Você está na página 1de 10

Curso Preparatório para o concurso do 

ói d
INSS ‐ 2011

Código de Ética do Servidor 
g
Público Federal

Professora Carolina Fontoura da Motta
Orkut – Carol Motta Comunidade Orkut – Alunos da Prof. Carol
Twitter ‐ @carolfontmotta
lf Facebook
b k – Carolina Fontoura da Motta
l d
Email – msn – carolfontmotta@yahoo.com.br
Decreto 1.171/94 ‐ Código de Ética Federal

Das Regras Deontológicas Conjunto de regras profissionais

I - A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais.


II - O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta.
III - A moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo
ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum.
IV A remuneração
IV- ã dod servidor
id público
úbli é custeada
t d pelos
l t ib t
tributos e por isso
i se exige,
i que a
moralidade administrativa se integre no Direito.
V - O trabalho do pelo servidor público deve ser entendido como acréscimo do próprio bem-estar.
VI - A função pública deve ser tida como exercício profissional e, se integra na vida particular.
VII - Salvo os casos de segurança nacional, a publicidade de qualquer ato administrativo constitui
requisito de eficácia e moralidade.
VIII - Toda pessoa tem direito à verdade.
IX - A cortesia,
t i a boab vontade,
t d o cuidado
id d e o tempo
t d di d ao serviço
dedicados i público
úbli caracterizam
t i o
esforço pela disciplina.
X - Deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solução que compete ao setor em que
exerçaç suas funções
ç caracteriza g
grave dano moral aos usuários dos serviçosç p públicos.
XI - 0 servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais de seus superiores.
XII - Toda ausência injustificada do servidor de seu local de trabalho é fator de desmoralização do
serviço público.
XIII - 0 servidor
id que trabalha
t b lh em harmonia
h i com a estrutura
t t organizacional,
i i l respeitando
it d seus
colegas e cada concidadão, colabora e de todos pode receber colaboração, pois sua atividade
pública é a grande oportunidade para o crescimento e o engrandecimento da Nação.
Decreto 1.171/94 ‐ Código de Ética Federal

Dos Principais Deveres do Servidor Público


a) desempenhar as atribuições de que seja titular
b) exercer suas atribuições com rapidez,
rapidez perfeição e rendimento
c) ser probo, reto, leal e justo
d) jamais retardar qualquer prestação de contas
e) tratar cuidadosamente os usuários dos serviços aperfeiçoando o processo de
comunicação e contato com o público;
f) ter consciência de que seu trabalho é regido por princípios éticos
g) ser cortês, ter urbanidade, disponibilidade e atenção
h) ter respeito à hierarquia
i) resistir a todas as pressões que visem obter quaisquer favores, benesses ou vantagens
indevidas em decorrência de ações imorais, ilegais ou aéticas e denunciá-las;
j) zelar,
zelar no exercício do direito de greve,
greve pelas exigências específicas da defesa da vida e da
segurança coletiva;
l) ser assíduo e freqüente ao serviço
m) comunicar imediatamente a seus superiores todo e qualquer ato ou fato contrário ao
interesse público, exigindo as providências cabíveis
n) manter limpo e em perfeita ordem o local de trabalho
o) participar dos movimentos para a melhoria do exercício de suas funções
p) apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao exercício da função
q) manter-se atualizado com as instruções
Decreto 1.171/94 ‐ Código de Ética Federal

r) cumprir, de acordo com as normas do serviço e as instruções superiores, as tarefas de seu


cargo ou função, tanto quanto possível, com critério, segurança e rapidez, mantendo tudo
sempre em boa ordem
s) facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de direito
t) exercer com estrita moderação as prerrogativas funcionais que lhe sejam atribuídas,
u) abster-se, de forma absoluta, de exercer sua função, poder ou autoridade com finalidade
estranha ao interesse público
v) divulgar e informar a todos os integrantes da sua classe sobre a existência deste Código
de Ética, estimulando o seu integral cumprimento.
Decreto 1.171/94 ‐ Código de Ética Federal

