Você está na página 1de 237

BUNKER - 2021

UNIDADE DIDÁTICA II – A ATUAL FASE DO CAPITALISMO: GLOBALIZAÇÃO E


REESTRUTURAÇÃO

OBJETIVO ENGLOBANTE: Relacionar a globalização, a reestruturação produtiva e a revolução


informacional no contexto do capitalismo, para explicar a evolução dos processos produtivos.

1. INTRODUÇÃO
IC
A globalização é a atual fase do processo de expansão do capitalismo, na qual se destacam como aspectos
principais, a ampliação da reprodução do capital e do consumo.
Capitalismo é um sistema econômico baseado na propriedade privada dos meios de produção e sua
operação com fins lucrativos.

DET
1ª Revolução Industrial - Inglaterra - 1760-1860 (Máquina a vapor e prensa manual)
2ª Revolução Industrial - 1860-1950 (Telefone, rádio, TV, petróleo)
3ª Revolução Industrial - 1970-2000 (Atualização/ diversificação da matriz energética e mudanças na área
da comunicação - Internet e computador pessoal)
4ª Revolução Industrial - 2000- Tecnologia, Big Techs (Google, Apple, Amazon, Netflix, Facebook)
Ideias Complementares
5a Revolução Industrial - Internet das Coisas - Nanotecnologia

2. - Assunto 3 - O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA CAPITALISTA


Obj: Analisar o processo de desenvolvimento do capitalismo.

a. O processo de desenvolvimento do capitalismo


i. Capitalismo Comercial - Mercantilismo (Conduzido pelo Estado)
ii. Capitalismo Industrial - Liberalismo (Adam Smith) - Primeira Revolução Industrial
1. Mão invisível do Mercado - Autorregulação - Lei da oferta e da procura
iii. Capitalismo Financeiro - Segunda Revolução Industrial até 1929
iv. Capitalismo Informacional - Keynesianismo - 1950 - Neoliberalismo - Terceira Revolução
Industrial
1. Monopólios/ Oligopólios/ Cartéis/ Holding (conglomerados)
2. Crítica a "Mão invisível" do Mercado - Interferência do Estado para Recuperação da
economia
3. Mercado de capitais
v. Origem - expansão marítima e internacionalização do capital entre os séculos XV e XVI
vi. Colonialismo - potencializou a acumulação de capital e poder da burguesia e Estados
(América)
vii. Neocolonialismo/ Imperialismo - adaptação às novas demandas do sistema capitalista (Ásia
e África/ Conferência de Berlim)
1. 1ª e 2ª Revolução Industrial - avanços técnicos / demandas de capital e matéria prima
2. Concorrência acirrada - favoreceu a concentração de capital e formação de grandes 1
empresas
3. Partilha da África e Ásia - sustentar o desenvolvimento das potências
viii. A partir da 2ª Guerra Mundial:
1. Controle territorial - custoso política e economicamente
2. EUA e URSS - nova ordem mundial livre de tradicionais colônias - sem caráter
exploratório colonialista
3. Nova forma de exploração imperialista:
a. Domínio dos aspectos econômicos, políticos e psicossociais
b. controle e regulação dos mercados
c. controle das instituições internacionais de poder
d. controle das mídias

b. Divisão Internacional do Trabalho - DIT


i. Divisão da produção internacional - países desenvolvidos e em desenvolvimento
ii. Evoluiu com o capitalismo - reduzir custos, ampliar produção e aumentar lucros
iii. Processo dinâmico que sofre alteração de acordo com as demandas dos países
iv. Especialização na produção - exportação traz mais lucros do que autossuficiência em tudo
v. Busca intensificar as trocas comerciais.
vi. Países menos desenvolvidos
1. Produtos básicos
2. Matéria-prima
3. mão-de-obra barata
4. impostos reduzidos
vii. Países desenvolvidos
1. Produtos com maior valor agregado - eletrônicos/ tecnológicos
viii. Aspecto Negativo da DIT: responsável pelo aumento da desigualdade entre países (Balança
comercial - produtos de baixo e alto valor agregado)
ix. A globalização é um fenômeno complexo e multifacetado. Há a permeabilidade das
fronteiras nacionais - redes transnacionais de produção, comércio e finanças.
x. Alguns autores defendem a ideia de que a globalização enfraquece o papel do Estado como
principal agente econômico.
xi. Em momentos de crise econômica, como aquela iniciada em 2008, há uma tendência de
recrudescer o protecionismo e o nacionalismo.
xii. Após essa crise financeira, muitos economistas declararam que as teorias liberais do laissez-
faire estariam superadas. Exemplo: Argentina tem utilizado mecanismos como licenças não
automáticas de importação, para reduzir a entrada de produtos importados, mesmo aqueles
provenientes do Mercosul.
xiii. Fases da DIT
1. 1ª Fase: Aplicação do Capitalismo Comercial
a. Séculos XV e XVI
b. Países colonizados exportavam matéria-prima, mão-de-obra escrava
c. Países metrópoles exportavam produtos manufaturados elaborados
2. 2ª Fase: Aplicação do Capitalismo Industrial
a. Séculos XVII, XVIII e XIX
b. Colônias independentes - Países subdesenvolvidos - exportação de matéria-
prima para países desenvolvidos
c. Países desenvolvidos - industrializavam as matérias primas
3. 3ª Fase: Capitalismo Financeiro
a. Séculos XX e XXI
b. Países em desenvolvimento exportam matéria-prima e produtos
2
industrializados
c. Países desenvolvidos
i. Exportam tecnologia
ii. Montam fábricas em países em desenvolvimento - mão-de-obra mais
barata, menor custo (Ford, VW, Apple, Nike)
xiv. DIT Clássica: Países subdesenvolvidos produzem matéria prima para que os desenvolvidos
industrializem.
xv. DIT da Nova Ordem Mundial: Países em desenvolvimento produzem matéria prima e
mercadorias mais caras.
xvi.
3. - Assunto 4 - OS MODELOS DE PRODUÇÃO FORDISTA E PÓS-FORDISTA
Objetivo: Distinguir os modelos de produção fordista e pós-fordista.
1. Modelo de produção fordista
a. Taylorismo
i. Surgiu no início do século XX. Implementou a subdivisão e especialização do
trabalho, visava o aumento da produtividade.
ii. Foi um dos fatores da crise da superprodução em 1929.
iii. O Fordismo adaptou o Taylorismo.
iv. Liberalismo econômico
b. A partir de 1930 - período da 2ª Revolução Industrial
c. Keynesianismo

d. Produção e consumo em massa (foco na quantidade para obtenção de lucro)


e. mão-de-obra com baixa necessidade de qualificação (redução dos gastos)
f. Padronização das mercadorias - produção em série
g. Produção inflexível -sistema de esteiras
h. Grande urbanização- surgimento de aglomerados industriais . Ex: ABCD paulista
3
i. Centralização do controle da produção- engenheiro industrial
j. Problemas surgidos: absenteísmo e elevado turnover
k. Óbices surgidos pelo modelo fordista, a partir de 1955:
- Operário sem perspectiva de carreira- alienação da produção
- Saturação dos mercados nos países desenvolvidos
- Queda da Produção e lucratividade das empresas
- Concorrência Internacional desencadeado pela recuperação da Europa Ocidental
- Ascensão do Japão e países com recente industrialização
- Aumento dos custos de produção- relacionado com aumento dos gastos com energia
e elevados custos com mão-de-obra
- Elevados danos ao meio ambiente-poluição das fábricas
- Baixa variedade dos produtos

2. Modelo de produção pós-fordista (Toyotismo)


a. A partir de 1970 - 3ª Revolução Industrial
b. Neoliberalismo econômico - Globalização
c. Keynesianismo
d. Modo de produção “Just in Time” - de acordo com a demanda (reduzida estocagem)
e. Qualificação da mão-de-obra
f. Constante renovação da linha de produção - novos modelos no mercado consumidor
(atratividade)
g. Flexibilização do processo produtivo - maior poder de iniciativa para o operário, na busca
pela maior efetividade da produção
h. Grande automação - inovações tecnológicas
i. Terceirização de parcela do processo produtivo - fornecedores terceirizados
j. Busca por novas áreas para desenvolvimento industrial (fuga dos grandes centros) -
dispersão da produção (Desconcentração industrial)
k. Descentralização do processo produtivo - grupos de trabalho
l. Ênfase no ambiente - Aumento dos direitos trabalhistas - bem- estar social
m. Incentivo a educação - Empresas próximas de Universidades e Centros de Pesquisa -
patrocínio estudantil
n. Maior participação da mulher no processo de produção (empresas com cerca de 45% de
efetivo feminino no operariado)
o. Redução dos níveis hierárquicos
p. Toyotismo link descomplica toyotismo

Taylorismo Fordismo Toyotismo

Pequenos lotes, produção


Produção Em massa, de bens homogêneos.
diversificada.
Baseado no rendimento Baseado no ritmo das Baseada na demanda dos
Ritmo de trabalho
individual. máquinas e da esteira. clientes e no trabalho em grupo.
Estoque Manutenção de grandes estoques. Não fazem estoque.
Obj de produção Voltada para recursos. Voltada para a demanda.

Controle de São feitos ao longo do


São feitos no final da linha de montagem.
qualidade processo.

4
O trabalhador realiza múltiplas
Tarefas O trabalhador realiza uma única tarefa.
tarefas. Qualificado
Autonomia de Alta subordinação aos Subordinação
Exercida de forma estrutural.
trabalho gerentes. levemente atenuada.

Espaço de trabalho Divisão espacial. Integração espacial.

Ideias Estado de bem-estar social. Estado Neoliberal.

Demandas Coletivas. Individuais.

Poder Estado e sindicatos detém o poder. Poder financeiro e individual.

4. Assunto 5 - REVOLUÇÃO INFORMACIONAL E O ATUAL PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO


Objetivo:

- Analisar a importância das novas tecnologias na consolidação das relações de poder no mundo
contemporâneo.

- Compreender o papel das redes informacionais.

- Examinar o processo de aceleração dos fluxos de informação, capitais, mercadorias e pessoas.

- Comparar as noções de globalização, fragmentação e exclusão.

1. A importância das novas tecnologias na consolidação das relações de poder no mundo


contemporâneo
a. A internet tem papel relevante nas interações sociais e na construção de uma sociedade
em rede.
b. Novas tecnologias contribuem para o surgimento de fábricas inteligentes (Ex: inteligência
artificial, internet das coisas, drones etc - fábricas com menos funcionários)
c. Estabelecimento de nova Divisão Internacional do Trabalho (DIT)
1) Países desenvolvidos - concentram bens de alto valor agregado - intenso uso de
tecnologia de ponta em sua produção.
2) Países emergentes - fornecedores de produtos industrializados de baixa ou média
intensidade tecnológica (Brasil, Índia, México, Tigres Asiáticos, China).
d. As novas tecnologias interferem na circulação de riquezas (Ex: FinTechs - tecnologias
para o setor financeiro)
e.
f. As grandes empresas de tecnologia (BigTechs - Google e Facebook) têm demonstrado
capacidade de influenciar comportamentos, consumo, discursos, disseminação de
informações;
E Daí? As novas tecnologias são importantes para darem suporte à aceleração do fluxo de capitais,
mercadorias, informações e pessoas.

2. Compreender o papel das redes informacionais


a. Permite estabelecer a comunicação como meio de poder (internet permite a
"comunicação" das massas - controle de narrativas)
b. Aumentam as interações sociais e mudam a estrutura social (Whatsapp);
c. Proporcionam flexibilidade e adaptabilidade às corporações e à sociedade
d. Altera a relação espaço-tempo e a concepção de distância (Vídeo Chamadas)
e. Democratização do acesso à informação (Descomplica e EaD);
f. individualidade/privacidade ameaçada pelas redes (Hackers);
5
3. Examinar o processo de aceleração dos fluxos de informação, capitais, mercadorias e
pessoas
a. Desenvolvimento das redes de infraestrutura energética
1) melhoria no fornecimento de energia
- integração dos sistemas elétricos
2) desenvolvimento de energias sustentáveis
- solar, eólica, biomassa
3) avanço da tecnologia
- melhoria na capacidade de carga das baterias
- veículos elétricos
- barateamento de painéis fotovoltaicos
b. Desenvolvimento das redes de comunicação
1) aumento do fluxo de capital financeiro internacional
2) facilitação de transferência de recursos e realização de investimentos especulativos
e produtivos em diversos países
3) difusão de informação - mídia - turismo
4) Sistemas de redes horizontais - universalização do acesso e da capacidade de
produzir e disseminar informações.
5) Comunicação como forma de exercer o poder.
c. Desenvolvimento das redes de transporte
1) expansão da capacidade de cargas - navios
2) Melhoria das estruturas logísticas - sistema de container
3) redução dos custos com transporte
4) possibilitação de distribuição das distintas etapas produtivas
5) aumento do fluxo de pessoas

d. 4ª Revolução industrial
1) Inteligência artificial
- robótica, impressora 3D, nanotecnologia, carros autônomos, telefonia 5G, internet
via satélite, machine learning
2) Internet das Coisas, Armazenamento em nuvens,
3) automação das fábricas (Fábricas inteligentes - Apple)
e. A dispersão de produção por várias partes do globo tem contribuído para o aumento dos
fluxos de capitais, informações, mercadorias e pessoas. A aceleração desses fluxos é uma
das principais características da globalização.
f. Aceleração dos fluxos de capitais e mercadorias. A 3ª RI produz um acelerado
dinamismo no fluxo de capitais e mercadorias indispensáveis na economia
contemporânea.

4. Comparar as noções de globalização, fragmentação e exclusão


a. A globalização pode ser vista como um processo de aprofundamento internacional da
integração econômica, social, cultural e política. (Integração)
b. A globalização sob outra ótica pode ser vista como um processo de fragmentação pois
compartimenta a produção, causa conflitos de identidade e regionalistas, divide territórios
nacionais anteriormente consolidados e aumenta as desigualdades sociais.
c. A Globalização está ligada à exclusão para alguns autores pelo fato do avanço
tecnológico não atingir todas as camadas da população.

6
5. Assunto 6 - O ESTADO DIANTE DOS DESAFIOS DA GLOBALIZAÇÃO
Objetivo:

Analisar a situação do Estado-Nação diante dos novos desafios impostos pela globalização.

1. Novos desafios impostos pela Globalização


a. Generalidades
1) Agentes externos oferecem grande interferência e influência nas atribuições e ações dos
Estados.
b. Paz de Westfália ultrapassada - Carta das Nações Unidas impõe limite consensual ao arbítrio
da soberania dos Estados.
c. Nova dinâmica de produção e circulação de bens e capitais.
d. Papel da mídia (Imprensa)
e. Papel de mídias sociais
f. Fortalecimento do neoliberalismo - livre concorrência, intervenção mínima do Estado,
abertura econômica/financeira e enxugamento Estatal (Texto do EBAula: neoliberalismo
pode diminuir a soberania do Estado)
g. protagonismo dos organismos internacionais (ONU, OMC, OMS, Banco Mundial e FMI)
h. protagonismo das ONG (GreenPeace, Greta Thunberg, Médicos Sem Fronteira)
i. Organização em redes e intensificação do fluxo de informações, capitais, mercadorias e
pessoas
1) reduz a capacidade do Estado de controlar seu território - Ameaça à soberania
2) tráfico de pessoas, biopirataria (animais e plantas)
3) narcotráfico, tráfico de armas
4) contrabando
5) evasão de divisas
6) terrorismo
7) imigração ilegal
Ex: - Fronteira permeável do Brasil
- refugiados da África e Oriente Médio deslocando-se para a Europa
- migração venezuela
- Ingerência da ONU sobre questões ambientais
- trânsito de drogas México, Brasil, EUA e Europa
- OMS e pandemia

- Controle e regulação da expansão do capital - crises da bolsa de valores


- Aumento do poder de corporações transnacionais - arrecadações maiores que PIB de alguns países
- Organização em blocos econômicos - perda da autonomia Estatal em relação à economia
- Especulação financeira de cartéis/ monopólios e bolsa de valores - Estado como instituição
secundária
- Pressão exercida por multinacionais - expansão pós 1970 - afetando soberania dos Estados
- A nova Divisão Internacional do Trabalho (DIT) dificulta o controle do processo produtivo pelo
Estado em seu território.
- Segundo a teoria realista de Raymond Aron, o Estado ainda desempenha um papel estratégico a
despeito do processo de globalização econômica. Isso se materializa na manutenção de sua
prerrogativa de controlar o fluxo de informações a qualidade e natureza dos produtos, fiscalizar e
tributar mercadorias e serviços, etc.
- O Estado perdeu parcialmente a importância como agência decisória, diante da força poderosa do
mercado globalizado e dos fluxos financeiros que não respeitam as fronteiras nacionais.

7
- O processo de globalização é definido por alguns setores intelectuais ou entre políticos de esquerda,
como uma analogia da luta de classes, contrário à Raymond Aron
- Atuação de organismos internacionais, que traçam políticas de alcance global e conformam relações
econômicas e sociais, reduz a margem de manobra do Estado para arbitrar suas próprias políticas
públicas internas.
- O fortalecimento das políticas neoliberais (Estado mínimo) - transfere para a iniciativa privada
transnacional o poder de decisão, intervenção e controle sobre o território, diminuindo o raio de
ação dos Estados.
- A segurança interna continua como obrigação dos Estados nacionais e direito do cidadão
- A Defesa permanece como responsabilidade do Estado, apesar do surgimento de empresas privadas
militares
E Daí?
Existem dois pensamentos (EBAULA):
1º - Globalização enfraquece a soberania Estado - amplia a exposição à desafios e faz com
que o Estado não tenha capacidade de se contrapor aos ditames da economia global, nem proteger a
comunidade e seu território
2º - A globalização não interfere na autonomia e soberania Estatal, pois as tendências
integradoras e globalizadoras contemporâneas colocam desafios aos Estados Nacionais. As
respostas aos desafios evidenciam sua força e vitalidade.

j. Outros assuntos (Ebaula)


k. Covid-19
1) isolamento social/ medidas de distanciamento social público
2) fechamento de fronteiras
3) cidades inteiras em quarentena como forma de conter a disseminação exponencial
4) impacto econômico: queda das bolsas de valores e expectativa de recessão
5) suspensão de eventos com aglomerações - shows, jogos, e mesmo eventos religiosos
6) suspensão de aulas (das redes pública e privada) - Ensino EAD
7) redução de jornada de funcionários públicos - HomeOffice - trabalho remoto
8) sobrecarga potencial dos sistema de saúde
9) restrição de funcionamento no comércio - verificação de temperatura
10) transmissão assintomática marca um desafio
11) diminuição da PEA reduz produtividade
12) intenção em preservar a população (fonte de mão-de-obra, fonte de mercado consumidor)
13) desaceleração na produção chinesa devido Covid poderia representar oportunidade para
outras economias
14) oportunidade ao setor agropecuário brasileiro na exportação diante da possível crise de
abastecimento devido Covid-19
15) LockDown - queda econômica - saturação da população - segunda onda/ cepa/ mutações
do vírus/ problemas de saúde (depressão)
16) Exploração política com viés ideológico
17) Ações brasileiras
a) Auxílio emergencial
b) Operação Oxigênio em Manaus
c) capacidade de mobilização do EB (H Camp)
E Daí?
- Possíveis reflexos do COVID 19:
- Aumento do multilateralismo. Diversificação dos fornecedores mundiais - menor dependência da
China

8
- Busca pela auto suficiência em itens básicos de saúde/ segurança alimentar? paralelo com a crise de
1929 - substituição de importações.
l. Amazônia
1) Desafio do Estado Brasileiro na Amazônia é a pressão internacional de ONG e Estados
desenvolvidos sobre a capacidade do Brasil em gerenciar os problemas da Amazônia.
2) Ações resposta do Estado Brasileiro: Op Verde Brasil, Op Ágata, PEF, criação de OM,
GLO Ambiental.
3) Operação Verde Brasil para conter queimadas na Amazônia (contexto de debates
internacionais sobre sua internacionalização) e combateu garimpo ilegal
4) Ascensão da questão ambiental a partir de 1960
5) Urbanização, industrialização, degradação ambiental, emissão gases do efeito estufa são
temas sobre debates internacionais envolvendo meio-ambiente.
6) O aumento do clima pode gerar insegurança alimentar, perda de áreas agricultáveis por
inundação, desertificação e erosão.
7) Debates sobre internacionalização da Amazônia da década de 1970 gerou a criação de
Áreas de preservação ambiental, diversas reservas e reforço da presença militar.
Ex: Brigadas em Marabá-PA (1976); Porto Velho-RO (1980); Boa Vista-RR (1991);
Tefé (1993) e São Gabriel da Cachoeira-AM (2004) e Macapá-AP (2017).
8) Uso de tecnologias com SIVAM/SIPAM para monitorar Amazônia.
9) Organização do Tratado de Cooperação da Amazônia - OTCA - (1985), Rio-92
(exemplos de atuação diplomática do Brasil) - foco em desenvolvimento sustentável.
10) Intensificação, a partir de 1980, da criação de Unidades de Conservação, Parques
Nacionais, Terras Indígenas para proteger população indígena e meio ambiente.
11) Cadastro Ambiental Rural: regulamenta a estrutura fundiária no Brasil (forma do
Governo Federal controlar a obrigatoriedade da preservação em propriedade rural).
12) Responsabilidades: IBAMA, Funai, ICMBio, MMA.
m. Terrorismo
1) Consiste no uso ilegítimo da força com a intenção de se alcançar objetivo político
2) Critérios para os EUA reconhecerem uma organização terrorista:
a) Ser um organismo internacional
b) engajar-se numa atividade terrorista definida
c) ameaça a segurança nacional dos EUA
3) Ex: ISIS
a) Expandiu-se no Iraque e Síria
b) uso da violência
c) recebe influência da Al-Qaeda (age descentralizado, celular e difuso)
4) Países com maior número de mortes devido a ataques terroristas: Afeganistão, Iraque, Índia,
Nigéria e Filipinas.
5) Grupos terroristas: Talibã, Isis, Al-Shabab (Somália), Boko Haram, PKK (curdos), Exército
de Libertação Nacional da Colômbia.
6) Alvos: cidadãos, instituições de ensino, propriedades privadas, instituição religiosa.
7) A política de combate ao terror nos EUA é eficiente: matou Abu Bakr, líder do Isis.
8) violência armada atual é não-estatal
a) endêmica
b) hiper-difusa
c) organizada
LEGENDAS
xxxxx Ideias que o grupo considerou como ideia força
xxxxx Ideias que geraram dúvida no debate. (Precisa verificar)
xxxxx Ideias de baremas
xxxxx Ideias que possivelmente estão erradas 9
BUNKER 2021

UD III - ORDENAMENTO MUNDIAL E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

OBJETIVO ENGLOBANTE: Comparar o ordenamento mundial no contexto das relações


internacionais, para explicar a existência dos pólos de poder mundiais e os blocos internacionais.

1. INTRODUÇÃO
IDEIA CENTRAL
Relações Internacionais: interações dos países no plano internacional: guerra, paz, comércio
internacional, progresso, desenvolvimento, meio ambiente, migrações, terrorismo.
Defesa Nacional: medidas e ações do Estado para a salvaguarda do território, da soberania e dos
interesses nacionais contra ameaças de natureza externas.

DELIMITAÇÃO DE ESPAÇO E TEMPO

IDEIAS COMPLEMENTARES
- Paz de Vestfália - 1648, após a guerra dos 30 anos - diplomacia ao invés da guerra como
solução para conflitos. Soberania do Estado. Estado provedor de segurança. Direito Internacional
Público.

2. ASSUNTO 7: NOÇÕES BÁSICAS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS


Objetivos:
Apresentar as principais teorias das Relações Internacionais
Compreender os principais temas que afetam as RI na atualidade
Analisar as novas dimensões do terrorismo no século XXI
Examinar a atuação do Terceiro Setor (ONG), em âmbito nacional

a. As principais teorias das Relações Internacionais


1) Teoria Idealista - Liberalismo
a) nasceu e se desenvolveu no mundo anglo-saxão como uma reação moral aos horrores da
Primeira Guerra Mundial.
b) Visão positiva da natureza humana - possibilidade de sociedade perfeita
c) Consequência para a análise das relações internacionais: no sistema internacional existe
o conflito, mas a cooperação também é possível.
d) Os atores não estatais são importantes entidades das relações internacionais.
e) O Estado não é um ator unitário - Integração
f) Ex: 14 pontos de Wilson/ princípios de criação da Liga das Nações/ Política de
Apaziguamento
g) A noção de Estado como ator racional não é útil para a compreensão das relações
internacionais.
h) Importância das instituições multilaterais e do Direito Internacional.
i) O Direito Internacional constrange ações dos Estados.
j) O acentuado papel do comércio internacional.(Livre comércio)
10
k) Correlação entre democracia e paz internacional.
l) Opinião pública como fator preponderante para a paz internacional.

2) Realismo
a) nasceu com o trágico fracasso da teoria do apaziguamento do Liberalismo
b) Maquiavel e Hobbes
c) Consequência para a análise das relações internacionais: o sistema internacional é
essencialmente conflitivo – a disputa pelo poder – a política de poder.
d) Ausência de poder soberano (autoridade política) nas RI.
e) Os Estados são os principais atores das relações internacionais (centralidade do Estado).
f) Os atores não estatais NÃO possuem um status relevante nas relações internacionais,
pois sua influência na dinâmica internacional sempre é indireta e por meio do Estado.
g) Os Estados são atores unitários ( a “caixa preta'' do Estado).
h) Os Estados são atores racionais.
i) A relevância do conflito no sistema internacional.
j) Os Estados são atores egoístas: a cooperação no SI é possível, porém somente se
obtiverem acentuada vantagem sobre o outro.
k) A sobrevivência no plano internacional.
l) A política de poder (elemento central).
m) O mecanismo da Balança de Poder como instrumento da estabilidade do sistema
internacional.
n) Anarquia do sistema internacional.

3) Neo-Realismo

a) A segurança como o assunto de maior importância nas relações internacionais (neo-


realismo).

4) Marxismo, ou Escola Radical


a) tem suas raízes no pensamento marxista, o qual não produziu uma teoria do sistema
internacional, mas sim da história da revolução social.
b) Nas décadas de 1920 e 1930, a Teoria Crítica, inspirada na tradição marxista e
desenvolvida na Escola de Frankfurt (Alemanha), dirige seu foco para a dominação dos Estados mais
ricos e poderosos sobre os mais fracos.
c) Consequência para as relações internacionais: o sistema internacional é dominado pelas
estruturas hegemônicas de poder. O centro e a periferia do sistema internacional.
d) Ênfase nas estruturas internacionais de dominação. As estruturas hegemônicas de poder:
CS/ONU; FMI; Banco Mundial; OMC; Imposição Científica e Cultural.
e) Foco em mecanismos de dominação, sejam internos ou externos, para a compreensão do
comportamento dos Estados.
f) O Estado é um meio para conquista das classes.
g) Importância fundamental atribuída a lutas de classes.

5) Construtivismo
a) surgiu no início de 1990, nos Estados Unidos, com a premissa básica de que o mundo é
socialmente construído.
b) O homem é produto do meio social.
c) Essa teoria acredita que a convivência social modifica o comportamento dos Estados. Os
Estado não podem ser considerados como verdades exógenas; eles são construções sociais
desenvolvidas ao longo da história.
11
d) O papel das ideias na formação das identidades nacionais, as quais conformam os
interesses dos Estados.
e) A construção de uma identidade sul americana de Defesa – um dos objetivos do
Conselho de Defesa Sulamericano (CDS).
f) Os Estados são a principal unidade de análise das relações internacionais.
g) As estruturas-chave do sistema de Estados são intersubjetivas, em vez de materiais.
h) Os interesses e as identidades dos Estados são construídos por essas estruturas sociais e
não determinados pela natureza humana ou pela política doméstica.

