Você está na página 1de 19

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO – UNISA

Curso: Ciências Contábeis

  

Camila Rodrigues Mendes da Silva             386970-9


Carolini Ramalho dos Santos                     393158-7
Gleice Marques de Oliveira                           394176-1
Kessia Taynara Melo da Silva                395132-4
Luana Cristina Klein Domingues Bezerra    391173-0
 

  

PROJETO INTEGRADOR II: PLANO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS


E TRIBUTÁRIAS DO CLUBE DE FUTEBOL BOTAFOGO E
REGATAS
 

São Paulo

2019
Camila Rodrigues Mendes da Silva             386970-9
Carolini Ramalho dos Santos                       393158-7
Gleice Marques de Oliveira                          394176-1
Kessia Taynara Melo da Silva                      395132-4
Luana Cristina Klein Domingues Bezerra  391173-0

PROJETO INTEGRADOR II: PLANO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS


E TRIBUTÁRIAS.
CLUBE DE FUTEBOL BOTAFOGO E REGATAS

Projeto Integrador apresentado ao curso


de Ciências Contábeis da Universidade
de Santo Amaro. 
Orientador: Prof.Ms.Antonio Roberto da
Costa 
 
 
 
 
 
 

 
São Paulo
2019
RESUMO

Este projeto tem como tema o planejamento tributário, sabe-se que o Brasil é
um dos países com as cargas tributárias mais altas do mundo e as empresas
tem como obrigação pagarem suas dívidas para posteriormente não adquirirem
problemas com o Fisco. Mas as empresas por uma má gestão ou por motivos
específicos acabam obtendo débitos com o Governo, como é o caso do time
Botafogo, empresa escolhida para a pesquisa. Por isso usamos a metodologia
de pesquisa bibliográfica exploratórias para assim termos embasamentos
verídicos a fim de concluir a pesquisa da melhor forma possível. Sendo assim o
objetivo principal do nosso trabalho é redução da dívida com o INSS de forma
vantajosa para o clube, concluímos que o Botafogo precisa ter um
planejamento estratégico focado em suas vendas, patrocinadores e torcedores
para contribuir na arrecadação de valores com o intuito de aniquilar suas
dívidas para perpetuar a sua carreira, estando bem não só financeiramente,
mas em campos.
 

Palavras-chaves: Planejamento Tributário. Botafogo. Dívida 


SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO...........................................................................................................................3
2. DESENVOLVIMENTO.................................................................................................................3
2.1 Apresentação da empresa..................................................................................................3
2.1.1 Missão.........................................................................................................................3
2.1.2 Visão............................................................................................................................3
2.1.3 Valores.........................................................................................................................3
2.2 Planejamento tributário.....................................................................................................3
2.2.1 Benefícios de um planejamento tributário adequado.................................................3
2.2.2 Sistema tributário nacional.........................................................................................3
2.2.3 Legislação Tributária....................................................................................................3
2.3 Tributos sobre compras e vendas.......................................................................................3
2.3.1 Tributos sobre lucro....................................................................................................3
2.3.2 Forma de tributação pelo IRPJ.....................................................................................3
2.3.3 Forma de tributação de CSLL.......................................................................................3
2.4 Análise da empresa e suas obrigações tributariam............................................................3
2.5 Planos de melhorias...........................................................................................................3
3. CONCLUSÃO.............................................................................................................................3
4. REFERÊNCIAS............................................................................................................................3
5

