Você está na página 1de 19

[

SISTEMA DE ENSINO A DISTÂNCIA


PEDAGOGIA 6º SEMESTRE

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II -


ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL
RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II -
ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Trabalho apresentado ao curso de graduação em


pedagogia da UNOPAR – Universidade Norte do Paraná.
Disciplina: Estágio Curricular Obrigatório I: Educação
Infantil
Prof.ª Natalia Gomes dos Santos
Tutor à Distância: Helen Cristina Palhano Dias Muniz
Tutor Presencial: Elenice
SUMÁRIO

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO I - EDUCAÇÃO INFANTIL.....................4

INTRODUÇÃO............................................................................................................6

1 RELATO DAS LEITURAS OBRIGATÓRIAS .......................................................7\9

2 RELATO DA ANÁLISE DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP).........9\12

3 CONHECER A ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A


EQUIPE PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA, ASSIM COMO A
ATUAÇÃO..................................................................................................................12

4 CONHECER A ABORDAGEM DOS TEMAS CONTEMPORÂNEOS


TRANSVERSAIS DA BNCC (MEIO AMBIENTE, ECONOMIA, SAÚDE, CIDADANIA
E CIVISMO, MULTICULTURALISMO E CIÊNCIA E
TECNOLOGIA) .............................................................................................................
..................12\14

5 CONHECER METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS


DIGITAIS, CONFORME RESPECTIVO ESTÁGIO...............................................14\15

6 PLANOS DE AULA............................................................................................16\19

CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................................................19

REFERÊNCIAS.....................................................................................................20\21
6

INTRODUÇÃO

A realização do estágio é muito importante para o acadêmico, pois é cada


vez mais requisitado profissionais que sejam capacitados e que sejam bem
preparados, e é pra isso que serve o estágio servir de instrução na formação do
acadêmico, preparando-o para o mercado de trabalho mesmo que adaptada
através de vídeos e textos devido ao covid-19.
Sabemos que o curso de pedagogia ainda apresenta um currículo
bastante teórico, mas, ao mesmo tempo, nos oferece a oportunidade de vivenciar a
pratica nas redes municipais de ensino da nossa cidade. Consideramos o estagio
curricular um dos momentos, mas importante em nossa aprendizagem significativas
com que o aluno de graduação se depara no processo de ensino e aprendizagem.
Esta etapa da carreira estudantil deve ser considerada em espaço
para que a relação entre a teoria e a prática se concretize, e a construção e a
apropriação de novas aprendizagens se façam presentes no decorrer dos estudos
propiciando novos horizontes aos futuros pedagogos. O estágio tem como
finalidade proporcionar ao acadêmico uma aproximação do campo de atuação do
profissional pedagogo conhecendo e caracterizando os espaços de atuação do
profissional que atende alunos dos anos iniciais, (sempre lembrando que
virtualmente devido a Pandemia do COVID-19 em tudo o mundo).
Por isso que o profissional deve sempre estar atento a desenvolver
atividades que promova o desenvolvimento de valores e ética no âmbito escolar
obtendo uma troca de experiência.
É importante ter conhecimento sobre o trabalho pedagógico nos Anos
Iniciais do ensino fundamental, observando e planejando as ações a ser
desenvolvido com as crianças para uma formação ser qualificada, abordaremos
temas como realidade escolar alcançando os mais altos níveis de aprendizados,
falaremos sobre o P.P.P. a atuação do professor e sua inter-relação com a equipe
pedagógica e administrativa, abordaremos temas contemporâneos transversais da
BNCC e também e investigaremos acerca das metodologias ativas com uso de
tecnologias digitais.
7

