Você está na página 1de 50

1

FENÔMENOS
DE TRANSPORTE
PROF. ALISSON COCCI DE SOUZA
2

AULA 02

INTRODUÇÃO E REVISÃO
DE CONCEITOS
FLUIDOS 3
Diferenças entre fluido e sólido:

 Senso comum: fluidos tendem a escoar quando interagimos com eles, enquanto os
sólidos tendem a se deformar ou dobrar.

Por definição, um fluido é uma substância que se deforma continuamente sub a


aplicação de uma tensão de cisalhamento (tangencial).

Um fluido também é definido como uma substância que não pode sustentar uma tensão
de cisalhamento quando em repouso.
FLUIDOS 4

Líquido:
grupos de moléculas movem-se uns em relação aos outros, mas o volume
permanece relativamente constante devido às fortes forças de coesão entre as
moléculas.

Gás: expande-se até encontrar as paredes do recipiente e preenche todo o


espaço disponível.
FLUIDOS 5

 Ligações intermoleculares: são mais fortes nos sólidos e mais fracas nos gases.
DEFINIÇÕES 6

 CONDIÇÃO DE NÃO-ESCORREGAMENTO

Condição observada experimentalmente que estabelece


que a velocidade de um fluido em relação à uma superfície
sólida é nula em relação à essa superfície.
DEFINIÇÕES 7

 CONDIÇÃO DE NÃO-ESCORREGAMENTO
DEFINIÇÕES 8

 CONDIÇÃO DE NÃO-ESCORREGAMENTO
Classificação dos escoamentos 9

 Regiões de Escoamento Viscoso versus Não Viscoso:


Classificação dos escoamentos 10

 Escoamento Interno versus Externo:

Escoamento de fluidos em dutos Escoamento de ar ao redor do avião


Classificação dos escoamentos 11

 Escoamento Compressível versus Incompressível:

Influencia no valor da densidade (ρ) do fluido.

Fluido compressível Fluido incompressível

𝜌1 ≠ 𝜌2 𝜌1 = 𝜌2
Classificação dos escoamentos 12

 Escoamento Laminar versus Turbulento:

Escoamento laminar: altamente ordenado e suave


Classificação dos escoamentos 13

 Escoamento Laminar versus Turbulento:

Escoamento turbulento: caótico e de alta velocidade


Classificação dos escoamentos 14

 Regime permanente versus não-permanente:

Regime permanente

Regime não-permanente
Classificação dos escoamentos 15

 Escoamento uni, bi e tridimensional:

Se o escoamento não sofre alterações ao longo do comprimento de um tubo,


dizemos que este escoamento se encontra plenamente desenvolvido.
Classificação dos escoamentos 16

 Escoamento uni, bi e tridimensional:

Considerando que o escoamento de um fluido em um tubo se encontra


plenamente desenvolvido, dizemos que este escoamento é unidimensional com
relação à velocidade.
Classificação dos escoamentos 17

 Escoamento uni, bi e tridimensional:

Escoamento bidimensional Escoamento tridimensional


(varia em 𝑥 e 𝑦) (varia em 𝑥, 𝑦 e 𝑧)
SISTEMA E VOLUME DE CONTROLE 18

 SISTEMA: definido como uma quantidade de


matéria ou região do espaço escolhida para
estudo.

 SISTEMA FECHADO: não há fluxo de massa,


somente de energia (calor e/ou trabalho). As
fronteiras podem ser fixas ou móveis.
SISTEMA E VOLUME DE CONTROLE 19

 VOLUME DE CONTROLE (SISTEMA ABERTO): consiste em uma região definida no


espaço, através da qual ocorre o transporte de massa e energia. Pode ter
fronteira fixa ou móvel.
SISTEMA E VOLUME DE CONTROLE 20

 VOLUME DE CONTROLE (SISTEMA ABERTO – FRONTEIRA FIXA):

Saída

Entrada

Exemplo: Bomba d’água


DIMENSÕES E UNIDADES 21

Dimensão é a medida de uma quantidade física (sem valores numéricos).

Unidade é uma forma de atribuir um número àquela dimensão.

Exemplos:
 Comprimento é uma dimensão que é medida em
unidades como mícron (μm), pés (ft), centímetro (cm),
polegadas (in), etc.

