Você está na página 1de 15

Eixo 4.

Formação docente: políticas e processos

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A PROFISSIONALIZAÇÃO DA


CARREIRA DOCENTE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: REFLEXÕES E
QUESTIONAMENTOS

Marcela Soares Polato Paes – UNESP/IB/ Rio Claro –SP


E-mail: marcelaspp@gmail.com

Joselaine Andreia de Godoy Stênico- UNESP/IB/ Rio Claro –SP


E-mail: josellaine@yahoo.com.br

Joyce Mary Adam – UNESP Campus Rio Claro.


E-mail: joyce@rc.unesp.br

Resumo
O presente ensaio aborda a questão da formação e professores na sociedade
contemporânea a partir de reflexões e questionamentos elencados com base no estudo
da obra de autores como Freire (2001), Galthier (1998), Nóvoa (1997), Ortiz (2003),
Schon (1990), Smyth (1992), Tardif (2002) e Wittorski (2014), Zeichner (1993), dentre
outros, cujo trabalho possibilita um aprofundamento teórico acerca da temática da
formação e professores e da profissionalização da carreira docente. Tais estudos
contribuem para que haja um aprofundamento das discussões relativas a esse campo da
formação de professores, como será analisado e discutido neste estudo. Nesse sentido,
foi proposto o desenvolvimento de uma pesquisa de natureza qualitativa e bibliográfica
cujo objetivo principal reside em analisar e discutir as principais perspectivas teóricas
quem vêm impactando o campo da formação de professores na atualidade de modo a
compreender com maior profundidade como se constitui a profissionalização da carreira
docente nos dias atuais. A partir das análises realizadas constatou-se, de modo geral,
que o campo da formação de professores se consolida enquanto espaço no qual se
apresentam contradições implícitas ao processo de construção da carreira docente e
sofre influência direta do contexto social, político e econômico vigente. Entretanto,

1
pode se constituir enquanto um espaço de resistência, no sentido da possibilidade de
viabilizar mudanças sociais a serem consolidadas na educação por meio de uma prática
educativa consciente e crítica, a ser desenvolvida pela ação de educadores que
desenvolvem seu processo de trabalho e formação pautado em políticas educacionais de
formação docente orientadas por princípios e pressupostos de cunho crítico e reflexivo.
A partir dessa compreensão constatou-se um dos aspectos que evidencia a relevância do
campo da formação de professores para a educação, que reside na compreensão de que
toda e qualquer ação educativa está alicerçada no desenvolvimento da prática da
profissão docente. Sendo assim, é fundamental desvelar os saberes relativos aos
profissionais e à profissão para que se possa compreender, com maior amplitude, a
natureza dos saberes que são por eles mobilizados e seu papel no processo de trabalho,
tornando possível a objetivação desse saberes de forma que se possa constituir uma
epistemologia de sua prática profissional e, assim, orientar a atuação dos profissionais
da educação e contribuir para que seja estabelecido um maior reconhecimento e
valorização de seu trabalho. Esse percurso perpassa um trabalho de reflexão permanente
e crítica sobre as práticas, como será mais amplamente analisado e discutido neste
estudo, a partir dos referenciais teóricos que o fundamentam e embasam.

Palavras-chave: Formação de professores; Saberes docentes; Educação para a


emancipação.

Abstract

The present essay deals with the question of teacher’s education in contemporary
society, based on the reflections and questionings presented in the work of authors as
Freire (2001), Galthier (1998), Nóvoa (1997), Ortiz (1990), Smyth (1992), Tardif
(2002) and Wittorski (2014), Zeichner (1993), among others, whose work provides a
theoretical background about the subject of the teacher’s education and their career
professionalization. These studies contribute to a deepening of the discussions regarding
this field of teacher education, as will be analyzed and discussed in this study. In this
sense, it was proposed the development of a qualitative and bibliographic research
whose main objective is to analyze and discuss the main theoretical perspectives who