1. INTRODUÇÃO

A pesquisa realizada nesse trabalho trata do planejamento tributário do


clube Botafogo Futebol e Regatas em relação ao INSS e sua organização
financeira para liquidar as dívidas acumuladas. 
O time Botafogo tem aproximadamente 77 anos de história contando
com diversas vitórias e derrotas. Tudo começou com o Botafogo Football Club,
que depois de trinta e oito anos uniu-se ao Botafogo de Regatas após uma
fatalidade com um jogador, dando início a uma linda trajetória como Botafogo
de futebol e Regatas. Além de ter o futebol como esporte, também tem o remo,
natação, polo aquático, basquete, voleibol, futsal, futmesa e esportes de
praias. De acordo com o site oficial do Botafogo em 2015 teve um título inédito
no Remo, foi tricampeão estadual, um bom acontecimento para o time que
estava passando por momentos turbulentos. 
Já esteve em fases melhores, mas atualmente passa por sérios
problemas financeiros, ou seja, dividas com o FISCO (órgãos públicos
responsáveis pela arrecadação de tributos). Porém a dívida apontada será do
Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, sabe-se que ele é um imposto
importante para o país e que todas empresas que como obrigação recolher e
paga-lo, pois ele é responsável pela previdência social que proporciona
benefícios para os segurados, por exemplo como aposentadorias, auxilio
doença, salário maternidades entre outros. 
O Botafogo tem conhecimento que as suas dividas está acarretando
consequências negativas para sua carreira, por isso seu principal objetivo é
voltar a ser um clube de futebol reconhecido por uma boa de gestão e ótimos
resultados, fidelizar os seus torcedores e priorizar as suas dívidas anteriores
conseguindo pagá-las e ficar em dia com as demais. 
Portanto com base nesta pesquisa saberemos quais foram as posições
tomadas para que o Botafogo consiga se reestruturar novamente mediante
suas dívidas ao INSS e como se manter em dia com os tributos. 
6

2. DESENVOLVIMENTO 

2.1 Apresentação da empresa

Botafogo Futebol e Regatas é uma junção de dois clubes: Club


de Regatas Botafogo e o Botafogo Football Club.  
Em 1894, no dia 1 de julho, nasceu na praia de Botafogo o Club de
Regatas Botafogo, recebendo esse nome em homenagem ao bairro onde
aconteciam as competições de barcos a remo. Ele foi o primeiro clube carioca
campeão brasileiro da modalidade esportiva de remo no campeonato realizado
no Rio de Janeiro em outubro de 1902, com a vitória do atleta Antônio Mendes
de Oliveira Castro, que anos mais tarde viria a se tornar presidente do clube. 
No ano de 1904, surgia no bairro de Botafogo um novo clube de futebol,
o Electro Club, primeiro nome dado ao Botafogo Football Club. O surgimento
ocorreu após uma conversa entre dois amigos durante a aula, Flávio Ramos e
Emmanuel Sodré estudavam no colégio Alfredo Gomes e durante uma aula de
álgebra, surgiu à primeira ideia de fundar um clube. Após uma reunião em um
casarão no Largo dos Leões os envolvidos decidiram cobrar mensalidade de
quem participaria do Club e acharam um talão de um de um extinto clube com
esse nome, que resolveram então adotar, porém Electro Club só durou até o
dia 18 de setembro, quando ocorreu outra reunião na casa da avó de
Flávio, que se assustou ao saber o nome do clube e então argumentou: "Ora,
morando onde vocês moram, o clube só pode se chamar Botafogo", assim foi
feito  e o nome passou a se chamar Botafogo Football Club.
O primeiro Campeonato Carioca conquistado e comemorado pelo clube
foi em 1910, com uma marcada de sete goleadas, ele não apenas foi campeão
como ganhou o apelido de Glorioso, dois anos mais tarde ganhou o título
carioca. Na década de 30, o time conquistou o tetracampeonato carioca
de 1932 a 1935, feito inédito no Rio de Janeiro.
Assim nascia o Botafogo Football Club, que depois de trinta e oito anos
de existência uniu-se ao outro Botafogo, o de Regatas, dando início ao
Botafogo de futebol e Regatas, após uma triste tragédia. 
 Esse acontecimento foi no dia 11 de junho de 1942, onde os dois clubes
disputavam uma partida de basquete pelo Campeonato Estadual e o jogador
Albano, do Botafogo F.C., durante o intervalo, caiu em quadra, vítima de um
7