● Dentre as correntes examinadas, realismo e marxismo foram considerados superados em 1989,


consolidando a supremacia do liberalismo. Acontecimentos como o 11/09, a desigualdade social,
as guerras, a pobreza, revertem essa tendência. (texto do EB Aula)

BAREMA 2ª AF CP/ECEME 2016


1. Teoria Realista
a. Centralidade do Estado: Estado como ator relevante no sistema internacional. Controle
do Estado. BRASIL - controle sobre água, patrimônio genético e florestas
b. Imagem do Estado como “caixa preta”: Política interna não é relevante nos interesses no
Sistema internacional. BRASIL - avesso ao realismo na busca pelo multilateralismo, sem
isolacionismo
c. Pessimismo em relação à natureza humana: Estado maximiza seus interesses
d. A anarquia do sistema internacional: ausência de poder soberano
e. A sobrevivência do Estado em termos de segurança: sobrepõe ao indivíduo
f. O realismo de poder: poder considerado elemento central, soma das capacidades
políticas, econômicas, psicossociais, militares, científico-tecnológicas e fisiográficas.
BRASIL - Lei das migrações, questão de segurança nacional
g. O balanço ou equilíbrio de poder: adoção de política de alianças
h. A “autoajuda”: cada Estado só conta com suas próprias capacidades para se defender de
maneira integral no SI. BRASIL - avesso, com postura de interdependência econômica
internacional.
i. O sistema internacional bipolar ou multipolar: neorrealistas, SI tem estabilidade ditada
por polos de poder

2.Teoria Liberal/ Idealista


a. O livre-comércio: relação de mútua dependência e interesses comuns
b. A democracia e a paz internacional: correlação direta entre democracia e paz
c. A opinião pública internacional: política externa racional e moderada, decisão em
conjunto. BRASIL - Rio+20
d. As instituições internacionais: De acordo com os preceitos jurídicos em vigor no sistema
internacional. Intervenção em situação injusta ou ameaçadora ao Direito Internacional.
e. Os Organismos Internacionais: Agências especializadas em questões específicas ao
Estado fortalecem a relação com a comunidade civil. BRASIL - questões de migração
internacional - Op Acolhida
f. O “spill-over effect” (o efeito do transbordamento): uma forma de realização eficiente de
uma tarefa é disseminada para outras áreas e setores da vida social. BRASIL - Painel
intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Fome Zero adotado pela FAO para o mundo.

b. Os principais temas que afetam as RI na atualidade


1) Meio-ambiente (Eco-92, Kyoto, Acordo de Paris, Amazônia)
2) Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030)
12
3) Blocos Econômicos (Mercosul, UE, APEC, RCEP)
4) ONGs (GreenPeace, Fundação Gaia)
5) Energia (petróleo e gás natural, fontes renováveis) - Crise Energética
6) Crimes transnacionais (tráfico drogas, armas, pessoas, madeira)
7) terrorismo
8) crime organizado
9) empresas multinacionais/ transnacionais (Apple)
10) desarmamento nuclear
11) crise econômica
12) Segurança Alimentar
13) Hidroconfiltos
14) Saúde (pandemias - COVID 19)
15) A crise dos refugiados na Europa e Oriente Médio.
16) BREXIT
17) Desemprego estrutural
18) A questão do aquecimento global.
19) Crescimento da influência Russa na Ásia central.
20) A China como grande potência mundial.

BAREMA 4ªAT PEP 2017


Justificar os atuais posicionamentos do Governo Brasileiro, diante dos principais temas da Agenda
Internacional
1. Meio Ambiente: sediou Rio 92 e Rio+20
2. Direitos humanos: país aberto e cooperativo. Interlocutor coerente e equilibrado.
3. Integração Regional: MERCOSUL, mais abrangente iniciativa de integração regional da AL
4. Migração Internacional: Recebimento de refugiados haitianos, venezuelanos e sírios.
Concedeu, em 2015, mais de 43 mil vistos de permanência provisória.
5. Energia: baseado no desenvolvimento sustentável, biocombustíveis e parcerias de cooperação
principalmente Sul-Sul.
6. Desenvolvimento Sustentável: Ações do Ministério do Meio Ambiente
7. Aquecimento global: Acordo de Paris e Protocolo de Kyoto
8. Paz e segurança internacional: Brasil participou da Comissão de Consolidação da Paz na ONU
em 2005
9. Terrorismo - Lei Anti-terrorismo 2016/ Bda Op Esp 2004
10. Fome e miséria: Erradicação da pobreza extrema em 2014 e programa fome zero
11. Desemprego. Ex: Pronatec
12. Epidemias: Quebra de patentes

c. As novas dimensões do terrorismo no século XXI


IC: O terrorismo é uma arma política com uma longa história e, tradicionalmente, tem sido utilizado a
serviço de causas revolucionárias.
Tempo e Espaço: atentados de 11 de setembro de 2001/ nova dinâmica do terrorismo / “terrorismo
internacional”, por possuir características todas próprias que o diferenciam do terrorismo praticado em
períodos anteriores.
1) De natureza ideológica;
2) De natureza hiper revolucionária;
3) Ameaça de dimensão global - ameaça a segurança internacional (Ex: ataques nos EUA,
França, Espanha)
4) Ligação com a instabilidade do Oriente Médio (Ex: árabes X judeus, grupos terroristas
querendo alcançar o poder);
13
5) Beneficia-se da revolução informacional (Ex: Estado Islâmico usando vídeos na internet,
papel das mídias sociais);
6) Provoca tensão nas relações do Ocidente com o Islã (Ex: presença dos EUA no Oriente
Médio, 11 set);
7) Utiliza-se da própria divisão entre os muçulmanos para aumentar a violência sectária (Sunitas
e Xiitas);
8) Aparentemente, não possui uma direção centralizada;
9) Atentados, geralmente, resultam em elevado número de vítimas (11Set);
10) Maior recrutamento de terroristas depois das invasões do Afeganistão e do Iraque
11) Uso da identidade muçulmana (religião) - aumentar quadros e implementar operações
globais.
12) Que concebe a universalização da vítima para aumentar a sua visibilidade midiática;
13) Que organiza-se e atua segundo o conceito de redes;
14) Financiamento - crime transnacional/ governos identificados com as causas terroristas;
15) Influência da globalização
16) Estratégia do “lobo solitário” (Ex: corrida de Boston).

17) Posição do BRASIL quanto ao terrorismo:


a) Respeito ao Direito Internacional;
b) Respeito aos Direitos Humanos;
c) Repúdio ao terrorismo;
d) Cooperação multilateral para a prevenção e combate ao terrorismo;
e) Comando Op Esp (formação de militares especializadas nesse combate) 2004
f) Apoio ao desenvolvimento interno como forma de combater o terrorismo.
g) Combate ao terrorismo será tanto mais eficaz quanto mais ampla for a cooperação
internacional na matéria.
h) Brasil promulgou lei em 2016 tipificando o terrorismo no país (visando os Jogos
Olímpicos)
i) Combate ao terrorismo deve valer-se de todos os meios compatíveis com a Carta das
Nações Unidas, a Carta da OEA e outros diplomas, normas e princípios do Direito Internacional.
j) Brasil enfatiza a Declaração de São Carlos sobre a Cooperação Hemisférica para
Enfrentar o Terrorismo de Maneira Integral (INTERAMERICANO).
(1) Essa declaração reafirma os princípios gerais que devem pautar o combate ao
terrorismo:
> a condenação enérgica do terrorismo, em todas suas formas e manifestações;
> a necessidade de enfrentar o terrorismo mediante uma cooperação sustentada
no pleno respeito às obrigações impostas pelo Direito Internacional;
> e o compromisso de enfrentar o terrorismo em conformidade com os princípios
de igualdade soberana e integridade territorial dos Estados.

d. A atuação do Terceiro Setor (ONG), em âmbito nacional


1) Educação - ONG Todos pela Educação
2) Meio Ambiente
(a) GreenPeace aborda sobre queimadas na Amazônia - pressiona o governo
brasileiro. primeira ação no Brasil foi protesto contra o uso de energia nuclear, na usina de Angra dos
Reis. Desde então, o Greenpeace já promoveu ações de confronto ao desmatamento ilegal na Amazônia,
à indústria do petróleo, à produção de transgênicos, entre outros.
(b) Ativista Greta Thunberg - pressiona o governo brasileiro

14
(c) Fundação Gaia - Corredor Triplo A (Atlântico, Amazônia, Andes) - ameaça à
soberania.
(d) SOS Mata Atlântica: em 30 anos ajudou a reduzir o desmatamento na área em
83%. 07 dos 17 estados o nível de desmatamento é Zero
(e) Conservação Internacional: Norte Americana. No Brasil, a entidade definiu dez
territórios prioritários, principalmente na Amazônia.
(f) WWF-Brasil: Uma das maiores ONGs estrangeiras no Brasil. Programa de
Conservação do Mico-Leão-Dourado. A entidade brasileira tem como foco as regiões da Amazônia,
Pantanal, Mata Atlântica e Cerrado.
(g) IPAM - Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia - Desenvolvimento
sustentável da Amazônia
3) Direitos Humanos - Anistia Internacional
4) Combate às drogas - Viva Rio
5) Esporte - Instituto Guga
6) Vetor Brasil - Atrair, avaliar e desenvolver profissionais públicos
7) AACD - referência no tratamento de pessoas deficientes
8) Transparência Brasil - Combate à corrupção
9) Action Aid: causas da justiça social, da igualdade de gênero e do combate à pobreza. Essa
ONG internacional atua aproximadamente em duas mil comunidades no País.
10) Médicos sem Fronteiras: 1991, trabalho de combate a epidemia de cólera na Amazônia.
Hoje, um escritório e uma Unidade Médica no país, que presta suporte a respeito de doenças tropicais e
violência urbana. Cerca de 150 brasileiros trabalham em diversos países

3. ASSUNTO 8: O MUNDO BIPOLAR E O FIM DA VELHA ORDEM MUNDIAL


Objetivo:
Analisar as relações de poder presentes no período da Guerra Fria e a passagem da Velha para a Nova Ordem
Mundial

a. Relações do Poder no período da Guerra Fria (Velha Ordem Mundial)


1) Fim da 2ª Guerra Mundial - Mundo Bipolar (EUA X URSS) - disputa de fundo ideológico,
político e econômico por áreas de influência, para alcançar a hegemonia do planeta
2) Bloco Socialista - liderado pela URSS (vitoriosa no conflito, conseguiu manter estabilidade
financeira - influência sobre o Leste Europeu, algumas nações na África e na Ásia, além de Cuba na
América Central
3) Bloco Capitalista - liderado pelos EUA (crescimento econômico acelerado e expansão das
zonas de influência - destinou créditos para reestruturação de países envolvidos na guerra, além de
exercerem grande influência na Ásia, África e Oceania
4) Existência de nações não-alinhadas (neutralidade do conflito ideológico)
a) Conferência de Bandung (1955)

15
5) Corrida Armamentista - expansão do arsenal nuclear
6) Corrida Aeroespacial - desenvolvimento tecnológico (chegada do homem à lua)
7) Esse jogo geopolítico interferiu na política de vários países
- Divisão da Alemanha (Ocidental x Oriental)
- Conflitos étnicos na África financiados pela bipolaridade (Angola)
- Guerra entre as Coreias ( Norte - socialista e Sul - capitalista)
- Guerra do Vietnã
- Assunção militar no Chile, financiado pelos EUA (Augusto Pinochet)
- Revolução Cubana (1959)
- Crise dos Mísseis(1962)-Cuba

8) Desmembramento URSS (1991)


- estrutura burocrática, que criava classe política privilegiada
- crise econômica soviética a partir de 1980
- estagnação do setor industrial
- queda da produtividade de bens de consumo, gerado pelo investimento bélico
- reunificação da Alemanha (1990)
- dificuldade na inovação
- elevados gastos militares devido corrida armamentista

b. Passagem da Velha Ordem Mundial para a Nova Ordem Mundial


1) maior instabilidade na estruturação das relações de poder entre países (bipolar para multi)
2) polos de poder: países têm a capacidade de influenciar nas práticas políticas e
econômicas em escala global
3) substituição do domínio ideológico e militar pela hegemonia das questões econômicas
4) O grau de desenvolvimento econômico, tecnológico e social é importante na definição
dos novos pólos de poder. Ex: EUA, Alemanha, RPC e Japão
5) Destacado poder político e militar dos EUA
6) Globalização - ampliação do sistema capitalista
7) Crescimento dos países emergentes
8) Elevação do poder de Organismos Internacionais (ONU, FMI)

16
9) Relatividade do poder de controle e determinação do Estado sobre seu território,
ocasionado pela expansão da circulação de fluxos pela rede (crescimento de blocos econômicos,
multinacionais)
10) há em curso um processo de difusão de poder para outros polos, sobretudo o eixo asiático
11) Os chineses têm se empenhado em desenvolver uma espécie de estrutura alternativa de
governança para seus parceiros, o que inclui um banco para financiamento de obras de infraestrutura
(AIIB), o banco dos BRICS (NDB) e o projeto essencialmente multilateral da Nova Rota da Seda.
(EBAula)
12) A China desempenhará papel fundamental ao longo das próximas décadas.
13) Surgimento de novos atores , como o terrorismo islãmico, gerando novos desafios para as
nações

c. A vingança da Geografia (EBAULA)


1) O Livro destaca a aplicabilidade e a atualidade das teorias clássicas da Geopolítica
(Mackinder, Spykman e Mahan, Desafio Resposta, Choque de Civilizações)
2) Movimento de expansão da Rússia (HeartLand - Mackinder)
3) Anexação da Crimeia (Mahan)
4) Atuação marinha de guerra da Índia e China (Mahan)
5) A necessidade de conquistar as bordas do Heartland de Mackinder decifra muitos dos
desafios contemporâneos, a atual ordem multipolar e a centralidade do eixo América do Norte-Eurásia.
(Tese do Rimland, de Nicholas Spykman)
6) Europa e desafios demográficos
7) Rússia e insegurança do seu vasto território (desprovido de obstáculos naturais)
8) Índia com divisões internas devido diversidade religiosa e cultural (hindu e muçulmano)
9) Índia e ameaças no seu entorno (Caxemira, colar de pérolas, terrorismo)
10) China e demanda por recurso naturais (entrada na Ásia Central)
11) China e poder marítimo nos Oceanos Índico e Pacífico (colar de pérolas e confronto no
Mar do Sul da China)
12) Irã e sua instabilidade que reflete no Oriente Médio e no mundo.
13) Instabilidade do México fundamental para hegemonia dos EUA na América Central

4. ASSUNTO 9: O DEBATE SOBRE NOVAS POLARIDADES


Objetivo:
Analisar o atual ordenamento mundial

a. GENERALIDADES
1) Apesar da tensão vivida no período da Guerra Fria, a maior parte dos analistas
consideram como um período de relativa estabilidade (Ordem Bipolar - Guerra por procuração).
2) Fim da Guerra Fria - surgimento de novos pólos de poder.
3) Substituição da influência militar e ideológica pela influência econômica.
4) EUA - potência hegemônica que tinha capacidade para influenciar econômica, militar e
culturalmente os outros Estados. (American Way of Life).
5) Surgem novos atores, que extrapolam os limites estatais, com capacidade de
perturbar/alterar a ordem do sistema internacional.
a) Organismos Internacionais
b) Terrorismo
c) Narcotráfico
d) Crime organizado
e) blocos econômicos
17
f) Novos temas estratégicos em debate (direitos humanos, democracia, meio ambiente,
geração de energia, segurança e comércio internacional)
g) ONGs
h) Grandes Empresas Multinacionais e transnacionais

b. O Atual ordenamento mundial


1) Refere-se à estrutura de relações internacionais em um mundo globalizado.
2) Organismos internacionais ganham relevância (OMC, ONU, ONG, multinacionais etc).
3) 11 de setembro de 2001 - Marco que alterou algumas características da ordem mundial.
a) Adoção de medidas unilaterais: EUA na invasão Iraque e Rússia na Geórgia.
b) Mudança de prioridades na política internacional (Guerra ao Terror)
c) Maior exercício do poder com ingerências nas relações internacionais (pressão na ONU e
parceiros)
4) Ascensão do terrorismo globalizado (Al-Qaeda, ISIS)
a) conflitos entre atores não-estatais. Ex: conflito Israel-Palestina e Israel-Hezbollah.
5) Surgimento de novas potências econômicas (China) com capacidade de alterar as relações de
poder nos órgãos internacionais (OMC, ONU e Banco Mundial).
6) Nova concepção de disputa NORTE X SUL (países desenvolvidos X subdesenvolvidos).
7) Nova ordem estabelecida: Unipolar no campo militar (EUA) e multipolar no campo
político/econômico.

c. Colar de Pérolas (EbAula)


1) Estratégia China visa aumentar influência do Mar Sul China até Mar Vermelho e Golfo
Pérsico (obter relevância no cenário internacional)
2) Engloba campo político, econômico e militar: bases aéreas e navais, portos comerciais
3) Visa "encurralar" a Índia.
4) Justificativa do colar:
a) controle de rotas para aquisição petróleo
b) 70% do petróleo China vem Oriente Médio, Est Malaca
c) segurança militar
d) maximizar hegemonia regional
5) Exemplo de pérolas: Mianmar, Paquistão, Sri Lanka, Djibuti
a) Paquistão
(1) Porto de Gwadar: permite fluxo econômico China e Paquistão
(2) acesso mercados na Ásia Central
(3) importações e exportações de gás e petróleo
(4) permite monitoramento de atividades EUA e Índia no Mar Arábico e Oriente
Médio
b) Sri Lanka
(1) posição estratégica devido proximidade Índia e Oceano Índico
O Oceano Índico possui 4 chokepoints: Estreito de Ormuz, Estreito de Bab El-Mandeb, Canal de
Moçambique e Estreito de Málaca.

c) Djibouti
(1) próximo estreito de Bab El-Mandeb
(2) acesso ao Mar Vermelho
(3) Possui Base Militar Chinesa
d) Mar Sul China
(1) próximo Estreito de Málaca (importante chokepoint devido trânsito de
embarcações militares e comerciais - 40% do petróleo mundo passa aí)
18
d. Índia Texto EB Aula
1) 1947 até 1990 - postura de não alinhamento
2) 1990 até dias atuais - abertura econômica
3) “Grande Estratégia Indiana” - busca maior inserção internacional a partir década de 1990
4) Desafios: conciliar crescimento econômico e superar desigualdades sociais com
protagonismo na ordem mundial e multilateralismo
5) Política Externa India: atritos com Paquistão, rivalidade econômica com China e
parceria com os EUA.
6) Importa trigo da Ucrânia e Austrália e exporta arroz e açúcar
7) Disseminação marcas culturais: tempero indiano, Yoga
8) Indústria Cinematográfica: Bollywood
9) Auxílio financeiro ao Afeganistão: construção barragens, rodovias e concessão bolsas de
estudo
10) doação ao Fundo Nações Unidas para a Democracia
11) Busca penetração África por meio cursos universitários e capacitação em TI
12) Apoiou o combate ao Apartheid na África do Sul
13) Grande capacidade nuclear

14) A partir de 1990:


a) abertura capital estrangeiro
b) abriu mão de barreiras tarifárias
c) investimento em infraestrutura - energia eólica
d) Principais parceiros comerciais: UE, EUA, China e países árabes
e) compõem o G-4 (países que buscam assento no CSONU - Brasil, Alemanha, Japão e
Índia.
f) Maiores importadores armas do mundo (da Rússia)
g) gasta 2,5% PIB com defesa - Submarino nuclear (Arihant), míssil balístico (Brahmos e
Agni)
h) não aderiu o TNP
i) integra a SAARC (Associação Sul-Asiática para Cooperação Regional)
j) participa de fóruns da OMC
k) Make in India - 2014 (Iniciativa do governo para atrair IED)
l) Questões fronteiriças com China:
(1) Arunachal Pradesh - Tibete
19
(2) Caxemira - Acordo de Construção de Confiança - Mortes a pauladas
m) Ações estratégicas da Índia
(1) Acordo com Marinha de Cingapura - visando aumentar sua influência na região
do Estreito de Malaca.
(2) Acordo com Japão para construção de terminal marítimo no Sri Lanka
(3) Acordo para migração de indianos qualificados para o Japão
E Daí? As ações da Índia visam diminuir a influência Chinesa na região. Aumentar influência
(projeção) indiana mundial
n) Principais ameaças:
(1) separatismo: Sikhs e Naxalites
(2) pobreza e desigualdade social
(3) terrorismo islâmico
(4) atrito religioso: hindus x muçulmanos

e. Tendências 2030 (MUNDO) (Ebaula)


1) aceleração desenvolvimento tecnológico (crescimento patentes no mundo)
2) liderança de países na tecnologia (EUA, Japão e Alemanha)
3) uso de telemedicina
4) uso do Ensino a Distância (Ex: Moodle e CP CAEM)
5) Problema: urbanização acelerada
6) Discussão sobre questões éticas: uso de animais para testes
7) Natureza do trabalho modificada pela Tecnologia da Informação e Comunicação
a) 1950 até 2000 - uso intenso da mão-de-obra
b) 2000 até dias atuais - automação e robótica
c) uso de home-office e videoconferência
d) crescimento mercado de videogames
e) redes sociais - Facebook, WhatsApp e Twitter/ Tik-Tok e We-Chat
f) aumento da velocidade de transmissão das informações
g) “Internet das coisas” - integração da internet com produtos. Ex: smartwatch (calcula
calorias, alimentação, sono)
8) Uso da robótica: robôs realizando serviços que eram mão-de-obra humana. Ex: limpeza
em hotel e cirurgia em hospitais.

5. ASSUNTO 10: BLOCOS INTERNACIONAIS DO PODER


Objetivo:
Comparar a formação e evolução dos blocos internacionais de poder

a. Generalidades e contexto histórico


1) Antecedentes: Tratado Methuen (1703) - Portugal e Inglaterra / Zollverein alemão (antes
da unificação propriamente dita)
2) Processo de integração - nova estratégia de inserção nas relações internacionais
3) Reestruturação do poder do Estado
4) Alteração na relação do Estado com suas fronteiras.
5) Finalidade:
- expansão de mercados e acumulação de capitais,
- melhor inserção internacional dos países.
6) Reduz grau de liberdade para condução políticas internas
7) Facilitam a integração econômica e circulação de bens
8) Grande expansão a partir da década de 1990 - todos os continentes
20
a) UE : mercado comum em 1992 / Euro 1999
b) Mercosul (1991)
c) Asean (1992)
9) Tipos de Estrutura
a) Zona de preferência tarifária: tarifas inferiores aos membros.Ex: ALADI
b) Zona de Livre Comércio: Barreiras ao comércio de bens são eliminadas. Sem
TEC.
c) União aduaneira: a circulação interna de bens e serviços é livre. Há tarifa
externa comum (TEC). Ex: fase atual do MERCOSUL.
d) Mercado Comum: livre circulação de pessoas, bens, serviços e capital.
Fronteiras quase inexistentes em termos comerciais e de mobilidade populacional. Necessidade
de mudanças institucionais mais significativas. Ex: UE.
e) União política e monetária: Banco Central, moeda, política monetária, fiscal,
social e anticíclica únicas, autoridade supranacional. Ex: UE

b. MERCOSUL
1) Generalidades
a) Criação em 1991- Tratado de Assunção - BRA, ARG, PAR e URU
b) VEN: Aderiu em 2012, suspensa em DEZ 2016 (Protocolo de Ushuaia)
c) Demais países Sul Americanos são associados. Bolívia em processo de adesão
d) 1994 - Protocolo de Ouro Preto - Personalidade jurídica de direito internacional ao bloco
(1) Instituiu os 3 órgãos decisórios do bloco
e) o contraponto com a ALCA década de 2000 - governos de esquerda

2) Características
a) Livre circulação interna de bens, serviços e fatores produtivos - Estabelecida TEC
b) Objetivo: fortalecimento econômico, comercial e institucional. Prosperidade com
democracia, estabilidade política e respeito aos DH e liberdades fundamentais
c) Possui 76,2% do PIB da América do Sul em 2016 (US$ 2,79 trilhões de um total de US$
US$ 3,66 trilhões, segundo dados do Banco Mundial).
d) Ocupa 67% do território da América do Sul
e) 69,5% da população sul-americana
f) Representa o 5º maior PIB mundial (Entre os 10 maiores do mundo)
g) Agenda do MERCOSUL contempla também temas políticos, Sociais (Plano Estratégico
de Ação Social-2011) e de Cidadania (Plano para a Conformação de Estatuto da Cidadania do Bloco-
2010)
h) Validação de currículos escolares e intercâmbio de estudantes (CP2020)
i) Busca integração no setor energético - Itaipu (CP2020)
3) Ações recentes
a) Protocolo de Cooperação e Facilitação de Investimentos - 2017 (atração)
b) Diminuição de entraves ao comércio intra-bloco
c) Acordo com a UE - em tramitação (liderança do BR)
d) Fortalecimento do Fundo para a Convergência Estrutural do MERCOSUL (FOCEM) -
Acordo entre FOCEM e FONPLATA 2018
e) Programa de trabalho para a agenda digital do bloco - segurança cibernética e e-
commerce. - Link com AT 2 e AT3 PEP 2021

4) Relação Brasil-MERCOSUL
a) Postura de liderança regional
b) Cadeia automotiva (Bra-Arg) - FORD
21
c) Busca pela integração energética. Pq Eólico Artilleros - Uruguai
d) Busca pela integração do ensino. Programa “Estudar dentro dos países do MERCOSUL”.
e) Relação comercial BRA - MERCOSUL
(1) Cerca de 20% das exportações brasileiras
(2) Cerca de 21% das importações brasileiras.

c. USMCA (2018)
1) Índices:
a) PIB: 24 Tri
b) População: 490 milhões
c) US (Estados Unidos), M (México), CA (Canadá)
2) Sucessor do Nafta (1994) - "Indústrias Maquiladoras" (Norte do México)
3) Motivação: Donald Trump “America First” proteção do mercado estadunidense, prevenir
a fuga das empresas americanas em busca de baixos impostos e mão de obra mais barata
4) Mudanças:
a) Validade de 16 anos;
b) Setor automotivo (fabricação de 75% peças automotivas nos EUA);
c) Redução de barreiras com o Canadá no setor de laticínios;
d) Ampliação da proteção à propriedade intelectual para fármacos, produtos agrícolas,
escritores e compositores;
e) Veto a direitos aduaneiros para produtos digitais

d. SAARC - Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional (1985)


1) Índia, Paquistão, Bangladesh, Sri Lanka, Nepal, Butão e Maldivas (Afeganistão em
2007)
2) Temas: Agricultura e Desenvolvimento Rural, Telecomunicações, Ciência, Tecnologia e
Meteorologia, Saúde, Transportes, Desenvolvimento dos recursos humanos
3) Papel fraco na Ásia (crise Índia e Paquistão) - questões políticas (Nepal) - Guerra Civil
Sri Lanka.
4) PIB

e. OCS (2001) - Organização para Cooperação de Shangai - (contraponto da OTAN no oriente)


1) Generalidades
a) Antecedentes: acordo militar - Cinco de Xangai (1996)
b) Membros: China, Rússia, Índia, Paquistão, Uzbequistão, Cazaquistão, Quirguistão e
Tadjiquistão.
c) PIB - 19 Tri link
d) População: 3 bilhões
2) Índia e Paquistão aderiram 2017
3) Finalidade principal: Segurança (terrorismo, extremismo, separatismo)
4) cerca de 20 projetos na área de transporte, energia e Telecomunicações
5) Críticas: formação de uma organização antagônica à OTAN, a substituição do dólar
como moeda cambial, a formação de um cartel de gás natural e o incentivo ao armamento nuclear

f. OTSC - Organização do Tratado de Segurança Coletiva


1) Integrantes: Mesmos da OCS menos a China - Rússia, Cazaquistão, Quirguistão,
Tadjiquistão, Índia e Paquistão. 1992
2) Vertente militar - Defesa/ Segurança
3) Influência russa na Ásia Central

