Você está na página 1de 98

NOÇÕES BÁSICAS

DE INFORMÁTICA

PROF.ª DR. BRUNO MICHEL ROMAN PAIS SELES


SUMÁRIO

AULA 01 SISTEMA OPERACIONAL E APLICABILIDADES BÁSICAS 4

AULA 02 EXPLORANDO OS PRINCIPAIS RECURSOS DO SISTEMA OPERACIONAL 11

AULA 03 NAVEGANDO NA INTERNTET COM SEGURANÇA 16

AULA 04 A UTILIZAÇÃO DE E-MAILS 23

AULA 05 USO BÁSICO DO PROCESSADOR DE TEXTOS WORD 34

AULA 06 UTILIZAÇÃO BÁSICA DO EXCEL 44

AULA 07 USO BÁSICO DO POWERPOINT 56

AULA 08 A UTILIZAÇÃO DO CANVAS E DA ÁREA DO ALUNO 65

AULA 09 O COMPUTADOR TRAVOU OU ALGO DEU ERRADO? RESOLVENDO PROBLEMAS


BÁSICOS DA UTILIZAÇÃO DIÁRIA DE COMPUTADORES 84

AULA 10 A INFORMÁTICA NA NOSSA VIDA E A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 91


INTRODUÇÃO
Olá, acadêmico(a)! Neste livro você irá aprender algumas noções básicas de
informática. Para tal, este documento foi elaborado de maneira didática, com
passo-a-passo e dicas que irão facilitar o seu dia-a-dia junto ao computador.
O objetivo principal do livro é nivelar o conhecimento básico que os alunos
possuem sobre informática. Para atingir tal objetivo, este livro foi elaborado de
modo a apresentar conceitos básicos de informática, partindo das noções iniciais
sobre sistema operacional e suas funcionalidades até a utilização de softwares
mais complexos, como os do Pacote Office, e das plataformas Canvas e Área do
Aluno.
Ao longo dos próximos capítulos você será apresentado a algumas ferramen-
tas muito importantes no dia-a-dia acadêmico, como o Excel, Word e PowerPoint.
Essas ferramentas serão apresentadas em detalhes, pois elas são fundamentais
para um desempenho satisfatório dos alunos em todo o curso.
Ao final da disciplina, espera-se que você compreenda algumas das princi-
pais funcionalidades e aplicabilidades do sistema operacional. Que compreenda
as aplicabilidades básicas das ferramentas Excel, Word e PowerPoint. Espera-se
que você possa usá-las de maneira adequada durante todo o curso e em outras
situações do dia-a-dia.
Você também será apresentado ao Canvas e à Área do Aluno. Esses dois am-
bientes virtuais são fundamentais durante o curso, pois esses representam os
principais canais de comunicação entre aluno, curso, disciplinas, professores e
faculdade. Ao final da disciplina você compreenderá a importância desses am-
bientes e saberá como usá-los de maneira adequada.
Ademais, serão abordadas as formas de se comunicar por meio da utilização
de e-mails e de como navegar de maneira segura pela internet. Falando em se-
gurança, você aprenderá a importância que tem nos dias de hoje a segurança da
informação.
Por fim, você compreenderá a importância da aplicação da informática nos
dias atuais, principalmente nas empresas e nos negócios.
SISTEMA OPERACIONAL E
APLICABILIDADES BÁSICAS

AULA 01
O que é um sistema operacional?
Nesse capítulo iremos estudar o que é e quais funções possui um sistema
operacional. Quando você utiliza um dispositivo como celular, notebook ou com-
putador para acessar um site de notícias, uma rede social, ou qualquer site na
internet geralmente utiliza um navegador (ou browser), ou seja, você executa um
programa. O sistema operacional facilita essa execução de programas, permitindo
que compartilhem memória, interajam com dispositivos e outros programas, e
garante que o sistema funcione corretamente e com eficiência (CÓRDOVA JUNIOR;
LEDUR; MORAIS, 2018). Além disso, o sistema operacional controla o hardware,
que “fornece os recursos básicos de computação para o sistema” (CÓRDOVA JU-
NIOR; LEDUR; MORAIS, 2018, p.14), e coordena o uso do mesmo entre os progra-
mas para usuários. É importante saber que o sistema operacional não desem-
penha uma função final por si, mas sim, fornece um ambiente para que outros
programas possam desempenhar uma função final para o usuário. O sistema
operacional também fornece os meios para o uso correto do hardware, software e
dados. Quantos papéis e funções o sistema operacional possui, não é mesmo? O
sistema operacional está sempre em execução em um computador. Atualmente,
existe uma grande variedade de sistemas operacionais disponível, que podem
ser pagos, como o Windows da Microsoft, ou gratuitos, como alguns da Linux,
permitindo que o usuário escolha aquele que se encaixa em suas necessidades
(CÓRDOVA JUNIOR; LEDUR; MORAIS, 2018).

Como funciona um sistema operacional?

Agora que você sabe o que é um sistema operacional, o que acha de aprender
sobre o seu funcionamento e principais partes? O sistema operacional realiza
várias funções, como vimos a pouco. Vamos entender melhor o que são e como
são realizadas essas funções? Veja a seguir.
• Gerenciamento dos processos: o sistema operacional é responsável
por gerenciar a utilização de programas, como por exemplo, o Microsoft
Word, antivírus, entre outros instalados no computador.
• Gerenciamento de memória: o sistema operacional é responsável por
gerenciar a memória que cada programa utiliza no seu funcionamento,

5
além de gerenciar a memória utilizada por outros dispositivos conecta-
dos ao computador.
• Gerenciamento de dispositivos: o sistema operacional é responsável
por gerenciar os dispositivos, como impressora, scanner, mouse, tecla-
do, pen drive, entre outros, conectados no computador.
• Gerenciamento de cache: o sistema operacional é responsável pela
transferência de dados do disco para a memória (CÓRDOVA JUNIOR;
LEDUR; MORAIS, 2018).

Windows

O Windows é o sistema operacional mais popular do mundo. Muitos compu-


tadores vêm com uma cópia pré-instalada do Windows. Criado por Bill Gates e
vendido pela Microsoft, o Windows recebeu esse nome por causa das janelinhas
dos programas em execução que ele coloca em seu monitor, como mostra a Figu-
ra 1. O Windows vem com diversos softwares gratuitos instalados e que podem
realizar diversas funções. A atualização mais recente é o Windows 10, que possui
recursos práticos que facilitam a interação com o computador. É também a ver-
são mais segura do Windows, que fornece antivírus sem custo adicional, além de
diversas outras funcionalidades integradas.

Figura 1: Monitor com janelas abertas


Fonte: Elaborado pelo autor.

6
Funcionalidades do Windows 10

Por ser a versão mais recente e mais utilizada do Windows, no decorrer do


capítulo, vamos utilizar o Windows 10 como modelo para aprender as funciona-
lidades que um sistema operacional possui.
Inicialização: Ao ligar o computador, você será direcionado para a tela de
logon (entrada no sistema operacional), onde será selecionado o usuário que irá
utilizar o computador. A seguir, após selecionar o usuário, o Windows irá iniciar
a área de trabalho, como podemos observar na Figura 2.

Figura 2: área de trabalho Windows 10


Fonte: Elaborado pelo autor.

• Área de trabalho: na área de trabalho encontramos itens que nos di-


recionam para tarefas que queremos executar. Os principais itens que
encontramos na área de trabalho são: ícones (de programas instalados
no computador e pastas criadas com documentos, fotos, etc. que po-
dem ser adicionados ou excluídos conforme a preferência do usuário);
propriedades de rede (onde estão as configurações de internet); proprie-
dades de som (volume do som e configurações avançadas de áudio do
computador); propriedades de idioma do computador e do teclado, data

7
e hora; barra de tarefas (aqui, os programas que você utiliza com mais
frequência podem ser fixados para facilitar na hora de abri-los enquanto
está com uma outra janela aberta); botão iniciar (dá acesso ao menu
iniciar, que dá acesso aos outros menus e programas do Windows).
• Personalização: para personalizar seu Windows, clique com o lado di-
reito do mouse em qualquer espaço livre na área de trabalho. Abrirá
diversas opções, assim como mostra a Figura 3. Após selecionar a opção
“Personalizar”, você poderá modificar vários aspectos visuais como: ima-
gem de fundo da área de trabalho, aparência, proteção de tela (imagem
que aparece quando o computador está inativo), configurações etc.

Figura 3: Janela para personalização do Windows.


Fonte: Elaborado pelo autor.

8
• Acessórios do Windows: o Windows
possui diversas funcionalidades inte-
gradas que incluem muitos programas
e acessórios úteis, como: bloco de no-
tas, mapa de caracteres, Paint (ferra-
menta para trabalhar com imagens,
reprodutor de música e vídeo (Windo-
ws Media Player) etc. Na Figura 4 pode-
mos observar a lista desses acessórios.

Figura 4: Acessórios do Windows.


Fonte: Elaborado pelo autor.

• Janelas: a janela exibe todos os recur-


sos de um aplicativo do Windows. Para
abrir uma janela é só clicar no ícone
do aplicativo que deseja utilizar. Usare-
mos como exemplo o bloco de notas,
observando a Figura 5. A janela do blo-
co de notas possui barra de título (exi-
be o nome do aplicativo e do arquivo),
barra de menu (exibe opções como:
criar novo arquivo, salvar etc.), botão
minimizar (ocultar na barra de tarefas),
botão maximizar (expandir janela em
modo tela cheia), botão fechar (fechar
janela) e barras de rolagem (rolar para
ver o restante do arquivo). Figura 5: Bloco de notas
Fonte: Elaborado pelo autor

9
• Salvando arquivos: para que o arquivo que foi criado ou editado não
seja perdido ou possa ser utilizado depois, é necessário salvá-lo. Para
salvar um arquivo, clique em “Arquivo”, e em seguida em “Salvar”. Ao
salvar um arquivo pela primeira vez é necessário dar um nome a ele
e escolher onde ele ficará salvo (depois, caso prefira, pode mudar ele
para uma nova pasta, atalho, ou lugar de sua preferência). Ao salvar, na
lateral esquerda você pode observar a pasta selecionada e escolher o
local que o arquivo ficará salvo.
• Desligando o Windows: no botão iniciar temos três opções: suspender,
desligar e reiniciar, como mostra a Figura 6. Ao clicar na opção “Sus-
pender” o Windows entrará em modo de hibernação, ou seja, salvará o
estado da área de trabalho e dos arquivos abertos e desligará o com-
putador. Ao ser ligado novamente, a área de trabalho e os programas e
arquivos que estavam sendo utilizados continuarão no mesmo estado
que você deixou. Ao “Desligar” o Windows, todos os programas e janelas
que estavam abertos serão fechados, qualquer arquivo que foi editado
e não foi salvo irá se perder e você poderá desligar o computador com
segurança. Ao “Reiniciar” o Windows ele encerra e inicia novamente au-
tomaticamente, sem precisar que você o inicie manualmente.

Figura 6: botão para suspender/desligar/reiniciar o Windows


Fonte: Elaborado pelo autor.

