Você está na página 1de 6

Resfriamento de Newton

Relatório – Experimento 2

Edilton Costa Alves

170002365
Resumo
Neste relatório, foi estudada a Lei de Resfriamento de
Newton, a fim de verificar a hipótese da proporcionalidade entre a
taxa da perda de calor de um corpo e a diferença de temperatura
entre o corpo e a vizinhança.

Objetivos
O experimento tem como objetivo analisar o comportamento do
termômetro no ar e na água, e analisar as equivalências nas
equações de resfriamento ao longo do tempo.

Introdução Teórica
Quando um corpo mais quente é colocado em contato com um
corpo mais frio, ocorre um fluxo de calor do mais quente para o
mais frio, até que um estado estacionário é alcançado, chamado de
equilíbrio térmico.
Newton estabeleceu um princípio físico que explica o
comportamento do corpo em questão e de como sua temperatura varia
com o passar do tempo. Ele estabeleceu que a taxa de perda de
calor de um corpo é proporcional à diferença de temperatura entre
o corpo e o ambiente. Sendo assim, temos que T é a temperatura do
corpo e Ta é a temperatura ambiente, originando a lei do
resfriamento em função do tempo:
T(t) – Ta = (To – Ta)e-bt [1]

Onde b é o coeficiente de transferência de energia térmica entre o


corpo e o meio ambiente, tendo sinal negativo, pois seu módulo
decai com o tempo.
Para ser melhor analisado, a função da lei do resfriamento foi
transformada em uma função linear e feito a regressão linear.
ln(T(t) -Ta) = ln(To-Ta) - bt [2] ,
transformada para
y = a – bt [3]

Materiais utilizados e Procedimento experimental


Neste experimento foram utilizados duas xícaras de cerâmica,
termômetro, água quente, água fria e um celular.
Primeiramente, colocou-se o termômetro digital infravermelho
em uma xícara com água quente e observou-se a variação da
temperatura.
Depois, o retirou e o colocou na xícara com água fria, a fim
de observar a diminuição da temperatura em relação ao tempo.
O procedimento constou da medição e anotação do tempo através
de um cronometro do celular, para obter maior precisão na
verificação dos tempos e temperaturas.
O mesmo procedimento foi realizado, mas colocando primeiro o
termômetro na água quente, e depois observando a variação da
temperatura com influência apenas do ar.
Feito tudo isso, foi possível montar tabelas dos dados e a
partir deles, estudar a Lei de Resfriamento de Newton.

Resultados
Tabela de medidas diretas para o Tabela de medidas diretas para o
termômetro esfriado em água fria. termômetro esfriado no ar.
Tempo Temperatura ( ±1oC) Tempo Temperatura ( ±1oC )
(s) (s)
1 87 0 70
2 85 2 67
4 75 3 63
6 73 4 60
11 69 5 58
13 67 7 56
16 65 8 54
18 64 11 53
21 63 14 52
24 60 17 51
26 59 19 51
29 58 21 50
31 57 25 50
34 55 28 49
40 53 35 48
45 51 (Tabela 2)
49 50
54 49
57 47
(Tabela 1)
Gráfico para a água: Gráfico para o ar:

(Gráfico 1) (Gráfico 2)

Utilizando a fórmula 2 foram calculados os novos valores em y para


poder ser feita a regressão linear. Sendo que agora o valor de y é
dado por ln(T(t)-Ta) e x é o valor do tempo tanto para o ar como
para a água.

Tabela de medidas indiretas para ar Tabela de medidas indiretas para água


ln(T(t) - Ta) Tempo (s) ln(T(t) - Ta Tempo (s)
3,611 2 4,007 2
3,496 3 3,806 4
3,401 4 3,761 6
3,332 5 3,663 11
3,258 7 3,611 13
3,178 8 3,555 16
3,135 11 3,526 18
3,091 14 3,496 21
3,044 17 3,401 24
3,044 19 3,367 26
2,996 21 3,332 29
2,944 25 3,296 31
2,944 28 3,218 34
2,890 35 3,135 40
(Tabela 3) 3,044 45
2,996 49
2,944 54
2,833 57
(Tabela 4)
Gráfico da regressão linear do ar, com Gráfico da regressão linear da água,
fórmula de y=3,44 (+/- 0,04) - 0,019 com fórmula de y=3,88 (+/- 0,02) -
(+/- 0,002).X 0,0186 (+/- 0,0006).X

(Gráfico 3) (Gráfico 4)

Análises e Conclusões
Analisando os Gráficos 1 e 2, teoricamente espera-se que a
temperatura do termômetro decaia conforme o passar do tempo até
entrar em equilíbrio com a temperatura ambiente.
Observa-se que de fato a temperatura decai mais rapidamente
nos primeiros segundos e conforme se aproxima da temperatura
ambiente tende a decair mais devagar e de forma mais linear,
ficando quase constante, pois praticamente se iguala à temperatura
ambiente.
É percebido também que o termômetro esfria mais rápido no ar
que na água. Isso acontece porque o calor específico da água é
maior que o ar, ou seja, por unidade de volume a água é capaz de
trocar mais calor com o termômetro. De um modo mais simples, a
água pode absorver ou perder mais calor que o ar. Dessa forma,
como a água estava muito quente, ela transfere um pouco desse
calor para o termômetro e ele esfria mais devagar. No caso do ar
não tem quase nada pra trocar calor, apenas a temperatura
ambiente, que é bem menor que a temperatura inicial do termômetro,
assim perde calor mais rápido.
Bibliografia

Halliday, David; Renisck, Robert; Walker, Jeal, Fundamentos da


Física, vol.1. Rio de Janeiro, LTC(2008). 8 edição.
Young & Freedman. Física 1: Mecânica,. 12a ed., 2008.
http://www2.bioqmed.ufrj.br/ciencia/Descongelando.htm

Você também pode gostar