Você está na página 1de 3

Economia Internacional II

Gabriel Tincani Ramos

3° ano B

Faculdades de Campinas

22 de Abril de 2021
A doutrina Truman no pós segunda guerra mundial, mais especificamente em 1946 e
1947, foi um importante passo dado pelos Estados Unidos para o acirramento e a
intensificação da guerra fria, com seu discurso, o presidente Truman enfatizou o perigo da
ameaça comunista pelo mundo, invocando o perigo do comunismo e seu totalitarismo, em
comparação com a suposta liberdade da sociedade estadunidense, liberdade essa que a partir
de daquele momento seria evocada para ser defendida em qualquer lugar do mundo que fosse
necessário.

Neste contexto da doutrina os norte-americanos se viam com um problema, na


expectativa da redução de seu superávit na balança comercial devido a uma redução da
demanda europeia visto a crise que o continente atravessava após os danos da segunda grande
guerra. Havia a expectativa de se financiar os países do oeste europeu para que fosse
assegurado os ganhos com as exportações estadunidenses.

Todavia este não era o único foco dos americanos, colocando na ameaça comunista da
União Soviética sua maior preocupação e sentido de sua política externa. Com isso surge o
Plano Marshall em 1947 com o objetivo duplo de conter a esquerda e elevar a produtividade
europeia, mantendo a demanda por importados ao mesmo tempo que se aumentava a
competitividade industrial e se assegurava o consumo e o padrão de vida dos europeus.

Deste modo o Plano Marshall possuía 3 pilares, o aumento da produtividade,


estabilidade de preços em um grave cenário inflacionário e a instalação do multilateralismo
de mercado dos países europeus, para os afastar do fechamento e de relações bilaterais com a
URSS. A desculpa e o objetivo de se financiar o consumo e o crescimento europeu se
mostrou como a principal arma para conter as esquerdas nacionais em diversos países
europeus como a França e a Itália, evitando a crise e através do plano orientando forças
trabalhistas não alinhadas diretamente com o comunismo, mas defensoras dos direitos dos
trabalhadores, a se fazerem como anticomunistas em um movimento claro da administração
do plano com a CIA para dividir o movimento operário ao redor do continente e alavancar os
interesses dos americanos e de certos grupos de elites locais que se beneficiaram deste
arranjo.
Enquanto que o acordo de Bretton Woods visava a reconstrução europeia e de outros
países da centralidade capitalista através de um crescimento expressivo e de uma redução
contínua do desemprego, buscando o pleno emprego por uma grande pressão da demanda. O
Padrão-Ouro tinha outros objetivos, buscando seguir uma cartilha e os preceitos do laissez
faire no mercado se acreditava que os mecanismos automáticos de ajuste levariam a
economia ao equilíbrio, uma verdadeira crença numa racionalidade específica do século XIX.

Além disso o Bretton Woods e a aposta estadunidense no desenvolvimento de seus


aliados condizia com uma estratégia clara de elevar o nível de emprego a fim de evitar a
influência soviética em suas regiões de influência, enquanto que o padrão ouro se mostrava
como a competição de fato entre nações capitalistas buscando acumular capital a qualquer
custo.

E termos práticos de suas diferenças é notável que havia no acordo do pós-guerra


mecanismos que tinham o objetivo de assegurar a estabilidade do sistema econômico e
monetário internacional, como a substituição de um ajuste cambial fixo, por um ajuste
cambial fixo ajustável, assim como a criação de uma nova instituição internacional que
deveria zelar pela estabilidade monetária do sistema, o Fundo Monetário Internacional.

O FMI, esta instituição instaurada no pós guerra, tinha a capacidade de oferecer


financiamentos para equilibrar o balanço de pagamentos e juntamente com a taxa de câmbio
ajustável essa estabilização do balanço de pagamentos se tornava mais efetiva e com menos
danos práticos aos indivíduos, como no padrão-ouro, que se utilizava uma política
deflacionária causando um aumento no desemprego do país.

Outro ponto importante que compõe o terceiro fator que diferencia os dois regimes
monetários é a regulação e os entraves para a circulação livre de capitais em Bretton Woods,
podendo haver restrições às taxas de juros, e as contas capitais, oferecendo maior proteção
aos países contra capitais de alta volatilidade, um problema tremendo no padrão-ouro.

Você também pode gostar