Você está na página 1de 6

TEIXEIRA FILHO, Jayme. Gestão do Conhecimento nas Pequenas Empresas.

[Insigth 040,
em 08/09/2000].

Jayme Teixeira Filho (in memorian) foi o primeiro presidente da Sociedade Brasileira de
Gestão do Conhecimento. Graduado em Matemática (UFRJ), com mestrado em Matemática
(UFRJ), pós-graduado em Estratégia e Gestão Empresarial(UGF), com mestrado em
Administração(UFF). Professor universitário com passagem por várias instituições em cursos de
graduação e pós-graduação (PUC-RJ, UFF, UFJF, UFRJ, UERJ) e professor do MBA em Gestão
de Tecnologia da Informação da FGV-RJ. Prestou serviços para diversas organizações como
Petrobrás, Dataprev, Souza Cruz, Banco Bozano Simonsen, Proderj, SEBRAE, O Globo, entre
outras. Autor dos livros "Gerenciando Conhecimento" e "Novas Oportunidades Profissionais em
Comércio Eletrônico" (Editora SENAC Rio). Fundador e mediador da comunidade virtual
internacional Competitive-Knowledge, dedicada a Gestão do Conhecimento.
O autor inicia o texto fazendo uma crítica á abordagem apenas das grandes organizações e
empresas de sucesso nos discursos e exemplos relacionados á “nova economia” ou “era do
conhecimento” e propõe uma análise em torno das aplicações da Gestão do Conhecimento ás
micro, pequenas e médias empresas e como elas podem se posicionar de forma competitiva no
novo cenário econômico mundial.
Entendemos que a abordagem desse tema imprescindível na atualidade, na qual o
ambiente de negócios é cada vez mais complexo e existem cada vez mais variáveis externas à
empresa tradicional. É fundamental perceber que as empresas têm necessidade de buscar formas
alternativas para sobreviver no mundo cada vez mais competitivo dos negócios.
Ele utiliza Lébre para mostrar que em países desenvolvidos as PMEs vêm sendo
incentivadas, pois são reconhecidas como propulsoras no desenvolvimento regional e difusoras
de inovações. Porém Teixeira Filho ressalta que a definição de uma política direcionada as PMEs
é complexa, pois estas abrangem diferentes realidades regionais e setoriais, empresas tradicionais
e outras em setores dinâmicos, além de interagirem em diversas políticas públicas em diferentes
países. Percebemos que esses fatores dificultam, por exemplo, a adoção de um único modelo,
pois como aplicar no Brasil algum modelo que tenha obtido êxito em outro país, ou até mesmo
aplicar um mesmo modelo nas diferentes regiões do Brasil?
Em seguida é destacada a capacidade competitiva da empresa como fator imprescindível
ao seu sucesso. Entendemos que nos dias atuais, com a velocidade das mudanças cada vez maior,
o conhecimento torna-se a principal vantagem competitiva da organização e, dessa maneira a
gestão desse conhecimento também para a ser fundamental.
Discutindo sobre o potencial competitivo das PMEs o autor destaca que estas possuem
bem menos recursos para investir em inovações que ás grandes empresas, sendo que estas últimas
ainda possuem maior acesso a crédito, economia de escala e maior poder político. Por outro lado
as PMEs apesar menos capacidade ao crédito, menor capacidade de investimentos e ser mais
sensíveis aos ciclos econômicos possue também uma maior flexibilidade á inovação e adaptação
ás mudanças sendo estas últimas características entendidas como vantagens para estas empresas.
A informática e a telecomunicação como alavanca para as PMEs. Pensamos que a ausência e o
desconhecimento de linhas de crédito voltadas ao desenvolvimento das PMEs constitui-se em um
dos maiores entraves enfrentados, especialmente no caso brasileiro.
Referindo-se a realidade das pequenas empresas brasileiras o autor utiliza Saboya para
mostrar os principais entraves para as mesmas. Esses entraves são: escassez de conhecimento;
falta de uma cultura de treinamento; falta de conhecimento sobre tecnologia e uma precária infra-
estrutura para inovação tecnológica e de conteúdo. Ele ressalta que esses aspectos negativos
podem ser superados através de ações integradas entre governo e sociedade, sendo que a Gestão
do Conhecimento também pode contribuir neste sentido.
Teixeira Filho define Gestão do Conhecimento como "uma coleção de processos que
governa a criação, disseminação e utilização do conhecimento para atingir plenamente os
objetivos da organização" e destaca a memória organizacional e a inteligência competitiva como
