroblasto de granada (G) com inclusões de estaurolita (E) e cianita (C).
Granada-biotita-muscovita gnaisse. Nicóis cruzados, aumento 5x. Lâmina MA-3-37.

Fotomicrografia 4.16 – Biotita-muscovita gnaisse. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-38.
61

O plagioclásio (albita) encontra-se disperso pela lâmina ou na borda de feldspato


potássico, corresponde a 10 a 15% do volume e apresenta formas anedrais, dimensões médias
de 1 a 2 mm, contatos lobulados e, localmente, está alterado para sericita.
A muscovita (20 a 25%) é submilimétrica a milimétrica (varia de 0,8 a 1,5 mm,
podendo formar porfiroblastos de até 5 mm), apresenta forma anedral e leve pleocroísmo. As
palhetas ocorrem parcialmente orientada, sendo também observada como produto de alteração
do feldspato potássico.
A biotita (5 a 10%) possui dimensões de 1 a 2 mm, encontra-se orientada segundo a
foliação, possui cor verde a marrom e concentra-se nas porções lepidoblásticas junto à
muscovita, onde aparece alterando para esta.
O epidoto forma 5 a 8% do volume é subeuedral a anedral, localmente idiomórfico,
possui tamanho milimétrico (1 a 2 mm), coloração marrom esverdeada, ocorre parcialmente
orientado segundo a foliação, disperso pela lâmina ou como produto de alteração de
oligoclásio. Em menores proporções podem ocorrer dispersas pela lâmina zircão, titanita,
opacos e apatita.
Os acessórios (opacos, apatita, clorita e zircão) são anédricos, submilimétricos e
encontram-se dispersos pela rocha. A clorita ocorre como produto de alteração da biotita, com
dimensões inferiores a 0,5 mm, forma anedral, proporções inferiores a 3% e está parcialmente
orientada.

5) anfibolitos (Fotomicrografia 4.18). Os anfibolitos que ocorrem nessa unidade apresentam


granulação média a grossa, são nematoblásticas a granonematobásticos, localmente bandados
e com estrutura xistosa. Ocorrem intercalados nos gnaisses e metassedimentos e são
representados por variedades como quartzo anfibolitos, anfibolitos, granada anfibolitos, etc. e
são constituídos, principalmente, por: anfibólios, plagioclásio, quartzo e em menor proporção
pode ocorrer: granada, epidoto, apatita, tremolita, mais raramente cummingtonita, biotita,
mica branca, rutilo, zircão, opacos, clorita e epidoto.
A hornblenda ocorre na forma de cristais de dimensões que variam de 0,4 mm a 5 mm,
orientados segundo a foliação, é poiquiloblástica (possui inclusões de quartzo, minerais
opacos e quartzo), apresenta cor verde a castanho, formas anedrais e está parcialmente
alterada para biotita, clorita e epidoto. Sua proporção média nas lâminas é de 70%.
A cummingtonita (quando ocorre) aparece em proporções inferiores a 2%, apresenta-
se nos núcleos das hornblenda, possui forma anédrica e tamanho médio de 0,3 mm.
62

A tremolita/actinolita ocorre associada à hornblenda, sendo resultado da alteração


desta. Apresenta formas subeuedrais a anedrais, dimensões que variam de 0,5 a 0,2 mm e
normalmente encontra-se parcialmente orientada.
O quartzo (1% a 15%) e o plagioclásio (ausente a 20%) ocorrem formando lentes, que
localmente marcam bandamento composicional, observado nos anfibolitos. São anedrais,
milimétricos (tamanho médio de 1 mm) a submilimétricos. E estão parcialmente orientados
segundo a foliação.
O epidoto é subeuedral, chegando a ter tamanho milimétrico (até 3 mm), normalmente
orientados segundo a foliação. Ocorre como acessório (quantidades inferiores a 5%) chegando
a ser constituinte essencial (3% a 20%) resultante de intensa epidotização.
A biotita (pode estar ausente e com até 20%, em algumas amostras), possui tamanho
milimétrico (1 mm) a submilimétrico, cor marrom, formas tabulares a irregulares, resulta da
alteração da hornblenda e normalmente ocorre formando pequenos agregados ou como
cristais isolados junto à hornblenda.
A clorita ocorre sempre subordinada a hornblenda, sendo resultado da alteração da
biotita e hornblenda, em quantidades inferiores a 1%, possuindo tamanho milimétrico a
submilimétrico.
A mica branca (muscovita) ocorre nos anfibolitos e quartzo anfibolitos a leste e
nordeste de Pontalina, com dimensões que variam de 0,3 a 0,5 mm, sendo resultado da
alteração dos plagioclásios junto à percolação de fluídos (Fotomicrografia 4.19).
A apatita (menos de 1 a 3%), é anedral, ocorre dispersa pela lâmina e exibe dimensões
que variam de submilimétrico a milimétricas (até 2 mm).
A granada quando ocorre é anédrica a subeuedral, com dimensões de até 0,8 mm,
localmente, é poiquiloblástica apresentando inclusões de opacos e quartzo.
Os acessórios titanita, opacos e rutilo exibem dimensões submilimétricas e estão
dispersos pela lâmina, podendo em conjunto, constituir até 6% do total da rocha.

6) rochas metavulcânicas (Fotomicrografia 4.20, 4.21 – lâminas ME-40, ME-203, PO-69A,


PO-100C e PO-101). São rochas granoblásticas, de granulação fina a média e eqüigranulares.
Ocorrem intercalados nos gnaisses e metassedimentos constituindo pequenas camadas ou
bandas. São constituídas, principalmente por feldspato (plagioclásio), quartzo, anfibólio e
opacos.
A hornblenda é porfiroblástica a poiquiloblástica (inclusões de quartzo e opacos),
ocorre na forma de cristais de dimensões que variam de 0,4 mm a 5 mm, não exibindo
63

orientação preferencial, apresenta cor verde a castanho, formas anedrais, constituindo cerca de
50% do total do volume da rocha.
O plagioclásio (oligoclásio/andesina) constitui cerca de 40% a 50% do volume, é
anedral, apresenta contatos retos a lobulados, e ocorre junto ao quartzo na matriz. O quartzo
(varia de 10% a 20%) é anedral, submilimétrico, mostra contatos retos a poligonais. A biotita
quando ocorre, esta associada ao anfibólio, sendo produto de alteração deste. É marrom a
verde, mostra formas anedrais, apresenta dimensões submilimétricas, localmente, pode
constituir porfiroblastos, sendo o resultado da substituição total de cristais de anfibólio.
Destaca-se neste conjunto uma rocha acinzentada, granoblástica de granulação fina,
que ocorre intercalada em muscovita xisto constituída por quartzo (cerca de 35 a 40%),
feldspato potássico (cerca de 50-60%) e plagioclásio (albita, cerca de 5 a 10%), contendo
traços de muscovita e opacos. Esta rocha é equigranular, de granulação fina.
O quartzo e o feldspato apresentam dimensões submilimétricos (<0,1 mm), formas
anedrais e são os principais constituintes desta rocha.
O plagioclásio (albita) ocorre na borda do feldspato potássico, sendo produto de
alteração deste.
Os opacos ocorrem dispersos pela lâmina, são anedrais e submilimétricos.

4.2 – Domínio Norte (Grupo Araxá)


Esta unidade é constituída principalmente por rochas metassedimentares pelíticas
(granada-muscovita-biotita xistos a gnaisses – Unidade Xistosa) e rochas psamo-pelíticas
(quartzo xistos, quartzitos – Unidade Quartzítica) pertencentes ao Grupo Araxá.
Macroscopicamente apresentam de modo geral granulação média a grossa, bandamento
descontínuo, estrutura xistosa e estruturas granoblásticas a lepidoblásticas.

4.2.1 - Unidade Xistosa


É composta por xistos (biotita/muscovita xistos normalmente com granada
Fotomicrografia 4.22) e gnaisses (biotita/muscovita paragnaisses com ou sem granada)
constituídos por quantidades variáveis de plagioclásio (oligoclásio/andesina), granada, biotita,
muscovita, quartzo, clorita, epidoto, rutilo, ilmenita, hornblenda, titanita, turmalina, apatita,
zircão, opacos, allanita, e mais raramente observa-se nessa unidade cianita e estaurolita.
Apresentam textura granoblástica, granolepidoblástica a lepidoblástica, com estrutura
xistosa e foliação marcante. A estrutura é marcada por uma laminação ou fino bandamento
descontínuo paralelo à orientação representada pela disposição dos minerais. Localmente,
64

esse bandamento ocorre dobrado pela deformação responsável pela geração da foliação
principal (dobras de arrastos resultantes de heterogeneidades de fluxo plástico).
Nas lâminas observadas, o teor de muscovita varia de 10 a 45% aparecendo dispersa
pela lâmina, orientada segundo a foliação, formando pequenos bandamentos e agregados
sigmoidais. Possui tamanho médio submilimétrico a milimétrico (1 mm).
A biotita ocorre em quantidades inferiores a da muscovita, perfazendo teores de 1% a
35%, normalmente, formando pequenas concentrações, exibe cor marrom claro a escuro em
[γ], comprimento variando de 0,1 a 1,2 mm, está bem orientada segundo a foliação principal
e, freqüentemente, exibe alteração retrometamórfica para clorita. Em algumas lâminas
observa-se o crescimento de rutilo junto à biotita e a presença de inclusões de allanita.
O principal plagioclásio é o oligoclásio, em menor proporção ocorre andesina, nos
termos mais cálcicos e, em rochas mais retrometamorfizadas, aparece também albita em
proporção variada. Ocorre disperso pela lâmina, orientado segundo a foliação e com tamanho
milimétrico a submilimétrico. Possui forma anedral e normalmente apresenta leve
saussuritização, às vezes extinção ondulante, textura mirmequítica e recristalização nas
bordas, formando albita como produto. Pode ser observada também alteração para muscovita,
sericita e epidoto. A quantidade de plagioclásio nestas rochas varia de 15 a 25%.
Os cristais de quartzo são submilimétricos, apresentam extinção ondulante, contatos
lobulados a poligonais, formas anedrais levemente inequidimensionais, com as dimensões
maiores orientadas segundo a foliação. Encontra-se disperso e mais comumente concentrado
em bandas, podendo formar pequenas lentes descontínuas e ribbons. Apresenta dimensões
milimétricas (1,5 a 1 mm) e o teor, em que normalmente ocorre, varia de 20 a 30%, podendo
chegar a 40%.
A hornblenda ocorre na forma anédrica a subeuédrica, orientada segundo a foliação,
com cor verde a castanho segundo [γ], às vezes, é poiquiloblástica, com tamanho milimétrico
a submilimétrico (tamanho médio de 1 mm). Ocasionalmente apresenta alteração
retrometamórfica, passando para biotita e clorita e o volume médio ocupado por esta fase é
inferior a 3%, podendo esporadicamente atingir 10%, sendo que na maioria das vezes está
ausente.
A granada é anedral a subeuedral, às vezes euedral, com diâmetros médios de 3 mm.
Possui inclusões de quartzo, rutilo, epidoto e plagioclásio, em alguns casos ocorrem apenas
inclusões de epidoto subeuedrais, aparentemente resultantes da alteração da granada. Algumas
vezes, a granada apresenta partes alteradas para clorita, biotita e sericita, chegando à alteração
65

total, restando apenas pseudomorfos, constituídos por muscovita/sericita, biotita, clorita e


epidoto, dispostos caoticamente. A proporção média em que ocorre é de 7%.
A clorita é retrometamórfica, resultante da alteração da granada, biotita e hornblenda,
é incolor e apresenta fraco pleocroísmo verde, possui dimensões médias de 0,6 mm, ocorre
parcialmente orientada, podendo chegar a 5%, em algumas lâminas.
O epidoto pode chegar a 4% (normalmente ocorre em quantidades inferiores a 1%),
ocorre disperso pela lâmina, é anedral a subeuedral, sendo em parte resultante da alteração
retrometamórfica dos plagioclásios e granadas. Encontra-se parcialmente orientado e exibe
dimensões médias de <0,6 mm. Em algumas lâminas o epidoto ocorre disperso, junto ao
quartzo e envolvendo allanita, indicando que este pode ser primário (epidoto gerado na fácies
anfibolito).
A cianita (Fotomicrografia 4.23) possui forma anédrica, dimensão média de 1 mm,
ocorre dispersa pelas lâminas dos granada-biotita xistos feldspáticos, parcialmente orientada,
sempre em proporções menores que 1%, localmente, sericitizada ou muscovitizada.
A estaurolita (< 1%) possui forma anédrica e dimensão média inferiores a 1 mm, está
localmente sericitizada e ocorre em biotita xisto e granada-biotita/muscovita xisto feldspático.
Os acessórios mais comuns nesta unidade são: rutilo, titanita, epidoto, minerais opacos
(ilmenita, magnetita, hematita), turmalina, clorita, zircão, allanita e apatita. Estes possuem
dimensões inferiores a 0,6 mm e ocorrem dispersos pela lâmina, podendo estar orientado,
formando trilhas, sendo que os teores médios destes minerais, normalmente, não ultrapassam
1%.
Os anfibolitos ocorrem sob a forma de lentes de dimensões variadas na Unidade
Xistosa exibindo textura nematoblástica, coloração verde escura, granulação média e estrutura
xistosa, podendo em alguns casos mostrar bandamento composicional milimétrico. O
anfibólio (hornblenda) que perfaz em média a 65% do volume, ocorre na forma de cristais
prismáticos, anedrais a subedrais, de tamanho milimétrico (chega a ter 2 mm), orientado
segundo a foliação e é poiquilítico (possui inclusões de quartzo e opacos). O plagioclásio
(corresponde em média a 15%) é, em geral, submilimétrico (tamanho médio de 0,6 mm),
anédrico, formando, às vezes, porções diferenciadas ricas em quartzo, ocasionalmente é
mirmequítico e pode estar alongado segundo a foliação. O quartzo (± 5%) é submilimétrico,
anédrico, apresenta contatos lobulados a poligonais e ocorre formando pequenas lentes
orientadas segundo a foliação. O epidoto (± 10%) ocorre na forma subeuedral, chegando a ter
tamanho milimétrico (até 2 mm) e, normalmente, está orientado segundo a foliação. Os
acessórios (opacos, titanita e apatita) ocorrem dispersos pela lâmina, apresentam formas
66

anédricas, dimensões máximas ao redor 0,6 mm, sendo que, localmente, a apatita chega a 1
mm de comprimento, os minerais opacos e titanita também ocorrem dentro dos cristais de
hornblenda, marcando trilhas retas ou sem nenhuma orientação.

4.2.2 - Unidade Quartzítica


Esta unidade é constituída e por quartzitos (micáceos ou não, localmente feldspáticos),
com intercalações de quartzo xistos (Fotomicrografia 24) e, localmente, de paragnaisses.
Os quartzitos apresentam textura granoblástica, localmente com porções
lepidoblásticas e são constituídos principalmente por quartzo, opacos, muscovita, com
porções subordinadas de biotita, plagioclásio (oligoclásio), turmalina e granada.
Os cristais de quartzo (50 a 95%) possuem contatos lobulados a engrenados,
localmente poligonais, freqüentemente limitados por micas. São anedrais e estão
recristalizados, alongados e orientados segundo a foliação. A dimensão média varia de 1 a 2
mm nas porções de granulação mais grossa, que formam pequenas lentes e são menores que
0,5 mm nas porções de granulação mais fina.
A muscovita (chega a 20% do total) apresenta-se orientada segundo a foliação,
possuindo tamanho médio de 1 mm e aparece sob a forma de cristais subeuedrais dispersos
pela lâmina, ou formando trilhas, lâminas descontínuas e lentes, que podem ser sigmoidais.
A biotita (chega a 10% do total) apresenta-se orientada segundo a foliação, possuindo
tamanho médio entre 0,5 a 1 mm e aparece constituindo cristais subeuedrais dispersos pela
lâmina. Normalmente a muscovita e a biotita ocorrem orientadas em trilhas definindo forte
foliação. O plagioclásio, quando ocorre possui forma anedral, dimensões médias inferiores a 1
mm, está parcialmente orientado e esporadicamente chega a representar 10% do volume.
Como acessórios ocorrem: turmalina (detrítica e neoformada), zircão, rutilo e minerais
opacos (detrítico), que possuem tamanho submilimétrico, estão dispersos pela lâmina e
possuem forma anédrica a subeuédrica.
A granada, quando ocorre, raramente ultrapassa 7% do total, apresenta dimensões
médias entre 2 a 3 mm, formas anedrais e, localmente, aparece alterada para biotita e clorita e
possui inclusões de quartzo, opacos e rutilo são comuns.
Os xistos dessa unidade são constituídos por quantidades variáveis de biotita,
muscovita, plagioclásio (oligoclásio), quartzo, granada e subordinadamente minerais opacos
(magnetita, ilmenita, etc.), hornblenda, clorita, epidoto, zircão, allanita, apatita e mais
raramente estaurolita. Apresentam textura lepidoblástica a granolepidoblástica, foliação
marcante, estrutura xistosa e granulação média a fina.
67

A quantidade de biotita e muscovita são variáveis, a primeira não ultrapassa 20% do


volume e a segunda pode chegar a constituir 85% do total da rocha. Ocorrem na forma de
palhetas orientadas segundo a foliação, com dimensões submilimétricas a milimétricas (as
maiores possuem tamanho em torno de 1 mm), formam pequenos agregados sigmoidais e
bandas descontínuas com espessuras milimétricas a submilimétricas. A clorita é
retrometamórfica, não ultrapassa 5%, nas amostras analisadas, e ocorre subordinada a granada
e à biotita, apresentando dimensões submilimétricas.
O quartzo pode estar ausente ou constituir até 40% dos litotipos, apresenta contatos
lobulados a poligonais e o tamanho dos cristais, na maioria dos casos, é submilimétrico,
chegando localmente a milimétrico (± 1 mm). Possui forma anedral e está parcialmente
alongado e orientado segundo a foliação.
A hornblenda nunca ultrapassa 3%, possui forma anedral a subeuedral, ocorre
parcialmente orientada, possui cor verde oliva a verde azulado em [γ], dimensões médias de 1
mm e encontra-se parcialmente alterada para clorita e biotita.
O oligoclásio pode chegar a constituir 22% do volume (constituindo paragnaisses), nos
xistos varia entre ausente a 20%. É anedral, possui dimensão média de 2 mm e ocorre
parcialmente orientado segundo a foliação. Em algumas porções encontra-se totalmente
alterado, formando albita, sericita, epidoto e muscovita. A albita não ultrapassa 8% do volume
e ocorre de maneira subordinada ao oligoclásio, com tamanho submilimétrico, forma
anédrica, alongada e orientada segundo a foliação.
Ocorrem, localmente, restos de estaurolita nos biotita/muscovita xisto, com dimensões
milimétricas (tamanho médio de 1 mm) e forma anédrica, orientadas segundo a foliação.
Apresentam-se alterando para clorita e sericita.
Como acessórios normalmente ocorrem: turmalina, zircão, apatita, minerais opacos
(ilmenita, magnetita), os quais apresentam dimensões submilimétricas (<0,6 mm).
68
69

Fotomicrografia 4.17 –Epidoto-muscovita ganisse. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-40.

Fotomicrografia 4.18 – Anfibolito. Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina ME-149.

Fotomicrografia 4.19 – Muscovita (M) junto a plagioclásio em anfibolito. Nicóis cruzados, aumento
5x. Lâmina ME-149.

Fotomicrografia 4.20 – Rocha metavulcânica constituída por porfiroblástos de hornblenda (cristais


prismáticos verdes) em meio a matriz constituída principalmente por cristais de plagioclásio.
Quadrado: área da foto 4.20. Aumento 63x (Lupa). Lâmina ME-203.

Fotomicrografia 4.21 – Porfiroblástos de hornblenda (cristais prismáticos verdes) em meio a matriz


constituída principalmente por cristais de plagioclásio com quartzo e biotita dispersos. Aumento 63x
(Lupa). Nicóis cruzados, aumento 5x. Lâmina ME-203. Lâmina ME-203.

Fotomicrografia 4.22 – Granada-biotita-muscovita-quartzo xisto (Grupo Araxá). Nicóis cruzados,


aumento 2,5x. Lâmina PO-25.

Fotomicrografia 4.23 – Cristal de cianita em granada-biotita-muscovita-quartzo xisto. Nicóis cruzados,


aumento 5x. Lâmina SG-91.

Fotomicrografia 4.24 – Bandamento composicional dobrado. Muscovita-quartzito. Nicóis cruzados,


aumento 2,5x. Lâmina ME-27.
70

CAPÍTULO V

5 – GEOLOGIA ESTRUTURAL

A região é composta por dois conjuntos tectônicos alóctones, aqui denominados de


Domínio Norte (Grupo Araxá) e Domínio Sul (rochas associadas ao Arco Magmático de
Goiás), justapostos tectonicamente ao longo de todo o segmento estudado. Os levantamentos
de campo junto com a análise estrutural micro e mesotectônicos possibilitaram a identificação
e discriminação das principais estruturas planares e lineares presentes nos dois domínios
estudados (Anexo I – Mapa Geológico).
As relações geométricas entre as feições planares observadas em campo e seções
delgadas definem uma trama que permite reconhecer um bandamento composicional e/ou
petrográfico denominado de Sn-2 e uma xistosidade bem desenvolvida denominada de
foliação Sn e/ou foliação principal.
O bandamento composicional (Sn-2) é milimétrico a métrico e é constituído por
variações de porções lepidoblásticas e granoblásticas nos metassedimentos, metaultramáficas
e gnaisses; por porções granoblásticas e nematoblásticas nas metamáficas; e pela intercalação,
centimétrica a métrica de diferentes litotipos (Foto 5.1, 5.2). O bandamento composicional é
interpretado como bandamento tectônico desenvolvido durante a estruturação tectônica da
área. Este bandamento é paralelo a uma xistosidade bem desenvolvida denominada de Sn–1,
constituída pela orientação de minerais como filossilicatos, grãos de quartzo, feldspato, etc.
Esta xistosidade Sn–1 é bem observada, principalmente, na charneira de dobras marcadas por
Sn-2 e por uma foliação paralela ao plano axial destas dobras. Nestas charneiras observam-se
arcos poligonais de micas, mostrando que esta xistosidade é mais antiga e é dobrada e
transposta por uma foliação posterior denominada de foliação principal (Sn). O termo Sn–1 é
desta forma aqui utilizado para designar uma foliação (xistosidade bem desenvolvida) paralela
ao bandamento composicional Sn-2, anterior a foliação principal (Sn).
A foliação Sn é a principal estrutura planar observada na área. É uma foliação com
feições blastomiloníticas, presente nos dois domínios estudados. A foliação Sn é marcada pela
orientação dos minerais, normalmente, paralela ao bandamento composicional (xistosidade
paralela ao bandamento), feição observada em todos os litotipos, porém com grau diferente de
desenvolvimento. Esta foliação é caracterizada pela orientação de filossilicatos (muscovita,
biotita, serpentina, talco, clorita, etc.), grãos de quartzo alongados, prismas de epidoto, cristais
de hornblenda orientados, trilhas de minerais opacos; cujas tramas minerais definem uma
71

xistosidade nas rochas, desenvolvida em grau variável. Esta foliação sobrepõe e incorpora
feições associadas a foliação Sn-1 e ao bandamento composicional Sn-2.
A relação Sn-2//Sn-1 com Sn é bem observada em locais onde se tem Sn-2//Sn-1 com
maior ângulo com a foliação Sn (Foto 5.3, 5.4, 5.5, 5.6). Nestes locais observam-se dobras
intrafoliais, recumbentes, apertadas a isoclinais, de dimensões centimétricas a métricas, com
planos axiais e flancos paralelos e/ou subparalelos a foliação Sn, resultantes da transposição
de Sn-2//Sn-1, e são interpretadas como dobras associadas à evolução desta foliação sendo
denominadas de dobras Dn. Nos locais onde não ocorre Sn-2//Sn-1 com maior ângulo em
relação a foliação Sn, observa-se apenas uma xistosidade paralela ao bandamento, não sendo
possível ver a relação entre as foliações, admite-se, nestes locais, que Sn-2//Sn-1//Sn (Foto
5.7, 5.8).
A foliação Sn, normalmente, está disposta com baixo ângulo de mergulho (mergulho
médio menor que 30º), com caimento preferencial para sudoeste e oeste (Figura 5.1). Nos
estereogramas a foliação Sn apresenta forte variação decorrente de “ondulações” e/ou dobras
abertas de dimensões métricas (Dn+1) observadas em campo.
As medidas de eixo das dobras Dn mostram baixo ângulo de mergulho, com direção
preferencial SW-NE, subparalelas a lineação mineral e com menor intensidade direção N-S
(Figura 5.1).
As medidas do plano axial das dobras Dn acompanham de modo geral as medidas de
Sn. As envoltórias destas dobras apresentam mergulhos médios a altos, para W na porção
centro-leste da área e para sudoeste na porção norte da área.
Na região central da área, em uma faixa que passa por Pontalina, com direção
aproximada NW-SE, observam-se dobras assimétricas de dimensões métricas, com planos
axiais subverticais e flancos transpostos pela foliação principal, sendo que em alguns casos,
um dos flancos está disposto paralelamente a foliação. Nesta área aparece um grande
lineamento detectável nas imagens de satélite e em fotografias aéreas, onde as medidas de
eixos de dobras e de lineação mineral dispõem-se na direção NW-SE, ou seja, com a mesma
orientação do lineamento. Esta estrutura pode representar uma zona de cisalhamento pré-Dn
ou flanco vertical de dobras pré Dn, sua caracterização não ficou bem clara.
O padrão estrutural identificado na região para ambos os domínios é mostrado na
Figura 5.2). A foliação de modo geral apresenta orientação variada, predominando, na região
a oeste de Morrinhos a direção N-S a NNE com mergulhos suaves (<40º) para W e WNW.
Esta orientação passa para a direção WNW e depois para ENE, acompanhando o contato entre
os domínios (Grupo Araxá e Arco Magmático de Goiás) (Figura 5.3).
72
73

Foto 5.1 – Bandamento composicional constituído por pequenas lentes de anfibolito (xenólitos) em
gnaisse (biotita ortognaisse porfiróide). Afloramento PO-230. Unidade A (Domínio Sul).

Foto 5.2 – Bandamento composicional constituído por variações de porções lepidoblásticas (xistos) e
granoblásticas (quartzitos). Afloramento PO-185. Unidade B (Domínio Sul).

Foto 5.3 – Bandamento composicional (Sn-2//Sn-1 constituído por intercalações de veios e/ou lentes
de quartzo em quartzo xisto transposto. Afloramento PO-185. Unidade B (Domínio Sul).

Foto 5.4 – Foliação Sn-1 paralela ao contato entre quartzito e xisto (bandamento composicional),
dobrado pela foliação Sn (transposição de Sn-2//Sn-1). Afloramento PO-213. Unidade Quartzítica
(Domínio Norte – Grupo Araxá).

Foto 5.5 – Foliação Sn-1 paralela ao contato entre quartzito e xisto (bandamento composicional)
dobrado (transposição de Sn-2//Sn-1). Afloramento PO-214. Unidade Quartzítica (Domínio Norte –
Grupo Araxá).

Foto 5.6 – Foliação Sn-1 (bandamento composicional) dobrado (transposição de Sn-2//Sn-1).


Afloramento PO-226. Unidade B (Domínio Sul).

Foto 5.7 – Muscovita-quartzo xisto dobrado. Afloramento PO-189. Unidade B (Domínio Sul).

Foto 5.8 – Xistosidade definida pela relação Sn-2//Sn-1//Sn.


74

A) B)

0.9 %
0.6 % 1.9 %
1.8 % 2.8 %
3.1 % 3.7 %
4.6 %
4.4 %
5.6 %
5.5 % 6.5 %
6.4 % 7.4 %
8.3 %
7.0 %

N=946 N=108

C) D)

0.8 % 0.8 %
1.7 %
2.5 % 1.6 %
3.4 %
4.2 % 2.5 %
5.1 %
3.3 %
5.9 %
6.8 % 4.1 %
7.6 %

N=118 N=122

E) F)

0.8 % 0.4 %
1.9 % 0.9 %
2.9 % 1.3 %
3.8 % 1.7 %
4.8 % 2.2 %
5.9 % 2.6 %
7.0 % 3.0 %
7.8 % 3.4 %
8.8 % 3.9 %
9.9 % 4.3 %
11.0 % 4.7 %
11.8 % 5.2 %

N=373 N=232

Figura 5.1 – Estereogramas das medidas estruturais obtidas no campo. A) Estereograma de pólos da
foliação Sn; B) Estereograma de pólos de planos axiais de dobras Dn, C) Estereograma dos eixos de
dobras Dn, D) Estereograma do bandamento, E) Estereograma da lineação mineral e/ou de
estiramento, F) Estereograma da lineação de intersecção de Sn com Sn-1 (=Sn-2//Sn-1).
75

A) B)

0.2 %
0.9 % 1.0 %
2.3 % 1.8 %
2.6 %
3.7 % 3.3 %
5.0 % 4.1 %
4.7 %
6.4 % 5.3 %
A 5.9 %
A 7.8 % 6.5 %
9.2 % 7.1 %
7.9 %

N=436 N=508

C) D)

1.3 % 1.3 %
3.1 % 2.7 %
5.4 % 4.0 %
7.2 % 5.4 %
9.4 % 6.7 %
11.2 % 8.1 %
13.0 % 9.4 %

N=223 N=149

Figura 5.2 – Estereogramas mostrando o padrão da foliação e lineação mineral e ou de estiramento


entre os dois domínios. A) Estereograma de pólos da foliação Sn do Domínio Norte. B) Estereograma
de pólos da foliação Sn do Domínio Sul. C) Estereograma da lineação mineral e ou de estiramento do
Domínio Norte. D) Estereograma da lineação mineral e ou de estiramento do Domínio Sul.

Na região a SW de Pontalina, a foliação Sn apresenta uma orientação mais variada. Ao


sul, da referida cidade, a direção da foliação Sn é aproximadamente W-E (Figura 5.3) com
mergulho suave para N acompanhando a direção do bandamento composicional, que marca a
crista das serras. A SE de Pontalina na região do Rio Meia Ponte, a direção da foliação muda
de orientação exibindo direção aproximadamente NW-SE, com mergulho de baixo ângulo
para W/SW. Nesta região em alguns locais observa-se que a direção da xistosidade mais
antiga Sn–1 (=Sn-2//Sn–1) é, em geral, paralela a foliação Sn, apresentando em alguns locais
mergulhos mais íngreme, mergulhando na mesma direção que a foliação Sn. A foliação Sn–1
parece marcar uma estrutura sinformal pré – Dn(?), porém, a caracterização desta estrutura
não é muito clara, uma vez que a transposição da foliação Sn torna difícil o seu
reconhecimento. Além disso, a foliação Sn também parece marcar uma estrutura sinformal,
com mergulho semelhante a Sn–1, muito provavelmente resultante de
amoldamento/acomodação da foliação Sn em estrutura pré-existente.
76

15
8084
05 40 30 30
20 658 10 10 10
45
20 15 55º
10 02 30 45
30 08 13
70 28
32 30 02
30 55
10 10 20 55
30 10 BRASIL
25 60
19
45 50 Goiás
45 02 45
10
20 02 25 20º
18 30 30 15
40 30 28
02 45
30 20 25
02
50 25
08
20 35 20 20 50º 48º 46º
15 25
30
40 50 20
14º
30 30 43
40 30
52º
50 20
60 BRASÍLIA
40 50 08 10 16º
20 35 GOIÂNIA
50 50
10 DOIS IRMÃOS Área de
estudo 18º
55
45

15 20 45 45
PONTALINA 31 15 30
20 35
10 20
20
30
20 40
20 30 696
25 10 20 30

05 40
20 10 20
10 55 45
25 85 05 30 8056
50 30 32 32
27 20
10 19
60
40 10 25
20 30
25 25
10
15 30 25 10
35 30
30 35
15
20 30 30 15 30
20 10
20 20
0 km 20 km 28
30 10
22
22 17
20
40

30
Depósitos Terrciário/Quaternários (depósitos aluvionares e detrito-lateríticos).
10 45
30 40
30 20
DOMÍNIO SUL

Cavalgamento
Terrenos Associados ao Arco Magmático de Goiás
Contatos
DOMÍNIO NORTE
Lineação mineral/estiramento

Grupo Araxá Foliação Sn

Figura 5.3 – Mapa geológico simplificado da área de estudo mostrando a variação na direção da
foliação principal (Sn) e da lineação mineral e ou de estiramento nos domínios Norte e Sul.

Tal feição (estrutura pré-Dn) também é observada no Grupo Araxá, ao longo do


alinhamento das Serras do Paraíso e Potreiro, mega estrutura que constitui o flanco sul de um
antiforme. Esta estrutura é bem marcada pelos quartzitos que compõem a Unidade Quartzítica
77

do Grupo Araxá, apresentando na região da Serra do Paraíso e Potreiro (norte da área) direção
geral E-W. A caracterização desta estrutura é dificultada pela total transposição da foliação
Sn-2//Sn-1 e pelo fato de que a foliação Sn também define uma estrutura antiformal, porém
com mergulho mais suave em relação a estrutura definida por Sn-1 (fato já ressaltado por
SIMÕES, 2005). A acomodação da foliação pode ser observada, pela variação da direção
desta, que de W para E, mergulha para SW, SE e SW acompanhando a geometria definida
pela direção da foliação Sn–1 que é paralela a direção das serras. Tais estruturas pré-Dn (ou
parte dessas estruturas) também pode ser observada nos lineamentos geomorfológicos E-W
observados a sul de Pontalina, onde aparentemente, constituem parte de uma estrutura
sinformal. Neste local em especial, a obliteração das estruturas primárias e a falta de
afloramentos não permitiu a sua caracterização, necessitando um mapeamento em maior
escala. A variação observada na direção dos eixos de dobras, na direção de Sn-1 e Sn é
interpretada como resultado de transposição/acomodação de estruturas pré-Dn. Estas
estruturas são observadas em escala macroscópica, e constitui lineamentos geomorfológicos e
dobras kilométricas com flancos paralelos a direção da foliação Sn–1. Esta estruturação pré-
Dn é pouco compreendida até o momento, já que a transposição da foliação Sn tende a
paralelisar as estruturas pré-existentes.
Microscopicamente a foliação Sn é em geral paralela a Sn–1, e é marcada por
laminação milimétrica a submilimétrica, pela orientação dos minerais e pela disposição de
delgadas lentes de espessura milimétricas a submilimétricas, dispostas paralelamente a
laminação e trama mineral (Fotomicrografia 5.1 e 5.2). A foliação Sn-1 é marcada,
microscopicamente, pelo bandamento milimétrico paralelo a uma xistosidade dobrada pela
foliação Sn (foliação de transposição). Nas charneiras destas dobras Dn se observam arcos
poligonais de micas, mostrando a existência de uma xistosidade mais antiga (Fotomicrografia
5.3, 5.4 e 5.5). Estas dobras apresentam planos axiais paralelos a subparalelos à xistosidade
Sn. Em alguns porfiroblastos de granada e hornblenda também se observam evidências desta
foliação, marcada por trilhas de inclusões retas e curvas (foliação interna Si), que não
apresenta continuidade com a foliação externa, evidenciando uma foliação anterior (pré-Dn) à
xistosidade Sn (Fotomicrografia 5.6).
Mais raramente, observam-se dobras suaves na xistosidade e bandamento Sn com
planos axiais verticais a subverticais, eixos de baixo ângulo de mergulho com direção NE-SW
e localmente com direção NW-SE e planos de fraturas espaçadas centimétrica a
milimetricamente e micro falhas (observadas em lâminas e em algumas amostras de mão),
onde aparecem cristais de epidoto e sericita orientados paralelamente a esses planos. Essas
78

estruturas são associadas a deformações pós-Dn (Dn+1 e Dn+2?); a falta de afloramentos com
essas estruturas não permitiu entender a natureza e relação estrutural das mesmas.
A principal lineação observada é a mineral e/ou de estiramento, com direção
preferencial WSW-ENE, e baixo ângulo de caimento, marcada pela orientação de
filossilicatos, cristais de quartzo alongados, trilhas de opacos, agregados fusiformes de
feldspatos e/ou quartzo e trilhas de fragmentação dos minerais mais competentes. Os
estereogramas da lineação mineral e/ou de estiramento mostram atitudes idênticas para ambos
os domínios estudados. Variações locais, como por exemplo, a NW de Pontalina, onde a
lineação mineral e/ou de estiramento apresenta direção NW-SE, paralela a direção do
bandamento ali observado, são interpretadas como “reflexos” de estruturas pré-Dn
observadas, localmente, na região de estudo. Também é observada na região de Mairipotaba –
Cromínia, onde a lineação apresenta de oeste para leste, direção SW/NE passando para
NW/SE (Figura 5.3). A lineação de intersecção (entre Sn e Sn-1) é sub paralela a lineação
mineral (e aos eixos de dobras Dn).
Em vários locais, na superfície da foliação principal (Sn), observa-se o arqueamento
da lineação de estiramento, chegando a configurar dobras abertas a fechadas, onde os flancos
tendem a se paralelisarem ao padrão geral da lineação de estiramento e/ou mineral.
Os indicadores cinemáticos macroscópicos mais comuns observados no campo são
porfiroblastos de granada, porfiroblastos/porfiroclastos de feldspato, lentes de quartzo
sigmoidais, foliação “SS” e “SC”. Os porfiroblastos de granada são euedrais a anedrais,
apresentam dimensões médias de 0,5 a 0,8 mm, sendo mais comuns no Domínio Norte,
mostram sombras de pressão assimétricas constituídas por micas e quartzo. Os porfiroclastos
de feldspato (potássico e plagioclásio) são mais comuns no Domínio Sul, e são normalmente
do tipo σ e mais raramente δ, apresentam dimensões variadas (em alguns locais chegam a 2
cm). Lentes sigmoidais constituídas por agregados de quartzo também são comuns nas duas
unidades, apresentam dimensões milimétricas a decamétricas.
Microscopicamente, os indicadores cinemáticos mais comuns são: assimetria dos
limites dos cristais de quartzo; as foliações “SS” e “SC”; porfiroblastos (de granada) e
porfiroclastos (de feldspatos e anfibólio), com caudas assimétricas constituídas por franjas e
sombras de pressão; por porfiroblastos de micas tipo “mica fish” e; por agregados de cristais
com formas sigmoidais (Fotomicrografia 5.7 e 5.8). Esses indicadores cinemáticos
evidenciam transporte de W para E, idêntico para todas as unidades.
A foliação Sn está associada à principal fase de deformação (Dn), de caráter dúctil
(caracterizada pela recristalização e orientação do quartzo e micas), que gerou dobras e
79

crenulações, que afetam a foliação Sn-1, com eixos, no geral, paralelos e/ou subparalelos a
lineação mineral e/ou de estiramento. Os indicadores cinemáticos evidenciam a atuação de
deformação não coaxial, durante o desenvolvimento da foliação principal associado a
transporte de oeste para leste.
80
81

Fotomicrografia 5.1 – Xistosidade paralela à foliação Sn (Sn-2//Sn-1//Sn). Epidoto-muscovita gnaisse.


