Você está na página 1de 60

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.

437-22
SUS na CF/88
Artigos 194 a 200

1. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) A respeito do financiamento da seguridade social, de acordo com as


disposições contidas na Constituição Federal, assinale a alternativa correta.
a) A seguridade social será financiada apenas pelas contribuições sociais.
b) Sobre a receita de concursos de prognósticos não incide a contribuição social.
c) Incidirá contribuição social sobre a aposentadoria e a pensão concedidas pelo regime geral de
previdência social.
d) Em relação ao empregado, à empresa e à entidade a ela equiparada na forma da lei, haverá
incidência da contribuição social sobre a receita e faturamento, mas não sobre o lucro.
e) Um dos contribuintes da contribuição social é o importador de bens ou serviços

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


2. (HU-UFG/AOCP/EBSERH/2015) Assinale a alternativa que NÃO apresenta um princípio ou diretrizes
do Sistema Único de Saúde.
a) Direito à informação, às pessoas assistidas, sobre sua saúde, exceto em casos de doença terminal.
b) Divulgação de informações quanto ao potencial dos serviços de saúde e a sua utilização pelo usuário.
c) Descentralização político-administrativa, com direção única em cada esfera de governo.
d) Integração em nível executivo das ações de saúde, meio ambiente e saneamento básico.
e) Preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral.

3. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) A Constituição Federal determina que a União aplique, anualmente,


em ações e serviços públicos de saúde, recursos mínimos derivados da aplicação de percentuais
calculados sobre a receita corrente líquida do respectivo exercício financeiro, não podendo ser inferior a
a) 30%.
b) 15%.
c) 45%.
d) 20%.
e) 25%.

4. (EBSERH Nacional/AOCP/2016) De acordo com o que estabelece a Constituição Federal, a União


aplicará, anualmente, em ações e serviços públicos de saúde,
a) no mínimo 15% (quinze por cento) sobre a receita corrente líquida do respectivo exercício financeiro.
b) no máximo 10% (dez por cento) sobre a receita corrente líquida do respectivo exercício financeiro.
c) no mínimo 20% (vinte por cento) sobre o valor arrecadado com os impostos federais no ano anterior
ao respectivo exercício.
d) no máximo 15% (quinze por cento) sobre o valor arrecadado com os impostos federais no ano
anterior ao respectivo exercício.
e) no máximo 5% (cinco por cento) sobre a receita corrente líquida do respectivo exercício financeiro.

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Competência do SUS
I - controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de interesse para a saúde e participar da
produção de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos, hemoderivados e outros insumos;
II - executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador;
III - ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde;
IV - participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico;
V - incrementar, em sua área de atuação, o desenvolvimento científico e tecnológico e a inovação; (EC
nº 85, de 2015)
VI - fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o controle de seu teor nutricional, bem como
bebidas e águas para consumo humano;
VII - participar do controle e fiscalização da produção, transporte, guarda e utilização de substâncias e
produtos psicoativos, tóxicos e radioativos;
VIII - colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho.

LEI Nº 8.080/90
Disposições Gerais do SUS Art. 1º a 4º

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Disposições Gerais do SUS Art. 1º a 4º

5. (EBSERH Nacional/AOCP/2016) De acordo com o que dispõe a Lei Orgânica da Saúde - Lei nº
8.080/1990, assinale a alternativa correta.
a) O dever do Estado de garantir a saúde exclui o das pessoas, da família, das empresas e da sociedade.
b) Estão excluídas do Sistema Único de Saúde (SUS) as instituições públicas federais, estaduais e
municipais de controle de qualidade, pesquisa e produção de insumos, medicamentos, inclusive de
sangue e hemoderivados, e de equipamentos para saúde.
c) A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único de Saúde (SUS), em caráter complementar.
d) A execução de ações de vigilância epidemiológica não estão incluídas no campo de atuação do
Sistema Único de Saúde (SUS).
e) Estão incluídas, no campo de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS), a execução de ações de
assistência terapêutica integral, exceto farmacêutica.

Objetivos e Atribuições do SUS Art. 5º a 6º

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


6. (EBSERH/AOCP/2016) De acordo com o que dispõe a Lei 8.080/90, entende-se por Vigilância
Epidemiológica
a) a formulação da política de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos e outros insumos de
interesse para a saúde e a participação na sua produção.
b) a participação na formulação da política e na execução de ações de saneamento básico.
c) um conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer
mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade
de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos.
d) um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos
problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação
de serviços de interesse da saúde.
e) o controle de bens de consumo que, direta ou indiretamente, se relacionem com a saúde,
compreendidas todas as etapas e processos, da produção ao consumo.

Princípios e Diretrizes do SUS - Art. 7º

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


7. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa que apresenta um dos princípios aos quais as
ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram
o Sistema Único de Saúde (SUS) devem obedecer, previstos expressamente na Lei nº 8.080/1990.
a) Universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência.
b) Direito à informação sobre a saúde de familiar assistido.
c) Organização dos serviços públicos de modo a evitar duplicidade de meios para fins idênticos.
d) Diversidade da base de financiamento.
e) Equidade na forma de participação no custeio.

8. (HU-UFJF/EBSERH/AOCP/2015) Em relação aos princípios doutrinários do SUS, é correto afirmar que:


a) a Universalidade prevê a participação popular por meio da sociedade civil organizada.
b) a Equidade é quando se fala em tratamento justo e igual socialmente, reconhecendo o direito de cada
cidadão aos serviços de saúde.
c) a integralidade diz respeito à participação da comunidade nos conselhos de saúde e sua
responsabilização em outras esferas do governo.
d) a Escuta, o acolhimento e o atendimento humanizado compõem a tríade que mantém o sistema
referência contra referência nos setores de saúde pública.
e) o princípio de igualdade da assistência é entendido como um conjunto articulado e contínuo das
ações dos serviços preventivos e curativos exigidos para cada caso individualmente.

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Organização, Direção e Gestão do SUS - Art. 8º a 14B

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


9. (AOCP - Adaptada) De acordo com a Lei Orgânica da Saúde, assinale V ou F.
I - Deverão ser criadas Comissões Permanentes de integração entre os serviços de saúde e as
instituições de ensino profissional e superior.
II - As Comissões Permanentes terão por finalidade propor prioridades, métodos e estratégias para a
formação e educação continuada dos recursos humanos do Sistema Único de Saúde (SUS), na esfera
correspondente, assim como em relação à pesquisa e à cooperação técnica entre essas instituições.
III - As Comissões Intergestores Bipartite e Tripartite são reconhecidas como foros de negociação e
pactuação entre gestores, quanto aos aspectos operacionais do Sistema Único de Saúde (SUS).
IV - A atuação das Comissões Intergestores Bipartite e Tripartite terá por objetivo decidir sobre os
aspectos operacionais, financeiros e administrativos da gestão compartilhada do SUS, em conformidade
com a definição da política consubstanciada em planos de saúde, aprovados pelos conselhos de saúde.

10. (EBSERH/AOCP/2016) De acordo com o que dispõe a Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080/1990, o
Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de
Saúde (Conasems)
a) receberão recursos do orçamento geral da União por meio do Fundo Nacional de Saúde, para auxiliar
no custeio de suas despesas institucionais, podendo ainda celebrar convênios com a União.
b) receberão recursos do orçamento geral da União por meio do Fundo Nacional de Saúde, para auxiliar
no custeio de suas despesas institucionais, sendo vedada a celebração de convênios com a União e com
os estados.
c) não receberão recursos do orçamento geral da União, mas podem celebrar convênios com a União
por meio do Fundo Nacional de Saúde.
d) não receberão recursos do orçamento geral da União quando celebrarem convênios, por meio do
Fundo Nacional de Saúde, com qualquer ente da federação.
e) receberão recursos do orçamento geral da União somente quando celebrarem convênios por meio do
Fundo Nacional de Saúde.

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Subsistema de Atenção à Saúde Indígena no SUS

Subsistema de Atendimento e Internação Domiciliar no SUS

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Assistência Terapêutica e Incorporação de Tecnologia em Saúde no SUS

Serviços Privados de Assistência À Saúde em parceria com o SUS

10

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Recursos Humanos do SUS

Financiamento e Planejamento do SUS

 O Ministério da Saúde acompanhará → sistema de auditoria → a conformidade à programação


aprovada da aplicação dos recursos repassados a Estados e Municípios.
 Constatada a malversação, desvio ou não aplicação dos recursos, caberá ao Ministério da Saúde
aplicar as medidas previstas em lei.
 Para o estabelecimento de valores a serem transferidos aos entes federativos → utilizada a
combinação dos seguintes critérios, segundo análise técnica de programas e projetos:

11

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


11. (HU-UFS/EBSERH/AOCP/2014) Para o estabelecimento de valores a serem transferidos a Estados,
Distrito Federal e Municípios, segundo análise técnica de programas e projetos, será utilizada a
combinação dos seguintes critérios, EXCETO
a) perfil dos prestadores de serviço envolvidos na área da saúde.
b) perfil demográfico da região.
c) perfil epidemiológico da população a ser coberta.
d) características quantitativas e qualitativas da rede de saúde na área.
e) níveis de participação do setor saúde nos orçamentos estaduais e municipais.

