Você está na página 1de 213

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS


DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL

IMAGENS DA CIBERCULTURA:
As figurações do ciberespaço e do ciborgue no cinema

Joon Ho Kim

Dissertação apresentada ao Programa de


Pós-Graduação em Antropologia Social da
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências
Humanas da Universidade de São Paulo,
para obtenção do título de Mestre em
Antropologia.

Orientadora: Profa. Dra. Sylvia Caiuby Novaes

São Paulo - 2005


Para minha mãe e meus irmãos.
AGRADECIMENTOS

À Sylvia Caiuby Novaes, orientadora sempre atenciosa e paciente, pelo apoio


e pelas incontáveis contribuições, fundamentais para a materialização deste trabalho
e meu crescimento acadêmico e intelectual.
Ao Geraldo Costa, por viabilizar a conciliação entre minha vida profissional e
acadêmica, assim como pelas conversas e entrevistas que muito ajudaram no
amadurecimento da minha pesquisa.

Ao Paulo Menezes e ao John Dawsey, pelas críticas e sugestões no exame


de qualificação, decisivas para o desenvolvimento metodológico e teórico deste
trabalho.
À Miriam Moreira Leite, que me honrou com suas sugestões e atenciosa
leitura dos meus textos.
À Mariana Vanzolini, pelos inúmeros problemas logísticos que ajudou a
solucionar, e ao Giuliano Ronco, pelo apoio nas ilhas de som e de vídeo.
À Paula Morgado, pela constante iniciativa de divulgar minha pesquisa.
Aos demais colegas do Grupo de Antropologia Visual (GRAVI). Em especial,
Andréa Barbosa, Edgar da Cunha, Francirosy Ferreira e Rose Satiko Hikiji.

A Eduardo Utima, Luiz Antônio Barata, Nara Yoshimatsu, Patrícia Galízia e


Sérgio Lima pelas entrevistas gentilmente concedidas.

À FAPESP que financia o projeto temático “Alteridade, expressões culturais


do mundo sensível e construções da realidade: velhas questões, novas inquietações”
do qual esta pesquisa se beneficia.
À Promon, pelo apoio dado durante dois anos.

À Sofia Koon Ja Song, minha mãe, que acompanhou de perto esta jornada.
A todos os demais colegas, amigos e familiares que de alguma forma
participaram do meu mestrado.
Julho de 2005
RESUMO

O objetivo deste trabalho é a análise das imagens da cibercultura, mais

|
especificamente como aparecem nos filmes produzidos nas duas últimas décadas.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia Social • FFLCH • USP


Nos filmes analisados, o corpo representa tanto algo a ser modificado artificialmente,
para a superação dos limites impostos pela natureza, como algo a ser sublimado, a
fim de se obter a plenitude da experiência virtual em simulações computadorizadas.
Independentemente de quão imaginárias sejam essas construções, elas são
necessariamente mediadas pelas mesmas categorias que permitem apreender a
realidade como uma construção social e refletem as mudanças da própria
mentalidade coletiva frente ao desenvolvimento técnico-científico. Nesse sentido, os
ciborgues e o ciberespaço das diegeses fílmicas são produtos do que poderíamos
chamar de “cibercultura”, uma resposta positiva da cultura na criação de uma “nova
ordem do real” diante de contextos práticos inéditos, decorrentes da disseminação
das tecnologias chamadas “cibernéticas” e da vulgarização dos discursos científicos,
que desafiam as categorias tradicionais de interpretação da realidade.

|
Imagens da Cibercultura
Julho de 2005
ABSTRACT

The aim of this thesis is to analyze cyberculture images, specifically how they

|
have appeared in films produced over the last two decades. When analyzing films, the

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia Social • FFLCH • USP


body represents an object to be artificially modified, to exceed the limits imposed by
nature, as well as an object to be sublimated, in order to achieve an absolute virtual
experience in computer simulations. In spite of how imaginary the construction of
cybercultures images may be, they are unavoidably defined by the same categories
that permit apprehending the reality as a social construction and reflect the collective
mentality, which changes due to technical-scientific development. From this point of
view, the cyborgs and the cyberspace of the film's diegeses are products of what we
can name "cyberculture," a positive cultural response in order to create a "new order
of reality" This order deals with new practical contexts, due to the dissemination of
technologies called "cybernetic" and the spread of scientific discourses, that challenge
the traditional categories for the interpretation of the reality.

|
Imagens da Cibercultura
Julho de 2005
ÍNDICE

I. INTRODUÇÃO ___________________________________ - 7 -

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


II. A SOCIEDADE CIBERNÉTICA _______________________ - 16 -
II.1. ... DA CIBERNÉTICA À CIBERCULTURA .................................................................. - 17 -
II.2. ... O CIBERESPAÇO: DO ABSTRATO AO SENSÍVEL ................................................... - 30 -
II.3. ... O CORPO NA ERA DO PÓS ORGÂNICO ............................................................... - 50 -

III. O REALISMO ESPETACULAR _______________________ - 71 -


III.1. .. O CONTEXTO DA SOCIEDADE DE MASSAS ......................................................... - 72 -
III.2. .. A VIDA MODERNA E O OLHAR CINEMATOGRÁFICO .............................................. - 81 -

IV. AS FIGURAÇÕES DA CIBERCULTURA ________________ - 101 -


IV.1. . O CORPUS DA PESQUISA .............................................................................. - 102 -
IV.1.1 Sinopse dos filmes - 104 -
IV.1.2 Ranking de bilheteria dos filmes selecionados - 108 -

|
IV.2. . AS ALEGORIAS DA TECNOLOGIA ..................................................................... - 113 -
IV.3. . AS IMAGENS DO CIBERESPAÇO ...................................................................... - 135 -

Imagens da Cibercultura • índice


IV.4. . IMAGENS DA ALTERIDADE CIBERNÉTICA .......................................................... - 160 -

V. CONCLUSÃO _________________________________ - 191 -

VI. BIBLIOGRAFIA ________________________________ - 199 -

VII. FILMOGRAFIA _______________________________ - 209 -


I.
INTRODUÇÃO

7
Imagens da Cibercultura • I: Introdução | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005
Julho de 2005
As máquinas do fim do século XX tornaram completamente ambíguas as
diferenças entre o natural e o artificial, a mente e o corpo, o autocriado e o
externamente projetado, assim como outras distinções que costumávamos
aplicar aos organismos e máquinas. Nossas máquinas são perturbadoramente

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


vivas e nós mesmos assustadoramente inertes (Haraway, 2000, p. 294).

No fim da década de 1940, foi publicado um livro que propunha reunir sob
uma única disciplina científica a teoria e a pesquisa relacionada aos sistemas de
controle e comunicação, independentemente de serem fenômenos provenientes de
sistemas artificiais ou orgânicos. Sob um paradigma que reduz tudo a uma espécie de
engenharia universal das mensagens, essa disciplina, batizada de “cibernética”
(Wiener, 1948), influenciou praticamente todas as áreas científicas e tecnológicas
existentes, além de ter sido fundamental o reconhecimento de novas áreas
especificamente “cibernéticas”, inimagináveis antes da década de 1940, tais como a
informática, a robótica, a biônica e a biotecnologia. Sob o paradigma cibernético –
segundo o qual tudo aquilo que “funciona”, seres vivos e máquinas, são, no limite,

|
sistemas de unidades intercambiáveis – a ciência e a tecnologia mudaram e
continuam mudando nosso mundo natural e social em uma velocidade avassaladora.

Imagens da Cibercultura • I: Introdução


Algumas mudanças são sentidas diretamente no nosso dia-a-dia por meio da
aceleração do ciclo de vida de artefatos que forçam a substituição de objetos não tão
velhos – como a máquina de escrever, o toca-disco, o toca-fitas e, mais
recentemente, o vídeo-cassete, na medida em que perdem seu lugar na nossa rotina
e são substituídos por artefatos “pós-eletromecânicos” – e o surgimento de novas
necessidades, tais como a indispensável Internet, seus web-sites e e-mail, sem os
quais a nossa vida cotidiana, hoje, beira o inimaginável. Outras mudanças são
sentidas de forma mais indireta: a robotização que alterou drasticamente a relação
dos homens com os meios de produção ou a biotecnologia que, apesar de já ter
invadido as prateleiras do nosso supermercado, é cotidianamente invisível, como são
invisíveis, para nós, as mudanças que ela promove na criptografia da vida.
Invisibilidade que é, vez e outra, rompida quando os clones e transgênicos – que,
desde a ovelha Dolly1 e a soja Roundup Ready2, deram ares de ficção-científica à

1
O primeiro clone de mamífero produzido com sucesso, Dolly nasceu em 05 de julho de 1996 mas
morreu por complicações de saúde consideradas prematuras para sua idade, em 2003.

8
Julho de 2005
nossa realidade – trazem discussões éticas e de bio-segurança para a pauta das
manchetes, reformatadas e simplificadas, é claro, para se adequar ao entretenimento
jornalístico da hora do jantar. Já a nanotecnologia – que mal passava de especulação
há pouco mais de uma década, quando as iniciais “IBM” foram montadas com 35

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


átomos – anuncia um revolucionário e admirável mundo novo baseado em artefatos
cibernéticos menores que bactérias. O que é denominador comum de todas essas
tecnologias, suas conquistas e promessas é a noção ciberneticista de que tanto os
processos orgânicos como os não-orgânicos compartilham os mesmos sistemas
informacionais. Uma das conseqüências dessa idéia se traduz na equivalência
funcional entre artifício e organismo, tornando imprecisa, ambígua e questionável a
fronteira que separa um do outro.
É notório que as máquinas vivas e os organismos artificiais já fazem parte da
nossa realidade. Na medida em que o mundo cotidiano incorporou as promessas e
produtos das tecnologias cibernéticas, as noções e discursos técnico-científicos,
antes restritos às altas rodas científicas, também foram deslocados para o plano da
cultura de senso comum, por meio do que podemos chamar de “cultura de massas”.

|
Segundo Morin, (1967, p. 37-38) é próprio da cultura de massas o sincretismo que
tende a “homogeneizar sob um denominador comum a diversidade dos conteúdos”

Imagens da Cibercultura • I: Introdução


em formas assimiláveis ao chamado “homem médio”, ele próprio produto de um
pensamento homogeneizador. Esse sincretismo se traduz na união do “imaginário
dominado pela aparência de realidade” com os “fatos diversos”, a matéria básica do
setor da informação, aquilo que “na vida real se assemelha ao romanesco ou ao
sonho”:

A cultura de massa é animada por esse duplo movimento do imaginário


arremedando o real e do real pegando as cores do imaginário (...), esse
prodigioso e supremo sincretismo se inscreve na busca do máximo de consumo
e dá à cultura de massa um de seus caracteres fundamentais (Morin, 1967, p.
39).

Na perspectiva da cultura de massas, podemos ver a cibernética como o


denominador comum que possibilitou a homogeneização de uma diversidade de

2
A soja modificada geneticamente pela Monsanto para ser tolerante ao herbicida glifosato durante
todo o seu ciclo de vida. Em sojas não-transgênicas, o glifosato é utilizado apenas no pré-plantio.
Como o glifosato é vendido pela Monsanto sob a marca Roundup, sua soja transgênica é conhecida
como “Roundup ready”.

9
Julho de 2005
conquistas e promessas da tecnologia em um cientificismo vulgar, porém conveniente
para dar sentido não só a uma realidade mais fantástica que a imaginação, mas
também para dar ares de realidade às fantasias e aos devaneios mais implausíveis. A
cultura de massas matizada com noções cibernéticas deu nomes a seres que eram

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


inomináveis e naturalizou insólitas criações, reais e imaginárias, intrinsecamente
relacionadas com a transgressão e desagregação de tradicionais fronteiras
classificatórias. É, notoriamente, uma naturalização que se utiliza principalmente de
recursos visuais e que encontra no cinema – a despeito da importante influência dos
videogames, dos quadrinhos e da literatura nos filmes – o principal meio de
disseminação dos temas, modelos e estereótipos que delimitam um recorte cultural
que podemos chamar de cibercultura. Como observam alguns autores (Morin, 1967;
Bourdieu, 2001), o cinema é um dos meios de produção cultural que melhor incorpora
a tendência do mercado da cultura de massas de abolir as fronteiras culturais e
homogeneizar as diferenças em “prol de uma cultura das grandes áreas
transnacionais” (cf. Morin, 1967, p.42-45). A produção cinematográfica possui
características de um cosmopolitismo específico que deriva da independência que o

|
cinema tem em relação à língua3 e ao nível de instrução do espectador4.
Ao lado da sua grande penetração social, decorrente do cosmopolitismo e

Imagens da Cibercultura • I: Introdução


abrangência em termos de classes sociais, encontramos no cinema a consolidação
de uma diversidade de significantes, provenientes de variados campos da cultura e
da ciência, no discurso sincrético típico da cibercultura. É um discurso intimamente
relacionado com a ampliação dos limites humanos por meio da sublimação e
retificação do corpo, que se manifestam, respectivamente, na imagem do ciberespaço
e no ciborgue. A possibilidade da imersão em ambientes virtuais computadorizados
ou de um corpo híbrido de organismo e máquina5 reafirmam velhos ideais e
promessas da modernidade. A modernidade é aqui o “fundo de entendimento”
(“background of understanding”) responsável pelo recorte de nossos discursos e

3
Morin (1967, p.45) nota que todo filme legendado já é cosmopolita e que “todo filme dublado é um
estranho produto cosmopolitizado cuja língua foi retirada para ser substituída por outra. Ele não
obedece às leis da tradução, como o livro, mas às leis da hibridação industrial”.
4
De acordo com Bourdieu (2001, p. 302), o cinema é, “dentre as práticas culturais”, a “menos
estreitamente vinculada ao nível de instrução (...) ao contrário da freqüência a concertos, prática mais
rara que a leitura e a freqüência a teatros”.
5
Escobar (2000, p. 56) nota que “enquanto qualquer tecnologia pode ser estudada antropologicamente
de uma variedade de perspectivas, cibercultura refere-se muito especificamente às novas tecnologias
em duas áreas – inteligência artificial (particularmente tecnologias da informação e computação) e
biotecnologia”.

10
Julho de 2005
práticas sob uma perspectiva utilitária que vê a ciência e a tecnologia de forma neutra
e não-problemática (cf. Escobar, 2000, p.58). Com efeito, as imagens do ciberespaço
e do ciborgue engendram profundas alterações na categoria do corpo e cristalizam
uma lógica instrumental na qual a sua sublimação ou alteração da natureza do corpo

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


são meios plausíveis e justificáveis dentro de uma cadeia de meios e fins. No
ciberespaço, o corpo é uma entidade cognitivamente transparente e, no ciborgue, o
corpo é uma base material pronta para todo tipo de reconstrução cibernética. As
imagens fílmicas do ciborgue e do ciberespaço tornam acessíveis ao senso comum o
“discurso científico contemporâneo” no qual o corpo é “ontologicamente distinto do
sujeito, torna-se um objeto à disposição sobre o qual agir a fim de melhorá-lo” e
“declinado em peças isoladas”, torna-se uma “estrutura modular cujas peças podem
ser substituídas” (Le Breton, 2003, p. 15-16).
A ficção-científica, categoria dentro da qual enquadram-se todos os filmes
acerca do cibernético analisados por esta pesquisa, não só nos fala das
possibilidades imaginárias da ciência e tecnologia como, normalmente, as narram em
um imaginário do futuro. Nesses casos, como observa Martins (2004, p.4), essas

|
histórias acerca do futuro constituem um “futuro contemporâneo” porque “ainda que
as narrativas se refiram ao futuro, em última análise, suas âncoras estão

Imagens da Cibercultura • I: Introdução


mergulhadas em formas de perceber e explicar o tempo presente”. Le Breton (2003,
p.161), por sua vez, observa que:

A apropriação dos imaginários que organizam as orientações coletivas futuras


encontra na ficção científica um caminho mais fácil de desenvolvimentos e de
projeção em uma trama social. Ela experimenta os cenários do futuro próximo e
já esclarece os processo em jogo no presente.

Assim, desde que são produtos de especificidades sociais e históricas,


encontra-se nos filmes ciberculturais uma contínua mudança das representações
acerca do cibernético que decorre, precisamente, da sensibilidade das construções
fílmicas às transformações do mundo real (cf. Morin, 1970, p.202-203). Nessa
perspectiva, esta pesquisa entende que a obra fílmica possui uma inegável relação
com o senso comum da sociedade onde ela é produzida – “o cinema transmite
representações e esquemas sociais; corta fragmentos do mundo exterior, que
constitui em unidades contínuas, os filmes, que impõe ao público” (Sorlin, 1985,
p.187) – e busca não só delimitar uma especificidade cultural cujas fronteiras são

11
Julho de 2005
marcadas pela apropriação de modelos e discursos tipicamente ciberculturais como
estudar a mentalidade social acerca do cibernético a partir das recorrências –
modelos, clichês e estereótipos – e a evolução dessas recorrências nas construções
fílmicas.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Estudar o imaginário fílmico da cibercultura não visa construir um catálogo de
suas construções, mas analisar, a partir de algumas dessas construções, a relação
que possuem com as transformações do real. De acordo com Sorlin (1985, p.251-
252), os filmes não são meros repertórios do visível, são produtos que dão forma à
ideologia de sua época. Mesmo a “aparência de realidade” de um filme não é, de
forma alguma, universal, mas também sujeita aos códigos e repertório específicos:
“Se considero verdadeiro o filme: quais eram, na época, os critérios de verdade?”.
Complementa o autor:

(...) todas as épocas (...) têm suas regras para organizar o mundo exterior –
mundo dos objetos e das relações sociais – de maneira que encontrem ali uma
coerência e possam aplicar suas regras de conduta: possuem, em particular,
categorias de análise por meio das quais tal maneira de designar verbal ou

|
iconograficamente os objetos é considerada estilizada, falsa, caricaturesca,
humorística ou fiel à realidade (Sorlin, 1985, p.157).

Imagens da Cibercultura • I: Introdução


Tendo em vista que o ciberespaço e o ciborgue são as principais referências
que orientam as figurações dos cibermundos retratados nos filmes, uma das
preocupações desta pesquisa foi estudar o contexto social e histórico no qual essas
referências surgem como categorias simbólicas importantes para fazer frente às
transformações do real. Assim, a primeira parte desta dissertação (II.1 a II.3) versa
sobre a sociedade cibernética e está dividida em três capítulos: o capítulo II.1, “Da
cibernética à cibercultura”, trata do surgimento da cibernética como modelo científico
e da apropriação dos seus resíduos e discursos no processo cultural de “reavaliação
funcional” de categorias no qual velhos significantes são reinventados e
ressignificados para dar conta de uma realidade tecnológica em incessante
transformação. O objetivo do capítulo II.2, “O ciberespaço: do abstrato ao sensível”, é
fornecer um panorama do desenvolvimento tecnológico que transformou o
computador tanto em um bem de consumo de ampla penetração social como um
meio de emular a imersão em ambientes virtuais, tornando socialmente real a
sublimação do corpo das relações sociais. Se o ciberespaço suscita a idéia de que o

12
Julho de 2005
corpo é um excesso, notou-se durante a pesquisa que o espaço sintetizado pelo
computador é apenas uma das possibilidades reservadas ao corpo na perspectiva da
cibercultura, onde ele é visto como um suporte de defeitos a serem retificados pela
cibernética. A transformação do corpo em um mero “rascunho a ser corrigido” (Le

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Breton, 2003, p.16) pelas mais variadas tecnologias de reconstrução é o assunto
tratado no capítulo II.3, “O corpo na era do pós-orgânico”, que procura montar um
breve histórico do ciborgue e do discurso no qual a hibridação de artifício e de
organismo é a resposta legítima tanto para a correção de um corpo imperfeito, como
para a superação de seus limites naturais.
A segunda parte da dissertação (capítulos III.1 e III.2) procura contextualizar
o cinema em termos sociais e históricos, analisando-o como produto de uma
modernidade na qual desenvolve-se uma afinidade entre o “realismo espetacular” e a
sociedade de massas. No capítulo III.1, “O contexto da sociedade de massas”, é
analisada como a tendência da sociedade de massas, tanto de elevar aspectos da
realidade à categoria de espetáculo como de revestir o espetáculo com aparências de
realidade, determinaram o surgimento de um olhar cinematográfico antes mesmo do

|
advento do cinema. O capítulo III.2, “A vida moderna e o olhar cinematográfico”,
analisa o realismo associado à imagem cinematográfica e procura demonstrar que o

Imagens da Cibercultura • I: Introdução


“coeficiente de realidade” do cinema – indissociável do “espetáculo cinematográfico” e
lastreado, em grande parte, pela imagem fotográfica, percebida como um “traço da
realidade” – é condicionado socialmente e tem sua origem em um “modo de ver”
renascentista.
A terceira parte é a que trata das figurações da cibercultura encontradas no
cinema. Ela está dividida em quatro capítulos (IV.1 a IV.4). O capítulo IV.1 é uma
introdução ao material de pesquisa e apresenta, além da metodologia utilizada para o
recorte do universo fílmico, uma breve sinopse dos filmes dos quais provêm as
construções fílmicas analisadas nos capítulos subseqüentes. O capítulo IV.2, “As
alegorias da tecnologia”, traça um panorama das representações mais recorrentes do
cibernético e como elas vêm se transformando nas últimas décadas, refletindo a
dinâmica das categorias do senso comum nas quais estão ancoradas. O capítulo
IV.3, “As imagens do ciberespaço”, trata do surgimento e da evolução do imaginário
fílmico dos ambientes virtuais computadorizados apresentados, cada vez mais, como
o ambiente diegético privilegiado para a ação dos personagens e para a realização da
narrativa. O capítulo IV.4, “As imagens da alteridade cibernética”, procura analisar a

13
Julho de 2005
imagem das alteridades que os filmes ciberculturais constroem. Essas alteridades
são, invariavelmente, figuras ambíguas, objetos de um certo estranhamento e retratos
desviantes de humanidade: máquinas com aparência humana, seres-humanos
retificados artificialmente ou tricksters que superam no plano do imaginário fílmico

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


contradições insolúveis no plano da vida real.
Examinando as produções fílmicas como “manifestações parciais do sistema
de simbolização que é a ideologia de certa época” (Sorlin, 1985, p.190), esta
pesquisa busca desvendar um mundo que é certamente mais e mais visto, porém
cada vez menos compreendido (cf. Carrière, 1995, p.71). Procura também manter
sempre em vista a inserção no que Escobar (2000, p. 59) chamou de “uma das
tarefas da antropologia da cibercultura”: estudar a extensão e “de que maneiras
concretas as transformações vislumbradas” pelas novas paisagens da ficção
científica – “populadas com ciborgues de todos os tipos (seres humanos e outros
organismos com inumeráveis próteses e interfaces tecnológicas), movendo-se em
vastos ciberespaços, realidades virtuais e ambientes mediados por computador” –
estão em processo de tornarem-se reais. É, freqüentemente, um processo no qual a

|
realidade espetacular parece não se diferenciar mais do espetáculo realista. Para Le
Breton (2003, p.161), “a ficção científica não se opõe mais ao real”:

Imagens da Cibercultura • I: Introdução


O próprio mundo compete de forma desleal com os autores de ficção científica
exagerando suas hipóteses ou realizando um meio social e técnico que às vezes
parece diretamente saído de seu imaginário.

O autor acrescenta que a ficção científica – em particular a oposição entre


“um mundo de redenção pela técnica a um mundo de danação” retratado pela ficção
cyberpunk – deixou de ser um devaneio e tornou-se “uma experimentação do
contemporâneo, uma projeção imaginária das questões que assombram nossas
sociedades”. Para ele, a ficção científica “toma o lugar da sociologia ou da
antropologia para expressar, em forma narrativa, as tensões que às vezes falta ao
modo de formulação das ciências sociais” (cf. Le Breton, 2003, p.160). É aqui que
reside a principal meta que norteia esta pesquisa: a de trazer para o foco das ciências
sociais as imagens fílmicas que traduzem o desencontro, muito real e
contemporâneo, entre a ideologia que celebra o homem como uma mera instância da
máquina e a prática que, reduzindo o corpo a mero suporte do cogito ou a

14
Julho de 2005
justaposição de partes sujeitas às mais insólitas reinvenções e retificações, introduz a
desordem simbólica no cosmos do qual o corpo é imagem.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


|
Imagens da Cibercultura • I: Introdução

15
II.
A SOCIEDADE CIBERNÉTICA

16
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005
Julho de 2005
II.1. Da cibernética à cibercultura
Em 1948, o matemático Norbert Wiener publicou Cybernetics: or the Control
and Communication in the Animal and the Machine, livro que apresenta as hipóteses

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


e o corpo fundamental da cibernética, resultado de vários anos de pesquisa e
interação com pesquisadores de diversas áreas cientificas, incluindo as ciências
sociais, representados, em especial, pelos antropólogos Gregory Bateson e Margaret
Mead. A idéia fundamental desenvolvida por Wiener com seus principais
colaboradores, o fisiologista Arturo Rosenblueth e o engenheiro Julian Bigelow, é a de
que certas funções de controle e de processamento de informações semelhantes em
máquinas, seres vivos e, de alguma forma, na sociedade, são – de fato –
equivalentes e redutíveis aos mesmos modelos e mesmas leis matemáticas. Wiener
entendia que a cibernética seria uma teoria das mensagens mais ampla que a “teoria
da transmissão de mensagens da engenharia elétrica”,

(...) um campo mais vasto que inclui não apenas o estudo da linguagem mas
também o estudo das mensagens como meios de dirigir a maquinaria e a

|
sociedade, o desenvolvimento de máquinas computadoras e outros autômatos
(...), certas reflexões acerca da psicologia e do sistema nervoso, e uma nova
teoria conjetural do método científico (Wiener, 1984, p.15).

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


Wiener (1948, p.19 e 1984, p.15) explica que ele e Rosenblueth criaram um
termo artificial para designar esse campo científico porque acreditavam que qualquer
terminologia existente traria um viés indesejado ao seu sentido. Assim, eles
cunharam o termo “cybernetics” derivado do grego “kubernetes”, palavra utilizada
para denominar o piloto do barco ou timoneiro, aquele que corrige constantemente o
rumo do navio para compensar as influências do vento e do movimento da água.
Além do sentido de controle, reforçado pela correspondência que “kubernetes” tem
com o latim “gubernator”, de onde também deriva a palavra “governo”, Wiener quis
fazer referência aos mecanismos de leme de navios, um dos mais antigos
dispositivos a incorporar os princípios estudados pela cibernética.
O campo que Wiener designa de “cibernética” teve início durante os esforços
relacionados com a II Grande Guerra, quando ele realizou pesquisas com
programação de máquinas computadoras e com mecanismos de controle para
artilharia antiaérea. Tanto em uma como em outra pesquisa, Wiener engajou-se no

17
Julho de 2005
que descreve como “estudo de um sistema elétrico-mecânico que fosse desenhado
para usurpar uma função especificamente humana”: a “execução de um complicado
padrão de cálculo” em um caso e a “previsão do futuro”, no outro. A “previsão do
futuro” a que Wiener se refere, neste caso específico, é a capacidade de se prever a

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


trajetória de uma aeronave, a fim de que o projétil do canhão antiaéreo encontre-se
com o alvo em “algum momento do futuro” (Wiener, 1948, p.11 e 13).
Em suas pesquisas sobre a artilharia aérea ele se interessou particularmente
pelo princípio denominado de “feedback”. Basicamente, esse princípio consiste em
realimentar o sistema com as informações sobre o próprio desempenho realizado a
fim de compensar os desvios em relação ao desempenho desejado. Assim, nas
máquinas controladas por feedback, é indispensável a existência de um ou mais
detectores e monitores que façam papel de órgãos sensórios, de forma que as
informações coletadas possam ser confrontadas com o padrão de desempenho
programado. A diferença entre o desempenho realizado e o esperado é transformada
na informação que o mecanismo de compensação utilizará para trazer o desempenho
futuro para valores mais próximos do padrão esperado (Wiener, 1984, p.24 e Wiener,

|
1948, p.13).
Durante as pesquisas com mecanismos controlados por feedback, Wiener
notou que eles podiam apresentar uma oscilação anômala e crescente, capaz de

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


tornar o sistema incontrolável e levá-lo à pane6. Esse tipo de oscilação parecia atingir
não só máquinas controladas por feedback, mas também alguns seres humanos
vitimados pela ataxia, deficiência que se caracteriza pela perda de coordenação de
movimentos musculares voluntários. Wiener e Rosenblueth notaram que, em alguns
distúrbios neurológicos, o portador de ataxia apresenta anomalias ligadas ao sentido
proprioceptivo7, fazendo com que o atáxico, apesar de ter o sistema muscular em
condições adequadas, seja incapaz de andar e mesmo de ficar de pé sem olhar para
6
Um exemplo simples desse tipo de oscilação pode ser observado em um aquecedor controlado por
termostato. Neste caso, o controle por feedback consiste basicamente na realimentação do sistema
com valores da temperatura do ambiente, medidos por meio de um sensor de calor, que são
confrontados com o padrão de temperatura programado na máquina. Assim, se o termostato detectar
que a temperatura está abaixo do desejado, acionará o aquecedor; se detectar que está acima, irá
desligá-lo. Esse tipo de controle permite que a temperatura de um ambiente fique estável dentro de
uma pequena zona de tolerância acima e abaixo da temperatura desejada. Entretanto, desde que a
estabilidade do sistema depende do bom funcionamento do controle por feedback, um termostato
defeituoso ou de má qualidade pode resultar em violentas oscilações de temperatura (cf. Wiener, 1948,
p.115).
7
Percepção sensorial pela qual sentimos e temos a consciência da existência do nosso corpo e a
posição relativa de suas partes e membros, bem como o movimento dessas partes,
independentemente dos demais sentidos, tais como o tato ou a visão.

18
Julho de 2005
as pernas ou ter distúrbios de coordenação nos quais seus movimentos voluntários
não passam de movimentos erráticos que “resultam apenas em uma oscilação
violenta e fútil”. As pesquisas em pacientes com ataxia demonstravam que bons
músculos não eram suficientes para uma ação efetiva e precisa: as informações de

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


feedback fornecidas pelo sistema proprioceptivo, combinadas com as provenientes de
outros sentidos, são indispensáveis para o sistema nervoso central produzir o
estímulo adequado para o trabalho muscular. Wiener conclui: “Something quite similar
is the case in mechanical systems” (Wiener, 1948, p.113-114).
Assim, para Wiener (1948, p.15), o sistema nervoso central engendra um
processo circular – “emergindo do sistema nervoso para os músculos, e reentrando
ao sistema nervoso pelos órgãos dos sentidos” – cujo princípio seria idêntico ao que
havia encontrado em dispositivos de controle de máquinas. Essas idéias foram
apresentadas por Rosenblueth em maio de 1942 a um grupo de pesquisadores em
um encontro sob os auspícios da Josiah Macy Foundation, organização filantrópica
dedicada aos problemas decorrentes da inibição do sistema nervoso, e publicadas no
ano seguinte no artigo Behavior, Purpose and Teleology. É desde essa época,

|
quando a cibernética sequer havia sido batizada, que a antropologia mantém seu
vínculo teórico com ela: além dos pesquisadores ligados à medicina, estiveram
presentes naquele encontro os antropólogos Gregory Bateson e Margaret Mead. A

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


série de conferências posteriores, conhecidas como The Macy Conferences, reuniu
pesquisadores provenientes de áreas diversas como a matemática, medicina,
psicologia, filosofia, antropologia e sociologia.
Por causa da II Grande Guerra, a primeira conferência aconteceu apenas em
1946 sob o título Feedback Mechanisms and Circular Causal Systems in Biological
and Social Systems. O nome da conferência sofreu pequenas alterações em várias
edições até que em março de 1950, na sua sétima edição, passou a se chamar
Cybernetics: Circular Causal and Feedback Mechanisms in Biological and Social
Systems, nome que preservou até a décima e última edição, em abril de 1953.
Gregory Bateson e Margaret Mead foram ativos participantes desses eventos e,
juntamente com o sociólogo Paul Lazarsfeld, constituíram a presença das ciências
sociais no “core group” das conferências.
Talvez por ser extremamente generalista a cibernética não conseguiu, ao
longo das décadas posteriores, lidar com as especificidades das diversas ciências e
tecnologias que tinham como objeto o controle e comunicação em organismos,

19
Julho de 2005
máquinas e sociedades. Mas, de qualquer forma, praticamente todas elas foram
influenciadas, diretamente ou indiretamente, pelo “projeto cibernético” aspirado por
Wiener e que reverberou por todo mundo científico e tecnológico da segunda metade
do século XX a partir dos participantes das Macy Conferences.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


A cibernética não propõe uma simples analogia entre artifício e organismo,
ela propõe uma prática científica cujo princípio é tratar máquinas, seres vivos e
sistemas sociais como instâncias da mesma coisa e, portanto, compostos de partes
intercambiáveis o que permite, por exemplo, do ponto de vista lógico, que
concebamos híbridos montados com partes orgânicas e mecânicas conectadas entre
si ou máquinas dotadas de “inteligência artificial”, reproduzindo e, para alguns,
superando a faculdade que tradicionalmente é distintiva do ser humano. Em um artigo
sugestivamente intitulado When Will Computer Hardware Match the Human Brain,
Moravec (1998, p.2) calcula que o cérebro humano tem a capacidade de processar
100 milhões de MIPS (milhões de instruções por segundo), o que colocaria o Deep
Blue, a máquina com poder de executar 3 milhões de MIPS que derrotou o campeão
mundial enxadrista Garry Kasparov em 1997, a “1/30 do estimado para o

|
desempenho humano total”. Segundo Moravec, Kasparov, que vangloriava-se de “ver
a mente do oponente durante o jogo”, teria dito sentir no Deep Blue uma “inteligência
alienígena”. Assim, o autor acredita que “um computador parece ter não apenas

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


superado o melhor humano [Kasparov no jogo de xadrez], mas ter transcendido sua
condição maquinal”. Mas essa perspectiva de equivalência factual entre artifício e
organismo, ou mais especificamente entre homem e máquina, possui uma longa
tradição, cujas raízes confundem-se com a origem da Modernidade: “Considerei-me
primeiramente como tendo um rosto, mãos, braços, e toda essa máquina composta
de ossos e de carne, tal como aparece em um cadáver, a qual designei pelo nome de
corpo” (Descartes,1970 apud Le Breton, 2003, p.17, grifo meu).
Menos conhecido do que os desdobramentos da cibernética nas ciências
exatas e biológicas é a influência que ela teve nas ciências sociais. Ativo participante
do grupo dos fundadores da cibernética, desde antes das Macy Conferences,
Gregory Bateson é praticamente o fundador do pensamento cibernético nas ciências
sociais e provavelmente o maior expoente da cibernética nessa área. A importância
que Bateson dá à cibernética – “Eu acho que a cibernética é a maior mordida na fruta
da Árvore do Conhecimento que a humanidade deu nos últimos 2.000 anos”
(Bateson, 2000, p.484) – e a influência que esta exerceu em sua obra se manifesta

20
Julho de 2005
em diversos trabalhos. Rapport e Overing (2000, p.102-115) notam que, influenciado
pela descoberta apresentada por Wiener de que “o conceito social-científico de
‘informação’ e que o conceito natural-científico de ‘entropia negativa’ eram de fato
sinônimos”, Bateson desenvolveu teorias onde as relações sociais poderiam ser

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


vistas como “comunicações entre membros co-dependentes cuja interação habitual é
caracterizada por circularidades, oscilações, limites dinâmicos e feedback”. Além
disso, se o princípio cibernético da entropia, derivado da segunda lei da
termodinâmica, se traduz em um processo contínuo de redução de ordem em um
sistema, ou de aumento de seu caos, isso implica que os relacionamentos sociais não
podem permanecer os mesmos por muito tempo. Em relação à outra questão central
no seu pensamento, a dos limites da mente e do “self”, Bateson (2000, p.315-320) vê
na cibernética os modelos necessários para responder à antiga questão da
transcendência ou imanência da mente. A partir dos modelos cibernéticos de controle
e feedback, Bateson conclui que “(...) em nenhum sistema que demonstre
características mentais pode qualquer parte ter controle unilateral sobre o todo. Em
outras palavras, as características mentais do sistema são imanentes, não em

|
alguma parte, mas no sistema como um todo”. Assim, não é apenas o caso de
descartar a transcendência da mente em relação ao corpo, mas também de alterar o
termo – sistema e não mais corpo – em relação ao qual a mente é imanente pois

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


“grande parte da rede de pensamento está localizada fora do corpo”.
Rapport e Overing (2000, p.102-115) ainda acrescentam que a cibernética de
Bateson influenciou amplamente as ciências sociais e, a despeito da influência das
suas idéias não ser, na maioria das vezes, explícita, sua contribuição é extensa e é
encontrada na obra de vários cientistas: em Rappaport, a “cultura é um todo que pode
ser entendido como um sistema cibernético que regula as relações entre as pessoas
e seu ambiente”; o trabalho de Goffman sobre “como a estrutura social e a realidade
são mantidas pelo processo de sanções sociais, ‘encontros’ situacionais, ou ‘sistemas
de atividades situadas’” carrega o sinal distintivo da cibernética; já Strathern faz uso
da figura do “cyborg” e mostra “como a natureza das coisas no mundo é um efeito
obtido pela contínua e recíproca relação entre as partes em um particular ponto no
tempo e espaço”.
Encontramos também a influência da cibernética no pensamento de Geertz
que, por sua vez, vê na relação entre a evolução cultural e a evolução biológica

21
Julho de 2005
princípios que levam a um processo contínuo de realimentação e influências
recíprocas e condicionadas:

À medida que a cultura, num passo a passo infinitesimal, acumulou-se e se


desenvolveu, foi concedida uma vantagem seletiva àqueles indivíduos da

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


população mais capazes de levar vantagem (...) até que o Australopiteco proto-
humano, de cérebro pequeno, tornou-se o Homo Sapiens, de cérebro grande,
totalmente humano. Entre o padrão cultural, o corpo e o cérebro foi criado um
sistema de realimentação (feedback) positiva, no qual cada um modelava o
progresso do outro, um sistema no qual a interação entre o uso crescente das
ferramentas, a mudança da anatomia da mão e a representação expandida do
polegar no córtex é apenas um dos exemplos mais gráficos. Submetendo-se ao
governo de programas simbolicamente mediados para a produção de artefatos,
organizando a vida social ou expressando emoções, o homem determinou,
embora inconscientemente, os estágios culminantes do seu próprio
desenvolvimento biológico. Literalmente, embora inadvertidamente, ele próprio
se criou. (Geertz, 1989, p.60).

|
Ao lado de Bateson, ainda podemos citar Lévi-Strauss como o outro
antropólogo que atentou, ainda em tempos pioneiros, para a importância da

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


cibernética e disciplinas relacionadas para as ciências sociais. Em Antropologia
Estrutural (s.d.), ele inicia o capítulo III, “Linguagem e Sociedade”, com o seguinte
parágrafo:

Num livro [Cybernetics, or control and Communication in the Animal and the
Machine (Wiener, 1948)] cuja importância não poderia ser subestimada, do
ponto de vista do futuro das ciências sociais, Wiener se interroga sobre a
extensão, à estas últimas, dos métodos matemáticos de predição que tornaram
possível a construção de grande máquinas de calcular (...) (Lévi-Strauss, s.d.,
p.71).

No capítulo XV, “A Noção de Estrutura em Etnologia”, ele compara o modelo


estrutural que propõem com a definição de Von Newmann, matemático e integrante
do core group das Macy Conferences, e o cita em nota de rodapé:

Modelos (tais como os jogos) são construções teóricas que supõem uma
definição precisa, exaustiva e não demasiado complicada: devem ser também

22
Julho de 2005
parecidos com a realidade sob todas as relações que importam à pesquisa em
curso. Para recapitular: a definição deve ser precisa e exaustiva, para possibilitar
um tratamento matemático. (...) A semelhança com a realidade é requerida para
que o funcionamento do modelo seja significativo (...). (Von Neumann;

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Morgenstern apud Lévi-Strauss, p.316)

Em outro trecho do mesmo capítulo, Lévi-Strauss (s.d., p.320) afirma que as


pesquisas estruturais nas ciências sociais foram um conseqüência indireta de “certos
desenvolvimentos das matemáticas modernas, que deram uma importância crescente
ao ponto de vista qualitativo”. Ele sustenta que o fato de não haver conexão entre a
noção de “medida” e de “estrutura” não invalida o modelo, visto que “em diversos
domínios (...) notou-se que problemas que não comportavam solução métrica podiam,
apesar disso, ser submetidos a um tratamento rigoroso” e cita as seguintes obras
como “importantes para as ciências sociais”: Theory of Games and Economic
Behavior, de von Neumann e Morgenstern, de 1944; Cybernetics de Wiener, de 1948
e The Mathematical Theory of Communication, de C. Shannon e W. Weaver, de 1950.
Rapport e Overing (2000, p.113-115) observam ainda que a cibernética está

|
implícita na noção estruturalista de sociedade de Lévi-Strauss – vista como um
sistema de comunicação baseado na troca de mensagens culturais de tipo binário – e
que seu trabalho relacionado com as combinações e recombinações de unidades de

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


comunicação é influenciado pela ciência da computação, como ilustra bem o seguinte
trecho, retirado de sua análise a respeito de um mito, encontrado no Canadá
Ocidental, “sobre uma raia que tentou controlar ou dominar o Vento Sul e que teve
êxito na empresa” (Lévi-Strauss, 2000, p.35-37):

(...) a razão por que se escolheu a raia é que ela é um animal que, considerando
de um ou outro ponto de vista, é capaz de responder – empregando a linguagem
da cibernética – em termos de ‘sim’ ou ‘não’. É capaz de dois estados que são
descontínuos, um positivo e outro negativo. A função que a raia desempenha no
mito é – ainda que, evidentemente, eu não queira levar as semelhanças
demasiado longe – parecida com a dos elementos que se introduzem nos
computadores modernos e que se podem utilizar para resolver grandes
problemas adicionando uma série de respostas de ‘sim’ e ‘não’. (...) Esta é a
originalidade do pensamento mitológico – desempenhar o papel do pensamento
conceptual: um animal susceptível de ser usado como, diria eu, um operador

23
Julho de 2005
binário, pode ter, dum ponto de vista lógico, uma relação com um problema que
também é um problema binário. (...) Dum ponto de vista científico, a história
não é verdadeira, mas nós somente pudemos entender esta propriedade do mito
num tempo em que a cibernética e os computadores apareceram no mundo

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


cientifico dando-nos o conhecimento das operações binárias, que já tinham sido
postas em prática de uma maneira bastante diferente, com objetos ou seres
concretos, pelo pensamento mítico.

Apesar de ter estimulado hipóteses, teorias e pesquisas em diversos campos


científicos – inclusive a antropologia, como foi visto aqui com mais detalhes, e ter
dado origem a novas áreas, como as ciências cognitivas, a cibernética foi esquecida
como a “vasta teoria das mensagens” aspirada por Wiener. Uma matéria da revista
Wired (Kunzru, 1977) observa que seus modelos teóricos se desgastaram e, mesmo
no campo do controle artificial, onde se consolidaram sólidas disciplinas “cibernéticas”
como a informática e a robótica, a proposta de Wiener esvaziou-se na prática.
Acrescenta a matéria:

|
(...) quase ninguém, hoje, se auto-intitula um “ciberneticista”. Alguns acreditam
que o projeto de Wiener tornou-se vítima da moda científica, com seus fundos
sugados por pomposas mas ao final irrelevantes pesquisas de inteligência

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


artificial. Outros pensam que a cibernética foi eliminada pelo problema básico
de que o controle e comunicação em máquinas por meio de mecanismos de
porca-e-parafuso são significativamente diferentes daqueles encontrados em
animais, e nenhum destes é semelhante ao controle e comunicação na sociedade.
Assim, a cibernética, que estava baseada em uma inspirada generalização,
tornou-se vítima da sua incapacidade para lidar com detalhes (Kunzru, 1997).

Mas se, por um lado, a cibernética não obteve muito êxito como uma ciência,
ela influenciou de forma determinante a cultura moderna com resíduos de seus
modelos explicativos, engendrando, junto com outros resíduos que são
incessantemente produzidos pela tecnologia e ciência, o que poderíamos chamar de
“cibercultura”. Tais resíduos são certas noções e valores oriundos do discurso técnico
e científico que, deslocados para o plano do senso comum, introduzem novas
distinções nos antigos esquemas interpretativos para que eles possam fazer frente às
propriedades de um mundo, conforme observa Escobar (2000, p.62), no qual as

24
Julho de 2005
fronteiras entre os domínios do orgânico, do tecno-econômico e do textual tornaram-
se permeáveis:

(...) produzindo sempre montagens e misturas de máquina, corpo e texto:


enquanto natureza, os corpos e os organismos certamente possuem uma base

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


orgânica, eles são cada vez mais produzidos em conjunção com as máquinas, e
esta produção é sempre mediada por narrativas científicas (...) e pela cultura em
geral [grifos do autor].

Um dos resíduos mais importantes que a cibernética legou à cibercultura foi a


visão de que os seres vivos e as máquinas não são essencialmente diferentes. Essa
noção se manifesta materialmente, em especial, nas tecnologias especializadas em
mimetizar a vida (tecnologia da informação, robótica, biônica e nanotecnologia) e nas
tecnologias especializadas em manipular a vida (as biotecnologias), onde a relação
entre organismo e máquina depende intrinsecamente do texto, não só na forma de
narrativa científica, mas também na forma dos códigos que determinam o
funcionamento tanto das máquinas (softwares) como dos seres vivos (o código

|
genético). Os produtos – reais e imaginários – de tais tecnologias podem contradizer
certas noções de classificação fundamentais tais como a oposição entre natureza e
cultura, entre orgânico e inorgânico, entre o homem e a máquina, dentre outras.

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


Segundo Lévi-Strauss (2002, p.25), a exigência de ordem “constitui a base de
todo pensamento” e a cultura, como construção concreta e coletiva dessa exigência,
consiste fundamentalmente de sistemas de representação que visam substituir o
aleatório pelo organizado, classificando, codificando e transformando as dimensões
sensíveis do universo em dimensões inteligíveis (cf. Rodrigues, 1979, p.9-12). É por
isso que seres ambíguos são, com freqüência, objetos de restrições e tabus: são
sinais de desordem, contradizem as fronteiras estabelecidas entre as categorias
classificatórias e, assim, ameaçam as próprias convicções acerca da ordem do
mundo. De acordo com Douglas (1991, p.54), a experiência dos indivíduos é mediada
pela cultura, que fornece algumas categorias básicas, “uma esquematização positiva
na qual idéias e valores se encontram dispostos de forma ordenada”. Constatada a
existência de ambigüidades – que já são por si sós, indicadoras da existência do
sistema classificatório que contradizem – a cultura pode lidar com elas “de forma
negativa, ignorando-as, (...) ou ainda percebê-las e condená-las. Positivamente,

25
Julho de 2005
podemos enfrentar deliberadamente a anomalia e tentar criar uma nova ordem do
real onde a anomalia se possa inserir” (Douglas, 1991, p.53-54).
O fato é que o universo não é um agregado de “objetos em si”, mas um
repertório organizado de objetos significantes que portam significados socialmente

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


compartilhados. Como nota Sahlins (1990, p.10-11), desde que “o sentido do signo (o
valor saussuriano) é definido por suas relações de contraste com outros signos do
sistema (...) ele só é completo e sistemático na sociedade (ou na comunidade de
falantes) como um todo”. Mas os signos e seus significados não são partes de
estruturas estáticas. Além dos consensos que as sociedades elaboram serem
resultados da interação de perspectivas diversas, os significados das coisas e suas
relações estruturais são reavaliados na realização prática e, freqüentemente,
repensados criativamente dentro de certos limites – dados pelo sentido coletivo
empregado no uso real de um signo – em resposta às contingências apresentadas
pela experiência prática. Assim podemos, por exemplo, entender que o consenso
social acerca do que é correio eletrônico (“email”) está dentro dos limites de
significações de “eletrônico” e “correio” (“electronic” e “mail”), sobre os quais já havia

|
um consenso social. O mesmo ocorre com ciberespaço (“cybernetics space”) ou
ciborgue (“cybernetics organism”). São exemplos onde os termos que sintetizam o
discurso técnico-científico (“E” de electronic ou “Cyber” de cybernetics) adquirem

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


novas conotações e engendram significados inéditos na sua conjunção com antigos
significantes (mail, space, organism), projetando o sistema antigo de interpretação da
realidade sob novas formas, dentro das dadas possibilidades históricas e culturais de
significação. O que comumente tem se chamado de “cibercultura” é a resposta
positiva da cultura na criação de uma “nova ordem do real” frente aos novos
contextos práticos que desafiam as categorias tradicionais de interpretação da
realidade.
Os robôs e computadores são antigos personagens do nosso imaginário e, de
certa forma, mais antigos que a própria cibernética. Mas há entre o homem de lata
mecanizado e o corpo humano, ou entre uma máquina de calcular e a mente
humana, descontinuidades gigantescas de tal forma que eles dificilmente passam de
representações caricaturadas do homem, chegando, em muitos casos, a reafirmar a
oposição das categorias que separam o ser humano da máquina. Nesse sentido não
são, ainda, “cibernéticos” pois a principal característica enunciada pela “cibernética” é
a de que não existe descontinuidade entre os diferentes sistemas, sejam

26
Julho de 2005
provenientes de organismos ou máquinas. O futuro cibernético implica em uma nova
ordem do real, porque, enfim, ao contrário do que ratificam os tabus dos mitos e das
religiões, a intercambiabilidade entre as categorias culturais é apenas uma questão
de compatibilidade funcional.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


A idéia de acoplar de sistemas orgânicos e máquinas não é recente e estava
anunciada na criatura de Mary Shelley (Shelley, 1998) que, para alguns autores, pode
ser considerado o primeiro “ciborgue” (Gray; Figueroa-Sarriera; Mentor, 1995, p.5).
Assim como o Frankenstein, a figura do ciborgue moderno também “aponta para o
poder da ciência, para o fascínio de um conhecimento que da morte procura criar a
vida, tornando o tempo reversível” (Caiuby Novaes, 1999, p.164). Mas a criatura
morta-viva feita com retalhos de cadáveres de pessoas e animais esquartejados
“ainda vivos para aproveitar-lhe o sopro de vida na recomposição da (...) criatura”
(Shelley, 1998, p.49) também é uma monstruosidade. Produto de uma ciência capaz
de reconstruir corpos, a besta produzida pelo Dr. Frankenstein é desprovida de alma
(Caiuby Novaes, 1999, p.164). E seu corpo é um suporte de profanações: produto da
mistura de cadáveres de diferentes naturezas, sua existência é uma ameaça à

|
categoria do corpo humano e contamina o mundo da vida com o perigoso mundo dos
mortos.
Como o local mais imediato de ligação entre o social e o biológico no homem

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


(Rodrigues, 1979, p.43), o corpo é objeto de interdições que ratificam a separação de
um domínio e outro. O corpo também é objeto de sinais que demarcam a separação
entre os vivos e os mortos: um corpo sem vida é um cadáver, um objeto socialmente
impuro, matéria vazia de alma fadada à decomposição. A morte da carne deve ser
acompanhada da morte social. Os rituais de sepultamento não são simples
procedimentos utilitários de higiene, fazem parte do “penoso trabalho de desagregar o
morto de um domínio e introduzi-lo em outro” (Rodrigues, 1979, p.52) e uma vez
cadáver, o corpo não deve mais voltar à vida. Os mortos-vivos são objetos de medo
não porque tememos pela nossa integridade física, mas porque profanam uma
estrutura de significados culturalmente estabelecidos. São produtos da justaposição
de termos incompatíveis: defuntos com atributos de indivíduos vivos, corpos vagando
sem alma, partes e restos de diferentes cadáveres unidos em uma besta errante.
Enfim, o morto-vivo contraria as noções primitivas de vida e de morte e sua existência
é uma ameaça à ordem classificatória do cosmos.