2
have been impacting the field of teacher education in the present time, to understand, in
greater depth, how the teaching career professionalization has been occurring, in the
present day. From the analysis carried out, it was generally verified that the field of
teacher education is consolidated as a space in which implicit contradictions directly
influenced by the current social, political and economic context. However, it can be
constituted as a space of resistance, in the sense of the possibility of making possible to
consolidate social changes in education, through a conscious and critical educational
practice, that can be developed by the action of educators who develop their process of
work and education guided by critical and reflective principles and perspectives. Based
on this understanding, one of the aspects that evidences the relevance of the field of
teacher education, lies in the understanding that all educational action is based on the
development of the practice of the teaching profession. Therefore, it is fundamental to
unveil the knowledge related to professionals and their profession, understanding the
nature of the knowledge that is mobilized by them and their role in their work process.
In this way, seeks to make possible the knowledge objectification to guide the teachers
work and to constitute an epistemology of their professional practice and, thus,
contributing with the establishment of a greater recognition and appreciation of their
work. Thus, is proposed a work of permanent and critical reflection on the practices,
developed by teachers during their education process, as will be more widely analyzed
and discussed in this study, based on the theoretical frameworks that underpin and
support it.

Keywords: Teacher training; Education for emancipation; Teacher’s knowledge.

1. Introdução

De acordo com Nóvoa (1997, p. 31) “[...] toda formação encerra um projeto de ação.
E de trans-formação. E não há projeto sem opções”.
Nesse sentido, o campo da formação de professores se consolida enquanto espaço
no qual se apresentam contradições implícitas ao processo de construção da carreira
docente, que sofre influência direta do contexto social, político e econômico vigente.

3
Entretanto, o mesmo processo pode se constituir enquanto um espaço no qual se
consolida também uma pratica de resistência, no sentido da possibilidade de viabilizar
mudanças sociais a serem consolidadas por meio de uma prática educativa consciente e
crítica, a ser desenvolvida por meio da ação dos educadores.
Daí advém um dos aspectos que evidencia a relevância do campo da formação de
professores para a educação, no sentido de que toda e qualquer ação educativa está
atrelada ao desenvolvimento da prática da profissão docente.
Assim, analisar questões intrínsecas ao campo da formação de professores permite
visualizar aspectos que podem ser implementados, repensados e questionados no
cotidiano do seu trabalho, para que sua prática se consolide enquanto ação
comprometida com processo de emancipação e transformação social.
Para tanto, a profissionalização da carreira docente é uma necessidade inerente ao
desenvolvimento deste profissional e resulta de um processo que, ao longo do tempo,
vem se modificando sofrendo influência das próprias transformações sociais nas quais
as relações educacionais se estabelecem, bem como do contexto social, econômico e
político que a perpassa e, assim, impacta o campo da educação e formação de
professores.
Em face de tais apontamentos, foi proposto o desenvolvimento de uma pesquisa de
natureza qualitativa e bibliográfica cujo objetivo principal reside em analisar e discutir
as principais perspectivas teóricas quem vêm impactando o campo da formação de
professores na atualidade de modo a compreender com maior profundidade como se
constitui a profissionalização da carreira docente nos dias atuais.
Para tanto, o presente ensaio aborda a questão da formação e professores na
sociedade contemporânea a partir de reflexões e questionamentos elencados com base
no estudo da obra de autores como Freire (2001), Galthier (1998), Nóvoa (1997), Ortiz
(2003), Schon (1990), Smyth (1992), Tardif (2002) e Wittorski (2014), Zeichner (1993),
dentre outros, cujo trabalho foi introduzindo no Brasil, especialmente a partir da década
de 90, e possibilita um aprofundamento teórico acerca da temática da formação e
professores e da profissionalização da carreira docente.
Desse modo, contribuem para que haja um aprofundamento das discussões relativas
a esse campo da educação, como será apresentado na sequência.

4
2. A formação de professores na sociedade contemporânea: reflexões e questionamentos
sobre a profissionalização da carreia docente

