Você está na página 1de 2

O anarquismo e as teorias contratualistas de Hobbes e Locke

Problema: A existência do Estado é justificável?

Teses

O Estado é necessário à vida social e O Estado não é necessário à vida social


a sua autoridade é legítima. e a sua autoridade não é legítima.

Teorias contratualistas Teorias anarquistas

William Godwin,
Hobbes Locke Kropotkin e Bakunine
(entre outros).

Apresenta Apresenta Apresentam


argumentos para argumentos para argumentos para
tentar justificar um tentar justificar um tentar justificar uma
regime político regime político forma de
autoritário (o democrático (o organização política
poder absoluto do poder do Estado sem o Estado.
Estado). depende da vontade
dos cidadãos).

Diferentes modelos de organização social e política


Ideias fundamentais do anarquismo

O anarquismo é uma teoria ou um movimento político. Ainda que existam diferentes tipos
de anarquismo (por exemplo, o radical e o moderado. Ver exemplos da pág. 232 do manual),
algumas das ideias principais subjacentes a esta teoria são as seguintes:

 Uma concepção optimista da natureza humana : os seres humanos não são egoístas,
nem agressivos entre si, ao contrário do que pensava Hobbes, mas são capazes de se ajudar
mutuamente.

 À semelhança do que acontece com outras espécies animais, a cooperação - espontânea e


voluntária - pode substituir a competição entre os seres humanos , pois as
consequências desta última são negativas para todos. Logo, é mais racional cooperar.

 Qualquer forma de coerção é má em si mesma porque impede os indivíduos de serem


livres e iguais e de cooperarem voluntariamente.

 A autoridade do Estado baseia-se na coerção (este possui mecanismos para obrigar os


cidadãos a obedecer a leis e a regras), por isso não é legítima e é antes a causa dos
conflitos sociais existentes.

 As instituições organizadas ou protegidas pelo Estado utilizam diferentes formas de


coacção e, por isso, devem ser abolidas. A liberdade e a igualdade só são possíveis se os
indivíduos não estiverem submetidos a qualquer relação de dominação do Estado.

 Segundo alguns anarquistas, a organização social deve basear-se em pequenas


comunidades - associações voluntárias autónomas - onde existe a cooperação livre e
espontânea entre os indivíduos iguais que visam alcançar objectivos comuns, realizando em
conjunto as actividades necessárias à vida.

Notas:

- Na actualidade, alguns defensores dos ideais anarquistas (como Robert Paul Wolff, ver págs.
231-232 do manual) advogam que, em nome da satisfação de certas necessidades práticas, se
possa tolerar que o Estado desempenhe um papel mínimo na vida social.

- A passagem do modelo anarquista da teoria à realidade pode ser efectuada por diferentes vias:
alguns anarquistas moderados consideram que se deve actuar dentro das instituições
democráticas, dando a conhecer os ideais do anarquismo, de modo a modificar as ideias
vigentes. Outros, radicais, defendem o recurso a acções violentas como o único meio de
desacreditar o poder político e acabar com o Estado.
A professora: Sara Raposo.

Você também pode gostar