Você está na página 1de 35

5

SENTIDOS

REGULAÇÃO NERVOSA EM ANIMAIS


Sistema nervoso Sistema nervoso
CENTRAL PERIFÉRICO
Encéfalo Nervos cranianos
(partem do encéfalo)
Espinal medula

Nervos raquidianos
(partem da espinal medula)
O SISTEMA NERVOSO CENTRAL – SNC – coordena todas as atividades do corpo.

Encéfalo É formado por… Espinal medula

Protegido pelo crânio e pelas meninges.


Coordena os movimentos voluntários e Protegida pela coluna vertebral.
involuntários. É responsável pelos atos reflexos
(reações involuntárias).
formado por

Cérebro, bolbo raquidiano,


cerebelo e hipotálamo.
Estímulo

Picada

Neurónios sensitivos
Órgão recetor
Neurónios de associação
Pele

Centro nervoso

Resposta Espinal medula


Neurónios motores
Movimento do(a)
braço / mão

Órgão efetor Músculos


A resposta a um estímulo inclui 4 processos fundamentais:

1. Receção
Deteção de um estímulo por neurónios sensitivos associados aos órgãos dos sentidos.

2. Transmissão
Transporte da informação recolhida pelos neurónios sensitivos até ao sistema nervoso
central (espinal medula e/ou encéfalo).

3. Integração
Interpretação da informação recolhida e determinação da resposta mais adequada.

4. Resposta
Transmissão da decisão tomada pelo sistema nervoso central até aos órgãos efetores
(músculos, glândulas…).
Sistema ISOLADO Sistema FECHADO Sistema ABERTO

Não há trocas de energia Não há trocas de matéria Há trocas de energia


e de matéria com o meio com o meio envolvente, e de matéria com o
envolvente. mas podem existir trocas meio envolvente.
de energia.
Sistema ABERTO

Seres vivos? Tipo de Sistema?


Seres vivos  Sistema ABERTO

Realizam trocas com o meio envolvente


que resultam em mudanças.

Torna-se necessária a existência de


mecanismos que garantam a
CONSTÂNCIA do meio interno.

HOMEOSTASIA
Mecanismo de manutenção das condições
do meio interno, dentro de certos
limites, e em equilíbrio dinâmico com o
meio externo.
Como funcionam os mecanismos homeostáticos?

Centro
de Limite de
controle tolerância

Recetor Efetor

Nível interno
Valor
normal

Desequilíbrio
Limite de
Homeostasia tolerância

Desequilíbrio
TERMORREGULAÇÃO HUMANA

ESTÍMULO ESTÍMULO

Feedback Feedback
negativo negativo

RESPOSTA RESPOSTA
TERMORREGULAÇÃO HUMANA

Vasoconstrição

Deteção pelo
hipotálamo

Temperatura corporal Tremuras


BAIXA musculares

Temperatura corporal
NORMAL
Aceleração
do
metabolismo
TERMORREGULAÇÃO HUMANA

Vasodilatação

Deteção pelo
hipotálamo

Temperatura corporal Produção


ALTA de suor

Temperatura corporal
NORMAL
Abrandamento
do
metabolismo
Feedback negativo
Resposta é oposta ao estímulo

Teor elevado Aumenta a frequência Diminui o


de CO2 respiratória  saída de CO2 teor de CO2

Feedback positivo
Resposta amplifica o estímulo

Teor elevado Bebé bate com a cabeça no colo Aumenta mais o


de oxitocina do útero  mais contrações teor de oxitocina
Neurónio sensitivo Neurónio motor
Transmite impulsos nervosos Transmite impulsos nervosos
do órgão recetor ao centro do centro nervoso ao órgão
nervoso. efetor.

Neurónio de associação
Liga os neurónios sensitivos aos
neurónios motores.
O NEURÓNIO é a célula que realiza a transmissão de informação para o Sistema Nervoso
Central e para os órgãos efetores sob a forma de impulsos elétricos – os impulsos nervosos.

Dendrites Corpo celular


Local da célula onde se encontra
o núcleo.
Núcleo

Dendrite
Prolongamento ramificado do
corpo celular.

Axónio
Corpo
celular Estrutura ao longo da qual se
propaga o impulso nervoso.

Arborização terminal
Axónio Bainha de Arborização
mielina terminal Ramificações terminais do axónio.
Nódulo de Ranvier

Bainha de mielina
Axónio

Célula de
Schwann Célula de
Schwann

Nódulos de Núcleo da
Ranvier Gânglio
célulanervoso
de Schwann
Axónio Bainha de mielina

Bainha de mielina
Invólucro lipídico que atua como isolante elétrico e facilita a transmissão
do impulso nervoso.
Axónio + Bainha de mielina Axónio Feixe de fibras
nervosas
↓ Fibra
nervosa
FIBRA NERVOSA

Conjunto de fibras nervosas


envolvidas por tecido conjuntivo
(tecido de suporte)


NERVO
Nervo
Quando o impulso nervoso passa de
um neurónio para outro

Química
SINAPSE
Elétrica
Na
K

Bomba de
Na+ e K+

Canais de K+ Meio extracelular

Canais de Na+

Meio intracelular
(citoplasma)
Concentração de iões dentro e fora do neurónio (mM)

Ião Citoplasma Meio extracelular

Potássio – K+ 140 5

Sódio – Na+ 15 150

Cloro – Cl- 10 120

Outras moléculas – Proteínas – A- 100 Não aplicável

Movimentos esperados através da membrana a favor do gradiente de concentração:


o Saída de iões K+ por difusão simples;
o Entrada de iões Na+ por difusão simples. Objetivo destes movimentos?