De acordo com o que foi apresentado na introdução do presente ensaio, é


importante destacar que a temática da formação de professores é na Lei nº 9.394/96 –
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional que apregoa, em seu artigo 63, a
importância da formação de professores e, no artigo 67, destaca a relevância do
aperfeiçoamento profissional continuado.
Também aponta no artigo 61, que a formação de profissionais da educação para
atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino se fundamenta,
dentre outros aspectos, na associação entre teoria e prática.
Cabe, assim, possibilitar a melhoria da prática pedagógica por meio da formação
de professores e, assim, contribuir para que transformações sociais podem ser almejadas
e conquistadas através da melhoria das condições de ensino no país.
Nesse sentido, cabe retomar que foi a partir da década de 1990 que autores como
Schön, Tardif e, mais adiante, Gauthier, Nóvoa e Zeichner começam a ter seu trabalho
introduzindo no Brasil, inserido no campo das discussões relativas à formação e
professores.
O trabalho desses autores foi determinante no sentido de contribuir para o
aprofundamento das discussões relativas a esse campo da educação e promover um
avanço relativo às políticas educacionais que vêm sendo implantadas com o objetivo de
melhorar a formação docente e, por consequência, também a educação geral.
A obre desses autores, de modo geral, se orienta no sentido da busca pela
emancipação do professor, a ser “educado” para atuar enquanto sujeito que participa
ativamente de seu processo de formação. Assim, os autores referenciados contribuem
apresentando tendências para a formação de professores que remetem à um processo de
formação com forte componente de reflexão a partir da prática.
Nesse sentido, a reflexão sobre a sua própria prática se consolida enquanto
instrumento que permite o desenvolvimento do pensamento crítico, das ações docentes
e, por consequência, o desenvolvimento profissional dos educadores, na medida em que
o professor se torna capaz de “formar-se” numa perspectiva que se desenvolve a partir

5
de seus próprios saberes e conhecimentos profissionais e que toma sua própria
experiência como ponto de participa para reelaboração e sua prática profissional.
É em consonância com tal perspectiva que a obra dos autores referenciados
ganha destaque no campo da formação de professores ao propor que a relação entre
teoria e prática seja elencada a partir da articulação entre formação teórica sólida e
reflexiva aliada ao contexto da prática docente.
Nesse sentido, a profissionalização da carreira docente se estrutura a partir da
permanente relação entre teoria e prática consolidada a partir da própria experiência do
docente que constrói sua carreira enquanto constrói a si mesmo enquanto professor.
De tal forma, a formação de professores ocorre no contexto da ação e da reflexão
permanente sobre ela, ou seja, a partir do próprio trabalho profissional que realiza e do
processo reflexivo empreendido sobre ele, aspectos que poderão ser melhor
compreendidos a partir dos referenciais teóricos que sustentam as análises aqui
apresentadas.
Nesse sentido, a contribuição de Schön (1990), é de grande importância na
medida em que ele aponta que o processo de reflexão, relativo ao campo da formação de
professores contempla o conhecimento na ação, a reflexão na ação e a reflexão sobre a
ação e sobre a reflexão na ação, processo que concebe o conhecimento a partir de uma
relação entre teoria e da prática na qual a prática profissional é permanente revisitado.
Trata-se de um exercício permanente de compreensão e análise de práticas que
se estabelece a partir do próprio campo de atuação do professor.
De tal maneira e, de acordo com Schon (1990), o professor pode descrever e
refletir sobre o conhecimento da ação e do fazer, identificando as práticas elaboradas
por ele pela mobilização dos seus diversos sabres advindos de sua própria trajetória. Tal
processo é revisitado, repensado e permanentemente refletivo aliando seus saberes aos
conhecimentos teóricos e práticos que constituem seu percurso profissional.
Nesse sentido, Zeichner (1993) destaca a concepção do professor enquanto
prático reflexivo, reconhecendo a riqueza da experiência e a sua relevância para a
formação docente.
Assim, ao se abordar a profissionalização da prática profissional, cabe analisar
profissão enquanto lócus de produção e de formação nos saberes que são
permanentemente reconstituídos durante o processo de formação docente.

