Você está na página 1de 70

T OLEDO

Toledo 820 - Pitless


60 t e 80 t Concreto - 8 PLC

MANUAL DE MONTAGEM

MM - PITLESS 8 PLC RE: 05-10-08


TOLEDO Pitless 8 PLC

Índice

01. Considerações Gerais 06. Concretagem da Plataforma e Rampas


A. Responsabilidades do Encarregado ............ 01-01/02 A. Concretagem da Plataforma .......................... 06-01/02
B. Responsabilidades do Líder ......................... 01-02/02 B. Concretagem das Rampas ........................... 06-02/02
C. Responsabilidades do Técnico .................... 01-02/02
07. Montagem das Células de Carga
D. Outras Recomendações ............................... 01-02/02
A. Instalação dos Parafusos Limitadores ......... 07-01/06
02. Instruções ao Cliente B. Preparação da Plataforma de Pesagem ...... 07-02/06
A. Quanto ao Aterramento .................................. 02-01/06 C. Seqüência de Montagem ............................... 07-02/06
B. Quanto a Ligação à Cabine ........................... 02-02/06
08. Ligação das Células de Carga
C. Quanto às Tomadas da Cabine .................... 02-03/06
A. Fixação da Caixa de Junção Digitol ............... 08-01/08
D. Quanto à Pavimentação da Base ................. 02-05/06
B. Instalação dos Cabos das Células .............. 08-02/08
E. Plataforma/Rede de Alta Tensão .................. 02-05/06
C. Conexão entre Caixa 1 e Caixa 2 .................. 08-05/08
F. Providências Gerais ....................................... 02-06/06
D. Ligação à Cabine de Pesagem .................... 08-06/08
03. Inspeção da Base e Fixação das Chapas de
Apoio 09. Instalação Elétrica da Cabine de Pesagem
A. Materiais Necessários para Traçagem ......... 03-01/08 A. Sistema de Aterramento ................................ 09-01/04
B. Verificação do Nível ........................................ 03-01/08 B. Instalação do Supressor de Transientes ..... 09-03/04
C. Traçagem da Base ........................................ 03-02/08
10. Colocando a Balança em Funcionamento
D. Verificação dos Nichos .................................. 03-05/08
A. Procedimento Preliminar ............................... 10-01/10
E. Traçagem das Chapas de Apoio .................. 03-05/08
B. Programando e Calibrando a Balança com o Módulo
F. Verificação do Esquadro ................................ 03-06/08 8530 ..................................................................... 10-01/10
G. Verificação do Nível das Chapas .................. 03-07/08 C. Outras Programações - 8530 ........................ 10-05/10
H. Fixação das Chapas de Apoio ...................... 03-07/08 D. Programando e Calibrando a Balança com o Módulo
8530 Cougar ....................................................... 10-06/10
04. Montagem da Longarina e Travessa E. Outras Programações - Cougar .................... 10-10/10
A. Material Necessário ...................................... 04-01/10 F. Programando e Calibrando a Balança com os Módulos
8540 e 8540 Gráfico ........................................... 10-10/10
B. Montagem das Placas Superiores .............. 04-02/10
C. Montagem das Bases das Células ............. 04-02/10 11. Recomendações Importantes ...... 11-01/02
D. Posicionamento das Colunas de Apoio ..... 04-03/10
12. Lista de Peças
E. Seqüência de Montagem ............................. 04-04/10
A. Conjunto da Célula de Carga ........................ 12-01/04
05. Alinhamento da Plataforma e Fixação das B. Conjunto de Ligação das Células de Carga e Sistema
Bordas das Rampas de Aterramento ................................................... 12-02/04
A. Alinhamento da Plataforma ........................... 05-01/04 C. Conjunto dos Limitadores de Movimento Longitudinal e
Transversal ......................................................... 12-03/04
B. Fixação das Bordas das Rampas ................ 05-03/04

Revisão 05 - 10 - 08 ( 01 - 01 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Introdução

Este Manual consiste de um guia de trabalho para Técnicos treinados no CENTRO DE TREINAMENTO
TÉCNICO - C.T.T., fornecendo informações necessárias para ajudá-los na montagem das balanças Toledo Modelo 820
- PITLESS 60t e 80t Concreto com 8 células Digitol, do tipo Pin Load Cell.

As informações contidas neste MANUAL são de propriedade exclusiva da TOLEDO DO BRASIL INDÚSTRIA DE
BALANÇAS LTDA., e não devem ser reproduzidas ou transmitidas a terceiros sem autorização prévia por escrito.

Solicitações de informações relativas a Treinamento Técnico, feitas por Clientes e cópias adicionais deste
MANUAL, serão atendidas através do seguinte endereço:

TOLEDO DO BRASIL INDÚSTRIA DE BALANÇAS LTDA.


CENTRO DE TREINAMENTO TÉCNICO
Rua Manoel Cremonesi, 01 - Jd. Belita
CEP. 09851-900 - S. Bernardo do Campo - SP
Telefone: (11) 4356-9178
Fax: (11) 4356-9465
e-mail:ctt@toledobrasil.com.br

ATENÇÃO
DESCONECTAR A BALANÇA DA REDE
ANTES DE EFETUAR QUALQUER TROCA
OU MANUTENÇÃO.

ADVERTÊNCIA
OBSERVAR AS PRECAUÇÕES PARA O
MANUSEIO DE EQUIPAMENTOS SENSÍVEIS
À ELETRICIDADE ESTÁTICA.

CONTROLE DE REVISÕES

SEÇ ÃO 1 SEÇ ÃO 2 SEÇ ÃO 3 SEÇ ÃO 4 SEÇ ÃO 5 SEÇ ÃO 6 SEÇ ÃO 7 SEÇ ÃO 8 SEÇ ÃO 9 S E Ç Ã O 10 SEÇÃO 11 S E Ç Ã O 12

02-10-08 03-10-08 02-10-08 04-10-08 04-10-08 03-10-08 04-10-08 05-10-08 03-10-08 03-10-08 02-10-08 04-10-08

Revisão 05 - 10 - 08 ( 01 - 01 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

01 Considerações Gerais

Este manual tem por objetivo a orientação dos Técnicos, HABITUE-SE A PLANEJAR ADEQUADAMENTE SUAS
durante a montagem das balanças TOLEDO MODELO ATIVIDADES E AUMENTE SUA PERFORMANCE NOS
820 - PITLESS 60 t e 80 t CONCRETO com 8 células SERVIÇOS EXECUTADOS.
DIGITOL, do tipo Pin Load Cell.
A montagem da PITLESS 60t ou 80t CONCRETO, tem um
Seguindo as recomendações contidas neste Manual, o tempo padrão de 54 horas, estabelecido em função do
técnico executará o serviço no tempo previsto, e com a tempo utilizado em montagens anteriores.
qualidade necessária ao perfeito funcionamento da balança.
Qualquer esforço no sentido de reduzir o tempo de
A orientação não é limitada apenas aos aspectos técnicos, montagem, deve rigorosamente ser precedido de uma
estendendo-se à organização e métodos de trabalho. análise do tempo utilizado em cada etapa da montagem.

Para evitar problemas durante a instalação, o técnico deve Conhecidos todos os fatores que compõem o tempo de
planejar a preparação da fundação e a seqüência dos montagem, deve-se eliminar os que não fazem parte
serviços de forma criteriosa. intrínseca desse trabalho e procurar reduzir o tempo de
outros através de melhor treinamento, ferramentas e
Antes do início da montagem, todos os participantes, métodos adequados.
Encarregado, Líder, Técnico e Cliente, devem saber
exatamente qual a seqüência de montagem e qual a sua A montagem da PITLESS 60t ou 80t CONCRETO deve ser
tarefa específica no total do serviço. efetuada em local indicado pelo Cliente, que deverá
preparar o local da instalação para receber a balança.
O Encarregado da A.T. é o elo de ligação entre os Ocorre, no entanto, que nem sempre o local está
participantes no serviço de montagem, coordenando as corretamente preparado e, neste caso, o Técnico utilizará
atividades quanto a seqüência e datas. uma parte do tempo estabelecido para a montagem em
atividades secundárias.
O planejamento correto das atividades evita pressões no
serviço diário, pois tudo acontece no tempo pré- Em outras ocasiões, o Cliente não dispõe de guincho nem
determinado. de máquina de solda, o que também aumenta o tempo de
montagem.
O Encarregado da A.T. dirige os acontecimentos e não é
tomado de surpresa por situações fora do controle. Para evitar as perdas de tempo e os incômodos de última
Identifica as várias etapas de um evento, mas quem as hora, cada pessoa participante da montagem deve
realiza são o Líder, o Técnico e o Cliente. Portanto, é conhecer a sua responsabilidade, a fim de se planejar,
necessário que os objetivos sejam claramente definidos garantindo e até mesmo agilizando o tempo de montagem.
a todos os participantes.

Ao colocarmos um objetivo, estaremos ao mesmo tempo A. RESPONSABILIDADES DO ENCARREGADO


criando parâmetros para medir os resultados alcançados.

PLANEJAMENTO, PRODUTIVIDADE e a QUALIDADE - Informar as obrigações do Cliente durante a montagem.


estão estreitamente ligados.
- Providenciar os desenhos referentes a montagem.
Serviços planejados de forma correta, sempre serão mais
produtivos e terão mais qualidade. - Enviar o Líder para inspeção da base.

Revisão 02 - 10 - 08 01 - ( 01 / 02 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

- Determinar o Técnico para execução da montagem. - Instalar a balança de acordo com as instruções rece-
bidas, seguindo os desenhos referentes à montagem.
- Providenciar as ferramentas necessárias ao serviço.
- Manter o local da montagem perfeitamente limpo e or-
- Acompanhar a montagem através de Relatórios. ganizado, orientando os auxiliares neste sentido.

- Providenciar pesos padrão para a aferição e calibração. - Aferir e regular a balança, de acordo com as normas da
TOLEDO e lacrar a balança no final do serviço.
- Enviar o Técnico para a segunda fase da montagem.
- Instruir os operadores da balança quanto ao uso.
- Providenciar carta ao IPEM, informando a instalação
da balança e solicitando a aferição inicial, para obtenção - Preencher todos os relatórios relativos ao serviço e en-
do Certificado de Aferição Inicial. tregá-los ao seu Encarregado.

- Observar quais os perigos potenciais do local de insta-


B. RESPONSABILIDADES DO LÍDER lação, procedendo de forma a evitar situações que
possam provocar acidentes.

- Avaliar o local de instalação, certificando-se da esco- - Utilizar equipamentos de segurança, específicos para
lha do terreno, das condições necessárias de trânsito a montagem de estruturas metálicas.
para acesso a balança, e confirmar as condições para
a montagem. Em montagens de balanças, as partes do corpo que
correm risco de acidentes são cabeça, mãos e pés.
- Inspecionar a base e apontar eventuais condições. Portanto, devem ser usados capacete, luvas de couro
e bota de biqueira de aço.
- Traçar todas as medidas na base.

- Entregar formulário ANEXO 1 que informa as respon- D. OUTRAS RECOMENDAÇÕES


sabilidades do Cliente.

- Entregar relatório de INSPEÇÃO, indicando o tempo . Não ficar embaixo de peças suspensas pelo guincho.
padrão de montagem e os eventuais problemas encon-
trados no local de instalação, apontando correções. . Não ficar entre peças suspensas e paredes ou obstá-
culos grandes.
- Eventualmente, orientar o Técnico durante a instalação.
. Não colocar as mãos ou dedos entre duas peças em
- Informar o Encarregado quanto aos dados importantes movimento.
do local da instalação e do desenvolvimento da mon-
tagem. . Usar luvas ao utilizar chave para apertar parafusos,
manejar peças pesadas ou cabo de aço.

C. RESPONSABILIDADES DO TÉCNICO . Usar capacete ao movimentar-se entre longarinas e


travessas.

- Antes de sair para a montagem, verificar se está de . Usar bota com biqueira de aço e sola grossa para
posse de todos os desenhos e ferramentas necessárias andar em pontos irregulares.
ao serviço.

- Orientar de forma correta os auxiliares fornecidos pelo SEGUINDO ESTAS RECOMENDAÇÕES, VOCÊ
Cliente, a fim de manter o tempo programado de mon- ESTARÁ REDUZINDO CONSIDERAVELMENTE O
tagem. RISCO DE ACIDENTES.

Revisão 02 - 10 - 08 01 - ( 02 / 02 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

02 Instruções ao Cliente

Após determinado o ponto de instalação da haste, faça


OBSERVAÇÃO uma marcação no terreno para a abertura da vala.
Lembre-se de que a vala deve ter aproximadamente 30
O Cliente deverá ser conscientizado e instruído quanto cm de profundidade por 60 cm de largura, o que
a sua responsabilidade sobre alguns serviços. possibilitará a passagem do cabo e a fixação da haste.

A. QUANTO AO ATERRAMENTO

A finalidade do aterramento é a proteção humana contra


eventuais toques, em partes metálicas indevidamente
energizadas. Para a instalação do sistema de aterramento
fornecido pela TOLEDO, o Cliente deverá providenciar:

1. Vala para Aterramento

A haste de aterramento deverá ser instalada dentro de, no


máximo, um raio de 3 metros em relação à tomada de O Cliente fará a vala, baseando-se na marcação que você
força. executou no terreno. Portanto, certifique-se de tê-la feito
corretamente.
Antes de instruir o Cliente quanto a abertura da vala para
o aterramento, estude a área em torno da plataforma e
cabine de pesagem, de modo a verificar o ponto de ATENÇÃO
instalação da haste de aterramento.