10
EXPLORANDO OS
PRINCIPAIS RECURSOS DO
SISTEMA OPERACIONAL

AULA 02
11
A área de trabalho
A área de trabalho é o principal recurso de um sistema operacional, pois nela
estão os ícones, a barra de tarefas, o botão iniciar e o acesso a praticamente tudo
o que você for utilizar em seu computador. Imagine a área de trabalho como uma
mesa, onde você expõe todas as suas ferramentas para realizar um trabalho es-
pecífico. A área de trabalho funciona exatamente dessa forma.
Os ícones são figuras que representam as ferramentas existentes em um
sistema operacional. Por exemplo, a calculadora do Windows é representada por
um ícone que reproduz a imagem de uma calculadora real, para que a ferramenta
possa ser identificada apenas por uma figura. Os ícones podem ser adicionados
e excluídos da área de trabalho, conforme a necessidade do usuário. Veja na
Figura 1 os ícones padrão do Windows.
Esses ícones representam a Lixeira, o Usuário, o Computador,
a Rede e o Painel de Controle. Ao excluir algo do computador, o
que for excluído ficará na lixeira e pode ser recuperado ou ex-
cluído definitivamente. A pasta Usuário dá acesso aos arquivos
principais do usuário, como documentos, downloads, favoritos,
imagens etc. No ícone “Este Computador” é possível acessar tudo
o que existe no computador, além de ser possível navegar pelas
unidades de disco (disco rígido, flexíveis e removíveis). Acessando
a rede é possível visualizar os dispositivos de rede e conexão à
internet. O Painel de Controle permite que as configurações mais
importantes sejam feitas no sistema operacional, como configu-
rações de teclado, impressora, áudio e vídeo, por exemplo. Além
da instalação e desinstalação de novos programas e configuração
de perfis de usuário.
Figura 1: ícones padrão do Windows

A barra de tarefas pode ser utilizada para facilitar o acesso


aos arquivos que você mais utiliza, além de mostrar janelas aber-
Fonte: Elaborado pelo autor

tas. Por exemplo, suponhamos que você esteja criando um texto


no bloco de notas e decida abrir o reprodutor de músicas para
ouvir uma música que lhe agrade enquanto edita o texto. Você
não precisa fechar o bloco de notas para isso. Ao abrir outra jane-
la, a janela que estava em uso anteriormente fica minimizada na
barra de tarefas, e assim que decidir usá-la novamente, é só clicar

12
no ícone do aplicativo que fica na barra de tarefas, assim como mostra a Figura 2.

Figura 2: barra de tarefas


Fonte: Elaborado pelo autor.

Menu Iniciar

O menu iniciar dá acesso a tudo o que não está visível em sua área de trabalho.
Nele é possível acessar outros menus, aplicativos, arquivos, softwares e aplicações
que não são muito utilizadas e, por isso, não é necessário deixá-las visíveis na área
de trabalho ou na barra de tarefas. No Windows 10, o botão iniciar exibe uma lista
com tudo o que está instalado em seu computador e, ao lado, blocos que podem
ser personalizados com as pastas, arquivos, aplicativos que você queira ter um
acesso mais rápido, sem deixá-los expostos na área principal, como mostra a Fi-
gura 3. Além disso, do lado esquerdo à lista no menu iniciar, você encontra uma
pequena lista, com, originalmente, cinco ícones, que também podem ser editados.
Dois ícones principais já vêm configurados nessa lista, que são: “Configurações” e
“Ligar/Desligar”. O primeiro, como o próprio nome diz, dá acesso a todas as confi-
gurações do computador. No segundo, ao ser clicado, uma nova pequena janela
é aberta com as opções “Suspender”, “Desligar” e “Reiniciar”.

13
Figura 3: menu iniciar Windows 10.
Fonte: Elaborado pelo autor.

Organizando os arquivos

Em um sistema operacional, organizar os arquivos em pastas é importante


para facilitar a procura de um arquivo quando você precisar. Para exibir o conteú-
do de uma pasta, basta clicar na pasta que desejar e uma janela se abrirá, exibindo
tudo o que foi salvo nela. Você deve estar se perguntando: como eu posso criar
minhas próprias pastas? Para criar uma pasta, primeiro você deve abrir o local
que deseja que a pasta seja salva. Para você entender melhor, vamos usar como

14
exemplo a área de trabalho como o local para salvar a sua nova pasta. Com o
mouse apontando para uma área vazia na área de trabalho, clique em “Novo”, e
em seguida em “Pasta”. Observe esses passos na Figura 4. Pronto! Você já tem uma
pasta pronta para receber seus arquivos. Você pode dar um nome para sua pasta,
clicando com o lado direito do mouse em cima da pasta, e em seguida clicando
em “Renomear”. Escolha o nome de sua preferência e dê um Enter no seu teclado.
Para salvar arquivos na sua pasta, você tem mais de uma opção. Arrastando o
arquivo já criado até a pasta, você estará movendo o arquivo para a nova pasta.
Há também a opção de salvar um arquivo totalmente novo em uma pasta. Sendo
assim, para salvá-lo em uma pasta você deve clicar em “Arquivo”, em seguida em
“Salvar Como”, selecionar a pasta que irá receber o novo arquivo e clicar em “OK”.
Os arquivos que foram salvos em uma pasta podem ser modificados, movidos e
excluídos posteriormente.

Figura 4: Criando uma nova pasta.


Fonte: Elaborado pelo autor.

15
NAVEGANDO NA INTERNTET
COM SEGURANÇA

AULA 03
16
Os principais navegadores e suas
aplicabilidades e ferramentas
A internet está cada vez mais inserida no cotidiano de praticamente todas as
pessoas. É cada vez mais comum ver pessoas conectadas à internet enquanto
fazem, simultaneamente, outras tarefas, e outras a utilizam como ferramentas
para realizar uma tarefa específica. Para navegar na internet é necessário um
navegador (ou browser, em inglês). Mas o que é um navegador? O navegador
é um software que disponibiliza as ferramentas necessárias para o acesso aos
serviços de internet, ou seja, é uma ferramenta que possibilita a visualização de
conteúdo web. Os principais navegadores são: Google Chrome e Mozilla Firefox.
Ambos são navegadores seguros e gratuitos. O Mozilla Firefox, quando surgiu,
era o navegador mais leve, rápido, seguro e cheio de novidades da sua época. O
Google Chrome, que surgiu posteriormente ao Mozilla Firefox, e hoje é um dos
navegadores mais utilizados, é um navegador leve, ou seja, possui uma navegação
mais rápida, e é visualmente minimalista, o que o torna mais fácil utilizar.
A janela de um navegador possui alguns elementos gráficos que ajudam na
navegação, como podemos observar na Figura 1.

Figura 1: janela do navegador Google Chrome.


Fonte: Elaborado pelo autor.

17
As principais barras são compostas por:
• Barra de guias/abas: localiza-se na parte superior da janela do navega-
dor, onde é possível alternar entre as diferentes páginas abertas.
• Barra de navegação: é composta pela barra de navegação (que possui
os ícones de voltar para a página anterior, avançar para a próxima
página, atualizar página e ir para a página inicial), barra de endereço
(barra horizontal para inserir o endereço de sites que deseja buscar), e,
como em alguns navegadores diferentes do Chrome, barra de pesquisa
(barra horizontal para digitar o que deseja pesquisar). O Google Chrome,
como você pôde observar na Figura 1, possui nessa mesma barra um
ícone de login de usuário, ou seja, caso você tenha uma conta no Google,
pode entrar com ela em seu navegador para que todas as informações
que você acessa sejam salvas e sincronizadas com outros dispositivos.
Além disso, o ícone com três “pontinhos” verticais possibilita que você
personalize e controle seu navegador.
• Barra de favoritos: localizada logo abaixo da barra de navegação, ainda
na parte superior do navegador, apresenta atalhos para as páginas mais
visitadas pelo usuário. A barra de favoritos é totalmente personalizável,
ou seja, ela apresentará somente os sites que o usuário salvou, da forma
que ele salvou. Pode ser organizada em pastas e pode ser renomeada.
• Barra de direcionamento: essa barra contém quatro botões e se locali-
za dentro da janela do navegador, no canto superior direito. É composta
pelo botão Gmail, que direciona o usuário para o e-mail do Google;
botão Imagens, que habilita a barra de pesquisa para pesquisa em Ima-
gens; botão Google Apps, um ícone em forma de cubo composto por
pontos, que direciona o usuário para os aplicativos do Google; botão
usuário, que direciona o usuário para o login na conta do Google.
• Visão geral: no centro do navegador, onde há o logo do Google, em da-
tas importantes (feriados, eventos importantes, aniversário de famosos
etc.) habilita-se o modo doodle, que pode ser um GIF, uma ilustração ou
um joguinho. Abaixo há a barra de pesquisa do Google, onde é possível
digitar o que o usuário deseja buscar. Logo embaixo, podemos encon-
trar os atalhos para as páginas mais visitadas pelo usuário.

18
Funcionalidades dos navegadores

As principais funcionalidades que os navegadores possuem são:


• Página inicial: página padrão na inicialização de um navegador.
• Downloads: arquivos baixados pelo usuário.
• Histórico: lista com sites que foram visitados.
• Navegação privativa: navegação sem rastros de histórico ou de busca.
• Tela cheia: visualização da janela com preenchimento em toda área de
trabalho.
• Bloqueador de pop-ups: impede que janelas de anúncios apareçam.
• Proteção contra rastreamento: evita que informações sobre sua na-
vegação sejam enviadas a provedores de conteúdo.
• Cookies: arquivos de texto que armazenam informações básicas sobre
o usuário, como idioma, carrinho de compras, registro de navegação etc.
• Cache: armazenamento temporário de informações de sites visitados
para acelerar a navegação.
• Plugins, extensões e complementos: plugins são programas exter-
nos que permitem a utilização de recursos que não estão nativamente
disponíveis, como por exemplo, o Adobe Flash Player. Extensões são
programas que adicionam recursos ao navegador e personalizam a ex-
periência de navegação. Os complementos (ou Add-On) são o conjunto
de plugins e extensões.

O que é um programa antivírus? Qual sua importância?

Os vírus de computador apresentam significantes riscos que podem destruir


um computador. O vírus pode ser um programa malicioso ou uma pequena parte
dele que se propaga infectando arquivos, e que pode se auto copiar e hospedar-se
em programas para se dar continuidade à infecção, pois precisam da execução
de um hospedeiro para se propagar. O antivírus é a ferramenta que irá impedir
que um vírus infecte o computador e remover os vírus que já existem, além de
combater a infecção por novos vírus. A prevenção é a solução ideal, pois evita que
um vírus entre no sistema. O antivírus possui técnicas, que são:

19
• Detecção: quando o vírus infecta algum programa no computador o
antivírus o localiza.
• Identificação: identifica qual vírus infectou o programa.
• Remoção: após a identificação do vírus, é hora de remover todos os
traços do vírus do programa e restaurá-lo ao seu estado original.
Outra técnica do antivírus é colocar o arquivo infectado em quarentena, ou
seja, uma área virtual onde são armazenados arquivos considerados malignos,
enquanto o antivírus aguarda uma confirmação de risco. É uma opção mais segura
para quem não deseja perder arquivos importantes também. Dessa forma, os ar-
quivos ficam armazenados em um lugar seguro até que possam ser recuperados.
Geralmente, os sistemas operacionais fornecem antivírus sem custo adicional.
Observe na Figura 2 a janela inicial do antivírus do Windows 10. Caso seu sistema
operacional não ofereça essa opção, existem diversos antivírus no mercado que
podem ser instalados gratuitamente ou não. As opções gratuitas de antivírus
costumam ser limitadas, enquanto pacotes mensais ou anuais oferecem maior
segurança. Ao escolher um antivírus é importante considerar quais são as suas
necessidades, pois muitas vezes as opções gratuitas podem ser suficientes. Os an-
tivírus mais populares do mercado são: Avast, McAfee, Bitdefender, entre outros.

Figura 2: Antivírus Windows 10


Fonte: Elaborado pelo autor.

20
Como usar um antivírus adequadamente?

O antivírus precisa ser executado corretamente para que seja eficaz. Na pá-
gina inicial do antivírus Avast você pode observar, assim como mostra a Figura
3, algumas tarefas que podem ser executadas para melhorar o desempenho do
seu antivírus.

Figura 3: executando o antivírus


Fonte: Elaborado pelo autor

O escaneamento de vírus é muito importante para que o antivírus procure


arquivos maliciosos em seu computador. O escaneamento deve ser realizado re-
gularmente para evitar que seu computador fique infectado. Na opção “Módulos
principais” é possível selecionar quais módulos devem ficar ativados dentre as
defesas essenciais, como: módulo arquivo (escaneia os arquivos do computador),
módulo comportamento (avisa se algum aplicativo se comportar e maneira sus-
peita), módulo internet (bloqueia ataques web e downloads inseguros), módulo
e-mail (bloqueia e-mail com possíveis infecções). O “Cofre de Vírus” exibe as amea-
ças que foram detectadas e as armazena para não danificarem o computador.
O “verificador de Wi-Fi verifica se seu computador está conectado em uma rede
segura. Além disso, é importante ser cauteloso ao entrar em certos sites, pois

21
alguns são cheios de vírus que podem danificar o computador. O antivírus pode
bloquear muitas ameaças, mas algumas podem passar despercebidas e infectar
seu computador, podendo danificar permanentemente. Por isso, sempre verifi-
que se os programas que deseja baixar e os sites que costuma visitar são de fato
seguros, pois, além de proteger seu computador, você estará protegendo suas
informações e seus dados.