 Temperatura é uma dimensão que é medida em


unidades como Kelvin (K), Rankine (ºR) e Celsius (ºC), por
exemplo.
DIMENSÕES E UNIDADES 22

Sistemas de Unidades:
Dimensão Unidade
 Sistema Inglês;
Massa quilograma (kg)
 Sistema Internacional (SI);
Comprimento metro (m)
Tempo segundo (s)
Temperatura kelvin (K)
Atualmente, existem sete Corrente elétrica ampère (A)
dimensões primárias no SI, a
Quantidade de luz candela (cd)
partir dessas dimensões, são
derivadas todas as outras. Quantidade de
mole (mol)
matéria
DIMENSÕES E UNIDADES 23

 Sistema Inglês:

Unidade de massa: libra-massa (lbm)


Unidade de comprimento: pé (ft)
Unidade de tempo: segundo (s)

A força é uma dimensão primária no sistema inglês: sua unidade é o libra-


força (lbf).

𝑓𝑡 𝑙𝑏𝑚. 𝑓𝑡
1 𝑙𝑏𝑓 = 1 𝑙𝑏𝑚. 32,174 2 = 32,174
𝑠 𝑠2
DIMENSÕES E UNIDADES 24

 Fatores de conversão:

1 𝑙𝑏𝑚 = 0,4536 𝑘𝑔

1 𝑓𝑡 = 12 𝑖𝑛 = 0,3048 𝑚

𝑚
1 𝑁 = 1 𝑘𝑔. 2
𝑠
𝑓𝑡
1 𝑙𝑏𝑓 = 32,174 𝑙𝑏𝑚. 2
𝑠
HOMOGENEIDADE DIMENSIONAL 25

 Em engenharia, todas as equações devem ser dimensionalmente


homogêneas!

 Por exemplo, observando a equação de Bernoulli, vemos que todos os termos


aditivos possuem dimensão {ML-1t-2}.

1 2
𝑝 + 𝜌𝑉 + 𝜌𝑔𝑧 = 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑎𝑛𝑡𝑒
2

 𝑝 = N.m-2 = (kg.m.s-2).m-2 = kg.m-1.s-2


 𝜌𝑉 2 = (kg.m-3).(m.s-1)2 = kg.m-1.s-2
 𝜌𝑔𝑧 = (kg.m-3).(m.s-2).(m) = kg.m-1.s-2
EXATIDÃO E PRECISÃO 26

 Exatidão: indica o quão próximo o valor medido


está do valor real (ou referencial)

 Precisão: indica a proximidade entre medidas


repetidas.
EXATIDÃO E PRECISÃO 27

 Erro de exatidão: valor de leitura menos o valor


verdadeiro. Associado a erros repetitivos e fixos.

 Erro de precisão: valor de leitura menos a média


das leituras. Associado a erros não repetitivos e
aleatórios.
EXATIDÃO E PRECISÃO 28

 Exemplo: medidas de velocidade dois anemômetros,


considerando uma velocidade real do vento de 25,00
m/s.

Anemômetro A: 25,50; 25,69; 25,52; 25,58 e 25,61 m/s.


Média das leituras: 25,58 m/s

Anemômetro B: 26,3; 24,5; 23,9; 26,8 e 23,6 m/s.


Média das leituras: 25,02 m/s

Qual anemômetro é mais preciso? Qual é o mais exato?


MEIO CONTÍNUO 29
 O Fluido como um meio contínuo

Como as moléculas de um fluido apresentam um certo grau de


liberdade de movimento, não podemos garantir que a massa
esteja distribuída de forma contínua no espaço.

Nesse sentido, qual o mínimo volume, δV, que um ponto C deve ter,
de modo a podermos falar sobre propriedades de um fluido
contínuo tal como a massa específica em um ponto?
MEIO CONTÍNUO 30

Sendo a massa específica definida como a massa por unidade de volume, a massa
δm será dada pelo número instantâneo de moléculas em δV. Logo, a massa
específica média é dada por:
δ𝑚
𝜌=
δ𝑉

Para volumes muitos pequenos, a massa específica varia grandemente, mas acima
de certo volume δV’, a massa específica torna-se estável. Logo, podemos considerar
que um “ponto” não é maior do que aproximadamente este tamanho.

Como consequência dessa consideração, cada propriedade do fluido é


considerada como tendo um valor definido em cada ponto no espaço e:

δ𝑚
𝜌 = lim
δ𝑉→δ𝑉′ δ𝑉
MEIO CONTÍNUO 31

 De forma prática, o modelo contínuo é aplicável desde que o comprimento


característico do sistema (diâmetro) seja muito maior que o percurso livre
médio das moléculas.