Nicóis descruzados aumento 2,5x. Lâmina ME-86 (Domínio Sul).

Fotomicrografia 5.2 – Bandamento composicional paralela à xistosidade. Nicóis descruzados aumento


2,5x. Lâmina PO-32 (Grupo Araxá).

Fotomicrografia 5.3 – Dobras Dn. Bandamento composicional milimétrico dobrado, a dobra apresenta
flancos paralelos à foliação Sn (Sn-2//Sn-1//Sn). Nicóis cruzados aumento 2,5x. Lâmina ME-26
(Domínio Norte).

Fotomicrografia 5.4 – Bandamento composicional dobrado pela foliação Sn. Nicóis descruzados
aumento 2,5x. Lâmina PO-146.

Fotomicrografia 5.5 – Bandamento composicional dobrado pela foliação Sn que rompe parte da linha
de charneira da dobra. Nicóis descruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-153.

Fotomicrografia 5.6 – Porfiroblasto de granada exibindo foliação interna (Si) obliqua a foliação Sn.
Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-108.

Fotomicrografia 5.7 – Agregados de micas (muscovita) sigmoidais que indicam sentido de transporte
de topo de W. Nicóis cruzados, aumento 2,5x. Lâmina PO-32.

Fotomicrografia 5.8 – Granada-muscovita-biotita xisto na qual ocorrem porfiroblástos de granada com


sombras de pressão assimétricas que indicam sentido de transporte de topo de W para L. Nicóis
cruzados, aumento 2,5x. Lâmina ED-1-48.
82

CAPÍTULO VI

6 – METAMORFISMO E QUIMICA MINERAL

Como descrito nos capítulos 4 e 5, a área de estudo é constituída por uma grande
variedade de rochas, sendo preferencialmente compostas por rochas metassedimentares
(pelíticos a psamíticos), metamáficas, metaultramáficas e litotipos quartzo-feldspáticos (para e
orto gnaisses e granitos).
Neste capítulo estão descritas as principais associações metamórficas dos diferentes
tipos de rochas, bem como as transformações ocorridas no tempo. A evolução metamórfica da
região, aqui apresentada, está baseada em dados de campo aliados as análises petrográficas,
microestruturais e de química mineral.
O resultado das análises de química mineral e as fórmulas estruturais dos minerais são
mostrados no Anexo II (Tabela I). A partir dos valores dos óxidos obtidos na microssonda, os
valores dos cátions foram calculados e foram classificados utilizando-se o programa
THERMOCALC (POWELL; HOLLAND, 1994) e MINPET versão 2.02 (RICHARD, 1995).

6.1.1 – Metamorfismo no Domínio Norte (Grupo Araxá)


O domínio Norte é caracterizado essencialmente por rochas pelíticas (xistos e
gnaisses) e psamíticas (quartzitos, quartzo xistos), com algumas ocorrências de rochas
metamáficas, metaultramáficas e granitos sin-tectônicos.
Nas rochas psamíticas as principais associações minerais observadas foram:
- quartzo + plagioclásio + muscovita + biotita
- quartzo + plagioclásio + muscovita + biotita + epidoto
- quartzo + plagioclásio + muscovita + biotita + granada (com ou sem cianita e rutilo)
Nas rochas pelíticas desta unidade as principais associações minerais observadas
foram:
- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio+epidoto
- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio+epidoto+hornblenda
- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio
- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio+hornblenda
Rutilo e ilmenita são as fases óxidos presentes. Cianita e mais raramente estaurolita
podem ocorrer constituindo associações minerais do tipo:
- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio+cianita
83

- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio+cianita+epidoto+hornblenda
- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio+cianita+ hornblenda
- quartzo+muscovita+granada+biotita+plagioclásio+cianita+ hornblenda+estaurolita
A sillimanita (fibrolita) foi observada em uma amostra, junto à borda de granada que
ocorre associada a quartzo, estaurolita, cianita, muscovita, biotita e epidoto.
Essas associações minerais observadas são típicas da fácies anfibolito, zona da cianita
- estaurolita, sugerindo um gradiente de pressão superior ao barroviano típico. A pressão
indicada pela presença de epidoto + plagioclásio + granada + anfibólio (hornblenda) +
muscovita + biotita + cianita, em associação com a presença de fundidos graníticos oriundos
de metassedimentos grauvaqueanos, sem a presença de sillimanita no auge metamórfico, são
indicativas de gradiente de pressão mais elevadas do que o barroviano. Adicionalmente a
presença de rutilo junto a cianita-granada xistos indica condições de pressão mais elevada, em
um intervalo entre 550 a 650ºC (intervalo definido pela presença de estaurolita) e pressões
superiores a 5 kbar (YARDLEY, 1989).
Oito amostras de rochas pelíticas e uma amostra de anfibolito associadas ao Grupo
Araxá foram selecionadas para análise de sua mineralogia por microssonda eletrônica. A
Figura 6.1 mostra a localização das amostras analisadas e a Tabela 6.1 os minerais analisados,
de rochas do Doimínio Norte (Grupo Araxá) e do Domínio Sul.

Tabela 6.1 – Minerais analisados por microssonda eletrônica


Amostra Anfibólio Biotita Epidoto Estaurolita Feldspato Granada Muscovita
Grupo Araxá (Domínio Norte)
MA-1-34 X X X X X X
MA-1-38 X X X X
MA-1-37 X X X X X
MA-2-25 X X X X X X
MA-2-50 X X X X
MA-2-51B X X X X X X
MA-3-22 X X X X X
SG-6 X X X X
SG-153* X X X X
Domínio Sul
ME-48* X X X X
ME-1-61 X X X
ME-111 X X
PO-101 X X X X X
PO-130 X X X X
PO-83* X X
PO-100B* X X X
SG-155* X X X
* metamáficas

Os porfiroblastos de granada apresentam perfil composicional com zonação discreta,


predominando a molécula da almandina (alm61-75), seguida por piropo (prp05-17), grossulária
84

(grs03-17) e espessartita (sps01-15). A fraca zonação química é definida por leve aumento de Fe e
Mg em direção às bordas e empobrecimento de Mn e Ca. A exceção da amostra MA-2-25,
que exibe um zoneamento composicional acentuado mostrando um padrão em forma de sino,
em relação à molécula de grossulária (Figura 6.2).

8084 658 MA-2-50


55º
MA-1-38
MA-1-37 MA-1-34
MA-2-51B
BRASIL
MA-1-34 MA-2-25
Goiás
20º

ME-61 50º 48º 46º

14º

52º
BRASÍLIA
16º
GOIÂNIA
ME-111
DOIS IRMÃOS Área de
estudo 18º
ME-48
PONTALINA

696

SG-6 8056

PO-100
PO-130
PO-101 SG-153
SG-155

0 km 20 km

Depósitos Terrciário/Quaternários (depósitos aluvionares e detrito-lateríticos). PO-83

MORRINHOS
DOMÍNIO SUL

Cavalgamento
Terrenos Associados ao Arco Magmático de Goiás
Contatos
DOMÍNIO NORTE
Amostras analisadas

Grupo Araxá

Figura 6. 1 – Mapa geológico esquemático mostrando a localização das amostras analisadas

Os cristais de plagioclásio, analisados apresentam composição variando entre albita a


andesina (an5-46), tanto na borda como no núcleo dos cristais analisados, predominando a
composições entre oligoclásio a andesina, sem que ocorra zonação química concêntrica nos
85

grãos, mas ocorrendo porções de composição diferente (Figura 6.3). A albita ocorre em
algumas bordas de plagioclásios, com exceção da amostra MA-1-38 a onde a albita
predomina na borda e no núcleo.

MA-1-38 C2 MA-2-25 C2A


100 100
90 90
80 80
70 70
60 60
50 50
40 40
30 30
20 20
10 10
0 0

0,0 mm 0,4mm 0,0 mm 0,5mm


XFe Alamandina Piropo Espessartita Grossulária

Figura 6.2 – Exemplos do padrão de distribuição de proporções moleculares em granadas do Grupo


Araxá (Domínio Norte).

Ortoclásio

Anortoclásio
Or

Albita Oligoclásio Andesina

Ab An
Albita Anortita

Figura 6.3 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para rochas do Domínio Norte
(Grupo Araxá)

Os cristais de anfibólio analisados apresentam composição cálcica e são classificados


dominantemente como magnésio-hastingsita a ferro-pargasita, e subordinadamente como
tschermakita (Figura 6.4).
A biotita analisada mostra solução sólida dominada pelos membros finais flogopita,
próximo ao campo da annita e eastonita, com XMg entre 0,40 e 0,60 e exibindo pouca variação
86

no conteúdo de AlIV. Apenas as análises da amostra MA-1-38 caem no campo da annita,


mostrando XMg entre 0,41 A 0,43 (Figura 6.5).
Cristais de mica branca apresentam razão AlIV/AlVI 0,4 a 0,93, razão XMg 0,3 a 0,6, e
relação Si/Al variando entre 3,018 a 4,138 podendo ser classificada como fengita.
A estaurolita exibe baixos conteúdos em Ti (0,1 a 1,3%) e em Mg (0,80 a 1,0%)
apresentando razão XFe (variando entre 0,77 a 0,80%).

2 1 1
Pargasita
Na

Edenite Magnesio-hornblenda Tschermakita


Magnesio-hastingsita
Mg / Mg + Fe2+

Mg / Mg + Fe2+
BNa

Fe-Mg-Mn-Li Na-Ca

Ferro-pargasita

Ferro-Edenite Ferro-hornblenda Ferro-tschermakita


Ca Hastingsita

0 0
0 2 0
7.5 7.0 6.5 6.0 5.5 7.5 7.0 6.5 6.0 5.5
BCa+BNa
TSi
TSi

Figura 6.4 – Diagrama de classificação dos anfibólios analisados (Diagrama simplificado de Leake et
al. 1997).

Eastonite Siderophyllite
3
AlIV

2
0 1
Phlogopite Annite
Fe/(Fe+Mg)

Figura 6.5 – Diagrama de classificação de biotitas de rochas do Domínio Norte (Grupo Araxá).

Nas rochas metamáficas (anfibolitos) as associações minerais relacionadas ao ápice


metamórfico são:
- plagioclásio (oligoclásio/andesina) + hornblenda/(cummingtonita) + rutilo
- plagioclásio (oligoclásio/andesina) + hornblenda/(cummingtonita) + granada
87

sendo o rutilo e a ilmenita os principais óxidos associados, quartzo e epidoto também ocorrem
associados. Essas associações minerais são típicas da fácies anfibolito
As associações minerais relacionadas ao auge do metamorfismo observadas nas rochas
metamáficas são típicas da fácies anfibolito, e são equivalente a zona da estaurolita – cianita
observada nas rochas pelíticas.
Estas associações mostram que pelo menos em termos de minerais índices, as rochas
metamáficas foram submetidas a condições metamórficas com temperaturas mínimas entre
550ºC a 650ºC e pressões superiores a 5 kbar.
Uma amostra de granada anfibolito (amostra SG-153), litotipo que ocorre intercalado
em granada-muscovita-biotita gnaisse, que transiciona para granada-muscovita-biotita xisto
feldspático, desta unidade foi analisada por microssonda eletrônica.
A granada analisada apresenta composição com o predomínio das moléculas de
almandina (alm45-48) e grossulária (sps38-41), seguido da molécula de piropo (prp6,9-8,6) e
espessartita (sps4,2-5,3), não mostrando zoneamento composicional, apenas fraca variação
composicional (Figura 6.6)

SG-153

90

80

70

60
XFe
50 Alamandina
Piropo
40
Espessartita
30 Grossulária

20

10

0,0 mm 0,4mm

Figura 6.6 – Perfil composicional de granada de rocha metamáfica do Domínio Norte (Grupo Araxá)

Os cristais de anfibólio analisado apresentam composição cálcica, e são classificados


dominantemente como tschermakita, e subordinadamente como magnésio-hornblenda (Figura
6.7).
O plagioclásio analisado (amostra SG-153) apresenta composição que varia de
oligoclásio a bytownita (an30-81) predominando composições entre labradorita e andesina
(Figura 6.8). A grande variação na composição dos plagioclásios pode representar um
88

reequilíbrio acentuado na composição original desta rocha, resultantes de variação química


dos protólitos e, principalmente, de variações nas condições metamórficas, sistema mais
fechado ou mais aberto e história retrometamórfica.

2 1

Na

Magnesio-hornblenda Tschermakita

2+
Mg / Mg + Fe
BNa

Fe-Mg-Mn-Li Na-Ca

Ferro-hornblenda Ferro-tschermakita
Ca

0
0 2 0
7.5 7.0 6.5 6.0 5.5
BCa+BNa
TSi

Figura 6.7 – Diagrama de classificação de anfibólio da amostra SG-153 do Domínio Norte (Grupo
Araxá).

Ortoclásio

Anortoclásio
Or

Albita Oligoclásio Andesina Labradorita Bytonita

Ab
An
Albita Anortita

Figura 6.8 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para amostra SG-153 do Domínio
Norte (Grupo Araxá)

Nas rochas metaultramáficas predominam associações minerais típicas da fácies xisto


verde, constituídas por serpentina com talco e clorita associados, embora a natureza dessas
rochas possibilitem geração de clorita na fácies anfibolito. Magnetita e ilmenita são os óxidos
mais comuns, em alguns locais pode ocorrer rutilo. Muito raramente, são observados restos de
olivina e pseudomorfos (olivina e piroxênios), no geral, observa-se apenas o produto da
destruição total da mineralogia e das texturas primárias, restando associações minerais e
paragêneses típicas da fácies xisto verde geradas sob condições estáticas e, às vezes,
dinâmicas.
89

As paragêneses e associações minerais encontradas nas rochas metaultramáficas são


correlacionáveis às observadas nas rochas encaixantes, catalisadas pela deformação
progressiva, que ocorreu em condições de diminuição de temperatura e principalmente de
pressão.

6.1.2 – Metamorfismo no Domínio Sul


No Domínio sul a principal associação mineralógica incluindo os minerais índices
relacionados ao metamorfismo principal é constituída por:
-plagioclásio + microclínio + biotita + muscovita,
-plagioclásio + biotita + hornblenda + muscovita
Localmente, pode ocorrer granada e rutilo associados em alguns gnaisses.
Neste domínio apenas uma amostra apresenta associação mineralógica com cianita e
esta ocorre associada a plagioclásio + biotita + muscovita + granada + estaurolita + anfibólio
(amostra MA-3-37).
Duas amostras de gnaisses contendo granada foram analisadas por microssonda
eletrônica (Amostras PO-130 e PO-101). Os porfiroblastos de granada apresentam perfil
composicional com zonação discreta; predominando a molécula da almandina (alm56-59) e
espessartita (sps18-19) seguida por piropo (prp10-13), grossulária (grs02-9) na amostra PO-101 e
predomínio da molécula da almandina (alm69-75) seguida por piropo (prp11-17), grossulária
(grs02-17) e espessartita (sps0,3-7) na amostra PO-130 (Figura 6.9).
Os cristais de plagioclásio, analisados apresentam composição variando entre albita a
andesina (an5-46), tanto na borda como no núcleo dos cristais analisados, predominando
composições entre oligoclásio a andesina, sem que ocorra zonação química concêntrica nos
grãos, mas ocorrendo porções de composição diferente (Figura 6.10). A albita, normalmente,
ocorre em algumas bordas dos cristais de plagioclásios.
Os cristais de anfibólio analisados apresentam composição cálcica, e são classificados
dominantemente como magnésio-hastingsita e tschermakita (Figura 6.11). A amostra PO-101
apresenta cristais de anfibólio com zoneamento irregular, predominando na borda
composições cálcicas (tschermakita) e no núcleo por composições do Fe-Mg-Mn
(cummingtonita).
A biotita analisada mostra solução sólida dominada pelos membros finais flogopita,
próximo ao campo das annitas, com razão XMg variando de 0,4 a 0,6, apresentado pouca
variação no conteúdo de AlIV (Figura 6.12).
90

Cristais de mica branca apresenta razão AlIV/AlVI 0,3 a 0,6, razão XMg = 0,49 a 0,67 e
XFe = 0,3 a 0,5, relação Si/Al variando entre 1,1 a 1,4 podendo ser classificada como
muscovita.

PO-101 C3 PO-130 C2
90 90
80 80
70 70
60 60
50 50
40 40
30 30
20 20
10 10
0 0

0,0 mm 0,4mm 0,0 mm 0,5mm

XFe Alamandina Piropo Espessartita Grossulária

Figura 6.9 – Perfis composicionais de distribuição de proporções moleculares em granadas de


gnaisses do Domínio Sul.

Ortoclásio

Anortoclásio
Or

Albita Oligoclásio Andesina

Ab An

Albita Anortita

Figura 6.10 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para rochas do Domínio Sul

As metamáficas desta unidade apresentam associações minerais do tipo:


- granada + plagioclásio + hornblenda + rutilo + ilmenita,
- plagioclásio + hornblenda + rutilo + ilmenita.
sendo o rutilo e ilmenita os principais óxidos associados, quartzo e epidoto também ocorrem
associados. Essas associações minerais são típicas da fácies anfibolito
As associações minerais relacionadas ao auge do metamorfismo, observadas nas
rochas metamáficas são típicas da fácies anfibolito, e são equivalentes a zona da estaurolita –
91

cianita observada nas rochas pelíticas. Estas associações mostram que, pelo menos em termos
de minerais índices, as rochas metamáficas foram submetidas a condições metamórficas com
temperaturas mínimas entre 550ºC a 650ºC e pressões superiores a 5 kbar.
Uma única amostra apresenta a paragênese mineral hornblenda + andesina/labradorita
+ clinopiroxênio indicando que, localmente condições de temperaturas mais elevadas (fácies
anfibolito médio a alto) foram alcançadas.

2 1
Pargasita
Na

Edenite
Magnesio-hastingsita

Mg / Mg + Fe2+
BNa

Fe-Mg-Mn-Li Na-Ca

Ferro-pargasita

Ferro-Edenite

Ca Hastingsita

0 0
0 2 7.5 7.0 6.5 6.0 5.5
BCa+BNa
TSi
1 1

Magnesio-hornblenda Tschermakita Cummingtonita


2+

Mg / Mg + Fe2+
Mg / Mg + Fe

Ferro-hornblenda Ferro-tschermakita Grunerita

0 0
7.5 7.0 6.5 6.0 5.5 8.0 7 7.0 5.5

TSi TSi

Figura 6.11 – Diagrama de classificação de anfibólios das amostras ME-1-61 (quadrados cinzas) e
PO-101 (quadrados brancos).

Quatro amostras de anfibolito foram analisadas por microssonda eletrônica (amostras


ME-48, PO-83, PO-100 e SG-155).
Os cristais de anfibólio analisados apresentam composição cálcica, e são classificados
dominantemente como magnésio-hornblenda/tschermakita a magnésiohastingsita (Figura
6.13). No caso da amostra PO-100 alguns pontos caem no grupo dos anfibólios Fe-Mg-Mn
sendo classificados como cummingtonita, estas composições ocorrem tanto na borda como no
92

núcleo de cristais analisados, e podem resultar da transformação de ortopiroxênio (Figura


6.13).

Eastonite Siderophyllite
3

IV
Al

2
0 1
Phlogopite Annite
Fe/(Fe+Mg)

Figura 6.12 – Diagrama de classificação de biotitas de rochas do Domínio Sul.

1,0
tremolita
0,9 pargasita

actinolita magnésiohornblenda tschermakita edenita Cummingtonita


Mg / (Mg + Fe )

magnésiohastingsita
2

0,5

ferropargasita
ferro- ferrohornblenda ferrotschermakita ferro-edenita grunerita
actinolita
hastingsita

0,0
8,0 7,5 7,0 6,5 6,0 5,5 7,5 7,0 6,5 6,0 8 7
Si na fórmula Si na fórmula Si na fórmula

Figura 6.13 – Diagrama de classificação dos anfibólios analisados (Diagrama simplificado de Leake
et al. 1997).

Os cristais de plagioclásio analisados apresentam composições que variam de


oligoclásio a bytownita (Figura 6.14), predominando as composições de labradorita. A
amostra PO-83 é a que apresenta maior variação composicional, variando de oligoclásio a
labradorita, tanto na borda como no núcleo, entretanto predominam composições de
labradorita na borda dos cristais.
Duas amostras contendo granada (granada anfibolito) foram analisadas (amostra PO-
100B e SG-155). Os perfis mostram que predominam composições de moléculas de
almandina (alm49-69), seguido da molécula de piropo (prp15-28), grossulária (sps6-18) e
93

espessartita (sps0,9-5) não mostrando zoneamento composicional, apenas fraca variação


omposicional (Figura 6.15).

Ortoclásio

Anortoclásio

Albita Oligoclásio Andesina Labradorita Bytownita Anortita

Albita Anortita

Figura 6.14 – Diagrama triangular para classificação de feldspatos para rochas do Domínio Sul

SG-155 PO-100B C1
90 90
80 80
70 70
60 60
50 50
40 40
30 30
20 20
10 10
0 0

0,0 mm 0,3 mm 0,0 mm 0,4 mm

XFe Alamandina Piropo Espessartita Grossulária

Figura 6.15 – Padrão de distribuição de proporções moleculares em granadas de anfibolitos do


Domínio Sul.

O clinopiroxênio foi observado apenas na amostra SG-155 e apresenta composição de


diopsídio, sendo que apenas em dois pontos detectou-se deficiência de cálcio, gerando
composição compatível com augita (Figura 6.16).
Essas associações minerais são correlacionáveis ao auge metamórfico e ao início do
retrometamorfismo dinâmico observado na região, relacionado ao estágio inicial da principal
fase deformacional de caráter dúctil (Dn) reconhecida na área (de caráter regional), que
permitiu a orientação e recristalização mineralógica, em toda a área estudada. Esse fato é
94

evidenciado pelo crescimento de granada e hornblenda com “trilhas” de inclusões


apresentando padrões retos (inclusões de plagioclásio, epidoto, quartzo, rutilo e ilmenita). Isto
evidencia o crescimento cedo- a sin-Dn, ou mesmo pré-Dn, desses minerais.

Wo

Diopside Hedenbergite

Augite

Pigeonite
Clinoenstatite Clinoferrosillite

En Fs

Figura 6.16 – Composição de cristais de piroxênio da amostra SG-155 (Domínio Sul)

Uma segunda associação mineral caracterizada por associações mineralógicas


retrometamórficas é observada em toda a área de estudo. Essa associação evidencia uma
variação das condições metamórficas da fácies anfibolito para a fácies xisto verde alto a
médio.
As associações minerais retrometamórficas, observadas nas unidades, são constituídas
por clorita, epidoto, albita, (muscovita?) e sericita e são observadas nos dois domínios
estudados. Resultante de reações retrometamórficas do tipo:

- hornblenda castanha ⇒ hornblenda verde ⇒ actinolita, biotita e clorita (nas


metabásicas),
- granada e hornblenda ⇒ biotita, clorita (nos metassedimentos e nos gnaisses),
- biotita e rutilo ⇒ ilmenita e titanita (nos metassedimentos e nos gnaisses);
- oligoclásio e feldspato potássico ⇒ muscovita e epidoto e,
- oligoclásio/andesina ⇒ albita, epidoto, muscovita/sericita (metassedimentos e
gnaisses);
- biotita ⇒ clorita (nos metassedimentos e gnaisses).
- clinopiroxênio ⇒ hornblenda
95

Deve-se, entretanto, ressaltar que o epidoto podem ocorrer na fácies anfibolito baixo a
médio coexistindo com as paragêneses citadas acima, da mesma forma que clinopiroxênio e
hornblenda. As reações minerais do tipo cummingtonita ⇒ hornblenda ⇒ biotita, observada
em algumas metamáficas; o aumento da composição de molécula de espessartita nas granadas
sem uma queda acentuada nos valores de almandina; formação de ilmenita na borda de rutilo,
a formação de hornblenda na borda de clinopiroxênio, indica que ocorreu um reequilíbrio de
mais baixa temperatura ainda na fácies anfibolito.
Esse reequilíbrio retrogressivo, na fácies anfibolito, aparenta ser contínuo e foi
catalisado pela progressão da deformação principal. A albita ocorre normalmente na borda de
plagioclásios mais cálcicos e na borda de microclínio esta é considerada como sendo resultado
de retrometamorfismo.
Quanto ao epidoto, alguns cristais ocorrem orientados segundo a foliação ocorrendo
isoladamente na matriz, enquanto observa-se que nos gnaisses ocorrem cristais euédricos, sub
euédricos a anédricos não orientados indicando duas gerações deste mineral. Uma geração
pode estar relacionada às condições metamórficas mais elevadas junto à associação principal,
em condições de pressão mais alta (fácies epidoto anfibolito) e a outra ao retrometamorfismo.
Estes minerais ocorrem junto a hornblenda, feldspato e granada. As feições petrográficas
indicam que parte destes minerais são tardi- Dn, pois ocorrem parcialmente orientados
enquanto em algumas porções não apresentam orientação indicando origem pós- Dn.
A está ultima associação mineral é associada uma muscovitização pronunciada
observada principalmente nas rochas da Unidade B do Domínio sul, embora também seja
observada em rochas da Unidade A, próximo ao contato com a Unidade B, a qual permitiu a
cristalização de muscovita sobre feldspatos e a “xistificação” de gnaisses.
Essa associação mineral retrometamórfica é resultante do equilíbrio mineral sin- a
tardi-Dn, pois os minerais formados nessa fase se encontram parcialmente orientados. Esse
aspecto é evidenciado, principalmente nas unidades do Domínio Sul.
Uma última associação mineral, menos evidente, é correlacionável a um estágio
evolutivo tardi- pós-Dn, de natureza estática o qual permitiu a cristalização de sericita sobre
muscovita e feldspatos, epidoto não orientados sobre feldspatos e granadas, clorita não
orientada sobre granada, biotita e anfibólio e epidoto e clorita em fraturas.
Cabe ressaltar que esta fase pode ter sido desenvolvida em paralelo com a anterior,
posicionando-se nas porções afetadas apenas por fraturamentos nos estágios finais do
96

desenvolvimento da foliação principal; enquanto que a segunda etapa está associada à


deformação dinâmica (zonas de concentração da deformação).

6.2 - GEOTERMOBAROMETRIA

Neste item são apresentados os resultados das estimativas de P e T de sete amostras do


Domínio Norte (amostras MA-1-34, MA-1-37, MA-2-25, MA-2-50, MA-2-51B, MA-3-22 e
SG-6) e de uma amostra do Domínio Sul (PO-130). Os minerais índices relacionados ao
metamorfismo principal foram analisados por microssonda eletrônica (marca Cameca, modelo
SX50), no laboratório de Microssonda do Instituto de Geociências da Universidade de
Brasília. Os cálculos das condições de P-T do metamorfismo foram feitos com o programa
THERMOCALC (POWELL; HOLLAND, 1994). O THERMOCALC é um programa que
utiliza um grande banco de dados termodinâmicos o que torna possível calcular as atividades
dos minerais, ou seja, calcular as P e T de uma dada associação mineral utilizando as
possíveis interações entre eles, tornando em alguns casos uma melhor determinação dos
valores de P e T envolvidas nos processos metamórficos. Todas as soluções sólidas
relacionadas ao pico metamórfico foram analisadas. A tabela 6.2 apresenta o resumo das
associações minerais observadas e utilizadas no cálculo das condições de P e T.

Tabela 6.2. Associações minerais presentes nas amostras usadas para termobarometria. A localização
das amostras é mostrada na Figura 6.1.

Amostras - MA-1-34 MA-2-25 MA-2-50 MA-2-51 MA-3-22 MA-1-37 SG-6 PO-130


Anfibólio X X X X
Biotita X X X X X X X X
Cianita X X
Epidoto X X X X
Estaurolita X
Feldspato X X X X X X X X
Granada X X X X X X X X
Muscovita X X X X X X X X
Quartzo X X X X X X X X
Sillimanita X

As estimativas do pico metamórfico, para as oito amostras listadas acima, foram feitas
utilizando-se as composições das bordas dos minerais, adotando para o cálculo os maiores
valores de almandina (granadas), de Mg/Mg+Fe (biotitas), de Si nas muscovitas e de anortita
(plagioclásios) e a composição mais representativa dos outros minerais presentes.
97

Na lâmina da amostra MA-1-37, é possível inferir a trajetória P-T da progressão do


metamorfismo em virtude da sucessão de inclusões observadas em porfiroblastos de granada,
onde do centro para a borda do grão são observadas inclusões de estaurolita, cianita e
sillimanita (na forma de fibrolita), que definem a porção progressiva de trajetória P-T horária,
típica de cinturões colisionais (ENGLAND; THOMPSON, 1984). Em outra lâmina (MA-2-
50), as inclusões de plagioclásio em porfiroblasto de granada indicam evolução de
aquecimento semelhante, pois o conteúdo de anortita das inclusões aumenta do núcleo para a
borda do porfiroblasto de granada, com valores variando de An5, bem próximos ao núcleo,
aumentando gradativamente até An10 e daí para An20, marcando o hiato de miscibilidade da
peristerita, com aumento gradativo até An35 próximo às bordas, que é a composição dos grãos
da matriz.
O aparecimento de cianita em associação com anfibólio e a presença desta fase
mineral em rochas com evidências de anatexia, sem transformação para sillimanita, sugerem
que o ambiente de pressão, pré- a cedo-desenvolvimento da foliação principal, foi superior ao
barroviano.
Os resultados dos cálculos das condições de P-T do metamorfismo são mostrados na
Tabela 6.3.

Tabela 6.3 - Resultados das condições P e T do metamorfismo calculados com o THERMOCALC

Amostra T (ºC) P (kbar)


MA-1-34 617±28 10,3±1
MA-1-37 603±25 10,1±0,9
MA-2-50 594±7 9,1±0,2
MA-2-51 610±6 9,9±0,9
MA-3-22 593±20 8,3±0,6
MA-3-37 610±11 8,5±0,7
SG-6 570±19 8,5±0,6
PO-130 629±30 8,6±1,1

Na região de Mairipotaba a temperatura calculada está em torno de 610 ºC e pressão


de 9,5 kbar, valores compatíveis com o campo de estabilidade da cianita e estaurolita. Na
amostra MA-1-37, que apresenta cianita e sillimanita, os cálculos efetuados apresentam
melhor resultado estatístico quando cianita é usada, ao invés da sillimanita, o que é
compatível com as amostras que não apresentam aluminossilicatos e cujos cálculos produzem
condições P-T no campo da cianita.
98

Isso indica que o auge do metamorfismo ocorreu no campo de estabilidade da cianita


e que a sillimanita, observada apenas em uma amostra, cresceu no estágio de descompressão
e resfriamento durante a porção regressiva da trajetória P-T, percorrida pela rocha na
litosfera. Isso indica que mesmo apresentando série de fácies cianita-sillimanita, o gradiente
do campo metamórfico do Grupo Araxá não é aquele típico de metamorfismo barroviano,
pois o gradiente apresenta razão P/T mais elevada (Figura 6.17).
Baseando-se nas variações na composição química dos minerais é possível afirmar que
estes valores representem, na realidade, um reequilíbrio em condições mais brandas do que o
auge metamórfico que as rochas foram submetidas, uma vez que por toda a área observa-se
evidências de anatexia nos leitos menos refratários, fato que projeta o auge metamórfico para
valores acima de 640º C. Outro fato é que as paragêneses que ocorrem nessas amostras
abrangem um amplo campo de estabilidade, dificultando uma estimativa mais apurada das
condições de metamorfismo reinante no pico metamórfico.

13

12

11
Gr
t B

10
t A
St

9
hl
t
P (kbar)

8
St+C
i+B
St+ AlSi
l

AlS
Ch
+

7
Cld

6 Ky
l
5 Sil
Ky
4 Sill
And And
3

400 450 500 550 600 650 700


T (oC)

Figura 6.17 – Diagrama P x T mostrando a trajetória P – T do metamorfismo da área de estudo.

Quatro amostras de rochas metamáficas, sendo três do Domínio Sul (ME-48, PO-83,
PO-100B) e uma do Domínio Norte (SG-153), foram tomadas para calcular os valores de
temperatura e pressão. Para tal, utilizou-se o programa ESCHER (OTTEN, 1984), usando
como geotermômetro os valores de Ti em hornblendas e como geobarômetro os valores de Al
em hornblendas. Apesar do fato que o geotermômetro e geobarômetro utilizados serem
idealizados para rochas ígneas as temperaturas e pressões obtidas são compatíveis com as
associações minerais presentes.
99

O geotermômetro indicou temperaturas que variam de 550ºC a 700ºC, com


predomínio de temperaturas na ordem de 570 a 630 ºC (Figura 6.18). As pressões calculadas
pelo geobarômetro (BLUNDY; HOLLAND, 1990) se mostraram muito variadas (3 kbar a 11
kbar) com predomínio de pressões por volta de 5 a 9 kbar (Figura 6.18). Os valores de
temperatura para a borda nos cristais de hornblenda variarão de 553ºC a 642ºC e entre 561ºC
a 666ºC para o núcleo dos cristais. Apenas um valor esteve fora destes intervalos, ponto do
núcleo da amostra PO-83, cuja temperatura calculada foi de 737ºC. A média dos valores de
temperatura são de 638ºC para o núcleo e de 597ºC para a borda. As estimativas de pressão
variaram entre 4,8 a 10,88 Kbar no núcleo dos cristais de hornblenda e entre 3,6 a 9,8 na
borda dos cristais. A ampla variação destes valores pode representar efeitos de
retrometamorfismo ou reequilíbrio composicional pós auge metamórfico ou então que o auge
metamórfico ocorre em condições mais elevadas de P e T.
Com base nos dados apresentados acima pode-se inferir que o metamorfismo, em seu
ápice, pode ter atingido temperaturas pouco superiores à 650oC, não devendo ter ultrapassado
700oC, enquanto que o ambiente de pressão foi superior ao barroviano (presença de cianita,
estaurolita, junto com hornblenda, epidoto, produtos anatéticos e ausência de sillimanita).
Desta forma, as associações de minerais atribuídas, por estudos petrográficos ao ápice
metamórfico, na maioria dos casos, estão registrando um reequilíbrio tectono-metamórfico,
em condições de temperatura e, principalmente, pressão menores que do auge metamórfico,
que mostra ser pré- a cedo- desenvolvimento da foliação principal de baixo ângulo de
mergulho.