RELATO DAS LEITURAS OBRIGATÓRIAS

A INTERDISCIPLINARIDADE COMO UM MOVIMENTO ARTICULADOR NO


PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

Conceitos de interdisciplinaridade A interdisciplinaridade, como um enfoque


teórico-metodológico ou gnosiológico, como a denomina Gadotti (2004), surge na
segunda metade do século passado, em resposta a uma necessidade verificada
principalmente nos campos das ciências humanas e da educação: superar a
fragmentação e o caráter de especialização do conhecimento, causados por uma
epistemologia de tendência positivista em cujas raízes estão o empirismo, o
naturalismo e o mecanicismo científico do início da modernidade. Sobretudo pela
influência dos trabalhos de grandes pensadores modernos como Galileu, Bacon,
Descartes, Newton, Darwin e outros, as ciências foram sendo divididas e, por isso,
especializando-se. Organizadas, de modo geral, sob a influência das correntes.
de pensamento naturalista e mecanicista, buscavam, já a partir da Renascença,
construir uma concepção mais científica de mundo. A interdisciplinaridade, como um
movimento contemporâneo que emerge na perspectiva da dialogicidade e da
integração das ciências e do conhecimento, vem buscando romper com o caráter de
hiper especialização e com a fragmentação dos saberes.
A necessidade da interdisciplinaridade na produção e na socialização do
conhecimento no campo educativo vem sendo discutida por vários autores,
principalmente por aqueles que pesquisam as teorias curriculares e as
epistemologias pedagógicas. De modo geral, a literatura sobre esse tema mostra
que existe pelo menos uma posição consensual quanto ao sentido e à finalidade da
interdisciplinaridade: ela busca responder à necessidade de superação da visão.
fragmentada nos processos de produção e socialização do conhecimento. Trata-se
de um movimento que caminha para novas formas de organização do conhecimento
ou para um novo sistema de sua produção, difusão e transferência.

Epistemologia, ciência e interdisciplinaridade a superação dos limites que


encontramos na produção do conhecimento e nos processos pedagógicos e de
socialização exige que sejam rompidas as relações sociais que estão na base
8

desses limites. No plano epistemológico (das relações sujeito/objeto), mediadas pela


teoria científica que dá sustentação lógica a essa relação, Frigotto (1995) diz que a
interdisciplinaridade precisa, acima de tudo, de uma discussão de paradigma,
situando o problema no plano teórico-metodológico. Precisamos, segundo ele,
perceber que a interdisciplinaridade não se efetiva se não transcendermos a visão
fragmentada e o plano fenomênico, ambos marcados pelo paradigma empirista e
positivista.
A especialização do conhecimento científico é uma tendência que nada
tem de acidental ao contrário, é condição de possibilidade do próprio progresso do
conhecimento, expressão das exigências analíticas que caracterizam o programa de
desenvolvimento da ciência que vem dos gregos e que foi reforçado no século XVII,
principalmente com Galileu e Descartes. A superação dos limites que encontramos
na produção do conhecimento e nos processos pedagógicos e de socialização exige
que sejam rompidas as relações sociais que estão na base desses limites. No plano
epistemológico (das relações sujeito/objeto), mediadas pela teoria científica que dá
sustentação lógica a essa relação, Frigotto (1995) diz que a interdisciplinaridade
precisa, acima de tudo, de uma discussão de paradigma, situando o problema no.
Plano teórico-metodológico.
Todavia, o desenvolvimento das diferentes áreas científicas, sobretudo a
partir da segunda metade do século XX, vem dependendo muito mais da relação
recíproca e da fertilização heurística de umas disciplinas por outras, da transferência
de conceitos, de problemas e métodos. Há uma espécie de inteligência
interdisciplinar na ciência contemporânea.

Implicações da interdisciplinaridade no processo de ensino e aprendizagem na


sala de aula, ou em qualquer outro ambiente de aprendizagem, são inúmeras as
relações que intervêm no processo de construção e organização do conhecimento.
As múltiplas relações entre professores, alunos e objetos de estudo constroem
o contexto de trabalho dentro do qual as relações de sentido são construídas. Nesse
complexo trabalho, o enfoque interdisciplinar aproxima o sujeito de sua realidade
mais ampla, auxilia os aprendizes na compreensão das complexas redes
conceituais, possibilita maior significado e sentido aos conteúdos da aprendizagem,
permitindo uma formação mais consistente e responsável.
A nova espacialidade do processo de aprender e ensinar e a
9

desterritorialidade das relações que engendram o mundo atual indicam claramente o


novo caminho da educação diante das demandas sociais, sobretudo as mediadas
pela tecnologia. Nessa direção, emergem novas formas de ensinar e aprender que
ampliam significativamente as possibilidades de inclusão, alterando profundamente
os modelos cristalizados pela escola tradicional. Num mundo com relações e
dinâmicas tão diferentes, a educação e as formas de ensinar e de aprender não
devem ser mais as mesmas. Um processo de ensino baseado na transmissão linear
e parcelada da informação livresca certamente não será suficiente. A abordagem
interdisciplinar, como proposta de revisão do pensamento positivista na educação,
está fortemente presente nas atuais correntes, tendências e concepções teóricas
que tratam do fenômeno da aprendizagem.