22
g. OMC
1) Presidida pelo Brasileiro Roberto Azevedo de 2013 a AGO/2020;
2) Fórum de liberalização comercial e de resolução de conflitos comerciais entre os países;
3) permite que países abram queixas contra práticas comerciais consideradas desleais,
podendo gerar condenações que implicam em direito de retaliação. Ex: Embraer x Bombardier 2008
4) Rodada de Doha - negociações da OMC (diminuir as barreiras comerciais em todo o
mundo, com foco no livre comércio para os países em desenvolvimento)
a) Principal tema é a agricultura
b) 2019 - Participação da Greta Thunberg - meio ambiente
c) O Brasil saiu vencedor em diversas questões arbitradas pela OMC - Ex: Bombardier

h. G7 - 1975
1) EUA, França, Canadá, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido (G7) e a Rússia (G8)
- UE participa com um representação
- China não faz parte
- Rússia foi expulsa após anexar a Crimeia (2014)
- Era G-6, Canadá entrou em 1976 e a Rússia em 1997
2) Sete países mais industrializados e desenvolvidos do mundo
3) Objetivo inicial: ajuste de políticas econômicas de curto prazo
4) Acréscimos na agenda: Questões políticas, sociais (Desenvolvimento sustentável, Saúde
mundial, segurança mundial)
5) 2002 - Plano de Ação do G-7 - investimento na África (desenvolvimento sustentável,
educação, terrorismo, crises)
6) Atual (45ª Cúpula - Biarritz, FRA - 2019)
a) Ajuda financeira para ajudar nas queimadas da Amazônia - U$ 20bi (Bolsonaro rejeitou)
b) Respeito a autonomia de Hong Kong - declaração sino-britânica de 1984
c) Temas: Irã, guerra comercial, amazônia
7) Críticas:
a) Grupo é acusado de não resolver problemas da pobreza na África, aquecimento global,
gases efeito estufa, AIDS (patentes), problemas da globalização
b) Série de atentados de grupos radicais, principais manifestações em 2001
8) Perdeu força por não incluir a China

i. G-20 Econômico
1) Integrantes: Ministros das finanças e chefes de bancos centrais das 19 maiores economias
do mundo e da União Europeia.
2) Criado em 1999 após sucessivas crises financeiras
3) Desde 2009 - Foro principal da cooperação econômica mundial (se sobrepõe ao G7)
4) Visa fortalecer a negociação internacional - base neoliberal
a) Eliminação de restrições no movimento de capital internacional
b) Desregulamentação
c) Condições de mercado de trabalho flexíveis
d) Privatizações
e) Direitos de propriedade intelectual
f) Liberalização do comércio mundial
5) Representa cerca de 90% do PIB mundial
6) Representa cerca de 80% do comércio

j. G-20 (Agricultura)
1) Criado em 20 de agosto de 2003
23
2) Reúne os maiores países em desenvolvimento com forte economia agrícola
3) Em 2009 - integrado por 23 membros: 5 da África (África do Sul, Egito, Nigéria,
Tanzânia e Zimbábue), 6 da Ásia (China, Filipinas, Índia, Indonésia, Paquistão e Tailândia) e 12 da
América Latina (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Cuba, Equador, Guatemala, México, Paraguai, Peru,
Uruguai e Venezuela)
4) Defende interesses dos integrantes frente aos países desenvolvidos
5) Rodada de Doha - Negociações da OMC - visa diminuir barreiras comerciais no mundo -
Questão dos subsídios agrícolas.
6) Legitimidade:
a) Representa cerca de 60% da população mundial
b) Representa cerca de 30% das exportações agrícolas mundiais
c) Capacidade de traduzir os interesses dos países em desenvolvimento em propostas
concretas e consistentes
d) Habilidade em coordenar seus membros e interagir com outros grupos na OMC

k. BRICS
1) Generalidades
a) Enquadramento como Bloco: Fórum
b) 45% da Força de Trabalho do mundo
c) 40% da população mundial (3,143 Bi)
d) 21% do PIB mundial (20 tri)
e) Brasil é o 3º PIB do BRICS
f) Jim O'Neil criou o acrônimo em 2001 - Grupo Financeiro Goldman Sachs
g) Defende a reforma do CSONU e do FMI
2) Breve histórico:
a) Iniciada informalmente em 2006 (BRIC)
b) 1a Reunião de Chanceleres em 2008
c) Adesão da África do Sul 2011 (BRICS)
d) Cúpula anual desde 2009 (Após a crise de 2008)
e) Brasil exerceu a presidência (caráter rotativo) em 2019 e sediou a XI cúpula. foram
destaques os seguintes temas:
(1) Reforma do CS/ONU e FMI;
(2) Preocupação com a possibilidade de uma corrida armamentista Espacial;
(3) Medidas de combate à corrupção;
(4) Defesa de mercados mais abertos;
(5) Compromisso com as metas do Acordo de Paris.
3) Áreas de Cooperação
a) Cooperação Econômico-financeira
(1) Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) - financiamento de projetos de
infraestrutura e desenvolvimento sustentável em economias emergentes e em países em
desenvolvimento
(a) criação remonta à Cúpula de Fortaleza (2014)
(b) Sede em Xangai
(c) Programa de Parceria de Investimentos no Brasil
(d) Escritório na África do Sul
(e) Abertura dos escritório em Brasília (2019)
(f) 4 projetos brasileiros que abrangem as áreas de energia renovável (eólica, solar e
hidrelétrica), construção de estradas, reconstrução de rodovia férrea, esgotamento sanitário,
telecomunicações e refinarias da Petrobras (US$ 621 milhões)

24
(2) Arranjo Contingente de Reservas (ACR) - Apoio mútuo aos membros do
BRICS em cenários de crise em seus balanços de pagamento - 100 bilhões de dólares - China (US$
41bi); Brasil (US$ 18bi); Rússia (US$ 18bi); Índia (US$ 18bi) e África do Sul (US$ 5bi)
b) Saúde
(1) Rede de pesquisa em Tuberculose
(2) Esclarecimentos e estudos sobre o Coronavírus
(a) Rússia - Vacina Sputnik V - Venda para o Brasil
(b) China - CoronaVac - Material básico para confecção/produção de vacinas
(c) Índia - Vacina Oxford/ Astrazeneca/ Covaxin (produzido na índia)

c) Ciência, Tecnologia e Inovação


(1) Intercâmbio de conhecimento
(2) recursos disponibilizados para projetos de pesquisa
(3) Tecnologia geoespacial
(4) Gestão de recursos hídricos
(5) Biotecnologia e biotecnologia
(6) Infraestrutura
(7) inovação do parque industrial e tecnológico nacional
(8) diversificação da matriz energética brasileira

d) Segurança - Crimes transnacionais, cibernéticos, terrorismo, corrupção, lavagem de


dinheiro
e) Empresarial - Conselho Empresarial BRICS (CEBRICS) - aproximar comunidades
empresariais

4) Contribuição de cada país:


a) Brasil - soja, minério de ferro e petróleo
b) Rússia - mineração e energia/ trigo
c) Índia - Serviços e softwares
d) China - indústria e manufatura
e) África do Sul - mineração (platina)/ carvão

5) Relações do Brasil dentro do BRICS


a) Relações Brasil-BRICS
- Exportações do Brasil para RICS - 2018 - 30,7% das exportações brasileiras
(74bi)
- Importações RICS para o Brasil - 23,8% das exportações nacionais (43bi)
- Superávit de cerca de 30 bilhões em 2018 (aumento de 52% em relação a 2017)
b) Rússia
- Rosneft - Gás Natural (Compra da Bacia de Solimões)
- Defesa - Míssil Igla; Helicópteros AH-2 (Mi 24);
- Espacial - Glonass
- CT&I - SJC e UFRJ
- ROSTEC parceria com Embraer, Odebrecht Defesa e Tecnologia e sua filial
Mectron
- AB INBEV, JBS FRIBOI, METALFRIO, WEG, MARCOPOLO na Rússia
- O Brasil Importa - Fertilizantes
- O Brasil exporta soja, carnes (bovina, suína e aves), açúcar, café
- O intercâmbio acadêmico cientistas russos na Universidade de São Paulo (USP)

25
- Cooperação na área de energia entre Brasil e Rússia visando a fabricação de
reatores para a produção de energia nuclear.
- A celebração de contratos de aluguel, com opção de compra, de equipamentos
militares russos pelo Brasil.
c) Índia
- CT&I - Conselho Científico Brasil-Índia
- IED: Arcelormittal (Siderurgia no Brasil)
- O Brasil Importa: Fertilizantes e Herbicidas
- O Brasil Exporta: Soja, Açúcar e Petróleo
d) China
- IED: Porto de Açu
- Empresas na China: EMBRAER, Vale, Petrobras
- Espaço: CBERS
- Financeiro: BB em Xangai / Banco da China no Brasil
- O Brasil exporta: Petróleo, Soja
- O Brasil importa: Manufaturados e eletrônicos / Carvão Mineral
e) África do Sul
- Empresas: Vale X Anglo Gold (Ouro)
- Militar: A-Darter
- Acordo Preferencial SACU - Mercosul
- O Brasil Exporta: Frango e Carne Suína
- O Brasil Importa: Alumínio

2) Nova rede de inovação para parques tecnológicos, iBRICS, criada em 2019.

As áreas de Saúde, Energia e Ciência, Tecnologia e inovação são consideradas prioritárias para o
Brasil na cooperação multissetorial.

l. IBAS
1) Generalidades
a) Integrantes: Índia, Brasil, África do Sul
b) Eixo de esforço de cooperação Sul-Sul
c) Fórum de diálogo criado em 2003 - Declaração de Brasília
d) Semelhanças entre esses países: as credenciais democráticas, a condição de nações em
desenvolvimento e a capacidade comum de atuação em escala global.
e) Mecanismo de coordenação entre 3 países emergentes - democracias multiétnicas e
multiculturais
f) Atuação em 3 vertentes:
(1) Coordenação Política
(a) Posições conjuntas em democracia, direitos humanos, inclusão social e
desenvolvimento sustentável
(b) Reformas Estruturais no CSNU e na discussão dos ODS da Agenda 2030
(2) Cooperação Setorial
(a) Fundo IBAS para o Alívio da Pobreza e da Fome
((1)) desde 2004 financia projetos em países menos desenvolvidos ou egressos
de conflitos - Total de 26 projetos aprovados (15 concluídos)
((2)) Desenvolvimento Agropecuário na Guiné-Bissau
((3)) Construção de Centro Multiesportivo na Palestina - Cisjordânia
((4)) Apoio ao combate ao HIV no Burundi
((5)) Projeto Agrícola no Laos
26
((6)) Desenvolvimento de Crianças e Adolescentes com Necessidades
Especiais no Camboja
((7)) Fundo IBAS recebeu prêmios mundiais pelo êxito nas ações
empreendidas (Ex: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD em 2006)
(b) Reestruturação dos Grupos de Trabalho relativos aos temas:
((1)) Defesa
((2)) Desenvolvimento Social
((3)) Desenvolvimento Econômico
((4)) Desenvolvimento Ambiental
(3) Cooperação com terceiros países
g) Visa a coordenação política, cooperação setorial e cooperação com terceiros países, nos
seguintes setores:
(1) Defesa, Turismo, Comércio e Investimentos, Economia Azul e Energia
2) Características (PIB/ Pcp Rel comerciais, etc)
3) Relação Brasil-IBAS

m. ONU
1) Participação brasileira desde sua criação em 1945;
2) Destacada participação de Oswaldo Aranha na criação do Estado de Israel pela ONU;
3) Participação brasileira em missões de paz - cerca de 54 mil militares
4) Busca por um assento no Conselho de Segurança da ONU, por meio do G4 (Bra, Ale, Jap
e Ind)
5) Membresia na UNESCO - Setor de educação e cultura(CP2020);
6) A participação de destaque na FAO com diretor geral brasileiro por 2 anos (CP2020).
7) 193 países membros
8) ÓRGÃOS SUBORDINADOS À ONU:
a) FAO
b)

n. CELAC (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribe) 2010


1) O Brasil se aproxima do México por meio deste organismo, e consequentemente da
USMCA
2) O objetivo é projetar globalmente a região, em temas como o respeito ao direito
internacional, a igualdade entre Estados, o respeito aos direitos humanos e a cooperação. Além disso, é
consenso entre os líderes que a criaram que a comunidade deverá trabalhar sobre a base da
solidariedade, da inclusão social e da complementaridade.

o. ASEAN (Assossiation Southerneast Asia Nations) 1992


1) A Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) é uma organização
intergovernamental regional que compreende dez países do sudeste asiático, que promove a cooperação
intergovernamental e facilita a integração econômica, política, de segurança, militar, educacional e
sociocultural entre seus membros e outros países da Ásia.
2) Cooperação governamental
3) Composta por países do Sudeste Asiático

p. OEA
1) É uma organização internacional com sede em Washington, D.C., Estados Unidos, cujos
membros são as 35 nações independentes do continente americano.
2) Criada em 1948
27
3) Finalidade:
a) fins de solidariedade e cooperação entre seus Estados membros no Hemisfério Ocidental.
b) Durante a Guerra Fria, isso significava opor-se ao esquerdismo como influência
europeia;
c) desde a década de 1990, a organização se concentra no monitoramento de eleições.
4) Brasil foi um dos países fundadores em 1948;
5) Principal fórum governamental do hemisfério sul;
6) Apoio a Guaidó na questão da Venezuela.
7) Intervenção eleitoral na Bolívia (década 2010)
8) Braço da ONU na América.
9) 2018 - Eleições do Brasil fiscalizadas

q. CPLP 1996
1) Brasil busca aumentar sua influência na África.
2) objetivo é o "aprofundamento da amizade mútua e da cooperação entre os seus membros"

r. ALADI (Associação Latino-americana de Desenvolvimento e Integração) 1980


1) Maior mecanismo Latino-americano de integração
2) Acordos de preferência tarifária.
3) Visa contribuir com a promoção da integração da região latino-americana, procurando
garantir seu desenvolvimento econômico e social. Este é também o maior bloco econômico da América
Latina. Foi criada a partir do Tratado de Montevidéu de 1980.
4) São 13 os seus países-membros: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba,
Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

s. RCEP (2020) - Parceria Econômica Regional Abrangente


1) Maior Acordo de Livre comércio do Mundo
2) 30% do PIB mundial
3) 30% da População mundial
4) Um dos maiores blocos econômicos da história
5) Reúne países da ASEAN + China, Japão, Austrália, Nova Zelândia e Coreia do Sul.
6) Índia não entrou

t. PROSUL (FORO PARA O PROGRESSO E INTEGRAÇÃO DA AS) 2018


1) Integrantes: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Guiana.
2) Novo espaço de diálogo regional
3) Visa o fortalecimento das relações e da cooperação entre os países da América do Sul
4) Defende a democracia representativa, a separação dos poderes, o Estado de direito, os
Direitos Humanos, a Soberania e a Integridade territorial
5) Aspecto mais liberal em relação à UNASUL (viés ideológico)
6) Busca a cooperação nos seguintes setores: Infraestrutura, energia, saúde, defesa,
segurança/combate ao crime e desastres

u. APEC - Cooperação Econômica Ásia Pacífico (1989)


1) Generalidades
a) A APEC é um fórum econômico intergovernamental constituído por 21 países
localizados nas regiões do Pacífico e da Ásia. É possível citar, como membros mais relevantes, a
Austrália, Chile, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão, Rússia e Peru. Foi criado em 1989 e tem
28
como objetivo central alavancar a interdependência do eixo Ásia-Pacífico visando a consolidação de
uma zona de livre comércio. Ressalta-se a presença no fórum de países que também participam do
MERCOSUL e dos BRICs. 2ª AT PEP 2021
b) PIB: 46 Tri (54% do PIB mundial)
c) 43% do comércio Mundial
d) 2,6 Bilhões de Pessoas - 40% da população mundial

2) Fórum econômico e comercial multilateral e cooperativo.


3) APEC é formada pelos seguintes comitês temáticos: Comitê para Mercado e
Investimento; Comitê de Economia; Comitê de Orçamento e Gestão; e Comitê de Economia e
Cooperação Técnica
4) o bloco não possui um arranjo de integração concreto, mas objetiva a promoção de uma
zona de livre comércio entre seus países integrantes. Não possui TEC.
5) Política interna a viabilização de projetos temáticos de capacitação. Ex: setor de
transporte e a adoção de tecnologia de energia renovável. A China exporta tecnologia eólica.
6) A APEC não conta com nenhuma política externa comum ou um ordenamento coeso
mínimo entre seus membros.
7) Parceria Política para Ciência, Tecnologia e Inovação (PPSTI)
8) Maior mercado agrícola do mundo - desafio - segurança alimentar
9) Parceria de Política da APEC Sobre Segurança Alimentar - 2011 - canal de cooperação e
compartilhamento de dados. Criou:
a) "Roteiro de segurança alimentar da APEC para 2020" garantir acesso a alimentos
seguros e de alta qualidade em toda a Ásia-Pacífico: novas variedades de sementes, melhor cultivo e
melhor irrigação e fertilização; intercâmbio de tecnologia agrícola (em implantação)
10) Objetivo APEC: bens, serviços, investimentos e pessoas se movam através das fronteiras.
11) Projetos da APEC fornecem treinamento em habilidades digitais para comunidades rurais
e ajuda as mulheres indígenas a exportar seus produtos para o exterior.
12) A APEC desenvolve projetos de capacitação para pequenas e médias empresas - foco
tecnológico e energia renovável.
13) Membros implementam iniciativas para aumentar a eficiência energética e promover o
manejo sustentável dos recursos florestais e marinhos.
14) A APEC responde por cerca de 60% da demanda global por combustíveis fósseis, ênfase
no setor de transportes e construção; previsão de aumento da demanda energética em 21% nos próximos
30 anos (os combustíveis fósseis continuam a representar mais de 60%).
15) A China deve expandir sua adoção de veículos elétricos em 17% ao ano.(BYD - empresa
chinesa)
16) Diálogo Automotivo:
29
a) Melhorar o compartilhamento de melhores práticas
b) Melhorar a cooperação tecnológica da indústria automobilística continuando a fomentar e
melhorar a capacidade de inovação e a competitividade da indústria automobilística.
c) Reduzir o impacto da indústria automobilística sobre o meio ambiente - tecnologia
inovadoras em veículos, com uso de fontes renováveis e infraestrutura de transporte.
17) Chile sediou o encontro de líderes da APEC em 2019, reconhecendo que a corrupção é
uma séria ameaça à Agenda APEC.
18) Workshop realizado no Chile que deu origem aos compromissos de empreender ações
individuais e conjuntas para combater o terrorismo.

2ª AT PEP 2021
-O atual grau de integração da APEC
C7 1) Forma de integração. O bloco não possui um arranjo de integração concreto, mas
objetiva a promoção de uma zona de livre comércio entre seus países integrantes. Desta forma, a longo
prazo, a APEC almeja a eliminação das tarifas e cotas nos bens e serviços negociados internamente
entre os países do bloco, mas sem a existência de uma tarifa externa comum.
C8 2) Organização Político-Administrativa Por ser um fórum, a organização político-
administrativa da APEC é formada pelos seguintes comitês temáticos: Comitê para Mercado e
Investimento; Comitê de Economia; Comitê de Orçamento e Gestão; e Comitê de Economia e
Cooperação Técnica. Os comitês são responsáveis por debater as pautas definidas como primordiais,
pelos líderes e ministros dos países-membros do bloco.
C9 3) Legislação O fórum não possui um tratado de obrigações e compromissos vinculantes
para seus membros ou um conjunto de normas que regule as interações dos Estados. Para fins de
tomada de decisão, todos os membros possuem peso igual nas votações e nas decisões.
C10 4) Política interna A APEC possui como principal política interna a viabilização de
projetos temáticos de capacitação, cujo objetivo é o melhoramento de performance de seus países em
áreas consideradas estratégicas. Como por exemplo o aumento da competitividade de pequenas e médias
empresas locais, o setor de transporte e a adoção de tecnologia de energia renovável.
C11 5) Política externa A APEC não conta com nenhuma política externa comum ou um
ordenamento coeso mínimo entre seus membros. A heterogeneidade e a distância geográfica de seus
membros são os principais empecilhos para a implementação de uma zona de livre comércio. Nesse
sentido, é válido destacar as atuais tensões de caráter político e econômico entre os Estados Unidos e a
China, que desencadearam uma guerra comercial entre as duas maiores economias do fórum.
Conclusão parcial
C12 Desta forma, conclui-se parcialmente que embora a APEC seja composta por países com
grande dinamismo político e econômico, muito ainda deve ser feito para que o propósito final de sua
fundação seja alcançado. Entretanto, é reconhecível o potencial de atuação do fórum, especialmente em
questões desenvolvimentistas e em pautas de sustentabilidade, como a utilização de energias renováveis,
áreas que o Brasil possui grande conhecimento e competitividade
Conclusão
Quanto às principais tensões internas entre os membros do bloco, conclui-se que a
heterogeneidade da APEC e os diversos conflitos entre os membros, são fatores que dificultam o
diálogo e o avanço nas pautas que visam melhorar sua integração e o estabelecimento da zona de livre
comércio.

v. União Européia (UE) 1992


- A UE é um bloco político e econômico regional europeu que conta com 27 países-
membros. Foi fundado em 1993 pelo Tratado de Maastricht, delimitado como uma
organização multinível. Seu principal objetivo é manter a estabilidade política e

30
econômica da Europa através de políticas comuns e cooperação de seus membros. 2ª AT
PEP 2021
- Objetivos:
a) Ajudar os países membros no desenvolvimento econômico
b) dar mais igualdade Pol e Eco à Europa
c) Melhorar as condições Eco e de Trab dos cidadãos europeus
d) reduzir desigualdade Eco e sociais
e) garantir a permanência de um ambiente pacífico e harmonioso em toda a Europa
2) População: aprox. 512 milhões hab. 3º Melhor Padrão de Vida do Mundo (7,5% é
imigrante)
3) Extensão territorial: aprox. 4,4 milhões de km2
4) Países componentes: 27 Países (Reino Unido saiu 31/01/2020)- (Link)
a) Países que não são candidatos à adesão: Liechtenstein, Islândia, Noruega e Suíça
b) Países Pretendentes: Albânia, Bósnia, Kosovo, Turquia, Islândia, Macedônia,
Montenegro, Sérvia
1) PIB - Cerca de 15 trilhões dólares (sem contar o Reino unido)
2) Principais parceiros comerciais: Países intra-bloco (64%), EUA (17%), China (15.4%);
Brasil é o 12° (1,7%)
3) Caráter supranacional do bloco
4) UE possui sete órgãos principais:
a) Parlamento Europeu
b) Comissão Europeia
c) Conselho Europeu
d) Tribunal de Justiça
e) Tribunal de Contas
f) Banco Central Europeu
5) Direito da União Europeia: código de normas que regula o relacionamento entre os
Estados-membros e entre os países e seus cidadãos.
6) Política interna do bloco é a garantia ao direito da Cidadania Europeia.

7) Espaço Schengen (Permite a livre circulação de pessoas sem necessidade de passaporte).


a) 22 países de 27 (Bulgária)
b) 4 que não são da UE (Noruega, Suiça)
8) EURO: Nações que não adotaram o Euro: 8 países (Dinamarca, Suécia, Rep Tcheca,
Hungria, Polônia, Bulgária, Romênia, Croácia)
9) Crise de 2008 (PIIGS):
a) Portugal, Itália, Irlanda e Grécia e Espanha
b) Espanha e Itália estão entre os 5 maiores PIB da UE (Crise de 2008 foram
afetados e necessitaram de apoio financeiro)
c) Plano auxiliar dos membros da zona do euro.
d) Foi uma das causas do Brexit
10) Países candidatos: Albânia, Montenegro, Macedônia do Norte, Servia e Peru. Para
adesão à UE é necessário atender as condições de associação (critérios de Copenhagen)
11) Possíveis países candidatos: Kosovo e Bósnia e Herzegovina.
12) UE - Brasil
a) Brasil é o 8º parceiro econômico da UE.
b) Balança comercial do Brasil com a UE Superávit de cerca de 2,5 bilhões
c) Importações brasileiras da UE
i) medicamentos
ii) produtos manufaturados
31
iii) partes e peças para veículos e tratores
d) Exportações brasileiras para a UE
i) café
ii) soja
iii) minérios de ferro
13) Relações UE- Mercosul
1) Em negociações com: o Mercosul, Chile, Austrália e a Nova Zelândia
- América Latina: acordo assinado em junho/19 com o Mercosul
(Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai). está em tratativas para
implementação, em análise pelo bloco Europeu. Questões envolvendo
meio-ambiente e agronegócio podem travar o acordo. UE é o segundo
parceiro comercial agrícola do Brasil.
- Iniciativa para melhorar sistema de licenciamento de patentes
- Legislação anti-dumping
- Políticas voltadas para PME (Pequenas e médias empresas)
14) Relações UE - China
a) Nova Rota da Seda
b) 2017 Grécia impediu UE declaração unificada contra as agressões chinesas no
Mar do Sul da China. Em junho, Atenas impediu o bloco de condenar o relatório
de direitos humanos da China. Investimento Chinês na Grécia.
15) Relações UE - EUA
a) Aumento exportação EUA para UE de gás liquefeito (energia limpa) e soja.
16) Relações UE - África
a) Aliança África Europa para investimentos em empregos sustentáveis.
b) UE maior parceiro comercial da África. 36% comércio africano.
c) UE é um dos maiores investidor na África. 40% dos investimentos. (2016).
17) UE - outros países
a) Japão.
i) Livre comércio. Produtos e serviços.
ii) Maior acordo do mundo ⅓ do PIB mundial.
iii) Em vigor APD fev 2019.
iv) 74 mil empresas da UE exportam para o Japão (mais de 600 mil empregos
na UE)
v) Destaque para pequenas empresas. Cerca de 75% desse fluxo
b) Canadá
i) Redução de taxas na exportação UE para Canadá
ii) 71 mil empresas da UE exportam para o Canadá (mais de 800 mil
empregos na UE)
iii) Destaque para pequenas empresas. Cerca de 70% desse fluxo
c) México:
i) livre comércio, quase todos produtos, inclusive agrícola
ii) Segue normas do acordo de Paris
iii) Possui regras anticorrupção
iv) México exportando mais para UE é reflexo da política América First.
v) 43 mil Empresas da UE exportam para o México
vi) Cerca de 400 mil empregos na UE