22
A UTILIZAÇÃO DE E-MAILS

AULA 04
23
Para que serve um e-mail?
O e-mail é um método que permite enviar e receber mensagens através do
computador, celular, tablet etc. Para enviar um e-mail é necessário ter acesso a
alguma rede de internet, pois os servidores de e-mail utilizam a internet para
enviar e receber mensagens. A comunicação por e-mail independe do tempo, ou
seja, duas pessoas podem se comunicar através de mensagens por e-mail sem
a necessidade de estar conectadas ao mesmo tempo; a comunicação pode ser
realizada conforme ambas tenham tempo disponível. O e-mail foi um importante
meio de comunicação na criação da internet, pois revolucionou a maneira como
as pessoas trocavam mensagens e substituiu cartas, telegramas, bilhetes entre
outros.

Os principais e-mails gratuitos e disponíveis

Para utilizar o e-mail é necessário possui uma conta cadastrada em um prove-


dor de e-mail. Os provedores disponibilizam vários recursos para facilitar o envio
de mensagens. Quer saber como criar uma conta em um provedor de e-mail? Da-
qui a pouco falaremos disso. Primeiro, vamos conhecer os principais provedores
de e-mail gratuitos.
• Gmail: é um provedor do Google que inclui muitos recursos avançados.
Está entre os provedores de e-mail mais utilizados.
• Outlook: o provedor de e-mail da Microsoft, assim como o Gmail, pos-
sui muitos recursos avançados. Além disso, se integra com o sistema
operacional, também da Microsoft, Windows.
• iCloud Mail: é o provedor de e-mail muito utilizado por usuários da
Apple (iPhone, iMac, dentre outros). Inclui alguns recursos de e-mail
avançados.
Além desses três principais provedores, podemos incluir Yahoo e Mail.com,
que também são gratuitos.

24
Criando um e-mail

Agora que já sabemos para que serve um e-mail e seus principais provedores,
é hora de aprender como criar um e-mail. Vamos usar como modelo um provedor
de e-mail do Google, o Gmail.
O primeiro passo para criar um e-mail é acessar o navegador no compu-
tador. Com a janela do navegador aberta, vá até a barra de endereço e digite:
www.gmail.com. Aperte a tecla “Enter” em seu teclado. Você será direcionado para
a página de login, como mostra a Figura 1.

Figura 1: Página de login do Gmail


Fonte: Elaborado pelo autor.

Para criar uma conta clique em “Criar Conta”, que se encontra próximo ao canto
inferior esquerdo. Em seguida, aparecerá uma janela com as opções “Para mim” e
“Para gerenciar meu negócio”. Clique em “Para mim”, pois iremos aprender a criar
uma conta de e-mail pessoal, ou seja, para você mesmo usar para fins pessoais.
A próxima etapa, como mostra a Figura 2, é fornecer as informações que foram
solicitadas pelo Google, como:
• Nome;
• Sobrenome;
• Nome de usuário (escolha um nome que deseja usar em seu endereço

25
de e-mail, pode ser seu nome mesmo);
• Senha (essa senha deve ser memorizável para que na próxima vez que
você usar sua conta de e-mail você tenha ela em mente);
• Confirmar (confirme a senha que você escolheu e foi digitada anterior-
mente;

Figura 2: Criando uma conta de e-mail.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Após preencher todos os espaços clique em “Próxima”, que se encontra pró-


ximo ao canto inferior direito. O Google solicitará um número de telefone e um
endereço de e-mail para recuperação (pode ser um endereço de e-mail de outra
pessoa), que são opcionais, data de nascimento e gênero, como mostra a Figura
3. Gostaria de saber o motivo de tanta pergunta? Clique em “Por que pedimos
essas informações”, que fica logo abaixo da última informação que você inseriu.

26
Figura 3: Etapa da criação de
uma conta de e-mail.
Fonte: Elaborado pelo autor.

A próxima etapa é Privacidade e Termos, como na Figura 4. É importante ler


todo o conteúdo dessa página antes de finalizar e criar seu e-mail. Após ler e
concordar com os Termos de Serviço, clique em “Concordo”. Seu e-mail foi criado.
Agora é hora de mandar sua primeira mensagem via e-mail

Figura 4: Privacidade e Termos.


Fonte: Elaborado pelo autor. 27
Mandando mensagens

Com o e-mail criado, é hora de aprender a enviar uma mensagem via e-mail.
Na página inicial do Gmail, você pode observar o botão “Escrever”, como mostra a
Figura 5. Ao clicar nesse botão, abrirá uma janela no canto inferior direito (obser-
ve, ainda a Figura 5) com o título “Nova mensagem”. Digite o endereço de e-mail
da pessoa que deverá receber sua mensagem (destinatário) na barra “Para”, e o
assunto principal da mensagem na barra de “Assunto”. Você pode inserir mais
de um destinatário no mesmo e-mail e tem as opções de colocá-lo em cópia (cc)
ou cópia oculta (cco). O modo de destinatário em cópia é utilizado quando você
deseja enviar um e-mail para um destinatário final, mas quer que outra pessoa
tenha conhecimento do conteúdo do e-mail, sendo assim, o endereço dessa pes-
soa será inserido no campo “Cc” (em cópia). O destinatário saberá quem está
visualizando o conteúdo da mensagem em cópia, assim como quem está em
cópia visualizará quem é o destinatário. Mas suponhamos que você não queira
que um saiba sobre o outro. A opção cópia oculta serve exatamente para isso! O
destinatário não saberá quem está em cópia e nem quem está em cópia saberá
sobre o destinatário. Após inserir essas informações, escreva sua mensagem no
espaço em branco, abaixo. Você pode formatar o texto, utilizar emojis, anexar ar-
quivos (imagens, documentos, vídeos etc.), inserir link, inserir arquivos do Google
Drive e até ativar modo confidencial. Todas essas opções se encontram abaixo, ao
lado do botão de Enviar. Após terminar de escrever seu e-mail, clique em “Enviar”.
Caso não goste do resultado, você pode excluí-lo. É só clicar no ícone de lixeira
no canto inferior direito.

28
Figura 5: Página inicial do e-mail.
Fonte: Elaborado pelo autor.

Anexando arquivos às mensagens

Agora que você já sabe como enviar uma mensagem por e-mail é hora de
aprender como anexar um arquivo à mensagem. É bem simples.
Depois que você escrever a mensagem do e-mail, como na Figura 6, você pode
anexar um arquivo à mensagem clicando no ícone em forma de “clipe” – aquele
clipe que usamos para prender folhas de papel. A posição e o formato do ícone
podem variar de acordo com o e-mail que você possuir. Aqui estamos usando
como exemplo o Gmail do Google. Então fique atento ao layout do e-mail que
você utiliza.
Depois de clicar no ícone em forma de clipe, ou no botão de anexar arquivo,
abrirá uma janela para que você escolha o arquivo que deseja anexar. Veja o
exemplo apresentado na Figura 7. Você pode anexar uma grande variedade de
arquivos, como: arquivo de texto, apresentações feitas no Microsoft PowerPoint,
planilhas feitas no Microsoft Excel, imagens, arquivos no formato PDF, entre ou-
tros vários tipos. No entanto, você tem que ficar atento ao tamanho do arquivo
que deseja anexar. Normalmente, cada provedor de e-mail possui um limite de

29
tamanho para os arquivos que são anexados. Então é importante procurar essa
informação junto ao seu provedor. Enfim, depois que você escolheu a figura que
deseja anexar entre os arquivos de seu computador, é só selecionar o arquivo e
clicar no botão “Abrir” da janela que se abriu para você escolher o arquivo.
Uma dica muito importante, você pode anexar mais de um arquivo por men-
sagem, desde que a somatória total dos tamanhos dos arquivos não ultrapasse
o limite estabelecido pelo seu provedor de e-mail.

Figura 6: Anexando um arquivo à


mensagem de e-mail
Fonte: Elaborado pelo autor

30
Figura 7: Escolhendo um arquivo para
anexar à mensagem de e-mail.
Fonte: Elaborado pelo autor.

Caixa de entrada: Lendo e gerenciando e-mails


recebidos

Você já sabe como escrever e enviar um e-mail, agora você irá aprender a como
visualizar os e-mails que recebe.
Veja a Figura 8, nela você verá que o local onde visualiza as mensagens rece-
bidas é denominado como “Caixa de Entrada”. Nela você terá acesso a todos os
e-mails que te enviaram. No Gmail ela fica no canto esquerdo da tela, mas pode
variar de acordo com o provedor de e-mail que você utiliza.
Para ler cada mensagem recebida é só clicar no título do e-mail, que fica entre
o nome do remetente e uma prévia da mensagem. No exemplo, apresentado na
Figura 8, o título da mensagem é o seguinte: “Parabéns pelo seu trabalho com as
bolinhas”. Para abrir a mensagem é só clicar na região do título.
Após clicar você poderá visualizar a mensagem completa, como ilustrado na
Figura 9.

31
Figura 8: Visualizando a caixa de entrada do e-mail
Fonte: Elaborado pelo autor.

Figura 9: Visualizando uma mensagem com-


pleta na caixa de entrada do e-mail
Fonte: Elaborado pelo autor.

32
Spam: Cuidados e dicas
Neste Capítulo você aprendeu o que é um e-mail, como criar um e-mail, como
enviar e ler mensagens. No entanto, é muito importante ficar atento aos tipos de
mensagens que você recebe, pois podem conter vírus. Então, uma dica muito im-
portante é somente abrir links e arquivo recebidos por e-mail se você realmente
conhecer ou confiar no remetente.
Hoje em dia, nossos e-mails são bombardeados por diversos lixos eletrô-
nicos, chamados de Spam. Os Spams são mensagens com conteúdo que você
não desejaria ver, como propagandas em excesso e, principalmente, conteúdos
impróprios ou maliciosos (com links ou anexos com vírus).

Isto está
na rede
Veja esta matéria do Techtudo sobre o que é spam e alguns cuidados que
podem ser tomados. Acessem o link a seguir para ter acesso completo à
matéria. Ah, não se preocupe, não é um Spam!
Link: https://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/07/o-que-e-s-
pam.html

33
USO BÁSICO DO
PROCESSADOR DE TEXTOS
WORD

AULA 05
34
Interface, principais recursos e
utilidades
No primeiro capítulo falamos sobre a Microsoft, empresa que criou o sistema
operacional Windows, você se lembra? Além do sistema operacional Windows, a
Microsoft criou outros softwares, dentre eles, a Suíte de Aplicações Office, que é
um conjunto de aplicações voltadas para tarefas relacionadas a escritório. Afinal,
a palavra Office vem do inglês e significa escritório.
O Word é uma das principais aplicações da Suíte de Aplicações Office e é um
software processador de texto. O Word possibilita, além da criação de textos,
inúmeras possibilidades de formatação, como formatação de fontes, parágrafos,
imagens, gráficos, estilos, formas etc. Vamos conhecer um pouco mais do Word?
A primeira impressão que algumas pessoas podem ter ao ver a interface do Word
é que deve ser complicado trabalhar com o software. Na verdade, ao conhecer
cada um dos ícones e para que cada um deles serve fica bastante fácil. Então,
começaremos conhecendo a interface do Word.

Figura 1: Interface da página inicial do Word.


Fonte: Elaborado pelo autor.