Determinantes Sociais de Saúde

12

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


12. (HU-PEST/UFSC/EBSERH/IBFC/2016) O modelo de Dahlgren e Whitehead dispõe os determinantes
sociais de Saúde em diferentes camadas, segundo seu nível de abrangência, desde uma camada mais
próxima aos determinantes individuais (exemplos: idade e sexo) até a camada mais distal, em que se
situam:
a) Condições socioeconômicas, culturais e ambientais da sociedade.
b) Redes sociais e comunitárias.
c) Fatores étnicos e genéticos.
d) Condições de vida e trabalho.
e) Comportamento e os estilos de vida individuais.

13

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Resolução nº 453/2012

13. (HDT-UFT/AOCP/EBSERH/2015) Para que possam refletir os pontos de vista de toda a comunidade
que representam, é importante que os Conselhos de Saúde sejam constituídos por membros dos
diversos estratos sociais. Assinale a alternativa que apresenta a distribuição correta dos conselheiros de
saúde.
a) 50% de usuários, 25% de trabalhadores da saúde e 25% de prestadores de serviço (público e privado).
b) 25% de usuários, 25% de trabalhadores da saúde e 50% de prestadores de serviço (público e privado).
c) 25% de usuários, 50% de trabalhadores da saúde e 25% de prestadores de serviço (público e privado).
d) 50% de usuários, 25% de trabalhadores da saúde e 25% de prestadores de serviço público.
e) 50% de usuários, 25% de trabalhadores da saúde e 25% de prestadores de serviço privado.

14

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


14. (EBSERH Nacional/AOCP/2016) De acordo com o que dispõe a Resolução 453/2012 do Conselho
Nacional da Saúde, as funções, como membro do Conselho de Saúde,
a) são remuneradas por meio de função gratificada, com acréscimo de 20% sobre o subsidio do servidor,
quando houver cumulação das funções de conselheiro e servidor.
b) não são remuneradas em pecúnia, mas para cada dia de exercício da função serão acrescidos 3 (três)
dias ao período de férias do trabalhador.
c) não são remuneradas em pecúnia, mas para cada dia de exercício da função serão acrescidos 5 (cinco)
dias ao período de férias do trabalhador.
d) são remuneradas por meio de função gratificada, com acréscimo de 10% sobre o subsídio do servidor,
que deverá permanecer afastado de seu cargo, sendo vedada a cumulação das funções.
e) não serão remuneradas, considerando-se o seu exercício de relevância pública e, portanto, garante a
dispensa do trabalho sem prejuízo para o conselheiro.

Controle Social Lei nº 8.142/90

15

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


15. (AOCP - Adaptada) De acordo com o art. 1º da Lei n° 8.142/1990, marque V ou F.
I - o Sistema Único de Saúde (SUS) contará, em cada esfera de governo, sem prejuízo das funções do
Poder Legislativo, com as instâncias colegiadas: a Conferência de Saúde e o Conselho de Saúde.
II - o Conselho de Saúde, em caráter permanente e deliberativo, órgão colegiado composto por
representantes do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários, atua na
formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente,
inclusive nos aspectos econômicos e financeiros, cujas decisões serão homologadas pelo chefe do poder
legalmente constituído em cada esfera do governo.
III - a representação dos usuários nos Conselhos de Saúde e Conferências será paritária em relação ao
conjunto dos demais segmentos.

16. (EBSERH Nacional/AOCP/2016) De acordo com o que dispõe a Lei 8.142/90, acerca do Conselho de
Saúde, assinale a alternativa correta.
a) Tem caráter permanente e deliberativo.
b) Reunir-se-á a cada quatro anos com a representação dos municípios para avaliar a situação da
assistência social.
c) Tem como função precípua avaliar a situação da saúde e da assistência social em âmbito estadual.
d) É um órgão municipal formado somente quando convocado pelo Poder Executivo.
e) É formado pela reunião dos Secretários de Saúde municipais e pelo Ministro da Saúde.

16

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


17. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Para receberem recursos do Fundo Nacional de Saúde, a Lei nº
8.080/1990 impõe aos Municípios, aos Estados e ao Distrito Federal que contem com certos requisitos.
Assinale a alternativa que NÃO representa um desses requisitos.
a) Fundo de Saúde.
b) Conselho de Saúde, com composição paritária.
c) Contrapartida de recursos para a saúde no respectivo orçamento.
d) Secretário profissional da área da saúde.
e) Plano de saúde.

17

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Decreto nº 7.508/2011

18. (AOCP/EBSERH/2016) Para efeito do Decreto Presidencial nº 7.508, de 28 de junho de 2011,


considera-se “Mapa da Saúde”:
a) as instâncias de pactuação consensual entre os entes federativos para definição das regras da gestão
compartilhada do SUS.
b) o espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a
partir de identidades culturais, econômicas e sociais e de redes de comunicação e infraestrutura de
transportes compartilhados, com a finalidade de integrar a organização, o planejamento e a execução
de ações e serviços de saúde.
c) a descrição geográfica da distribuição de recursos humanos e de ações e serviços de saúde ofertados
pelo SUS e pela iniciativa privada, considerando-se a capacidade instalada existente, os investimentos e
o desempenho aferido a partir dos indicadores de saúde do sistema.
d) o documento que estabelece: critérios para o diagnóstico da doença ou do agravo à saúde; o
tratamento preconizado, com os medicamentos e demais produtos apropriados, quando couber; as
posologias recomendadas; os mecanismos de controle clínico; e o acompanhamento e a verificação dos
resultados terapêuticos, a serem seguidos pelos gestores do SUS.
e) o conjunto de ações e serviços de saúde articulados em níveis de complexidade crescente, com a
finalidade de garantir a integralidade da assistência à saúde.

19. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) De acordo com o que dispõe o Decreto


Presidencial nº 7.508/2011, assinale a alternativa que NÃO apresenta um dos requisitos para o acesso
universal e igualitário à assistência farmacêutica.
a) Estar o usuário assistido por ações e serviços de saúde do SUS.
b) Ter o medicamento sido fabricado em território nacional.
c) Estar a prescrição em conformidade com a RENAME e os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas
ou com a relação específica complementar estadual, distrital ou municipal de medicamentos.
d) Ter a dispensação ocorrido em unidades indicadas pela direção do SUS.
e) Ter o medicamento sido prescrito por profissional de saúde, no exercício regular de suas funções no
SUS.

18

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


20. (EBSERH/UFC/AOCP/2014) Assinale a alternativa considerada INCORRETA. De acordo com o art. 5º
do Decreto Presidencial n° 7.508/11, para a instituição da Região de Saúde, esta deve conter, no
mínimo, ações e serviços de:
a) urgência e emergência.
b) atenção secundária.
c) atenção psicossocial.
d) atenção ambulatorial especializada e hospitalar.
e) vigilância em saúde.

19

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


21. (EBSERH/AOCP/2016) De acordo com o que dispõe o Decreto Presidencial nº 7.508, de 28 de junho
de 2011, acerca da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais – RENAME, assinale a alternativa
correta.
a) O Ministério da Saúde é o órgão competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clínicos e
Diretrizes Terapêuticas em âmbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela Comissão
Intergestores Bipartite – CIB.
b) A Comissão Intergestores Tripartite – CIT é o órgão competente para dispor sobre a RENAME e os
Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas em âmbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas
pelo Ministério da Previdência Social.
c) A Comissão Intergestores Tripartite – CIT é o órgão competente para dispor sobre a RENAME e os
Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas em âmbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas
pelo Ministério da Saúde.
d) O Ministério da Previdência Social é o órgão competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos
Clínicos e Diretrizes Terapêuticas em âmbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela Comissão
Intergestores Bipartite – CIB.
e) O Ministério da Saúde é o órgão competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clínicos e
Diretrizes Terapêuticas em âmbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela Comissão
Intergestores Tripartite – CIT.

20

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


22. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) De acordo com o que estabelece o Decreto Presidencial nº 7.508,
de 28 de junho de 2011, a pactuação das diretrizes gerais para a composição da RENASES (Relação
Nacional de Ações e Serviços de Saúde) será de competência:
a) exclusiva do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde – CONASEMS.
b) comum entre o Ministro da Saúde e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde –
CONASEMS.
c) exclusiva do Presidente da República.
d) exclusiva da Comissão Intergestores Tripartite – CIT.
e) exclusiva da Comissão Intergestores Bipartite – CIB.

23. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) O acordo de colaboração entre os entes federativos para a


organização da rede interfederativa de atenção à saúde será firmado por meio de Contrato Organizativo
da Ação Pública da Saúde. De acordo com as disposições contidas no Decreto Presidencial nº
7.508/2011, assinale a alternativa correta acerca do Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde.
a) A humanização do atendimento do usuário será fator determinante para o estabelecimento das
metas de saúde previstas no Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde.
b) O Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde resultará da integração dos planos de saúde dos
entes federativos na Rede de Atenção à Saúde, tendo como fundamento as pactuações estabelecidas
pela Comissão Intergestores Regional (CIR).
c) O objeto do Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde é a organização e a integração das ações
e dos serviços de saúde, sob a responsabilidade dos entes federativos em uma Região de Saúde, com a
finalidade de garantir a melhor aplicação dos recursos e a redução dos custos.
d) As normas de elaboração e fluxos do Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde serão
pactuados pela Comissão Intergestores Regional (CIR), cabendo à Secretaria de Saúde Estadual
coordenar a sua implementação.
e) A Comissão Intergestores Bipartite (CIB), por meio de serviço especializado, fará o controle e
a fiscalização do Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde.

