Você está na página 1de 11

Ministério da Educação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná


Campus de Curitiba
Gerência de Ensino e Pesquisa
Departamento Acadêmico de Química e Biologia
Prática no 01 _ Segurança no Laboratório e Vidrarias
Disciplina: Química Orgânica e Q. Orgânica Fundamental Prof. Dr. Paulo Roberto de Oliveira

Objetivo:

Informar ao aluno a respeito dos riscos e cuidados que devem ser tomados em um laboratório
de Química Orgânica e mostrar a maioria das vidrarias e equipamentos que serão usados nas aulas
práticas.

Segurança no Laboratório

É o conjunto de medidas que são empregadas para prevenir acidentes, quer eliminando condi-
ções inseguras do ambiente, quer instruindo ou convencendo pessoas na implantação de práticas pre-
ventivas.

Risco
É o perigo a que determinado indivíduo está exposto ao entrar em contato com um agente tó-
xico ou a certa situação perigosa.

Acidente
São todas as ocorrências não programadas, estranhas ao andamento normal do trabalho, das
quais poderão resultar danos físicos ou funcionais e danos materiais e econômicos à instituição.

Prevenção De Acidentes
É o ato de se por em prática as regras e medidas de segurança, de maneira a se evitar a ocor-
rência de acidentes.

Equipamentos De Segurança
São os instrumentos que têm por finalidade evitar ou amenizar riscos de acidentes. Os equi-
pamentos de proteção individual (EPI`s) mais usados para a prevenção da integridade física do indi-
víduo são: óculos, máscaras, luvas, aventais, gorros, etc.
Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 2

O QUE SEMPRE DEVEMOS SABER NUM LABORATÓRIO?

“A SEGURANÇA DEPENDE DE CADA UM”.


“É RESPONSABILIDADE DE CADA UM ZELAR PELA PRÓPRIA SEGURANÇA E DAS PESSOAS
COM QUEM TRABALHA”.

NUNCA ESQUEÇAM:

⇒ O aluno que faz brincadeiras no laboratório, não é um humorista. “ele é um elemento perigoso”.
⇒ É proibido fumar nos laboratórios, alto risco de acidentes.
⇒ Verifique, ao encerrar suas atividades, se não foram esquecidos aparelhos ligados (bombas, moto-
res, mantas, chapas, gases, etc.) e reagentes ou resíduos em condições de risco;
⇒ É bom lembrar que o professor é sempre a pessoa melhor qualificada para orientar quanto aos
cuidados específicos a serem tomados em relação a cada experiência. Suas instruções devem ser
cuidadosamente seguidas e respeitadas.
⇒ No laboratório de química orgânica é obrigatório o uso do jaleco e luvas

REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA

¾ Saiba onde se encontra o material de emergência para primeiros socorros.


¾ Não abra qualquer recipiente antes de reconhecer seu conteúdo pelo rótulo;
¾ Não pipete líquidos diretamente com a boca; use pipetadores adequados;
¾ Não tente identificar um produto químico pelo odor nem pelo sabor;
¾ Não execute reações desconhecidas em grande escala e sem proteção;
¾ Não adicione água aos ácidos, mas sim os ácidos à água;
¾ Não trabalhe de sandálias ou chinelos no laboratório;
¾ Não abandone seu experimento, sem identificá-lo e encarregar alguém qualificado pelo seu a-
companhamento;
¾ Mantenha os solventes inflamáveis em recipientes adequados e longe de fontes de calor;
¾ Utilize a capela sempre que manipular reagentes ou solventes que liberem vapores;
¾ Conheça as propriedades tóxicas das substâncias químicas antes de empregá-las pela primeira
vez no laboratório;
¾ Se tiver cabelos longos, leve-os presos ao realizar qualquer experiência no laboratório;
¾ Não se alimente e nem ingira líquidos nos laboratórios;
Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 3

¾ Evite colocar na bancada de laboratório, bolsas, agasalhos ou qualquer material estranho ao tra-
balho;
¾ Comunique qualquer acidente, por menor que seja, ao responsável pelo laboratório;
¾ Se algum ácido ou produto químico for derramado, lave o local imediatamente
¾ Informe seus colegas sobre o andamento de qualquer experiência que possa oferecer perigo.
¾ Para sentir o odor de uma substância não coloque diretamente o nariz sobre o recipiente, mas
com a mão traga, um pouco do vapor até ele.