35
Ao abrir o Word você será apresentado à interface inicial, como mostra a Figura
1. No canto esquerdo da janela, após já ter criado algum documento no Word,
haverá uma lista de Documentos Recentes de todos os documentos que foram
recentemente criados e editados. Abaixo dessa lista, o botão “Abrir Outro Docu-
mento” possibilita a abertura de documentos do tipo Word existentes em seu
computador. Ao observar a Figura 1, você deve ter percebido que o Word ofere-
ce a possibilidade de procurar modelos de documentos online, pesquisando na
barra “Procurar modelos online”, na parte superior da janela, além dos modelos
disponíveis offline de currículos, carta de apresentação, dentre outros. O Word
também fornece informações de como usá-lo na opção “Fazer um tour”. Agora
você deve estar querendo saber como criar um documento de texto no Word,
não é mesmo? A primeira opção de documento é “Documento em branco”, que é
o botão inicial para começar a criar um documento de texto no Word. Após abrir
um Documento em Branco você será apresentado à área de documento, onde
irá digitar o texto, como mostra a Figura 2.

Figura 2: Área de documento.


Fonte: Elaborado pelo autor.

36
A Área de Documento é composta por:
• Barra de ferramentas de acesso rápido, no canto superior. Contém o
acesso rápido para salvamento do arquivo (primeiro ícone), para des-
fazer alteração no documento (segundo ícone) e para refazer e perso-
nalizar alteração no documento (terceiro ícone);
• Faixa de opções, logo abaixo da barra de ferramentas. Todas as ferra-
mentas e opções de formatação de texto se encontram aqui;
• Barra de títulos, abaixo da faixa de opções. Exibe o nome do documento,
identifica o software (Word) e possui os botões de minimizar, restaurar/
maximizar e fechar;
• Página, onde o texto será editado;
• Barra de status, localizada no canto inferior. Contém informações ins-
tantâneas e atalhos de alteração do modo de exibição.

Trabalhando com documentos

Agora que você já conhece um pouco da interface do Word, chegou a hora de


digitar o primeiro texto. Mas, primeiro, é importante conhecer a função de algu-
mas teclas do seu teclado que serão bastante utilizadas (SILVA, 2014).
• Barra de espaços: insere espaços em branco entre uma palavra e outra.
• Shift: Permite inserir letras maiúsculas e acessar segunda função da
tecla (símbolo na parte de cima da tecla). Funciona apenas quando pres-
sionada simultaneamente com outra tecla.
• Delete: Exclui caracteres à direita do cursor.
• Backspace: Exclui caracteres à esquerda do cursor.
• Setas: São utilizadas para movimentar o cursor pelo documento.
• Enter: Cria e move o cursor para uma linha abaixo.
• Caps Lock: Quando ativado, trava as letras do teclado em maiúsculas,
ou seja, todas as letras digitadas aparecerão em caixa alta.
• Insert: Alterna modos de inserção e sobreposição de texto.

37
Salvando documentos Word

Após finalizar seu texto você precisará salvá-lo para não correr o risco de perdê-
-lo. Para salvar o seu arquivo Word, clique no botão Salvar na barra de ferramentas
de acesso rápido, ou em Arquivo, na faixa de opções. Você será direcionado para
uma lista com algumas opções. Selecione a opção “Salvar Como”, em seguida,
selecione o local que deseja salvar seu arquivo. Em seguida, escolha um nome
para seu arquivo e para finalizar, clique em “Salvar” (SILVA, 2014).

Formatando documentos Word

Existem diversas possibilidades de formatação de texto no Word, que você


poderá ir personalizando e aprimorando conforme desejar. Iremos usar a for-
matação de acordo com a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que
é a formatação mais utilizada em documentos para fins educativos, profissionais
etc. É uma formatação mais formal e que facilita a compreensão do conteúdo a
ser lido. As principais normas da ABNT são:
• O tamanho do documento deve ser A4 (21 cm x 29,7 cm), que é o tama-
nho de uma folha sulfite comum;
• Margens de 3 cm superior e esquerda, e 2 cm inferior e direita. Para
criar margens, clique em “Layout” na faixa de opções, como mostra a
Figura 3. Em seguida, clique em “Margens”, em seguida em “Margens
Personalizadas” e edite as medidas conforme as normas ABNT (observe
a Figura 4);

Figura 3: Editando o Layout no Word.


Fonte: Elaborado pelo autor.

38
Figura 4: Personalizando Margens no Word.
Fonte: Elaborado pelo autor.

• A fonte solicitada deve se Arial ou Times New Roman, com cor preta,
tamanho 12 para o corpo do texto e 10 para citações longas, notas de
rodapé, legendas e paginação. Para formatar sua fonte, ainda na faixa
de opções, selecione a opção “Página Inicial”. Na barra “Fonte”, no canto
superior, edite a fonte (Arial ou Times); ao lado edite o tamanho e, mais
abaixo, no ícone com uma letra “A” maiúscula e uma pequena barra em-
baixo, selecione a cor preta. Observe a Figura 5 para entender melhor.

Figura 5: Formatando a fonte.


Fonte: Elaborado pelo autor.
• O espaçamento entre as linhas deve ser de 1,5 para o corpo do texto
e 1,0 (espaçamento simples) para citações com mais de três linhas (ci-
tações diretas), notas de rodapé, legendas dos elementos especiais e
referências bibliográficas. Para editar o espaçamento, ainda na Página
inicial, na barra “Parágrafo”, selecione a opção “Espaçamento de Linha
e Parágrafo” (ícone com uma flecha apontando para cima e uma para
baixo e quatro linhas ao lado) e selecione a medida.

39
Figura 6: Espaçamento entre linhas
Fonte: Elaborado pelo autor.

• O recuo da primeira linha de um parágrafo é de 2 cm. Para configurar a


medida do recuo, vá novamente em “Parágrafo”, depois até “Configura-
ções de Parágrafo” (ícone no canto inferior direito). Na opção “Recuo”,
edite as medidas e clique em “OK”.

Figura 7: Editando as medidas de recuo.


Fonte: Elaborado pelo autor.

40
Como inserir objetos: figuras e tabelas.

O Word permite que se insira diversos objetos em um documento, como ima-


gens, formas, quadros e tabelas. Para inserir uma imagem em um documento,
selecione a opção “Inserir” na faixa de opções (Figura 8), em seguida clique em
“Imagens”. Em seguida abrirá uma janela com as pastas que contêm Imagens
em seu computador (Figura 9). Selecione a imagem que deseja usar e clique em
“Inserir”.

Figura 8: Inserindo imagens em um documento.


Fonte: Elaborado pelo autor

Figura 9: Selecionando a imagem a ser inserida.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Para inserir uma tabela no seu documento, assim como para inserir uma ima-
gem, selecione a opção “Inserir” na faixa de opções, em seguida clique em “Tabela”.
Personalize sua tabela conforme desejar selecionando os quadradinhos, como
mostra a Figura 10. Você pode também inserir uma planilha do Excel (vamos

41
estudar sobre o Excel no decorrer dos capítulos), tabelinhas rápidas, desenhar
tabela, e também pode personalizar sua tabela com estilos, bordas, cores e som-
breamento (Figura 11).

Figura 10: Inserindo uma tabela em um documento.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Figura 11: Personalizando uma tabela.


Fonte: Elaborado pelo autor.

42
Principais funções de atalhos

Você sabia que existem alguns atalhos que podem ser úteis enquanto você
escreve um texto no Word? Sim, existem algumas funções de atalho que você
pode usar durante a escrita, que oferecem maior agilidade no processo de escrita.
Algumas das principais funções de atalho são:
• Copiar: o atalho copiar serve para copiar um texto ou um trecho de um
texto que já foi escrito. Pode ser do próprio documento que está sendo
escrito, no Word mesmo, de um arquivo de outro software que pode
ser editado e até de uma página da internet. Para fazer o atalho copiar,
pressione simultaneamente a tecla “Ctrl” + “C” (letra C no teclado) em
seu teclado.
• Colar: sabe o texto que você copiou usando o atalho copiar? Para in-
seri-lo em seu documento Word, basta pressionar simultaneamente a
tecla “Ctrl” + “V” (letra V no teclado) em seu teclado.
• Desfazer: Sabe quando você está escrevendo um texto e erra uma pa-
lavra ou um trecho do texto? Para apagá-lo rapidamente, você pode
utilizar o atalho “Desfazer”. Para fazer o atalho “Desfazer”, pressione
simultaneamente a tecla “Ctrl” + “Z” (letra Z no teclado) em seu teclado.

43
UTILIZAÇÃO BÁSICA DO
EXCEL

AULA 06
44
Interface, principais recursos e
utilidades
No capítulo anterior, aprendemos como utilizar o software Microsoft Office
Word. Neste capítulo iremos estudar sobre o Microsoft Office Excel, que assim
como o Word, é uma aplicação da Suíte de Aplicações Office. O Microsoft Office
Excel é um editor de planilhas eletrônicas. Mas o que é isso? As planilhas eletrô-
nicas, que podem também ser chamadas apenas de planilhas, são tabelas para
realização de cálculos ou apresentação de dados, que contêm linhas e colunas
(SILVA, 2015), como mostra a Figura 1.

Figura 1: Planilha eletrônica.


Fonte: Elaborado pelo autor.

O cruzamento de uma fileira com uma coluna chama-se célula. O Excel pos-
sibilita construir fórmulas, e ao modificar os valores em células diferentes, as
fórmulas são automaticamente recalculadas, facilitando a execução de análises
e simulações. Além disso, o Excel permite executar vários tipos de tarefas comer-
ciais, científica e de engenharia (SILVA, 2015).

45
Antes de aprender a utilizar o Excel é importante conhecer os elementos que
constituem sua interface e seus principais recursos e utilidades. Ao abrir o Excel,
você será apresentado à uma interface inicial muito parecida com a interface
inicial do Word, mas claro, com os recursos do Excel.

Figura 2: Interface inicial do Excel.


Fonte: Elaborado pelo autor.

No canto esquerdo da janela, após já ter criado alguma pasta de trabalho no


Excel, haverá uma lista de pastas de trabalho Recentes, de todas as pastas de
trabalho que foram recentemente criadas e editadas. Abaixo dessa lista, o botão
“Abrir Outras Pastas de Trabalho” possibilita a abertura de pastas de trabalho do
tipo Excel existente em seu computador. Ao observar a Figura 2, você deve ter
percebido que o Excel oferece a possibilidade de procurar modelos de documen-
tos online, pesquisando na barra “Procurar modelos online”, na parte superior
da janela, além dos modelos disponíveis off-line de tabela dinâmica, fórmulas,
agendas, calendários etc. O Excel também fornece informações de como usá-lo
na opção “Fazer um tour”. Agora você deve estar querendo saber como criar uma
pasta de trabalho no Excel, não é mesmo? Na lista de modelos, a primeira opção
é “Pasta de Trabalho em branco”, que é o botão inicial para começar a criar uma
pasta de trabalho no Excel. Após abrir uma Pasta de Trabalho em branco você

46
será apresentado à área de trabalho, ou “Nova planilha”, como mostra a Figura 3.

Figura 3: Nova planilha.


Fonte: Elaborado pelo autor.

A área de planilha é composta por:


• Barra de ferramentas de acesso rápido, no canto superior. Contém o
acesso rápido para salvamento do arquivo (primeiro ícone), para des-
fazer alteração no documento (segundo ícone) e para refazer e perso-
nalizar alteração no documento (terceiro ícone);
• Faixa de opções, logo abaixo da barra de ferramentas. Todas as ferra-
mentas e opções de edição de planilhas se encontram aqui;
• Barra de títulos, abaixo da faixa de opções. Exibe o nome da pasta de
trabalho, identifica o software (Excel) e possui os botões de minimizar,
restaurar/maximizar e fechar;
• Barra de fórmulas, para inserir funções que referenciam células.
• Planilha eletrônica, área central com colunas e linhas.
• Guia de planilhas, se encontra no canto inferior e permite selecionar,
criar, excluir, renomear, mover, copiar, exibir, ocultar e modificar a cor
das planilhas.

47
• Barra de status, se encontra na região mais inferior da janela e exibe o
status da célula, atalhos de modo de exibição e zoom.
• Barra de exibição, localiza-se no canto inferior direito. exibe atalhos para
os principais modos de exibição e permite modificar o zoom da planilha
(SILVA, 2015).

