Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS


CÂMPUS DE JABOTICABAL

Anestesia e Analgesia em burros

DISCIPLINA: PRINCÍPIOS E PRÁTICAS DE ANESTESIOLOGIA


RESPONSÁVEL: PROF. DR. JOSÉ ANTONIO MARQUES
PÓS-GRADUANDA: RITA DE CÁSSIA DE LIMA SAMPAIO

JABOTICABAL
2004
Introdução

Atualmente existem no mundo cerca de 50 milhões de burros. Em sua maioria


utilizado para trabalho ou transporte de bens, materiais e humanos; muito destes nunca verá
um veterinário. Porém, como o papel deles na agricultura sustentável (como uma valiosa
parte) é muito importante e aceito com mais zelo, o cuidado veterinário fica mais acessível.
No E.U.A. e Europa ocidental, os burros ficaram mais populares como animais de
companhia existindo numerosos clubes de burro e organizações de salvamento. O número
de burros apresentado a veterinários parece estar aumentando. Como um animal deserto-
adaptado, o burro evoluiu, funciona e sobrevive em condições abaixo das quais um cavalo
não pôde. Estas diferenças em anatomia, comportamento e fisiologia criam sutil (ou não tão
sutil) diferença em como deveria ser anestesiado e administrado a anestesia. Os burros nos
E.U.A. são divididos através de tamanho em: miniatura (menos que 90 cm de cernelha),
padrão (91 - 140 cm) e mamute (maior que 140 cm de cernelha). Uma divisão semelhante é
feita em Utrecht; os burros são divididos em um tipo maior e um tipo menor ou
mediterrâneo (Figo 1).

Avaliação Pré-operatório e Preparação

Os burros são muito inteligentes e mesmo treináveis. Por eles não terem a mesma
resposta de vôo de um cavalo, e serem muito cautelosos sobre objetos novos ou ambientes,
eles ganharam a reputação de ser teimoso. Porém, se examinarem por determinado tempo
cada situação nova, eles irão cooperara. Há necessidade de um pouco de paciência e
compreensão [1] das diferenças entre eles e os cavalos para se trabalhar com eles! Também
é um pouco mais difícil de interpretar a linguagem do corpo deles que é diferente de um
cavalo. Isto é importante para avaliar a condição pré-operatório do burro; eles são muito
estóicos e não mostrarão dor tão prontamente quanto um cavalo. A pessoa tem que
investigar cuidadosamente para determinar quanta doença subjacente ou dor pode estar
presente.
Amostras de sangue no pré-operatório podem ser úteis para avaliação da saúde do
burro. Esteja atento ao fato que há diferenças normais entre sangue de burros de trabalho e
de cavalos [2-4]; determinado o tipo de ambiente ou uso dos animais, pode ser necessário
estabelecer em laboratório quais as avaliações normais em burros saudáveis. Também,
burros não fazem hemocontração até que eles estejam significativamente desidratados [5], o
uso tão rotineiro do hematócrito para guiar a fluidoterapia tem que levar em conta isto.
Se o burro tiver uma condição muito dolorosa, é recomendado que analgésico sejam
administrado antes que a anestesia comece. Desde que burros metabolizam
antiinflamatórios não esteróidais (NSAID) a taxas diferentes que cavalos, estas drogas
precisam ser administradas a intervalos diferentes do cavalo. Fenilbutazona [6] e flunixin
[7] são metabolizados mais rapidamente e pode precisar ser dado duas vezes diariamente a
burros standards e três vezes para burros de miniatura [8], enquanto carprofen parece ser
metabolizado mais lentamente em burros que em cavalos [9]. Embora farmacocinética (PK)
dados para outros analgésicos podem não estar disponíveis, parece razoável esperar que
administração a burros deveria estar baseado em avaliação clínica do paciente em lugar de
PK ou intervalos dosados obtidos de cavalos. Devido a legislação de droga na Europa, usar
NSAID, principalmente flunixin ou vedaprofen (2 mg/kg através de injeção de IV lenta).
Colocação de cateter e Preparação Pré-operatória