6
Do mesmo modo, é a contribuição de Pimenta (2005) é importante para se
compreender a relação entre os saberes teóricos e práticos, pois, para ela:

[...] os saberes teóricos propositivos se articulam, pois, aos saberes da


prática, ao mesmo tempo ressignificando-os e sendo por eles
ressignificados. O papel da teoria é oferecer aos professores
perspectivas de análises para compreender os contextos históricos,
sociais, culturais, organizacionais, e de si mesmos como profissionais,
nos quais se dá sua atividade docente, para neles intervir,
transformando-os. Daí é fundamental o permanente exercício da
crítica das condições materiais nas quais o ensino ocorre. (PIMENTA,
2005, p.26)

Já Tardif (2002), apresenta sua contribuição, dentre outros aspectos, ao afirmar


que os diversos sabres que constituem a formação geral e profissional dos docentes, tais
como o saber cultural, o saber da formação profissional e o saber experiencial, influem
no modo como a carreira docente se estabelce.
Assim, a relação com e entre os saberes que constituem o professor se estabelece
um processo de reflexão na ação, desenvolvido num processo de intervenções e tomada
de decisões elencadas a partir das atividades diárias e rotineiras realizadas pelos
professores, bem como dos imprevistos ocorridos durante o cotidiano de seu trabalho.
De tais processos são suscitadas reflexões e um permanente repensar das práticas
profissionais no sentido da busca de sua permanente reelaboração e melhoria.
Assim, promove-se uma reflexão sobre a ação, que toma a pratica profissional a
posteriori por meio do exercício de um olhar cuidadoso e reflexivo sobre ela.
Em consonância com o apontado pelos autores já elencados, Gauthier (1998)
possibilita refletir com maior amplitude acerca da natureza dos saberes a serem
mobilizados no cotidiano da prática profissional do professor de modo reflexivo,
possibilitando desvelar natureza de saberes que permitem compreender o papel do
professor no contexto de sua ação prática e, assim, avançar no sentido da construção de
uma epistemologia da prática profissional.
Para o autor, o saber profissional dos professores contribui no sentido de
possibilitar aos docentes exercer seu trabalho com mais segurança e competência,
obtendo, assim, um maior impacto no que tange aos resultados de suas práticas
educativas.

7
Assim, fica claro que o percurso empreendido pelo professor no processo de
reflexão, elencado a partir de suas próprias experiências práticas e cotidianas emerge
como uma necessidade indispensável profissionalização do trabalho docente, haja vista
que o permite estruturar suas ações de modo embasado, compreendendo e elencando os
saberes e conhecimentos que perpassam seu trabalho.
De tal maneira, se consolida um trabalho desenvolvido a partir do próprio olhar
dos educadores para suas ações, em face dos saberes teoricos resultados de pesquisas
sobre o contexto educacional e estudados durante seu processo de formação, atrelhando
o contexto teórico e prático que envolve sua constituição profissional.
Sendo assim, ocorre uma formalização dos saberes na medida em que são
repensados, reconstruídos e orientados para as práticas educativas, constituindo-se em
um saber eminentemente pedagógico e que resulta da interação entre os sujeitos num
processo continuo de questionamento.
Assim, contexto no qual se constroem e se aplicam os saberes docentes e as
condições históricas e sociais nas quais se exerce a profissão do professor passam a
embasar o processo de formação profissional, considerando a experiência de vida,
bagagem cultural, dentre outros aspectos que exercem influência em seu trabalho.
Nesse sentido e em consonância com os autores estudados, cabe ressaltar que
uma ocupação adquire estatuto de profissão quando adquire condições para elencar e
objetivar os saberes que a permeiam.
Assim, para Freidson (1996) a profissão relaciona-se com o conhecimento
intelectual que é mais profundo e amplo do que o ofício, mais estritamente relacionado
com o aspecto prático.
Assim, uma determinada profissão possui conhecimentos mais especializados e,
um profissional é, consequentemente, alguém que possui maior autonomia de escolha e
pode avançar em seu processo de constituição profissional enquanto desenvolve a
capacidade de emancipar-se e atuar como sujeito ativo em seu próprio processo de
constituição profissional.
Conforme coloca, Smith (1992) é, portanto, necessário desvelar os saberes
relativos aos profissionais e à sua profissão para que se possa compreender com maior
amplitude a natureza dos saberes que são por eles mobilizados e seu papel no processo
de trabalho, tornando possível a objetivação desses saberes de forma que possam

