Você está na página 1de 10

Gestão de Operações e

Logística Administração da
Fernanda Maria P. F. Ramos Produção
Ferreira

O que é administração da Papel da AP dentro da Organização


produção? Mercado Consumidor

 Gestão de processo de conversão que


transforma insumos, tais como matéria- Estratégia Corporativa

prima e mão-de-obra, em resultados na


forma de produtos acabados e serviços.
Estratégia de Marketing Estratégia de Produção Estratégia de Finanças

Hierarquia do Planejamento da Produção


O sistema físico global utilizado pelo texto de MUSCAT está esquematizado na figura 1.1.1.

Planejamento Estratégico Ambiente (mercado de fornecedores de mão-de-obra,


materiais, equipamentos e consumidores).

Recursos produtivos diretos O texto considera um


(Restrições) (com características de qualidade e em certas quantidades) único produto, com
preços certa qualidade e
quantidade
Mão-de-obra
Planejamento Tático SISTEMA FÍSICO DE
Relações Materiais PRODUÇÃO Produto
entre (OPERAÇÕES)
Equipamentos
(Restrições) Produtos úteis com especificações e
quantidades que satisfaçam os
clientes
Tecnologia empregada
Planejamento
Operacional e Controle
Figura 1.1.1: Sistema físico global, com as categorias de itens físicos mais importantes, pela autora.

1
Diferenças entre Bens e Serviços Produtos são um “Feixe” de Bens e Serviços

Bens Serviços 100% 100%

consultoria
Bens Serviços

hotéis
• Tangíveis • Intangíveis % bens

restaurante
• Podem ser estocados • Não podem ser estocados

alimentos
% serviços
• Nenhuma interação • Interação direta entre cliente e

carros
entre cliente e processo processo

A Cadeia de Valor e suas Funções de Apoio A história da organização do trabalho e a


Ambiente
administração da produção
A Empresa
 Fábrica de alfinetes descrita por Adam Smith em
Compras Marketing
“A riqueza das nações”, publicada em 1776.
 Definição de divisão do trabalho
Processo de
Fornecedores Clientes  Todas as empresas foram construídas em
Transformação
torno da idéia central de Smith; divisão ou
Recursos especialização da mão de obra e a resultante
Finanças
Humanos
fragmentação do trabalho.

Em 1848, Anthime Corbon, operário e vice-presidente da


Assembléia Constituinte Francesa, assim se manifestou Administração Científica
sobre a divisão do trabalho:
 A administração científica marcou as técnicas de organização e gestão
 “Talvez a divisão do trabalho seja, apesar de tudo, um mal necessário. do trabalho e da produção ... Assim, a crítica difundida entre os teóricos
Tendo o trabalho alcançado seu último limite de simplificação, a máquina da administração empresarial, de que o taylorismo perdeu a atualidade,
toma o lugar do homem e o homem retoma um outro trabalho mais
não tem fundamento.
complicado, que logo a seguir é dividido, simplificado, com o objetivo de
 A gerência é atribuída ... a função de reunir os conhecimentos
novamente torná-lo num trabalho de máquina, e assim por diante. De
maneira que a máquina invade, cada vez mais, o campo de trabalho do tradicionais que no passado possuíram os trabalhadores e então

operário manual, e que, levando o sistema às suas últimas classificá-los, tabulá-los, reduzi-los a normas, leis ou fórmulas,
conseqüências, a função do trabalhador se tornaria cada vez mais grandemente úteis ao operário para execução de seu trabalho diário.
intelectual. Este ideal me agrada muito: mas a transição é muito penosa,  O desconhecimento de como realizar o trabalho prejudica o ato de
pois é preciso, antes de ser encontrado as máquinas; que o operário, controle realizado pela gerência. Outro detalhe importante, trata-se de
devido à simplificação do trabalho, se torne ele próprio, máquina e sofra uma vantagem de conhecer até que ponto pode-se aumentar a
as conseqüências deploráveis de uma necessidade embrutecedora.” produtividade do operário, buscando um excedente econômico.

2
Administração Científica A indústria automobilística
 A seleção, então, não consistiu em achar homens extraordinários, mas
 Em 1913, Ford aplicaria os princípios tayloristas na linha de montagem
simplesmente em escolher entre homens comuns os poucos
especialmente apropriados para o tipo de trabalho em vista. de automóveis, em Detroit, nos EUA.