O uso de um cateter intravenoso, colocado na veia jugular, é recomendado para


facilitar administração de drogas anestésicas e fluidos. Sendo mais difícil de realizar devido
as diferenças anatômicas sutis entre cavalos e burros. Embora as veia jugulares no burro
ficarem no mesmo local que no cavalo, o músculo de colli cutâneo é muito mais grosso,
com overlying de tecido conjuntivo denso. Depois de identificar a veia, um ângulo mais
íngreme deverá ser usado para penetrar a pele e marmorear. O uso de um botão de lidocaina
na pele e tecido subcutâneo também é recomendado; o burro normalmente toleram uma
tenta de cateterização da veia, mas não tolera bem tentativas múltiplas. Os autores usaram
uma variedade de tamanhos de cateter e comprimentos; 14 - ou 16 mm, cateteres de 80 mm
em burros grandes ou standards de 16 mm, cateteres 80 mm de 16 mm em míni-burros
(N.S. Matthews, furgão de PÁG. Dijk); 52 cateteres de 16 mm em burros de míni (furgão
de PÁG. Dijk). O cateter deveria ser bem colocado (preferivelmente suturando no lugar) e
coberto, depois de colocação na veia; os burros podem trabalhar, pois é difícil de arrancar
fora ou puxar um cateter! Como para manutenção do cateter em cavalos, o exame para
tromboflebite e limpeza do cateter a intervalos regulares (4 vezes diariamente) é indicado
[10].
A preparação do pré-operatório de burros deveria incluir uma avaliação pré-
anestésica completa como: avaliação da história, exame físico, ECG, e exames
laboratoriais. Os burros deveriam ser privados de comida por 6 - 12 horas (dependendo de
tamanho e idade do burro), sendo o acesso à água livre. Se for planejado intubação traqueal,
a boca deverá ser enxaguada com água, até que está limpa de partículas de comida.

Sedação

Mulas e burros são normalmente sedados por quaisquer dos tranqüilizantes e


sedativos utilizando à mesma dose do cavalo. Várias combinações de xilazina (0.6 - 1.0
mg/kg, IV ou IM) com acepromazina (0.1 mg/kg, IV ou IM) ou butorphanol (0.02 - 0.04
mg/kg IV); detomidina (0.005 - 0.02 mg/kg, IV ou IM) e butorphanol, ou buprenorphine,
foram utilizados com relativo sucesso, ou para procedimentos parados (combinou com
anestesia local), ou antes, de anestesia geral. A combinação de etorphine com acepromazine
e reversão com diprenorphine, deveria ser usado cautelosamente no burro [11]. O burro
pode metabolizar diprenorphine a agonist ativo, recaindo "assim" em um estado de sedação.
Em Utrecht, nalbuphine (0.1 mg/kg) ou methadone (0.1 mg/kg) é combinado com
sedativos para prover analgesia; o methadone deveria ser o opióide de escolha. Os autores
não usam habitualmente um anticolinérgico como pré-medicamento em burros.

