Você está na página 1de 1

- Desde o trabalho de Freud sobre a análise de Hans (1909), a psicanálise >> Klein em poucos anos desenvolveu uma técnica

técnica para criança tal


infantil não havia avançado qual a de Freud para adultos. Trabalhava as resistências, a
- Citransferência,
tação página 151 >>> há diferenças
interpretação e a entre
eficáciaa técnica (brincar x assoc.
foi comprovada na
- Freud havia deixado uma ressalva em relação à análise de crianças → livre) e não dosdaprinansiedade,
diminuição cípios do tratamento
liberdade daaopsibrincar
canálise!!!!e se comunicar,
deveria ser conduzida pelo pai da criança –> obstáculo ao desenvolvimento relacionamento mais real com as pessoas <<
- A técnica de Klein focava na formação de vínculo com o inconsciente da
da técnica e da prática
criança através do método do brincar >> sala e brinquedos apropriados
para isso (pag.152)

* 1 - apenas o pai poderia conduzir a análise (estabelecimento de confiança mesa baixa com vários brinquedos pequenos e simples (carrinhos,
para relatar seus desejos e fantasias) bonecos pequenos de ambos os sexos, animais, massa de modelar,
corda.. )
* 2 - a interpretação dos desejos / fantasias inconscientes poderia libertá-
los de forma incontrolável >> CENÁRIO FÍSICO X CENÁRIO EMOCIONAL/PSICOLÓGICO ====
CRIANÇA REVELA AO ANALISTA MAIS COISAS DO QUE À MÃE
objeções contraditórias: inconsciente ao mesmo tempo inacessível OU BABÁ PQ ESTE NÃO FICARÁ CHOCADO COM SUA
(1ª objeção) e acessível demais para o analista (2ª objeção) → AGRESSIVIDADE INTERNA → POR ISSO A PSICANÁLISE
essas questões congelaram o desenvolvimento da psicanálise INFANTIL NÃO DEVE SER PEDAGÓGICA!!!!
infantil

- Hug –Hellmuth em 1917 começou a estudar o brincar espontâneo da


criança como comunicação do inconsciente (mas seguia as objeções de Porque são pouco sugestivos e se prestam rapidamente à adoção
Freud) para diversas fantasias e desejos. O brincar pretende ser LIVRE E
- Klein se baseou nos avanços da técnica propostos por Hug e os submeteu ISENTO de influência / sugestão do analista
aos moldes psicanalíticos (abandonando as objeções de Freud). Em 1919 fez
sua primeira análise com criança. (citação pag. 148) - * 4: criança não consegue criar uma ligação com o analista (muito apegada
aos pais): Klein observou que as crianças destinam papeis aos analistas que
- Em 1927: simpósio sobre a análise infantil na Sociedade Britânica de
representam seu mundo interno e seu superego; essa imposição de papeis
Psicanálise onde vários analistas colocaram suas ideias; as de Klein eram
é a própria transferência que pode elaborar esses conflitos internos
contrárias às mais vinculadas na época (Anna Freud e Hug)
através das representações desses objetos internos.
- Klein indagou sobre a segunda objeção (ego da criança frágil) que
atrapalhou o desenvolvimento da técnica (esse fato não impediu a análise a transferência ocorre com projeções atuais do inconsciente da
de Hans) criança, ou seja, aquilo que não foi superado

- Klein propôs que a interpretação libertava o ego das pressões das o trabalho da transferência positiva é mais fácil e da transferência
fantasias internas e o fortalecia, ao invés de desintegrá-lo negativa exige mais habilidade do analista (analista deve aceitar qualquer
papel que a criança o impuser).
* 3 - elas não tinham motivação para cooperar com a análise (dificuldade
para seguir a regra fundamental de associação livre – precisaria de uma
indução não analítica). Klein revela que a associação não consiste no que é AS 4 OBJEÇÕES DE FREUD AO ATENDIMENTO PSICANALÍTICO DE
retido conscientemente e sim relatar espontaneamente o que vem a mente CRIANÇAS:
e também o faz de modo espontâneo. A criança coopera NATURALMENTE!
• = Apenas o pai poderia conduzir a psicanálise
O brincar da criança revela espontaneamente as fantasias das • = interpretação das fantasias poderia torna-las incontroláveis
crianças e equivalem aos sonhos dos adultos • = não há motivação para cooperar com a análise
• = criança não estabelece ligação com o analista

l@h.s_resumos 1

Você também pode gostar