8
orientar a atuação dos profissionais da educação e contribuir para que seja estabelecido
um maior reconhecimento e valorização do cargo, enquanto profissão.
Nesse sentido se consolida o caminho a ser percorrido para a constituição da
carreira docente e de uma epistemologia da prática profissional do professor.
Esse percurso perpassa um trabalho de reflexão permanente e crítica sobre as
práticas, como já foi amplamente destacado pelos autores e se consolida por meio da
construção permanente da identidade pessoal e profissional do professor, numa
perspectiva critico-reflexiva. Tal perspectiva permite aos docentes desenvolverem um
pensamento autônomo que favorece o estabelecimento de dinâmicas de formação
participativa e crítica desses profissionais, a partir dos saberes que constituem seu “eu”
profissional.
Assim, conforme, Tardif (2002), trata-se de uma compreensão alicerçada no
conceito de saber que: “[...] não é um conjunto de conteúdos cognitivos definitivos de
uma vez por todas, mas um processo em construção ao longo de uma carreira
profissional” (TARDIF, 2002, p. 14).
Nela, de acordo com o mesmo autor, o profissional “[...] aprende
progressivamente a dominar seu ambiente de trabalho, ao mesmo temo em que se insere
nele e o interioriza por meio de regras de ação que se tornam parte integrante de sua
consciência ‘prática’”. (TARDIF, 2010, p. 14).
E é justamente esse movimento de mobilização de saberes orientados para a
constituição de uma epistemologia da prática profissional, a partir do cotidiano da
profissão, que se estabelece um permanente processo constituição profissional o
professor, que impacta, por consequência, suas ações e práticas diárias, bem como
contribui para a consolidação dos conhecimentos que perpassam o campo da formação e
professores.
Assim, trata-se de um saber socialmente construído, que vai progressivamente
sendo elaborado e reelaborados pelo professor que aprende a dominar seu local de
trabalho e suas práticas ao mesmo tempo em que se insere nele e passa a integrar-se e a
integrá-lo sua própria constituição.
De tal forma, [...] o que os professores ensinam (os “saberes a serem ensinados”)
e sua maneira de ensinar (o “saber-ensinar”) evoluem com o tempo e as mudanças

9
sociais (TARDIF, 2002, p. 13). São conhecimentos socialmente produzidos e
mobilizados na construção da carreira docente.
Sendo assim, para Nóvoa (1997) a formação e professores que deve ocorrer no
interior da própria prática profissional.
Contempla as experiências anteriores e presentes no cotidiano escolar, bem
como os embates, dificuldades, perspectivas e conquistas que compõem a realidade
profissional e pessoal do docente, haja vista que a composição do professor, em face de
sua própria humanidade, não pode distinguir-se entre seu eu particular e sua composição
enquanto profissional.
Portanto, ao refletir e repensar sobre o próprio trabalho à luz dos conhecimentos
teóricos com os quais vai entrando em contato durante seu processo de formação, é
possível que se permita o desenvolvimento de um trabalho progressivo que impacte o
campo educacional na medida em que o decente passa a conhecer e refletir sobre suas
próprias experiências, no contexto e sentido que é aqui apresentado, e, assim, passa a
dispor de condições para a proposição de mudanças e alterações orientadas para a
melhoria do trabalho docente que realiza.
Trata-se, portanto, de uma proposta de formação permanente que é permeada por
dúvidas, questionamentos e reflexões.
De acordo com o que foi apresentado, considerou-se relevante também destacar
a proposta de Ortiz (2003), que permite orientar o processo de reflexão sobre a prática
no campo da formação de professores.
Para a autora, o ensino não é imutável, mas passível de contestação e de ser
permanentemente reconstruído e, assim, por meio de um processo de reflexão e análise
das práticas profissionais, possibilita-se o professor, a aquisição de maior controle sobre
suas ações, tornando-o capaz de definir aspectos que considera mais adequados e
pertinentes ao seu trabalho
Nesse sentido, o docente, ao desenvolver suas práticas e refletir sobre elas
constitui-se também um gerador de teorias que se aproximam das teorias formais.
Passam, assim, a orientar a prática profissional e a aproximar as pesquisas
teóricas que constituem seu processo de formação ao cotidiano de seu trabalho.
Para tanto, Ortiz (2003) propõe que se desenvolva um processo de reflexão que
se desenvolve a partir de quatro ações: descrever, informar, confrontar e reconstruir.