27
Julho de 2005
Contudo, desde os anos 1980, produtos “high-tech” têm tornado corriqueiras
as entidades derivadas da fusão de termos provenientes de domínios classificatórios
incompatíveis (texto, máquina, animal, vegetal, corpo). Além disso, a partir da mesma
época, popularizou-se um tipo de ficção científica que ficou conhecida como

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


“cyberpunk” 8. Originalmente um gênero literário, sua influência na disseminação –
principalmente por meio do cinema – dos contornos e conotações que o “cibernético”
tem hoje é inegável. O cyberpunk aglutinou a visão distópica do movimento punk e os
estereótipos de seu estilo de vida ao imaginário futurista no qual as gadgets
(bugigangas e geringonças) “cibernéticas” e os ciborgues foram amplamente
incorporados ao cotidiano. Um dos principais legados do cyberpunk é a imagem do
homem-gadget (homem-objeto que não é muito mais que um gadget acoplado a um
sistema ou rede de gadgets) cujo corpo é um banal suporte de biônicos e cuja mente
só encontra sua totalidade quando conectada ao “ciberespaço”. Diversos autores
atentam para a lógica hibridizante da cibercultura: Gray, Mentor e Figueroa-Sarriera
(1995, p.2) escrevem sobre “a fusão do orgânico e do maquínico, ou a engenharia da
união entre sistemas orgânicos separados”; para Hayles (1999, p.3) “o sujeito pós-

|
humano é um amálgama, uma coleção de componentes heterogêneos, uma entidade
material-informacional cujas fronteiras permanecem em contínua construção e
reconstrução”; Haraway (2000, p.313) nos lembra que “não há separação

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


fundamental, ontológica no nosso conhecimento formal da máquina ou organismos,
do técnico e orgânico”; segundo Escobar (2000, p.62), a permeabilidade das
fronteiras entre o orgânico, o tecno-econômico e o textual produzem “montagens ou
misturas de máquina, corpo e texto”.
No romance de Shelley (1998), o grande desafio da ciência, a que se decide
enfrentar o Dr. Frankenstein, é vencer a morte, a finitude da vida e, nesse sentido,
igualar-se a Deus. O domínio do cibernético não é apenas aquele onde, como o
romance de Shelley já havia anunciado, as descontinuidades entre as categorias
culturais são profanadas em nome do utilitarismo e cientificismo sem limites. O
cibernético também é a tentativa de recalcar os medos míticos por meio do discurso
totalitário da ciência, onde é suspeito tudo aquilo que não pode ser reduzido aos
critérios da calculabilidade e da utilidade (Adorno; Horkeimer, 1985, p.21). No caso de
8
A invenção do termo cyberpunk é cercada de controvérsias. Em 1980, Bruce Bethke escreveu um
conto chamado “Cyberpunk” que foi publicado em 1983 no “Amazing Science Fiction Stories” (Bethke,
1987), mas parece que o uso como forma de circunscrever um estilo literário foi feito por Gardner
Dozois na sua resenha para o primeiro livro de Gibson, “Neuromancer” (Linus Walleij, 1998, cap. 8).

28
Julho de 2005
Shelley, as questões morais e o medo transbordam a partir no momento em que as
míticas fronteiras que separam Deus do homem e os vivos dos mortos são
transgredidas. Já a cibercultura é marcada por um discurso científico que nega a
existência de tais fronteiras, escamoteando os medos e temores a elas relacionadas.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


A cibernética é a “idéia abrangente” que engendra a transgressão de fronteiras
classificatórias, reorganizando as ambigüidades sob “um classificador que serve para
estabelecer ordem, mas não a conexão” (Adorno; Horkeimer, p.118). Assim, no lugar
do medo e do horror que a profanação do sagrado deveria provocar, emerge a
apologia que desconecta o híbrido da lógica totalizante do mito e o reestrutura na
lógica totalitária da ciência. Aparentemente livres dos tabus relacionados com a
profanação do sagrado, as imagens da cibercultura falam de um admirável mundo
novo – real ou imaginário – que “não se projeta no céu, fixa-se na terra. Os deuses
(...) estão entre nós, são de nossa origem, são como nós mortais.” (Morin, 1967,
p.176).

|
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética

29
Julho de 2005
II.2. O ciberespaço: do abstrato ao sensível
Quais são as traduções possíveis de uma realidade abstrata que se expressa
antes por códigos alfanuméricos do que por imagens gráficas? Como se dá sentido

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


visual àquilo que essencialmente não possui expressão visual? Em The Hacker
Crackdown – Law and Disorder on the Electronic Frontier, Bruce Sterling comenta
que o termo “cyberspace“ surgiu em 1982 na literatura cyberpunk (Sterling, 1992, p.
XI) com a obra de Willian Gibson: Neuromancer. Considerado um clássico da
literatura cyberpunk, Neuromancer, além do termo cyberspace, também introduziu o
termo “matrix” para se referir ao ciberespaço como uma rede global de simulação9.
Sterling acrescenta que o “ciberespaço” não é uma fantasia de ficção científica, mas
um “lugar” onde temos experiências genuínas e que existe há mais de um século:

(...) o território em questão, a fronteira eletrônica, tem cerca de 130 anos.


Ciberespaço é o “lugar” onde a conversação telefônica parece ocorrer. Não
dentro do seu telefone real, o dispositivo de plástico sobre sua mesa. (...) [Mas]

|
O espaço entre os telefones. O lugar indefinido fora daqui, onde dois de vocês,
dois seres humanos, realmente se encontram e se comunicam.

Apesar de não ser exatamente ‘real’, o ‘ciberespaço’ é um lugar genuíno. Coisas

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


acontecem lá e têm conseqüências muito genuínas. (...)

Este obscuro submundo elétrico tornou-se uma vasta e florescente paisagem


eletrônica. Desde os anos 60, o mundo do telefone tem se cruzado com os
computadores e a televisão, e (...) isso tem uma estranha espécie de fisicalidade
agora. Faz sentido hoje falar do ciberespaço como um lugar em si.

Porque as pessoas vivem nele agora. Não apenas um punhado de pessoas (...)
mas milhares de pessoas, pessoas tipicamente normais. (...) Ciberespaço é hoje
uma ‘Rede’, uma ‘Matriz’, internacional no escopo e crescendo rapidamente e
constantemente.10

9
Argumento utilizado no filme The Matrix (1999).
10
No original:
(…) the territory in question, the electronic frontier, is about 130 years old. Cyberspace is the ‘place’
where a telephone conversation appears to occur. Not inside your actual phone, the plastic device on
your desk. (…)The place between the phones. The indefinite place out there, where two of you, two
human beings, actually meet and communicate.

30
Julho de 2005
A preocupação de Sterling com o estatuto de “realidade” tem a ver com a
natureza “virtual” do ciberespaço, apreendido, em muitos casos do senso comum,
como uma oposição à natureza “real” da “realidade”. Entretanto, o reconhecimento de
que a “realidade” é “uma qualidade pertencente a fenômenos que reconhecemos

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


terem um ser independente de nossa própria volição (não podemos ‘desejar que não
existam’)” (Berger; Luckmann, 1998, p.11) basta para ver que essa oposição “virtual”
versus “real” é ilusória e bastante confusa. Os crimes “virtuais” estão aí para nos
mostrar de uma forma bem dura que a “virtualidade” do ciberespaço possui uma
inegável natureza coercitiva de “realidade”. O fato é que já somos seres “virtuais” e
“reais”, queiramos ou não, ao menos dentro dos grandes bancos de dados de
corporações e governos. E cada vez mais temos o conhecimento – “a certeza de que
os fenômenos são reais e possuem características específicas” (Berger; Luckmann,
1998, p.11) – de que o ciberespaço, apesar de “virtual”, é bastante “real”.
É certo que os limites de significação do ciberespaço estão diretamente
relacionados com a inteligibilidade que a produção e o progresso técnico e científico
têm no senso comum. Apesar do conceito do computador digital existir desde o

|
século XIX e o computador eletrônico ter surgido na década de 1940, o ciberespaço
foi, até o início da década de 1970, uma abstração lógica e matemática compartilhada
apenas por especialistas e técnicos. Durante muito tempo, foi o texto, na forma de

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


complexos códigos de signos lógicos e mnemônicos textuais, e não a imagem visual,
a mediação por excelência entre as máquinas computadoras e o homem. E mesmo
assim não foi a primeira.
A mediação derradeira entre o homem e a máquina computadora são os
“bits”: sinais físicos que podem assumir apenas dois valores nos circuitos elétricos
dos computadores convencionalmente representados por “um” e “zero”. O bit é o
átomo da informação eletrônica: tudo que é armazenado, processado e intercambiado
dentro dos computadores e entre eles são – fisicamente, nos mais diversos tipos de
suporte – extensas seqüências binárias. O que temos no disco rígido, CD ou disquete

Although it is not exactly “real”, “cyberspace” is a genuine place. Things happen there that have very
genuine consequences (…).
(…) This dark electric netherworld has become a vast flowering electronic landscape. Since the 1960s,
the world of the telephone has crossbred itself with computers and television, and (…) it has a strange
kind of physicality now. It makes good sense today to talk of cyberspace as a place all its own.
Because people live it now. Not just a few people, not just a few technicians and eccentrics, but
thousands of people, quite normal people. (…) Cyberspace today is a ‘Net’, a ‘Matrix’, international in
scope and growing swiftly and steadily.

31
Julho de 2005
são apenas cadeias binárias. O que trafega pelo cabo da impressora, pela linha
telefônica ligada ao modem ou pelo cabo da rede são bits. A própria indexação das
cadeias corretas que compõem um arquivo ou um programa estão em outras cadeias
binárias. Entretanto, um bit por si só não possui significado nenhum. Grosso modo, é

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


o byte a menor unidade de significação digital. Um byte é convencionado como uma
seqüência de 8 bits, o que lhe dá a possibilidade de assumir 256 valores (28) que
podem ser expressos nas mais variadas notações: por exemplo, números –
representados por “0 a 255”, “0 a 11111111” ou “0 a FF”, na base decimal, binária ou
hexadecimal11, respectivamente – ou signos textuais dos mais diversos idiomas.
Desde cedo, na informática, tabelas de conversão dos bytes para caracteres textuais
foram padronizadas: por exemplo, no ASCII (American Standard Code for Information
Interchange), o padrão quase universal para caracteres latinos, por exemplo, as letras
maiúsculas de A à Z correspondem aos valores de 41 a 90 das 256 possibilidades do
byte (cf. Norton, 1996: 339-342).
A relação entre o computador e o número é inseparável desde o seu
ancestral tecnológico, a máquina de somar, construída por Blaise Pascal em 1642, a

|
quem também é creditada a invenção da caixa registradora. Já o primeiro suporte a
dar persistência ao dado surgiu com a invenção de Joseph-Marie Jacquard que
automatizou a indústria têxtil. O tear de Jacquard utilizava cartões perfurados com a

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


seqüência de operações necessárias para a produção de um tecido, automatizando e
objetivando o conhecimento antes restrito aos contramestres. Herman Hollerit, por
sua vez, aperfeiçoou a tecnologia dos cartões perfurados dos teares de Jacquard
com o uso da eletricidade para dar entrada aos dados de máquinas de somar e pôde,
em 1890 consolidar os dados do recenseamento dos EUA em uma fração do tempo
que seria normalmente necessário (cf. Gehringer; London, p.15-18).
Contudo, essas máquinas ainda não eram exatamente cibernéticas. O caráter
cibernético da computação está no seu caráter sistêmico onde um processo auto-

11
Existe uma correspondência direta entre as bases binária, decimal e hexadecial de numeração. O
número decimal “10”, por exemplo, corresponde ao número hexadecimal “A” (não confundir com a letra
“A”) e ao número binário 1010, conforme a seguinte tabela:

Decimal 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15
Binário 0000 0001 0010 0011 0100 0101 0110 0111 1000 1001 1010 1011 1100 1101 1110 1111
Hexa- 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 A B C D E F
decimal

32
Julho de 2005
regulado de entrada e saída de informações se dá pela cadeia de dispositivos que
compõe, não apenas o computador e suas partes internas, mas também os
dispositivos externos a ele. A comunicação entre os dispositivos é realizada pelas
genericamente chamadas “interfaces”, camadas responsáveis pela saída e entrada

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


de dados de um dispositivo a outro ou de um sistema a outro. Assim, há interfaces
entre dispositivos – por exemplo, entre o computador e a impressora, entre o
computador e o teclado, entre o computador e o monitor – e há interfaces entre
sistemas, muito mais complexas e realizadas, na verdade, por um conjunto de
interfaces. É o que ocorre em uma máquina industrial computadorizada, como um
torno, onde o confronto entre o programado e o real, entre o modelo e a peça, entre o
número e o fato, resulta em um ajuste constante dos sistemas conectados. A
interação sistêmica entre eletro-mecânica e computação é tal que o conjunto é
percebido como uma coisa só. Isso não é diferente quando os homens e
computadores precisam se relacionar. Teclado, monitor, mouse são, de fato,
dispositivos de interface específicos para a comunicação com o ser humano, da
mesma forma que existem dispositivos de interface entre o computador e uma

|
impressora, uma máquina qualquer, outro computador, etc. Do ponto de vista
cibernético, esses circuitos podem ser considerados um sistema único.
Alguns dos primeiros computadores modernos sequer possuíam interfaces

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


com sistemas de signos compatíveis com a linguagem humana. Nas épocas
pioneiras, de fato, era o ser humano que se desdobrava para “interfacear” com a
máquina, como, por exemplo no caso do ENIAC (Electronic Numerical Integrator And
Computer). O ENIAC é considerado um dos primeiros computadores modernos12 e,
ao contrário de seus predecessores que eram desenhados para um fim específico13,
ele podia ser programado para várias finalidades diferentes a despeito de ter sido
originalmente desenvolvido para o cálculo de trajetórias balísticas. Desenvolvido a
pedido das Forças Armadas dos EUA, ele ficou pronto em 1945 e era um monstro
eletrônico com 17.480 válvulas eletrônicas (não existia ainda a tecnologia de

12
Contudo, o ENIAC não é o primeiro computador digital. Em 1839, Charles Babbage, desenhou e
desenvolveu o que é considerado o primeiro computador digital. A sua “máquina diferencial” era um
computador mecânico projetado para solucionar problemas matemáticos, incluindo equações
diferenciais. Apesar da máquina não ter sido construída, o seu trabalho incorporou vários princípios da
computação que foram redescobertos quase um século depois. (Winegrad; Atsushi, 1996)
13
O Colossus desenvolvido em 1942 pela Inteligência Britânica, por exemplo, foi especificamente
desenhado para decodificar as mensagens criptografadas pela máquina alemã Enigma, durante a II
Grande Guerra.

33
Julho de 2005
semicondutores que possibilitaram o transistor e o chip), ocupava uma área de 180
m2, consumia quase 200 KW de eletricidade e todo o conjunto pesava cerca de 8
toneladas. Mas apesar de todo esse tamanho, o ENIAC não possuía teclado: a
“interface” entre a máquina e o ser humano consistia de fios e botões para a

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


programação, leitora de cartão perfurado para a entrada de dados e números
decimais na saída de dados (figs. 1 e 2). Desde então, boa parte da história das
interfaces entre o homem e o computador é a história de como traduzir um tipo de
texto para outro tipo de texto. Os cartões perfurados, os botões e cabos de
programação, ou os números apresentados nos displays dos primeiros computadores
são, em essência, diferentes notações para mensagens textuais. De forma que o
teclado e o monitor surgem em um contexto onde o objetivo era proporcionar
suportes mais adequados para a comunicação textual.

|
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética
Figura 1

Figuras 1 e 2. Fotos dos painéis de programação do


ENIAC.
Figura 2

Os sucessores do ENIAC incorporaram rapidamente dispositivos de “output”


mais convenientes para o uso humano e mesmo mais compatíveis com a linguagem
humana tais como teclado e monitores para exibição de caracteres alfanuméricos.
Contudo, tais dispositivos eram apenas “mais um” dispositivo de interface e não eram,
necessariamente, obrigatórios. Assim, não é de surpreender que o primeiro
microcomputador para uso doméstico, o Altair 8800 (fig. 3), lançado em 1975,
causasse furor mesmo sem possuir sequer entrada para um teclado e muito menos
conexão para monitor de vídeo. Às vistas de hoje, sua programação e entrada de
dados soa algo irreal, era realizada por um conjunto de chaves e a visualização por

34
Julho de 2005
meio de luzes (fig. 4). O Altair nem era mesmo entregue pronto, mas era um “kit”
eletrônico para “hobbistas”, composto de peças e componentes soltos que eram
soldados e montados pelo próprio usuário, de acordo com um diagrama eletrônico.
Era evidentemente um produto destinado não só para quem entendia de eletrônica

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


mas para quem, pura e simplesmente, se divertia mexendo com eletrônica. Como não
havia literatura a respeito de computadores e muito menos softwares e programas
disponíveis, as pessoas que tinham ou queriam ter um personal-computer
começaram a se reunir em “clubes” e associações onde técnicos, engenheiros e
programadores se encontravam para discutir e trocar idéias sobre os problemas e
implementações do Altair e tópicos relacionados. O mais famosos desses clubes foi o
Homebrew Computer Club, de onde saíram alguns personagens de grande influência
na história da computação: Adam Osbourne, Steve Jobs e Steven Wozniak, dentre
outros. Osbourne lançou o primeiro laptop do mercado em 1981, quando os personal-
computers ainda engatinhavam; Jobs e Wozniak fundaram nada menos do que a
Apple Computer. Em 1976, quando ambos ainda eram freqüentadores do Homebrew
Computer Club, produziram o Apple I (fig. 5), o primeiro micro-computador a ser

|
vendido montado14 e a fornecer conexão para um monitor e um teclado. Diz o folclore
que o Apple I era apenas um passatempo feito por Wozniak para mostrar aos amigos
do clube e que Jobs transformou em produto. Mas, seja proposital ou não, o Apple I

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


foi a prova de conceito – técnico e de mercado – que convenceram ambos a lançar o
Apple II (fig. 6), no ano seguinte, com um design mais aperfeiçoado e melhorias
técnicas, consolidando o conceito do computador como um “produto pronto”, entregue
montado em um gabinete e pronto para usar.
A popularização do microcomputador trazida pelo Apple II e o surgimento de
softwares de processamento de textos e planilhas de cálculo, como o Visicalc,
fizeram com que o computador saísse lentamente do terreno underground dos nerds.
Contudo, mesmo com a entrada do IBM PC no início da década de 1980, que ampliou
enormemente a penetração do microcomputador na sociedade, os personal-
computers continuaram a ter um público consumidor restrito. Foi apenas com o
surgimento da interface gráfica, a “user friendly interface”, que, finalmente, pessoas
sem nenhum conhecimento técnico puderam ligar um computador, usá-lo e desligá-

14
Montado não tinha o mesmo significado que o de hoje. Mas significava que o “kit” de componentes
eletrônicos já vinha soldado na placa, ao contrário do concorrente Altair que era vendido apenas na
opção de kit desmontado.

35
Julho de 2005
lo. Até então, o uso restritivo dos PCs contrastava com o outro uso dos computadores
que já encontrava ampla disseminação social: os videogames.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Figura 4

Figura 3: Capa da Popular Electronics que


anunciou a chegada do primeiro personal computer
(1975).
Figura 4: A Interface do usuário do Altair 8800, que

|
se resumia a botões e luzes.
Figura 3

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética

Figura 5 Figura 6

No ambiente tecnológico, o videogame não teve grande importância


acadêmica durante a década de 60. Em um ambiente dominado pela mentalidade
matemática e racionalista que precisava justificar as verbas militares que
alimentavam as pesquisa no auge da guerra fria, o videogame – exceto pelas versões
computadorizadas do jogo-da-velha, xadrez e simulações relacionadas com a “teoria

36
Julho de 2005
dos jogos”, que tinham a ver com o desenvolvimento da inteligência artificial – o
videogame era uma mera curiosidade. Isso não impediu, contudo, que algumas
tentativas fossem realizadas. William Higinbotham do Brookhaven National
Laboratory (BNL), um laboratório de pesquisa nuclear em Upton - NY, montou uma

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


máquina que chamou de “Tennis for Two” para entreter as pessoas do “Visitor’s Day”
de 1958 no BNL. Era um jogo baseado na representação rudimentar do perfil de uma
quadra de tênis na tela de um osciloscópio no qual dois jogadores brincavam com um
ponto que quicava de um lado para outro da tela (figs. 7 e 8). Apesar do jogo ter sido
um sucesso e ser reeditado na feira do ano seguinte, Higinbotham não patenteou a
invenção por achá-la óbvia demais. Em 1962, Steve Russell e um grupo de alunos do
Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveram o “Spacewar!” para a
feira de ciência anual do instituto (figs. 9 e 10). O Spacewar! foi o primeiro videogame
totalmente interativo, onde dois jogadores duelavam com suas respectivas naves e
mísseis em ambiente eletrônico totalmente sintético e virtual, existente apenas na tela
do computador. Da mesma forma que Higinbotham, Russell não patenteou sua
invenção e o Spacewar! disseminou-se pelo meio acadêmico e serviu livremente de

|
base para muitos videogames dos anos 70.

Figura 8 Figura 9 Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética

Figura 7

Figuras 7 e 8: O “Tennis for Two” de Higinbotham (1958).


Figuras 9 e 10: O “Spacewar!” de Russell (1962).

Figura 10

37
Julho de 2005
Assim como os microcomputadores, os videogames saíram do ambiente de
pesquisa também na década de 1970, mas ao contrário daqueles – que levaram anos
procurando o mercado que definiria o formato do personal-computer – os videogames
criaram imediatamente sua demanda no campo do entretenimento. Eles

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


popularizaram-se em dois segmentos de mercado que existem até hoje: em consoles
para uso doméstico e engenhocas de fliperama denominadas de “arcades” (que quer
dizer “galeria”) movidas a moedas de ¼ de dólar. O primeiro arcade videogame era
uma versão adaptada do Spacewar, chamado de “Computer Space”, lançada por
Nolan Bushnell em 1971. Mas não foi um sucesso. Possuía muitos botões e era difícil
de entender. Bushnell teria dito que:

Você tinha que ler as instruções antes de poder jogar, as pessoas não querem ler
instruções. Para ter sucesso, eu tinha que fazer um jogo que as pessoas já
soubessem jogar; algo tão simples que qualquer bêbado em um bar possa jogar
(Winter, 2005).

Assim, em 1972, a nova empresa de Bushnell, a Atari, lançou o “Pong”, o

|
primeiro arcade de sucesso, com 38.000 unidades produzidas. O Pong era
basicamente uma simulação de um jogo de pingue-pongue na qual as raquetes eram
pequenas barras controladas pelos jogadores e a bola um pequeno quadrado que

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


ficava quicando na tela (figs. 11 e 12). Há relatos de que as pessoas faziam fila para
jogar no protótipo do Pong instalado em um bar e que este teria “travado” no segundo
dia porque estava atolado de moedas (cf. Winter, 2005). No ano de 1972 também foi
lançado pela Magnavox (subsidiária da Phillips nos EUA) o primeiro console de
videogame doméstico, o Odyssey, criado por Ralph Baer (ver fig. 13). A despeito de
ser muito primário – não possuía placar e, a fim para agregar mais sofisticação à
imagem, cada jogo era acompanhado de um painel de plástico transparente colorido
que deveria ser colado à tela da TV (ver fig. 14) – o Odyssey vendeu cerca de
100.000 unidades no ano de lançamento. A Atari também passou a competir no
mercado de consoles de videogame com uma versão doméstica do Pong em 1975.
Em 1977 lançou o Atari 2600, um dos consoles de videogame mais populares já
produzidos que ficou conhecido simplesmente como “Atari”.

38
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 11

|
Figura 13

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


Figura 12

Figuras 11 e 12: O arcade Pong


(1972), da Atari.

Figura 14

Figura 13: Cartaz publicitário do Odyssey (1972).


Figura 14: Foto do Odyssey com seus acessórios, incluindo as telas com desenhos transparentes que
eram colocadas à frente da televisão.

39
Julho de 2005
O mercado de videogames cresceu rapidamente: novas gerações e inúmeros
consoles domésticos surgiram e, depois do Pong, novos arcades foram inventados às
centenas e as casas de diversões eletrônicas espalharam-se pelas cidades do
mundo. As rudimentares representações do “ciberespaço” de jogos como o Pong

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


foram as primeiras representações visuais do ciberespaço a se popularizarem fora do
círculo acadêmico. Enquanto os computadores mantinham o texto como a única
forma de mediação entre o usuário e a máquina, os videogames já anunciavam a
imagem como mediação por excelência entre o ser humano e o computador. A Atari,
Magnavox, Taito, Sega, Nintendo e outras empresas introduziram, produziram e
espalharam pelo mundo suas versões pioneiras de “realidades virtuais”
ciberespaciais: ambientes gráficos de pequenos mundos sintetizados por computador
explorados de forma sensível com o uso de joysticks e botões. Os videogames
trouxeram à experiência das pessoas um tipo de relacionamento onde predomina a
virtualidade sensorial em detrimento da racionalidade textual. Foram não só os
primeiros ciberespaços ao alcance do senso comum como disseminaram na
sociedade a familiaridade com os rudimentos do que viria ser chamado de “user

|
friendly interface”, mais de uma década antes de surgir o primeiro personal-computer
com interface gráfica. Seja em consoles ligados a aparelhos de TVs, em engenhocas
de fliperamas ou em pequenas versões de bolso, os videogames se apropriaram

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


rapidamente da tecnologia que se desenvolvia na informática e instilaram em toda
geração de adolescentes e crianças dos anos 70 e 80 a familiaridade com uma
virtualidade eletrônica cristalizada na matriz de pixels de um monitor.
Fora do âmbito do entretenimento, a tecnologia para que o computador se
transformasse no suporte por excelência do “espaço cibernético” foi desenvolvida
inicialmente no Xerox Palo Alto Research Center (PARC) em 1971 (fig. 17). Essas
pesquisas materializaram-se no Alto, o primeiro sistema baseado em interface gráfica
e responsável pelos padrões que tornaram-se indissociáveis de qualquer interface
amigável. O Alto introduziu o conceito de ambiente gráfico que simula “janelas” (ver
fig. 18) e incorporou um dispositivo de “input” chamado “mouse”, inventado em 1963
por Doug Engelbart, para manusear as janelas e outras entidades na tela do
computador, de forma similar à que fazemos hoje. O mouse faz parte de um grupo de
dispositivos conhecidos como “apontadores” (pointer devices), que inclui joysticks,
trackballs e mesas digitalizadoras (sketchpads). Engelbart materializou o conceito do
mouse em um protótipo de madeira (figs. 15 e 16) que serviu de modelo para os

40
Julho de 2005
mouses industrializados. No projeto original, a captura do movimento era realizada
por duas rodas posicionadas perpendicularmente sobre um plano, que repassavam
ao computador as coordenadas relativas do deslocamento do dispositivo. Esse
conceito é utilizado até hoje nos mouses de esfera, que possuem duas rodas internas

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


em contato com uma esfera que lhes transmite o deslocamento do mouse sobre um
plano.
Os conceitos utilizados no Alto foram aperfeiçoados e resultaram no Xerox
Star System, de 1981 (fig. 19). É fato notório que nem o Alto e nem o Star System
obtiveram sucesso comercial mas seus conceitos convenceram Steve Jobs, da Apple,
de que a interface gráfica era viável, levando-o a incorporá-la no sucessor do Apple II,
o LISA de 1983 (fig. 20). Contudo, o primeiro personal-computer com interface gráfica
possuía um preço proibitivo (cerca de US$ 10.000,00) e rapidamente a própria Apple
lançou um sucessor com as mesmas qualidades, mas mais acessível, no ano
seguinte. O Macintosh (fig. 21) foi lançado com estardalhaço em 1984 com uma
propaganda dirigida por Ridley Scott (fig. 23) e exibida no intervalo do Superbowl
daquele ano: “Em 24 de janeiro, a Apple Computer lançará o Macintosh. E você verá

|
porque 1984 não será como ‘1984’”, dizia a propaganda, em referência ao livro de
George Orwell (e o Big Brother era a metáfora, é claro, do maior concorrente da
Apple na época, a IBM). Com o Macintosh, caro mas acessível, e o lançamento

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


subseqüente do MS Windows da Microsoft (fig. 22) – uma tosca máscara gráfica que
mediava a interface textual dos PCs que rodavam o MS DOS – em 1985, a
comunicação entre o homem e o computador deixou de ser necessariamente um
processo de abstração lógica mediado por complexo código de comandos e
mnemônicos textuais. A partir daí, o uso do computador tornou-se algo cada vez mais
próximo da sensibilidade leiga e cada vez mais distante da racionalidade técnica.
Com a mediação de um ambiente gráfico, não dependemos mais do
conhecimento do “texto” tecnológico que faz o computador funcionar. Algo mais
próximo dos velhos videogames que acompanharam a infância e adolescência das
gerações pós-1970, a interface user friendly privilegia a relação sensível do usuário
com um ambiente virtual, como já faziam os videogames, em detrimento do
tradicional (e inibidor) código textual piscando sobre uma tela escura.

41
Figura 19

Figura 21
Figura 16
Figura 15

Figura 17

Figura 23
Figura 22
Figura 20
Figura 18

42
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005
Julho de 2005
O ambiente gráfico rompeu a cadeia textual que ia do bit ao nosso cérebro.
Enquanto abstração, o ciberespaço é apenas a metáfora de fatos físicos e
matemáticos. Mas na forma de realidades visuais e (sonoras) sintéticas, o
ciberespaço ganha uma dimensão sensorial que é inacessível por meio do texto.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Talvez não seja apenas uma coincidência que o termo “cyberspace” tenha surgido em
1984, no mesmo ano do lançamento do Macintosh, uma década depois do
surgimento do personal-computer, 12 anos depois do Pong e do Odyssey e depois de
4 anos de Toffler afirmar que estávamos na Terceira Onda e viveríamos em “cabanas
eletrônicas”, versões computadorizadas e “business oriented” da aldeia global de
McLuhan. Como resposta cultural às redes de computador cada vez mais presentes
nas empresas, governos e escolas, a noção de “ciberespaço” é uma forma de conferir
sentido àquilo que contraria a categoria fundamental do espaço, reconstituindo-o
sobre aquilo que subverte justamente o próprio espaço. Surge uma nova
espacialidade na forma de simulacro – a realidade virtual – onde a nossa experiência
se realiza, aos nossos sentidos, de forma análoga a que experimentamos no mundo
presencial. Não por acaso, em 1984, no mesmo ano em que o Macintosh introduziu o

|
“desktop virtual” no mercado de consumo, William Gibson anunciou o ciberespaço
como um espaço lisérgico que exacerba a dimensão sensorial do virtual:

Cyberspace. A consensual hallucination experienced daily by billions (…)... A

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


graphic representation of data abstracted from the banks of every computer in
the human system. Unthinkable complexity. Lines of light ranged in the non
space of the mind, clusters and constellations of data. Like city lights,
receding...15 (Gibson, 1984, p.51)

Sob influência das realidades virtuais, a noção do senso comum de


ciberespaço é essencialmente o visual, em detrimento do textual. E, desde que
imagem e texto possuem naturezas diferentes, a substituição de uma pela outra não
deixa de ter conseqüências. Ao contrário do que ocorre com as imagens e os bits,
conversão um texto para bits ou vice-versa não é exatamente uma questão de
tradução, mas de notação: a seqüência de letras “i-m-a-g-e-m” e a seqüência de
números hexadecimais “69-6D-61-67-65-6D” possuem uma relação unívoca. Uma

15
“Ciberespaço. Uma alucinação consensual vivida diariamente por bilhões (...)... Uma representação
gráfica dos dados abstraídos dos bancos de dados de cada computador no sistema humano.
Complexidade inimaginável. Linhas de luz enfileiradas no não-espaço da mente, agregados e
constelações de dados. Como cidades de luz, retrocedendo...”

43
Julho de 2005
vez criada e até ela ser modificada ou eliminada, uma mensagem textual pode
trafegar ao longo da cadeia de interfaces de um sistema sob várias notações sem que
ela perca qualquer fragmento do seu conteúdo. E mesmo quando a questão é traduzir
um mnemônico digitado pelo usuário para a execução de uma função do computador,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


a cadeia de eventos será um processo textual, desde a mentalização do mnemônico
até sua transformação nos bits que trafegam na forma de corrente elétrica nas placas
de circuito impresso e pelos chips. Mas isso não acontece com a imagem. No limite, é
possível “ler” um texto na sua forma binária, porém “ver” a imagem na forma binária, é
praticamente impossível.
A descontinuidade entre um sistema de comunicação mediado pelo texto e
outro mediado na imagem fica evidente, por exemplo, na impossibilidade de se
adaptar interfaces gráficas para deficientes visuais, ao contrário do que ocorre com
interfaces textuais, onde o monitor de raios catódicos é facilmente substituído por um
terminal Braille. Ou, de forma inversa, a conversão de softwares desenvolvidos para
ambiente textual para softwares “user friendly” requer, na prática, o desenvolvimento
de outro software, ao contrário da suposição, que já foi muito arraigada entre os

|
profissionais de software, de que a “imagem” é apenas um “texto” mais sofisticado. A
simples agregação de uma “casca gráfica” geralmente mutila o aplicativo original e
compromete a intuitividade que um ambiente gráfico deve ter.

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


O fato é que não existe a “migração” de um aplicativo de interface textual
para a interface gráfica. Tentativas nesse sentido, geralmente resultam em fracasso.
A versão gráfica de um aplicativo, originalmente desenhado para interface textual,
requer tantas modificações de design e engenharia de software que resulta, na
prática, em outro sistema. Isso ocorre justamente porque há uma descontinuidade
que existe entre um sistema de comunicação baseado em texto e um sistema de
comunicação baseado em imagem. Enquanto a interface textual manifesta a própria
informação apenas na forma de texto, em uma cadeia contínua desde os bytes que
circulam no computador, a interface gráfica simula um ambiente visual onde
prevalece a interação com entidades imagéticas, sejam elas veículos de conteúdo
textual, como a tela de um editor de texto, ou não, como o cursor do mouse. É certo
que a interface gráfica não se desvencilhou do texto, até porque, assim como há
especificidades que somente podem ser expressas na forma de imagem, há aquelas
que só podem ser expressas na forma de texto. E, como nota Quéau (1993, p.91), é
um processo onde o “legível engendra o visível”: a realidade virtual instituiu “uma

44
Julho de 2005
nova relação entre imagem e linguagem” e “pela primeira vez, formalismos abstratos
podem produzir, diretamente, imagens”. Essas imagens não são simplesmente a
reproduções de algo que já existe, “cópias” de outras realidades, mas produtos
sintéticos construídos pela manipulação numérica do átomo da imagem eletrônica: o

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


pixel.
Toda imagem eletrônica é um mosaico matricial de pequenos pontos, os
pixels, cada qual com uma gradação de luz e cor. Ao contrário da televisão – onde o
pixel é resultado de um processo de “contágio” da luz através dos vários suportes da
maquinaria óptico-eletrônica desde o momento da sua captura – o computador
domina cada ponto da imagem: ele substitui “o automatismo analógico das técnicas
televisuais pelo automatismo calculado, resultante da informação relativa à imagem.
(...) Cada pixel é um permutador minúsculo entre imagem e número” (Couchot, 1993,
p.38-39). A imagem gerada pelo computador não prescinde de uma realidade visual
precedente já que ela não é cópia do real, mas um produto da simulação de modelos
de realidade, reduções lógicas e matematizadas contidas nos dados e nos programas
de computador. Como nota Couchot, (1993, p.24):

|
Se alguma coisa preexiste ao pixel e à imagem é o programa, isto é, linguagem e
números, e não mais o real. Eis porque a imagem numérica não representa mais
o mundo real, ela o simula.

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


E por meio dessas simulações, até mesmo o texto é mascarado como
imagem. Com efeito, mesmo o texto de uma “caixa de alerta” passa a ser
subordinada à lógica engendrada pela imagem: antes de ser lida, ela é “vista” em
uma das janelas (a caixa de alerta) do ambiente gráfico com o qual o usuário
interage.
A interface gráfica com a qual o usuário se relaciona não é simplesmente
16
uma tradução visual do dado textual. Ela também “incorpora um modo de ver” a
realidade tecnológica dentro de novos contextos e articulada ao conhecimento prévio
e consensual acerca de determinadas realidades coletivas. Esse conhecimento
fornece certas expectativas, adquiridas pela experiência passada, que são aplicadas
aos “infogramas”, entidades funcionais que se revestem de aparências de objetos

16
An image is a sight which has been recreated or reproduced. It is an appearance, or a set of
appearances, which has been detached from the place and time in which it first made its appearance
and preserved – for a few moments or a few centuries. Every image embodies a way of seeing (Berger,
1971, p.09-10).

45
Julho de 2005
conhecidos e com os quais supostamente compartilham características. Os
infogramas são signos que funcionam como parte de um sistema de metáforas
lingüísticas e visuais que “buscam compensar os limites dos sistemas de
representação (...) propondo analogias entre o contexto normal de uma palavra ou

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


imagem e um contexto novo no qual é arbitrariamente introduzida” (Quéau,1993,
p.93). Os infogramas – os “ícones” do nosso computador, os elementos visuais de um
videogame, o cursor do mouse – são como componentes semânticos de um
determinado contexto que articulam traços de semelhança e de funcionalidade de
objetos de outros contextos.
“Quanto de cópia deve a cópia ter para ter efeito sobre aquilo de que é cópia?
17
Quão ‘real’ a cópia deve ser?” (Taussig, 1993, p. 51). Ao contrário da suposição de
que uma realidade virtual deve ser idêntica àquela que ela substitui, a semelhança
visual e funcional do infograma em relação aos objetos autênticos é relativa e
freqüentemente muito rudimentar. Essa relativização e rudimentaridade não impedem
que, no contexto da realidade virtual, o cursor do mouse possa ser nosso dedo virtual
e um quadrado possa ser uma bola, apesar do nosso dedo não se parecer com uma

|
seta e de uma bola não possuir cantos. São como aquilo que Taussig chamou de
“ideogramas pobremente executados” (“poorly executed ideogram”), síntese de traços
daquilo que mimetizam mas também objeto de projeção de expectativas e

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


instrumento de transformação dos originais que representam.
A interface gráfica, sintetizada na metáfora do desktop virtual, nada mais é do
que um meio de articular o conhecimento de senso comum em modelos de simulação
que engendram experiências análogas às experiências adquiridas pelo usuário em
outros contextos. A mimese se dá, portanto em dois planos, no plano visual e no
plano funcional: no primeiro, o que importa são os traços que nos permitem
reconhecer que tal ou qual infograma é uma pasta ou um documento e, no segundo,
o que importa é que os atributos funcionais do arquivo digital ou diretório do sistema
de arquivos no disco rígido sejam suficientemente análogos ao que esperamos
encontrar em um documento ou pasta. Essa síntese entre aparência e funcionalidade
permite que possamos aproveitar nosso conhecimento prévio acerca das pastas e
documentos para supor que – ao manusearmos os simulacros virtuais de arquivos e
diretórios com aparência de documentos e pastas – diretórios possam conter

17
“How much of a copy does the copy have to be to have an effect on what it is a copy of? How ‘real’
does the copy have to be?”

46
Julho de 2005
diretórios mas que arquivos jamais contenham diretórios, da mesma forma que
pastas podem conter pastas mas documentos jamais contêm pastas.
Assim, em uma lógica semelhante à popularizada anteriormente pelo
videogame, a imagem, ou melhor, os sistemas de imagens articulados por modelos

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


de simulação passaram a dominar nossa relação com o computador, possibilitando
realidades nas quais “clicar” e “arrastar” documentos com um “mouse” passassem a
fazer mais sentido do que digitar “move C:/dir_1/dir_N/meu_arquivo.DOC
C:/dir_2/dir_N”. Aqui, o olho acoplado ao mouse torna-se o órgão do conhecimento
tátil que, interagindo com as simulações imagéticas dos softwares, passa a ser “como
a mão do cirurgião que corta e entra no corpo da realidade para apalpar as massas
palpitantes dentro dela”18 (Taussig, 1993, p. 31).
A realidade virtual da interface gráfica é uma “bricolagem” construída através
de coleções de “mensagens” – os infogramas – e constitui não só a camada de
interação sensível entre o homem e o ciberespaço como a modalidade de mediação
mais socialmente compartilhada, ao contrário das mediações puramente textuais.
Mas as representações imagéticas da informação digital implicam em uma

|
descontinuidade entre aquilo que vemos e aquilo que realmente está por trás da
simulação. A realidade virtual opera em dois sentidos, um que cria mundos sensoriais
da informação digital e outro que trabalha ocultando a estrutura tecnológica e material

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


do ciberespaço. Um “infograma” é tanto um meio de dissimular o mundo abstrato que
o engendra como um meio de torná-lo tangível. “Enquanto ‘imagens’, elas [as
realidades virtuais] não nos permitem entender o modelo abstrato que as engendra,
mas abrem uma janela para ele” (Queáu, 1993, p.92). Por mais perfeito que venha a
ser um modelo de simulação, ele será sempre marcado por dois movimentos
ambíguos: o mesmo poder de simular mundos é o poder de falsificar e mascarar19.
Com efeito, ao mesmo tempo em que o “desktop” eletrônico media nossa experiência
sensível no ciberespaço, ele oculta tudo aquilo que não pode ser traduzido porque
não faz sentido ou é desnecessário para a emulação dessa experiência. A realidade
virtual, portanto, estabelece uma ordem não só de classes, mas também de domínios:
para estender nossos horizontes de interação sensorial com o computador, é

18
“...like the surgeon’s hand cutting into and entering the body of reality to palpate the palpitating
masses encloses therein.”
19
“Once the mimetic has sprung into being, a terrifically ambiguous power is established; there is born
the power to represent the world, yet that same power is a power to falsify, mask and pose. The two
powers are inseparable”. (Taussig, 1993: 42-43).

47
Julho de 2005
necessária uma reconstrução seletiva no domínio cotidiano (onde existem pastinhas
amarelas e se conta até dez) das realidades provenientes do domínio tecnológico
(onde o amarelo da pastinha é um número hexadecimal de valor “FDE985” e o
número “dez” é um byte de valor “00001010”). A interface gráfica naturaliza o

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


tecnológico justamente porque o oculta. Ela traz à percepção uma realidade que
antes só podia ser acessada com o domínio de complexos textos, tornando-a
acessível como uma forma de experiência ao alcance dos olhos e das mãos. Assim, a
interface gráfica permite replicar aspectos do nosso mundo e criar novos mundos
também.
A plenitude da palavra “cyberspace”, associada a um espaço global, só foi
possível quase uma década depois da invenção do termo, graças a invenção da
World Wide Web e do browser, as janelas user friendly da Internet, que trouxeram
para a singularidade de nossos escritórios e dormitórios o alcance de uma rede
mundial agora na forma de imagens, sons e textos em torrentes multimídia. Como
mais uma evidência da familiaridade e naturalização que as realidades virtuais
promovem, o formato “user friendly” da Internet, instanciada na forma de janelas de

|
nosso desktop, tornou-se rapidamente o meio predominante – para o senso comum,
o único – de interação entre o usuário e a Internet.
A contrapartida da naturalização do ciberespaço é que nos tornamos,

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


também, extensão dele: na medida em que a virtualidade se transforma em campo de
ação prática, cada vez mais a realização do ser humano prescinde de sua inserção
como coisa virtual do ciberespaço. Essa perspectiva traz algumas implicações. Ao
contrário do que ocorre no mundo presencial, onde o corpo e a presença da pessoa
são indissociáveis, no mundo virtual o corpo de carne não só é desnecessário, como
se configura como uma âncora que conspira contra a plena realização das
potencialidades do cogito no ciberespaço. Como observa Le Breton (2003, p.148), o
corpo se “transforma ao longo do tempo em algo estorvante, excrescência desastrada
do computador”.
Não por acaso, o corpo já é visto por alguns expoentes da cibercultura como
uma barreira incompatível com a tecnologia: “O corpo é obsoleto”, diz Stelarc, um
artista que realiza performances interferindo e alterando seu corpo com a tecnologia.
Para Stelarc, o corpo não pode mais dar conta com a “quantidade, complexidade e
qualidade da informação que acumulou” e é “intimidado pela precisão, velocidade e

48
Julho de 2005
força da tecnologia” (Stelarc, s.d.). Tomando a distinção que Berger e Luckmann
(1998) fizeram sobre “ter um corpo” e “ser um corpo” 20, Stelarc afirma:

Reforçados pela convenção cartesiana, conveniência pessoal e design


neurológico, as pessoas meramente atuam como mentes, imersos em brumas

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


metafísicas. O sociólogo P.L. Berger fez uma distinção entre “ter um corpo” e
“ser um corpo”. COMO SUPOSTOS AGENTES LIVRES, AS
CAPACIDADES DE SER UM CORPO SÃO REPRIMIDAS POR TER UM
CORPO (Stelarc, s.d., realce do autor).

Os monitores de vídeo, mouses, alto falantes e microfones que usamos hoje


em dia são interfaces que existem apenas porque há um corpo anacrônico entre a
máquina e a “pessoa” reduzida ao cogito. Dentro de uma lógica instrumental, esse
corpo de carne é um evidente obstáculo a ser contornado para a realização da
pessoa virtual. Daí uma das mais fortes tendências ciberculturais, senão a
predominante, ser o elogio ao pós-orgânico onde o corpo torna-se algo sujeito a
retificações e melhorias técnicas, quando não à eliminação, como qualquer máquina.

|
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética

20
“Por um lado, o homem é um corpo, no sentido em que isto pode ser dito de qualquer outro
organismo animal. Por outro lado, o homem tem um corpo. Isto é, o homem experimenta-se a si
próprio como uma entidade que não é idêntica a seu corpo, mas que, pelo contrário, tem esse corpo ao
seu dispor” (Berger e Luckmann, 1998, p.74).

49
Julho de 2005
II.3. O corpo na era do pós orgânico
A ausência do corpo nas relações ciberespaciais é um dos sinais
contemporâneos mais visíveis de uma sociedade na qual a presença da pessoa está

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


cada vez mais dissociada de seu corpo orgânico. A necessidade de sublimação do
corpo, nitidamente visto como um “excesso” no elogio ao virtual típico da cibercultura,
é conseqüência de uma tendência mais ampla, onde o corpo se tornou, em muitas
circunstâncias, algo ineficiente – e portanto, indesejável – na sua forma in natura. É
indiscutível que a sociedade informática nos coloca à frente de uma época de
“desabono ao corpo”:

(...) fato vivido em seu nível por milhões de ocidentais que perderam sua relação
de evidência com um corpo que só utilizam parcialmente. No limite, esse sonho
de uma humanidade livre do corpo é lógica nesse contexto em que o veículo é
rei e o ambiente é excessivamente tecnicizado, e no qual o corpo não é mais o
centro irradiante da existência, mas um elemento negligenciável da presença (Le

|
Breton, 2003, p.20-21).

A desvalorização do corpo decorre da perspectiva mecanicista da cibernética,


na qual organismos e artifícios são reduzidos a meros sistemas de informação. As

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


descobertas científicas e tecnológicas – sobretudo das bio-tecnologias – parecem
corroborar o paradigma cibernético: além dos computadores e sistemas informáticos
que simulam e potencializam o trabalho da mente, a própria vida parece ser, no limite,
uma espécie de máquina que se desenvolve e funciona de acordo com uma
programação criptografada nos genes. O modelo cibernético é impregnado de um
behaviorismo radical segundo o qual toda máquina ou ser vivo é definido por um
permanente feedback entre as informações nele programadas e as informações
provenientes do ambiente exterior. Na perspectiva cibernética, o modelo do corpo é,
invariavelmente, a máquina.
Contudo, longe de ser contemporânea, a imagem mecanicista do corpo é
anterior à cibernética. É notório que o período renascentista foi marcado não só pela
valorização das proporções matemáticas do corpo como pela introdução de um modo
de ver esse mesmo corpo que é, formalmente, o mesmo modo de ver que planifica os
artefatos e máquinas. O Homem Vitruviano (fig. 24), de Leonardo Da Vinci, é uma das
mais emblemáticas representações da matematização do corpo humano. O desenho

50
Julho de 2005
refere-se a uma passagem onde o arquiteto romano Marcus Vitruvius descreveu as
proporções do corpo humano a partir da largura dos dedos. Inscrito dentro de um
quadrado e de uma circunferência cujo centro é o umbigo, o Homem Vitruviano
celebra o corpo humano como um ideal matemático. Apesar de ser uma espécie de

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


representação de um homem-protótipo que já insinua a separação do corpo da noção
de pessoa, o Homem Vitruviano ainda mantém o princípio do todo.

|
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética
Figura 24 Figura 25

O corpo que se separa em partes já estava enunciado em outros estudos do


próprio Da Vinci, como, por exemplo, os seus desenhos sobre a anatomia do braço
(fig. 25). Mas foi Vesálio que desmontou o corpo e deu autonomia às suas partes,
consolidando a “representação médica do corpo que não é mais solidária de uma
visão simultânea do homem” (Le Breton, 2003, p.18). Em 1543, Vesálio publicou De
Humanis Corporis Fabrica, ou “do funcionamento do corpo humano”, onde ele
representou o corpo como se representa uma máquina. É um corpo que pode ser
“desmontado” por camadas – do corpo esfolado com os músculos visíveis (fig. 26) ao
esqueleto desprovido carne (fig. 27) – e em partes que são desenhadas
separadamente para uma análise mais minuciosa – uma caixa torácica (fig. 29) ou
uma traquéia e laringe conectada aos tubos bronquiais (fig. 28) – e, quando

51
Julho de 2005
necessário, em vistas ortogonais – o verso e o reverso dos ossos da mão (fig. 31) ou
da mandíbula (fig. 30) – exatamente como são tratadas as representações das peças
de uma máquina. Vesálio instituiu a visão na qual o corpo nada mais é do que a
articulação de mecanismos e peças elementares.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


|
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética
Figura 26 Figura 27

Figura 30

Figura 28 Figura 29 Figura 31

52
Julho de 2005
Ao realizar um tipo de “engenharia reversa” do corpo, os desenhos de Vesálio
também fundam uma separação radical onde o corpo se desconecta da morte que,
de fato, está ligada aos cadáveres que servem de modelos. Ao realizar essa
desconexão, o corpo-artefato de Vesálio também se desconecta da pessoa, esta sim

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


sujeita à morte:

O corpo, como representação, é desligado do campo negativo da morte, e a


compreensão de seu funcionamento passa a ser assimilada, progressivamente, à
de processos mecânicos, físicos e químicos totalmente objetivos. (...) Vesálio
trabalha sobre um corpo-artefato destituído e separado da alma da morte (Leite
Leite Brandão, 2003, p.292).

As pranchas de Vesálio antecipam um olhar e um método que se tornaram


típicos da modernidade. Um olhar esvaziado de sentimento e um método que
desmonta o corpo em partes para compreensão do todo. Separado da pessoa, o
corpo-artefato de Vesálio não suscita empatia e seu desmonte em conjuntos de
peças cada vez mais elementares conduzem, no limite, à idéia de que um exímio

|
artesão poderia reproduzir tais “peças”, desde que com os recursos técnicos
necessário e um bom “projeto” – do qual De humanis corporis fabrica seria um
escorço – em mãos.

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


Leite Brandão (2003, p.293) observa que o projeto de Vesálio é similar ao
cartesianismo, onde o cogito constituinte do sujeito, é totalmente distinto do corpo e
do universo reduzidos “às propriedades geométricas e mecânicas passíveis de serem
compreendidas e manipuladas pelo espírito”. Le Breton (2003, p.18) acrescenta que
Descartes, ao desligar a “inteligência do homem de carne”, transformou o corpo
apenas no “invólucro mecânico de uma presença; no limite poderia ser
intercambiável, pois a essência do homem reside, em primeiro lugar, no cogito”.
Segundo o autor:

Descartes formula com clareza um termo-chave da filosofia mecanicista do


século XVII: o modelo do corpo é a máquina, o corpo humano é uma mecânica
discernível das outras apenas pela singularidade de suas engrenagens. Não
passa, no máximo, de um capítulo particular da mecânica geral do mundo.