12
m ta
ita
lli ni
an
Si Cia

8
P Kbar

4
Sil
An lima
ita da nit
an ita luz a
Ci aluz ita
d
An
0
200 400 600 800 1000
o
TC

Figura 6.18 - Diagrama P - T mostrando as condições de pressão (BLUNDY; HOLLAND, 1990) e


temperatura (OTTEN, 1984) cálculadas em anfibólios. + = núcleo dos cristais. x = borda dos cristais.
100

CAPÍTULO VII

7 - GEOQUÍMICA

Foram selecionadas 37 amostras para análise química (rocha total), destas amostras
dezenove correspondem a amostras de gnaisses, e dezoito a amostras de rochas metamáficas.
Todas as amostras pertencem ao Domínio Sul. As amostras selecionadas para estudos
litogeoquímicos foram analisadas no Laboratório de Geoquímica (Labogeo) do Departamento
de Petrologia e Metalogenia - DPM do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE),
UNESP - Câmpus de Rio Claro.
As análises de elementos maiores (SiO2, TiO2, Al2O3, Fe2O3T, MnO, MgO, CaO,
Na2O, K2O, P2O5 e o LOI) e traços (Ba, Cr, Cu, Nb, Ni, Rb, Sr, Y e Zr) foram feitas pelo
método de Fluorescência de Raios X (FRX) e a análise dos Elementos Terras Raras (ETR -
La, Ce, Nd, Sm, Eu, Gd, Dy, Er, Yb, Lu) foram feitas pelo método ICP–AES (Espectrometria
de Emissão Atômica, com Fonte de Plasma Acoplado Indutivamente).
Para a manipulação dos dados geoquímicos e construção dos diagramas utilizou-se o
programa MINPET, versão 2.02 (RICHARD, 1995). A localização das amostras analisadas é
mostrada na Figura 7.1 e o resultado das análises químicas estão apresentados na Tabela I
(Anexo III) respectivamente.

7.1 – Geoquimica das rochas gnáissicas


Das 19 (dezenove) amostras de gnaísses selecionadas para estudos litogeoquímicos,
todas pertencentes a Unidade A (Domínio Sul), 7 (sete) foram selecionadas para quantificação
dos teores dos Elementos Terras Raras (La, Ce, Nd, Sm, Eu, Gd, Dy, Er, Yb e Lu) pelo
método ICP–AES.
Os resultados mostram que os gnaisses da região de Pontalina apresentam uma grande
variação no conteúdo de elementos maiores (SiO2 - 63 a 81%, TiO2 - 0,20 a 1,06%, Al2O3 -
11,44 a 17,81%, Fe2O3T - 1,50 a 6,32%, MnO - 0,03 a 0,11%, MgO - 0,12 a 2,42, CaO – 0,47
a 4,69%; Na2O - 1,70 a 4,92%, K2O - 2,91 a 4,15% e de P2O5 - 0,04 a 0,46%) (Figura 7.2).
São rochas de composição cálcica a cálcio-alcalina, metaluminosas a peraluminosas
com predomínio dos termos peraluminosos (Figura 7.3A), apresentando razão molecular
A/CNK variando entre 0,87 a 1,33. Possuem grande variação composicional em termos de
mineralogia normativa (CIPW), variando entre granito-trondhjemito-granodiorito (Figura
7.3B).
101

8084 658
55º

BRASIL

Goiás
20º
ME-37

ME-100 ME-100
ME-61 50º 48º 46º
ME-87
ME-86
14º
ME-83
ME-113 52º
ME-165 ME-81 BRASÍLIA
16º
ME-166 ME-112 GOIÂNIA
ME-111
DOIS IRMÃOS Área de
estudo 18º

ME-48
PONTALINA ME-46

696
ME-81
ME-142
8056
ME-149
PO-16A PO-136
PO-102 PO-99
PO-98
PO-100B
PO-132 PO-100
PO-133
PO-142 PO-163
PO-76
PO-75
PO-168
PO-70
0 km 20 km PO-71
PO-61A
PO-63

Depósitos Terrciário/Quaternários (depósitos aluvionares e detrito-lateríticos). PO-83

MORRINHOS
DOMÍNIO SUL
Cavalgamento
Terrenos Associados ao Arco Magmático de Goiás
Contatos
DOMÍNIO NORTE Amostras analisadas

Grupo Araxá
- metamáfics
- gnaisses

Figura 7.1 – Mapa geológico esquemático mostrando a localização das amostras analisadas. Círculos
brancos: amostras de gnaisses; círculos pretos: amostras de anfibolitos

Possuem grande variação no conteúdo de elementos incompatíveis, apresentando


teores relativamente baixos a moderados de Y e Nb e, alto conteúdo de Ba, Sr e Rb (Figura
7.4A). O padrão de distribuição de elementos imcompatíveis normalizados pelo manto
102

primitivo (TAYLOR; MACLENNAN, 1985) mostra um enriquecimento em K, Rb, Ba, e Sr


em relação a Nb, ETR, Zr, Ti e Y, mostrando anomalias acentuadas de Nb e Ti.

2 20
TiO2 Al2O3 8 FeOT MgO
5

1 15 5 3

1
11 2

8 CaO Na2O K2O P2O3


4 0.4
4

5 0.3
3
2 0.2

2 2
0.1

0
50 60 70 80 90 50 60 70 80 90 50 60 70 80 90 50 60 70 80 90
SiO2 SiO2 SiO2 SiO2

Figura 7.2 - Padrão de distribuição Ti2O2, Al2O3, FeOT, MgO, CaO, Na2O, K2O e P2O3 versus Si2O.
Cruzes = amostras analisadas. Quadrados = rochas de outras regiões relacionadas ao Arco Magmático
de Goiás (Arenópolis e Mara Rosa, dados de PIMENTEL; FUCK, 1991; VIANA et al., 1995).

A) B)
Anortita
3.0
Metaluminous Peraluminous A - Tonalito
2.8
B - Granodiorito
2.6
C - Adamelito
2.4
D - Trondjemito
2.2
E - Granito
2.0
1.8
A/NK

A
1.6
B
1.4 C
1.2
1.0
Peralkaline
0.8
0.6
D
0.4 E
0.5 1.0 1.5 2.0
A/CNK Albita Ortoclásio

Figura 7.3 – (A) Gráfico de classificação baseada na relação Al2O3, Na2O, K2O e CaO. Cruzes =
amostras analisadas. (B) Gráfico de classificação baseado em minerais normativos. Cruzes = amostras
analisadas. Quadrados cinzas = rochas de outras regiões relacionadas ao Arco Magmático de Goiás
(Arenópolis, Iporá, Mara Rosa e Firminópolis, dados de PIMENTEL; FUCK, 1991; RODRIGUES et
al., 1999; VIANA et al., 1995).

O conteúdo total de ETR (elementos terras raras) varia de baixo a alto (ΣETR = 58,25
a 339,95), predominando os conteúdos moderados. Os padrões de distribuição de ETR
103

normalizados pelo manto primitivo (TAYLOR; MACLENNAN, 1985) apresentam baixos


conteúdos de ETRP (elementos terras raras pesados), exibindo distribuição subhorizontal,
possuindo conteúdos globais variando de 1 a 10 vezes os valores do manto primitivo (Figura
7.4B).
O padrão de distribuição de ETRL (elementos terras raras leves) é fracionado com
enriquecimento moderado a alto, variando de 1 a 100 vezes o valor do padrão de
normalização (manto primitivo). De modo geral, as curvas de distribuição de elementos terras
raras são semelhantes para as amostras, variando apenas no grau de enriquecimento e nas
anomalias de Eu.

A) B)
600
100
Amostra / Manto Primitivo

Amostra / Manto primitivo


100

10

10

1
Sr K Rb Ba Nb La Ce Zr Sm Ti Y La Ce Nd Sm Eu Gd Dy Er Yb Lu

Figura 7.4 – (A) Padrão de distribuição de elementos incompatíveis normalizados pelo manto
primitivo (TAYLOR; MACLENNAN, 1985). (B) Padrão de distribuição de ETR normalizados pelo
manto primitivo (TAYLOR; MACLENNAN, 1985). Cruzes = amostras analisadas. Área cinza =
rochas de outras regiões relacionadas ao Arco Magmático de Goiás (Arenópolis, Sancrerlândia,
Matrinxã e Mara Rosa, dados de PIMENTEL; FUCK, 1991; VIANA et al., 1995).

Os conteúdos e padrões de distribuição de elementos incompatíveis são concordantes


com os padrões de rochas do Arco Magmático de Goiás, revelando composições semelhantes
à de granitos de arcos vulcânicos (Figura 7.5).
Quimicamente os gnaisses do Arco Magmático de Goiás na região de Arenópolis,
Matrinxã e Sancrerlândia e Mara Rosa são metaluminosos de caráter cálcico a cálcio alcalino,
com baixos teores de álcalis e altos de CaO, MgO, P2O5 e Al2O3, mostrando claro
enriquecimento em elementos litófilos de íons grandes - LILE em relação a Nb, Y e Zr e ETR,
e baixa abundância de Y e Yb (Pimentel e Fuck, 1991; Rodrigues et al., 1999; Viana et al.,
1995). A comparação dos dados geoquímicos das rochas da região de Pontalina com outras
104

regiões do Arco Magmático de Goiás, mostra que os gnaisses de Pontalina são pouco
diferentes das áreas tipo do Arco Magmático de Goiás (Arenópolis, Mara Rosa,
Sancrerlândia, Iporá e Firminópolis), sendo em parte mais diferenciadas. Na região de
Pontalina os gnaisses tendem a ser mais empobrecidos em Al2O3, FeOT, MgO, CaO e P2O5 e
Sr e mais enriquecidos em Ba, K2O e ETRL, com valores similares de Na2O, TiO2, Sr, Y, Nb,
Rb, Zr, Ni e ETRP. Os baixos conteúdos em álcalis, o enriquecimento em Ba, Sr, K, Rb em
relação a Nb, Y e Zr e ETR, e as anomalias negativas de Y e Ti, mostram que as rochas
apresentam características geoquímicas de magmas gerados em arcos magmáticos.

2000 1000
1000
Syn-COLG WPG

WPG

100
100
Nb
R b

VAG+
Syn-COLG
10
10

VAG ORG ORG

1 1
10 100 1000 10 100 1000
Y+Nb Y

Figura 7.5 - Gráficos discriminantes de ambientes tectônicos (PEARCE et al., 1984). Cruzes =
amostras analisadas. Quadrados cinza = rochas de outras regiões relacionadas ao Arco Magmático de
Goiás (Arenópolis, Sancrerlândia, Iporá, Firminópolis, Matrinxã e Mara Rosa, dados de PIMENTEL;
FUCK, 1991; RODRIGUES et al., 1999; VIANA et al., 1995).

7.2 – Geoquímica das rochas metamáficas


Foram selecionadas dezoito amostras de rochas metamáficas para estudos
litogeoquímicos (análises de elementos maiores e traços) e destas foram selecionadas 12
amostras para quantificação dos teores dos Elementos Terras Raras. Todas as amostras
analisadas pertencem ao Domínio Sul.
Como as rochas estudadas foram metamorfisadas na facies anfibolito, foram utilizados
os diagramas CaO vs. Na2O (MULLEN, 1982) e Na2O + K2O vs. Na2O/K2O (MIYASHIRO,
1975) para avaliar se ocorreram modificações químicas significativas no quimismo original
dos protólitos das rochas analisadas (Figura 7.6). Estes diagramas indicam que algumas
amostras podem ter sofrido alteração química, principalmente em relação a Na2O e K2O.
105

10 100
9
Espilitos
8
7 10 Rochas alteradas

Na2O / K2O
Na2O 6 Rochas não
5 espilitizadas
4
1
3
2
Rochas não alteradas
1
0 0.1
0 10 20 0 2 4 6 8 10 12 14 16
CaO Na2O + K2O

Figura 7.6 – Diagramas para discriminação de rochas espilitizadas e alteração por processos pós
magmáticos. (A) Diagrama de Müllen (1982) e (B) Diagrama de Miyashiro (1975).

A ausência de estruturas, mineralogia ou texturas primárias, em função da intensa


recristalização ocorrida durante a evolução tectono-metamórfica, não permitiu a definição da
origem das rochas. Desta forma, a natureza do protólito destas rochas foi caracterizada, com
base nos dados químicos, utilisando-se o diagrama Ni vs. Zr/Ti (WINCHESTER et al., 1980)
e pelo diagrama de Leake (1964), que utiliza os parâmetros e/ou números de Niglli (1954)
(Figura 7.7).

A) B)
80

60
Zr/TiO2 ppm

c 40

20

0
0.0 0.2 0.4 0.6 0.8 1.0
mg

Figura 7.7 – Diagramas para caracterização química da origem dos protólitos de rochas metamáficas.
(A) Diagrama de Winchester et al (1980) e (B) Diagrama de Leake (1964) onde Mg e c correspondem
aos parâmetros de Niggli (1954).

Quimicamente a maioria das amostras apresenta natureza básica, predominando


composições de basaltos sub-alcalinos e basaltos andesíticos (Figura 7.8). Os diagramas
106

alcalis vs sílica e AFM (IRVINE; BARAGAR, 1971) mostram que as rochas metamáficas
analisadas apresentam afinidade toleítica subalcalina a alcalina (Figura 7.9).

A) B)
5 18

Com/Pant Phonolite
1 15
Phonolite
Z r /T iO 2 * 0 .0 0 0 1

Rhyolite 12 P-N Trachyte


Trachyte
0.1 Rhyodacite/Dacite P-T Benmorite
9 Rhyolite
TrachyAnd Mugearite
B+T Trachyandesite
Andesite Hawaiite
6 Nephelin Dacite
0.01 Bsn/Nph
Andesite/Basalt B-A Andesite
3 Basalt
Alk-Bas
SubAlkaline Basalt
0.001 0
0.01 0.1 1 10 35 45 55 65 75
Nb/Y

Figura 7.8 – Composição das amostras da área de estudo. (A) Diagrama de Winchester e Floyd
(1977). (B) Diagrama de Cox et al. (1979).

A) B)
20
18
16
Tholeiitic
14
12
10
8 Alkaline
6
4
2 Subalkaline Calc-Alkaline
0
35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85

Figura 7.9 – (A) Diagrama de álcalis vs. sílica (Irvine e Baragar, 1971), mostrando a natureza
subalcalina das amostras analisadas. (B) Diagrama AFM (A = Na2O + K2O; F = FeOT, M = MgO)
mostrando o caráter toleítico das amostras analisadas.

Os resultados analíticos para elementos maiores, incompatíveis e ETR das rochas


metamáficas analisadas são apresentados na Tabela 1.4, 1.5 e 1.6 (Anexo III)
respectivamente. O conjunto de amostras analisadas, não mostra trends ou grupos bem
definidos, apresentando grande dispersão nos conteúdos dos elementos analisados (Figura
7.10).
107

60.0 3.0 30.0


SiO2 TiO2 Al2O3

2.0

50.0 20.0

1.0

40.0 0.0 10.0


20.0 0.60 20.0
FeOT MnO CaO
0.50

0.40

10.0 0.30 10.0

0.20

0.10

0.0 0.00 0.0


5.0 4 0.70
Na2O K2O P2O5
0.60
4.0 3
0.50

0.40
3.0 2
0.30

0.20
2.0 1
0.10

1.0 0 0.00
2000 200 700
Ba Rb Sr
600

500

400
1000 100
300

200

100

0 0 0
20 300 60
Nb Zr Y
50
200
40
10
30
100
20

0 0 10
200 600 600
Ni Cr Cu
500 500

400 400

100 300 300

200 200

100 100

0 0 0
0 10 20 0 10 20 0 10 20
MgO MgO MgO

Figura 7.10 – Diagramas binários de elementos maiores e incompatíveis vs MgO, mostrando a


variação da composição das amostras analisadas.
108

As rochas apresentam baixa a alta concentrações de álcalis (Na2O = 1,19 - 4,37 e K2O
= 0,09 – 2,45), baixas concentrações de MnO (<0,53%) e de P2O5 (<0,67%). O conteúdo de
MgO varia de 4,31 a 10,75%, o de Fe2O3T varia de 7,61 e 17,76 e o de CaO entre 5,67 a
12,14%. Em relação aos elementos incompatíveis (Figura 7.10) os diagramas de variação em
relação a MgO apresentam, como observado também em relação aos elementos maiores, uma
grande dispersão, não exibindo tendências e/ou trends bem marcados.
O conteúdo e padrão de distribuição de elementos terras raras das amostras analisadas,
quando normalizadas pelo condrito (TAYLOR; MACLENNAN, 1985), permitem separar as
amostras em dois grupos de distribuição (Figura 7.11).

A) B)
BIO* BIO*
100 BTAI*** 100 BTAI***
E-MORB* E-MORB*
N-MORB* N-MORB*
Amostra / Condrito

Amostra / Condrito

10 10

1 1
La Ce Nd Sm EuGd Dy Er Yb Lu La Ce Nd Sm EuGd Dy Er Yb Lu

Figura 7.11 - Diagramas de ETR das rochas metamáficas analisadas e de basaltos de outros
ambientes tectônicos normalizados pelo condrito*. (A) grupo 1, (B) grupo 2. N-MORB** = basalto
normal de cadeia meso oceânica, E-MORB** = basalto enriquecido de cadeia meso oceânica, OIB**
= basalto de ilha oceânica, IATB*** = basalto toleítico de arco de ilha. Valores compilados de: *
Taylor & McLennan (1985), ** = Sun & McDonough (1989), *** = Wilson (1995).

O primeiro (grupo 1) apresenta um padrão de ETRL (elementos terras raras leves) e


ETRP (elementos terras raras pesados) variando entre 6 a 26 vezes o valor do condrito,
mostrando um padrão de distribuição subhorizontal com pequeno enriquecimento em ETRL e
ETRP (razões LaN/EuN = 1,16-1,7, GdN/LuN = 1,18-2,02, LaN/LuN = 1,41-3,02), semelhantes
a basaltos tipo E-MORB (basaltos enriquecidos de cadeia meso oceânica) e IAB (basaltos de
arco de ilha). O segundo (grupo 2) apresenta um padrão de distribuição que varia de 2 a 73
vezes o valor do condrito, exibindo um acentuado enriquecimento dos ETRL em relação aos
ETRP (razões LaN/EuN = 2,43-3,05, GdN/LuN = 2,13-2,32, LaN/LuN = 7,76-15,51), mostrando
padrão de distribuição inclinado em relação ao condrito, semelhante ao padrão de basaltos
tipo OIB (basaltos de ilhas oceânicas).
109

A distribuição dos elementos incompatíveis (Figura 7.12) normalizados pelos valores


de N-MORB (basaltos normais de cadeia meso-oceânica, SUN; MCDONOUGH, 1989)
mostra que as rochas do grupo 1 apresentam uma grande variação nos teores dos mesmos,
exibindo concentrações de Sr, K, Rb, Ba, La, Ce e Ti mais elevadas que o padrão de N-
MORB. O grupo 2 apresenta um padrão de distribuição mais homogêneo, apresentando
maiores conteúdos em Sr, K, Rb, Ba, La, Ce, P, Zr e Sm em relação ao grupo 1, mostrando
um empobrecimento relativo (leves anomalias negativas) em Nb e Zr. A exceção é uma
amostra deste grupo que apresenta padrão de distribuição semelhante ao grupo 1 (possui
também os menores valores de ETR neste grupo). Como característica comum entre os grupos
destaca o relativo empobrecimento em Zr (mais pronunciado no grupo 1) e os valores de Nb e
Y.

A) B)
200 BIO**
200 BIO**
BCAAI** BCAAI**
100 E-MORB** 100 E-MORB**
BTAI** BTAI**
Amostra / N-MORB

Amostra / N-MORB

10 10

1 1

Sr K Rb Ba Nb La Ce P Zr Sm Ti Y Sr K Rb Ba Nb La Ce P Zr Sm Ti Y

Figura 7.12 - Diagramas de concentrações normalizadas para elementos traços das rochas
metamáficas analisadas e de basaltos de outros ambientes tectônicos normalizados por N-MORB*.
(A) grupo 1, (B) grupo 2. E-MORB** = basalto enriquecido de cadeia meso oceânica, OIB** =
basalto de ilha oceânica, IATB** = basalto toleítico de arco de ilha, IACAB** = basalto cálcio-
alcalino de arco de ilha. Valores compilados de: * Sun & McDonough (1989), ** Sun (1980).

A comparação do padrão de distribuição de elementos incompatíveis das amostras


analisadas com os padrões de distribuição de E-MORB, N-MORB, OIB e IAB (Figura 12)
mostra que:
- o grupo 1 apresenta um padrão de distribuição semelhante ao E-MORB e ao IAB. O padrão
de distribuição de ETR e de elementos traços e, a ausência de anomalias pronunciadas de Nb,
sugere que estas rochas são semelhantes principalmente a E-MORB;
110

- o grupo 2 apresenta um padrão de distribuição de ETR mais semelhante ao OIB, entretanto o


padrão de distribuição de elementos traço e o empobrecimento relativo de Nb, Zr, e Y;
sugerem que estas rochas são mais semelhantes ao IAB.
Os padrões químicos de ETR e elementos traço observados nas amostras analisadas
não são precisos na determinação do ambiente de formação dos protólitos das rochas. A
grande variação composicional em relação a elementos maiores e em parte traço, observada
nas análises químicas, pode estar relacionada às transformações metamórficas anisoquímicas
(muscovitização, epidotização, etc.) que as rochas foram submetidas. Os dados geoquímicos
mostram que as rochas são de origem magmática e apresentam similaridade com basaltos
toleíticos oceânicos, principalmente do tipo E-MORB, podendo haver contribuições de
basaltos de arco e de basalto de ilha oceânica. O contexto geológico, a forma de ocorrência
das rochas, e o padrão de distribuição de elementos traço sugerem, entretanto que um
protólito a partir de basaltos de ilha oceânica é menos provável.
Normalmente basaltos toleíticos gerados em ambiente de arco apresentam padrão de
distribuição de elementos incompatíveis paralelo a subparalelo ao padrão de N-MORB (baixa
abundância em Nb, La, Ce, P, Zr, Sm, Ti e Y), mostrando enriquecimento em Sr, K, Rb, Ba e
ETRL, e anomalias negativas de Nb e Ta (empobrecimento relativo em relação aos outros
elementos traço), exibindo altas razões de La/Nb em relação a basaltos N-MORB
(THOMPSON et al., 1984, WILSON, 1989). Comparando os padrões de basaltos calcio-
alcalinos de arco de ilhas com basaltos toleíticos de arco de ilhas, os basaltos calcio-alcalinos
mostram um enriquecimento maior de Sr, K, Rb, Ba, La, Ce, P e Sm, que basaltos toleíticos,
entretanto Nb, Zr, Ti, Y e Yb ainda limitam uma tendência relativamente achatada paralela ao
padrão de N-MORB (WILSON, 1989). Entretanto, graus diferentes de contaminação podem
ocorrer em conseqüência de fluidos provenientes da subducção, de graus diferentes de fusão
de metassedimentos e de crosta preexistente envolvida na subducção, etc. (THOMPSON et
al., 1984, WILSON, 1989). Desta forma, é mais provável que o padrão de distribuição de
ETR semelhante a basaltos de ilha oceânica e o enriquecimento em elementos incompatíveis
observados nas amostras sejam resultado de contaminação crustal de magmas gerados em
ambientes de arco de ilha (subducção de crosta oceânica).
111

CAPÍTULO VIII

8 - GEOCRONOLOGIA

Neste item são mostrados os resultados das análises de Sm/Nd, em rocha total, para
obtenção de idades modelo de rochas, que ocorrem na região de Mairipotaba-Cromínia e
Pontalina. Foram selecionadas oito amostras da área de estudo para obtenção de idades
modelo (seis amostras de gnaisses e uma de rocha metamáfica).
As amostras foram preparadas no Laboratório de Geoquímica, do Departamento de
Petrologia e Metalogenia – DPM, no Instituto de Geociências e Ciências Exatas – IGCE,
UNESP. A leitura foi realizada pelo Laboratório de Geocronologia, do Instituto de
Geociências, da Universidade de Brasília – UnB. Os resultados das análises são mostrados na
Tabela 8.1, onde também estão contidos os dados isotópicos e as idades modelo obtidas por
Pimentel et al. (2000) para rochas da área de estudo.
As idades modelo TDM para as rochas do arco magmático variam entre 0,8 a 2,2 Ga,
predominando idades entre 0,9 - 1,2 Ga, e valores isotópicos εNd(T) variando entre –15,1 a +
6,9, predominando valores positivos. A presença de algumas idades modelos mais velhas é
interpretada como contaminação/componente de crosta siálica mais antiga, paleoproterozóica
(RODRIGUES et al., 1999; PIMENTEL et al., 2000).
147
As razões isotópicas Sm/144Nd e 143
Nd/ 147
Nd variam respectivamente entre 0,0881
a 0,1383 e 0,512173 a 0,512600 (Figura 8.1). As idades modelo obtidas em rochas da região
variam entre 0,90 a 1,46 Ga (Figura 8.2 – Tabela 8.1); e idade isócrona (rocha total) Sm – Nd
de 762 + 77 Ma, com valor isotópico ε(Nd)T = +2,9 (PIMENTEL et al., 2000). Estes dados são
semelhantes aos de outras áreas do Arco Magmático de Goiás e mostram que a área estudada
se originou na mesma época a partir de mesma fonte ou fonte semelhante ao do Arco
Magmático de Goiás.
Dados isotópicos Sm-Nd de três amostras de anfibolitos da região apresentam idades
modelo TDM entre 1,0 a 1,23 (Tabela 8.1, Figura 8.3) e composições isotópicas similares a
rochas do Arco Magmático de Goiás, mostrando que estas pertencem ao mesmo.
Segundo muitos autores (SATO; TASSINARI, 1993; SATO et al., 1995, entre outros)
143
idades modelo de rochas com razões Sm/144Nd < 0,090 e/ou 143
Sm/144Nd > 0,125, podem
não ter significado geológico, isso se deve ao fato que estes valores, que não caem no
intervalo definido, normalmente são rochas que sofreram fracionamento.
112

Tabela 8.1 - Dados isotópicos Sm/Nd e idades modelo de gnaisses da região de Pontalina.
147
Amostra Sm Nd Sm/144Nd 143
Nd/144Nd Ga e(0)

ME-86 GN 12,163 53,166 0,1383 0,512600 0,90 -0,74


ME-100 MV 12,079 67,700 0,1079 0,512383 0,95 -4,97
ME-111 GN 1,635 9,010 0,1097 0,512209 1,22 -8,37
ME-111B GN 1,563 8,475 0,1115 0,512197 1,26 -8,60
PO-69A MV 2,524 10,260 0,1487 0,512569 1,11 -1,35
PO-70 GN 3,322 22,786 0,0881 0,512173 1,06 -9,07
PO-70B GN 3,247 21,895 0,0896 0,512210 1,03 -8,35
PO-101A MV 5,668 24,054 0,1424 0,512570 1,01 -1,33
ME-37 ANF 7,5 37,0 0,122 0,512445 1,0 -3,76
PO-16A ANF 5,328 26,961 0,119 0,512372 1,08 -5,19
PONT-4B* ANF 7,014 39,92 0,106 0,512164 1,23 -9,25
PONT1* 7,343 45,090 0,0980 0,512317 0,96 -6,26
PONT2* 8,403 41,540 0,1220 0,512438 1,01 -3,90
PONT3* 3,807 21,960 0,1050 0,512296 1,05 -6,67
PONT5* 5,010 19,500 0,1550 0,512570 1,23 -1,33
PONT6* 7,014 39,920 0,1060 0,512164 1,24 -9,25
ALO1* 5,891 27,700 0,1280 0,512219 1,46 -8,17
ALO2* 3,771 18,680 0,1220 0,512365 1,13 -5,33
* Valores de Pimentel et al. (2000b); GN = gnaisse; ANF = anfibolito; MV = metavulcânica

0,51270

0,51263

0,51256

0,51249

0,51242
Nd / 144 Nd

0,51235

0,51228
143

0,51221

0,51214

0,51207

0,51200
0,0 0,1 0,2
147 144
Sm / Nd

147
Figura 8.1 - Composição isotópica (razões Sm/144Nd e 143
Nd/ 147
Nd) das amostras da região de
Pontalina. Cruzes = amostras de gnaisses e metavulcânicas. Lozangos pretos = anfibolitos. Quadrados
brancos = amostras de gnaisses da região de Pontalina, Lozango branco = anfibolito (dados de
Pimentel et al. (2000b). Quadrados cinza = rochas de outras regiões do Arco Magmático de Goiás.

Desta forma, algumas idades podem na verdade ser maiores do que obtidas (é o caso
143
das amostras PO-69A, PO-101B e ME-86, que apresentam valores Sm/144Nd maiores que
0,125) ou menores (como é o caso da amostra PO-70B que apresenta valor 143Sm/144Nd mais
baixo) do intervalo definido pelos autores citados acima.
113

+10

-10
Nd

-20

-30
0.2 0.4 0.6 0.8 1.0 1.2 1.4 1.6 1.8
T (Ga)

Figura 8.2 - Composição isotópica de Nd de rochas gnáissicas da área de estudo (linhas cheias:
amostras analisadas; linhas tracejadas: dados de PIMENTEL et al., 2000b). A = composição isotópica
de rochas do Arco Magmático de Goiás em outras regiões de Goiás. B = Composição isotópica de
gnaisses arqueanos de Goiás.

+20

+10

0
Nd

-10

-20

-30
0.2 0.4 0.6 0.8 1.0 1.2 1.4 1.6 1.8
T (Ga)

Figura 8.3 - Composição isotópica de Nd de rochas metamáficas da área de estudo (linha tracejada:
PIMENTEL et al., 2000b). A = composição isotópica de rochas do Arco Magmático de Goiás em
outras regiões de Goiás. B = Composição isotópica de gnaisses arqueanos de Goiás.

Entretanto os resultados isotópicos obtidos para as rochas da região, neste trabalho,


são semelhantes à resultados isotópicos obtidos em outras regiões de Goiás, associadas ao
Arco Magmático de Goiás (Tabela 8.1). Desta forma, os resultados obtidos até o momento são
considerados como válidos e demonstram que: os gnaisses e litotipos intimamente associados
114

são atribuíveis à unidade denominada de Arco Magmático de Goiás, desenvolvido no


neoproterozóico.
115

CAPÍTULO IX

9 – CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS

A área pesquisada posiciona-se a sudoeste do Cráton do São Francisco, na porção


meridional da Zona Interna da Faixa Brasília e oriental da Província Tocantins. Na região,
afloram duas seqüências alóctones, estruturadas pela principal fase deformacional (Dn), que
colocou as rochas dos Terrenos-Gnáissicos Metassedimentares (Arco Magmático de Goiás)
sobre as rochas do Grupo Araxá.
A principal estrutura planar é uma foliação com feições blastomiloníticas, de baixo
ângulo de mergulho, desenvolvida durante a aloctonia, presente nos dois domínios estudados,
a qual foi denominada de foliação principal (Sn).
A foliação Sn está associada ao evento deformacional (Dn), de caráter dúctil, que
gerou dobras de crenulação, que afetam foliações anteriores (Sn-1 e Sn-2). Os indicadores
cinemáticos evidenciam a atuação de deformação não coaxial (cisalhamento simples) durante
o desenvolvimento da foliação principal. A análise dos dados estruturais (foliação, lineação de
estiramento e indicadores cinemáticos, em diferentes escalas) demonstra que o transporte
tectônico foi, dominantemente, de oeste para leste.
O domínio Norte é caracterizado essencialmente por rochas pelíticas (xistos e
paragnaisses) e psamíticas (quartzitos, quartzo xistos), com algumas ocorrências de rochas
metamáficas e metaultramáficas.
Nas rochas pelíticas a principal associação mineralógica, incluindo os minerais índices
relacionados ao metamorfismo principal é constituída por: granada + plagioclásio + biotita +
muscovita + (epidoto) + quartzo, granada + plagioclásio + biotita + hornblenda + muscovita +
(epidoto) + quartzo, podendo localmente ocorrer cianita, estaurolita e rutilo associados.
Para as rochas psamíticas as principais associações são: quartzo + plagioclásio +
muscovita e/ou biotita, podendo conter granada e epidoto associados.
Nas rochas metamáficas (anfibolitos), desta unidade, são comuns associações de
plagioclásio + hornblenda, localmente, ocorrendo granada e rutilo.
No Domínio sul a principal associação mineralógica incluindo os minerais índices
relacionados ao metamorfismo principal é constituída por: plagioclásio + microclínio + biotita
+ muscovita, plagioclásio + biotita + hornblenda + muscovita, localmente, pode ocorrer
granada e rutilo em alguns gnaisses. Neste domínio apenas uma amostra apresenta associação
116

mineralógica com cianita e esta ocorre associada a plagioclásio + biotita + muscovita +


granada + estaurolita + anfibólio.
As metamáficas desta unidade apresentam como assembléias de minerais; granada +
plagioclásio + hornblenda + rutilo + ilmenita, plagioclásio + hornblenda + rutilo + ilmenita
podendo, localmente, ocorrer termos mais cálcicos de plagioclásios (andesina/labradorita).
Clinopiroxênio ocorre apenas em uma amostra em associação com: plagioclásio + hornblenda
+ granada.
Essas associações minerais são correlacionáveis ao auge metamórfico e ao início do
retrometamorfismo dinâmico observado na região, portanto ao estágio inicial da principal fase
deformacional de caráter dúctil (Dn), que catalisou recristalizações e reações mineralógicas,
além de gerar a forte anisotropia constatada, em toda a área estudada.
Reações minerais do tipo cummingtonita ⇒ hornblenda ⇒ biotita, observada em
algumas metamáficas; a formação de ilmenita na borda de rutilo, a formação de hornblenda na
borda de clinopiroxênio; indicam que ocorreu um reequilíbrio de mais baixa temperatura
ainda na fácies anfibolito.
Esse reequilíbrio retrogressivo na facies anfibolito, que alcançou a fácies xisto verde,
aparenta ter sido catalisado, de forma contínua, pela progressão da deformação principal. O
aparecimento de albita na borda de plagioclásios e microclínio, de clorita em rochas ácidas,
saussuritização e sericitizacão de plagioclásio, entre outros aspectos, demonstram que o
retrometamorfismo dinâmico atingiu condições de fácies xisto verde.
As associações minerais associadas ao retrometamorfismo dinâmico são observadas
por toda a área de estudo. Essas assembléias evidenciam variações nas condições
metamórficas da fácies anfibolito para a fácies xisto verde alto a médio.
Uma última assembléia mineral, menos evidente e penetrativa, é correlacionável a um
estágio evolutivo tardi- pós-Dn, de natureza estática o qual permitiu a cristalização de sericita
sobre muscovita e feldspatos, epidoto não orientados sobre feldspatos e granadas, clorita não
orientada sobre granada, biotita e anfibólio e o aparecimento de epidoto e clorita em fraturas,
em associação com quartzo e, mais raramente, albita. Esta última fase pode ter sido
desenvolvida em paralelo com a anterior, posicionando-se nas porções afetadas apenas por
fraturamentos nos estágios finais do desenvolvimento da foliação principal; enquanto que a
segunda etapa está associada à deformação dinâmica (zonas de concentração da deformação).
Os estudos geotermobarometricos mostram que o auge de temperatura registrado nos
minerais analisados, em média, varia entre 560ºC a 630ºC e as pressões entre 7 a 10 kbar.
117

Apesar da consistência desses valores de P e T, o pico metamórfico pode ter atingido valores
entre 640º e 700ºC e pressões pouco superiores a 10 kbar.
As análises químicas de gnaisses e de rochas metamáficas mostram que as rochas
analisadas apresentam características geoquímicas de magmas gerados em ambientes de arcos
magmáticos.
As idades modelo TDM em rocha total, obtidas para as rochas da região, variam entre
147
0,90 a 1,22 Ga com razões isotópicas Sm/144Nd e 143
Nd/ 147
Nd entre 0,0881 - 0,1383 e
0,512173 - 0,512600. Estes valores isotópicos são semelhantes aos valores obtidos para
litotipos de contexto geológico similar, em outras regiões de Goiás, atribuídas ao Arco
Magmático de Goiás. Desta forma, as rochas em foco correspondem à extensão mais
meridional do Arco Magmático de Goiás, de idade neoproterozóica.
Quanto à evolução da área, foram encontradas semelhanças estruturais e metamórficas
indicando que as unidades cartografadas (Domínio Norte e Sul) foram geradas no mesmo
evento geotectônico. O que ocorre é a diferença na distribuição dos litotipos ou o predomínio
de determinados litotipos, em uma determinada unidade, resultantes de ambientes diferentes
aglutinados pelo evento geotectônico neoproterozóico.
118

Bibliografia e Referências Bibliográficas

ALMEIDA, F. F. M. de; HASUI, Y.; BRITO NEVES, B. B. The upper Precambrian of South America. Boletin
do Instituto de Geologia da USP, São Paulo, n.7, p. 45-80, 1976.

ALMEIDA, F. F. M.; HASUI, Y.; NEVES B. B. B; FUCK, R. A. Províncias estruturais brasileiras. In:
SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO NORDESTE, 8, 1977, Campina Grande. Atas... Campina Grande: SBG, 1977.
p. 363-391.

ANGEIRAS A. G. A Faixa de Serpentinitos da Região Central de Goiás. Anais Academia Brasileira de


Ciências, Rio de Janeiro, n. 40, supl., p. 129-136, 1968.

ANGELI, N.; NAVARRO, G.R.B.; ZANARDO, A.; VLACH, S.R.F.; RODRIGUES, V. G. Petrografia e
Geoquímica dos Depósitos de Cromínia e Mairipotaba (Goiás). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE
GEOLOGIA,42, 2004, Araxá, Mina Gerais. Anais... Araxá, MG: Sociedade Brasileira de Geologia Núcleo
Minas Gerais, 2004. 1 CD-ROOM.