21

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


LEGISLAÇÃO DA EBSERH
Aspectos Gerais

1. (CH-UFPA/EBSERH/AOCP/2016) Acerca do regime jurídico da EBSERH, disciplinado na Lei n°


12.550/2011, assinale a alternativa correta.
a) A Lei nº 12.550/2011 autoriza a União a criar a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH,
que é uma autarquia federal.
b) É vedado, à EBSERH, criar subsidiárias para o desenvolvimento de atividades inerentes ao seu objeto
social.
c) A EBSERH terá sede e foro em Brasília, Distrito Federal, e poderá manter escritórios, representações,
dependências e filiais em outras unidades da Federação.
d) A EBSERH terá capital social da União, podendo admitir sócios, desde que entes públicos, como os
Estados da federação, por exemplo.
e) A EBSERH é vinculada ao Ministério da Saúde.

22

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Regime de pessoal da EBSERH
 Para fins de sua implantação, está autorizada a contratar, mediante processo seletivo simplificado,
pessoal técnico e administrativo por tempo determinado, sendo que os contratos temporários de
emprego poderão ser prorrogados uma única vez, desde que a soma dos 2 períodos não ultrapasse 5
anos.

23

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


2. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) Referente à administração e ao funcionamento da EBSERH, assinale
a alternativa correta. Conforme as disposições da Lei n° 12.550/2011,
a) o lucro líquido da EBSERH será revertido em favor da União.
b) o regime de pessoal permanente da EBSERH será o celetista.
c) não se admite a contratação pela EBSERH de pessoal por tempo determinado.
d) a EBSERH será administrada por um Diretor não remunerado.
e) ato do Congresso Nacional aprovará o estatuto da EBSERH.

3. (EBSERH/HE-UFSCAR/AOCP/2015-Adaptada) Qual é a finalidade da EBSERH?


a) Prestação de serviços gratuitos de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de apoio diagnóstico
e terapêutico à comunidade, assim como a prestação às instituições públicas federais de ensino ou
instituições congêneres de serviços de apoio ao ensino, à pesquisa e à extensão, ao ensino-
aprendizagem e à formação de pessoas no campo da saúde pública.
b) Prestação de serviços gratuitos de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de apoio diagnóstico
e terapêutico à comunidade, assim como a prestação às instituições privadas de ensino ou instituições
congêneres de serviços de apoio ao ensino, à pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem e à
formação de pessoas no campo da saúde pública.
c) Prestar serviços de apoio ao processo de gestão dos hospitais municipais e federais e a outras
instituições congêneres, com implementação de sistema de gestão único com geração de indicadores
quantitativos e qualitativos para o estabelecimento de metas.
d) Ressarcimento das despesas com o atendimento de consumidores e respectivos dependentes de
planos públicos de assistência à saúde.

24

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


4. (HU-PEST/UFSC/EBSERH/IBFC/2016) A Lei Federal nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011 determina
que a EBSERH, respeitado o princípio da autonomia universitária, poderá prestar os serviços
relacionados às suas competências mediante contrato com as instituições federais de ensino ou
instituições congêneres. Em seu art. 6º a legislação especifica quais são as instituições congêneres.
Analise as alternativas abaixo e assinale a que aponta corretamente essa especificação.
a) Consideram-se instituições congêneres, para efeitos desta Lei, as instituições públicas que
desenvolvam atividades de ensino e de pesquisa na área da saúde e que prestem serviços no âmbito do
Sistema Único de Saúde - SUS
b) Consideram-se instituições congêneres, para efeitos desta Lei, as instituições públicas e privadas que
desenvolvam atividades de ensino e de pesquisa na área da saúde e que prestem serviços no âmbito do
Sistema Único de Saúde - SUS
c) Consideram-se instituições congêneres, para efeitos desta Lei, as instituições públicas e privadas que
incentivem atividades de ensino e de pesquisa na área da saúde e que prestem serviços no âmbito do
Sistema Único de Saúde – SUS
d) Consideram-se instituições congêneres, para efeitos desta Lei, as instituições privadas que incentivem
atividades de ensino e de pesquisa na área da saúde e que prestem serviços no âmbito do Sistema Único
de Saúde – SUS
e) Consideram-se instituições congêneres, para efeitos desta Lei, as instituições públicas que
desenvolvam atividades de ensino e de pesquisa na área da saúde e que prestem serviços no âmbito
nacional e internacional

25

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Capital Social e dos Recursos da EBSERH

26

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


5. (EBSERH/HE-UFPEL/AOCP/2015) Entre os recursos que constituem a EBSERH, podemos considerar:
a) apenas os recursos destinados por pessoas jurídicas de direito privado.
b) doações, legados, subvenções e outros recursos que lhe forem destinados apenas por pessoas físicas
e rendas provenientes de outras fontes.
c) obtenção de recursos através da atuação de membros da sociedade civil no Conselho Consultivo.
d) recursos oriundos de dotações consignadas no orçamento da União, doações, legados, subvenções e
outros recursos que lhe forem destinados por pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado e
rendas provenientes de outras fontes.
e) que através da apresentação de metas de desempenho, indicadores e prazos de execução a serem
observados, consegue-se obter os recursos necessários.

Competências da EBSERH

6. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) Compete à EBSERH, EXCETO


a) administrar unidades hospitalares, bem como prestar serviços de assistência médico hospitalar,
ambulatorial e de apoio diagnóstico e terapêutico à comunidade, no âmbito do SUS, vedado, em
qualquer hipótese, o atendimento de consumidores e respectivos dependentes de planos privados de
assistência à saúde.
b) prestar às instituições federais de ensino superior e a outras instituições congêneres serviços de
apoio ao ensino, à pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem e à formação de pessoas no campo
da saúde pública, mediante as condições que forem fixadas em seu estatuto social
c) apoiar a execução de planos de ensino e pesquisa de instituições federais de ensino superior e de
outras instituições congêneres, cuja vinculação com o campo da saúde pública ou com outros aspectos
da sua atividade torne necessária essa cooperação, em especial na implementação das residências
médica, multiprofissional e em área profissional da saúde, nas especialidades e regiões estratégicas para
o SUS.

27

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


d) prestar serviços de apoio à geração do conhecimento em pesquisas básicas, clínicas e aplicadas nos
hospitais universitários federais e a outras instituições congêneres.
e) prestar serviços de apoio ao processo de gestão dos hospitais universitários e federais e a outras
instituições congêneres, com implementação de sistema de gestão único com geração de indicadores
quantitativos e qualitativos para o estabelecimento de metas.

Contratos entre a EBSERH e IF

7. (EBSERH/HE-UFPEL/AOCP/2015) Quanto aos contratos entre a EBSERH e as instituições de ensino, é


correto afirmar que:
a) em nenhuma hipótese será dispensada a licitação para a contratação da EBSERH pela administração
pública para realizar atividades relacionadas ao seu objeto social nas instituições de ensino.
b) sempre que se fizer necessário, a EBSERH poderá prestar serviços com instituições privadas de
ensino, porém sempre através de licitação.
c) a EBSERH, respeitado o princípio da autonomia universitária, poderá prestar os serviços relacionados
às suas competências, mediante contrato com as instituições federais de ensino ou instituições
congêneres.
d) o contrato realizado entre a EBSERH e as instituições de ensino deverão possuir caráter sigiloso,
sendo vedada sua divulgação.

28

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


e) no âmbito dos contratos entre a EBSERH e as instituições de ensino os servidores titulares de cargo
efetivo em exercício, que exerçam atividades relacionadas ao objeto da EBSERH, não poderão ser a ela
cedidos para a realização de atividades de assistência à saúde.

Demonstrações Financeiras e Lucros da EBSERH


 A EBSERH levantará demonstrações financeiras e procederá à apuração do resultado em 31 de
dezembro de cada exercício.
 Do resultado do exercício, feita a dedução para atender a prejuízos acumulados e a provisão para
imposto sobre a renda, o Conselho de Administração proporá ao Ministro de Estado da Fazenda a sua
destinação, observando a parcela de cinco por cento para a constituição da reserva legal, até o limite de
vinte por cento do capital social.
 Os prejuízos acumulados devem, preferencialmente, ser deduzidos do capital social.

Regimento Interno 1/2016

8. (EBSERH/HDT-UFT/AOCP/2015) De acordo com as disposições do Regimento Interno da EBSERH - 2ª


revisão, são Órgãos de Administração:

29

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


a) Conselho Consultivo e Conselho Fiscal.
b) Diretoria Executiva, Comissão de Controle Interno e Auditoria Interna.
c) Conselho de Administração, Diretoria Executiva e Conselho Consultivo.
d) Conselho de Administração, Conselho Consultivo e Conselho Fiscal.
e) Diretoria Executiva, Auditoria Interna e Comissão de Ética.

30

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


31

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Conselho de Administração

9. (EBSERH/HE-UFPEL/AOCP/2015) NÃO compete ao Conselho de Administração da EBSERH:


a) fixar as orientações gerais das atividades da EBSERH e examinar e aprovar, por proposta do
Presidente da EBSERH, as políticas gerais e programas de atuação da Empresa, a curto, médio e longo
prazos, em consonância com as políticas de educação; de saúde; e econômico-financeira do Governo
Federal.
b) autorizar a aquisição, alienação e oneração de bens imóveis e valores mobiliários e autorizar a
contratação de empréstimos no interesse da EBSERH.
c) aprovar o Regimento Interno da EBSERH e suas alterações supervenientes, o qual deverá conter,
dentre outros aspectos, a estrutura básica da Empresa e os níveis de alçada decisória das Diretorias e do
Presidente.
d) propor e implementar as linhas orientadoras das ações da EBSERH e aprovar os regulamentos
internos das Diretorias da EBSERH e demais órgãos da Sede, assim como seus respectivos quadros de
pessoal e organogramas funcionais.
e) designar e destituir o titular da Auditoria Interna, após aprovação da Controladoria Geral da União, e
aprovar a criação de escritórios, representações, dependências e filiais da Empresa.

10. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Com base no que estabelece o Regimento Interno da EBSERH - 3ª


revisão, acerca do Conselho de Administração, assinale a alternativa correta.
a) O Conselho de Administração é órgão de orientação superior da EBSERH e é composto por nove
membros, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação, dentre os quais dois membros são indicados
pelo Ministro de Estado da Saúde, sendo que um será o Presidente do Conselho e outro será seu
substituto, nas suas ausências e impedimentos.
b) O prazo de gestão dos membros do Conselho de Administração será de um ano, contado a partir
da data de publicação do ato de nomeação, podendo ser reconduzido por igual período.

32

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


c) No caso de vacância do cargo de Conselheiro, o substituto será nomeado pelos Conselheiros
remanescentes e servirá até a designação do novo representante, inclusive no caso do representante
dos empregados.
d) Salvo impedimento legal, os membros do Conselho de Administração farão jus a honorários mensais
correspondentes a cinquenta por cento da remuneração média mensal dos Diretores da EBSERH, além
do reembolso obrigatório das despesas de locomoção e estada necessárias ao desempenho da função.
e) O representante dos empregados, no Conselho de Administração, não participará das discussões e
deliberações sobre assuntos que envolvam relações sindicais, remuneração, benefícios e vantagens,
inclusive assistenciais ou de previdência complementar, hipóteses em que fica configurado o conflito de
interesses, sendo esses assuntos deliberados em reunião separada e exclusiva para tais fins.

Diretoria Executiva

33

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


34

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


11. (HU-PEST/UFSC/EBSERH/IBFC/2016 – Téc. de Enfermagem) Com relação às competências da
Diretoria de Orçamento e Finanças da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH – assinale a
alternativa INCORRETA.
a) Apoiar e monitorar as filiais e unidades descentralizadas da EBSERH no planejamento, implementação
e controle de seus respectivos orçamentos e desempenhos institucionais, de acordo com as
características definidas no planejamento da Sede.
b) Planejar, gerenciar e controlar a execução orçamentária e financeira da Sede, filiais e unidades
descentralizadas, com as medidas necessárias à manutenção do equilíbrio financeiro da Empresa.
c) Subsidiar a Presidência, o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal e a Diretoria Executiva, com
as informações necessárias para as decisões relacionadas à execução e ao desempenho do orçamento
da Sede, filiais e unidades descentralizadas.
d) Realizar a execução orçamentária e financeira no âmbito da Sede.
e) Planejar, estabelecer diretrizes de gerenciamento, acompanhar, avaliar e controlar as conformidades
contábeis da Sede e filiais, e registrar o movimento contábil da Sede.

12. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) A respeito do órgãos de administração previstos no Regimento


Interno da EBSERH, assinale a alternativa correta.
a) O órgão de orientação superior da EBSERH é a Comissão de Controle Interno.
b) O prazo de gestão dos membros do Conselho de Administração será indeterminado, sendo esses
membros demitidos a qualquer tempo pelo Presidente.
c) O Presidente da EBSERH não poderá exercer a Presidência do Conselho de Administração, ainda que
interinamente.
d) Compete ao Conselho de Administração da EBSERH aprovar os planos e relatórios anuais de cada
Diretoria da EBSERH.
e) As deliberações do Conselho de Administração somente serão tomadas por maioria qualificada.

13. (Questão Inédita Equipe RP/2016) Compete ao Presidente da Ebserh, EXCETO


a) representar a Ebserh, em juízo ou fora dele, podendo delegar, em casos específicos, essa atribuição,
e, em nome da entidade, constituir mandatários ou procuradores.
b) convocar e presidir as reuniões da Diretoria Executiva e do Conselho Consultivo;
c) apreciar e aprovar o Relatório Anual de Gestão apresentado pela Administração da Ebserh;
d) instituir a Comissão de Controle Interno da Ebserh e designar seus membros;
e) assegurar as condições de trabalho para que a Comissão de Ética cumpra suas funções, inclusive para
que, do exercício das atribuições de seus integrantes não lhes resulte qualquer prejuízo ou dano;

35

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


36

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


14. (EBSERH/HC-UFG/AOCP/2015) Quanto à Diretoria Executiva da Empresa Brasileira de Serviços
Hospitalares, assinale a alternativa correta.
a) Podem participar da Diretoria Executiva os que tiverem sido declarados falidos ou insolventes.
b) Compete à Diretoria Executiva opinar sobre a modificação do capital social.
c) Os membros da Diretoria Executiva devem ter notório conhecimento na área de gestão, de atenção
hospitalar e do ensino em saúde há mais de 5 anos.
d) Compete à Diretoria Executiva autorizar a contratação de empréstimo no interesse da EBSERH.
e) A Diretoria Executiva é composta pelo Presidente e até seis Diretores, nomeados e destituíveis a
qualquer tempo pelo Presidente da República, por indicação do Ministro de Estado da Educação.

37

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Conselho Consultivo

15. (EBSERH/HC-UFG/AOCP/2015) Quanto ao Conselho Consultivo da Empresa Brasileira de Serviços


Hospitalares, assinale a alternativa correta.
a) Os membros do Conselho Consultivo serão indicados bienalmente e designados pelo Ministro de
Estado da Saúde.
b) O Conselho Consultivo será constituído por dois representantes do Ministério da Saúde.
c) O Conselho Consultivo será constituído por um representante dos usuários dos serviços de saúde dos
hospitais universitários federais, filiais da EBSERH, indicado pelo Conselho Nacional de Saúde.
d) Compete ao Conselho Consultivo opinar sobre a modificação do capital social, orçamento, planos de
investimento, transformação, incorporação, fusão ou cisão.
e) O Conselho Consultivo da EBSERH reunir-se-á extraordinariamente, somente a pedido do seu
presidente.

38

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Conselho Fiscal

39

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


 Em caso de renúncia, falecimento ou impedimento, os membros efetivos do Conselho Fiscal serão
substituídos pelos seus suplentes, até a nomeação de novo membro;

40

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


16. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Segundo o que estabelece o Regimento Interno da EBSERH - 3ª
revisão, acerca do Conselho Fiscal, assinale a alternativa correta.
a) O Conselho Fiscal, como órgão permanente da EBSERH, é composto por três membros efetivos e
respectivos suplentes, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação, dentre os quais, um membro
será indicado pelo Ministro de Estado da Saúde, que exercerá a Presidência do Conselho.
b) O mandato dos membros do Conselho Fiscal será de dois anos, contados a partir da data de
publicação do ato de nomeação, vedada a recondução.
c) Salvo impedimento legal, os membros do Conselho Fiscal farão jus a honorários mensais
correspondentes a vinte por cento da remuneração média mensal dos Diretores da EBSERH, além da
indenização obrigatória para as despesas de locomoção, alimentação e estada necessárias ao
desempenho da função.
d) Compete ao Conselho Fiscal analisar, ao menos trimestralmente, o balancete e demais
demonstrações financeiras, elaboradas periodicamente pela EBSERH.
e) O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente, a cada trimestre e, extraordinariamente, quando
convocado pelo Presidente do Conselho de Administração.

17. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) Nos termos do Decreto n° 7.661/2011, cabe ao Conselho Fiscal,


EXCETO:
a) fiscalizar, por qualquer de seus membros, os atos dos administradores e verificar o cumprimento dos
seus deveres legais e estatutários.
b) opinar sobre o relatório anual da administração e demonstrações financeiras do exercício social.
c) opinar sobre a modificação do capital social, planos de investimento ou orçamentos de capital,
transformação, incorporação, fusão ou cisão.
d) opinar sobre as linhas gerais das políticas, diretrizes e estratégias da EBSERH, orientando o Conselho
de Administração e a Diretoria Executiva no cumprimento de suas atribuições.
e) denunciar, por qualquer de seus membros, os erros, fraudes ou crimes que descobrirem, e sugerir
providências úteis.

18. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) A respeito dos órgãos de fiscalização previstos no Regimento


Interno da EBSERH, assinale a alternativa correta.
a) Os órgãos de fiscalização da EBSERH são o Conselho Fiscal e a Diretoria Executiva.
b) O mandato dos membros do Conselho Fiscal será de dois anos, contados a partir da data de
publicação do ato de nomeação, podendo ser reconduzidos por igual período.
c) Em caso de renúncia, falecimento ou impedimento de um membro efetivo, o Conselho Fiscal é
dissolvido.
d) Auditores internos podem cumular função de gestão da EBSERH.
e) A Auditoria Interna não possui autorização para acesso a registros, pessoal, informações, sistemas e
propriedades físicas relevantes à execução de suas ações de controle, devendo requerer tal acesso,
quando necessário, ao juiz competente.

41

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Auditoria Interna

19. (EBSERH/HC-UFG/AOCP/2015) Quanto ao órgão de Auditoria Interna da Empresa Brasileira de


Serviços Hospitalares, assinale a alternativa correta.
a) O órgão de Auditoria Interna é vinculado ao Conselho Fiscal.
b) A Auditoria Interna é dependente da Diretoria da EBSERH.