ataque fulminante. A partida foi interrompida a dez minutos do final. O corpo de


Albano saiu da sede de General Severiano e, quando passava em frente ao
Mourisco Mar, o então presidente do  C.R.Botafogo, Augusto
Frederico Schimidt decidiu que os times não poderiam ser adversários porque
naquele dia os dois foram vencedores, então selou a fusão dos times.
O Botafogo está com aproximadamente 77 anos de tradição após sua
fusão, mas de acordo com o comprovante de inscrição da Receita Federal
consta o ano de 1970, totalizando 49 anos de empresa.
O clube de futebol em seu enquadramento do faturamento anual
conforme o Regime Tributário Brasileiro está como lucro presumido, tendo
como natureza jurídica associação privada, pois segundo Borges (2018)
associação é uma forma organizada quando um número de pessoas se
organizam, tendo ou não personalidade jurídica, sem fins lucrativos para a
realização de um objetivo comum que se encontra prevista nos artigos 53 a 61
da Lei n.º 10.406, de 07/01/2002 (Código Civil).
Além disso, o time conta com 33 colaboradores para auxiliar na
demanda administrativa e financeira, começando pela seguinte ordem
hierárquica: Nelson Mufarrej - atual presidente, em seguida Carlos Eduardo
Pereira - vice-presidente Geral, Domingo Fleury – VP jurídico, Marcelo Fonseca
– VP de comunicação, entre outros. No ano de 2018 foram mantidos vínculos
com 85 atletas profissionais entre contratados, formados e emprestados ou
participação em jogadores de outros clubes conforme o site oficial do time. Já
no seu quadro de funcionários da comissão técnica e do futebol profissional,
são cerca de 49 colaboradores engajados para garantir o bem-estar do time,
entre as profissões são: clínico geral, motorista, ortopedista, psicólogo,
nutricionista etc.

2.1.1 Missão

  
De acordo com Valadares (2002), “a missão da empresa pode ser dita
como uma declaração sobre a razão de ser, aquilo que mostra onde a empresa
deseja chegar e como deve chegar, mostrando aos outros de uma forma
coerente e objetiva, entendido por todos que deseja saber, por isso deve-se
elaborar a missão com muita cautela”. Pensado nisso, a missão da empresa
8

é: Construir diariamente um clube reconhecido pela sua excelência de gestão,


transformando emoção em resultados.
 

 2.1.2 Visão

Collins e Porras (1998) acreditavam que “a Visão deva mostrar um


estado futuro esperado com estimativa de 10 a 30 anos para concluir o que
deseja ou como a empresa deva estar, pois um curto prazo é algo
desafiador”. Então a visão do Botafogo é: Sermos o clube mais vencedor no
campo esportivo, formando e revelando talentos, para orgulho de nossa
torcida.
 

 2.1.3 Valores

  
Segundo Tamayo e Gondim (1996), “conceituava que o princípio da
empresa se dava a hierarquia, de acordo com o comportamento para
demonstrar a vida da empresa e seus interesses de serviços individuais,
coletivo ou misto”. Os valores da empresa Botafogo não foram divulgados no
site oficial. 

2.2 Planejamento tributário

Segundo Ribeiro (2014), o planejamento tributário também conhecido


como planejamento fiscal, é uma importante ferramenta de gestão utilizada
para a redução de pagamentos sobre os tributos incidentes, a busca de
lacunas ou brechas existentes na legislação para que não haja sonegação e
até mesmo a eliminação da obrigatoriedade sobre o recolhimento de tributos do
contribuinte ao governo.
Com o planejamento tributário é possível à empresa saber os valores a
serem recolhidos e prevenir-se de imprevistos com a falta de recursos
financeiros nas datas dos vencimentos estabelecidos pela lei, caso não haja os
pagamentos dentro do prazo os impostos consequentemente ficam mais caros,
pois ocorre acréscimo de juros e outras punições mencionadas em artigos.
9