2 RELATOS DA ANÁLISE DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP)


2.1- O que é o PPP e qual a importância desse documento para o ambiente
escolar?
O Projeto Político-Pedagógico (PPP) é uma ferramenta primordial na
organização e no direcionamento do ano letivo. Administrar uma instituição escolar
requer conhecimento, tempo, colaboração e planejamento de uma série de pessoas
envolvidas com o ambiente educacional.
De acordo com os artigos 12 a 14 da LDB, a escola tem autonomia para
determinar qual serão o seu PPP e a estrutura que será seguida. O documento é
encaminhado posteriormente para a secretaria de ensino e deverá ser revisado pela
instituição de ano em ano.
A partir disso, o PPP deve funcionar como um norteador para as
atividades da escola e contemplar não apenas os objetivos e metas, mas também as
ações que serão tomadas para alcançá-los, levando em consideração a realidade da
instituição de ensino.
Por isso, o Projeto Político Pedagógico deve ser atualizado no início de
todo ano letivo e consultado periodicamente para garantir que seja colocado em
prática. É fundamental que os indicadores trazidos pelo documento sejam usados
como base para melhorar o ensino e o atendimento à comunidade escolar. Por isso,
o PPP deve ser flexível para se adaptar às necessidades dos alunos e auxiliar a
instituição a tomar decisões estratégicas para aprimorar seu trabalho.
10

2.2 A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento normativo


que define as aprendizagens essenciais que todos os alunos devem se
apropriar na educação básica. Sendo assim, todas as escolas devem organizar
seu currículo a partir desse documento. Com base na leitura que você realizou
como as competências gerais da Educação Básica se inter-relacionam com o
PPP?
BNCC, a proposta educativa tem sido norteada pelo que define as
aprendizagens essenciais que os alunos têm direito de adquirir, observando a
revisão do Currículo Escolar. As mudanças têm sido acompanhadas pela Equipe
Diretiva, pelo Setor Pedagógico e pelo Corpo Docente que, em momentos de
Formação Continuada, têm se envolvido com o processo de adequação do novo
ensino, adaptando-se às novas perspectivas pedagógicas por meio de um
planejamento educacional satisfatório para atender aos alunos e alunas
matriculados (as) nesta instituição.
PPP é a sigla para "Projeto Político Pedagógico", que deve nortear as
instituições escolares, estando em conformidade com a BNCC - "Base Nacional
Curricular Comum". Esta, por sua vez, possui dez competências gerais, que
englobam habilidades, conhecimentos, atitudes e valores que visam à promoção dos
desenvolvimentos dos alunos em todas as dimensões (social, física, intelectual,
cultural e emocional).

2.3 A avaliação da aprendizagem é um elemento crucial no processo de ensino


e de aprendizagem, visto que oportuniza indícios dos avanços escolares e dos
pontos que precisam ser aperfeiçoados. Com base na leitura que você realizou
do PPP, de que modo à escola apresenta o processo de avaliação?
Avaliar exige do professor o domínio de conhecimentos de técnicas
adequadas, a utilização de critérios claros e objetivos explicitados entre os sujeitos
envolvidos no processo ensino e aprendizagem. Dessa forma, construir uma nova
cultura avaliativa como compromisso do coletivo da escola com a construção e a
socialização de um conhecimento emancipatório, consequentemente permitirá uma
melhoria na qualidade da Educação e formação ofertada pela instituição escolar.
A avaliação da aprendizagem serve de parâmetro para o professor e o aluno
perceberem e reverem os caminhos de compreensão e ação sobre o conhecimento.
Para tanto ela deve ser contínua, democrática, diagnóstica, formativa e mediadora
11

da aprendizagem.

3 CONHECER A ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A


EQUIPE PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA, ASSIM COMO A ATUAÇÃO DA
EQUIPE PEDAGÓGICA NO ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA
DISCIPLINA.

3.1 A BNCC é um documento que regulamenta as aprendizagens essenciais a


serem trabalhadas nas escolas públicas e privadas para garantir os direitos de
aprendizagem e desenvolvimento aos alunos. Quais os principais desafios da
atuação do professor nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir das
regulamentações apresentadas na BNCC?