 O trabalho de cada operário é completamente planejado pela direção,  De início, os trabalhadores se moviam de uma plataforma de montagem
pelo menos com um dia de antecedência, e cada homem recebe, na
para a seguinte, deslocando-se em direção ao trabalho. A linha de
maioria dos casos, instruções escritas completas que minudenciam a
tarefa de que é encarregado e também os meios usados para realizá-la montagem móvel, inovação pela qual Ford é mais conhecido,
... Na tarefa é especificado o que deve ser feito e também com fazê-lo,
simplesmente trouxe o trabalho até o trabalhador.
além do tempo exato concebido para a execução.
 Através de departamentos de programação e controle da produção,  Alfred Sloan, aplicou o princípio da divisão do trabalho de Adam Smith à
tempos e métodos, controle de qualidade etc, as atividades estavam
gerência, assim como Ford o aplicara à produção.
divididas e, com elas, todo o conhecimento de processo de execução.

Fordismo Enriquecimento de Cargos


 Redução ao mínimo dos movimentos de cada operário, visando a  Em 1927, a Western Eletric, empresa americana do setor

repetitividade padronizada dos movimentos e uma certa alienação do eletroeletrônico, desenvolvia uma pesquisa, bem nos moldes da

conhecimento de todo o processo executivo. administração científica, que buscava correlacionar nível de iluminação

do ambiente de trabalho à produtividade. Nesta experiência ficou


 Eliminação do trabalhador qualificado no sentido de conhecimento de
constatado que os fatores psicológicos têm grande influência sobre a
todo o processo de montagem.
produtividade, talvez maiores que fatores fisiológicos: observou-se,
 A repetitividade de movimentos visava rapidez de realização.
também, que o maior “inconveniente” disso é o sentimento do
 A linha de montagem desqualificou o operário e intensificou o trabalho.
trabalhador em relação ao seu “grupo de trabalho”, que sobrepuja
 Intercambialidade dos homens e das máquinas.
qualquer outro fator motivador.

Enriquecimento de Cargos Enriquecimento de Cargos


 Propostas para melhoras a produtividade, levando-  Hipóteses sobre o problema da modificação no
trabalho a partir da década de 40:
se em conta fatores psicológicos:
 Teoria da Hierarquia de Necessidades de
 Curso de treinamento para supervisores
Maslow

 Atividades integrativas na empresa (identificação  Teoria de Organização e Personalidade de

operário-empresa) Argyris

 Pesquisa de Herzberg

3
Teoria da Hierarquia de Necessidades de Maslow Teoria de Organização e Personalidade de Argyris
 Em determinado período da vida, cada ser humano possui
necessidades diferentes, de acordo com as circunstâncias. Essa
seqüência, que Maslow chamou de “hierarquia de necessidades”,
orienta o comportamento dos seres humanos, de tal forma que não  Dentro das organizações, o tratamento considera o
buscaremos satisfazer necessidades mais elevadas, se as mais
essenciais não forem resolvidas. indivíduo imaturo, atingindo diretamente o
 FLEURY e VARGAS (1.987) dizem que, as necessidades primárias comportamento do mesmo e ocasionando uma
são de caráter fisiológico, vindo a seguir as necessidades de
segurança, as sociais, as de auto-estima e finalmente as de auto- sensação de frustração, problemas psicológicos,
realização. O trabalho é um meio para satisfazer algum tipo de
necessidade. Dentro da análise da Administração Científica, os perspectiva de curto prazo e conflito.
fatores relevantes são os fisiológicos e os de segurança, aonde a
motivação se revela através de um salário satisfatório.  FLEURY e VARGAS (1.987) lembram que, para
 Na opinião de FLEURY e VARGAS (1.987), o trabalho de Maslow
marcou o início de uma nova fase de trabalho para os psicólogos Argyris, a solução para este problema estaria na
industriais, que deixaram de preocupar-se unicamente com os
testes de seleção e treinamento de pessoal, características da modificação das organizações, de forma que
Administração Científica, e passaram a preocupar-se com as
conseqüências do trabalho sobre a personalidade das pessoas. As permitissem que as pessoas desenvolvessem suas
pesquisas de Argyris, denominadas Teoria de Organização e
Personalidade, são as mais representativas desta corrente. características de adultos no processo de trabalho.

Pesquisa de Herzberg
 Herzberg sustenta a hipótese de que os fatores
Enriquecimento de Cargos
determinantes da satisfação são diferentes dos que
levam à insatisfação no trabalho. Portanto, a  Um modo de se definir Enriquecimento de Cargos é
inexistência de determinados fatores que
satisfazem, não necessariamente levam o concebê-lo como uma ampliação do trabalho, de tal
trabalhador a ficar insatisfeito. Da mesma forma,
existem outros fatores que inibe a insatisfação, forma que isto traga maiores oportunidades para
porém sem levar o trabalhador à satisfação. Para
Herzberg, no primeiro grupo temos os fatores que os trabalhadores desenvolvam um trabalho que
motivadores e no segundo, fatores de higiene.
 - fatores motivacionais: crescimento psicológico os levem a atingir as características de
(realização, interesse, responsabilidade, etc);
 - fatores higiênicos: evitar o sofrimento (condições personalidade de pessoas maduras.
de trabalho, ergonomia, etc).