Com o aumento da competitividade de vendas entre as entidades, elas


tendem a buscar maior eficiência no processo produtivo para melhorar a
qualidade de seus produtos, reduzir os custos de fabricação e oferecer ao
mercado o menor preço possível na área de vendas, assim agregar em seus
produtos somente os benefícios que serão valorizados e reconhecidos por seus
clientes.
Ao fixar o preço de um produto na área de venda, consideram-se os
seguintes elementos por sua fabricação: custo de fabricação, despesas fixas,
despesas variáveis, tributos e margem de lucro.
Para reduzir os custos da empresa e alcançar o menor preço do
mercado, as entidades trabalham também com a redução dos custos da carga
tributária. Com isso, as empresas costumam contratar profissionais para fazer
o Planejamento Tributário, como Contadores, Administradores, Advogados ou
Economistas.
É muito comum as empresas contatarem um ou mais profissionais para
fazer o planejamento de cada tributo, um para fazer o planejamento sobre o
ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços), outro para IPI
(imposto sobre produtos industrializados), outro para IR (imposto de renda) e
assim por diante.
A principal finalidade do planejamento tributário é reduzir a carga
tributária da entidade com o conhecimento sobre as obrigações e
compromissos que as entidades tem junto ao Governo, pode-se escolher entre
duas ou mais opções legais que resulte ao menor valor a recolher, entre elas
pode-se utilizar o procedimento Elisão Fiscal.
 Elisão Fiscal: Procedimentos legal realizados pelas entidades para a
redução da carga tributária, aproveitando as lacunas ou brechas existentes
na legislação, é a prática utilizada para evitar a ocorrência do fato gerador
do tributo, fazendo com que a empresa pague menos tributos.
Assim como existe o procedimento legal que permite um planejamento
tributário de acordo com a Lei, existem também procedimentos contra a Lei, e
que muitos utilizam para “escapar” da fiscalização sobre os tributos.
 Sonegação: Também conhecido como Evasão fiscal, é um procedimento
ilegal, fraudulento, fora da Lei, praticado pelos contribuintes visando o não
recolhimento ou redução dos tributos exigidos por Lei.
10

2.2.1 Benefícios de um planejamento tributário adequado

 Ajuda a administração a conhecer os recursos financeiros que necessita


para recolher aos cofres do governo na data de vencimento para não haver
atrasos resultando em multas;
 Redução de custos com a carga tributária de acordo com sua empresa.
Ajuda a evitar o aumento de despesas pagando todos seus compromissos
em dia;
 Aproveitamento de benefícios de isenção nos regulamentos dos tributos,
oferecidos pelo Fisco;
 Redução de carga tributária pela prática de elisão fiscal.

2.2.2 Sistema tributário nacional

Segundo Ribeiro (2014), o sistema tributário nacional é regido pelo


disposto na Emenda Constitucional n.18, de 1° de dezembro 1965, em leis
complementares, em resoluções do Senado Federal e, nos limites das
respectivas competências, em leis federais, nas Constituições e em leis
estaduais e municipais.
O CTN (Código Tributário Nacional) institui normas gerais de direito
tributário aplicáveis ao Distrito Federal e Municipal, Estados e União.
No sistema tributário Nacional existem cinco modalidades diferentes e
importantes sobre a Fiscalização dos Tributos, sendo assim cada modalidade
tem um objetivo diferente. Segue abaixo as modalidades mencionadas:

1 - Impostos: Os Impostos são cobrados pelos Estados, União, Municípios ou


Distrito Federal independente de qualquer atividade específica ao contribuinte.
Os impostos incidem em nossos imóveis, sendo assim pagamos IPTU (Imposto
sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana). Incidem em nossas compras,
quando adquirimos algum produto desde uma bala à um veículo, somos
contribuintes de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços).
11

2 - Taxas: Cobradas pelos Estados, União, Municípios ou Distrito Federal, as


taxas tem como fato gerador, o momento em que serão utilizados algum
serviço público específico e divisível ao contribuinte.

3- Contribuição de melhorias: Cobradas pelos Estados, União, Municípios


ou Distrito Federal, tem como fato gerador a melhoria de obras públicas perto
de imóveis. Os donos desses imóveis que estão próximos à obra pública, terão
que pagar a Contribuição de melhorias pois seu imóvel será mais valorizado.

4 - Empréstimo Compulsório: É devido somente em casos de despesas


extraordinárias, casos em que os recursos não sãos necessários para
execução sobre calamidade pública, guerra externa, investimento público feito
com urgência para relevante interesse nacional.

5 - Contribuições Sociais: Nos termos da Lei, estabelece que a Seguridade


Social seja financiada por toda sociedade seja de forma direta ou indireta,
seguidos pelos recursos dos orçamentos dos Estados, União, Municípios e do
Distrito Federal e das contribuições sociais. As contribuições Sociais incidem
sobre a folha de pagamento, receita ou faturamento, lucro entre outros.