"A BNCC do Ensino Fundamental – Anos Iniciais, ao valorizar as


situações lúdicas de aprendizagem, aponta para a necessária articulação com as
experiências vivenciadas na Educação Infantil. Tal articulação precisa prever tanto a
progressiva sistematização dessas experiências quanto o desenvolvimento, pelos
alunos, de novas formas de relação com o mundo, novas possibilidades de ler e
formular hipóteses sobre os fenômenos, de testá-las, de refutá-las, de elaborar
conclusões, em uma atitude ativa na construção de conhecimentos. Nesse período
da vida, as crianças estão vivendo mudanças importantes em seu processo de
desenvolvimento que repercutem em suas relações consigo mesmas, com os outros
e com o mundo." (BNCC, 2018, p. 58).
Diferente da Educação Infantil, a proposta da BNCC Ensino Fundamental
as dos Anos Iniciais é a progressão das múltiplas aprendizagens, articulando o
trabalho com as experiências anteriores e valorizando as situações lúdicas de
aprendizagem. Tal articulação precisa prever tanto a progressiva sistematização
dessas experiências quanto o desenvolvimento, pelos alunos, de novas formas de
relação com o mundo, novas possibilidades de ler e formular hipóteses sobre os
fenômenos, de testá-las, de refutá-las, de elaborar conclusões, em uma atitude ativa
na construção de conhecimentos.
A Base propõe a maior inserção da tecnologia na BNCC, o papel do
professor 2.0 não se limita a utilizar a tecnologia educacional. Ele também envolve
uma compreensão das novas linguagens digitais que emergiram das novas
tecnologias. Tweet, whatsap, meme, stories, gif.
12

3.2 Exemplifiquem de que maneira a equipe pedagógica poderá orientar o


professor tendo como referência a utilização do Projeto Político Pedagógico e
da Proposta Curricular.

A equipe pedagógica é responsável por engajar e integrar a escola a


comunidade, fazendo com que todos participem do processo de educação,
apontando problemas e melhorando o ensino, explica Ana Regina Caminha Braga.
Em relação aos professores, cabe à mesma equipe, disponibilizar horários
de planejamento, ajudando a criar mecanismos para que os docentes possam
integrar e inovar em suas atividades em sala. Sem esquecer-se de criar meios de
monitoramento para que eventuais problemas possam ser identificados e resolvidos.
Ainda segundo Ana Regina, é papel da equipe garantir também toda a infraestrutura
escolar, para a realização das atividades, bem como otimizar os recursos e buscar
novas parcerias.

3.3 No que se refere às atribuições da equipe administrativa descreva a


importância da relação da direção com a equipe pedagógica para a qualidade
dos processos educativos no contexto escolar.

A equipe pedagógica e os professores trazem essas informações para o


diretor e nesse sentido estabelecem-se estratégias para resgatar esse aluno da
evasão, e dificuldade de aprendizagem.
O diretor estabelece estratégias junto com a equipe pedagógica e junto
com os professores auxiliando nessa implementação, pois não adianta somente a
equipe pedagógica e os professores tentarem realizar essas ações, o diretor é o
condutor de todas essas ações pedagógicas também e ele deve dar além de todo o
suporte administrativo da estrutura pedagógica, materiais didáticos, valorização da
biblioteca, a possibilidade de organizar essa escola dentro das metodologias da
tecnologia da informação e da comunicação para que dentro da sua função
enquanto diretor do escopo pedagógico possa direcionar os recursos e os
encaminhamentos pedagógicos junto com a equipe pedagógica e com os
professores.

4 Conhecer a abordagem dos temas contemporâneos transversais da BNCC


13

(meio ambiente, economia, saúde, cidadania e civismo, multiculturalismo e


ciência e tecnologia).

4.1 Como podemos entender o termo Transversalidade?


O maior objetivo dessa abordagem é que o estudante conclua a sua
educação formal reconhecendo e aprendendo sobre os temas que são relevantes
para sua atuação na sociedade.
Transversalidade é um princípio que desencadeia metodologias
modificadoras da prática pedagógica, integrando diversos conhecimentos e
ultrapassando uma concepção fragmentada, em direção a uma visão sistêmica.
Essa metodologia contribuiu para a aplicação do conhecimento teórico adquirido
pelos alunos, contribuindo para que assimilem o conteúdo de forma prática em seus
estudos. Portanto é um método de caráter avaliativo, que visa garantir a eficácia do
aluno, criando uma visão crítica e ampla da área de atuação escolhida.