Veja figura a seguir: A instalação da haste, do cabo de aterramento e o


fechamento da vala deverá ser feita somente mediante
autorização e orientação do técnico da Toledo.

2. Instalação do Eletroduto

Um eletroduto deverá ser instalado, na cabine de pesagem,


para a passagem do cabo de aterramento.

A instalação do eletroduto e caixa de ligação, ficará a


critério do Cliente, ou seja, tanto poderão ser instalações
expostas fixadas na parede ou embutidas.

No desenho a seguir está representado com eletroduto


exposto, sendo que, se for embutido, deverá ser usada
Caixa estampada no lugar de caixa de ligação.

Revisão 03 - 10 - 08 02 - ( 01 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

DESCRIÇÃO DAS PEÇAS

a. Caixa de ligação em alumínio com rosca Ø 1" e junta


vedadora tipo R-15 LL/33-PETERCO.
b. Redução Ø 1" x 1/2" tipo REX-31, mais prensa cabo
em alumínio Ø 1/2" para cabo 6-7,5 mm tipo CL-1
BLINDA.
c. Eletroduto de aço galvanizado Ø 1" pesado.
d. Curva raio longo, aço galvanizado Ø 1" x 90°.

OBSERVAÇÃO

Solicitar ao Cliente que coloque arame galvanizado bitola 14


MSG como guia na tubulação.

B. QUANTO A LIGAÇÃO À CABINE

O cabo que interliga a cabine à plataforma de pesagem,


ou seja, módulo 8530/Cougar à Caixa de Junção, deverá DESCRIÇÃO DAS PEÇAS
ser instalado dentro de um eletroduto de aço galvanizado
tipo pesado Ø 1". Para a descrição das peças acima, vide desenho do
Conjunto Geral da balança do cliente.
Por este eletroduto não poderão passar outros cabos.
Sua utilização é exclusiva para a passagem do cabo que
interliga a plataforma de pesagem ao indicador digital da
TOLEDO.

Não é permitido o uso de eletroduto de PVC.

Revisão 03 - 10 - 08 02 - ( 02 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

ATENÇÃO

O cabo que interliga a Caixa de Junção, na plataforma,


ao Indicador 8530/ Cougar, na cabine, é preparado em
Fábrica e fornecido com comprimento padrão de 15
metros.

Verifique se o comprimento do cabo é suficiente para


efetuar a interligação. Caso não seja, um outro cabo,
com comprimento compatível, deverá ser solicitado à
TOLEDO.

Avisar o Cliente que a quantidade de cabo que exceder


ao comprimento de 15 metros não faz parte do
fornecimento padrão da balança e, portanto, será
cobrado separadamente.

O cabo padrão deverá ser devolvido à TOLEDO.

C. QUANTO ÀS TOMADAS DA CABINE

As instalações dos eletrodutos e tomadas ficarão a


critério do Cliente, ou seja, tanto poderão ser instalações
expostas fixadas na parede conforme desenhos abaixo,
quanto embutidas com eletrodutos, caixas e tomadas
em PVC.

Recomenda-se seguir a sugestão Toledo. A alimentação


para a caixa de distribuição poderá ser em 110 VCA ( N,
F, T ) ou 220 VCA ( F1, F2, T ).

DESCRIÇÃO DAS PEÇAS

a. Caixa de ligação em alumínio com rosca Ø 1 e junta


vedadora tipo R-15 C/33 da PETERCO. As tomadas de alimentação do sistema deverão ser
b. Tomada 543-13 PIAL-LEGRAND. ligadas conforme configuração mostrada abaixo, deixando
c. Eletroduto de aço galvanizado Ø 1" pesado. aproximadamente meio metro de fio na sua extremidade,
d. Redução Ø 1" x 1/2", tipo REX-31 da BLINDA. para que seja ligado o Supressor de Transientes.
e. Caixa de ligação em alumínio com rosca Ø 1 e junta
vedadora tipo R-15 LL/33 da PETERCO. A ligação e instalação do Supressor de Transientes com
f. Prensa cabo em alumínio, Ø 1/2", para cabo 6-7,5 mm, a tomada de alimentação será feita pelo Técnico da
tipo CL-1 da BLINDA. TOLEDO.
g. Disjuntor bipolar In = 6 A.
Consulte a seção 9 para detalhes sobre a ligação e
instalação do Supressor de Transientes.

Revisão 03 - 10 - 08 02 - ( 03 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

3. A tensão entre o Neutro e o Terra não deve ser superior


a 5 volts.

4. Nos sistemas utilizados pelas concessionárias de


energia elétrica e pelas indústrias, podem ser encon-
trados os valores de baixa tensão indicados no quadro
abaixo.

5. Qualquer irregularidade com relação às condições


As tomadas deverão ser instaladas de acordo com a expostas, não se deve proceder, em hipótese alguma,
Norma de Instalação Elétrica descrita abaixo: qualquer atividade que envolva a energização da balança,
até que se tenha a instalação elétrica regularizada.
1. As tomadas devem estar de acordo com as tensões
indicadas nas configurações do quadro abaixo: 6. Não cabe à Toledo a regularização das instalações
elétricas dos Clientes e, tampouco, a responsabilidade
por danos causados à balança, em decorrência da
desobediência a estas instruções. Fica, ainda, a balança
sujeita a perda da garantia.

2. Na tomada, o terminal Neutro não pode estar ligado ao


terminal Terra.

Embora o Neutro seja aterrado na conexão secundária


do transformador, nos circuitos de distribuição, o Neutro
e o Terra assumem referências e tensões distintas,
devido ao desequilíbrio de cargas ligadas entre Fase e
Neutro. Assim, eles devem ser considerados como
circuitos distintos.

Revisão 03 - 10 - 08 02 - ( 04 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

D. QUANTO À PAVIMENTAÇÃO DA BASE E. PLATAFORMA / REDE DE ALTA TENSÃO

Conforme projeto original das fundações, o espaço O Cliente deverá ser instruído quanto ao posicionamento
compreendido entre as sapatas deve ser preenchido com da plataforma de pesagem em relação a uma rede de alta
brita para absorção da água pelo solo. tensão aérea ou subterrânea, ou a uma cabine primária.

Eventualmente, a critério do Cliente, é possível pavimentar


este espaço com concreto magro, idêntico ao utilizado
como lastro entre as sapatas e o terreno subjacente.

Caso não seja respeitada a distância D, entre a plataforma


e a rede de alta tensão ou cabine primária, o funcionamento
da balança ficará comprometido e, dependendo da
Tenha o cuidado de criar uma pequena inclinação para o situação, danos mais sérios poderão ser causados às
escoamento de água pluvial. células de carga e ao indicador digital.

Para saber a correta distância entre a plataforma e a rede


de alta tensão ou cabine primária, consulte a tabela
abaixo:

KV 5 10 50 100 150 200

D(m) 2 5 7 10 12 15

A distância mínima ( D ), em metros, é em função da


tensão da Rede de Alta Tensão ou da Cabine Primária.

Revisão 03 - 10 - 08 02 - ( 05 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Por exemplo: F. PROVIDÊNCIAS GERAIS

O Cliente deseja instalar a balança a uma distância de 7


metros de uma linha aérea de alta tensão de 100 Kv. Para que a montagem das Longarinas e Travessas ocorra
dentro dos tempos estabelecidos, o Cliente deverá colo-
Para saber se a distância é válida, consulte a tabela: car à disposição do Técnico da TOLEDO, os meios
necessários para a execução desta etapa.
A distância obtida será de 10 metros.
Verifique junto ao Cliente, se o mesmo possui:

- Mão-de-obra auxiliar para o Técnico TOLEDO. No mí-


CONCLUSÃO nimo duas pessoas, sendo um (1) Mecânico e um (1 )
ajudante.
O Cliente não poderá instalar a balança a uma distância
de 7 metros da linha de alta tensão. - Máquina de solda, com soldador. Pode ser tipo trans-
formador.
A distância mínima requerida é de 10 metros.

Neste exemplo, o Cliente deverá reposicionar a balança - Maçarico.


para que fique, no mínimo, a 10 metros da linha de alta
tensão. - Guincho ou equipamento para movimentação das lon-
garinas e travessas.

Informe ao Cliente que na falta de um ou mais itens


mencionados, a TOLEDO providenciará o seu forneci-
mento, repassando os custos acrescidos de uma taxa
administrativa.

Alerte o Cliente que os itens acima mencionados, deverão


ficar à disposição do Técnico TOLEDO, a partir da data
marcada para o início da montagem.

ATENÇÃO

O armazenamento dos instrumentos de controle eletrônico,


assim como as células de carga, cabos, etc., deverá ser
feito em ambiente isento de umidade.

Por ocasião do início da montagem, o Cliente deverá


posicionar as partes da balança ( caixotes, longarinas,
travessas, ferragens, etc. ) na proximidade da base, à
medida que o Técnico TOLEDO solicitar.

As embalagens só deverão ser abertas pelo Técnico


TOLEDO, para que não se invalide a Garantia.

Eventualmente, o Técnico TOLEDO poderá precisar de


algum material ou ferramenta complementar e, neste
caso, o Cliente deverá atendê-lo no menor prazo possível,
a fim de evitar atrasos na montagem.

Revisão 03 - 10 - 08 02 - ( 06 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

03 Inspeção da Base e Fixação das Chapas de Apoio

A. MATERIAIS NECESSÁRIOS
PARA TRAÇAGEM

Para a Inspeção da Base, o Líder deverá estar munido dos


seguintes materiais:

- Relatório de Inspeção.
- Desenhos referentes a A.F. e cópia da A.F..
- Planilha de Instalação.
- Esquadro.
- Régua de Alumínio de 1,20 m.
- Giz ( No mínimo 3 pedaços ).
- Lápis de Carpinteiro.
- Faca para apontar lápis.
- Trena de 3 m.
- Trena de 30 m.
- Nível de bolha.
- Riscador.
- Mangueira de nível.
- Rolo de linha de nylon. ADVERTÊNCIA
- 2 Balizas para nivelamento.
- A haste da baliza deve estar perperdicular à base.
Com todos os materiais acima mencionados em mãos,
siga os procedimentos abaixo para a Inspeção da Base. - A base deve ser plana e nivelada, apoiando por completo
na superfície de apoio.
A base deve ter sido construída conforme desenho da
balança em questão ou, em casos especiais, conforme - A haste deve estar firmemente fixa na base.
desenho referenciado na A.F..
- Fazer uma marca de referência na haste, à 50 cen-
Qualquer anomalia constatada durante a inspeção da tímetros da base.
base deverá ser comunicada ao Cliente, para que este
providencie as devidas correções.
B. VERIFICAÇÃO DO NÍVEL
As balizas, utilizadas na verificação do nivelamento da
base, devem ser construídas com antecedência para não
interferir no tempo de instalação da balança, podendo ser Peça ao Cliente que providencie a limpeza da base.
de madeira ou outro material mais resistente, tipo perfil
em L de aço. Localize os pontos de fixação das chapas de apoio na
base. Deverão existir oito pontos de fixação, conforme
figura na página seguinte.

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 01 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Repita o mesmo procedimento para os demais pontos de


fixação das chapas de apoio, anotando sempre a sua
cota.

Após obter as cotas nos oito pontos de fixação das


chapas de apoio, compare-as entre si.

Havendo mais de 2 milímetros de diferença de nível,


providencie a correção.

OBSERVAÇÃO

Caso seja necessária a correção do nível em um dos


Na verificação do nível da base deverão ser utilizadas as pontos de fixação das chapas de apoio, sempre efetue a
duas balizas para facilitar e agilizar o processo. correção no(s) ponto(s) mais baixos, de forma a se igua-
larem com os pontos mais altos.
Posicione as balizas sobre os pontos D e H de fixação das
chapas de apoio, conforme figura abaixo:

C. TRAÇAGEM DA BASE

a. Marque o centro da base, nas duas extremidades, no


sentido transversal. A Linha de Centro deverá ser a
metade da distância entre os pontos D e H.

Utilizando a mangueira de nível, anote a cota nestes dois


pontos, tomando como referência a marca das balizas.

b. A partir das duas marcas do centro da base, trace


duas linhas ( Linha 1 e Linha 2 ) equidistantes da marca
do centro da base.

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 02 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Utilize uma linha de nylon, de uma extremidade a ou- e. Trace uma diagonal, conforme medidas do desenho
tra da base, para efetuar a traçagem das linhas. do Conjunto Geral, partindo da marca de centro do
ponto G, em direção ao centro do ponto D.
Marque com maior evidência somente nos pontos
sobre os pilares, onde serão instaladas as chapas de Quando a diagonal coincidir com a LINHA 1 e a sua
apoio. extensão for realmente igual a medida especificada
no desenho do Conjunto Geral, o centro do ponto D
estará determinado, portanto, faça uma marca neste
c. Marque o centro da sapata H, no sentido transversal, ponto.
baseando-se nos desenhos abaixo:

f. Trace uma linha, do ponto D ao ponto H, baseando-se


nas marcas de centro destes pontos.

Na figura acima, o centro do ponto H foi marcado


sobre a linha 2.

d. A partir da marca do centro da sapata H, feita no pas-


so anterior, trace três pontos, sobre a linha 2, nas
sapatas G, F e E, usando as distâncias do desenho do
Conjunto Geral:
g. Marque o centro do ponto C, sobre a LINHA 1, toman-
do como referência o centro do ponto D. Verifique a
distância "CD" no desenho do Conjunto Geral.

