Você está na página 1de 7

FORÇAS INTERMOLECULARES E LÍQUIDOS

T3

FORÇAS INTERMOLECULARES
Fase – parte homogénea do sistema em contato com outras partes do sistema, mas separado delas por um limite
bem definido.

ESTADO DA MOVIMENTO DAS


VOLUME / FORMA DENSIDADE COMPREESSIBILIDADE
MATÉRIA MOLÉCULAS
Toma a forma e o volume Baixa Muito compressível Movimento muito livre
Gasoso do recipiente onde está
contido
Tem um volume definido, Elevada Levemente compressível Resvalam quando se
mas toma a forma do aproximam, e
Líquido
recipiente onde está prosseguem com relativa
contido liberdade
Tem forma e volume Elevada Virtualmente em torno Vibram em torno de
Sólido
definidos de posições fixas posições fixas

Forças Intermoleculares:

 São forças atrativas entre moléculas.


 Responsáveis pelo comportamento não ideal dos gases:
o Asseguram a existência dos estados condensados da matéria – líquidos e sólidos.
 Diminuição da temperatura  diminuição da energia cinética das moléculas.
 Aumento da intensidade das forças  aumento do ponto de fusão.
 Responsáveis pelas propriedades macroscópicas da matéria (ponto de fusão/ebulição).
 Requerem menos quantidade de energia para passar a diferentes estados de agregação.
o Ex.: Vaporização da água.

Forças Intramoleculares:

 Mantêm os átomos de uma molécula fundidos.


 Estabilizam as moléculas individuais.
 Ligações químicas.
 É preciso mais energia para quebrar ligações:
o Ex.: quebra de ligações de O --- H de 1
molde de água

LEI DE COULOMB:
MOMENTO DIPOLAR:
Quanto maior for o momento dipolar, maior
será a força. Produto da carga elétrica pela distância
que separa as cargas.
Forças de Atração Dipolo permanente - Dipolo permanente

momento São
forças de
atração entre
moléculas polares, ou seja, entre moléculas que
possuem dipolar. A origem destas é
electroestática, pois o momento dipolar resulta
de pelo menos, dois elementos diferentes com
eletronegatividades próximas.

A imagem mostra a orientação das


moléculas polares num sólido molecular (não iónico):

As moléculas que possuem momento dipolar permanente têm tendência para se alinharem no estado sólido com
polaridade oposta, de modo que as interações atrativas sejam máximas.

Quanto mais pequenas forem as moléculas e maiores os momentos dipolares, maior é a força.

Forças de Atração Ião-Dipolo Permanente


São forças atrativas entre um ião (carga iónica) e uma molécula
polar (momento dipolar)

A intensidade desta interação depende da carga e do tamanho


do ião, bem como do momento dipolar e do tamanho da
molécula.

No caso de as cargas de um catião e anião serem =, a interação


de um catião com um dipolo é mais forte do que a de um anião.
Isto porque as cargas dos catiões estão + concentradas e são
geralmente + pequenas do que as dos aniões.

Ex.: hidratação.

Forças de Dispersão de London


Ao colocarmos um ião / molécula perto de uma molécula apolar  a distribuição
eletrónica da molécula é distorcida pela força exercida pelo ião / molécula 
resultando num dipolo.

O dipolo na molécula apolar chama-se de dipolo induzido  a separação das cargas


positiva e negativa na molécula apolar resulta da proximidade de um ião ou molécula
polar.

Interação ião dipolo induzido – interação atrativa entre um ião e um dipolo induzido.

Interação dipolo-dipolo induzido – interação atrativa entre uma molécula polar e o


dipolo.

Polarizabilidade é a facilidade com que a nuvem eletrónica da molécula pode ser distorcida. Esta aumenta com:

 Maior número de eletrões


 Nuvem eletrónica mais difusa
Forças de dispersão geralmente aumentam com a massa molar.

Ponte de Hidrogénio
Ponte de Hidrogénio – é uma interação
dipolo-dipolo entre um átomo de
hidrogénio numa molécula polar
(ligação N-H, O-H, ou F-H) e um átomo
eletronegativo O, N e F .

É o tipo mais forte de atração


intermolecular

O critério da massa molar, diz-nos que o


composto mais leve tem o ponto de
ebulição mais baixo.

Contudo, os 3 elementos +
eletronegativos (N, O e F) que formam
ligações de hidrogénio (N-H, O-H e F-H)
são mais fortes

Isto porque as ligações químicas entre os dois átomos apresentam elevada diferença de eletronegatividades e do
comprimento da ligação, ou seja, maior momento dipolar o que, segundo a lei de Coulomb, nos diz que quanto
maior for o seu momento dipolar, maior será a sua força.

LÍQUIDOS – Propriedades

Tensão Superficial – é a quantidade de energia requerida para aumentar ou estender a superfície de um líquido por
unidade de área. Medida da força tipo elástico que existe à superfície do líquido.

Forças intermoleculares fortes  Tensão superficial elevada

Ação Capilar: quando um tubo de baixo diâmetro é colocado


num líquido, o líquido sobe ou desce. Resulta da tensão
superficial. Forças responsáveis:

 Adesão  atração entre moléculas diferentes .


 Coesão  atração intermolecular entre moléculas
semelhantes.

Viscosidade – é a medida de resistência que um líquido oferece ao escoamento. Viscosidade diminui com o
aumento da temperatura.

Forças intermoleculares fortes  Viscosidade elevada.