42

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


c) A nomeação, designação, exoneração ou dispensa do Auditor Geral, titular da Auditoria Interna da
sede será submetida, pelo Presidente da EBSERH, à aprovação do Conselho de Administração e,
subsequentemente, à aprovação da Controladoria-Geral da União.
d) Compete à Auditoria Interna analisar, ao menos trimestralmente, o balancete e demais
demonstrações financeiras, elaboradas periodicamente pela EBSERH.
e) A Auditoria Interna precisa de autorização do Conselho de Administração para ter acesso a registros,
pessoal, informações, sistemas e propriedades físicas relevantes à execução de suas ações de controle.

Comissões e Comitês

20. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) De acordo com o que estabelece o


Regimento Interno da EBSERH - 3ª revisão, a respeito da Comissão de Ética, assinale a alternativa
correta.
a) Os membros da Comissão de Ética serão designados pelo Presidente para mandatos não coincidentes
de dois anos. A atuação no âmbito da Comissão de Ética não enseja qualquer remuneração para seus
membros e os trabalhos nela desenvolvidos são considerados prestação de relevante serviço público.
b) Os membros da Comissão de Ética serão designados pelo Presidente para mandatos não coincidentes
de três anos. A atuação no âmbito da Comissão de Ética não enseja qualquer remuneração para seus
membros e os trabalhos nela desenvolvidos são considerados prestação de relevante serviço público.
c) Os membros da Comissão de Ética serão designados pelo Diretor de Gestão de Pessoas, para
mandatos de três anos, prorrogáveis uma vez por igual período. A atuação no âmbito da Comissão de
Ética não enseja qualquer remuneração para seus membros e os trabalhos nela desenvolvidos são
considerados prestação de relevante serviço público.

43

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


d) Os membros da Comissão de Ética serão designados pelo Diretor de Gestão de Pessoas, para
mandatos de dois anos, prorrogáveis uma vez por igual período. A atuação no âmbito da Comissão de
Ética será remunerada com gratificação extra, equivalente a vinte por cento do salário normal do
servidor, e será considerada como função relevante, assegurado o reembolso das despesas de
locomoção e estada necessárias ao desempenho da função.
e) Os membros da Comissão de Ética serão designados pelo Diretor de Gestão de Pessoas, para
mandatos de três anos improrrogáveis. A atuação no âmbito da Comissão de Ética será remunerada
com gratificação extra, equivalente a vinte e cinco por cento do salário normal do servidor, e será
considerada como função relevante, assegurado o reembolso das despesas de locomoção e estada
necessárias ao desempenho da função.

44

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


45

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


21. (HU-PEST/UFSC/EBSERH/IBFC/2016) O Regimento Interno da EBSERH - Empresa Brasileira de
Serviços Hospitalares – para cumprimento de suas competências legais determina expressamente a sua
estrutura de governança. Para tanto, divide-a em Órgãos de Administração, Órgão de Fiscalização e
Comissões e Comitês e especifica a composição de cada um. No que diz respeito aos Comitês, assinale a
alternativa INCORRETA.
a) Comitê Gestor de Segurança da Informação e Comunicação
b) Comitê Permanente de Desenvolvimento de Pessoas da Sede
c) Comitê de Gestão de Riscos e Crises
d) Comitê de Governança do Aplicativo para Gestão dos Hospitais Universitários
e) Comitê de Governança de Tecnologia da Informação e Transparência

LÍNGUA PORTUGUESA

A CULTURA DO ESTUPOR

Por Lucio Carvalho

Pelo menos que eu saiba, felizmente não vivo nem perto da cultura do estupro, mas vivo, sim,
dentro da cultura do estupor. Vivemos todos.
Não ouço piadas machistas. Não consumo nem ouço músicas apelativas ou com conteúdo
violento nem sobre a mulher nem sobre ninguém. Não dou legitimidade nem por hipótese a
preconceitos, seja de que espécie forem. Entretanto, porque não viva em contato direto com ela, a tal
cultura do estupro, não é por isso que vou dizer que não exista. E isso porque esse é o mesmo
comportamento negacionista de quem vive na cultura do estupor e não percebe.
A cultura do estupor é quase o mesmo que a cultura da indiferença, com a diferença de que ela
implica numa espécie de assombro perpétuo perpetuamente sem ação, estéril, de quem não age, de
quem não toma qualquer atitude, de quem tem toneladas de informação, mas ação que é bom, quase
nenhuma. Na cultura da indiferença, por outro lado, há uma escolha prévia, o que a torna ainda mais
comprometedora, pelo menos no que diz respeito as mentalidades. Dessa eu não vivo dentro, mas
fatalmente vivo perto, porque em alguma medida todo mundo vive. Uns mais, outros menos.
Não estou querendo dizer que a cultura do estupor é mais grave que a do estupro porque não é,
mas elas têm entre si um alto grau de parentesco, se é que uma não está contida na outra. Só que,
enquanto uma vítima de estupro se vê forçada a reinventar a própria vida, na cultura do estupor às
vítimas resta apenas trocar a fonte, o canal ou o link dos terrores diários. Sair e voltar a entrar no
Facebook, por exemplo.

46

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


Mesmo dentro disso que chamo de cultura do estupor parece haver graus variados de
acometimento. Pode ir do embasbacamento à inconsciência. Da surpresa à alienação. Da imobilidade à
dessensibilização completa. Da empatia seletiva à misantropia, essa que parece ser sua forma mais
extremada.
Confesso que tive de ler bastante sobre tudo o que se divulgou sobre a cultura do estupro após
o trágico evento do RJ para entender como é que isso me afetava e a resposta que encontrei é que,
como a maioria dos homens, pelo menos os que não tiveram a sombra do estupro rondando sua vida, é
um assunto quase extraterreno. É como uma hipótese sobre a qual não se quer nem pensar. Mas isso é
assim porque não estamos no lugar de ser sem mais nem menos uma vítima ocasional da situação e por
isso minimizamos o horror alheio, submersos na cultura do estupor.
De certa maneira, eu penso que o bombardeio dos últimos dias, em sua extensa maioria feita
por mulheres, foi providencial e embora acredite na necessidade de uma política penal eficiente contra
os criminosos, é preciso vencer o estupor social. Denunciar e não só denunciar, não permitir a
impunidade, desnormalizar a violência de gênero. Não se trata apenas de empatia, mas de um
compromisso do laço humano em não fechar-se em si mesmo e na sua perspectiva individual. Nesse
ponto de vista, a questão de violência de gênero é até primária e simples demais, mas é justamente (e
não coincidentemente) dela, da integridade do corpo feminino, que viemos todos.
Lembro ainda que, assim como o estupro, violências sexuais acontecem diariamente – quase
sempre na invisibilidade – contra pessoas com deficiência (especialmente a intelectual), crianças de
qualquer sexo, gays, travestis, transgêneros, idosos e quaisquer pessoas em situação de vulnerabilidade.
A violência é uma excrescência do convívio social e deve ser punida e combatida em sua origem, sob
pena de sua permanente reprodução.
A questão é bem mais complexa que um meme. Embora se assuma rápida e repetidamente a
atribuição de culpabilização social e se deseje fazer crer que esta seria uma característica encruada na
sociedade brasileira, eu discordo dessa ideia. Penso que não existe este ente coletivo: a sociedade
brasileira. Existem sociedades brasileiras. No plural. E a exacerbação da violência costuma acontecer em
territórios conflagrados, não necessariamente os periféricos.
Discordo que a violência seja um traço cultural da sociedade brasileira, população acostumada a
enfrentar violências e privações seculares sem maiores registros de levantes e revoltas populares. A
violência extremada implica um complexo dinâmico envolvendo tanto a expressão do ódio quanto ao
escasso cerceamento moral. Não por acaso costuma ocorrer contra segmentos vulneráveis, como os
indígenas e moradores de rua 4 Enfermeiro eventualmente incinerados em espaços públicos, contra
prostitutas e contra pessoas sem qualquer defesa.
Não se trata de invocar aqui mais uma vez a platitude da necessidade de investimento em
educação, mas na de uma educação humanizante, cujos resultados não visem meramente o sucesso
econômico e social, mas o aprendizado do humano, suas pulsões e de uma ética capaz de garantir, ou
pelo menos promover, a integridade de todos e o respeito ao sujeito e às individualidades.
Ainda assim, apenas o investimento em educação pública poderia de fato reverter a banalização
da violência e substituí-la por acesso a outros e mais complexos elementos culturais. É bem pouco
simples, porque a cultura da violência parece também ser uma mimese de uma cultura de poder. Ou
seja, reproduz-se com argumentos precários e de dominação violenta aquilo que em outras esferas

47

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


econômicas e culturais está dito e representado de outra maneira, mas de uma forma essencialmente
idêntica, que é a preponderância do poder econômico e sua simbologia.
Seja como for, é preciso seguir o exemplo das mulheres que, diante do horror de uma situação
inadmissível como a que se repetiu recentemente no RJ, romperam justamente a acachapante cultura
do estupor, como se irrompendo de dentro de uma bolha estourada. É absolutamente triste que
precisemos de casos tão extremados para fazê-lo, mas esse é justamente o indicativo do alto grau de
naturalização cultural da violência social em que vivemos todos.
A cultura do estupor funciona como a película dessa bolha, abrigando em seu interior diversos
tipos de violência, entre as quais a de gênero e a própria cultura do estupro. Se regularmente é possível
viver em seu interior longe de uma ou de outra, mais ou menos repugnante, é de perguntar como
podemos nos abrigar dentro disso e com estes mesmos valores. E como e por que razões, uma vez
saídos dali, desejaríamos voltar. A multiplicação de denúncias e o expurgo coletivo em função do crime
de estupro coletivo, dessa vez no RJ, que não deveria ter existido nem sequer ter nenhuma função
social, eu quero crer que pelo menos serviu para nos mostrar o quão hediondo é ter de viver sob a
cultura do estupor e o quanto nos habituamos e dessensibilizamos em suas muitas derivações violentas.
Texto adaptado. Fonte: http://www.inclusive.org.br/arquivos/29417

1. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa correta quanto ao que se afirma a respeito do


texto e o que o envolve.
a) O autor relaciona as informações do seu texto a outro(s) com o tema “a cultura do estupro”. Ao dizer
“Não ouço piadas machistas. Não consumo nem ouço músicas apelativas ou com conteúdo violento
nem sobre a mulher nem sobre ninguém [...]”, está tratando da cultura do estupro.
b) A cultura do estupor é a mesma que a cultura da indiferença, mas diferente da cultura do estupro.
c) O autor do texto compara a cultura do estupro e a cultura do estupor para, ao final, chegar à
conclusão de que as duas manifestam as mesmas características.
d) O autor expõe as informações sem, em momento algum, apresentar a sua opinião ou o seu
posicionamento.
e) O autor, desacreditado nas políticas públicas do país, trata desse tema: a cultura do estupor.
Portanto, acredita que de nada serviu a repercussão e as tantas denúncias em função do crime de
estupro coletivo que aconteceu no Rio de Janeiro.

2. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa correta quanto ao que se afirma entre


parênteses a respeito da palavra em destaque.
a) “Não se trata de invocar aqui mais uma vez a platitude da necessidade de investimento em educação,
mas na de uma educação humanizante [...]” (pode ser substituída por “plenitude” sem prejuízo
semântico).
b) “E isso porque esse é o mesmo comportamento negacionista de quem vive na cultura do estupor e
não percebe.” (está relacionada com o termo negacionismo, que é a escolha de negar a realidade como
forma de escapar de uma verdade desconfortável).

48

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


c) “Pode ir do embasbacamento à inconsciência. Da surpresa à alienação. Da imobilidade à
dessensibilização completa.” (significa conhecimento).
d) “Da empatia seletiva à misantropia, essa que parece ser sua forma mais extremada (pode ser
subtituída por “filantropia”, tendência para ajudar os mais necessitados, sem prejuízo semântico).
e) “[...] como a que se repetiu recentemente no RJ, romperam justamente a acachapante cultura
do estupor, como se irrompendo de dentro de uma bolha estourada.” (pode ser substituída por
“aceitável”, sem prejuízo semântico).

3. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Em “[...] embora acredite na necessidade de uma política penal


eficiente contra os criminosos, é preciso vencer o estupor social.”, há, entre as orações, uma relação de
a) finalidade.
b) causa.
c) conformidade.
d) concessão.
e) comparação.

4. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Existem alguns verbos que apresentam mais de um sentindo e,


muitas vezes, diferentes regências. Em alguns casos, atualmente, o dicionário Houaiss e até alguns
gramáticos já consideram uma regência pela outra. No entanto, de forma geral, nas gramáticas, o que se
prescrevia como língua-padrão-culta eram as diferentes regências. Assinale a alternativa que apresenta
uma inadequação quanto a esse padrão conservador da língua a respeito da regência verbal.
a) “É como uma hipótese sobre a qual não se quer nem pensar.”.
b) “Ainda assim, apenas o investimento em educação pública poderia de fato reverter a banalização da
violência [...]”.
c) “É absolutamente triste que precisemos de casos tão extremados para fazê-lo [...]”.
d) “[...] serviu para nos mostrar o quão hediondo é ter de viver sob a cultura do estupor e o quanto nos
habituamos [...]”.
e) “[...] cujos resultados não visem meramente o sucesso econômico e social, mas o aprendizado do
humano.”.

5. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa correta quanto ao que se afirma entre


parênteses sobre o excerto.
a) “A cultura do estupor é quase o mesmo que a cultura da indiferença, com a diferença de que ela
implica numa espécie de assombro perpétuo [...]” (há uma inadequação quanto à concordância verbal).
b) “Não dou legitimidade nem por hipótese a preconceitos, seja de que espécie forem.” (há uma
inadequação quanto à concordância verbal).
c) “[...] há uma escolha prévia, o que a torna ainda mais comprometedora, pelo menos no que diz
respeito as mentalidades.” (há uma inadequação quanto à regência nominal).
d) “[...] na cultura do estupor às vítimas resta apenas trocar a fonte, o canal ou o link dos terrores
diários.” (há uma inadequação quanto à concordância verbal).

49

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


e) “[...] mas elas têm entre si um alto grau de parentesco, se é que uma não está contida na outra.” (há
uma inadequação quanto à colocação pronominal).

6. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa correta quanto ao que se afirma entre


parênteses a respeito dos elementos coesivos em destaque.
a) “Entretanto, porque não viva em contato direto com ela, a tal cultura do estupro, não é por isso
que vou dizer que não exista. E isso porque esse é o mesmo comportamento negacionista de quem vive
na cultura do estupor e não percebe”. (retomam o mesmo referente).
b) Seja como for, é preciso seguir o exemplo das mulheres que, diante do horror de uma situação
inadmissível como a que se repetiu recentemente no RJ, romperam justamente a acachapante cultura
do estupor.” (retoma “mulheres”).
c) “Na cultura da indiferença, por outro lado, há uma escolha prévia, o que a torna ainda mais
comprometedora [...]” (retoma “cultura da indiferença”).
d) “Nesse ponto de vista, a questão de violência de gênero é até primária e simples demais, mas
é justamente (e não coincidentemente) dela, da integridade do corpo feminino, que viemos todos.”
(remete à “violência de gênero”).
e) “A violência é uma excrescência do convívio social e deve ser punida e combatida em sua origem, sob
pena de sua permanente reprodução.” (retoma “origem”).

7. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) O autor do texto utilizou um recurso da linguagem aproximando a


grafia das palavras (estupro e estupor), o que criou o efeito de sentido na temática do texto. Assinale a
alternativa que apresenta esse recurso.
a) Comparação.
b) Aliteração.
c) Trocadilho.
d) Eufonia.
e) Anástrofe.

8. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa correta quanto ao que se afirma entre


parênteses a respeito do que estiver em destaque na estrutura sintática.
a) “Só que, enquanto uma vítima de estupro se vê forçada a reinventar a própria vida, na cultura do
estupor às vítimas resta apenas trocar a fonte, o canal ou o link dos terrores diários. Sair e voltar
a entrar no Facebook, por exemplo.” (Adjunto adverbial que indica modo).
b) “Só que, enquanto uma vítima de estupro se vê forçada a reinventar a própria vida, na cultura do
estupor às vítimas resta apenas trocar a fonte [...]” (adjetivo de dois gêneros que, no caso, tem o mesmo
sentido de: desacompanhado, unicamente, somente).
c) “Existem sociedades brasileiras.” (objeto direto).
d) “É absolutamente triste que precisemos de casos tão extremados para fazê-lo [...]” (objeto direto).
e) “Embora se assuma rápida e repetidamente a atribuição de culpabilização social e se deseje fazer crer
que esta seria uma característica encruada na sociedade brasileira” (sujeito).

50

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


9. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa em que a crase se justifica pela regência
nominal.
a) “Pode ir do embasbacamento à inconsciência.”.
b) “Da empatia seletiva à misantropia.”.
c) “[...] na cultura do estupor às vítimas resta apenas trocar a fonte.”.
d) “[...] ou pelo menos promover, a integridade de todos e o respeito ao sujeito e às individualidades.”.
e) “Da surpresa à alienação.”.

10. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Assinale a alternativa cujo item em destaque NÃO esteja


funcionando como pronome relativo no caso.
a) “A cultura do estupor funciona como a película dessa bolha [...]”.
b) “Não dou legitimidade nem por hipótese a preconceitos, seja de que espécie forem.”.
c) “É como uma hipótese sobre a qual não se quer nem pensar.”.
d) “[...]abrigando em seu interior diversos tipos de violência, entre as quais a de gênero e a própria
cultura do estupro.”.
e) “[...] mas na de uma educação humanizante, cujos resultados não visem meramente o sucesso
econômico e social [...]”.