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 03 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

h. Trace uma linha, do ponto C ao ponto G, baseando-se


nas marcas de centro destes pontos.

i. Marque o centro do ponto B, sobre a LINHA 1, toman- l. Trace uma linha, do ponto A ao ponto E, baseando-se
do como referência o centro do ponto C. Verifique a nas marcas de centro destes pontos.
distância "BC" no desenho do Conjunto Geral.

A traçagem dos centros dos pontos esta concluída.

j. Trace uma linha, do ponto B ao ponto F, baseando-se Caso julgue necessário, confira desde o princípio a
nas marcas de centro destes pontos. traçagem dos centros dos pontos.

k. Marque o centro do ponto A, sobre a LINHA 1, toman-


do como referência o centro do ponto B. Verifique a
distância "AB" no desenho do Conjunto Geral.

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 04 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

D. VERIFICAÇÃO DOS NICHOS E. TRAÇAGEM DAS CHAPAS DE APOIO

Avalie o posicionamento dos nichos para chumbadores a. Posicione os parafusos de fixação das bases das
das chapas de apoio. células nas chapas de apoio.
A profundidade dos nichos deve ser de 20 cm e o posi-
cionamento destes deverá ser avaliado baseando-se na
Traçagem da Base, realizada no item C, desta seção.

Providencie correções, se necessário.

OBSERVAÇÃO

Após a constatação do correto traçado e do esquadro da


base, verifique se o terreno em volta da base e da cabine
de pesagem, permitem o acesso de guincho para a
montagem das longarinas e travessas. b. Com auxílio de um esquadro, trace um quadro nas
chapas de apoio, tomando como referência o lado
DETALHE DE UM PONTO DE FIXAÇÃO DAS interno dos parafusos.
CHAPAS DE APOIO

c. Após ter traçado o quadro nas chapas de apoio, retire


os parafusos e trace duas diagonais no quadro, con-
forme figura abaixo.

NOTA

As medidas apresentadas são apenas ilustrativas. As


medidas reais devem ser obtidas do desenho da planta
das fundações. O cruzamento destas diagonais determina o centro das
chapas de apoio.

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 05 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

d. Faça dois traços nas chapas de apoio, usando como F. VERIFICAÇÃO DO ESQUADRO
referência o centro determinado no passo anterior.

Utilize o esquadro para traçar os traços. A verificação do esquadro tem por objetivo checar se a
traçagem efetuada está realmente correta.

Nesta fase, erros não são admissíveis, pois compro-


meteriam toda a montagem da balança.

Para verificar o esquadro, proceda como segue:

a. Meça o comprimento de todas as diagonais existentes


entre os centros dos pilares (centros das chapas de
apoio).
e. Posicione as chapas de apoio sobre os seus pontos
de fixação na base, fazendo coincidir a traçagem da . Caso a medida de uma das diagonais seja diferente
base com a da chapa de apoio. da especificada, existe erro no traçado dos centros
dos pilares e, neste caso, será necessário refazer
toda a traçagem dos centros dos pilares.

. Caso contrário, a traçagem foi efetuada correta-


mente.

Após efetuar a traçagem nas chapas, e posicioná-las


sobre seus pontos de apoio na base, verifique o esquadro
da base com as chapas de apoio posicionadas.

Verifique o esquadro da base, conforme item F.


b. Tenha o cuidado de não deslocar as chapas de apoio
após ter verificado o esquadro da base.

As chapas de apoio já estarão na posição correta pa-


ra a fixação, restando apenas verificar o nivelamento.

Verifique o nível das chapas de apoio, conforme procedi-


mento para sapatas.

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 06 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

G. VERIFICAÇÃO DO NÍVEL DAS CHAPAS H. FIXAÇÃO DAS CHAPAS DE APOIO

Com todas as chapas de apoio posicionadas e no esquadro Antes de proceder a cimentação das chapas de apoio
da base, verifique o nivelamento destas utilizando o tenha certeza de que estas não se movimentaram durante
mesmo procedimento adotado na verificação do a verificação do esquadro da base.
nivelamento da base, item B, desta seção.
Tendo certeza do correto posicionamento das chapas de
Anote as cotas nas oito chapas de apoio e compare-as apoio, proceda a cimentação dos chumbadores, conforme
entre si. Havendo mais de 2 milímetros de diferença de figura a seguir. Recomenda-se a utilização de Grauth para
nível, providencie a correção. a fixação dos chumbadores.

Tenha o cuidado de não movimentar as chapas de apoio CHAPA DE APOIO


para não tirá-las do esquadro.

Caso seja necessária a correção do nível em qualquer


chapa, sempre efetue a correção na(s) chapa(s) mais
baixas, de forma a se igualarem com os pontos mais
altos.

ÁREA PARA
CIMENTAÇÃO DOS
CHUMBADORES

Após a fixação de todas as chapas de apoio, solicite a


limpeza das mesmas com querosene e oriente o Cliente
quanto a próxima fase de montagem.

Veja as instruções contidas na seção 3, deste manual.

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 07 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

PARA SUAS ANOTAÇÕES

Revisão 02 - 10 - 08 03 - ( 08 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

04 Montagem das Longarinas e Travessas

A. MATERIAL NECESSÁRIO

1. Responsabilidade Toledo 2. Responsabilidade do Cliente

- CAIXA D contendo: Conforme acertado com o Cliente, os seguintes materiais


deverão estar disponíveis para o Técnico Toledo, no início
. Trena de 30 metros. desta fase:
. Chave Inglesa 15" e 18".
. Chave Estrela 1 5/16" x 1", 1 1/8" x 1 1/16", 1 1/4" x
1 1/16", 1 5/16" x 1 3/8" e 1 3/8" x 1 1/2". - Mão-de-obra auxiliar. No mínimo duas pessoas, sendo
. Marreta 1 1/2 kg. um (1) mecânico e um (1) ajudante.
. Talhadeira.
. Saca Cutelo. - Máquina de solda, com soldador. Pode ser tipo trans-
. Rolo de linha com 50 metros. formador.
. 2 (duas) Spina.
. 1 jogo de macho 1/2 x 13 fios para limpar roscas. - Guincho ou equipamento para movimentação das lon-
. 1 conjunto de chave catraca 15/16" com Prolongador. garinas e travessas.
. 1 chave Allen 9/16".
. 1 chave Allen 5/8". - Diversos pontaletes de 30 cm de comprimento por
. 2 macacos hidraúlicos de 20 ton. 10 x 10 cm.

- Mangueira de nível de plástico transparente de 20 m x


3/8" ou 10 mm. No início da montagem, o Cliente deverá posicionar as
- Extensão de 20 metros. partes da balança (caixotes, longarinas, travessas,
- 5 kg de graxa e 0,5 kg de pano. ferragens, etc.) na proximidade da base, à medida que
- 5 litros de querosene. sejam solicitadas.
- 1 lata de 1 kg de tinta epoxy betuminosa para retocar
a pintura. As embalagens só deverão ser abertas pelo Técnico
- Lixadeira e disco sobressalente. Toledo, para que não se invalide a Garantia.
- 8 colunas de apoio para montagem das longarinas.
Antes de iniciar a montagem das longarinas e travessas
da balança, é necessário instalar as bases das células de
A relação de ferramentas acima deverá ser preparada com carga nas chapas de apoio, as placas superiores nas
antecedência da data prevista para o início da montagem, longarinas e posicionar as colunas de apoio nas bases
e entregue ao preparador de serviço. das células de carga. Para tanto, siga os procedimentos
mencionados a seguir, antes de iniciar a montagem das
longarinas e travessas.

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 1 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

B. MONTAGEM DAS PLACAS SUPERIORES


NOTA

Na montagem das placas superiores serão utilizadas as No lado interno da longarina, a fixação da placa superior
seguintes peças, para cada célula de carga: deverá ser feita através de solda, SOMENTE APÓS O
ALINHAMENTO DA PLATAFORMA.
- 01 placa superior, código 6064001. Somente no lado externo da plataforma a fixação será
- 01 castanha superior, código 8001028. através de parafusos.
- 02 parafusos cabeça sextavada 5/8"-11 x 2 1/4",
código 8000382.
- 02 arruelas de pressão 5/8", código 0000444. d. Lubrifique as castanhas superiores, no ponto de con-
- 02 arruelas lisas 5/8", código 0000460. tato com as longarinas, com uma fina camada de gra-
xa, fornecida com a balança. Em seguida, posicione
a. Aplique graxa nas placas superiores, somente na e encaixe as castanhas superiores nas placas
área de contato com as longarinas. superiores.

b. Posicione e fixe as placas superiores nas longarinas,


com o furo para fixação do terminal de terra sempre
para o lado de fora da plataforma. Aperte os parafusos
o suficiente para que a chapa não deslize.

C. MONTAGEM DAS BASES DAS CÉLULAS

OBSERVAÇÃO

Antes de iniciar a montagem das bases das células


de carga, solicite ao Cliente que providencie a limpeza
da base.

a. Aplique graxa nas bases das células e posicione-as


sobre as chapas de apoio.

b. Fixe as bases das células de carga em suas respec-


tivas chapas de apoio, e aperte os parafusos o sufi-
ciente para que estas não deslizem.

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 2 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

D. POSICIONAMENTO DAS COLUNAS DE


APOIO (PINOS DE MONTAGEM)

As colunas de apoio (pinos de montagem) são dispositivos


que tem as mesmas dimensões das células de carga, e
foram desenvolvidas com a finalidade de substituir e
proteger as células de carga durante a montagem das
longarinas, travessas, concretagem da plataforma,
montagem dos limitadores de movimento. Após a
concretagem da plataforma, as colunas de apoio deverão
ser removidas uma a uma e, em seus lugares, serem
montadas as células de carga definitivas.

As colunas de apoio deverão ser posicionadas em cada


c. Lubrifique as castanhas inferiores, no ponto de con- uma das oito bases das células de carga, conforme
tato com as bases, com uma fina camada de graxa indicado na figura abaixo:
MAGNALUBE-G, fornecida com a balança. Em se-
guida, posicione e encaixe as castanhas inferiores
nas bases, montadas no passo anterior.

Fixe os parafusos sem cabeça para travar o movimento


das castanhas.

Os parafusos sem cabeça deverão ficar no mesmo


nível das superfícies superiores das castanhas.

Após a montagem das bases das células e das placas


superiores, poder-se-á ter início à montagem das lon-
garinas e travessas.

Após posicionar todas as colunas de apoio, inicie a


montagem das longarinas.

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 3 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

E. SEQÜÊNCIA DE MONTAGEM DAS No caso em que o piso de fundo for de concreto ma-
LONGARINAS E TRAVESSAS gro, não é necessário usar tábua.

Tome o cuidado de calçar os pontaletes devido a in-


OBSERVAÇÃO clinação do piso.

Os desenhos ilustrativos referem-se a um determinado tipo


de balança. Como existem diversos modelos, é
imprescindível que o técnico, na montagem, tenha o desenho
do Conjunto Geral em mãos.
Utilize guincho para posicionar a
longarina.
01.Identifique as longarinas, por meio do Conjunto Geral,
e verifique o correto posicionamento na plataforma de
pesagem através da figura abaixo, antes de iniciar a
montagem das longarinas e travessas.

As longarinas poderão ser identificadas pelo número


gravado em suas abas, conforme o desenho do Con
junto Geral.

VISTA SUPERIOR DA PLATAFORMA

A seqüência de montagem das longarinas e travessas 03.Posicione, com auxílio de um guincho, a Longarina
será baseada no posicionamento da figura anterior. Central ( B ), sobre as colunas de apoio situadas na
chapas de apoio F e G e os calços de madeira, con-
Na prática, este posicionamento não implica na loca- forme figura AB-2.
lização da cabine de pesagem, pois as caixas de jun-
ção Digitol poderão ser montadas tanto na lateral di-
reita quanto na lateral esquerda da plataforma de pe-
sagem. Para verificar o posicionamento da cabine de
pesagem em relação as caixas de junção e a entrada
de veículos, consulte a seção 8, deste manual.

02.Posicione a Longarina Central ( B ) sobre as colunas


de apoio, situadas nas chapas de apoio B e C, confor-
me figura AB-1.

Os calços de madeira (pontaletes) deverão estar


apoiados sobre uma tábua plana, no caso do piso de
fundo ser de brita.
Utilize guincho para posicionar as longarinas.

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 4 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

04.Posicione duas travessas I, fechando o quadro central, 06.Posicione as outras duas travessas J que faltam para
com suas extremidades apoiadas sobre as abas inter- completar a montagem do quadro central, com suas
nas das longarinas, conforme figura AB-3. extremidades apoiadas sobre as abas internas das
longarinas, conforme figura AB-4.

05.Posicione os parafusos de fixação das travessas nas


longarinas. As porcas são soldadas na travessa.
07.Posicione, com auxílio de um guincho, a Longarina
NÃO APERTE OS PARAFUSOS. Lateral Direita ( C ), sobre a coluna de apoio situada
na chapa de apoio E e os calços de madeira, conforme
Na fixação de cada travessa serão utilizados: figura AB-5.

- 8 Parafusos Cab. Sextavada 3/4" x 2", código


8000372;
- 8 Arruelas Lisas 3/4", código 8000312;
- 8 Arruelas de Pressão 3/4", código 0000992.

08.Após apoiar a longarina sobre a coluna de apoio e os


calços de madeira, use duas "espinas" para alinhar
os furos das chapas de união das longarinas e, em
seguida, coloque os parafusos de ligação das longa-
rinas com suas respectivas porcas e retire as espinas.