SOLUÇÕES – Propriedades Físicas

Existem três tipos de interações no processo de dissolução:

 Interação solvente-solvente
 Interação soluto-soluto
 Interação solvente-soluto

Soluções de Líquido em Líquido “igual dissolve igual”


Duas substâncias com forças intermoleculares semelhantes serão solúveis uma na outra. Miscíveis vs Imiscíveis
(formam duas fases, inferior mais densa).

 Moléculas não-polares são solúveis em solventes não-polares


 Moléculas polares são solúveis em solventes polares
 Compostos iónicos são mais solúveis em solventes polares

Propriedades coligativas de soluções de não-eletrólitos


Propriedades Coligativas são propriedades que dependem apenas do número de partículas do soluto na solução e
não da natureza dessas partículas.

 Abaixamento da pressão do vapor (Lei de Raoult)


 Elevação ebulioscópica
 Depressão crioscópica
 Pressão osmótica (π)

Pressão Osmótica (π)


Osmose é a passagem seletiva de moléculas de solventes através de uma membrana porosa de uma solução mais
diluída para outra mais concentrada.

Uma membrana semipermeável permite a passagem de moléculas de solvente, mas bloqueia a passagem das
moléculas e soluto.

Pressão Osmótica (π) é a pressão necessária para parar a osmose.


 M é a molaridade da solução
 R é a constante dos gases
 T é a temperatura (em K)

Processos de Dissolução
De acordo com o nº de moléculas de soluto por moléculas de
água:

Solução Isotónica Solução Hipotónica Solução Hipertónica

Grande parte dos tratamentos em conservação estão diretamente relacionados com processos de dissolução:

 Dissolver uma substância que servirá como adesivo ou consolidante (cola animal ou resina sintética)
 Dissolução de substâncias para uso em limpeza (tensioativos, agentes quelantes)
 O próprio processo de limpeza enquadra a dissolução da substância que se pretende eliminar.

Para além das soluções que já se falou anteriormente:

Solução é uma mistura homogénea de aspeto transparente e cujas partículas são muito pequenas (0,1-10 Å)
perfeitamente distribuídos numa só fase.

 Suspensões: Misturas heterogéneas que sedimentam rapidamente e podemos separar por processos físicos
(filtração, sedimentação ou centrifugação)
 Dispersões coloidais ou coloides: mistura homogénea de aspeto claro ou ligeiramente turvo em que as
partículas dispersas (micelas) são grandes moléculas ou agregados moleculares (10-103 Å), não sedimentam
e não se conseguem separar facilmente.

Os tipos de dispersões coloidais mais comuns:

 Sol: dispersão de partículas sólidas em líquido (cola animal em água)


 Emulsão: ambas as fases são líquidos (mistura de um aglutinante aquoso e um aglutinante não-aquoso)
 Aerossol: partículas sólidas ou líquidas num gás (fumo)

Diferenças entre soluções, coloides e suspensões:

SOLUÇÕES COLOIDES SUSPENSÕES


Tamanho das partículas 0,1-10 Å 10-103 Å 103 Å- 0,1 mm
Aspeto Claro e transparente Ligeiramente turvo Turvo
Separação por sedimentação Não Não Sim
Separação por filtração Não Não Sim
Visualização das partículas Não Microscópio eletrónico Lupa, M.O.
Exemplos  NaCl em água  Amido em água  Areia em água
 Azeite  Goma arábica em
 CaCO3 em água
 Óleos água
 Pigmento e óleo de linhaça
 Terebentina  Leite
Um coloide é uma dispersão de partículas de uma substância no meio dispersante de outra substância. Um coloide
distingue-se de uma solução por:

 Partículas coloidais são muito maiores que as dos solutos moleculares


 Suspensão coloidal não é tão homogénea como uma solução
 Coloides exibem o efeito de Tyndal – dispersão da luz visível por partículas coloidais.

O Efeito Tyndall ocorre quando há


espalhamento da luz pelas partículas
em suspensão. Neste caso, é possível
visualizar o trajeto que a luz faz, pois
estas partículas, ao espalhar os raios
luminosos, atuam como fontes
luminosas secundárias. Assim, as
partículas "emprestam" energia da
onda eletromagnética à medida que
ela se propaga pelo meio e, então,
emitem esta energia dentro de um
ângulo sólido, cujo vértice é cada
partícula.

Coloides Hidrofílicos e Hidrofóbicos


Em relação à água, os coloides classificam-se como:

 Hidrofílicos: “gostam” de água  soluções que contêm moléculas muito grandes, que na fase aquosa, se
enrolam de tal modo que as partes hidrofílicas da molécula (as que podem atuar com a água) estão à
superfície. Ex.: protéinas
 Hidrofóbicos: “temem” a água  não é estável em água, visto que as suas partículas agrupar-se-iam para
formar um filme à superfície. Ex.: gotúclas de óleo em água.

Estes últimos podem ser estabilizados por adsorção de


iões à sua superfície. A adsorção de iões negativos à
sua superfície e a repulsão das cargas do mesmo sinal,
impede o agrupamento das partículas:

Ação de lavagem do sabão:

Os coloides hidrofóbicos também podem ser estabilizados pela presença de grupos hidrofílicos na sua superfície.
Uma molécula de sabão possui uma cauda apolar hidrofóbica e uma cabeça polar hidrofílica.

Uma gordura (substância oleosa)


não é solúvel em água. Quando se
adiciona sabão à água, as caudas
não polares das moléculas de sabão
dissolvem-se na gordura, agora, cada gotícula de óleo tem uma superfície exterior hidrofílica. Finalmente a gordura é
removida na forma de emulsão.

Você também pode gostar