Incêndios
Além de materiais usualmente inflamáveis (madeira, cortiça, gás, o próprio vestuário, cabe-
los) todo laboratório contém solventes altamente inflamáveis (éter, acetona, álcool, benzeno e ou-
tros).

Para Evitar Acidentes


• Use a chama do bico de bunsen apenas quando necessário, apagando-a imediatamente após
terminada a operação.
• Nunca acenda um bico de bunsen perto de material inflamável.
• Não deixe chamas acesas ao sair do laboratório.

Em Caso de Incêndio

9 Se for um acidente de pequenas proporções, abafe imediatamente com uma toalha.


9 Feche os bicos de gás e desligue aparelhos elétricos das proximidades.
9 Apague o fogo com extintor de incêndio.
9 Coloque-se em segurança.
9 Procure ler e entender os roteiros experimentais; consulte a literatura especializada. Em caso
de dúvidas, discuta o assunto com o professor antes de tentar fazer o experimento;
9 Em caso de possuir alguma alergia, estar grávida ou em qualquer outra situação que possa ser
afetado quando exposto a determinados reagentes químicos, comunique o professor logo no
primeiro dia de aula;
Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 4

SIMBOLOS DE PERÍGO E SEUS SIGNIFICADOS


Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 5

MATERIAIS DE LABORATÓRIO

Erlenmeyer Bequer Vidro de Relógio

Tela de Amianto Pisseta ou Pisseti Tubos de Ensaio

Bureta Proveta Balão Volumétrico


Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 6

Pipeta Graduada Pipeta Volumétrica

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

⇒ As medidas de volume com maior exatidão são realizadas com pipetas e buretas.
⇒ As soluções devem ser preparadas em balões volumétricos
⇒ As medidas de volume aproximadas são feitas em geral com provetas
⇒ Os béqueres e erlenmeyers não devem ser usados como medidores de volume, eles são imprecisos
e servem somente para transporte de líquidos.

Balão de Fundo Redondo Balão de Fundo Chato Balão de Fundo Redondo


de Três Bocas

Funil de Separação Condensadores: Espiral, Suporte para Tubos de Ensaio


Liso e de Bolas.
Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 7

Kitassato Funil de Buchner Pinça de Madeira

Placa de Petri Almofariz com Pistilo Funil Simples

Dessecador Termômetro Cápsula de Porcelana


Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 8

Cadinho Cabeça de Destila- Clipes de Plásti-


ção co

Tubo de Thiele Pêra Pérolas de Vidro

Aro de Metal ou Bico de Bulsen Pinça em Forma de Tesoura


Argola de Metal

Espátulas Tripé de Ferro Bastão de Vidro


Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 9

Pinça tipo Garra Pinça tipo Garra Trompa de Vácuo

Mufas Tubo Conectante 3 Vias Plataforma tipo Jack

Barras Magnéticas (Peixi- Coluna cromatográfica Pinça Metálica


nhos)

Extrator de Soxhlet Dean Stark Coluna de vigreaux


Completo
Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 10

Funil de Adição Reservatório de Água Destilada Suporte Universal

EQUIPAMENTOS

Agitador Magnético com Agitador Mecânico Balança Analítica


aquecimento

Balança Semi-Analítica Manta Bomba de Vácuo


Química Orgânica e Química Orgânica Fundamental – Prática 01 11

Mufla Estufa Evaporador Rotatório

Polarimetro Chuveiro de Emer- Bomba para Alto Vácuo


gência com lava olhos