Você está na página 1de 5

Entendendo o rolê...

Agora que você já sabe como praticar e exercitar sua criatividade, nessa 3ª aula do
curso “Jornada Criativa” eu vou te explicar alguns recursos mais aprofundados que
são bem importantes na hora de produzir um conteúdo. Vamos nessa?

Semiótica
Essa palavra e seu significado podem parecer bem complexos - e são mesmo, não
vou mentir. Mas como eu vim aqui para facilitar sua vida, vou te explicar de maneira
simples e direta: a semiótica pode ser definida como o estudo da construção de
significado, o estudo do processo de signo (não o astrológico, tá?) e do significado
de comunicação.

Resumidamente, ele é o estudo dos símbolos, que nada mais são do que algo que
representa alguma coisa, seja cheiro, textura, cor, formato ou tamanho e, por isso, é
muito relacionado aos nossos sentidos (olfato, visão, audição e tato). Portanto,
esses símbolos estão ligados a esses diversos aspectos do nosso dia a dia.

Entendido o que é a semiótica, agora você precisa aprender o conceito de três


vertentes importantes: ícone, índice e símbolo.

Para começar, imagine um gato.


O ícone é a imagem gráfica do gato, ou seja, a figura, a foto, o desenho ou o
próprio gato em si.
Já o índice é aquilo que dá indícios daquilo que quer ser representado. No caso do
gato, o desenho da patinha remete automaticamente ao gato.
E o símbolo pode ser representado aqui por um novelo de lã, pois é um objeto da
qual é muito relacionada ao gato, devido às nossas referências e histórico cultural.

Então, quando for criar um conteúdo para seu público, é importante buscar outras
formas de mostrar o óbvio para as pessoas. Mas atenção! É importante que seu
público entenda também o que está querendo passar, afinal, o que pode ser óbvio
para você, pode não ser para seu público.

E como posso aplicar tudo isso dentro do Instagram, por exemplo?


Você pode utilizar esses recursos que mencionei acima para criar algo mais
significativo e ainda, para dar aquela destravada básica na criatividade. Se liga só:

● ÍCONE: você pega um post sobre um assunto e utiliza esse mesmo assunto
na capa.
Exemplo: post sobre “CUIDADOS QUE DEVEMOS TER COM OS GATOS”;
você usa a imagem de um gato na capa.
● ÍNDICE: você pega um post sobre um assunto e utiliza um indício na capa.
Exemplo: post sobre “CUIDADOS QUE DEVEMOS TER COM OS GATOS”;
você usa a imagem/desenho de uma patinha do gato.
● SÍMBOLO: você pega um post sobre um assunto e utiliza algo que remeta ao
assunto.
Exemplo: post sobre “CUIDADOS QUE DEVEMOS TER COM OS GATOS”;
você usa a imagem de um novelo de lã.

Lembrando que a semiótica é muito mais do que esses três conceitos, mas com
eles em vista, você já consegue um desenvolvimento bem legal nas redes.
Mais alguns exemplos práticos para vocês:

- A cruz ( ✝) é um símbolo universal que remete ao cristianismo. Mesmo sem


seus elementos que, de fato, tem um significado para a humanidade, a forma
da cruz faz parte de um senso comum.

Este material é propriedade exclusiva do Etrês Estúdio, sendo proibida a reprodução, comercialização ou distribuição sem autorização.
- O símbolo do infinito (∞) representa algo que não pode ser mensurado, muito
menos desenhado, mas ao ver o símbolo, todo mundo sabe o que ele
significa.

Dica: pegue elementos do seu cotidiano e aplique nos formatos descritos acima
quando for criar seus posts. Faça testes, brinque com as oportunidades que um
único item pode te oferecer. Mas fique atento: seu post não pode ser uma coisa
muito difícil de ser decifrada. Isso pode causar estranhamento ao seu público.
Por isso, estude, pratique e invente! SEJA CRIATIVO!

Títulos
Outra forma de aplicar a semiótica é nos títulos. Você pode ser menos literal ao
escrever o título do seu conteúdo. Isso já pode fazer uma grande diferença e pode
ser feito de forma intercalada, para dar uma diversificada nas postagens.