Indução de Anestesia, Intubação e Anestesia injetável

Pode ser usada uma variedade de métodos para indução de anestesia dependendo
das drogas disponíveis, tamanhos e condição do burro e familiaridade com protocolos
diferentes. No E.U.A. o método preferido para indução é com xilazina (1.1 mg/kg, IV) e
então induzir a anestesia com ketamine (2.2 mg/kg, IV). Adição de butorphanol (0.01 - 0.02
mg/kg, IV) ou diazepam (0.0.03 mg/kg, IV) pode prover sedação adicional e relaxamento
dos músculos. Estas drogas geralmente proverão 15 - 20 min de anestesia na maioria dos
burros, porém, são anestesiados inadequadamente para um procedimento curto até mesmo
burros de miniatura, com estas doses de drogas,; eles mostram muita rigidez do músculo e
efeitos de excitação. A adição de midazolam (0.06 mg/kg) ou diazepam (0.03 - 0.06 mg/kg)
é recomendado para prover sedação melhor e relaxamento múscular. Tiletamine-zolazepam
(1.1 mg/kg, IV) provê anestesia boa em burros de miniatura, xilazine com butorphanol [12]
trabalha bem em burros maiores. Propofol (2.2 mg/kg, IV) pode ser usado para indução,
seguindo a sedação com xilazine, porém, é bastante caro. Tiopental (5 mg/kg, IV) produz
uma indução rápida e lisa; considerando que não provê analgesia, deveria ser usado com
um pré-medicamento sedativo/opióide efetivo. Anestesia pode ser mantida por períodos
curtos (<25 min) com tiopental, mas a respiração deve ser monitorada cuidadosamente,
pois o tiopental pode produzir apnéia. Não é aconselhado a menos que possam ser
executadas intubação e ventilação artificial.
Combinações de guaifenesin com tiopental ou ketamina foram prosperamente
usadas em burros, porém, estes deveriam ser usados com precaução. Burros parecem ser
mais sensível a guaifenesin; burros ficarão encostados com aproximadamente 60% da dose
exigida e produziu recumbencia em cavalos [13]. Porém, eles metabolizam ketamine mais
rapidamente que cavalos, assim a combinação de guaifenesin-ketamine-xilazine (GKX ou
"goteira" triplo) comumente usado em cavalos pode não trabalhar bem em burros. A
anestesia é induzida por administração rápida (por fluxo de gravidade) da combinação de
um litro de 5% guaifenesin combinada com 2 gramas ketamine e 500mg de xylazine. Uma
vez o burro posicionado, a taxa é reduzida a aproximadamente 1.5 - 2 ml/kg/hr e a goteira
continua ao longo do procedimento. Em Utrecht, a infusão de pré-medicamentos é a
seguinte: detomidine e methadone e indução com ketamine/midazolam: 500 ml (10%)
guaifenesin é combinado com 1 ml (10 mg) detomidine e 10 ml (1000 mg) ketamine. Uma
taxa de infusão de 0.6 - 1 ml/kg/hr é usado; normalmente a taxa mais baixa é suficiente,
embora possa ser aumentada com monitoramento cuidadoso. Anestesia com "goteira" triplo
pode ser mantida por até 3 horas, porém, como o tempo de recuperação aumentar não é
recomendado seu uso por mais que 1 hora. Se a anestesia injetável for mantida por mais
que 1 hora, o acolchoamento e a oxigenação são recomendados para minimizar
complicações relacionadas a miositis e hipoxia.
A detomidine (0.04 mg/kg, IV) seguida de ketamina (2.2 mg/kg, IV) é outra
combinação que trabalha bem em burros [14]. Esta combinação provê aproximadamente 10
min a mais tempo de anestesia que xilazina e ketamina.
Intubação Endotraqueal ocasionalmente aparenta ser mais difícil em burros que em
cavalo. É possível que a traquéia seja proporcionalmente menor; mini-burros normalmente
utilizam sondas de 14 - 16 mm e sondas de 18 - 20 mm para burros standards, enquanto
uma sonda de 24 mm poderá ser usada para burros grandes. O reflexo laríngeo parece ser
mais persistente em um plano leve de anestesia; um bônus adicional de drogas de indução
normalmente permitirá executar intubação. Intubação pode ser particularmente difícil
quando ketamina for usado para indução; adição de guaifenesin (0.5 ml/kg de 10%)
facilitará isto.

Anestesia Inalatória e Monitoramento

São mantidos bem burros com quaisquer dos anestésicos inalatórios comumente
usados (i.e., halothane, isoflurane ou sevoflurane). MAC-valores (MAC: Concentração
Alveolar Mínima) para halothane e isoflurane em burros parece ser semelhante ao cavalo
[14]. Embora o MAC-valor para sevoflurane não foi medido em burros, colocação de
vaporizadores parece ser semelhante aos usados em cavalos. Um dos autores gosta de usar
uma infusão de detomidine contínua (0.16 microgram/kg/min) diminui a dose de isoflurane
aproximadamente em 25%, permitindo um plano cardiovascular estável e uma boa
analgesia. Ao término do procedimento, quando o vaporizador é virado fora, a taxa de
infusão constante (CRI) do detomidine continua até o burro está na baia de recuperação.
Manutenção e monitoramento dos burros durante anestesia inalatória é bastante
semelhante a dos cavalos. O uso de fluidos intravenosos é recomendado para ajudar a
manter a pressão sanguínea. Monitoramento da pressão sanguínea é recomendado, pois,
parece ser uma medida mais sensível de profundidade anestésica (N.S. o Matthew). Já que
burros são muito estóicos, eles podem permanecer imóveis, com um olho quieto (reflexo
palpebral e reflexos córneos e a presença de nistagmos) enquanto eles não estão em um
plano cirúrgico de anestesia. Porém, neste caso, pressão sanguínea então alta será
esclarecedora da profundidade anestésica. Podem ser colocados cateteres arteriais nas
artérias faciais, auricular ou dorsais para facilitar o monitoramento da pressão sanguínea.