NÃO APERTE OS PARAFUSOS.

A Longarina Lateral Direita estará automaticamente


alinhada, em função do alinhamento das outras.

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 5 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Para a ligação das longarinas serão utilizados: Para a ligação das longarinas serão utilizados:

(1) 10 Parafusos Cab.Sextavada 3/4" x 2 1/2", código (1) 10 Parafusos Cab.Sextavada 3/4" x 2 1/2", código
8000360 8000360
(2) 10 Arruelas lisas 3/4", código 8000312 (2) 10 Arruelas lisas 3/4", código 8000312
(3) 10 Arruelas de pressão 3/4", código 0000992 (3) 10 Arruelas de pressão 3/4", código 0000992
(4) 10 Porcas sextavadas 3/4", código 8000311 (4) 10 Porcas sextavadas 3/4", código 8000311

09.Posicione, com auxílio de um guincho, a Longarina 11.Posicione uma travessa I, fechando o quadro frontal,
Lateral Esquerda ( A ), sobre a coluna de apoio situa- com suas extremidades apoiadas sobre as abas in-
da na chapa de apoio A e os calços de madeira, con- ternas das longarinas, conforme figura AB-6A.
forme figura AB-6.

10.Após apoiar a longarina sobre a coluna de apoio e os


calços de madeira, use duas "espinas" para alinhar
os furos das chapas de união das longarinas e, em
seguida, coloque os parafusos de ligação das longa-
rinas com suas respectivas porcas e retire as espinas.

NÃO APERTE OS PARAFUSOS.

A Longarina Lateral Esquerda estará automaticamente


alinhada, em função do alinhamento das outras.

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 6 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

12.Posicione os parafusos de fixação da travessa nas 14.Posicione, com auxílio de um guincho, a Longarina
longarinas. As porcas são soldadas na travessa. Lateral Esquerda (A) sobre as colunas de apoio
situadas entre as chapas de apoio G e H, conforme
NÃO APERTE OS PARAFUSOS. figura AB-8.
Utilize o traçado das chapas de apoio G e H para posi-
Na fixação de cada travessa serão utilizados: cionar a longarina. Após apoiar a longarina sobre os
pinos de apoio, use pontaletes sob a longarina para
- 8 Parafusos Cab. Sextavada 3/4" x 2", código calçá-la, evitando que tombe.
8000372;
- 8 Arruelas Lisas 3/4", código 8000312;
- 8 Arruelas de Pressão 3/4", código 0000992.

15.Após apoiar a longarina sobre a coluna de apoio e os


calços de madeira, use duas "espinas" para alinhar
os furos das chapas de união das longarinas e, em
seguida, coloque os parafusos de ligação das longa-
rinas com suas respectivas porcas e retire as espinas.

NÃO APERTE OS PARAFUSOS.

A Longarina Lateral Esquerda estará automaticamente


alinhada, em função do alinhamento das outras.

13.Posicione as outras duas travessas I e J que faltam


para completar a montagem do quadro frontal, com
suas extremidades apoiadas sobre as abas internas
das longarinas, conforme figura AB-7.

Para a ligação entre duas longarinas serão utilizados:

(1) 10 Parafusos Cab.Sextavada 3/4" x 2 1/2", código


8000360
(2) 10 Arruelas lisas 3/4", código 8000312
(3) 10 Arruelas de pressão 3/4", código 0000992
(4) 10 Porcas sextavadas 3/4", código 8000311

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 7 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

16.Posicione, com auxílio de um guincho, a Longarina 18.Posicione uma travessa I, com suas extremidades
Lateral Direita (C), sobre as colunas de apoio situadas apoiadas sobre as abas internas das longarinas,
entre as chapas de apoio C e D, conforme figura AB- conforme figura AB-9A.
9. Utilize o traçado das chapas de apoio C e D para
posicionar a longarina. Após apoiar a longarina sobre
os pinos de apoio, use pontaletes sob a longarina para
calçá-la, evitando que tombe.

19.Posicione os parafusos de fixação da travessa nas


longarinas, com suas respectivas porcas.

NÃO APERTE OS PARAFUSOS.


17. Após apoiar a longarina sobre a coluna de apoio e os
calços de madeira, use duas "espinas" para alinhar Na fixação de cada travessa serão utilizados:
os furos das chapas de união das longarinas e, em
seguida, coloque os parafusos de ligação das longa- - 8 Parafusos Cab. Sextavada 3/4" x 2", código
rinas com suas respectivas porcas e retire as espinas. 8000372;
- 8 Arruelas Lisas 3/4", código 8000312;
NÃO APERTE OS PARAFUSOS. - 8 Arruelas de Pressão 3/4", código 0000992.

A Longarina Lateral Direita estará automaticamente


alinhada, em função do alinhamento das outras.

Para a ligação entre duas longarinas serão utilizados:

(1) 10 Parafusos Cab.Sextavada 3/4" x 2 1/2", código


8000360
(2) 10 Arruelas lisas 3/4", código 8000312
(3) 10 Arruelas de pressão 3/4", código 0000992
(4) 10 Porcas sextavadas 3/4", código 8000311

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 8 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

20. Proceda agora a montagem das travessas I e J res-


tantes no quadro frontal, conforme figura AB-10.

21. Confira toda a montagem efetuada.

Após certificar-se de que as seis longarinas e as dez


travessas estão corretamente posicionadas, verifique
se as longarinas estão centralizadas de forma a coin-
cidirem com as linhas de centro traçadas nas chapas
de apoio.

22. Após tudo conferido, REAPERTE todos os parafusos


que fixam as travessas nas longarinas e as junções
das longarinas.

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 9 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

PARA SUAS ANOTAÇÕES

Revisão 04 - 10 - 08 04 - ( 10 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

05 Alinhamento da Plataforma e Fixação das Bordas das Rampas

A. ALINHAMENTO DA PLATAFORMA a. A balança utiliza oito conjuntos idênticos ao abaixo:

O alinhamento da plataforma de pesagem é muito impor-


tante e determinará o perfeito funcionamento da balança
com o decorrer do tempo. Para realizar o alinhamento da
plataforma de pesagem, é necessário que todas as
colunas de apoio estejam montadas, antes da concretagem
da plataforma de pesagem.

ATENÇÃO

Nesta fase de montagem, a plataforma de pesagem está


livre, ou seja, os limitadores de movimento ainda não
estão atuando, pois dependem da concretagem da ram-
pa. Seja cuidadoso no momento do levantamento da
plataforma. A falta de cuidado e a não observação dos
procedimentos contidos nesta seção poderão resultar na b. Retire todos os calços utilizados durante a montagem
queda da plataforma de pesagem e conseqüências de-
das longarinas, deixando a plataforma de pesagem
sastrosas.
apoiada somente sobre as oito colunas de apoio.

c. Verifique o alinhamento no sentido transversal e lon-


gitudinal das colunas de apoio.

Caso seja necessário corrigir o alinhamento das colunas


de apoio, basta movimentar as placas superiores ou as
bases das células, conforme a correção que se deseja
efetuar.

Revisão 04 - 10 - 08 05 - ( 01 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

EXEMPLO 1: PLACA SUPERIOR DESLOCADA e. Após a execução dos passos anteriores, a plataforma
de pesagem estará perfeitamente alinhada em relação
Neste exemplo, a placa superior está deslocada para a as colunas de apoio; portanto, proceda a soldagem
esquerda. das placas superiores nas longarinas conforme figuras
a seguir:

Para corrigir, desloque a placa superior para a direita, até


que a coluna de apoio fique no prumo.

EXEMPLO 2: BASE DA CÉLULA DESLOCADA

Neste exemplo, a base da célula está deslocada para a


esquerda.

Para corrigir, desloque a base da célula para a direita, até


que a coluna de apoio fique no prumo.

d. Com todas as colunas de apoio alinhadas correta-


mente, aperte todos os parafusos de fixação das pla-
cas superiores e das bases das células.

Revisão 04 - 10 - 08 05 - ( 02 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

B. FIXAÇÃO DAS BORDAS DAS RAMPAS

Com a plataforma de pesagem totalmente apoiada nas


colunas de apoio e com a ferragem das rampas totalmente
pronta, proceda a fixação das bordas das rampas, conforme
abaixo:

- Posicione e fixe as bordas de forma a deixá-las


centradas em relação à largura da plataforma ( entre
centros das longarinas ) e niveladas com a face su-
perior das travessas frontais (piso da plataforma);

- Caso haja interferência entre as grapas da borda e a


armação, reposicione a ferragem até que haja a
montagem;

- As bordas ( cantoneira ) deverão ser fixadas à 15 mm


das travessas frontais;

- As bordas deverão ser fixadas de forma que fiquem


exatamente no mesmo nível das travessas frontais;

- Utilize pedaços de ferro de construção, ø 15 mm - CA50,


para fixar as bordas;

- Os pedaços de ferro, deverão ser soldados ( pontea-


dos ) entre as longarinas e as bordas das rampas.

Terminando a fixação das bordas, a plataforma de pesa-


gem estará pronta para ser concretada.

Leia atenciosamente o conteúdo da seção 6 e instrua o


Cliente quanto a concretagem da plataforma de pesagem
e rampas de acesso.

Revisão 04 - 10 - 08 05 - ( 03 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

PARA SUAS ANOTAÇÕES

Revisão 04 - 10 - 08 05 - ( 04 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

06 Concretagem da Plataforma e Rampas

A. CONCRETAGEM DA PLATAFORMA

A construção da ferragem para a concretagem e a


concretagem da plataforma é de responsabilidade do
Cliente. Portanto, peça ao Cliente que providencie a
ferragem da plataforma conforme desenho que ele recebeu
por carta quando comprou a balança.

Após o enchimento, deverá ser dado o acabamento na


concretagem, nivelando o concreto em toda a extensão
da plataforma de pesagem. A superfície das travessas da
plataforma deverão ser utilizadas como guia para o
nivelamento do concreto.

Oriente o Cliente quanto ao tempo de cura do concreto (28


dias) e instrua-o para avisar a TOLEDO quando este
Em seguida, deverá ser preparada a ferragem dos "Guarda- tempo vencer para que possa ser executada a próxima
Rodas". fase de montagem da balança.

Após a concretagem da plataforma, com o concreto em


fase de secagem, deve-se proceder a concretagem dos
"Guarda-Rodas".

Instrua o Cliente que o momento em que o concreto da


plataforma começar a secar, ficar duro, será o momento
certo para dar início a concretagem dos "Guarda-Rodas".
Isto deve ser feito para compatibilizar os tempos de cura
do concreto da plataforma e dos "Guarda-Rodas".

A plataforma poderá ser concretada.

O concreto deverá ser vibrado no momento do enchimento,


para que fique bem concentrado.

Revisão 03 - 10 - 08 06 - ( 01 / 02 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

B. CONCRETAGEM DAS RAMPAS

A construção da ferragem para a concretagem e a concretagem das rampas de acesso à plataforma é de


responsabilidade do Cliente. O cliente deve utilizar o desenho de ferragem da plataforma correspondente ao tamanho
e capacidade da balança adquirida.

Após a construção da ferragem, a rampa poderá ser concretada. O concreto deverá ser vibrado no momento do
enchimento, para que fique bem concentrado.

Após o enchimento, deverá ser dado o acabamento na concretagem, nivelando o concreto em toda a extensão da
rampa, de acordo com a inclinação da rampa.

Oriente o Cliente quanto ao tempo de cura do concreto ( 28 dias ) e instrua-o para que quando este tempo vencer, retirar
todo o madeiramento utilizado e avisar a TOLEDO para que possa ser executada a próxima fase de montagem.

Se for utilizado secante no concreto, o tempo de cura ficará reduzido. Após a cura do concreto e com todo o
madeiramento retirado, as rampas e as muretas terão o seguinte aspecto:

Revisão 03 - 10 - 08 06 - ( 02 / 02 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

07 Montagem das Células de Carga

- Ajuste o parafuso de forma que sua cabeça fique a


OBSERVAÇÃO uma distância de, no máximo, 5 mm da chapa da
borda, conforme indicado na figura anterior.
Antes de iniciar a montagem das células de carga, proceda
a instalação dos parafusos limitadores de movimento. - Após ajustar o parafuso, trave-o rigorosamente através
de suas porcas.

A. INSTALAÇÃO DOS PARAFUSOS Repita este procedimento para os três parafusos


LIMITADORES limitadores longitudinais restantes.

2. Parafusos Limitadores Transversais


1. Parafusos Limitadores Longitudinais
As peças utilizadas para a instalação dos parafusos
As peças utilizadas para a instalação dos parafusos limitadores transversais são as mesmas utilizadas na
limitadores longitudinais são: instalação dos parafusos limitadores longitudinais.
a. 04 Parafusos Cabeça Sextavada 1"-8UNC x 5 1/2", - Posicione e fixe o parafuso limitador no batente,
código 6052708. conforme figura anterior.
b. 16 Porcas sextavadas 1"-8UNC, código 0000702.
c. 16 Arruelas lisas 1", código 6015235. - Ajuste o parafuso de forma que sua cabeça fique a
d. 16 Arruelas de pressão 1", código 0000435. uma distância de, no máximo, 5 mm da longarina,
conforme indicado na figura anterior.
- Posicione e fixe o parafuso limitador no batente,
conforme figura abaixo: - Após ajustar o parafuso, trave-o rigorosamente através
de suas porcas.

Repita este procedimento para os três parafusos


limitadores transversais restantes.