Das Vedações ao Servidor Público


a) o uso do cargo para obter qualquer favorecimento, para si ou para outrem;
b) prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores
c) ser, em função de seu espírito de solidariedade, conivente com erro ou infração a este Código
de Ética ou ao Código de Ética de sua profissão;
d) usar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício regular de direito
e) deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para
atendimento do seu mister;
f) permitir que interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o público
g) receber qualquer tipo de vantagem de qualquer espécie para o cumprimento da sua missão ou
para influenciar outro servidor para o mesmo fim;
h) alterar ou deturpar o teor de documentos
i) Iludir qualquer pessoa que necessite do atendimento em serviços públicos
j) desviar servidor público para atendimento a interesse particular;
l) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento
m) fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço
n) apresentar
apresentar-se
se embriagado no serviço ou fora dele habitualmente
o) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a
dignidade da pessoa humana;
p) exercer atividade profissional aética ou ligar o seu nome a empreendimentos de cunho
duvidoso.
Decreto 1.171/94 ‐ Código de Ética Federal

DAS COMISSÕES DE ÉTICA


XVI - Em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, indireta autárquica
e fundacional,
fundacional ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder
público, deverá ser criada uma Comissão de Ética, encarregada de orientar e aconselhar sobre a
ética profissional do servidor, no tratamento com as pessoas e com o patrimônio público,
competindo-lhe conhecer concretamente de imputação ou de procedimento susceptível de
censura.
XVIII - À Comissão de Ética incumbe fornecer, aos organismos encarregados da execução do
quadro de carreira dos servidores, os registros sobre sua conduta ética, para o efeito de instruir e
fundamentar promoções e para todos os demais procedimentos próprios da carreira do servidor
público.
XXII - A pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua
fundamentação constará do respectivo parecer, assinado por todos os seus integrantes, com
ciência do faltoso.
XXIV - Para fins de apuração do comprometimento ético, entende-se por servidor público todo
aquele que, por força de lei, contrato ou de qualquer ato jurídico, preste serviços de natureza
permanente temporária ou excepcional,
permanente, excepcional ainda que sem retribuição financeira,
financeira desde que ligado
direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal, como as autarquias, as fundações
públicas, as entidades paraestatais, as empresas públicas e as sociedades de economia mista, ou
em qualquer setor onde prevaleça o interesse do Estado.
Decreto 6.029/07 – Sistema de Gestão Ética

ATENÇÃO – O Sistema de Gestão Ética é para o PODER 
EXECUTIVO FEDERAL – porém o código de ética é para o 
SERVIDOR FEDERAL de qualquer dos Poderes.

Art. 1o Fica instituído o Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal


com a finalidade de promover atividades que dispõem sobre a conduta ética no
âmbito do Executivo Federal, competindo‐lhe:
I ‐ integrar os órgãos, programas e ações relacionadas com a ética pública;
II ‐ contribuir para a implementação de políticas públicas tendo a transparência e
o acesso à informação como instrumentos fundamentais para o exercício de
gestão da ética pública;
III ‐ promover,
promover com apoio dos segmentos pertinentes,
pertinentes a compatibilização e
interação de normas, procedimentos técnicos e de gestão relativos à ética
pública;
IV ‐ articular
ti l ações õ com vistas
i t a estabelecer
t b l e efetivar
f ti procedimentos
di t de
d
incentivo e incremento ao desempenho institucional na gestão da ética pública
do Estado brasileiro.
Decreto 6.029/07 – Sistema de Gestão Ética
Integram o Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal:
I ‐ a Comissão de Ética Pública ‐ CEP, instituída pelo Decreto de 26 de maio de 1999;
II ‐ as Comissões de Ética de que trata o Decreto no 1.171, de 22 de junho de 1994; e
III ‐ as demais Comissões de Ética e equivalentes nas entidades e órgãos do Poder Executivo
Federal.