ANGELI, N.; NAVARRO, G. R. B.; ZANARDO, A.; VLACH, S. R. F. Química mineral e geoquímica dos
depósitos de cromita da região de Cromínia e Mairipotaba, Estado de Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO
DE GEOQUÍMICA,10, SIMPÓSIO DE GEOQUÍMICA DO MERCOSUL, 2, 2005, Porto de Galinhas,
Pernambuco. Resumos... Porto de Galinhas, PE: Sociedade Brasileira de Geologia, Sociedade Brasileira de
Geoquímica Núcleo Nordeste, 2005. 1 CD-ROM.

ARAÚJO, V. A. Programa de Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil – PLGB. Folha SE.22-X-A-III –


Itaberaí. Escala: 1:100.000. Brasília: CPRM, 1997. 83 p.

ARAUJO, V. A.; GODOI, P. V. B.; ARAUJO, H. O. de; MORETON, E. S.; SILVA, L. C.; AS, M. A. D.;
MARTINS, A., M. de; MATOS, E. G.; ANDRADE, S. H. S. de; SALES, R.; BERBERT, C. O.; OLIVATTI, O.
Projeto Pontalina – Fase I. Goiânia: SURGEO/GO; DNPM; CPRM, 1980. 7v.

BAÊTA Jr; J. D., SOUZA, J. O.; MORETON, L. C. Programa de Levantamentos Geológicos Básicos do
Brasil. Folha Morro Agudo de Goiás, SD.22-Z-C-II, Folha Goiás, SD.22-Z-C-V, Folha Snacrerlândia, SE.22-X-
A-II. Goiânia: CPRM, 1998. Inédito.

BARBOSA, O. Guia das Excursões. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 9, 1955, Rio de Janeiro.
Noticiário: SBG, n. 3, p. 3 – 5. 1955.

BARBOSA, P. A. R. Geologia e Recursos Minerais das Seqüências Supracrustais à Leste de Mossâmedes –


GO. 1987. 305f. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Brasília, Brasília. 1987.
119

BARBOSA, O.; BRAUN, O. P. G.; DYER, R. C.; CUNHA, C. A. C. R. Geologia do triângulo Mineiro. Boletim
da Divisão de Fomento da Produção Mineral, Rio de Janeiro, n. 136, p. 1-140. 1970a

BARBOSA, O.; BRAUN, O. P. G.; DYER, R. C.; CUNHA, C. R. Projeto Goiânia: relatório preliminar.
Goiânia: DNPM-PROSPEC, 1970 b.v.1.

BERBERT, C. O. Geologia geral dos complexos básicos-ultrabásicos de Goiás. In: CONGRESSO


BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 24, 1970, Brasília. Anais... Brasília: Sociedade Brasileira de Geologia, 1970. p.
41-50.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional da Produção Mineral. 6º Distrito Regional do
DNPM. MAPA GEOLÓGICO DO ESTADO DE GOIÁS. Brasília; Goiânia: Governo do Estado de Goiás,
METAGO S/A, 1987. Escala 1:1.000.000.

BROD, J. A.; LEONARDOS, O. H.; MENESES, P. R.; ALMEIDA, R. de; ARAÚJO, R. N. J.; BLANCO, S. B.;
CARDOSO, F. B. F.; CARVALHO Jr., O. A. de; JUNQUEIRA, F. F.; RIEHL Jr., W.; SOUZA, J. C. F.;
TALLARICO, F. H. T.; THOMSEM, F. P. R.; ALBUQUERQUE, M. A. C. de; BERBET, M. L. C.;
CERQUEIRA, M. R. S.; CHAGAS, M. A.; DIAS, R. R.; LIMA, C. V. de; NAKAMURA, E. T.; PORTO, S. G.;
ROMÃO, P. A.; SANTOS, P. C. V. dos. Tectono-estratigrafia da Faixa Brasília na região do Alto Paranaíba. In:
SIMPÓSIO GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 3, 1991,Cuiabá. Anais... Cuiabá: Sociedade Brasileira de
Geologia, 1991. p. 155-168.

CORDANI, U.G.; SATO, K.; TEIXEIRA, W.; TASSINARI, C. C. G.; BASEI, M. A. S. Crustal evolution of the
south american platform. In: CORDANI, U. G.; THOMAS FILHO, A.; CAMPOS, D. A. (Coord.). Tectonic
Evolution of South America. Rio de Janeiro: SBG, 2000. p.19-100.

COSTA, L. A. M.; ANGEIRAS, A. G. Tectonic zoning in the Epibaikalian Plataform of Central Brazil.
(Abstract). Anais Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 41, n. 4, p. 641, 1970.

DANI, J. C. M.; FUCK, R. A. Unidades tectono-estratigráficas do embasamento das faixas dobradas da margem
ocidental do Cráton do São Francisco. In: SIMPÓSIO SOBRE O CRÁTON DO SÃO FRANCISCO E SUAS
FAIXAS MARGINAIS, 1, 1981, Salvador. Anais...Salvador: Sociedade Brasileira de Geologia, 1981. p. 130-
139.

DANI, J. C. M.; TEIXEIRA, N. E. Características e sistematização das associações de rochas máficas e


ultramáficas pré-cambrianas do estado de Goiás. In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 1,
1981, Goiânia. Anais... Goiânia, Sociedade Brasileira de Geologia, 1981. p. 376.

DARDENNE, M. A. Evolução Geológica. In: LACERDA FILHO, J. V. de; REZENDE, A.; SILVA, A. da
(Coord.). Programa de Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil - Geologia e Recursos Minerais do
Estado de Goiás e Distrito Federal. Goiânia: CPRM; METAGO S.A.; UnB, 1999. p. 79-86.
120

DARDENNE, M. A. The Brazilia Fold Belt. In: CORDANI, U. G.; THOMAS FILHO, A.; CAMPOS, D. A.
(Coord.). Tectonic Evolution of South America. Rio de Janeiro: SBG. 2000. p. 231-236.

DRAKE Jr., A. A. The Serra de Caldas window. Prof. Pap. U. S. Geol. Surv., Washington n.1119-AB, p.1B-
19B, 1980.

ELLIS, D. J. Origin and evolution of granites in normal thickened crust. Geology, v. 15, p. 167-170, 1987.

ENGLAND, P. C., THOMPSON, A. B. Pressure-Temperature-time path of regional metamorphism I. Het


transfer during evolution of regions of thickened continental crust. Journal of Petrogy, 25(4):894-928. 1984.

FISCHEL, D. P.; PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A. Idade do metamorfismo de alto grau no Complexo
Anápolis-Itauçu, Goiás, determinada pelo método Sm-Nd. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, v. 4,n.
28, p. 543-544, 1998.

FISCHEL, D. P.; PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A. Preliminary Sm-Nd isotopic study of the Anápolis-Itauçu
Complex, Araxá Group and associated granite intrusions, central Brazil. Implications for the evolution of the
Brazilian belt. In: SOUTH AMERICAN SYMPOSIUM ON ISOTOPE GEOLOGY, 2,1999a. Actas... 1999a, p.
302-305.

FISCHEL, D. P.; PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A. Preliminary Sm – Nd isotopic study of the Araxá Group,
central Goiás. In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 7, SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DE
MINAS GERAIS, 10, 1999, Brasília. Boletim Resumos.... Brasília: Sociedade Brasileira de Geologia Núcleo
Centro-Oeste, 1999b. p.90.

FUCK, R. A. A Faixa Brasília e a compartimentação tectônica na Província Tocantins. In: SIMPÓSIO DE


GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 4, 1994, Brasília. Atas...Brasília: Sociedade Brasileira de Geologia, 1994.
p. 184-187.

FUCK, R. A. Dobramentos neoproterozóicos da margem Ocidental do Cráton do São Francisco: revisão. In:
CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 36, 1990, Natal. Boletim Resumos...Natal: Sociedade Brasileira
de Geologia, 1990. p. 288-289.

FUCK, R. A.; JARDIM DE SÁ, E. F.; PIMENTEL, M. M.; DARDENNE, M. A.; PEDROSA SOARES, A. C.
As Faixas de Dobramentos Marginais do Cráton do São Francisco: Síntese dos Conhecimentos. In:
DOMINGUEZ, J. M. L.; MISI, A. (Coord.). O Cráton do São Francisco. Salvador: SBG, 1993. p. 161-185.

FUCK, R. A.; PIMENTEL, M. M.; D`el Rey SILVA; LUIZ, J. H. Compartimentação tectônica na porção
oriental da Província Tocantins. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 38, 1994, Camburiú.
Boletim Resumos Expandidos...Camburiú: Sociedade Brasileira de Geologia, 1994. v. 1, p. 215-216.
121

FUCK, R. A.; PIMENTEL, M. M.; SOARES, J. E. P.; DANTAS, E. L. Compartimentação da faixa Brasília. In:
SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 9, 2005, Goiânia. Resumos... Goiânia: Sociedade
Brasileira de Geologia Núcleo Centro-Oeste, 2005. 26-27.

GOMES, G. F. P.; VELOSO, F. D. L. M.; GRANT, J. N. M. Contribuição a geologia do sul de Goiás e aplicação
de métodos estatísticos em prospecção geoquímica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 34,
1986,Goiânia. Boletim, Resumos e Breves Comunicações...Goiânia: Sociedade Brasileira de Geologia, 1986.
p. 118.

HACKSPACHER, P. C.; TRINDADE, I. R.; FETTER, A. H.; DANTAS, E.L., SANTOS, B. L. C.


Desenvolvimento das sistemáticas isotópicas U-Pb e Sm/Nd aplicadas em cronologia no laboratório de
geoquímica isotópica da UNESP – Rio Claro. In: SIMPÓSIO 40 ANOS DE GEOCRONOLOGIA NO BRASIL,
2004, São Paulo. Boletim de Resumos... São Paulo: CPGeo-USP, 2004, p. 25

HASUI, Y.; ALMEIDA, F. F. M. de. Geocronologia do Centro-Oeste Brasileiro no Proterozóico superior.


Boletim da Sociedade Brasileira de Geologia, v. 19, n 1, p. 5-26,1970.

IANHEZ, A. C.; PITTHAN, J. H. L.; SIMÕES, M. A.; DEL `ARCA, J. O.; TRINDADE, C. A. H.; LUZ, D. S.
da; FERNANDES, C. A. C. Geologia. In: Brasil. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAM BRASIL:
Folha SE.22 Goiânia, Rio de Janeiro: MME-SG, 1983. v. 31, p. 23-348. (Levantamentos de Recursos Naturais,
31).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Superintendêcia de Cartografia.


Departamento de Cartografia. Carta do Brasil. Folha Topográfica Joviânia (Folha SE-22-X-C-IV). 1973. Escala
1:100 000. (primeira edição).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Superintendêcia de Cartografia.


Departamento de Cartografia. Carta do Brasil. Folha Topográfica Morrinhos (Folha SE-22-X-D-IV). 1974.
Escala 1:100 000. (primeira edição).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Superintendêcia de Cartografia.


Departamento de Cartografia. Carta do Brasil. Folha Topográfica Piracanjuba (Folha SE-22-X-D-I). 1974.
Escala 1:100 000. (primeira edição).

KRÖNER, A. Evolution of the Archean continental crust Annual Review of Earth and Planetary Sciences, v.
13, p. 49-74, 1985.

KRÖNER, A. Evolution, growth and stabilization of the precambrian lithosphere. In: POLLACK, H. N.;
MURTHY, V. R. (Ed.). Physics and chemistry of the Earth. Pergamon, 1984, v. 15, p. 69-106.
122

LACERDA FILHO, J. V. de; OLIVEIRA, C.C. Gênese e evolução geológica das rochas granitóides da região
sul de Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 38, 1994, Camburiú. Boletim Resumos
Expandidos...Camburiú: Sociedade Brasileira de Geologia,1994a. v. 1, p. 146-147.

LACERDA FILHO, J. V. de; OLIVEIRA, C.C. Geologia da região sudeste de Goiás. In: SIMPÓSIO DE
GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE E BRASÍLIA, 4, 1994, Brasília. Anais...Brasília: Sociedade Brasileira de
Geologia Núcleos Centro-Oeste e Brasília, 1994b. p. 157-160.

LACERDA FILHO, J. V. de; OLIVEIRA, C.C. Geologia da região centro-sul de Goiás. Boletim de Geociências
do Centro-Oeste, Goiânia, v. 18, nº ½, p. 3-19, 1995.

LACERDA FILHO, J. V. de et al. Programa de Leventamentos Geológicos Básicos do Brasil. Folha


Goiânia, SE.22-X. Brasília: CPRM, SUREG, Goiás, 1995.

LACERDA FILHO, J. V. de; SILVA, A. de; OLIVEIRA, C. C. de. Arcabouço Geotectônico de Goiás e Distrito
Federal. In: LACERDA FILHO, J. V. de; REZENDE, A.; SILVA, A. da (Coord.). Programa de
Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil - Geologia e Recursos Minerais do Estado de Goiás e Distrito
Federal. Goiânia: CPRM, METAGO S.A., UnB, 1999, p. 19-30.

LACERDA FILHO, J. V. de. Geologia e esboço tectônico da folha Goiânia – SE.22-X. In: SIMPÓSIO DE
GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 5, 1995, Goiânia. Anais...Goiânia: Sociedade Brasileira de Geologia
Núcleos Centro-Oeste e Brasília, 1995. p. 160-165.

LACERDA FILHO, J. V. de. Programa de Leventamentos Geológicos Básicos do Brasil. Folha Caraíba,
SE.22-X-B-VI.Goiânia: CPRM, DNPM, 1989,149 p.

LAUX, J. H.; PIMENTEL, M. M.; DANTAS, E. L. Preliminary Nd isotopic data for the Anicuns-Itaberaí
Sequence, associated othogneisses, and granite intrusions, Goiás, Brazil. In: SIMPÓSIO GEOLOGIA
ISOTOPÓPICA, 4, 2001, Chile. Actas... Chile, 2001. 1 CD-ROM

LAUX, J. H.; PIMENTEL, M. M.; DANTAS, E. L.; ARMSTRONG, R.; ARMELE, A. New U-Pb data for
orthogneisses pf the neoproterozoic Goiás magmatic Arc, central Brazil. In: SOUTH AMERICAN
SYMPOSIUM ON ISOTOPIC GEOLOGY, 4, Salvador. Short papers... Salvador, 2003. p. 579-582.

LAUX, J. H.; PIMENTEL, M. M.; DANTAS, E. L.; ARMSTRONG, R.; ARMELE, A.; ARIPLÍNIO, A. N.
Mafic magmatism associated with the Goiás magmatic arc in the Anicuns region, Goiás, central Brazil: Sm-Nd
isotopes and new ID-TIMS and SHIRIMP U-Pb data. Journal of South American Earth Sciences, v.16, p.599-
614, 2004.
123

LAUX, J. H.; PIMENTEL, M. M.; DANTAS, E. L.; ARMSTRONG, R.; JUNGES, S. L. Two neoproterozoic
crustal accretion events in the Brasília belt, central Brazil. Journal of South American Earth Sciences, v.18,
p.183-198, 2005.

LEAKE, B. E. The chemical distinction between ortho- and para-amphibolites. Journal of Petrology, v.5, n. 2,
p. 238-254, 1964.

MALAGUTTI, M. I. A.; FILHO, B. O.; MORENO, M. M. T.; NARDY, A. J. R. Determinação de Elementos


Terras Raras e Ítrio em rochas silicáticas por ICP-AES com separação em resina trocadora de íons. Geochimica
Brasiliensis, v.12, n.1/2, p.75-80, 1998.

MARINI, O. J.; FUCK, R. A.; DANNI, J. C. M.; DARDENE, M. A. A evolução geotectônica da Faixa Brasília e
do seu embasamento. In: SIMPÓSIO SOBRE O CRÁTON DO SÃO FRANCISCO E SUAS FAIXAS
MARGINAIS,1, 1979, Salvador ,BA. Anais...Salvador, BA: Sociedade Brasileira de Geologia, 1979. p. 100-
115.

MARINI, O. J.; FUCK, R. A.; DANNI, J. C. M.; DARDENE, M. A.; LOUGGUÉRCIO, R. O.; RAMALHO, R.
As faixas de dobramentos Brasília, Uruaçu e Paraguai-Araguaia e o Maciço Mediano de Goiás. In:
SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS, D. A.; DERZE, G. R.; ASMUS, H. E. (Coord.). Geologia do Brasil.
Brasília: DNPM., 1984ª p. 251-303.

MARINI, O. J.; FUCK, R. A.; DARDENE, M. A.; DANNI, J. C. M. Províncias Tocantins: setores Central e
Sudeste. In: ALMEIDA, F. F. M.; HASUY, Y. (Coord.). O Pré-cambriano do Brasil. São Paulo: Edgar
Blücher, 1984b. p. 205-264.

MARINI, O. J.; FUCK, R. A.; DARDENE, M. A.; TEIXEIRA, N. A. Dobramentos da borda oeste do Cráton do
São Francisco. In: SIMPÓSIO SOBRE O CRÁTON DO SÃO FRANCISCO E SUAS FAIXAS
MARGINAIS,1978, Salvador. Publicação Especial... Salvador: Sociedade Brasileira de Geologia,1978. v. 3,
p.155-204.

MELLO, J. C. R. de; FIGUEIREDO, A. N. Notas sobre ocorrências de Níquel, Cobre e Amianto no Morro
Paraíso, município de Cromínia – Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 23,1969, Salvador.
Boletim Especial no 1, Salvador: Sociedade Brasileira de Geologia Núcleo Bahia,1969. p. 28.

MIYASHIRO, A. Volcanic rock series and tectonic setting. Annual Review of Earth Sciences, v. 3, p. 251-269,
1975.

MORETON, L. C. Programa Levantamentos Básicos do Brasil - PLGB. Folha SE.22-X-B-IV – Goiânia.


Escala: 1:100.000. Goiânia: CPRM/DNPM, 1994.

MÜLLEN, E. D. MnO/TiO2/P2O5. A minor element discriminant for basaltic rocks of oceanic environments and
124

its implications for petrogenesis. Earth and Planetary Science Letters, v. 62, p. 53-62, 1983.

NARDY, A. J. R.; ENZWEILER, J.; BAHIA FILHO, O.; OLIVEIRA, M. A. F.; PENEREIRO, M. A. V.
Determinação de elementos maiores e menores em rochas silicáticas por espectometria de flourescência de Raios
– X: resultados preliminares. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOQUÍMICA, 6 ,1997, Salvador.
Anais...Salvador: Sociedade Brasileira de Geoquímica,1997. v. 2, p.346-348.

NAVARRO, G. R. B. Caracterização metamórfica e estrutural da região de Mairipotaba – GO. 1999. 57f.


Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geologia). Instituto de Geociências e Ciências Exatas,
Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1999.

NAVARRO, G. R. B. Caracterização metamórfica/estrutural dos corpos metaultramáficos da região de


Mairipotaba-Cromínia e Pontalina (GO). 2002. 103 f. Dissertação (Mestrado em Geociências). Instituto de
Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2002.

NAVARRO, G. R. B.; ZANARDO, A.; GALEMBECK, T. M. B.; ROCHA, M. M. C. Idades Modelo dos
Gnaisses da Região de Pontalina Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 52, 2004, Araxá,
Minas Gerais. Anais...Araxá, MG: Sociedade Brasileira de Geologia Núcleo Minas Gerais, 2004. CD-ROOM.

NAVARRO, G. R. B.; ZANARDO, A. Geoquímica de gnaisses relacionados ao Arco Magmático de Goiás, na


região sul do estado de Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOQUÍMICA, 10, SIMPÓSIO DE
GEOQUÍMICA DO MERCOSUL, 2, 2005, Porto de Galinhas, PE. Resumos... Porto de Galinhas, PE:
Sociedade Brasileira de Geologia e Sociedade Brasileira de Geoquímica Núcleo Nordeste, 2005. CD-ROOM.

NIGGLI, P. Rocks and mineral deposits. San Francisco: W. H. Freeman & CO. 1954.

NILSON, A. A.; MISRA, K. C. Podiform chromite in serpentinites from the Goiás ophiolitic melange, Central
Brazil. Terra Nova. Abstracts supplement, 3, Orleáns, France, v. 5, p.38, 1993.

NILSON, A. A. O atual estágio de conhecimento dos Complexos máfico-ultramáficos pré-cambrianos do Brasil


– Uma avaliação preliminar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 33 ,1984, Rio de Janeiro.
Anais...Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Geologia,1984. v. 9, p. 4166-4203.

NILSON, A. A.; CORREA, J. A.; MELLO, J. C. R. de; FIGUIEREDO, A. N. de; REIS, A. G. L. dos; BEATA
Jr., J. D. A.; ROSITO, J.; LORENZO, J. E. C.; SOBRINHO, M. L.; BERBERT, C. O. Geologia da região de
Cromínia-Pontalina-Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO GEOLOGIA, 23, 1969, Salvador. Boletin Especial
no 1, Salvador: Sociedade Brasileira de Geologia Núcleo Bahia,1969. p. 70.

OLIVEIRA, C. C. Programa Levantamentos Básicos do Brasil - PLGB. Folha SE.22-X-B-V - Leopoldo de


Bulhões Escala: 1:100.000. Goiânia: CPRM, DNPM, 1994. 151 p. (Relatório não publicado).
125

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A. Origin of orthogneiss and metavolcanic rock units in western Goiás:
Neoproterozoic crustal accretion. Geochimica Brasiliensis, v. 5, p. 133-152, 1991.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A. Neoproterozoic crustal accretion in central Brazil. Geology, v. 20, p. 375-
379, 1992.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A. Geocronologia Rb-Sr da porção sudoeste do Maciço de Goiás. Revista
Brasileira de Geociências, v.2, n.24, p.104-111, 1994.

PIMENTEL, M. M.; HEAMAN, L.; FUCK, R. A.; MARINE, O. J. U-Pb zircon geochronology of precambrian
tin-bearing continental-type acid magmatism in central Brazil. Precambrian Reserch, v.52, p.321-335, 1991a.

PIMENTEL, M. M.; HEAMAN, L.; FUCK, R. A. U-Pb zircon and sphene geocronology of late proterpzoic
volcanic arc rock units from southwestern Goiás, central Brazil. Journal of South American Earth Sciences,
v.4, p.329-339, 1991.

PIMENTEL, M. M.; HEAMAM, L.; FUCK, R. A. Idade do metariolito da Seqüência Maratá, Grupo Araxá,
Goiás: estudo geoocronológico pelos métodos U-Pb em zircão, Rb-Sr e Sm-Nd. Anais da Academia de
Ciências, v.1, n.64, p.19-28, 1992.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; ALVARENGA, C. J. S. de. Post- Brasiliano (Pan-African) high-K granitic
magmatism in central Brazil, the role of late Precambrian-early Paleozoic extension. Precambrian Research,
v.80, p.217-238, 1996a.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; SILVA, J. L. H. Dados Rb-Sr e Sm-Nd da região de Jussara-Goiás-
Mossâmedes (GO), e o limite entre terrenos antigos do Maciço de Goiás e o Arco Magmático de Goiás. Revista
Brasileira de Geociências, v.26, p.61-70, 1996b.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; DARDENNE, M. A.; RIBEIRO, R. J. da C. Características isotópicas (Sr e
Nd) e geoquímicas do magmatismo granítico associado ao Grupo Araxá na Região de Ipameri, Goiás. In:
SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 6, 1997, Cuiabá. Anais... Cuiabá: Sociedade Brasileira de
Geologia Núcleo Centro-Oeste, 1997a. p. 11-14.

PIMENTEL, M. M.; WHITEHOUSE, M. J.; VIANA, M. G.; FUCK, R. A.; MACHADO, N. The Mara Rosa arc
in the Tocantins Province: further evidence for Neoproterozoic crustal accretion in Central Brazil. Precambrian
Research, v. 81, p. 299-310, 1997b.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; GIOIA, S. M. C. L. Novos dados Sm-Nd eo limite leste do Arco Magmático
no sudeste de Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 40, 1998, Belo Horizonte. Anais...Belo
Horizonte: Sociedade Brasileira de Geologia Núcleo Minas Gerais, 1998. p. 39.
126

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; FISCHEL, D. P. Estudo isotópico Sm-Nd regional da porção central da Faixa
Brasília, Goiás: implicações para idade e origem dos granulitos do Complexo Anápolis-Itauçu e rochas
metassedimentares do Grupo Araxá. Revista Brasileira de Geociências, v.2, n.29, p.271-276, 1999a.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; BOTELHO, N. F. Granites and the geodynamic history of the neoproterozoic
Brasília belt, Central Brazil: a review. Lithos, v.46, p.463-483, 1999b.

PIMENTEL, M. M.; VIANA, M. G.; DARDENNE, M. A. Proveniência dos sedimentos da Faixa Brasília com
base em dados isotópicos Sm – Nd. In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 7, SIMPÓSIO
GEOLOGIA DE MINAS GERAIS, 10, Brasília. Boletim de Resumos... Brasília: Sociedade Brasileira de
Geologia, 1999c. p. 90.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; JOST, H.; FERREIRA FILHO, C. F.; ARAÚJO, S. M. The basament of the
Brasilia Fold Belt and the Goiás magmatic arc. In: CORDANI, U. G.; THOMAS FILHO, A.; CAMPOS, D. A.
(Coord.). Tectonic Evolution of South America. Rio de Janeiro: SBG, 2000a. p.195-229.

PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; GIOIA, S. M. C. L. The neoproterozoic Goiás magmatic arc, central Brazil:
A review and new Sm-Nd isotopic data. Revista Brasileira de Geociências, v.2, n.30, p.35-39, 2000b.

PIMENTEL, M. M.; DARDENNE, M. A.; FUCK, R. A.; VIANA, M. G.; JUNGES, S. L.; FISCHEL, D. P.;
SEER, H. J.; DANTAS, E. L. Nd isotopes and the provenance of detrital sediments of the Neoproterozoic
Brasília Belt, central Brazil. Journal of South American Earth Sciences, v. 14, p. 571-585, 2001.

PIMENTEL, M. M.; HOLLANDA, M. H. B. M.; ARMSTRONG, R. SHIRIMP U-Pb age and Sr-Nd isotopes of
the Morro do baú mafic intrusion: implications for the evolution of the Arenópolis volcano-sedimentary
sequence, Goiás magmatic Arc. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v 3, n.75, p. 331-339, 2003.

PIMENTEL, M. M.; JOST, H.; FUCK, R. A. O embasamento da Faixa Brasília e o arco Magmático de Goiás.
In: MANTESSO-NETO, V., BARTORELLI, A., CARNEIRO, C. DAL RÉ, BRITO-NEVES, B. B. de (Org.).
Geologia do Continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São
Paulo: Ed. Beca, 2004. p. 355-368.

PINHEIRO, M. M. Caracterização gravimétrica de eventos tectono-estruturais da região central do estado de


Goiás. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 38, 1994, Camburiú. Boletim... Camburiú: Sociedade
Brasileira de Geologia, 1994. p. 7-9.

PIUZANA,D.; PIMENTEL, M.M.; FUCK,R.A.; ARMSTRONG, R.A. Sedimentation age of the Araxá Group,
southern Brasilia Belt, based on U-Pb shrimp data from micaschist, Bonfinópolis amphibolite and intrusive
tonalite. In: SOUTH AMERICAN SYMPOSIUM ON ISOTOPE GEOLOGY, 4, 2003. Actas...,2003a. p. 652 –
655.
127

PIUZANA, D.; PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; ARMSTRONG, R. SHIRIMP U-Pb and Sm-Nd data for the
Araxá Group and associated magmatic rocks: constraints for the age of sedimentation and geodynamic context of
the southern Brasília Belt, central Brazil. Precambrian Research, n. 125, p. 139-160, 2003b.

PIUZANA, D.; PIMENTEL, M. M.; FUCK, R. A.; ARMSTRONG, R. Neoproterozoic granulite facies
metamorphism and coeval granitic magmatism in the Brasília Belt, central Brazil: regional implications of new
SHIRIMP U-Pb and Sm-Nd data. Precambrian Research, n. 125, p. 245-273, 2003c.

POWELL, R.; HOLLAND, T. Optimal geothermometry and geobarometry. American Mineralogist, n. 79, p.
120-144, 1984.

REZENDE, A.; NILSON, A. A.; SILVA, A. da; ALVARENGA, C. J. S. de; GEBRIM, E.; GODOI, H. O.;
LACERDA FILHO, J. V. de; DANNI, J. C. M.; CAMPOS, J. E. G.; BRILHANTE, J. R.; DARDENNE, M. A.;
RESENDE, M.; PIMENTEL, M. M.; FRANCISQUINI, N.; BARBOSA, P. A. R.; BOAS, P. F. V.; LIMA, T.
M.; FILHO, W. R. Descrição das Unidades Litoestratigráficas. In: LACERDA FILHO, J. V. de; REZENDE, A.;
SILVA, A. da (Coord.). Programa de Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil - Geologia e Recursos
Minerais do Estado de Goiás e Distrito Federal. Goiânia: CPRM, METAGO S.A., UnB. , 1999. p. 31-78.

RICHARD, L. R. MINPET – Mineralogical and Petrological Data Processing System. 1995.

ROCHA, M. M. C. Caracterização tectono-metamórfica da região das Serras do Lobo, Mota e norte da


Serra do Sudário, municípios de Pontalina e Morrinhos, estado de Goiás. 2003. 91f. Trabalho de Conclusão
do Curso (Graduação em Geologia).Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista,
Rio Claro, 2003.

RODRIGUES, J. B.; GIOIA, S. M. C. L.; PIMENTEL, M. M. Geocronologia e geoquímica de ortognaisses da


região entre Iporá e Firminópolis: implicações para a evolução do Arco Magmático de Goiás. Revista Brasileira
de Geociências, V.2, n.29, 207-216, 1999.

RODRIGUES, V. G. Petrologia e geoquímica das ocorrências de cromititos nas regiões de Mairipotaba e


Cromínia (GO). 2003, 72f. Trabalho de Conclusão de Curso ( Graduação em Geologia). Instituto de
Geociências e Ciencias Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2003.

SATO, K. Evolução crustal da Plataforma Sul Americana, com base na geoquímica isotópica Sm-Nd. 1998.
297f. Tese (Doutorado em Geoquímica e Geotectônica). Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo,
São Paulo, 1998.

SATO, K.; TASSINARI, C. C. G. Principais eventos de acresção continental no Cráton Amazônico baseados em
idade-modelo Sm-Nd, calculada em evoluções de estágio único e estágio duplo. Contribuições à Geologia da
Amazônia, p.91-142, 1993.
128

SATO, K.; TASSINARI, C. C. G.; KAWASHITA, K.; PETRONILHO, L. O método geocronológico Sm/Nd no
IG/USP e suas aplicações. Anais Academia Brasileira de Ciências, v.3, n.67, p. 313-336, 1995.

SCHOBBENHAUS F.; C.; OGUINO, K.; RIBEIRO, C. L.; OLIVA, L. A.; TAKANOHASHI, J. T. Carta
Geológica do Brasil ao Milionésimo; folha Goiânia (SE.22). Brasília, Departamento Nacional de Produção
Mineral, 1975a. 79p.

SCHOBBENHAUS F.; C.; RIBEIRO, C. L.; OLIVA, L. A.; TAKANOHASHI, J. T.; LINDENMAYER, Z. G.;
VASCONCELOS, J. B.; ORLANDI, V. Carta Geológica do Brasil ao Milionésimo; Folha Goiás, (SD.22).
Brasília, Departamento Nacional de Produção Mineral, 1975b. 114p.

SCORZA, E. P. Distribuição das rochas ultrabásicas no Brasil. Anais da Academia Brasileira de Ciências. v.
40, p. 119-126, 1968 (suplemento).

SIMÕES, L. S. A. Compartimentos Crustais do Domínio Interno da Faixa Brasília no sul do estado de


Goiás. 2005. 104 f. Tese (Livre Docência). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual
Paulista, Rio Claro, 2005.

SIMÕES, L. S. A. et al. CARACTERIZAÇÃO METAMORFICA E ESTRUTURAL DOS TERRENOS


ADJACENTES Á PROVÁVEL ZONA DE SUTURA DA FAIXA BRASÍLIA, NO SUL DE GOIÁS. 1999a.
Projeto financiado pelo CNPq, processo 500315/91-4, no período de 1998-1999. Relatório Interno. p. 145. (não
publicado)

SIMÕES, L. S. A.; NAVARRO, G. R. B. N.; FERREIRA, S.; MORAES, R. Geologia da região de Mairipotaba -
GO. In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 7, 1999, Brasília. Boletim... Brasília: Sociedade
Brasileira de Geologia Núcleos Brasília, Centro-Oeste e Minas Gerais, 1999b. p. 11.

SIMÕES, L. S. A.; FERREIRA, S.; NAVARRO, G. R. B. N.; MORAES, R. Geologia da região de Edealina-
GO. In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO CENTRO-OESTE, 7, 1999, Brasília. Boletim ... Brasília: Sociedade
Brasileira de Geologia, Núcleos Brasília, Centro-Oeste e Minas Gerais, 1999c. p. 9.

SOUZA JR., J. J. et al. Geologia da bacia Sedimentar do Paraná. In: BRASIL. Ministério das Minas e Energia.
Projeto RADAMBRASIL: Folha Se.22 Goiânia. Rio de Janeiro: MME-SG, 1983. V.31, p.23-348.
(Levantamentos de Recursos Naturais, 31).

STRIEDER, A. J. Deformação e Metamorfismo na região de Santa Cruz de Goiás. Correlação Tectono-


estratigráfica e evolução tectônica regional. 1993. 260f. Tese (Doutorado), Instituto de Geociências,
Universidade de Brasília, Brasília, 1993.

STRIEDER, A. J.; NILSON, A. A. Melange ofiolítica nos metassedimentos Araxá de Abadiânia (GO) e
implicações tectônicas regionais. Revista Brasileira de Geociências, v. 22, n. 2, p. 204-215, 1992a.
129

STRIEDER, A. J.; NILSON, A. A. Estudo petrológico de alguns fragmentos tectônicos da melange ofiolítica em
Abadiânia (GO): I – O protólito dos corpos de serpentinito. Revista Brasileira de Geociências, v. 22, n. 3, p.
329-337, 1992b.

STRIEDER, A. J.; NILSON, A. A. Estudo petrológico de alguns fragmentos tectônicos da melange ofiolítica em
Abadiânia (GO): II – Cromita primária e suas transformações metamorficas. Revista Brasileira de Geociências,
v. 22, n. 3, p. 353-362, 1992c.

SUN, S. S.; McDONOUGH, W. F. Chemical and isotopic systematics of oceanic basalts: implications for mantle
composition and processes. In: magmatismo in the ocean basins. Geological Society, n.42, p. 313-345, 1989.
(Special Publication).

TASSINARI, C. C. G. Comentários sobre a geocronologia das Folhas 1:100.000 do Programa de Levantamentos


Geológicos Básicos do Brasil, Projeto Sudeste de Goiás, CPRM/DNPM, 1988 (Relatório não publicado).

TAYLOR, S. R.; MACLENNAN, S. M. The continental crust: its composition and evolution. Oxford:
Blackwell, 1985. 312 p.

TOMAZOLLI, E. R. O greenstone belt de Goiás, estudos geocronológicos. Revista Brasileira de Geociências,


v. 22, n. 1, p. 56-60, 1992.

VALENTE, C. R. Projeto Mapas Metalogenéticos e de Previssão de Recursos Minerais. Folha Morrinhos,


SE.22-X-D. Brasília: DNPM,CPRM,SRG. 18 p. 1986.

VALERIANO, C. M.; DARDENNE, M. A.; FONSECA, M. A.; SIMÕES, L. S. A.; SEER, H. J. A evolução
tectônica da Faixa Brasília. In: MANTESSO-NETO, V.; BARTORELLI, A.; CARNEIRO, C. D. R.; BRITO-
NEVES, B. B. de (Org.). Geologia do Continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio
Marques de Almeida. São Paulo: Ed. Beca, 2004. p. 575-592.

VIANA, M. G.; PIMENTEL, M. M.; WHITEHOUSE, M. J.; FUCK, R. A.; MACHADO, N. O Arco Magmático
de Mara Rosa, Goiás: geoquímica e geocronologia e suas implicações regionais. Revista Brasileira de
Geociências, v. 25, n 2, p. 111-123, 1995.

WINCHESTER, J. A.; PARK, R. G.; HOLLAND, J. G. The geochemistry of Lewisian semipelitic schists from
the Gairloch District, Wester Ross. Scott Journal of Geology, v.16, p.165-179, 1980.