18) Questões separatistas na Europa


a) Bélgica: Flandres busca separação e criar uma República (Flandres, Bruxelas e
Valônia)
32
b) Itália: Liga-Norte criada em 1991 para independência da Padânia.
c) França: Córsega quer independência desde 1976. Liderança Frente Libertação
Nacional da Córsega (FLNC). Possuem idioma próprio.
d) Dinamarca: Ilhas Faroé quer separação após descoberta de petróleo e gás.
e) Espanha
i) País Basco
(1) Busca a separação desde 1959 - ETA
(2) ETA promovia luta armada - grupo terrorista.
(3) 2011 - fim da luta armada
ii) Catalunha
(1) Referendo em 2014 - França declarou inconstitucional
(2) Comunidade autônoma, autossuficiência legislativa, cultura e
idiomas próprios.
(3) Região mais desenvolvida da Espanha
(4) Ataque terrorista em 2010

f) BREXIT
i) Reino Unido = Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales
ii) Membro desde 1973.
iii) Em Jun/16 plebiscito decidiu (52%) pela Saída
(1) apoiado por ideias anti-imigração e de nacionalismo
(2) amparado pelo Art 50 do Tratado de Lisboa
iv) Saída em 31/01/2020 - 1ª Vez que um País deixa a UE
v) Motivo: nacionalismo tradicional (anti-migração)
vi) Questão de transição da Irlanda do Norte: A Irlanda do Norte não fará
parte da UE, porém a barreira alfandegária não ficará entre as Irlandas,
mas na Inglaterra, com ressarcimento aduaneiro do RU para produtos que
fiquem na Irlanda do Norte.
vii) Situação da Escócia - Maioria adepta a manutenção na UE, visto que
enfrenta problemas de mão-de-obra escassa, que pode ser resolvido mais
facilmente com a UE.
viii) Multa pela saída é de cerca de 39 Bi de libras (está em negociação)
ix) indefinição sobre a situação de britânicos que moram em países da UE e
vice-versa
x) Desabastecimento - Brexit e COVID-19
xi) BREXIT político e BREXIT econômico
(1) Questões de mares territoriais - pesca/ exploração
2ª AT PEP 2021
-O atual grau de integração da União Europeia
C13 1) Forma de integração Sua forma de integração é conhecida por União Econômica,
arranjo que prevê o desenvolvimento de federação de países independentes, mas com um elevado grau
de interdependência. Tal arranjo é caracterizado por uma livre circulação de pessoas, serviços, bens e
uma política macroeconômica comum.
C14 2) Organização Político-Administrativa A UE possui sete órgãos principais. O Conselho
da UE, Parlamento Europeu, Comissão Europeia, o Conselho Europeu, o Tribunal de Justiça,o Tribunal
de Contas e o Banco Central Europeu. Assim, o bloco conta com uma alta organização político-
administrativa, o que lhe garante representatividade e o funcionamento harmonioso da união econômica.
C15 3) Legislação A UE possui um código de normas que regula o relacionamento entre os
Estados-membros e entre os países e seus cidadãos. Este conjunto de normas é conhecido como o

33
Direito da União Europeia. A aprovação de decisões nas esferas legislativas do bloco é mediante
votação.
C16 4) Política interna A principal política interna do bloco é a garantia ao direito da Cidadania
Europeia. O Acordo de Schengen é o tratado que determina a livre circulação de pessoas, europeus e
não europeus, entre seus países signatários, e que viabilizou a instauração da Cidadania Europeia. É
válido destacar a questão da livre circulação de pessoas como uma das principais motivações para a
saída do Reino Unido do bloco em 2020,devido ao impacto da imigração, apontando a livre circulação
como um malefício à estabilidade nacional.
C17 5) Política externa A política externa europeia baseia-se em duas dimensões: a de cunho
econômico supranacional e a relacionada a temas da política internacional e questões de segurança.
Historicamente, o bloco tende a se relacionar bilateralmente com outros blocos regionais, como o
MERCOSUL em 2019, cujo processo para ratificação pelas partes encontra-se em andamento.
Conclusão parcial
C18 Conclui-se parcialmente que UE mantém seus objetivos centrais de ser uma União
Econômica e Política, ao viabilizar a livre circulação de bens, serviços e cidadãos entre os Estados-
membros. Ademais, apesar do recente Brexit e dos demais movimentos separatistas em países do bloco,
a UE mantém suas diretrizes de política externa comum e preferência pelo diálogo com outros blocos
regionais, inclusive com o MERCOSUL, o que pode favorecer economicamente ao Brasil.
Conclusão
Em relação a UE, é possível concluir que o grande êxito do bloco em integrar a Europa em
uma União Política e Econômica, e a consequente livre circulação de pessoas, seja o maior fator
que tenha desencadeado as atuais tensões e os movimentos separatistas que culminaram com o
Brexit.
w. Movimentos Separatistas
1) Canadá: Quebéc possui maioria do idioma francês e restante país inglês. Referendos em
1980 e 1995 sem sucesso.
2) China: Tibete foi independente de 1911 a 1950. Mao Tse Tung anexou Tibete à China.
Tibete se sente desprezado pelo governo chinês economicamente.
3) Chipre: República Turca do Chipre do Norte - Parte do território do Chipre se considera
independente. Somente a Turquia reconhece essa independência.
E Dai? Fator que dificulta a aceitação Turca na UE, pois o Chipre é membro da UE.
4) Curdistão: Engloba os curdos que habitam Iraque, Síria e Turquia. Possui idioma e
cultura própria. O curdistão do Iraque é considerada a área mais instável do Oriente Médio
5) Sérvia: Kosovo declarou independência em 2008. China e Rússia não reconhecem essa
separação.
6) Reino Unido
a) Escócia - Plebiscito em 2014 para separação do RU - 53% não
b) País de Gales - 2011 referendo para aumento dos poderes à Assembleia Nacional
c) Irlanda do Norte - Previsão de plebiscito. IRA - bandeira separatista

E Daí? O BREXIT amplia a possibilidade de separação do Reino Unido - pois dificulta negociações de
questões territoriais e de fronteira. No Plebiscito do Brexit Escócia, País de Gales e Irlanda votaram por
permanecer na UE.

7) Ex-URSS - Região do Cáucaso


a) Ossétia do Sul
(1) Área entregue à Geórgia.
(2) Busca se juntar à Ossétia do Norte, república autônoma que faz parte da
Federação Russa

34
(3) Guerra Rússia X Geórgia (2008) sobre essa separação (ação unilateral da Rússia,
sem consentimento da ONU)

b) Abecásia
(1) Área dentro da Geórgia
(2) Considera-se independente desde a guerra contra a Geórgia nos anos 1992
(3) ONU não reconhece a independência da Abecásia

c) Nagorno Karabahk
(1) Território dentro do Azerbaijão
(2) Objetivo: União ao território da Armênia
(3) Maioria armena - Apoio da Rússia
(4) Azerbaijão - Apoio Turco
E Daí? Rússia busca ampliação da sua área de influência na região do Cáucaso - Limite físico com
Turquia

s. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) (1961)


1) Generalidades:
a) Apoio dos EUA para entrada do Brasil na OCDE-2019
b) Originou-se após o sucesso da Organização para a Cooperação Econômica Europeia
(OECE) no período pós 2ª GM.

- Estrutura formada por países e parceiros estratégicos dedicados ao desenvolvimento


econômico.
- A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é uma organização
econômica intergovernamental com 37 países membros, fundada em 1961 para estimular o
progresso econômico e o comércio mundial. É um fórum de países que se descrevem
comprometidos com a democracia e a economia de mercado, oferecendo uma plataforma para
comparar experiências políticas, buscar respostas para problemas comuns, identificar boas
práticas e coordenar as políticas domésticas e internacionais de seus membros. (BAREMA AT4
PEP 2021)
- 37 Membros - 2021 (EUA, Alemanha, Reino Unido, Canadá. Chile, México etc.)
- parceiros estratégicos: África do Sul, Brasil, China, Índia e Indonésia.
- Chamada de Clube dos Ricos, seus integrantes apresentam elevado PIB per capita e elevados
IDH, representando cerca de 80% do comércio mundial e investimentos.
- Estrutura organizacional da OCDE:
- Secretariado: coleta os dados necessários e relevantes
- Comitê: discutem as informações recolhidas
- Conselho: decide sobre as possíveis soluções e coordenações políticas
→ Por fim, governos aplicam as recomendações.
- O objetivo da organização é promover políticas (desenvolvem políticas e estabelecem metas)
que proporcionem o bem-estar socioeconômico da população.
- Por meio de um fórum, os governos trocam experiências para soluções de problemas comuns.
- Promove a análise e comparação de dados para prever tendências futuras.
- Estabelece padrões internacionais nos setores agrícola e de segurança de produtos químicos.
- Analisa fatores que influem na vida da população (impostos, seguridade social e lazer).
- A comparação dos sistemas educacionais e previdenciários dos países permite que a OCDE
recomende políticas que contribuam para a melhoria da qualidade de vida da população.
- Os países OCDE visam:
35
- A manutenção de um crescimento econômico duradouro, com desenvolvimento sustentável;
- A criação de empregos para a melhoria do setor econômico e do bem-estar social;
- A melhoria da expectativa de vida com políticas que assegurem eficiência na saúde e educação;
- O combate à pobreza, buscando estabilidade financeira; e
- O aprimoramento de economias de países em desenvolvimento.

OCDE X Brasil:
- Pedido de adesão em 2017 a fim de tornar-se um membro pleno.
- Para isso o Brasil deverá cumprir todos os 245 instrumentos (requisitos econômicos, políticos
e ambientais) e ser aceito por todos os membros da OCDE.
- O País já aderiu a 93 dos 245, e encontra-se com 50 instrumentos em análise. (dez/20)
- O interesse do Brasil em tornar-se membro da Organização para Cooperação e
Desenvolvimento Econômico (OCDE) revela a disposição brasileira em trabalhar junto com a
organização e seus países-membros em uma vasta agenda de temas relacionados a políticas
públicas, com importante efeito catalisador das reformas estruturais em curso no País.
(BAREMA AT4 PEP 2021)
- Atualmente, o País enfrenta o grande desafio de atingir os requisitos exigidos pela OCDE, a
fim de tornar-se um país-membro e, então, usufruir desta condição para incrementar sua
economia e reforçar a confiança dos cidadãos em suas instituições. (BAREMA AT4 PEP 2021)

- Principais requisitos:
- Econômicos: Controle da dívida pública / Controle fiscal e da inflação / Medidas de
austeridade / Pacotes liberais (menor intervenção do Estado);
- Políticos: Respeito à democracia / Respeito a direitos humanos / Respeito a minorias;
- Ambientais: Desenvolvimento sustentável / Segurança alimentar

- Vantagens da adesão do país à OCDE:


a. Maior credibilidade do país junto a investidores. A conquista representa um “selo de
confiança” ao país junto à economia internacional. Para fazer parte dessa organização, o país
precisa passar por um exigente processo de adesão, tendo que cumprir diversos requisitos
econômicos e políticos, o que lhe confere maior credibilidade junto ao mercado,
E daí? → atraindo investimentos por parte de grandes empresas

b. Aumento das oportunidades de negócios. As resoluções adotadas pela OCDE são


referência internacional e até padrão de comportamento exigido para acordos e empréstimos
internacionais. Ao fazer parte da OCDE, o país membro passa a ser visto como cumpridor
dessas normas ou melhores práticas,
E daí? → facilitando novas oportunidades de negócios e financiamentos internacionais a
juros mais baixos.

c. Fortalecimento do País junto à comunidade internacional. Ao participar como membro


da OCDE, o país estará inserido em um cenário de maior segurança jurídica, transparência e
gestão,
E daí? → o que favorecerá o diálogo junto à comunidade internacional, beneficiando o
comércio com economias desenvolvidas.

d. Aceleração de reformas estruturais. O País poderá se utilizar do processo de adesão para


promover uma agenda de reformas estruturais. O cenário atual da economia brasileira é

36
marcado por um alto custo da administração e por um sistema tributário confuso, ineficiente
e que dificulta o aumento da produtividade e do emprego.
E daí? → Diante desse quadro, a aceleração de reformas estruturais promoveria redução
de gastos e conteria o avanço da dívida pública.

e. Melhor Governança. A Organização é um grande centro produtor de diretrizes, de


parâmetros de política externa, de políticas públicas;
E daí? → proporcionando as ferramentas necessárias ao Governo brasileiro possa
promover uma melhor governança, e consequentemente gerar uma melhor integração
entre seus ministérios.

f. Consultoria em relação as Políticas Públicas. A OCDE tem como função identificar,


avaliar e orientar seus membros quanto as práticas de políticas públicas. O acesso a essas
informações, a troca de experiências com outros países e a avaliação de sua própria política
por especialistas de grande qualidade seria de grande valia para o país.
E daí? → colaborando com a definição de políticas públicas mais eficazes, efetivas e
eficientes.

g. Participação na definição de políticas públicas. Ao fazer parte da OCDE, o Brasil tem a


oportunidade de participar das discussões que definem as áreas prioritárias a ser analisadas
pelo organismo,
E daí? → propiciando a possibilidade de influenciar na definição de políticas públicas
afetas ao País.

h. Participação na definição de padrões da organização. As decisões da organização são


tomadas em consenso, e o Brasil terá voz e voto ativos na definição dos padrões da
organização.
E daí? → Desse modo, o País poderá eventualmente evitar recomendações que sejam
prejudiciais ao país, assegurando as especificidades da economia brasileira.

i. Convergência do país às melhores práticas e regras internacionais. Ao cumprir diversos


requisitos econômicos, políticos e até ambientais, o País converge às melhores práticas e
regras internacionais consolidadas pela organização
E daí? → colaborando com a elevação no nível da produtividade da economia brasileira.

j. Promoção de acessibilidade à serviços públicos. A OCDE estimula a transparência e a


promoção de acesso aos serviços públicos aos cidadãos por meio de plataformas digitais,
E daí? → contribuindo para a construção do governo digital no Brasil e com a redução de
custos da máquina pública.

k. Definição de estratégias no setor da Indústria. A adesão permitirá que o Brasil tenha


participação ativa nas discussões estratégicas da organização,
E daí? → o que dará maior visibilidade e reconhecimento internacional para a indústria e
para os produtos brasileiros.

l. Desenvolvimento do setor agrícola. Na OCDE há o estabelecimento de padrões


internacionais em setores como o agrícola e o de segurança de produtos químicos, e a
37
harmonia do Brasil com esses padrões promoveria uma maior aceitação de produtos
agrícolas do País no mercado internacional,
E daí? → favorecendo um aumento das exportações do setor.

m. Melhoria da qualidade de vida da população. A organização possui um corpo técnico de


grande qualidade que produz pesquisas sobre políticas públicas em várias áreas. Com isso, a
OCDE pode auxiliar o Brasil a desenvolver estratégias de Políticas Públicas em áreas como
educação, saúde e saneamento básico,
E daí? → contribuindo para a melhoria de seus indicadores sociais e econômicos.

(BAREMA AT4 PEP 2021): Justificar o interesse do Brasil em tornar-se membro da OCDE
a. Obtenção de investimentos e empréstimos a juros baixos
b. Adesão a programas para dar eficácia às políticas públicas
c. Interferir nas discussões que definem padrões internacionais
d. Obter um selo de qualidade de política econômica
e. Ganhar credibilidade e reduzir os riscos de perda do grau de investimento
f. Melhorar a percepção dos investidores sobre o Brasil
g. Facilitar a negociação de acordos bilaterais ou multilaterais
h. Alinhar o sistema regulatório às práticas internacionais
i. Melhorar sua gestão interna, com maior controle dos gastos públicos
j. Participar de acordos de cooperação exclusivo entre os membros participantes

t. União Africana (UA) (2002)


2) Obj:
c) Conseguir maior unidade e solidariedade
d) defender a soberania
e) Acelerar a integração política e socioeconômica
f) promover a paz
g) promover e proteger os direitos humanos
h) promover o desenvolvimento sustentável
3) Índices:
a) 2 TriEnquadramento como Bloco: Zona de preferência tarifária (Zona de livre
comércio em fase de adesão)
b) PIB:
c) Destaque para Nigéria, África do Sul, Egito e Angola na Economia
d) 1,2 Bilhões de Pessoas
e) Fundação: Antecedentes - Organização da Unidade Africana (1963)
f) 54 Membros
g) Agenda 2063: meta de longo prazo na África para integração próspera e pacífica.
4) Generalidade
a) Promoção da democracia, direitos humanos e desenvolvimento econômico na África
b) programa Nova Parceria para o Desenvolvimento da África - atração de investimentos
c) 2019 - Área de Livre Comércio Africana

LEGENDA DO RESUMO:
ERRADO
BAREMA
DÚVIDA
IMPORTANTE
38
RESUMO 2021

UD IV – A EUROPA NO SÉCULO XVIII E O MUNDO CONTEMPORÂNEO

OBJETIVO ENGLOBANTE: Interpretar a crise do Antigo Regime e o Iluminismo, a Revolução Industrial (séculos
XVIII-XIX), a independência dos EUA, a Revolução Francesa e a Era Napoleônica, para explicar as mudanças
que ocorreram na Europa no século XVIII e no mundo contemporâneo.

LEGENDAS
xxxxx Ideias que o grupo considerou como ideia força
xxxxx Ideias que geraram dúvida no debate. (Precisa verificar)
xxxxx Ideias de baremas

1. ASSUNTO 16: A CRISE DO ANTIGO REGIME E O ILUMINISMO.


Objetivo:
Definir o iluminismo e sua relação com as mudanças políticas, econômicas e sociais ocorridas no período

a. Os ideais iluministas e seus expoentes


1) ideais
-Na Política
Negação do absolutismo
Criação de órgãos para o cidadão participar da política
- Na economia
Negar intervenção estatal na economia (LIBERALISMO)
-No Psicossocial
Defendia a igualdade entre os seres humanos; negação privilégios para nobreza
anticlericalismo

2) Expoentes

a. Francis Bacon (1561 - 1626)


- Pai do empirismo e experimentalismo. “fundador da ciência moderna”
- Métodos que negavam a fé

b. Descartes (1596 - 1650)


- Universalidade da razão - Penso, logo existo
- Método cartesiano

c. Isaac Newton (1642 - 1727)


- Princípio da gravitação universal
- Leis físicas e não religiosas

d. John Locke (1632-1704)


- formulador princípios liberalismo político
- negava Thomas Hobbes (defensor absolutismo)
- direito de rebelião da sociedade civil contra Governo despótico
- lançou bases sobre a divisão de poderes (depois aperfeiçoado por Montesquieu)

e. Montesquieu (1689 - 1755)


- mais importante no contexto político
- se inspirou em Locke e organizou as ideias
- Obra: espírito das leis
39
1. Proposta divisão em 3 poderes como organização do Estado
2. independência e equilíbrio era a única maneira de assegurar a liberdade
- rompe com o sistema centralizador do rei em vigor na época
- Estados até hoje se organizam conforme sua visão

f. Voltaire (1694 -1778)


- Crítico do Absolutismo e Igreja - violentas críticas aos privilégios
- Agitador - Liberdade de Expressão
- EDUCAÇÃO: razão e cientificidade era o melhor caminho para o progresso.

g. Rousseau (1712 - 1778)


- Vontade da maioria
- bondade natural do homem. pervertido pela civilização bom selvagem
- Obra: O Contrato Social
- grande aceitação entre pequena burguesia e camadas populares
- defendeu o VOTO UNIVERSAL
- Precursor ao socialismo
- poder era do povo e não do soberano
- Soberano deveria estar a serviço da maioria
- propriedade privada era uma das origens da desigualdade entre as classes

h. Diderot (1713 - 1784)


- organizou a enciclopédia com 28 (35) volumes
- inspiração racional e material
- por essa razão, iluministas também são conhecidos como enciclopedistas

f. Economistas fisiocratas (governo da natureza)


- liberdade do comércio
- Econ funcionaria de acordo com as próprias leis, parecido com natureza
- agricultura Pcp riqueza
- Principais teóricos
- Quesnay (1694-1774)/ Turgot (1727-1781) / Gournay (1712 - 1759)
● Gournay consagrou “laissez faire, laissez passer” ( deixe fazer, deixe passar): em
nome da plena liberdade defendia a abolição das aduanas , regulamentações e
corporações.

g. Adam Smith (1723 - 1790) e a


- Liberalismo econômico
- Obra: RIQUEZA DAS NAÇÕES
- riqueza como algo dinâmico, passível de ser produzida
- o trabalho notadamente o industrial (não apenas a agricultura) era a fonte Pcp de riqueza
- trabalho livre única saída para reduzir as desigualdades
- lei da oferta e procura
- maior crítico ao mercantilismo, considerando-o um entrave para o Dsv
- defendia que somente o livre comércio poderia trazer a harmonia social

b. A divisão dos três poderes e o Estado laico


1) Locke teorizou sobre o papel do parlamento, definindo-o como poder legislador
2) Mais tarde Montesquieu aperfeiçoou o pensamento de Locke consolidando suas ideias na Obra
O ESPÍRITO DAS LEIS, como visto acima.
40
c. Os déspotas esclarecidos
Despotismo esclarecido (iluminado)
1) Associação do iluminismo ao poder monárquico
2) Adoção da liberdade religiosa, melhor acesso a educação, menor intervenção na
economia
3) Manutenção do poder centralizado
4) Ocorrido na segunda metade do século XVIII
a. Principais Déspotas Esclarecidos:
1) José II - Áustria - país que promoveu mais transformações
a) Fim da escravidão
b) obrigatoriedade do serviço militar
c) Igualdade tributária e jurídica
2) Frederico II - Prússia
a) influenciado por Voltaire
b) Ensino básico obrigatório
c) liberdade de culto
d) Novo código de justiça - Abolição da tortura
3) Catarina II - Rússia - poucas modificações
a) Liberdade de culto
b) Melhoria na educação (nobreza)
4) Carlos III / Conde de Aranda (1718-1799) - Espanha
a) Estimulou o desenvolvimento das manufaturas de tecidos e de artigos de luxo
b) Dinamizou a administração visando fortalecer o poder real
5) D. José I (1750-1777) / MARQUÊS DE POMBAL - Portugal
a) Reformas Pombalinas
Implementadas no reinado de D. José I pelo ministro marquês de Pombal
1) Tentativa de fortalecimento do Reino por meio da modernização
a) Crescimento da produção manufatureira
b) estímulo à agricultura
2) Coincidência com o período de decadência da mineração no Brasil
3) Principais ações:
a) Diminuição da influência da nobreza e do clero
b) Diminuição da influência dos Jesuítas, com a expulsão de Portugal e das
colônias em 1759
- Os jesuítas possuíam imensa riqueza, constituindo quase um Estado
dentro do Estado
c) Reorganização da Administração Política
- Extinção do regime de capitanias hereditárias
- reunificação administrativa
- Fim dos 2 estados: Maranhão e Brasil (centralização política)
- Transferência da Capital para o Rio de Janeiro (1763)
d) Reorganização da Administração Econômica
- Fortalecimento dos exclusivo metropolitano
- Em relação ao diamante
- Conversão da exploração em monopólio real - Regimento da Real
Extração
41
- Em relação ao ouro
- Estabelecimento: de regime de taxação combinado da Casa de
Fundição
- e do sistema de fintas com cotas de 100 arrobas, complementado
pela derrama
- em relação ao açúcar e drogas do sertão
- Criação: da Cia Geral do Comércio do Grão Pará e Maranhão
(1755) - Atuação na Amazônia
- e da Cia Geral do Comércio de Pernambuco e Paraíba (1759) -
Atuação no Nordeste

4) Conclusão Parcial: A administração Pombalina se caracterizou pela crescente


racionalização da atividade econômica, tendo por objetivo a transferência do
máximo de riqueza para a metrópole. Paralelamente, aumentava o grau de
opressão colonial

d. Mudanças políticas, econômicas e sociais ocorridas no período


- Influências políticas:
1) Declaração de independência (1776) e Constituição dos EUA (1787)
2) Revolução Francesa (1789-1799)
3) Reformas Pombalinas (1750 - 1777)
4) Revolução do Porto (1820) - Manifestações na Cidade do Porto - Volta de D. João VI
5) Movimentos emancipacionistas ibero-americanos - Criação de novos Estados-nação

- Reformas Pombalinas (1750-1777)


- Visavam Fortalecimento do Estado e Autonomia Econômica de Portugal em Relação a
Inglaterra
- Extinção definitiva das capitanias hereditárias;
- Elevação do Brasil a vice-reino de Portugal;
- Nomeação do Rio de Janeiro como nova capital da colônia – em substituição a Salvador;
- Expulsão dos jesuítas;
- Proibiu a escravização dos índios;
- Influências Econômicas
1) Crítica ao Mercantilismo e ao controle do mercado - liberalismo econômico
2) Surgimento da Burguesia

- Influências Sociais
1) Princípios: Liberdade, Igualdade e Fraternidade
2) Humanitarismo: Respeito pelos semelhantes / bem-estar da humanidade
3) Defesa do fim da escravidão / tráfico negreiro
4) Pacifismo: não existe distinção de guerras justas e injustas
5) Estado Laico → tolerância religiosa
6) enciclopedismo
7) Mudança na estrutura social (ascensão da burguesia)

2. ASSUNTO 17: A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL- AS GRANDES TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS


(SÉCULOS XVIII – XIX).
42
Objetivo:
Analisar as transformações ocorridas na Europa do século XVIII

a. As razões do pioneirismo inglês;


i. Revoluções burguesas com sucesso
1. Revolução Puritana (1642-49) - Oliver Cromwell (ditadura militar) 1649-53 e 1659-60
a. “rei reina, mas não governa” (origem posterior da Monarquia Parlamentarista)
b. Atos de Navegação 1651 - Poderio Naval contribui para o controle das rotas
marítimas, e fortalecimento da burguesia inglesa (acumular capital)
c. Leis do Cercamento - reforma agrária, forçou o êxodo rural (MDO), urbanização
causou diminuição da taxa de mortalidade, aumento do mercado consumidor,
tudo isso contribuindo para a Revolução Industrial.
d. Originado no aumento de impostos

2. Revolução Gloriosa (1685-89)


a. fim do absolutismo monárquico, oficializado pelo “Bill of Rights” (juramento do
REI)
- Rei não poderia mais expropriar propriedades privadas, coibir a liberdade
de expressão, restringir o comércio de modo autoritário
b. fortalecimento da burguesia

3. Consequências da Revolução Inglesa


a. Soberania do Parlamento
b. Regime político burguês (ascensão da burguesia)
c. rei reina mas não governa
d. Bill of Rights (fim do absolutismo monárquico)
e. Favoreceu o pioneirismo inglês Revolução Industrial
f. Permitiu à Marinha inglesa o controle dos mercados mundiais
i. Atos de Navegação (1651) - Limitou o acesso comercial às colônias aos
navios ingleses.
g. Tratados desiguais (Methen com Portugal) - 1810
h. Criou condições de estabelecimento do capitalismo
i. início do "fim do antigo regime"

ii. Criação do Banco da Inglaterra em 1664


iii. Grandes reservas de carvão e ferro
iv. Adam Smith - Liberalismo político (Europa continental buscava iluminismo igualitário)
v. Burguesia inglesa tinha capital suficiente para investir na indústria

b. O Liberalismo econômico e a consolidação do capitalismo;


c. A burguesia como centro de poder e surgimento do operariado.
1) Rev Industrial (1760-1850)
a) ascensão da burguesia ao poder após a Rev Inglesa (Puritana + Gloriosa)
- acesso às matérias-primas, compra de maquinário e disponibilidade de terras,
representavam o controle da burguesia industrial sobre os meios de produção
b) início em 1750 na Inglaterra
c) estabeleceu o Capitalismo industrial - substituição do capitalismo comercial - mercantilismo
d) inovações tecnológicas - motor a vapor
e) transformação das relações de trabalho:
- Divisão do trabalho (especialização da mão de obra)
43
- domínio de uma única parte de processo industrial
- trabalhador perdia a noção do valor do produto - fim das Corporações de Ofício.
- recebia salário para executar determinada atividade
f) Política de cercamentos - êxodo rural - crescimento das cidades
g) Vasta oferta de mão-de-obra (cercamentos) X Substituição de homens por máquinas
h) Crescimento das cidades - aumento do mercado consumidor - motivou a industrialização
i) Supremacia Marítima - Acesso ao mercado consumidor externo - compra de matéria prima -
venda de produtos com valor agregado
j) tráfico negreiro - gerando capital
k) relação: burguesia industrial x proletariado
l) Embrião dos sindicatos
- regime de trabalho de 18 horas em ambiente inóspito
- Utilização de mulheres e crianças como mão-de-obra
- baixos salários (mais valia x menos valia)
- trabalhadores e desempregados lutando por melhores condições de trabalho - surgimento
de greves e revoltas operárias
2) Ligação:
Revolução Industrial permitiu avanços tecnológicos - mais conforto, por outro lado mudou as
estruturas econômica, política e social e as relações de trabalho, e desencadeou uma grande
degradação do meio ambiente - aquecimento global.
- Avanço Têxtil - fiação mecanizada (tear elétrico 40x, descaroçador de algodão 50x)
- Ferro - substituição de coque por carvão reduziu bastante o custo de combustível da
produção de ferro gusa e ferro forjado
- primeiras máquinas-ferramentas (torno, perfuradora e fresagem)
- Máquina a vapor
- Transporte - cavalo 12km/h -> trem da época alcançava 45 km/h