Enriquecimento de Cargos Grupos Semi-autônomos


 Métodos para aplicação:  A escola sócio-técnica aproximou a administração
científica ao enriquecimento de cargos.
 Rotação de cargos
 A concepção sócio-técnica para análise das
 Ampliação horizontal organizações, coloca que os dois enfoques são
importantes e não exclusivos.
 Ampliação vertical
 O sistema produtivo só atingirá o seu máximo de
 Enriquecimento de cargos produtividade quando se otimizar o funcionamento
conjunto do sistema técnico e do sistema social.

4
Grupos Semi-autônomos Grupos Semi-autônomos
 É uma equipe de trabalhadores que executa  Em 1948, nas minas de carvão de Durham,
Inglaterra, que pela primeira vez se desenvolveu o
cooperativamente, as tarefas que são designadas
conceito de organização sócio-técnica.
ao grupo, sem que haja uma pré-definição para os
 Mecanização – método de paredes longas.
membros. As justificativas para este esquema Problemas psicossomáticos entre os mineiros.

contemplam tanto o aspecto social como o aspecto  Aldeia de Chopwell, as minas utilizavam a mesma

técnico do trabalho. mecanização mais organizadas de outra forma -


método composto de paredes longas.

Método composto de paredes longas Grupos Semi-autônomos


 Rearranjo do mesmo grupo de quarenta em sub-grupos  O método de Chopwell é uma composição da
mecanização do método das paredes longas com
independentes ao longo dos turnos. Assim, cada mineiro
as principais características do antigo método das
executava funções internamente alocadas em subgrupos duplas de mineiros.
que desempenhavam todas as tarefas relativas à extração  A escola sócio-técnica possui dois conceitos
do carvão. As equipes dos turnos seguintes iniciavam o fundamentais – escolha organizacional e
concepção partilhada. A organização está mais
trabalho onde as anteriores haviam terminado. Todos
aberta, interagindo, inclusive, com o ambiente que
recebiam o mesmo salário e incentivos, sendo pagamento a cerca. Ela é formada por dois subsistemas: o
definido pela produção do grupo como um todo. Estes técnico (equipamentos, máquinas, etc) e o social
grupos eram significativamente autônomos e alternavam (indivíduos, comportamentos, capacidades,
culturas, etc)
papéis e turnos com o mínimo de supervisão.

 O mundo interno dos indivíduos é formado  Contudo, a Escola Sócio-técnica


considera que o comportamento das
por seus instintos, inconsciente, pessoas face ao trabalho depende da
capacidades inatas, superego, crenças e forma da organização desse trabalho e do
conteúdo das tarefas e serem executadas,
valores. A relação com o ambiente
pois o desempenho das tarefas e os
externo é controlada pelo seu ego ou sentimentos e elas relacionados
consciente. Esses indivíduos apresentam (responsabilidade, realização,
reconhecimento, etc.) são fundamentais
diferenças também em termos de para que o indivíduo retire orgulho e
necessidades e expectativas. satisfação do seu trabalho.

5
 Podemos iniciar dizendo que um grupo semi-  Especialização flexível:
autônomo ou auto-regulável se caracteriza pela  Variaçãomaior de produtos, fabricados em
responsabilidade coletiva frente a um conjunto pequena escala
de tarefa, onde o arranjo do trabalho é definido
 Plantas “flexíveis”
com a participação de seus próprios membros,
 Tecnologia de ponta
permitindo o aprendizado de todas as tarefas e
a rotação das funções, e facilitando uma  Trabalhador como força pensante
interação cooperativa. O grupo semi-autônomo  Terceirizaçãodas atividades consideradas
deve ser responsável pelos recursos à sua como parte do “negócio”
disposição e ter autoridade para utilizá-los.  Intercâmbio tecnológico e recursos

 Modelo Participativo
 Modelo Japonês
 No caso das empresas brasileiras, por exemplo,
criar/recriar novos padrões de organização que
 Uma aula especialmente para o modelo japonês tenham vinculação com as necessidades e
estratégias próprias reconhecendo o que de
importante trazem as experiências japonesas,
suecas e outras.

 Modismo de participação dos trabalhadores  Categorias de desenvolvimento da


na atual administração brasileira apresenta- participação:
se de duas formas:
 Potencial de participação (fatores estruturais
 Tentativa ingênua de “integrar” o trabalhador
e ambientais)
a empresa
 Propensão à participação (fatores cognitivos,
 Aplicação “Círculos de Controle de
motivacionais e culturais)
Qualidade”

6
 Mudança organizacional planejada: Aprendizagem e Inovação

 É um processo de mudança, resultante de

educacional prática ou experiência anterior, que pode

estrutural
vir, ou não, a manifestar-se em uma

mudança perceptível de comportamento.