Exemplo: Gás oxigênio


Diâmetro da molécula: 3.10-10 m
Percurso livre médio: 6,3.10-8 m

Em 1 mm3, há 2,5.1016 moléculas de O2.


MEIO CONTÍNUO 32

Considerando um ponto C arbitrário, a massa específica em qualquer ponto


poderia ser determinada da mesma forma, dependendo do instante e da
posição analisada.

Portanto, a representação completa da massa específica (campo de massa


específica) em coordenadas cartesianas é dada por:

𝜌 = 𝜌(𝑥, 𝑦, 𝑧, 𝑡)
PROPRIEDADES DOS FLUIDOS 33

Densidade relativa (Gravidade Específica): é uma forma alternativa de


expressar a massa específica de uma substância, por meio da razão entre a
massa específica da substância em questão e uma substância de referência
(geralmente, a água).

𝜌
𝑆𝐺 =
𝜌𝐻2𝑂

Peso especifico (γ): é uma propriedade da matéria, sendo definido como o


peso de uma substância por unidade de volume:

𝑚𝑔
γ= = 𝜌𝑔
𝑉
PROPRIEDADES DOS FLUIDOS 34

Densidade dos gases ideias ou perfeitos: para uma dada substância, qualquer equação
que relacione pressão, temperatura e massa específica é chamada de equação de
estado. A equação de estado para os gases ideais é a mais simples e conhecida,
estabelecendo a correlação entre as propriedades em um estado.

𝑝𝑣 = 𝑅𝑇 ou 𝑝 = 𝜌𝑅𝑇

Em que v é o volume específico, sendo a razão entre o volume e


a massa de uma determinada substância.

R é a constante do gás, onde cada gás apresenta um valor


diferente de R, sendo:
𝑅
𝑅=
𝑀
𝑅 = 8,314 kJ/kmol-K (constante universal dos gases);
M = massa molar do gás.
Exercício 1 35

A pressão no pneu de um automóvel depende da temperatura do ar no pneu.


Quando a temperatura do ar é de 25ºC, o calibrador indica 210 kPa. Se o volume
do pneu é de 0,025 m3, determine o aumento de pressão no pneu quando a
temperatura do ar aumenta para 50ºC. Determine também a quantidade de ar
que deve ser drenada para restaurar a pressão ao seu valor original nesta
temperatura. Considere que a pressão atmosférica seja 100 kPa e que a variação
do volume do pneu é desprezível.
Exercício 1 36
Exercício 1 37
Exercício 1 38
Exercício 2 39

Suponha que saibamos pouco sobre a resistência dos materiais, mas nos
informaram que a tensão de flexão 𝜎 em uma viga é proporcional à metade da
espessura 𝑦 da viga e também depende do momento fletor 𝑀 e do momento de
inércia de área da viga 𝐼. Aprendemos também que, para o caso particular 𝑀 =
328 N.m, 𝑦 = 38 mm e 𝐼 = 16,7 cm4, a tensão calculada é 75 Mpa. Usando apenas
essas informações e a argumentação dimensional, encontre, com três dígitos
significativos, a única fórmula dimensionalmente homogênea possível 𝜎 = 𝑦 𝑓(𝑀, 𝐼).
Exercício 2 40
Exercício 2 41
Exercício 2 42
Exercício 3 43

O caminho livre médio de um gás, l, é definido como a distância média percorrida


por moléculas entre colisões. Uma fórmula para calcular l de um gás ideal é:

𝜇
𝑙 = 1,26
𝜌 𝑅𝑇

Onde 𝜇 é a viscosidade dinâmica do gás [massa/(comprimento.tempo)], 𝜌 é a


densidade [massa/volume], 𝑅 é a constante universal do gás e 𝑇 é temperatura.
Quais as dimensões da constante 1,26?
Exercício 3 44
Exercício 3 45
Exercício 3 46
Exercício 4 47

Um fluido é pesado em um laboratório. Sabe-se que 5,7 litros do fluido pesa 37,9 N.
(a) Qual é a densidade do fluido em kg/m3? (b) Que fluido poderia ser esse?
Suponha que a gravidade padrão seja 𝑔 = 9,807 m/s2.
Exercício 4 48
Exercício 4 49
Exercício 4 50

Você também pode gostar