3. ASSUNTO 18: A INDEPENDÊNCIA DOS EUA.


Objetivo:
Interpretar a independência dos Estados Unidos da América, como evento mundial, concluindo sobre os
impactos nos continentes americano e europeu

Ideias complementares
- "Descaso" inglês com a "Nova América" - resolvendo questões na Europa (Negligência salutar)
- Crescimento colonial das 13 colônias contrário aos interesses da metrópole
- Mudança de postura inglesa após a Guerra dos Sete Anos (1756-1763) - necessidade de capital
- Influência de ideais iluministas - John Locke

a. Dois países em um: as diferenças entre as colônias do Norte e do Sul


1) Norte
a) Mais desenvolvido - Manufatura - Ferro, Tecido
b) Pequenos Proprietários
c) Anseio por Governo Central que adote medidas protecionistas para incentivar mercado interno
d) Mão de obra assalariada
e) Contra a escravidão
f) Infraestrutura mais desenvolvida - Colônias de Povoamento

2) Sul
a) Latifúndios monocultores voltados para a exportação - plantations (algodão)
44
b) Mão de obra escrava
c) À favor da autonomia das colônias - livre exportação e importação
d) Infraestrutura voltada para exportação - Colônias de Exploração

b. As modificações da administração inglesa e a reação dos colonos: a Guerra de Independência (1776 –


1783)
1) Antes da Guerra dos Sete Anos
a) 1750 - Proibição de produção de ferro
b) 1754 - Proibição de fabricação de tecido

2) Após a Guerra dos Sete Anos


a) Necessidade de capital para restabelecimento econômico pós guerra
b) Necessidade de bloquear concorrência com o comércio colonial - Comércio Triangular

c) Leis Coercitivas
(1) Deram início aos movimentos de protesto e de boicote aos produtos ingleses
(2) Lei do Açúcar - monopólio das antilhas 1764
(3) Lei do Selo - Todo impresso deveria ter selo do governo 1765
(4) Lei do Chá - monopólio da Cia das Índias 1773
(a) Festa do Chá de Boston
(5) Leis Intoleráveis
(a) Interdição do Porto de Boston
(b) Proibição do direito de reunião
(c) Tropas inglesas nas 13 colônias - Lei do Aquartelamento

3) Primeiro Congresso da Filadélfia - 1775


a) 12 das 13 colônias (Geórgia)
b) Intenção: Revogação das Leis Intoleráveis
c) Declaração dos Direitos
d) Manutenção dos Boicotes aos produtos ingleses (iniciados com as leis coercitivas)

4) Segundo Congresso Continental da Filadélfia - 1776


a) 13 colônias
b) Intenção separatista
45
c) Declaração de Independência - Thomas Jefferson
d) Criação do Exército Continental - George Washington
5) Guerra de Independência (1776-1781)
a) 1778 - Entrada da França
b) 1779 - Entrada da Espanha
c) 1781 - Vitória colonial e francesa - Batalha de Yorktown

6) Tratado de Paris - 1783


a) Inglaterra reconheceu a independência dos EUA e cedeu territórios (Ex: Montes Apalaches)

c. A Constituição Norte-Americana
1) Generalidades:
a) Resultou do processo de emancipação das 13 colônias
b) Promulgada em 1787
c) Debate entre Federalistas e Republicanos
- Federalistas: eram os comerciantes que viviam em grandes cidades. Defendiam o
fortalecimento do governo central com autoridade para arrecadar impostos e
preservar a união em Estados - REPUBLICANOS atuais
- Republicanos: eram proprietários de terras. Defendiam a autonomia dos estados
não submetida ao governo central (temiam pelo não respeito os direitos
individuais dos cidadãos, além não querer pagar impostos para um governo
distante e que não se importasse com eles) - DEMOCRATAS atuais
d) Buscou um equilíbrio entre a centralização do poder nas mãos de um presidente e
manutenção da autonomia dos Estados

2) Características:
a) Espírito republicano
b) A primeira a utilizar a palavra “povo” em seu preâmbulo: deixando claro que o poder
emanava do povo e não de Deus ou do Rei
c) Influenciada pelos ideais iluministas
- liberdade, igualdade e fraternidade
- poder do povo e não de um soberano
- divisão dos três poderes de Montesquieu
d) Perdura até os dias atuais: sofreu poucas emendas em mais de 230 anos
e) Influenciou constituições de outros países, como a brasileira
f) Não se preocupa em abordar os interesses de estados e municípios, que estão livres para
decidir por conta própria temas como pena de morte, aborto, jogos de azar e outros

3) Principais artigos:
a) Forma de governo: república presidencialista federativa
b) Divisão dos poderes em Executivo, Legislativo e Judiciário
c) Unificou o sistema monetário
d) Determinou que os estados deveriam respeitar os direitos individuais dos cidadãos
e) Estabeleceu o sistema bicameral: Congresso dos Deputados e Senado
f) Criou a Suprema Corte
g) O Chefe de Estado e do Governo seria eleito pelos cidadãos livres, através do Colégio
Eleitoral

4) Carta dos Direitos (Bill of Rights):


46
Acrescentado em 1791 a fim de garantir alguns direitos básicos do cidadão
Liberdade de expressão e prática livre de sua religião

d. Apresentar a independência dos EUA no contexto mundial


1) 1º Movimento emancipatório colonial influenciado pelo Iluminismo. Caracteriza a ascensão da
burguesia já constituída no poder - considerada como uma das Revoluções Burguesas do século XVIII
2) 1775: os ingleses atacaram Lexington e Concord
3) “Exército Colonial” comando de George Washington
4) Thomas Jefferson encarregado de redigir a Declaração de Independência
5) 4 JUL 1776: Declaração de Independência. Associação do liberalismo inglês com o iluminismo
francês.
6) 1777: Batalha de Saratoga, vitória das tropas coloniais. Ponto de inflexão da Guerra. Atraiu
França e Espanha
7) 1778: França entrou na Guerra e a Espanha no ano seguinte, em apoio às tropas coloniais, com
o objetivo de enfraquecer a Inglaterra no cenário europeu
8) 1781: tropas coloniais e francesas derrotaram os ingleses na Batalha de Yorktown
9) 1783: assinado o Tratado de Paris, reconhecimento da independência das treze colônias pela
Inglaterra.

e. Impactos no continente americano e europeu


1) Impactos no Continente Americano
a) Primeira nação livre do continente
b) Ideais iluministas inspiraram outros movimentos de independência (Ex: América)
c) Republicanismo de tornou uma alternativa política
d) Declínio do domínio inglês na América continental
e) possibilitou a expansão para o Oeste

2) Impactos na Europa
a) Enfraquecimento inglês
b) Influenciou a Revolução Francesa
c) Fortaleceu os ideais iluministas
d) colaborou para o fim do Antigo Regime
e) perda de poder da Europa na América

4. ASSUNTO 19: A REVOLUÇÃO FRANCESA


Objetivos:
Analisar o processo revolucionário na França e seus reflexos para o Brasil

a. A defesa dos ideais do povo francês: liberdade, igualdade e fraternidade


1) Raízes no movimento iluminista que defendia o uso da razão e uma abordagem científica
(contesta o poder divino do rei);
2) 3º Estado convoca uma Assembleia Nacional Constituinte de 1789 - Aprova a DECLARAÇÃO
DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO - defesa para que todos fossem livres e iguais em direitos;
3) Reivindicavam: fim dos privilégios do clero e da nobreza, 3º estado (95% da população) único a
pagar impostos, limitar os poderes do rei, direitos políticos, igualdade social;
4) Apesar da Revolução - o voto continuou a ser censitário e masculino, não foi estabelecida uma
sociedade justa e igualitária;
5) Na fase Jacobina - fim da escravidão, sufrágio universal e reforma agrária
47
b. As fases da revolução e suas consequências para a sociedade europeia

1) Contexto histórico francês


- País agrário (26 milhões de habitantes - 24 milhões no campo)
- Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da monarquia) ou condenados
à guilhotina.

- Estrutura Psicossocial - Estamentos - estratificada


- Primeiro Estado - Clero (Minoria populacional)
- Segundo Estado - Nobreza (Minoria populacional)
- Terceiro Estado - trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia
comercial (Maioria populacional)

- Estrutura Política
- Monarquia absolutista
- Nobreza feudal

- Estrutura Econômica
- 1º e 2º estados sustentados por impostos arrecadados do 3º estado
- Produtividade versus preço dos produtos (Burguesia ainda muito fraca perto da
Inglaterra)
- Reduções alfandegárias para a entrada de produtos industriais estrangeiros no
país.

- Pleitos do Terceiro Estado


- Burguesia pleiteava participação política
- Trabalhadores urbanos, camponeses - Melhoria na qualidade de vida

2) O agravamento da crise
- déficit decorrente do apoio francês à guerra de independência das 13 colônias norte-americanas
(1756-1763)
- Crescimento de impostos
- Variação do preço do trigo agravou o quadro da fome que aumentou com as variações climáticas
para a agricultura. (1786 / 87) - preço do pão
- desemprego
- país agrário
- Forte competição econômica entre a burguesia francesa e os produtos ingleses dentro da própria
França (redução da taxa alfandegária para 12% para a Inglaterra) (1786) - devido a derrota na
Guerra dos Sete Anos

3) As medidas de Luís XVI


- ASSEMBLÉIA DOS NOTÁVEIS (representantes dos 3 estamentos) - 1787
- Aumento da tributação sobre o tamanho das propriedades rurais - nobres rejeitaram
- Assembléia dos Estados Gerais - Proporcional ao tamanho populacional (Clero e Nobreza se
opuseram a votação universal - Condução pelo Banqueiro Necker (Ministro das Finanças)
- Rei decidiu - Voto por Estado

4) A eclosão da Revolução

48
- Formação da Assembléia Nacional (Posteriormente constituinte) pelo 3º Estado, com
pouco apoio do 1º e 2º (influenciados pelo Iluminismo) - buscava a descentralização do
poder - Rei teve que aceitar (1789)
- Exigência do 3º Estado do voto por cabeça - negado pelo 1º e 2º Estado
- QUEDA DA BASTILHA (Símbolo da prisão política da monarquia) - 1789

(1) Os setores da revolução


(a) Sans-cullotes (populares) - estabilização de preços dos alimentos e eram a maioria
(b) Girondinos (alta burguesia) - não queriam a ascensão dos populares / apoiavam-se na
monarquia e no Rei
(c) Jacobinos (pequena e média burguesia) - mais radicais e buscavam beneficiar os mais
pobres. Maior participação dos trabalhadores na política. - Robespierre

Assembleia Constituinte (1789-1791)


- Modificações estruturais na organização da sociedade
- Confisco de Bens (Palácio de Versalhes tomado - Rei Luís XVI refúgio em Paris)
- Abolição regime feudal - Abolição da Servidão - escravidão colonial mantida
- Término Absolutismo
- Descentralização do poder
- Aprovada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão - 1789 Cancelou os
direitos feudais - Luís XVI se recusa a aprovar
- Aproximação dos déspotas e da nobreza
- Invasão austro-prussiana para evitar a ascensão dos populares / apoio oculto de
Luís XVI e dos déspotas (1792)

5) Monarquia Constitucional (1791-92)


- voto censitário
- aristocracia no poder
- Jacobinos chegam ao poder após conduzirem o (MASSACRE DE SETEMBRO)

6) Convenção Republicana (1792-95)


- Jacobinos no poder
- Regime do Terror (1792 a 1794) - guilhotina
- Administração de Robespierre, Saint-Just, Danton e Marat
- Tribunais rigorosos e execuções da oposição e nobreza
- Rei Luís XVI foi executado na Guilhotina em 1793 - conspiração
- Formação da Primeira Coligação (Buscou a retomada da França - 1793) - Monarquias
européias ficaram em Pânico
- Conflitos internos no 3º Estado (Execução de Danton e Marat)
- Robespierre perdeu o apoio popular e foi condenado a morte
- Golpe do Termidor - girondinos assumem o poder (Diretório)

- Transformações sociais
((1)) gêneros alimentícios foram tabelados
((2)) criação de escolas
((3)) reforma agrária.
((4)) abolida a escravidão colonial francesa.
((5)) sufrágio universal

7) Diretório (1795-99)
49
- Girondinos no poder
- Retorno dos preços liberais dos alimentos / escravidão / perdas sociais
- Tentativa de restauração monárquica reprimida por Napoleão (1795) - (2a
COLIGAÇÃO)

8) Fim da revolução
- Tentativa contra-revolucionária deu a Napoleão o comando da campanha na Itália
- General Napoleão Bonaparte conduziu a vitória da revolução
- Convidado a fazer parte do governo
- No ano de 1799, Bonaparte deu o golpe de Estado (18 Brumário) e se transformou em
consul.

9) Consequências para a Europa


- Fortalecimento da burguesia no poder com base no capitalismo
- Temor da expansão das idéias da revolução por parte dos Reis Europeus
- Nova concorrência de poder com a Inglaterra
- Derrocada do antigo regime na Europa
- Novo modelo constitucional com participação da BURGUESIA no poder
- Perda da força da Igreja Católica do poder, dentro da Europa
- Fim do sistema absolutista e dos privilégios da nobreza.
- Autonomia do povo e direitos sociais passaram a ser respeitados.
- Melhoria do padrão de vida do povo

c. As consequências para as colônias luso-espanholas na América

1) Abolição da escravidão nas colônias espanholas influenciada pelo fim da escravidão no Haiti,
em 1794. Alinhada com a Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão.

2) Influência dos ideais iluministas (liberdade, igualdade e fraternidade) nas colônias. Introduzidas
por meio do comércio e do contato dos filhos da elite colonial que era enviada para estudar na metrópole.
Presente na Constituição de diversos países (Brasil).

3) Incentivo às revoltas separatistas na América Portuguesa:


- Inconfidência Mineira (1789) - insatisfação contra a Derrama (confisco compulsório de
bens e valores devido ao não pagamento do Quinto). As obras de Montesquieu,
extremamente difundidas durante a Revolução Francesa, foram encontradas nas casas
dos principais líderes. Ex.: José Joaquim da Silva Xavier (Tiradentes).
- Conjuração Baiana ou revolta dos Alfaiates (1798) - os revoltosos lutavam pela criação
de uma república, a abolição da escravatura, o aumento do salário e o livre comércio.
Houve contato dos líderes baianos com jacobinos franceses solicitando apoio para a
causa em troca de benefícios fiscais para a França no comércio com a colônia brasileira.
Os franceses rejeitaram.
- Revolução Pernambucana de 1817 - ideais liberais da Revolução Francesa.

4) Impulso aos movimentos de independência nas colônias luso-espanholas.

5) Ideias Liberais surgidas no Brasil – que condenavam a escravidão e contestavam o absolutismo


estavam alinhadas a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão

6) Constitucionalismo. Influência dos ideais da Rev Francesa nas colônias..


50
7) Republicanismo. Grande parte das colônias espanholas.

8) Maturidade política das classes dominantes locais, gerando descontentamento sobre a relação de
subserviência à metrópole e falta de representação política.

9) Fim do exclusivo comercial. Atendendo ao liberalismo econômico difundido pela Rev Francesa.
Ex: Abertura dos portos no Brasil (1808).

10) Valorização da colônia como mercado consumidor.

11) Formação das Juntas de Governo na América Espanhola para realização de debates sobre a
representação política dos colonos nas capitanias e vice-reinos.

12) Aumento da influência inglesa. Tratados de 1810.

13) Transferência da Corte Portuguesa para o Brasil. Maior atenção à colônia. Criação do Banco do
Brasil e de universidades.

14) Educação, Cultura e Arte - deslocamento do eixo da administração do reino para o Brasil, com o
livre acesso ao país de intelectuais, artistas e cientistas.

15) Elevação do Brasil à condição de Reino Unido (1815) - representatividade junto ao Congresso
de Viena (1814-1815).

16) Relação com a igreja - anticlericalismo oriundo da Revolução Francesa.

17) Ação das sociedades secretas - a Maçonaria estava impregnada das idéias revolucionárias
francesas.

5. ASSUNTO 20: A ERA NAPOLEÔNICA


Objetivo:
Examinar as Guerras Napoleônicas e o Congresso de Viena, e o consequente arranjo político das
potências européias

1) Era Napoleônica (1799- 1815): do Consulado ao Império

a) CONSULADO (1799-1804)
O governo da República Francesa, conhecido como DIRETÓRIO, estava com grande
dificuldade de enfrentar a 2ª COLIGAÇÃO (1798) contra a França. Os chefes políticos girondinos
enxergaram em Napoleão (HERÓI NACIONAL) pelo desempenho nas campanhas da Itália contra a
Áustria, uma liderança para estabilizar o país. Nesse contexto ocorre o GOLPE DO 18 BRUMÁRIO,
iniciando o CONSULADO.
Realizações no período:
- Promulga uma Constituição,
- criação do BANCO DA FRANÇA (1800); (ECO)
- redução da inflação; (ECO)
- investimento em INFRAESTRUTURA, obras públicas. (ECO)
- fortalecimento do comércio e da indústria pelo PROTECIONISMO (ECO)
51
- Estímulo ao consumo de produtos locais. (ECO)
- REFORMA AGRÁRIA com confisco de terras da Igreja (ECO e PSICO)
- Atuação no campo cultural com a transformação do LOUVRE em museu,
- centralização de obras de arte conquistadas na expansão napoleônica. (PSICO)
- melhoria no ensino (PSICO)
- subsídio ao clero
- catolicismo como religião preponderante
- promulgação do CÓDIGO CIVIL (NAPOLEÔNICO) (1804) (POL)
- pregava a proteção à propriedade privada
- igualdade de todos perante a lei
- garantia das liberdades individuais
- Utilização da meritocracia
- Guerra FRA x ING (1802) - tratado de paz dá fim ao conflito (MIL)
- 1803 - venda da LOUISIANA para os EUA, dinheiro usado para estabilizar o consulado
e prosseguir na expansão militar.

Conclui-se, parcialmente, que a chegada de Napoleão ao poder por meio do Consulado criado
com o golpe de 18 de Brumário atendeu os anseios da alta burguesia protagonista da Revolução
Francesa, gerando boas condições para o desenvolvimento econômico e político da França.

b) IMPÉRIO NAPOLEÔNICO (1804-1815)


- 1804 - plebiscito coroação de Napoleão, o Imperador da França. Esse movimento não
representou um retrocesso nas conquistas da Revolução Francesa, uma vez que a
monarquia do período representou fortemente os objetivos da burguesia, isolando a
nobreza da cena política.
- 1805 - (Guerra FRA x ING + RUS + AUS) - resulta em derrota francesa na Batalha de
TRAFALGAR, ocasionando a perda do poder naval francês pela manobra brilhante de
Lord Nelson.
- 1806 - vitória do Exército Francês contra RUS e AUS na Batalha de Austerlitz - resulta
no fim do Sacro Império Romano-Germânico.
- 1806 - Impõe o BLOQUEIO CONTINENTAL, proibindo a Europa Continental de
realizar comércio com a Inglaterra.
- 1807 - INTERVENÇÃO NA ESPANHA como forma de disseminar o Bloqueio,
colocando seu irmão José Bonaparte (esse foi um dos motivos para iniciar a
independência das colônias espanholas americanas) - guerra ESP x FRA.
- 1807 - determina INVASÃO EM PORTUGAL devido a manutenção do comércio desse
país com a ING, culminando com a transferência da Família Real portuguesa ao Brasil.
- 1810 - Napoleão se casa com Maria Luísa - filha do imperador da Áustria - visando
ampliar sua autoridade na Europa
- Prestígio napoleônico desgastado, devido ao grande número de baixas e as
guerras intermináveis
- 1810 - Czar russo rompe com o Bloqueio Continental, fazendo com que a FRA invada a
RUS.
- 1812 - FRA é derrotada. RUS usou a tática de “terra arrasada”, incendiando toda a
cidade de Moscou, deixando os franceses sem comida e abrigo, fazendo as tropas
morrerem de fome e frio (Campanha da Rússia)
- 1813 - A 6ª Coligação contra o Império Francês derrotou Napoleão na BATALHA DAS
NAÇÕES. (Batalha de Leipzig)
- 1814 - Após invasão do território francês, Napoleão assina o TRATADO DE
FONTAINEBLEAU e é exilado em Elba.
52
c) Governo dos 100 dias (1815)
- Reassumiu o poder porém foi derrotado na Batalha de Waterloo (1815).

Infere-se, de forma parcial, que o Império Napoleônico modificou profundamente o equilíbrio de poder
europeu, causando importantes reflexos na América (Independência da América Espanhola, vinda da família
real)

2) CONGRESSO DE VIENA (1815)


a) tentativa de implementar a volta do ANTIGO REGIME.
b) Obj: reorganizar o mapa político da Europa.
c) Participantes: Áustria, Rússia, Prússia e França (nobreza)
d) SANTA ALIANÇA - Aliança militar formada por exércitos monárquicos (AUS, RUS e PRU),
com o objetivo de assegurar o absolutismo e impedir a expansão dos ideais libertários da Rev
Fra.
e) Não participação da ING enfraqueceu esse mecanismo, uma vez que manteve relações políticas
e comerciais com as colônias, resultando no fim do empreendimento.
f) Consequência: ELEVAÇÃO DO BRASIL A CONDIÇÃO DE REINO UNIDO 1815 (somente
poderia participar do Congresso Viena quem estivesse no seu Reino).
g) O congresso de VIENA procurou ampliar o imperialismo das potências continentais europeias
sobre suas colônias. Esse movimento afetou os interesses dos EUA na expansão de sua
influência nas Américas, levando a formulação da DOUTRINA MONROE.
h) Esta foi a segunda tentativa dos Estados europeus para englobar todo o continente e criar
uma ordem pacífica consensual, desde a PAZ DA VESTFÁLIA de 1648.
i) Criação da CONFEDERAÇÃO GERMÂNICA.

Conclui-se, de maneira parcial, que o Congresso de Viena foi uma tentativa das potências
terrestres europeias de manter sua hegemonia imperialista, resultando em contramedidas por parte da emergente
potência Norte-Americana e pelo Reino Unido.

53
3) A Nova Europa

- Difusão de ideias de liberdade


- Enfraquecimento do absolutismo
- Influência na emancipação da América

54
BUNKER - 2021
UNIDADE DIDÁTICA V – EUA - A GRANDE POTÊNCIA MUNDIAL

OBJETIVO ENGLOBANTE: Compreender a formação da grande potência mundial e suas ações estratégicas
de poder, com base na documentação referenciada, para concluir sobre sua hegemonia no contexto
internacional contemporâneos.

LEGENDAS
xxxxx Ideias que o grupo considerou como ideia força
xxxxx Ideias que geraram dúvida no debate. (Precisa verificar)
xxxxx Ideias de baremas

CONCEITOS

1. Espaço: Os EUA estão localizados na América do Norte e possuem cerca de 9 milhões de


Km². Com 50 estados e o Distrito Federal em Washington, o país possui 300 milhões de
habitantes. A norte faz fronteira com o Canadá, a Sul com o México, a oeste com o oceano
Pacífico e a leste com o oceano Atlântico (país bioceânico).

1. ASSUNTO 16. FORMAÇÃO TERRITORIAL DOS EUA


Apresentar o processo de ocupação e formação do território norte-americano, sob o enfoque da Geografia

1. 13 Colônias
a. Colonização heterogênea
a) Norte: pequenas propriedades - agricultura familiar
- Massachusetts, Delaware,
- Nova York, Nova Jersey (também chamadas de centro). (colonização de
povoamento)
b) Sul: Plantation (Latifúndios + Escravos + Exportação) - Plantation
- Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia. (colonização de
exploração)
2. Início da colonização: 1607 - Virgínia. 13 colônias. Nova Inglaterra.
3. Atuação econômica: Comércio Triangular - Fomentou a autonomia econômica (Diferente do Pacto
Colonial- Exclusivo Comercial) Comércio EUA - África - Caribe

4. Independência
a. Guerra dos 7 anos (1756-63) - Vale do Ohio - ( ING X FRA) - Aumento dos Impostos
Ingleses.
b. Festa do chá de Boston - colonos invadem o porto e jogam mais de 300 caixas de chá no
mar.
c. Inglaterra reage com as Leis Intoleráveis:
d. Guerra entre EUA e ING iniciada em 1775 (ING derrotada por EUA+FRA - 1783)
e. Declaração de Independência (1776) - reconhecido em 1783 pela ING (Tratado de Paris)
f. Constituição Americana (1787)

55
5. Expansão para o Oeste
a. Inspirada na doutrina do Destino Manifesto - crença que o povo EUA escolhido por Deus
para dominar o mundo. (Continente apenas) novas terras
b.
c. Doutrina Monroe (1823) - América para os americanos - ideais iluministas - rejeição a
qualquer interferência de países europeus na política do Continente Americano.
d. Expansão territorial até o pacífico - "Marcha para o Oeste"
a) Compra da Louisiana (1803) - Influência das Guerras Napoleônicas (da França)
b) Compra da Flórida (1819) - da Espanha
c) Oregon cedido pela Inglaterra (1846)
d) Conquista do Texas (1848) - guerra contra México (Trat. Guadalupe-Hidalgo)
e) Compra do Alasca (1867) - da Rússia
e. Marcha para o Oeste (fatores)
i. A escassez de terras na faixa atlântica;
ii. A necessidade do Norte, em fase de industrialização, de conseguir matérias-primas e
alimentos;
iii. A corrida do ouro;
iv. A conquista de áreas de pastagens para os rebanhos;
v. A construção de ferrovias, integrando os mercados, assegurando o comércio para a
produção agrícola.
f. intenso fluxo migratório
- 30 milhões de europeus (FRA, ALE, POL)
- motivação:
- Crises sociais geradas com a Revolução Industrial
- Distribuição de lotes de terra (marcha para o Oeste) (Homestead Act,1862)
g. Edito de Noroeste (1787) - regulava a criação de novos estados de acordo com o efetivo de
eleitores - impedindo que novas áreas fossem dominadas pelas já existentes

h. Consequências: Site: (Toda matéria)


i. Implementação de Ferrovias
- Union Pacific: 1ª ferrovia a ser construída nos EUA, ela era continental.
- Utilização de capital privado para a implantação e exploração das ferrovias,
possibilitando a grande expansão do modal.

56
ii. Crescimento demográfico (o Norte avançou para o Oeste mais rápido que o Sul -
Resultou em sua vitória na Guerra da Secessão) - BOSWASH
iii. desenvolvimento econômico baseado em pequenas propriedades e criação de um
mercado interno,
iv. extermínio de populações indígena e confinamento de tribos em reservas,
v. aumento das diferenças entre as colônias do Norte e do Sul que adotaram modelos
econômicos distintos e que culminaram na Guerra de Secessão.
vi. discriminação racial
i. Homestead Act (Lei de Povoamento) em 1862.
- doação de um lote de terra para chefe de família que nunca tenha lutado contra os
EUA maiores de 21 anos para cultivo por cinco anos.