4.2 Qual a importância de se trabalhar com os TCTs na escola?

Os Temas Transversais caracterizam-se por um conjunto de assuntos que


aparecem transversalizados em áreas determinadas do currículo, que se constituem
na necessidade de um trabalho mais significativo e expressivo de temáticas sociais
na escola. Alguns critérios utilizados para a sua constituição se relacionam à
urgência social, a abrangência nacional, à possibilidade de ensino e aprendizagem
na Educação Básica e no favorecimento à compreensão do ensino/aprendizagem,
assim como da realidade e da participação social. São temas que envolvem um
aprender sobre a realidade, na realidade e da realidade, preocupando-se também
em interferir na realidade para transformá-la.
Denominados temas transversais, cada um destes tópicos tem como
objetivo estimular nos jovens a reflexão sobre a realidade na qual eles estão
inseridos, para que eles sejam capazes de compreendê-la e transformá-la para
melhor.

4.3 Dos TCTs listados, quais podem ser trabalhados de forma transversal no
seu curso de graduação?
Ética, Meio Ambiente.
14

4.4 O Guia apresenta uma metodologia de trabalho para o desenvolvimento


dos TCTs, baseado em quatro pilares. Quais são estes pilares? Comente sua
perspectiva sobre essa metodologia.

1 Problematização da realidade e das situações de aprendizagem;


2 Superações da concepção fragmentada do conhecimento para uma visão
sistêmica;
3 Integrações da habilidade e competências curriculares à resolução de problemas;
4 Promoções de um processo educativo continuado e do conhecimento como uma
construção coletiva.
O objetivo dessa proposta é favorecer e estimular a criação de estratégias
que relacionem os diferentes componentes curriculares e os TCTs, de forma que o
estudante resinifique a informação procedente desses diferentes saberes
disciplinares e transversais, integrando-os a um contexto social amplo, identificando-
os como conhecimentos próprios. Para organização dos componentes curriculares
que, respeitando a competência pedagógica das equipes escolares, estimulem
estratégias dinâmicas, interativas e colaborativas em relação à gestão de suas
práticas pedagógicas As propostas visam ainda contribuir para que os estudantes
sejam conscientes de seu processo de aprendizagem e para que o professor possa
estabelecer uma estruturação mais aberta e flexível dos conteúdos escolares. As
propostas estão vinculadas à perspectiva do conhecimento globalizado e relacional
e buscam articular os conhecimentos escolares, organizar as atividades de ensino,
mas não de uma forma rígida, nem, necessariamente, em função de referências
disciplinares preestabelecidas.

5 Conhecer metodologias ativas com uso de tecnologias digitais, conforme


respectivo estágio.
O atual contexto exige o desenvolvimento da competência digital de ensino,
em um ambiente em que o professor deve contribuir para gerar um ambiente de
colaboração para a implementação de metodologias ativas emergentes com o uso
de tecnologias digitais adaptadas ao contexto do centro educacional.
A WebQuest é uma metodologia de ensino e aprendizagem que utiliza
diferentes recursos, além da web, por meio do desenvolvimento de uma tarefa de
15

investigação estruturada. Um dos aspectos marcantes de modelo WebQuest é seu


formato de organização da informação.
Aprendizagem baseada em projeto – abp -É uma metodologia ativa
desenvolvida por meio de intenso processo de investigação e elaboração de
produtos de modo colaborativo e interdisciplinar. A metodologia ABP é organizada a
partir de uma pergunta complexa organizada, e estruturada.
Sequência didática - É uma metodologia de ensino e aprendizagem
composta por um conjunto de atividades planejadas para ensinar um conteúdo,
constituído de passos e etapas ligadas entre si e organizadas de acordo com os
objetivos propostos pelo professor para tornar o aprendizado mais significativo e
eficiente.
Aula gamificada- No contexto do uso escolar das tecnologias digitais, a
Gamificação surge como uma alternativa para auxiliar no processo de ensino e
aprendizagem, superando a abordagem tradicional. Os recursos digitais
(computadores, tablets e smartphones) são um meio de aproximação do cotidiano
do estudante com o ambiente escolar.
Ensino Híbrido, ou blended learning, é um modelo de educação formal que
se caracteriza por combinar tempos, espaços, atividades, metodologias e públicos
diversos, misturando ensino presencial e propostas de ensino online por meio da
tecnologia.