As concepções do corpo introduzidas por Descartes e Vesálio disseminaram-


se durante o Iluminismo e resultaram em profundas modificações na forma como o

53
Julho de 2005
homem é visto pelo próprio homem. Segundo Coli (2003, p.300), com o Iluminismo
torna-se dominante a visão científica na qual “as partes, organizadas e em função,
produzem o todo”, quebrando a unidade divina irredutível que era conferida ao
homem. Antes “seus pedaços não formavam elementos constituintes”. Acrescenta o

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


autor:

Assiste-se, paralelamente, ao adentrar pela cultura dos últimos séculos, a um


fascínio pelo humano que se desmembra. (...) Cria-se, por assim dizer, uma
poética do fragmento.

Posto que a visão mecanicista do corpo possui uma longa tradição no


pensamento ocidental, é importante ressaltar que por mais que o corpo fosse visto
como uma máquina, não era ainda, de fato, uma máquina.
Isso mudou com a cibernética.

“Wiener foi decerto o primeiro a embaralhar as fronteiras do autômato e do


vivo. Da mesma maneira que ele dissolve a especificidade do homem sob o
ângulo do mecanismo, proporciona à maquina um sistema de organização que a

|
aparenta ao vivo” (Le Breton, 2003, p.182).

Essa concepção do vivo, e do não-vivo, resultaram em novas formas de


pensar o corpo. A poética do fragmento fundiu-se à poética da máquina. Cada parte

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


do corpo é, desde então, um objeto passível de ser substituído ou melhorado por
máquinas, tendo em vista o desempenho e de acordo com as possibilidades
tecnológicas em permanente evolução. Assim, o monstro construído pelo Dr.
Frankenstein dá lugar ao ciborgue e os retalhos de cadáveres dão lugar a reluzentes,
limpas, e eficientes máquinas biônicas.
Resultado da contração de cybernetics organism, o termo “cyborg” foi
apresentado em 1960 por Manfred E. Clynes e Nathan S. Kline (1995, p. 30-31) no
Psychophysiological Aspects of Space Flight Symposium. No simpósio, eles
sugeriram que “alterar as funções corporais do homem para se atingir os requisitos
dos ambientes extraterrestres pode ser mais lógico do que prover um ambiente
terrestre para ele no espaço”. Inspirados por uma experiência realizada nos anos 50
em um rato, no qual foi acoplada uma bomba osmótica que injetava doses
controladas de substâncias químicas, os autores propuseram que o astronauta fosse
ligado fisiologicamente a sistemas capazes de monitorar e regular as funções físico-

54
Julho de 2005
químicas e deixá-lo dedicado apenas às atividades relacionadas com a exploração
espacial. Propuseram o termo “cyborg” para o acoplamento de um organismo com
componentes exógenos capazes de auto-regular e estender as funções fisiológicas
do conjunto para novos ambientes.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Associadas com as promessas das tecnologias biônicas, o ciborgue proposto
por Clynes e Kline tornou-se imagem da transposição dos limites humanos e figura
emblemática dessa “nova ordem do real” baseada na cibernética. O termo “bionics”
foi cunhado pelo Major Jack Steele da Força Aérea Americana em 1958 e
popularizado no primeiro “Bionics Symposium”, em 1960. Segundo Steele (Gray,
1995, p. 62), o termo surgiu da palavra grega “bion” – “unidade de vida em oposição à
‘morphon’ com ênfase na forma” – acrescida do sufixo “ics”, utilizada amplamente
para denominação de áreas de conhecimento ou outras atividades como
“mathematics” ou “athletics”. Ao contrário de apenas buscar a imitação da aparência e
de funcionamento de sistemas biológicos, como ocorre com a bio-mimética em geral,
a biônica é um processo de design. Para Steele (Gray, 1995, p. 62), a “biônica é a
disciplina que utiliza princípios derivados de sistemas vivos na solução de problemas

|
de design” e sua especificidade está em um método que sistematiza a análise
biológica, a formalização matemática e a síntese da engenharia:

“Tendo selecionado um problema, o sistema biológico e os processos

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


responsáveis pela sua solução são analisados. A informação é formalizada ou
descrita matematicamente e aplicada à solução do problema de engenharia. Esta
é a análise, formalização e síntese representada no símbolo biônico” (Steele,
1995, p. 58).

Em 1972, sob influência dos discursos científicos do ciborgue e da biônica,


Martin Caidin publicou a ficção científica Cyborg, um dos primeiros produtos literários
a tratar da artificialização do corpo como forma de superar os limites humanos. O livro
conta a história de um piloto de testes da Força Aérea americana, Steve Austin, que
após um grave acidente, é reconstruído com partes biônicas pelo laboratório
cibernético do Dr. Killian:

“(...) para transformar a carcaça de um humano mutilado não apenas em um


novo homem, mas em um tipo totalmente novo de homem. Uma nova raça. Um
casamento da biônica (biologia aplicada à engenharia de sistemas eletrônicos) e

55
Julho de 2005
cibernética. Um organismo cibernético. Chame-o de ciborgue...”21 (Caidin,
1972, p. 55-56 apud Abbate, 1999)

O ciborgue que Caidin legou para a cultura de massas é produto de uma


biônica reinventada que, sob a inspiração da idéia de Clynes e Kline, torna-se o meio

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


de superar a natureza humana com o acoplamento de máquinas melhores que os
sistemas biológicos que elas substituem. A história do homem biônico Steve Austin
ganhou notoriedade com a famosa série de TV intitulada The Six Million Dollar Man
(“O Homem de Seis Milhões de Dólares”) veiculada na década de 1970 (Abbate,
1999) e a figura do homem-biônico cujo corpo natural é melhorado com o
acoplamento de máquinas vem, desde então, sendo reproduzida à exaustão.
Como nos lembra Pyle (2000, p.125), “quando fazemos ciborgues – ao
menos quando os fazemos nos filmes – também fazemos e, nessa ocasião,
desfazemos nossas concepções sobre nós mesmos”. O ciborgue é, antes de tudo,
um homem que se dispõe em fragmentos, como nas pranchas de Vesálio, para os
quais se abre a possibilidade de substituição por produtos que tenham desempenho –
resistência, velocidade, força, durabilidade – melhor. The Six Million Dollar Man e

|
outros ciborgues imaginários anunciam a imagem de um homem “melhorado” com a
acoplagem da tecnologia e cada vez mais além das limitações ditadas pela natureza.
O ciborgue, seja ele imaginário ou não, é produto do pensamento utilitarista aplicado

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


sem limites (se é que há algum limite para esse tipo de pensamento) à fusão da carne
com o aço e o plástico: feita a concessão, que pode ser justificada por um acidente ou
não, a “performance” passa a ser a noção fundamental para a reformulação do ser
humano na direção do “pós-orgânico”.
Apesar de serem representações imaginárias, é certo que o homem pós-
orgânico só tem sentido a partir dos resultados socialmente concretos e promessas
palpáveis da ciência e da tecnologia, sem os quais o ciborgue não seria sequer
inteligível. Talvez o marca-passo cardíaco seja o primeiro marco, para o homem
comum, da dissolução efetiva das fronteiras entre organismo e artifício propostas pela
teoria cibernética.
Desenvolvido para pessoas cujo coração bate muito lentamente, o marca-
passos é, em essência, um dispositivo eletrônico que envia pulsos elétricos ritmados

21
No original: “(...) to create out of the mutilated human wreck not only a new man but a wholly new
type of man. A new breed. A marriage of bionics (biology applied to electronic engineering systems)
and cybernetics. A cybernetics organism. Call him cyborg...“.

56
Julho de 2005
para o coração a fim de estimulá-lo a bater mais rapidamente. O primeiro marca-
passo foi apresentado em 1955. Desenvolvido por Paul Zoll, o PM-65 consistia de um
gerador de pulsos elétricos sobre o qual era montado um eletrocardiógrafo para a
monitoração do ritmo cardíaco. Apesar de manter o paciente vivo, o PM-5

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


transformava a pessoa em uma espécie de eletrodoméstico que precisa ficar
permanentemente ligado na tomada. Além disso, ele era tão grande e pesado que
requeria um carrinho (fig. 32). Em 1957, Walton Lillehei apresentou um modelo muito
menor (fig. 33), alimentado por baterias e que podia se amarrado ao corpo do
paciente, restituindo sua mobilidade. Finalmente, em 1958, apenas uma década após
a publicação de Cybernetics, começou a era na qual máquinas são acopladas
definitivamente ao homem para corrigir seus corpos defeituosos. Naquele ano, em
Estocolmo, Ake Senning implantou o marca-passo desenvolvido por Rune Elmqvist
no corpo de Arne Larsson, que viveu – após passar por praticamente todas as
gerações de marca-passos – até 2001, quando faleceu por motivos que não estavam
relacionados com o coração. O primeiro marca-passo implantado era, em contraste
com seus antecessores, um disco com 5,5 centímetros de diâmetro com 1,6

|
centímetro de espessura e possuía autonomia de 12 a 18 meses (fig. 34).

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


Figura 32 Figura 33 Figura 34

A busca por dispositivos que corrijam corações defeituosos ou mesmo que


venham a substituí-los completamente é exemplar. A implantação de marca-passos
tornou-se rapidamente um procedimento corriqueiro e eles passaram a ser, de fato,
cibernéticos ainda nos anos 60, quando incorporaram mecanismos de feedback:
sensores capazes perceber quando o coração bate por conta própria ou quando
precisa de ajuda externa. Desde os anos 70, os marca-passos são dispositivos que
podem ser programados externamente por rádio, dispensando a intervenção cirúrgica

57
Julho de 2005
para esse procedimento e, a partir dos anos 90, eles passaram a ser pequenos
computadores programados para reagir a diversas circunstâncias cardíacas. Marca-
passos que também monitoram e gravam o histórico da atividade cardíaca do
paciente tornar-se-ão comuns.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


A história de sucesso do marca-passo – a do pequeno dispositivo que auxilia
o órgão deficiente – se contrapõe à menos bem sucedida busca por um artefato
capaz de substituir integralmente o coração. Em 1969, Denton Cooley, do Texas
Heart Institute, conectou, pela primeira vez, um primeiro coração artificial ao ser
humano como procedimento de emergência. O paciente sobreviveu por 55 horas
ligado ao coração artificial até que recebesse um coração humano. Mas foi somente
mais de uma década depois, em 1982, que um ser humano teve um coração artificial
implantado em seu corpo. No Centro Médico da Universidade de Utah, William De
Vries implantou em Barney Clark um coração modelo Jarvik-7, transformando-o
imediatamente em espetáculo. Clark, o protótipo de uma nova era, atraiu a fascinação
da mídia. Relatórios quase que diários sobre o estado de saúde de Clark foram
publicados ao longo dos 112 dias até sua morte por falência múltipla dos órgãos. Diz-

|
se até que repórteres tentavam entrar na UTI escondidos nos “cestos de roupa da
lavanderia, ou disfarçados de médicos” (Ditlea, 2002, p.36).
O Jarvik-7 era implantado na caixa torácica, porém permanecia ligado por

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


tubos a um compressor de ar externo, trazendo os mesmos problemas dos primeiros
marca-passos externos: falta de mobilidade e um canal de entrada para infecções.
Descobriu-se também que a descontinuidade das superfícies do Jarvik-7 propiciava a
formação de trombos e coágulos, capazes de provocar derrames. De Vries implantou
ainda o Jarvik-7 em mais 3 pacientes que sobreviveram por 620, 480 e 10 dias. A
experiência demonstrou, contudo, que o preço da sobrevida era altíssimo em termos
de qualidade. William Schroeder, o paciente que viveu por mais tempo com o Jarvik-
7, sofreu derrames, febres, infecção e passou um ano sendo alimentado através de
tubo (Ditlea, 2002, p.38). O procedimento ainda foi testado em outros hospitais e com
outras versões derivadas do Jarvik-7, mas a idéia foi abandonada pela maioria dos
médicos e a imagem do moribundo-biônico, apesar do estardalhaço da mídia,
também foi apagada da memória coletiva.
Apesar dos enormes riscos envolvidos e dos sucessivos fracassos, o sonho
de se construir um ser humano no qual zune um coração totalmente artificial continua.
Ao contrário de seus antecessores da década de 1980 o coração modelo AbioCor,

58
Julho de 2005
fabricado pela Abiomed, é uma máquina totalmente implantável. A idéia e a imagem
do AbioCor certamente são fascinantes. Confrontado ao seu equivalente orgânico
(Figs. 35 e 37), ele tem a vantagem de ser virtualmente inesgotável e independente
dos fatores de rejeição, orgânicos e simbólicos. Sem possuir tubos ou fios externos –

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


mesmo a energia elétrica é passada pela superfície da pele, por indução
eletromagnética, para uma bateria implantada no abdômen do paciente – o AbioCor
também não estigmatiza os pacientes como seus antecessores. Em testes desde
julho de 2001, o AbioCor é, sem dúvida, uma evolução, mas ainda possui problemas
que o impedem de ser considerado um sucesso.
Talvez a principal diferença entre o Jarvik-7 e o AbioCor seja a forma mais
reservada com a qual o segundo vem sendo tratado pela mídia, o que se deve, em
parte à divulgação limitada das experiências clínicas. A imagem do moribundo-biônico
não voltou à tona apesar dos problemas relacionados à formação de coágulos
persistirem – o que implica no uso de drogas anticoagulantes incompatíveis com a
saúde dos receptores, provocando eventualmente hemorragias fatais – e sabe-se, o
AbioCor requer a remoção do original sem fornecer uma solução definitiva.

|
Em resposta às críticas acerca dos problemas que seus protótipos têm
apresentado, o fundador da Abiomed, David Lederman, afirmou que “o coração
artificial continuou funcionando em situações que poderiam ter lesado ou destruído

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


um coração natural, como insuficiência de oxigênio no sangue e uma febre de 41,5º
C” (Ditlea, 2002, p. 39). Da perspectiva de Lederman, o ponto não é apenas se o
AbioCor um dia substituirá ou não o coração humano, mas que, apesar das
inconveniências apresentadas, o coração artificial já aponta para a superioridade da
cópia em relação ao original em alguns aspectos. Esse elogio à máquina é aderente
ao discurso geral que se escora na condição de saúde dos candidatos, tão precária
que os torna inaptos ao transplante. Frente às adversidades encontradas nos testes,
tanto médicos como os representantes da Abiomed tendem a supor que não é o
AbioCor que funciona mal, mas que é o corpo em volta dele que não funciona (c.f.
Ditlea, 2002, p. 38). Não é a toa que insinuem surpresa diante de um coração-biônico
que continue a funcionar em um ambiente tão deteriorado.
Mesmo a comunidade científica se divide em relação à substituição do
coração por uma máquina. Robert Jarvik, o criador do Jarvik-7, confessa:

59
Julho de 2005
Extirpar completamente o coração não é uma boa idéia na prática (...). Em 1982
não se sabia que o coração pode melhorar muito se você o ajudar em certas
doenças comuns. É por isso que você só deve tirar o coração nas situações mais
extremas (Ditlea, 2002, p.43).

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Jarvik se refere ao acoplamento de bombas auxiliares no coração,
conhecidas como “aparelho de assistência ao ventrículo esquerdo”. Conectados ao
coração, essas pequenas bombas aliviam e complementam o trabalho do coração
doente e, em alguns casos, promovem a regeneração do tecido cardíaco. Em
contraste com os dispositivos que visam auxiliar e recuperar o tecido original, a
obsessão pelo coração de titânio e plástico – e mesmo a forma como ele é exibido na
mídia, uma máquina cristalina e sempre dissociada do corpo – manifesta uma
incômoda postura onde a cura é apenas um detalhe do processo de mecanização do
corpo cujo fim é a ampliação de seus limites naturais.
Nessa perspectiva, recuperar a condição original do corpo não passa de uma
etapa na evolução do ciborgue. De certa forma é o que está acontecendo no campo
das próteses para portadores de deficiência física, onde estão aqueles que são vistos

|
e aceitos pela sociedade como os primeiros ciborgues a materializarem o que era, há
uma década, apenas imaginação. À semelhança do que o Dr. Kirlian disse a respeito
de Steve Austin no romance Cyborg, uma reportagem sobre o assunto anunciava,

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


ainda em 1999: “Quase melhor que o original” (Dias, 1999). A maior estrela da
reportagem era Tony Volpentest (fig. 36), um dos para-atletas que levou para a mídia
as próteses especiais de competição e que fez fama por mostrar que não só podia
ultrapassar, e em muito, as pessoas comuns como chegar próximo do recorde
mundial olímpico:

Tony Volpentest inspira admiração e, quem sabe, até despeito. Munido de duas
pernas mecânicas, o atleta americano, de 26 anos, faz 100 metros rasos em
impressionantes 11 segundos e 36 centésimos de segundo - apenas um segundo
e meio atrás do recordista mundial, o canadense Donovan Bailey, que nasceu
com tudo no lugar. Medalha de ouro nos Jogos Paraolímpicos de Atlanta, em
1996, Tony veio ao mundo sem os pés e sem as mãos (Dias, 1999, p. 136).

60
Figura 37

Figura 40
Figura 38
Figura 35

Figura 39
Figura 36

61
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005
Julho de 2005
No ano anterior, em setembro de 1998, a revista Dazed and Confused trouxe
na capa a imagem que lembra a de uma sereia cujo rabo de peixe foi trocado por um
par de próteses de competição (fig. 39). Nua da cintura para cima e acoplada a
próteses de alto desempenho, mais do que as limitações reais impostas pela

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


deficiência a foto de Aimée Mullins confronta o estigma tradicionalmente associado à
deficiência física. “Fashionable?”, insinua a capa da revista. Aimée Mullins amputou
as pernas abaixo do joelho quando tinha um ano de idade, o que não a impediu de se
tornar um destaque no esporte. Chegou a competir com pessoas não-deficientes em
alguns eventos e consagrou-se como para-atleta olímpica. Porém tornou-se mais
famosa ainda por instigar nosso olhar com estranhamento e fascinação ao participar
de desfiles de moda e posar para revistas e anúncios publicitários onde o estigma da
deficiência física é ostensivamente contraposto a sensualidade e beleza de outras
partes do seu corpo.
O estigma do portador de deficiência física decorre da incompatibilidade entre
o seu corpo e os modelos sociais aos quais ele não se conforma. Mais do que
portador de deficiência física, o estigmatizado possui um atributo “desviante” que se

|
impõe a todos os demais atributos “normais”, destruindo as possibilidades de
relacionamento simétrico e igual entre quem possui o estigma e quem não o possui
(cf. Goffman,1988, p.13-14). Além disso, poderíamos acrescentar, na medida em que

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


o estigma marca seu portador como alguém que não é completamente humano
(Goffman, 1988, p.15), reafirma, por oposição, a normalidade de quem não o possui.
As fotos de Aimée Mullins (figs. 38-40) ameaçam justamente a noção de
“normalidade” sobre a qual está ancorada a percepção do que é socialmente o corpo
humano. Elas não incomodam porque ela é bela e apareça seminua ou de lingerie
exibindo seu corpo bem torneado apesar de portar uma deficiência física visível. Elas
incomodam porque ela é atraente mesmo possuindo esta deficiência que é,
normalmente, um estigma e, certamente, as fotografias não teriam o mesmo apelo se
ela estivesse de muletas e pernas de pau. A forma pela qual a mídia exibe os corpos
dos para-atletas não deixa de ser um tipo de espetacularização do estranho, mas
diferente daqueles que eram exibidos em freak shows e circos de aberrações ao lado
de garrafas com fetos mal-formados e bezerros de duas cabeças.
É porque nossa relação frente à correção do corpo está mudando que
podemos olhar para as fotos de Mullins e perceber que há outros atributos em seu
corpo além daquilo que, em outras circunstâncias, apenas estigmatizaria. A imagem

62
Julho de 2005
do para-atleta transcende a estigma do corpo incompleto, ao qual falta um pedaço,
justamente porque ele se conforma a uma outra noção de corpo, o corpo-máquina
melhorado pela tecnologia e, nesse sentido, algo sobre-humano ao qual não se aplica
a noção convencional de corpo. A existência do corpo mutilado, porém corrigido pela

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


tecnologia, afeta diretamente a normalidade que deveria ser reafirmada pelo corpo
estigmatizado: ao mesmo tempo em que é inegavelmente um corpo mutilado, seu
desempenho não confirma a inferioridade que deveria acompanhar o estigma e mais,
indicam a inferioridade do ser humano “normal”, cujo desempenho é muito menor em
uma pista de corridas. Além disso, parte da fascinação deve-se à encarnação em
seres humanos da perspectiva do “culto ao fragmento” que se aplicava apenas às
estátuas e estudos de anatomia. Não só aceitamos com certa facilidade um corpo no
qual partes faltantes convivem com partes sobressalentes e sobre-humanas, como
permitimo-nos, ainda que com surpresa consternada, perceber nas demais partes
atributos que suscitam empatia e mesmo o desejo.
Volpentest e Mullins são pioneiros de uma tendência que se confirma. Uma
recente matéria jornalística (Marriot, 2005) intitulada “Prótese hi-tech é motivo de

|
orgulho” diz: “Jovem amputado exibe em público suas pernas e braço mecânicos e
torna-se exemplo de uma nova tendência”. Esse jovem é Cameron Clapp (fig. 41),
que perdeu, aos 15 anos, ambas as pernas e um dos braços ao dormir bêbado sobre

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


trilhos e ser atropelado por um trem. Ao contrário dos portadores de deficiência física
de outras épocas, preocupados em disfarçar ou esconder o estigma mais do que
superar a deficiência, Clapp faz parte do grupo de pessoas que, não satisfeitas em
apenas exibir suas próteses tecnológicas, as decoram para destacá-las mais ainda:
suas pernas de competição são decoradas com camuflagem verde.
O orgulho de Clapp e de tantos outros usuários de produtos da Ossur, Otto
Bock Health Care, Hanger Orthopedic Group e outras empresas deriva, certamente,
da força de vontade e determinação de superar situações adversas, inclusive o
estigma de portar uma deficiência física. Mas, como admite Clapp, a tecnologia está a
seu favor: “Tenho motivação e auto-estima, mas talvez encarasse a minha situação
de forma diferente se a tecnologia não estivesse, cada vez mais, do meu lado”.
Ao contrário de Barney Clark e outros que incorporaram a imagem do
moribundo-biônico, os para-atletas são celebrados pela mídia, como a antecipação do
futuro no qual a tecnologia não só recuperará a funcionalidade do corpo mas também
ampliará o seu desempenho. Atingir o desempenho desejado – que não

63
Julho de 2005
necessariamente é o do corpo fornecido pela natureza – manifesta um discurso
estritamente ciberneticista e sustenta novas posturas frente ao próprio corpo objeto
da reconstrução. Essa nova postura liberou a tecnologia para saltos fantásticos que
se materializam em dispositivos biônicos de alto desempenho que assumem o design

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


dinamizado, matematizado e geometrizado da máquina, despreocupados com a
morfologia da parte humana que substituem. O mundo das novas próteses não é
mais limitado pela imitação caricata do corpo humano, mas determinado por
requisitos de funcionalidade e desempenho, cuja solução nem sempre aponta para o
mesmo desenho do órgão ou membro original. Assim, as próteses biônicas não mais
preocupadas em reproduzir a imagem do órgão faltante, apontam para um futuro
onde os limites humanos – não só os impostos àqueles cuja natureza do corpo foi
mutilada, por nascença ou acidente – podem ser superados pela manipulação
artificial do corpo. No discurso da mídia e da propaganda, onde exibem
ostensivamente o seu corpo híbrido, os para-atletas corredores materializam hoje as
aspirações do futuro do corpo pós-humano, do homem redesenhado para uma
“melhor performance”.

|
É claro que próteses caríssimas, que podem chegar a US$ 40 mil cada
membro, determinam diferentes possibilidades para que é rico e para quem é pobre,
caso você não seja um para-atleta financiado pelas indústrias. Os para-atletas, além

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


de serem excelentes laboratórios de testes onde as máquinas são levadas ao limite,
também proporcionam imagens espetaculares, de corpos vigorosos e musculosos
que são, no jogo da mídia, associados aos seus produtos. O conjunto homem-
máquina dos para-atletas sintetiza uma imagem de vitória na pista e na vida. O que
antigamente era estigma, hoje é vitrine para exposição das marcas que competem
pelo mercado de pernas e braços artificiais: os “pés” de Clapp e o braço de Aron
Ralston22 – que posa na foto com Clapp (fig. 42) em um duplo aperto de mão, um
orgânico e outro mecânico – ostentam a marca de seu patrocinador.
É fato que o espetáculo funciona melhor quando pode mostrar os portadores
de deficiência física lidando com situações tão bem – às vezes melhor – quanto
aqueles que não as portam. Essas imagens não fragmentam apenas o corpo,
também fragmentam a realidade social e mostram apenas o que pode valorizar o
22
Aron Ralston é famoso por ter decepado o próprio braço após um acidente no qual uma rocha
esmagou sua mão em 2003. Ele ficou preso durante 5 dias em um cânion do Colorado até que
quebrasse os ossos do braço e cortasse a carne com um canivete cego. Após se libertar da rocha,
Ralston ainda teve que descer pelo cânion e andar vários quilômetros pelo deserto até ser encontrado.

64
Julho de 2005
produto. Daí serem os para-atletas, e de modalidades específicas de deficiência, que
são exibidos e se exibem. Algumas modalidades de deficiência, mesmo que
assistidas pelas mais recentes tecnologias, não fornecem um espetáculo hi-tech e
estigmatizam duplamente seu portador: como mutilado e como protótipo mal

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


resolvido. É o caso de Jesse Sullivan (fig. 43 e 44), que sofreu amputação de ambos
braços na altura dos ombros após um acidente com eletricidade. Ele ganhou certa
notoriedade porque um de seus braços mecânicos foi substituído por outro que pode
ser controlado diretamente pelos impulsos elétricos dos músculos que ainda possui
na região do ombro. Apesar de ser um grande avanço tecnológico, o novo braço de
Jesse Sullivan ainda é uma geringonça cibernética desajeitada e, acima de tudo, não
possui design atraente. O conjunto mecânico pendurado nos ombros de um senhor
mutilado certamente é melhor que nada, mas além de ser pouco atraente e pouco
funcional, ele ratifica a deficiência do corpo de Sullivan. Ao contrário das pernas dos
para-atletas o braço de Sullivan não é um produto acabado.
Contudo, é provável que seja só uma questão de tempo para que os futuros
Jesse Sullivans possam realizar a ficção do “Six million dollar man” de Caidin e dêem

|
continuidade ao espetáculo onde as atuais vedetes são os para-atletas. É um
espetáculo cada vez mais exaltado pela mídia, mas que só adquiriu essa dimensão
atual porque as indústrias de próteses gastam fortunas patrocinando grandes equipes

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


de para-atletas para que estes usem seus produtos e ostentem as suas logomarcas.
Algumas competições de para-atletismo são tanto uma vitrine de corpos glamourosos
acoplados a próteses reluzentes como pistas de provas onde conceitos e produtos de
alta tecnologia são testados por ciborgues de competição antes de serem
transformados em produtos de consumo. Como acontece na Fórmula I.
Engendrados na lógica do consumo, já é possível encontrar catálogos e
prospectos de próteses que não são mais desenhadas para o médico ou
fisioterapeuta, mas para o usuário final. Como uma peça de bicicleta ou acessório de
carro, podemos escolher o “joelho” de nossa preferência no site da Ossur (fig. 45).
Todos são apresentados como produtos duráveis, com ruído reduzido e com garantia
de dois anos. Oferecido em quatro modelos, pode-se escolher o “Total Knee 1900”,
caso você tenha um “estilo de vida pouco ativo” ou o “Total Knee 2100”, desenhado
para “estilos de vida ativos” – com níveis extremos de impacto, trabalho pesado e
esportes – e para suportar adultos com mais de 125 quilos. Há também um joelho
cujo metal ganhou cores alegres para satisfazer o público infantil, é o “Total Knee

65
Julho de 2005
Junior”, que aparece em um prospecto decorado com um par de alegres mascotes
dançando. Certamente, o “Total Knee” é uma prótese para ser exibida desde criança.
Para a criança há ainda uma “junior solution from Ossur” (fig. 46) que fornece uma
perna inteira para a criança amputada acima do joelho, com o “total knee” já incluso.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


“It’s playtime”, diz o prospecto em letras coloridas.
Uma solução inteira é o que também promete a “Hanger Complete System”
(fig. 47), cujo maior diferencial é o joelho hidráulico controlado por micro processador.
Na home-page da Hanger Orthopedic Group pequenos filmes aleatórios são exibidos
para mostrar como a “vida pode ser normal” com os produtos da Hanger (fig. 48).
Nada indica, no começo do filme, que o simpático senhor de bermudas em plano
americano que vemos rebolando e dançando com desenvoltura use uma Hanger
Complete System. Ao longo desse e de outros pequenos filmes, as tomadas
enfatizam os movimentos naturais que o usuário da Hanger Complete System pode
fazer, lançar uma bola de futebol americano e não deixar nada a desejar para o seu
par feminino, inclusive. O braço mecânico, por sua vez, tem presença
significativamente menor – aparecendo em um filme onde seu usuário liga e opera

|
um aparador de grama – talvez pelo conjunto menor de situações onde uma mão
mecânica possa executar com naturalidade o que uma mão humana faz.
O concorrente da Hanger, anuncia seu joelho biônico, o Rheo Knee, como:

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


Uma revolução baseada em um sonho de atingir a pura fisiologia. Função sem
limitação. A revolução é biônica, fundada sobre a interdisciplinaridade e fusão
precisa da eletrônica, mecânica e fisiologia humana.

Ao lado, uma grande foto do Rheo Knee (fig. 49) sintetiza a poética do
fragmento do corpo, agora biônico. A máquina humaniza-se nos testemunhos
ilustrados que mostram Julie Greder (fig. 50) – “o Rheo Knee faz parecer que minha
perna anda por mim” – e Gil Moncrief (fig. 51) – “pela primeira vez na minha vida, eu
tenho uma tremenda sensação (...) de confiança no próprio joelho” – caminhando
com naturalidade.

66
Figura 41

Figura 44

Figura 45
Figura 43
Figura 42

67
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005
Figura 49
Figura 46

Figura 50
Figura 48
Figura 47

Figura 51

68
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005
Julho de 2005
Inserida na lógica do consumo, as propagandas de próteses high-techs
prometem restaurar uma naturalidade que nem sempre é real, mesmo em termos de
funcionalidade, e omitem as circunstâncias nas quais elas não são adequadas. O
quanto a mão mecânica que manuseia tão naturalmente o cortador de grama

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


consegue fazer a higiene pessoal no banheiro? As próteses high-tech têm mostrado
maior eficiência justamente porque elas são desenhadas para determinados fins e
não são, ainda, versáteis e flexíveis como a parte original que substituem. Um
portador de deficiência que pratique para-atletismo costuma ter três modelos de
pernas, em quantidades variadas.
A imagem social que fazemos dos atuais ciborgues traduz uma nova postura
em relação ao corpo, cada vez mais relacionada com o desempenho desejado (essa
noção tão cibernética). As imagens que exaltam os corpos híbridos dos portadores de
próteses biônicas materializam hoje as aspirações do futuro do corpo pós-orgânico, o
homem redesenhado e reconstruído para um “melhor desempenho”. Mas os
ciborgues que emergem da fusão do corpo mutilado com a tecnologia biônica são
apenas um extremo de um processo social mais amplo de objetivação do corpo, onde

|
ele pode ser disposto como um tipo de acessório, mesmo que a pessoa não possua
partes mecânicas.
O corpo ideal do “body building” – atlético, sexy e clean – tão em moda

Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética


atualmente, é um reflexo cotidiano do mesmo pensamento cibernético que objetiva o
corpo como um artefato. Na medida em que a máquina torna-se, de fato, a unidade
de medida do homem, uma nova postura estética do corpo toma forma, na qual o que
é belo materializa-se na modelagem desse corpo como a encarnação do
desempenho, forjado e trabalhado como uma máquina. Le Breton (2003, p. 40-43)
nota que o corpo do body builder é uma “fortaleza de músculos inúteis em sua
função, pois para ele não se trata de exercer uma atividade física em um canteiro de
obras ou trabalhar como lenhador em uma floresta canadense”. Contudo é um corpo
que exalta a estética do desempenho, transformando “o corpo em uma espécie de
máquina, versão viva do andróide”.
Produto da mentalidade que vê o corpo de forma fragmentária,

o body building é um hino aos músculos, um virar o corpo do avesso sem


esfoladura, pois as estruturas musculares são tão visíveis sob a pele viva dos
praticantes quanto nas pranchas de Vesálio. (...) Peça por peça, o body builder

69
Julho de 2005
constrói seu corpo à maneira de um anatomista meticuloso preso apenas à
aparência subcutânea.

Até mesmo o vocabulário fica marcado pela analogia do corpo com a


potência mecânica: uma pessoa é “uma máquina”, está “bombada” ou é um “avião”. A

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


ideologia do desempenho transforma-se em obsessão por massa muscular e a
alimentação é reduzida a “pura matéria para fabricar músculos”, baseada “em um
cálculo científico da soma de proteínas a serem absorvidas”. Daí a noção afetada de
pureza na qual comer um torresmo ou fumar um cigarro são atos relativamente mais
impuros do que ingerir complementos alimentares sintéticos ou injetar esteróides
artificiais.
Na perspectiva da “estética do desempenho”, no imaginário que coloca o
corpo no mesmo patamar da máquina, os equipamentos de musculação, os
programas planejados de modelagem muscular, as próteses estéticas, as técnicas
cirúrgicas de lipoaspiração, a toxina botulínica (Botox), os anabolizantes e os
complementos alimentares são apenas meios que a tecnologia disponibiliza para se
atingir e antecipar a imagem do corpo de alto desempenho, a imagem do ciborgue.

|
Imagens da Cibercultura • II: A Sociedade Cibernética

70
III. O REALISMO ESPETACULAR

71
Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005
Julho de 2005
III.1. O contexto da sociedade de massas
Na sua análise da sociedade americana, Mills nota que a ascensão da
sociedade de massas, é concomitante com o declínio do que ele chamou de

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


“comunidades de públicos” (1968, p.354). Ele associa a primeira com a
industrialização desenfreada de todos os aspectos da sociedade e a segunda ao
liberalismo político dominante do período pré-capitalista. Nesse processo de
“massificação” da sociedade, ainda que seja a referência ideológica, o indivíduo é
reduzido a mero fragmento da “massa” coletiva, “substituído pelas formas coletivas de
vida econômica e política” nas quais passaram a predominar, dentre outras coisas, as
“decisões dos peritos nos assuntos complicados” e o “apelo irracional ao cidadão”. De
forma muito similar à oposição comunidade-sociedade de Tönnies23, a tipologia de
Mills (1968, p.354-357) opõe a “sociedade de massa” à “comunidade de públicos”. Ele
observa, contudo, que tanto “sociedade de massa” como “comunidade de público”
devem ser entendidos como tipos extremos – elaborações que indicam certas
características da realidade – e que se encontram combinadas na realidade social,

|
com a exacerbação de um tipo em detrimento de outro. Para Mills, na “comunidade
de públicos” há uma proporção entre os grupos que formam opiniões e aqueles que
as recebem, enquanto a sociedade de massas é fundamentada na desproporção

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


entre um grupo e outro de forma que “o número de pessoas que expressam opiniões
é muito menor que o número de pessoas para recebê-las”. Aqui a imagem
emblemática é aquela na qual há o “porta-voz que fala, impessoalmente, através de
uma rede de comunicações, a milhões de ouvintes”. Nessa perspectiva, a
comunicação em uma sociedade de massas caracteriza-se pela assimetria baseada
na concentração dos veículos em poucas instituições, frente às quais os indivíduos,
praticamente não possuem poder de resposta ou autonomia. Essa passividade se
realiza no mercado da diversão com torrentes de produtos de entretenimento
oferecidos em formas de prazer prontamente consumíveis, engendrando um
processo de mecanização do lazer justamente para aqueles que querem “escapar do

23
“Em teoria, a sociedade consiste em um grupo humano que vive e habita lado a lado de modo
pacífico, como na comunidade, mas, ao contrário desta, seus componentes não estão ligados
organicamente, mas organicamente separados. Enquanto, na comunidade, os homens permanecem
essencialmente unidos, a despeito de tudo o que os separa, na sociedade eles estão essencialmente
separados, apesar de tudo o que os une” (Tönnies, 1995, p.252).

72
Julho de 2005
processo de trabalho mecanizado, para se pôr de novo em condições de enfrentá-lo”
(Adorno; Horkheimer, 1985, p.131).
Em certo sentido, a sociedade de massas possui especificidades culturais
que a diferenciam das “sociedades tradicionais”, em particular no que tange à

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


produção cultural, realizada em larga escala. Para Adorno e Horkheimer (1985) esse
tipo de produção cultural destinada às massas é o que chamam de “indústria cultural”.
Em essência, a indústria cultural é a indústria da diversão e do entretenimento que
alia o espetáculo e o consumo, potencializados pelas tecnologias de reprodutibilidade
mecânica. E Morin (1962, p.16-17), por sua vez, crê mesmo que há uma cultura
própria ligada à sociedade de massas, uma “cultura de massas” produzida “segundo
as normas maciças da fabricação industrial; propagada pelas técnicas de difusão
maciça (...); destinando-se a uma massa social, isto é, um aglomerado gigantesco de
indivíduos da sociedade”. Para ele, essa cultura, como qualquer cultura, entra em
concorrência com outras culturas e apresenta “um corpo de símbolos, mitos e
imagens concernentes à vida prática e à vida imaginária, um sistema de projeções e
de identificações específicas”.

|
A indústria cultural não visa apenas a produção e o consumo das
mercadorias culturais mas também inculca – por meio delas – o consumo de produtos
reais e sua eficácia fundamenta-se, em grande parte, na identificação do sujeito com

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


o espetáculo e com o espetacular. É um consumo tanto do imaginário como do real,
da imagem do personagem que nos causa empatia como do cigarro que ele fuma ou
a roupa que ele veste. Nas telas do cinema, por exemplo, o ordinário e prosaico se
tornam espetaculares, e nas modas de consumo lançadas pelas vedetes, as
mercadorias reais contaminam-se do espetacular. Em grande parte, a cultura de
massas é resultado dessa aliança entre o espetáculo e o consumo: o espetáculo
como mercadoria e a espetacularização do consumo. Daí o papel preponderante do
imaginário na sociedade de massas. De acordo com Morin (1962, p.81 e p.176), a
“característica mais marcante da cultura de massas é a proximidade entre o
imaginário e o real” de forma que é pela união estética entre a realidade ordinária ao
imaginário espetacular que a cultura de massas presta-se tanto como mercadoria em
si como instrumento para o consumo dirigido de outras mercadorias:

Nas sociedades ocidentais esse desenvolvimento do consumo imaginário


provoca um aumento da procura real, das necessidades reais (elas mesmas cada

73
Julho de 2005
vez mais embebidas do imaginário, como as necessidades de padrão social,
luxo, prestígio); o crescimento econômico caminha num sentido que teria
parecido incrível há um século atrás: realizar o imaginário. Ainda há mais: é a
própria vida, pelo menos a um certo nível médio entre dois limiares variáveis,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


que se consome mais e sob o efeito da cultura de massa. As participações
imaginárias e as participações na vida real, longe de se excluírem, se
compatibilizam.

Certamente a cultura de massas está marcada pela efemeridade de estilos e


modas decorrente, em grande parte, da obsolescência planejada e do curto ciclo de
vida das mercadorias. Contudo, a cultura de massas não é um simples porta-voz da
ideologia dominante e extensão mecânica da estrutura de reprodução do capital. Se
por um lado, como nos lembram Adorno e Horkheimer (1985, p.127), há uma
dependência entre as “inovações e aperfeiçoamentos da produção em massa” e a
capacidade da cultura de massa se inovar, por outro, não podemos reduzir a segunda
a uma mera conseqüência da primeira, visto que as conseqüências proporcionadas
pela evolução tecnológica possuem, sempre, conseqüências imprevisíveis. É certo

|
que, por exemplo, exista uma relação causal entre a evolução tecnológica das
câmeras de vídeo e a inovação dos programas de televisão. A tecnologia de
produção de câmeras de vídeo teve tal barateamento que elas deixaram de ser

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


apenas bens de capital, restritos às grandes emissoras, e invadiram o mercado de
consumo na forma de um bem acessível às classes médias de todo o mundo. Com
isso surgiram novos tipos de produtos televisivos baseados nas – atualmente já
famosas – cenas do “cinegrafista amador” que se desdobraram basicamente em
programas que justapõem os fragmentos espetaculares da “vida como ela é” e em
programas que incorporam o “vídeo amador” como meio estético e narrativo capaz de
dar mais “credibilidade” à cena assim produzida. Há certamente uma dependência
entre o mercado de câmeras de vídeo e o surgimento de novos tipos de produtos
culturais, mas não é possível afirmar que a renovação dos produtos televisivos e o
novo mercado de compilações temáticas tais como as “pegadinhas”,
“videocassetadas” ou séries como “The World's Most Amazing Videos” são meras
conseqüências da inovação tecnológica e da lógica de mercado. Perde-se nessa
redução o aspecto cultural do fenômeno.

74
Julho de 2005
A transformação de cada um de nós em um cameraman em potencial não
ocorre simplesmente porque temos acesso à câmera, mas porque o vídeo vernacular
surge no contexto de uma modernidade que há muito incorporou o culto à imagem. É
mero truísmo dizer que sem o desenvolvimento de câmeras de vídeo melhores,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


menores e mais baratas não teríamos a enxurrada de vídeos amadores que temos
hoje. Mais importante do que isso é observar que a câmera de vídeo doméstica
surgiu em um contexto social no qual vários mecanismos de produção e consumo da
imagem já estavam disseminados e o registro de imagens por meio de câmeras
fotográficas e, mais raramente, por meio de câmeras super 8mm já constituíam uma
espécie de rito em determinadas situações sociais. As câmeras de vídeo, por sua
vez, superaram as limitações técnicas que tornavam difíceis, caros e breves os
registros de imagens em movimento (como ocorria com o super 8mm), tornando
prosaica a captura de horas e horas de filmes. Um vídeo doméstico surge
simplesmente apertando-se o gatilho e mediando o olho e o mundo por meio da
câmera enquanto ela roda.
Não há dúvidas de que a câmera de vídeo doméstica é, na maior parte das

|
vezes, uma máquina de vulgarização serial da imagem, usada compulsivamente
como meio de satisfazer a obsessiva necessidade de “não se perder nada”. Frente à
efemeridade da vida, a câmera de vídeo fornece a ilusão de que é possível capturar a

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


totalidade de uma dada realidade – imagem com som e movimento – para revivê-la
quantas vezes quisermos, exacerbando o processo de substituição da experiência
pela imagem inaugurada pela fotografia. Em outras palavras, não se vive o fato para
poder registrá-lo em uma fita de vídeo que freqüentemente jamais é assistida.
Carrière (1995, p.194) chama esses vídeos de “pseudo-filmes” e comenta sobre os
vídeos de viagens:

A cada ano, milhares de homens e mulheres levam suas câmeras de vídeo para
as férias. Conservam-na junto ao rosto e assim eles mesmos nada vêem. (...)

E eles mesmo se esquecem de viajar. (...)

Deixar a câmera filmar significa não filmar mais. E ninguém vê esses pseudo-
filmes, nunca mais, nem mesmo os que os fizeram. Por uma razão: eles não têm
tempo de vê-los. E agora já é tarde para ver o mundo para o qual fecharam os
olhos, enquanto viajavam.

75
Julho de 2005
E foi a partir da produção maciça desses pseudo-filmes, sucedâneos da
experiência, que obteve-se a matéria prima dos programas televisivos baseados em
cenas “reais”, tão comuns hoje em dia. Sem dúvida, isso influenciou o formato e a
linguagem da própria televisão, sendo a obra mais acabada dessa estética do “real”

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


os sofisticados e profissionalizados “reality shows”, que minimizam o acaso e
maximizam o espetáculo da vida real por meio da planificação social aplicada a um
ambiente “ideal” e totalmente monitorado.
A disseminação social do vídeo vernacular e seus desdobramentos na
indústria do entretenimento por todo o mundo são apenas um exemplo recente da
tendência cosmopolita e homogeneizadora – ainda que não ocorra necessariamente
tal como planejada – da sociedade de massas. É uma tendência inerente ao sistema
de produção industrial e freqüentemente disfarçada sob uma variedade limitada pela
“moda” e seus modelos de referência que são copiados pelas mercadorias da
indústria cultural. De acordo com Morin (1967, p.58-59), a indústria cultural multiplica,
“segundo suas próprias normas aquilo que vai buscar nas reservas de alta cultura”,
acompanhado de um processo de vulgarização que consiste de procedimentos de

|
“simplificação, maniqueização, atualização, modernização” para “para aclimatar as
obras de ‘alta cultura’ na cultura de massa”. Essa “aclimatação” se refere às
alterações que retiram “excessos” e introduzem “temas específicos da cultura de

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


massa, ausentes da obra original como, por exemplo, o happy end”, consideradas
necessárias para transformá-las em mercadorias facilmente consumíveis.
A repetição cega engendrada pela indústria cultural, segundo Adorno e
Horkheimer (1985, p.155-156), acaba por esvaziar a conexão dos termos
reproduzidos nas mercadorias culturais e a experiência. Para eles, a liberdade de
escolha nesse mundo homogêneo se resume a “escolher o que é sempre a mesma
coisa” e ter personalidade (“personality”) significa “pouco mais do que possuir dentes
deslumbrantemente brancos e estar livre do suor nas axilas e das emoções”. Assim, a
homogeneização da cultura de massas não é apenas a dos produtos culturais ou a
das mercadorias concretas que os primeiros promovem, mas também a das próprias
pessoas que, por meio do consumo, acabam por mimetizar os modelos e estereótipos
disseminados pela indústria cultural. A tendência homogeneizante da cultura de
massas atravessa as classes sociais, as distâncias geográficas e mesmo as faixas
etárias, sendo marcada emblematicamente pelo predomínio dos temas jovens – que

76
Julho de 2005
não sabemos se se destinam para “crianças com caracteres pré-adultos” ou “adultos
acriançados” (Morin, 1962, p.41) – capazes de atrair audiências de 8 a 80 anos.
Homogeneizar não significa simplesmente eliminar a diversidade, significa,
muitas vezes, incorporá-la e, por vezes transformá-la em uma falsa variedade. Para

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Morin (1967, p.37-39) na cultura de massas, há uma indissociável relação entre o
sincretismo e a homogeneização, tornando “euforicamente assimiláveis a um homem
médio ideal os mais diferentes conteúdos” e reunindo “sob um denominador comum a
diversidade de conteúdos”. Assim, ao lado da padronização há uma variedade –
mesmo que planejada – “que visa a satisfazer todos os interesses e gostos de modo
a obter o máximo de consumo”. Uma das manifestações mais evidentes do
sincretismo da cultura de massas é a tendência em unificar sob um mesmo prisma os
fatos informativos e os aspectos imaginários da vida cotidiana. A demanda pelo fato –
atendido pelo setor informativo da indústria cultural – não só privilegia “tudo que na
vida real se assemelha ao romanesco ou ao sonho” como também “as informações
que se revestem de elementos romanescos, freqüentemente inventados ou
24
imaginados pelos jornalistas” . Inversamente, a demanda pelo imaginário privilegia

|
as “intrigas romanescas que têm as aparências da realidade”.
Ainda que surgido em espaços sociais marginais, as apropriações culturais
da cibernética tornaram-se centrais na cultura de massas contemporânea,

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


transformados em vagos traços genéricos – simplificados, maniqueizados,
atualizados e modernizados – com pouca ou nenhuma conexão direta com a idéia
original. Como termo da cultura de massas, por exemplo, a cibernética não possui
nenhum vínculo com Wiener. Tornou-se um mero componente semântico apropriado
não só para dar sentido ao que antigamente era mesmo inominável, mas para
também valorizar, diferenciar e espetacularizar o banal.
São muitas as facetas do cibercultura na cultura de massas contemporânea.
No mundo do fato jornalístico, por exemplo, é inegável o fascínio que os crimes
praticados por computador provocam frente aos seus equivalentes não-cibernéticos.
Uma fraude feita pela Internet será mais atraente no noticiário do que uma fraude
feita por um falsário comum; uma gang de pixadores não tem como competir com um
vírus de computador em termos de audiência; e o que dizer da pedofilia que ganhou

24
Como observa Carrière (1995, p.160) acerca da necessidade de tornar a realidade prosaica mais
interessante em um roteiro: “a realidade não é suficiente. O imaginário precisa introduzir-se na
realidade, desfigurá-la, intensificá-la”.

77
Julho de 2005
tanta visibilidade com o advento da Internet que parece até que surgiu com ela. Muito
do que era trivial tornou-se espetacular aos olhos do mercado do fato: cibercrimes,
comunidades virtuais, guerra cibernética, comércio eletrônico, pirataria cibernética. O
apelo cibernético é tão tentador que, se houver algum computador por perto do crime

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


– seja este um crime cibernético ou não – dir-se-á que o computador teve algo a ver.
Os próprios jornais “renovam” seu formato com imagens diretas do campo
transmitidas via Internet. Inaugurado na Guerra do Iraque, esse formato de cobertura
foi amplamente anunciado como uma inovação tecnológica para trazer as notícias na
velocidade do fato. Poderão dizer alguns que esse “diferencial competitivo” foi um
grande engodo que trocou a qualidade visual por uma variedade duvidosa de
imagens ao vivo que, de tão toscas, cada plano pouco acrescenta aos demais.
Aquelas tantas cenas parecidas do que nos diziam ser imagens de rastros luminosos
de balas e foguetes ou tanques em uma tempestade de areia no deserto do Iraque
marcaram uma estética na qual a qualidade da imagem perdeu a primazia para o
apelo à velocidade da informação. Nesse apelo, não importa que as imagens sejam
ruins – cenas tremidas, borradas, com bruscos congelamentos do movimento (a típica

|
queda do frame rate em transmissões via Internet) e mal-sincronizadas com o áudio –
mas que as imagens sejam produzidas e trafeguem pela “information highway”. O que
consumimos é uma espécie de “reality show” que nos dá a certeza de que se uma

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


pessoa explodir ou for atingida no campo – tanto mais sensacional se for o próprio
jornalista – o momento da sua morte poderá ser visto, praticamente no mesmo
instante, graças à cobertura cibernética, em qualquer lugar do planeta.
Da mesma forma que o “cibernético” sensacionaliza o noticiário do jantar, o
“cyber” também faz parte do sincretismo que articula a renovação real ou ilusória das
mercadorias e das promessas de uma vida espetacular. Em um mercado de consumo
fortemente pautado por imagens de “gadgets” exaltados nos programas de TV, nos
anúncios publicitários, nas reportagens de revistas e nos espetáculos
cinematográficos, há tempos consolidou-se um mercado específico de produtos
cibernéticos: computadores de mesa, notebooks, handhelds, celulares, videogames,
robôs de brinquedo, bichinhos virtuais (“tamagotchis” e afins), periféricos, acessórios
e complementos diversos. Objetos de desejo já consagrados – automóveis, veículos
aéreos, armas, casas, aviões, roupas – também são constantemente “renovados”
pela “cibernética” e o último “release” sempre está preparado para ser lançado nas
lojas mais próximas de nós.

78
Julho de 2005
O raciocínio de agregar compulsivamente “melhorias”, “diferenciais” e
“exclusividades” a produtos já existentes a um custo mínimo, tornando mais rentável
e mais atraente um mesmo produto, é levado a limites, que outrora pareciam
absurdos, com as tecnologias cibernéticas. Se, na década de 60, a idéia de gadgets

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


que uniam as funcionalidades mais díspares em um objeto único – como o
“sapatofone” do Maxwell Smart, o agente 86 (ver figs. 52 e 53) – eram caricaturas
exageradas para comédias televisivas, a década de 90 mostrou que aquelas imagens
eram pouco perto daquilo que realmente estava por vir.

|
Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular
Figura 52 Figura 53

Figuras 52 e 53: Fotos do agente 86 e seu sapatofone. Do seriado


“Get Smart”, veiculado nos EUA de 1965 à 1970.