6. Guerra de Secessão (1961-65)


a. Sul queria expansão dos latifúndios com mão-de-obra escrava e Norte queria expansão de
pequenas propriedades com trabalho livre e assalariado.
b. Compromisso do Missouri (1820) - Divisão dos Estados que eram escravistas (S) para os
não escravistas (N) - marco rio Missouri
c. União (N) x Confederados (S)
d. Outros estados (Califórnia) - queriam quebrar o compromisso - Crise Política Interna -
Eleição do Abolicionista - Abraham Lincoln (1860)
e. Guerra de Secessão (1861 - 65) - Estados do Sul queriam independência
f. Abolição da Escravidão (1863)
g. Norte vence e impõe o avanço do capitalismo industrial (mais protecionista) sobre os
latifúndios (liberal para o mercado externo)

2. ASSUNTO 17: CONSTRUÇÃO DA HEGEMONIA NORTE-AMERICANA


Examinar a construção da hegemonia econômica, política e militar norte-americana

1. Aspectos Econômicos (Das 13 colônias ao fim da Guerra Fria)


a. Plano Marshall (17 bi dólar): visando reconstruir a economia da Europa Ocidental e evitar
influência socialista.
b. Acordo Bretton Woods: padrão-dólar, GATT, FMI, Banco Mundial
c. NAFTA (1994): visa impulsionar exportação americana por meio da queda de barreiras
alfandegárias. Reformulou para o USMCA.
d. Tornou-se credor dos principais países europeus ao fim da 1ª GM (exportação de produtos)
e. Maior PIB mundial: 20 tri dólar (atualmente)
f. Gasto tecnológico espacial (Homem à Lua)
g. APEC (1989)
h. Multinacionais espalhadas pelo mundo (Apple, Microsoft)
i. Construção do canal do Panamá (1914).
j. Plano Dodge (Reconstrução do Japão) e Plano Colombo (Investimento nos Tigres Asiáticos)
k. Apoio a Assunção Xá Reza Pahlevi em 1953 no Irã.
l. Dólar como moeda padrão internacional (favorável à manutenção da hegemonia)
m. Liderança dos EUA em segmentos como o de tecnologia (favorável à manutenção da
hegemonia) Ex: tecnologia espacial (NASA), Apple, Microsoft, General Motors,

2. Aspectos Políticos (Das 13 colônias ao fim da Guerra Fria)


a. Independência influenciada por ideais iluministas e republicanos
b. OEA
c. ONU (integrante do CSONU)

57
d. Aliança para o progresso - America do Sul (Pinochet)
e. Doutrina Monroe
f. Saída do TPP (Parceria Transpacífica)
g. Doutrina Truman, pós 2a Guerra
h. Mediador de conflitos árabe-israelense (Acordo Camp David 1979 e Acordo Oslo 1993)
i. Diplomacia Ping-Pong (1971)

3. Aspectos Militares (Das 13 colônias ao fim da Guerra Fria)


a. OTAN (1949): pacto defesa mútua entre membros contra possível ataque soviético
b. Estabelecimento de bases militares pelo mundo (Guantánamo, Oriente Médio, Filipinas,
Colômbia, Taiwan, Coreia do Sul, Japão)
c. Big Stick - possibilidade do uso da força contra opositores para conseguir seus objetivos.
Ex: intervenção Alemanha na Venezuela em 1902, obrigando ação dos EUA.
d. TIAR (1947)
e. Apoio à Israel nas guerras árabe-israelenses
f. Atuação na 1ª GM
g. Atuação na 2ª GM
h. Primeiro país utilizar bomba atômica
i. Operação Condor -América do Sul - Governos Militares - Chile
j. Atuação na Guerra da Coreia (ONU)
k. Atuação Guerra Vietnã
l. Atuação na independência de Angola
m. Guerra do Afeganistão (1979-89)
n. Acordo militar BRA-EUA (1952)

E Daí?
Capacidade de projetar poder (hard e soft power) mundialmente - incomparável
poderio militar (favorável à manutenção da hegemonia)

3. ASSUNTO 18: AÇÕES ESTRATÉGICAS NORTE-AMERICANAS CONTEMPORÂNEAS


Analisar as ações estratégicas norte-americanas nas expressões do Poder Nacional, após o 11 de Setembro
de 2001

Conceitos englobantes pós 2001


Doutrina Bush - poder coercitivo
Doutrina da Segurança Nacional - Obama
Pax Americana - hegemonia (1991-2001)
Soft Power - persuasão e atração
Hard Power - coerção e intimidação
Smart Power - proporcionalidade entre os dois.
America First - unilateralidade das decisões dos EUA

Entendimento da ECEME (BAREMA)


- Os Estados Unidos da América (EUA) são a maior potência mundial na atualidade, com presença
e influência em todo o mundo e supremacia em diversas expressões do poder nacional, com
destaque para a militar.

- A partir do final de 2001, os EUA adotaram uma política externa unilateral, o que, para os
críticos, já simboliza uma medida que visava conter o declínio da sua hegemonia. Ao mesmo
tempo, a ideia era impedir ações de grupos terroristas atuantes no Oriente Médio e manter a
dianteira em diversas questões econômicas como energia, indústria e logística.

58
POLÍTICO-MILITAR
Doutrina Bush (2001)
- Uso da força preventiva e unilateral (Iraque, 2003)
- Uso da força contra qualquer país que pudesse ameaçar a segurança dos EUA (Iraque, 2003)
- Eixo do mal (Irã, Iraque e Coreia do Norte)

A política de “guerra ao terror” no exterior. (BAREMA)

- Bush (Iraque e Afeganistão)


- Trump (Estado Islâmico e Irã)

Guerra do Afeganistão (2001)


- Al Qaeda / Talibã / Osama bin Laden (2011)
- Apoio da OTAN
- Mortes - Aliados: 6000 / Mortes afegãs: entre 30 e 50 mil
- E daí? Impacto da opinião pública: favorável.

Invasão do Iraque (2003)


- Unilateral - sem consentimento da ONU
- E daí: revelando que os interesses norte-americanos estão acima de qualquer coisa

Apoio à democratização de países asiáticos e africanos.


- Fortalecida após a Primavera Árabe
- Apoia diplomaticamente, por intermédio de discursos públicos, as manifestações populares de
alguns países asiáticos e africanos, que lutam por maior liberdade e democratização de seus países.
- Líbia (atuação da OTAN) e Egito (Morsi), Ásia Central
- E daí: Busca vantagens e diminuição das influências Chinesa e Russa com a instauração de governos mais
alinhados com o ocidente

A política de uso do Soft Power (poder brando) no cenário internacional


- O soft power se expressa pela expansão mundial do idioma inglês e pela influência da cultura.
- American way of life - Hollywood, NBA

Reforço a tradicionais parcerias na Ásia


- Manutenção das alianças com Japão e Coreia do Sul
- Formação de um bloco anti-China. Cinturão de contenção (Tigres)
- E daí: Busca da contenção chinesa

Tratativas de acordo com Coreia do Norte


- Evitar produção de armamento nuclear (Kim Jong-Un)
- Diminuir influência e área estratégica chinesa
- Aumentar a segurança para o Japão
- Visita do Trump em 2019

A contenção da influência regional do Irã.


- Saída do acordo nuclear com Irã (Trump)
- Neutralização de Qassem Soleimani (2020)
- E daí: enfraquecimento do Irã que apoia o regime sírio e o Hezbollah

Alinhamento com Israel


- O Estado de Israel é cercado por povos árabes e muçulmanos, alguns considerados protetores de
grupos terroristas pelos norte-americanos.

59
- Reconhecimento da capital de Israel como Jerusalém - Indivisivel (Trump)
- E daí: A atuação israelense contra esses grupos favorece a manutenção do equilíbrio militar e a
estabilidade regional

A aliança com a Turquia


- Feita no âmbito da Organização para o Tratado do Atlântico Norte (OTAN).
- Presença de bases militares estadunidenses
- E daí: presença em área estratégica (ligação entre a Europa e Ásia)

Atuação na Guerra da Síria


- buscam equilibrar o poder no Oriente Médio - o Irã é o principal apoiador do governo sírio, sendo
também apoiado pela Rússia
- pretexto de combate ao terrorismo, principalmente contra o Estado Islâmico (EI).
- Retaliação (imediata e unilateral) pelo uso de armas químicas (2018)

Priorização a segurança interna:


- Crescimento dos órgãos de segurança (NSA)
- Evitar a presença do radicalismo islâmico em seu território

A nova estratégia de segurança nacional dos EUA (2018)


- Mudança no planejamento estratégico
- As principais ameça são China e Rússia, substituindo o combate ao terrorismo
- E daí? direcionamento dos esforços para contenção chinesa

Acordo EUA-Talibã (2020)


- Retirada gradual de militares do Afeganistão
- E daí Rússia: pode voltar a operar com mais facilidade na região
- E daí China: instabilidade na região de Xinjiang
- E daí Irã: diminui a pressão

SOCIOECONÔMICO

Ações de preservação da força do dólar no mercado internacional.


- Atualmente, o dólar ainda é um elemento de influência norte-americano
- e daí: atraindo investimentos e influenciando a política cambial de países de todo o
mundo.

A valorização do agronegócio
- Os EUA ocupam os primeiros lugares na exportação de produtos agrícolas em escala mundial,
apesar da concorrência brasileira e europeia.
- Os belts (milho, algodão, trigo, etc) ou cinturões agrícolas possuem elevada produtividade e qualidade,
fruto de avanços tecnológicos.
- E daí: garantindo sua segurança alimentar e interferindo na de outros países

Ações aumentando a força da indústria norte-americana


- A indústria americana representa aproximadamente 1/4 da produção em nível mundial.
- Saída de acordos: Acordo de Paris (Trump/ Biden retorna) e Protocolo de Kyoto
- E daí: tentativa de manter superioridade econômica / crescimento PIB

Renegociação do NAFTA (Acordo Norte-Americano de Livre Comércio)


- Criação do USMCA (2018)
- E daí? Tentativa de barrar a ida de empresas norte-americanas para o México, protecionismo

Ações diante as altas do preço do petróleo.


- Diversificação das compras de petróleo em outros países, como a Canadá e Colômbia
- Adoção, por exemplo, do óleo e gás de Xisto como alternativa.

60
- E daí: reduzir dependência na economia (segurança energética)

O poder das grandes corporações transnacionais.


- As empresas norte-americanas tornam-se multinacionais, com filiais espalhadas por todo o mundo.
- Exercem influência sobre as economias nacionais e determinam seu rumo.
- Apple/Google

O maior Produto Interno Bruto (PIB) mundial.


- A economia dos EUA é a maior do mundo.
- PIB estimado: US$ 20 trilhões

Os investimentos bilionários no setor bélico


- Maior que US$700 Bi - Mais do dobro da China
- Os EUA possuem o maior complexo industrial militar do mundo
- Destacam-se pelo uso de satélites artificiais e radares, submarinos nucleares e bem equipada força
aérea, que inclui aviões não tripulados controlados remotamente, armamentos altamente
empregados no Oriente Médio.
- Aquisição de novos caças F-35.
- E daí: Psicologia do medo - Dissuasão.

O investimento em “tecnopólos”.
- A região do Vale do Silício, situada a sudeste de São Francisco
- Na região, situam-se empresas como a Philips, a Sony, a Apple, a Intel, entre outras.
- E daí: os EUA se mantêm na dianteira do sistema internacional em termos tecnológicos (BAREMA).
Importação de cérebros

Saída do Tratado de Associação Transpacífica (TPP)


- Primeira ação de Trump.
- Tentativa de proteger os trabalhadores americanos.
- E daí? Abriu espaço para crescimento da atuação chinesa na Ásia (RCEP)

Proteção da propriedade intelectual


- Acusação que empresas chinesas forçam as empresas norte-americanas a transferirem tecnologia.
- Uma das preocupações USMCA.

Guerra comercial
- Imposição de tarifas à China (Alumínio e Aço)
- Proibição de aparelhos da Huawei em áreas de segurança estratégicas nos EUA.
- E daí: - Desacelera a economia global na medida em que induz ao escalonamento de medidas
protecionistas/ Impacto nas bolsas de valores.
- Oportunidades para o Brasil:
- Agronegócio brasileiro - Taxação de produtos agrícolas americanos
- produtos manufaturados do Brasil - taxação aos produtos chineses nos
EUA
- Riscos: Perda de investimentos brasileiros para suprir demandas da guerra
comercial (Compra da soja dos EUA pela China)

Expansão do muro com o México


- Visa restringir a entrada de imigrantes latinos
- Estimativa de 3000 km. Cerca de 700 km construídos.
- 1,6 bilhão de dólares liberados, Biden parou com a construção

Restrições a grupos étnicos considerados radicais


- Fim da recepção de refugiados e da entrada de viajantes de países como Irã, Líbia, Síria, Iêmen e
Somália.

61
4. ASSUNTO 19: IMIGRAÇÃO, COMPOSIÇÃO DA POPULAÇÃO E SEGREGAÇÃO DOS
EUA
Compreender a sociedade norte-americana, em sua expressão psicossocial

1. Generalidades
a. EUA maior polo de atração de imigrantes do mundo (2008)
b. Concentração populacional:
- Norte e centro: Pop de origem europeia
- Sudeste: negros 30%
- Sudoeste: Hispânicos(predomínio de mexicanos) ,asiáticos e indígenas somam 36%

c. Fatores de atração de imigrantes


- Descoberta de ouro na Califórnia (1848)
- Lei de terras (1862-atraindo europeus da Alemanha, Itália entre outros) “Homestead Act”
- A indústria do cinema - Hollywood
- O American Way of Life (crença da "superioridade" da democracia americana, fundada no
livre mercado e na competição sem limites)
- Busca por melhores condições de vida
- Corrupção e pobreza dos países de origem (imigração ilegal)
- Conflitos insolúveis (refugiados)

2. Os surtos migratórios

- 1840 - 1860: Colonização agrícola das Grandes Planícies e pela descoberta de ouro na
Califórnia (1849)
a) 4 milhões de imigrantes (IRL, ING, ALE)
b) ING, ALE - Protestantes - agricultores das Grandes Planícies / corrida do ouro
c) IRL - Católicos - Fábricas têxteis e construção civil
- 1879 - 1920: Leis de Terras (1862) (Homestead act)
a) Homestead Act: aquisição de lote de terra caso o mantivessem cultivados por cinco
anos - isso incentivou a imigração - finalidade era aumentar a circulação econômica
assalariada. (10 dólares - 4 mil m2)
b) Imigrantes da Europa Setentrional + ITA, POL, Judeus - antissemitismo
c) Fuga de guerras: Guerras napoleônicas, desequilíbrio social devido 1ª Revolução
Industrial
d) Construção de ferrovias
- Union Pacífic (1ª Ferr Transcontinental)
- Mão de obra chinesa
- Colonização Privada
- Venda de terras na área das Ferr
- Atração de novos imigrantes
e) Leis Restritivas
- Proibição de imigração chinesa (1902)
- Critério para ingresso: Alfabetização obrigatória em inglês (1917)
- Dec 1920: teto de 150 mil por ano

- 1950 - Atualmente: expansão dos empregos no comércio e serviços


a) Contraste com os períodos anteriores (repulsão aos imigrantes)

62
b) Ocasiona tensões políticas e sociais (fronteira com México)
c) Restrição de direitos ou limitação da imigração para os EUA(guerra ao terror,
xenofobia)

3. A composição racial
- Discriminação racial, violência e segregação marcam a sociedade.
- Negros ao sul. Asiáticos, hispânicos e indígenas (dizimados quase que na totalidade com a
“marcha para oeste”) mais a oeste.
- PEA 2008: 63% (30% são Hispânicos, Negros e Asiáticas) - 2050: 57% (50% são
Hispânicos, Negros e Asiáticas) - Na PEA dos EUA, vem aumentando a participação de
imigrantes ou descendentes e precisa disso, devido ao envelhecimento do norte americano
- Caso George Floyd (2020)

4. As ações adotadas para questões imigratórias


- 1994- Construção do Muro do México
- 2001- Bush restringe a entrada de imigrantes (destaque para muçulmanos ) como medida de
“Guerra ao Terror”
- 2002-2009- Prisão ao suspeitos de terrorismo na Base de Guantânamo (Cuba)
- 2019- Trump- concessão de visto mais rigorosa (desemprego americano);
- 2019 - Construção do Muro do México (iniciada em 1994, contra imigrição ilegal;
- 2019 - Redução do asilo a refugiados da América Central e Haiti.

63
RESUMO 2021

UD VI – EUROPA E OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

OBJETIVO ENGLOBANTE: Analisar o processo de integração da Europa, com base na documentação


referenciada, para concluir sobre seu posicionamento diante dos desafios contemporâneos.

LEGENDAS
xxxxx Ideias que o grupo considerou como ideia força
xxxxx Ideias que geraram dúvida no debate. (Precisa verificar)
xxxxx Ideias de baremas

INTRODUÇÃO
Tempo/ espaço (SFC)
1992, marco. A UE trata-se de uma união supranacional econômica e política de 27 países membros, somando uma
população de aproximadamente 500 milhões de pessoas e 20 idiomas. Está localizada no continente europeu. É o maior
bloco econômico do mundo. (BAREMA 1a AS 2011)
Ideias complementares:
- União monetária: Euro
- População: aprox. 400 milhões hab. 3º Melhor Padrão de Vida do Mundo (7,5% é imigrante)
- Extensão territorial: aprox. 4,4 milhões de km2
- Países componentes: 27 Países (já contando o BREXIT)
- PIB - Cerca de 15 trilhões dólares (sem contar o Reino Unido)

1. ASSUNTO 20: A UNIÃO EUROPEIA


Objetivos:
Explicar o processo de formação e evolução da União Europeia
Analisar a estruturação da União Europeia nas expressões do Poder Nacional

a. FORMAÇÃO DA UE (Até 1992)


1) Final da década 1940 - Conselho Europeu - BENELUX + França, Itália, Noruega e Suécia. 1944 -
Criação do BENELUX (Bélgica, Holanda e Luxemburgo)
2) 1947 - Após a 2ª Guerra Mundial, o Plano Marshall com o objetivo de reestruturar a economia
europeia.
3) Em 1948, foi criada a Organização Europeia para Cooperação Econômica (OECE) - cooperação
permanente e estabilizar as relações entre as nações.
4) Em 1951, foi criada a CECA (Comunidade Europeia do Carvão e do Aço) por França, Alemanha
Ocidental, Itália e BENELUX. (objetivo de impulsionar a recuperação industrial europeia).
5) Em 1957, a assinatura do Tratado de Roma criou a Comunidade Europeia de Energia Atômica
(EURATOM) e o Mercado Comum Europeu (CEE). Integrantes: mesmo CECA.
6) Década de 1960 - consolidada a União Aduaneira.
7) Anos 60 - Não há Aprofundamento e nem Ampliação no Processo - dificuldade no processo de
integração (Atuação soberanista FRA de Charles de Gaulle - Rejeitou 2x a entrada do RU)
8) 1965 - Tratado de Bruxelas (Fusão - MCE/EURATOM/CECA)
9) Anos 70 – Dificuldade no processo de integração permanece, devido à crise econômica gerada pelo
“Choque do Petróleo” (1973).
10) 1973 – Adesão do Reino Unido, da Irlanda e da Dinamarca (Europa dos 9)
64
11) 1981 - Ingressa a Grécia
12) 1985 - Criação do Espaço Schengen
13) 1986 - Adesão de Portugal e Espanha.
14) 1986 - Ato Único Europeu - Relançamento do Processo Integrador - Reúne e sintetiza em um
único documento os principais dispositivos dos tratados anteriores. Sinaliza para uma política externa de
segurança comum.

b. EVOLUÇÃO DA UE

1) 1992 - O Tratado de Maastricht instituiu a União Europeia (em vigor a partir de 1993) -
a) Instituto Monetário Europeu
b) Moeda Única
c) Políticas Fiscais
d) Criação da Polícia Externa e de Segurança Comum (PESC)
e) Criação da “Cidadania Europeia”
Resultado: Soberanias nacionais e o processo de decisão interna dos países
diminuíram.(CRÍTICA À UE)
2) 1993 - Mercado Comum Europeu com as 3 liberdades: livre circulação de mercadorias, de
serviços e de capitais
3) 1997 - Acordo Schengen (criado em 1985, passa a fazer parte do quadro institucional e jurídico
da UE) - elaborado pelo Tratado de Amsterdã, estabelecendo a liberdade de circulação de pessoas
4) 1998 - Fundação do Banco Central Europeu. Dessa forma, o processo de diminuição das
soberanias dos países foi acelerado.
5) 2003 - Tratado de Nice - estabeleceu a reforma institucional para alargamento da UE
6) 2002 - Entra em circulação o Euro
7) 2004 - Estabelecimento da Constituição Europeia
8) 2004 - Entrada de 10 países (Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia, Hungria, República Tcheca,
Eslováquia, Malta, Chipre e Eslovénia)
9) 2007 - Entrada da Romênia
10) 2007 - Tratado de Lisboa, entrou em vigor em 2009 - Aumento do Poder do Conselho da União
Europeia.
- E Daí: Dessa forma, as soberanias nacionais deixaram de garantir as decisões de processos
políticos e sociais internos. (Princípio de subsidiariedade). Estabeleceu também a Carta de Direitos
Fundamentais (Direitos Humanos).

65
PAÍSES COMPONENTES DA UE EM 2020 (Wikipedia) - Total 27

13) Desafios da Europa:


- Imigração (refugiados Oriente Médio e África; guerra civil, fundamentalismo islâmico)
- terrorismo (Bataclan e Charlie Hebdo na França, estação de trem na Espanha)
- movimentos nacionalistas (coletes amarelos, Catalunha, Bascos)
- Perda da Identidade cultural
- Xenofobia
- dificuldades econômicas (reflexo crise 2008)
- Superar pandemia Covid-19
- estabelecer Força de Defesa Europeia
- População reduzindo (baixa tx de fecundidade) - menos PEA
- Envelhecimento da população (e sobrecarga da Previdência, no sistema de saúde)
- Dependência energética da Rússia (gasodutos) e petróleo da Argélia e Catar.
- Questão Turca (resultaria na entrada de grande quantidade de muçulmanos na UE)
- Discrepância econômica entre os membros Leste Europeu, Grécia, Espanha, Portugal (PIIGS)
- BREXIT
- a ascensão do populismo e da direita em alguns países

c. ESTRUTURAÇÃO DA UE NAS EXPRESSÕES DO PODER


Militar: descentralizada, incipiente, reduzido
Econômica: maior economia mundial como bloco econômico, bloco mais consolidado
Política: tem expressiva força política
C&T: elevado estágio de desenvolvimento, alto investimento em pesquisa e inovação
Psicossocial: elevado IDH, região desenvolvida, bom padrão de vida, diversidade cultural, afetada
pela crise migratória, palco de crescente xenofobia.

1) ASPECTOS FISIOGRÁFICOS
a) Extensão territorial: aprox. 4,4 milhões de km
b) Penínsulas: Balcânica, Itálica, Ibérica, Escandinava, Kola, Crimeia
c) Litoral recortado: permite que tenha mais área de contato com oceano (importantes
portos. Ex: Porto de Roterdã - Holanda)

2) ASPECTOS PSICOSSOCIAIS
a) População: cerca de 400 milhões (aproximadamente 7% da população mundial) hab. 3º
Melhor Padrão de Vida do Mundo (7,5% é imigrante)
b) Imigração: Movimento migratório intensificou-se a partir de 2015, com origens do
norte da África e Oriente Médio.
c) Movimentos nacionalistas conservadores têm características de Xenofobia e anti-
imigração, atribuindo aos imigrantes a responsabilidade pelos problemas europeus.
d) Cidadania Europeia: membro da UE pode morar e trabalhar em qualquer País do bloco.
e) Mobilidade Social: ligações de infraestrutura entre os países para permitir a livre
circulação (TGV e Eurotunnel). Tem como consequência negativa a fragilidade das fronteiras;
f) Educação: programa Erasmus (programa de intercâmbio) permite a integração de
currículos para facilitar a mobilidade de estudantes universitários ;
g) Etnias: Três grandes grupos (latinos, germânicos e eslavos).
h) Religião: principais Católicos, Cristão Ortodoxo e Protestantes. Islamismo vem
crescendo por conta de imigrantes. (Desafio: como conter o crescimento do Islamismo na Europa?)
66
i) Padrão de vida: Alto em geral, com grande destaque nos países nórdicos.
j) Turismo: grande quantidade de turistas anualmente. Diminuição do turismo pelo medo
de atentados terroristas religiosos e nacionalistas.
k) Previdência Social: dificuldades no sistema previdenciário fruto do envelhecimento da
população. Países como FRA (colete amarelo), ALE, SUE e GRE já fizeram reforma no sistema previdenciário.
l) A baixa taxa de natalidade de países, como a Alemanha, está levando o número de
habitantes em idade ativa a um rápido declínio, crescendo o número de idosos, fazendo com que haja a
necessidade de mais mão de obra na Europa.
m) O choque cultural entre islâmicos e ocidentais nas escolas seculares europeias, gera
problemas de coesão nacional.

3) ASPECTOS ECONÔMICOS
a) PIB - Cerca de 15 trilhões dólares (sem contar o Reino unido)
b) Maior bloco exportador e importador de bens e serviços.
c) Energia: Dependência de gás russo e petróleo Argélia e Catar
d) Principais parceiros comerciais: Países intra-bloco (64%), EUA (17%), China (15.4%);
Brasil é o 12° (1,7%). Reino Unido
e) O Euro foi proposto como moeda única em 1992 pelo tratado de Maastricht, em 1999
entrou em vigor por equiparação do valor de moedas. Em 2002 passou a circular fisicamente como papel-
moeda;
f) Nações que não adotaram o Euro: 8 países (Dinamarca, Suécia, Rep Tcheca, Hungria,
Polônia, Bulgária, Romênia, Croácia)
g) O Fundo Social Europeu (1961): promover a criação de emprego.
h) Política Agrícola Comum (1962):
- modernizar as infraestruturas agrícolas
- estabilizar os mercados e assegurar preços razoáveis
- aumentar e diversificar a produção entre os membros.
- Sustentabilidade.
- Segurança Alimentar.
- Ocasionou uma superprodução que redundou em exportação para fora do bloco.
i) Discrepância econômica entre os países membros: França/Alemanha X Grécia.
Motivou Brexit, o que pode impulsionar outros movimentos separatistas como na Holanda e Itália,
prejudicando a integração econômica.
j) Acordo de Cotonu (2000): acordo comercial entre UE, países África e Pacífico.
k) Plano Juncker (2014): materializado pelo Fundo Europeu de Investimentos Estratégicos
e visa aumentar o PIB e criação de empregos.

l) Acordos econômicos Recentes da UE (APD 2018):


(1) México (2018) - Livre Comércio
(2) Japão (2019) - Livre Comércio de produtos e serviços
(3) Canadá - Redução de tarifas de exportação
(4) EUA - Intensificação da Exportação EUA→ UE. Principalmente Soja e Gás
Liquefeito do Petróleo.
m) Acordo UE-Mercosul (2019): não foi dado prosseguimento. Motivo são questões
ambientais e protecionismo agrário.
n) Energia Nuclear - aumento pela França, Bélgica e Eslováquia.
o) Ainda enfrenta reflexos da crise de 2008, como o desemprego na Grécia (17%). Países
mais afetados foram os PIIGS (Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha), menos industrializados

67
p) Possui MB infraestrutura de transporte (diversificada) , interligando os países do bloco
por meio de vias aéreas, ferroviárias, rodoviárias e marítimas.Ex: TGV, rodovias bem asfaltadas.

q) Relações UE - África
(1) Aliança África-Europa para investimentos em empregos sustentáveis.
(2) UE maior parceiro comercial da África. 36% comércio exterior africano.
(3) UE é um dos maiores investidores na África. 40% dos investimentos na África. (2016).