ZANARDO, A. Pesquisa Geológica e de matérias primas cerâmicas do centro nordeste do Estado de São
Paulo e vizinhanças – Sistematização crítica da produção Técnico - Científica. 2003. 304 f. Tese (Livre
Docência). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2003.
MA-1-34 amph 11 amph 11N2- amph 11N1- amph 21N1- amph 21N2- amph 22N1- amph 22N2- amph 22B1- amph 22B2- amph 23N1- amph 23B1- amph 24N1- MA-2-25 amph 11N1- amph 1N2-2 amph 12N1-
Min amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph Min amph amph amph

SiO2 42,47 42,68 42,93 42,58 43,27 42,22 42,49 43,6 44,53 42,51 43,09 41,85 SiO2 44,06 42,2 42,85
TiO2 0,23 0,23 0,23 0,35 0,4 0,46 0,4 0,4 0,41 0,42 0,45 0,44 TiO2 0,61 0,55 0,59
Al2O3 16,22 16,16 16,13 16,02 15,96 17,37 17,31 15,63 14,9 16,93 16,17 17,07 Al2O3 14,42 15,93 15,35
Cr2O3 0,01 0 0 0,01 0 0 0 0,01 0 0,01 0 0,07 Cr2O3 0,01 0,02 0,05
Fe2O3 1,27 1,05 1,2 1,2 1,06 1 0,81 1,32 1,2 1,35 0,67 0,93 Fe2O3 1,25 0,85 1,26
FeO 13,8 13,86 13,75 14,21 13,7 13,98 14,07 13,49 13,36 14,14 14,67 14,22 FeO 14,68 15,29 14,94
MnO 0,03 0,04 0 0,04 0,03 0,03 0,02 0 0 0,07 0 0,05 MnO 0,03 0,04 0
MgO 8,8 8,74 8,78 8,81 9,08 8,43 8,45 9,38 9,59 8,42 8,7 8,34 MgO 9,08 8,04 8,73
CaO 11,04 11,06 10,93 11,24 11,03 11,03 10,98 11,1 11,06 11,06 11,25 11,07 CaO 11 11,15 11,26
Na2O 2,03 1,94 1,94 1,98 2 2,17 2,24 1,9 1,72 2 2,12 2,19 Na2O 1,82 1,86 1,88
K2O 0,44 0,45 0,44 0,46 0,48 0,43 0,45 0,45 0,4 0,4 0,46 0,45 K2O 0,65 0,64 0,62

Totals 96,35 96,23 96,33 96,89 97,01 97,12 97,22 97,27 97,18 97,31 97,58 96,69 Totals 97,61 96,58 97,53

amph 12N2- amph 12B1- amph 13N1- amph 13N2- amph 13B1- amph 21N1- amph 21N2- amph 21B1- amph 21B2- amph 22N1- amph 22N2- amph 22B1- amph 22B2- MA-2-51B amph 11N1- amph 12N1- amph 12N2-
amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph Min amph amph amph

41,87 42,07 42,06 42,26 42,76 41,42 42,3 41,69 42,36 42,36 42,33 42,07 40,56 SiO2 41,97 42,23 44,47
0,52 0,48 0,53 0,6 0,44 0,53 0,49 0,57 0,45 0,54 0,5 0,56 0,48 TiO2 0,26 0,35 0,36
16,42 16,23 16,78 15,98 16,46 16,77 16,43 16,92 16,56 16,48 16,89 16,93 16,2 Al2O3 14,93 14,95 15,91
0,04 0,07 0,08 0,1 0 0,04 0,06 0 0,04 0,05 0,04 0,05 0,06 Cr2O3 0 0,01 0,02
1,54 1,21 1,19 1,17 0,4 1,48 0,49 0,88 0,94 1,44 0,91 0,99 0,82 Fe2O3 1,38 2,11 1,39
15,08 15,09 15,1 14,98 15,47 14,86 15,15 15,59 15,61 14,99 15,62 15,15 15,19 FeO 14,54 14,33 14,75
0,05 0,06 0,01 0,06 0,07 0,06 0,07 0,01 0,03 0,02 0 0,1 0,01 MnO 0,03 0,05 0,03
7,99 8,02 7,95 8,2 7,88 7,86 7,7 7,63 7,73 8,23 7,85 7,88 7,53 MgO 8,85 8,7 9,18
11,04 10,97 11,17 11,11 11,17 11,01 10,91 11,24 11,08 11,1 11,28 11,04 10,98 CaO 11,2 10,95 11,43
1,94 2,07 1,88 1,81 1,99 1,95 1,93 1,9 1,93 1,94 1,98 2,09 1,89 Na2O 2,1 1,86 2,06
0,6 0,53 0,59 0,71 0,53 0,55 0,55 0,62 0,65 0,7 0,63 0,63 0,61 K2O 0,39 0,4 0,43

97,08 96,79 97,35 96,96 97,17 96,53 96,08 97,05 97,38 97,86 98,04 97,5 94,34 Totals 95,67 95,94 100,05
amph 12B1- amph X amph 13N1- amph 13B1- amph 14N1- amph 15N1- amph 15N2- amph 15N3- amph XX amph 21N1- amph 21N2- amph 22N1- amph 23N1- amph 24N1- amph 21B1- MA-3-22 amph 11N1-
amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph Min amph

41,89 42,7 42,12 38,32 42,24 41,5 41,16 40,2 36,78 42,64 43,31 41,01 41,44 41,28 40,2 SiO2 42,55
0,29 0,32 0,38 0,37 0,39 0,41 0,41 0,45 0,13 0,38 0,39 0,43 0,03 0,16 0,38 TiO2 0
13,53 15,75 15,89 15,2 16,29 16,75 17,04 16,82 28,56 16,2 15,44 16,66 16,12 15,69 16,59 Al2O3 17,79
0,05 0 0,04 0 0,04 0,06 0 0,1 0,16 0,02 0 0,07 0,01 0,01 0 Cr2O3 0
2,22 2,01 1,96 3,03 2,04 1,38 1,97 1,13 6,19 1,59 1,67 1,07 1,7 1,64 1,71 Fe2O3 1,46
13,64 14,06 14,17 12,82 14,04 14,45 14,24 14,26 0 14,06 14,06 14,3 14,97 14,53 14,21 FeO 13,3
0,1 0,03 0,05 0,07 0,04 0 0,01 0 0,02 0,02 0,04 0,03 0,04 0 0,04 MnO 0,02
9,12 8,6 8,66 7,87 8,62 8,13 8,3 8,07 0,06 8,67 8,87 8,08 7,64 7,97 7,71 MgO 8,55
10,78 10,72 11,03 9,87 10,97 10,98 11,04 11,05 23,6 10,94 10,81 11,01 10,79 10,8 10,7 CaO 10,9
1,74 1,96 1,97 1,89 1,94 2,06 2,09 2,15 0 2,03 2,03 2,04 1,86 1,79 1,91 Na2O 2,03
0,38 0,42 0,41 0,42 0,48 0,46 0,5 0,47 0,02 0,42 0,37 0,43 0,48 0,49 0,49 K2O 0,46

93,76 96,57 96,7 89,87 97,08 96,18 96,76 94,7 95,52 96,97 96,99 95,13 95,08 94,37 93,95 Totals 97,05

amph 12N1- amph 12N2- amph 13N1- amph 14N1- amph 14B1- amph 14B2- amph 15N1- amph 15N2- amph 15B1- amph 15B2- amph 15B3- amph 21n1- amph 21N2- amph 21B1- amph 21B2- SG-153E amph 1SG15
amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph Min amph
72
42,26 41,46 43,03 41,89 43,65 41,67 42,36 42,04 40,96 42,95 42,66 42,85 42,22 43,01 43,18 SiO2 44,91
0,01 0,01 0,03 0,03 0,04 0 0,03 0 0,03 0 0 0 0,04 0 0 TiO2 0,63
16,97 17,51 17,08 17,7 16,7 17,8 17,93 18,1 17,51 17,18 17,98 17,01 17,16 16,8 16,95 Al2O3 14
0,07 0 0 0,01 0 0,03 0,06 0 0,13 14,03 0,01 0,03 0,05 0,01 0,03 Cr2O3 0,11
1,3 1,9 0,97 1,36 1 1,19 1,45 0,9 1,52 0 1,76 1,18 1,07 0,88 1,37 Fe2O3 2,61
13,42 13,13 13,46 12,86 13,09 13,19 13,24 13,54 13,2 0,06 13,15 13,75 13,97 14,24 13,37 FeO 9,12
0,01 0,07 0,03 0,04 0,02 0,05 0,02 0,03 0,06 0,1 0 0,07 0,05 0,07 0,03 MnO 0,2
8,87 8,41 8,6 8,71 8,85 8,43 8,43 8,28 8,32 8,75 8,67 8,46 8,19 8,3 8,98 MgO 12,75
11,09 10,84 10,87 10,94 10,64 10,82 10,76 10,82 10,76 10,76 10,9 10,92 10,95 11,19 10,99 CaO 11,93
2,15 1,94 2 2,07 2,07 2,24 2,1 2,29 2,21 2,13 2,02 2 1,98 1,77 2,12 Na2O 1,35
0,41 0,46 0,4 0,41 0,35 0,4 0,46 0,46 0,41 0,42 0,49 0,41 0,44 0,43 0,41 K2O 0,42

96,56 95,73 96,47 96,01 96,42 95,82 96,84 96,46 95,12 96,38 97,63 96,7 96,12 96,7 97,41 Totals 98,04
amph 2SG15amph 3SG15amph 4SG15amph 5SG15amph 7SG15amph 9SG15amph 10SG1amph SG153amph SG153amph SG153amph SG1535amph SG1536amph SG1537amph SG1538amph SG1539amph SG153 ME-1-48
amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph Min
73 74 75 76 77 79 80 104 105 106 107 108 109 110 111 112
44,03 45,01 44,52 44,41 44,81 44,38 44,76 44,02 43,2 42,34 43,11 42,39 43,25 43,2 43,56 42,35 SiO2
0,6 0,61 0,65 0,8 0,75 0,56 0,62 0,74 0,77 0,9 0,75 0,81 0,74 0,58 0,81 0,85 TiO2
15,02 12,95 13,77 12,84 13,27 13,4 14,03 13,16 11,03 14,09 13,85 14,22 13,71 13,74 13,8 14,12 Al2O3
0,01 0,05 0,05 0,09 0,06 0,04 0,12 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3
2,86 3,05 3,01 2,47 2,01 2,92 1,77 3,32 0,04 1,86 3,02 2,58 1,69 2,38 1,13 1,92 Fe2O3
9,51 8,67 9,14 9,96 9,91 9,81 9,93 10,76 14,17 14,45 13,32 14,29 14,24 13,94 14,6 14,6 FeO
0,23 0,26 0,15 0,28 0,2 0,19 0,22 0,09 0,16 0,14 0,21 0,13 0,09 0,15 0,13 0,19 MnO
12,19 12,97 12,74 12,26 12,7 12,26 12,36 10,69 10,07 8,97 9,61 9 9,57 9,5 9,23 8,88 MgO
11,8 11,83 11,67 11,8 12,01 11,75 11,85 11,91 11,86 11,68 11,86 11,85 11,88 11,82 11,77 12,06 CaO
1,51 1,22 1,51 1,32 1,49 1,39 1,44 0 1,07 1,16 1,07 1,15 1,19 1,18 1,08 1,21 Na2O
0,57 0,44 0,38 0,47 0,48 0,46 0,53 0 0,64 0,67 0,64 0,69 0,61 0,63 0,61 0,57 K2O

98,34 97,06 97,59 96,69 97,68 97,17 97,63 94,71 92,98 96,25 97,43 97,1 96,98 97,12 96,72 96,76 Totals

1ME-48 amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4
amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph

45,78 46,2 46,3 46,39 46,57 47,73 44,94 44,28 45,24 45,85 42,34 44,36 46,58 44,08 46,33 46,75 45,31
0,72 0,75 0,81 0,72 0,75 0,69 0,7 0,61 0,74 0,6 0,4 0,44 0,65 0,36 0,58 0,63 0,66
13,93 13,32 12,77 12,29 12,94 11,52 14,77 16,33 15,13 14,07 17,61 16,88 13,25 17,05 12,54 12,35 14,94
0,07 0,9 0,14 0,19 0,12 0,12 0,04 0,06 0,03 0,1 0,21 0,21 0,14 0,11 0,19 0,14 0,14
3,41 3,52 3,16 3,71 4,48 4,69 3,26 3,42 2,99 3,89 2,12 1,96 4,4 2,53 4,5 3,64 3,34
8,53 8,21 8,23 7,92 7,68 8,37 8,47 8,65 8,69 8,1 10,6 9,62 7,83 9,36 7,67 8,59 8,7
0,24 0,16 0,19 0,21 0,26 0,35 0,24 0,25 0,23 0,23 0,23 0,19 0,26 0,2 0,32 0,31 0,23
12,94 13,39 13,67 13,82 13,55 14,4 12,38 11,82 12,28 12,83 10,3 11,51 13,16 11,47 13,59 13,18 12,39
10,96 11,15 11,22 11,01 10,59 9,57 10,76 10,73 10,74 10,61 11,3 11,44 10,21 11,22 9,87 10,8 10,86
1,77 1,64 1,58 1,57 1,6 1,57 1,8 1,95 1,91 1,73 1,96 1,89 1,63 1,94 1,55 1,53 1,77
0,24 0,3 0,35 0,3 0,29 0,32 0,21 0,24 0,25 0,2 0,31 0,26 0,24 0,23 0,26 0,27 0,32

98,58 99,55 98,41 98,12 98,84 99,33 97,57 98,35 98,24 98,21 97,37 98,77 98,34 98,56 97,4 98,18 98,66
amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4
amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph

46,52 45,79 44,29 44,8 44,53 42,28 42,58 37,7 43,29 45,29 44,53 42,64 46,59 44,76 45,59 44,88 44,65
0,73 0,66 0,6 0,62 0,74 0,43 0,34 0,09 0,47 0,74 0,54 0,29 0,68 0,61 0,07 0,69 0,69
12,95 15,24 16,57 15,16 16,46 20,31 20,3 29,28 18,32 14,8 15,82 20,09 12,55 16,24 14,95 15,69 16,23
0,17 0,08 0,13 0,04 0,1 0 0 0,04 0,02 0,06 0,01 0 0,12 0,09 0,07 0 0,02
4,05 2,85 3,52 3,41 3,09 2,68 2,32 8,13 2,49 3,31 3,5 2,45 4,71 3,06 3,81 3,27 2,47
7,79 8,91 8,49 8,42 8,86 9,92 10,28 0 9,77 8,62 8,55 9,67 7,54 8,78 7,94 8,44 8,83
0,29 0,17 0,26 0,22 0,27 0,23 0,21 0,11 0,22 0,2 0,22 0,26 0,31 0,27 0,23 0,24 0,24
13,37 12,27 11,76 12,41 11,74 10,01 9,98 0,03 10,79 12,53 12,14 10,09 13,82 11,97 12,75 12,28 11,88
10,59 10,9 10,65 10,77 10,85 10,91 11,49 23,79 11,12 10,9 10,8 10,97 10,23 10,98 10,81 10,82 10,97
1,6 1,81 1,94 1,92 1,92 2,02 1,84 0 2,09 1,81 1,93 2,15 1,56 1,89 1,76 1,88 1,89
0,28 0,21 0,23 0,23 0,24 0,26 0,38 0,01 0,25 0,23 0,23 0,26 0,44 0,23 0,19 0,25 0,24

98,34 98,9 98,44 97,99 98,8 99,04 99,72 99,17 98,84 98,51 98,25 98,88 98,55 98,87 98,16 98,45 98,12

amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4amph 1ME-4 ME-61 amph 185MEamph 186MEamph 187MEamph 188MEamph 189MEamph 190MEamph 191ME
amph amph amph amph amph amph amph amph amph Min amph amph amph amph amph amph amph

47,06 45,88 45,66 48,49 47,85 47,3 46,73 45,7 44,89 SiO2 41,54 41,35 41,64 41,18 41,34 41,98 41,45
0,76 0,75 0,72 0,26 0,52 0,7 0,34 0,51 0,56 TiO2 0,52 0,54 0,4 0,42 0,56 0,56 0,48
11,99 14,1 14,44 11,54 12,04 11,8 12,46 14,24 15,79 Al2O3 14,69 15,21 14,75 14,96 14,81 15,81 15,47
0,05 0,08 0,09 0,05 0,15 0,17 0,15 0,11 0,04 Cr2O3 0,01 0 0 0,03 0,01 0,01 0,02
4,85 3,48 3,54 2,41 4,25 4,36 4,71 2,55 3,62 Fe2O3 6,07 5,77 5,01 4,8 5,35 5,23 5,01
7,7 8,02 8,25 8,01 8,54 8,11 7,82 9,14 8,47 FeO 11,86 12 12,22 12,43 12,06 12,17 12,51
0,18 0,23 0,25 0,19 0,32 0,27 0,29 0,23 0,24 MnO 0,39 0,38 0,38 0,34 0,33 0,33 0,38
14,22 13,11 12,82 14,57 14,18 14,12 13,56 12,63 12,41 MgO 9,59 9,42 9,58 9,38 9,49 9,49 9,21
10,41 10,88 10,83 11,6 9,56 10,16 10,6 11,31 10,96 CaO 10,64 10,77 10,89 10,89 10,8 10,8 10,9
1,43 1,74 1,79 1,52 1,51 1,42 1,63 1,77 1,93 Na2O 1,96 1,95 1,96 1,99 1,86 1,86 1,93
0,21 0,23 0,21 0,12 0,24 0,31 0,18 0,21 0,2 K2O 0,54 0,54 0,56 0,57 0,55 0,55 0,55

98,87 98,5 98,59 98,76 99,17 98,72 98,46 98,41 99,09 Totals 97,81 97,93 97,39 96,99 97,17 98,79 97,91
amph 192MEamph 193ME Sample PO-101 amph 245POamph 246POamph 247POamph 248POamph 252POamph 249POamph 250POamph 253POamph 254POamph 255POamph 257POamph 258POamph 261PO
amph amph Min Min amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph

41,9 41,87 SiO2 SiO2 52,83 54,25 44,5 42,99 54,23 42,21 53,76 42,57 42,9 54,31 53,99 53,84 41,99
0,53 0,54 TiO2 TiO2 0,04 0,05 0,06 0,58 0,06 0,27 0,08 0,42 0,11 0,06 0 0,03 0,39
14,78 14,86 Al2O3 Al2O3 2,06 1,4 12,74 15,18 1,31 16,23 1,65 16,17 15,78 1,54 1,16 1,19 15,45
0,04 0,01 Cr2O3 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
5,44 4,97 Fe2O3 Fe2O3 2,59 0 4,15 4,86 0 4,55 2,76 4,56 4,71 0 3,05 3,07 5,36
12,4 12,37 FeO FeO 18,75 20,78 11,42 11,81 21,56 13,04 18,32 12,42 12,39 20,77 18,5 18,28 12,19
0,37 0,33 MnO MnO 1,58 1,98 0,46 0,64 1,75 0,73 1,76 0,63 0,68 1,86 2,1 2,04 0,72
9,55 9,53 MgO MgO 17,62 17,94 10,59 9,73 17,82 9,07 17,53 9,38 9,2 17,83 17,75 17,77 9,51
10,78 10,82 CaO CaO 0,81 0,78 10,35 9,33 0,77 8,96 1,5 9,24 9,47 0,88 0,59 0,76 9,26
1,94 1,81 Na2O Na2O 0,14 0,18 1,6 1,98 0,13 2,34 0,19 2,29 2,25 0,14 0,15 0,12 2,32
0,6 0,6 K2O K2O 0,19 0,01 0,24 0,26 0,01 0,25 0,02 0,25 0,27 0,04 0 0 0,27

98,32 97,7 Totals Totals 96,61 97,36 96,11 97,34 97,89 97,66 97,57 97,92 97,77 97,43 97,29 97,11 97,46

PO-83 263PO-83 amph 264POamph 265POamph 266POamph 267POamph 268POamph 270POamph 271POamph 272POamph 274POamph 275POamph 277POamph 278POamph 279POamph 280POamph 281PO
Min amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph

SiO2 45,58 43,56 45,76 46,05 45,79 40,53 45,55 41,87 45,48 54,83 45,19 46,15 45,57 45,36 43,94 44,35
TiO2 1 0,51 0,84 1,18 1,21 0,13 1,1 0,24 1,18 0,93 1 0,63 0,66 1,11 1,47 1,39
Al2O3 13,81 17,62 14,17 13,38 13,56 22,7 14,04 20,73 13,58 10,62 14,08 14,05 14,27 13,7 14,76 14,13
Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Fe2O3 2,98 2,3 2,6 3,1 3,04 1,22 2,59 2,19 2,93 0 2,71 3,52 4,01 3,43 2,81 2,74
FeO 11 11,82 11,05 10,6 10,92 13,46 10,91 12,31 11,09 11,72 11,17 10,53 10,29 10,42 11,14 11,04
MnO 0,26 0,28 0,26 0,24 0,25 0,29 0,23 0,26 0,24 0,22 0,28 0,24 0,27 0,27 0,25 0,28
MgO 11,46 9,64 11,19 11,59 11,39 7,08 11,14 8,21 11,35 9,96 11,04 11,4 11,42 11,47 10,88 11,11
CaO 10,91 11,22 10,92 10,71 10,79 11,08 10,76 11,22 10,82 8,44 10,88 10,46 10,62 10,67 10,86 10,89
Na2O 1,55 1,69 1,48 1,32 1,38 1,8 1,45 1,75 1,48 1,03 1,51 1,43 1,36 1,38 1,52 1,5
K2O 0,53 0,33 0,47 0,51 0,5 0,49 0,48 0,41 0,56 0,75 0,45 0,4 0,34 0,52 0,77 0,65

Totals 99,07 98,98 98,75 98,67 98,83 98,78 98,25 99,2 98,7 98,48 98,32 98,81 98,81 98,33 98,39 98,07
amph 282POamph 283POamph 284PO PO-100B 162PO-100Bamph 163POamph 164POamph 165POamph 166POamph 167POamph 168POamph 169POamph 170POamph 171POamph 172POamph 173POamph 174PO
amph amph amph Min amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph amph

43,2 46,33 41,2 SiO2 43 42,76 41,97 42,98 42,68 42,03 42,7 54,41 53,98 54,14 42,76 42,22 43,87
0,45 1,07 0,22 TiO2 0,43 0,62 0,48 0,44 0,51 0,53 0,41 0,07 0,07 0,07 0,35 0,36 0,55
17,45 12,67 21,7 Al2O3 19,27 19,08 19,41 17,83 19,67 19,86 18,6 2,18 2,06 1,84 19,47 19,87 18,37
0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
2,21 3,13 2,02 Fe2O3 2,95 3,16 3,18 3,87 2,72 2,66 3,34 0 0 0,12 2,58 2,65 3,09
12,71 10,9 13,04 FeO 10,58 10,66 10,99 10,52 11,4 11,7 11,09 20,36 20,65 21,12 10,44 11,17 10,42
0,26 0,26 0,21 MnO 0,04 0,05 0,05 0,09 0,06 0,04 0,06 0,11 0,13 0,14 0,01 0,04 0,02
9,21 11,76 7,84 MgO 9,96 10,13 9,9 10,55 9,49 9,35 10,05 19,45 19 19 9,72 9,74 10,21
11,37 10,58 11,23 CaO 10,81 10,68 10,64 10,35 10,65 10,38 10,27 0,63 0,81 0,54 10,74 10,33 10,61
1,62 1,27 1,77 Na2O 1,59 1,62 1,78 1,72 1,59 1,74 1,66 0,15 0,13 0,19 1,57 1,74 1,32
0,39 0,47 0,53 K2O 0,23 0,22 0,3 0,19 0,24 0,26 0,17 0,01 0,02 0,01 0,16 0,12 0,22

98,87 98,43 99,77 Totals 98,86 98,98 98,69 98,55 99,02 98,54 98,35 97,36 96,86 97,17 97,82 98,23 98,67

amph 175POamph 176POamph 177POamph 179POamph 178POamph 226POamph 227PO SG-155 amph 4SG-1 amph 5SG-1 amph 6SG-1
amph amph amph amph amph amph amph Min amph amph amph

54,06 42,61 54,11 42,02 42,95 42,28 42,51 SiO2 42,94 42,16 42,78
0,03 0,42 0,02 0,34 0,32 0,52 0,37 TiO2 1,25 1,1 1,59
1,98 19,08 2,1 20,51 18,1 18,29 19,98 Al2O3 12,82 13,02 12,93
0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0
0,05 2,94 0 2,32 3,45 3,51 2,56 Fe2O3 4,16 4,03 2,85
21,49 10,9 20,63 10,92 10,38 9,94 9,88 FeO 10,59 10,69 11,65
0,09 0,06 0,09 0,03 0,02 0,06 0,01 MnO 0,24 0,2 0,22
18,77 9,79 18,98 9,53 10,38 10,43 10,23 MgO 11,47 11,21 11,22
0,68 10,47 0,63 10,77 10,33 10,61 10,63 CaO 11,57 11,43 11,52
0,13 1,58 0,12 1,66 1,57 1,61 1,78 Na2O 1,26 1,34 1,36
0,01 0,25 0 0,13 0,15 0,24 0,14 K2O 0,83 0,9 0,94

97,27 98,11 96,68 98,23 97,64 97,49 98,11 Totals 97,13 96,1 97,05
MA-1-34 11B1-1-34 bi 12N1-1- bi 12B1-1- bi 13N1-1- bi 13B1-1- bi 14N1-1- bi 14B1-1- bi 15N1-1- bi 15N2-1- bi 15B1-1- bi 21N1-1- bi 22N1-1- bi 21N1B-1 bi 23N1-1- bi 24N1-1- MA-1-38
Min bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi Min

SiO2 36,23 36,68 36,78 37,21 37,73 37,72 37,81 36,91 37,15 36,82 37,55 37,43 37,32 38,38 36,67 SiO2
TiO2 1,78 1,81 1,82 0,58 1,45 1,66 1,65 1,6 1,48 1,26 1,56 1,67 1,66 1,66 1,49 TiO2
Al2O3 16,17 16,21 16,28 17,08 16,78 16,43 16,42 16,02 16,16 16,66 16,26 16,55 16,79 16,69 16,38 Al2O3
Cr2O3 0,08 0,1 0,08 0,04 0,04 0 0,02 0,07 0,06 0,04 0,02 0,06 0,05 0,03 0,03 Cr2O3
Fe2O3 0 0 0 0 0 0 0,01 0 0 0 0 0 0 0 0,57 Fe2O3
FeO 16,86 16,86 18,52 16,18 16 16,7 16,4 19,1 19,27 19,04 15,54 16,16 15,86 16,09 18,4 FeO
MnO 0,06 0,01 0,03 0 0,02 0,03 0,01 0 0,03 0,05 0 0,01 0,01 0 0,03 MnO
MgO 11,67 12,01 11,79 12,76 12,31 12,46 12,57 10,52 10,65 10,54 12,96 12,73 12,86 13,09 11,19 MgO
CaO 0,04 0,01 0,04 0 0,03 0 0,01 0,03 0,04 0,03 0,03 0,01 0,01 0,01 0,02 CaO
Na2O 0,05 0,08 0,04 0,09 0,09 0,11 0,09 0,05 0,1 0,09 0,09 0,1 0,1 0,11 0,08 Na2O
K2O 9,1 9,05 9,36 9,35 9,07 9,41 9,47 9,38 9,39 9,36 9,68 9,31 9,52 9,48 8,61 K2O

Totals 92,04 92,84 94,73 93,29 93,53 94,54 94,46 93,68 94,35 93,91 93,71 94,03 94,17 95,55 93,49 Totals

bi 11N1-38 bi 11N3-1- bi 12N1-1- bi 13N1-1- MA-1-37 bi 1N1-1-37 bi 1N2-1-3 bi 1B1M-1- bi 2N1-1-3 bi 2N2 bi 3N1-1-3 bi 4N1-1-3 bi 4N2-1-3 bi 5N1-1-3 bi 5N2-1-3 bi 6N1-1-3 bi 7N1-1-3
bi bi bi bi Min bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi

36,82 37,13 35,61 36,22 SiO2 37,18 37,17 35,95 37,08 35,97 36,43 36,48 36,41 37,4 37,26 36,96 38,27
0 0,03 0 0,06 TiO2 1,74 1,91 1,41 1,66 1,7 1,53 1,68 1,7 1,43 1,5 1,25 1,39
16,96 17,76 16,24 17,15 Al2O3 17,08 17,23 16,75 17,53 17,28 17,05 17,25 17,08 17,32 16,95 16,7 16,58
0,05 0,08 0,05 0,05 Cr2O3 0,04 0 0,09 0,06 0,04 0,01 0,02 0,02 0,01 0,03 0,02 0,03
0 0 1,33 0 Fe2O3 0 0 0,51 0 0 0 0 0 0 0 0 0
21,29 20,31 20,95 21,29 FeO 16,61 16,87 16,74 15,79 16,61 16,36 16,24 16,96 15,97 16,13 16,89 16,98
0,24 0,29 0,21 0,22 MnO 0 0,03 0,07 0,02 0 0,01 0 0 0 0,04 0,01 0,03
8,31 8,42 8,93 8,41 MgO 12,26 12,44 12,45 12,48 12,6 12,57 12,19 12,28 12,54 12,72 12,76 12,66
0 0 0,03 0 CaO 0 0 0,03 0 0 0 0,01 0 0 0,01 0,04 0,01
0,05 0,08 0,12 0,1 Na2O 0,25 0,24 0,24 0,29 0,24 0,24 0,28 0,29 0,34 0,28 0,23 0,28
9,51 9,49 8,98 9 K2O 9,44 9,49 9,39 9,53 9,54 9,04 9,51 9,42 9,31 9,09 9,3 9,42

93,24 93,6 92,44 92,51 Totals 94,6 95,4 93,64 94,45 93,99 93,25 93,67 94,17 94,35 94,01 94,17 95,66
MA-2-25 bi 1N1-2-2 bi 12N1-2-25 bi 13N1-2- bi 14N1-2- bi 13N2-2- bi 14B1-2- bi 15N1-2- bi 16N1-2- bi 17N1-2- bi 21N1-2- bi 21N2-2- bi 22N2-2- bi 22N2b-2 bi 23N1-2- bi 23N1-2- MA-2-50
Min bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi Min

SiO2 36,83 36,6 37,46 37,34 37,32 37,7 37,42 36,7 37,6 37,33 36,84 37,45 37,33 37,19 36,46 SiO2
TiO2 1,84 1,82 1,72 1,83 1,69 1,8 1,62 1,84 1,78 1,33 1,35 1,78 1,77 1,82 1,66 TiO2
Al2O3 15,99 16,14 16,39 16 16,41 15,85 16,45 16,07 16,24 16,93 17,02 16,56 16,31 16,34 15,99 Al2O3
Cr2O3 0,08 0,04 0,03 0,08 0,1 0,07 0,03 0,04 0,02 0,09 0,05 0,05 0,05 0,01 0,03 Cr2O3
Fe2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Fe2O3
FeO 17,38 17,25 16,73 17,8 17,1 16,79 17,28 17,37 16,73 16,17 16,64 17,2 17,09 17,71 17,59 FeO
MnO 0 0,02 0 0 0 0 0,01 0,02 0,04 0,1 0,06 0,01 0 0,06 0,07 MnO
MgO 11,5 11,82 11,74 11,62 11,69 11,76 11,94 11,61 11,98 11,74 11,9 11,38 11,35 11,05 11,97 MgO
CaO 0 0,13 0 0,01 0 0 0,02 0,01 0 0,02 0,01 0,02 0 0 0,05 CaO
Na2O 0,15 0,1 0,06 0,08 0,11 0,12 0,08 0,11 0,08 0,11 0,11 0,11 0,1 0,05 0,1 Na2O
K2O 9,56 9,36 9,46 9,64 9,57 9,61 9,48 9,74 9,59 9,75 9,76 9,72 9,69 9,59 9,37 K2O

Totals 93,34 93,29 93,61 94,39 94 93,71 94,31 93,52 94,07 93,57 93,75 94,3 93,69 93,83 93,29 Totals

bi 2N1-2-50 bi 22N1-2- bi 23N1-2- bi 24N1-2- bi 24N2-2- bi 11N1-2- bi 12N1-2- bi 13N1-2- bi 13B1-2- bi 14N1-2- MA-2-51B bi 11N1-2- bi 11B1-2- bi 12N1-2- bi 12N2-2- bi 13N1-2- bi 14N1
bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi Min bi bi bi bi bi bi

36,64 36,51 35,98 35,96 37,02 36,38 36,52 37,11 37,39 37,32 SiO2 35,81 36,39 35,3 34,78 34,78 40,15
1,99 1,94 1,86 1,69 1,73 1,67 1,68 2,03 2,19 1,98 TiO2 1,52 1,68 1,73 1,76 1,7 1,85
15,18 16,46 15,65 16,08 15,71 15,48 15,8 16,13 15,75 15,78 Al2O3 17,67 17,55 17,06 16,98 17,29 19,53
0,01 0,02 0,03 0,01 0,05 0,02 0,05 0,05 0,07 0,08 Cr2O3 0,05 0,11 0,08 0,07 0,1 0,12
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Fe2O3 0 0 0 1,68 0 0
17,21 15,67 16,93 16,98 16,59 18,48 17,85 17,25 17,09 16,8 FeO 17,36 17,13 16,35 15,32 16,85 18,89
0 0 0,08 0 0,01 0,01 0 0,02 0 0 MnO 0,01 0 0,07 0,01 0,1 0
12,11 12,13 12,07 12,15 12,51 11,23 11,22 12,12 11,7 12,23 MgO 11,39 11,27 11,53 11,98 10,54 13,01
0 0,01 0,01 0,02 0,03 0,01 0 0 0 0,03 CaO 0 0,02 0,09 0,01 0,17 0
0,12 0,16 0,16 0,21 0,16 0,15 0,19 0,13 0,14 0,12 Na2O 0,08 0,1 0,08 0,08 0,09 0,11
9,65 9,65 9,59 9,8 9,68 9,76 9,5 9,78 9,75 9,68 K2O 9,91 9,67 8,88 8,63 7,92 10,48

92,92 92,57 92,38 92,91 93,5 93,2 92,83 94,63 94,09 94,02 Totals 93,82 93,94 91,18 91,3 89,56 104,14
bi 15N1-2- bi 16N1-2- bi 16N1-2- bi 17N2-2- bi 21B1-2- bi 22N11-2 bi 23N1-2- bi 24N1-2- bi 25B1-2- bi 25N1-2- bi 25B2-2- bi 21N1-2- bi 22N1-2- bi 21N1-2- bi 22N1-2- bi 23N1-2- MA-3-22
bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi Min

35,58 34,73 35,98 37,62 37,1 36,08 36,52 36,63 36,77 36,5 37,22 33,45 34,91 35,39 35,55 34,81 SiO2
1,69 1,88 1,37 1,31 1,18 1,67 1,79 1,77 1,46 1,58 1,49 2 1,99 1,83 1,83 1,89 TiO2
17,16 16,97 18,37 18,43 18,08 17,49 17,56 17,29 18,28 17,97 18,64 17,18 17,34 16,8 17,21 17,1 Al2O3
0,07 0,12 0,01 0,02 0,02 0,06 0 0,04 0,05 0,02 0,03 0,12 0,02 0,04 0 0,07 Cr2O3
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1,74 0 0 0 0 Fe2O3
16,87 17,47 16,39 17,14 17,49 16,93 16,64 16,91 16,92 16,72 16,81 17,01 17,24 16,78 16,69 16,86 FeO
0 0 0 0,01 0,03 0,02 0,02 0 0,04 0 0 0 0,07 0,09 0,06 0,17 MnO
11,47 11,61 11,39 11,58 11,53 11,55 11,73 11,39 11,39 11,5 11,5 10,84 10,8 11,1 11,4 10,7 MgO
0,04 0,03 0,03 0 0,01 0,02 0 0,07 0,02 0 0 0 0 0 0,06 0,09 CaO
0,1 0,09 0,14 0,1 0,1 0,09 0,12 0,13 0,1 0,09 0,09 0,14 0,07 0,06 0,09 0,07 Na2O
9,41 9,51 9,37 10 9,51 9,19 9,38 9,19 9,82 9,47 9,87 9,05 9,79 9,02 8,7 8,6 K2O

92,4 92,42 93,06 96,23 95,06 93,12 93,77 93,42 94,87 93,85 95,64 91,55 92,24 91,14 91,6 90,35 Totals

bi 11N1-3-22 bi 12N1-3- bi 13N1-3- bi 14N1-3- bi 15N1-3- bi 15N1b-3 bi 15N2-3- bi 21N1-3- bi 22N1-3- bi 23N1-3- SG-6 bi 92SG-6 bi 94SG-6 bi 96SG-6 ME-111 bi 199ME-11 bi 200ME-1
bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi Min bi bi bi Min bi bi

37,27 37,2 37,02 37,23 37,17 36,79 36,69 36,93 36,7 37,02 SiO2 36,02 36,51 33,66 SiO2 35,91 36,36
0 0 0,01 0,06 0,03 0 0 0,01 0,07 0 TiO2 1,41 1,95 1,4 TiO2 2,18 2,55
17,93 18,23 17,71 17,67 17,49 16,98 17,34 17,46 17,71 17,13 Al2O3 17,31 16,94 17,58 Al2O3 16,09 16,39
0,06 0 0,05 0 0,09 0,04 0,01 0,01 0,04 0,02 Cr2O3 0 0 0 Cr2O3 0 0
0 0 0,05 0 0,6 0 0,28 0 0 0 Fe2O3 0 0 3,23 Fe2O3 0 0
16,35 16,09 16,55 15,62 16,07 16,8 16,55 16,1 16,17 16,44 FeO 18,31 18,1 16,49 FeO 19,13 18,66
0,07 0,04 0,02 0,04 0,05 0,04 0,05 0,04 0,07 0,01 MnO 0,04 0,03 0,06 MnO 0,2 0,14
12,16 12,13 12,18 12,8 12,42 11,96 12,17 12,32 11,81 11,57 MgO 10,51 10,57 12,35 MgO 10,65 10,72
0 0 0 0 0 0 0,02 0 0 0,03 CaO 0,05 0 0 CaO 0,02 0,04
0,1 0,11 0,09 0,11 0,16 0,07 0,05 0,09 0,09 0,13 Na2O 0,12 0,18 0,1 Na2O 0,12 0,11
9,51 9,69 9,21 9,37 9,02 9,42 9,44 9,4 9,41 9,33 K2O 8,97 9,11 7,59 K2O 9,15 9,18