Mesmo importantes figuras do mundo tecnológico têm criticado a compulsão


mútua que o culto ao gadget criou entre os produtores e consumidores de
mercadorias. Alan Cooper, considerado o pai do Visual Basic, em seu livro com o
título sugestivo de “The Inmates are Running the Asylum” (1999) nota que essa
tendência é particularmente perversa nos produtos computadorizados porque o
funcionamento destes é baseado em software. Ao contrário do que ocorre
necessariamente com novas funcionalidades ou acessórios de mercadorias físicas –
por exemplo, os bancos de couro, rodas de liga leve e o ar-condicionado de um
automóvel – existem funcionalidades que podem ser agregadas a um software
existente por custos praticamente marginais (cf. Cooper, 1999, p.27-29). Daí a
profusão de gadgets digitais que diversificam a mesma carcaça com a justaposição

79
Julho de 2005
de uma variedade crescente de funções – nem sempre compatíveis – baseadas em
software, freqüentemente comprometendo a utilidade original com o acúmulo de cada
vez mais funções diferentes em um conjunto muito menos flexível de teclas e botões
físicos. Nicholas Negroponte (2000, p.94), um dos fundadores do Media Lab do

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Massachusetts Institute of Technology, já comentava no começo em meados da
década de 90:

Os telefones celulares têm uma interface que consegue ser ainda pior que a dos
videocassetes. Um Bang & Olufsen [uma marca de produtos eletrônicos] é uma
escultura, não um aparelho telefônico – não é mais fácil, mas mais difícil de usar
do que aqueles antigos telefones pretos.

E, o que é pior: encheram os telefones de “características especiais”.


Armazenamento de números, rediscagem, gerenciamento de cartão de crédito,
espera de chamada, transferência de chamada, resposta automática, mostrador
de números etc. etc. – tudo isso é constantemente espremido na superfície de um
aparelho de pequena espessura que cabe na palma de sua mão, tornando-lhe a

|
utilização praticamente impossível.

E Negroponte ainda não vira ainda os celulares hand-held com câmera.


O que é consumido, afinal, já não é mais um telefone. Mas um artefato com a

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


tecnologia digital (ainda que quase ninguém saiba o que é isso) capaz de
espetacularizar a vida cotidiana com as cores e sons multi-tonais de um mundo
sintetizado por chips de computador. Compram-se as possibilidades imaginárias do
poder da informação e do ciberespaço na palma das mãos, da versatilidade de se
capturar frames sensacionais da vida para nunca mais serem vistos, de se comunicar
da mesma forma – sem palavras, mas ao vivo e a cores com imagens via celular –
que fazem aquelas pessoas tão maravilhosas que aparecem nas propagandas. Além
de ser espetacular e espetacularizar nossa vida, o aparelho celular ainda serve de
telefone.
Como acontece no cinema.

80
Julho de 2005
III.2. A vida moderna e o olhar cinematográfico

Muitos autores irão demarcar nas mudanças das sociedades ocidentais do

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


século XIX o terreno onde a transformação das mentalidades e das experiências
subjetivas, engendrada pelo capitalismo e pela cultura de massas emergente, criou
um lugar para o cinema antes mesmo da sua invenção. O cinema e a modernidade
seriam, nessa perspectiva, praticamente indissociáveis. Charney e Schwartz (2001, p.
19-21) notam que há um conjunto de “inovações talismânicas” cujas respectivas
histórias geralmente são instrumentos de compreensão e análise da “modernidade”:
“o telégrafo e o telefone, a estrada de ferro e o automóvel, a fotografia e o cinema”.
Fundamentalmente invenções que anularam ou encurtaram o tempo e o espaço, são
tanto reflexos como meios de maximizar a circulação de mercadorias e do capital.
Destacam os autores, que “desses emblemas da modernidade, nenhum personificou
e ao mesmo tempo transcendeu esse período inicial com mais sucesso do que o
cinema”. Mais do que isso, o cinema se inseriu em uma cultura urbana de

|
entretenimento que o antecede, baseada na “reprodução mecânica, mobilidade de
produtos, consumidores e nacionalidades”. Nessa perspectiva, segundo os autores,
“a cultura da modernidade tornou inevitável algo como o cinema, uma vez que as

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


suas características desenvolveram-se a partir dos traços que definiram a vida
moderna em geral”.
O surgimento de uma mentalidade da vida moderna é, em muitas análises,
fundamental para a compreensão da genealogia do cinema. Em geral, tomam como
ponto de partida a perspectiva de Simmel acerca da vida e da mentalidade do sujeito
metropolitano cujos sentidos são incessantemente estimulados. Assim, para Charney
(2001, p.404), o cinema “refletiu a experiência epistemológica mais ampla da
modernidade”. O cinema incorporou esteticamente certas características fenomênicas
da vida moderna – choque, velocidade, deslocamento, esvaziamento da presença –
na fragmentação intrínseca do filme, “sempre uma sucessão de momentos”. A
modernidade seria, como nos lembra Singer (2001, p.116-117), concebida como “um
bombardeio de estímulos” provenientes de um mundo fenomênico “marcadamente
mais rápido, caótico, fragmentado e desorientador do que as fases anteriores da
cultura humana”. A imprensa ilustrada da virada do século XIX para o século XX

81
Julho de 2005
reflete as “ansiedades de uma sociedade que não havia se adaptado por completo à
modernidade urbana” na sua preocupação com os riscos cotidianos, retratados de
forma intensa e sensacionalista (Singer, 2001, p.133). O cinema surgiu em meio a
essa “estética do espanto” onde predominava a excitação e tornou-se, em alguns

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


casos, um emblema da descontinuidade e da velocidade modernas. O autor lembra
que, para Kracauer, a “estética da excitação superficial e da estimulação sensorial
(...) assemelhou-se ao tecido da experiência urbana e tecnológica”. Nessa
perspectiva, “o ritmo rápido do cinema e sua fragmentação audiovisual de alto
impacto constituiriam um paralelo aos choques e intensidades sensoriais da vida
moderna” (Singer, 2001, p.137-138). O sensacional, o espetacular, o espantoso
atendem a demanda de maior quantidade e intensidade de estímulos, de forma a
adequar as novas formas de entretenimento às mentalidades e sentidos “calibrados
para a vida moderna”. Mas o sensacionalismo também “funcionou como uma
resposta compensatória ao empobrecimento da experiência na modernidade” (Singer,
2001, p.137-139).
Outras invenções e modas já haviam antecipado o lugar do cinema e, como

|
observa Sandberg (2001, p.443) havia todo um contexto econômico, tecnológico e
cultural que ampliou as possibilidades de “uma clientela ávida por cultura visual” e
“em combinações diversas, os espectadores de cinema também freqüentavam outras

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


atrações visuais”. Nessa mesma perspectiva, para Bruno (2001, p.39-44), a demanda
pelos simulacros transportáveis e sua lógica de circulação, a qual o cinema atendeu
prontamente, já havia sido antecipada pelos cartões-postais e fotos estereoscópicas:

“Os primeiros filmes de atualidade apresentavam com freqüência um simulacro


de viagem não apenas ao apresentar paisagens estrangeiras mas também
‘passeios fantasmas’, que eram filmados da parte dianteira de trens ou da proa
de barcos e que davam aos espectadores, sentados e parados, uma sensação
palpável de movimento”.

Schwartz (2001, p.411-440), por sua vez, nota que a experiência


cinematográfica já era cultivada em uma série de práticas culturais anteriores ao
cinema nas quais predominava uma indistinção entre a vida e a arte, na realidade
transformada em espetáculo e na obsessão dos espetáculos pelo realismo. Estes, por
sua vez incorporaram “muitos elementos que já podiam ser encontrados em diversos
aspectos da chamada vida moderna”. A autora cita alguns locais da Paris de fin de

82
Julho de 2005
siècle onde se praticou um tipo de “flânerie para as massas” intimamente relacionada
com o olhar que irá definir o espectador cinematográfico: os necrotérios de Paris, os
museus de cera e os panoramas. São locais identificados com o espetáculo, onde a
“vida real era vivenciada como um show mas ao mesmo tempo, os shows tornavam-

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


se cada vez mais parecidos com a vida” (Schwartz, 2001, p.411). A exibição pública
de corpos nos necrotérios era uma espécie de “espetáculo da vida real” gratuito,
capaz de exercer grande fascinação pois, ao contrário dos museus de cera, as
pessoas exibidas eram “realmente de carne e osso”. As exibições públicas dos
necrotérios são encerradas no ano de 1907, ano também marcado pela proliferação
de instituições dedicadas exclusivamente ao cinema: “O público, ao que parece, havia
mudado da salle d’exposition para a salle du cinéma” (Schwartz, 2001, p.420).
Os museus de cera e os panoramas faziam do show algo semelhante à vida
real. O Musée Grévin foi concebido como um museu cuja finalidade era reproduzir
fielmente, em cenários habitados por pessoas de cera, os principais acontecimentos
noticiados na mídia impressa. A despeito de ser inanimado, o realismo do conjunto
era impressionante, em grande parte devido ao cuidado e a fidelidade com que as

|
cópias – cenários e adereços – tinham em relação aos originais:

A dedicação do Musée Grévin ao gosto do público pela realidade, seu uso da


figura de cera para reproduzir o mundo social, seu foco em eventos

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


contemporâneos e na mudança rápida, seu vínculo com o espetáculo e a
narrativa, bem como a organização abrangente de seus quadros, são elementos
associados com o início do cinema e, no entanto, encontrados no Musée Grevin
bem antes da sua alegada invenção em 1895 (Schwartz, 2001, p.429).

Similarmente, os panoramas também eram representações de experiências


da vida real e ofereciam “versões sensacionalistas do mundo” (Schwartz, 2001,
p.435). Benjamin (1986, p.185) observa que “antes que o cinema começasse a formar
seu público, o Panorama do Imperador, em Berlim, mostrava imagens, já a essa
altura móveis, diante de um público reunido”. Feitos para se assistir coletivamente, os
panoramas eram simulacros de eventos históricos ou lugares turísticos que
chegavam a utilizar recursos como a fotografia e engenhocas mecanizadas para
melhorar o realismo do espetáculo. O próprio cinema, em seu início, foi incorporado
em panoramas mecanizados como mais um recurso de “realismo” dos passeios
simulados. Os museus de cera e os panoramas conseguiram reunir nas suas platéias

83
Julho de 2005
massas de espectadores das mais diversas origens sociais: “camponeses,
25
trabalhadores (...), homens e mulheres da burguesia, comerciantes e diplomatas” .
Contudo, a despeito do requinte e da sofisticação dos simulacros apreciados por
todos, sem distinção social, seu sucesso “estava no olho e na mente do espectador; o

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


realismo não era meramente uma evocação tecnológica” (Schwartz, 2001, p.432-
433). É a exata continuidade dessa mentalidade e desse olhar, notavelmente
predispostos ao realismo espetacular e fragmentário dos simulacros, que está por
trás do “modo de ver” do cinema. Seguindo a tradição dos espetáculos realistas que
precederam-no, “a estética do cinema repousa sobre uma técnica exata de
reprodução da realidade: o cinema é por essência ‘realista’, dá impressão da
realidade” (Martin, 1963, p.87). E mais até do que os museus de cera e os
panoramas, a experiência cinematográfica, a estética e o realismo sobre o qual se
fundamenta, não são meros produtos das tecnologias de registro óptico –
supostamente neutras, objetivas, verdadeiras e universais – mas também são
condicionados por determinados contextos e heranças sociais específicos que
privilegiam esta ou aquela forma de perceber e representar o mundo visível. Como

|
observa Benjamim (1986, p.169), “o modo pelo qual se organiza a percepção
humana, o meio em que ela se dá, não é apenas condicionado naturalmente, mas
também historicamente”. Sorlin (1985, p.157) também atenta para a importância da

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


disposição do espectador para a realização do “realismo” da construção fílmica: “A
impressão de contemplar a realidade (...) que nós mesmos sentimos diante de certos
filmes não se deve (...) ao conteúdo das imagens, mas às disposições em que se
encontram os espectadores”.
A dependência do contexto histórico e social fica tanto mais evidente quando
constatamos a exigência de uma “experiência cinematográfica” adquirida, sem a qual
um espectador inexperiente não consegue “ver nada (...) além de um monstruoso
embaralhamento do tempo, exatamente como um extraterrestre num estádio de
futebol não faria a menor idéia do que estava acontecendo no jogo” (Carrière 1995,
p.114). Esse é um dos motivos, segundo Carrière (1995, p.13), pelo qual, nos
primórdios do cinema, havia a figura do “explicador” nas exibições em sociedades de
25
Vale notar que Morin (1962, p.42) parece desconsiderar esse fato: “o cinema foi o primeiro a reunir
em seus circuitos os espectadores de todas as classes sociais urbanas e mesmo camponesas”.
Contudo para os fins desta pesquisa, o que importa é que esse caráter unificador ou homogeneizante
– que Morin crê ser uma tendência da cultura de massas e que o cinema apresenta de forma exemplar
– era compartilhado por outras formas de manifestação da cultura de massas contemporâneas ou
anteriores ao cinema.

84
Julho de 2005
tradição oral. Ele ficava ao “lado da tela, durante todo o filme” explicando aos demais
o que acontecia naquela “sucessão de imagens silenciosas” que eram o oposto
daquilo que estavam acostumados. A figura do “explicador” ainda era encontrada na
África da década de 1950. Em relação às especificidades sociais e históricas que

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


determinam a disposição ao realismo cinematográfico, podemos acrescentar que,
como notam Aumont et al. (1983, p. 21), um espectador típico reage à imagem plana
do cinema como se visse uma “uma porção de espaço de três dimensões, análoga ao
espaço real em que vivemos”, a despeito das suas limitações. A força dessa analogia
envolve uma “’impressão de realidade’ específica do cinema, que se manifesta
principalmente na ilusão de movimento (...) e na ilusão de profundidade” [grifos
meus]. E, provavelmente, a ilusão de profundidade não seria tão intensa para os
“primeiros espectadores” de filmes como é para o espectador habitual
contemporâneo. Os primeiros deviam ser, “sem dúvida, mais sensíveis ao caráter
parcial da ilusão de profundidade” [grifo meu].
Se o gosto pelo realismo espetacular e a percepção fragmentária da
realidade – ambas fundamentais para a constituição do espectador cinematográfico –

|
consolidaram-se no fin de siècle, o olhar realista do cinema tem suas raízes na
renascença, mais especificamente na definição de um tipo de perspectiva como a
representação da realidade visual por excelência. A perspectiva pode ser definida

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


como “a arte de representar os objetos sobre uma superfície plana, de maneira que
esta representação se pareça com a percepção visual que se pode ter dos objetos
mesmos” (Aumont et al, 1983, p.30). Essa percepção visual está indissociavelmente
ligada à certas convenções tácitas que não só determinam o que é uma
“representação tridimensional” adequada mas também condicionam o olhar,
predispondo-o à “perceber” tridimensionalidade onde ela não existe. São essas
convenções, preservadas e transmitidas socialmente, que estão por trás tanto das
ilusões de profundidade às quais estamos acostumados como dos “muitos sistemas
representativos e de perspectiva que (...) nos parecem mais ou menos estranhos”
(Aumont et al, 1983, p.30).

85
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 54 - “A Última Ceia” de Giovanni
Canavesio (Santuário de Notre-Dame des Figura 55 - “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci (Convento
Fontaines, La Brigue), de 1492. de Santa Maria delle Grazie, Milão), de 1498.

PF1 PF2

|
Figura 56 Figura 57

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular

Figura 58

86
Julho de 2005
Com efeito, duas representações da última ceia de Cristo, uma de Giovanni
Canavesio (fig. 54) e a outra de Leonardo da Vinci (fig. 55), realizadas quase que na
mesma época, mas segundo distintas normas estéticas de representação do espaço
tridimensional, nos impressionam de formas diferentes. É importante observar,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


independentemente da eficácia da impressão, que a dimensão da profundidade está
registrada em ambas obras: da mesma forma que sabemos que na pintura de da
Vinci a mesa está à frente dos personagens e há uma janela ao fundo do conjunto,
podemos notar que na de Canavesio há personagens à frente da mesa e que Cristo
está atrás da mesa. No limite, ambas obras são ilusões parciais que reconstroem o
espaço de três dimensões em um plano bidimensional e compartilham as mesmas
deficiências: além de planas, não dispõem de paralaxe e nem de binocularidade. É
certo que consideraremos, nós como observadores, a perspectiva de da Vinci muito
mais “eficaz”. Mas vale questionar se não contribui para essa eficácia, talvez mais do
que a sofisticação técnica, a ilusão que já está nos olhos de quem a vê.
Um dos fatores que provoca estranhamento na obra de Canavesio é a
ausência da distorção na qual a representação de objetos de mesmo tamanho devem

|
ser relativamente menores de acordo com sua posição no sentido da profundidade.
Daí a impressão “chapada” que a cena nos provoca. Além disso, há mesmo uma
aparente aleatoriedade na proporção de tamanho entre os apóstolos e destes com

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


Cristo, representado em tamanho visivelmente maior que todos o demais. Nosso
estranhamento ocorre porque, em grande medida, no que tange à representação da
tridimensionalidade do espaço, “o único sistema que costumamos considerar como
próprio, posto que domina toda a história moderna da pintura, é aquele que se
elaborou no princípio do século XV sob o nome de perspectiva artificialis, ou
perspectiva monocular” (Aumont et al, 1983, p.30).
É o caso da representação do espaço na Última Ceia de da Vinci. A
perspectiva utilizada por ele é o sistema que, dentre outros experimentados durante a
Renascença, tornou-se dominante por permitir a reconstrução, por meio de leis
geométricas, a visão do olho humano (daí sua denominação “monocular”) e por
possuir um caráter automático (artificialis) através do uso de formas elementares que
se materializaram em técnicas e nos aparatos mais diversos de geometrização da
imagem. Nesse tipo de perspectiva, também conhecida como “cônica”, a ilusão da
tridimensionalidade baseia-se na relativização do que é representado em função de
um “observador”, o que não ocorre em outros sistemas de perspectiva. Na

87
Julho de 2005
perspectiva paralela por exemplo, o observador não existe no desenho e o tamanho
relativo dos objetos representados independem dele, tal como ocorre com a pintura
de Canavesio. Isso implica que, por exemplo, ao representarmos um conjunto de
cubos cujas arestas estejam paralelas ao triedro altura X largura X profundidade, não

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


importará a posição relativa deles no espaço que um cubo sempre será
representando igual a outro cubo (ver fig. 56). Na perspectiva cônica, a distorção da
imagem tridimensional no plano depende da posição relativa do objeto representado
em relação à uma “linha do horizonte” imaginária, referida a um observador virtual à
frente do objeto representado, no qual situam um ou dois pontos de fuga26 que
definem a distorção da perspectiva. Assim, a representação dos objetos em uma
perspectiva cônica depende da localização espacial desses objetos em relação ao
olho que os vê, o olho de um observador que transcende o plano (ver fig. 57). Objetos
que são representados de forma idêntica na perspectiva isométrica27 (fig. 56), serão
diferentes dos uns dos outros na perspectiva cônica (fig. 57) de acordo com sua
posição em relação ao observador. Na perspectiva cônica, é possível até reconstruir
a posição geométrica do olho para o qual se configura a perspectiva.

|
A familiaridade ou estranhamento em relação à tridimensionalidade na obra
de Canavesio ou de da Vinci não é meramente uma questão técnica, mas também de
condicionamento do olhar. Não encontramos em Canavesio a reconstrução

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


matematizada à qual nosso “modo de ver” já está condicionado. Mais do que isso,
não conseguimos nos localizar no quadro de Canavesio. Ao contrário, em da Vinci, a
perspectiva cônica ordena não só o espaço visível, mas também o invisível,
designando o local do próprio observador: exatamente em frente da cabeça de Cristo,
por onde passa a linha do horizonte e se localiza o ponto de fuga (PF1) da obra (ver
fig. 58). Aumont et al. (1983, p.30-32) notam que a instituição de um ponto de vista
que corresponde ao “olho do pintor” foi fundamental para a constituição do olhar
moderno. Para os autores, “a perspectiva fílmica é tão somente a continuação exata
dessa tradição representativa” e, na medida em que “esta perspectiva inclui na
imagem, através do ‘ponto de vista’, um sinal de que está organizada por e para um

26
A linha do horizonte está sempre posicionada no nível dos olhos do observador e é onde o céu se
encontraria com a terra, em um terreno completamente plano. O ponto de fuga é um ponto localizado
na linha do horizonte para o qual convergem a linhas paralelas ao eixo da profundidade.
27
Um tipo de perspectiva paralela onde os eixos de largura, profundidade e altura possuem um ângulo
de 60º entre elas.

88
Julho de 2005
olho colocado diante dela”, a representação fílmica também “supõe um sujeito que a
vê, a cujo olho se assinala um lugar privilegiado”.
Na Renascença, vários dispositivos foram utilizados para automatizar a
perspectivação ou projetar a perspectiva de objetos reais. Dentre eles estava a

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


camera obscura, que era uma caixa lacrada contra a luz e com um pequeno furo em
uma das faces verticais. Grande o suficiente para comportar um homem, o artista
dentro da camera obscura podia desenhar sobre a imagem do exterior projetada na
parede oposta ao furo. Essa era uma das técnicas para se obter automaticamente
uma perspectiva do mundo real idêntica à perspectiva artificialis em todos os
aspectos matemáticos. Contudo, o registro da imagem dos objetos reais projetados
dentro da camera obscura passava necessariamente pela mão e pela sensibilidade
do artista, o que lhe conferia um caráter subjetivo inegável. A busca por uma forma de
fixar as imagens projetadas na camera obscura era a meta de muitos pesquisadores.
Isso foi conseguido com o deguerreótipo, o precursor das câmeras fotográficas
modernas. Segundo Benjamin (1991, p.224), no “instante em que Daguerre
conseguiu fixar as imagens da camera obscura, (...) os pintores haviam sido

|
despedidos pelo técnico”.
Com o advento da fotografia, a subjetividade do pintor deu lugar à
objetividade das lentes da câmera fotográfica. “Quer o pintor queira, quer não, a

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


pintura transita inevitavelmente por meio de uma individualidade. (...) Ao contrário, a
foto, naquilo que faz o próprio surgimento de sua imagem, opera na ausência do
sujeito” (Dubois, 2003, p.32, grifo meu). É dessa suposta ausência de uma
subjetividade que provém a “objetividade” da fotografia que é onde, por sua vez, se
assenta o “coeficiente de realidade” que Martin (1963, p.21) atribui à imagem fílmica.
Para ele, a fotografia (ou o “fotograma” da imagem cinematográfica) é “antes de tudo,
um dado científico: é o produto da ação de raios luminosos sobre uma superfície
química sensível por intermédio de um sistema óptico justamente chamado de
‘objetiva’”. Ou em outras palavras, é no “automatismo de sua gênese técnica”
(Dubois, 2003, p.25) que repousa a credibilidade que a fotografia tem em relação às
outras formas de representação visual. É por isso que, dentre outros problemas, a
ausência de cor das primeiras fotografias – uma nítida desvantagem frente à pintura
que, em certos aspectos, conseguia ser mais “realista” do que as fantasmagóricas
imagens impressas no vidro dos antigos daguerreótipos – não impediu a fotografia de
se difundir como um “espelho de real, onde ela é considerada a ‘imitação mais

89
Julho de 2005
perfeita da realidade’” (Dubois, 2003, p.27). Isso explica-se, em parte porque a
fotografia, ao eliminar a intermediação humana da gênese da imagem, passa a ser
percebida, ela própria, como um pedaço da realidade que representa. Como nota
Barthes (1990, p.12-15), a fotografia opera uma redução do objeto – em termos de

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


perspectiva, cor e proporção – mas não executa uma “transformação do real”. Por
esse motivo, “no senso comum, o que define a fotografia é essa perfeição analógica
que ela tem com o real: mesmo não sendo o real, a fotografia é o seu ‘analogon’
perfeito”.
Entretanto o estatuto de analogia perfeita da realidade não significa,
necessariamente que ela simplesmente “copie” as aparências do real. Como comenta
Dubois (2003, p.25) a consciência do “automatismo de sua gênese técnica” confere à
fotografia um “peso de realidade” que independe da sua semelhança com o original.
O seu realismo é beneficiado antes pela “transferência de realidade da coisa para sua
reprodução” do que pela sua fidelidade com a realidade: a ontologia da fotografia está
na “relação de contigüidade momentânea entre a imagem e seu referente, no
princípio de uma transferência das aparências do real para a película sensível”

|
(Dubois, 2003, p.35). Aqui a foto é índice antes de ser ícone: “por sua gênese
automática, a fotografia testemunha irredutivelmente a existência do referente”.
Acrescenta o autor que o realismo da fotografia deve mais ao seu caráter indicial do

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


que a sua semelhança visual com o real: a priori, nada implica que o aquilo que é
visto em uma fotografia de um objeto realmente se pareça com a visão que temos do
objeto28.
Ao contrário da pintura, a fotografia parece estar investida de uma “verdade”
que deriva de seu caráter indicial. Não supomos que a Última Ceia de da Vinci seja
uma “prova” do evento, ainda que, por outros motivos, possamos crer que o evento
tenha ocorrido e possamos mesmo imaginá-lo tal como da Vinci o representou. Já as
fotografias são provas da existência daquilo que representam, elas não são
simplesmente imagens realistas, são também “traços do real”. É inegável a
predisposição em acreditar que uma fotografia apresenta uma verdade sobre o

28
Isso também pode ser constatado nos registros fotográficos não convencionais – como, por
exemplo, a fotografia realizada por meio de lentes macro, microscópios, telescópios e vistas aéreas, ou
mesmo aquelas realizadas com o uso de filmes sensíveis às partes do espectro invisíveis ao ser
humano (UV e infra-vermelho) ou raios-X que são prontamente aceitos como evidências de uma
realidade, a despeito das diferenças, às vezes absoluta, em relação ao real que apreendemos com os
nossos olhos. Nestes casos imputamos ao real uma verdade que só pode ser apreendida na sua
reprodução.

90
Julho de 2005
mundo que ela registra. Mas, acerca do quê as fotografias nos comunicam a
verdade? Becker (1978, p.9-13) lembra-nos que, devido ao caráter polissêmico da
fotografia, a sua “verdade” está condicionada às inumeráveis questões que podemos
formular acerca da realidade evidenciada por ela. A verdade dita pela fotografia – que

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


não é, necessariamente “toda a verdade” – é apenas uma verdade dentre várias que
podem ser, até mesmo, contraditórias entre si. Acerca da “verdade” da foto, Carrière
(1995, p.58) ainda nota:

A “verdade” de uma foto, ou de um cinejornal, ou de qualquer tipo de relato, é,


obviamente bastante relativa, porque nós só vemos o que a câmera vê, só
ouvimos o que nos dizem. Não vemos o que alguém decidiu que não deveríamos
ver, ou o que os criadores dessas imagens não viram. E, acima de tudo, não
vemos o que não queremos ver.

No contexto levantado por Becker e Carrière, a polêmica em torno da famosa


fotografia de Joe Rosenthal (fig. 59) da bandeira americana em Iwo Jima é
emblemática. Ela não era a foto da primeira bandeira hasteada em Iwo Jima, no

|
monte Surubachi em 1945, mas era sem dúvida muito mais espetacular do que
aquela tirada pelo fotógrafo da Marinha Americana, Lou Lowery, que acompanhou o
grupo que hasteou a primeira bandeira (fig. 60). Contudo, foi o grupo registrado por

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


Rosenthal que foi heroificado pela mídia. Há mesmo registros das bandeiras sendo
trocadas (fig. 61).
Certamente ambas fotos contam verdades, em certos casos a mesma
verdade. Mas algumas verdades contadas pela foto de Lowery – como o medo
retratado na imagem do soldado em guarda com a arma em punho – são muito
menos sedutoras do que a gloriosa imagem de Rosenthal, que exclui para fora do
quadro qualquer “sujeira” visual que comprometa o espetáculo. Se por um lado, a
despeito das polêmicas, não existam evidências de que sua foto seja uma mentira,
por outro lado, sua verdade não deixa de ser parcial, ocultando aspectos que
suscitam perguntas que não são compatíveis com o espetáculo proporcionado pela
imagem. Assim, porque não adaptar a própria realidade para que ela própria seja
alçada à categoria de espetáculo? Assim, tudo que pudesse espetacularizar o
momento da foto de Rosenthal foi realçado e os soldados que nela aparecem foram
elevados à qualidade de heróis pelo presidente Truman e pelos meios de
comunicação de massa. Retirados do campo de batalha pelo presidente, os soldados

91
Julho de 2005
da foto de Rosenthal que sobreviveram a Iwo Jima, tornaram-se garotos-propaganda
e foram envolvidos – aparentemente à contra-gosto – em uma enorme campanha de
arrecadação de dinheiro para a guerra. Tornaram-se, eles próprios, cópias vivas da
fotografia, ícones em carne e osso, não sem impactos, alguns trágicos, na vida

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


pessoal deles29. Em contrapartida, tudo aquilo que conspirasse contra o espetáculo
deveria ser escondido e os soldados da primeira foto, assim como a própria foto,
foram convenientemente esquecidos pelos meios de comunicação de massa.

|
Figura 59 Figura 60

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


Figura 59: Foto de Joe Rosenthal do hasteamento da
segunda bandeira no Monte Surubachi em Iwo Jima, às
1:05 da tarde de 23 de fevereiro de 1945 (cf. Landsberg,
1995).

Figura 60: Foto de Lou Lowery do hasteamento da


primeira bandeira no Monte Surubachi em Iwo Jima, às
10:37 da manhã de 23 de fevereiro de 1945 (cf. Landsberg,
1995).

Figura 61: Foto de Bob Campbell da troca de bandeiras. À


frente a primeira bandeira sendo recolhida e, ao fundo, a
segunda bandeira, maior, sendo hasteada.

Figura 61
Contudo, no dia-a-dia, assumimos a priori que as fotografias são traços da
realidade. Exacerbamos tanto o aspecto objetivo da fotografia que freqüentemente o

29
A história mais famosa é a do soldado indígena Ira Hayes retratado no filme “The Outsider” de 1961.
Ele tornou-se alcoólatra e morreu em 1954.

92
Julho de 2005
fotógrafo não passa de um ser anônimo, extensão da máquina que fotografou. Ao
abstrairmos o fotógrafo, esquecemo-nos também que a fotografia não é, no fim das
contas, tão objetiva assim. Ela é, no mínimo, uma seleção da realidade e produto de
um recorte que define o que é deixado ou não no quadro. Ao contrário do que supõe

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


a “objetividade da fotografia”, há todo um mundo para além dos limites do campo
registrado na fotografia e um fotógrafo sempre tende a recortar o mundo de acordo
com seus próprios quadros de apreensão da realidade, excluindo aquilo que não faz
sentido. Além disso, no limite, o poder de evidência da fotografia sempre estará
ameaçado pela possibilidade dela ter sido montada ou fraudada de alguma forma30.
Mesmo assim, a verdade que a fotografia nos diz continua sendo irresistível e a
tendência natural é “acreditar nas imagens que contemplamos antes de que algo nos
induza a desconfiar de sua veracidade” (Menezes, 1996, p.84).
“Temos, na verdade, perante uma fotografia, a impressão de contemplarmos
um analogon, um eidolon a que só faltasse o movimento” (Morin, 1970, p.43). E o
cinema trouxe o movimento às entidades congeladas pela fotografia. A imagem
fílmica é uma reconstrução imagética que não só privilegia o nosso olho como

|
referência espacial – a perspectiva monocular – como se vale de uma característica
desse mesmo olho, a persistência retiniana, para conferir a ilusão de movimento à
ilusão de profundidade do analogon fotográfico. É inegável que o movimento da

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


imagem fotográfica tornou a analogia do cinema com a realidade vivida
particularmente intensa. Mas a imagem do cinema não é exatamente a mesma que
uma imagem fotográfica ou uma fotografia animada. Ela não é única, “um fotograma
está sempre colocado em meio de outros inumeráveis fotogramas”; depende do
tempo, a imagem do filme “se define por uma certa duração”; e está em movimento,
não só movimentos internos ao quadro (...), mas também movimentos do quadro em
relação ao campo (Cf. Aumont et al., p.38).
Martin (1963, p.197) nota que “o cinema reproduz de maneira bastante
realista o espaço material real, mas que cria à parte um espaço estético
absolutamente específico”. É um espaço construído tanto pela perspectiva do quadro

30
Alguns crêem que o maior problema da foto de Rosenthal é que ela é “muito perfeita”, não há o que
“pôr ou tirar” para deixá-la melhor. Essa perfeição é a base da freqüente acusação, nunca provada, de
que a foto seria uma fraude, uma encenação produzida por Rosenthal (cf. Landsberg, 1995).

93
Julho de 2005
como pelo campo que é revelado pelo quadro. Esse é o que chamamos de “espaço
diegético” 31 do filme:

(...) o espaço diegético é inseparável dos personagens que evolucionam nele (...).
O espaço fílmico é um espaço vivo, figurativo, tridimensional, dotado tanto de

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


temporalidade como de espaço real, o qual a câmera experimenta e explora
como nós fazemos na realidade; ao mesmo tempo, é uma realidade estética, do
mesmo modo que a pintura, sintética e densificada, com o tempo, pela
planificação e montagem (Martin, 1963, p.197).

Em certo sentido, a diegese fílmica é apreendida como um mundo à parte,


análogo ao mundo real dos espectadores. É nesse mundo diegético que a ficção
realiza-se como um mundo concebível e encaixa-se no que Eco (2000, p. 172-177)
chama “pequeno mundo” da narrativa. “Pequeno” porque ele “não é um estado de
coisas maximal e completo”, suas propriedades estão circunscritas ao que é narrado
e ele não está sujeito às mesmas cadeias de implicações do mundo real. Contudo,
apesar disso, esse mundo diegético possui uma relação “parasitária” com o mundo

|
real que deriva de sua condição analógica: “se as propriedades alternativas [do
mundo narrativo] não são especificadas, aceitamos como ponto pacífico as
propriedades que valem no mundo real”32.

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


Para que o mundo diegético faça sentido ele deve ser um mundo “concebível”
porém não, necessariamente, um mundo “possível”. Lembra-nos Eco, que o mundo
“possível” está ligado ao que nós entendemos como crível e verossímil, enquanto que
o mundo “concebível” está ligado aos nossos hábitos lógicos e epistemológicos.
Assim, podemos representar mundos impossíveis que façam sentido, como, por
exemplo, mundos populados por animais e objetos falantes ou mundos onde pessoas
convivam com desenhos animados, apesar disso ser incrível e inverossímil. Por outro
lado, mundos que sejam inconcebíveis – “mundos mobiliados com círculos quadrados
que se compram com uma quantidade de dólares correspondente ao maior número

31
Originalmente, em Platão, a diegese e mimese são as duas formas de se colocar uma narrativa. Na
diegese o autor conta a história e na mimese a história é representada. Assim, neste sentido, uma
peça é uma mimese e um poema é uma diegese. Contudo, “diegese” é também utilizada para se referir
ao mundo criado por uma narrativa de qualquer tipo e inclui não só aquilo que está descrito – espaço,
personagens, objetos, etc. – mas também aquilo que a narrativa pressupõe, como eventos passados e
futuros, por exemplo. A diegese fílmica está relacionado a este segundo sentido da diegese.
32
“(...) se é verdadeiro que John mora em Paris, também é verdadeiro que John vive na capital da
França, que vive ao norte de Milão e ao sul de Estocolmo, e que vive numa cidade cujo primeiro bispo
foi São Diniz” (Eco, p.172).

94
Julho de 2005
par” (Eco, 2000, p. 174) – tendem a tornar a diegese ininteligível. Isso não impede,
contudo, que mundos inconcebíveis sejam citados e mesmo que sejam possíveis
apesar de estarem além da nossa capacidade de compreensão.
Mesmo sendo um produto mediado pelo imaginário, o cinema estende para si

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


parte da suposta “objetividade” que imputamos à fotografia. Tudo que é visível na
diegese fílmica possui um “coeficiente de realidade” lastreado pela imagem
fotográfica que é o ponto de partida e pedra fundamental do realismo fílmico. Para
Martin (1963, p.21), os “fenômenos de adesão e de crença do público no filme” são
explicados, em parte, pelo “caráter realista da imagem cinematográfica”. Essa adesão
não significa, vale frisar, que em algum momento o “realismo” do filme pretenda se
confundir com a realidade do espectador. Um filme é até mesmo composto por
diversos elementos não-realistas – a trilha musical talvez seja o exemplo mais
evidente – e o espectador cinematográfico tem consciência de que o mundo diegético
do filme não é o mesmo mundo da vida prática: a adesão à diegese fílmica não
significa que ela esteja no mesmo nível de adesão que temos, por exemplo, com a
experiência de comer pipoca na sala de cinema onde o filme é projetado. Isso não

|
impede, contudo, que a experiência cinematográfica seja mais intensa do que a
experiência de comer pipocas.
Com exceção dos desenhos animados e filmes abstratos ou “experimentais”,

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


a matéria bruta do cinema é a realidade e o “cinema continua fundamentalmente um
ambiente realístico” (cf. Carrière, p.81). A diegese fílmica assenta-se sobre um
“realismo espacial” por meio do qual podemos penetrar no espaço diegético33 e aderir
à ação (cf. Martin, p.197). Para que a ilusão de “realismo” se sustente, o cinema deve
ser intransigente em relação à subordinação dos elementos visuais da diegese à
geometria da perspectiva e ao realismo fotográfico. Todo conjunto visual apresentado
pelo filme deve parecer ao espectador tão real quanto o seu equivalente “autêntico”.
Observa Morin (1970, p.191) que:

Foi o próprio Méliès, mágico do irreal, que estabeleceu sem equívocos a regra
de ouro da verdade das coisas: ‘Tudo é necessário para dar uma aparência de
verdade a coisas inteiramente fictícias (...) Em questões materiais, deve o
cinematógrafo fazer melhor que o cinema e não aceitar o convencional’.
Enquanto o teatro pode (...) satisfazer-se com panos de fundo e sinais

33
Vale lembrar que o espaço da diegese fílmica vai além do que surge no quadro.

95
Julho de 2005
convencionais, o cinema necessita de objetos e dum meio ambiente
aparentemente autênticos. A sua exigência de exatidão corporal é uma exigência
fundamental. Se bem que um filme admita uma voz post-sincronizada, uma
intriga extravagante, uma orquestra no fundo duma mina e um rosto de vedeta

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


invulnerável à sujidade do carvão, nunca admitirá uma vagoneta sem a forma
material duma vagoneta, ou um picareta que não apresente a forma material
duma picareta.

Até mesmo a ilusão de profundidade da perspectiva, originalmente produto da


automação do processo fotográfico, pode resultar de maquinações ópticas, como
cenografias bidimensionais posicionadas de acordo com o horizonte e o ponto de
fuga determinados pela posição da câmera. Se no teatro ou na ópera a aparência
ostensivamente artificial do cenário e o uso de sucedâneos lúdicos ou artifícios
totalmente insinuados não comprometem a diegese, no cinema, a verossimilhança
visual dos elementos em cena e a estruturação deles em perspectivas referidas a um
único observador são imprescindíveis para a adesão do espectador (ver figs. 62 a
65).

|
É certo que tanto no cinema como no teatro, o plano da diegese não é o
mesmo que o da realidade. Mas, enquanto o palco não faz o menor segredo de sua
irrealidade, e complementamos aquilo que não vemos com a nossa própria

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


imaginação, o cinema baseia-se justamente na substituição da imaginação pelo
realismo fabricado pela técnica:

Se, em certo trecho do Mahabharata, um ator inspirado nos diz: “Eu vejo nossos
elefantes na planície, de suas trombas decepadas jorra o sangue”, nenhum
espectador se volta para ver os elefantes no fundo da platéia. Ele os vê, se tudo
correr bem, em algum lugar dentro de si. Eles aparecem independentemente de
qualquer contexto realista (...).

Este tipo de processo seria totalmente inaceitável no cinema. O cinema tem que
mostrar os elefantes. Não existe escolha: é parte do contrato que cada espectador
faz ao pagar pelo ingresso. (Carriére, p. 78)

96
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 62

Figura 65

Figura 62: Cena de making-off que mostra o set de


filmagem de The Matrix. Aqui podemos ver o painel
cenográfico e o mock-up de helicóptero utilizado em
algumas seqüências do filme (figura 65).

Figura 63: Cena de making-off do filme The Matrix


onde se pode ver como a sobreposição de
perspectivas diferentes (o “observador” desta

|
imagem está em uma posição diferente do
“observador” da foto impressa no painel) acaba
Figura 63 anulando a perspectiva da paisagem urbana
impressa no painel.

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


Figura 64: Cena de making-off que, em contraste
com a imagem do filme propriamente dita (figura.
65), evidencia que o espaço diegético é uma
construção artificial que funciona apenas de um
ponto de vista.

Figura 65: Cenas do filme The Matrix onde


podemos ver como a perfeita coesão dos elementos
cenográficos constroem a ilusão de realismo
fotográfico da diegese. O realismo não está apenas
na aparência “autêntica” dos elementos visuais, mas
também na estruturação deles em uma perspectiva
cônica referida a um único observador.
Figura 64

É certo que o filme não é composto apenas de traços ou simulacros de


realidade34 e a contradição entre a visão exigente e o ouvido tolerante é a
manifestação mais emblemática da complexa relação entre realismo e irrealismo do

34
“(...) foi em volta da irrealidade musical que primeiro o complexo de realidade e irrealidade se
formou. A vida real encontra-se, evidentemente, desprovida de eflúvios sinfônicos. E todavia a música,
acompanhante já do filme mudo, vai-se integrar na banda sonora. Esta exigência de musicalidade vem
situar-se no pólo oposto da exigência de objetividade” (Morin, 1970, p.195).

97
Julho de 2005
cinema. Se, por um lado, a trilha sonora, ou mesmo a dublagem, não furtam a
aparência de realidade do filme (cf. Morin, 1970, p.195 e p.202), por outro, a
necessidade de fidelidade fotográfica nas manifestações visuais da sua diegese é
indispensável. Por mais fantasioso que seja um filme, não se toleram deformações da

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


forma visual pois, ao mesmo tempo em que um filme apresenta as estruturas afetivas
do imaginário, ela também necessita apresentar as aparências da vida vivida (Morin,
1967, p. 106). Daí a intransigência do cinema quanto à aparência dos cenários,
adereços e personagens. Mesmo que não sejam “reais”, suas imagens – capturadas
por um aparato supostamente objetivo – precisam atender a determinados critérios de
realismo. Contudo, esses critérios estão relacionados aos modelos idealizados de
realidade: ao mesmo tempo em que a suaviza – rejeitando “tudo o que na vida real
nos parece incomum ou absurdo” (Carrière, 1995, p.87) – o realismo fílmico não é
validado pelos mesmos critérios que validam a experiência prática. Morin (1970, p.
192-193) comenta que como os elementos visuais da diegese devem preservar sua
aparência de autenticidade durante o movimento do filme, mesmo sob seus planos e
cortes rápidos, eles são, muitas vezes, reduzidos aos traços considerados essenciais

|
e transformados em signos convencionais, processo no qual podem se tornar
tipificações desprovidas de verdade. E graças aos recursos técnicos que enfatizam
certas características desejadas enquanto ocultam as características indesejadas,

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


obtém-se mesmo, em certos aspectos, um realismo imagético maior do que a própria
realidade, uma “hiper-realidade” que visa atender muito mais as expectativas
baseadas na imagem mental que temos de tal ou qual objeto do que reproduzir
exatamente o autêntico.
A objetividade e a homogeneização do conteúdo acabam destilando de forma
tão acentuada os traços do real que o “objeto típico é aquele que, de certa maneira,
foi supra-objetivado”, podendo mesmo “voltar-se contra o real: as paisagens típicas,
os trajos típicos, as casas típicas, etc., acabam por perder toda a verdade” (Morin,
1970, p. 193). Em outras palavras, isso significa que mais do que mostrar os
elefantes, o realismo da diegese fílmica exige que os elefantes manifestem
visualmente o modelo aceito de elefante, nem que, para isso, tenham-se que
construir os elefantes caso os elefantes reais não se enquadrem no modelo
idealizado. Tipificações supra-objetivadas dessa natureza atendem à demanda por
signos imediatamente compreensíveis para a maioria dos espectadores e compõem o
universo iconográfico do cinema. E a repetição e reemprego de seus figurinos,

98
Julho de 2005
paisagens, interiores, adereços estereotipados assegura a impressão de familiaridade
frente às mais fantasiosas representações do fantástico (cf. Sorlin, 1985, p.182).
E quais seriam os traços essenciais e supra-objetivados daquilo que não
existe na realidade ou que não possui uma imagem mental definida? Como já foi

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


observado, o realismo funda-se não só na aparência fotográfica como na articulação
da imagem em racionalizações que dão sentido aos mais fantasiosos mundos
diegéticos. Muito do realismo das diegeses dos filmes de ficção científica – onde se
enquadram praticamente todos os filmes relacionados com o cibernético – está
relacionado com a racionalização do “fantástico desconhecido” por meio do “trivial
tipificado”. A ficção científica “constrói mundos impossíveis que dão a ilusão de serem
concebíveis” (Eco, 2000, p. 177) e essa ilusão é engendrada por racionalizações
baseadas em vulgarizações do discurso científico, supra-objetivados em estereótipos
de tecnicismo e cientificismo: é o elétrico, o atômico e, também, o cibernético. De
fato, nos filmes de ficção cientifica mais recentes, que poderíamos enquadrar como
ciberculturais, a vulgarização da cibernética tem um papel diegético similar ao da
centelha elétrica em Shelley ou à radiação atômica nos filmes “B” de ficção científica

|
dos anos 50.
Nas imagens da cibercultura, sua conexão com o mundo vivido está ancorada
em estereótipos construídos a partir de traços genéricos da realidade tecnológica e

Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular


científica, engendrados em racionalizações que, apesar de mirabolantes, dão o
caráter realístico às situações mais insólitas e fantasiosas. Os oráculos bio-
eletrônicos, os exoesqueletos, os escravos produzidos geneticamente, a fusão entre
a mente e o computador, as máquinas que parecem seres biológicos e os organismos
maquínicos não são apenas imagens do fantástico, são manifestações de um
imaginário embebido de realidade onde as tipificações da realidade prática da
tecnologia e de seus “fatos variados” (as Dollies, os vírus de computador, os corações
artificiais) fornecem a racionalização – é verdade, nem sempre adequada ou
suficiente – sobre a qual se assenta o ar de veracidade da diegese fílmica. Em certos
casos, frente a campos inusitados e desconhecidos, as racionalizações fílmicas
chegam mesmo a prover modelos de rápido entendimento e fácil digestão que dão ao
sujeito carente de conhecimentos as tipificações que serão reproduzidas nos seus
próprios quadros de compreensão de seu mundo prático.
O cinema é o reino da fantasia, porém é a fantasia realista, produto da
imaginação condicionada tanto pelas identificações subjetivas como pelas

99
Julho de 2005
racionalizações realistas. Entretanto, é importante notar que a participação afetiva do
cinema – o que é “afetivamente vivido” na realização do espetáculo em oposição ao
“praticamente vivido” da vida cotidiana – leva os espectadores a se identificar tanto
com o semelhante como com o estranho: seu poder de mobilizar a subjetividade e os

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


sentimentos do espectador leva “tanto a uma identificação com o semelhante como a
uma identificação com o estranho, sendo este segundo aspecto o que quebra
nitidamente com as participações da vida real” (Morin, 1970, p. 128, grifo do autor).
Daí a ambigüidade inerente às imagens da cibercultura que proporcionam devaneios
nos quais, ao mesmo tempo em que identificamos o familiar, nos identificamos com o
estranho. Elas, ainda que amplamente relacionadas com o que nos causa
estranhamento, também estão relacionadas com a apologia daquilo que elas tornam
familiares por meio da identificação afetiva. O imaginário da cibercultura, enfim, não
manifesta apenas a fantasia, mas, ao necessariamente articular esta com as
racionalizações ancoradas na vida prática, também manifesta as “necessidades de
todo imaginário, de todo o devaneio, de toda a magia, de toda a estética: aquelas que
a vida prática não pode satisfazer” (Morin, 1970, p. 136).

|
Imagens da Cibercultura • III: O Realismo Espetacular

100
IV. AS FIGURAÇÕES DA CIBERCULTURA

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

101
Julho de 2005
IV.1. O corpus da pesquisa
Para esta pesquisa, buscou-se montar um corpus composto por filmes que,
além de estarem ligados diretamente aos temas da cibercultura, fossem socialmente

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


representativos. De partida, todos as obras selecionadas são referências na
constituição de um imaginário visual do cibernético. São filmes que, além de
engendrarem exemplarmente o sincretismo entre fato e fantasia, típico da cultura de
massas, criaram novos signos ou ressignificaram antigos para dar inteligibilidade a
admiráveis mundos novos – outros não tão admiráveis assim – que despontavam no
horizonte da cibercultura. São filmes “cujo título, ao menos, todos conhecem” – pelo
menos quando se fala em cibercultura – e que proporcionaram alguns planos que
“são indefinidamente reproduzidos” ou que marcaram “transformações ou novas
tendências” (cf. Sorlin, p. 208-209), em alguns casos, não apenas na indústria
cinematográfica, mas na indústria cultural de forma geral.
Tendo em vista que as realizações mais interessantes do ponto de vista
histórico são aquelas que “tenham mobilizado um enorme público, provocado

|
debates, polarizado a atenção inclusive daqueles que não se interessavam no
cinema” (Sorlin, 1985, p.208-209), tomou-se como critério de seleção a relevância em

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


termos de audiência. Exceto pelo filme Metropolis, do qual não se obteve os dados
necessários, os filmes selecionados para esta pesquisa se enquadram ao menos no
que se pode considerar uma “bilheteria média”, a partir da comparação com a
bilheteria de outros filmes produzidos no mesmo ano. Os dados foram obtidos no site
The Numbers (http://www.the-numbers.com/) e complementados, quando necessário,
por informações obtidas no site The Internet Movie Database (http://www.imdb.com/).
A opção preferencial pelo site The Numbers em detrimento do The Internet Movie
Database, é porque o segundo não possui uma uniformidade na apresentação dos
dados, apesar de, em muitos casos, oferecer mais informações do que o primeiro.
Há diferenças entre os números entre uma fonte e outra, mas a ordem de
grandeza é geralmente a mesma. Desde que o que se busca aqui, não é um estudo
mercadológico preciso, mas um indicador da relevância social do filme, pequenas
disparidades foram desprezadas. Foi considerado que uma comparação em termos
de ordem de grandeza é suficientemente válida para excluir filmes com bilheteria
muito tímida e que seriam, em tese, irrelevantes para a análise da mentalidade e do

102
Julho de 2005
imaginário coletivo. Foi também considerado indiferente o fato do site The Numbers
listar uma quantidade de filmes menor que o The Internet Movie Database, visto que
os filmes que interessam a esta pesquisa e os de renda mais significativa constam
das duas fontes de dados.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Assumindo que a audiência é diretamente proporcional à bilheteria, quando
não maior, foi montado um ranking anual para “validar” os filmes inicialmente
selecionados. O ranking é resultado da comparação da bilheteria entre filmes
lançados no mesmo ano, a fim de minimizar as defasagens que teríamos, por
exemplo, se comparássemos a bilheteria de um filme de 1968 com um de 1999.
Certamente isso não impede que filmes que sofreram sucessivas reprises,
“remasterizações”, remontagens e reestréias, apresentem distorções em relação aos
demais filmes produzidos no mesmo ano da sua estréia. Contudo, neste caso,
podemos inferir que a própria durabilidade da obra reafirma a relevância histórica e
social do filme.
O mesmo critério da bilheteria que validou o corpo de pesquisa, também
excluiu filmes cuja arrecadação indicasse uma difusão social restrita. Assim, por

|
exemplo, obras como eXistenZ (bilheteria americana de US$ 2.840.417 e 173º lugar
em um ranking de 428 filmes produzidos em 1990) e SimOne (bilheteria americana de

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


US$ 9.680.000 e 148º lugar em um ranking de 464 filmes produzidos em 2002) foram
deixadas de lado, a despeito de estarem relacionados com o tema desta pesquisa.
Além disso, alguns filmes com bilheteria relevante, como o The 13th Floor (bilheteria
americana de US$ 11.810.854 e 113º lugar em um ranking de 428 filmes produzidos
em 1999), não foram considerados na pesquisa porque não acrescentavam muito
material de análise ou porque material similar era proporcionado por outros filmes, de
maior bilheteria, já incluídos na pesquisa.