2.2.3 Legislação Tributária

Segundo Ribeiro (2014), a legislação tributária compreende as leis e as


convenções internacionais, decretos e normas complementares utilizadas
sobre os tributos e reações jurídicas a eles pertinentes.
Somente a Lei pode estabelecer a empresa, a redução ou a extinção
sobre a obrigação a recolher o tributo. A Lei estabelece a fixação da alíquota
do tributo na base de cálculo dos tributos incidentes.
É obrigação dos contribuintes pagar seus tributos de acordo com a Lei e
essa obrigação imposta pela legislação pode ser principal ou acessória. A
obrigação principal surge com a ocorrência do fato gerador, tem o objetivo o
pagamento do tributo ou penalidade pecuniária e extingue-se junto com crédito
dela decorrente e a obrigação acessória surge da Legislação tributária e tem o
12

objetivo a prestação positiva ou negativa, nela prevista no interesse da


arrecadação ou fiscalização dos tributos.

2.3 Tributos sobre compras e vendas

De acordo com o site Portal da Contabilidade (2019) o IPI e ICMS são


considerados tributos sobre compra e venda o IPI quando é descrito na nota
fiscal e é cobrado do cliente e contabilizado diretamente no passivo circulante.
Já o ICMS é descrito em contas de resultado. A formação dos seguintes
tributos é:
Faturamento Bruto
(-) IPI Faturado
(-) ICMS substituição tributaria
(=) Receita operacional bruta
O PIS e COFINS são descritos sobre a receita de vendas que serão
debitadas em contas próprias de resultado tendo como contrapartida contas do
passivo circulante.
Já o ISS é uma escrituração que pode ser feita de nota fiscal por nota
fiscal mensalmente com base na escrituração do livro fiscal caso a empresa
opte pela escrituração resumida, por exemplo, efetuar os lançamentos em
partidas mensais.

2.3.1 Tributos sobre lucro

Segundo o site Portal da Contabilidade (2019) a parte principal na


contabilização dos tributos sobre o lucro é como contabilizar os efeitos fiscais
da entidade. Como a fatura recuperação do valor contábil dos ATIVOS que são
reconhecidos no balanço patrimonial da entidade e operações e outros eventos
do período atual que são reconhecidos nas demonstrações contábeis da
empresa.
A norma obriga que a empresa contabilize os efeitos fiscais das
transações e de outros eventos da mesma maneira que ela contabiliza as
próprias transações e outros eventos. Contudo, as transações e outros eventos
13

só serão reconhecidos no resultado quando os efeitos fiscais também será


reconhecido no resultado.

2.3.2 Forma de tributação pelo IRPJ

 SIMPLES NACIONAL: Conforme o Portal da Contabilidade (2019) o simples


nacional é um regime de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos
aplicável as Microempresas, e empresas de pequeno porte. Possui em
todos os estados federais.

 LUCRO PRESUMIDO: De acordo Fabretti (2012), lucro presumido está


isento dos IR, os lucros ou dividas efetivamente pagos aos sócios,
acionistas ou titulas da empresa individual que não ultrapassem o valor que
serviu de cálculo no IRPJ e deve ser partida aos sócios na proporção de
sua participação do capital social.

 LUCRO REAL: Segundo Fabretti (2012), o lucro real é apurado e o


resultado contábil, e são deduzidos os valores referentes a provisões para o
ir e para CSI, o saldo restante é denominado como lucro líquido , sendo
assim, do resultado econômico são abatidos as provisões para os tributos
sobre o lucro e o valor remanescente fica à disposição dos sócios ou
acionistas para deliberarem sobe sua destinação.

 LUCRO ARBRITADO: Conforme Fabretti (2012) o lucro arbitrado é tido


como rendimento pago aos sócios, acionistas ou titular de firma individual,
não está sujeito à incidência IRF, nem comporá a base de cálculo do ir do
beneficiário, pessoa física ou jurídica.
A base de calculo é correspondente de acordo com o período de
apuração. Como regra básica, integra a base de calculo com o rendimento de
capital e com os ganhos.