93,46 93,51 92,9 92,9 93,1 92,09 92,61 92,38 92,07 91,69 Totals 92,76 93,39 92,48 Totals 93,47 94,16
bi 201ME-1 bi 202ME-1 bi 203ME-1 bi 205ME-1 bi 206ME-1 bi 207ME-1 bi 256ME-1 bi 257ME-1 bi 258ME-1 bi 259ME-1 bi 260ME-1 bi 261ME-1 bi 262ME-1 bi 263ME-1 bi 264ME-1 bi 265ME-1 bi 266ME-1
bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi

35,7 36,34 36,34 36,67 36,28 35,76 35,9 35,57 36,62 36,44 34,85 36,55 36,92 36,62 36,69 35,77 36,98
1,87 2,12 2,28 2,4 2,2 2,22 2,23 2,19 2,36 2,28 2,27 2,3 2 2,05 2,23 2,24 2,25
16,42 16,63 16,01 16 17,17 16,51 15,97 15,88 16,32 16,08 15,82 16,32 16,78 15,98 16,21 15,64 16,23
0 0,03 0,01 0,01 0 0,01 0,02 0,02 0,02 0 0,01 0 0 0 0,01 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0,02 0 0 2,99 0 0 0 0 0 0
19,01 18,84 18,72 19,22 18,7 19,17 17,45 18,03 17,84 18,12 15,25 17,56 18,52 18,25 17,89 17,8 17,5
0,17 0,17 0,18 0,2 0,17 0,14 0,2 0,16 0,19 0,19 0,2 0,17 0,18 0,19 0,2 0,18 0,21
10,91 10,61 10,61 10,55 10,54 10,67 11,23 11,6 11,31 11,09 12,1 11,24 11,41 11,46 11,57 11,25 11,45
0,05 0,06 0,03 0,14 0,04 0,01 0,07 0,12 0,07 0,03 0,07 0,07 0,03 0,02 0,01 0,03 0,04
0,13 0,13 0,14 0,08 0,11 0,08 0,12 0,11 0,11 0,12 0,09 0,12 0,07 0,1 0,12 0,08 0,1
9,22 9,06 9,18 9,02 9,37 9,26 8,99 9 8,98 9,38 8,1 9,19 9,46 9,27 9,23 9,35 9,24

93,49 93,99 93,52 94,31 94,59 93,83 92,19 92,7 93,84 93,74 91,75 93,52 95,39 93,95 94,17 92,36 94,01

PO-101 bi 228PO-10 bi 229PO-1 bi 230PO-1 bi 231PO-1 bi 232PO-1 bi 233PO-1 bi 234PO-1 bi 235PO-1 bi 236PO-1 bi 237PO-1 bi 238PO-1 bi 239PO-1 bi 240PO-1 bi 241PO-1 bi 242PO-1 bi 243PO-1
Min bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi

SiO2 36,98 37,19 36,77 36,79 35,83 35,65 37,28 36,31 37,15 37,03 35,52 37,42 37,43 36,51 36,51 37,32
TiO2 1,39 1,24 1,8 1,38 1,36 1,57 1,63 1,37 1,38 1,46 1,63 1,6 1,59 1,36 1,74 1,58
Al2O3 16,6 16,76 16,29 16,35 16,27 15,84 16,19 15,89 16,18 16,12 16,55 17,05 16,3 16,16 16,24 16,92
Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Fe2O3 0,65 0,94 0 2,61 2,72 1,57 0,26 1,27 0,21 1,97 1,69 0 0 1,17 0 0
FeO 15,68 15,19 15,7 13,3 13,88 14,37 16,09 15,15 15,47 14,6 14,86 15,98 16,04 15,13 15,72 15,89
MnO 0,15 0,16 0,11 0,19 0,06 0,17 0,1 0,11 0,13 0,12 0,09 0,15 0,14 0,21 0,14 0,17
MgO 13,33 13,53 13,12 14 13,84 13,43 13,35 13,26 13,46 13,7 13,16 13,15 13,27 13,21 13,02 12,53
CaO 0 0,01 0 0,01 0,06 0 0,01 0,02 0,03 0,01 0,01 0 0 0,04 0 0,02
Na2O 0,06 0,05 0,06 0,07 0,08 0,1 0,09 0,06 0,07 0,07 0,1 0,09 0,06 0,09 0,1 0,06
K2O 9,51 9,43 9,09 8,87 8,3 9,32 9,36 9,34 9,24 9,13 9,44 9,29 9,36 9,14 9,21 9,3

Totals 94,37 94,51 92,95 93,59 92,43 92,02 94,36 92,8 93,33 94,22 93,07 94,75 94,22 93,03 92,69 93,8
PO-130 bi 393PO130 bi 394PO13 bi 395PO13 bi 396PO13 bi 397PO13 bi 398PO13 bi 399PO13 bi 401PO13 bi 400PO13 bi 449PO-1 bi 450PO-1 bi 453PO-1
Min bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi bi

SiO2 37,36 37,17 36,68 36,98 36,43 37,07 36,99 36,51 36,86 35,18 36,3 35,7
TiO2 2,27 1,26 1,7 2,09 1,8 1,78 1,68 2,19 1,9 2,17 1,92 1,81
Al2O3 19,08 19,28 19 18,38 18,65 19,19 19,5 17,99 18,42 16,93 17,05 16,62
Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Fe2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
FeO 15,04 14,83 15,26 16,33 15,57 15,46 15,05 15,32 16,18 20,6 19,5 20,29
MnO 0 0 0,01 0,05 0,02 0 0 0,02 0 0,16 0,15 0,14
MgO 12,26 12,9 12,43 12,04 12,42 11,99 11,97 12,52 12,3 9,23 9,26 8,98
CaO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0,01
Na2O 0,19 0,18 0,22 0,15 0,13 0,16 0,17 0,17 0,16 0,08 0,09 0,07
K2O 9,52 9,26 9,22 9,28 9,05 9,17 9,57 9,07 9,32 9,09 9,13 8,98

Totals 95,75 94,89 94,53 95,3 94,09 94,82 94,94 93,81 95,14 93,44 93,38 92,61
MA-1-34 21N11 ep 22N1-1- ep 22B1-1- ep 23N1-1-ep 24N1-1- ep 24B1-1- ep 11N1-1-ep 12N1-1-ep 13N1-1-ep 14N1-1-ep 15N1-1-ep 16N1-1- ep 13B1-1- MA-2-25 ep 1N1-2-2ep 11N2-2-
Min ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep Min ep ep

SiO2 37,86 38,83 39,04 39,17 39,47 38,69 38,74 37,53 39,19 39,16 38,99 38,45 37,02 SiO2 39,31 38,72
TiO2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TiO2 0 0
Al2O3 28,49 29,16 28,84 29,04 29,11 26,42 28,82 28,17 29 29,05 28,86 28,23 27,05 Al2O3 28,3 27,88
Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0
Fe2O3 6,31 5,49 5,63 5,85 5,76 9,5 5,68 5,89 5,74 5,8 5,67 5,95 7,98 Fe2O3 6,29 6,86
FeO 0,06 0,05 0,05 0,05 0,05 0,09 0,05 0,05 0,05 0,05 0,05 0,05 0,07 FeO 0,06 0,06
MnO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 MnO 0 0
MgO 0,11 0,06 0,09 0,08 0,06 0,04 0,11 0,12 0,06 0,03 0,06 0,12 0,14 MgO 0,03 0,06
CaO 23,37 23,84 23,6 23,72 23,95 23,51 23,61 22,61 23,67 23,87 23,54 22,96 23 CaO 23,55 23,49
Na2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Na2O 0 0
K2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O 0 0

Totals 96,23 97,46 97,29 97,93 98,42 98,26 97,04 94,39 97,74 97,99 97,19 95,78 95,28 Totals 97,57 97,09

ep 11B1-2- ep 12N1-2-ep 12N2-2-ep 13N1-2-ep 13N1-2- ep 13B1-2- ep 21N1-2-ep 21N2-2- ep 21B1-2- ep 22N1-2-ep 22N2-2-ep 23N1-2-ep 23N2-2- ep 23B1-2- MA-2-51B ep 11N1-2- ep 11N2
ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep Min ep ep

38,68 39,77 39,13 39,05 39,23 39,25 39,05 39,38 38,99 38,85 38,9 39,39 39,12 39,59 SiO2 37,15 37,55
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TiO2 0 0
28,92 27,95 28,24 28,52 29,23 28,88 27,8 27,73 28,51 28,14 28,75 28,46 28,27 28,34 Al2O3 28,7 29,25
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0
6,05 6,72 6,65 6,09 5,86 6,19 7,09 7,14 6,33 6,86 6,54 6,39 6,35 6,93 Fe2O3 6,6 6,71
0,05 0,21 0,06 0,06 0,05 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,27 0,06 FeO 0,06 0,06
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 MnO 0 0
0,09 0,02 0,04 0,06 0,07 0,04 0,06 0,06 0,04 0,03 0,08 0,05 0,07 0,06 MgO 0,04 0,05
23,64 23,93 23,46 23,74 23,51 23,64 23,52 23,46 23,64 23,6 23,63 23,81 23,93 23,63 CaO 23,87 23,54
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Na2O 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O 0 0

97,45 98,63 97,59 97,53 97,97 98,1 97,62 97,86 97,6 97,56 97,98 98,18 98,04 98,63 Totals 96,44 97,19
ep 12N1-2-ep 13N1-2-ep 13N2-2- ep 13B1-2- ep 13B2-2- ep 13B3-2- ep 14N1-2-ep 14N2-2-ep 14B11-2ep 14B2-2- ep 21N1-2- ep 21B1-2- ep 22N1-2-ep 22N2-2- ep 22B1-2- ep 23N1-2-ep 24N1-2-
ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep ep

37,37 37,6 37,84 37,97 38,43 37,85 38,26 38,45 37,65 38,63 39,17 37,38 38,14 38,08 37,94 37,92 38,21
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
28,71 29,11 28,34 29,15 29,62 27,61 29,06 29,39 28,2 29,26 28,83 28,54 28,93 28,66 28,42 28,46 29,1
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
6,45 6,73 6,83 6,31 6,42 6,68 6,44 6,4 6,1 6,37 6,28 6,49 6,48 6,57 6,9 6,34 6,37
0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06 0,06
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,09 0,07 0,08 0,05 0,06 0,08 0,1 0,06 0,06 0,08 0,07 0,06 0,07 0,07 0,03 0,08 0,07
23,36 23,57 23,18 23,67 23,5 22,91 23,42 23,52 23,04 23,4 22,72 23,54 23,46 23,81 23,78 23,42 23,45
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

96,07 97,17 96,36 97,24 98,12 95,21 97,36 97,9 95,13 97,81 97,15 96,09 97,16 97,27 97,15 96,31 97,28

ep 24N2-2- ep 24B1-2- ep 21N1-2- ep 22B1-2- SG-153E ep 113bSG-ep 114nSG-ep 115SG-1ep 116SG-1 ME-1-48 ep ME-1-48 ep A4C26 ep A4C27
ep ep ep ep Min ep ep ep ep Min ep ep ep

37,76 37,83 36,98 36,71 SiO2 38,12 38,75 37,99 38,71 SiO2 37,7 37,7 37,65
0 0 0 0 TiO2 0,17 0,15 0,24 0,21 TiO2 0 0 0
28,55 27,79 28,05 27,37 Al2O3 28,23 29,06 28,12 28,14 Al2O3 29,28 29,33 29,24
0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0
6,44 7,22 7,16 7,52 Fe2O3 5,95 4,61 5,62 6,37 Fe2O3 8,04 7,95 8,09
0,06 0,07 0,07 0,07 FeO 0 0 0 0 FeO 0,07 0,07 0,07
0 0 0 0 MnO 0,14 0,09 0,1 0,12 MnO 0 0 0
0,09 0,04 0,04 0,08 MgO 0,05 0,05 0,08 0,06 MgO 0,03 0,03 0,03
22,85 23,33 22,95 22,6 CaO 23,74 23,78 23,99 23,7 CaO 23,79 23,69 23,7
0 0 0 0 Na2O 0,01 0,03 0,02 0,02 Na2O 0 0 0
0 0 0 0 K2O 0 0 0 0 K2O 0 0 0

95,76 96,3 95,27 94,37 Totals 96,41 96,53 96,15 97,32 Totals 98,94 98,79 98,81
MA-3-37 st 1N11-37 st 1N11-37 st 1N2-1-3 st 13N1137st 13B1137st 14N11-3 st 14B11-3 st 14B2 st 14N2137 st 15N1 st 15N2 st 15B1 st 15B2 st 16N1 st 16N2 st 16B1
Min st st st st st st st st st st st st st st st st

SiO2 27,88 27,46 27,67 27,91 27,76 27,59 28,63 27,80 27,07 27,66 28,08 27,19 27,43 26,88 26,97 26,97
TiO2 0,52 0,39 0,55 0,59 0,45 0,51 0,53 0,56 0,38 0,34 0,36 0,45 0,47 0,62 0,61 0,52
Al2O3 51,88 52,17 51,98 52,73 52,49 52,88 53,58 52,92 52,99 52,16 51,55 51,98 51,85 53,16 53,10 52,64
Cr2O3 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
Fe2O3 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
FeO 14,72 14,41 14,92 14,17 13,62 14,38 14,19 14,21 14,02 14,41 14,62 14,42 14,25 14,20 13,76 13,84
MnO 0,10 0,09 0,06 0,13 0,09 0,11 0,10 0,07 0,07 0,03 0,09 0,09 0,11 0,14 0,12 0,09
MgO 2,35 2,33 2,19 2,03 2,06 1,99 2,03 2,04 2,04 2,43 2,34 2,23 2,15 2,04 2,13 2,00
CaO 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
Na2O 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
K2O 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00

Totals 97,46 96,85 97,37 97,55 96,48 97,47 99,06 97,61 96,56 97,02 97,05 96,35 96,26 97,05 96,68 96,05

st 16B2 st 16B3 st 16B4 st 16B5


st st st st

27,04 27,30 27,52 27,54


0,47 0,64 0,64 0,64
53,03 52,90 52,56 53,10
0,00 0,00 0,00 0,00
0,00 0,00 0,00 0,00
14,21 13,97 13,75 13,80
0,10 0,09 0,13 0,10
1,91 2,12 2,18 2,00
0,00 0,00 0,00 0,00
0,00 0,00 0,00 0,00
0,00 0,00 0,00 0,00

96,77 97,02 96,77 97,18


MA-1-34 fsp 21N1-1 fsp 21N2-1 fsp 21B2-1 fsp 22N1-1 fsp 22B1-1 fsp 23N1-1 fsp 23B1-1 fsp 23B2-1 fsp 11N1-1 fsp 11N2-1 fsp 11B1-1 fsp 11B2-1 fsp 11B3-1 fsp 12N1-1 fsp 12N2-1 fsp 12B1-1
Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

SiO2 62,48 61,66 60,43 62,4 60,39 62,74 60,57 61,71 62,54 61,42 61,85 64,6 63,67 62,65 65,48 64,21
TiO2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Al2O3 23,43 23,57 24,17 23,55 24,71 23,42 24,93 23,93 23,92 24,82 23,41 22,48 23,48 23,67 21,95 22,68
Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Fe2O3 0,04 0,03 0,07 0 0,09 0,01 0,02 0,02 0,07 0,09 0,08 0,32 0,29 0,03 0,14 0,07
FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
MnO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
MgO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
CaO 5,95 6,03 6,46 5,78 6,86 5,7 7,13 6,51 5,79 6,76 5,46 2,91 5,06 5,86 3,79 4,5
Na2O 8,63 8,42 8,35 8,45 7,87 8,64 7,96 8,17 8,68 8,06 8,52 9,78 9,26 8,47 9,93 9,26
K2O 0,05 0,08 0,07 0,07 0,05 0,1 0,04 0,07 0,07 0,04 0,08 0,04 0,04 0,05 0,06 0,09

Totals 100,59 99,79 99,55 100,25 99,98 100,61 100,65 100,4 101,07 101,19 99,4 100,15 101,8 100,73 101,36 100,81

fsp 13N1-1 fsp 13B1-1 fsp 13N1-1 fsp 14N1-1 fsp 14N2-1 fsp 15N1-1 fsp 15B1-1 fsp 15B2-1 fsp 15B3-1 MA-1-38 fsp 11N1-1 fsp 11N2-1 fsp 11B1-1 fsp 12N1-1 fsp 12N2-1 fsp 12B1-1 fsp 13B1-1
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

61,53 64,61 62,35 69,12 57,43 62,78 63,28 64,31 63,1 SiO2 69,64 68,4 69,31 67,89 68,59 68,33 67,52
0 0 0 0 0 0 0 0 0 TiO2 0 0 0 0 0 0 0
24,61 22,81 24,03 24,78 21,68 23,57 23,4 23,13 23,76 Al2O3 20,24 20,93 20,62 21,14 20,77 20,19 20,59
0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0
0,09 0,06 0,06 0,07 0,01 0,05 0 0,09 0,15 Fe2O3 0 0,08 0 0,02 0,04 0,04 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 MnO 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 MgO 0 0 0 0 0 0 0
6,67 4,28 6,14 5,91 4,68 5,34 5,25 4,84 5,42 CaO 0,64 1,18 0,65 1,53 0,99 0,76 1,24
8,11 9,53 8,3 9,64 8,38 8,84 8,55 9,25 9,22 Na2O 11,77 11,61 11,64 11,21 11,57 11,77 11,26
0,04 0,08 0,07 0,08 0,09 0,1 0,09 0,09 0,09 K2O 0,09 0,08 0,07 0,07 0,05 0,06 0,07

101,05 101,38 100,95 109,6 92,28 100,69 100,58 101,71 101,74 Totals 102,38 102,28 102,29 101,85 102,01 101,15 100,68
fsp 13N1-1 MA-1-37 fsp 1N11-3 fsp 1B11-3 fsp 12N11- fsp 12N21- fsp 12B11- fsp 13N11- fsp 14N11- fsp 14N21- fsp 14B11- fsp 15N11- fsp 15N31- fsp 15B11- fsp 15B21- fsp 15B31- MA-2-25
fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min

68,37 SiO2 60,78 60,84 60,9 60,32 60,51 60,17 60,58 60,77 60,85 60,19 60,06 59,75 59,7 60,16 SiO2
0 TiO2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TiO2
20,24 Al2O3 24,58 24,58 24,66 24,7 24,8 24,68 24,44 24,63 24,62 24,64 24,45 24,6 24,4 24,42 Al2O3
0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3
0,04 Fe2O3 0,01 0,06 0,1 0,1 0,11 0,17 0,01 0,06 0,15 0,05 0 0,11 0 0,02 Fe2O3
0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 FeO
0 MnO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 MnO
0 MgO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 MgO
0,56 CaO 6,26 6,16 6,11 6,28 6,24 6,29 6,13 6,24 6,2 6,21 6,23 6,2 6,02 6,1 CaO
11,73 Na2O 7,33 7,25 7,29 7,29 7,25 7,15 7,2 7,15 7,16 7,28 7,03 7,44 7,07 6,89 Na2O
0,09 K2O 0,05 0,08 0,07 0,05 0,03 0,05 0,07 0,07 0,01 0,09 0,07 0,05 0 0,06 K2O

101,02 Totals 99,01 98,97 99,12 98,74 98,93 98,51 98,44 98,91 99 98,45 97,84 98,14 97,19 97,66 Totals

fsp 11N1-2 fsp 11N2-2 fsp 11B1-2 fsp 11B2-2 fsp 12N1-2 fsp 12B1-2 fsp 12B2-2 fsp 21N1-2 fsp 21N2-2 fsp 21B1-2 fsp 22N1-2 fsp 22B1-2 fsp 22B2-2 fsp 23N1-2 fsp 23N1-2 fsp 24N1-2 fsp 24N2-2
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

62,77 63,36 60,9 62,83 59,55 60,35 61,3 62,57 61,43 61,7 63,49 62,19 63,07 62,3 63,82 59,32 65,77
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
21,95 22,31 23,6 22,6 24,94 24,55 24,38 23,57 24,14 24,25 24,02 23,58 22,86 24,06 23,06 25,33 21,68
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,01 0,03 0,11 0,04 0,02 0,11 0,11 0,06 0,01 0,14 0,12 0,12 0,18 0,18 0,09 0,03 0,08
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
5,37 5,12 6,83 6,65 7,73 6,96 7,25 6,18 6,67 6,48 6,26 5,71 4,72 6,55 5,21 8,11 5,25
8,76 9,14 7,88 8,81 7,57 8 7,65 8,54 8,15 8,25 8,79 8,63 9,37 8,18 8,88 7,11 8,34
0,08 0,08 0,06 0,07 0,06 0,14 0,05 0,09 0,07 0,08 0,09 0,08 0,08 0,07 0,06 0,04 0,07

98,95 100,05 99,37 101 99,86 100,11 100,74 101 100,46 100,9 102,77 100,3 100,29 101,35 101,12 99,94 101,18
fsp 24B1-2 fsp 24B2-2 MA-2-50 fsp 2N12-5 fsp 22N1-2 fsp 22N2-2 fsp 22B1-2 fsp 22B2-2 fsp 22B3-2 fsp 22B4-2 fsp 23N1-2 fsp 23N2-2 fsp 23N3-2 fsp 23B1 fsp 23B5 fsp 23B3 fsp 23B4
fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

60,99 59,44 SiO2 61,18 62,4 62,4 61,92 61,52 61,78 61,87 61,28 61,48 61,54 61,51 60,96 76,42 61,81
0 0 TiO2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
24,39 25,67 Al2O3 13,66 24,08 23,81 23,96 23,99 23,36 23,9 24,16 24,32 24,19 24,16 24,12 15,25 24,2
0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,18 0,06 Fe2O3 0,02 0 0,05 0,07 0,04 0,06 0,01 0 0 0,09 0 0,01 0 0,05
0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 MnO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 MgO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
6,85 8,19 CaO 5,07 5,21 4,92 5,12 5,3 4,84 5,34 5,5 5,7 5,48 5,39 5,25 3,06 5,4
8,07 7,26 Na2O 8,25 7,85 7,94 7,72 7,75 7,86 7,66 7,5 7,56 7,49 7,58 7,67 5,08 7,59
0,11 0,07 K2O 0,09 0,06 0,06 0,07 0,08 0,16 0,05 0,08 0,1 0,11 0,05 0,09 0,07 0,06

100,6 100,67 Totals 88,26 99,6 99,18 98,85 98,68 98,05 98,83 98,52 99,14 98,91 98,7 98,09 99,88 99,11

fsp 1I2-50 fsp 1I2 fsp 13I-2- fsp 14I-2- fsp 14N2I- fsp 14B1I fsp 15I fsp 16I-2- fsp 17I fsp 18I fsp 19I fsp 1-10I fsp 1-11I fsp 1-12I fsp 1-13I fsp 1-14I fsp 1-15I
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

58,09 66,14 66,83 60,15 60,63 61,18 58,98 59,88 56,58 60,8 60,7 61,33 57,64 61,92 60,47 59,7 61,55
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
26,51 21,06 20,32 24,94 24,59 24,48 25,87 25,13 27,49 24,52 24,81 24,16 26,53 23,87 23,75 25,38 24,01
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,37 0,2 0,23 0,08 0,06 0,33 0,13 0,13 0,21 0,2 0,25 0,22 0,18 0,18 0 0,12 0,35
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
8,14 1,93 1,28 6,55 6,35 5,7 7,42 6,64 9,12 5,94 6,01 5,51 8,37 5,29 5,48 6,88 5,55
6,22 9,55 9,9 7 7,28 7,62 6,42 7,07 5,71 7,31 7,26 7,49 6 7,74 5,41 6,31 7,87
0,07 0,08 0,05 0,1 0,06 0,07 0,04 0,07 0,04 0,09 0,29 0,06 0,07 0,05 3,71 0,8 0,04

99,4 98,95 98,6 98,82 98,96 99,38 98,85 98,91 99,15 98,86 99,32 98,78 98,8 99,05 98,81 99,2 99,37
fsp 1-16I fsp 1-17I fsp 1-18I fsp 1-19I fsp 1-20I fsp 12N1-2 fsp 12N2-2 fsp 12B1 fsp 13N1 fsp 14N1 fsp 15N1 fsp 16N1 fsp 16B1-2 MA-2-51B fsp 1N11-2 fsp 11N2-2 fsp 11B1-2
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp

58,6 58,7 59,49 61,31 59,49 61,71 61,67 61,98 67,47 65,99 67,8 75,8 63,06 SiO2 62,09 60,83 61,73
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TiO2 0 0 0
25,59 25,86 25,19 24,45 25,32 23,31 24,23 24 20,51 20,79 20,33 24,08 23,41 Al2O3 25,16 24,58 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0
0,39 0,33 0,4 0,44 0,1 0,08 0,12 0,09 0,01 0,77 0 0,1 0,08 Fe2O3 0,02 0 0,06
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 MnO 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 MgO 0 0 0
7,31 7,69 6,71 5,24 7,07 5,51 5,46 5,08 1,05 2,04 0,87 5,49 4,44 CaO 6,05 5,96 5,01
6,08 6,08 7,07 7,31 6,71 7,63 7,63 7,85 9,94 9,52 10,13 7,61 8,29 Na2O 8,58 8,79 9,21
0,81 0,81 0,04 0,68 0,07 0,07 0,06 0,08 0,05 0,1 0,06 0,05 0,06 K2O 0,06 0,08 0,11

98,77 99,47 98,9 99,43 98,77 98,31 99,17 99,08 99,01 99,2 99,18 113,11 99,35 Totals 101,97 100,24 76,13

fsp 11B2-2 fsp 12N1-2 fsp 12N2-2 fsp 12N3-2 fsp 12B1-2 fsp 12B2-2 fsp 12B3-2 fsp 12B4-2 fsp 12B5-2 fsp 13B1-2 fsp 13B2-2 fsp 13I1-2 fsp 13I2-2 fsp 13I3-2 fsp 21N1-2 fsp 21N2-2 fsp 21B1-2
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

59,97 59,71 60,37 59,67 60,16 63,24 61,47 60,8 60,8 61,28 64,09 58,45 59,72 57,93 61,79 61,81 61,33
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
24,4 25,45 22,76 25,42 23,57 23,43 24,96 23,21 25,01 22,98 22,31 24,54 24,6 24,58 24,56 24,35 24,6
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,04 0,02 0,04 0 0,01 0,05 0,05 0,09 0,02 0,04 0,03 0 0,03 0,03 0 0 0,05
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
5,94 6,81 5,56 6,86 5,08 4,62 6,46 4,09 5,72 4,16 3,06 6,48 6,49 5,93 5,45 5,49 5,48
8,52 8,01 8,99 7,97 8,67 9,43 8,5 9,41 8,45 9,54 10,14 8,33 8,4 8,32 8,83 8,88 8,78
0,05 0,06 0,06 0,04 0,04 0,07 0,08 0,07 0,06 0,07 0,05 0,08 0,07 0,09 0,07 0,1 0,09

98,92 100,07 97,78 99,96 97,52 100,84 101,52 97,67 100,07 98,06 99,69 97,87 99,31 96,88 100,7 100,63 100,33
fsp 21N1-2 fsp 22B1-2 fsp 22N1-2 fsp 22B1-2 fsp 22B2-2 fsp 22B3-2 fsp 23N1-2 fsp 23B1-2 fsp 23B2-2 MA-3-22 fsp 11N1-3 fsp 12N1-3 fsp 12N2-3 fsp 13N1-3 fsp 14N1-3 fsp 21N1-3 fsp 21B1-3
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

59,79 61,33 59,79 60,42 58,78 59,84 60,71 60,34 61,37 SiO2 62,15 61,9 62,96 62,13 62,45 62,08 61,38
0 0 0 0 0 0 0 0 0 TiO2 0 0 0 0 0 0 0
25,75 24,6 25,75 25,31 24,21 26,54 25,7 24,83 25,22 Al2O3 24,75 24,48 24,64 24,46 25,18 25,41 24,8
0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0
0,06 0,05 0,06 0,04 0,05 0,12 0 0,1 0,02 Fe2O3 0,06 0,02 0,07 0,05 0,08 0,06 0,04
0 0 0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 MnO 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 MgO 0 0 0 0 0 0 0
6,71 5,48 6,71 6,2 5,86 6,03 6,3 6,1 6,25 CaO 5,95 5,26 5,39 5,4 5,96 5,94 5,75
8,08 8,78 8,08 8,35 7,93 8,47 8,32 8,34 8,36 Na2O 8,56 9,11 8,95 8,94 8,76 8,73 8,7
0,07 0,09 0,07 0,1 0,05 0,1 0,09 0,11 0,07 K2O 0,06 0,09 0,06 0,12 0,07 0,07 0,06

100,46 100,33 100,46 100,41 96,88 101,1 101,13 99,83 101,3 Totals 101,53 100,88 102,08 101,1 102,49 102,29 100,73

fsp 21N2-3 fsp 21B2-3 fsp 22B2-3 fsp 22B1-3 fsp 22N1-3 fsp 23N1-3 fsp 23N2-3 fsp 23B1-3 SG-6 fsp SG-6 fsp SG-6 fsp SG-6 fsp SG-6 fsp SG-6 fsp SG-6 fsp SG-6 fsp SG-6
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

61,89 62,15 62,62 62,16 61,83 61,22 61,32 62,5 SiO2 62,34 60,67 60,41 63,01 61,55 61,2 62,2 61,64
0 0 0 0 0 0 0 0 TiO2 0 0 0 0,01 0 0,03 0,01 0,04
25,11 24,55 25 24,67 24,73 25,39 25,51 25,17 Al2O3 23,49 24,47 24,63 23,3 24,3 24,12 23,49 24,26
0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0,03 0,07 0,28 0,07 0,05 0,04 0,07 Fe2O3 0,09 0 0,07 0,04 0 0,05 0,04 0,06
0 0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 MnO 0 0,01 0,04 0 0 0,03 0,03 0
0 0 0 0 0 0 0 0 MgO 0,01 0,01 0,01 0 0 0,01 0 0
5,96 5,37 5,9 5,72 5,76 6,42 6,4 5,77 CaO 4,79 5,94 6,05 4,69 5,79 5,85 5,04 6,02
8,49 9,02 8,74 8,73 8,66 8,42 8,35 8,71 Na2O 9,32 8,62 8,52 9,31 8,7 8,77 9,21 8,65
0,07 0,07 0,1 0,07 0,06 0,07 0,06 0,07 K2O 0,07 0,07 0,06 0,06 0,04 0,03 0,05 0,06

101,51 101,18 102,43 101,63 101,1 101,58 101,68 102,29 Totals 100,11 99,78 99,8 100,43 100,37 100,1 100,07 100,72
fsp SG-6 SG-153E fsp 41SG-1fsp 42SG-1fsp 43SG-1fsp 44SG-1fsp 45SG-1fsp 46SG-1fsp 47SG-1fsp 48SG-1fsp 49SG-1fsp 50SG-1fsp 140SG-fsp 141SG- ME-48 fsp 1ME48 fsp 1ME48
fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp

61,61 SiO2 55,17 60,47 54,91 58,43 56,14 55,58 55,95 55,68 55,72 55,92 47,72 46,88 SiO2 52,42 53,44
0,07 TiO2 0,01 0 0 0 0,04 0,01 0 0,03 0 0,02 0,02 0,03 TiO2 0,05 0
24,21 Al2O3 27,88 24,21 28,62 25,64 27,13 27,69 27,52 27,61 28,06 27,83 32,38 32,67 Al2O3 30,24 29,16
0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0
0,07 Fe2O3 0,05 0,1 0,12 0,09 0,09 0 0,16 0,03 0,17 0,07 0,3 0,05 Fe2O3 0,02 0,06
0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0
0,01 MnO 0,02 0 0 0,02 0,07 0 0 0 0,01 0,01 0 0 MnO 0,02 0
0 MgO 0,01 0,01 0,01 0 0 0 0 0 0 0,01 0 0 MgO 0,01 0
5,89 CaO 10,59 6,33 11,4 7,99 9,89 9,99 10,1 10,08 10,64 10,32 15,87 16,68 CaO 12,85 11,86
8,49 Na2O 5,68 8,12 5,12 7,13 6,03 5,87 5,71 5,96 5,49 5,81 2,48 2,12 Na2O 4,43 4,99
0,07 K2O 0,04 0,05 0,05 0,07 0,04 0,07 0,05 0,06 0,05 0,04 0,03 0,01 K2O 0,04 0,03

100,42 Totals 99,46 99,3 100,22 99,36 99,42 99,21 99,48 99,45 100,13 100,03 98,79 98,44 Totals 100,08 99,55

fsp 1ME48 fsp 1ME48 fsp 1ME48 fsp 1ME48 fsp 1ME48 fsp 1ME48 fsp 1ME48 ME-61 fsp 176ME-fsp 177ME-fsp 156ME-fsp 157ME-fsp 158ME-fsp 159ME-fsp 160ME-fsp 161ME-fsp 162ME-
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

54,42 54,81 53,33 52,67 53,43 51,94 53,42 SiO2 61,72 62,27 59,57 64,28 62,78 59,82 59,94 59,23 59,97
0 0,03 0,03 0,03 0 0,05 0 TiO2 0 0 0 0,07 0 0 0,04 0,05 0
28,85 28,86 29,38 29,67 29,34 29,88 29,53 Al2O3 23,77 23,4 25,19 22,19 22,49 24,73 24,44 25,1 24,77
0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,04 0 0,1 0,02 0 0,02 0,03 Fe2O3 0,04 0 0 0,16 0,01 0,02 0,07 0,06 0,04
0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,01 0,02 0 0 0 0,04 0 MnO 0 0,01 0 0 0,01 0,01 0,02 0 0
0 0,01 0,02 0 0 0 0,01 MgO 0,01 0 0,01 0 0 0 0,01 0,01 0,01
11,45 11,18 12,32 12,67 12,26 13 12,31 CaO 5,56 5 7,11 3,72 4,42 6,92 6,59 7,43 6,51
5,15 5,35 4,87 4,57 4,77 4,48 4,69 Na2O 8,54 9,09 7,62 9,68 9,26 8,04 7,9 7,63 8,17
0,05 0,05 0,03 0,03 0,03 0,05 0,04 K2O 0,07 0,06 0,07 0,01 0,04 0,06 0,07 0,07 0,07

99,97 100,3 100,07 99,66 99,83 99,46 100,03 Totals 99,7 99,83 99,57 100,09 99,02 99,59 99,07 99,59 99,54
fsp 163ME-fsp 164ME-fsp 165ME-fsp 166ME-fsp 167ME-fsp 168ME-fsp 169ME-fsp 170ME-fsp 171ME-fsp 172ME-fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

58,22 62,47 57,8 58,7 57,82 59,5 58,04 62,92 59,65 57,94 62,65 62,22 62,93 62,98 63,12 62,68 64,81
0 0,02 0 0 0,03 0,02 0,06 0 0,06 0,04 0,01 0 0 0,01 0,06 0 0
25,64 23,04 25,82 25,54 26,19 24,95 25,89 22,37 24,46 26,27 22,96 23,04 23,07 23,04 23,25 22,82 22,05
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,05 0,02 0,05 0 0,03 0 0,08 0 0,04 0,03 0,22 0,1 0,11 0,14 0,06 0,04 0,06
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,01 0 0,01 0,02 0 0,02 0,02 0,02 0 0 0,03 0,02 0 0,04 0 0,02 0
0 0 0,01 0 0,01 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
7,96 4,83 7,99 7,79 8,38 7,06 8,19 4,43 6,76 8,34 4,26 4,27 4,21 4,17 4,27 4,23 3,07
7,23 9,17 7,13 7,43 7,08 7,71 7,14 9,3 8,03 7,04 9,41 9,31 9,45 9,3 9,35 9,54 10
0,07 0,08 0,08 0,06 0,05 0,07 0,06 0,09 0,09 0,06 0,05 0,04 0,04 0,05 0,06 0,05 0,05

99,18 99,62 98,9 99,54 99,59 99,32 99,46 99,12 99,1 99,73 99,59 98,99 99,82 99,73 100,17 99,38 100,04

fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101 PO-130 fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130
fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