Revisão 04 - 10 - 08 07 - ( 01 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

B. PREPARAÇÃO DA PLATAFORMA DE 03.Levante, cuidadosamente e simultaneamente, a pla-


PESAGEM taforma de pesagem, através dos dois macacos hi-
dráulicos, o suficiente para livrar as colunas de
apoio e possibilitar as suas remoções.
OBSERVAÇÃO

Lembre-se de que as bordas do poço foram fixadas nas


travessas frontais através da soldagem de pedaços de
ferro de construção entre as duas peças em questão e que
deverão ser removidos para possibilitar o levantamento
da plataforma de pesagem para a instalação das células
de carga.

Material necessário:

- 02 Macacos Hidráulicos de 20 ton. 04.Coloque pontaletes entre a base e as longarinas,


- Caibros (pontaletes) para calçar a plataforma. próximos aos pontos de levantamento 4 e 8, para
evitar a queda da plataforma de pesagem em caso
de acidente.
C. SEQÜÊNCIA DE MONTAGEM
Deverá existir uma folga de aproximadamente 5 mm
entre as longarinas e os pontaletes.
01.Localize os pontos de levantamento da plataforma.

Os pontos de levantamento estão ao lado de cada


célula de carga.

05.Remova as colunas de apoio adjacentes aos pontos


de levantamento 4 e 8.

02.Instale os macacos hidráulicos nos pontos de le-


vantamento 4 e 8.

Revisão 04 - 10 - 08 07 - ( 02 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

06.Identifique e separe as peças que constituem o con- 07.Certifique-se de que as placas superiores, as bases
junto da célula de carga. A balança utiliza oito conjuntos das células e as castanhas estejam limpas e certifique-
idênticos. se também que as castanhas estejam cobertas
com uma fina camada de MAGNALUBE-G, fornecida
O conjunto da célula de carga é constituído das com a balança.
seguintes peças:

1. 01 placa superior, código 6064001. 08.Posicione os anéis de vedação sobre as castanhas


2. 01 castanha superior, código 8001028. inferiores.
3. 01 célula de 22,5 t (para 60 t), código 8000948.
4. 01 anel de vedação, código 8001029.
5. 01 parafuso sem cabeça com sextavado interno,
1/2"-13UNC x 1 3/4", código 8000172.
6. 01 castanha inferior, código 8001027.
7. 01 base da célula, código 6063954.
8. 04 parafusos cabeça sextavada 5/8"-11 x 2 3/4",
código 8000304.
9. 02 parafusos cabeça sextavada 5/8"-11 x 2 1/4",
código 8000382.
10.08 arruelas de pressão 5/8", código 0000444.
11.04 arruelas lisas 5/8", código 0000460. 09.Posicione e encaixe as células de cargas entre as
castanhas superiores e inferiores.

As placas superiores, as bases das células, as cas-


tanhas superiores e inferiores já estão montadas.

Estas peças foram montadas durante a montagem


das longarinas e travessas.

10.Abaixe, simultaneamente e cuidadosamente, a pla-


taforma de pesagem até que se apoie por completo
no conjunto das células de carga.

Revisão 04 - 10 - 08 07 - ( 03 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

11.Transfira os macacos hidráulicos para os pontos 3 e 7, 16.Posicione e encaixe as células de cargas entre as
levantando a plataforma de pesagem o suficiente para castanhas superiores e inferiores.
livrar as colunas de apoio e possibilitar as suas
remoções.

12.Coloque pontaletes entre a base e as longarinas, pró-


ximos aos pontos de levantamento 3 e 7, para evitar
a queda da plataforma de pesagem em caso de aci-
dente.

Deverá existir uma folga de aproximadamente 5 mm


entre as longarinas e os pontaletes.

17.Abaixe, simultaneamente e cuidadosamente, a plata-


forma de pesagem até que se apoie por completo no
conjunto das células de carga.

13.Remova as colunas de apoio adjacentes aos pontos


de levantamento 3 e 7.

18.Transfira os macacos hidráulicos para os pontos 2 e 6,


levantando a plataforma de pesagem o suficiente para
livrar as colunas de apoio e possibilitar as suas
remoções.

14.Certifique-se de que as placas superiores, as bases


das células e as castanhas superiores e inferiores,
nos pontos 3 e 7, estejam limpas e certifique-se tam-
bém que as castanhas estejam cobertas com uma
fina camada de MAGNALUBE-G, fornecida com a
balança.

15.Posicione os anéis de vedação sobre as castanhas


inferiores.

Revisão 04 - 10 - 08 07 - ( 04 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

19.Coloque pontaletes entre a base e as longarinas, pró- 25.Transfira os macacos hidráulicos para os pontos 1 e 5,
ximos aos pontos de levantamento 2 e 6, para evitar levantando a plataforma de pesagem o suficiente para
a queda da plataforma de pesagem em caso de aci- livrar as colunas de apoio e possibilitar as suas
dente. remoções.

Deverá existir uma folga de aproximadamente 5 mm


entre as longarinas e os pontaletes.

26.Coloque pontaletes entre a base e as longarinas, pró-


ximos aos pontos de levantamento 1 e 5, para evitar
a queda da plataforma de pesagem em caso de aci-
dente.
20.Remova as colunas de apoio adjacentes aos pontos
de levantamento 2 e 6. Deverá existir uma folga de aproximadamente 5 mm
entre as longarinas e os pontaletes.

21.Certifique-se de que as placas superiores, as bases 27.Remova as colunas de apoio adjacentes aos pontos
das células e as castanhas superiores e inferiores, de levantamento 1 e 5.
nos pontos 2 e 6, estejam limpas.

22.Posicione os anéis de vedação sobre as castanhas


inferiores.

23.Posicione e encaixe as células de carga entre as 28.Certifique-se de que as placas superiores, as bases
castanhas superiores e inferiores. das células e as castanhas superiores e inferiores,
nos pontos 1 e 5, estejam limpas e certifique-se tam-
bém que as castanhas estejam cobertas com uma fina
24.Abaixe, simultaneamente e cuidadosamente, a plata- camada de MAGNALUBE-G, fornecida com a balança.
forma de pesagem até que se apoie por completo no
conjunto das células de carga.
29.Posicione os anéis de vedação sobre as castanhas
inferiores.

30.Posicione e encaixe as células de carga entre as


castanhas superiores e inferiores.

Revisão 04 - 10 - 08 07 - ( 05 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

31.Abaixe, simultaneamente e cuidadosamente, a plata-


forma de pesagem até que se apoie por completo no
conjunto das células de carga.

32.Retire os dois macacos hidráulicos.

33.Com todas as células de carga montadas, proceda a


ligação elétrica das mesmas.

Veja seção 8 para efetuar as ligações das células de


carga.

Revisão 04 - 10 - 08 07 - ( 06 / 06 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

08 Ligação das Células de Carga

A. FIXAÇÃO DA CAIXA DE JUNÇÃO DIGITOL Veja o correto posicionamento destas caixas de junção
nas figuras abaixo, onde as duas situações de
posicionamento da cabine estão indicadas.
A balança utiliza duas caixas de junção DIGITOL para a
interligação de suas oito células de carga.

A caixa de junção que interliga as células de carga ao


indicador digital possue 6 furos com prensa-cabos e a
caixa de junção que interliga as células de carga possuem
5 furos com prensa-cabos.

As caixas de junção deverão ser fixadas nas longarinas


laterais, as quais já estão equipadas com furação
rosqueada apropriada para a fixação das mesmas.

CAIXA DE JUNÇÃO
DE 6 FUROS

CAIXA DE JUNÇÃO As caixas de junção deverão ser fixadas nas longarinas


DE 5 FUROS situadas no mesmo lado da cabine de pesagem. Localize
os pontos de fixação das caixas de junção nas longarinas.

Para fixar cada caixa de junção utilize:

- 04 parafusos cabeça redonda Ø 10-32 UNF x 3/8",


código 0001806. (Estão na caixa de ferragens)

- 04 arruelas lisas, código 0006614.

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 01 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

B. INSTALAÇÃO DOS CABOS DAS CÉLULAS A figura abaixo ilustra o aspecto físico dos cabos de
ligação das células de carga.

Para a conexão das células nas caixas de junção, serão


utilizados oito cabos especiais com proteção externa
metálica, preparados e montados em Fábrica.

RELAÇÃO DOS CABOS UTILIZADOS

COMPRIMENTO DOS CABOS


C ABO ( metros )
DE...PARA Plataforma Plataforma
18 x 3 metros 21 x 3 metros

DE LC1 - PARA J5 ( CX1 ) 7,0 7,0

DE LC2 - PARA J2 ( CX1 ) 3,0 4,0

DE LC3 - PARA J6 ( CX1 ) 11,0 13,0

DE LC4 - PARA J3 ( CX1 ) 7,0 10,0

DE LC5 - PARA J5 ( CX2 ) 11,0 13,0

DE LC6 - PARA J2 ( CX2 ) 7,0 10,0

DE LC7 - PARA J6 ( CX2 ) 7,0 7,0

DE LC8 - PARA J3 ( CX2 ) 3,0 4,0

DE J1 ( CX1 ) - PARA J8 ( CX2 ) 17,0 18,0

DE J8 - PARA 8530/ COUGAR 15,0 15,0

Os cabos especiais deverão, OBRIGATORIAMENTE, ser


posicionados na plataforma conforme figura.
Os cabos das células montadas no lado oposto ao das
caixas de junção, deverão passar dentro de eletrodutos.

Para cada cabo será utilizado um eletroduto.

Nas extremidades dos eletrodutos deverão ser instalados


prensa-cabos para evitar a penetração de água.

Os cabos deverão passar por suas respectivas guias,


localizadas nas longarinas.

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 02 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

1. Conexão dos Cabos nas Células - Puxe a capa de vedação de borracha por sobre a co-
nexão efetuada.
Para a conexão dos cabos em cada célula de carga,
proceda como segue: A vedação de borracha deverá encostar na frange do
conector da célula, para vedar a conexão.
- Engraxe o cabo, aproximadamente 10 centímetros.
Use o silicone especial BOSS 440, fornecido com a
balança.

- Puxe a capa de vedação de borracha de forma a des-


cobrir o conector.

- Conecte o fio verde na estrutura da balança.

- Encaixe o conector na célula de carga e gire-o até a


sua perfeita fixação. Aplique DOW COMPOUND Nº 4
no conector, antes de conectar.

Em caso de contaminação, limpe o conector com


spray solvente e reaplique o DOW COMPOUND Nº 4.

A conexão dos cabos nas células de carga está finalizada.

Proceda, agora, a conexão da outra extremidade dos


cabos nas caixas de junção.

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 03 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

2. Conexão dos Cabos nas Caixas de Junção

As caixas de junção, CX1 e CX2, são DIFERENTES em relação ao número de furos, sendo que a CX1 possue 6 furos
e a CX2 possue 5 furos. A seguir, apresentamos o aspecto físico de uma caixa com 6 furos:

Utilize a figura e a tabela abaixo para efetuar as conexões CAIXAS CÉLULA BARRA
dos cabos das células de carga nas caixas de junção. DE A SER DE PINOS DA BARRA DE TERMINAIS
JUNÇÃO CONECTADA TERMINAL

LC 6 J2 A B N.C. +VA GnD CGnD

C LC 8 J3 A B N.C. +VB GnD CGnD


X
1 LC 5 J5 A B N.C. +VA GnD CGnD

LC 7 J6 A B N.C. +VB GnD CGnD

COR DOS FIOS DAS


AO AL BO VO VE LA
CÉLULAS DE CARGA

LC 2 J2 A B N.C. +VA GnD CGnD

C LC 4 J3 A B N.C. +VB GnD CGnD


X
2 LC 1 J5 A B N.C. +VA GnD CGnD

LC 3 J6 A B N.C. +VB GnD CGnD

As caixas de junção, CX1 e CX2, são caixas de 6 e 5 furos,


com montagem flangeada pela base, modelo TB-100474,
IMPORTANTE equipadas com prensa-cabos.

A caixa de junção que estiver mais distante, em relação ao


módulo indicador 8530/ Cougar, deve ter o jumper W1
conectado. Neste caso a caixa mais distante é CX2.

A CX1 não precisa ter W1 conectado.

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 04 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Os cabos de ligação entre células e caixas de junção, tem


um rabicho VE, proveniente do shield externo dos cabos,
que devem ser ligados aos parafusos de terra externo as
caixas de junção (parafuso de fixação das caixas de
junção). Veja figura abaixo:

Após as ligações elétricas terem sido executadas, um


saquinho de silica-gel deverá ser deixado no interior de
cada caixa de junção.

C. CONEXÃO ENTRE A CAIXA 1 E A CAIXA 2

A ligação entre as caixas de junção, CX1 e CX2, deverá ser


feita através de cabo especial com comprimento específico
para o tamanho da plataforma em questão. Veja tabela
abaixo:

BARRA DE BARRA DE
TAMANHO COMPRIMENTO
TERMINAIS TERMINAIS
DA DO
UTILIZADA NA UTILIZADA NA
PLATAFORMA C ABO
C X1 C X2

18x3 metros 17
J1 J8
21x3 metros 18

As figuras a seguir mostram o aspecto físico do cabo e a


sua configuração elétrica. O cabo de ligação entre as caixas de junção, tem dois
rabichos VE, provenientes do shield externo do cabo, que
devem ser ligados aos parafusos de fixação das caixas de
junção. Veja figuras a seguir.