NEM SEMPRE O SILÊNCIO É ESQUECIMENTO


Marcel Camargo

Ao contrário do que possa aparentar, muitas vezes o silêncio tem muito a dizer, carregando em
seu aparente vazio uma intensidade tamanha de sentimentos e de carga emocional muito mais
significativa do que enxurradas de palavras ou gestos exacerbados. O silêncio pode acalmar, ferir,
amparar ou até mesmo violentar, às vezes trazendo paz, outras vezes incitando tempestades – nem
sempre o silêncio é pacífico.
O silêncio pode ser revolta, rebeldia, contrariedade contida. Nem sempre estamos prontos para
expressar nossos pontos de vista, no sentido de verbalizar o que queremos, o que temos aqui dentro.
Assim, mesmo que estejamos discordando de algo, silenciamos, pois nos falta a coragem necessária
para que nos libertemos dessa prisão que nós próprios criamos, ou mesmo porque sabemos que
qualquer tentativa de diálogo será inútil e cansativa naquele momento.
O silêncio também pode corresponder à reflexão, a um turbilhão de pensamentos pulsando
dentro de nós. O pensamento e a fala devem conviver harmonicamente, de forma que um não atropele
o outro, colocando-nos em situações constrangedoras. Palavras, após proferidas, não voltam mais,
deixando suas marcas, muitas vezes negativas, nas nossas vidas e nas dos ouvintes. Pensar sobre o que
se diz é necessário, pois, caso possamos machucar alguém ou a nós mesmos, sem razão, é preferível
emudecer.
Às vezes, o silêncio é solidão, é vazio, solitude doída e emudecida. Mesmo acompanhados, ainda
que em meio a muitas pessoas, podemos estar solitários, sentindo-nos sem acolhida, sem partilha, sem
pertencimento. Como se não fizéssemos parte da vida do outro, como se fôssemos desimportantes,

51

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


dispensáveis. Perdidos nessa irrelevância emocional, ruímos por dentro, minando nossa autoestima e
nossa capacidade de ser feliz.
Outras vezes, o silêncio é desistência. Há momentos em que o mais prudente a se fazer é desistir
de algo, de alguém, de tentar convencer, de querer amar, de clamar por atenção e reciprocidade. Certas
situações nos pedem que partamos para outra, que canalizemos nossas forças e energias em direção ao
que nos trará contrapartida, retirando-nos dos apelos vazios, da mendicância afetiva, pelo bem de nossa
saúde física e de nosso equilíbrio emocional.
Silêncio, da mesma forma, pode significar desapego, libertação, livramento de amarras que nos
impedem o caminhar tranquilo de nossa jornada. Precisamos nos despedir de tudo aquilo que pesa em
nossos ombros, emperrando a visualização serena das possibilidades que nos aguarda o futuro. Temos
que serenar a celeridade que intranquiliza os nossos corações, jogando fora bagagens sem as quais
conseguiremos viver melhor.
O silêncio muitas vezes é mágoa, ressentimento, lamentação acumulada. Na impossibilidade de
encontrarmos coragem de vivermos nossas verdades por inteiro, de refutarmos o que não nos
completa, tampouco nos define, de impormos aquilo em que acreditamos, sufocamos nossos
sentimentos mais íntimos sob a infelicidade de parências condizentes com o que todo mundo espera -
exceto nós próprios. Nesses casos, o calar-se equivale ao crepúsculo moroso de nossa existência.
Felizmente, no entanto, o silêncio também pode - e sempre o deveria - implicar felicidade,
certezas, convicção e força. Sabermos os momentos certos para calarmos e guardarmos para nós aquilo
que pensamos nos salva de problemas dispensáveis com gente que não significa nada na nossa vida.
Quando estamos seguros quanto ao que somos, quanto aos nossos sonhos e planos de vida, nenhum
barulho é capaz de abalar as nossas verdades, minimamente que seja. Quando o silêncio guarda o que
temos de mais precioso, estamos então caminhando rumo ao alcance de nossos sonhos, para que
possamos dividi-los com quem compartilhamos amor de verdade, e com ninguém mais.

Adaptado de: <http://obviousmag.org/pensando_nessa_gente_da_vida/2015/nem-sempre-o-silencio-e-esquecimento.html>.

1. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Para Marcel Camargo, no texto, o que o


silêncio representa?
a) Simultaneamente, sentimentos opostos, relacionados a aspectos emocionais tanto negativos quanto
positivos. É preciso, dessa maneira, ter sabedoria para silenciar. Isso é possível a partir de um verdadeiro
autoconhecimento, que permite externalizar sensações, ainda que contraditórias, apenas com pessoas
que julgar importante.
b) Características, exclusivamente, negativas do ser humano, que implicam uma reflexão pessimista de
si mesmo, representadas por sentimentos de vazio, revolta, rebeldia, solidão, desistência etc. Assim, o
silêncio deve sempre ser externalizado.

52

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


c) Apenas aspectos positivos do comportamento humano, que implicam uma visão positiva de si
mesmo, caracterizados, por exemplo, por sensações de calma, paz, desapego, libertação etc. Dessa
forma, o silêncio deve sempre ser compartilhado.
d) Sentimentos, ao mesmo tempo, contraditórios, que se relacionam às características negativas e
positivas. Deve-se, então, evitar o silêncio, buscando sempre externalizar, com pessoas com as quais se
convive, as sensações contraditórias enfrentadas.
e) Timidez, sendo uma característica de pessoas reservadas e introvertidas. Desse modo, o silêncio é
uma forma de proteção, na qual a pessoa busca se guardar de julgamentos acerca de seus sonhos e
planos de vida.

2. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Observe a análise proposta para os excertos


do texto e assinale a alternativa correta.
a) No trecho “O pensamento e a fala devem conviver harmonicamente, de forma que um não atropele o
outro, colocando-nos em situações constrangedoras.”, o autor propõe que se deve falar o que pensa,
em qualquer circunstância, ainda que isso possa trazer situações desagradáveis.
b) O autor, no trecho “Silêncio, da mesma forma, pode significar desapego, libertação, livramento
de amarras que nos impedem o caminhar tranquilo de nossa jornada.”, orienta o leitor para que não
silencie, mas sempre busque a liberdade, compartilhando suas frustrações.
c) No excerto “Ao contrário do que possa aparentar, muitas vezes o silêncio tem muito a dizer,
carregando em seu aparente vazio uma intensidade tamanha de sentimentos [...]”, a construção das
ideias é realizada por meio do uso de termos com sentidos opostos, os quais instauram uma dualidade
em que, juntos, caracterizam o silêncio.
d) A partir do excerto “Mesmo acompanhados, ainda que em meio a muitas pessoas, podemos estar
solitários, sentindo-nos sem acolhida, sem partilha, sem pertencimento.”, o autor postula que o silêncio
está sempre ligado à solidão, ou seja, uma pessoa constantemente sociável dificilmente guardará seus
sentimentos.
e) Com base no trecho “Palavras, após proferidas, não voltam mais, deixando suas marcas, muitas vezes
negativas, nas nossas vidas e nas dos ouvintes”, o autor sinaliza que a exposição dos sentimentos é
sempre nociva para o ouvinte, por isso, o adequado é silenciar.

3. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Considere os trechos do texto e assinale a


alternativa correta.
a) No trecho “Outras vezes, o silêncio é desistência.”, a vírgula assinala o vocativo.
b) As vírgulas, no excerto “O silêncio muitas vezes é mágoa, ressentimento, lamentação acumulada.”,
sinalizam uma enumeração de elementos com mesmo valor sintático.
c) Tem-se, no trecho “Precisamos nos despedir de tudo aquilo que pesa em nossos ombros, emperrando
a visualização serena das possibilidades que nos aguarda o futuro.”, uma vírgula antecedendo conjunção
adversativa.
d) Na frase “Nesses casos, o calar-se equivale ao crepúsculo moroso de nossa existência.”, o uso da
vírgula está equivocado, pois separa o sujeito do verbo.

53

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


e) A vírgula presente no trecho seguinte antecede uma conjunção explicativa: “Temos que serenar a
celeridade que intranquiliza os nossos corações, jogando fora bagagens sem as quais conseguiremos
viver melhor.”.

4. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Na frase “Como se não fizéssemos parte da


vida do outro, como se fôssemos desimportantes, dispensáveis.”, o verbo destacado está conjugado na
a) primeira pessoa do plural, no modo indicativo e no tempo pretérito mais-que-perfeito.
b) primeira pessoa do plural, no modo subjuntivo e no tempo presente.
c) primeira pessoa do plural, no modo subjuntivo e no tempo pretérito imperfeito.
d) terceira pessoa do singular, no modo indicativo e no tempo pretérito imperfeito.
e) primeira pessoa do plural, no modo subjuntivo e no tempo futuro do pretérito.

5. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) No que se refere à concordância, assinale a


alternativa correta.
a) Em “[...] o silêncio tem muito a dizer, carregando em seu aparente vazio uma intensidade tamanha de
sentimentos [...]”, a palavra em destaque está inadequada, uma vez que deveria estar no masculino
(tamanho), devendo concordar com “vazio”.
b) Em “Temos que serenar a celeridade que intranquiliza os nossos corações, jogando fora bagagens
sem as quais conseguiremos viver melhor.”, o termo em destaque não está adequado, pois, por
concordar com “a celeridade”, deveria estar no singular.
c) Em “Silêncio, da mesma forma, pode significar desapego, libertação, livramento de amarras que nos
impedem o caminhar tranquilo de nossa jornada.”, o verbo em destaque deveria estar no singular, para
concordar com “livramento”.
d) No excerto “Nesses casos, o calar-se equivale ao crepúsculo moroso de nossa existência.”, o termo
em destaque deveria estar no plural (equivalem), pois, nessa frase, sintaticamente, deve concordar com
“Nesses casos”.
e) Em “O pensamento e a fala devem conviver harmonicamente”, o verbo em destaque está no plural
por concordar, adequadamente, com o sujeito composto que o antecede.

6. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Na oração “[...] o calar-se equivale ao


crepúsculo moroso de nossa existência.”, a palavra destacada pode ser substituída, sem prejuízo de
sentido, por
a) lento.
b) violento.
c) excessivo.
d) real.
e) ideal.

7. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Assinale a alternativa correta.


a) A palavra destacada a seguir é um pronome demonstrativo: “Nem sempre estamos prontos para
expressar nossos pontos de vista [...]”.

54

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


b) Em “Certas situações nos pedem que partamos para outra, que canalizemos nossas forças e energias
em direção ao que nos trará contrapartida [...]”, a palavra destacada é um verbo da terceira conjugação,
conjugado no particípio.
c) Em “Felizmente, no entanto, o silêncio também pode - e sempre o deveria - implicar felicidade [...]”, a
palavra destacada é uma preposição.
d) Em “Às vezes, o silêncio é solidão, é vazio, solitude doída e emudecida.”, o termo destacado é uma
locução adverbial.
e) A expressão destacada no excerto seguinte equivale a uma conjunção aditiva: “O silêncio muitas
vezes é mágoa, ressentimento, lamentação acumulada.”.

8. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Observe as afirmações a seguir e assinale a


alternativa correta.
a) A palavra grifada a seguir é um monossílabo oxítono: “Palavras, após proferidas, não voltam mais
[...]”.
b) No excerto “O silêncio pode acalmar, ferir, amparar ou até mesmo violentar, às vezes trazendo paz,
outras vezes incitando tempestades - nem sempre o silêncio é pacífico [...]”, a palavra grifada é um
polissílabo proparoxítono.
c) Em “[...] caso possamos machucar alguém ou a nós mesmos, sem razão, é preferível emudecer.”, o
termo em destaque é um trissílabo paroxítono.
d) A palavra destacada a seguir é um trissílabo oxítono: “Há momentos em que o mais prudente a se
fazer é desistir de algo, de alguém [...]”.
e) Na frase “Às vezes, o silêncio é solidão, é vazio, solitude doída e emudecida.”, a palavra destacada é
um dissílabo paroxítono.

9. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Assinale a alternativa correta.


a) Em “Sabermos os momentos certos para calarmos e guardarmos para nós aquilo que pensamos nos
salva de problemas dispensáveis [...]”, o termo em destaque introduz uma oração coordenada sindética
adversativa.
b) Em “Precisamos nos despedir de tudo aquilo que pesa em nossos ombros [...]”, há, em destaque, uma
oração subordinada substantiva subjetiva.
c) Em “Assim, mesmo que estejamos discordando de algo, silenciamos, pois nos falta a coragem
necessária para que nos libertemos dessa prisão [...]”, a frase em destaque é uma oração coordenada
sindética conclusiva.
d) Em “Certas situações nos pedem que partamos para outra [...]”, a oração em destaque é subordinada
substantiva objetiva direta.
e) O trecho em destaque a seguir é uma oração subordinada substantiva objetiva indireta: “Silêncio, da
mesma forma, pode significar desapego, libertação, livramento de amarras [...]”.

10. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 – Téc. de Enfermagem) Assinale a alternativa correta.

55

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


a) No excerto “Perdidos nessa irrelevância emocional, ruímos por dentro, minando nossa autoestima e
nossa capacidade de ser feliz.”, a expressão grifada apresenta regência correta, pois o substantivo
“capacidade” exige, nesse contexto, a preposição “de”.
b) Em “O silêncio também pode corresponder à reflexão, a um turbilhão de pensamentos pulsando
dentro de nós.”, a palavra destacada, nesse contexto, deveria estar com acento indicativo de crase,
devido à regência do verbo “corresponder”.
c) Em “Perdidos nessa irrelevância emocional, ruímos por dentro, minando nossa autoestima e nossa
capacidade de ser feliz.”, a expressão grifada apresenta regência incorreta, pois o substantivo
“capacidade” não exige, nesse contexto, preposição.
d) No trecho “Assim, mesmo que estejamos discordando de algo, silenciamos [...]”, a regência do verbo
em destaque está incorreta, pois “discordar”, nesse contexto, é transitivo direto.
e) Em “Assim, mesmo que estejamos discordando de algo, silenciamos [...]”, a regência do verbo em
destaque está incorreta, pois “discordar”, nesse contexto, é intransitivo.

RACIOCÍNIO LÓGICO

1. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Certo produto tem validade máxima determinada a partir das


condições de armazenamento enquanto a embalagem se mantém intacta. A partir do momento em que
esse produto é aberto, a validade cai para 10% do tempo registrado como validade máxima. Suponha
que, em condições normais de vedação, um vidro de palmito tenha validade máxima de 120 dias e que,
por um problema na linha de produção, a embalagem não tenha sido fechada corretamente. Tal defeito
fez com que a validade fosse reduzida por deixar o produto em situação idêntica à do produto aberto.
Dessa forma,
a) foram perdidos 108 dias da validade.
b) o produto deve ser consumido, obrigatoriamente, em menos de uma semana.
c) o produto pode ser consumido em até 108 dias.
d) ainda há mais de um mês para consumo.
e) a validade é 120 dias, independente das condições da embalagem.

2. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Considere os conjuntos A e B dados por A = {2, 5, 13, 17} e B = {3, 7,


11}. Ao selecionar um elemento “a” de A e um elemento “b” de B e escolhermos uma operação
hipotética “&”, é
correto afirmar que a & b pode ser
a) no máximo 28 se “&” for a operação “subtração”.
b) no mínimo 1 se “&” for a operação “subtração”.
c) no máximo 28 se “&” for a operação “divisão”.
d) no mínimo 1 se “&” for a operação “adição”.
e) no máximo 187 se “&” for a operação “multiplicação”.

56

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


3. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Considere a sequência a seguir na qual as sílabas PI, PA, PA, PA, RA,
PO se repetem incessantemente, reiniciando a partir da última, sempre na mesma ordem:
(PI, PA, PA, PA, RA, PO, PI, PA, PA, PA, RA, PO, PI, PA, PA, PA, RA, PO, ...)
É correto afirmar que o trigésimo termo dessa sequência é
a) PI.
b) PA.
c) RA.
d) PO.
e) MI.

4. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Para que uma proposição composta “P ou Q ou R” seja falsa,


devemos ter
a) exatamente duas falsas.
b) exatamente três falsas.
c) apenas R falsa.
d) apenas Q falsa.
e) apenas P falsa.

5. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016) Em um jogo de futebol, os times A e B se enfrentam. Se o time A


vence, Ana fica feliz. Se o time B vence, Bia fica feliz. Se os times A e B empatam, Ana e Bia ficam felizes.
É correto afirmar logicamente que
a) há apenas uma maneira de ambas ficarem tristes.
b) se Bia está feliz, Ana está triste.
c) há mais de uma forma de ambas ficarem tristes.
d) se Ana está feliz, Bia está triste.
e) ao menos uma fica feliz.

6. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 - Téc. de Enfermagem) Um aquário em forma de paralelepípedo


(como se evidencia na figura a seguir) tinha, inicialmente, certa quantidade de água que ocupava
metade de sua capacidade, atingindo uma altura igual a 20 centímetros. Após serem colocados os peixes
e alguns enfeites (completamente submersos), a água atingiu uma altura igual a 24 centímetros. Qual
percentual da capacidade do aquário está sendo ocupado pela água, pelos enfeites e pelos peixes?

a) 30%. b) 40%. c) 50%. d) 60%. e) 70%.

57

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


7. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 - Téc. de Enfermagem) Um grupo de 40 pessoas, em que todas já
tinham viajado para ao menos um destino da Europa ou da Ásia, respondeu a um questionário simples a
partir do qual se constatou que: 22 pessoas já tinham visitado a Ásia e 30 já tinham visitado a Europa.
Quantas pessoas desse grupo tinham visitado os dois continentes citados?
a) 52
b) 40
c) 30
d) 22
e) 12

8. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 - Téc. de Enfermagem) Uma brincadeira de um famoso programa de


televisão consistia em dizer todos os números inteiros de 1 até 40 substituindo os múltiplos de 4 pela
palavra “PIM”. Dessa forma, ganharia o prêmio a pessoa que contasse: UM, DOIS, TRÊS, PIM, CINCO,
SEIS, SETE, PIM, NOVE, DEZ .... TRINTA E NOVE, PIM. Qualquer erro (ordem errada, PIM no lugar errado
ou ausência de PIM) desclassificaria o participante. Uma pessoa perdeu a brincadeira por ter dito PIM
no lugar do número 18. Quantas vezes tal participante disse PIM?
a) 5
b) 4
c) 3
d) 2
e) 1

9. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 - Téc. de Enfermagem) Se “Toda paz é recompensa” e “Toda


recompensa te fará melhor”, é correto concluir, logicamente, que
a) “Não haverá guerra”.
b) “Toda paz te fará melhor”.
c) “Quem não ganha recompensa está em paz”.
d) “Só tem paz quem já está melhor”.
e) “Os melhores não precisam de recompensa”.

10. (EBSERH/HRL-UFS/AOCP/2016 - Téc. de Enfermagem) Se é falso dizer que “André foi e Andressa
foi”, certamente,
a) “André não foi”.
b) “Andressa não foi”.
c) “André não foi ou Andressa não foi”.
d) “André foi”.
e) “Andressa foi”.

58

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22


GABARITO

Legislação do SUS
1. E 9. V V V V 17. D
2. A 10. A 18. C
3. B 11. A 19. B
4. A 12. A 20. B
5. C 13. A 21. E
6. C 14. E 22. D
7. C 15. V V V 23. A
8. B 16. A

Legislação da EBSERH
1. C 8. C 15. C
2. B 9. D 16. D
3. A 10. E 17. D
4. A 11. A 18. B
5. D 12. C 19. C
6. A 13. C 20. B
7. C 14. E 21. E

Língua Portuguesa
1. A 8. E 15. E
2. B 9. D 16. A
3. D 10. A 17. D
4. E 11. A 18. B
5. C 12. C 19. D
6. B 13. B 20. A
7. C 14. C

Raciocínio Lógico
1. A 6. D
2. E 7. E
3. D 8. A
4. B 9. B
5. C 10. C

59

Glaucio Giscard Ribeiro Coutinho - 055.032.437-22

Você também pode gostar