10
Ao descrever, faz-se esse processo a partir de eventos concretos de ensino, e o
professor pode, então, rever suas práticas de trabalho de maneira distante do cotidiano.
Desse modo, apresenta melhores condições para compreender e visualizar as decisões
tomadas de modo mais claro e consciente.
Assim, essa primeira ação contempla a descrição de eventos relativos ao
cotidiano do trabalho do professor a partir dos quais poderá desenvolver uma
compreensão mais ampla acerca de seus próprios posicionamentos e decisões.
A segunda ação, informar, relaciona-se à busca pela compreensão dos princípios
que orientam e embasa as ações realizadas, ainda que de modo inconsciente. Assim,
busca-se refletir sobre o significado das práticas que realiza e entender as
pressuposições que orientam suas ações.
Na ação relativa ao confronto promove-se o embate das ideias, compreensões e
teorias sobre as quais se estabelecem as práticas, processo que permite compreender os
motivos implícitos às ações desenvolvidas pelo professor, refletindo-se sobre o modo
como atua e como veio a se tornar o profissional que é, compreendendo as ações e os
aspectos eu exercem influência no modo como se constitui enquanto docente.
A ação de reconstruir relaciona-se à promoção de uma reflexão voltada para
busca de novos caminhos a partir do que foi constatado nos primeiros momentos de
reflexão, buscando-se reconstruir conceitos, visões e compreensões acerca da prática
profissional, transformando-a ou reconstruindo-a.
Sendo assim, torna-se possível, de modo simples e efetivo, desenvolver um
processo de reflexão sobre a prática profissional que permite ao professor avançar em
sua constituição profissional e melhorar, por meio de seu trabalho, a prática educativa
em geral.
Nesse sentido,
[...] a prática docente crítica, implicante do pensar certo, envolve o
movimento dinâmico, dialético, entre o fazer e o pensar sobre o fazer.
[...] O que se precisa é possibilitar, que, voltando-se sobre si mesma,
através da reflexão sobre a prática, a curiosidade ingênua, percebendo-
se como tal, se vá tornando crítica. [...] A prática docente crítica,
implicante do pensar certo, envolve o movimento dinâmico, dialético,
entre o fazer e o pensar sobre o fazer. (FREIRE, 2001 p. 42-43)

Assim, de acordo como Wittorsk (2014), a profissionalização da carreira docente


constitui:

11
[...]um processo de negociação, pelo jogo dos grupos sociais, com o
intuito de fazer reconhecer a autonomia e a especificidade de um
conjunto de atividades, e um processo de formação de indivíduos para
os conteúdos de uma profissão existente (WITTORSK, 2014, p. 899 e
900).

E, ainda, de acordo com o mesmo autor:

A profissionalização “põe em cena” aquisições pessoais ou coletivas,


tais como os saberes, os conhecimentos, as capacidades e as
competências. Mais ainda, poderíamos dizer que ela reside no jogo da
construção e/ou da aquisição desses elementos que permitirão, no
final, dizer a respeito de alguém que ele é um profissional, ou seja, é
dotado da profissionalidade (o conjunto dos conhecimentos, dos
saberes, das capacidades e das competências que caracterizam sua
profissão). (WITTORSK, 2014, p. 899 e 900).

Sendo assim, pode-se considerar que a profissionalização da carreira docente


caminha no sentido da promoção de um repensar constante sobre as práticas cotidianas
que vão constituindo o “eu” do professor, na medida em que se promove um processo
de transformação, a partir da reflexão sobre a prática profissional.
Nesse sentido:
[...] a educação é permanente na razão, de um lado, da finitude do ser
humano, de outro, da consciência que ele tem de finitude. Mas ainda,
pelo falto de, ao longo da história, ter incorporado à sua natureza não
apenas saber que vivia mas saber que sabia e, assim, saber que podia
saber mais. A educação e a formação permanente se fundam aí.
(FREIRE, 1997 p. 20).

Tal perspectiva permite orientar o processo de formulação e implantação e


políticas educacionais comprometidas com a melhoria das condições nas quais a
educação se estabelece na sociedade contemporânea, a partir da promoção de um
projeto de formação de professores orientado por pressupostos de cunho crítico e
reflexivo, tais como os que aqui são apresentados.