Dentro do cabo de ligação entre as caixas de junção, tem


dois rabichos CA, provenientes do shield interno do cabo,
que deverão ser ligados aos terminais terra internos á
caixa de junção ( no parafuso de fixação da PCI ). Veja
figuras acima.

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 05 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

D. LIGAÇÃO À CABINE DE PESAGEM

Após a ligação das oito células nas caixas de junção e a


ligação entre as caixas de junção, deverá ser efetuada a
ligação ao indicador digital 8530/ Cougar.

Para esta conexão deverá ser utilizado um cabo especial


de 15 metros de comprimento.

Aspecto físico e a configuração elétrica dos cabos estão


ilustrados nas figuras abaixo:

Cabo de Interligação Caixa de Junção 1 ao 8530

O cabo é fabricado com comprimento padrão de 15


metros.

Caso a distância entre plataforma e cabine exceda aos 15


metros, um novo cabo deverá ser solicitado à TOLEDO.

O comprimento adicional do cabo será cobrado do Cliente.


No percurso, caixa de junção/cabine de pesagem, o cabo
de ligação deverá passar por um eletroduto galvanizado,
conforme especificado na seção 4.B, deste manual.

Cabo de Interligação Caixa de Junção 1 ao Cougar

Após passar o cabo pelo eletroduto galvanizado, proceda


à sua ligação na caixa de junção.

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 06 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

1. Conexão na Caixa 1 O fio VE deverá ser conectado ao terminal de terra do


Indicador digital, junto com o terminal do cabo de
O conector utilizado na caixa de junção 1 - CX1, para a aterramento. Veja figura anterior.
ligação do cabo é o J8. Faça a ligação conforme
configuração abaixo:

Os cabos de ligação entre a CX1 e o módulo 8530 e


Cougar têm, na extremidade da CX1, um rabicho VE,
proveniente do shield externo do cabo, que deve ser ligado
ao parafuso de fixação da CX1. Veja figura anterior.

Dentro do cabo, existe um rabicho CA, proveniente do Após ter efetuado todas as conexões das células de
shield interno do cabo, que deverá ser ligado ao terminal carga, certifique-se de que todas as conexões estão
de terra interno à CX1 (no parafuso de fixação da PCI). certas e com bom contato elétrico e, só então, proceda a
Veja figura anterior. instalação do sistema de aterramento.

Para instalar o sistema de aterramento, consulte a seção


2. Conexão ao Módulo 8530 / 8540 10, deste manual.

No 8530 / 8540, utilize o conector DB-9, localizado no


painel traseiro do indicador para efetuar a conexão. 3. Conexão ao Módulo Cougar

Veja desenho abaixo para o Módulo 8530: No Cougar, utilize o conector J5, localizado na PCI
Principal do indicador para efetuar a conexão.

Veja desenho abaixo:

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 07 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

PARA SUAS ANOTAÇÕES

Revisão 05 - 10 - 08 08 - ( 08 / 08 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

09 Instalação Elétrica da Cabine de Pesagem

O Sistema de Aterramento tem por objetivo a proteção b. Com a posição da haste determinada, proceda a im-
humana contra eventuais choques, em condição de curto- plantação da mesma.
circuito.
A haste deverá ser introduzida no solo até que fique,
aproximadamente, 20 cm do nível do solo.
A. SISTEMA DE ATERRAMENTO

1. Implantação da Haste de Aterramento

A posição da haste do Sistema de Aterramento já foi


definida durante o estudo da área em torno da plataforma
e da cabine de pesagem, e o Cliente, nesta etapa de
montagem, deverá ter construído a valeta para a instalação
da haste e cabo.

a. Passe o cabo de cobre nú pelo eletroduto, de forma


que uma de suas extremidades fique, aproximada-
mente, 5 centímetros para fora da caixa de alumínio,
na cabine de pesagem.

Estique a outra extremidade do cabo para determinar


2. Interligação da Haste
o ponto exato da implantação da haste.
Após a implantação da haste, interligue-a no cabo de
cobre nú, usando o grampo para dois condutores.

Revisão 03 - 10 - 08 09 - ( 01 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

3. Tratamento do Solo

Após a conexão da haste no cabo de cobre nú, trate o


cabo e a haste.

Será fornecido um pacote de Aterragel, código 5072005,


para esta finalidade. O produto Aterragel é fornecido em
quantidade suficiente para tratar o solo onde irá uma
haste, ou cinco metros de cabo. Siga as instruções de
uso, contidas na embalagem do produto.

Após o tratamento do solo, recoloque a terra nas valetas.


A terra deverá ser compactada, a fim de garantir a menor
resistência de contato possível.

4. Ligação do Cabo na Cabine


Após a soldagem dos dois fios flexíveis no cabo de
O cabo de aterramento deverá ser conectado ao chassi do aterramento, feche a caixa metálica correspondente ao
Indicador Digital 8530/Cougar e ao eletroduto de ferro aterramento, de forma a embutir a conexão efetuada.
galvanizado utilizado para a alimentação das tomadas.
Conecte um dos fios flexíveis no eletroduto de alimentação
e o outro no chassi do 8530/ Cougar.

ATENÇÃO

Se a tomada utilizada já for existente e não for metálica,


tanto o eletroduto quanto a tomada externa, não será
necessário aterrá-los.

Não confundir esse aterramento com o terra do terceiro


pino da tomada.

O terceiro pino da tomada deverá ser aterrado juntamente


com as demais tomadas so sistema de distribuição de
B.T. do Cliente. As ligações, desta tomada, deverão estar
em conformidade com a Norma TOLEDO NOR-A02.

Para facilitar a conexão do cabo de aterramento no chassi


do 8530/ Cougar e no eletroduto de alimentação, separe
dois pedaços de 1,5 m de fio flexível, e solde-os na
extremidade do cabo de aterramento.

Revisão 03 - 10 - 08 09 - ( 02 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Detalhe de interligação do cabo proveniente da caixa de


junção no módulo 8530 / 8540.

Detalhe de interligação do cabo proveniente da caixa de


junção no módulo 8530 Cougar.

B. INSTALAÇÃO DO SUPRESSOR DE
TRANSIENTES

Antes de instalar o supressor de transientes, é neces-


sário assegurar-se de que a instalação das tomadas na
cabine de pesagem foram efetuadas de acordo com a
especificação da Toledo. A instalação das tomadas na
cabine de pesagem são de responsabilidade do Cliente e,
neste momento da instalação da balança, já deverão estar
prontas.

Cabe ao técnico Toledo certificar-se de que estas


instalações estejam compatíveis com a configuração
seguinte:

Revisão 03 - 10 - 08 09 - ( 03 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

O Transient Voltage Surge Supressor (Supressor de


Transientes) deverá ser ligado em paralelo com a linha de
alimentação do Cliente.

AVISO

O terceiro pino da tomada deverá ser aterrado juntamente


com as demais tomadas do sistema de distribuição de
B.T. do Cliente. As ligações desta tomada deverão estar
compatíveis com a Norma TOLEDO NOR-A02.

O Supressor de Transientes deverá ser fixado na parede,


ao lado da tomada de alimentação.

Utilize dois parafusos Ø 3 mm, rosca soberba, com


buchas de nylon na medida apropriada.

Revisão 03 - 10 - 08 09 - ( 04 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

10 Colocando a Balança em Funcionamento

A. PROCEDIMENTO PRELIMINAR B. PROGRAMANDO E CALIBRANDO


A BALANÇA COM O MÓDULO 8530

Antes de iniciar o procedimento para colocar a balança


em funcionamento, certifique-se de que: a. Abra o 8530 e verifique se o papel isolador da bateria foi
retirado.
- Os limitadores de movimento da plataforma estão ins-
talados e ajustados corretamente. Caso não, retire-o.

- Todos os cabos estão conectados nas células de b. Localize o jumper W5, na PCI da Lógica, e conecte-o.
carga;
A colocação deste jumper permite acessar a progra-
- Todos os cabos estão ligados corretamente nas Cai- mação e a calibração do 8530.
xas de Junção DIGITOL;
c. Em seguida, conecte o 8530 à rede elétrica.
- O cabo proveniente da Caixa de Junção DIGITOL está
conectado adequadamente no Indicador DIGITOL 8530/ O 8530 exibirá uma rotina de partida com os seguintes
Cougar; eventos:

- Todos os fios terras dos cabos estão conectados; [- - - -- - ]


[128831 ] Ver NOTA 1
- A tomada de alimentação está fornecendo 110 VCA/ [LO6 ] Ver NOTA 1
220 VCA, três fios ( F+N+T ) ou 220 VCA ( F+F+T ). [888888 ]
[ ] Ver NOTA 2
[. . . . . . ] e, em seguida,
AVISO [- - ]

Se a tomada de alimentação do cliente for somente em


110 VCA, deverá ser instalado um transformador 110 para NOTA 1
220 VCA, pois a versão do Indicador DIGITOL 8530 utilizada
pela TOLEDO no Brasil, 8530-2011, possibilita a operação Este número irá variar com as revisões de software.
somente em 220/ 240 VCA.

Para maiores informações, consulte o Manual de NOTA 2


Operação, Instalação e Manutenção do 8530.
Os cursores inferiores estarão todos iluminados.
O módulo 8530 Cougar pode operar tanto em 110 como
em 220 VCA.
Se aparecer algum código de erro durante a configu-
ração, acione e mantenha acionada a tecla { C } até
- O Supressor de Transientes está instalado e operando, que o código de erro seja apagado. Logo a seguir,
lâmpada verde acesa. consulte a lista de códigos de erros na seção 7 do
MOIM do 8530.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 1 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Com o display indicando [ - - ], o 8530 estará pronto Para acessar e programar os parâmetros do Grupo
para ser programado e calibrado. 20, consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 e pro-
grame-os conforme a tabela a seguir.
O menu do procedimento de programação se divide em
GRUPOS de passos de programação. Cada grupo con-
tém um assunto completo. PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO

99 parâmetros programam o 8530 para aplicações espe- 23 3 MAZ com +/- 3 incrementos.
cíficas.
Captura o zero
24 1 automaticamente ao ligar, na
- Os parâmetros de 1 à 19 são para a Calibração. faixa de +/- 2% da capacidade.

- Os parâmetros de 20 à 29 são para a Pré-calibração 25 1


Ativa a tecla [Zero] na faixa de
e devem ser definidos antes de calibrar a balança. +/- 2% da capacidade.

Ativa o detector de movimento


- Os grupos de programação [ 30 ], [ 40 ], [ 50 ], [ 60 ], 26 3
na faixa de +/- 2 incrementos.
[ 70 ] e [ 80 ], definem várias funções de saída e os do
grupo [ 90 ] definem vários parâmetros da célula digital. 27 5 Ativa o filtro digital no nível 5.

28 X Apagamento por sobrecarga.


TÍTULO DO GRUPO PASSOS
Para programar o parâmetro [28], digite a capacidade desejada,
[00] Informações sobre a Balança [01] à [04] adicionada de 5 incrementos e, em seguida, tecle [ENTER].

[10] Configuração e Calibração [11] à [19]


Feito isto, você acabou de pré-calibrar o 8530.
[20] Manutenção de Zero e Filtro [21] à [28]

[30] Parâmetros da Tara [31] à [39]


ATENÇÃO
[40] Porta JN [41] à [45]

[50] Porta JW [51] à [57] A primeira vez que entrar no Grupo 20, o 8530 pulará os
parâmetros [ 21 ] e [ 22 ], pois não existe nada armazenado
em sua memória.
[60] Parâmetros de Impressora [61] à [74]
Se tiver uma balança já calibrada e necessitar fazer um
[80] Internacional [81] à [86] ajuste de zero e total, salte estes dois parâmetros
acionando a tecla { 0 }.
[90] Substituição da Célula [91] à [99]

f. Após programar o parâmetro [ 28 ], o 8530 retornará


ao prompt [ -- ].
d. Iniciaremos pelo Grupo 20, já que este grupo contém
os parâmetros de Pré-calibração. Neste momento, deverão ser programados os parâ-
metros relativos às células de carga, relacionados no
Grupo 00 de programação.
e. Com o display indicando [ -- ], tecle { 2 } e { 0 }.
g. Com o display indicando [ -- ], acione { 0 }, { 0 } e, a
O display indicará [ 23 x ], dando início a programação seguir, { ENTER ].
do grupo 20.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 2 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

O display indicará [ 01 x ], dando início a programação As células do lado da cabine de pesagem sempre terão
do Grupo 00. números pares, e as do outro lado sempre números
ímpares.
Para acessar e programar os parâmetros do Grupo
00, consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 e pro- A seção 1 sempre conterá as células 1 e 2, a seção 2
grame-os conforme a tabela a seguir. sempre conterá as células 3 e 4 e, assim, sucessivamente.

Com o display indicando [ 04 1 ], siga o procedimento


PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO da seção 6 do MOIM do 8530, para iniciar o endereça-
mento das células de carga.
1 1 Seleciona células múltiplas.
Após a última célula de carga ter sido endereçada, o
2 1 Ativa ajuste por seção.
display indicará [ -- ], que indica o término do ende-
reçamento de todas as células de carga.
3 8 Seleciona quantidade de células.

4 X Ajusta endereços das células.


h. Antes de prosseguir é recomendável usar o parâmetro
O parâmetro [04] permite atribuir um único endereço à cada célula [ 99 ] para verificar a indicação de cada célula.
de carga, para permitir ao 8530 comunicar-se independentemente
com cada célula.
A indicação exibida não é um peso real, é uma saída
digital, portanto não coincidirá com o peso em " kg "
da balança. No entanto, estes valores são importantes
Quando chegar no parâmetro [04], observe que cada para a comparação das saídas das células.
célula deverá ter um endereço específico, conforme
diagrama abaixo: Consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 para aces-
sar o parâmetro [ 99 ].