103
Julho de 2005
IV.1.1 Sinopse dos filmes

Em ordem cronológica de lançamento, segue abaixo a sinopse e algumas

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


informações dos filmes selecionados para compor o corpo desta pesquisa.

 Metropolis (1927). Metropolis é uma cidade-modelo dividida em dois


mundos: um subterrâneo, na qual operários são explorados até a
exaustão, e outro, de superfície, onde a elite vive uma vida de luxúria. A
cidade é governada por Joh Fredersen cujo filho, Freder, apaixona-se por
Maria, líder espiritual dos operários. Fredersen tem a seu serviço Rotwang,
um cientista louco e que está criando um robô para substituir os seres
humanos. Maria é raptada e o robô de Rotwang é transformado em uma
cópia dela. Enquanto Maria permanece presa com o cientista, o robô é
infiltrado em seu lugar a fim de semear a discórdia e a desordem nos
subterrâneos de Metropolis.

|
 2001: A Space Odyssey (1968). Os tripulantes da nave espacial

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Discovery One são incumbidos de ir a Júpiter em uma missão que só será
revelada em seu destino: descobrir qual forma alienígena recebeu o sinal
enviado por um monolito desenterrado por uma missão lunar. O único
tripulante que conhece o real objetivo da missão é HAL 9000, computador
que controla praticamente todas as funções da nave. O astronauta Frank
Pole e os demais tripulantes humanos em hibernação são assassinados
por HAL. Dave Bowman, o astronauta humano que consegue a sobreviver
à paranóia do computador, decide desligá-lo.

 Star Wars (1977). Obi-Wan Kenobi, um cavaleiro jedi, e seu aprendiz Luke
Skywalker partem do planeta Tatooine para ajudar a princesa Leia Organa,
que foi capturada por Darth Vader e as forças imperiais. Acompanhados
dos robôs C3-PO e R2-D2, Luke e Obi-Wan contratam um mercenário,
Han Solo, para partirem de Tatooine. Após serem capturados pelas forças
imperiais, Obi-Wan se sacrifica e é morto por Darth Vader, para que os
demais, junto com a princesa, possam fugir. Leia carrega as plantas da

104
Julho de 2005
Estrela da Morte, uma super-arma imperial capaz de destruir planetas
inteiros, que são fundamentais para que os rebeldes organizem um ataque
à ela.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


 Blade Runner (1982). Em um futuro onde sempre chove e nunca se vê a
luz do sol, Deckard é um policial especializado em caçar replicantes,
andróides de carne e osso, com força e resistência espetaculares
fabricados para trabalhar para os humanos. A missão de Deckard é
“aposentar” quatro replicantes, Roy, Pris, Zhora e Leon, que voltaram a
Terra. Espécimes de um modelo especial, o Nexus 6, os andróides
adquirem aspirações realmente humanas e querem encontrar Tyrrel, dono
da corporação que os fabricou, para descobrir como configurar a
expectativa de vida para além dos 5 anos programados. Para se
familiarizar com o modelo, Deckard é apresentado à Rachel – uma Nexus
6 que pensava ser sobrinha de Tyrrel até ser reprovada no teste de Voight-
Kampff –, por quem acaba se apaixonando.

|
 Tron (1982). Flynn é um ex-engenheiro de software da Encon que foi

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


despedido após ter seus videogames roubados pelo atual presidente da
empresa, Dillinger. Dono de um fliperama e exímio jogador de videogames
Flynn tenta invadir o sistema da Encon para obter provas do roubo.
Sentindo-se ameaçado, o Master Control Program (MCP), software
ditatorial da Encon, desmaterializa o Flynn de carne e osso e o re-
materializa dentro do ciberespaço. No mundo virtual Flynn descobre que
precisa sobreviver a sucessivos videogames, nos quais o game-over
significa a morte, e encontrar uma forma de ajudar Tron, o avatar de seu
amigo Alan, a derrotar o MCP.

 Wargames (1983). David é um hacker que utiliza seus talentos para coisas
ilícitas como mudar as notas da escola e não pagar conta de telefone. Mas
ao tentar invadir uma empresa de videogames para copiar um jogo antes
de seu lançamento, acaba inadvertidamente acessando o WOPR (War
Operation Plan Response), um novo sistema militar de lançamento de
mísseis nucleares. Decidido a jogar com o WOPR uma partida do que

105
Julho de 2005
pensa ser um simples videogame, David coloca o mundo a beira de uma
guerra nuclear.

 The Terminator (1984). Sarah Connor é mãe de um futuro líder que

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


comandará a resistência dos seres humanos contra o domínio das
máquinas. Para evitar isso, as máquinas do futuro enviam para 1984 um
Exterminador, ciborgue desenhado para matar, extremamente forte e
resistente. Para evitar que o Exterminador assassine a mãe do futuro líder,
ele próprio envia para o passado um soldado, Kyle, para protegê-la.

 The Lawnmower Man (1992). O Dr. Lawrence Angelo é um cientista de


uma empresa de armas que desenvolve meios de ampliar a capacidade
cognitiva com o uso da realidade virtual. Após alguns insucessos com
chimpanzés, ele decide testar seus métodos em Jobe, um jardineiro com
problemas mentais. Jobe não só desenvolve uma velocidade de raciocínio
e inteligência sobre-humanos como adquire poderes paranormais. Alterado

|
com seus super-poderes, Jobe planeja se transformar em entidade
puramente ciberespacial para controlar as redes de dados e

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


telecomunicações do mundo todo.

 Johnny Mnemonic (1995). Em um futuro onde ocorre uma epidemia


incontrolável de NAS (Nerve Attenuation Syndrome), doença neurológica
provocada pela tecnologia, Johnny é contratado para traficar dados da
Pharmakon da China para os Estados Unidos. Ele é um courier cibernético
que, graças a um implante, é capaz de carregar dados digitais em seu
cérebro. Contudo, como a Yakuza também está interessada nos dados,
Johnny precisa usar suas habilidades ciberespaciais para salvar sua
cabeça que está, literalmente, a prêmio.

 The Matrix (1999). Em um futuro dominado pelas máquinas, a maior parte


da humanidade foi reduzida a geradores de eletricidade e vive uma vida de
simulação na Matrix, um gigantesco sistema de realidade virtual. Neo é um
hacker que consegue se libertar da Matrix com a ajuda de Morpheos, líder
de um grupo de hackers rebeldes. Morpheos acredita que Neo é “O

106
Julho de 2005
Prometido” e o ensina a manipular as regras da Matrix para realizar coisas
impossíveis. O grupo é traído por um de seus integrantes e Morpheos é
capturado pelos programas vigilantes da Matrix, os agentes. Decidido a
salvá-lo, Neo descobre que não só pode desviar de balas, mas pode pará-

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


las.

 Minority Report (2003). A Divisão Anti-Crime da Washington do futuro


conseguiu reduzir os homicídios para zero graças a um sistema
computadorizado que une as visões de três paranormais, os Pré-Cogs,
capazes de prever crimes violentos. O trabalho de John Anderton é
organizar as visões dos Pré-Cogs e identificar o local do crime para que a
polícia possa chegar ao local a tempo de prender o criminoso antes que
perpetre o crime. Uma possível falha do sistema surge quando o próprio
John Anderton se vê nas visões dos Pré-Cogs como um assassino.

|
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura

107
Julho de 2005
IV.1.2 Ranking de bilheteria dos filmes selecionados

2001: A Space Odyssey

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Comparativo a partir dos 25 filmes de 1968 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original
(US$) (US$) (estimativa)
1º Funny Girl $ 58.500.000 n. d. n. d.
2º 2001: A Space Odissey $ 56.700.000 $ 190.700.000* $ 10.500.000*
3º The Odd Couple $ 44.527.234 n. d. n. d.
4º Bullit $ 42.300.873 n. d. $ 5.500.000*
5º Romeo and Juliet $ 38.901.000 n. d. n. d.
6º Oliver! $ 37.402.877 $ 40.000.000* $ 10.000.000*
7º Rosemary's Baby $ 33.395.426 n. d. $ 3.800.000*
8º Planet of the Apes $ 33.395.426 n. d. $ 5.800.000*
9º Yours, Mine and Ours $ 25.912.624 n. d. $ 2.500.000*
10º The Lion in Winter $ 22.276.975 n. d. n. d.
25º Doctor Faustus $ 1.000.000 n. d. n. d.
* dados obtidos no site “The Internet Movie Database”.

|
Star Wars

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Comparativo a partir dos 39 filmes de 1977 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º Star Wars $ 460.998.007 $ 797.900.000 $ 11.000.000
rd
2º Close Encounters of the 3 Kind $ 166.000.000 $ 303.800.000 $ 20.000.000
3º Saturday Night Fever $ 139.486.124 $ 282.400.000 n. d.
4º Smokey and the Bandit $ 126.737.428 $ 126.737.428 n. d.
5º Goodbye Girl, The $ 83.700.000 n. d. n. d.
6º Oh, God! $ 51.061.196 n. d. n. d.
7º Bridge Too Far, A $ 50.800.000 n. d. $ 26.000.000
8º The Deep $ 50.681.884 n. d. n. d.
9º Rescuers, The $ 48.775.599 n. d. n. d.
10º The Spy Who Loved Me $ 46.800.000 $ 185.400.000 n. d.
39º March or Die $ 1.000.000 $ 1.000.000 $ 7.000.000

108
Julho de 2005
Blade Runner
Tron
Comparativo a partir dos 127 filmes de 1982 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º ET: The Extra-Terrestrial $431.197.000 $772.000.000 $10.500.000

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


2º Tootsie $177.200.000 $177.200.000 $15.000.000
3º Officer and a Gentleman, An $129.795.554 $129.795.554 -
4º Rocky 3 $125.049.125 $125.049.125 -
5º Porky's $109.492.484 $109.492.484 $4.000.000
6º Star Trek II: The Wrath of Khan $79.912.963 $96.800.000 $11.000.000*
7º 48 Hours $75.936.265 - -
8º Poltergeist $74.706.019 - $10.700.000*
The Best Little Whorehouse in $69.701.637 - -
9º Texas
10º Annie $57.059.003 - $50.000.000*
21º Blade Runner $34.968.423 n. d. $28.000.000
26º Tron $26.918.576 n. d. $17.000.000*
50º Author! Author! $13.111.101 n. d. n. d.
100º Diva $2.678.103 n. d. n. d.
127º Hammett $8.222 n. d. n. d.

|
* dados obtidos no site “The Internet Movie Database”.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Wargames
Comparativo a partir dos 152 filmes de 1983 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º Return of the Jedi $309.205.079,00 $572.700.000,00 $32.500.000,00
2º Terms of Endearment $108.423.489,00 n. d. n. d.
3º Flashdance $90.463.574,00 n. d. $7.000.000,00
4º Trading Places $90.400.000,00 n. d. n. d.
5º WarGames $74.433.837,00 n. d. $12.000.000*
6º Octopussy $67.900.000,00 $183.700.000,00 $27.500.000*
7º Sudden Impact $67.642.693,00 n. d. n. d.
8º Mr. Mom $64.800.000,00 n. d. n. d.
9º Staying Alive $63.841.474,00 n. d. n. d.
10º Risky Business $63.541.777,00 n. d. $6.200.000*
50º Survivors, The $14.000.000,00 n. d. n. d.
100º Traviata, La $3.594.000,00 n. d. n. d.
152º Better Late Than Never $24.164,00 n. d. n. d.
* dados obtidos no site “The Internet Movie Database”.

109
Julho de 2005
The Terminator
Comparativo a partir dos 144 filmes de 1983 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º Ghostbusters $238.600.000 $291.600.000 $30.000.000

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


2º Beverly Hills Cop $234.760.478 $316.300.000 $15.000.000
Indiana Jones and the Temple of
$179.870.271 $333.000.000 $28.000.000
3º Doom
4º Gremlins $148.168.459 $148.168.459 $11.000.000*
5º The Karate Kid $90.800.000 n. d. n. d.
6º Police Academy $81.198.894 n. d. n. d.
7º Footloose $80.000.000 n. d. n. d.
8º Star Trek III $76.471.046 $87.000.000 $17.000.000*
9º Romancing the Stone $74.900.000 $114.900.000 n. d.
10º Purple Rain $63.358.487 n. d. n. d.
22º The Terminator $38.019.031 n. d. $6.400.000
50º The Last Starfighter $21.000.000 n. d. n. d.
100º Ninja III: The Domination $5.717.795 n. d. n. d.
144º Crackers (1984) $58.689 n. d. n. d.
* dados obtidos no site “The Internet Movie Database”.

|
The Lawnmower Man

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Comparativo a partir dos 179 filmes de 1992 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º Aladdin $217.350.219 $501.900.000 $28.000.000
2º Home Alone 2: Lost in New York $173.585.516 $279.600.000 $20.000.000
3º Batman Returns $162.831.698 $282.800.000 $80.000.000
4º Lethal Weapon 3 $144.731.527 $319.700.000 n. d.
5º A Few Good Men $141.340.178 $236.500.000 $33.000.000*
6º Sister Act $139.605.150 $231.600.000 n. d.
7º Bodyguard, The $121.945.720 $410.900.000 n. d.
8º Wayne's World $121.697.323 $121.697.323 n. d.
9º Basic Instinct $117.727.224 $352.700.000 $49.000.000
10º A League of Their Own $107.533.925 n. d. $40.000.000
42º Lawnmower Man, The $32.100.816 n. d. $10.000.000*
50º Hoffa $23.365.858 n. d. n. d.
100º Gladiator, The $8.205.703 n. d. n. d.
179º Rain Without Thunder $5.000 n. d. n. d.
* dados obtidos no site “The Internet Movie Database”.

110
Julho de 2005
Johnny Mnemonic
Comparativo a partir dos 235 filmes de 1995 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º Toy Story $191.796.233 $356.800.000 $30.000.000

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


2º Batman Forever $184.031.112 $335.000.000 $100.000.000
3º Apollo 13 $172.070.496 $334.100.000 $65.000.000
4º Pocahontas $141.579.773 $347.100.000 $55.000.000*
5º Ace Ventura: When Nature Calls $108.360.063 $212.400.000 $30.000.000*
6º Goldeneye $106.429.941 $351.300.000 $80.000.000*
7º Jumanji $100.458.310 $264.700.000 $65.000.000
8º Casper $100.328.194 $282.300.000 $55.000.000
9º Se7en $100.125.643 $328.125.643 $30.000.000
10º Die Hard: With a Vengeance $100.012.499 $365.000.000 $90.000.000*
50º Money Train $35.324.232 $77.200.000 $68.000.000
84º Johnny Mnemonic $18.976.621 $33.300.000* $26.000.000*
100º Highlander: The Final Dimension $13.715.170 n. d. n. d.
200º Underneath, The $536.023 n. d. n. d.
235º Business Affair, A $5.000 n. d. n. d.
* dados obtidos no site “The Internet Movie Database”.

|
The Matrix

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Comparativo a partir dos 428 filmes de 1999 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º Star Wars: Phantom Menace $431.088.297,00 $925.600.000,00 $115.000.000,00
2º Sixth Sense, The $293.501.675,00 $672.800.000,00 $40.000.000,00
3º Toy Story 2 $245.823.397,00 $485.800.000,00 $90.000.000,00
Austin Powers: The Spy Who
$206.040.085,00 $309.600.000,00 $35.000.000,00
4º Shagged Me
5º Matrix, The $171.479.930,00 $456.500.000,00 $65.000.000,00
6º Tarzan $171.091.819,00 $447.100.000,00 $145.000.000,00
7º Big Daddy $163.479.795,00 $233.800.000,00 $30.000.000,00
8º Mummy, The $155.385.488,00 $413.500.000,00 $80.000.000,00
9º Runaway Bride $152.149.590,00 $307.900.000,00 $70.000.000,00
10º Blair Witch Project, The $140.539.099,00 $248.300.000,00 $35.000,00
50º House on Haunted Hill $40.846.082 n. d. $19.000.000
100º Tea with Mussolini $14.395.874 n. d. $14.000.000
200º Tumbleweeds $1.350.248 $1.788.168 $312.000
400º Getting to Know You $5.000 n. d. n. d.
428º Summerspell $603 n. d. n. d.

111
Julho de 2005
Minority Report
Comparativo a partir dos 464 filmes de 2002 com informações disponíveis no site “The Numbers”.
Bilheteria EUA Bilheteria mundial Orçamento (US$)
Rank. Título original (US$) (US$) (estimativa)
1º Spider-Man $403.706.375 $821.700.000 $139.000.000

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Lord of the Rings: The Two
$341.784.377 $924.291.552 $94.000.000
2º Towers
3º Star Wars: Attack of the Clones $302.181.125 $648.200.000 $115.000.000
Harry Potter and the Chamber of
$261.987.880 $869.400.000 $100.000.000
4º Secrets
5º My Big Fat Greek Wedding $241.437.427 $353.900.000 $5.000.000
6º Signs $227.965.690 $407.900.000 $70.000.000
7º Austin Powers in Goldmember $213.079.163 $292.700.000 $63.000.000
8º Men in Black 2 $190.418.803 $440.200.000 $97.000.000
9º Ice Age $176.387.405 $375.600.000 $65.000.000
10º Chicago $170.684.505 $306.400.000 $30.000.000
17º Minority Report $132.014.112 $342.000.000 $102.000.000
50º Like Mike $51.432.423 n. d. $30.000.000
100º Adam Sandler's 8 Crazy Nights $23.607.202 n. d. n. d.
200º State Property $2.099.719 n. d. n. d.
400º Scarlet Diva $18.062 n. d. n. d.

|
464º Besotted $656 n. d. n. d.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura

112
IV.2. As alegorias da tecnologia

Figura 67 (Metropolis)
Figura 66 (Metropolis)

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

113
Julho de 2005
Para o realismo da diegese fílmica não importam as premissas e implicações
científicas ou tecnológicas do impossível, mas sim sua “aparência” de cientifico e
tecnológico, articulada em alegorias e racionalizações que reduzem o mito “às
normas da objetividade ou, pelo menos, envolto em verossimilhança” (cf. Morin, 1970,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


p. 200). É a tendência que se materializa no culto ao gadget, simulação de tecnologia
e produto da obsessão moderna por máquinas. Daí as alegorias mais incoerentes ou
supérfluas não conspirarem contra o realismo do filme, ao contrário, com freqüência,
são recursos que privilegiam a performance visual em detrimento das implicações
científicas, reforçando racionalizações que passariam despercebidas. Constituem
estereotipações distantes da realidade técnica e científica, freqüentemente
inconsistentes nesses termos, porém revestidos de certos traços essenciais
adequados para conferir o realismo necessário à diegese fílmica. Introduzem certas
“condições de (...) de veracidade que asseguram a comunicação com a realidade
vivida” (Morin, 1967, p. 86) no seio do impossível e do desconhecido, da ciência
regredida ao nível do mito. São as alegorias tecnológicas – figurações do “cérebro
eletrônico”, da informação automática, da realidade virtual, dos biônicos e gadgets

|
acopláveis ao corpo – que tornam imaginariamente concebíveis mundos onde seres
humanos vivem imersos no ciberespaço, assassinos são condenado por assassinato

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


antes de cometê-los e as máquinas são dotadas de consciência.
Desde cedo, a indústria do cinema representa a tecnologia com alegorias
construídas a partir de significantes conhecidos do senso comum. O andróide de
Metropolis (fig. 66), é uma alegoria de gente e máquina, bricolagem de articulações e
encaixes com estilizações de costelas, seios, abdômen e rosto estampados em metal.
É também uma alegoria que, apesar de tecnológica, incorpora a simbologia mística: a
cabeça da máquina é coroada por uma auréola metálica e a andróide surge no filme
sentada em um trono exatamente à frente de um grande pentagrama, do qual uma
das pontas termina por trás de sua cabeça. Rotwang, “o inventor”, diz para Johhan:
“Então, Joh Fredersen?! Não valeu a pena a perda de uma mão para criar o homem
do futuro, o Homem-Máquina?” [grifo da legenda do filme], exibindo orgulhosamente
tanto sua obra como sua mão, supostamente artificial, coberta por uma grossa luva.
Ele vai ainda mais longe: “Me dê outras 24 horas, e ninguém, Joh Fredersen,
ninguém poderá distinguir o Homem-Máquina de um mortal!”. A fusão de Maria (fig.
67) com o andróide é um notável exemplo de como as alegorias tecnológicas estão
ancoradas em seu próprio presente, mesmo que articulem um imaginário – o do

114
Julho de 2005
ciborgue, neste caso – muito à frente de seu tempo. Assim, os traços genéricos do
técnico e do científico assentam-se sobre a estereotipação visual da eletricidade e da
química. Em um mundo ainda desprovido de raios lasers, computadores, painéis de
controle eletrônicos e plásticos, o laboratório de Rotwang é uma grande alegoria

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


construída com arcos voltaicos, relógios, chaves, alavancas e acessórios de vidro. A
cada girar de chaves e alavancas, vemos um gadget entrar em funcionamento: luzes
se acendem, líquidos borbulham em tubos e recipientes de vidro, faíscas surgem de
relés expostos sobre isoladores de cerâmica, arcos voltaicos disparam sobre o domo
cilíndrico de vidro onde Maria jaz inconsciente, círculos de luz oscilam em torno da
máquina humanóide. Assim, mediado pelas figurações da química e da eletricidade,
aos poucos a andróide adquire os atributos humanos de Maria, vemos um coração e
circulação sanguínea que brilha no corpo da máquina que antecede o surgimento do
Golem do “barro” tecnológico, com a metamorfose da face metálica do andróide na
face humana de Maria.
Durante décadas, as alegorias da tecnologia foram fundamentalmente
estereotipações de gadgets elétricos, químicos ou mecânicos, onde luz, fumaça e

|
movimento transformavam o técnico-científico em metáforas visuais. A matemática e
a geometria, em geral, não produziram figurações marcantes até o surgimento da

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


computação e sua assimilação pela cultura de massas. Segundo o artigo de
Winegrad e Akera (1996), ENIAC: A Short History of the Second American
Revolution, para demonstração pública do ENIAC em 1946, as lâmpadas de
monitoramento dos acumuladores do ENIAC foram cobertas com meias-esferas
translúcidas, na verdade bolas de ping-pong cortadas ao meio. Desde então, “as
luzes piscantes de computadores (...) têm sido parte da cena envolvendo
computadores e ficção cientifica”. Contudo, essa forma de se estereotipar a
computação não era algo visualmente inédito, visto que luzes piscantes sempre
fizeram parte, e ainda fazem, do repertório de alegorias tecnológicas. A verdadeira
inovação dessas alegorias aconteceu em 1969, no filme 2001: A Space Odissey que
transformou as alegorias tecnológicas com a incorporação de novos estereótipos,
relacionados com a computação. Ao mecânico e elétrico introduziu-se o informático,
que se tornou indissociável da idéia de “cibernético”, cada vez mais consolidado
como categoria de apreensão da realidade.
A palavra computar vem do latim computare, que significa calcular, contar,
fazer o cômputo, avaliar. Não por acaso, os códigos e signos matemáticos (números,

115
Julho de 2005
equações, enunciados) e os traços geometrizados são praticamente onipresentes nas
estereotipações da computação. Na construção fílmica, tais signos ganham novos
sentidos e referem-se a imagens mentais diferentes daquelas às quais estão
relacionados em seus contextos originais. Reduzidos a estereótipos eminentemente

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


visuais, em detrimento de seus significados originais, e inseridos em novos contextos
de significação, os caracteres matemáticos e seus enunciados (ou a aparência de
enunciados) são incorporados no que podemos chamar de alegorias tecnológicas. Os
significados originais não são importantes sendo, muitas vezes, articulados como
mensagens propositalmente ininteligíveis, justamente para simular o distanciamento e
opacidade em relação ao senso comum, reforçando a aparência de cientificismo e
tecnicidade. De fato, desde que mobilizados como um discurso visual destinado ao
público leigo, a alegoria tecnológica não tem nenhum compromisso com o sentido
original dos signos que o compõe, o que resulta, na maior parte das vezes na
bricolagem de pseudomensagens tecnológicas, destituídas de qualquer sentido se
extraídas do contexto visual do filme. Já a reta, signo intermediário entre o número e
a imagem, é também, além de um dos símbolos mais simples da racionalidade

|
humana, um forte índice de oposição à natureza: a reta é, antes de tudo, produto da
abstração humana. Não existem retas na natureza e a associação visual com elas

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


simboliza uma oposição ao “estado de natureza” das coisas. Nas representações da
realidade virtual freqüentemente vemos estereótipos que têm nas retas o seu
elemento estrutural mínimo, como se assim traduzissem de forma visual a
matematização do universo. A esses estereótipos acrescenta-se outro complementar:
o traço, abstração típica do desenho técnico, relacionado ao reducionismo no qual o
mundo visual pode ser esquadrinhado, medido, equacionado, e reconstruído em
“wireframes” (“modelos em arame”) sob referência do número e da reta.
Nas diegeses fílmicas, o código lógico-matemático, as formas geométricas
primitivas e o wireframe são figurações recorrentes das alegorias tecnológicas,
largamente utilizadas para tipificar as realidades virtuais e os gadgets
computacionais. É essa tendência alegórica que já estava anunciada no design dos
instrumentos das naves espaciais de 2001: A Space Odyssey. Dentre os gadgets, as
inumeráveis bugigangas com luzes e indicadores diversos, destacam-se as telas de
raios catódicos para as quais os pilotos sempre olham para conduzir as naves
espaciais. No filme, quando o ônibus espacial se aproxima da estação orbital, a
seqüência (fig. 68) oferece uma visão privilegiada do interior da cabine do piloto. Do

116
Julho de 2005
lado de fora da nave, no espaço, desloca-se uma estrutura em forma de anel duplo
girando em seu próprio eixo: é a estação orbital, o destino do ônibus espacial. O
interior da cabine é escuro, o que dá destaque à imagem do exterior, ao mosaico de
luzes dos indicadores e botões e às telas localizadas, estrategicamente, no centro da

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


cena. São cinco telas, duas no painel de instrumentos superior e três no console
central entre os pilotos. As telas superiores e laterais do console central exibem
alternadamente fórmulas, tabelas, e gráficos matemáticos com curvas em duas e três
dimensões, enquanto a tela central do console exibe uma mira vermelha sobre um
conjunto de traços verdes que formam retângulos do mesmo tamanho. No decorrer
da aproximação da nave à estação orbital podemos ver que o conjunto de traços
retangulares que compõe a imagem por trás da mira na tela possui um movimento de
paralaxe e rotação que supostamente acompanha a posição absoluta da estação
orbital. Assim, mesmo quando, da perspectiva do piloto, a estação parece não girar, a
pequena simulação composta de traços retangulares permanece em rotação.
O filme apresenta esse modelo de simulação com pequenas variações em
outras cenas. O transporte da estação orbital para a estação lunar é realizado por

|
uma outra nave, cuja manobra de aterrissagem ocorre sem o contato visual dos
pilotos com a plataforma. Eles se orientam por uma imagem, exibida pelo monitor

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


central do painel de pilotagem, composta por círculos de diferentes tamanhos cujos
centros se movem para um ponto comum, demarcado pelo cruzamento de duas
linhas perpendiculares (fig. 69). O alinhamento dos círculos é anunciado visualmente
nessa tela por um aviso textual, por uma barra graduada à esquerda do conjunto e
por cantoneiras invertidas que realçam o centro da composição, indicando que o alvo
foi atingido e que a nave está alinhada com a plataforma de pouso. Em outra
seqüência, quando o protagonista Dave Bowman resgata o corpo do seu colega com
o módulo de manutenção espacial (fig. 70), a densidade de gadgets na cena,
começando pelo próprio traje de astronauta de Dave, conota uma “tecnicidade” maior
que nas demais seqüências que mostram cabines de pilotagem das naves espaciais.
Dentre as luzes do painel e as várias telas do módulo de manutenção, ricas em
gráficos matemáticos, uma das telas é destacada e, como nas demais cenas, é a que
exibe um modelo de simulação do espaço exterior. A tela mais olhada por Dave, e
pelo espectador por conta do close-up no painel de instrumentos, é a que antecipa a
aproximação do alvo – por meio de uma composição de traços que sobrepõe

117
Julho de 2005
coordenadas circulares e retilíneas, acompanhadas de códigos textuais – antes
mesmo que ele seja visualizado: o corpo do colega de Bowman, Frank Poole.
Os instrumentos de navegação em 2001: A Space Odyssey são claramente
tipificações da computação e da aviônica (instrumentação de aviões). Mas eles

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


contêm algo de inovador para uma época na qual a televisão ainda era um artigo de
luxo. Os monitores raramente exibem imagens de câmeras, exibem números,
equações, gráficos matemáticos e modelos animados que simulam a realidade
exterior: são figurações do imaginário das possíveis “interações humano-computador”
(IHC) e que se tornaram prototípicas nas diegeses fílmicas posteriores. Reproduzem
o que pode ser identificado como produto do “fato diverso”, banalizações e
simplificações veiculadas cotidianamente nos meios de comunicação de massa, mas
também são objetivações da tecnologia e da ciência, estereotipadas em pequenas
unidades semânticas acessíveis ao público leigo – a reta, o círculo, a matriz de linhas,
o número, a equação, o código, o gráfico matemático – capazes de fornecer as
racionalizações que dão ar de plausibilidade ao imaginário e ao fantástico.
Apesar de realizado em um período anterior ao uso das interfaces gráficas e

|
dos modernos programas de CAD (computer aided design), o filme já cita o
“wireframe”, ou “modelo em arame”. O wireframe é produto inerente ao processo de

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


representação técnica da forma, é o desenho ou modelo em linhas que materializa a
primeira instância de realização dimensional e figurativa do objeto, tanto em duas
como em três dimensões. Com as possibilidades de automatização da sua
visualização pelo computador, antes dependente do exaustivo e extenso trabalho
braçal do desenhista técnico, o wireframe tornou-se o estereótipo mais paradigmático
da realidade virtual computadorizada. A cena em que o computador HAL 9000 sugere
que há um problema na unidade “AE-35” é ilustrada com imagens de um modelo
virtual em 3 dimensões em uma das telas do computador (fig. 71). O modelo em
wireframe é rotacionado em três eixos perpendiculares de forma a exibir, sem
interrupção, as suas vistas ortogonais. A cena dá ênfase ao sensível (o analógico, a
similaridade entre as imagens do modelo virtual e as imagens do objeto real) em
detrimento do inteligível (o digital, o textual). E, mesmo aquilo que se propõe ser
“digital” e “textual” , como ocorre nas demais partes do filme, não passa de uma
estereotipação do código alfa-numérico cujo sentido literal é simbolicamente
insignificante. Com efeito, na cena do “diagnóstico” do módulo supostamente
defeituoso (fig. 72), os textos que piscam, se alternam, se atualizam conforme o

118
Julho de 2005
modelo em wireframe gira na tela não parecem fazer o menor sentido para a
linguagem humana, exceto como algo que tem a “aparência” de texto técnico-
científico. Esses textos, juntamente com a matriz quadriculada que acompanha a
imagem em wireframe do módulo, são apenas signos visuais que ao mesmo tempo

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


em que ilustram as possibilidades imaginativas do computador, conotam a
“objetividade” da técnica e da ciência.
As alegorias baseadas em wireframes também surgem em outra grande
referência de uma cibercultura emergente do final da década de 1970: Star Wars.
Como forma de conferir um ar “tecnológico” aos combates espaciais os wireframes
sempre estão presentes de alguma forma. Em algumas seqüências, as naves
inimigas são reproduzidas em “wireframe” nas miras dos caças espaciais (fig. 73) e
em outras seqüências, o caminho percorrido pela nave aparece na forma de um
esquema visual que associa um “cenário” quadriculado a duas barras verticais que se
movem para o centro conforme o “alvo” se aproxima (fig. 74), em uma lógica visual
muito similar ao painel da nave utilizada por Dave para resgatar o corpo de Frank (fig.
70). Entretanto, a alegorização tecnológica não impede que estereótipos antigos

|
façam parte da alegoria. Na seqüência em que a espaçonave Millenium Falcon é
atacada pelos caças do Império, a performance nas cenas é praticamente a mesma

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


daquela vista nos filmes que retratam batalhas aéreas das fortalezas voadoras B-17
americanas da II Grande Guerra. Esta é a referência de senso comum que é
“modernizada” e “tecnologizada” com um cenário cheio de plásticos, luzes e armas
“laser” com “displays” que reproduzem a “movimentação” dos inimigos dentro de
grades quadriculadas (fig. 75).
De forma análoga, Blade Runner une esterótipos antigos e novos nas suas
alegorias tecnológicas. O antigo, muito presente nos figurinos e alguns cenários, é
“modernizado” com máquinas e aparelhos esquisitos, como o utilizado durante o
“teste Voight-Kampff” de “detecção de andróides”: uma geringonça dotada de um
braço com uma câmera na ponta, caixas com luzes piscantes e monitores de TV, com
destaque ao monitor maior que exibe o close-up do olho do interrogado (fig. 76). Mas
é, ainda, uma alegoria sem muitos estereótipos computacionais, não possui índices
de que é uma máquina pensante. Ao contrário, o painel do veículo policial e o
equipamento de ampliação de fotografias são nitidamente “computadorizados”. Na
seqüência em que o veículo policial leva Deckard para a delegacia (fig. 77), pode-se
ver um monitor que exibe códigos alfanuméricos e esquemas de uma plataforma

119
Julho de 2005
circular esquadrinhada por uma matriz, em uma montagem bastante similar à do
pouso lunar em 2001: A Space Odissey (fig. 69).

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Figura 73 (Star Wars)
Figura 70 (2001: A Space
Odyssey)

Figura 68 (2001: A Space


Odyssey)

|
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura
Figura 74 (Star Wars)

Figura 71 (2001: A Space


Odyssey)

Figura 69 (2001: A Space


Odyssey)

Figura 75 (Star Wars)

Figura 72 (2001: A Space


Odyssey)

120
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 76 (Blade Runner)

|
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura
Figura 77 (Blade Runner) Figura 78 (The Matrix) Figura 79 (The Matrix)

Figura 80 (The Six Million Dollar Man)

121
Julho de 2005
A união de estereótipos da tecnologia antiga, muito similares esteticamente
com aqueles encontrados em Metropolis, e estereótipos das novas tecnologias
cibernéticas persistem até em filmes mais recentes, não havendo indicação de que os
arcaísmos tecnológicos incorporados aos artefatos estejam relacionados

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


exclusivamente ao nível tecnológico da sociedade na época de produção do filme. Ao
contrário, muitas vezes, é o que pretende ser futurista aquilo que mais parece velho
nesses filmes. The Matrix, por exemplo, exibe junto com seu discurso “super-futurista”
incontáveis símbolos do arcaísmo tecnológico: engrenagens, faíscas, seringas,
gadgets eletro-mecânicos. A sala onde se dá a “desconexão” de Neo da Matrix é uma
grande alegoria tecnológica no seu sentido mais pleno (fig. 78). Talvez o telefone
antigo acoplado a um dispositivo mecânico de “discagem automática” seja o exemplo
mais significativo desse cenário abundante de artefatos que, apesar de eletrônicos,
informáticos e telemáticos, têm aparência de antiguidades, em caixas de ferro, com
engrenagens, alavancas e fios expostos.
O antigo, em The Matrix, está vinculado ao mundo presencial: ou é o próprio
“Real World”, como o chamam os personagens, ou é um canal conectado a ele. A

|
nave onde Neo é acolhido depois de ser desconectado da Matrix é um artefato que
mais parece ter saído de um conto de Júlio Verne. Seus controles, assim como dos

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


equipamentos do “mundo real” em geral se assemelham aos encontrados nos filmes
de ficção científica dos anos 50 e, para a imersão no mundo high-tech da Matrix, as
pessoas precisam conectar um enorme e primitivo plug metálico nas suas nucas. Em
outra seqüência (fig. 79), quando Neo é reconectado à realidade virtual, o ambiente
clean e homogêneo do ciberespaço contrasta com o ambiente presencial precedente:
sujo, velho, populado por pessoas subnutridas e maltrapilhas.
É evidente a importância dos estereótipos da computação na “modernização”
das alegorias tecnológicas, mesmo que elas sejam tão arcaicas quanto as alegorias
de Metropolis. Os estereótipos do wireframe e do código alfanumérico – figuração
tanto do discurso científico como da linguagem de máquina – são praticamente
signos indispensáveis nas alegorias tecnológicas relacionadas ao cibernético de uma
forma geral. Ainda no início da década de 1970, a abertura da série de TV “Six Million
Dollar Man” já incorporava a alegorização do ciborgue com a bricolagem de
estereótipos do corpo humano, da máquina e do computador. O nome do seriado
aparece sobre o piscar de luzes em uma trama quadriculada (um computador?). Toda
a apresentação é acompanhada de um número aleatório exibido no canto da tela.

122
Julho de 2005
Logo após as cenas do desastre de uma espaçonave, enquanto a voz em off diz
“Steve Austin, astronauta, um homem que mal está vivo”, passam as cenas de uma
sala de cirurgia e o rosto de um homem inconsciente. É a imagem da fragilidade da
carne. Mas a voz continua:

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Cavalheiros, nós podemos reconstruí-lo. Nós temos a tecnologia. Temos a
tecnologia para construir o primeiro homem biônico do mundo. Steve Austin
será este homem. Melhor do que era antes. Melhor, mais forte, mais rápido.

Wireframes mostram partes do corpo como uma superfície mapeada para a


intervenção biônica. Os modelos coloridos e com aparência de simulação
computadorizada que surgem dentro do boneco virtual quadriculado emprestam a
conotação de “precisão” e “superioridade” às máquinas que aparecem em seguida,
em uma sala de operações, supostamente sendo implantadas no corpo humano. As
cenas que fundem os gráficos de uma tela de um osciloscópio – que exibe um traço
que se move rapidamente, em oposição ao monótono e regular traço do
eletrocardiograma humano – com a imagem do “novo homem” correndo evocam o

|
“desempenho” superior do ser humano reconstruído pelas tecnologias cibernéticas
(fig. 80).

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Em 1984, a alegoria do “built machine-man” ganhou novos horizontes com
The Terminator, onde somos confrontados com um ciborgue que inverte a hierarquia
dos termos: ao invés do ser humano ser melhorado com o acoplamento da máquina,
é a máquina que é melhorada com o acoplamento de uma casca de carne. Assim, o
filme apresenta, vez e outra, estereótipos da computação incorporados às imagens
que o exterminador vê, a “perspectiva de mundo” do ponto de vista da máquina por
meio de imagens transformadas por tecnologias que supostamente “melhoram” a
percepção visual e “turbinadas” com gráficos matemáticos e figurações de códigos de
computador (fig. 81). Em outro caso, quando o exterminador rouba um caminhão, o
desenho esquemático em linha estereotipa um “processo” de coleta e “aprendizado” a
partir das informações de sua memória digital (fig. 82).
Mais ou menos no mesmo período, em 1982, o filme Tron introduziu, sob
influência dos videogames, o imaginário do ciberespaço como um espaço de imersão
do ser humano. As referências visuais, entretanto, a despeito da sofisticação das
imagens proporcionadas, não só pela evolução tecnológica, mas também por novas
possibilidades imaginativas, permaneceram articuladas por estereótipos baseados na

123
Julho de 2005
geometrização da forma, no desenho em linha e no código alfanumérico. O filme nos
apresenta um ambiente ciberespacial do ponto de vista das entidades digitais,
representando-o como um mundo paralelo que, apesar do “funcionamento
fenomênico” similar ao mundo presencial do qual supõe-se ser extensão, é marcado

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


por amplos espaços planos cobertos por linhas quadriculadas ou padrões similares,
sobre os quais erguem-se formas geométricas regulares e paredes retilíneas, dotadas
de superfície extremamente homogêneas e pontuadas por grafismos e estilizações
futuristas. É nesse ambiente que entidades de aparência humana, “alter-egos” dos
jogadores de videogame (fig. 83) e usuários de computador (fig. 84), evolucionam em
máquinas virtuais espetaculares.
De fato, foi Tron que popularizou o padrão quadriculado e o wireframe como
“traços característicos” por excelência da “realidade virtual” – em oposição à ausência
desses “traços” in natura na “realidade presencial”. Assim, o wireframe e os padrões
quadriculados – a princípio, instrumentos que precedem o “rendering35” das imagens
produzidas por computador – são incorporadas como figurações que permanecem
ostensivamente nas cenas que retratam o ciberespaço, ou quando a cena que

|
pretende retratar o virtual é resultado da filmagem convencional, traços e padrões
similares ao wireframe são reproduzidos no cenário físico ou por trucagem óptica a

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


fim de simular a simulação que não pôde, por limitações tecnológicas da época, ser
realizada. A realidade virtual representada em Tron é o campo da experiência no
ciberespaço. O filme introduz a realidade virtual não apenas como mera simulação ou
imitação da realidade presencial, mas também como o mundo da hiper-realidade
sintética que se opõe ao presencial pelo exagero do conceito que homogeneíza e
uniformiza. É o mundo clean, esterilizado pela fórmula dos modelos
computadorizados que proporcionam experiências em ambientes limpos, sem ruídos
visuais e delimitados por traços e formas uniformes demarcadas por geometrias
simples onde predominam a reta.

35
Processo que resulta na visualização das superfícies do modelo computadorizado. A visualização
em wireframe é uma visão ainda esquemática do modelo que, em tese, desaparece com o processo de
rendering.

124
Figura 82 (The Terminator)
Figura 81 (The Terminator)

Figura 83 (Tron)
Figura 84 (Tron)
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

125
Figura 85 (Tron)
Figura 87 (Tron)
Figura 86 (Johnny Mnemonic)
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

126
Figura 88 (Johnny Mnemonic)
Figura 91 (The Matrix)
Figura 90 (The Matrix)
Figura 89 (The Matrix)

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

127
Figura 92 (The Matrix)

Figura 95 (The Matrix)


Figura 94 (The Matrix)
Figura 93 (The Matrix)

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

128
Julho de 2005
Tron também associa esse mundo da hiper-realidade com o mundo do
impossível: ao exagero visual se associa o exagero do desempenho. Na seqüência
onde dois times se enfrentam com as lightcycles (fig. 85), as máquinas virtuais
“surgem” em torno dos jogadores, reproduzindo o próprio processo de “rendering” da

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


computação gráfica: o desenho em linha do wireframe se materializa por “camadas”
e, depois de atingida a forma final do objeto, o “modelo em arame” é coberto por
superfícies uniformes até que se torne opaca. As lightcycles possuem aceleração
irreal e realizam impossíveis curvas em ângulo reto. A ampla flexibilidade das leis
físicas também se aplica às câmeras, que juntamente com as motos, realizam
travelings fisicamente impossíveis e não possuem restrições de profundidade de
campo. Tron também introduziu a noção de que o ciberespaço é uma realidade virtual
na qual a mesma simulação que reproduz o funcionamento do mundo presencial é
também o modelo de superação desse mundo. Com esse filme, a realidade virtual
passa a ser o elemento de racionalização narrativo segundo o qual podemos
conceber mundos onde a flexibilização e ruptura das regras às quais habitualmente
estamos submetidos dão abertura para experiências impossíveis de serem vividas

|
fora do ciberespaço.
A penetração da computação e dos gadgets cibernéticos reais na vida prática

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


das pessoas, a partir do fim da década de 1980, não mudou em essência o
imaginário do ciberespaço. Ainda que o advento da interface gráfica, do mouse e da
Internet tenham trazido o ciberespaço para o dia-a-dia das pessoas e estejam
tornando progressivamente indistinta a descontinuidade entre virtual e presencial na
vida prática (o quanto do e-mail é presencial e o quanto dele é virtual?), as
construções fílmicas permanecem, como em Tron, fortemente marcadas pela
oposição do presencial e do virtual. Essa oposição é, ainda, como mostram os filmes
da década de 1990 e pós-2000, ancorada nos mesmos estereótipos da computação,
ainda que travestidas em figurações tecnologicamente atualizadas. Assim, apesar de
Jonnhy Mnemonic nos apresentar a Internet como um mundo de imersão total
alcançado com o uso de “visores de realidade virtual”36, que produzem a ilusão de
profundidade, e data-gloves, luvas que capturam movimentos das mãos para
reconstruí-las na realidade virtual, alegorias lisérgicas baseadas em estereotipações
de códigos matemáticos, wireframes, matrizes quadriculadas e formas geométricas

36
Tecnicamente conhecidos como HMD (Head Mounted Display).

129
Julho de 2005
regulares são bastante visíveis nas suas imagens do ciberespaço. Nesse sentido,
chega a ser notável a semelhança entre as figurações da realidade virtual na
seqüência na qual Johnny realiza um upload de dados diretamente para o seu
cérebro (fig. 86), as imagens de Tron dos ambientes liminares que mediam a entrada

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


(fig. 87) e a saída de Flynn do ciberespaço.
Em outra seqüência que ilustra a relação de Johnny com o ciberespaço (figs.
88), assim que ele estabelece a conexão com o ciberespaço vemos o que
supostamente ele vê por meio dos visores: sobre um limbo negro, suas mãos virtuais,
os dizeres “INTERNET LOCAL TIME: 10:15:37 PM” e um código de barras com uma
seqüência numérica que retoma, de forma mais gráfica, o estereótipo do signo lógico-
matemático. O gestual de Johnny denota a interação exclusiva com o ciberespaço: os
movimentos de suas mãos realizados no vazio são reproduzidos pelas mãos virtuais
que manipulam a realidade virtual que se materializa à frente de seus olhos. Apesar
da maior densidade visual do que a encontrada em Tron, no ciberespaço de Johnny
Mnemonic ainda podemos ver a predominância das formas geométricas regulares e
sua organização ortogonal. E, conforme Johnny penetra nas camadas mais atômicas

|
da informação – Internet, mundo, China, Beijing, Hotel – o wireframe e a uniformidade
de superfície tornam-se cada vez mais evidentes, até que ele chega a um banco de

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


dados com informações organizadas visualmente em forma de matriz.
O uso de figuras matriciais ou que fazem alusão à matriz é um dos recursos
mais recorrentes nas alegorias da tecnologia. Nelas, a presença da matriz indica
tanto aquilo que é sintetizado por meio do número como indica a presença de um
cogito artificial do qual eliminou-se qualquer traço não cartesiano. Manifestação visual
da ortogonalidade típica da geometria analítica, o plano quadriculado é sobretudo
símbolo de uma tradição cartesiana de pensar o mundo. A matriz é índice de
objetividade, da apropriação do mundo ou da criação de outros sob a exatidão e
regularidade do número. Indica também controle obtido pela redução do universo às
coordenadas geométricas e equações.
A matriz aparece desde os primórdios dos filmes ciberculturais – nas telas
dos consoles do HAL 9000 em 2001: A Space Odissey, na apresentação do Six
Million Dollar Man, nos artefatos de mira de Star Wars, em todo o background do
ciberespaço de Tron, nos instrumentos dos veículos e no dispositivo de edição
fotográfica de Blade Runner – e mesmo que em filmes mais recentes, ainda que
tenha se tornado mais “discreta”, ou mais camuflada por trás das linhas subliminares

130
Julho de 2005
dos objetos em cena, a matriz continua sendo o estereótipo mais importante quando
se deseja conotar “tecnicidade” ou “artificialidade” às construções imagéticas da
tecnologia.
Não por acaso, em The Matrix, as linhas de grade estão, invariavelmente,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


presentes no cenário – na forma de objetos comuns do mundo presencial, tais como
janelas, azulejos, estruturas, prateleiras, ladrilhos – como índices visuais de que o
ambiente no qual os personagens estão evolucionando é uma construção “virtual” de
computador, apesar de possuir sempre uma aparência “fotográfica” e de ser, quase
sempre, fenomenologicamente aceitável como representação fílmica do mundo onde
(nós, espectadores) vivemos.
Em The Matrix, às vezes, as alusões à linha de grade são sutis, outras nem
tanto. Na seqüência em que os agentes procuram por Neo em seu escritório (fig. 91),
os móveis, as baias e o teto marcam linhas paralelas verticais e horizontais no
cenário. Na cena após sua captura (fig. 92), a sala de interrogatório é introduzida
visualmente por vários monitores de TV dispostos em matriz. O interrogatório se dá
sobre planos quadriculados marcados pelas linhas da parede, atrás dos personagens.

|
A luta de kung-fu entre Neo e Morpheos no “programa de treinamento” (fig. 94) é
ambientada em uma edificação tipicamente oriental, cujos padrões quadriculados são

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


realçados e dominam todo o cenário da ação: a estrutura de madeira, as portas, as
armações de papel, o tatame, o forro. Não é difícil enxergar nas cenas da luta de
kung-fu em The Matrix a mesma composição visual das cenas das lightcycles ou dos
tanques de guerra virtuais de Tron.
The Matrix mostra um ciberespaço de aparência fotográfica – praticamente
rompendo com a estética da imagem sintética inaugurada com Tron – e muito
próxima da realidade presencial tal qual a conhecemos. São, contudo, imagens
marcadas pela ostensiva e exagerada presença da organização matricial, um típico
índice de artificialidade associado à computação. Assim, mesmo em cenas em que a
desorganização e a sujeira predominam, elas são pontuadas pela organização
matricial. Na seqüência em que Neo e Morpheos dirigem-se ao encontro do Oráculo,
o ambiente que eles percorrem é notavelmente sujo e desorganizado. Em uma das
cenas há um mendigo sentado com seus pertences, um carrinho de mão com um
trapo jogado de um lado e uma garrafa pousada sobre uma pilha de entulho do outro
lado. Apesar da sujeira, da parede e do banco pichados, a figura do mendigo é
emoldurada por um mosaico retangular formado por linhas perpendiculares entre si e

131
Julho de 2005
quadrados vermelhos (fig. 91). Na cena seguinte, quando Neo e Morpheos já estão
no elevador, o padrão matricial é reafirmado pelo painel de botões do elevador. O
interior da casa que Morpheos e sua gang costumam utilizar para entrar e sair da
Matrix também tem seus padrões visuais regulares disfarçados pela imundície. Na

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


seqüência em que eles são emboscados nessa casa (fig. 93), as saídas da casa são
fechadas com paredes de tijolos expostos e as luzes aleatórias dos policiais iluminam
ambientes que revelam as linhas do azulejo e quadriculados do piso xadrez por baixo
da sujeira e do pó. Em The Matrix, o predomínio da sujeira e a desorganização
aparente estão associados aos interstícios do controle da Matrix, ainda que a
presença do padrão matricial marque o pertencimento ao ciberespaço. Inversamente,
a exacerbação da composição matricial e das linhas retilíneas em cenários
impecavelmente limpos e uniformes, sem ruídos e interferências visuais, conota
“controle”. Todo o cenário do interrogatório de Morpheos pelo agente Smith (fig. 94) é
uma apoteose do retilíneo: o abajur, a poltrona, as janelas dos prédios ao fundo, os
enormes vidros retangulares e mesmo as bolinhas da cadeira seguem coordenadas
ortogonais. Da mesma forma, o hall de entrada do edifício de segurança máxima

|
onde Morpheos está aprisionado (fig. 95), é composto por linhas retilíneas que se
cruzam ortogonalmente: o piso, o equipamento de detecção de metal, os painéis de

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


pedra retangular das paredes e colunas, as estrutura da janela ao fundo.
A fronteira entre o presencial e o virtual, em The Matrix, assim como em
outros filmes, está associada à alegoria do signo matemático-lógico. Aqui, o uso de
colunas com números e caracteres katakana37 invertidos (fig. 96) ampliam a
sofisticação aparente do signo, tornando-o mais distante ainda do senso comum
ocidental e reforçando o seu caráter conotativo. É um signo praticamente despido de
denotação dentro do contexto narrativo, é alegoria pura, produto da supra-objetivação
do “código matemático-lógico”. O traço do “extremo oriente”38 incorporado pelo
“código da Matrix” tem a ver com uma idéia de tradicionalidade, reforçada pela cor do
texto, no mesmo tom dos velhos monitores monocromáticos de fósforo verde. São os
enigmáticos códigos “orientais” da Matrix que ganham ares de revelação no fim do
filme quando aquilo que só pode ser visto pelos monitores do mundo presencial fora

37
O japonês possui três sistemas que são utilizados na escrita corrente: o kanji, o hiragana e o
katakana. O primeiro corresponde aos caracteres chineses, o segundo e o terceiro são sistemas de
escrita silábicos, sendo que o katakana é o utilizado para palavras estrangeiras.
38
Trata-se também de um certo orientalismo cuja presença vêm se acentuando na cibercultura e que é
melhor analisado no capítulo IV.3 – Imagens da Alteridade Cibernética.