4) ASPECTOS POLÍTICOS

a) Países componentes: 27 Países (Reino Unido saiu 31/01/2020) - (Link)


b) Saída do Reino Unido (Brexit) foi consolidado em 31/12/2020 com o fim do período de
transição e o acordo firmado entre RU e UE em 24/12/2020;
c) Países Pretendentes: Albânia, Bósnia, Kosovo, Turquia, Islândia, Macedônia,
Montenegro, Sérvia.
d) Problemas da Turquia:
(1) 95% da população é muçulmana SUNITA (medo do terrorismo)
(2) Somente 3% do território turco está na Europa. O resto está além do estreito de
Bósforo, na Ásia.
(3) Faz fronteira com IRÃ, IRAQUE e SÍRIA
(4) Possível poder de Influência - Enorme População - representatividade no
parlamento europeu (seria a 2ª maior)
(5) Política de direitos humanos desalinhada com a da UE
(6) Acordo Turquia-UE: finalidade de conter a ida de migrantes para a Europa. No
contexto do plebiscito (2017) que ampliou os poderes de Erdogan, problemas diplomáticos surgiram com a
Holanda, Dinamarca e Alemanha (link)
(7) Política Externa Pendular: ora se alinha com Rússia, ora não. Ex: guerra da
Síria, Guerra Nagorno-Karabakh.

e) Países que não são candidatos à adesão: Liechtenstein, Islândia, Noruega e Suíça
(motivo: paraíso fiscal)
f) Organismos principais
(1) Parlamento Europeu (eleições diretas a cada 5 anos proporcional à população) - questão
da entrada da Turquia (representatividade de muçulmanos votando no parlamento)
(2) Conselho Europeu (chefes de Estado/ governo)
(3) Conselho da UE (ministros dos países reunidos conforme assunto)
(4) Comissão Europeia (comissários dos 27 países) - Poder Executivo da UE
(5) Banco Central Europeu (Político/Econômico)
(6) Tribunal de Justiça da União Europeia
g) Espaço Schengen: criado em 1985, permite a livre circulação de pessoas no espaço
europeu sem necessidade de passaporte. 22 dos 27 da UE + 4 não UE: Alemanha, Áustria, Bélgica,
Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, França, Finlândia, Grécia, Hungria, Islândia (não é UE) ,
Itália, Letônia, Lituânia , Luxemburgo, Liechtenstein(Não é UE), Malta, Noruega(Não é UE), Holanda,
Polônia, Portugal, República Tcheca, Suécia, Suíça(Não é UE).
h) A UE está representada nas Nações Unidas, na Organização Mundial do Comércio
(OMC), no G8 e no G-20.
i) Mecanismos Política Externa UE: Política Externa e de Segurança Comum (PESC) e a
Política Europeia de Segurança e Defesa (PESD)

68
j) Problemas UE: a ascensão do populismo e da extrema direita em alguns países; os
migrantes e refugiados; as relações com a Turquia; Brexit Avanço de partidos de direita a partir de 2015:

(1) AfD (partido alemão)- Alternativa para Alemanha (Alemanha), liderança de Frauke
Petry;
(2) Frente Nacional Francesa de Marine Le Pen (França);
(3) A Liga Norte de Matteo Salvini (Itália);
(4) Partido pela Liberdade (Holanda), liderança de Geert Wilders;
(5) Partido da Liberdade (Áustria).

k) BREXIT
(1) Plebiscito realizado em 2016, população decidiu pela saída do RU da UE;
(2) Em Jan/2020, após vitória do partido conservador no parlamento Inglês, foi finalmente
consolidada o Brexit no âmbito do Reino Unido, iniciou-se um período de transição;
(3) Em 24/12/2020, foi finalmente selado o acordo entre UE e RU. O documento, em vigor
de forma provisória, será analisado pelo parlamento Europeu até março 2021, quando deverá ser finalmente
assinado.
(4) Motivos Brexit:
(a) Políticos:
((1)) Relações superficiais com UE (não assinou o Tratado de Maastricht, não aderiu
completamente ao Espaço Schengen e ao EURO);
((2)) Grande participação no plebiscito da população conservadora e idosa;
((3)) Possibilidade de maior controle das fronteiras e da soberania nacional;
((4)) Possibilidade de elevar investimento em saúde (cerca de 350 mi de libras);
((5)) Necessidade de controlar melhor o fluxo migratório para o RU vindo
principalmente da África e do Oriente Médio.
(b) Econômicos
((1)) Melhoria econômica desprezível (após 4 décadas);
((2)) Economia da Inglaterra é mais dinâmica que a da UE e se sente prejudicada pela
burocracia europeia.

(5) Brexit custou a substituição do cargo de David Cameron para Teresa May e dela para
Boris Johnson
(6) Consequências para o Brasil: possível aumento do comércio de alimentos e bebidas
com Reino Unido; aumento intercâmbio educacional com o Reino Unido; acordo de cooperação de pesquisas,
acordos bilaterais
(7) Consequências gerais: o Brexit pode causar:
(a) a saída da Escócia do R.U. (Escócia quer se manter na UE);
(b) Saída de Gibraltar (quer manter livre circulação com UE, especialmente na espanha);
(c) Atritar relação Irlanda e Irlanda do norte (Irlanda não é R.U.), teria que voltar barreira
entre esses países,
(d) pagamento pelo R.U. de 39 milhões de libras para saída, desvalorização da libra e saída
de multinacionais (HSBC),
(e) pesca da UE em águas britânicas; mudança centro econômico europeu de Londres para
Frankfurt
(8) Principais pontos do acordo:

69
(a) Residência e trabalho: Europeus já residentes no RU permanecerão com o direito
inalterado. Novos pedidos de residência necessitarão visto e autorização específicas;
(b) Estudantes: O Reino Unido saiu do Programa Erasmus (oneroso para economia
britânica pois número de estudantes do R.U. era menor que da UE);
(c) Regras de competição: Ainda não há convergência nas leis que existem para impedir
monopólio de empresas. A concorrência livre e justa é uma das prioridades do acordo. Nesse sentido, subsidios
considerados injustos por alguma das partes poderão recorrer a tribunal arbitral e até impor sanções.
Inicialmente vigorará acordo de livre comércio entre UE e Reino Unido;
(d) Pesca: definição da fronteira marítima UE-RU. UE perderá, gradualmente, ao longo de
cinco anos, 25% das cotas de pesca em águas britânicas
(e) Abastecimento: 25% dos alimentos consumidos no Reino Unido vem da União
Europeia;
(f) Serviço de Saúde Europeus no Reino Unido e vice-versa: Acerto de contas será feito
pelos Sistemas de segurança social dos países envolvidos. Para europeus residentes no RU, será vigente a regra
local;
(g) Viagens: RU não integrava o espaço Schengen, porém, o cartão de cidadão europeu era o
documento necessário para europeus entrarem no País. A partir de Outubro, será exigido o passaporte. Voos de
passageiros oriundos do RU para algum país-membro da UE não poderão fazer escala em outro país-membro.
(h) Serviços bancários e financeiros: Empresas do RU que desejem prestar serviços na UE
terão necessariamente que se estabelecer em algum país membro;
(i) Programas Científicos: O Reino Unido permaneceu em alguns programas como:
((1)) Horizonte Europa (pesquisa e Inovação)
((2)) Inovação e Investigação em Ciência,
((3)) Copernicus (satélite para observação da Terra)
((4)) ERASMUS (intercâmbio de ensino).

5) ASPECTOS MILITARES
a) Alguns países europeus possuem armamento nuclear. Nas décadas de 50 e 60 do século
XX, Inglaterra e França já realizavam seus primeiros testes nucleares. Demonstrando força e poder de
dissuasão.
b) A criação de um plano de defesa comum, 1992, não ganhou fôlego.
c) A Política Externa e de Segurança Comum (PESC) - preservação e manutenção da paz e
da segurança, da defesa da democracia e da segurança da UE.
d) A presença militar dos EUA na Europa aumentou em virtude da antiga ordem mundial
bipolar. Pertencentes a um sistema de defesa comum capitulado pela OTAN, os EUA possuem tropas e armas
nucleares em território europeu. (Ex: Alemanha - reduzido para 25 mil em 2020))
e) Criada em 2004, a Agência Europeia de Defesa (AED) contribui ativamente para o
desenvolvimento da indústria de defesa. Tem por desafios e repercussões a atual redução das despesas de
defesa da UE.
f) A UE pode constituir unidades para realizar operações de resposta rápida, os
denominados Grupos de Combate. A UE pode empregar, desde 2007, até duas unidades dessas, com um total
de 1500 militares cada.
g) A UE enviou missões de manutenção da paz
- EUTM na RCA
- 2008 mediou o acordo de cessar-fogo entre Geórgia e Rússia.
h) O Comitê Político e de Segurança (CPS) da UE acompanha a situação internacional e faz
recomendações de caráter estratégico e político aos demais órgãos da UE. O CPS é responsável pela política
externa e de segurança comum (PESC) e pela política comum de segurança e defesa (PCSD) da UE.
70
i) O Centro de Satélites da UE (SatCen) apoia o processo de tomada de decisão da UE no
que diz respeito à política externa e de segurança comum na área espacial. Fornece produtos e presta
serviços resultantes da exploração de meios espaciais e informações colaterais, incluindo imagens de
satélite e imagens aéreas.
j) O Comitê Militar da União Europeia (CMUE) é o mais alto órgão militar criado no âmbito
do Conselho. Dirige todas as atividades militares, desenvolve capacidades militares, gera pareceres militares
ao CPS e apresenta recomendações sobre questões militares. É composto pelos chefes de Estado-Maior dos
Estados-Membros.
k) A maior parte dos países do bloco europeu é membro da OTAN. Pois os interesses de
defesa e de segurança da OTAN acabam coincidindo com os da UE.
l) A UE não possui uma Forças Armadas própria. O bloco ainda não constituiu uma força
armada única para atender às demandas de defesa comum. O assunto encontra-se em discussão na UE. Não
possui a simpatia de alguns países, pois esses Estados não desejam abrir mão de sua FA por questões de
soberania.
m) A UE busca melhor indústria bélica e mercado de defesa para atender seus objetivos. O
avanço do mercado europeu de equipamentos de defesa e o desenvolvimento de Base Tecnológica e
Industrial de Defesa Europeia (EDTIB) concorrencial são objetivos da política de defesa da UE.
n) Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (2016): suscitada pela crise
migratória. Para reforçar a gestão e a segurança das fronteiras externas da UE.
o) Atritos com Rússia no campo cibernético. A Europa convive diante de possibilidades de
ameaça russa em seu território. Diante desse quadro surge uma espécie de corrida armamentista na Europa
neste início de Sec XXI. Ao mesmo tempo, a questão da guerra cibernética também está bastante em voga na
Europa.
p) Países possuem exércitos profissionais, com alta tecnologia, mas efetivos modestos.
q) Redução do poderio bélico alemão valendo-se de uma estratégia de defesa conjunta. E
motivada pela desconfiança da população sobre o histórico belicista.
r) Um país com assento permanente no CSONU (França).

6) ASPECTOS CIENTÍFICO-TECNOLÓGICOS
a) Programa Erasmus
b) Programa Copernicus (satélite para observação da TErra)
c) Programa Galileo (GPS)
d) Horizon 2020. https://www.ari.uema.br/?p=4462

2. ASSUNTO 21: OS MOVIMENTOS NACIONALISTAS


Objetivos:
Interpretar os movimentos nacionalistas na Europa

a. MOVIMENTOS NACIONALISTAS NA EUROPA


1) CONCEITOS:
a) Soberania: Independência total e não admite subordinação
b) Autonomia: Liberdade dentro dos limites da lei e admite subordinação em um nível
superior.
c) Estado: Unidade administrativa de um território
d) Nação: População + vínculo cultural + desejo de um destino comum.
e) Estado-Nação: é uma área histórica que pode ser identificada como possuidora de uma
política legitimada, que pelos próprios meios, constitui um governo soberano.
f) Euroceticismo ideologia política assentada na descrença acerca da UE

71
g) Princípio da Autodeterminação dos Povos: cada povo tem o direito de se tornar dono
de seu destino. Isso cria a possibilidade de independência nacional.

2) NACIONALISMO CENTRAL: Movimentos nacionalistas conservadores no âmbito dos


países-membros da UE, com forte característica Euroceticista.
a) Geert Wilders (HOL), Boris Johnson e Nigel Farage (Ing), Marine Le Pen (FRA), Frauke
Petry (ALE) e Norbert Hofer (AUS), Mateo Salvini (ITA), são (ou foram) os líderes de plataformas políticas,
de direita, que partilham uma série de valores nacionalistas:
- protecionismo
- anti-imigração
- crítica à União Europeia
- figura do líder (populista)
- personalização da elite política
- abordagem de temas sensíveis
- apelo religioso como parte da cultura.
b) A crise econômica de 2008 e a crise migratória deste século (principalmente a partir de
2015) fez ressurgir os movimentos nacionalistas na Europa que, historicamente, já foi palco desses movimentos
com o nazismo e o fascismo.
c) Esses movimentos têm ganhado força, pois amparam-se no descontentamento popular
em temas comuns (desemprego, recessão, imigração, religião, terrorismo) e nos obstáculos que a UE tem
imposto como Bloco;
d) O Brexit teve forte influência do nacionalismo e conservadorismo Britânico e pode
influenciar outros países no sentido de abandono da UE;
e) movimentos nacionalistas na Hungria - com o Tratado de Lisboa, deseja menos
ingerência do BCE (o que é BCE???).
f) Primavera Árabe influenciou em movimentos nacionalistas (na Itália, Grécia e Espanha -
portas de entrada de imigrantes)
g) Regulamento de Dublin (2014) - devido migrações do Or Med, foi criado para o país de
entrada se responsabilizar pelo migrante. (regras sobre pedido de asilo)
h) Eleições na Alemanha, França e Holanda em meados da década 2010 mostraram
crescimento nacionalismo na europa.
i) 2015 - Projeto Globalista de Angela Merkel - Decidiu receber mais de 1 milhão de
imigrantes islâmicos. Dessa forma, passou a ter uma maior pressão demográfica dos islâmicos, criando
condições favoráveis à uma guerra religiosa na Europa.
j) Os movimentos nacionalistas da Europa são, em sua maioria, separatistas.
k) Os Movimentos Nacionalistas estão crescendo devido à crise econômica.
l) Terrorismo elevou os movimentos nacionalistas.
m) Aspectos que levaram ao nacionalismo:
- Euroceticismo. afastamento entre demandas da população e preocupações de
Bruxelas????????
- Perda de identidade europeia - inundação muçulmana
- Desigualdade econômica e social (regiões industrializadas e menos industrializadas).
m) Por fim, o movimento nacionalista é um momento político de longa duração que combate o
globalismo internacional e as pautas progressistas, trazendo maior instabilidade política e econômica em um
continente marcado por severos desafios tanto em política interna quanto externa.

3) MOVIMENTOS NACIONALISTAS SEPARATISTAS: Povos com culturas, idiomas e


características próprias que desejam a formação de um novo Estado
72
a) CATALÃES: não é catalões.
(1) Origem Política: Divergências desde a criação do Estado da Espanha. Catalunha e
Aragão defendiam a criação de uma República Federativa, Castela defende a manutenção da Monarquia.
(2) Origem Econômica: Catalunha Industrializada X Castela Agrária;
(3) Bascos e Catalães buscavam independência econômica e política. Espanha defendia
união pela raiz religiosa comum.
(4) Idioma, Etnia e Tradições próprias unem o povo Catalão (idioma+território+cultura).
(5) 2017 - Referendo com 2,5 milhões de Catalães votou pela independência. Referendo foi
considerado ilegal pela Corte Espanhola. (Grande Repressão da Polícia Espanhola) - Resultado foi de mais de
90% pela separação;
(6) Governo Central Interveio na Catalunha, após aprovação do Senado.
(7) Catalunha declarou independência após uma votação secreta, sem presença da oposição;
(8) Lideranças catalãs foram presas e o presidente do governo constituído, Carles
Puigdemont, refugiou-se na Bélgica.
(9) Resumindo: divergência econômica, social (étnica) e política.

b) BASCOS:

(1) Norte da Espanha e Sul da França (ocupa a Rg há mais de 6000 anos)


(2) Possuem Língua, território e Cultura Própria
(3) Isolamento cultural histórico
(4) Autonomia relativa
(5) ETA (Pátria Basca e Liberdade) - Terrorismo como forma de pressão pela
independência. Anunciou seu fim em maio/18. Ex: explosão carro-bomba em Barcelona em 1987.
(6) Resumindo: divergência social (idioma próprio) e terrorismo (ETA)

c) Tabela com os principais movimentos nacionalistas

NACIONALISMO
BASCOS CATALUNHA
EUROPEU

Toda a UE. Animosidades


e ressentimentos pelos
Norte da Espanha / Região Autónoma no NE prejuízos causados pelo
Origem
Sudoeste da França da Espanha bloco às economias
menores. "Onda
Conservadora".

População 2,3 milhões de pessoas 7,5 milhões de pessoas -

Língua, Etnia, Tradição.


Apelo Religioso e
Fatores de união Língua, Etnia, Fueros Renaixença (final do Séc.
Conservador
XVIII)

73
Político:
Ideológico. Observados nas
Governo Autónomo
Conflitos ETA (terrorismo) eleições nos diversos
Catalão Vs. Governo
Países.
Central Europeu

Separatista. Quer a Separatista (Independência Anti-imigração;


Bandeiras
independência da Espanha da Espanha) Independência da UE

Acirramento de conflitos,
protestos;
Relativa estabilidade e
Situação atual prisão de líderes após
autonomia.
declaração de
independência;

Outros Movimentos nacionalistas:


País Movimento Pleito Última Notícia

Espanha Basco (ETA) Separatista Cultural Grupo terrorista ETA (1959)

Catalunha Separatista Cultural

Reino Unido BREXIT Separação da UE

Irlanda / Irlanda do Nacionalistas (irlanda Brexit pode reascender o


norte (1960-1998) unida) problema das Irlandas (devido
Unionista (IN junto ao Irlanda pertencer à UE e R.U.
Reino Unido) não)

Escócia Permanecer UE

Itália Sardenha Anticolonialismo

saída da UE influenciada pelo


brexit

Áustria Croata e Esloveno Anticolonialismo

Portugal Libertação de Açores Separatista

França Nacionalismo (Le Pen) Barreiras contra


imigrantes

Coletes Amarelos Cobrança de Impostos


Previdência Social

Córsega Separatista Grupos paramilitares como


FLNC.

Rússia Chechênia Separatismo -Apoio de grupos terroristas (Al-


Qaeda)
- ascensão de nacionalismos (com
a queda URSS)
- região rica em hidrocarbonetos
- conflito religioso (Chechenia
74
muçulmana)

Daguestão Separatismo -atentados terroristas


- ascensão de nacionalismos (com
a queda URSS)
- região rica em hidrocarbonetos
- conflito religioso (maior parte
muçulmana)

Ossétia do Sul Separatismo da -Diferença étnica, deseja


Geórgia incorporação com Ossétia do
Norte (território russo)
- Geórgia recebe tropas da
OTAN e EUA para conter
separatismo

Bélgica Flandres (norte) X Separatismo Cultural e Flandres idioma holandês X


Valônia (sul) Econômica Valônia idioma francês

Reino Unido Escócia Separatismo (BREXIT)

Irlanda do Norte Separatismo (BREXIT)

Gibraltar

Armênia X Nagorno-Karabakh Está em território Azerbaijão (país muçulmano), porém


Azerbaijão 80% da população é armênia e cristã.

3. ASSUNTO 22: DINÂMICA POPULACIONAL E DOS FLUXOS MIGRATÓRIOS


Objetivos:
75
Analisar os dilemas enfrentados pelos países europeus diante das questões populacionais
referentes a crescimento, estrutura e migrações.

crescimento, estrutura e migrações: envelhecimento, peso social, tragédia humanitária, xenofobia, divisões internas

a. Estrutura populacional
● já passou pela transição demográfica: População idosa - cerca de 18%
● diminuição da PEA
● Baixa taxa de fecundidade (1,6 por mulher)
● Baixo crescimento vegetativo - 1,3% na UE e negativo na França e Alemanha
● Aumento da relação de dependência da população,
● inchaço no sistema de saúde e previdenciário (consequência);
● Crise econômica faz com que os europeus busquem atividades menos qualificadas, antes
desempenhadas por imigrantes (conflitos, xenofobia, nacionalismo)

b. Migrações
● FRONTEX - Agência Europeia de Gestão Da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas
● Primavera Árabe, crise política e econômica nos países da África são os responsáveis
● Principais portas de entrada: Espanha, Itália e Grécia
● Principais origens: Síria, Afeganistão e Iraque
● Teoria de Limes (Jean Rufin) - O ocidente europeu deve conter a invasão dos novos bárbaros.
● Hungria aplica a Teoria de Limes e constrói uma cerca de contenção para migrantes nos 175 km
de fronteira com a Sérvia (não-membro da UE).
● Desde início Séc XXI, adoção de medidas legais para diminuir imigração, culminando em 2008
no Pacto Europeu sobre imigração e asilo:
○ organizar a imigração legal de forma a considerar as prioridades, as necessidades e as
capacidades de recepção dos Estados-Membros e a incentivar a integração dos
migrantes;
○ controlar a imigração irregular e incentivar o regresso voluntário aos países de origem
ou trânsito dos imigrantes;
○ tornar os controles fronteiriços mais eficazes;
○ criar um enquadramento europeu aplicável ao asilo;
○ criar uma parceria abrangente com países não pertencentes à UE, de forma a promover
a sinergia entre a migração e o desenvolvimento.

Vantagens da restrição a imigração:

1) PEA não atingida por concorrência de mão de obra imigrante qualificada


2) Redução de problemas diplomáticos ou de segurança pública decorrentes da concessão de asilo
a refugiados políticos/religiosos
3) Evita saída de divisas (imigrantes pagam poucos impostos e remetem parte dos salários para o
país de origem)
4) Evitar perda de valores e da identidade nacional, cresc outros tipo de religiosidade
5) Evita imigrantes integrarem movimentos separatistas de regiões como: ALE (Baviera), ESP
(Catalunha e País Basco), BEL (Flandres), FRA (Córsega) e ITA (Lombardia, Veneto e Tirol do Sul)
6) Redução de problemas decorrentes de crises econômicas por meio da redução de gastos sociais
e maior número da população empregada (facilita medidas austeras em crise)

76
7) Evita tensões referentes à paz social: aumento da segurança pública contra ameaças de cunho
ideológicos, religiosos e separatistas,
8) Diminuição de ameaças terroristas

b. Desvantagens da restrição:
1) Diminuição do intercâmbio cultural, econômico e religioso
2) Pode dificultar a entrada de mão- de-obra qualificada
3) Aumento dos gastos de controle da imigração (Mon fronteira, adequação das embaixadas,
capturas e extradições)
4) desvalorização da imagem da UE
5) Aumento do ressentimento das Ex-colônias (origem de muitos imigrantes)
6) Redução da divulgação da cultura e dos valores europeus (os imigrantes são canais de
transmissões para os países origem), dificultando acordos comerciais para seus excedentes
7) Redução da divulgação dos principais idiomas, prejudicando a transmissão de seus interesses
Ecn e Pol.

c. Dilemas enfrentados pela UE

crescimento, estrutura e migrações: envelhecimento, peso social, tragédia humanitária, xenofobia, divisões internas

1) Crescimento e Estrutura
● redução da PEA
● dependência do trabalho imigrante
● queda da qualidade da mão de obra
● envelhecimento da população
● crescimento vegetativo negativo
● islamização

2) Migrações
● permeabilidade das fronteiras
● crescimento dos movimentos separatistas (brexit)
● grande número de pedidos de asilo (1 milhão em 2016)
● xenofobia
● peso social
● ataques terroristas (França)
● Fechamento de Fronteira (Muro na Hungria com a Sérvia)
● imigrantes ilegais
● marginalização de imigrantes

d. Políticas adotadas pela UE


1) Reinstalação - apoio à Turquia disponibilizando locais para receber refugiados;
2) Trabalhadores altamente qualificados - a UE facilitou a migração de mão de obra qualificada;
3) Bolsas estudantis - a UE se comprometeu a aumentar o número de bolsas para estudantes
oriundos de países africanos
4) O reagrupamento familiar - a UE facilitou a migração para que a família imigrantes já instalados
no bloco se unam a eles.

e. Estratégias europeias
1) Política Europeia de Vizinhança - 2004
2) Agenda Comum para integração - 2005
3) Pacto europeu de migração e asilo - 2008
77
4) Fórum europeu para a integração - 2009
5) Agenda europeia para a migração - 2015

f. Medidas adotadas para combate à imigração ilegal

1) Apoio logístico no Sahel (origem de muitos imigrantes)


2) Rota Central
a) Apoio logístico à Itália;
b) Reforço a Guarda Costeira da Líbia;
c) Cmb ao passadores ilegais no mediterrâneo;
d) Ajuda humanitária aos imigrantes chegados na UE;
e) Programa de regresso voluntário;
f) Reinstalação
g) Melhoria das condições de vida na Líbia por meio de OI (UNICEF e ACNUR)
h) Participação em missões da ONU na África a fim de assegurar a paz nesse continente
(MALI, RCA, etc)
2) Rota Mediterrâneo Oriental (Turquia e Grécia)
a) Apoio financeiro à Turquia para que esta receba os refugiados;
b) Devolução de sírios ilegais que chegam na Grécia para a Turquia;
3) Leste europeu
a) Muro/ Cerca de 175 km na fronteira entre a Hungria e a Sérvia.

78
UD VII - ÁSIA

ENGLOBANTE: Examinar as diferentes regiões integrantes do Continente Asiático, com base na documentação
referenciada, para concluir sobre o jogo entre os poderes das nações.

LEGENDAS
xxxxx Ideias que o grupo considerou como ideia força
xxxxx Ideias que geraram dúvida no debate. (Precisa verificar)
xxxxx Ideias de baremas

INTRODUÇÃO
IC: Aspecto comum entre os países foi o forte controle do Estado na ordem econômica e nas políticas de
investimento
T/ E:
- Atuais projeções situam a região Ásia-Pacífico como o grande foco de crescimento mundial
- Regionalização do continente asiático em: Oriente médio, Ásia Central, Sul da Ásia, Sudeste Asiático e
Extremo Oriente
Ideias complementares
- A Ásia concentra a metade dos pólos de poder de um sistema multipolar (China, Índia e Japão), evidenciando
que a ascensão da região não é apenas econômica, mas igualmente político-estratégica.
- O Crescimento econômico e a modernização desses países não foram possíveis sem uma transformação
econômica e social, em um contexto de controle econômico e repressão política e ideológica

1. ASSUNTO 23: O DESENVOLVIMENTO ASIÁTICO NO SÉCULO XXI


Objetivos:

- Apresentar o processo de inserção dos países asiáticos no sistema capitalista.