Disciplinas a serem desenvolvidas no


 Um conceito bastante simples de organizações processo de inovação e aprendizagem,
que aprendem foi proposto por Galvin (1993),
segundo Senge
1. Domínio pessoal
como o de organizações capacitadas em criar,
2. Modelos mentais
adquirir e transferir conhecimentos e em
3. Visões partilhadas
modificar seus comportamentos para refletir
4. Aprendizagem em grupo
estes novos conhecimentos e “insights”.
5. Processo sistêmico

Caminhos por onde a aprendizagem  A industrialização começou na Inglaterra, em função das invenções, e se este

organizacional pode ocorrer, segundo processo de difundiu pela Alemanha e Estados Unidos com base em
Garvin inovações, ele está agora ocorrendo nos países de industrialização tardia, com

1. Resolução sistemática de problemas base em aprendizagem ... Aprendizes não inovam (por definição) e competem,

inicialmente, em função de baixos salários, subsídios governamentais e


2. Experimentação
melhorias incrementais em produtividade e qualidade na fabricação de
3. Experiências passadas produtos já existentes ... O chão-de-fábrica tende a ser o foco estratégico para

4. Circulação de conhecimento as empresas que competem com ´tecnologias emprestadas´, enquanto o

escritório central, onde se situa também a função Pesquisa e


5. Experiências realizadas pelos outros
Desenvolvimento, tende a ser o foco estratégico de empresas que competem

com base em inovações.

7
Aldeia global  Recentemente os gerentes têm
reconhecido a importância da manufatura
e dos serviços, e da necessidade de
 O mundo está se tornando uma única economia integrá-los.
 Empresas que querem ser bem sucedidas
global, também designada como aldeia global
como operações de classe mundial devem
ou paisagem global. então destinar recursos para ambas as
áreas. Adicionalmente, produção e
 As empresas estão competindo em nível
serviços devem ser compatíveis entre si e
internacional. alinhados estrategicamente com as metas
globais da empresa.

 O movimento em direção a uma economia


única mundial ocorreu por diversas
 Empresas de operações de classe
razões:
mundial têm sido capazes de desenvolver  Avanços contínuos em tecnologia da
informação que facilitam a rápida
uma estratégia de produção e esta deverá
transferência de dados através de longas
estar alinhada adequadamente com a distâncias
 Crescente tendência de diminuir barreiras ao
estratégia corporativa e esta deverá ser comércio
compatível as metas globais e a missão  Diminuição de custos de transporte
 Surgimento de mercados de alto crescimento
da empresa.
associados a altas margens de lucro em
países recentemente industrializados (ao
contrário dos altamente desenvolvidos)

Estratégia corporativa
Estratégias de produção
Está preocupada com o desenvolvimento de um planejamento
Estratégia de negócio de longo prazo para determinar como utilizar os principais
recursos da empresa, de modo que haja um alto grau de
compatibilidade entre esses recursos e a estratégia corporativa
Estratégia funcional de longo prazo da companhia. A estratégia de produção
aborda questões muito amplas sobre como esses grandes
recursos deveriam ser configurados, a fim de alcançar os
Competitividade objetivos corporativos desejados.
De que tamanho iremos construir a fábrica?
Estratégia de produção Onde a localizaremos?
Quando a construiremos?
Prioridades competitivas Que tipo de processo para fabricar os produtos?

8
Hierarquia do Planejamento Operacional A Linha do Tempo para Estratégias da Produção

Tipo de Planejamento Duração Questões Típicas


Custos
Estratégico Longo Prazo Tamanho da planta,
localização, tipo de
processo
Qualidade
Tamanho da força de
Tático Médio Prazo trabalho, exigências de Entrega
materiais
Flexibilidade

Planejamento Curto Prazo Seqüênciamento diário Atendimento


Operacional e de trabalhadores,
funções e equipamentos 1950s 1960s 1970s 1980s 1990s
Controle (POC)

Exercício 1 (continuação)
Exercício 1  Hospital

 Restaurante

 Descreva as relações insumo-  Fábrica de automóveis

 Faculdade ou universidade
transformação–resultado encontradas nos
 Loja de departamentos
seguintes sistemas:  Companhia aérea

 Penitenciária estadual

 Filial de banco

 Padaria

 Empresa de contabilidade

Exercício 2
Insumos Transformação Resultado
desejado
 Qual estratégia de produção se aplica?
Hospital

Restaurante

9
Exercício 3 Exercício 4

 Qual seria o planejamento operacional?  Qual é o “trade-off” mais esperado em

cada caso?

10