A partir da leitura do texto, disponível no link abaixo, e da situação-problema


nele apresentada, você deverá redigir a solução em forma de relato, que
conduzirá a elaboração de seus planos de aula.
A arte de brincar é uma forma de prazer e descoberta da criança, é uma
forma que ela tem de expressar seus sentimentos e as novas descobertas, é a
abertura da ideia de um princípio de que o mundo lhe pertence somente aos adultos.
No entanto para Piaget, o jogo não era apenas uma forma de desafogo ou
entretenimento para gastar as energias das crianças, mas sim meios que
enriquecem e desenvolvem o intelecto delas.
Com base em suas ideias podemos dizer em geral que o Lúdico não é
apenas uma brincadeira, mas sim a liberdade de expressão física e emocional, é a
abertura para novos conhecimentos. Viver ludicamente significa uma forma de
descoberta do mundo, indica que não apenas estamos inseridos nele, mas,
16

sobretudo, que somos parte de todo seu conhecimento prático e que essas reflexões
são as nossas ferramentas para compreendê-lo e interagir com ele.
À medida que a criança cresce é por meio da brincadeira que ela se
comunica com o outro e aprende a se relacionar, é através das brincadeiras e da
relação com o brinquedo que ela expressa seus sentimentos, por isto podemos dizer
que eles são o elemento transmissor e dinamizador de costumes e condutas destas.
Auxiliar o aluno no processo de sua constituição da sua identidade e na formação de
valores próprios.

6 PLANOS DE AULA
TEMA: Esportes, jogos, lutas e ginásticas
Plano de Trabalho.
Plano de Aula: 1
Disciplina: interdisciplinaridade
Série: 1
Turma: 1a
Período: vespertino
Tema da aula: Esportes, jogos, lutas e ginásticas
Conteúdo:
Selecionar jogos e brincadeiras populares para a prática nas aulas de educação
física; Identificar diferenças entre os jogos cooperativos e os jogos competitivos;
-Compreender os conceitos de cooperação e competição, a partir da
experimentação dos jogos; Propor mudanças nas regras do jogo, visando mais
dinamicidade e a inclusão de todos os alunos.
Objetivos
Objetivo geral: - Desenvolver habilidades relacionadas cooperação e competição.
Objetivos específicos:
Apresentar o conteúdo Jogos e Brincadeiras Populares de uma forma lúdica para
um maior entendimento por parte dos alunos.
Metodologia:
Procedimentos de Desenvolvimento do Trabalho
– Aula 1; ver: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/verAula.html?aula=16051), os
alunos elaboraram uma grande lista com todos os jogos e as brincadeiras que eles
conheciam. Nessa aula, o professor irá propor a experimentação de jogos que
17

possuam características distintas, a saber, jogos cooperativos e jogos competitivos. -


- Pretende-se debater a competitividade exacerbada em algumas atividades
previstas em aulas de educação física, destacando que jogar “contra” implica
necessariamente em jogar “com” alguém.
Recursos: Não há recursos complementares nesse plano de aula.
Avaliação: Relatório do estagiário sobre a participação ativa dos alunos nas aulas,
bem como interesse nas atividades propostas do tema Jogos e Brincadeiras.

Referencias: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/verAula.html?aula=16051),

Plano de Trabalho.
Plano de Aula: 2
Disciplina: interdisciplinaridade
Série: 1
Turma: 1a
Período: vespertino
Tema da aula: Esportes, jogos, lutas e ginásticas
Conteúdo: Selecionar jogos e brincadeiras populares para a prática nas aulas de
educação física;
-Identificar diferenças entre os jogos cooperativos e os jogos competitivos;
Compreender os conceitos de cooperação e competição, a partir da experimentação
dos jogos; Propor mudanças nas regras do jogo, visando mais dinamicidade e a
inclusão de todos os alunos.
Objetivos
Objetivo geral: Desenvolver habilidades relacionadas cooperação e competição
Objetivos específicos:
Apresentar o conteúdo Jogos e Brincadeiras Populares de uma forma lúdica para
um maior entendimento por parte dos alunos.
Metodologia:
Procedimentos de Desenvolvimento do Trabalho
Jogos com características cooperativas:
1) "Pique Bola na Mão": Trata-se de um pique ("pega-pega") que possui um pegador
e uma bola salvadora. O objetivo é passar essa bola entre os alunos dificultando a
ação do pegador. O objetivo da atividade é que os alunos cooperem entre si fazendo
a bola chegar às mãos daqueles que estão em dificuldade. Inúmeras variações
18

podem ser realizadas, aumentando o número de bolas ou ainda de pegadores.