Anote os valores das saídas de cada célula e depois


compare-os.

As células dos extremos da plataforma devem ter a


mesma saída, dentro de 20 à 30 % de cada uma.

Igualmente, as células do meio devem apresentar uma


saída dentro de 20 à 30 % de cada uma, porém, as
saídas serão mais altas que as dos extremos, já que
as do meio suportam mais peso que as das extremi-
dades da plataforma.

Se uma célula estiver dentro da tolerância, significa que


está no nível, e que está suportando sua parte de carga
da plataforma.

Antes de prosseguir, calce qualquer célula que tenha


uma saída baixa. A calibração será mais fácil e mais
exata se a carga estiver adequadamente distribuída
sobre todas as células.

Agora podemos e estamos preparados para programar


os parâmetros de calibração do Grupo 10.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 3 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

i. Com o display indicando [ -- ], acione { 1 } e { 0 }. . Se as indicações forem corretas, a calibração está


terminada.
O display indicará [ 11 0 ], dando início a programação
do grupo 10. . Se houver uma pequena diferença, entre nos parâ-
metros [ 21 ] e [ 22 ], que permitem realizar o ajuste
Para acessar e programar os parâmetros do Grupo 10, fino do zero e do total, e corrija a diferença.
consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 e programe-os
conforme a tabela a seguir. . Se três ou mais seções estão fora de calibração,
retorne ao parâmetro [ 18 ] e, em seguida, ao [ 19 ].
PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO
. Se uma ou duas seções estão fora alguns incre-
mentos, é melhor ajustar as seções manualmente
11 0 Operação em kg.
através do parâmetro [ 96 ].
Compensação de Linearidade
12 0 . Para ajustar as seções manualmente, consulte a
desativada.
seção 6.D.9 do MOIM do 8530.
13 1 Autorange desativado.
. O ajuste manual das seções permite ajustar uma se-
Seleção de Capacidade. ção através do teclado do 8530.
[ XXXXXX ]
14 1
. Depois de entrar no parâmetro [ 96 ], se entrar, deverá
Digite o valor da capacidade e ser executada uma nova calibração através do pa-
tecle { ENTER }.
râmetro [ 19 ].
Tamanho do incremento.
l. Após ter calibrado a balança com sucesso e com o
15 X
[ ] display indicando [ -- ], acione { 9 } e { 7 } para anotar
Tecle { 0 } para visualizar a
as constantes de zero, total e das seções.
próxima seleção de incremento.
O display indicará [ 97 x ].
Ajuste de Seção
m.Tecle { 1 }.
Passe, de 3 à 5 vezes, um
caminhão sobre a plataforma para
18 X
assentar o conjunto mecânico. Durante 2 segundos será indicado [ 97A ] e, em se-
guida, será indicado o valor da constante do Span.
Após ter passado o caminhão por
sobre a plataforma, entre no ajuste
de seção conforme seção 6.D.2 do n. Anote o valor da constante de Span e acione a tecla
MOIM do 8530. { ENTER } para prosseguir.
Calibração
Durante 2 segundos será indicado [ 97b ] e, em se-
19 X Para ajustar o zero e o total da guida, será indicado o valor da constante do Zero atual.
balança, consulte a seção 6.D.3 do
MOIM do 8530.
o. Anote o valor da constante de Zero e tecle { ENTER }.

Durante 2 segundos será indicado [ CELL 01 ] e, em


j. Retire o jumper W5 da PCI Principal do 8530. seguida, será indicado a constante da seção 01.

k. Verifique as indicações do zero, total e das seções p. Anote o valor da constante da seção 01 e tecle
da balança. { ENTER }.

Anote as indicações. Durante 2 segundos será indicado [ CELL 02 ] e, em


seguida, será indicado o valor da constante da seção
02.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 4 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

q. Anote o valor da constante da seção 02 e tecle C. OUTRAS PROGRAMAÇÕES - 8530


{ ENTER }.

Durante 2 segundos será indicado [ CELL 03 ] e, em A programação feita no item B, é uma programação
seguida, será indicado o valor da constante da seção básica relativa a pré-calibração e calibração do 8530.
03.
Para que o 8530 opere perfeitamente para a aplicação
r. Anote o valor da constante da seção 03 e tecle requerida, os outros parâmetros de programação não
{ ENTER }. mencionados no item B, deverão ser ajustados conforme
a tabela abaixo:
Durante 2 segundos será indicado [ CELL 04 ] e, em
seguida, será indicado o valor da constante da seção
04. PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO

s. Anote o valor da constante da seção 04 e tecle 31 0 Inibe a entrada de tara.


{ ENTER }.
32 0 Inibe intertravamentos de tara.

Será indicada a mensagem [ SA CAL ].


36 0 Inibe a tecla {FUNCTION}.

t. Com o display indicando [ SA CAL ], tecle { 1 }. 37 0 Inibe a tecla {MEMÓRIA}.

Será indicada a mensagem [ -- ], indicando o término Inibe enredereçamento das


38 0
deste procedimento. memórias de tara.

41 0 Modo Contínuo.
u. Retire o jumper W5 e desligue o 8530.
42 4800 Baud rate.
v. Coloque as anotações referentes as constantes dentro
do 8530, fechando-o em seguida. 43 2 Paridade par.

Estas anotações serão de grande utilidade em caso de 44 1 Ativa o Checksum.


possíveis problemas com o 8530 ou com as células de
carga. 45 1 1 Stop Bit.

Se a PCI da Lógica estiver com algum defeito e neces- 81 0 Inibe a Verificação Analógica.
sitar ser substituída, ou por alguma razão qualquer
82 0 Inibe a tecla lb/kg.
memória do 8530 se apagar, não será necessário re-
calibrá-lo se estes valores forem reintroduzidos na PCI
83 0 Indica o peso em "kg" ao ligar.
da Lógica através deste procedimento.

x. Ligue o 8530.
Os parâmetros de programação não mencionados, não
Neste ponto a balança já estará funcionando correta- são utilizados neste tipo de instalação e, portanto, não
mente. deverão ser acessados.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 5 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

D. PROGRAMANDO E CALIBRANDO A 99 parâmetros programam o 8530 Cougar para aplicações


BALANÇA COM O MÓDULO 8530 COUGAR específicas.

- Os parâmetros de 1 à 19 são para a Calibração.


a. Abra o 8530 Cougar e verifique se o papel isolador da
bateria foi retirado. - Os parâmetros de 20 à 29 são para a Pré-calibração
e devem ser definidos antes de calibrar a balança.
Caso não, retire-o.
- Os grupos de programação [ 30 ], [ 40 ], [ 50 ], [ 60 ],
b. Localize o jumper W1, na PCI da Lógica, e conecte-o. [ 70 ] e [ 80 ], definem várias funções de saída e os do
grupo [ 90 ] definem vários parâmetros da célula digital.
A colocação deste jumper permite acessar a progra
mação e a calibração do 8530 Cougar.
TÍTULO DO GRUPO PASSOS
c. Em seguida, conecte o 8530 Cougar à rede elétrica.
[00] Informações sobre a Balança [01] à [04]
O 8530 Cougar exibirá uma rotina de partida com os
seguintes eventos:
[10] Configuração e Calibração [11] à [19]
[ F.F.F.F.F.F. ]
[ 1 3 4 6 2 2 ] Ver NOTA 1 [20] Manutenção de Zero e Filtro [21] à [29]
[LO4 ] Ver NOTA 1
[888888 ] [30] Parâmetros da Tara [31] à [38]
[. . . . . . ]
[ ] Ver NOTA 2 e, em seguida, [40] Porta para Impressora [41] à [45]
[- - ]
[50] Porta para Microcomputador [51] à [57]

NOTA 1 [60] Saída em Modo Demanda [61] à [75]

Este número variará com as revisões de software.


[80] Internacional [82] à [88]
NOTA 2
[90] Substituição da Célula [91] à [99]
Os cursores inferiores estarão todos iluminados.

Se aparecer algum código de erro durante a configu- d. Iniciaremos pelo Grupo 20, já que este grupo contém
ração, acione e mantenha acionada a tecla { C } até os parâmetros de Pré-calibração.
que o código de erro seja apagado. Logo a seguir,
consulte a lista de códigos de erros na seção 7 do
MOIM do 8530 Cougar. e. Com o display indicando [ -- ], tecle { 2 } e { 0 }.

Com o display indicando [ - - ], o 8530 Cougar estará O display indicará [ 23 x ], dando início a programação
pronto para ser programado e calibrado. do grupo 20.

O menu do procedimento de programação se divide em Para acessar e programar os parâmetros do Grupo


GRUPOS de passos de programação. Cada grupo con- 20, consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 Cougar
tém um assunto completo. e programe-os conforme a tabela a seguir.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 6 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

Para acessar e programar os parâmetros do Grupo


PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO 00, consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 Cougar
e programe-os conforme a tabela a seguir.
23 1 MAZ com ± 3 incrementos.

23A 0 MAZ somente em peso bruto.


PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO
Captura o zero automaticamente ao
24 1 ligar, na faixa de ± 2% da
capacidade. 1 1 Seleciona células múltiplas.
Temporizador de retardo de
24A 0
aquecimento desabilitado. 2 1 Ativa ajuste por seção.
Ativa a tecla { ZERO } na faixa de ±
25 1
2% da capacidade.
3 8 Seleciona quantidade de células.
Ativa o detector de movimento na
26 4
faixa de ± 3 incrementos.
27 4 Filtragem de média para pesada. 4 x Ajusta endereços das células.

28 X Apagamento por sobrecarga. O parâmetro [ 04 ] permite atribuir um único endereço à cada


célula de carga, para permitir ao 8530 Cougar comunicar-se
29 0 Acumulador desabilitado. independentemente com cada célula.
Para programar o parâmetro [ 28 ], digite a capacidade
desejada adicionada de 5 incrementos e, em seguida, tecle Quando chegar no parâmetro [ 04 ], observe que cada
{ ENTER }. célula deverá ter um endereço específico, conforme
diagrama abaixo:
Feito isto, você acabou de pré-calibrar o 8530 Cougar.

ATENÇÃO

A primeira vez que entrar no Grupo 20, o 8530 Cougar


pulará os parâmetros [ 21 ] e [ 22 ], pois não existe nada
armazenado em sua memória.

Se tiver uma balança já calibrada e necessitar fazer um


ajuste de zero e total, salte estes dois parâmetros
acionando a tecla { 0 }.

f. Após programar o parâmetro [ 29 ], o 8530 Cougar


retornará ao prompt [ -- ].

Neste momento, deverão ser programados os parâme-


tros relativos às células de carga, relacionados no
Grupo 00 de programação.

g. Com o display indicando [ -- ], acione { 0 }, { 0 } e, a


seguir, { ENTER ].

O display indicará [ 01 x ], dando início a programação


do Grupo 00.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 7 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

As células ao lado da cabine de pesagem sempre terão i. Com o display indicando [ -- ], acione { 1 } e { 0 }.
números pares e as do outro lado sempre números
ímpares. O display indicará [ 11 0 ], dando início a programação
do grupo 10.
A seção 1 sempre conterá as células 1 e 2, a seção 2
sempre conterá as células 3 e 4 e, assim, sucessiva- Para acessar e programar os parâmetros do Grupo
mente. 10, consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 e pro-
grame-os conforme a tabela a seguir.
Com o display indicando [ 04 1 ], siga o procedimento
da seção 6.D.1 do MOIM do 8530 Cougar, para iniciar
o endereçamento das células de carga. PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO

Após a última célula de carga ter sido endereçada, o


11 0 Operação em kg.
display indicará [ -- ], que indica o término do endere-
çamento de todas as células de carga.
Compensação de linearidade
12 0
desativada.
h. Antes de prosseguir é recomendável usar o parâmetro
[ 99 ] para verificar a indicação de cada célula. 13 1 Autorange desativado.

A indicação exibida não é um peso real, é uma saída Seleção de capacidade.


digital, portanto não coincidirá com o peso em " kg "
da balança. No entanto, estes valores são importantes [ xxxxxxx ]
14 xxxxxxx
para a comparação das saídas das células.
Digite o valor da capacidade e tecle
{ ENTER }.
Consulte a seção 5.B.6 do MOIM do 8530 Cougar
Tamanho do incremento.
para acessar o parâmetro [ 99 ].
[ ]
15 x
Anote os valores das saídas de cada célula e depois
compare-os. Tecle { 0 } para visualizar a próxima
seleção do incremento.
As células dos extremos da plataforma devem ter a Passe, de 3 a 5 vezes, um
mesma saída, dentro de 20 à 30 % de cada uma. caminhão sobre a plataforma para
assentar o conjunto mecânico.

Igualmente, as células do meio devem apresentar uma 18 x Após ter passado o caminhão por
saída dentro de 20 à 30 % de cada uma, porém as sobre a plataforma, entre na
saídas serão mais altas que as dos extremos, já que compensação de erro de canto
conforme 6.D.2 do MOIM do 8530
as do meio suportam mais peso que as das extremidade
Cougar.
da plataforma.
Calibração
Se uma célula estiver dentro da tolerância, significa que 19 x Para ajustar o zero e o total da
está no nível e que está suportando sua parte de carga balança, consulte a seção 6.D.3 do
da plataforma. MOIM do 8530 Cougar.