3. Considerações sobre a perspectiva de formação profissional elencada a partir dos


saberes docentes

Conforme foi apontado no presente estudo, processo de reflexão sobre a própria


prática enquanto docente se consolida enquanto instrumento que permite o

12
desenvolvimento do pensamento crítico, o desenvolvimento profissional dos
educadores, e, assim, exerce influência e impacto no sentido da melhoria da própria
educação, em geral.
Assim, constatou-se, por meio do estudo de autores que abordam a temática da
formação e professores que, na medida em que o docente se torna capaz de “formar-se”
a partir da reflexão sobre seus próprios saberes e conhecimentos profissionais, toma sua
própria experiência como ponto de participa para reelaboração e sua prática e adquire
maior autonomia para o desenvolvimento de suas atividades.
Sendo assim, a profissionalização da carreira docente se estrutura a partir da
permanente relação entre teoria e prática eu se dá a partir da própria experiência do
docente que constrói sua carreira enquanto constrói a si mesmo enquanto professor.
Assim, foi constatado que a formação de professores se desenvolve no âmbito da
reflexão sobre a ação, da análise das práticas e da permanente análise dos caminhos,
percursos e marcas da cotidianidade de suas atividades.
De tal forma, na presente análise foi possível considerar que a prática docente é
fruto de um processo permanente de mobilização saberes que constituem o “eu” pessoal
e profissional do professor e que devem ser permanentemente compreendidos,
relfletivos, repensados e reorientados para a construção de uma prática comprometida e
implantada apartir de um saber próprio e peculiar ao trabalho do professor.
Sendo assim, o docnete mobiliza, elabora e redefine conhecimentos que lhe são
peculiares, instrinsecos às suas experiências e ao seu próprio movimento de busca pelo
conhecimento, processo que se dá no interior de sua prática e, portanto, se constitui a
apartir de algo que oferece sentido e possibilidade de mobilbização.
De tal forma, é a partir do próprio trabalho profissional que o professor pode
realizar um processo e reflexão que o permite emancipar-se enquanto sujeito-docente e
promover um trabalho consciente e de cunho crítico e reflexivo.
Tais apontamentos foram elencados a partir do estudo da obra de autores que
abordam a temática da formação docente como Freire (2001), Galthier (1998), Nóvoa
(1997), Ortiz (2003), Schon (1990), Smyth (1992), Tardif (2002) e Wittorski (2014),
Zeichner (1993), dentre outros, que possibilitaram o desenvolvimento das constatações
aqui discutidas e analisadas.

13
Em consonância com o que foi apontado, foi possível concluir que o campo da
formação de professores pode se estruturar enquanto espaço no qual se apresentam
contradições implícitas ao processo de ensino e aprendizagem, bem como relativos à
própria constituição da carreira docente.
Recebe influência direta do contexto social, político e econômico vigente, mas
também pode se configurar enquanto espaço propício para a consolidação de uma
pratica de resistência, no sentido da viabilização de mudanças sociais a serem
alcançadas por meio de uma prática educativa consciente e crítica, a ser desenvolvida
por meio da reflexão na ação e da prática reflexiva permanente e inerente ao processo
de formação dos professores a fim de que, por meio da educação, se caminhe para o
desenvolvimento de uma sociedade melhor.

Referências

FREIRE, P. Política e educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 1997

_________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 20


ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001;

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da Pedagogia. Ijuí: Editora Unijuí, 1998.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Publicações Dom Quixote. Instituto de


Inovação Educacional. Lisboa, 1997.

ORTIZ, H. M. O professor reflexivo: (re) construindo o "ser" professor. IV Congresso


de Educação do Movimento Humanidade Nova - Educação a
fraternidade: um caminho possível? Vargem Grande Paulista, Movimento Humanidade
Nova - Sala Temática: O professor reflexivo, p. 1-10, 2003.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores: unidade teórica


e prática. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005;

SCHON, Donald. Educating the reflective practitioner. San Francisco: Jossey-Bass,


1990.

SMYTH, J. 1992. Teacher’s Work and the Politics of Reflection. American Educational
Research Journal, v. 29, n. 2, p. 267-30.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

WITTORSKI, R. A contribuição da análise das práticas para a profissionalização dos


professores. Cadernos de pesquisa v.44 n.154 p.894-911 out. /dez. 2014.

14
ZEICHNER, K.M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa:
EDUCA, 1993.

15