Discuta com os alunos, ao final da prática, as estratégias utilizadas durante o jogo e
a importância da cooperação no grupo.
2) "Bola no lençol': O objetivo da brincadeira é impedir que a bola toque o solo. Os
alunos divididos em grupos de 4 ou 5 cinco alunos deverão segurar as pontas de um
lençol, de forma que sua superfície aumente. Os grupos deverão manter uma
distancia entre si e deverão passar a bola de um lençol para o outro lançando a bola
para o alto. Após a experimentação inicial, o professor deverá incluir mais bolas,
lançando o desafio: cada lençol poderá receber apenas uma bola de cada vez. Os
alunos devem ser capazes de cooperar, passando a bola entre os diferentes grupos
sem deixar que ela toque o chão. Ao final da prática, discuta com os alunos as
dificuldades coletivas para a concretização do objetivo: 1) como manter o lençol
esticado? 2) como facilitar a recepção da bola pelo outro grupo? 3) como
estabelecer uma ordem nos passes evitando que mais de uma bola seja recebida
pelo mesmo grupo?
Jogos com características de competição:
1) “O queijo é meu”: O objetivo da brincadeira é acumular todas as bolas para a sua
equipe. Divida a quadra em 4 espaços iguais. Cada um desses espaços será a
“casa” de uma equipe (total 4 equipes). Cada equipe terá seis integrantes que serão
divididos em duas funções: os “gatos” (quatro alunos) deverão permanecer nas suas
“casas” e passar o queijo (representado pela bola) impedindo que seja interceptado
por jogadores das outras equipes; os “ratos” que terão liberdade para entrar nas
outras “casas” e tentar pegar as bolas das outras equipes. Teremos, portando 4
bolas, 8 ratos (dois para cada equipe) e 16 gatos (quatro para cada equipe). O jogo
termina quando uma equipe consegue ficar com todas as bolas (total 4 bolas). Os
“gatos” deverão passar a bola entre si impedindo que os “ratos” das outras equipes
consigam interceptar os passes.
Recursos: quebra cabeça, e peças de montar.
Avaliação: Relatório do estagiário sobre a participação ativa dos alunos nas aulas,
bem como interesse nas atividades propostas do tema Jogos e Brincadeiras.
Referencias: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/verAula.html?aula=16051),
19

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A observação é um momento fundamental e inesquecível na vida do


aluno, pois se tem a oportunidade de vivenciar a prática de todo estudo teórico
realizado até o momento. Através da dinâmica do dia a dia o aluno aprofunda os
conhecimentos metodológicos do ensino aprendizagem, a partir do cotidiano
escolar, uma vez que proporcionou a articulação teoria à prática, me colocou em
contato com a realidade da educação mesmo que de forma adaptada devido ao
COVID-19, foi muito gratificante, detalhado bem elaborado pela equipe pedagógica
com vídeos e textos que me ajudaram muito.
A realidade do exercício da função do professor é a expansão natural
da capacitação do aluno, e através do estágio o aluno tem a oportunidade de ver o
que o que de fato é a profissão e a educação. O estágio deve ser visto como um
elo entre o conhecimento e a prática, onde se pode vivenciar e adquirir novas
experiências, a ver a educação com um novo olhar, adquirir uma visão critica da
profissão que se pretende exercer, a refletir sobre o diagnóstico e vivencias
experimentada no contexto educacional durante o período de estágio.
O estágio também fortaleceu a ideia de que o professor deve buscar a
formação completa do aluno, valorizando não apenas a formação teórica, mas
também a formação ética, moral e social, tendo em vista que a criança é um ser que
tem dignidade, desejo, anseios e sonhos. Que muitas vezes encontra nas relações
estabelecidas com o professor e colegas o afeto, a liberdade de se expressar e a
confiança que muitas vezes não encontra na família.
Essa experiência nos permitiu analisar os conhecimentos adquiridos no
decorrer do curso de Pedagogia, refletindo sobre como e em que devemos melhorar
nossa atuação profissional, possibilitando um desempenho melhor para um papel
como educadora, aprendi novas técnicas com ajuda do relato das leituras
obrigatórias a análise do projeto político pedagógico (ppp), conheci a atuação do
professor e sua inter-relação com a equipe pedagógica e administrativa, a
abordagem dos temas contemporâneos transversais da bncc meio ambiente,
economia, saúde, cidadania e civismo, multiculturalismo e ciência e tecnologia,
metodologias ativas com uso de tecnologias digitais tudo isso me capacitou ainda
mais para ser uma pedagoga atualizada e informada.
20