Antes de prosseguir, calce qualquer célula que tenha


uma saída baixa. A calibração será mais fácil e mais j. Retire o jumper W1 da PCI Principal do 8530 Cougar.
exata se a carga estiver adequadamente distribuída
sobre todas as células. k. Verifique as indicações do zero, total e das seções
da balança.
Agora podemos e estamos preparados para programar
os parâmetros de calibração do Grupo 10. Anote as indicações.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 8 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

. Se as indicações forem corretas, a calibração está q. Anote o valor da constante da seção 02 e tecle
terminada. { ENTER }.

. Se houver uma pequena diferença, entre nos parâ- Durante 2 segundos será indicado [ CELL 03 ] e, em
metros [ 21 ] e [ 22 ], que permitem realizar o ajuste seguida, será indicado o valor da constante da seção
fino do zero e do total, e corrija a diferença. 03.

. Se três ou mais seções estão fora de calibração, r. Anote o valor da constante da seção 03 e tecle
retorne ao parâmetro [ 18 ] e, em seguida, ao [ 19 ]. { ENTER }.

. Se uma ou duas seções estão fora alguns incremen- Durante 2 segundos será indicado [ CELL 04 ] e, em
tos, é melhor ajustar as seções manualmente atra- seguida, será indicado o valor da constante da seção
vés do parâmetro [ 96 ]. 04.

. Para ajustar as seções manualmente, consulte a s. Anote o valor da constante da seção 04 e tecle
seção 6.D.9 do MOIM do 8530 Cougar. { ENTER }.

. O ajuste manual das seções permite ajustar uma se- Será indicada a mensagem [ SA CAL ].
ção através do teclado do 8530 Cougar.
t. Com o display indicando [ SA CAL ], tecle { 1 }.
. Depois de entrar no parâmetro [ 96 ], se entrar, deverá
ser executada uma nova calibração através do pa- Será indicada a mensagem [ -- ], indicando o término
râmetro [ 19 ]. deste procedimento.

l. Após ter calibrado a balança com sucesso e com o u. Retire o jumper W1 e desligue o 8530 Cougar.
display indicando [ -- ], acione { 9 } e { 7 } para anotar
as constantes de zero, total e das seções. v. Coloque as anotações referentes as constantes dentro
do 8530 Cougar, fechando-o em seguida.
O display indicará [ 97 x ].
Estas anotações serão de grande utilidade em caso de
m.Tecle { 1 }. possíveis problemas com o 8530 Cougar ou com as
células de carga.
Durante 2 segundos será indicado [ 97A ] e, em se-
guida, será indicado o valor da constante do Span. Se a PCI da Lógica estiver com algum defeito e neces-
sitar ser substituída, ou por alguma razão qualquer
n. Anote o valor da constante de Span e acione a tecla memória do 8530 Cougar se apagar, não será neces-
{ ENTER } para prosseguir. sário recalibrá-lo se estes valores forem reintroduzidos
na PCI da Lógica através deste procedimento.
Durante 2 segundos será indicado [ 97b ] e, em se-
guida, será indicado o valor da constante do Zero atual. x. Ligue o 8530 Cougar.

o. Anote o valor da constante de Zero e tecle { ENTER }. Neste ponto a balança já estará funcionando correta-
mente.
Durante 2 segundos será indicado [ CELL 01 ] e, em
seguida, será indicado a constante da seção 01.

p. Anote o valor da constante da seção 01 e tecle


{ ENTER }.

Durante 2 segundos será indicado [ CELL 02 ] e, em


seguida, será indicado o valor da constante da seção
02.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 9 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

E. OUTRAS PROGRAMAÇÕES - Cougar F. PROGRAMANDO E CALIBRANDO A


BALANÇA COM OS MÓDULOS 8540 E
8540 GRÁFICO
A programação feita no item D, é uma programação
básica relativa a pré-calibração e calibração do 8530
Cougar. Para programar e calibrar a balança com os módulos 8540
e 8540 Gráfico, siga as orientações dos MOIM's dos
Para que o 8530 Cougar opere perfeitamente para a módulos referenciados.
aplicação requerida, os outros parâmetros de programa-
ção não mencionados no item D, deverão ser ajustados
conforme a tabela abaixo:

PARÂMETRO ESTADO DESCRIÇÃO

31 2 Tara automática e manual.

32 0 Inibe Intertravamentos de tara.


Tara manual habilitada até a
33 0
capacidade da balança.
Limpeza automática de tara
34 0
desabilitada.
35 1 Tecla Bruto/ Líquido habilitada.
Habilitadas todas as funções,
36 1
exceto setpoint.
37 1 Tecla memória habilitada.
Seleção de memória temporária
38 1
entrada/ saída.
41 1 Saída no modo demanda.

42 4800 Baud rate.

43 2 Paridade par.

44 0 Checksum desabilitado.

45 2 2 Stop bits.

82 0 Tecla lb/ kg desabilitada.

83 0 kg ao ligar.

Os parâmetros de programação não mencionados, não


são utilizados neste tipo de instalação e, portanto, não
deverão ser acessados.

Revisão 03 - 10 - 08 10 - ( 10 / 10 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

11 Recomendações Importantes

Para que a balança funcione adequadamente, algumas recomendações importantes deverão ser entendidas e
informadas ao usuário pelo técnico no momento da liberação da balança para o uso.

1. A velocidade recomendada de aproximação e ingresso na plataforma não deverá exceder a 5 km/h.

2. Os veículos não deverão frear bruscamente, em hipótese alguma, sobre a plataforma de pesagem.

3. Deve-se entrar com o veículo em linha reta com a plataforma, evitando-se assim possíveis choques com a rampa
de acesso.

4. Em casos em que o deslocamento lateral se faz necessário ( recolher ou entregar documentos ao balanceiro ),
deve-se evitar encostar as rodas do veículo no " GUARDA-RODAS" da plataforma de pesagem.

5. Sinalizar com avisos de advertência (ou semáforos) a entrada da balança para que o motorista se concientize
de que vai efetuar uma pesagem.

6. Em casos de utilização hostil da balança (usinas de processamento de lixo, pedreiras, usinas de concreto, etc )
onde são constantes os impactos laterais na estrutura, deve-se informar o usuário para contactar a Assessoria
Técnica da Toledo para que esta possa oferecer-lhe sugestões específicas para estes casos.

7. Deve-se evitar a manobra de veículos logo na saída da balança, antes que o veículo deixe por completo a plataforma
de pesagem.

ATENÇÃO

Nunca permita que seja executado serviço de SOLDA, EM HIPÓTESE ALGUMA, na balança após ter sido liberada para
o uso pelo Técnico Toledo.

Caso isto venha a ocorrer, danos irreparáveis às células de carga ocorrerão, cabendo ao Cliente a total responsabilidade
pelos danos causados.

Revisão 02 - 10 - 08 11 - ( 01 / 02 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

PARA SUAS ANOTAÇÕES

Revisão 02 - 10 - 08 11 - ( 02 / 02 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

12 Lista de Peças

A. CONJUNTO DA CÉLULA DE CARGA

ITEM DESCRIÇÃO CÓDIGO QTDE

1 Base da Célula 8001691 8

2 Castanha Inferior 6056722 8

3 Paraf. s/ Cab. c/ Sext. Int. Ø 1/2"-13x1.3/4" 8000172 8

4 Anel de Vedação 8001029 8

Célula de Carga - 45 t 8000949 8


5
Célula de carga - 22,5 t 8000948 8

6 Placa Superior 8001690 8

7 Castanha Superior 6056721 8

8 Paraf. Cab. sextavada Ø 5/8"-11x2.1/4" 8000382 16

9 Arruela Lisa Ø 5/8" 0000460 32

10 Arruela de Pressão Ø 5/8" 0000444 32

11 Paraf. cab. Sext. Ø 5/8"-11x2.3/4" 8000304 32

Revisão 04 - 10 - 08 12 - ( 01 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

B. CONJUNTO DE LIGAÇÃO DAS CÉLULAS DE CARGA E SISTEMA DE ATERRAMENTO

ITEM DESCRIÇÃO CÓDIGO QTDE

Cabo de Ligação LC6 a CX2


1 6064208 1
7 metros ( 18x3 ) e 10 metros ( 21x3 )

C a b o d e L i g a çã o L C 8 a C X 2
2 6064208 1
3 metros ( 18x3 ) e 4 metros ( 21x3 )

Caixa de Junção 5 furos - Completa 8001332 1


3
Caixa de Junção 6 furos - Completa 6057159 1

Cabo de Ligação CX1 a CX2


4 6064209 1
17 metros ( 18x3 ) e 18 metros ( 21x3 )

Cabo de Ligação LC2 a CX1


5 6064208 1
3 metros ( 18x3 ) e 4 metros ( 21x3 )

Cabo de Ligação LC4 a CX1


6 6064208 1
7 metros ( 18x3 ) e 10 metros ( 21x3 )

C a b o d e L i g a çã o L C 3 a C X 1
7 6064208 1
11 metros ( 18x3 ) e 13 metros ( 21x3 )

C a b o d e L i g a çã o L C 1 a C X 1
8 6064208 1
7 metros ( 18x3 ) e 7 metros ( 21x3 )

Cabo de Ligação CX1 ao 8530 - 15 metros 6064210 1


9
Cabo de Ligação CX1 ao Cougar - 15
6075244 1
metros

Cabo de Ligação LC7 a CX2


10 6064208 1
7 metros ( 18x3 ) e 7 metros ( 21x3 )

Cabo de Ligação LC5 a CX2


11 6064208 1
11 metros ( 18x3 ) e 13 metros ( 21x3 )

12 Cabo de Aterramento 2 AWG - 6 metros 5020233 1

13 Haste Copperweld - 3 metros 5630024 1

14 Grampo para união da haste Copperweld -------------- 1

15 Supressor de Transientes - 220 VCA 8000866 1

Revisão 04 - 10 - 08 12 - ( 02 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

C. CONJUNTO DOS LIMITADORES DE MOVIMENTO LONGITUDINAL E TRANSVERSAL

ITEM DESCRIÇÃO CÓDIGO QTDE

1 Paraf. Cab. Cil. Sext. Int. Ø 1"-8UNCx5.1/2" 8001166 4

2 Porca Sext. Ø 1"-8UNC 0000702 16

3 Arruela Lisa Ø 1" 6015235 32

4 Arruela de Pressão Ø 1" 0000435 16

5 Paraf. Cab. Cil. Sext. Int. Ø 1"-8UNCx5.1/2" 8001166 4

Revisão 04 - 10 - 08 12 - ( 03 / 04 )
TOLEDO Pitless 8 PLC

PARA SUAS ANOTAÇÕES

Revisão 04 - 10 - 08 12 - ( 04 / 04 )
TOLEDO DO BRASIL
BELÉM, PA ....................... TEL. (91) 3233-4891 MANAUS, AM .................. TEL. (92) 3635-0441
......................................... FAX (91) 3244-0871 ......................................... FAX (92) 3233-0787
BELO HORIZONTE, MG .... TEL. (31) 3448-5500 MARINGÁ, PR .................. TEL. (44) 3225-1991
......................................... FAX (31) 3491-5776 ......................................... FAX (44) 3225-1991
CAMPINAS, SP ................. TEL. (19) 3765-8100 RECIFE, PE............. ........... TEL. (81) 3339-4774
......................................... FAX (19) 3765-8107 ......................................... FAX (81) 3339-6200
CAMPO GRANDE, MS ...... TEL. (67) 3341-1300 RIBEIRÃO PRETO, SP ....... TEL. (16) 3968-4800
......................................... FAX (67) 3341-1302 ......................................... FAX (16) 3968-4812
CANOAS, RS ................... TEL. (51) 3427-4822 RIO DE JANEIRO, RJ ....... TEL. (21) 3867-1399
......................................... FAX (51) 3427-4818 ......................................... FAX (21) 3867-1399
CHAPECÓ, SC .................. TEL. (49) 3324-0331 SANTOS, SP .................... TEL. (13) 3222-2365
......................................... FAX (49) 3324-0331 ......................................... FAX (13) 3222-3854
CUIABÁ, MT ..................... TEL. (65) 3648-7300 S. B. DO CAMPO, SP ........ TEL. (11) 4356-9000
......................................... FAX (65) 3648-7312 ......................................... FAX (11) 4356-9282
CURITIBA, PR........ ............ TEL. (41) 3332-1010 S. J. DOS CAMPOS, SP ... TEL. (12) 3934-9211
......................................... FAX (41) 3332-1010 ......................................... FAX (12) 3934-9278
FORTALEZA, CE .............. TEL. (85) 3391-8100 UBERLÂNDIA ................... TEL. (34) 3215-0990
......................................... FAX (85) 3391-8150 ......................................... FAX. (34) 3215-0990
GOIÂNIA, GO ................... TEL. (62) 3202-0344 VITÓRIA, ES ..................... TEL. (27) 3228-8957
......................................... FAX (62) 3202-0355 ......................................... FAX. (27) 3228-8957
LAURO DE FREITAS, BA . TEL. (71) 3289-9000
......................................... FAX (71) 3289-9000

TOLEDO é uma marca registrada da Mettler-Toledo, Inc., de Columbus, Ohio, USA.

R. MANOEL CREMONESI, 01, JD. BELITA - TEL (11) 4356-9000 - CEP 09851-900 - S. BERNARDO DO CAMPO - SP - BRASIL
site: www.toledobrasil.com.br e-mail: ind@toledobrasil.com.br