65,31 62,95 63,22 63,62 63,17 SiO2 60,49 59,36 61,44 60,28 60,26 60,71 59,92 59,29 59,3 59,19 60,72
0,04 0 0 0,01 0,01 TiO2 0,01 0,01 0,01 0 0 0,05 0 0 0,03 0,01 0,01
21,68 23,15 23,14 22,85 23,01 Al2O3 25,29 25,44 24,71 24,19 24,67 24,4 24,9 25,06 24,7 24,93 24,03
0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,21 0,02 0,05 0,01 0 Fe2O3 0,08 0 0,04 0,09 0 0,03 0,06 0 0,02 0,01 0,01
0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0,05 0 0,03 MnO 0 0 0 0,04 0 0,01 0,01 0,02 0 0 0,02
0 0 0,01 0 0 MgO 0 0,01 0 0,02 0 0,01 0 0,01 0 0 0,01
2,66 4,16 4,54 4,24 4,47 CaO 6,66 6,63 5,91 5,57 6,76 6,37 6,83 6,79 6,24 6,08 4,75
10,42 9,51 9,36 9,38 9,1 Na2O 8,08 7,97 8,51 8,46 7,97 8,27 8,1 8,04 8,31 8,25 9,15
0,06 0,05 0,05 0,04 0,06 K2O 0,07 0,08 0,11 0,09 0,05 0,08 0,03 0,03 0,07 0,06 0,12

100,38 99,84 100,42 100,16 99,84 Totals 100,69 99,5 100,73 98,75 99,71 99,93 99,84 99,24 98,66 98,54 98,82
fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130 PO-83 fsp 285PO-fsp 286PO-fsp 288PO-fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100
fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

61,94 61,05 60,95 61,21 60,9 60,6 SiO2 53,91 53,94 65,13 47,96 45,99 53,25 52,19 52,3 51,45 46,96
0 0,01 0,02 0 0,06 0,01 TiO2 0,03 0 0 0 0 0 0 0,01 0 0,02
23,78 23,73 24,75 24,1 24,58 24,66 Al2O3 29,37 29,47 22,23 33,12 34,09 29,96 30,14 30,17 29,08 32,67
0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0,01 0,2 0 0,1 0,04 Fe2O3 0,13 0 0,25 0,18 0,22 0,1 0,04 0,08 0,12 0,19
0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,05 0,01 0 0,01 0 0 MnO 0 0,01 0 0,01 0 0 0,02 0 0 0
0,02 0 0 0 0 0 MgO 0 0,01 0 0,01 0,01 0,01 0,01 0 0 0
4,97 5,06 5,72 5,25 6,04 6,22 CaO 11,7 11,96 3,45 15,82 17,09 12,47 12,86 12,66 12,28 16,66
9,11 8,99 8,63 8,85 8,4 8,34 Na2O 4,72 5,02 9,97 2,52 1,59 4,41 4,25 4,46 4,4 1,98
0,05 0,07 0,06 0,06 0,06 0,08 K2O 0,12 0,03 0,07 0,01 0 0,01 0 0,01 0,02 0

99,91 98,96 100,33 99,47 100,14 99,94 Totals 99,98 100,45 101,1 99,62 99 100,22 99,51 99,68 97,35 98,47

fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100 SG-155 fsp 178ME-fsp 179ME-fsp 180ME-fsp 181ME-fsp 182ME-fsp 183ME-fsp 184ME-
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

50,69 56,46 51,8 47,27 51,79 48,57 51,65 52,35 52,23 SiO2 61,62 58,89 61,53 58,23 58,38 58,82 58,74
0,01 0,01 0 0 0,04 0,02 0 0 0 TiO2 0 0 0,04 0,01 0 0,03 0
30,33 26,78 30,53 33,19 30,08 32,43 30,06 30,22 29,98 Al2O3 23,44 25,35 23,76 25,8 25,74 25,7 25,44
0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0
0,26 0,02 0,11 0,18 0,12 0,07 0,01 0 0,13 Fe2O3 0,07 0,16 0,04 0,09 0,03 0,07 0,09
0 0 0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0
0 0,03 0 0 0,01 0 0 0 0 MnO 0 0,02 0 0,01 0 0,04 0,03
0 0,01 0 0 0 0,01 0 0 0 MgO 0,01 0,02 0,01 0 0 0,01 0
13,49 9,11 13,26 16,41 13,08 15,76 13,21 12,66 12,66 CaO 5,24 7,48 5,59 8,15 7,86 7,61 7,5
3,8 6,5 3,97 2,1 4,01 2,41 4,08 4,25 4,25 Na2O 8,94 7,5 8,74 7,21 7,32 7,24 7,54
0 0,03 0,02 0,01 0 0,01 0,02 0,04 0,03 K2O 0,09 0,05 0,08 0,06 0,07 0,07 0,06

98,6 98,95 99,69 99,16 99,12 99,28 99,04 99,53 99,29 Totals 99,41 99,46 99,79 99,56 99,39 99,58 99,39
fsp 198ME- ME-111 fsp 148ME-fsp 149ME-fsp 150ME-fsp 151ME-fsp 152ME-fsp 153ME-fsp 154ME-fsp 155ME-fsp 173ME-fsp 174ME-fsp 175ME- PO-101 fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101
fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp

62,51 SiO2 63,81 59,62 57,24 59,27 59,84 57,09 57,22 60,62 60,6 60,03 58,32 SiO2 66,53 63,81 63,58
0,06 TiO2 0 0,04 0 0,02 0 0 0 0 0 0,06 0,02 TiO2 0,05 0 0
23,09 Al2O3 22,1 24,5 26,21 25,26 24,76 26,28 26,42 24,39 24,48 24,75 26,08 Al2O3 21,29 22,89 22,45
0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0
0,14 Fe2O3 0,03 0 0 0 0,02 0,01 0,02 0,1 0,05 0,03 0,04 Fe2O3 0,24 0,09 0,04
0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0
0 MnO 0 0,03 0 0 0,05 0,01 0,04 0 0 0,02 0,01 MnO 0 0 0
0 MgO 0 0 0,01 0,01 0 0,01 0 0,01 0 0 0 MgO 0 0 0,01
4,7 CaO 3,89 6,92 8,52 7,37 6,57 8,74 8,81 5,9 6,43 6,81 8,44 CaO 2,51 4,25 4,3
9,04 Na2O 9,79 7,66 6,74 7,49 8,1 6,78 6,56 8,29 8,27 8,01 7,15 Na2O 10,06 9,33 9,34
0,05 K2O 0,07 0,07 0,07 0,08 0,08 0,06 0,06 0,29 0,1 0,07 0,06 K2O 0,06 0,06 0,07

99,58 Totals 99,68 98,85 98,79 99,49 99,42 98,97 99,14 99,59 99,94 99,79 100,11 Totals 100,74 100,43 99,8

fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-101fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

62,57 63,47 62,52 62,93 63,33 62,57 62,45 62,63 62,81 62,61 61,58 59,96 61,75 59,52 59,37 62,56 59,92
0,04 0 0 0,03 0 0 0 0 0,06 0 0 0,04 0,01 0 0,01 0 0
22,8 23,34 22,96 22,65 22,91 22,43 22,5 22,58 23,1 23,09 24,19 25,02 24,33 25,1 25,51 23,25 25,52
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,06 0,11 0,09 0,02 0,06 0,03 0,06 0 0,2 0,09 0,12 0,02 0,07 0,05 0,05 0,29 0,04
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,04 0 0 0,01 0,02 0 0 0 0,01 0,01 0,02 0 0,05 0 0,01 0,02 0
0 0,01 0 0,01 0,01 0,02 0 0 0 0 0,01 0,01 0,01 0 0,01 0,01 0
4,15 4,44 4,24 4,23 4,2 4,21 4,09 4,21 4,17 4,16 5,51 6,5 5,38 6,59 6,83 4,83 7,26
9,55 9,24 9,26 9,27 9,29 9,24 9,45 9,28 9,13 9,34 8,66 8,22 8,7 8,14 7,98 9,35 7,77
0,06 0,07 0,06 0,07 0,07 0,06 0,06 0,06 0,06 0,04 0,09 0,04 0,07 0,06 0,07 0,07 0,05

99,26 100,69 99,13 99,2 99,87 98,57 98,61 98,74 99,53 99,35 100,18 99,81 100,37 99,46 99,84 100,39 100,57
fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp PO-130fsp 289PO-fsp 290PO-fsp 291PO-fsp 292PO-fsp 293PO-fsp 294PO-fsp 295PO-
fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

60,61 60,68 59,68 59,85 60,41 61,52 60,79 60,75 63,62 60,44 54,16 54,21 60,44 53,61 53,38 54,11 52,5
0 0,04 0 0 0,04 0,04 0 0 0 0,01 0 0 0 0,03 0,04 0 0,02
25,07 25,16 25,54 25,2 25,39 24,56 24,67 24,81 23,21 24,34 29,69 28,7 24,11 28,12 28,5 29,04 30,23
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0,03 0,1 0,17 0 0,07 0,04 0,05 0,09 0 0,23 0,02 0,04 0,01 0,06 0 0,01
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,03 0 0,01 0 0,01 0 0,01 0,05 0,03 0 0 0,03 0,02 0,01 0 0,01 0
0 0 0 0 0,01 0,01 0 0,01 0 0 0 0 0 0 0,01 0,01 0
6,41 6,77 7,09 6,96 6,89 6,01 6,4 6,54 4,72 5,73 11,76 11,77 6,61 11,97 11,92 11,63 12,92
8,2 8,14 8,03 8,1 7,94 8,58 8,32 8,28 9,21 8,36 5,14 4,99 8,1 5,03 5,05 5,08 4,28
0,04 0,06 0,05 0,04 0,09 0,05 0,08 0,08 0,08 0,25 0,02 0,04 0,06 0,05 0,05 0,05 0,03

100,36 100,87 100,5 100,32 100,76 100,84 100,32 100,56 100,95 99,14 101,01 99,75 99,38 98,83 99,01 99,92 99,99

fsp 296PO-fsp 297PO-fsp 298PO-fsp 299PO-fsp 300PO-fsp 301PO- PO-100 fsp PO-100fsp PO-100fsp PO-100fsp 224SG-fsp 225SG-fsp 226SG-fsp 227SG-fsp 242SG-fsp 243SG- fsp SG-6
fsp fsp fsp fsp fsp fsp Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

53,63 53,83 65,06 54,42 53,06 53,33 SiO2 51,37 51,51 51,59 52,05 50,64 51,12 51,55 49,43 50,15 61,61
0 0 0,03 0,01 0,01 0,01 TiO2 0,06 0,05 0 0,03 0 0,08 0,01 0 0 0,07
29,32 29,2 22,16 25,53 29,68 29,99 Al2O3 31,22 31,29 31,01 29,81 30,17 30,88 30,89 32,15 31,09 24,21
0 0 0 0 0 0 Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,04 0,03 0,19 0,03 0,05 0,07 Fe2O3 0,05 0,23 0,28 0,14 0,03 0,11 0,14 0,22 0,13 0,07
0 0 0 0 0 0 FeO 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,04 0 0 0,02 0,01 0 MnO 0,01 0,01 0 0 0 0,01 0 0 0,03 0,01
0 0,01 0,08 0 0 0 MgO 0 0 0,01 0 0 0 0 0,01 0 0
11,55 11,81 3,23 6,93 11,81 11,86 CaO 13,54 13,55 13,29 12,57 13,53 13,87 14,03 15,24 14,59 5,89
5,07 4,86 10,27 7,81 4,9 4,94 Na2O 3,75 3,86 4 4,1 3,82 3,67 3,58 2,87 3,26 8,49
0,19 0,03 0,07 0,07 0,03 0,03 K2O 0,02 0,03 0,01 0,07 0,11 0,08 0,07 0,04 0,04 0,07

99,86 99,77 101,08 94,82 99,55 100,22 Totals 100,02 100,53 100,19 98,78 98,31 99,83 100,26 99,95 99,29 100,42
SG-153E fsp 41SG-1fsp 42SG-1fsp 43SG-1fsp 44SG-1fsp 45SG-1fsp 46SG-1fsp 47SG-1fsp 48SG-1
Min fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp fsp

SiO2 55,17 60,47 54,91 58,43 56,14 55,58 55,95 55,68


TiO2 0,01 0 0 0 0,04 0,01 0 0,03
Al2O3 27,88 24,21 28,62 25,64 27,13 27,69 27,52 27,61
Cr2O3 0 0 0 0 0 0 0 0
Fe2O3 0,05 0,1 0,12 0,09 0,09 0 0,16 0,03
FeO 0 0 0 0 0 0 0 0
MnO 0,02 0 0 0,02 0,07 0 0 0
MgO 0,01 0,01 0,01 0 0 0 0 0
CaO 10,59 6,33 11,4 7,99 9,89 9,99 10,1 10,08
Na2O 5,68 8,12 5,12 7,13 6,03 5,87 5,71 5,96
K2O 0,04 0,05 0,05 0,07 0,04 0,07 0,05 0,06

Totals 99,46 99,3 100,22 99,36 99,42 99,21 99,48 99,45


MA-1-34C1g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C1
Min g g g g g g g g g g g g g g g g

SiO2 38,01 37,54 37,44 37,59 37,55 37,32 37,39 37,21 37,24 37,06 37,21 37,37 37,25 36,87 37,11 37,48
TiO2 0,04 0,02 0,03 0 0,02 0,05 0,02 0,04 0,04 0,06 0,06 0,1 0,06 0,06 0,07 0,18
Al2O3 21,59 21,34 21,1 21,17 21,19 21,05 21,23 21,14 21,13 20,93 21,1 20,92 20,9 20,89 20,84 20,97
Cr2O3 0 0,04 0 0,03 0,01 0 0 0,04 0 0,01 0,04 0,02 0,04 0 0,03 0,03
Fe2O3 0 0,16 0,07 0 0 0 0 0,03 0 0,18 0,2 0,57 1,31 0 0,66 0
FeO 30,63 31,75 31,3 30,64 31,06 31,37 31,72 32 31,79 31,55 31,69 31,18 30,4 30,75 30,09 30,7
MnO 0,28 0,57 0,55 0,38 0,4 0,62 0,88 0,91 0,99 1,17 1,47 1,75 2,3 2,8 1,97 1,48
MgO 3,67 3,39 3,52 3,1 3,23 3,38 3,48 3,51 3,29 3,13 3,09 2,99 2,81 2,79 3,05 3,33
CaO 6,03 5,1 5,05 6,33 5,82 5,05 4,29 4,18 4,5 4,65 4,58 4,49 4,51 4,34 4,9 4,72
Na2O 0 0 0,04 0,01 0 0 0 0 0 0,02 0 0,16 0,23 0 0,14 0
K2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Totals 100,25 99,93 99,09 99,25 99,28 98,84 99,01 99,06 98,99 98,76 99,43 99,56 99,8 98,52 98,85 98,89

g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134CMA-1-34C2g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C2
g g g g g g g g g g g Min g g g g g

36,6 37,66 37,31 36,79 37,14 37,37 37,3 37,35 37,39 37,44 37,54 SiO2 38,37 37,05 37,79 37,62 37,81
1,58 0,04 0,09 0,07 0,12 0,02 0,05 0,03 0,02 0,01 0,01 TiO2 0,04 0,08 0,06 0,1 0,11
20,26 21,24 20,82 20,48 20,94 21,08 21,05 21,08 20,99 21,04 21,07 Al2O3 21,37 20,64 21,27 21,17 21,02
0,04 0 0,02 0,03 0 0,07 0 0,02 0 0 0,01 Cr2O3 0 0 0,03 0 0,04
0 0,18 1,01 0,53 0,08 0 0,18 0,45 1,45 0 0,95 Fe2O3 0 1,86 0,52 0,63 1,53
31,74 30,48 29,64 29,26 30,76 31,75 31,5 31,67 30,26 30,01 29,26 FeO 29,91 28,72 31,39 31,09 28,5
1,46 2,92 3,11 2,87 2,63 2,1 1,56 0,77 0,64 0,35 0,36 MnO 0,68 0,68 0,92 1,12 2,29
2,69 2,71 2,61 2,58 2,77 2,93 3,03 3,62 3,37 3,58 3,5 MgO 3,54 3,23 3,63 3,59 3,26
4,69 5,14 4,73 4,87 4,73 4,26 4,68 4,27 5,13 5,92 6,3 CaO 6,28 5,75 4,67 4,63 5,47
0 0,05 0,26 0,23 0,02 0 0,04 0,07 0,27 0,04 0,21 Na2O 0,14 0,39 0,1 0,12 0,36
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O 0 0 0 0 0

99,06 100,39 99,62 97,69 99,17 99,58 99,39 99,34 99,51 98,39 99,2 Totals 100,34 98,4 100,38 100,06 100,39
g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C g MA134C2
g g g g g g g g g g g g g g g g g

37,54 37,4 37,26 37,7 37,64 39,34 37,43 37,45 37,37 37,36 37,63 37,64 37,74 37,67 37,33 37,92 37,76
0,04 0,08 0,09 0,08 0,16 0,12 0,1 0,12 0,05 0,13 0,07 0,09 0,08 0,03 0,05 0,07 0,07
21,08 20,88 20,82 21,15 20,95 21,23 21,07 20,81 20,92 20,88 21,14 21,03 21,04 21,15 20,91 21,2 21,16
0 0,01 0,07 0 0,03 0,03 0 0,01 0,06 0,1 0,01 0,02 0,03 0,07 0,01 0,13 0,01
0,36 1,49 1,1 0,65 0,75 0 0 0,78 0,8 1,04 0,5 1,38 0 0 1,07 0 0,28
28,56 26,86 26,88 28,94 28,28 27,65 29,06 27,92 28,22 27,89 28,84 26,98 28,81 30,33 30,19 31,36 30,66
3,36 3,74 3,57 3,46 4,07 3,61 4,24 4,56 4,68 4,4 3,25 3,56 2,95 1,99 1,29 0,97 0,74
2,9 2,84 2,79 3,08 2,79 2,58 2,71 2,38 2,67 2,86 3,12 2,92 2,93 3,33 3,47 3,46 3,32
5,64 5,94 6,3 5,04 5,22 5,98 4,98 5,33 4,79 4,99 5,31 6,21 5,76 4,72 4,61 5,07 5,7
0,12 0,32 0,23 0,16 0,24 0,16 0 0,28 0,19 0,2 0,12 0,29 0,11 0 0,24 0,05 0,13
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

99,61 99,55 99,11 100,26 100,13 100,71 99,58 99,63 99,75 99,85 100 100,11 99,45 99,29 99,16 100,23 99,84

g MA134CMA-1-38 C1 g 1B11-38M
g 1N31-38Mg 1N11-38Mg 1N21-38Mg 1B61-38Mg 1B51-38Mg 1B21-38Mg 1B31-38Mg 1B41-38MMA-1-38 C
g 2B11-38Mg 2B21-38Mg 2l1-38MAg 2N11-38M
g 2N21-38M
g Min g g g g g g g g g Min g g g g g
Cristal/Foto 1/4 1/3 1/1 1/2 1/9 1/8 1/5 1/6 1/7

37,63 SiO2 36,890 36,900 36,970 36,740 36,610 36,470 37,100 36,920 36,940 SiO2 36,770 36,460 36,950 36,560 36,530
0,03 TiO2 0,010 0,070 0,060 0,100 0,060 0,020 0,040 0,050 0,090 TiO2 0,070 0,120 0,090 0,100 0,090
21,25 Al2O3 20,640 20,440 20,730 20,540 20,590 20,560 20,790 20,680 20,640 Al2O3 20,700 20,640 20,590 20,450 20,550
0,01 Cr2O3 0,020 0,030 0,000 0,000 0,000 0,000 0,040 0,010 0,000 Cr2O3 0,000 0,000 0,010 0,010 0,030
0 Fe2O3 0,320 0,370 0,060 0,140 0,080 0,070 0,040 0,290 0,140 Fe2O3 0,000 0,000 0,220 0,120 0,040
29,64 FeO 30,460 28,890 29,340 28,960 29,940 30,810 29,060 30,820 30,380 FeO 32,930 32,710 32,370 31,990 32,050
0,71 MnO 5,900 6,530 6,460 6,630 5,990 5,530 6,860 5,830 5,490 MnO 3,930 3,690 3,850 4,040 4,210
3,44 MgO 2,020 1,640 1,680 1,580 1,810 1,890 2,220 2,080 1,830 MgO 1,770 1,550 1,390 1,290 1,240
6,45 CaO 2,170 4,000 3,800 3,950 3,450 2,970 3,030 2,980 3,540 CaO 2,870 3,330 3,910 3,850 3,980
0 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000
0 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000

99,17 Totals 98,440 98,880 99,110 98,650 98,530 98,310 99,180 99,660 99,070 Totals 99,060 98,500 99,380 98,400 98,730
g 2N31-38Mg 2l2138MAg 2l3138MAg 2B3138MA
g 2B4138MA
g 2B5138MAMA-1-37 g L6-a g L6-b g L6-c g L6-d g L6-e g L6-f g L6-g g L6-h g L6-i g L6-j
g g g g g g Min g g g g g g g g g g

36,760 36,550 36,650 36,520 36,450 36,810 SiO2 38,23 37,34 36,55 37,75 36,89 37,28 37,24 37,12 37,3 36,97
0,120 0,130 0,110 0,100 0,090 0,080 TiO2 0 0,06 0 0,02 0 0,03 0,02 0 0 0
20,590 20,390 20,520 20,580 20,510 20,510 Al2O3 21,3 21,07 20,96 21,28 20,8 21,42 21,07 21,14 21,02 21,1
0,000 0,050 0,050 0,060 0,010 0,020 Cr2O3 0,03 0 0 0,03 0 0 0,07 0 0,03 0,01
0,040 0,230 0,310 0,110 0,210 0,120 Fe2O3 0 0 0,61 0 0 0,37 0,53 0,36 0,4 0,48
31,690 32,200 33,000 33,210 33,080 31,630 FeO 31,82 31,17 29,46 30,3 30 29,78 29,41 28,92 29,25 28,83
4,210 3,830 3,870 3,680 3,770 4,630 MnO 1,71 2,28 2,58 4,66 4,89 5,05 5,27 5,5 5,63 5,58
1,290 1,320 1,390 1,480 1,620 1,860 MgO 3,28 3,65 3,73 3,63 3,93 4,34 4,42 4,45 4,38 4,37
4,120 4,050 3,750 3,530 3,250 2,850 CaO 4,35 3,66 3,9 2,35 1,48 1,54 1,5 1,54 1,45 1,5
0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

98,830 98,750 99,650 99,280 98,990 98,520 Totals 100,72 99,22 97,79 100,02 97,98 99,81 99,54 99,02 99,45 98,84

g L6-k g L6-l g L6-m g L6-n g L6-o g L6-p g L6-r g L6-s g L6-t g L6-u g L6-v g L6-w g L6-x g L6-yMA-2-25 C2g M225C2A MA225C2A
g g g g g g g g g g g g g g Min g g

37,12 36,94 37,38 37,13 37,31 37,23 37,16 37,1 37,18 37,2 37,2 37,11 36,96 37,29 SiO2 37,47 37,77
0 0,02 0 0,01 0 0,01 0 0,01 0,01 0,03 0 0,03 0,01 0 TiO2 0,06 0,03
21,01 21 21,05 20,84 21,06 20,89 21,08 20,98 20,92 21,04 20,83 21,06 21,04 20,99 Al2O3 21,09 21,17
0,02 0 0 0 0,03 0,01 0,02 0 0,02 0,01 0,01 0,04 0 0 Cr2O3 0,03 0,02
0,56 0,32 0,61 0,49 0,34 0,85 0,06 0,11 0,37 0,71 0,2 0,48 0,19 0,09 Fe2O3 0,49 0,14
29,14 28,82 28,96 29,11 29,02 28,66 29,46 29,2 29,25 29,33 29,66 29,82 30,2 31,55 FeO 29,39 29,47
5,52 5,48 5,58 5,36 5,58 5,43 5,51 5,53 5,46 5,37 5,21 5,1 4,85 2,32 MnO 0,81 1,86
4,34 4,22 4,19 4,17 4,08 4,13 4,17 4,27 4,33 4,38 4,3 4,16 3,83 3,51 MgO 2,81 2,69
1,5 1,79 2,04 1,91 2,09 2,36 1,53 1,53 1,52 1,52 1,47 1,56 1,76 3,46 CaO 7,52 7,06
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Na2O 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O 0 0

99,2 98,58 99,81 99,01 99,52 99,57 99 98,74 99,06 99,59 98,88 99,37 98,85 99,22 Totals 99,68 100,21
MA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2AMA225C2A
g g g g g g g g g g g g g g g g g

37,56 37,66 37,95 37,41 37,98 37,39 37,41 37,35 37,32 37,47 37,23 37,3 37,56 37,54 37,63 37,53 48,51
0,12 0,03 0,08 0,06 0,1 0,17 0,11 0,14 0,16 0,16 0,08 0,09 0,07 0,09 0 0 0,97
21,11 21,13 21,01 20,92 21,13 20,9 20,85 21,04 20,63 20,8 21,23 20,96 20,98 21,08 21,03 20,77 13,66
0,02 0 0,01 0,03 0,01 0,01 0,01 0,02 0 0,01 0 0,04 0,04 0 0 0 0,01
0,18 0,03 0 0,16 0 0 0,34 0,37 0,56 0 0,89 0,19 0,7 0,53 0,06 0,62 0
30,07 29,66 29,1 29,27 28,19 28,98 28,49 27,8 27,56 28,35 28,57 29,24 29,28 29,57 29,05 29,64 14,31
1,42 1,29 1,54 1,9 2,07 2,22 2,25 2,13 2,03 1,86 1,82 1,74 1,48 1,77 2,18 0,92 0,02
2,72 2,53 2,39 2,37 2,13 1,51 1,21 1,14 1,22 1,6 2,06 2,24 2,37 2,55 2,7 2,54 9,07
6,68 7,49 7,96 7,3 8,7 8,41 9,3 9,89 10,09 8,7 8,16 7,5 7,71 7,07 6,96 7,61 0,07
0,02 0 0,02 0 0,04 0,03 0 0,03 0,01 0,03 0,01 0,01 0,02 0 0 0,01 0,12
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

99,9 99,82 100,08 99,41 100,36 99,62 99,98 99,9 99,59 98,99 100,05 99,32 100,21 100,2 99,62 99,64 86,73

MA-2-50 g 1B12-50Mg 1B22-50M g 1l1 g 1l2250MAg 1l3250MA 1N1250MA1N2250MA1N3250MAg 1l42-50Mg 1l52-50Mg 1B32-50Mg 1B42-50Mg 1B52-50MMA-2-50C2g MA250C2
g MA250C2b
Min g g g g g g g g g g g g g Min g g

SiO2 36,8 36,95 37,18 37,43 37,01 37,26 37,47 37,57 37,21 36,99 37,24 37,37 37,3 SiO2 36,36 36,09
TiO2 0,03 0,05 0,05 0 0,02 0,01 0,02 0,03 0 0,03 0,01 0,04 0 TiO2 0 0,02
Al2O3 21,07 20,97 20,92 20,98 20,75 20,96 21,13 20,89 20,85 20,96 20,9 21,05 21,16 Al2O3 20,4 20,3
Cr2O3 0,01 0,07 0,01 0 0 0 0,01 0 0 0,04 0,02 0,01 0 Cr2O3 0 0,01
Fe2O3 0,78 1,13 0,65 0,2 0,84 0,55 0 0 0,43 0 0 0,14 0 Fe2O3 0 0
FeO 31,2 29,85 29,61 29,43 29,17 29,31 29,33 29,24 28,85 28,91 29,08 29,98 31,43 FeO 30,32 29,98
MnO 1,2 1,27 5,47 5,22 5,18 4,81 4,94 4,99 4,93 5,03 5,08 5 3,08 MnO 1,19 1,25
MgO 4 3,66 4,07 4,24 4,09 4,13 4,14 3,79 3,87 4,07 4,15 4,15 4,32 MgO 3,74 3,87
CaO 3,51 5,13 1,63 1,94 2 2,35 2,39 2,95 2,93 2,29 1,96 1,78 1,66 CaO 3,25 3,22
Na2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Na2O 0 0
K2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O 0 0

Totals 98,6 99,08 99,59 99,44 99,05 99,39 99,42 99,46 99,08 98,31 98,43 99,53 98,94 Totals 95,27 94,75
g MA250C2g MA250C2g MA250C2g MA250C2g MA250C2g MA250C2g MA250C2 MA250C2m
g MA250C2g MA250C2g MA250C2g MA250C2
MA-2-51B C MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC1
g g g g g g g g g g g g Min g g g g

36,05 36,27 36,18 34,34 34,9 37,1 37,53 37,41 37,34 37,44 39,67 37,5 SiO2 37,24 37,13 37,26 37,26
0,01 0,01 0,03 0,36 0,05 0,05 0,03 0,04 0,05 0,01 0,05 0,02 TiO2 0,05 0,07 0,01 0,03
20,4 20,41 20,4 19,14 19,6 20,75 20,98 21,02 20,96 20,9 22,44 21,1 Al2O3 20,83 20,92 20,88 20,96
0,01 0 0,01 0 0,03 0,04 0 0,02 0,03 0,02 0,01 0,01 Cr2O3 0,05 0,07 0,07 0,01
0 0 0 0 0 0 0 0 0,2 0 0 0 Fe2O3 0 0,92 0,32 0,55
29,78 29,73 29,5 25,98 27,35 30,01 30,63 30,99 31,14 30,93 30,61 31 FeO 30,46 29,34 29,97 30,33
1,35 1,46 1,56 1,67 2,01 1,92 1,93 2,62 3,11 3,08 2,87 1,62 MnO 0,51 0,61 0,77 0,83
3,73 3,79 3,6 3,21 3,4 3,67 3,75 3,74 3,78 3,82 4,19 3,84 MgO 3,29 3,13 2,97 2,91
3,51 3,92 3,94 3,91 3,76 3,93 4,31 3,44 2,87 2,86 3,19 3,93 CaO 5,94 6,93 6,66 6,42
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Na2O 0 0,01 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O 0 0 0 0

94,85 95,6 95,24 88,62 91,11 97,48 99,16 99,27 99,48 99,07 103,03 99,04 Totals 98,37 99,12 98,91 99,3

MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BCMA-2-51 C2A
g g g g g g g g g g g g g g g g Min

37,06 36,84 37,26 37,2 37,25 37,41 48,79 37,57 37,22 37,3 37,29 37,25 37,13 37,55 37,64 37,44 SiO2
0,07 0 0 0 0,03 0,08 0 0,19 0,05 0 0,01 0,04 0,07 0,04 0,06 0,02 TiO2
21,04 20,89 20,91 20,94 21,09 20,88 16,15 20,93 20,85 20,83 20,8 20,75 20,75 20,73 20,78 20,92 Al2O3
0,04 0,03 0,03 0 0 0,02 0 0,01 0,05 0 0,08 0,06 0,05 0,1 0,04 0,05 Cr2O3
0,5 0,98 0 0 0 0,79 0 0,18 0 0 0,15 0,49 1,34 0,39 0,25 0,72 Fe2O3
31,81 32,16 32,55 32,63 32,55 31,6 23,4 32,55 31,51 32,61 32,7 32,4 31,47 30,56 30,43 30,57 FeO
1,56 1,77 1,81 0,52 1,79 2,01 1,59 1,72 1,86 1,78 1,79 1,76 1,53 0,91 0,77 0,56 MnO
3,23 3,38 3,33 3,3 3,28 3,23 2,14 3,31 3,24 3,47 3,38 3,27 3,16 2,87 3,06 3,06 MgO
4,08 3,12 3,11 3,33 3,34 4,22 2,97 3,76 3,68 3,11 3,17 3,57 4,54 6,51 6,55 6,4 CaO
0 0,02 0,02 0,01 0 0 0 0,02 0 0 0 0 0 0 0 0 Na2O
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O

99,38 99,19 99,01 97,93 99,33 100,24 95,04 100,22 98,46 99,11 99,37 99,57 100,04 99,66 99,59 99,75 Totals
g MA251C2 MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC MA251BC2
g g g g g g g g g g g g g g g g g

36,84 37,06 36,99 36,84 36,5 37,15 37,35 36,72 36,8 37,14 36,99 36,79 36,96 37,16 36,59 37,05 37,28
0,02 0,04 0,03 0,03 0,07 0 0,04 0,09 0,07 0,05 0 0,03 0,06 0 0,05 0,04 0,08
20,37 21 20,95 20,82 20,56 21,09 21 20,85 21,01 20,93 20,82 20,74 20,89 20,81 20,93 20,97 20,85
0,01 0 0,08 0,05 0 0 0,02 0 0,05 0 0,03 0,06 0,07 0,05 0,04 0 0,05
1,14 0,37 1,22 0,15 0,65 0,74 0,01 0,72 0,67 0,31 0 0 0,3 0 0,4 0,69 0,5
30,01 30,01 29,37 29,8 29,4 30,22 30,66 30,22 30,66 31,5 31,64 31,78 32,23 32,43 32,13 32,21 31,35
0,41 0,49 0,52 0,5 0,72 0,78 0,93 1,17 1,23 1,38 1,39 1,42 1,52 1,69 1,63 1,62 1,16
3,22 3,15 3,09 3,07 2,94 3,03 3,13 3,01 2,99 3,1 3,22 3,31 3,28 3,35 3,33 3,28 2,96
6,18 6,41 6,86 6,48 6,46 6,24 5,87 5,63 5,32 4,67 4,18 3,6 3,56 3,09 3,19 3,56 5,31
0 0 0,01 0 0,01 0 0 0 0 0,01 0,02 0,02 0,01 0,01 0 0,02 0,01
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

98,21 98,53 99,13 97,76 97,3 99,28 99 98,42 98,79 99,09 98,29 97,75 98,89 98,58 98,29 99,44 99,55

MA251BC MA251BC MA251BC MA251BCMA-3-22 C1 g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C1A
g g g g Min g g g g g g g g g g g g

37,3 37,32 37,43 37,66 SiO2 37,68 37,49 37,48 37,18 36,91 37,13 37,11 37,12 35,09 36,98 37,34 37,1
0,02 0,08 0,04 0,04 TiO2 0,1 0,12 0,04 0,05 0,02 0 0 0,04 0 0 0 0
20,96 20,87 21,07 21,06 Al2O3 21,03 20,82 20,93 20,82 20,71 21,04 21,04 20,81 20,13 20,95 20,95 20,87
0,05 0,01 0,03 0 Cr2O3 0 0,03 0 0 0,02 0 0 0,01 0,02 0,03 0,04 0
0,8 0,89 0 0 Fe2O3 1,57 1,49 2,01 1,86 1,55 0,62 0,85 0,57 2 0,51 0 1,05
30,2 30,11 29,87 31,02 FeO 30,37 30,28 30,28 30,17 30,75 31,58 31,47 30,78 28,63 31,1 31,35 30,62
0,88 0,8 0,59 0,04 MnO 0,73 0,86 1,41 1,81 2,58 3,16 3,21 3,54 3,47 3,54 3,61 3,4
2,75 3,03 3,15 3,19 MgO 3,13 3,1 3,14 3,15 3,42 3,5 3,47 3,24 3,34 3,47 3,39 3,46
6,72 6,44 6,53 6,23 CaO 5,38 5,14 4,46 4,14 2,68 2,44 2,43 2,75 2,75 2,48 2,51 2,52
0,01 0,03 0,01 0 Na2O 0,34 0,36 0,4 0,34 0,27 0,06 0,08 0,16 0,07 0,04 0,08 0,2
0 0 0 0 K2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

99,67 99,59 98,73 99,25 Totals 100,33 99,69 100,14 99,52 98,91 99,51 99,65 99,01 95,51 99,08 99,28 99,22
g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C
MA-3-22 C1 g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C1B
g g g g Min g g g g g g g g g g g g

37,32 37,33 37,33 38,11 SiO2 37,55 37,85 36,3 37,41 37,48 37,36 37,52 37,45 37,27 37,1 37,23 37,31
0 0,02 0,01 0,03 TiO2 0,03 0,04 0,01 0,03 0,09 0,31 0,05 0,05 0,03 0,1 0,11 0,06
21,07 21,07 21,16 21,44 Al2O3 21,02 21,2 20,33 20,98 20,99 20,89 21,14 20,93 20,96 20,78 20,76 20,86
0,03 0 0,01 0,05 Cr2O3 0,05 0 0,01 0,05 0,02 0,04 0,05 0,06 0,09 0,03 0,03 0,02
0 0 0,51 0 Fe2O3 2,19 0,66 2,52 1,67 1,46 0,22 0,23 1,11 0 0,38 1,35 0,64
31,71 31,83 31,34 31,68 FeO 29,95 30,85 28,74 30,46 31,18 32,43 32,23 31,28 31,51 30,44 28,66 29,69
3,13 2,17 1,39 0,49 MnO 0,29 0,22 0,33 0,43 0,95 1,14 1,91 2,28 2,94 3,6 4,13 3,83
3,57 3,39 3,4 3,54 MgO 4,01 3,78 3,36 3,17 3,14 2,93 3,69 3,65 3,41 3,17 3,1 3,23
2,46 3,33 4,44 5,03 CaO 4,56 5,16 5 5,38 4,6 4,53 3,1 2,81 2,79 3,21 3,8 3,45
0 0 0,03 0 Na2O 0,37 0,19 0,42 0,28 0,27 0,07 0,04 0,24 0 0,13 0,3 0,2
0 0 0 0 K2O 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