132
Julho de 2005
da Matrix é visto por Neo dentro da realidade virtual, sobre o cenário e os agentes a
sua frente, transmutados em uma composição que evoca um complexo wireframe
sobre o qual os códigos deslizam (fig. 97).
A revelação mediada pelo computador também é tema de Minority Report,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


que mostra como as previsões de oráculos ligados a computadores, os “PreCogs”,
permitem que o Departamento de Pré-Crime de Washington possa punir os
assassinatos antes que eles aconteçam de fato. Na seqüência de abertura (fig. 98), é
o olho do oráculo humano que vê e a sua boca que diz “assassino”, mas é o gadget
que formata a “prova” do crime. O maquinário desbasta com um raio de luz as arestas
de dois cubos até torná-los esferas que são lançadas dentro de dois tubos em forma
de espiral. Uma das bolas, com os nomes de Sarah Marks e Donald Dublin,
desemboca em um compartimento com os dizeres “VICTIM” e a outra bola, com o
nome de Edward Marks, cai em um compartimento com os dizeres
“PERPETRATOR”. As enigmáticas imagens previstas pelo oráculo e armazenadas
em um fantástico sistema da divisão Pré-Crime são esquadrinhadas e organizadas
pelo protagonista do filme, John Anderton. As caóticas imagens dos eventos, das

|
vítimas, do assassino, da arma e da cena do crime se organizam de acordo com os
gestos de Anderton sobre um painel transparente onde se vislumbra uma barra

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


horizontal graduada e numerada. Aos poucos, as fragmentadas e borradas imagens
do crime se contaminam com as conotações de objetividade proporcionadas por
alegorias tecnológicas: a sobreposição de códigos alfa-numéricos, as fotos de
possíveis suspeitos organizadas em linhas e colunas, as marcações de tempo, as
visões dos “PreCogs” reduzidos e esquadrinhados em seqüências de fotogramas que
detalham a cronologia e a geografia do crime. Descoberto o local do crime, Anderton
e sua equipe do Departamento “Pré-Crime” descem por uma rampa em forma de
espiral. Eles impedirão a consumação de um crime e punirão o assassino pela
certeza de que ele praticaria este crime. A figura da espiral marca a passagem entre
o virtual e o presencial: as bolas que descem os tubos acrílicos pontuam a
transformação das caóticas imagens de uma vaga premonição humana na certeza
material de modelos computadorizados; simetricamente, a rampa em espiral pela qual
os policiais descem é a fronteira entre a ilusória convicção proporcionada pela
realidade virtual e a incerta realidade presencial que a simulação aspira substituir.

133
Figura 97 (The Matrix)
Figura 96 (The Matrix)

Figura 98 (Minority report)


Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

134
Julho de 2005
IV.3. As imagens do ciberespaço
Apesar de serem obras relativamente distantes no tempo, há uma
característica comum a todos os filmes que retratam o ciberespaço: a referência ao

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


videogame. Freqüentemente os protagonistas dos filmes estão associados aos
videogames e a imagem do ciberespaço é construída como um espaço de imersão,
com raras exceções, marcado por uma “estética do videogame”, independentemente
de quão sofisticada visualmente seja essa representação.
É no início da década de 1980 – pouco antes do lançamento do Macintosh –
que surgem os primeiros filmes que retratam os computadores como mediadores de
“realidades virtuais”: Tron e Wargames. Neles, a representação do que ainda viria a
ser conhecido como ciberespaço ficou fortemente marcada pela referência aos
videogames. A função mais evidente dessa referência é supra-objetivar não só as
“coisas” tecnologicamente distantes do senso comum – redes de computadores,
realidade virtuais, sistemas de simulação por computador – mas também as pessoas
que manipulam essas “coisas”, sujeitos excepcionais cuja habilidade nos videogames

|
só é superada pela perícia em invadir e enganar complicados sistemas eletrônicos,
que não passam, no contexto fílmico, de apenas mais um jogo.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Tanto o protagonista de Tron, Flynn, como o de Wargames, David, são
apaixonados por videogames e os filmes enfatizam a ligação deles com os arcades, a
forma mais socializada de imersão no ciberespaço na época. O primeiro é um
engenheiro de software e programador de videogames e o segundo, um adolescente
colegial cujo hobby é invadir sistemas por meio do modem para, dentre outras coisas,
alterar suas notas escolares e conseguir acesso a jogos de computador que ainda
não foram lançados. A composição do estereótipo que associa a imagem do hábil
videogamer à imagem do “especialista em computação” é muito similar em ambos os
filmes. Logo no início, Tron mostra-nos a casa de diversões eletrônicas do
protagonista do filme, o “Flynn’s”, ambiente que parece divertido, repleto de pessoas
jogando, conversando e rindo. Na seqüência em que aparece jogando um dos
videogames do seu fliperama, o “Space Paranoids” (fig. 99), as pessoas ao redor de
Flynn se aglomeram, vibram, torcem – “outro ‘reco’ [recognizer] e ele consegue o
recorde mundial”, diz alguém – e gritam ao fim do jogo. A trama de Tron também é
baseada nos videogames: Flynn é um ex-programador de videogames que teve seus

135
Julho de 2005
programas roubados por Dillinger, ex-colega e atual presidente da ENCON. O filme
narra a saga de Flynn dentro dos computadores da ENCON a fim de encontrar provas
contra Dillinger e recuperar os direitos sobre seus softwares.
De forma análoga, em Wargames, o protagonista também é obcecado por

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


videogames. David é apresentado no filme por meio do seu reflexo em um arcade,
em uma seqüência (fig. 101) que começa com adolescentes de malas e mochilas
saindo do “20 Grand Palace”, um tipo de fliperama agregado a uma lanchonete.
Vemos pelo reflexo na tela que David está compenetrado no jogo, enquanto os
garotos ao seu redor saem apressadamente para a escola. Ele só larga o jogo
quando percebe que realmente está atrasado e o vemos, já na seqüência seguinte,
chegando à escola depois das aulas terem começado. A trama principal de
Wargames também é baseada nessa compulsão por videogames que o leva a
acessar inadvertidamente uma rede militar de computadores no lugar de uma
empresa de jogos. Nessa rede David conecta o WOPR (War Operation Plan
Response - fig. 102) – um novo sistema computadorizado de lançamento de mísseis
nucleares – do NORAD (North American Aerospace Defense Command) e disputa

|
com ele um jogo virtual que pode desencadear o lançamento de mísseis reais (fig.
103).

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Mesmo uma década depois de Tron e Wargames, The Lawnmower Man nos
mostra a associação literal do videogame às habilidades excepcionais de um
determinado personagem. O filme conta a história da transformação de Jobe, um
inofensivo jardineiro com problemas mentais, em um super-vilão virtual, após ser
envolvido como cobaia humana nas experiências de realidade virtual do Dr. Lawrence
Angelo. A realidade virtual de The Lawnmower Man é muito similar a um videogame
visualmente sofisticado e é freqüentemente tratada na própria diegese como um
“jogo”: “Eu tenho um jogo na minha casa que talvez você goste de jogar”, diz Dr.
Angelo para cooptar Jobe, enquanto este limpa seu jardim. Após isso, Dr. Angelo –
cientista de um empreendimento militar que pesquisa o uso da realidade virtual como
meio de aumentar as capacidades mentais – submete Jobe a um tratamento que une
a imersão na realidade virtual com a injeção de “neurotrópicos” que catalisam o
desenvolvimento mental proporcionado pela interação com novos mundos cognitivos.
No filme, a seqüência na qual Jobe vence no “cyber-boggie” (fig. 104) é uma espécie
de rito de passagem que demarca o fim do processo “evolutivo” da sua mente
humana e início da sua transformação em uma entidade supra-humana. Enquanto Dr.

136
Julho de 2005
Angelo diz que a mente de Jobe “é como uma esponja faminta e limpa” e que “sua
atividade sináptica cresceu 400% em menos de um mês”, vemos cenas de Jobe, com
um olhar “esperto”, resolvendo testes de lógica que ele não conseguia, antes, sequer
entender. Durante as cenas que mostram Jobe recebendo drogas e sendo imerso em

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


realidades virtuais, complementa a voz do Dr. Angelo: “seu cérebro humano responde
aos neurotrópicos e estimulação virtual mais rapidamente do que minhas cobaias
animais”. A seqüência encerra-se com o Dr. Angelo congratulando Jobe após sua
vitória no cyber-boggie: “Parabéns, você acabou de se graduar para o próximo nível”.
Mais recorrente do que a associação do personagem com a imagem do
videogamer, é o uso do videogame como a referência “estética” na construção fílmica
do ciberespaço. Nesse sentido, ele é pensado tanto como realidade logicamente
concebível e ancorado em analogias da realidade presencial (por mais “lisérgico” e
mesmo absurdo que possa ser, o ciberespaço não é um “sonho”) como é pensado
em termos de um espaço circunscrito de impossibilidades, como de fato são os
videogames onde, dentre outras coisas, as regras de funcionamento da realidade são
distorcidas ou ignoradas a fim de realçar esta ou aquela possibilidade performática.

|
Na diegese de Tron, existe todo um mundo virtual contíguo ao mundo
presencial populado por “avatares” de usuários e videogamers humanos. A proposta

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


inovadora de Tron, que tornou-se rapidamente lugar comum, foi imaginar o
ciberespaço como uma realidade onde a simulação fosse tão plena e análoga à
realidade presencial que não teríamos como distinguir sensorialmente uma da outra.
Tron não foi o primeiro filme a mostrar como deveria ser uma realidade virtual
computadorizada, mas foi o primeiro filme a representar o ciberespaço como
ambiente de imersão, o que difere das telas que mostram modelos de simulação
tridimensionais, como aquelas vistas em 2001: A Space Odissey (figs. 68 a 72) ou
Star Wars (figs. 73-75). O ciberespaço imaginativo de Tron é evidentemente
influenciado pela estética do videogame, a despeito das enormes diferenças gráficas
entre o videogame daquela época e as imagens do filme. Esse ciberespaço é
justificado mesmo como uma “grande arena de videogame” que conecta todos os
videogames e computadores do mundo, do arcade do Flynn’s aos computadores do
Pentágono. Essa conexão entre o mundo presencial e o mundo virtual é apresentada
logo no início do filme, em uma seqüência que começa com uma moeda sendo
colocada em um arcade de videogame adornada com traços geométricos e
luminosos, realçadas pelo ambiente escuro de seu entorno. A seqüência (fig. 83)

137
Julho de 2005
continua com uma voz dizendo, em off, “all right, give me room, here we go” e vemos
uma mão empunhando o joystick que controla um dos dois traços luminosos – um
laranja e outro azul – que vão se desenhando no monitor escuro, em segmentos de
reta contínuos e perpendiculares. Conforme o zoom amplia a área da tela do

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


videogame para um primeiro plano, vemos que o jogo chama-se “lightcycle” e que a
partida em andamento é entre um jogador e o computador. A tosca imagem
bidimensional da tela do arcade se funde lentamente com a sofisticada imagem do
ciberespaço “por trás” do videogame: um ambiente tridimensional com um extenso
plano quadriculado delimitado por paredes com grafismos de inspiração “tecno-
futurista” sobre o qual correm dois bólidos que lembram motocicletas feitas com
sólidos geométricos regulares. São as “lightcycles” do ponto de vista de “dentro” do
ciberespaço. As arestas que definem seu desenho são marcadas por linhas claras e
as lightcycles deixam, no seu rastro, paredes verticais que visam bloquear a trajetória
do oponente, destruindo-o. Intercalados entre as cenas em que os veículos correm
sobre o tablado quadriculado, vemos os closes de duas figuras humanas: são os
“pilotos” virtuais das lightcycles. Seus rostos são monocromáticos e o corpo é suporte

|
de grafismos luminosos que lembram a regularidade do traçado de circuitos
impressos. Um é a projeção do videogamer no ciberespaço, o “avatar” do jogador

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


humano, coisificado como entidade virtual, e o outro, o avatar do computador,
antropomorfizado com feições humanas. A seqüência justapõe cenas da tela do
arcade, onde vemos apenas duas linhas correndo sobre um fundo preto, com as
cenas do ciberespaço “por trás das telas”, onde fantásticas motos realizam manobras
absurdas em cantos retos e sem inclinação. Quando a moto do avatar humano
espatifa-se no ambiente virtual, a mão, no mundo presencial, imediatamente bate no
joystick e ouve-se uma voz praguejar “Damn!”.

138
Figura 100 (Tron)
Figura 99 (Tron)

Figura 102 (Wargames)


Figura 101 (Wargames)

Figura 103 (Wargames)


Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

139
Figura 104 (The Lawnmower Man)

Figura 105 (The Matrix)


Figura 106 (The Lawnmower Man)
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

140
Julho de 2005
Tron também foi o primeiro filme a oferecer uma visão de “videogame” em
“primeira pessoa” (que praticamente não existia naquela época), uma perspectiva que
a diegese tornou possível com a imersão do videogamer no ambiente virtual. Essa
visão é a mesma utilizada para tipificar o que acontece “por trás dos monitores” de

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


um computador. Na seqüência em que Flynn tenta invadir o sistema do Master
Control Program (fig. 84), vemos Flynn, vestido de kimono, na penumbra de seu
quarto, mal iluminado por um abajur, e com o rosto iluminado pela claridade do
terminal de computador à sua frente. Enquanto ouvimos o ruído do teclado, um close-
up mostra o que Flynn está digitando: “REQUEST ACCESS TO CLU PROGRAM
CODE 6 PASSWORD TO MEMORY 0222”. Aos poucos, a imagem do texto se funde
com um ambiente virtual tridimensional, onde uma grade quadriculada se estende até
a linha do horizonte e sobre a qual elevam-se blocos geométricos que desenham um
gigantesco labirinto. Entre as enormes paredes vemos um veículo que lembra um
tanque de guerra, composto de formas sólidas simples e com contornos realçados
por traços vermelhos. O interior do tanque é um pequeno ambiente cheio de
grafismos e linhas luminosas, assim como o corpo da figura antropóide que executa

|
movimentos mecânicos. O avatar “virtual” possui a mesma fisionomia de Flynn, seu
usuário do mundo presencial. A semelhança entre ambos indica a extensão da

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


personalidade presencial no mundo virtual dentro dos computadores; a comunicação
vocal entre Flynn e seu avatar no tanque é a tradução verbal daquilo que é visto
textualmente em código no monitor no mundo presencial. O videogame do fliperama
e o computador de Flynn são, na diegese, as portas para um mesmo ambiente, uma
realidade virtual que é o campo da experiência no ciberespaço. Enquanto no mundo
presencial as nossas mediações são limitadas a pobres interfaces baseadas em
monitores de vídeo como “output” e joysticks e teclados como “inputs”, o mundo
virtual abre um novo universo de experiências sensórias iguais ou melhores que das
experienciadas no mundo presencial.
Ao contrário de Tron – que propôs um tipo de realidade virtual sintetizada por
computador e perspectivas dessa realidade em primeira pessoa, coisa que as
tecnologias dos videogames e computadores não conseguiam produzir em tempo real
naquela época – Wargames, filme contemporâneo de Tron, mostra um ciberespaço
mais conservador, similar ao que havia em termos de jogos de computador e
videogames no início dos anos 1980. Em Wargames, as representações do
cibernético estão ancoradas em imagens e situações que eram mais familiares e,

141
Julho de 2005
portanto mais confortáveis – apesar de visualmente mais pobres – aos espectadores
da época, ao contrário de Tron, que exigiu até mesmo o desenvolvimento de novas
tecnologias de computação gráfica e de trucagem fotográfica para criar imagens de
mundos jamais vistos anteriormente. Entretanto, assim como em Tron, o videogame

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


é, em Wargames, referência fundamental tanto para as representações do
ciberespaço como para a história narrada onde a guerra termonuclear é reduzida a
uma espécie de jogo de computador. As imagens do ciberespaço em Wargames são
bastante convencionais, mais arcaicas em termos estéticos do que aquelas já
propostas nas visualizações tridimensionais vistas em 2001: A Space Odyssey e Star
Wars. Mas a idéia fundamental aqui é a de que as telas de computador representam
um mundo virtual – vale relembrar, um mundo visual – descontínuo do mundo
presencial mas contíguo a ele e capaz de trazer conseqüências reais. Como o filme
mostra, enquanto em um arcade de fliperama, o máximo de conseqüência real do
videogame é gerar atrasos no dia-a-dia de David. Mas, quando ele lança seus
mísseis virtuais no que pensa ser apenas um videogame chamado “Thermonuclear
War”, as imagens que aparecem nas inúmeras telas do NORAD são interpretadas

|
pelos militares como um ataque real dos russos. O filme trabalha com o argumento de
que se a mesma lógica por trás da simulação dos videogames é utilizada para simular

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


mundos presenciais, as fronteiras que separam aquilo que é cópia daquilo que é
original podem se confundir.
A partir dos anos 1990, ainda que permaneça esteticamente muito presente,
o videogame começa a decair como referência literal. The Lawnmower Man e Johnny
Mnemonic são filmes que pontuam bem essa transição, enquanto no primeiro, a
realidade virtual continua sendo efetivamente a instância de um jogo, o segundo já
caracteriza a realidade virtual como um espaço de interação humano-computador –
não mais o videogame, apesar de preservar sua estética visual – refletindo,
possivelmente a naturalização do computador no cotidiano das pessoas. Como o
cyber-boogie usado pelo Dr. Angelo para testar Jobe, a maior parte das
representações do ciberespaço de Lawnmower Man são literalmente videogames. A
seqüência de abertura (fig. 106) intercala as imagens de um chimpanzé acoplado a
diversos gadgets de realidade virtual e as imagens em primeira pessoa da realidade
virtual na qual está imerso. A paisagem virtual por onde ele flutua é mostrada em uma
perspectiva de jogo muito similar à que era encontrada no primeiro PC-game em
primeira pessoa, o Wolfenstein 3D. Durante a seqüência, típica de um videogame,

142
Julho de 2005
avisos vocais, textos e ícones aparecem na tela: um símbolo piscante de “bio-hazard”
com uma barra com o aviso “TOX-DET” e, conforme ocorrem explosões virtuais e
inimigos estilizados são destruídos pelo chimpanzé-videogamer, surgem alertas de
“THREAT” e “KILL COMPLETE”. Johnny Mnemonic, por sua vez, marca uma nítida

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


transição no cinema na qual não há mais a referência literal ao videogame, apesar de
utilizar praticamente as mesmas alegorias tecnológicas utilizadas em The
Lawnmower Man, tanto na representação do ciberespaço como nos equipamentos e
gadgets utilizados para a imersão do usuário no virtual. Possivelmente, à época da
produção de Johnny Mnemonic, os computadores e as interfaces gráficas, assim
como a cibercultura relacionada ao consumo de gadgets cibernéticos, já estivesse
socializada suficientemente para dispensar o videogame como a referência por
excelência do ciberespaço.
Apesar do videogame não ser mais a imagem literal do ciberespaço e da
relação humano-computador, sua influência estética persiste até os filmes mais
contemporâneos, tais como The Matrix, onde as seqüências de luta corpo-a-corpo
são nitidamente influenciadas pelos exageros, planos e tomadas utilizadas em

|
videogames. Há também referências aos “cartuchos” utilizados para implantar
conhecimento diretamente na mente dos personagens, dispensando o “aprendizado”.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Esses “cartuchos”, que lembram os antigos cartuchos de videogame, aparecem na
seqüência em que Neo é submetido ao “combat training” (fig. 105). A tela de um
computador do “operador” mostra bonequinhos estilizados em posição de combate
sobre grafismos de caracteres enquanto os dizeres “JU JITSU”, “KEMPO”, “TAE
KWON DO”, “DRUNKEN BOXING” vão se alternando. A imagem de um cérebro na
tela do computador sendo “preenchida” indica o nível do upload do conhecimento no
cérebro de Neo. As cenas de luta no ciberespaço em The Matrix apresentam planos
evidentemente influenciados pelos videogames de luta que se popularizaram a partir
dos anos 1990, tais como o Mortal Kombat e Street Fighter, reproduzindo no cinema
estereótipos39 típicos desses jogos, como a forma dos oponentes se encararem antes
de uma disputa (fig. 107), os saltos sobre-humanos com cambalhotas (fig. 108) ou
que se prolongam durante longos momentos (fig. 109), o lançamento espetacular do
oponente golpeado (fig. 110), o efeito “estroboscópico” que apresenta em uma

39
Na verdade, a maioria desses estereótipos provém dos mangás (histórias em quadrinhos) e dos
animes (desenhos animados). Porém foi por meio dos videogames que tais estereótipos tiveram ampla
penetração no mercado de massas não-japonês.

143
Julho de 2005
mesma imagem diversos momentos de um movimento a fim de conotar uma grande
velocidade (fig. 111) e impossíveis saltos seguidos de um vôo horizontal contra o
oponente (fig. 112).
A referência que os filmes fazem aos videogames não é gratuita, visto que

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


estes foram, bem antes dos personal-computers, os primeiros instrumentos de
mediação sensível com simulação de modelos computadorizados disponibilizados no
mercado de massas e, durante muito tempo, as únicas referências de ciberespaço
tangíveis ao senso comum. O videogame é referência recorrente no cinema sempre
que é necessário um mediador entre o conhecimento de senso comum e a descrição
de ambientes novos e inusitados construídos pelo computador. Frente ao
distanciamento, e mesmo estranhamento diante de gadgets que mediam realidades
virtuais novas, a generalização do ciberespaço impalpável dos computadores como
uma espécie de videogame é uma forma de naturalizar o estranho, tipificando-o como
uma instância do conhecido.
Além disso, o cinema não deixa de incorporar o fato de terem sido – e ainda
serem – os videogames os primeiros modelos de realização prática do que Lupton

|
(2000, p. 479) chama de “discurso do desincorporação” (“discourse of
disembodiment”), central na cibercultura, onde o computador oferece a fuga do corpo,

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


e este é “freqüentemente representado como uma infortunada barreira para a
interação com os prazeres da computação”. Segundo a autora, “o sonho da
cibercultura é deixar a ‘carne’ para trás” destilando o relacionamento com o
computador em algo “limpo, puro e descontaminado”. Assim, não é por acaso, que
quando surgem na década de 1980, pouco antes do lançamento do Macintosh, as
primeiras representações fílmicas da interatividade do ser humano com o
ciberespaço, essas fossem predominantemente ancoradas na experiência real que
era experimentada não nos arcaicos computadores de interface textual – máquinas
de recursos limitados e pobres em experiência sensível – mas nas mini-realidades
simuladas nos populares arcades e consoles de videogame. O “discurso da
desincorporação” se traduz nos filmes na transformação do ciberespaço em um lugar
privilegiado da realização da ação, nos quais os personagens têm o seu melhor
desempenho, transformados em entidades virtuais desvencilhadas das coerções do
mundo físico. A trajetória dessas representações ao longo dos filmes, e as
racionalizações diegéticas que as engendram, das mais plausíveis às mais absurdas,
mostra a metamorfose da própria mentalidade acerca do ciberespaço.

144
Julho de 2005
Figura 107
Oponentes se encaram
antes de luta em The
Matrix e no videogame
Mortal Kombat.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Figura 108
Cena do filme The
Matrix e screen-shot do
videogame Street
Fighter.

Figura 109
Imagem do ápice de
salto que precede
golpe, em The Matrix e
no videogame Street
Fighter.

|
Figura 110
Oponente sendo

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


lançado à distância, em
The Matrix e no
videogame Street
Fighter.

Figura 111
Efeito “estroboscópico”
típico dos movimentos
“mais rápidos que os
olhos”, em The Matrix e
no videogame Mortal
Kombat.

Figura 112
Salto com vôo
horizontal, em The
Matrix e no videogame
Street Fighter.

145
Julho de 2005
Em Tron, Flynn é inserido no ciberespaço por meio de um gadget quase
inexplicável que desintegra objetos físicos por meio de um canhão de laser e os
transforma em dados de computador. Quando Flynn é atingido pelo canhão (fig. 100),
o tempo parece congelar-se e seu corpo é esquadrinhado e recoberto por uma grade

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


de cubos. Em uma espécie de animação suspensa, ele é rastreado e
desmaterializado cubo a cubo. Sugado para as entranhas do computador através do
feixe de luz, acompanhamos seu percurso por formas caleidoscópicas que, aos
poucos, se transformam em um cenário sintético de luzes e objetos geometrizados
(fig. 87). Dentro de um ambiente “in door” no ciberespaço, uma área reservada à
entrada de novos programas no sistema do MCP, um feixe de luz materializa o corpo
de Flynn (fig. 113) e assim que ele recobra a consciência, é recepcionado por
“guardas” que o conduzem, sob a mira de bastões elétricos (fig. 114), às celas
reservadas aos programas “rebeldes”, que insistem na existência dos “usuários” (fig.
115). Por meio dos programas que dividem a cela com ele, Flynn descobre que está
dentro do MCP e que freqüentará a arena dos videogames, não mais como usuário,
mas do lado oposto do monitor, preso ao ciberespaço. É como entidade virtual nesse

|
ciberespaço que Flynn obtém aquilo que não consegue como um “usuário”, pelo lado
de lá do monitor. Não mais limitado pela condição de exterioridade ao ciberespaço,

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Flynn, um “game warrior” por vocação, pode ludibriar a vigilância do MCP e trafegar
pelas entranhas do ciberespaço atrás das informações capazes de mudar sua
condição no mundo presencial e, de quebra, libertar, no mundo virtual, os softwares
oprimidos pelo sistema autoritário do Master Control Program.
O realismo de um filme é conduzido tanto pelas aparências de realidade
como pela consistência das racionalizações utilizadas pela diegese. Assim como os
filmes de ficção-científica em geral, os filmes ciberculturais são permeados por
racionalizações derivadas do discurso científico-tecnológico – não necessariamente o
mesmo discurso – sobre as quais desenvolve-se a estrutura lógica que sustenta a
diegese. É bem verdade que no sentido de propor uma impossibilidade concebível,
Tron, comparado a outros filmes ciberculturais, parece estar mais para um conto de
fadas ou uma história infantil – como aquelas que propõem mundos habitados por
automóveis antropomorfizados – do que para uma ficção científica. Mas também é
verdade que a falta de consistência das suas racionalizações, substituída por uma
liberdade poética e metáforas lúdicas nem sempre eficazes ou lógicas, também é
reflexo da falta de “massa crítica” para produzir racionalizações e da dificuldade de

146
Julho de 2005
propor imagens plausíveis do ciberespaço a partir da tecnologia conhecida na época.
A interface gráfica sequer era imaginada fora dos laboratórios tecnológicos e a
computação gráfica parecia ser um luxo sem grande utilidade. Não existia, exceto as
rudimentares visualizações dos videogames, nenhum tipo de tecnologia de imersão

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


no ciberespaço. E mesmo o mais primitivo de todos os dispositivos de imersão do
“corpo” na realidade virtual, o mouse, era desconhecido fora dos laboratórios em
1982.
Se por um lado, as racionalizações de Wargames, filme contemporâneo a
Tron, parecem mais consistentes e minimamente aderentes com as possibilidades
tecnológicas conhecidas, por outro lado, sua representação do ciberespaço é muito
mais pobre visualmente e a diegese não o apresenta como uma realidade virtual de
imersão. Em Wargames, a relação que os personagens têm com o ciberespaço é
essencialmente baseada na inteligibilidade de códigos e esquemas, onde o
videogame funciona mais como uma metáfora do que como um modelo de interação
humano-computador baseado em mediações sensíveis. O jogo que David e o WOPR
travam é mediado sem dúvida por imagens (fig. 103), mas ao contrário da proposta

|
altamente sensorial de Tron, o mundo virtual de Wargames desenrola-se como uma
série de planisférios esquemáticos. De certo modo, Wargames era um filme mais

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


confortável para o espectador pois sua diegese adere às mesmas categorias
utilizadas para dar conta da realidade cotidiana, ao contrário de Tron, freqüentemente
lembrado como um filme interessante porém um tanto quanto absurdo e
incompreensível. Mas a influência deste na representação do ciberespaço nas
produções posteriores é muito maior do que Wargames o que, talvez, demonstre a
afinidade que a percepção de “ciberespaço” tem com o visual, mesmo que
eventualmente não faça muito sentido do ponto de vista “racional”.
Foi em The Lawnmower Man que o cinema introduziu as primeiras
representações que mostram o ciberespaço mediado por gadgets de imersão virtual,
lembrando que em Wargames não há imersão do personagem no ciberespaço e Tron
não apresenta uma explicação consistente de como se dá essa imersão. Os
personagens de The Lawnmower Man utilizam e vestem parafernálias que a diegese
propõe serem os meios que ao mesmo tempo em que emulam sensações visuais,
auditivas, táteis e cinéticas, isolam o corpo do ambiente presencial, a fim de
proporcionar uma experiência otimizada de imersão no ciberespaço. O filme
introduziu na cultura de massas a imagem da workstation de realidade virtual (figs. 59

147
Julho de 2005
e 60), conceito que se consolidou nos anos 1980 com o uso integrado do HMD (Head
Mounted Display) e datagloves, dispositivos desenvolvidos especificamente para
emular a relação sensorial do usuário em um ambiente virtual (figs. 57 e 58). O HMD
consiste de dois visores colocados à frente de cada olho que projetam imagens com

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


pequenos desvios de paralaxe entre elas, a fim de simular o efeito tridimensional da
binocularidade. O dispositivo também captura a posição e os movimentos da cabeça,
de forma a reproduzir em tempo real as imagens que usuário vê de acordo com tais e
quais movimentos fisicamente realizados. E as datagloves são luvas que utilizam a
tecnologia de “motion capture” na qual o computador é capaz de apreender e
reconstruir virtualmente os movimentos capturados por sensores cinéticos junto ao
corpo ou em parte dele, como a mão, no caso das datagloves. O mouse, por
exemplo, é um dispositivo que registra o movimento de apenas um sensor e em
apenas duas dimensões, enquanto que uma dataglove possui diversos sensores,
localizados nas articulações e extremidades e o seu movimento é registrado em três
dimensões. Os uso conjunto da HMD e datagloves também introduz um “coeficiente
de proprioceptividade” virtual, na medida em que torna sensível a presença de partes

|
do corpo – cabeça e mãos – em um espaço virtual. Além da workstation de realidade
virtual, The Lawnmower Man apresenta usuários montados em estruturas mecânicas

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


que supostamente reproduzem o movimento, ou parte dele, que eles têm na
realidade virtual, tecnologia que já era utilizada nos arcades de videogame como o
After Burner (1987) ou R-36040 (1991, fig. 56).
Em uma das seqüências de The Lawnmower Man, na qual o Dr. Angelo está
“relaxando” imerso no ciberespaço com suas datagloves e HMD (fig. 120), vemos o
corpo virtual dele “caindo” e “voando” pelos lisérgicos ambientes ciberespaciais. Seu
isolamento das frustrações do mundo presencial é interrompido quando sua esposa
desliga repentinamente o computador, produzindo um “choque” com a realidade.
“Nunca desplugue um programa quando eu estiver conectado. Você acabou de
arruinar todo o efeito”, pragueja o Dr. Angelo. Sugerindo uma crítica em relação ao
distanciamento do marido com as coisas reais, ela retruca, lendo no CD que acabou
de tirar do computador: “Falling, floating, and flying? So, what’s next, fucking?”. Com
efeito, outra seqüência mostra Jobe e uma mulher, Marnie, em uma espécie de

40
O R-360 da SEGA era um simulador de combate aéreo e seu maior atrativo era a cabine montada
sobre um mecanismo que permitia a rotação em 360º para qualquer direção, reproduzindo a posição
do avião virtual pilotado pelo usuário, deixando-o, inclusive, de cabeça para baixo.

148
Julho de 2005
experiência sexual ciberespacial na qual os corpos virtuais se tocam, se abraçam e
se fundem, enquanto os corpos físicos permanecem isolados e separados pela
parafernália de simulação (fig. 121). Porém, o filme leva a realização do “discurso do
desincorporação” mais longe. Convencido de que a realidade virtual não é apenas

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


uma simulação, mas uma nova dimensão, Jobe decide completar sua evolução,
iniciada com os videogames, por meio da imersão total no ciberespaço para levar a
cabo seus projetos de dominar todas as redes de computadores do mundo. Em uma
das seqüências finais do filme (fig. 122), após se conectar à parafernália da
workstation de realidade virtual, ouve-se a voz de Jobe em off e vemos seu corpo se
desmaterializar – literalmente, como que sugado pelo equipamento que veste – e
Jobe, libertado das limitações físicas, transforma-se exclusivamente em uma entidade
virtual capaz de circular livremente pelas redes de telecomunicações pelo mundo,
argumento bastante similar ao utilizado em Tron, uma década antes.
Utilizando recursos semelhantes, todas as peripécias do protagonista do filme
Johnny Mnemonic, uma espécie de “hacker do futuro”, acontecem dentro do mundo
virtual da Internet. Como não poderia deixar de ser, pouco realiza enquanto

|
personagem presencial mas quando Johnny veste seu HMD e suas datagloves ele
encontra seu ambiente natural e obtém tudo aquilo que o mundo presencial lhe nega.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Após sofrer uma série de reveses no mundo presencial, perseguido pela Yakuza,
Johnny resolve acessar a Internet para descobrir porque sua cabeça – literalmente –
está a prêmio. Conectado ao ciberespaço da Internet (fig. 88), parece entrar na arena
de um grande jogo: paisagens coloridas e objetos geométricos iluminados,
publicidade espalhada por todo o cenário virtual, como uma grande cidade eletrônica.
Essa seqüência intercala cenas de Johnny movendo a cabeça para o nada e
movimentando as mãos para pegar coisas no vazio com cenas do que ele vê em
primeira pessoa, na realidade virtual. Vemos a projeção de suas datagloves no
ciberespaço manipulando objetos virtuais a fim de acessar um Hotel em Beijing (fig.
88, primeira coluna) e invadir seu sistema de computadores, procurar o destinatário
de um fax no buffer de dados do fax do quarto desse hotel (fig. 88, segunda coluna) e
acessar a loja em Newark para onde o fax foi enviado (fig. 123).

149
Figura 117
Figura 116
Figura 113 (Tron)

Figura 119 (The Lawmower Man)


Figura 115 (Tron)
Figura 114 (Tron)

Figura 118

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

150
Figura 120 (The Lawmower Man)
Figura 121 (The Lawmower Man)
Figura 122 (The Lawmower Man)

Figura 123 (Johnny Mnemonic)


Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

151
Figura 124 (The Matrix)
Figura 125 (The Matrix)
Figura 127 (The Matrix)
Figura 126 (The Matrix)

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

152
Julho de 2005
O ápice da apologia ao mundo virtual surge com o filme The Matrix. Sua
diegese é centrada na Matrix, sistema de realidade virtual no qual toda a humanidade
está presa e crente de que vive uma realidade presencial. A representação visual do
ciberespaço de The Matrix rompe com a tradição iniciada com Tron, quase duas

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


décadas antes, onde as diegeses sempre identificaram as imagens do ciberespaço
com o uso ostensivo de “traços de irrrealidade” em oposição aos “traços de realidade”
das imagens fotográficas, reservadas para identificar a realidade presencial. Já em
The Matrix, contudo, o ciberespaço também é representado com o uso da imagem
fotográfica a fim de denotar que é uma réplica exata do mundo presencial, exceto
pelo fato de que o virtual permite que “regras” de funcionamento da realidade sejam
quebradas. De fato, The Matrix não eliminou os “traços de irrealidade” que
caracterizam o ciberespaço, apenas os reinventou. É o que dá às suas
representações do ciberespaço uma característica particularmente paradoxal, já que
a mesma construção fílmica contém tanto estes “traços de irrealidade” como os
“traços de realidade” apoiados na imagem fotográfica. Assim, a despeito das
aparências de realidade presencial, o mundo da Matrix é o mundo onde as regras de

|
funcionamento da realidade podem ser exageradas e trapaceadas. Como acontece
nos videogames.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


A seqüência inicial (fig. 124) do filme nos oferece os primeiros sinais de que a
realidade mostrada não se conforma aos critérios que validam a realidade presencial.
No que parecia ser uma operação policial rotineira em um pequeno quarto de um
velho edifício, Trinity, uma hacker procurada é surpreendida enquanto tentava fazer
contato com Neo, outro hacker. Aparentemente acuada, ela vira-se de forma
cautelosa para, de repente, dobrar o braço do policial mais próximo. Com os policiais
ainda surpresos frente ao ataque, Trinity salta para dar o golpe fatal e vemos o efeito
visual que The Matrix tornou famoso: o “slice time effect” ou “bullet time effect”. O
tempo nesse momento congela, como se nós, juntamente com Trinity, pudéssemos
apreender toda a realidade ao redor no tempo infinitesimal que dura o ápice de seu
salto, antes dela desferir um chute anormalmente violento. O segundo momento
absurdo da seqüência fica por conta da corrida que Trinity realiza pelas paredes a fim
de se desviar dos tiros. Na seqüência imediatamente posterior a esta, vemos que não
é apenas Trinity que é capaz de subverter as regras de funcionamento da realidade.
Ao chegar no limite de um edifício Trinity não para, mas salta de um edifício a outro,
literalmente atravessando a rua pelo ar. Quando o grupo de policiais que a perseguia

153
Julho de 2005
é obrigado a parar, a fala do policial – “That’s impossible” – verbaliza a nossa própria
surpresa não só frente ao salto dela, mas também diante do salto do “agente”, ainda
mais eficaz e preciso (fig. 125).
“Guns, a lot of guns”, diz Neo ao celular enquanto ele e Trinity aguardam no

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


“loading program”, espaço virtual intermediário pelo qual as projeções virtuais dos
personagens humanos passam antes de entrar na Matrix. É um espaço vazio,
totalmente branco, sem céu ou terra para dividir o horizonte. Após ouvir as instruções,
Tank, o “operador”, dá meia dúzia de toques no teclado e – como os códigos secretos
dos videogames que permitem ao jogador ter munição ilimitada ou acesso a todas as
armas do jogo – uma infinidade de armas surge do infinito cobrindo todo o horizonte
imaginário do “loading program” (fig. 126). Essa imagem, assim como outras do
filme, como a sequência em que Neo é introduzido pela primeira vez no ciberespaço
depois de conhecer o “mundo real” fora da Matrix (fig. 79) ou quando o cenário de
uma cidade surge aos pés de Neo e Morpheos (fig. 127), evocam o ciberespaço
como uma possível instância da singularidade, onde qualquer coisa pode surgir do
nada. Possivelmente as cenas nas quais Flynn, em Tron, é materializado no

|
ciberespaço (fig. 113) e motocycles se materializam em volta dos personagens (fig.
85) são as primeiras a imputar à realidade virtual essa possibilidade. Não muito

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


diferentes são os widgets41 de The Lawnmower Man, Johnny Mnemonic e de tantos
outros filmes, que surgem do nada, reproduzindo uma lógica muito similar à dos
widgets que já eram populares nas interfaces gráficas dos computadores. O
planisfério que Johnny abre para “navegar” na Internet (fig. 88) ou o menu que o Dr.
Angelo abre vazio (fig. 120) são apenas versões mais espetaculares dos menus e
“popups” que existem em qualquer personal-computer. Contudo, em nenhum desses
filmes, o ciberespaço representado pretende ser “idêntico” à realidade que
conhecemos. A proposição de uma realidade alternativa e oposta à presencial está
dada na própria imagem sintética que caracteriza a maioria dos filmes, ao contrário
do ciberespaço de The Matrix, onde mesmo as coisas mais impossíveis – como
coisas que surgem do nada – e extremamente exageradas são representadas com
fidelidade fotográfica. E as infinitas prateleiras de armas que surgem com o toque no
teclado apenas anunciam o apoteótico exagero que virá nas seqüências seguintes,

41
Componente de interface gráfica com o qual o usuário interage. Exemplos de widgets: botões,
ícones, barras de rolagem, janelas e pop-ups, caixas de diálogo, menus. Um widgets pode ser
composto por outros widgets, como por exemplo o desktop do computador.

154
Julho de 2005
quando Neo e Trinity entram na Matrix para resgatar seu líder, Morpheos, capturado
pelos agentes.
A regra básica dessas seqüências é o exagero. Na seqüência que inicia a
invasão ao edifício onde Morpheos está preso (fig. 95), Neo é solicitado a mostrar os

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


objetos metálicos no detector de metais no lobby de entrada. Ele exibe suas armas,
em uma nítida releitura do estereótipo do “homem-armado-até-os-dentes” dos filmes
de ação de Stallone e Schwarzenegger. Quando Neo ataca o segurança mais
próximo, o filme desacelera e roda em um slow-motion que perdura até a chegada de
Trinity, permitindo que nos fixemos, junto com Neo, nos alvos que são mortos antes
mesmo que percebam o que está acontecendo. Assim que os guardas da entrada
são eliminados, chega um grupo de soldados, com fuzis e metralhadoras. “Freeze!”
grita um deles antes de Neo e Trinity saírem por lados opostos. A seqüência de ação
restante é uma montagem frenética, porém quase toda rodada em slow-motion, feita
para o deleite do exagero que caracteriza o ciberespaço da Matrix: cartuchos
deflagrados jorrando das armas, o cenário sendo destruído por tiros que nunca
atingem os protagonistas, enquanto eles correm, chutam, dão piruetas – atirando

|
durante elas – e eliminam um a um os adversários ao redor. A coreografia é a
apoteose do exagero, estetizada como um videogame e com ares de videoclipe.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Em The Matrix, o ponto máximo da apologia ao virtual está na seqüência que
mostra o agente e Neo se desviando de balas. Enquanto Neo descarrega suas
armas, os movimentos do agente se desviando das balas ficam sobrepostos, como
em um efeito “estroboscópico”, denotando visualmente que muitos movimentos foram
realizados em um curtíssimo espaço de tempo. A seguir, assim que Neo fica sem
munição, o agente descarrega sua arma. Logo após o primeiro disparo, o filme dilata
o instante que os projéteis levam para percorrer a distância entre o agente e Neo em
longos segundos de um travelling circular à sua volta, onde podemos contemplar de
forma espetacular os projéteis que se aproximam e passam um após o outro sem o
ferir, enquanto seu corpo se retorce abaixo deles. A última bala é, enfaticamente,
dirigida à nós, simples espectadores do mundo real, alvos passivos daquilo que nos é
projetado na tela do cinema (fig. 128). Apesar da lentidão da cena, tudo acontece em
uma breve “rajada de balas”, como atesta o comentário da própria Trinity: “nunca vi
ninguém se mover tão rápido”. Em oposição à percepção de tempo “real” dos tiros
contra o agente, tem-se a percepção de um tempo dilatado que emula o tempo virtual
no qual a mente e o corpo podem ser mais rápidos que uma bala.

155
Julho de 2005
Em Minority Report, a alienação do presencial é dada por realidades virtuais
que pretendem tanto emular experiências passadas a partir de fragmentos gravados
em hologramas como sintetizar as imagens do devir para evitar certas experiências
futuras. O futuro é reconstruído por meio de uma parafernália cibernética que

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


converte as visões dos “PreCogs” – para-normais sensíveis a eventos violentos – em
imagens virtuais que antecedem os crimes antes que eles aconteçam no mundo
presencial. As vagas visões de três indivíduos ligados em rede entre si são
convertidas na sólida certeza tecnológica: as imagens articuladas por simulações
computadorizadas dão o testemunho ocular que corrobora as provas materiais do
crime – duas esferas de madeira com os nomes da vítima e do criminoso, lapidadas
pelo mesmo maquinário premonitório – a ser evitado e punido antecipadamente (fig.
98). No filme, a virtualidade é também a presentificação das experiências passadas.
John Anderton não rememora, mas revive o passado por meio de fragmentos
petrificados em pseudo-experiências holográficas. As prateleiras cheias de retratos de
uma vida familiar alegre contrastam com o amplo apartamento vazio que se abre no
plano seguinte (fig. 132). Ninguém aparece quando ele diz “estou em casa”. As

|
únicas respostas que Anderton obtém são a música ambiente que começa a tocar e
as luzes do apartamento que se acendem. A pia sobre a qual ele despeja os pacotes

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


de “clarity”, uma droga, está cheia de louça suja. Em seguida (fig. 133), vemos
Anderton pegar um cartucho transparente com a etiqueta “Sean at the Beach” de um
pequeno rack com vários outros cartuchos, todos com etiquetas relacionadas a Sean,
seu filho que desapareceu misteriosamente: “Sean at home playing with toys”,
“Sean’s 4th birthday”, “Sean and Lara”, “Sean – Soccer”, dentre outros. Após inserir o
cartucho e apertar um botão no computador à sua frente, Anderton pede: “wall
screen”. Surge a imagem de Sean em tamanho natural, mais botões são apertados e
outros projetores começam a funcionar. Na medida em que o simulacro ganha
animação Anderton revive o diálogo que teve quando filmou o arquivo a que assiste.
Ele cumprimenta o filho, que responde enquanto ele anda na direção de Anderton: “Oi
pai. Pode me ensinar como correr mais rápido? Porque todos os meninos da minha
classe correm mais rápido que eu”. Os olhos de Anderton brilham enquanto re-
experiencia um momento com o filho desaparecido. “Eu te amo papai”, diz o menino
virtual antes de desaparecer gradualmente. Anderton “turbina” seus sentidos com
uma dose do “clarity” e insere o arquivo “Lara e John”, onde ele vê a esposa
mandando-o colocar a câmera de lado e “cuidar da sua esposa”. Ele se aproxima da

156
Julho de 2005
imagem tridimensional da esposa em tamanho natural, envolve-se com a experiência
mas o choque com o real emerge dramaticamente quando toda a simulação
desaparece e é substituída pela frase “END OF FILE”, bem à frente dos olhos
vidrados de Anderton.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


De Tron a Minority Report, há uma trajetória das representações do
ciberespaço que mostra uma tendência de naturalização da realidade virtual, cada
vez mais o lugar privilegiado da experiência, em detrimento da realidade presencial,
algumas vezes reduzida a um mero repositório de corpos físicos. O “modo de ver”
das construções fílmicas acerca do ciberespaço incorpora, invariavelmente, um
discurso visual que faz a apologia sem pudores ao sintético, ainda que camuflado por
um discurso textual que diga o contrário. De fato, por mais que os personagens digam
que a “realidade virtual não é real”, os filmes retratam o ciberespaço como o lugar
onde se realiza a existência “prática” e autonomia desses personagens, enquanto a
realidade presencial é o lugar da negação dessa autonomia. No modelo dicotômico
em que se opõe o virtual ao presencial, a apologia ao virtual – e portanto à
modernidade da qual ela é produto – implica na representação do presencial como

|
uma realidade medíocre: Flynn (Tron) é um programador fracassado que parece um
adulto infantilizado rodeado de brinquedos eletrônicos; David (Wargames) é um

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


simples garoto de desempenho escolar medíocre e viciado em videogames; o Dr.
Angelo e Jobe (The Lawnmower Man) são, respectivamente, um excêntrico cientista
abandonado pela esposa e um jardineiro retardado; fora da Internet, Johnny (Johnny
Mnemonic) é apenas um sujeito sem sobrenome com problemas de memória e alvo
de gangues que querem arrancar sua cabeça; os personagens desconectados da
Matrix (The Matrix), não passam de pessoas comuns, pouco atraentes, maltrapilhas e
perdidas em uma realidade desconectada do ciberespaço.
Apesar da recorrência de uma estrutura dicotômica onde a crítica do
presencial marca a apologia do virtual, há uma notória mudança do objeto de
estranhamento, que passa, conforme os filmes são mais recentes, do mundo virtual
para o mundo presencial. Em Tron, quando Flynn é “materializado” no mundo virtual,
o filme expõe o estranhamento de estar imerso no ciberespaço. Já em The Matrix,
quase duas décadas depois, somos solidários com o estranhamento de Neo frente ao
mundo presencial, quando ele acorda imerso em um líquido gosmento e vê seu corpo
repleto de cabos conectados diretamente na carne (fig. 129), após passar por uma
espécie de transe no mundo virtual que pensava ser presencial, onde viu um espelho

157
Julho de 2005
fundir-se e correr pelos seus braços engolfando-o (fig. 78). O que The Matrix coloca
em pauta é justamente a inversão do estranhamento, onde o virtual parece cada vez
mais com a realidade “por excelência” enquanto o presencial torna-se objeto de
estranhamento e frustração. Logo após acordar no mundo presencial, Neo é

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


apresentado às cenas do mundo fora da Matrix: cidades devastadas, “plantações” de
seres humanos em fazendas de fetos, bebês engatados aos casulos das usinas de
energia (fig. 131). É também um mundo vigiado por sentinelas, máquinas com traços
de molusco e inseto e que andam em bando para destruir qualquer ser vivo que
encontrem pela frente (fig. 130). The Matrix evoca o estranhamento ao mundo
presencial – repulsivo e povoado por aberrações: seres humanos maquínicos e
artefatos com aparência orgânica – e a naturalização do mundo virtual que se adequa
àquilo que aceitamos (nós, espectadores) como representação fílmica de uma
metrópole do final do século XX. Ao longo do percurso dessas representações, de
Tron a The Matrix, o que observamos é um estranhamento cada vez menor com o
ciberespaço, na medida em que ele não se parece mais com um espaço sintético,
como vinha sendo representado desde Tron, e na medida em que as próprias

|
entidades digitais desse ciberespaço são representadas como figuras humanas.
Contudo, continua sendo no virtual que os limites humanos são superados: quando

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


vemos, ao fim do filme, as balas que se aproximam lentamente de Neo parando no
ar, à sua frente e o código da “realidade da Matrix” estampado sobre o cenário (fig.
97), The Matrix reafirma a apologia ao mundo da fantasia sintética, no qual é
possível, não só viver a “vida”, mas transcender a mediocridade e estranhamento que
temos em relação à própria vida no mundo real.