2.3.3 Forma de tributação de CSLL


14

Segundo o Portal da Contabilidade (2019) o CSLL é aplicado na


apuração de pagamento estabelecido para o imposto de renda das pessoas
jurídicas, mantidas a base de cálculo e as alíquotas previstas na lei.
Com isso além do IRPJ a pessoas jurídicas escolhe sua forma, também
devera recolher a contribuição social sobre o lucro presumido (CSLL). Das
entidades que optou pelo lucro presumido corresponde:
 12% da receita bruta das atividades comerciais, industriais, serviços
hospitalares e de transporte.
 32% para prestação de serviços, intermediação de negócios e
administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de
qualquer natureza.

2.4 Análise da empresa e suas obrigações tributariam

(Fonte: Capelo, 2018)

De acordo com as pesquisas realizadas sobre a empresa, é significativa


suas dívidas fiscais e trabalhistas, isso aconteceu com o seus administradores
antigos que não fizeram o pagamento correto de suas obrigações, contudo a
empresa equacionou com a entrada do PROFUT, um programa instituído em
2015 pelo governo federal que permitiu que os times de futebol alongassem o
pagamento dessas dívida em até 20 anos de modo que as parcelas
15

combinadas forem pagas em dia assim o governo para de pegar o dinheiro e


ameniza o fluxo de caixa.
Mas com isso só foram à metade paga, o que ainda tem é ações
trabalhistas, como ações judiciais de antigos funcionários que levaram calotes
e com isso essas ações acarretaram penhoras. Com um bom lucro que tiveram
com a Libertadores de 2009, isso o ajudou em sua receita, pagando um pouco
a mais de suas dividas, porém ainda sim, não foi o suficiente, pois são muitos
credores, o Botafogo só conseguiu se estabilizar depois que entrou no ato
trabalhista, uma espécie de fila de pessoas a quem o time deve dinheiro, o
acordo fica com um percentual das receitas alvinegras, mas não tudo, e as
pessoas vão sendo pagas conforme a fila anda.

2.5 Planos de melhorias

Com base nos estudos, podemos dizer que há um número considerável


de deveres a serem feitos para organizar melhor o Botafogo, começando
principalmente pela renegociação de suas dívidas junto ao INSS.
Acreditamos que Botafogo deveria realizar mais jogos de alto nível,
como por exemplo, disputar a libertadores e também vencer grandes
campeonatos, como os estaduais e nacionais. O Botafogo tem ganhado
grandes jogos nos últimos anos, como aconteceu nas temporadas passadas de
2016 e 2017. Com uma singela melhoria o Botafogo foi chamando para assinar
um contrato de televisão, válido entre 2019 a 2024.
Com todas essas mudanças os botafoguenses cresceram nas demais
linhas de arrecadação, por esse motivo o departamento comercial de marketing
dobrou seus patrocínios para R$ 19 milhões, as bilheterias foram quase
triplicadas e chegou a R$ 21 milhões, o sócio torcedor triplicou de fato e bateu
R$ 8 milhões, infelizmente não foi suficiente para diminuir suas dívidas com o
FISCO.
Foram precisas algumas atitudes radicais, por isso alguns gastos foram
cortados, porém as dívidas continuam aumentando e o fluxo de caixa não bate
com o orçamento da “empresa”.
Com a mudança na lei o Botafogo poderá fazer parcelas das dívidas
tributarias com o governo federal, estadual e municipal. Poderá abranger
16

dívidas de natureza tributária ou não tributária, inclusive valores descontados


de terceiros (INSS ou IRPF descontados do empregado e não recolhidos, por
exemplo) ou de tributos cujo recolhimento caiba ao substituto tributário.
Podendo zerar as alíquotas do imposto de renda, da contribuição social sobre o
lucro líquido do PIS/COFINS incidentes sobre a receita obtida pelo cedente
com a cessão de créditos de prejuízo fiscal e de base de cálculo negativo da
CSLL para pessoas jurídicas controladas ou coligadas.
O Botafogo também conta o auxilio de uma equipe de auditoria
especializada, sendo realizada por empresa altamente qualificada, reconhecida
atuado no mercado nacional e internacional em análises empresarial e
administrativa, a BDO.
17