Recuperação

Burros geralmente recuperam da anestesia sem a excitação que os cavalos podem


experimentar se analgesia foi provida adequadamente. A recuperação deverá ser
supervisionada e poderá ser necessário prover oxigênio adicional por um sonda
endotraqueal. Burros mediterrâneos podem recuperar mais rapidamente que burros maiores.
Os burros geralmente ficam de pé quando estão completamente recuperados, diferentes do
cavalo que pode fazer tentativas antes de estar pronto. Também não é incomum para burros
se levantarem, as mãos primeiro, como uma vaca, equilibrando em um joelho dianteiro.
A importância de prover uma boa analgesia durante a cirurgia leva há uma recuperação
excelente devendo ser enfatizada. O uso de anestésicos locais, e administração de opióides
como parte da anestesia dissociativa é recomendada como também administração NSAID
no pós-operatório durante vários dias.
Também é importante não fornecer comida durante 1 hora após a recuperação, já
que anestésicos gerais e detomidine diminuem os movimentos de peristaltimos do esôfago.
A obstrução do esôfago (sufoque) pode acontecer se burros comerem imediatamente
posterior à recuperação.

Resumo

A administração anestésica mundial pode diferir dependendo dos diferentes


tamanhos e raças de burros existentes. Embora bem parecido aos cavalos, o anestesista
deveria esperar ver diferenças sutis que podem afetar a administração anestésica (por
exemplo, droga dosando intervalos e monitorando) dos burros.
Referências Bibliográficas

1. Taylor TS, Matthews NS. Mammoth asses- selected behavioral considerations for the
veterinarian. Appl Anim Behaviour Sci 1998; 60:283-289.

2. Zinkl JG, Mae D, Merida PG, et al. Reference ranges and the influence of age and sex
on hematologic and serum biochemical values in donkeys (Equus asinus). Am J Vet Res
1990; 51:408-413. - PubMed -

3. Mori E, Fernandes WR, Mirandola RMS, et al. Reference values on serum biochemical
parameters of Brazilian donkey (Equus asinus) breed. J Equine Vet Sci 2003; 23:358-364.

4. Terkawi A, Tabbaa D, Al-Omari Y. Estimation of normal haematology values of local


donkeys in Syria. In: Proceedings of the 4th Int Coll Working Equines 2002; 115-118.

5. Yousef MK, Dill DB, Mayes MG. Shifts in body fluids during dehydration in the burro,
Equus asinus. J Appl Physiol 1970; 29:345-349.

6. Mealey KL, Matthews NS, Peck KE, et al. Comparative pharmacokinetics of


phenylbutazone and its metabolite oxyphenbutazone in clinically normal horses and
donkeys. Am J Vet Res 1997; 58:53-55. - PubMed -

7. Coakley M, Peck KE, Taylor TS, et al. Pharmacokinetics of flunixin meglumine in


donkeys, mules and horses. Am J Vet Res 1999; 60:1441-1444. - PubMed -

8. Matthews NS, Peck KE, Taylor TS, et al. Pharmacokinetics of phenylbutazone and its
metabolite oxyphenbutazone in miniature donkeys. Am J Vet Res 2001; 62:673-
675. - PubMed -

9. Matthews NS, Mealey KL, Peck KE, et al. Pharmacokinetics of carprofen in donkeys:
comparison to horses. In: Proceedings of 8th World Congress Vet Anesth. 2003; 133.

10. Lankveld DPK, Ensink JM, Dijk P van, et al. Factors influencing the occurrence of
thrombophlebitis after post-surgical long-term intravenous catheterization of colic horses:
A study of 38 cases. J Vet Med 2001; 48:545-552. - PubMed -

11. Dobbs HE, Ling CM. The use of etorphine/acepromazine in the horse an donkey. The
Vet Record 1972; 91:40-41.

12. Matthews NS, Taylor TS, Sullivan JA. A comparison of three combinations of
injectable anesthetics in miniature donkeys. Vet Anaesth Analg 2002; 29:36-42.

13. Matthews NS, Peck KE, Mealey KL, et al. Pharmacokinetics and cardiopulmonary
effects of guaifenesin in donkeys. J Vet Pharmacol Therap 1997; 20:442-446. - PubMed -

14. Matthews NS, Taylor TS and Hartsfield SM. Anaesthesia of donkeys and mules.
Equine Vet Educ 1992; 9:198-202.