158
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 128 (The Matrix)

Figura 131 (The Matrix)

Figura 129 (The Matrix) |


Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura

Figura 130 (The Matrix) Figura 132 (Minority Report) Figura 133 (Minority Report)

159
Julho de 2005
IV.4. Imagens da alteridade cibernética
A contrapartida da perspectiva que vê o computador como um meio de negar
o corpo é o movimento concomitante de humanização do computador. Nas

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


representações da alteridade cibernética, a inteligência é, talvez, o traço humano
mais essencial. A capacidade de a máquina jogar xadrez – notório símbolo de desafio
ao intelecto humano – é um índice recorrente não só de inteligência, mas também de
superioridade intelectual, que pode ser visto em filmes de diversas épocas, sejam
eles sobre computadores ou outras formas de “alteridades cibernéticas”. Em 2001: A
Space Odissey, HAL joga xadrez com Frank Poole (fig. 134); em Wargames, o xadrez
aparece em um documentário sobre o criador do WOPR (fig. 135); em Star Wars,
mesmo sem ser exatamente um xadrez, o robô C3PO é visto jogando um jogo de
tabuleiro similar (fig. 137); em Blade Runner, o jogo de xadrez é a primeira mediação
direta entre o andróide e seu criador (fig. 136).
A mediação do jogo é por si só um elemento de antropomorfização, na
medida em a máquina e o ser humano confrontam-se no mesmo nível de

|
interlocução. Mas além dos atributos intelectuais, são igualmente recorrentes tanto os
traços de emoção como o antropomorfismo na construção das alteridades

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


cibernéticas. Imaginar que os computadores possam ser semelhantes aos seres
humanos – dotados de personalidade, voz, fisionomia e, eventualmente, qualidades
que os tornam mais humanos do que o próprio ser humano – não é uma construção
restrita ao imaginário fílmico. Como observa Lupton (2000, p.482), “paradoxalmente,
enquanto a cultura do computador muitas vezes procura negar o corpo humano, a
forma como a tecnologia dos computadores é vendida e representada,
freqüentemente, desenha uma analogia entre o computador e o corpo humano”. A
tendência social de humanizar ou materializar um “corpo” no computador é uma
forma de se reduzir a ansiedade e o desconforto que ele provoca, proporcionando um
“sentido” à essa entidade construída para mimetizar faculdades humanas. Lupton
nota que a humanização dos computadores se manifesta de várias formas e é um
recurso praticamente exclusivo dos personal-computers: “ícones sorridentes não são
encontrados em outras tecnologias que as pessoas acham difíceis de usar, como os
videocassetes” (Lupton, 2000, p.484). Outro sinal de que os computadores são, ao
menos potencialmente, uma espécie de alteridade está na corriqueira metáfora do
“vírus de computador” que supõe que os computadores, assim como os humanos,

160
Julho de 2005
estão sujeitos à disseminação de doenças por vírus que, por sua vez, pode estar
relacionado a um comportamento “promíscuo” (Lupton, 2000, p.486). Contudo, a
tendência de se atribuir traços humanos ao computador não é recente, nem no
cinema e nem na vida social. Segundo Winegrad e Akera (1996), o ENIAC foi a

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


primeira máquina a ser chamada, pelo menos na mídia, de “cérebro eletrônico”, nome
que continuou sendo usado para se denominar os mainframes durante décadas.
Em 2001: A Space Odyssey, HAL 9000 manifesta diversos traços humanos: a
comunicação verbal e o tipo de relação (humana) que os demais personagens têm
com ele e vice-versa, as imagens “subjetivas” de HAL capturadas por seus “olhos”
que tudo vêem e, talvez o mais importante, os rudimentos de emoção que HAL
parece possuir, em certos casos até mais emocional que seus pares humanos. O
computador HAL 9000 é apresentado no filme juntamente com os astronautas Frank
Pole e Dave Bowman, na seqüência em que todos assistem à matéria sobre sua
missão no noticiário da BBC, a bordo da nave espacial Discovery One (fig. 138).
Quando o jornalista comenta que “a tripulação da Discovery One consiste de cinco
homens e uma das gerações mais avançadas dos computadores HAL-9000” vemos o

|
que seria um primeiro plano da “face” de HAL: um “olho” eletrônico vermelho
emoldurado em um retângulo com as inscrições “HAL 9000” ladeado por monitores

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


de vídeo, que nos permitem ver parcialmente o que o “cérebro eletrônico” pensa e vê.
Enquanto o programa de TV transcorre, o filme mostra planos do interior da nave,
normalmente sincronizados com a matéria à qual assistem os personagens. Em um
dado ponto do noticiário o repórter comenta:

(...) o sexto membro da tripulação não ficou preocupado com a hibernação


porque ele é o mais recente resultado em inteligência de máquinas: o
computador HAL-9000 que pode reproduzir, embora os especialistas prefiram
usar o termo “mimetizar”, a maioria das atividades do cérebro humano, e com
velocidade e confiabilidade incalculavelmente maiores. Falamos com o
computador HAL 9000 a quem, descobrimos, todos chamam de “Hal”.

161
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 134 (2001: A Space Odyssey)

Figura 136 (Blade Runner)

Figura 135 (Wargames)

|
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura
Figura 137 (Star Wars)

Figura 138 (2001: A Space Odyssey)

162
Julho de 2005
Em um dos monitores de vídeo, que exibe partes do programa de TV, o
jornalista parece se dirigir ao olho de HAL: “(...) você é o cérebro e o sistema nervoso
da nave. Entre suas tarefas está a de cuidar dos que estão hibernando. Isso lhe
causa alguma insegurança?”. Assim que HAL inicia sua resposta – “deixe-me colocar

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


nesses termos, senhor Amer: a Série 9000 é o mais confiável computador já feito.
Nenhum ‘9000’ jamais cometeu um erro ou distorceu informações” – vemos um close-
up da grande lente vermelha seguida de um plano que supõe-se ser a visão
“subjetiva” de HAL do interior da nave e dos astronautas sentados, durante o qual
HAL continua: “todos nós somos, por quaisquer definição prática das palavras, à
prova de falhas e incapazes de errar”. Um pouco mais adiante, perguntado se
acredita se HAL possuiria emoções genuínas, Bowman responde:

Bom, acho que ele age como se tivesse emoções genuínas. É claro que ele é
programado dessa maneira para tornar mais fácil que conversemos com ele. Mas
se ele possui ou não emoções reais é algo que acho que ninguém pode realmente
responder.

|
A capacidade de um computador conversar já manifesta uma forte
antropomorfização. A voz monótona e aveludada de HAL-9000 reflete sua natureza

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


sintética, porém ela também é o suporte da ansiedade e do medo ocasionado pela
sua desconexão. A transparência das emoções e fraquezas que HAL manifesta em
alguns momentos contrasta com a frieza dos personagens humanos frente às
adversidades ou à morte. Lupton (2000, p. 483) nota que atribuir emoções ao
computador é “um movimento discursivo que enfatiza sua natureza humanóide” pois
a emoção não só é um atributo dos seres vivos como também é considerada como
um “fenômeno que separa seres humanos dos animais, evidência de sua
sensibilidade, espírito e alma”.
No que se refere à caracterização de uma máquina como portador de
atributos humanos, até mais do que os próprios humanos, a seqüência em que Dave
desconecta HAL é emblemática (fig. 139). Vemos, pelo reflexo do olho de HAL, Dave
aproximando-se ameaçadoramente. “Dave, pare”, pede o computador. “Você pode
parar Dave?”, continua a voz de HAL enquanto Dave desconecta os cartuchos de
memória de HAL, um a um. “Tenho medo, Dave. Minha mente está se esvaindo”, diz
mais de uma vez com a voz progressivamente mais grave e lenta. Em um dado ponto
HAL começa a “delirar” e conversar como se estivesse na sua “infância”:

163
Julho de 2005
Boa tarde, senhores. Eu sou um computador HAL 9000. Me tornei operacional
nas instalações HAL em Urbana, Illinois em 12 de janeiro de 1992. Meu
instrutor foi o Senhor Langley e ele me ensinou a cantar uma música. Se quiser
ouvi-la posso cantá-la para você.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Dave pede que HAL cante a música e ele canta até que sua voz, quase
incompreensível, cesse. É inevitável reconhecer em HAL 9000 uma alteridade que
“experiencia” o drama da própria morte.
A alegoria do computador falante é um lugar comum quando se representa a
“inteligência artificial” e um traço antropomórfico essencial para se construir a
alteridade cibernética. Quando, em Wargames, David consegue acessar o WORP, a
tela do computador mostra o diálogo textual entre ambos que rapidamente é
substituído por diálogo verbal “Você quer ouvi-lo falar?”, pergunta à sua namorada
antes de ligar uma engenhoca com alto-falante. Diante do espanto de Jennifer (fig.
140) – “Como ele consegue falar?” – David explica que a caixinha apenas “interpreta
os sinais do computador e os transforma em som”. Por meio desse dispositivo, o “bip”
é substituído pela vocalização eletrônica – típico clichê da “voz de computador”:

|
sintetizada, estridente e metálica –, associada não à engenhoca que a justifica na
diegese, mas à voz de “Joshua”, nome humanizado do WOPR. A “voz” acompanha a

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


“fala” de Joshua ao longo de todo o filme, mesmo quando não há mais a engenhoca
"vocalizadora” na cena. Em Tron, Dillinger não só parece falar ao computador
embutido sob o tampo de vidro de sua mesa, como aos poucos percebe-se que a voz
que repete as frases do Master Control Program que surgem no monitor do
computador não é uma voz em off externa a diegese. É a voz que dialoga “de fato”
com Dillinger, pois este mal olha para o monitor e, em um certo momento, vira-se de
costas sem interromper o diálogo com o MCP, quando passamos a ver Dillinger pelo
reflexo da janela (fig. 144).
Contudo, nota-se em filmes mais recentes que a faculdade da fala deixou de
ser vista como uma manifestação da capacidade de pensar. Assim, em certos casos,
a “fala” perdeu seu “coeficiente de humanização”, caracterizando com mais
freqüência – quando há máquinas falantes – uma “interface” de comando vocal ou
simplesmente um gadget sonoro do que como um traço humano. Possivelmente isso
seja reflexo de uma realidade social que já está infestada de produtos que não
passam de caricaturas falantes incapazes de dialogar e, freqüentemente, objetos de

164
Julho de 2005
irritação e frustração onde a fala, muito longe de humanizar, transforma-se no signo
vocal da rigidez mecânica. Em The Matrix, os personagens humanos não conversam
com as máquinas ou com os computadores, cuja relação é estritamente mediada por
botões, teclado, texto ou interface gráfica, e em The Minority Report – reproduzindo

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


uma tendência que já era notória em Johnny Mnemonic e Lawnmower Man – a
faculdade da “fala”, por si só, é insuficiente para a construção de uma alteridade e ela
aparece nas cenas apenas como a vocalização de comandos textuais – não um
suporte de diálogos – ou como forma de satirizar a falta de bom senso da máquina.
Nas representações mais recentes do computador consolidou-se a tendência
de se desvincular os traços antropomórficos do hardware e de se enfatizar o caráter
humanóide do software. É uma tendência que já se encontra de forma embrionária
em Tron, o primeiro filme a humanizar o software, como se este fosse a “alma” do
computador: na diegese do filme, as entidades do ciberespaço – exceto o MCP –
compartilham as mesmas características antropóides da projeção virtual de Flynn.
Entidades que parecem gente, são softwares que trabalham ou foram capturados
pelo MCP, como esclarecem os diálogos surreais que se seguem após Flynn ser

|
capturado, assim que aporta no ciberespaço (figs. 113-114). Levado para a cela (fig.
115), um dos guardas do Master Control Program diz empurrando-o: “Videogame

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


unidade 18. Aqui programa!”. Flynn responde: “Ei, a quem você está chamando de
programa, programa?”. Dois companheiros de cela, Tron e Ram, observam o
“software” recém capturado e comentam:

- Outro programa livre off-line.

- Você realmente acha que os Usuários ainda estão lá?

- É bom estarem lá. Eu não quero fugir daqui e encontrar nada além de um
monte de circuitos frios esperando por mim.

Em uma seqüência posterior, Ram comenta com Flynn: “Eu era um programa
atuarial. Trabalhei para uma grande companhia de seguro. Realmente dá uma boa
sensação ajudar as pessoas planejar suas necessidades futuras”. O MCP, por sua
vez, inaugurou a antropomorfização da imagem sintética. Dentro do ciberespaço, a
voz do MCP é uma “besta” digital que tem um “rosto” lapidado por polígonos
sintetizados por computador (fig. 141), um tipo de construção da entidade virtual que
se tornou um estereótipo corriqueiro, tal como podemos ver em Johnny Mnemonic na

165
Julho de 2005
personificação da BBS que Johnny consegue “hackear” (fig 142) ou no corpo
humanóide de Jobe, de The Lawnmower Man, quando ele transforma-se em uma
entidade totalmente ciberespacial (fig. 122).
Contudo, é em The Matrix que temos a antropomorfização total da alteridade

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


ciberespacial. Aqui, desde que a diegese supõe um mundo virtual cujo funcionamento
simula exatamente o mundo presencial de 1999, a figura humana é a imagem que
representa tanto as projeções virtuais dos seres humanos no ciberespaço como os
programas residentes na Matrix, tais como os “agentes”. Nos filmes precedentes, a
representação dos híbridos ciberespaciais baseia-se na articulação sintagmática de
signos visuais que originalmente pertencem a categorias distintas e descontínuas,
tais como signos associados a atributos e corpo humanos e signos associados ao
inorgânico e artificial, tais como linhas luminosas, polígonos, sólidos geométricos
primitivos, superfícies hiper-reais, códigos textuais e números. Em The Matrix, os
“agentes” – programas vigilantes da Matrix – além de possuírem uma aparência
humana, reproduzem o estereótipo de “agentes do FBI”. Esse recurso privilegia a
apreensão do “agente” dentro de quadros relacionados com categorias sociais –

|
inclusive nas diversas conotações que um “agente” de terno preto e óculos escuros
pode ter – em detrimento de categorias relacionadas com o artificial e o sintético. É

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


na manifestação de certos traços de “irrealidade”, em particular no que tange à
performance surreal dos personagens, por exemplo que se revela a condição artificial
do que é representado como humano, seja ele “agente” ou não.
A construção da computação como um meio de negar o corpo, por um lado, e
como suporte de atributos humanos, por outro, está relacionada a uma lógica mais
ampla, derivada das possibilidades – reais ou imaginárias – abertas pela hibridação
entre o organismo e a máquina. Uma das características predominantes da
cibercultura é a crença cibernética de que a “informação pode circular inalterada entre
diferentes substratos materiais” (Hayles, 1999: 1), de onde deriva a idéia de que os
seres humanos são “entidades de processamento de informação essencialmente
similares às máquinas inteligentes” (Hayles, 1999: 7). É essa crença que está por trás
do imaginário proposto em construções fílmicas mais recentes onde a ligação da
mente humana com o computador realiza-se por meio da fusão entre corpo e
máquina, unidos por dispositivos conectados diretamente à carne e ao sistema
nervoso do usuário. A idéia de que entidades ciberespaciais podem ser instâncias
das mentes humanas separadas de seus corpos – realizando plenamente o “discurso

166
Julho de 2005
da desincorporação” – é apenas uma das possibilidades abertas por um imaginário
mais amplo, o imaginário do “pós-humano”, onde o ciborgue é a figura emblemática.
A figura do ciborgue anuncia a imagem de um homem “melhorado” com a acoplagem
da tecnologia e cada vez mais além das limitações de desempenho ditadas pela

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


natureza: a “performance” é a noção fundamental para a reformulação da imagem do
ser humano na direção da imagem do “pós-humano”. Nos filmes sobre o ciberespaço,
paradoxalmente, é a imagem do corpo humano otimizado com o acoplamento de
máquinas que viabiliza a fuga desse mesmo corpo.
Em Johnny Mnemonic, o protagonista é um courier que trafica dados de
computador em seu próprio cérebro, misturados às suas memórias de gente que,
para tanto, tiveram que ser parcialmente sacrificadas. O filme, é um dos primeiros
filmes que une o “discurso da desincorporação” à imagem do ciborgue. Híbrido de
gente e computador, Johnny possui um “implante cerebral” que o transforma em um
dispositivo humano de armazenamento de dados digitais e seus olhos a entrada de
chaves de criptografia que o impedem de “ler” os dados armazenados. Antes de se
apresentar aos clientes para executar um serviço, ele “duplica a capacidade” de

|
gravação de seu cérebro. Nessa seqüência (fig. 143) somos apresentados ao
pequeno “slot” para a conexão de dispositivos eletrônicos que ele possui em sua

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


cabeça. “Activating Pemex Memory Doubler”, diz uma voz feminina assim que Johnny
liga um pequeno gadget à sua cabeça por meio de um cabo, iniciando o processo que
permite a Johnny aumentar sua capacidade de armazenamento de 80 para 160
gigabytes, em uma clara alusão aos softwares de “duplicação de disco” – como o
Double Space, muito usados até início dos anos 1990 – que ampliavam a capacidade
de armazenamento do disco rígido para além de seus limites nominais por meio da
compactação de dados.
Na seqüência do upload de dados, Johnny explica aos seus clientes como
proceder quando a transferência estiver quase completa:

Quando o contador se aproximar de zero, clique em três frames da TV,


quaisquer três. Eles serão mesclados aos dados e eu não saberei o que eles são.
Esse é o código de download. Pegue a cópia física [dos frames da TV] e envie-a
por fax ao seu contato do outro lado. Quando eu chegar lá, introduziremos o
código e faremos o download.

167
Julho de 2005
À frente de uma mesa cheia de gadgets que ele tirou de sua valise, Johnny
prepara seu HMD (Head Mounted Display), espeta o cabo para a transferência de
dados na sua cabeça e diz: “o upload começa quando você pressionar aqui”,
indicando o botão no mini CD player. “Hit me!”, ele anuncia colocando o HMD à frente

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


dos olhos e um mordedor entre os dentes. O CD começa a girar, Johnny cerra as
mãos e os dentes, seu corpo enrijece, códigos alfanuméricos e gráficos
tridimensionais – metáforas dos dados que estão sendo enviados diretamente para o
cérebro – correm frente aos seus olhos vidrados, a contagem regressiva indica o
montante de dados ainda a ser transferido, os frames de TV se misturam à torrente
de imagens que passam pelo HMD e quando o contador chega a zero, tudo se
silencia. Diante dos clientes pasmos, uma cópia dos frames da TV sai da mini-
impressora (fig. 86).
Johnny Mnemonic apresenta-nos uma imagem inovadora do “homem-
gadget”: um ser que, conectado à máquina, torna-se extensão física dela sendo
capaz de interagir cognitivamente e sensivelmente – com dor, inclusive – aos dados
que são transferidos de um CD para o seu cérebro. Essa imagem do “homem-gadget”

|
como meio de transcender o corpo material é levada ao limite em The Matrix, onde o
corpo é reduzido a um mero suporte físico para a conexão dos cabos que introduzem

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


a mente dos personagens diretamente no ciberespaço. Na diegese de The Matrix, as
pessoas “vivem” toda a sua vida em um mundo virtual que é a réplica do mundo
presencial de 1999. A condição de seu corpo revela-se após Neo “acordar” no mundo
presencial (fig. 129), em uma bolha cheia de um líquido gelatinoso, e romper a
película desse “útero sintético”. Assim que ele retira um longo tubo de sua boca e
regurgita o líquido para respirar diretamente o ar, percebe que sua pele está
totalmente enrugada pelos anos imersos nesse líquido “amniótico” sintético e que
cabos metálicos estão plugados à sua nuca, espinha e outros pontos nevrálgicos. À
sua volta, Neo vê um ambiente escuro e sem céu: apenas uma imensidão de domos,
iguais ao seu, que se acumulam em forma de enormes edifícios, nos quais bilhões de
outros seres humanos dormem. Nas seqüências seguintes descobrimos que a
imersão na realidade virtual só é possível para os homens-gadgets que dispõe do
conector cervical onde um longo conector é espetado (fig. 79). Os não ciborgues, os
“naturalmente” gerados como o operador Tank, só podem permanecer no mundo
presencial e utilizar mediações arcaicas como teclado e monitor – curiosamente
sequer há um mouse – e, freqüentemente, diante de códigos textuais ininteligíveis.

168
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 140 (Wargames)
Figura 142 (Johnny Mnenomic)

|
Figura 139 (2001: A Space

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Odyssey)
Figura 141 (Tron) Figura 143 (Johnny Mnenomic)

Figura 144 (Tron)

Figura 145 (The Terminator)

169
Julho de 2005
Do ponto de vista da categoria social, a reconstrução do corpo pela conexão
ou substituição de partes dele por artefatos é sempre um potencial objeto de aversão.
É uma relação homóloga à que ocorre quando esse mesmo corpo, o social, é
contaminado em contextos indevidos pelo corpo natural, suas emanações, secreções

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


e partes internas. Nesse sentido, a imagem ciborguiana coloca o hibridismo tanto
como a imagem da superação dos limites naturais do corpo como objeto de aversão e
estranhamento. A diegese de The Matrix reserva ao mundo presencial o lugar do
estranhamento e da aversão e ao mundo virtual a superação dos limites humanos. A
imagem do “desempenho”, a pedra de toque da cibernética, que se realiza no mundo
virtual da Matrix é exatamente a mesma dos ciborgues não virtuais de outros filmes,
como o exterminador de The Terminator e os andróides de Blade Runner. São
imagens nitidamente marcadas por estereótipos de força e resistência que eram
tipicamente aplicados aos super-heróis dos filmes B e das histórias em quadrinhos,
tais como o Superman.
Em The Terminator, o assassino-ciborgue de um futuro onde as máquinas
dominaram o mundo volta ao ano de 1984 para eliminar uma mulher, Sarah Connor,

|
a mãe do líder humano que sequer foi concebido e que irá comandar a rebelião dos
humanos contra as máquinas. Construído com tecnologia futurística, o exterminador

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


não é um robô, mas máquina revestida de carne e sangue. É um supervilão cuja
indestrutibilidade incorpora toda uma apologia à hibridação ciborguiana: sua casca de
gente permite que ele passe despercebido entre suas vítimas humanas e seu interior
artificial controlado por computador garante a máxima eficiência de destruição. A
despeito de Arnold Schwarzenegger, ator que representa o ciborgue, ser uma pessoa
real, ele é a imagem da ambigüidade, tendo em vista tanto o ar maquínico da sua
atuação como o seu físico body-built, Mr. Universo e Mr. Olympia diversas vezes (fig.
145). Essa ambigüidade da aparência fica ainda maior com as demonstrações de
força e a resistência física fenomenais do exterminador mas, a partir de certo ponto,
ela desaparece com a eliminação da progressiva da carne que reveste o metal da
máquina. O exterminador é imbatível na luta com mãos nuas, como na seqüência em
que ele mata a pancadas o namorado da amiga de Sarah (fig. 146) – que se resume
na sucessão de cenas de um corpo humano sendo lançado através de uma porta de
vidro, contra um espelho, sobre uma cômoda e finalmente através de uma porta,
morto – ou quando vemos o exterminador saltar do meio de chamas sobre um
automóvel em movimento para atravessar seu pára-brisa com um soco (fig. 147).

170
Julho de 2005
A forma como The Terminator tipifica o corpo ciborguiano, como suporte de
demonstrações exageradas de força e resistência não é inédita. Ela já aparecera de
forma rudimentar no seriado Six Million Dollar Man e, poucos anos antes de The
Terminator, o filme Blade Runner, já havia apresentado construções muito similares.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Os andróides de Blade Runner, chamados de “replicantes” são máquinas orgânicas e
o contexto diegético do filme supõe um tal desenvolvimento técnico que a única
diferenciação visual entre um ser – humano ou animal – “verdadeiro” e um ser
fabricado é o número de série microscópico impresso nas células. Cada “replicante”
do filme, em algum momento aparece exibindo “super-poderes” que marcam a
diferença e a superioridade entre eles e os seres humanos com os quais se
assemelham. Leon, em uma cena aparece mergulhando a mão em um líquido
congelante (fig. 148) e noutra aparece surrando Deckard, um blade runner ou caçador
de andróides, que parece indefeso frente à força e resistência de Leon. Até certo
ponto da seqüência, poderíamos aceitar que Leon é apenas “muito” forte, mas
quando o soco de Leon atravessa a chapa metálica de um caminhão fica claro que,
apesar da aparência, ele não é “apenas” humano (fig. 149). Em outra seqüência,

|
quando Deckard é perseguido por Roy, vemos que atravessar coisas muito sólidas
com o corpo é algo trivial para um replicante. Em uma cena Roy perfura com o punho

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


a parede de concreto (fig. 150) para pegar a mão de Deckard e quebrar-lhe os dedos
e noutra, ele atravessa a parede com a cabeça para dizer provocações a Deckard
(fig. 151): “É melhor andar logo ou eu terei que matá-lo. Se você não ficar vivo, não
pode brincar, e se não pode brincar...”. Deckard arranca um cano da parede e Roy
corre em sua direção, levando vários golpes fortíssimos dos quais ele se recobra
rapidamente e responde animado: “Esse é o espírito!” (fig. 152). Deckard foge
novamente ciente de que não tem chances em uma luta corporal contra um
replicante. Ao final da perseguição, Roy salta facilmente de um edifício a outro atrás
de Deckard, que está pendurado em uma viga após fracassar na tentativa de salto
(fig. 153). Contudo, apesar dos replicantes parecerem resistentes à morte – como na
longa e demorada cena em que Deckard mata Zhora (fig. 154) ou na cena da morte
de Pris (fig. 155), quando ela tem convulsões que parecem mais uma espécie de
“curto circuito” que cessam apenas com outro tiro de Deckard – eles morrem depois
de, no máximo, dois tiros.
Mas o exterminador que vem do futuro é quase indestrutível. Quando ele está
para executar Sara com um tiro, Kyle o defensor humano dela, que também veio do

171
Julho de 2005
futuro, surge por trás com uma espingarda pump-action e dispara cinco vezes contra
o exterminador que, empurrado pelos tiros, é lançado através da vitrine e cai
aparentemente desacordado na calçada. No breve tempo em que Kyle diz “venha
comigo se quiser viver”, na tentativa de convencer Sarah a fugir com ele, o

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


exterminador recobra os sentidos e imediatamente retoma a perseguição a eles (fig.
156). Em outra seqüência, o exterminador cai da moto e a caminhonete na qual
Sarah e Kyle fugiam ainda passa por cima dele antes de capotar. Depois de deslizar
vários metros, o exterminador é atropelado por um caminhão-tanque e, mesmo
assim, ele levanta-se e assume o caminhão para continuar a perseguição. Quando
Kyle consegue explodir e incendiar o caminhão-tanque, o exterminador, em chamas,
cambaleia para fora da cabine e cai junto a outros destroços no meio do fogo. Seus
movimentos tornam-se cada vez mais lentos até que ele pára, já com a carne
consumida pelas chamas. É claro, o exterminador não morreu. Na seqüência
seguinte, enquanto Kyle e Sarah se abraçam aliviados, pode-se ver a silhueta do
esqueleto metálico que surge do meio dos destroços. O exterminador já sem a casca
de carne e reduzido ao esqueleto de aço os fita com os olhos vermelhos antes de

|
reiniciar a caçada (fig. 157).
Contudo, o filme leva a “recusa em morrer” ao limite: a besta ainda “morre”

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


ainda mais duas vezes no filme. Kyle, após dar uma série de pancadas com um cano
no exterminador, fazendo-o ceder a cabeça (fig. 158) – como na cena em que
Deckard bate em Roy com um cano, em Blade Runner –, é lançado para o chão com
dois golpes. Kyle consegue encaixar uma bomba no esqueleto metálico do
exterminador que acaba explodindo em pedaços. Mas a perseguição continua. O
corpo mecânico mutilado do exterminador, sem o abdômen e as pernas, rasteja por
cima do corpo de Kyle, morto com a explosão, arrastando cabos e fios pendurados no
lugar do que seriam as vísceras em um corpo humano (fig. 160). Sarah, ferida na
perna, também se arrasta até encontrar e fechar uma grade providencial que lhe dá
tempo para alcançar um botão que aciona uma prensa hidráulica sobre o
exterminador. Raios saem do esqueleto metálico, Sarah e ele trocam olhares
enquanto seu corpo e rosto são esmagados. O olho do exterminador se apaga (fig.
161). Mas, permanece a dúvida, ele estará mesmo morto?

172
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 148 (Blade Runner)

|
Figura 152 (Blade Runner)

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Figura 146 (The Terminator)

Figura 149 (Blade Runner)

Figura 150 (Blade Runner)

Figura 147 (The Terminator) Figura 151 (Blade Runner) Figura 153 (Blade Runner)

173
Figura 156 (The Terminator)
Figura 155 (Blade Runner)
Figura 154 (Blade Runner)

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

174
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 157 (The Terminator)

Figura 160 (The Terminator)


Figura 163 (The Matrix)

|
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura
Figura 158 (The Terminator) Figura 161 (The Terminator)

Figura 159 (The Terminator) Figura 162 (The Terminator) Figura 164 (The Matrix)

175
Julho de 2005
Nota-se que há uma relação entre a proximidade com a morte e o grau de
humanização de alteridade cibernética. O medo e ansiedade de HAL, impotente
diante de sua própria morte, é desconcertantemente humano e o momento de
máxima humanização dos replicantes de Blade Runner é quando Roy, diante da

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


morte iminente de Deckard, acaba salvando-o e aceitando sua própria morte diz:
“time to die”. Ao contrário, a indestrutibilidade aparente do exterminador de The
Terminator se dá ao longo de um progressivo “descarte” dos traços humanos. No
quarto de seu hotel, ele corta a carne de seu braço com um estilete a fim de
“consertar” o mecanismo da mão (fig. 159) e, com o mesmo estilete, ele espeta o olho
a fim de arrancar a casca orgânica danificada (fig. 162). Esse processo revela a
inutilidade e descartabilidade da carne, e culmina com o renascimento do
exterminador como uma entidade cibernética purificada pelo fogo (fig. 160).
A indestrutibilidade e a bestialidade parecem ter afinidade semântica. Estar
sujeito à morte, de certa forma, continua sendo um traço que aproxima a alteridade
cibernética do ideal natural de ser humano enquanto que a “imortalidade” ou
“indestrutibilidade” freqüentemente constitui um traço de bestialidade. Em Tron, o

|
ciberespaço é uma espécie de arena de videogames onde o “game over” é
experienciado pelos avatares e pelos softwares como a “morte”. Por outro lado, a

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


“indestrutibilidade” é, em The Matrix, justamente a característica que mais distancia
os “agentes” dos “seres humanos”. Mesmo que sujeitos à fatalidade, a morte do
agente é sempre momentânea pois o corpo que cai nunca é o de um agente: após
Trinity atirar na cabeça de um deles, o cadáver que bate no chão é do piloto de
helicóptero que teve seu corpo ocupado pelo agente, momentos antes (fig. 163). Da
mesma forma, quando o agente Smith é atingido pelos tiros disparados pela
metralhadora giratória de Neo, o corpo que cai transforma-se no corpo de um policial
(fig. 164) e, pouco depois, vemos o mesmo agente Smith entrar pela porta.
A morte ainda tem outra importante função na construção de algumas
alteridades cibernéticas. É onde a “performance” como “máquina de matar” pode ser
vista como uma das mais recorrentes construções ciborguianas. E mesmo com
intervalo de quase duas décadas, é uma construção que permanece praticamente
inalterada, desde os filmes que a consagraram, como Blade Runner e The
Terminator, até filmes mais recentes, como The Matrix, que caracteriza a realidade
virtual como o local possível dos exageros da “máquina de matar” e reproduz nos
agentes e nos protagonistas projetados dentro da matrix os mesmos estereótipos que

176
Julho de 2005
caracterizam os replicantes e o exterminador. Não por acaso a seqüência em que
Neo e Trinity invadem o prédio de segurança máxima onde Morpheos está preso (fig.
95) é praticamente uma releitura da seqüência de The Terminator na qual o
exterminador invade a delegacia de polícia atrás de Sarah (fig. 165). Logo após ele

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


anunciar seu retorno com a célebre frase “I’ll be back”, o vemos arrombar a delegacia
com um automóvel. Ele sai do veículo com uma metralhadora na mão esquerda e
uma espingarda na mão direita e invade o interior da delegacia atirando em todos que
vê no corredor e nas salas que olha uma a uma. Além de possuir uma mira
impressionante, conseguir arrombar facilmente portas e enxergar no escuro, ele é “à
prova de balas”. Qualquer resistência é inútil e os tiros dos policiais, sejam de
revólveres ou de fuzis, com os quais se armam desesperadamente, não surtem
nenhum efeito e eles são abatidos às pencas pelo exterminador. Além de aspectos
performáticos similares com armas de fogo – em ambos os filmes os personagens
demonstram tal conhecimento e intimidade com as armas que estas chegam a
parecer extensões deles –, as “máquinas de matar” assassinam de forma
particularmente fria e impiedosa. O que muda, entre The Terminator e The Matrix, é a

|
justificativa da diegese para a matança, mas o aspecto performático que caracteriza a
“máquina assassina” é o mesmo.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


A despeito do estereótipo do “arsenal ambulante” ser um traço marcante na
construção da alteridade cibernética como “máquina de matar” ele não é o único e
nem essencial. Talvez o estereótipo mais importante seja o da transformação do
corpo em uma máquina de alto desempenho e resistência, instrumento ideal e
praticamente invencível na disputa corporal contra seres humanos comuns. O corpo
de alto desempenho é tipicamente aquele corpo com aparência humana mas capaz,
como mostra, ad nauseam o filme The Matrix, fazer paredes e colunas cederem sob o
impacto de seus corpos e destruir paredes e colunas com a força de seus socos e
cabeçadas (fig. 93 e 166), em cenas, por sinal, bastante semelhantes com as
encontradas em The Terminator (fig. 147) e Blade Runner (figs. 149, 148 e 150).

177
Figura 165 (The Terminator)

Figura 166 (The Matrix)


Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Julho de 2005

178
Julho de 2005
A despeito das eventuais diferenças, há, notavelmente, um padrão
conservador de representação desse corpo, muito aquém das possibilidades dadas
pelo conceito do ciborgue. A fusão de organismo e máquina é sempre um meio de
ampliar as capacidades e os limites propriamente, ou reconhecidamente, humanos,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


sendo muito rara a presença de “novas funcionalidades” e, sobretudo, alterações
morfológicas do modelo básico do corpo humano. Os ciborgues do cinema podem
quebrar concreto com os punhos, esmagar uma cabeça com as mãos, resistir ao
calor e ao frio extremos, dar saltos inacreditáveis, desviar de balas ou mesmo ser à
“prova de balas”, mas não os vemos lançando raios com os olhos, atirando com os
dedos, soltando gases venenosos ou cuspindo fogo. Nesse sentido, o imaginário
ciborguiano se identifica menos com a imagem desumanizada da besta cibernética de
The Terminator, uma carcaça de aço “disfarçada” no corpo “super-marombado” de
Arnold Schwarzenegger, e mais com a figura ambígua dos replicantes de Blade
Runner ou com os personagens ciberespaciais de The Matrix. Mesmo incorporando
as promessas da biônica, a representação dos ciborgues tem no corpo uma categoria
simbólica central e sua subversão e violação – por meio da transformação das

|
relações que os signos ligados ao corpo têm entre si e com signos de outras
categorias – inevitavelmente o torna objeto de estranhamento e potencial portador de

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


traços de bestialidade, como ocorre com o exterminador, ou símbolo de degeneração,
como nos corpos violados por conectores metálicos em The Matrix. É nessa
perspectiva que a imagem de corpos reconstruídos pela realidade virtual ou
biotecnologia tem um apelo irresistível, pois manifestam a ampliação das
possibilidades da bio-maquinaria sem agredir a integridade das aparências do corpo
humano valorizado como máquina. Nesse sentido, a imagem ciborguiana que é
exaltada no cinema não é a do homem-gadget ou da besta-cibernética, uma versão
contemporânea de Frankenstein, mas imagem do corpo reconstruído e remodelado
artificialmente em corpos não só melhores e mais eficientes do que o obsoleto corpo
de carne e osso, mas também mais belos. Assim, o culto à beleza coincide com o
culto ao desempenho: os andróides e entidades ciberespaciais mais-que-humanos
são modelos de beleza cujos corpos podem quebrar coisas mais sólidas que o aço e
vencer os limites da própria física.
Em certos casos, também observamos um certo orientalismo, cuja presença
vem se acentuando na cibercultura, incorporado na construção das alteridades
cibernéticas. Trata-se, certamente, de um orientalismo fabricado tanto pelo fascínio

179
Julho de 2005
como pelo medo que se tem do outro oriental, em oposição às concepções do “eu”
ocidentalizado. Talvez porque seja percebido como um novo território a ser
qualificado, definido e generalizado como por muito tempo foi – e ainda é – o
“Oriente”, a construção do “cibernético” e da alteridade cibernética seja homóloga às

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


construções que se faziam do Oriente e do oriental. Em seu sentido original,
orientalismo refere-se ao estudo das sociedades do Oriente, desde o Oriente Próximo
ao Extremo Oriente, pelos ocidentais, mas também é aplicado à imitação ou
estereotipação de traços do Oriente pelas artes ocidentais. O termo tornou-se
academicamente obsoleto e é pejorativamente vinculado a uma visão colonialista do
Oriente. Entretanto, Said (2001, p.289) nota que mesmo decaído o colonialismo
francês e britânico, o discurso e a prática orientalista continuam. Fundamentalmente o
produto do orientalismo é um Oriente que não passa de uma construção do Ocidente,
na qual o primeiro se define por oposição ao segundo. É uma construção abstrata,
onde sempre é preferível a imagem de um Oriente “clássico” às “evidências diretas
extraídas das realidades orientais modernas” (cf. Said, 2001, p.305), como se
houvesse uma incompatibilidade entre a modernidade e o Oriente. Assim, nos filmes,

|
a relação entre o Oriente e a modernidade é fundamentalmente de dois tipos: uma na
qual a associação de traços de modernidade e de orientalidade proporcionam figuras

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


caricatas e decadentes e outra, na qual oriental é símbolo de resistência às
vicissitudes da modernidade42. Ainda que seja, como neste caso, um objeto de
admiração, o “Oriente, no fundo, ou é algo a ser temido (o Perigo Amarelo, as hordas
mongóis, os domínios pardos) ou a ser controlado (por meio da pacificação, pesquisa
e desenvolvimento ou ocupação pura e simples sempre que possível)” (Said, 2001,
p.305). Um objeto, enfim, que suscita reações análogas àquelas que os objetos
cibernéticos provocam.
Apropriado pela cibercultura, o Oriente reforça o contraditório e o híbrido
característico do “outro” cibernético, dentro de esquemas onde o ciber-futuro ou ciber-

42
Como exemplo recente podemos citar o filme The Last Samurai. Ele retrata a elite militar japonesa
que se alia aos ocidentais e adota armas de fogo como gananciosa e traiçoeira. Ao contrário dos
generais “ex-samurais” que trocaram a armadura pela farda, aqueles que se recusam a abandonar a
espada e a aderir às armas de fogo, são retratados como monumentos de moralidade e coragem. É
sintomático que o “último samurai” seja um ocidental: enquanto o custo da modernidade a um oriental
é a destruição da sua integridade moral, a orientalização de um ocidental resgata sua moralidade
corrompida.
A despeito da aparência “histórica” que têm os eventos do filme, as armas de fogo são utilizadas pelos
exércitos comandados pelos samurais desde o século XVI, período no qual o Japão se unificou sob
Ieyasu Tokugawa.

180
Julho de 2005
presente é atravessado pelo arcaísmo do tradicional. O orientalismo dos filmes
ciberculturais é reflexo de um imaginário popular ocidental que freqüentemente
associa o outro oriental à superação das contradições entre o progresso da
modernidade e as tradições milenares. Na vida prática, esse imaginário se manifesta

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


nos procedimentos “orientais” reinventados dentro de quadros de referência
ocidentais, nos quais floresce a idéia da harmonia entre a visão bucólica do antigo e a
utilitária eficiência do moderno: são o budismo e o kendo de fim de semana capazes
de resolver o stress do cotidiano e é a apropriação da “Arte da Guerra” de Sun Tzu –
sempre em moda entre os executivos ocidentais – como um manual de sucesso na
“guerra” empresarial.
Nos filmes ciberculturais, o ocidente cada vez mais se reveste de oriente e se
manifesta nas conotações de auto-disciplina e determinação normalmente associadas
ao modo de vida tradicional e estamental que sobrevive “no Oriente”. Mas esse
mesmo orientalismo também se manifesta no estranhamento e desconfiança que o
outro sempre inspira. Assim como o “cibernético”, o Oriente é tanto objeto de medo
como de fascinação. É onde emerge a oposição entre o Oriente naturalizado como

|
um traço pitoresco do ecletismo ocidental e o Oriente profanado pela modernidade, e
portanto, encarado como degenerado e impuro. Em um caso, a associação entre o

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


ocidente com estereótipos orientais produz uma valoração positiva enquanto que o
Oriente contaminado por estereótipos ocidentais – sinal da degeneração do “Oriente”
– produz um juízo de valor negativo.
No grupo de construções em que o Oriente produz conotações positivas,
situam-se as construções onde personagens ocidentais associam-se aos símbolos
orientais, como na cena em que Flynn aparece vestido de quimono enquanto ele
“hackeia” o computador da Encon (fig. 84) ou na seqüência em que Neo e Morpheos
aparecem vestidos a caráter lutando kung-fu em um ambiente tipicamente oriental
(fig. 92). Com a computação, o Oriente também se tornou mais acessível e foi
incorporado tecnologicamente pelo “eu” ocidental: caracteres japoneses invertidos
tornam-se os “códigos da Matrix” (fig. 96) ou os ideogramas chineses são traduzidos
automaticamente para a linguagem ocidental (fig. 88). Ainda em The Matrix, percebe-
se que os estereótipos do oriente misturam-se nitidamente ao antigo, aos sinais de
arcaísmo associados aos mocinhos do filme. São como os telefones antigos e as
telas verdes monocromáticas que aparecem ao longo das áreas que a diegese nos
apresenta como intermediárias entre o presencial e o virtual; são signos da “história

181
Julho de 2005
congelada”, sinais de sobrevivência e salvação nos interstícios do desenvolvimento
tecnológico opressor.
As construções que portam valorações negativas também são supra-
objetivações freqüentes. Aqui podemos situar o mundo deprimente de Blade Runner,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


lugar abandonado por todos que podiam e passaram pelos controles de imigração
para outros planetas mais aprazíveis. Em certo sentido, a Terra é retratada como um
repositório da escória humana, um lugar sujo, escuro – nunca há sol – e sempre
chuvoso. A cidade do filme é cheia de luminosos e video-walls gigantes que exibem
dragões em néon, ideogramas e garotas-propaganda orientais anunciando produtos
ocidentais. Parece uma metrópole que foi engolida pela “Chinatown” (fig. 167), com
as ruas apinhadas de uma mistura degenerada de etnias e sub-culturas,
significativamente representada por pessoas orientais ou vestidas como tais. Assim
como em outras construções, o Oriente de Blade Runner é homogeneizado e elimina
qualquer distinção de origem entre os signos da cultura japonesa e da chinesa, por
exemplo, apesar de ficar bem claro o que é e quem é o Ocidente e o ocidental. Blade
Runner é um filme que fala dos híbridos, os replicantes, e o Oriente é também um

|
signo do estranho, do alienígena, que entra no esquema da hibridação, misturado aos
significantes – a tecnologia e a ciência – ocidentais. Analogamente, a Beijing de

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Johnny Mnemonic aparece como uma cidade caótica, lugar de passeatas e violência,
e o único refúgio calmo, nesse Oriente sinônimo do caos é o hotel – um fragmento do
ocidente – mas com servos orientais que reverenciam Johnny assim que ele entra na
recepção (fig 168). Johnny também é o Ocidente que vai ajudar clientes orientais que,
de tão atrapalhados que são, apontam suas armas contra o salvador (fig. 169). Os
bandidos orientais são, evidentemente, a imagem do Oriente deteriorado,
contaminado e impuro, associado às coisas “ruins” do Ocidente: o banditismo de uma
Yakuza com capangas ocidentais e mestiços (fig. 170) ou o chefão japonês vestido
com trajes ocidentais que segura um revólver em uma mão e uma katana, a espada
samurai, em outra (fig. 171).
Por fim, também encontramos nesses mitos cinematográficos personagens
que lembram, em muitos aspectos, a figura do trickster. O trickster, segundo Queiroz
(1991, p.94) é, em geral:

(...) o herói embusteiro, ardiloso, cômico, pregador de peças, protagonista de


façanhas que se situam, dependendo da narrativa, num passado mítico ou no

182
Julho de 2005
tempo presente. A trajetória deste personagem é pautada pela sucessão de boas e
más ações, ora atuando em benefício dos homens, ora prejudicando-os,
despertando-lhes, por conseqüência, sentimentos de admiração e respeito, por
um lado, e de indignação e temor, por outro.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


O trickster está presente em mitos de praticamente todas as culturas o que,
segundo o autor, constitui “uma categoria por meio da qual podem manifestar-se
certas dimensões universais da existência humana”. Contudo, completa ele:

(...) esta última só se concretiza em contextos sócio-culturais específicos, cada


qual com sua história. Assim, as diferentes modalidades do trickster também
não poderiam deixar de traduzir peculiaridades próprias aos grupos sociais que
lhes dão vida (Queiroz, 1991, p.104).

E não é diferente na cibercultura. Situados no limiar da desordem, nas


regiões de fronteira e hibridação entre o artefato e o organismo, entre a cultura e a
natureza, entre o virtual e o presencial, os “tricksters cibernéticos” são tanto
desrespeitadores da ordem social vigente como agentes de uma nova ordem social.

|
O hacker talvez seja o tipo de personagem que melhor exemplifica a imagem do
“trickster cibernético”. As aventuras dos hackers, como ocorre com os tricksters em

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


geral, são “marcadas, amiúde, pela malícia, pelo desafio à autoridade e por uma série
de infrações às normas e aos costumes” (Queiroz, 1991, p.96). Neo de The Matrix é
perseguido pelos agentes justamente porque é uma ameaça à ordem do sistema;
Johnny de Johnny Mnemonic trafica em seu cérebro os dados secretos da
Pharmakon, capazes de curar uma doença neurológica que interessa à empresa que
continue existindo; Flynn, de Tron, utiliza suas habilidades para destruir o Master
Control Program e seu controle sobre o ciberespaço; David, de Wargames, abala a
ordem geopolítica do mundo com seu jogo contra o WORP.

183
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 167 (Blade Runner)

|
Figura 168 (Johnny Mnemonic)

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Figura 170 (Johnny Mnemonic)

Figura 169 (Johnny Mnemonic) Figura 171 (Johnny Mnemonic)

Figura 172 (Wargames)

184
Julho de 2005
Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |
Figura 173 (The Matrix)

Figura 174 (Wargames)

|
Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura
Figura 175 (Wargames)

Figura 177 (The Lawnmower Man)

Figura 176 (The Lawnmower Man) Figura 179 (The Lawnmower Man)

Figura 178 (The Lawnmower Man)

185
Julho de 2005
Nos filmes, os hackers compartilham quase sempre as mesmas
características. São outsiders, diferentes do que é visto como norma na sociedade da
qual fazem parte, são amantes “do viver errante e solitário” e “raramente têm morada
fixa, perambulando pelos espaços sociais, naturais e sobrenaturais” (cf. Queiroz,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


1991, p.87). David (Wargames) é um garoto aparentemente comum, mas vive em um
mundo à parte de seus pares escolares e seus amigos são outros hackers mais
velhos, mais outsiders ainda que ele, que ficam escondidos nos fundos de uma
empresa de computação (fig. 172); Johnny (Johnny Mnemonic) perdeu parte de suas
memória e, da mesma forma que não lembra quem é, não tem vida pessoal e mora
em hotéis; Neo (The Matrix) leva uma vida dupla, de dia é Thomas Anderson,
programador em uma empresa de software, e à noite é um hacker famoso que rouba
e vende dados. A imagem fílmica dos hackers também está associada à desordem,
seu ambiente é uma “bagunça” de gadgets cibernéticos misturados aos seus objetos
pessoais, como o quarto de Neo (fig. 173), o quarto de David (fig. 174) ou o escritório
de seus mentores hackers que contrasta visivelmente com o ambiente contíguo, onde
os mainframes repousam em um lugar limpo, organizado e monitorado por pessoas

|
“normais” (fig. 172).
Os hackers também são, invariavelmente, especialistas que manifestam sua

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


intimidade com a tecnologia pela desenvoltura com que dominam os temíveis e
“indecifráveis” códigos de computador e manipulam, além de computadores,
aparelhos eletrônicos e outros gadgets. Os aparatos manipulados pelos “tricksters
cibernéticos” não costumam ser de grande sofisticação tecnológica, são usualmente
objetos que não precisam ser “apresentados” ao senso comum e muitas vezes
objetos que fizeram, fazem ou farão parte, como supõem os filmes futuristas, do
cotidiano das pessoas. Assim, o “circo” montado por Johnny antes dele iniciar o
upload de dados para sua cabeça são basicamente adereços estilizados que
lembram um CD player, um contador digital, uma impressora e um visor que lembra
os antigos óculos estereoscópicos, mas caracterizados como high-techs, não porque
sejam tecnologicamente sofisticados, mas porque são o futuro de 1995 (fig. 86). Mas
foi Wargames que forneceu algumas das construções mais consistentes do hacker
“traquitaneiro” e que influenciam até hoje o imaginário da cultura de massas. David
ameaça a humanidade e a ordem geopolítica do mundo não com aparelhagem
sofisticada, mas a partir de uma miscelânea de aparelhos eletrônicos que eram, já
naquela época, acessíveis à população comum, mas vistas, pela maioria, como

186
Julho de 2005
gadgets esquisitos (fig. 174 e 177). Muitos desses gadgets já foram naturalizados e
incorporados ao nosso cotidiano pela explosão dos personal-computers, tais como o
drive de disquete (gigantesco no filme) e o modem (fig. 177), a engenhoca mais
importante do filme, já que ele não é só um gadget, mas o ícone fílmico da

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


“conectividade”, talvez o primeiro, da aliança entre o computador e a telefonia, a base
fundamental sobre a qual foi construído o imaginário do ciberespaço tal como
concebemos hoje43.
Outro traço característico do hacker que o diferencia nitidamente de outras
construções de “especialistas” científicos ou mesmo mágicos – sempre
caracterizados como senhores experientes e maduros – é a aparência jovem,
freqüentemente associada a traços juvenis, sejam eles físicos ou comportamentais.
Nos filmes mais antigos isso é mais evidente, tanto pela presença constante do
videogame como pelo fato de crianças serem mais íntimas deles do que amigos da
mesma idade. Em Tron, Lori, a amiga de Flynn pergunta por ele a um menino em um
arcade videogame que responde prontamente “Sim, ele está lá, naquela máquina”,
apontando para o lado, antes de retomar o jogo em seguida (fig. 99). Ainda que o

|
Flynn seja um adulto, a construção do personagem é a de um adulto infantilizado com
um comportamento adolescente e que continua a se dedicar a coisas pouco sérias,

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


como o videogame, e a se vestir como um adolescente. No filme ele aparece com o
cabelo desleixado, vestido de camiseta e jeans, com um fone de walkman pendurado
ao pescoço, enquanto seus ex-colegas usam ternos. Em Wargames, enquanto todos
saem do fliperama para a escola, o amigo que entra e para quem David passa o jogo
em andamento antes de sair correndo é um menino (fig. 101). Longe de serem jovens
exemplares, os hackers são representados como a imagem da imaturidade social.
Flynn é alguém que montou uma casa de diversões eletrônicas depois de ser
despedido da empresa de software onde trabalhava. David, chega atrasado à aula
porque joga videogame até não poder mais, faz piadas do professor e “rouba” senhas
para acessar o sistema da escola e melhorar suas péssimas notas do boletim. Traço
essencial do trickster, a ambigüidade se manifesta aqui na tipificação do hacker como
adolescente rebelde e visual desleixado que contrasta com o conhecimento técnico e
a perspicácia normalmente imputados ao tipo sênior e conservador tradicionalmente
associado à ciência e tecnologia.