importantes instrumentos dessa gestão. Entendemos que a Gestão do Conhecimento destacada
acima proporciona às empresas, que suas estruturas internas e externas, posicionem-se de modo
mais seletivo nos nichos de mercado em que atuam, por meio de identificação, medida e
gerenciamento adequado de seus ativos intangíveis.
A memória organizacional é destacada como um conjunto de processos e ferramentas para
organizar, preservar e disponibilizar o acervo de conhecimentos da empresa (experiências,
problemas, projetos, fornecedores, etc). Dessa maneira esta memória refere-se à passagem do
conhecimento implícito, ou seja, da socialização daquilo que cada um aprendeu buscando assim o
benefício de todos. Para que uma pequena empresa posa criar uma memória organizacional útil é
necessária à observação de alguns passos: estabelecer princípios e objetivos; mapear material,
agentes e mediadores existentes; definir armazenamento e políticas de incentivos; avaliar
iniciativas, entre outros.
Por outro lado à inteligência competitiva é abordada como o conjunto de processos e
ferramentas para selecionar, analisar, comunicar e gerenciar as informações externas à empresa
(clientes, concorrentes, etc). Deixa maneira a inteligência competitiva contribui na obtenção de
informação para decisão, apoiar projetos, apoiar treinamentos e o aprendizado contínuo, fazendo
um monitoramento do ambiente competitivo. Na implantação dessa inteligência, assim como
citado no item anterior, uma pequena empresa também deve seguir alguns passos: definir temas
de interesses; mapear o ambiente competitivo; estratégia de coleta; criar bases de referencias, etc.
Com a análise da importância da Gestão do Conhecimento e de seus instrumentos nas
empresas, especialmente as PMEs, percebemos a importância das mesmas aplicarem as formas e
as ferramentas que auxiliam no processo de implantação da gestão do conhecimento, buscando
aumentar sua competitividade neste novo cenário econômico mundial.
Com uma economia cada vez mais interconectada, atualmente o uso da Web e de agentes
de software tem atuado de forma fundamental e útil para o aperfeiçoamento das pequenas
empresas. Referindo-se a competitividade das pequenas empresas o autor argumenta que elas
devem reforçar o caráter local e regional de seus produtos e serviços, sendo também de grande
importância a associatividade entre as PMEs, pois com esta busca-se o ganho de escala e a
complementação de competência. Dessa maneira é perceptível que a memória organizacional
(através da atenção aos clientes) e a inteligência competitiva (buscando conhecimento de novas
tecnologias envolvidas na área) podem atuar de forma imprescindível para tornar as pequenas
empresas mais competitivas. As questões ambientais também atuam como diferencial
competitivo entre as empresas.
Percebemos que a área de tecnologia de informação funciona como suporte à
competências, buscando agregar um perfil de construção de formas de comunicação, convertendo
experiências vividas em aprendizagens. Com isso o papel desempenhado pelas tecnologias de
informação passar a ser estratégico, ajudando no desenvolvimento do conhecimento coletivo,
através de mecanismos que permitam um aprendizado contínuo nas empresas, onde problemas,
perspectivas, idéias e soluções são compartilhados, com o objetivo de conduzirem as mesmas
para o sucesso, através do diferencial competitivo criado.
O presente texto constitui-se uma leitura imprescindível para estudantes de gestão
empresarial, bem como para administradores e funcionários de empresas, especialmente as
PMEs, que tenha interesse em está atualizado nas inovações relacionadas as tendências
empresariais e suas particularidades, contribuindo assim para aprimorar seus conhecimentos e sua
atuação num mercado tão competitivo.
FACULDADE DE CIÊNCIAS EDUCACIONAIS
NUPPE- NÚCLEO DE PESQUISA PÓS – GRADUAÇÃO E EXTENSÃO

RESENHA: GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS


EMPRESAS
Varzedo - Bahia
Maio /2008

JOZEANE BARRETO ASSIS


JAILSON BARRETO BITENCOURT
ANTONIO GILSON BARRETO BITENCOURT

GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS EMPRESAS

Resenha como requisito parcial de


avaliação da disciplina Metodologia
do trabalho cientifico do Curso
Gestão Empresarial 2008, turma (1)
conforme solicitação da professora
Mayra Sara.

Varzedo - Bahia
Maio /2008