Como criar uma pasta de trabalho

Agora que você já conhece uma interface do Microsoft Office Excel, é hora de
criar sua primeira pasta de trabalho. Você já aprendeu a abrir uma pasta de tra-
balho em branco, lembra? Não? Bom, então vamos revisar. Na lista de modelos,
na interface inicial, a primeira opção é “Pasta de Trabalho em branco”. Após abrir
uma Pasta de Trabalho em branco você será apresentado à área de trabalho, ou
“Nova planilha” (Figura 3).
A pasta de trabalho padrão contém uma planilha (Planilha 1), e para adicionar
novas planilhas basta clicar no ícone com o símbolo de “mais” (+) que fica à direita
da Planilha 1, e novas planilhas são criadas, das planilhas seguintes, como mostra
a Figura 4.

Figura 4: Como criar novas planilhas.


Fonte: Elaborado pelo autor.
Posicione o cursor e clique em alguma célula para digitar na planilha. Ao posi-
cionar o cursor em qualquer célula, o ponteiro do mouse aparecerá com o formato
do símbolo de mais. Após digitar algo em uma célula, para efetivar os dados na
célula, clique em outra célula ou pressione “Enter”. Para editar o conteúdo de
uma célula, posicione o cursor em cima da célula que deseja editar e clique duas
vezes com o botão esquerdo do mouse. Para excluir o conteúdo de uma célula,
clique na célula que deseja excluir e pressione a tecla DEL (delete) do seu teclado.
Para excluir o conteúdo de várias células ao mesmo tempo selecione as células
que deseja excluir, clicando em um ponto de seleção inicial (na primeira célula

48
que será excluída, por exemplo) e, ainda pressionando o botão do mouse, sem
soltar, arrastar o mouse movimentando-o sobre as células a serem excluídas, e
depois pressione a tecla DEL. Para selecionar células descontínuas, ou seja, com
espaços entre elas, clique em cada célula que deseja selecionar, pressionando a
tecla Ctrl em seu teclado.
Para alterar a largura de uma coluna na planilha, posicione o cursor no título
das colunas (as células que contêm letras no topo da planilha), na linha que divide
uma coluna de outra. Ao perceber que o ponteiro do mouse se transformou em
uma seta escura com duas pontas, clique e arraste o mouse mantendo o botão
pressionado.

Apresentação das principais fórmulas

Uma das praticidades do Microsoft Excel é a possibilidade de inserir fórmulas


prontas, que facilitam muito a realização de cálculos na planilha. Ele oferece desde
fórmulas mais simples, como soma e média, até fórmulas mais complexas.
Para inserir uma fórmula, primeiramente você deverá selecionar uma célula
(na Figura 5 você pode ver que que a célula “A1” foi selecionada), e depois clicar no
botão “Fx”, que está sendo apontado por uma seta vermelha na Figura 5. Quando
você clicar nesse botão, uma nova janela chamada “Inserir função” irá abrir. Nessa
janela você poderá buscar uma função pelo nome, ou selecionar uma das dispo-
níveis na lista. Na Figura 5 podemos ver que as primeiras funções que aparecem
são “SOMA” e “MÉDIA”, que normalmente são as mais utilizadas.
Se você precisar de alguma ajuda com as funções, no canto inferior esquerdo
da janela “Inserir Função” tem um link em azul chamado “Ajuda sobre esta fun-
ção”. Ao clicar nesse link, o Excel irá te oferecer ajuda e dicas sobre como usar
cada função.

49
Figura 5: Como criar novas planilhas
Fonte: Elaborado pelo autor.

Formatação de células

Para formatar células no Excel você usará, basicamente, a guia “Página Inicial”.
Nessa guia você encontrará tudo para formatar a célula, como fonte, tamanho
da fonte, alinhamento do texto e muito mais. Em “números”, por exemplo, você
poderá formatar os números inseridos nas células; pode deixar em formato de
moedas (como o Real ou Dólar), ou em porcentagem, pode inserir ou reduzir as
casas decimais. Você consegue fazer todo esse tipo de formatação na parte “nu-
meração” da “Página Inicial”, como apresentado na Figura 6 (parte destacada por
um “quadrado vermelho”). Já na região destacada pelo “quadrado verde” (Figura
6), você pode inserir, excluir ou formatar as células da sua planilha.

Figura 6: Formatação de numeração


Fonte: Elaborado pelo autor.

50
Introdução à criação de tabelas e gráficos

Alguns dos recursos que você mais utilizará no Excel certamente será a inser-
ção de tabelas e gráficos.
Para fazer uma tabela no Excel, você pode inserir os dados manualmente nas
células da planilha ou usar o recurso “Inserir Tabelas”. No entanto, para essa
última opção, você terá que ter os dados da tabela digitados em algum lugar da
sua planilha.
Para fazer uma tabela manualmente, você deverá ter em mente o tipo de tabela
que deseja criar. No exemplo da Figura 7, temos uma tabela que tem a finalidade
de organizar os gastos mensais de uma família. Portanto, foi definido que a tabela
deveria ter duas colunas: “itens” e “valores”. Você pode definir linhas e colunas
de acordo com as células da própria planilha. A formatação da tabela pode ser
feita na “Página Inicial”, usando os recursos de fonte, destacados pelo retângulo
vermelho, e os recursos de alinhamento, destacados pelo retângulo verde.

Figura 7: Formatação de tabela usando os recursos de fonte e alinhamento


Fonte: Elaborado pelo autor.

51
Para criar uma tabela usando o recurso “Inserir Tabelas” você deverá acessar
a guia “Inserir” e clicar no botão “Tabela”, como ilustrado na Figura 8.

Figura 8: Inserindo tabela


Fonte: Elaborado pelo autor.

Após clicar no botão “Inserir Tabela”, uma pequena janela será aberta para
você selecionar os dados que serão usados na criação da tabela. Como dito ante-
riormente, você terá que ter os dados digitados em algum lugar na planilha. Na
Figura 9, foram usados os dados do exemplo sobre gasto mensal familiar. Desta
forma, você seleciona o trecho de dados que deseja utilizar para criar a sua tabela
e clica em “Ok”.

52
Figura 9: Criando a tabela
Fonte: Elaborado pelo autor.

Depois de clicar no botão “OK”, a sua tabela será criada, conforme apresentado
na Figura 10. Veja que ela já aparecerá formatada, mas você poderá configurá-la
da maneira que achar mais adequado.

Figura 10: Tabela criada


Fonte: Elaborado pelo autor.

53
No Excel você também pode criar gráficos de diversos tipos. Para gerar um
gráfico você precisará ter uma tabela com dados que irão alimentar o gráfico. Na
Figura 11, pode-se visualizar que os dados da tabela sobre gastos mensais fami-
liar foram utilizados para criar o gráfico (veja o balão vermelho com o número 1
em branco). Após selecionar os dados da tabela, você deverá clicar em “Gráficos
Recomendados”, destacado pelo balão vermelho com o número 2, na Figura 11.
Após clicar em “Gráficos Recomendados”, uma janela chamada “Inserir Gráficos”
será aberta. Nela você pode escolher entre os gráficos da guia “Gráficos Reco-
mendados” ou ver todos os outros tipos de gráficos disponíveis na guia “Todos os
Gráficos”. Aí é só escolher o melhor modelo de gráfico e clicar em “OK”.

Figura 11: Criando gráficos


Fonte: Elaborado pelo autor.

Após escolher o tipo de gráfico e clicar no botão “OK”, o gráfico será gerado na
planilha, como pode ser visto na Figura 12. Você poderá formatar o seu gráfico na
guia “Ferramentas de Gráfico”, que sempre aparece quando o gráfico é selecio-
nado. Essa guia tem opções de design e de formatação de gráficos. Você também
poderá formatar o seu gráfico ao clicar nele; por exemplo, você pode inserir um
título ao seu gráfico.

54
Figura 12: Gráfico criado
Fonte: Elaborado pelo autor.

55
USO BÁSICO DO
POWERPOINT

AULA 07
56
Interface, principais recursos e
utilidades
Nos capítulos anteriores, aprendemos como utilizar o software Microsoft Office
Word e o Microsoft Office Excel. Neste capítulo iremos estudar sobre o Microsoft
Office PowerPoint, que também é uma aplicação da Suíte de Aplicações Office. O
PowerPoint é um software para criação e exibição de apresentações gráficas, que
possibilita a criação de apresentações profissionais contendo gráficos, figuras,
texto, entre outros, que podem ser exibidas eletronicamente (SILVA, 2015).
Antes de aprender a utilizar o PowerPoint é importante conhecer os elemen-
tos que constituem sua interface e seus principais recursos e utilidades. Ao abrir
o PowerPoint, você será apresentado à uma interface inicial padrão como a que
vimos no Word e no Excel. Observe a Figura 1.

Figura 1: Página inicial do PowerPoint.


Fonte: Elaborado pelo autor.

No canto esquerdo da janela, após já ter criado alguma apresentação no Po-


werPoint, haverá uma lista de apresentações Recentes, com todas as apresenta-
ções que foram recentemente criadas e editadas. Abaixo dessa lista, o botão “Abrir
Outras Apresentações” possibilita a abertura de apresentações do tipo PowerPoint

57
existentes em seu computador. Ao observar a Figura 1, você deve ter percebido
que o PowerPoint oferece a possibilidade de procurar modelos de apresentações
online, pesquisando na barra “Procurar modelos online”, na parte superior da
janela, além dos modelos disponíveis off-line de elementos, estilos, temas etc. O
PowerPoint também fornece informações de como usá-lo na opção “Fazer um
tour”. Agora você deve estar querendo saber como criar uma apresentação no
PowerPoint, não é mesmo? Na lista de modelos, a primeira opção é “Apresenta-
ção em Branco”, que é o botão inicial para começar a criar uma apresentação no
PowerPoint. Após abrir uma apresentação em branco você será apresentado à
área de trabalho, ou “Novo slide”, como mostra a Figura 2.

Figura 2: Novo slide.


Fonte: Elaborado pelo autor.

A área de slide é composta por:


• Barra de ferramentas de acesso rápido, no canto superior. Contém o
acesso rápido para salvamento do arquivo (primeiro ícone), para des-
fazer alteração no documento (segundo ícone) e para refazer e perso-
nalizar alteração no documento (terceiro ícone);
• Faixa de opções, logo abaixo da barra de ferramentas. Todas as ferra-
mentas e opções de edição de slides se encontram aqui;

58
• Barra de títulos, abaixo da faixa de opções. Exibe o nome da apresenta-
ção, identifica o software (PowerPoint) e possui os botões de minimizar,
restaurar/maximizar e fechar;
• Guia de slides, localizada no lado esquerdo, apresenta as miniaturas dos
slides, onde é possível navegar entre os slides, selecioná-los, reordená-
-los, dividi-los em seções etc.;
• Slide, localiza-se no centro, é toda a área do slide;
• Painel de anotações, localiza-se abaixo do slide e permite que o usuário
escreva anotações;
• Barra de status, localizada no canto inferior, contém o número do slide
atual e a quantidade total de slides. À direita da barra de status, há a
opção de escrever anotações, alterar modos de exibição de apresenta-
ção e opções de zoom (SILVA, 2015).

Criando slides

Agora que você já conhece a interface do Microsoft Office PowerPoint, é hora


de criar sua primeira apresentação. Você já aprendeu a abrir um slide em branco,
não é mesmo? Ele será o ponto de partida para a criação de uma apresentação.
Antes de começar a digitar em um slide, você pode alterar o layout dos espaços
reservados do slide. Para isso, clique no botão “Layout” que se encontra na faixa
de opções. Em seguida, selecione o Layout de sua preferência. Como você pôde
observar na Figura 2, o slide inicial possui espaços para digitação de texto, inserção
de imagens, gráficos etc. Para começar a escrever no slide em branco, clique no
espaço indicado para digitação de texto, como mostra a Figura 3.

