Você está na página 1de 4

1

SEMINÁRIO PRESBITERIANO BRASIL CENTRAL


CURSO DE BACHAREL EM TEOLOGIA
DISCIPLINA DE EVANGELIZAÇÃO
PROF. REV. SAMUEL VIEIRA
WESLEY PORFÍRIO NOBRE

SÍNTESE E CRÍTICA DE LEITURAS REQUERIDAS

Referente ao artigo do Rev. Samuel Vieira - Evangelização e Predestinação1.

1. SÍNTESE:
Este é um dos temas teológicos mais polêmicos, porque se é Deus quem predestinou
e elegeu os que são salvos, porque devemos evangelizar? Será que a evangelização
enfraquece a soberania de Deus? Não seria uma contradição crer no evangelho ao mesmo
tempo que nos dedicamos ao evangelismo?
O aparente paradoxo é uma contradição verbal, mas não uma contradição real. Por
exemplo: Deus é ao mesmo tempo juiz e rei. O homem é julgado pelo justo juiz por suas
escolhas morais. Com rei, Deus é soberano e governa tudo, inclusive quem será ou não salvo.
A Bíblia trata a predestinação e a salvação sem prejuízo algum de conflito. Quem crê
já está salvo e foi “destinados à vida eterna” (At 13.48). Já quem não crê já está condenado,
porque rejeitou a graça da salvação, por meio da fé em Cristo Jesus.
Em Romanos 9, vemos Paulo discursando sobre a predestinação quando explica que
Deus odiou Esaú, antes dele ter nascido, “para que, o propósito de Deus quanto à eleição,
prevalecesse”. (v.9) E para o homem natural isso pode parecer agressivo ou mesmo injusto,
até conferirmos no capítulo seguinte (Romanos 9) Paulo orando pela conversão dos judeus
(v.1) e dizendo que é necessário evangelizar, porque é através da pregação do evangelho que
o homem predestinado, crê, se arrepende do pecado, se converte e é salvo.
Portanto, vemos que a evangelização é o meio pelo qual Deus que chegue a salvação
a todos quanto ele predestinou para a salvação.

1
VIEIRA, Samuel
http://revsamucaestudos.blogspot.com/2011/09/evangelizacao-x-predestinacao.html
2

Nós só oramos, porque sabemos que Deus é soberano no mundo por ele criado: ele
fez e governa tudo e todos. Se Deus não fosse soberano sobre tudo, não faria sentido orar à
ele. Nós oramos também dando graças a Deus pela nossa salvação e pedindo salvação dos
outros, porque sabemos que Deus é soberano sobre a salvação. Se Deus não fosse soberano,
não faria sentido agradecer por uma suposta salvação ou pedir salvação a ele.
Contudo, existem dois perigos a serem considerados:
1. Preocupação exclusiva com a responsabilidade humana, também chamado de
Antropocentrismo Arminiano; e
2. Preocupação exclusiva com a soberania de Deus.
Quando nos preocupamos com a responsabilidade pela salvação sendo exclusiva do
homem, nós nos esquecemos que a obra da salvação não pode ser dele, mas de Cristo.
Portanto, ao evangelizarmos não temos o poder de converter o homem, mas é o Espírito Santo
quem convence o homem da justiça, do pecado e do juízo. Sem o toque do Espírito, o homem
não se volta a Deus. Podemos até nos esforçar no evangelismo, orar pelas pessoas.
Quando nos preocupamos com a responsabilidade pela salvação sendo exclusiva da
soberania de Deus, nós relaxamos no evangelismo e passamos a colher resultados negativos
de nossa rebeldia quanto ao mandato evangelístico e cegueira espiritual:
- Passamos a negligenciar a oração (para que orar, se é Deus quem faz tudo?).
- Paramos de evangelizar e pregar o evangelho da salvação.
- Ficamos insensíveis para com o próximo, não se importando se eles conhecem
ou não a verdade.
O que Bíblia nos ensina é que, tanto a preocupação exclusiva na responsabilidade do
homem, como na soberania de Deus estão erradas, mas o calvinista fatalista não leva em
consideração que a salvação inclui tanto eleição divina como a responsabilidade humana.
Portanto, é necessário crermos nestas duas doutrinas.
Desenvolver a nossa salvação é uma ação de Deus, mas também do homem, porque é
Deus quem opera em nós tanto o querer (vontade) como o realizar (ação). Deus age tanto na
salvação quanto na santificação, contudo a responsabilidade recai sobre o homem.
Ambas as verdades são aparentemente conflitantes, mas elas não são inimigas entre
si. A predestinação e a evangelização são amigas. A graça de Deus é soberana e não
compromete em nada a natureza da evangelização.
3

Crer na soberania de Deus não afeta a urgência da evangelização. “Os campos estão
brancos” – é tempo de colheita! O método de Deus é que o pregador pregue e faça apela ao
arrependimento. A crença na soberania não afeta a sinceridade do apelo. O pecador que ouve
a pregação e se arrepende, terá que invocar o seu nome de Jesus para ser salvo (Romanos
10.13).
Crer na soberania não afeta a responsabilidade do pecador. A responsabilidade da
salvação é do homem, mas elas não é exclusiva. Ao mesmo tempo, a obra de evangelização
não é nossa, muito menos a obra de conversão o é. Somos apenas instrumentos desta obra do
Espírito Santo. Se o pecador rejeitar a salvação ele será condenado.
Portanto, “a soberania nos fornece a única esperança de sucesso na Evangelização.”
Só há a colheita, porque há eleitos. Sem a ação do Espírito, o homem carnal não pode
entender as coisas espirituais. Então é Deus quem providencia que chegue ao homem a
pregação do evangelho.
Assim sendo, nós podemos crer que, a Chamada Eficaz que o Espírito faz ao pecador
por meio da evangelização gera três efeitos em nossas vidas:
1. Nos torna ousados quanto a este maravilhoso chamado a pregação;
2. Nos torna pacientes quanto a semeadura com lágrimas e orações pelos pecadores; e
3. Nos torna homens de oração, humildes quanto a nossa impotência e necessidades.
Finalmente, podemos afirmar que a possibilidade do evangelho fazer qualquer
diferença na vida dos homens pecadores e depravados e eles se converterem é tão grande
quanto as promessas de Deus.

2. CRÍTICA:
Vemos que este assunto é bastante atual e necessário ser discutido, porque as igrejas
reformadas atuais, além de enfrentarem a tentação de um “ultra-calvinismo” que nega a
responsabilidade de evangelizar e se rebela a doutrina da Grande Comissão, estamos vendo
que muitos crentes estão sendo influenciados por outras correntes e ventos doutrinários.
Foi-se o tempo em que o antagonismo ao calvinismo era o arminianismo. Hoje,
graças ao acesso a informação pela Internet, em particular, aos canais do YouTube de falsos
mestres, vemos muitos membros de nossas igrejas com confusão doutrinária.
4

Alguns acabam sendo influenciados pela visão soterológica liberal e há outros


acreditando em um universalismo. É necessário pregarmos as doutrinas da evangelização e da
predestinação incansavelmente em nossas congregações.

Você também pode gostar