Case de sucesso
Um exemplo bem conhecido é “O Gambito da Rainha”. A série poderia muito bem ter sido
nomeada como A Menina que Joga Xadrez, pois a série se trata justamente disso. Porém,
eles trouxeram uma referência de dentro do xadrez para o título da série e a deixou muito
mais atraente.
E qual foi o resultado final disso tudo? Os produtores trouxeram à tona um assunto que
não estava tão em alta, e impactaram milhares de pessoas, jogadoras de xadrez ou não (e
aqui incluem até aquelas que nunca demonstraram interesse pelo esporte), onde estas
ficaram fascinadas pelo universo do xadrez, gerando uma grande demanda de procura e
compra por itens relacionados ao xadrez, busca por instruções de como jogar, etc.
Podemos dizer que foi um belo de um xeque-mate, não é mesmo?

Por isso, quando for utilizar a semiótica nos títulos, pense se ele está atrativo, se ele
pode ser interpretado facilmente, se vai deixar aquela curiosidade para o seu cliente
conferir mais sobre o assunto. Essa é a ideia de utilizar esse método. Chamar a
atenção e captar o interesse do seu público, deixá-los curiosos.

Particularmente falando, os meus jobs mais elogiados - tanto relacionados a títulos,


quanto aos de composição visual - são esses que eu saio da minha zona de

Este material é propriedade exclusiva do Etrês Estúdio, sendo proibida a reprodução, comercialização ou distribuição sem autorização.
conforto, fujo do óbvio. Eu uso elementos não tão comuns e aplico em cima de
teorias que já são bastante conhecidas pelo público.

O uso da semiótica facilita também quando é preciso falar de algum assunto que é
muito corriqueiro dentro da sua área, fazendo com que o título ou a composição
visual se tornem mais atrativos.

Lembrando que…
A nossa visão semiótica só é possível devido às nossas referências. Simmm, elas mesmas,
mais uma vez! São elas que dão a possibilidade de criar, inventar ou produzir algo com
essa visão. Por isso, use e abuse das referências!

Colagens: uma mão na roda!


Essa é mais uma forma de inovar e criar materiais ricos e muito criativos. Eu utilizo
muito dessa técnica para a criação dos meus posts pois, além dessas colagens
fugirem do óbvio, elas trazem um ar mais “diferentão” para minha rede. E meu
público gosta disso!

Mas engana-se quem acha que eu crio essas artes assim, rapidinho! Pelo contrário.
Essas criações não nascem de um dia para outro mas, conforme estudo, dedicação
e muita prática, tudo vai se tornando mais fácil na hora de criar.

Tendências: observe-as
Sempre esteja ligado ao que está em alta no momento. Sejam músicas, filmes,
séries, eventos nacionais ou mundiais… qualquer coisa. Utilize isso a seu favor na
hora de criar suas peças e aplique a semiótica para tratá-las de forma única e
diversificada. Isso vale para textos, peças gráficas ou audiovisuais.

E nunca se esqueça: bateu o bloqueio criativo? Corre pras referências e pratique


muito! Praticar, mesmo que de forma sutil, vai te ajudar demais nesse rolê de
criação e vai fazer com que seus trabalhos se tornem ainda mais incríveis!

Este material é propriedade exclusiva do Etrês Estúdio, sendo proibida a reprodução, comercialização ou distribuição sem autorização.
E antes que eu me esqueça: todas as dicas e métodos que eu mencionei nesse
curso para destravar a criatividade não são vias de regra, viu? São formas, métodos
e alternativas de trabalho que eu utilizo e que servem muito bem no meu dia a dia e
também podem servir pra você! Se você tiver algo diferente que faça com que sua
criatividade desperte, pode usar sem problemas. O importante é destravá-la! 😉
Agora me conta: gostou desse conteúdo?

Caso tenha dúvidas, sugestões ou feedback sobre o conteúdo e material, me chama


lá no direct do @etres.estudio que eu vou adorar poder te ajudar.

E não esqueça de registrar suas aulas nos stories e marcar o @ do Estúdio pra eu
poder compartilhar, tá?

Agradeço pela sua companhia até aqui e espero poder te ver em outros cursos (fica
de olho no meu Instagram pra acompanhar as novidades), ok?

Até breve,
Eliz Bossi.

Este material é propriedade exclusiva do Etrês Estúdio, sendo proibida a reprodução, comercialização ou distribuição sem autorização.

Você também pode gostar