43
Não por acaso, o telefone é uma metáfora onipresente da conectividade em The Matrix.

187
Julho de 2005
Essa imagem do “trickster cibernético” talvez seja até anterior à socialização
do termo “hacker”. Nos filmes, o termo só surge a partir de meados dos anos 1990 e
mesmo no ambiente de desenvolvimento de softwares dos anos 1980, essa palavra
não era comum. É provável que a palavra só tenha começado a ser usada fora do

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


que seriam os “círculos hackers” quando os vírus de computador e as invasões de
sistemas começaram a ganhar notoriedade na mídia, entre o final dos anos 1980 e
início dos anos 1990. O estereótipo do “trickster cibernético” – o adolescente outsider
e subvertedor da ordem, uma ameaça, portanto – é mais antigo do que o termo
hacker, como demonstram os filmes, e persiste praticamente inalterado até hoje.
Talvez isso ocorra, em grande medida, porque esse mesmo estereótipo é utilizado,
desde os anos 90, pela mídia de fatos variados para espetacularizar o real, ao
destacar aos garotos que realmente invadem e vandalizam sistemas de alta
tecnologia, cujo conhecimento necessário – ao menos aos olhos do senso comum –
não poderia estar a alcance de meninos que nem terminaram o colégio.
Mas o fato menos conhecido, e parcialmente explorado nesses estereótipos,
é que a circulação de informações acerca de sistemas de tecnologia eletrônica nunca

|
foi, ao contrário do que se costuma pensar, tão restrito. A eletrônica já era um hobby
há décadas, antes do personal-computer se popularizar e, quando este surgiu, foi no

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


contexto do hobby eletrônico, que reunia uma diversidade de pessoas com interesses
e formações diversas – tais como radioamadores, médicos, profissionais de som,
engenheiros, técnicos ou simples curiosos – e que tradicionalmente já consumiam
literatura, trocavam informações, comercializavam ou realizavam escambo de peças
eletrônicas, kits e placas de circuito feitas em casa. Da mesma forma, a invasão de
sistemas de telecomunicações também não é recente. Antes mesmo do termo
“hacker” ser conhecido, já havia a denominação “phreak” para aqueles que
desenvolviam e compartilhavam técnicas para burlar e violar sistemas de telefonia,
desde enganar o sistema de cobrança até acessar funções reservadas do sistema.
Algumas dessas técnicas eram facilmente implementadas com dispositivos
eletrônicos que qualquer “hobbista” podia construir, sendo que as mais procuradas e
desenvolvidas eram as que permitiam realizar ligações de longa distância sem pagar.
O personagem mais famoso do mundo do phreaking é John Draper, conhecido como

188
Julho de 2005
Captain Crunch44, que construiu um dispositivo para esse fim que ficou conhecido
como blue-box45. A partir dos anos 1980, com a popularização dos personal-
computers surgiram as BBBs (Bulletin Board System) que eram redes disponíveis à
conexão de outros computadores via modem para troca de arquivos e mensagens.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Como a conexão era realizada por meio do telefone e o custo da ligação era
proporcional à distância entre os computadores e o tempo de conexão, as técnicas de
phreaking tornaram-se parte inseparável do arsenal de truques do que viria a ser
conhecido na cultura de massas como “hacking”. Se em Tron, as referências ao
phreaking são limitadas a uma visão lúdica da invasão ao MCP, onde Flynn explora
as brechas do sistema, Wargames possui claras referências ao phreaking, como a
seqüência em que David, sem moedas, desmonta o bocal do telefone público e utiliza
um lacre de lata de refrigerante para “aterrar” o sistema momentaneamente para
liberar a linha (fig. 175).
A associação do videogame ao “trickster cibernético” também não é gratuita.
De fato, o universo de pesquisa da computação sempre esteve ligado aos jogos,
vistos com interesse por serem úteis no desenvolvimento da inteligência artificial.

|
Além disso, não é incomum que profissionais de desenvolvimento de software sejam,
até por uma afinidade mental, apaixonados por jogos.

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


Em filmes mais recentes, a figura do “trickster cibernético” evoluiu para um
imaginário ciborguiano que, ao mesmo tempo em que projeta nossa mente para uma
fusão sem fronteiras com o ciberespaço, transforma nosso corpo para que ele
ultrapasse suas fronteiras naturais. São as representações de Jobe (The Lawnmower
Man) e de Neo (The Matrix), que transcendem a condição carnal humana por meio da
conexão direta da mente com a máquina, as mais próximas do caráter liminar do
trickster. No início de The Lawnmower Man, Jobe não é retratado apenas um adulto
infantilizado, mas também aparentemente portador de deficiência mental e seu único
amigo é um menino que é mais inteligente que ele (fig. 176). Potencializado pela
realidade virtual, Jobe adquire novo aspecto e sua relação com o cortador de grama,
construído por ele, resume sua transformação. No início do filme, o cortador de grama
parece “puxar” o corpo torto de Jobe (fig. 176) e, já após a primeira fase de
44
Esse apelido deve-se ao fato dele ter distribuído a informação de que um apito que acompanhava a
caixa de cereais Captain Crunch reproduzia o som de 2.600 Hz necessário para enganar o sistema de
cobrança da Bell, como uma blue-box fazia.
45
Apesar de ilegais, produziam-se blue-boxes para escambo e venda. Steve Wozniak aprendeu com
Draper a tecnologia e construiu com Steve Jobs, sua versão de blue-box pouco antes de fundarem a
Apple Computer.

189
Julho de 2005
transformação, a máquina é conduzida imponentemente por um Jobe com o corpo
másculo e viril (fig. 178). Por fim, após transcender sua condição humana, não há
corpo conduzindo a máquina, ela é conduzida mentalmente por Jobe (fig. 179). Tanto
em Lawnmower Man como e The Matrix, os protagonistas adquirem “poderes

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


excepcionais, mágicos, empregando-os tanto nas ações destrutivas ou perturbadoras,
quanto de modo construtivo, auxiliando os que se encontram em situações adversas”
(cf. Queiroz, 1991, p.97). Mas, Jobe, conforme seus poderes sobrenaturais se
desenvolvem, transforma-se em um personagem que vive também na fronteira do
bem e do mal, nesse sentido mais próximo ainda da imagem do trickster, que não é
nem uma entidade exclusivamente benfazeja ou malfazeja, como prega a
mentalidade maniqueísta ocidental (cf. Queiroz, p.104), ao contrário de Neo, muito
mais próximo do modelo messiânico.
Os tricksters são “personagens que mediam o desejo da própria sociedade de
violar tabus" (Queiroz,1991, p.99). Objeto de fascinação e medo – porque ao mesmo
tempo em que “realiza tudo aquilo que todos, secretamente, gostariam de fazer”
(Queiroz, p.100), é ameaça à ordem social vigente – é na figura do “trickster

|
cibernético” que se consolida a tendência mais evidente da cibercultura de se
aproximar do mito, criando modelos lógicos para resolver contradições que são

Imagens da Cibercultura • VI: As Figurações da Cibercultura


insuperáveis no plano da realidade (cf. Lévi-Strauss, s.d., p. 265).

190
V. CONCLUSÃO

Imagens da Cibercultura • V: Conclusão | Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP | Agosto de 2005

191
Agosto de 2005
Mauss (p.369-397) nota que das raras culturas que “fizeram da pessoa
humana uma entidade completa, independente de qualquer forma, exceto de Deus”, a
romana é a mais importante. De acordo com o autor, os romanos herdaram dos
etruscos o sentido original da palavra “persona”, associado à máscara e semelhante à

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


noção de personagem: “de papel cumprido pelo indivíduo em dramas sagrados,
assim como ele desempenha um papel na vida familiar”. A noção de pessoa foi
parcialmente estabelecida pelos romanos que a tornaram um fato fundamental do
direito, a persona civil, do qual eram excluídos, por exemplo, os escravos. Ao sentido
jurídico da persona acrescentou-se o sentido moral, o sentido “de ser consciente,
independente, autônomo, livre, responsável”. Mas foi na pessoa cristã que se deu a
base metafísica consistente para a pessoa moral e para a unidade da pessoa:

É a partir da noção de uno que a noção de pessoa é criada – acredito nisto há


muito tempo – a propósito das pessoas divinas, mas simultaneamente a
propósito da pessoa humana, substância e modo, corpo e alma, consciência e ato
(p.393).

É essa noção de pessoa indivisível que é destruída com o corpo cibernético.

|
Vale relembrar que as raízes desse corpo remontam à Renascença quando também,
de acordo com Mauss, tem origem a noção de pessoa, a categoria do Eu, identificada

Imagens da Cibercultura • V: Conclusão


ao Cogito e à consciência. Desde então, o corpo humano passa a ser visto como um
suporte do espírito e cada vez mais identificado à imagem da máquina. A cibernética,
por sua vez, propôs que essa imagem fosse muito mais do que uma simples
metáfora. Aos olhos da cibernética, o corpo passou a ser, de fato, uma máquina.
Esse olhar é, em grande medida, o olhar da sociedade contemporânea, resultado da
influência que as idéias cibernéticas exerceram, a partir do último quarto do século
XX, na cultura ocidental em geral, em especial por meio da indústria cultural e cultura
de consumo, como foi observado por esta pesquisa.
A ciência, longe de ser um repositório estanque de produção e conhecimento,
é apropriada pelo “senso comum” na reavaliação funcional das categorias sobre as
quais se assentam as possibilidades lógicas de apreensão do mundo (cf. Sahlins,
1990, p.9-10). É assim que o cibernético, o digital, o biônico, o genético, o eletrônico,
o robótico, o nanotecnológico, idéias originárias das altas rodas científicas,
transformaram-se em lugares comuns e importantes referências para lidar com as

192
Agosto de 2005
contingências classificatórias trazidas pelos corpos-biônicos, realidades virtuais,
computadores, clones e transgênicos.
No contexto da cibercultura, o ciberespaço e o ciborgue são as categorias
mais fundamentais pois são elas, justamente, que articulam – ou desarticulam – as

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


46
possibilidades tecnológicas com a categoria do “Eu” . Tanto as possibilidades
abertas pelo virtual mediado por modelos computadorizados como a artificialização
do organismo fundam-se na objetivação do corpo como um artefato e sua separação
do Eu. A ausência do corpo no sonho da realidade virtual é a separação cibernética
do cogito do corpo, não muito diferentemente de como Descartes enunciara, e a
percepção do corpo como um “reservatório de partes destacáveis e manipuláveis” (Le
Breton, 2003, p.83), sujeitas tanto a defeitos como melhorias, é inseparável do modo
de ver o corpo inaugurado por Vesálio em seu De Humanis Corporis Fabrica. O
ciberespaço e o ciborgue são, de fato, apesar de produtos de uma recente “revolução
cibernética”, herdeiros de uma antiga tradição de conceber a categoria social do
corpo. Nessa perspectiva, a cibernética coroou um longo processo de separação do
Eu do corpo e rompeu definitivamente com a indivisibilidade do corpo e do espírito, a

|
pessoa do cristianismo. Com a cibernética, passou a dominar a tese de que a
separação do corpo do cogito não é metafísica, mas fisicamente possível. Sustentada
pela vulgarização do discurso cibernético e pelos avanços tecnológicos, a imagem de

Imagens da Cibercultura • V: Conclusão


que o corpo é um mero acessório da pessoa, a ser descartado para a plena
experiência no ciberespaço ou a ser melhorado para superar as limitações impostas
pela natureza, tornou-se lugar comum.
Boa parte da produção cultural contemporânea está inserida no contexto da
cultura de massas, onde predomina a lógica do mercado e da produção industrial.
Não é diferente com a cibercultura, ela própria uma especialização da cultura de
massas. Predominantemente, a produção cibercultural se manifesta em produtos de
consumo e nos meios de comunicação de massas: a televisão, o cinema, a imprensa,
a música, a literatura, as máquinas de entretenimento, as histórias em quadrinhos.
Neles, os fragmentos dos discursos, metáforas e modelos explicativos da ciência e
tecnologia dialogam com as transformações tecnológicas da nossa vida prática, que
está se tornando tão ou mais espetacular quanto os tecno-mundos dos filmes
46
Poder-se-ia adicionar, aqui, pelos mesmos motivos, o “clone” como outra categoria cibercultural
fundamental. Mas aparentemente a clonagem ainda é motivo de grande confusão classificatória no
senso comum, sendo mais freqüente encontrar, na cultura de massas, imagens ciborguianas que
incorporam e mesclam as características do clone.

193
Agosto de 2005
ciberculturais que, apesar de fantásticos, são logicamente concebíveis e mesmo
plausíveis aos olhos do conhecimento científico de botequim.
Produto cultural indissociável da indústria de massas, pelo seu modo de
produção e de distribuição, o cinema também é o veículo privilegiado de

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


disseminação das imagens relacionadas com a cibercultura. A despeito da temática
super-futurista e das modernas técnicas de produção, as figurações da cibercultura
manifestam-se sobretudo em um meio no qual predomina um tipo tradicional de
visualidade e, pode-se acrescentar, o cinema é uma das formas de representação
mais conservadoras das artes visuais contemporâneas. Praticamente ancoradas em
um “modo de ver” renascentista47, as imagens fílmicas podem até mesmo ser hiper-
reais ou surreais, como demonstram, nesse sentido, o cinema impressionista e
algumas maneiras de se incorporar a imagem sintética aos filmes. Contudo, muito
raramente, a diegese de um filme será composta por imagens destituídas de “traços
de realidade”. Mesmo quando resultados da síntese por computador, que desvincula
a produção da imagem e a existência material do seu referente, o resultado
demonstra-se, com raras exceções, um ideal renascentista. Ao contrário do que

|
ocorre em outras artes visuais, tais como a pintura, escultura e mesmo fotografia ou
vídeo, o cinema abstrato é raro e dificilmente sai de círculos sociais muito restritos.
O corpo ciberespacial ou o corpo ciborguiano refletem um ideal no qual o

Imagens da Cibercultura • V: Conclusão


corpo poderia ser manipulado como se manipulam as simulações de computador,
onde se altera a cor de um objeto, sua espessura ou textura com o clique de um
mouse. Esse ideal, quase que onipresente nos filmes, reflete a noção social de
“corpo” na qual ele perdeu sua especificidade e, sendo considerado simples matéria,
artefato, coisa, equipamento, máquina, também é esvaziado de sua sacralidade.
Ainda que seja antiga a idéia da que o espírito é uma entidade independente do
corpo, é apenas com as tecnologias cibernéticas que temos a ruptura de fato da
unidade da pessoa. Nesse sentido, os filmes não são meros produtos do imaginário,
mas manifestações da mesma mentalidade coletiva que tem de lidar com as
mudanças tecnológicas que já se fazem sentir. A figurações da cibercultura tornaram-
se tão ricas e abundantes na cultura de massas porque, por mais fantásticas que
sejam, elas fazem sentido e têm aderência com a realidade concreta das pessoas. É
inegável que o homem-virtual e o homem-máquina já se façam presentes fora do

47
Ver: III.2. A vida moderna e o olhar cinematográfico.

194
Agosto de 2005
contexto fílmico e muito além dos videogames e próteses. O advento do “embrião”
como categoria social é um exemplo que sintetiza a necessária adaptação da
mentalidade coletiva frente a uma nova realidade prática: lidar com a produção,
armazenamento e tráfego – e tráfico, algumas vezes – de pessoas potenciais, prontas

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


para serem “plantadas” no útero. Aqui o embrião é visto como um proto-corpo,
agregado de células, receptáculo minimamente viável de DNA, do qual pretende-se
riscar qualquer traço de humanidade. O recém-nascido, assim produzido, assemelha-
se ao resultado de um processo de manufatura: “A criança entra na era de sua
reprodutibilidade industrial (...)”. (cf. Le Breton, 2003, p.96 e p.98). O homem virtual
também não é uma fantasia que existe apenas nas diegeses fílmicas. Como as
moléstias e as deficiências do corpo passam a ser vistas como um defeito de
fabricação do corpo artefato, cada vez mais, o homem potencial (o embrião) depende
do homem virtual (a projeção de seu genótipo) para ser autorizado a se desenvolver.
E, como demonstram as tendências médicas atuais, mesmo depois disso, viverá à
sombra de seus genes e será visto como alguém limitado pelos defeitos de fabricação
– predisposição ao câncer, ao enfarte, ao Mal de Alzheimer – atestados pelo eu

|
genético (cf. Le Breton, 2003, p.90-93).
O corpo da mentalidade cibercultural, além de ser herdeiro de uma longa
tradição, também se antecipa às possibilidades de fato da ciência e tecnologia.

Imagens da Cibercultura • V: Conclusão


Enquanto o futuro tecnológico realiza-se plenamente nos filmes, simulacros desse
futuro já permeiam aspectos da vida do homem comum: seja no cabeleireiro ou no
cirurgião plástico, a simulação de computador que mostra como ficará o corpo após
passar pela tesoura ou pelo bisturi, é a caricatura de um futuro imaginário onde a
mediação humana – do cabeleireiro, do cirurgião plástico – será eliminada por
processos totalmente objetivos e automáticos, como a fotografia fez com o pintor que
imprimia a imagem da camera obscura sobre uma tela. É o que antecipam os filmes,
onde o freqüente elogio à automatização das faculdades humanas manifesta o desejo
de eliminar as distorções e imperfeições introduzidas pelo homem. Nos futuros
imaginativos da cibercultura, fílmicos ou não, as tecnologias de redesign e
reconstrução orgânica serão tão desenvolvidas que nosso corpo nada mais será do

195
Agosto de 2005
que o equivalente biológico dos protótipos e mock-ups fabricados pelas atuais
tecnologias de CAD/CAM48.
Ao lado da constatação de que a cibercultura e o modo de ver
cinematográfico estão profundamente enraizados na cultura e história do ocidente,

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


não pôde passar despercebido o olhar etnocêntrico que vez ou outra se manifesta
nas imagens da cibercultura. Seja como um Oriente degenerado que contamina o
mundo, como em Blade Runner, ou como algo que o Ocidente admira porém supera,
como em The Matrix, é evidente que há, nos filmes ciberculturais em geral, uma
perspectiva que generaliza e circunscreve o oriental e as coisas orientais de forma
análoga ao tratamento dado ao cibernético. A presença do Oriente nesses casos
pode estar relacionada com a afinidade simbólica entre o asiático do imaginário
ocidental e a ambigüidade que permeia a cibercultura de uma forma geral. Colocado
em uma categoria de estranhamento similar à que as criaturas e espaços cibernéticos
ocupam, o asiático e os estereótipos de sua cultura são necessariamente “objetos
alienígenas”, mesmo que as cenas sejam ambientadas em território Oriental, neste
caso apenas um território a ser “conquistado”. Além disso, o personagem de

|
aparência asiática é caracterizado como um fragmento estereotipado do Oriente, tal
como os ideogramas, as roupas típicas e as artes marciais. Corrobora para essa
conclusão, o fato de que, ao contrário, um personagem representado por um ator de

Imagens da Cibercultura • V: Conclusão


aparência negra não é caracterizado como um “pedaço da África”. Certamente isso
não significa que a negritude não esteja sujeita a outros tipos de discriminação, cujo
melhor indicador é a escassez de atores negros nos filmes ciberculturais até
produções mais recentes, a partir de quando passaram a pesar regras da “inclusão
racial” e do que é politicamente correto. Contudo, mesmo assim, na maioria dos
casos em que há um personagem representado por ator de aparência negra nos
filmes analisados, não é difícil supor que ele possa ser representado por um ator de
aparência branca ou vice-versa.
Por fim, alguns comentários acerca do caráter mitológico das narrativas
ciberculturais devem ser feitos. Foi observado que, como figurações de mundos
imaginários, as imagens da cibercultura também abrem possibilidades para
reencantar aquilo que foi desencantado pela modernidade. Contudo, longe de

48
Acrônimo de computer-aided design / computer-aided manufacturing. Os sistemas CAD/CAM
permitem que um projeto desenhado por computador seja executado diretamente por uma máquina,
sem a intermediação humana.

196
Agosto de 2005
constituir uma crítica, o reencantamento proposto pela cibercultura não abre mão das
vantagens da modernidade. De fato, são as próprias racionalizações tecnológicas e
científicas a inspiração para as construções fílmicas que ultrapassam as raias do
absurdo. Nessas construções, como em um mito, tudo pode acontecer:

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


(...) parece que a sucessão dos acontecimentos não está aí sujeita a nenhuma
regra de lógica ou de continuidade. Qualquer sujeito pode ter um predicado
qualquer; toda relação concebível é possível (Lévi-Strauss, s.d., p.239).

Na maioria dos filmes analisados também foram encontrados, a exemplo do


que Lévi-Strauss observa em relação aos mitos, uma trama baseada em um ponto de
partida e de chegada que são invariáveis (cf. Lévi-Strauss, s.d., p.257) e um conjunto
de variantes que são combinadas para cumprirem funções análogas dentro das
diferentes narrativas que são, na verdade, também análogas entre si (cf. Lévi-
Strauss, 1987, p.169). Nestes filmes, o ponto de partida é o surgimento de uma
máquina ou máquinas com características humanas que ameaçam a ordem e a
existência do sistema ao seu redor: Hal 9000 de 2001: A Space Odyssey, os
andróides de Blade Runner, o MCP de Tron, o WORP de Wargames, o Exterminador

|
de The Terminator, a Matrix e seus agentes de The Matrix e mesmo Darth Vader de
Star Wars. Tais máquinas-gente confrontam-se com heróis que são figuras comuns

Imagens da Cibercultura • V: Conclusão


das tramas ciberculturais e que foram aqui denominados de tricksters cibernéticos,
em vista das similaridades que têm com certos heróis míticos (cf. Lévi-Strauss, s.d,
p.237-276; cf. Queiroz, 1991, p.93-107). Assim como seus pares dos mitos
tradicionais, os tricksters dos filmes ciberculturais são personagens liminares e
ambíguos, muitas vezes tão ambíguos quanto as ameaças contra as quais eles
lutam. Mas, ao contrário destes, os tricksters cibernéticos, ainda que dependam da
tecnologia ou do acoplamento de máquinas, possuem alguma característica humana
ou poder mágico fora do alcance da tecnologia, permitindo-lhes agenciar – o ponto de
chegada desses mitos – o restabelecimento da ordem ou instauração de uma nova
ordem.
Lido como mitos, os filmes ciberculturais não só dão forma aos medos e
ansiedades provocados pela tecnologia, como também são meios de superar, no
plano do mito, contradições que são insuperáveis na vida real. Daí a importância do
trickster e a razão de suas características ambíguas: “porque ele retém qualquer
coisa da dualidade que tem por função superar” (Lévi-Strauss, s.d., p.261). É só

197
Agosto de 2005
porque as contradições coexistem no trickster cibernético que é possível restituir, ao
menos imaginariamente, parte da mágica que foi esvaziada pela mesma ciência e
tecnologia que lhe dá forma. Mas, no fundo, talvez eles nada mais sejam do que
sucedâneos ao qual se colou uma película de magia, pouco mais do que refinados

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


produtos do mesmo desencantamento do mundo que pretendem superar. Nesse
sentido os tricksters cibernéticos – os Blade Runners, hackers e ciborgues da
cibercultura – seriam somente a conciliação ilusória e artificial de contradições que,
no limite, traduzem-se no confronto entre a fantasia de onipotência do homem e a
mortalidade de seu corpo.

|
Imagens da Cibercultura • V: Conclusão

198
Julho de 2005
VI. BIBLIOGRAFIA
ABBATE, Janet. Cyborg by Martin Caidin. [S.l.: s.n.], 1999. Disponível em:

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


<http://www.inform.umd.edu/EdRes/Colleges/ARHU/Depts/History/Faculty/JAbbate/cy
borg/cyborg.html>. Acesso em: 12 abr 2004.
ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio
de Janeiro:Zahar, 1985 (1944).
AMERICAN SOCIETY FOR CYBERNETICS. History of cybernetics -
chapter 2: the coalescence of cybernetics. [S.l.: s.n., entre 1996 e 2003].
Disponível em: <http://www.asc-cybernetics.org/ >. Acesso em: 3 dez 2003.
______. Summary: The Macy Conferences. [S.l.: s.n., entre 1996 e 2003].
Disponível em: <http://www.asc-
cybernetics.org/foundations/history/MacySummary.htm>. Acesso em: 3 dez 2003.
______. A Timeline for the Evolution of Cybernetics. [S.l.: s.n., entre 1996
e 2003]. Disponível em: <http://www.asc-

|
cybernetics.org/foundations/history/MacySummary.htm>. Acesso em: 30 nov 2003.
AUMONT, Jacques. A imagem. Campinas: Papirus, 2002 (1990).
AUMONT, Jacques; BERGALA, Alain; MARIE, Michel, VERNET, Marc.

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


Estética del cine: Espacio filmico, montage, narración, lenguaje. Barcelona:
Ediciones Paidós Ibérica, 1983 (1983).
BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. São Paulo: Cultrix, 2001
(1964).
______. Mitologias. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989 (1957).
______. Mudar o próprio objeto. In: Nascimento, Carlos A. (tradutor).
Atualidade do Mito (coletânea de artigos publicados na revista Esprit, n. 402, abril de
1971). São Paulo: Duas Cidades, 1977, p. 11-14.
______. O óbvio e o obtuso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990 (1982).
BATESON, Gregory. Steps to an ecology of mind. Chicago: The University
of Chicago, 2000 (1972), p.309-337.
BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva,1973
(1968).
BECKER, Howard; Do photographs tell the truth? Afterimage, Rochester,
N.Y., vol. 6, February 1978, p. 9-13.

199
Julho de 2005
BENEDICT, Ruth. O crisântemo e a espada: padrões da cultura japonesa.
São Paulo: Perspectiva, 2002 (1946).
BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica
(1935). In: Magia e técnica, arte e política ensaios sobre literatura e história da

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


cultura. São Paulo: Brasiliense, 1986, p.166-196.
______. Pequena história da fotografia (1931). In: Kothe, Flávio. Walter
Benjamin: sociologia. São Paulo: Ática, 1991, p.219-240.
BERGER, John. Ways of seeing. London: BBC, Penguin Books, 1972.
BERGER, Mirela. A projeção da deficiência. 1999. 199 p. Dissertação
(Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências
Humanas, Universidade de São Paulo.
BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade.
Petrópolis: Vozes, 1998 (1966).
BETHKE, Bruce. Cyberpunk - a short story by Bruce Bethke. [S.l.: s.n,
1997?]. Disponível em: <http://www.infinityplus.co.uk/stories/cpunk.htm>. Acesso em:
30 jan 2004.

|
BOURDIEU, Pierre. Gostos de classe e estilos de vida. In: ORTIZ, Renato;
FERNANDES, Florestan (orgs.). Pierre Bourdieu - Coleção grandes cientistas

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


sociais. São Paulo: Ática, 1994, p.295-336.
______. O mercado de bens simbólicos. In: ORTIZ, Renato; FERNANDES,
Florestan (orgs.). Pierre Bourdieu - Coleção grandes cientistas sociais. São Paulo:
Ática, 1994, p. 99-181.
______. Condição de classe e posição de classe. In: ORTIZ, Renato;
FERNANDES, Florestan (orgs.). Pierre Bourdieu - Coleção grandes cientistas
sociais. São Paulo: Ática, 1994, p. 3-25.
______. Reprodução cultural e reprodução social (1970). In: MICELI, Sérgio
(org). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2001.
BUSH, Vannevar. As We May Think. The Atlantic Monthly, vol. 176, N. 1,
July 1945, p. 101-108. Disponível em:
<http://www.theatlantic.com/unbound/flashbks/computer/bushf.htm>. Acesso em: 21
jul. 2004.
CARRIÈRE, Jean-Claude. A linguagem secreta do cinema. Rio de Janeiro:
Nova Fronteira, 1995.

200
Julho de 2005
CAIDIN, Martin. Cyborg. New York: Arbor House, 1972. Citado por: ABBATE,
Janet. Cyborg by Martin Caidin. [S.l.: s.n], 1999. Disponível em:
<http://www.inform.umd.edu/EdRes/Colleges/ARHU/Depts/History/Faculty/JAbbate/cy
borg/cyborg.html>. Acesso em: 12 abr 2004.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


CAIUBY NOVAES, Sylvia. Clones - do grego broto. Sexta feira:
antropologia, artes e humanidades. São Paulo: v. 4, 1999, p. 158 - 167.
CHARNEY, Leo. Num instante: o cinema e a filosofia da modernidade. In:
CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa (Orgs.). O cinema e a invenção da vida
moderna. São Paulo: Cosac & Naif, 2001 (1995), p. 386-408.
CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa. Introdução. In: CHARNEY, Leo;
SCHWARTZ (Orgs.). O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac &
Naif, 2001 (1995), p. 19-35.
CLYNES, Manfred E.; KLINE, Nathan S. Cyborgs and space (1960). In:
GRAY, Chris Hables; FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR, Steve (Orgs.). The
cyborg handbook. London: Routledge, 1995, p. 29-33.
COOPER, Alan. The inmates are running the asylum. Indianapolis, Indiana:

|
Sams, 1999.
COUCHOT, Edmond. Da representação à simulação: evolução das técnicas e

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


das artes de figuração. In: PARENTE, André (Org.). Imagem máquina. São Paulo:
Editora 34, 1993, p. 37-47.
DE ROSNAY, J. History of cybernetics and systems science. [s.l.: s.n],
2000. Disponível em: Principia Cybernetica Web
<http://pespmc1.vub.ac.be/CYBSHIST.html>. Acesso em: 8 dez 2003.
DIAS, Carlos. Quase melhor que o original. Super Interessante. São Paulo,
ano 13, n. 1, 1999, p. 42-46.
DICK, Philip K. Do androids dream of electric sheep? Oxford: Oxford
University, 2000 (1968).
DOWNEY, Gary Lee; DUMIT, Joseph; WILLIAMS, Sarah. Cyborg
anthropology. In: GRAY, Chris Hables; FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR,
Steve (Orgs.). The cyborg handbook. London: Routledge, 1995, p. 341-346.
DITLEA, Steve. Experiências com o Coração Artificial. Scientific American
Brasil. São Paulo, ano 1, n. 3, ago 2002, p 34-43.
DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. Lisboa: Edições 70, 1991 (1966).
DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico. Campinas: Papirus, 2003 (1990).

201
Julho de 2005
ECO, Umberto. A estrutura ausente. São Paulo: Perspectiva, 2001 (1968).
______. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 2001.
______. Os limites da interpretação. São Paulo: Perspectiva, 2000 (1990).
______. Tratado geral de semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2002 (1975).

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


EFE, Agência. Computador central da IBM completa 40 anos de vida. Terra
informática, [S.l.; s.n.], 7 abr. 2004. Disponível em:
<http://noticias.terra.com.br/imprime/0,,OI290320-EI553,00.html>. Acesso em: 21 jul.
2004.
ESCOBAR, Arturo. Welcome to cyberia – notes on the anthropology of
cyberculture (1994) In: BELL, David; KENNEDY, Barbara M. (Orgs.). The
cybercultures reader. London: Routledge, 2000, p. 56-76.
GRAY, Chris Hables; FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR, Steve.
Cyborlogy: constructing the knowledge of cybernetic organisms. In: ______. The
cyborg handbook. London: Routledge, 1995, p. 1-14.
GRAY, Chris Hables. An interview with Manfred E. Clynes. In: GRAY, Chris
Hables; FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR, Steve (Orgs.). The cyborg

|
handbook. London: Routledge, 1995, p. 43-53.
______. An interview with Jack E. Steele. In: GRAY, Chris Hables;

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR, Steve (Orgs.). The cyborg handbook.
London: Routledge, 1995, p. 61-69.
GEHRINGER, Max; LONDON, Jack. Odisséia digital [encarte especial das
revistas Vip, Web, e Superinteressante]. São Paulo: Editora Abril, abr. 2001.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 1989 (1973).
GIBSON, William. Neuromancer. New York: Ace Books, 1984.
GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis:
Vozes, 1989 (1959).
______. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada.
Rio de Janeiro, LTC, 1988 (1963).
HAKKEN, David. Cyborgs@cyberspace: an ethnographer looks to the
future. New York, Routledge, 1999.
HARAWAY, Donna. A cyborg manifesto: science, technology and socialist-
feminism in the late twentieth century (1991). In: BELL, David; KENNEDY, Barbara M.
(Orgs.). The cybercultures reader. London: Routledge, 2000, p. 291-324.

202
Julho de 2005
______. (Foreword) Cyborgs and symbionts: living together in the new world
order. In: GRAY, Chris Hables; FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR, Steve.
The cyborg handbook. London: Routledge, 1995, p. XI-XX.
HAYLES, N Katherine. How we became posthuman: virtual bodies in

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


cybernetics, literature and informatics. Chicago: University of Chicago, 1999.
______. The life cycle of cyborgs: writing the posthuman. In: GRAY, Chris
Hables; FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR, Steve. The cyborg handbook.
London: Routledge, 1995, p. 321-335.
HIKIJI, Rose Satiko Gitirana. Imagem-violência: mímesis e reflexividade
em alguns filmes recentes. 1998. 139 p. Dissertação (Mestrado em Antropologia
Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São
Paulo.
HOLSTON, James. Alternative modernities: statecraft and religious
imagination in the Valley of the Dawn. American Ethnologist. V. 26, n. 3, 1999, p.
605-631.
INTERNET Movie Database Inc. The Internet movie database. [S.l.: s.n,

|
entre 1990 e 2005]. Disponível em: < http://www.imdb.com/>. Acesso em: 28 jul.
2005.

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


JOY, Bill. Why the future doesn't need us. Wired Magazine, San Francisco,
issue 8.04, apr. 2000. Disponível em:
<http://www.wired.com/wired/archive/8.04/joy_pr.html>. Acesso em: 19 de julho de
2004.
KUNZRU, Hari. The cyborg ancestry. Wired Magazine, San Francisco, issue
5.02, feb. 1997. Disponível em:
<http://hotwired.wired.com/collections/genetics/5.02_cyborg_pr.html>. Acesso em: 14
dez. 2003.
______. You are cyborg. Wired Magazine, San Francisco, issue 5.02, feb.
1997. Disponível em:
<http://hotwired.wired.com/collections/genetics/5.02_cyborg_pr.html>. Acesso em: 19
de julho de 2004.
LANDSBERG, Mitchell. Fifty years later, Iwo Jima photographer fights his
own battle. [S.l.]: Associated Press, [1995?]. Disponível em:
<flaghttp://www.ap.org/pages/about/pulitzer/rosenthal.html>. Acesso em 17 fev. 2005.
LE BRETON, David. Adeus ao corpo. Campinas: Papirus, 2003 (1999).

203
Julho de 2005
LEITE BRANDÃO, Carlos Antônio. O corpo do Renascimento. In: Novaes,
Adauto. O homem-máquina. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
LESSARD, Daniel. Pcbiography. [S.l.: s.n., 1996-2002?]. Disponível em:
<http://www.fortunecity.com/marina/reach/435/>. Acesso em: 21 de julho de 2004.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro, [s.d.] (1958).
______. Antropologia estrutural dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,
1993 (1973).
______. Como eles morrem. In: Nascimento, Carlos A. (tradutor). Atualidade
do Mito (coletânea de artigos publicados na revista Esprit, n. 402, abril de 1971). São
Paulo: Duas Cidades, 1977, p. 91-103.
______. Introdução à obra de Marcel Mauss. In: MAUSS, Marcel: Sociologia
e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003, p. 11-46.
______. Totemismo hoje (1962). In: Lévi-Strauss – coleção “os
pensadores”, São Paulo: Abril Cultural, 1980, p.101-187.
______. Tristes trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996 (1955), p.

|
362-372.
______. Mito e significado. Lisboa, Edições 70, [2000] (1978).

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


______. A oleira ciumenta. Lisboa, Edições 70, [1987] (1985).
______. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 2002 (1962).
LEVY, Steven. Hackers: heroes of the computer revolution. New York:
Penguin Books, 2001 (1984).
LODATO, Franco. Bionics: nature as a tool for product development. [S.l.:
s.n.], 2001. Disponível em: <http://hci.stanford.edu/cs447/papers/bionique.pdf>.
Acesso em: 24 jan 2004.
LUPTON, Deborah. The embodied computer/user (1995). In: BELL, David;
KENNEDY, Barbara M. (Orgs.). The cybercultures reader. London: Routledge,
2000, p. 477-488.
MACHADO, Arlindo. Máquina e imaginário. São Paulo: Edusp, 2001.
MARTIN, Marcel. A Linguagem cinematográfica. Belo Horizonte: Itatiaia,
1963 (1955).
MARTINS, Alice Fátima. Saudades do futuro: o cinema de ficção científica
como expressão do imaginário social sobre o devir. 2004. 324 p. Tese
(Doutorado em Sociologia) – Universidade de Brasília (UnB).

204
Julho de 2005
MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify,
2003.
MENEZES, Paulo Roberto Arruda de. Cinema: imagem e interpretação.
Tempo social: revista de sociologia da USP. São Paulo: v. 8, out. 1996, p. 158 -

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


167.
______. À meia-luz: cinema e sexualidade nos anos 70. São Paulo:
Editora 34, 2001.
MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensão do
homem. São Paulo: Cultrix, 2000 (1964).
MILLS, Charles Wright. A elite do poder. Rio de Janeiro: Zahar, 1968 (1956).
______. Imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1969 (1959).
MITCHELL, W. J. Thomas. Iconology: image, text ideology. Chicago: The
University of Chicago, 1986.
MORAVEC, Hans. When will computer hardware match the human brain?
Journal of evolution and technology. [S.l., s.n], Vol., 1998. Disponível em:
<http://www.transhumanist.com/volume1/moravec.htm>. Acesso: 21 jul. 2004.

|
MORIN, Edgar. Cultura de massas no século vinte: o espírito do tempo.
Rio de Janeiro: Companhia Editora Forense, 1967 (1962).

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


MORIN, Edgar. O cinema ou o homem imaginário. Lisboa: Moraes
Editores, 1970 (1958).
NASH, Bruce. The Numbers: box office data, movie stars, idle
speculation. Los Angeles: [s.n., entre 1997 e 2005]. Disponível em: <http://www.the-
numbers.com/>. Acesso em 28 jul. 2005.
NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras,
2000 (1995).
NETO, J. Teixeira Coelho. Semiótica, informação e comunicação. São
Paulo: Perspectiva, 1983.
NORTON, Peter. Desvendando o PC. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1996
(1995).
PARENTE, André. Introdução – Os paradoxos da imagem-máquina. In:
PARENTE, André. (org.). Imagem máquina. São Paulo: Editora 34, 1993.
PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1999.

205
Julho de 2005
PYLE, Forest. Making cyborgs, making humans: of terminators and blade
runners (1993) In: BELL, David; KENNEDY, Barbara M. The cybercultures reader.
London: Routledge, 2000, p. 124-137.
QUÉAU, Philippe. O tempo do virtual. In: PARENTE, André. Imagem

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


máquina. São Paulo: Editora 34, 1993, p. 91-99.
QUEIROZ, Renato da Silva. O herói-trapaceiro: reflexões sobre a figura do
trickster. Tempo social: revista de sociologia da USP. São Paulo: n.3 (1-2), 1991,
p. 93-107.
RAPPORT, Nigel; OVERING, Joanna. Social and cultural anthropology –
the key concepts. London: Routledge, 2000.
RAYMOND, Eric. Jargon file 4.2.2. [S.l.: s.n], 20 aug. 2000. Disponível em:
<http://www.gutenberg.net/etext02/jarg422.txt>. Acesso em: 19 jul. 2004.
RODRIGUES, José Carlos. Tabu do Corpo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1979.
SAHLINS, Marshall. Cosmologias do capitalismo: o setor transpacífico do
“sistema mundial” (1988). Religião e sociedade, Rio de Janeiro, vol. 16, 1992.
______. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Zahar, 2003 (1976).

|
______. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Zahar, 1990 (1987).
SAID, Edward W. Orientalismo: o oriente como invenção do ocidente.

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


São Paulo: Companhia das Letras, 1990 (1978).
SAM, Hart. A brief history of home video games. [S.l.: s.n., 1986-1988].
Disponível em: <http://www.geekcomix.com/vgh/>. Acesso em: 19 jul. 2004.
SANDBERG, Mark B. Efígie e narrativa: examinando o museu de folcrlore do
século XIX. In: CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa (Orgs.). O cinema e a
invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac & Naif, 2001 (1995), p. 441-496.
SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix,
2002 (1916).
SCHWARTZ, Vanessa. O espectador cinematográfico antes do aparato do
cinema: o gosto do público pela realidade na Paris fim-de-século. In: CHARNEY, Leo;
SCHWARTZ (Orgs.). O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac &
Naif, 2001 (1995), p. 441-440.
SINGER, Ben. Modernidade, hipesetímulo e o início do sensacionalismo
popular. In: CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa (Orgs.). O cinema e a invenção
da vida moderna. São Paulo: Cosac & Naif, 2001 (1995), p. 115-148.

206
Julho de 2005
SHELLEY, Mary W. Frankenstein ou o moderno prometeu. São Paulo:
Publifolha, 1998 (1818).
SIMMEL, Georg. Fashion (1904). In: Levine, Donald N. Georg Simmel: On
individuality and social forms. Chicago: The University of Chicago, 1971, p. 294-

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


323.
______. The metropolis and mental life (1903). In: Levine, Donald N. Georg
Simmel: On individuality and social forms. Chicago: The University of Chicago,
1971, p.324-339.
______. The stranger (1908). In: Levine, Donald N. Georg Simmel: On
individuality and social forms. Chicago: The University of Chicago, 1971, p. 143-
149.
[SOLOMON, Alan?]. A brief history of PC viruses. [S.l.: s.n, 1994?].
Disponível em < http://vx.netlux.org/lib/aas14.html>. Acesso em: 19 jul. 2004.
SORLIN, Pierre. Sociologia del cine. México: Fondo de Cultura Econômica,
1985 (1977).
STEELE, Jack E. How do we get there? (1960) In: GRAY, Chris Hables;

|
FIGUEROA-SARRIERA, Heidi L.; MENTOR, Steve (Orgs.). The cyborg handbook.
London: Routledge, 1995, p. 54-59.

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


STELARC. Stelarc. [S.l.: s.n, s.d]. Disponível em
http://www.stelarc.va.com.au/. Acesso em: 28 jul. 2005.
STERLING, Bruce. The hacker crackdown – law and disorder on the
electronic frontier. New York: Bantam Books, 1992.
STERLING, Bruce. Short history of the Internet. Fantasy and Science
Fiction. Cornwall, Feb. 1993. Disponível em: Electronic Texts
<http://www.lysator.liu.se/etexts/the_internet.html>. Acesso em: 19 jul. 2004.
STILLER, Wolfgang. Introduction to viruses. [S.l.: s.n.], 2001. Disponível
em: Stiller Reseach, http://www.stiller.com/vintro.htm. Acesso em: 19 jul. 2004.
TAUSSIG, Michael. Mimesis and alterity: a particular history of senses.
New York: Routledge, 1993.
TOFFLER, Alvin. Powershift: As Mudanças do Poder. Rio de Janeiro:
Record, 1993.
TOFFLER, Alvin. A Terceira Onda. Rio de Janeiro: Record, 1980.
XAVIER, Ismail. Experiência do cinema. Rio de Janeiro, Graal, 1983.

207
Julho de 2005
TÖNNIES, Ferdinand. Comunidade e sociedade: textos selecionados. In:
MIRANDA, Orlando (org.). Para ler Ferdinand Tönnies. São Paulo: Edusp, 1995,
p.229-352.
WALLEIJ, Linus. Copyright Does Not Exist. [S.l.: s.n.], 1998. Disponível em:

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


<http://www.devili.iki.fi/pub/misc/books/cdne.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2004.
WEBER, Max. Ação social e relação social. In: Foracchi, Marialice Mencarini;
Martins, José de Souza (orgs.). Sociologia e sociedade. Rio de Janeiro: Livros
Técnicos e Científicos, 1977, p.139-144.
______. Classe, Estamento e Partido. In: Gerth, H. H. e Mills, C. W. (orgs).
Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1982, p.211-228.
______. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo,
Livraria Pioneira, 1996 (1904-1905).
______. A Objetividade do Conhecimento nas Ciências Sociais. In: Cohn,
Gabriel (org). Max Weber: Sociologia. São Paulo, Ática, 1979, p.79-127.
______. Religião e racionalidade econômica. In: Cohn, Gabriel (org). Max
Weber: Sociologia. São Paulo, Ática, 1979, p.142-159.

|
WELLS, Joe. Virus Timeline. [S.l.: s.n.], 1996. Disponível em:
<http://www.research.ibm.com/antivirus/timeline.htm>. Acesso em: 19 jul. 2004.

Imagens da Cibercultura • VI:Bibliografia


WIENER, Norbert. Cibernética e sociedade: o uso humano de seres
humanos. São Paulo: Cultrix, 1984.
______. Cybernetics: or the control and communication in the animal
and the machine. USA: Massachusetts Institute of Technology, 1948.
WINEGRAD, Dilys; AKERA, Atsushi. A Short History of the Second American
Revolution. Almanac. [University of Pennsylvania]: Vol. 42 N. 18 jan. 30, 1996.
Disponível em: <http://www.upenn.edu/almanac/v42/n18/eniac.html>. Acesso em: 21
jul. 2004.
WINTER, Winter. Pong-Story. 2005. Disponível em: http://www.pong-
story.com/. Acesso em: 28 jul. 2005.

208
Julho de 2005
VII. FILMOGRAFIA

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


 2001: A Space Odyssey (2001: Uma Odisséia no Espaço). Direção:
Stanley Kubrick. Produção: Stanley Kubrick. Intérpretes: Keir Dullea (Dr.
Dave Bowman); Gary Lockwood (Dr. Frank Poole); Douglas Rain (voz do
HAL 9000); William Sylvester (Dr. Haywood R. Floyd) e outros. País de
produção: EUA; Reino Unido. Produtora: Metro Goldwyn Mayer. Ano de
produção: 1968. Disponível em: DVD (148 min), wide screen, color, Warner
Home Video Brasil, 2001.
 BLADE Runner (Blade Runner: o Caçador de Andróides). Direção: Ridley
Scott. Produção: Michael Deeley. Intérpretes: Harrison Ford (Rick
Deckard); Rutger Hauer (Roy Batty); Sean Young (Rachael); Edward
James Olmos (Gaff) e outros. Roteiro: Hampton Fancher e David Peoples.

|
País de produção: EUA. Produtora: Blade Runner Partnership; The Ladd
Company. Ano de produção: 1982. Disponível em: DVD (117 min), wide/full

Imagens da Cibercultura • VII: Filmografia


screen, color, Warner Home Video Brasil, 1998. Baseado na novela “Do
androids dream of eletric sheep?” de Philip K. Dick.
 JOHNNY Mnemonic (Johnny Mnemonic: o Cyborg do Futuro). Direção:
Robert Longo. Produção: Don Carmody. Intérpretes: Keanu Reeves
(Johnny Mnemonic); Dina Meyer (Jane); Ice-T (J-Bone); Takeshi Kitano
(Takahashi); Dennis Akayama (Shinji); Dolph Lundgren (Street Preacher) e
outros. Roteiro: William Gibson. País de produção: Canadá; EUA.
Produtora: Alliance Communications Corporation; Cinévision; TriStar
Pictures. Ano de produção: 1995. Disponível em: DVD (98 min), color,
wide/full screen, Columbia Tristar Home Video, 1997. Baseado no conto
“Johnny Mnemonic” de William Gibson.
 LAWNMOWER Man, The (O Passageiro do Futuro). Direção: Brett
Leonard. Produção: Gimel Everett. Intérpretes: Pierce Brosnan (Lawrence
Angelo); Jeff Fahey (Jobe Smith); Jenny Wright (Marnie Burke); Mark
Bringleson (Sebastian Timms); Geoffrey Lewis (Terry McKeen) e outros.
Roteiro: Brett Leonard; Gimel Everett; Stephen King. País de produção:

209
Julho de 2005
EUA. Produtora: Allied Vision; Fuiji Eight Co.; Lane Pringle Productions;
New Line Cinema. Ano de produção: 1992. Disponível em: DVD (113 min),
wide screen, color, New Line Home Video, 1997.
 THE MATRIX (Matrix). Direção: Andy Wachowski; Larry Wachowski.

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


Produção: Joel Silver. Intérpretes: Keanu Reeves (Neo / Anderson);
Laurence Fishburne (Morpheus); Carrie-Anne Moss (Trinity); Hugo
Weaving (Agent Smith); Joe Pantoliano (Cypher); Marcus Chong (Tank) e
outros. Roteiro: Andy Wachowski; Larry Wachowski. País de produção:
EUA. Produtora: Groucho II Film Partnership; Silver Pictures; Village
Roadshow Pictures. Ano de produção: 1999. Disponível em: DVD (136
min), color, wide screen, Warner Home Video, 1999.
 METROPOLIS (Metrópolis). Direção: Fritz Lang. Produção: Gale Anne
Hurd. Intérpretes: Alfred Abel (Johhan Fredersen); Gustav Fröhlich (Freder
Fredersen); Brigitte Helm (Maria / Der Maschinen-Mensch / o Robô) e
outros. País de produção: Alemanha. Produtora: Universum Film A.G.
(UFA). Ano de produção: 1927.

|
 MINORITY Report (Minority Report: a Nova Lei). Direção: Steven
Spielberg. Produção: Jan de Bont; Bonnie Curtis; Gerald R. Molen; Walter

Imagens da Cibercultura • VII: Filmografia


F. Parkes. Intérpretes: Tom Cruise (John Anderton); Colin Farrell (Danny
Witwer); Steve Harris (Jad); Max von Sydow (Lamar Burgess); Samantha
Morton (Agatha); Kathryn Morris (Lara Anderton) e outros. Roteiro: Scott
Frank e Jon Cohen. País de produção: EUA. Produtora: 20th Century Fox;
DreamWorks SKG; Amblin Entertainment; Blue Tulip. Ano de produção:
2002. Disponível em: DVD (148 min), wide screen, color, Twentieth
Century Fox Home Entertainment Brasil, 2003. Baseado no conto “Minority
Report” de Philip K. Dick.
 TRON (Tron: Uma Odisséia Eletrônica). Direção: Steven Lisberger.
Produção: Donald Kushner; Steven Lisberger. Intérpretes: Jeff Bridges
(Flynn / Clu); Bruce Boxleitner (Alan / Tron); David Warner (Dillinger / Sark /
voz do Master Control Program); Cindy Morgan (Lora / Yori); Barnard
Hughes (Dr. Walter Gibbs / Dumont) e outros. Roteiro: Steven Lisberger;
Bonnie MacBird. País de produção: EUA. Produtora: Lisberger-Kushner;
Walt Disney Pictures. Ano de produção: 1982. Disponível em: DVD (96
min), color, wide screen, Buena Vista Home Entertainment, [s.d.].

210
Julho de 2005
 WARGAMES (Jogos de Guerra). Direção: John Badham. Produção: Harold
Schneider. Intérpretes: Matthew Broderick (David Lightman); Dabney
Coleman (Dr. John McKittrick); John Wood (Dr. Stephen Falken); Ally
Sheedy (Jennifer Katherine Mack); Barry Corbin (Gen. Jack Beringer) e

Joon Ho Kim @ Depto. Antropologia • FFLCH • USP |


outros. Roteiro: Lawrence Lasker; Walter F. Parkes. País de produção:
EUA. Produtora: MGM; Sherwood; The Leonard Goldberg Company. Ano
de produção: 1983. Disponível em: DVD (113 min), wide screen, color,
MGM Home Entertainment, 1998.
 STAR Wars: A New Hope (Guerra nas Estrelas: Uma Nova Esperança).
Direção: George Lucas. Produção: Gary Kurtz, George Lucas. Intérpretes:
Mark Hamill (Luke Skywalker), Harrison Ford (Han Solo), Carrie Fisher
(Princess Leia Organa), Peter Cushing (Grand Moff Tarkin), Alec Guinness
(Ben Obi-Wan Kenobi) e outros. País de produção: EUA. Produtora:
Lucasfilm Ltd. Ano de produção: 1977.
 TERMINATOR, The (O Exterminador do Futuro). Direção: James
Cameron. Produção: Erich Pommer. Intérpretes: Arnold Schwarzenegger

|
(o exterminador); Michael Biehn (Kyle Reese); Linda Hamilton (Sarah
Connor) e outros. País de produção: EUA. Produtora: Hemdale Film

Imagens da Cibercultura • VII: Filmografia


Corporation; Cinema 84; Euro Film Fund; Pacific Western. Ano de
produção: 1984.

211