59
Figura 3: Digitando um texto no
PowerPoint.
Fonte: Elaborado pelo autor.

Após criar o primeiro slide da apresentação, insira um novo slide para con-
tinuar sua apresentação clicando em “Novo Slide” e selecionando o layout do
slide a ser criado. Para excluir um slide, clique na miniatura do slide a ser ex-
cluído e pressione a tecla “DEL” (delete) em seu
teclado. Outra maneira de excluir um slide é,
após clicar na miniatura do slide a ser excluído,
clicar com o lado direito do mouse e selecio-
nar a opção “Excluir Slide”. Para duplicar um
slide, selecione o slide a ser duplicado, utilize
os atalhos “Ctrl + C” para copiar, e “Ctrl + V” para
colar. Ou clique com o botão direito do mouse e
selecione a opção “Duplicar Slide”. Para mover
um slide com o objetivo de reorganizar a ordem
dos slides, clique no slide que deseja mover e
arraste-o até o local desejado. Observe o menu
de atalho com as opções que foram citadas
neste parágrafo na Figura 4.

Figura 4: Menu de atalho do PowerPoint.


Fonte: Elaborado pelo autor.

60
Formatação dos slides

Assim como o Word, o Excel e o PowerPoint possibilitam a formatação do


texto como: fontes, tamanho da fonte, opções de parágrafo (alinhar à esquerda,
centralizar, alinhar à direita e justificar), opções de fonte em negrito, itálico e sub-
linhado etc. As opções de formatação de fonte ficam também na Página Inicial,
assim como no Word. Observe na Figura 5 a semelhança entre a ferramenta de
formatação de fonte do PowerPoint e do Word.

Figura 5: Ferramentas de formatação e suas semelhanças.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Design e inserção de elementos

O PowerPoint permite que sua apresentação seja completamente personali-


zada. Na Guia “Design” da faixa de opções você tem diversas opções de persona-
lização. A guia é dividida em diversos grupos (SILVA, 2015):
• Grupo Temas: permite personalizar instantaneamente a apresentação.
Cada tema possui um conjunto de cores, fontes e efeitos.
• Grupo Variantes: permite personalizar o design atual. Por exemplo: ao
selecionar um tema você pode personalizá-lo no Grupo Variantes.
• Grupo Personalizar: permite alterar o tamanho dos slides e formatar
o plano de fundo da apresentação.

Figura 6: Guia Design.


Fonte: Elaborado pelo autor.

61
Figura 7: Formatando o plano de
fundo da apresentação.
Fonte: Elaborado pelo autor.

A inserção de elementos em uma apresentação pode ser muito útil e ajudar


bastante na demonstração de algo que queria apresentar. O PowerPoint permite a
inserção de imagens, formas, gráficos etc. Para inserir um elemento, é necessário
selecionar a Guia “Inserir” na faixa de opções. A Guia “Inserir”, assim como a Guia
“Design” é dividida em diversos grupos (SILVA, 2015):
• Grupo Slides: permite adicionar um novo slide à apresentação.
• Grupo Tabelas: permite adicionar uma tabela à apresentação.
• Grupo Imagens: permite adicionar imagens à apresentação. A imagem
a ser inserida pode ser do seu computador, de fontes online, de uma
captura instantânea ou criar uma apresentação para uma coleção de
fotos.
• Grupo Ilustrações: permite inserir formas (círculos, quadrados, setas
etc.), ícones, modelos 3D, elemento gráfico SmartArt (como infográficos)
e gráficos.
• Grupo Suplementos: permite acesso à Office Store (loja online da Suíte
Office) para explorar os suplementos, que servem para aprimorar a sua
apresentação.

62
• Grupo Links: acesso ao zoom, link (inserção de links para acesso rápi-
do a páginas web e arquivos) e ação (atribui ao objeto uma ação a ser
realizada ao clicar ou passar o mouse sobre ela).
• Grupo Comentários: permite adicionar uma anotação sobre a apre-
sentação.
• Grupo Texto: permite a inserção de caixa de texto, cabeçalho e rodapé
e WordArt (textos com efeitos de sombra, contorno, efeito 3D, estampa
etc.).
• Grupo Símbolos: permite a inserção de equações matemáticas e sím-
bolos que não estão no teclado.
• Grupo Mídia: permite a inserção de vídeo e áudio à apresentação.

Dicas para fazer uma boa apresentação

Mais que criar uma apresentação, é importante criar uma boa apresentação.
Separamos algumas dicas que podem te ajudar a criar uma boa apresentação.
• Primeiramente, seja cuidadoso ao escolher as fontes da sua apresenta-
ção, para que sejam de fácil leitura e boa visualização. Opte por fontes
como Arial, Calibri e Times New Roman.
• Não utilize mais que três fontes em sua apresentação, pois muitas fontes
diferentes podem poluir visualmente sua apresentação, prefira usar de
duas a três fontes no máximo.
• Ajuste os tamanhos dos textos de maneira que não ocupem todo o slide
mas que sejam de fácil leitura. Antes de criar uma apresentação, se in-
forme sobre o local que a apresentação será feita (isso ajuda a ter uma
noção da distância que as pessoas terão da tela em que a apresentação
será projetada e te ajudará a decidir sobre o tamanho ideal das fontes).
• Opte por cores que causem contraste entre um elemento e outro, por
exemplo: fonte e fundo. Ao escolher a cor de uma fonte, opte pela cor
que possui maior contraste com o fundo.
• Não exagere na quantidade de textos. Muitas vezes, ter todas as infor-
mações necessárias em um slide pode ser uma ajuda ao apresentador.
Mas é importante que o apresentador tenha a atenção voltada para ele,
e que a apresentação no PowerPoint sirva apenas como apoio.

63
• Mantenha padrões em todos os slides de uma apresentação. Uma apre-
sentação com muita variação de cores, fontes, formatação, entre outros
detalhes que compõem uma apresentação, pode deixar sua apresenta-
ção poluída e dificultar a compreensão das pessoas que irão visualizá-la.
• Utilize imagens e gráficos para ilustrar o que é dito. Sempre que puder,
ilustre o que é dito em uma apresentação para facilitar a compreensão
das pessoas e deixar sua apresentação mais dinâmica. Se necessário,
utilize também gráficos e formas.

64
A UTILIZAÇÃO DO CANVAS
E DA ÁREA DO ALUNO

AULA 08
65
Neste Capítulo iremos apresentar algumas ferramentas que você tem à sua
disposição para facilitar o seu dia-a-dia acadêmico: o Canvas e o Portal do Aluno.
No decorrer do capítulo, você conhecerá cada uma dessas ferramentas, além de
aprender como utilizá-la, e suas funcionalidades.

Acessando o Canvas

O Canvas é uma das ferramentas disponíveis para facilitar o acesso e gerencia-


mento das disciplinas que você está cursando no EaD. Ele é um ambiente virtual
de aprendizagem. É possível acessar o Canvas tanto via navegador, ou seja, pelo
seu computador (PC) ou notebook, como pelo seu celular, através dos Play Store
e App Store.

Via navegador (PC e Mobile)

Para acessar o Canvas via navegador, primeiramente você deve entrar na pá-
gina da Faculdade Católica Paulista: https://ead.uca.edu.br/. Na página inicial,
assim como mostra a Figura 1, você deverá clicar em “Ambiente Virtual de Apren-
dizagem”.

Figura 1: Acessando o Ambiente Virtual de Aprendizagem


Fonte: Elaborado pelo autor.

66
Após clicar no campo indicado na Figura 1, você será redirecionado para uma
nova página. Nessa nova página, você deverá fazer login no Ambiente Virtual de
Aprendizagem, o Canvas. Para fazer o login, você deverá fornecer o seu RA e se-
nha, conforme mostra a Figura 2. Caso tenha esquecido a sua senha, você deverá
clicar em “Esqueceu a Senha?”. O sistema irá te enviar um e-mail com orientações
para recuperar ou criar uma nova senha. Uma dica: selecione a caixa “Continuar
Conectado”, pois com ela selecionada o seu navegador irá lembrar os seus dados
sempre que você acessar o Canvas, assim não será necessário que você digite seu
RA e senha todas as vezes que acessar a ferramenta.

Figura 2: Fazendo login no Canvas


Fonte: Elaborado pelo autor.

Via App Android e App Store

Para acessar o Canvas via App pelo celular, primeiro você deve realizar o do-
wnload do aplicativo através da loja de aplicativos do seu celular. Se o sistema
operacional do seu celular for Android (a maioria dos celulares, exceto os celulares

67
da Apple, possuem sistema operacional Android), você pode realizar o download
através da Play Store. Para baixar o Canvas, digite na barra de pesquisa: Canvas
student (Figura 3).

Figura 3: Pesquisando o “Canvas student” na barra de pesquisa da Play Store.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Após pesquisar o Canvas na Play Store, baixe e instale o aplicativo clicando no


botão verde “instalar” (Figura 4).

Figura 4: Baixando e insta-


lando o Canvas student.
Fonte: Elaborado pelo autor.

68
Com o Canvas baixado e instalado, o aplicativo Canvas student irá solicitar o
nome da escola onde você está cursando. Clique na opção “encontrar minha escola”
(Figura 5), e em seguida digite: Faculdade Católica Paulista (Figura 6).

Figura 5: Encontrando minha escola.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Figura 6: Digitando o nome da Faculdade Católica Paulista.


Fonte: Elaborado pelo autor.

69
O próximo passo é entrar no seu login com o número do seu RA e senha (Fi-
gura 7). Assim como o acesso via navegador, caso tenha esquecido a sua senha,
você deverá clicar em “Esqueceu a Senha?”. O sistema irá te enviar um e-mail com
orientações para recuperar ou criar uma nova senha.

Figura 7: Fazendo login.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Reconhecendo uma disciplina


Explorar menus

Ao entrar no Canvas você irá encontrar uma série de menus no Painel de Con-
trole. Esses menus dão acesso a diversas informações e atividades úteis para o
seu dia-a-dia acadêmico. Abaixo, cada um desses menus será apresentado com
um pouco mais de detalhes.
• Início
O menu início disponibiliza atalhos para diversas áreas importantes do Canvas,
como disciplinas, lista de tarefas e algumas observações, como pode ser visto na
Figura 8.

70
Figura 8: Menu Início do Canvas
Fonte: Elaborado pelo autor.

As “janelas” vistas na Figura 8 podem possuir alguns botões com ações especí-
ficas, uma espécie de atalho para uma área específica dentro daquele conteúdo
apresentado. Por exemplo, na Figura 9 podemos visualizar uma janela de uma
disciplina no menu “Início”; nela, no canto inferior, estão presentes alguns ícones,
como “anúncios”, “discussões” e “tarefas”. Os “anúncios” fornecem informações
importantes e atuais do que está acontecendo na disciplina. As “discussões” apre-
sentam o que está sendo discutido no ambiente daquela disciplina. Já as “tarefas”
apresentam realmente as tarefas a serem executadas na disciplina.

71
Figura 9: Ícones dos atalhos iniciais.
Fonte: Elaborado pelo autor.

• Disciplinas
Ao clicar no menu “disciplinas”, representado por um ícone em forma de livro,
você será apresentado aos cursos que está cursando no EaD, assim como pode
ser visto na Figura 10. Ao clicar no nome do curso apresentado, você será redire-
cionado ao menu principal dele.

Figura 10: Janela do menu Disciplinas.


Fonte: Elaborado pelo autor.

72
O menu principal de um curso é chamado de “página inicial”. Na página inicial
de uma disciplina são apresentados alguns menus (ver Figura 11): anúncios, sala
de aula, tarefas, programa e notas.

Figura 11: Página Inicial do menu Disciplinas.


Fonte: Elaborado pelo autor.
No menu “anúncio” são disponibilizadas informações importantes sobre a disci-
plina, muitas vezes feitas pelo professor ou tutor da disciplina. Essas informações
podem ser sobre tarefas, visitas, dicas de leituras, etc. Você pode abrir a mensa-
gem completa ao clicar em seu título.

Figura 12: Anúncios do menu Disciplinas.


Fonte: Elaborado pelo autor

Em “Sala de Aula”, veja na Figura 13, você encontrará informações de boas-vin-


das, introdução e apresentação da disciplina, o livro didático da disciplina, aulas e
exercícios divididos semanalmente. É um menu importante para controlar todas
as atividades relacionadas à disciplina.