3. CONCLUSÃO

Ao longo do que foi pesquisado podemos analisar que o Botafogo


obteve essa situação financeira devida uma má gestão de seus antigos
administradores, acarretando um acúmulo de credores, incluindo os seus
colaboradores.
Além disso, relatamos o enquadramento da empresa no PROFUT 2015,
onde o Botafogo pode usufruir em seu favor e amenizar o fluxo de caixa, porém
mesmo com essa vantagem ainda restaram muitas dívidas a serem quitadas.
De acordo com a nossa análise elaboramos melhorias para o Botafogo
conseguir liquidar as suas dividas, inicialmente é necessário ter uma boa
gestão e organização, ou seja, ter um bom planejamento financeiro, além
disso, também é preciso investir no marketing do grupo e no treinamento dos
profissionais para obter resultados econômicos significativos.
O time Botafogo sabe a importância de honrar com as suas dividas, por
isso parcelou uma boa parte de seus débitos com o FISCO a fim de
conseguirem saldar suas obrigações e retornar ao auge da sua carreira.
Portanto concluímos que estar em dia com os tributos na qual a empresa
está destinada a pagar é um reflexo de como está a sua situação econômica,
pois se a empresa não consegue honrar com as obrigações é sinal que algo
não vai bem, o ideal é não acumular dividas, mas caso aconteça negocia-las é
a melhor solução.
18

4. REFERÊNCIAS 

BORGES, Leandro. O que é uma Associação: Como criar e gerir. 2018.


Disponível em: <https://blog.luz.vc/o-que-e/associacao/>. Acesso em: 07 mar.
2019.

BOTAFOGO, Site Oficial do. História: Trajetória Gloriosa. 2018. Disponível


em: <https://www.botafogo.com.br/historia.php?cat=oclube>. Acesso em: 20
mar. 2019.

BOTAFOGO, Site Oficial do. Missão e Visão. 2017. Disponível em:


<https://www.botafogo.com.br/transparencia/missao.php>. Acesso em: 25 mar.
2019.

BOTAFOGO, Site Oficial do. Comissão: Quem faz o futebol. 2019. Disponível


em: <https://www.botafogo.com.br/comissao.php?cat=futebol>. Acesso em: 17
abr. 2019.

BOTAFOGO, Site Oficial do. Organograma. 2017. Disponível em:


<http://www.botafogo.com.br/transparencia/organograma.php>. Acesso em: 28
abr. 2019.

COLLINS, James Charles; PORRAS, Jerry I. Feitas para Durar: práticas bem-
sucedidas de empresas visionárias. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. 

CAPELO, Rodrigo. As finanças do Botafogo: três anos depois, o estado


melhora, o martírio continua. 2018. Disponível em:
<https://epoca.globo.com/esporte/epoca-esporte-
clube/noticia/2018/05/financas-do-botafogo-tres-anos-depois-o-estado-melhora-
o-martirio-continua.html>. Acesso em: 02 abr. 2019.

CONTABILIDADE, Portal da. Tributos Sobre o Lucro. 2018. Disponível em:


<http://www.portaldecontabilidade.com.br/nbc/t192.htm>. Acesso em: 05 abr.
2019.
19

CONTABILIDADE, Portal da. Tributos Sobre Vendas. 2018. Disponível em:


<http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/tributosvendas.htm>. Acesso
em: 03 abr. 2019.

FABRETTI, Laudio Camargo. Contabilidade Tributária. 11. ed. São Paulo:


Atlas, 2012.

PEDREIRA, Pilar. Leis sancionadas permitem parcelamento e desconto de


dívidas de pessoas e empresas com o governo. 2017. Disponível em:
<https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/10/25/leis-sancionadas-
permitem-parcelamento-e-desconto-de-dividas-de-pessoas-e-empresas-com-o-
governo>. Acesso em: 10 abr. 2019.

RIBEIRO, Osni Moura; PINTO, Mauro Aparecido. Introdução a Contabilidade


tributária. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. 231 p.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São


Paulo: Cortez Editora, 2010. 336 p. (5).

TAMAYO, A.; GONDIM, M.G.C. Escala de Valores Organizacionais. Revista


de Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo, v.31, n. 2, p. 62-
72, abri./jun. 1996

VALADARES, M.C.B. Planejamento Estratégico Empresarial. Rio de


Janeiro: QualityMark, 2002. 
 

Você também pode gostar