A CEP será integrada por sete brasileiros, designados pelo Presidente da República, para
mandatos de três anos,
anos não coincidentes,
coincidentes permitida uma única recondução.
recondução Não há
remuneração.

À CEP compete:
À CEP compete:
I ‐ atuar como instância consultiva do Presidente da República
II ‐ administrar a aplicação do Código de Conduta da Alta Administração Federal, devendo:
a) submeter ao Presidente da República medidas para seu
submeter ao Presidente da República medidas para seu aprimoramento;
b) dirimir dúvidas a respeito de interpretação de suas normas;
c) apurar, condutas em desacordo com as normas nele previstas;
III ‐ dirimir dúvidas sobre as normas do Código de Ética Profissional Decreto no 1.171, de 1994;
g , ;
IV ‐ coordenar o Sistema de Gestão da Ética Pública do Poder Executivo Federal; 
V ‐ aprovar o seu regimento interno; e
VI ‐ escolher o seu Presidente.

Secretaria‐Executiva, vinculada à Casa Civil da Presidência da República, à qual competirá


prestar o apoio técnico e administrativo aos trabalhos da Comissão.
Decreto 6.029/07 – Sistema de Gestão Ética
Cada Comissão de Ética de que trata o Decreto no 1171, de 1994, será integrada por três
membros titulares e três suplentes, escolhidos entre servidores e empregados do seu quadro
permanente, e designados pelo dirigente máximo da respectiva entidade ou órgão, para
mandatos não coincidentes de três anos.
Compete às Comissões de Ética:
I ‐ atuar como instância consultiva de dirigentes e servidores no âmbito de seu respectivo órgão;
II ‐ aplicar o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal,
Federal
devendo:
a) submeter à Comissão de Ética Pública propostas para seu aperfeiçoamento;
b) dirimir dúvidas a respeito da interpretação de suas normas e deliberar sobre casos omissos;
c) apurar conduta em desacordo com as normas éticas pertinentes; e
d) recomendar ações objetivando a disseminação, capacitação e treinamento sobre as normas
de ética e disciplina;
III ‐ representar a respectiva entidade ou órgão na Rede de Ética do Poder Executivo; e
IV ‐ supervisionar a observância do Código de Conduta da Alta Administração Federal e
comunicar à CEP situações
ç que p
q possam configurar
g descumprimento
p de suas normas.
Cada Comissão de Ética contará com uma Secretaria‐Executiva para cumprir plano de trabalho
por ela aprovado e prover o apoio técnico e material necessário ao cumprimento das suas
atribuições.
As Secretarias‐Executivas das Comissões de Ética serão chefiadas por servidor ou empregado do
quadro permanente da entidade ou órgão, ocupante de cargo de direção compatível com sua
estrutura, alocado sem aumento de despesas.
Decreto 6.029/07 – Sistema de Gestão Ética

O processo de apuração de prática de ato em desrespeito ao Código de Conduta da Alta


Administração Federal e no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder
Executivo Federal será instaurado,
instaurado de ofício ou em razão de denúncia fundamentada,
fundamentada
respeitando‐se, sempre, as garantias do contraditório e da ampla defesa, pela Comissão de Ética
Pública ou Comissões de Ética, que notificará o investigado para manifestar‐se, por escrito, no
prazo de dez dias.

O investigado poderá produzir prova documental necessária à sua defesa.

As Comissões de Ética poderão requisitar os documentos e, promover diligências.

Concluída a instrução processual, as Comissões de Ética proferirão decisão conclusiva e


fundamentada.

Existência de falta ética, as Comissões de Ética tomarão as seguintes providências:


I ‐ sugestão de exoneração de cargo ou função de confiança
II ‐ encaminhamento, para exame de eventuais transgressões disciplinares; e
III ‐ recomendação de abertura de procedimento administrativo.

Você também pode gostar