73
Figura 13: Sala de Aula do menu Disciplinas.
Fonte: Elaborado pelo autor.

Já em “Tarefas” você encontrará todas as tarefas relacionadas à disciplina, como


a atividade prática de aprendizagem, os questionários e as atividades avaliativas.
Quando alguma atividade estiver disponível para ser realizada, ela será postada
em “Tarefas” do menu disciplinas. Nessa página você também encontrará infor-
mações referentes aos prazos de execução de cada tarefa e a pontuação de cada
uma delas.
Para responder uma tarefa basta clicar em seu título. Por exemplo, na Figura
15 pode ser visto que há uma tarefa sem envio. Para enviar a tarefa você deverá
selecionar o arquivo com a resposta da tarefa. Para anexar um arquivo, basta
clicar em “anexar arquivo” como apresentado na Figura 15. Também é possível
adicionar um comentário na caixa que é apresentada na figura. Após selecionar
o arquivo e escrever o comentário desejado é só clicar em “Salvar”.

Figura 14: Tarefas do menu Disciplinas.


Fonte: Elaborado pelo autor.
74
Figura 15: Enviando uma tarefa.
Fonte: Elaborado pelo autor.
Em “Programas” (Figura 16) você encontrará todos os detalhes sobre o Pro-
grama do Curso. O Resumo do curso disponibiliza os detalhes do curso por data,
como: fórum, atividades, lista de tarefas etc. Além disso, disponibiliza também
as informações de vencimento de envio das atividades. As atividades podem ser
realizadas diretamente pelo link disponível no “Resumo”.

Figura 16: Programa do menu Disciplinas.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Em “Notas” (Figura 17) você pode visualizar suas notas por curso e ordenar por:
prazo de entrega, grupo de apontamento, módulo e título. Ao clicar no nome da
disciplina (por exemplo: Q01 Exercícios Aula 01) você será direcionado para os
Detalhes do Envio da atividade que foi avaliada.

75
Figura 17: Notas do menu Disciplinas.
Fonte: Elaborado pelo autor.
• Calendário
Na Figura 19 você pode visualizar o menu “calendário” do Canvas. Nele você
poderá encontrar todas as atividades da disciplina dispostas por datas. Você pode
usar esse menu para controlar as atividades que você precisará desempenhar ao
longo da disciplina, assim você poderá se preparar da maneira mais adequada
possível para cada atividade (por exemplo, tarefas, exercícios e atividades práticas
de aprendizagem).

Figura 19: Calendário.


Fonte: Elaborado pelo autor.

76
• Fale com o Tutor
Em “Fale com o Tutor” (Figura 20) você acessa um tipo de um “chat” onde pode
enviar dúvidas para o seu tutor. Além disso, o menu “Fale com o Tutor” pode ser
utilizado para o tutor enviar lembretes e avisos de forma prática.

Figura 20: Fale com o tutor.


Fonte: Elaborado pelo autor.

• Ajuda
Na Figura 21 você pode observar a janela de Ajuda do Canvas. Para enviar uma
pergunta, clique em “Ask Your Instructor a Question”. Em seguida, uma nova janela
será aberta com as opções de curso no qual a dúvida será enviada, e o espaço
para a mensagem, onde você poderá inserir todas as suas dúvidas, como mostra
a Figura 22.

Figura 21: Ajuda no Canvas. Figura 22: Enviando uma pergunta ao professor.
Fonte: Elaborado pelo autor. Fonte: Elaborado pelo autor.
77
A Área do Aluno

Para acessar a Área do Aluno, antes, é necessário acessar o site da Faculdade


Católica. Para isso, digite www.ead.uca.edu.br na barra de pesquisa do seu na-
vegador.
Em seguida, abrirá a página inicial do site, como você pode observar na Figura
23.

Figura 23: Página inicial do site da Faculdade Católica.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Como logar

Com o site da Faculdade Católica aberto em seu navegador, clique no botão


(botão retangular azul com cantos arredondados) “Área do Aluno”, que se loca-
liza no canto superior da página, e está entre os botões “Educação à Distância”,
“Inscreva-se” e “Ambiente Virtual de Aprendizagem”. Ao clicar no botão “Área do
Aluno”, você será direcionado à janela de login, como mostra a Figura 24. Em se-
guida, insira suas informações de login (ID usuário e senha) e clique em “Entrar”.

78
Figura 24: Janela de login da Área do Aluno.
Fonte: Elaborado pelo autor.

No Portal do Aluno (ou Área do Aluno), você encontrará as seguintes opções:


• AVA: botão que irá te direcionar ao login do Canvas. Após inserir as
informações de login, você será direcionado ao Canvas, que vimos an-
teriormente neste mesmo capítulo.
• Comunicados: ao clicar no botão “Comunicados”, uma janela com os
comunicados, avisos e lembretes será aberta (Figura 25). Caso você não
tenha recebido nenhum comunicado, na barra “assunto” haverá a men-
sagem “Nenhum registro encontrado”.

Figura 25: Comunicados da Área do Aluno.


Fonte: Elaborado pelo autor.

79
• Agenda: Ao clicar no botão “Agenda”, será aberta uma lista com as se-
guintes opções: Compromissos e Horário. Para visualizar as datas e ho-
rários dos seus compromissos acadêmicos, como atividade acadêmica,
aula e feriado, clique em “Compromissos” (Figura 26). Para visualizar os
horários de aula e atividades definidos pela faculdade, acesse “Horários”
(Figura 27).

Figura 26: Compromissos em Agenda.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Figura 27: Horários em Agenda.


Fonte: Elaborado pelo autor.

80
• Acadêmico: Ao clicar no botão “Acadêmico”, será aberta uma lista com
as seguintes opções: atividade, evolução, matrícula, matriz curricular,
professores e autoatendimento. Na janela “Atividade”, você poderá vi-
sualizar o status das suas atividades complementares. Em “Evolução”
você poderá visualizar seu status acadêmico, como “créditos”, “aulas”,
“faltas”, “frequência”, “média final” e “situação”, por módulos e discipli-
nas. Em “Matrícula” você pode visualizar alguns detalhes dos cursos no
qual você está matriculado, como número de aulas total, número de
aulas dadas, número de aulas previstas, suas faltas e a porcentagem da
sua frequência. Além da sua média e situação. Em “Matriz Curricular”
você pode visualizar as disciplinas que serão ensinadas em cada módulo,
sua carga horária, seus créditos e sua classificação. Em “Professores”
você visualiza os nomes de cada professor, o nome da disciplina que ele
irá ensinar e o e-mail para contato. Em “Autoatendimento” você pode
realizar solicitações, como mostra a Figura 28. Ao clicar em “Nova Soli-
citação”, selecione o tipo de solicitação que você deseja fazer em “Sele-
cione uma Solicitação” (exemplo: Emitir Carteirinha de Identificação do
Aluno). Haverá diversas opções para que você seja atendido da melhor
maneira. Após selecionar o tipo de solicitação que se encaixa em sua
necessidade, descreva maiores detalhes em “Descrição”, e em seguida
clique em “Gerar Documento”.

Figura 28: Fazer uma solicitação.


Fonte: Elaborado pelo autor.

81
• Financeiro: acesse seu extrato financeiro e consulte suas pendências
com a faculdade. Todas as informações de pagamento, atraso, juros,
multa, desconto, vencimento etc. estarão discriminadas em “Extratos”.
Para imprimir um boleto, o boleto deve estar pendente. Na coluna de
“Pagamento”, clique em “Boleto” para baixar o documento do boleto
(Figura 29). Com o boleto baixado, clique no ícone “impressora” para
imprimir o boleto.

Figura 29: Imprimindo um boleto.


Fonte: Elaborado pelo autor.

• Perfil: o perfil é representado por um ícone de uma silhueta humana (ca-


beça em forma de círculo e ombros). Visualize seu perfil e configurações
de cadastro, documentos pendentes e altere sua senha em “Perfil”. Para
alterar uma senha, clique no ícone “Perfil”, em seguida abrirá a lista de
opções. Clique em “Alterar Senha” para abrir a janela para alteração de
senha (Figura 30). Insira as informações solicitadas e a nova senha que
deseja gravar. Você pode gerar uma senha automática clicando em “Ge-
rar”. A barra vermelha altera de cor conforme sua senha. Se sua senha
for forte, ou seja, difícil de ser descoberta por um hacker, por exemplo,
a barra ficará verde. Você pode visualizar o nível de “força” da sua senha
na própria barra, que além de mudar de cor descreve verbalmente o
nível de “força” da sua senha. Confirme a nova senha em “Repetir Nova
Senha”. Para salvar sua nova senha, clique em “Alterar Senha”.

82
Figura 30: Alterando a senha.
Fonte: Elaborado pelo autor.

83
O COMPUTADOR TRAVOU
OU ALGO DEU ERRADO?
RESOLVENDO PROBLEMAS
BÁSICOS DA UTILIZAÇÃO
DIÁRIA DE COMPUTADORES

AULA 09
84
Principais problemas e suas
soluções
Quem nunca se deparou com uma tela de erro enquanto usava o computador
e entrou em desespero por não saber o que fazer? Isso é mais comum do que
você imagina. Assim como qualquer outro eletrônico, o computador costuma
dar alguns probleminhas simples de vez em quando. Muitos desses problemas
podem ser resolvidos pelo próprio usuário se ele seguir algumas instruções bem
simples. Separamos alguns problemas que são muitos comuns e suas soluções.
As soluções serão apresentadas baseadas no sistema operacional Windows 10.
Pode ser que, de um sistema operacional para outro, haja alguma alteração em
alguns passos na solução de problemas.
• Hora e data desatualizada: ter um relógio e calendário atualizados em
mãos pode evitar muitos transtornos, como: atraso, perda de hora para
algum compromisso, entre outros. Para resolver esse problema, clique
no “botão Iniciar” (na barra de ferramentas), clique em “Configurações”
(ícone de uma engrenagem), como mostra a Figura 1. Após feito isso,
uma janela de “Configurações do Windows” será aberta (Figura 2). Cli-
que na opção “Hora e Idioma”, a seguir, desative a opção
“Definir horário automaticamente”. Após desativar essa
opção, o botão “Alterar data e hora” será ativado nova-
mente. Clique no botão “Alterar” (Figura 3). Uma janela
como mostra a Figura 4 será aberta. Redefina a data e a
hora, se for necessário, nas barras com as informações
de data e hora e, para salvar as configurações, clique em
“Alterar”.

Figura 1: Botão Iniciar e botão “Configurações”.

Fonte: Elaborado pelo autor.

85
Figura 2: Configurações do Windows.
Fonte: Elaborado pelo autor.

Figura 3: Alterando data e hora.


Fonte: Elaborado pelo autor.

86
Figura 4: Salvando as novas configurações de data e hora.
Fonte: Elaborado pelo autor.

• Recuperar arquivo acidentalmente excluído: se você aci-


dentalmente excluiu um arquivo, calma que tem solução.
Para recuperar um arquivo da lixeira, abra a “Lixeira” locali-
zada geralmente na Área de trabalho, como mostra a Figura
5. Em seguida, selecione o arquivo excluído que deseja re-
cuperar, clique em cima desse arquivo com o botão direito
do mouse, e clique na opção “Recuperar”.

Figura 5: Lixeira.

Fonte: Elaborado pelo autor.

• Problemas para fechar um programa: se você tentou fechar um pro-


grama pelo ícone “X” na janela e não conseguiu, tente pressionar as
teclas “Alt + F4” simultaneamente.
• Buscar um documento: para achar um documento ou programa, digite
o nome do arquivo na barra de pesquisa de arquivos da “Barra de fer-
ramentas” onde está escrito: “Digite aqui para pesquisar”, como mostra
a Figura 6.

