Você está na página 1de 5

O cerne do Evangelho fere o orgulho humano, a obra

consumada de Cristo revela a insuficiência do homem, o


ministério do Espírito Santo prova a incapacidade de
cada pecador, cada falso cristão se sente ofendido,
quando se prega que todos os filhos de Adão estão
destituídos da graça de Deus, a sabedoria e a prudência
consistem em reconhecer a nossa dependência do
Senhor e ter uma mente cativa á Cristo. Os antigos
escritores éticos consideravam a prudência como uma
virtude fundamental, a prudência é a sabedoria pratica,
não menos que isso, é impossível ser prudente sem ser
sábio, é é impossível ser sábio sem ser prudente. A base
da vida espiritual e moral de Cristo está pautada nessa
virtude, e os seguidores de Cristo não devem minimizar
a importância dela.
Quando Salomão ensina a procurar a sabedoria e a
prudência mais do que o ouro e a prata, isso denota uma
vida de busca da vontade de Deus, esse é o cerne da
oração modelo “seja feita a tua vontade assim na terra
como no céu”. A importância dessa busca tem bênçãos
maravilhosas assim como a negligencia a elas tem
conseqüências terríveis. Qual pois é o terrível juízo
sobre homens que ouvem os conselhos de Deus e
negligenciam e não valorizam mais do que o ouro e a
prata? Deus endurece o coração daqueles que não dão
importância aos Seus conselhos, este é i pior de todos os
juízos sobre a mente humana, um endurecimento por
parte do Senhor, quando o homem ouve algo tão
precioso quanto o evangelho da graça de Deus, que por
intermédio do Seu Filho unigênito, deu a salvação para
os que crêem, o preço da graça, ainda que seja um
paradoxo para alguns, a graça tem um custo e não é o
esforço falido do homem, mas o precioso e imaculado
sangue de Jesus Cristo nosso Salvador. A graça é antes
de tudo, uma luz no nosso coração, revelando o quanto
somos carentes da misericórdia de Deus, pois a luz do
evangelho revela o quanto somos completamente
incompetentes nos assuntos espirituais relacionados a
nossa própria salvação. John Owen acertou quando
disse: “A pessoa que entende o mal em seu próprio
coração é a única que é útil, fecunda e sólida em suas
crenças e obediência. Outros apenas se iludem e, assim,
perturbam famílias, igrejas e todos os outros
relacionamentos. Em seu orgulho e no julgamento dos
outros, eles mostram grande incoerência.” Owen, com
muito discernimento espiritual ainda fez declarações
mais profundas: “Deixe nosso coração admitir: Eu sou
pobre e fraco. Satanás é muito sutil, muito astuto, muito
poderoso; ele zela constantemente por vantagens sobre
minha alma. O mundo pressiona sobre mim com todos
os tipos de pressões, apelos e pretextos.  Minha própria
corrupção é violenta, tumultuada, atraente e
complicada. Ao conceber o pecado, guerreia dentro de
mim e contra mim. As ocasiões e oportunidades de
tentação são inúmeras. Não é de admirar que eu não
saiba o quão profundamente envolvido estou com o
pecado. Portanto, somente em Deus confiarei em minha
guarda. Eu vou continuamente olhar para ele.”
A prudência e a sabedoria consistem numa dependência
completa da misericórdia de Deus. Quanto mais o
homem se entrega a vontade de Deus, mais sábio ele se
torna e com mais prudência irá viver. E para que possa
alcançar a graça de uma vida de discernimento como
observamos até aqui, o cristão deve buscar essa vida
consagrada a busca de uma sabedoria bíblica e
espiritual e viver sob o controle de uma vida prudente
durante toda a peregrinação terrena, portanto vede
prudentemente como andais, não como nescios, mas
como sábios, remindo o tempo porque os dias são maus.
Essa pauta de nosso assunto, consiste em buscar a
sabedoria que é o mesmo que buscar ao Senhor, veja
bem, entre os antigos de Israel, houve quem buscasse a
loucura dos adivinhadores e não ao Deus todo
poderosos (I Crônicas 10:13 e 14) Assim como consiste
um erro grave não buscar uma confiança plena em Deus
mas confiar completamente nos homens (II Crônicas
16:12) porém o testemunho de alguns foi que agiram
com prudência e buscaram ao Senhor e aos seus
mandamentos (II Crônicas 17:4). é buscando ao Senhor
de todo o nosso coração que vamos até a fonte da
sabedoria eterna, lembre-se que o Senhor pode encher
o homem de sabedoria (Êxodo 31:3) E vimos como na
literatura sapiencial dos Salmos a abertura do livro se dá
com uma chave de ouro, um capítulo que envolve
plenamente a sã doutrina, conceitos corretos de
ortopraxia culminando na plenitude de amor aos
mandamentos do Senhor (Leia o Salmo 1). Aqui temos a
expressão correta de sabedoria e prudência no seu
“modo operandis” pleno, chegando a uma vida de
frutificação e abundancia espiritual. Assim, o homem
prudente que firma a sua vida sobre a Rocha que é
Cristo, tem intimidade com Deus e com a Sua vontade,
esse é o caminho da prudência, virtude em exercício
durante toda a peregrinação terrena, até o fim do
combate, da carreira e da fé guardada em uma
consciência pura.
Há um remanescente do Senhor que ainda permanecem
fiel, eles são caracterizados pela prudência (Mateus
25:42) amam servir a Deus e o buscam de todo o
coração, amando Ele com todas as forças da alma e do
pensamento. São sábios pois são espirituais, o homem
espiritual não pode ser discernido pelo homem natural,
mas o homem espiritual discerne muito bem todas as
coisas, principalmente as naturais. A percepção das
coisas verdadeiras é fruto dessa intimidade com Deus e
com a Sua Palavra Santa, inerrante e infalível. Tais não
são levados por ventos de heresias e doutrinas
estranhas, mas estão firmes, pois pertence a igreja do
Deus vivo que a coluna da verdade.
Estejamos corretos em nossas motivações, devemos
buscar a sabedoria e prudência com muito zelo, pois
nessa busca encontramos a vida espiritual necessária
para permanecermos firmes diante das crises morais e a
grande apostasia que assola o mundo e a cristandade.