Igualar concentrações dos iões de um e


de outro lado da membrana do neurónio.
Na
K

Bomba de
Na+ e K+ Problema:
Se os teores de Na+ e de K+ se igualarem de um
e de outro lado da membrana, o neurónio não
Canais de K+
consegue responder a estímulos.

Como resolver este problema?


Canais de Na+

o Membrana do neurónio impermeável ao Na+


e ao K+ (canais de Na+ e de K+ fechados);

o Bomba de Na+ e K+ (garante a saída de 3 Na+


e a entrada de 2 K+).
Meio extracelular

Meio intracelular
(citoplasma)

Meio extracelular Diferença na distribuição das cargas


maior concentração de iões positivos elétricas que origina uma diferença de
potencial elétrico entre as duas faces
Meio intracelular da membrana do neurónio
menor concentração de iões positivos

POTENCIAL DE MEMBRANA
Na
K

50

Potencial de Membrana
0

(mV)
50 Limiar de excitabilidade
1

Potencial de repouso
100
Tempo
Meio extracelular Canal de Canal de
sódio potássio

Citoplasma

1 Potencial de repouso
Na
K

50

Potencial de Membrana
0

(mV)
2
50
Limiar de excitabilidade
1

2 Despolarização Potencial de repouso


100
Tempo
Meio extracelular

Citoplasma

1 Potencial de repouso
Na
K

3 Fase ascendente do potencial de ação 50 Potencial de ação

Potencial de Membrana
3
0

(mV)
2
50 Limiar de excitabilidade
1

2 Potencial de repouso
Despolarização 100
Tempo
Meio extracelular

Citoplasma

1 Potencial de repouso
Na
K

4 Repolarização
3 Fase ascendente do potencial de ação 50 Potencial de ação

Potencial de Membrana
3
0 4

(mV)
2
50 Limiar de excitabilidade
1

2 Potencial de repouso
Despolarização 100
Tempo
Meio extracelular

Citoplasma

1 Potencial de repouso
Na
K

4 Repolarização
3 Fase ascendente do potencial de ação 50 Potencial de ação

Potencial de Membrana
3
0 4

(mV)
2
50 Limiar de excitabilidade
1 5

2 Despolarização Potencial de repouso


100
Tempo
Meio extracelular

Citoplasma

1 Potencial de repouso 5 Regresso ao potencial de repouso


Axónio
Após ultrapassar o limiar de
excitabilidade, o potencial de ação Potencial Membrana
de ação plasmática
mantém-se igual, independentemente
da intensidade do estímulo. 1
Na Citoplasma

O potencial de ação, gerado num dado


Potencial
ponto da membrana do neurónio, de ação
K
propaga-se à área vizinha. 2
Na
Porquê?
A entrada de iões Na+ provoca uma K
Potencial
alteração local no potencial elétrico na de ação
K
face interna da membrana, que resulta 3
na abertura de mais canais de Na+ Na

(sensíveis a essa alteração).


K
Transmissão do impulso nervoso
Célula de Schwann

Zona de despolarização
(nódulo de Ranvier)

Corpo celular Bainha de mielina

Axónio

A velocidade de propagação do impulso nervoso é muito superior em neurónios com


axónios mielinizados. Porquê?

A despolarização só ocorre nos nódulos de Ranvier, não sendo necessário percorrer


toda a extensão da membrana do neurónio.
A bainha de mielina impede que a despolarização ocorra nas restantes zonas.
Transmissão do impulso nervoso

Potencial
de ação
Nódulo de
Ranvier
Axónio
mielinizado

Bainha de Transmissão do
mielina impulso nervoso

Corpo
celular

Axónio não
mielinizado
Potencial
de ação
Associações entre neurónios

1. Axónio de um neurónio e corpo celular do neurónio seguinte

2. Axónio de um neurónio e dendrites do neurónio seguinte

3. Axónio de um neurónio e célula efetora (músculo ou glândula)


SINAPSE QUÍMICA
Célula pré-sináptica
Célula pós-sináptica

Axónio
1 Vesícula golgiana
contendo
neurotransmissores Membrana pós-sináptica

Fenda
sináptica

Membrana
3
pré-sináptica

K

Ca2 2

Canais de Ca2 Recetores de


neurotransmissores 4 Na
Músculo Ato involuntário
anterior
da coxa
Neurónio sensitivo

Músculo
posterior
da coxa
Espinal medula

Neurónio sensitivo
Neurónio motor
Neurónio associativo

Você também pode gostar