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Eloise Werle de A447e Ensino de educação fisica escolar e


psicomotricidade/Anísio Calcoilari Júnior.-Londrina:Editora e Distribuidora
Educacional S.A, 2018

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do estado. Lisboa, Portugal:


Editorial Presença, s.d. In: SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: teorias da e
educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 32.ª ed.
Campinas, SP.: Autores Associados. 1999.

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. Filosofia da educação. São Paulo: Moderna.


1989.

BARROS, Gilian C. Webquest: metodologia que ultrapassa os limites do


ciberespaço. Escola BR: Inclusão Digital nas Escolas Públicas. Paraná/Brasil.
Novembro, 2005. Disponível em: <
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012622.pdf>. Acesso em:
11 mai. 2020.

ARCE, A. Pedagogia da infância ou fetichismo da infância? In: DUARTE, N.


(Org.) Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004.

BOZHÓVICH, L. Las etapas de formación de La personalidad en la ontogenesis.


In: DAVIDOV, V; SHUARE, M. (Org.). La psicología evolutiva y pedagógica en la
URSS (antologia). Moscou: Progresso, 1987. p. 250-273.

DEMO, Pedro. Educação & conhecimento – relação necessária, insuficiente e


controversa. Petrópolis: Vozes, 2001.

ESTEBAN, Mari a Tereza; ZA CC UR, Edwiges. Professor pesquisa dor: Uma


prática em construção. Rio de Janei RO: D P& A, 2002.

JESUS, Lilian Gavioli. Ensino de história e geografia / Lilian Gavioli Jesus, Natália
Germano Gejão Diaz. – Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2018.

LEONTIEV, A. N.; LURIA, A. R. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem.


São Paulo: Ícone, 2001b. VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do
comportamento: símios, homem primitivo e criança. Porto Alegre: Artes Médicas,
1996.

LORENZONI, Marcela. Aprendizagem Baseada em Projetos (PBL) em 7 passos.


InfoGeeks. 2016. Disponível em: < <https://www.geekie.com.br/blog/aprendizagem-
baseada-em-projetos/>. Acesso em: 11 mai. 2020.

MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1996.


PINO, A. O social e o cultural na obra de Lev S. Vigotski. Educação & Sociedade,
Campinas, ano XXI, n.71, p.45-78, out. 2000.
21

KIRNEV, Débora Cristiane Barbosa. Ensino de matemática / Débora Cristiane


Barbosa Kirnev, Keila Tatiana Boni, Diego Barboza Prestes, HallynneeHéllenn Pires
Rossetto. – Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2018.

OLIVEIRA, Izabel Lúci a dos Santos. Acontribuição do estágio supervisionado


Para o curso de pedagogia. 9 out . 2014. Disponível em: < ht tps: // ww w.por
taleducacao.com. b r/co n te udo/artigo s/Pedagogia/a-contribuicao-do-Estagio-
supervisionado para-o-curso-de-pedagogia/58303>. Acesso em: 12 set. 2017.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio e a docência. São Paulo: Cortez, 2004.

SILVA, Ivaneide Dantas da. Aprendizagem da língua portuguesa / Ivaneide


Dantas da Silva, Silvia Cristina Herculano Almeida, Rosemeire Rodrigues dos
Santos, Cristiane Cagnoto Mori de Angelis. – Londrina: Editora e Distribuidora
Educacional S.A., 2017.

SANTOS, Santana Marli Pires dos, Brinqu edoteca: sucata vira brinquedo. Porto
Alegre: Artes Médi cas, 1995.VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Madrid: Visor, 1995.
t.III. . Obras escogidas. Madrid: Visor, 1996. t.IV. FORMAÇÃO DE
PROFESSORES 191 A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo:
Martins Fontes, 2001a. . Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade
escolar. In: VIGOTSKI, L. S.,

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/verAula.html?aula=16051),

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=16052