99,3 99,15 99,62 100,37 Totals 100,02 99,95 97,02 99,88 100,19 99,93 99,97 99,87 98,99 98,94 99,45 99,3

g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C g MA322C SG-6 C4 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6
g g g g g g g g g g g Planilha 11 12 13 14 15
Cristal/Foto 1/1 1/2 1/3 1/4 1/5

37,16 37,53 37,41 37,32 37,4 46,75 37,37 37,7 37,69 37,38 37,73 SiO2 37,090 37,000 36,810 37,250 37,160
0,02 0,09 0,05 0,06 0,06 0,05 0,01 0,07 0,07 0,06 0,07 TiO2 0,070 0,040 0,050 0,040 0,010
20,92 21,06 20,88 20,92 21,03 18,93 20,94 21,29 21,03 21 21,12 Al2O3 21,490 21,320 21,140 21,340 21,200
0,02 0,1 0 0,03 0,02 0,02 0,09 0 0,04 0,06 0,02 Cr2O3 0,000 0,030 0,010 0,030 0,000
0,14 0,34 1,72 1,73 0,11 0 1,78 0,2 1,5 1,88 0,53 Fe2O3 0,240 0,780 0,710 0,350 0,770
31,52 31,81 30,85 30,54 31,91 23,67 30,67 31,11 30,34 30,1 31,25 FeO 33,230 33,000 32,220 32,110 32,520
3,32 2,24 1,73 1,18 0,79 0,67 0,45 0,33 0,27 0,23 0,26 MnO 0,550 1,160 1,770 2,570 2,500
3,43 3,29 3,24 3,15 3,12 2,29 3,19 3,56 3,84 3,88 4,03 MgO 3,270 3,600 3,210 3,230 3,540
2,47 3,61 3,71 4,64 4,84 4,32 5,09 5,64 4,82 4,86 4,47 CaO 3,730 2,880 3,380 3,210 2,410
0,06 0,08 0,36 0,3 0,07 3,56 0,29 0,03 0,32 0,28 0,17 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000

99,07 100,16 99,96 99,87 99,34 100,27 99,88 99,93 99,92 99,73 99,63 Totals 99,670 99,810 99,310 100,120 100,100
g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 SG-6 C2 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 g SG-6 SG-153C1g 93SG-153
15 17 18 19 20 Planilha 21 22 23 24 25 26 27 28 33 Min g
1/6 1/7 1/8 1/9 1/10 Cristal/Foto 1/1 1/2 1/3 1/4 1/5 1/6 1/7 1/8 1/9

36,840 36,650 37,090 37,170 37,020 SiO2 37,060 37,180 36,820 36,910 37,290 36,950 37,290 37,080 37,150 SiO2 37,900
0,000 0,060 0,020 0,070 0,010 TiO2 0,000 0,100 0,020 0,000 0,030 0,000 0,000 0,080 0,010 TiO2 0,090
21,160 20,850 20,930 20,970 21,010 Al2O3 21,470 21,250 21,190 21,250 21,050 21,570 21,290 21,420 21,220 Al2O3 21,490
0,040 0,000 0,020 0,040 0,000 Cr2O3 0,000 0,050 0,060 0,040 0,010 0,030 0,030 0,000 0,000 Cr2O3 0,000
1,220 1,730 1,070 0,580 1,930 Fe2O3 0,440 0,000 0,410 0,450 0,000 0,540 0,000 0,000 0,870 Fe2O3 0,000
31,690 31,370 32,770 33,280 31,760 FeO 33,640 33,120 33,070 33,410 33,410 33,350 33,510 33,160 32,970 FeO 20,900
2,740 2,730 1,960 1,550 2,860 MnO 0,270 0,760 1,440 1,640 1,570 1,470 1,180 0,850 0,790 MnO 2,300
3,570 3,670 3,700 3,810 3,760 MgO 3,060 3,250 3,740 3,650 3,710 3,750 3,550 3,370 3,390 MgO 2,190
2,510 2,500 2,360 2,230 2,270 CaO 3,870 3,800 2,230 1,990 2,190 2,080 2,730 3,330 3,600 CaO 14,190
0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000
0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0,000

99,790 99,560 99,940 99,710 100,630 Totals 99,810 99,500 98,980 99,360 99,250 99,740 99,580 99,310 99,990 Totals 99,070

g 94SG-153g 95SG-153g 96SG-153g 97SG-153g 98SG-153g 99SG-153g 100SG-153


g 101SG-153
g 102SG-153
g 103SG-153PO-101 C3 g PO-101 g PO-101g 314PO-10g 313PO-10g 312PO-10g 311PO-101
g g g g g g g g g g Planilha 306 307 314 313 312 311
Cristal/Foto 1/1 1/1 1/8 1/7 1/6 1/5

37,980 37,860 37,240 37,740 37,460 37,810 37,610 37,430 37,680 37,260 SiO2 37,040 36,350 36,990 36,840 37,040 36,370
0,060 0,040 0,090 0,020 0,140 0,050 0,040 0,020 0,030 0,060 TiO2 0,070 0,050 0,070 0,010 0,070 0,120
21,250 21,210 21,020 21,390 21,150 21,260 21,130 20,790 21,000 21,120 Al2O3 20,880 20,700 21,030 21,050 20,990 20,710
0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Cr2O3 0,000 0,000 0,010 0,000 0,040 0,010
0,270 0,310 0,790 0,600 0,580 0,090 0,000 0,000 0,000 0,660 Fe2O3 2,650 0,160 0,000 0,000 0,000 0,150
20,490 21,090 20,000 20,770 20,140 20,490 20,880 21,630 20,720 20,870 FeO 26,260 25,340 25,730 25,470 25,750 25,530
2,100 1,910 2,350 2,270 2,290 2,260 2,040 2,300 2,110 2,230 MnO 8,100 8,340 8,340 8,240 8,150 8,000
2,060 1,880 2,040 2,050 1,950 2,110 1,960 1,940 1,880 1,750 MgO 3,090 3,190 3,240 3,160 3,150 3,370
14,960 14,770 14,520 14,380 14,800 14,610 14,460 13,350 14,590 14,340 CaO 3,420 3,160 3,140 3,350 3,480 3,090
0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000
0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000

99,200 99,080 98,050 99,240 98,530 98,700 98,120 97,480 98,020 98,290 Totals 101,500 97,290 98,560 98,140 98,680 97,340
g 309PO-10g 308PO-10 PO-130 C2 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130
310 309 308 Planilha 408 409 420 421 422 423 424 425 426 427 428 429 430
1/4 1/3 1/2 Cristal/Foto 1/1 1/2 1/3 1/4 1/5 1/6 1/7 1/8 1/9 1/10 1/11 1/12 1/13

36,630 36,760 37,300 SiO2 37,080 36,990 37,510 36,660 36,750 36,750 36,610 37,250 35,700 36,540 37,320 37,400 37,030
0,110 0,030 0,130 TiO2 0,000 0,020 0,000 0,000 0,000 0,090 0,370 0,030 0,060 0,000 0,040 0,050 0,000
20,670 20,840 21,140 Al2O3 21,660 21,570 21,820 21,340 21,220 21,170 21,100 21,430 20,790 21,140 21,440 21,550 21,690
0,000 0,010 0,000 Cr2O3 0,020 0,020 0,030 0,020 0,000 0,030 0,030 0,010 0,020 0,030 0,020 0,040 0,030
0,000 0,000 0,000 Fe2O3 0,030 0,640 0,520 1,420 0,880 1,000 1,440 0,350 1,430 1,040 0,000 0,000 0,780
25,600 25,720 24,380 FeO 30,930 31,330 33,470 33,150 32,810 32,610 31,650 31,740 30,270 31,730 32,030 31,880 31,840
8,090 7,860 8,200 MnO 0,140 0,580 1,000 1,030 1,320 1,930 2,250 2,160 2,910 2,430 2,540 2,990 0,880
3,040 2,890 2,440 MgO 2,960 3,780 4,390 3,860 3,430 3,330 3,270 3,650 3,350 3,230 3,200 3,150 3,950
3,110 3,550 4,730 CaO 6,230 4,360 1,990 2,150 2,880 2,750 3,400 3,220 2,780 2,920 2,980 2,990 3,510
0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000
0,000 0,000 0,000 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000

97,250 97,650 98,330 Totals 99,060 99,320 100,710 99,640 99,300 99,650 100,130 99,840 97,310 99,070 99,580 100,040 99,720

PO-130 C4 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130 g PO-130PO-100B C1g PO-100 g PO-100 g PO-100 g PO-100 g PO-100
Planilha 431 432 433 434 435 436 437 438 439 440 Planilha 59 60 61 62 63
Cristal/Foto 1/1 1/2 1/3 1/4 1/5 1/6 1/7 1/8 1/9 1/10 Cristal/Foto 1/1 1/2 1/3 1/4 1/5

SiO2 37,440 37,360 37,280 36,860 37,190 37,290 37,060 37,400 37,090 36,770 SiO2 37,880 37,830 37,510 37,520 37,420
TiO2 0,050 0,040 0,050 0,000 0,060 0,030 0,040 0,010 0,060 0,000 TiO2 0,080 0,060 0,000 0,010 0,000
Al2O3 21,630 21,580 21,370 21,440 21,360 21,420 21,410 21,330 21,480 21,300 Al2O3 21,900 21,600 21,650 21,520 21,470
Cr2O3 0,030 0,000 0,000 0,000 0,010 0,000 0,000 0,000 0,010 0,030 Cr2O3 0,000 0,020 0,000 0,000 0,010
Fe2O3 0,000 0,000 0,000 0,950 0,400 0,110 0,270 0,000 0,240 0,000 Fe2O3 0,000 0,740 0,280 0,000 0,100
FeO 32,880 31,340 30,600 31,160 30,800 31,250 30,500 29,280 30,860 33,350 FeO 30,770 30,430 30,490 30,000 30,470
MnO 1,910 2,180 3,020 2,460 1,520 2,320 2,950 3,250 2,330 2,060 MnO 0,430 0,510 0,590 0,810 0,890
MgO 4,360 4,120 3,850 3,800 3,580 4,130 3,900 3,720 3,980 3,420 MgO 5,450 5,400 5,250 5,180 4,970
CaO 1,710 2,980 2,950 2,850 4,520 2,860 3,050 3,920 3,190 1,900 CaO 3,370 3,690 3,440 3,640 3,520
Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000
K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000

Totals 100,010 99,610 99,110 99,530 99,440 99,410 99,190 98,910 99,260 98,840 Totals 99,880 100,290 99,220 98,680 98,850
g PO-100 g PO-100 g PO-100 g PO-100PO-100B C3g PO-100 g PO-100 g 69PO-100g 70PO-100g 71PO-100g 72PO-100g 73PO-100SG-155C1Ag 199SG-15g 200SG-15g 201SG-15g 202SG-155
64 65 183 66 Planilha 67 68 69 70 71 72 73 Min g g g g
1/6 1/7 1/9 1/8 Cristal/Foto 1/1 1/2 1/3 1/4 1/5 1/6 1/7

37,710 37,590 38,010 37,810 SiO2 37,070 37,540 36,730 37,150 37,130 37,190 37,440 SiO2 38,500 37,960 37,460 36,860
0,000 0,010 0,000 0,010 TiO2 0,080 0,020 0,170 0,030 0,030 0,020 0,000 TiO2 0,120 0,140 0,020 0,060
21,710 21,580 22,190 21,720 Al2O3 21,330 21,630 21,230 21,300 21,190 21,220 21,630 Al2O3 21,110 21,190 21,320 20,810
0,030 0,000 0,000 0,030 Cr2O3 0,000 0,010 0,000 0,010 0,000 0,000 0,000 Cr2O3 0,000 0,000 0,000 0,000
0,000 0,010 0,000 0,070 Fe2O3 0,960 0,000 0,200 0,030 0,000 0,000 0,040 Fe2O3 0,000 1,380 1,910 2,220
30,780 30,660 30,540 30,680 FeO 29,650 30,850 29,900 30,360 30,420 29,870 30,390 FeO 24,020 23,040 22,250 22,050
0,870 0,800 0,660 0,400 MnO 0,450 0,900 1,480 1,960 1,720 0,840 0,500 MnO 2,220 1,910 2,460 2,370
5,100 5,260 5,250 5,630 MgO 5,670 4,900 4,370 3,840 4,070 4,950 5,420 MgO 6,240 6,600 6,490 6,530
3,040 3,190 3,340 3,210 CaO 3,260 3,250 3,810 4,100 3,570 3,400 3,290 CaO 6,510 6,850 6,640 6,280
0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 Na2O 0,000 0,000 0,000 0,000
0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 K2O 0,000 0,000 0,000 0,000

99,230 99,110 99,990 99,550 Totals 98,470 99,100 97,880 98,770 98,130 97,480 98,720 Totals 98,730 99,070 98,550 97,180

g 203SG-15g 204SG-15g 205SG-155


g g g

38,440 38,340 38,400


0,100 0,110 0,030
21,330 21,410 21,330
0,000 0,000 0,000
0,440 1,000 1,720
23,880 23,160 23,080
2,070 0,780 1,020
6,300 7,310 7,080
6,900 7,010 7,190
0,000 0,000 0,000
0,000 0,000 0,000

99,460 99,130 99,860


MA-1-34 11N1-1-34 mu 11I1-1- mu 12N1-1mu 12B1-1 mu 13N1-1mu 13B1-1 mu 14N1-1mu 14I1-1- mu 21N1-1mu 22N1-1mu 23N1-1mu 24N1-1mu 25N1-1MA-1-38 11N1-1-38M mu 11N2-1-
Min mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu Min mu mu

SiO2 46,58 46,89 47,01 47,22 46,42 47,55 47,03 46,31 47,19 47,37 48,12 46,77 46,82 SiO2 47,89 47,88
TiO2 0,52 0,55 0,53 0,41 0,53 0,4 0,57 0,33 0,58 0,49 0,53 0,68 0,59 TiO2 0 0,03
Al2O3 32,26 32,11 32,09 31,86 32 33,22 32,16 32,72 31,5 32,94 32,19 31,34 31,59 Al2O3 32,38 32,27
Cr2O3 0,03 0,06 0 0,01 0,03 0,03 0 0 0 0,06 0,04 0,06 0,11 Cr2O3 0,03 0,03
Fe2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Fe2O3 0 0
FeO 1,53 1,55 1,47 1,64 1,3 1,47 1,5 1,29 1,57 1,43 1,72 1,52 1,6 FeO 2,27 2,28
MnO 0 0 0 0 0,01 0 0 0 0 0,01 0 0 0 MnO 0 0,01
MgO 1,24 1,34 1,39 1,54 1,22 1,18 1,36 1,13 1,5 1,14 1,43 1,37 1,29 MgO 1,73 1,73
CaO 0,01 0,01 0 0,03 0,02 0 0,01 0 0,03 0,01 0,01 0,02 0 CaO 0,01 0
Na2O 1,39 1,05 1,26 1,15 1,01 1,35 1,21 1,48 1,06 1,44 1,2 1,15 1,28 Na2O 0,52 0,59
K2O 9,49 9,83 9,48 9,69 9,52 9,5 9,49 9,3 9,26 9,4 9,57 9,46 9,45 K2O 10,38 10,5

Totals 93,05 93,4 93,24 93,56 92,08 94,7 93,35 92,57 92,68 94,29 94,8 92,37 92,74 Totals 95,22 95,32

mu 12N1-1mu 12B1-1 11N1-2-25M mu 11N2-2mu 12N1-2mu 13N1-2mu 21N1-2mu 22N1-2mu 23N2-2MA-1-37 2N1-1-37M mu 3N1-1- mu 3N1b-1mu 4N1-1- mu 5N1-1- mu 6N1-1- MA-2-50
mu mu mu mu mu mu mu mu mu Min mu mu mu mu mu mu Min

46,74 46,98 47,39 46,93 47,49 46,69 46,82 46,52 46,08 SiO2 47,51 46,31 46,21 46,16 46,78 46,54 SiO2
0 0,02 0,61 0,55 0,8 0,48 0,64 0,54 0,59 TiO2 0,37 0,47 0,62 0,48 0,57 0,4 TiO2
32,49 32,47 31,45 30,79 31,13 32,21 30,83 31,6 31,54 Al2O3 32 32,73 32,1 31,85 31,97 33,1 Al2O3
0,04 0,06 0,02 0 0,08 0 0,03 0,01 0,02 Cr2O3 0,03 0,06 0,06 0,05 0,06 0,03 Cr2O3
0 0 0 0 0 0 0 0 1,27 Fe2O3 0 0 0 0 0 0 Fe2O3
0 2,12 1,93 2 1,72 1,67 1,89 1,82 0,49 FeO 2,35 2,41 2,62 2,77 2,91 2,62 FeO
0,04 0,01 0 0 0 0,01 0 0 0 MnO 0 0 0,02 0 0,02 0,01 MnO
1,55 1,43 1,49 1,69 1,4 1,26 1,41 1,18 1,2 MgO 0,83 0,64 0,81 0,89 0,85 0,9 MgO
0 0 0 0 0,01 0,01 0,02 0 0 CaO 0,04 0,06 0,02 0 0,01 0,04 CaO
0,55 0,36 1,07 1,03 1,18 1,25 1,11 1,23 0,92 Na2O 1,9 2,02 1,84 1,47 1,59 1,96 Na2O
10,38 10,74 9,74 9,81 9,65 9,68 9,83 9,73 0,07 K2O 8,04 8,64 8,69 9,65 9,3 8,49 K2O

91,8 94,21 93,7 92,81 93,45 93,26 92,6 92,63 82,17 Totals 93,08 93,35 93 93,33 94,09 94,09 Totals
11N1-2-50M mu 11N2-2mu 12N1-2mu 13N1-2mu 14N1-2MA-2-51B mu 21N1-2mu 22N1-2mu 22N2-2mu 21N2-2mu 23N1-2mu 23B1-2 mu 24N1-2mu 11N1-2mu 11N2-2mu 11I1-2- mu 12N1-2-
mu mu mu mu mu Min mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu

46,47 45,72 46,16 45,62 45,74 SiO2 46,31 46,1 45,18 45,36 46,91 45,94 45,98 45,21 42,37 44,4 44,6
0,97 0,88 0,88 0,57 0,87 TiO2 0,48 0,55 0,59 0,52 0,48 0,44 0,55 0,53 0,55 0,53 0,53
30,54 31,02 31,17 31,42 31,13 Al2O3 33 33,68 32,48 32,41 34 34,09 33,37 34,59 31,3 33,54 33,91
0,03 0,1 0,02 0,03 0,05 Cr2O3 0,02 0,01 0,03 0,04 0,03 0,05 0 0,07 0,13 0,11 0
0 0 0 0 0 Fe2O3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
2,51 2,45 2,42 2,41 2,63 FeO 1,85 1,74 1,82 1,79 1,65 1,69 1,76 1,65 1,74 1,71 1,7
0 0,01 0 0 0 MnO 0 0,03 0,13 0,01 0 0 0,01 0,01 0,02 0 0,02
1 0,87 0,91 0,94 1,03 MgO 1,25 1,34 1,37 1,21 1,49 1,32 1,27 1,09 1,11 1,21 1,2
0 0 0 0 0 CaO 0,01 0 0 0,04 0,03 0 0,03 0 0,01 0 0
1,25 1,4 1,45 1,39 1,15 Na2O 1,66 1,18 1,12 1,45 1,27 1,24 1,23 1,38 1,35 1,3 1,35
9,64 9,69 9,38 9,44 9,63 K2O 9,11 9,66 9,81 9,03 9,6 9,7 9,58 9,66 9,87 9,74 9,69

92,42 92,14 92,4 91,83 92,25 Totals 93,69 94,31 92,53 91,88 95,47 94,48 93,79 94,2 88,46 92,55 93

mu 12N2-2mu 12N3-2mu 12B1-2 mu 12B2-2 mu 13N1-2mu 14N1-2mu 14N2-2mu 14B1-2 mu 15I1-2- mu 15I2-2- mu 15I3-2- mu 15I4-2- mu 15N1-2mu 16N2-2mu 16I1-2- mu 21N1-2MA-3-22
mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu Min

44,32 45,01 43,72 44,78 44,85 44,64 43,51 44,72 44,87 44,37 45,04 41,47 44,37 45,53 44,61 42,96 SiO2
0,49 0,52 0,54 0,57 0,5 0,58 0,59 0,55 0,53 0,55 0,57 0,51 0,43 0,45 0,66 0,65 TiO2
33,75 34,22 33,03 32,68 33,81 34,3 33,59 33,32 33,36 34,31 35,58 33,98 34,95 35,52 33,75 32,62 Al2O3
0,08 0,02 0,13 0,05 0,12 0,38 0,01 0,28 0,11 0,02 0,09 0,01 0,17 0,18 0,09 0,04 Cr2O3
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0,34 1,49 0 0 0 0,18 Fe2O3
1,7 1,77 1,87 1,68 1,86 1,78 1,82 1,7 1,73 1,75 1,47 0,58 1,68 1,5 1,82 1,65 FeO
0 0,02 0 0,03 0,03 0,01 0 0 0 0 0 0 0 0,06 0,01 0,03 MnO
1,2 1,08 1,26 1,38 1,17 1,11 1,14 1,25 1,3 1,19 1,16 1,14 0,86 0,84 1,13 1,35 MgO
0 0 0,02 0 0,02 0,01 0 0 0 0,02 0 0 0 0 0,01 0 CaO
1,26 1,48 1,17 0,98 1,23 1,34 1,34 1,32 1,26 0,84 1,32 1,23 1,5 1,59 1,33 1,14 Na2O
9,86 9,56 9,98 10,2 9,8 9,64 9,8 9,75 9,86 10,39 9,91 8,67 9,43 9,67 9,85 9,53 K2O

92,66 93,68 91,73 92,36 93,41 93,8 91,81 92,91 93,02 93,46 95,5 89,11 93,38 95,36 93,28 90,18 Totals
11N1-3-22M mu 11N2-3mu 11N3-3mu 11B1-3 mu 11B2-3 mu 11B3-3 mu 12B1-3 mu 12B2-3 mu 21N1-3mu 21N2-3mu 21B2-3 mu 21B2b- mu 22N1-3mu 22N2-3mu 22B1-3 mu 22B2-3 Sample
mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu mu Min

46,29 46,48 47,24 47,43 47,3 46,76 47,03 46,35 47,62 46,81 47,76 47,8 47,67 46,87 46,6 47,99 SiO2
0,03 0,03 0 0 0,03 0,02 0 0 0,05 0,01 0 0,01 0 0,02 0 0 TiO2
36,2 34,72 36,23 35,12 35,26 35,37 36,23 34,23 36,45 36,85 35,91 36,14 34,92 35,02 35,39 34,65 Al2O3
0,02 0,06 0,01 0,1 0 0 0 0,06 0,09 0,01 0 0,1 0,02 0,04 0 0,01 Cr2O3
0 0 0 0 0 0 0 1,42 0 0,32 0,18 0 0 0 0 0 Fe2O3
1,27 1,41 1,22 1,51 1,46 1,35 1,22 0,8 1,35 0,91 1,18 1,24 1,51 1,55 1,36 1,53 FeO
0 0 0 0 0 0 0 0,04 0 0,02 0 0,03 0 0 0 0,04 MnO
0,79 1,17 0,89 1,32 1,25 1,04 1,02 1,36 0,83 0,86 1,08 1,08 1,29 1,08 1,05 1,31 MgO
0,01 0,02 0 0,01 0 0 0 0 0,01 0,02 0,01 0,03 0,02 0,01 0,01 0 CaO
1,76 1,51 1,83 0,95 0,54 1,48 1,49 1,27 1,54 1,69 1,05 1,5 1,17 1,35 1,35 1,21 Na2O
8,67 8,96 8,65 9,97 10,46 9,01 9,07 9,04 8,95 8,48 9,3 9,12 9,32 9,1 8,93 9,46 K2O

95,06 94,36 96,08 96,41 96,3 95,04 96,07 94,57 96,91 95,98 96,49 97,06 95,94 95,06 94,72 96,2 Totals

mu SG-6 mu SG-6 mu SG-6 ME-48 mu 84ME4 mu 85ME4 mu 86ME4 ME-61 164ME 61 mu 195ME mu 196ME mu 197ME PO-130 402PO130 mu 403PO-mu 404PO-mu 405PO-1
mu mu mu Min mu mu mu Min mu mu mu mu Min mu mu mu mu

46,17 45,26 45,84 SiO2 47,26 46,59 46,56 SiO2 44,93 45,67 46,11 46,61 SiO2 46,6 46,49 45,78 45,1
0,57 0,83 0,6 TiO2 0,25 0,29 0,39 TiO2 0,47 0,46 0,48 0,54 TiO2 0,04 0,01 0,02 0
34,41 33,84 34,02 Al2O3 34,95 35,39 34,59 Al2O3 30,91 31,22 31,41 31,01 Al2O3 35,14 35,75 35,63 35,62
0 0 0 Cr2O3 0 0,03 0,07 Cr2O3 0,01 0 0 0,02 Cr2O3 0 0 0 0
0 0 0 Fe2O3 0 0 0 Fe2O3 1,9 1,31 0,71 1,32 Fe2O3 0 0 0 1,41
1,69 1,91 1,82 FeO 0,87 0,91 1 FeO 1,95 2,14 2,6 2,54 FeO 1,14 1,07 0,94 0,54
0,05 0 0 MnO 0,03 0 0 MnO 0 0,03 0 0,03 MnO 0,05 0 0,01 0,01
0,78 0,82 0,78 MgO 1,08 0,99 1,1 MgO 1,27 1,42 1,41 1,53 MgO 0,8 0,67 0,51 0,65
0,01 0 0 CaO 0,01 0,01 0,02 CaO 0,02 0 0 0,01 CaO 0,03 0 0 0,03
1,47 1,46 1,3 Na2O 1,4 1,48 1,38 Na2O 1,02 1,03 1,09 1,02 Na2O 1,14 1,25 1,23 1,28
8,85 9,08 9,01 K2O 8,23 8,1 8,55 K2O 8,92 9,21 9,31 9,43 K2O 9,28 9,36 9,22 8,01

94 93,21 93,39 Totals 94,08 93,8 93,67 Totals 91,41 92,51 93,13 94,07 Totals 94,23 94,61 93,36 92,66
mu 406PO-mu 407PO-1
mu mu

46,13 46,27
0,07 0,05
36,54 36,45
0 0
0 0
0,69 0,65
0,05 0
0,33 0,25
0,02 0,02
1,28 1,33
8,78 8,55

93,9 93,57
ANEXO III
Tabela 1 - Conteúdo em elementos maiores (em % de peso) das amostras analisadas.
Amostra SiO2 TiO2 Al2O3 Fe2O3 MnO MgO CaO Na2O K2 O P2O5 LOI Total

ME-81 72,4 0,23 15,03 2,04 0,05 0,32 1,39 3,34 4,37 0,04 0,78 99,99
ME-83 62,28 1,04 16,52 6,64 0,07 2,19 3,81 3,71 2,90 0,33 0,88 100,36
ME-86 77,27 0,38 11,37 3,66 0,07 0,30 0,47 1,69 4,52 0,07 0,85 100,64
ME-87 65,99 1,05 14,20 6,95 0,11 1,06 2,74 3,45 3,54 0,45 0,68 100,22
ME-111 65,96 0,58 17,02 4,09 0,03 1,52 4,69 4,40 1,54 0,16 0,71 100,69
ME-112 75,85 0,18 13,82 1,95 0,03 0,12 1,33 4,75 1,68 0,04 0,30 100,05
ME-113 64,41 0,49 15,63 4,10 0,07 2,23 3,74 3,72 3,38 0,15 1,16 99,08
ME-113B 66,08 0,49 15,48 3,93 0,05 2,39 3,92 3,75 3,11 0,14 1,05 100,37
ME-165 70,28 0,43 15,55 3,11 0,03 0,90 2,79 3,88 2,70 0,12 0,74 100,53
ME-166 68,5 0,64 15,16 4,49 0,11 1,11 2,94 2,86 3,47 0,15 0,57 100,01
PO-63C 75,35 0,23 13,09 2,21 0,05 0,88 1,15 3,50 3,75 0,04 0,69 100,96
PO-70B 74,69 0,31 12,48 3,13 0,04 0,83 2,32 4,02 1,40 0,10 0,73 100,05
PO-71 73,21 0,25 14,47 2,17 0,04 0,84 0,96 3,71 2,94 0,06 1,48 100,11
PO-75A 70,44 0,52 14,07 3,44 0,08 0,85 3,70 4,85 1,43 0,14 0,76 100,28
PO-77 74,32 0,29 14,45 1,75 0,04 0,57 0,50 2,46 4,15 0,04 1,40 99,99
PO-100B 75,61 0,26 13,47 1,63 0,03 0,68 1,06 3,05 3,07 0,04 1,15 100,07
PO-132 80,74 0,20 9,92 1,64 0,04 0,56 1,30 3,39 1,11 0,06 1,84 100,79
PO-133 67,98 0,44 15,56 3,59 0,04 2,13 2,94 4,08 2,89 0,12 0,72 100,50
PO-168 72,72 0,25 14,32 2,45 0,06 1,03 1,23 4,89 2,52 0,08 0,70 100,25

Tabela 2 - Conteúdo em elementos traço (em ppm) das amostras analisadas.


Amostras Ba Rb Sr Y Zr Nb Cu Ni

ME-81 1629 98 1910 14 125 7 3 4


ME-83 1369 94 453 38 385 16 2 20
ME-86 692 60 73 81 467 21 12 5
ME-87 1542 60 281 60 553 24 7 6
ME-111 476 55 382 8 208 5 69 12
ME-112 1102 24 143 14 117 6 6 8
ME-113 1100 86 420 16 138 11 15 37
ME-113B 954 80 408 17 118 8 19 29
ME-165 1105 81 316 9 203 5 10 4
ME-166 773 100 209 18 125 10 11 7
PO-63C 889 87 246 9 94 5 1 5
PO-70B 260 43 107 17 115 5 18 4
PO-71 1247 90 148 12 109 6 1 4
PO-75A 653 34 108 30 166 7 1 4
PO-77 1317 107 79 18 141 11 2 5
PO-100B 1479 76 403 21 151 10 7 4
PO-132 479 40 190 14 105 10 14 6
PO-133 675 91 481 16 101 9 7 23
PO-168 1283 72 138 10 99 6 2 3

Tabela 3 - Conteúdo em elementos terras raras (em ppm) das amostras analisadas.
Amostra La Ce Nd Sm Eu Gd Dy Er Yb Lu (La/Eu)N (Gd/Lu)N (La/Lu)N

ME-81 45 84 30 4,8 1,2 3,6 2,6 1,6 1,5 0,3 13,23 1,43 25,62
ME-83 54,8 107,0 45,1 8,2 1,8 7,5 6,1 3,5 2,7 0,4 11,13 1,77 18,57
ME-86 43,5 100,0 47,8 11,5 1,7 12,0 12,2 8,1 8,1 1,3 9,31 0,92 4,73
ME-111 9,4 18,0 7,2 1,5 0,8 1,2 1,6 1,2 0,9 0,2 4,31 0,76 8,37
ME-112 17,0 32,2 11,6 2,3 0,6 2,0 1,9 1,2 1,3 0,2 10,08 0,92 11,0
ME-113 28,8 64,3 21,2 3,7 1,0 3,0 2,3 1,4 1,4 0,2 10,01 1,4 19,52
PO-75A 14,9 30,3 15,3 3,8 1,1 3,8 4,1 2,8 2,7 0,4 4,73 0,89 4,93
PO-168 35,2 52,2 19,2 3,2 0,9 2,3 1,6 0,9 0,9 0,2 14,3 1,43 31,31
Tabela 4 – Teores de elementos maiores (em %) das rochas metamáficas da região de Pontalina.
Amostra SiO2 TiO2 Al2O3 Fe2O3 MnO MgO CaO Na2O K2 O P2O5 LOI Total

ME-37 49.88 1.63 14.94 11.35 0.14 5.64 10.17 3.66 0.79 0.45 1.75 100.40
ME-44.2 41.80 1.83 17.68 12.54 0.26 15.93 0.55 0.13 1.66 0.32 7.55 100.26
ME-48(anf) 49.26 1.20 16.12 10.71 0.18 9.62 9.06 1.99 0.57 0.15 2.03 100.89
ME-88 53.87 1.15 15.93 11.05 0.09 6.53 7.68 1.76 1.09 0.15 1.02 100.32
ME-100anf 46.71 1.45 17.03 11.53 0.09 9.27 6.48 3.65 3.32 0.28 0.96 100.75
ME-142 45.33 1.65 17.99 11.86 0.10 8.78 9.33 3.42 0.17 0.17 1.68 100.49
ME-149DI 43.64 2.43 19.07 14.30 0.08 6.70 9.04 2.69 0.64 0.08 1.61 100.27
PO-16A 53.43 0.79 16.69 7.51 0.08 6.36 8.66 3.02 1.90 0.23 1.64 100.31
PO-61A 51.80 1.63 20.80 8.57 0.11 3.23 6.08 3.40 2.94 0.47 1.07 100.10
PO-76 49.78 0.63 18.42 10.20 0.15 6.94 12.10 1.19 0.08 0.15 0.87 100.51
PO-83 48.22 1.97 18.38 10.99 0.14 6.41 8.88 2.37 0.62 0.23 1.92 100.12
PO-98 51.00 1.05 15.99 12.33 0.15 6.52 8.97 3.67 0.28 0.10 0.86 100.93
PO-99 48.17 0.80 13.35 11.31 0.52 10.55 11.06 1.55 0.43 0.41 1.86 100.00
PO-100A 48.54 2.07 18.67 14.26 0.23 6.69 8.04 1.96 0.09 0.24 0.03 100.79
PO-102 53.89 1.78 14.48 14.85 0.13 4.65 5.68 4.38 0.14 0.22 0.38 100.58
PO-136A 49.26 2.26 15.07 17.86 0.25 5.09 8.41 1.89 0.27 0.20 0.31 100.89
PO-142 46.25 1.05 21.96 11.36 0.16 4.24 8.03 2.84 2.41 0.10 2.41 100.81
PO-163A 47.39 2.97 16.05 14.99 0.12 5.48 7.71 3.91 0.12 0.67 0.61 100.02
ME-1-61 52.90 1.03 19.51 9.59 0.09 3.73 6.94 4.44 1.08 0.22 0.89 100.43
Estes valores foram recalculados em base anidra. (recalculados para 100%)

Tabela 5 – Teores de elementos terras raras (em ppm) das rochas metamáficas da região de Pontalina.
AMOSTRA La Ce Nd Sm Eu Gd Dy Er Yb Lu

ME-37 26.90 63.00 34.20 7.17 2.11 6.17 5.16 2.72 2.22 0.36
ME-44.2 20.40 48.99 27.12 7.04 1.96 8.25 6.88 3.76 2.48 0.36
ME-48(anf) 6.29 18.17 12.58 3.75 1.19 3.73 3.58 2.09 1.67 0.23
ME-88 15.90 35.10 19.40 4.91 1.31 5.63 5.71 3.06 2.12 0.30
ME-149DI 4.41 10.90 7.76 2.40 1.01 2.74 2.06 0.65 0.26 0.03
PO-16A 17.90 39.40 21.40 4.93 1.39 3.77 2.97 1.60 1.29 0.20
PO-61A 25.40 52.10 24.00 4.73 2.05 3.81 2.67 1.36 1.01 0.17
PO-76 8.72 18.80 9.68 2.31 0.85 2.13 1.85 1.02 0.60 0.08
PO-98 7.73 9.91 9.88 2.95 1.08 3.49 3.93 2.42 2.06 0.33
PO-100A 9.88 23.70 15.50 4.46 1.67 5.18 5.28 2.78 2.18 0.34
PO-102 6.93 16.90 12.50 4.02 1.42 4.89 5.38 3.49 3.29 0.51
PO-136A 9.01 21.20 15.30 4.85 1.55 5.98 6.41 4.39 4.02 0.63
ME-1-61 14.00 36.10 18.10 4.24 1.48 4.03 3.86 2.17 1.70 0.25

Tabela 6 – Teores de elementos menores (em ppm) das rochas metamáficas da região de Pontalina.

AMOSTRA Ba Rb Sr Y Zr Nb Cu Ni Cr

ME-37 287 16 358 30 131 8 8 24 155


ME-44.2 998 33 43 49 120 9 114 82 162
ME-48(anf) 114 13 248 23 24 9 584 114 584
ME-88 292 26 135 37 100 15 31 76 333
ME-100anf 255 91 274 29 126 6 58 97 231
ME-142 65 2 288 34 113 6 67 92 170
ME-149DI 199 20 432 11 29 6 63 45 109
PO-16A 1003 40 614 20 107 7 28 62 185
PO-61A 1591 124 623 15 258 9 29 12 88
PO-76 18 3 418 11 44 6 90 44 194
PO-83 171 19 278 20 44 14 47 50 222
PO-98 86 5 199 28 62 5 28 29 117
PO-99 130 12 75 13 65 4 4 17 83
PO-100A 39 3 213 28 123 10 4 124 263
PO-102 81 2 256 36 107 6 24 14 139
PO-136A 101 3 264 41 134 11 105 25 186
PO-142 699 55 439 20 87 6 4 45 129
PO-163A 337 3 464 54 249 12 22 8 90
ME-1-61 265 21 517 24 141 8 173 42 130

Você também pode gostar