87
Figura 6: barra de pesquisa de arquivos.
Fonte: Elaborado pelo autor.

• Travamentos: existem diversos fatores que podem levar seu computa-


dor a travar. Um dos motivos que leva o computador a travar são confli-
tos de programas e arquivos desfragmentados. Uma solução simples é
reiniciar o computador através das teclas “Ctrl+Alt+Del”. Após pressionar
essa sequência de teclas, uma janela de gerenciamento aparecerá (Figu-
ra 7) Os passos seguintes são: clique no botão “Energia” (que se encontra
no canto inferior direito), em seguida clique em Reiniciar. Caso isso não
funcione, procure um profissional em assistências técnicas.

Figura 7: Ctrl + Alt + Del.


Fonte: https://www.lifewire.com/what-is-ctrl-alt-del-2625830

88
• Navegador em tela cheia: se o seu navegador entrar em modo de tela
cheia, basta pressionar a tecla “F11” em seu teclado que a tela voltará
ao tamanho normal.
• Página web sem resposta: se você abriu uma página web e ela não
carregou completamente ou exibiu alguma mensagem de erro, atualize
a página (Figura 8); caso seja um problema no carregamento, tudo vol-
tará ao normal. Caso isso não resolva, pode ser que outra coisa esteja
atrapalhando o carregamento da página.

Figura 8: Atualizando página web.

Fonte: Elaborado pelo autor.

Dicas de utilização

Muitas vezes, por erros na utilização, o computador pode apresentar proble-


mas graves que podem ser irreparáveis. A melhor solução para um problema gra-
ve de computador é ter alguns cuidados e procurar utilizá-lo da maneira correta.
Algumas dicas de cuidados são:
• Mantenha o computador limpo: isso vale para aplicativos e poeira.
Muitos aplicativos pesados, dependendo da memória do seu computa-
dor, podem causar travamentos. A poeira no CPU também pode causar
problemas ao computador, por isso, procure deixá-lo sempre limpo.
• Downloads com procedência: cuidado ao baixar aplicativos online.
Procure aplicativos que possuem boa avaliação e utilize sites de down-
loads que sejam confiáveis. Muitos aplicativos podem vir acompanhados
de vírus.
• Atualize o antivírus com frequência: atualizar o antivírus é uma ótima
precaução, pois caso você acesse algum arquivo infectado, o antivírus
irá bloqueá-lo.

89
• Visite uma assistência técnica: não tente resolver problemas comple-
xos sozinho. Existem pessoas especializadas para consertar seu compu-
tador. Consulte uma assistência técnica caso seu computador apresente
qualquer problema que você não consiga resolver.

90
A INFORMÁTICA NA NOSSA
VIDA E A SEGURANÇA DA
INFORMAÇÃO

AULA 10
91
A importância da informática nos
dias atuais
A era atual, conhecida também como Era da Informação, é marcada por cons-
tantes e rápidas mudanças em todas as áreas da vida humana. A globalização,
principal fenômeno dessa era, possui como principal característica o grande fluxo
de informações, que rompe limites territoriais e temporais. O grande fluxo de
informações só pode ser veiculado da maneira que é, rapidamente e em grande
quantidade, graças à informática. Uma carta, meio de comunicação muito utilizado
antes da internet, jamais conseguiria chegar ao seu destino na mesma velocidade
em que uma mensagem em um aplicativo de conversas chega (MELO, 2008).
A tecnologia, juntamente com a informática, possibilitou ao ser humano execu-
tar tarefas que, muitas vezes, demandariam alguns longos minutos, ou até horas,
de maneira muito mais rápida e em qualquer lugar, como por exemplo: fazer uma
transferência bancária, pagar um boleto, ler um e-mail, pedir comida, pedir um
transporte, dentre várias outras.
Na matéria a seguir, a Infomoney conta a história de uma das startups mais
populares do Brasil.

92
Isto está
na rede

“O Nubank nasceu para desafiar o status quo. Muito além de oferecer


serviços financeiros por meio da tecnologia, design e data science, a star-
tup quer fazer tudo isso proporcionando uma ótima experiência para o
cliente.
Seis anos depois da fundação, o Nubank é a sexta maior instituição fi-
nanceira do Brasil em número de clientes, e o maior banco digital inde-
pendente do mundo.
Lançada em 2017, a NuConta segue a ideia do cartão de crédito: sem
taxas abusivas e tarifas de manutenção. Além disso, diferentemente das
contas em bancos tradicionais, a NuConta ainda faz o dinheiro render.
Todo o valor depositado nela rende automaticamente 100% do CDI (Cer-
tificado de Depósito Interbancário), uma taxa maior que a da poupança.
Os rendimentos acontecem todo dia útil e têm liquidez diária.
No Nubank, a NuConta é 100% digital e gerenciada pelo aplicativo, onde
é possível fazer transferências ilimitadas e gratuitas para qualquer ban-
co, pagar contas e boletos e até cobrar aquele amigo que esqueceu de
dividir a conta.
As funcionalidades inovadoras da NuConta, que permitem guardar, in-
vestir e transferir dinheiro de maneira simples e transparente, já atraíram
mais de 10 milhões de brasileiros.
Mais de R$ 1,2 bilhão já foram economizados pelos clientes com taxas
de manutenção e TEDs desde o fim de 2017. Atualmente, a NuConta é a
maior conta digital fora da Ásia”.

Veja mais em: https://www.infomoney.com.br/consumo/como-o-nubank-revo-

lucionou-o-mercado-financeiro-no-brasil/

93
Aplicação da informática nas organizações e negócios

Além de influenciar diversas áreas da vida das pessoas, a tecnologia da infor-


mação influencia também as organizações. A exploração da tecnologia da infor-
mação como vantagem competitiva é um dos fatores que foram influenciados. A
evolução tecnológica exige que as organizações contemporâneas se reestruturem
e realinhem seus modelos de negócio, de maneira que avaliem o potencial da
tecnologia para suas operações, pois a tecnologia da informação é uma oportu-
nidade para responder aos desafios competitivos que o mercado impõe. Hoje,
a informação nas organizações é mais indispensável do que nunca, e deve ser
rápida, precisa, formatada e disponível a todos. Dessa maneira, as organizações
podem melhorar seus fluxos de informação, integrar seus negócios, desenvolver
relacionamentos com outras organizações e melhorar seu desempenho (MELO,
2008).
É cada vez mais comum ver empresas investindo muito dinheiro em tecnologia.
Os seis principais objetivos que as empresas visam atingir com esses investimen-
tos são:
• Excelência operacional;
• Novos produtos, serviços e modelos de negócio;
• Relacionamento mais estreito com clientes e fornecedores;
• Melhor tomada de decisões;
• Vantagem competitiva;
• Sobrevivência (LAUDON; LAUDON; MARQUES, 2011).
Outro motivo que leva as empresas a investirem em tecnologia da informação
é a imprescindibilidade à prática de negócios, ou seja, é essencial que uma empre-
sa ofereça serviços no mínimo compatíveis aos de seus concorrentes, que cada
vez mais utilizam a tecnologia a seu favor. Além disso, as organizações podem
desenvolver estratégias que se beneficiam da tecnologia da informação, como:
• Baixos custos operacionais e menores preços;
• Criação de novos produtos e serviços;
• Estabelecimento de um público alvo (nicho) para atendê-lo da melhor
maneira;
• Estreitamento de laços com fornecedores e aumento da proximidade
com os clientes (LAUDON; LAUDON; MARQUES, 2011).

94
Você já deve ter ouvido falar de e-commerce, certo? E-commerce, ou comércio
eletrônico, é um bom exemplo de como a tecnologia da informação nas orga-
nizações está ganhando proporções imensuráveis. A internet criou mercados
completamente novos e transformou muitos outros. Muitas empresas optam por
atender seus clientes somente através da internet, seja em loja online, aplicativos,
páginas de vendas, sites etc. Outras, mesmo tendo seus estabelecimentos em lo-
cais físicos, muitas vezes possuem também e-commerce para atender as pessoas
que preferem “comprar na internet”. Essa é uma realidade cada vez mais comum
e que muitas empresas devem se adaptar.

A segurança da informação: cuidados e dicas

A Era da Informação, como foi dito no início deste capítulo, é marcada por diver-
sas, constantes e rápidas mudanças em todas as áreas do ser humano. Uma área
que não poderia ficar de fora é a segurança. Na matéria a seguir, você entenderá
um pouco mais sobre a segurança da informação.

Isto está
na rede
“Os ataques cibernéticos têm crescido de forma perigosa nos últimos
anos. Apenas no Brasil, a quantidade de roubo de dados e invasões em
sistemas eletrônicos mais que dobrou em 2018. Segundo dados levanta-
dos pela Psafe, companhia especializada em cibersegurança e que, anual-
mente, elabora um relatório de segurança, apenas no primeiro semestre
deste ano foram reportados 120,7 milhões de ataques – um crescimento
de 95,9% ao visto no mesmo período de 2017.
Veja mais em: https://exame.abril.com.br/negocios/dino/seguranca-da-in-
formacao-principais-tecnicas-para-proteger-uma-empresa-de-ataques/

95
É possível evitar ataques cibernéticos tomando alguns cuidados. Separamos
algumas dicas para evitar que um hacker invada seu dispositivo:
• Utilize senhas fortes;
• Utilize conexões seguras;
• Visite apenas sites confiáveis;
• Seja cuidadoso ao fornecer informações pessoais;
• Realize compras apenas em sites confiáveis;
• Pesquise a confiabilidade dos sites que visita na internet;
• Não forneça informações pessoais a estranhos.

96
CONCLUSÃO
O objetivo principal do livro foi nivelar o conhecimento básico que os alunos
possuem sobre informática. Ao longo de dez capítulos, diversos assuntos básicos,
mas muito importantes, foram discutidos e certamente você aprendeu muito em
cada um deles.
Você aprendeu algumas das principais funcionalidades e aplicabilidades do
sistema operacional. Compreendeu as aplicabilidades básicas das ferramentas
Word, Excel e PowerPoint. Agora você saber como usá-las a seu favor durante
sua jornada acadêmica.
Você também foi apresentado ao Canvas e à Área do Aluno. Dois ambientes
virtuais importantíssimos, não é mesmo? Com eles você pode se comunicar com
professores, tutores e alunos, pode solicitar documentos e se organizar por sema-
na, visualizando as aulas e tarefas. Ressalta-se que é muito importante que você
acesse esses ambientes com frequência. Lembre-se, você pode acessar o Canvas
pelo seu celular ou computador.
Além disso, você viu a importância do uso correto de e-mails; como mandar
uma mensagem, como visualizar uma mensagem e como anexar um arquivo.
Por fim, você compreendeu a importância da aplicação da informática nos
dias de hoje. Você aprendeu que a questão tecnológica é algo muito importante
para empresas e negócios. Enfim, não tem como fugir da tecnologia nos dias de
hoje, e ter um conhecimento básico é um primeiro passo para usar tecnologias
disponíveis a seu favor.
Uma dica: não pare por aqui! Olhe o plano de ensino da disciplina e leia os
livros que lá estão indicados. Você vai aprofundar muito o seu conhecimento.
Além disso, uma última dica: pratique. Pratique muito! Pois só com a prática você
irá dominar alguns dos assuntos abordados ao longo do livro.

97
REFERÊNCIAS
ABDALLA, S.; GUESSE, A. Informática para Concursos Públicos. São Paulo: Edi-
tora Saraiva, 2012.

CÓRDOVAR JUNIOR, R. S.; LEDUR, C.L.; MORAIS, I. S. Sistemas Operacionais. Porto


Alegre: Grupo A, 2018.

LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P.; MARQUES, A. Sistemas de informação gerenciais.


Pearson Educación, 2011.

MELO, D. A importância da tecnologia da informação nas estratégias das


organizações contemporâneas: breve revisão de literatura. V Convibra, 2008.

MICROSOFT. Recursos do Windows 10. Disponível em: <https://www.microsoft.com/


pt-br/windows/features>.Acesso em: 10 set. 2019.

SILVA, M. Informática terminologia: Microsoft Windows 8, Internet, Segurança,


Microsoft Office Word 2013, Microsoft Office Excel 2013, Microsoft Office Power
Point 2013, Microsoft Office Access 2013. São Paulo: Érica, 2015.

98

Você também pode gostar