- Interpretar o potencial do continente asiático no atual ordenamento mundial.

a. PROCESSO DE INSERÇÃO DOS PAÍSES ASIÁTICOS NO SISTEMA CAPITALISTA


1) Aspecto comum a todos foi a forte intervenção do Estado na economia e nas políticas de
investimentos
2) Japão:
a) Economia fechada (Xogunato)
b) Revolução Meiji (1868) - restaurou o poder do império e retirou os xoguns do poder feudal e
iniciou um processo de modernização
c) Zaibatsu - grande indústria que concentra várias atividades com várias fatias de mercado
(monopólio) - inicialmente com incentivos do estado (modelo até a 2ª Guerra Mundial) Ex:
Mitsubishi
d) Por causa da conformação fisiográfica, havia escassez de recursos naturais.
e) Desenvolvimento passou a estar ligado diretamente como o imperialismo e expansionismo
f) Imperador adota política para incorporar novos territórios (Manchúria, Coréia e territórios
conquistados durante 2ª GM)
g) Pós 2ª GM o país estava devastado porém teve seu maior desenvolvimento econômico
(1) Plano Colombo
(2) Mão-de-obra disciplinada
(3) Baixos salários
(4) Horas de trabalho excessivas
(5) Maciços investimentos em educação
(6) Keiretsu substitui o Zaibatsu (coalizão de empresas unidas por certos interesses econômicos. Ex:
Mitsubishi)
(7) Surgimento do Toyotismo (just in time)
79
g) Essa conjuntura geral importante aumento de exportação
h) Com isso, teve elevadas taxas de crescimento entre os anos 50 a 70 (13% ao ano)
i) Exportação de produtos tecnologicamente avançados
j) A partir da década de 1990, apresenta declínio e estagnação na economia
(1) Crise imobiliária e financeira em 1990 (Fim do Milagre Econômico)
(2) Concorrência com Tigres Asiáticos
(3) Concorrência com a China
(4) Taxação de produtos japoneses pelos EUA

3) China:
a) 1949 - RPC - Mao Tse Tung
(1) Chiang Kai Shek (1928-1949) migra para Taiwan (kuomintang) - República da China
(2) Cisão sino-soviética (1958)
(3) Modelos econômicos:
(a) Grande Salto (1957-1958) - coletivização agrícola e industrialização
(i) modelo maoísta
(ii) fracasso - entre 18 e 55 milhões de mortes por desnutrição
(b) Revolução Cultural (1966-1969)
(i) ≠ da lógica confucionista - Dinastia Qing
(ii) Nova sociedade socialista - abolição de práticas burguesas
(iii) proibição de costumes ocidentais - perseguições e retaliações
(iv) novo fracasso
c) Inflexão Chinesa
(1) 1976 morte de Mao Tse Tung
(2) 1979 - relações com os EUA oficializadas

d) Deng Xiaoping 1981


(1) China Under Reform - foco no longo prazo (década de 1980)
(a) Falha na economia de Mao
(b) Impacto da Revolução Cultural
(2) Lições do Japão e Tigres Asiáticos
(3) 4 modernizações: Agricultura, indústria, ciência e tecnologia e defesa
(4) Cota do Governo e restante para livre comércio
(5) Abertura de empresas privadas de capital chinês
(6) produto intensivo em mão-de-obra e baixo valor unitário
(7) Estratégia exportadora e política de portas abertas
(8) ZEE - Zonas Econômicas Especiais (Ex: Shenzhen - Sede Huawei - Vale do Silício chinês)
(a) Mão-de-obra barata
(b) Câmbio desvalorizado
(c) Plataforma de exportação - proximidade de portos
(d) Isenção de impostos
(e) Proporcionaram:
(i) Poupança elevada (Reservas Internacionais de cerca de 3 trilhões)
(ii) Cópia/ Pirataria
(iii) Joint Venture - Absorção de tecnologia
(iv) Crescimento acelerado
(f) Modelo com sustentabilidade - eficaz
(g) China deflaciona o mundo - combate à inflação - inundação de produtos baratos
(h) Iniciou com 1,99, chegou no iphone.
(i) Nova Classe média Chinesa
(j) Possibilidade de investimento em educação e ciência e tecnologia - Inovação

4) Tigres Asiáticos:
a) Coreia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura
80
b) Política de exportação agressiva
c) Produtos de elevado valor agregado
d) Plataforma de exportação
e) Coreia do Sul e Taiwan - influência do ocidente - cinturão capitalista em torno da China
f) Hong Kong e Cingapura - núcleos urbanos internacionalizados - localização estratégica
g) Fatores de Crescimento:

Semelhantes ao Japão Específicos dos Tigres

- Exploração da força de trabalho - Superexploração da força de trabalho (Jornada de


- Posição geopolítica estratégica:“bastiões” contra o Trabalho 53h)
socialismo - Estados altamente centralizados e ditatoriais - com
- Ética confucionista - “equilíbrio” social, a maior intervenção estatal na economia do que no
consciência de grupo (consenso), a hierarquia, a Japão (ex: na Coréia e Formosa o setor bancário é
disciplina e o nacionalismo; estatizado);
- Importante papel do Estado no planejamento - Economias voltadas fundamentalmente para o
econômico mercado externo, e mais abertas ao capital
- Concentração capitalista nas mãos de grandes estrangeiro do que o Japão, criando inclusive Zonas
corporações que não seguem leis antitrustes como de Processamento de Exportações (ZPEs) liberadas
as norte-americanas (Ex: chaebol na Coreia - ao capital externo;
Samsung e Hyundai) - Importante indústria bélica em Taiwan e Coreia do
- Distribuição mais equilibrada de renda Sul, Guerra do Vietnã - impulsionou a indústria de
- Importante estímulo à educação base
- Política de desvalorização Cambial
- Restrição ao funcionamento de sindicatos

5) PAFTA (1965):
a) Pacific Asian Free Trade Area
b) A primeira tentativa asiática de cooperação ou integração regional - iniciativa do Japão
c) Desenvolver uma área de livre comércio:
d) Membros: os Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Japão, com a possibilidade de
entrada de países em desenvolvimento da região.
e) Fracassou por dois motivos.
i) Ênfase dada à presença ocidental - vista com ressalva pelo Sudeste Asiático
ii) Indisposição dos EUA em abrir mão dos seus interesses em benefício do grupo.

6) ASEAN (1967):
a) ASEAN - A Associação das Nações do Sudeste Asiático
b) objetivo de assegurar a estabilidade política e de acelerar o processo de desenvolvimento da
região.
c) Mas a cooperação só se tornou possível com a solução das questões territoriais de países como
Indonésia, Malásia e Filipinas; com a separação de Cingapura da Federação Malaia; e com a instalação
de governos pró-ocidentais na Indonésia e Filipinas
d) Programas de cooperação nas áreas de transporte, comunicação, segurança, relações externas,
indústria, finanças, agricultura, energia, transporte, tecnologia, educação, turismo e cultura.
e) Em 1992 foi criada a zona de livre comércio e implantada gradativamente até 2008.
f) PIB 890 bilhões
81
7) SAARC (1985):
a) Associação Sul-Asiática para Cooperação Regional
b) Participantes: Bangladesh, Butão, Índia, Maldivas, Nepal, Paquistão, Sri Lanka (rivalidade
história Índia e Paquistão).
c) Baseada no respeito pelos princípios da soberania igualitária, na integridade territorial, na
independência política, na não interferência nos assuntos internos de cada estado-membro e no
benefício mútuo.
d) Visa prover ambiente de amizade, confiança e compreensão, melhorando a qualidade de vida
e) Papel fraco na Ásia:
i) Conflitos Índia e Paquistão
ii) Questões políticas - Nepal
iii) Guerra Civil Sri Lanka

8) APEC (1989):
a) A Cooperação Econômica da Ásia e do Pacifico (APEC)
b) PIB 46 Trilhões - 54% PIB mundial
c) Austrália, Brunei, Canadá, Indonésia, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Filipinas, Cingapura, Coreia
do Sul, Tailândia, Estados Unidos e China. Taiwan (1991), México, Papua-Nova Guiné (1993), Peru (1994) e
Rússia e Vietnã (1998). 21 Estados Membros
d) ⅓ da população mundial
e) Visa a implantar a livre circulação de mercadorias, capitais e serviços entre os seus integrantes -
capacidade para concorrer com a União Europeia.
f) Cerca de 40% de todas as relações comerciais realizadas no planeta.
g) Consumo de 60% da energia mundial

9) CEI (1991):
a) Comunidade dos Estados Independentes
b) Organização extragovernamental
c) Ex repúblicas soviéticas
d) Bielorrússia, Ucrânia, Rússia, Armênia, Azerbaijão, Cazaquistão, Moldávia, Usbequistão,
Quirguistão, Tajiquistão, Turcomenistão e Geórgia.
e) Diferenças étnicas e regionais, contidas pela URSS ressurgiram na forma de conflitos:
i) Geórgia 2008 (devido apoio russo à independência da Ossétia do Sul)
ii) Moldávia
iii) Tajiquistão
iv) Região do Cáucaso da Rússia
v) Armênia e Azerbaijão - Nagorno Karabakh

10) OCS (2001)


a) Membros: China, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Rússia, Índia e Paquistão
b) PIB 19 Trilhões
c) Finalidade principal: segurança - terrorismo, separatismo, extremismo
d) Facilita a influência da China na Ásia Central. Congrega 50% da população mundial
e) Contraponto da OTAN no oriente

11) RCEP (2020)


a) Parceria Econômica Regional Abrangente
b) um dos maiores acordos Econômicos da Atualidade
c) 3 bilhões de pessoas - 45% da população mundial
d) PIB combinado de cerca de 21,3 trilhões - cerca de 40% do comércio mundial
e) Integrantes: ASEAN + China, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia
82
12) Índia:
a) Período colonial - Inglaterra (“joia da coroa”)
b) Produção têxtil e especiarias
c) Agricultura de Plantation (exportação) x Jardinagem (abastecimento interno - baixa
mecanização, alta produtividade, utilização da técnica do terraceamento)
d) Processo de abertura ao capital estrangeiro em 1991

13) NOVOS TIGRES ASIÁTICOS


a) Integrantes: - Indonésia, Malásia, Tailândia, Filipinas e Vietnã.
b) a partir dos anos 1990
c) grande investimento japonês (em busca de mercado consumidor)
d) Indonésia (1AF 2017)
- O crescimento do PIB indonésio tem sido de 6,2% (2012)
- 60% do PIB indonésio é com tributo interno, quer público, quer privado.
e) Filipinas (1 AF 2017)
- taxa de crescimento de cerca de 6,6% (2012)
- A política monetária é favorável - O Banco Central das Filipinas diminuiu a sua taxa de juro
de referência quatro vezes ao longo do ano.
- O investimento estrangeiro no país, sobretudo na indústria de componentes eletrônicos, é
favorecida pela expectável atribuição ao peso filipino do grau de investimento.

b. O POTENCIAL DO CONTINENTE ASIÁTICO NO ATUAL ORDENAMENTO MUNDIAL

1) China
a) Dados econômicos
i) PIB 16 Trilhões (2º maior do mundo)
ii) 2ª maior economia do mundo
iii) Maior exportador do mundo desde 2009 (2º Maior importador do mundo - 1º EUA)
iv) Maiores reservas internacionais do mundo - 3 trilhões de dólares
v) 95% das exportações - produtos industrializados - China Ocean Shipping Company - maior
operadora portuária do mundo
vi) Comércio internacional - 19% do PIB chinês
vii) China entra na OMC em 2001
- 18 anos de pleito
- Apoio aos EUA no CSNU - Guerra ao Terror
- Temor da OMC quanto à competitividade chinesa
(1) Obriga a China a nivelar os preços - maior lucro - investimento em qualidade e
tecnologia
viii) China buscando espaço no mundo:
- Banco Asiático de Investimentos em Infraestrutura (2014)
- Alternativa ao Banco Mundial
- Valor: PIB Brasil - 2,35 Trilhões
- Novo Banco de Desenvolvimento (2014)
- Alternativa ao FMI
- Valor: 2 vezes o PIB do BRICS
ix) 2013 - Xi Jinping - Made In China (investimento em produção de mercadorias de qualidade
na China)
- aumento de 70% das exportações até 2025
x) Energia
- Maior produtor de energia renovável do mundo - 17%
- Maior importador de petróleo do mundo - avanços na infraestrutura (Ex: Oleoduto
Rússia - Cazaquistão - Myanmar) (Rússia, Arábia Saudita, Angola, Iraque, Venezuela)
83
- Estratégia de internacionalização fomentada pelo governo desde 1990 - assegurar
continuidade do crescimento do país.
- Crescimento econômico - aumento da demanda por combustíveis fósseis
- Desenvolvimento econômico baseado no carvão - principal fonte primária
- Duto Força da Sibéria (Rússia e China)
- Acordo petroleiro China-Uzbequistão
- Conjunto de medidas para modificar a Matriz Energética
- Transição energética para o gás natural
- Nova Rota da Seda - Gasodutos da Ásia Central
- Importação de GNL - Austrália 28%, Qatar 24%
- Arremate de cerca de 22% do Pré-Sal brasileiro leiloado - gás Sinopec
- grande produtora de material para a captação de energia solar - EUA e UE impõem
barreiras
- Energia eólica - noroeste chinês - próximo do Cazaquistão e Mongólia
- Energia hidrelétrica Barragem Três Gargantas - maior e mais produtiva do
mundo (2º Itaipu)
- Energia Nuclear - Usina fora da China (Sudão)

b) 69ª Renda per capita do mundo - PIB per capita 16.000

c) Dados militares
i) cerca de 14% dos gastos militares do mundo (1,9% do PIB) (EUA - 38% )
ii) marinha com maior frota do mundo - 2 porta aviões/ mísseis balísticos anti-porta-aviões

d) socialismo de mercado - surgido década de 1980, adequação econômica as práticas capitalistas


(multinacionais no país)

e) China e Rússia
i) Investimentos para compra de energia - construção de Gasodutos na Sibéria
ii) Acordo para diminuição do uso do dólar (operações na moeda chinesa Yuan)
iii) **EUA ficam com dificuldade para pressionar - China e Rússia Aliados**

2) Mar do Sul da China


a) ⅓ do comércio do mundo - 3,4 trilhões em comércio
b) Ilhas Paracel e Senkaku
c) 40% do comércio total da China
d) 80% do petróleo importado pela China
e) Pesca
f) EUA e Reino Unido mantém trânsito na região - possível foco de tensão
g) Região prioritária de defesa - ilhas artificiais - bases navais
h) Linha dos Nove Traços - Sobreposição ao mar territorial dos vizinhos

84
i)

3) Nova Rota da Seda - One Belt One Road


a) China se torna provedora de recurso para infraestrutura no mundo
b) Ligação entre China e Europa - não passa pela Índia
c) Abrir mercado para empresas chinesas - contraponto ao comércio transatlântico EUA-UE
d) Aumento da zona de influência - Ásia Central e Oriente Médio
e) Projeção de influência chinesa no ocidente
f) Saída para a necessidade de utilização do estreito de Malaca - passam 80% das importações de
petróleo
g) Pontos de tensão:
i) Questões ambientais relativas às obras de infraestrutura - líderes europeus
ii) Conflitos Regionais - Corredor China-Paquistão

4) E daí?
- Busca Projeção mundial, ganhando espaço na Ásia, Europa e África
- Patrocina projetos de infraestrutura em outros países e recebe em commodities (Venezuela)

MEDIDAS COVID-19 NA CHINA:


- Desenvolvimento de novos sistemas de controle via WeChat (rede social para monitorar a
doença)
- Suspensão imediata das atividades acadêmicas

85
- Controle rigorosos de voos internacionais nos portos de entrada do país
- Regras rígidas de quarentena geral e pessoal
- Proibição da entrada de não condôminos em conjuntos habitacionais
- Isolamento imediato do epicentro da doença

CHINA: Pop: 1,4 Bi / PIB: 13 Tri / Terr: 9,5 Milhões de Km2 / ÁSIA: Pop: 4.4 Bi

ECONÔMICO POLÍTICO MILITAR / PSICO Relações com BRA

Rec Nat: Min ferr (1º mundo),carvão Mao Tse Tung (1949-) Rev Orçamento: 250 Bi – 2º COSBAN - VPR
mineral Cul (66-69) gasto militar - Base Antártida
Matriz Energética Deng Xiao Ping (70-80) 4 Maior frota marítima - Porto de São Luis e
Carvão: 66%; Petr 18% Sinopec, Gas, Mod – ZEE / Colar de pérolas - Porto Açu
5%, Nuc: 1,5%, Hidro 3% - 3 Gargantas / OMC (11) de Gwadar - CBERS
Solar – Solar Valley Ilhas artificiais: Parecels Seção Onerosa do Pré
Petro –– Rus – Angola – Caz – Irã - Xi Jing Ping (2013) Sal
CNUC – Urânio – Namíbia
Oleo duto: Rus – Caz -Mianmar – Força Conflitos: HK, TAI, CAX, Exp: 63Bi – Soja, Petro
da Sibéria Xinjiang/uigures, Ilhas e Ferr
artificiais (Senkaku e DESAFIOS: Imp: 35 Bi – Mot,
Transporte: Spratly) Manufaturados, Tel
Rota da Seda – Est Malaca (80% Petro) – Desigualdades regionais
Nairóbi - UE - 7 dos 10 maiores portos Apoio a Venezuela (leste e Oeste) Jac Motors – Camaçari
(Shangai) Ampliação das rotas / Embraer na China
CHI x EUA: Guerra comerciais (Mar do Sul
Tecnologia: Shenzen – Huawei – 5G – comercial / Mar do sul da da China – área de BB em Shangai
ZTE China / Taiwan / Ásia Influência EUA e Jap) / Banco da China
Central / Irã e Ven Seg Alimentar (ampliar Entrada OMC- 2001
Agro – tecnológica 7 % das terras aráveis oferta)
do mundo x Pop Blocos: BRICS (NBD), Seg Energética (ampliar
– exp arroz APEC, OCS (01) – oferta – renováveis)
FOCALAL RCEP – Aumentar valor agregado
Guerra Comercial EUA (20) (Parceria Econômica Ultrapassar o PIB
Proibição serviços Huawei em áreas de Regional Abrangente) - Superar Dsv Tec EUA
Seg EUA / Taxação das Export Chi maior que a União Enfraquecer o padrão
(cereais, químicos, combustíveis e Mat de Europeia. Os membros dólar
contrução, alumínio e Aço), Taxa Imp somam quase um terço da
EUA: soja, laranjas e carnes população mundial e 29%
Acusação de roubo de propriedade do Produto Interno Bruto
intelectual (PIB) do planeta.
Desvalorização da moeda e dumping
Coronavírus (20)

1) CHINA. aspectos psicossociais do barema da AS 1 GEO/ CP 2020 (destaque era COVID)


- População desigualmente distribuída.O Norte possui áreas desérticas, como a região de Gobi, e as
maiores densidades populacionais estão em planícies nas porções Leste, Nordeste e/ou junto ao litoral.
- População predominantemente jovem. 60% DOS 1,4 BI ESTÁ NA IDADE DE PEA.
- Baixa densidade de médicos por habitante. apenas 1,9/mil habitantes abaixo do recomendado pela
OMS.
- Predomínio da população urbana. cerca de 60% é de população urbana.
- Existência de grandes aglomerações urbanas na porção Leste e Nordeste. 26.3 milhões de habitantes
em Xangai; 20 milhões em Pequim (capital)
- Altas taxas de alfabetização. Atualmente, a porcentagem de alfabetizados é de aproximadamente
96% da população total do país

CORONAVÍRUS
- Lockdown geral

86
- Expansão acelerada devido interdependência econômica de países e livre circulação de
pessoas, bens e serviços
- Envio de suprimentos hospitalares
- troca de acusações entre EUA e China acerca da origem do coronavírus

5) Japão
a) 3ª Maior economia do mundo
b) Estratégia japonesa de contenção da China:
i) Fortalecimento na autossuficiência em metais estratégicos
ii) Estratégia de ajuda ao desenvolvimento no Indo-Pacífico - isolar a China/ se proteger
c) Energia
i) Maior importador de gás natural do mundo, 2º maior de carvão e o 3º de petróleo
ii) Investimento em energia nuclear desde 1954 - Fukushima
1) Após desastre - substituição da energia nuclear para térmica
(a) aumento dos preços
(b) aumento da dívida externa - peso na Balança Comercial
(c) Tornou o país mais dependente de recursos naturais de outros países
(d) Busca pela diversificação de fornecedores - OM, Rússia, Sudeste Asiático, África
iii) Alternativa - Energia Solar - Investimentos para instalação de estações solares - Modelo para
ações brasileiras - Sobradinho e Balbina (painéis sobre a água)
iv) Exemplo de usina solar no Japão: Kagoshima
v) Ratificou Acordo de Paris
d) Recursos naturais - escassos - necessidade de importação
i) Agrícolas e florestais - insuficientes (14% das terras são próprias para o cultivo)
ii) Silvicultura/ Batata/ Frutas Cítricas e Arroz
e) Recursos marítimos e pesqueiros
i) Indústria pesqueira de grande importância - necessidade de importação de 10% do peixe
f) Recursos minerais
i) insuficientes - Japão é um dos maiores importadores dessa matéria-prima
ii) Qualidade dos minerais japoneses - fraca, muito dispersos, escasso volume de reservas
1) Impedem a aplicação de métodos modernos de extração de minérios
g) Recursos hidroelétricos
i) diversas UHE- Maior potencial hidrelétrico - Honshu Central

h) Iniciativas "Futuro Verde" do Japão (Experiência e apoio a países em desenvolvimento)


i) Conservação e uso sustentável da biodiversidade
ii) Promoção da educação para o desenvolvimento sustentável
iii) Proteção da água e do solo
iv) Gestão adequada de resíduos
v) Segurança Alimentar

JAPÃO: PIB: 4.9 Tri POP: 126 Milhões Território:

ECONÔMICO POLÍTICO MILITAR / PSICO Relações com BRA

Matriz energética: Petro:43%, Rev Meiji (1868) 40.000 Sd Norte-americanos Prog de Coop Nipo-brasileiro para
Gás 23%, Carvão 27%, Nuc 0.7%, Constituição Pacifista (1947) Forças de auto defesa Dsv Cerrado – PRODECER
Hidro: 1.7, Solar: Ilhas de painéis Plano Dodge (1949)
Recursos Naturais: Escassos Psicossocial: Expectativa de vida
Indústria: Mitsubish, Toyota, Blocos: APEC, TPP 87 anos
Toshiba, Sony

87
6) Índia
a) Grande Estratégia Indiana
i) Cultura - estabelecer identidade e idioma único - combate à movimentos separatistas
ii) Política - Criação de Código Civil Indiano - Sharia, códigos de conduta tribais
iii) Economia - Make in India - tornar país atrativo para empresas estrangeiras
iv) Diplomacia - pragmatismo/ não alinhamento - demanda de meios militares para salvaguarda de
interesses nacionais
b) Maior importador de armas do mundo - possui 2 porta-aviões
c) 3º maior importador de petróleo do mundo em 2017
d) 3ª maior demanda de energia do mundo (1º China, 2º EUA)
e) 5ª capacidade de energia eólica instalada no mundo
f) energia solar (Cidade “Diu”)
g) 25% da população não têm acesso à eletricidade e 72% usam lenha para cozinha
h) importa cerca de 25% das necessidades energéticas
i) 3º maior emissor de Gases de Efeito Estufa do planeta, à frente somente a China e EUA
j) leilões de 55 blocos para exploração de petróleo e gás
k) Questão de política energética indiana:
i) inclusão - acesso de energias modernas a toda a população
ii) segurança energética
iii) sustentabilidade energética - elevada emissão de CO2 (1º o desenvolvimento, depois o meio
ambiente)
l) Sistema elétrico indiano com sérios problemas
i) fator de capacidade baixo - má gestão, escassez de carvão e gás de baixa qualidade
ii) dependência crescente de importação de GNL
iii) TAPI
iv) dificuldade de integração de redes de gasodutos
v) sistema de precificação distorcido - influência do Estado
vi) Sistema de petróleo - desafio de atender a demanda existente - Indian Oil
vii) alternativas: Renováveis e nuclear(atualmente possui 20 usinas em operação-4780MW)

m) A Índia é o país que apresenta desafios energéticos mais significativos entre os emergentes.

ÍNDIA: Pop: 1,3 Bi / PIB: 2,3 Tri / Terr: 3,2 milhões de km2

ECONÔMICO POLÍTICO MILITAR / PSICO Relações com BRA

Rec Nat: carvão, ferro e manganês. 1º Min: Narendra Modi Militar: arm Nuc, um Relação com o Brasil:
Matriz Energética: Carvão: 44%, Petr: dos Mai EB do mundo, 15 acordos (Bioenergia)
24% (Indian Oil), Gás: 5% (TAPI), Nuc: Blocos: BRICS, IBAS, 3ª F Bld, Poder Nav –
1% Hidro: 1% Ren: 10% (Carv Veg) / DIU OCS, SAARC 3º maior gasto - IBSAMAR
– Ener Solar scorpene, maior imp
Transporte de armnt (EUA/Rus) Exp: 4.2 Bi – Comb,
Tata Motors - 2ª maior rede rdv (má Inseticidas, Medicamentos
qualidade) – Psicossocial: (Ranbaxy)
5º prod veículos Mumbai: Bollywood –
4ª maior rede ferr (indian–railways) yoga, tempero Imp: 2.7 Bi – Petro, açúcar,
Hidro: Subutilizado 0,15% 70% lenha para Óleo Soja
Tecn: Bangalore: Call Centers, softwares, cozinhar
PHD
Industria: Cinema Sistema de castas / Pop
Exim Bank Muçulmana
Agro: 2º maior produtor de arroz, trigo e
algodão / búfalo e leite

88
7) Rússia
RÚSSIA: Pop:150 mi / PIB: 1,6 Tri / Terr: 17 milhões de Km2

ECONÔMICO POLÍTICO MILITAR / PSICO Relações com BRA

Rec Nat: Putin 2000 Bases: Sebastopol - Relação com o Brasil


Matriz energética: Crimeia Ind:
Gás: 51% (40% gas EU), Óleo: 22%, Carv: Conflitos: Geórgia (08), Tartus – Síria Bélica Igla, Hclpt MI 24
16%, Nuc: 7,2%, Hidro: 2% Criméia (15), Espião Tiblish – Georgia Tec: Glonass – Bsb
Empresas:(Gazprom, Rosneft Lukoil, (18), Daguestão,
Rosatom, Rushydro Chechênia, Ossétia do 4º Maior gasto Mil Exp: 1.6 Bi – Carnes,
Gasodutos: N Stream, Força da Sibéria, Sul, Síria, Apoio à Açucar e Café, Soja
Turkish Stream Venezuela Imp: 3.6 Bi -
Transporte: 43% Rdv Fertilizantes
Ferr: Trans Siberiana, Hidrov: Sist 5 mares Blocos: BRICS, CEI,
(Rio Volga) – Frota Quebra Gelo (mares OCS, APEC, Eurasec Cultura - Ballet Bolshoi
sibéria) Acordo Nova Era: 5G
Tecnologia: Era (Mil)/ Skolkovo Joinville
Huawei – MTS
Indústria: Bélica, Química, Aeroespacial, Saúde - Combate HIV
Nuc
Agro: Trigo

Ideias AT1 2021


Ações estratégicas Rússia século XXI
- Fortalecimento da Organização de Cooperação de Xangai (OCX)
- Aumento da oferta de energia
- Manutenção das capacidades de dissuasão nuclear.
- A manutenção dos laços políticos, econômicos e militares com a antiga área de influência
- Investimento na Ciberwar
- Desenvolvimento científico-tecnológico
- Desenvolvimento aeroespacial
- A intervenção Russa na Guerra da Síria
- Complexo industrial militar russo
- O aumento da cooperação militar e econômica com a China.
- O controle territorial da Crimeia, em especial o porto de Sevastopol
- Reestatização e desenvolvimento econômico

E daí?
- Busca pela retomada no protagonismo regional (Sputnik V - vacina).
- Retomada da influência sobre a Ásia central.

c. Links EBAULA

1) O que é a parceria transpacífica -URL


2) A Grande Estratégia da Índia - Mundorama RI
3) China - Recursos Naturais e Sustentabilidade
4) A política chinesa para o desenvolvimento sustentável
5) Indústria do Petróleo na China
6) Zeitgeist e a Rota da Seda Chinesa - Deutch Velle
7) Conflito entre EUA e China sinaliza uma guerra comercial
8) India ofertará 55 blocos para a exploração de petróleo e gás
9) O Japão recursos naturais
10) Economia da Índia cresce acelera importações de minério de ferro - Notícias mineração
11) O desafio energética indiano
12) Japão - o desafio da energia
13) Política Externa - Futuro Verde - Embaixada do Japão
14) Gás Natural na transição energética global da China
89
ÁSIA CENTRAL: SUDESTE ASIÁTICO

Energia: Blocos: OCS, CEI Tigres: Singapura: Petro + Gás -


Petro: Caz e Uzb Militar: Tratado de Defesa Coreia do Sul: Petro + Portos
Gás Nat: Turcomenistão Bilateral (Caz e Rus) Carvão / Samsung +
Urânio: Caz OTSC Hyundai
Rec Nat: Hídricos: Tadj e Psicossocial: HK: Petro + Carvão / Guarda
Quir – Lago Arau: Islamismo Chuva
Indústria: Petroquímica e Uigures Taiwan: Petro + Gás +
têxtil Carvão + Nuc
Dutos: BTC, BTE, TAPI

2. ASSUNTO 24: ÁSIA CENTRAL: JOGO DE PODER


Objetivos:

- Analisar a posição estratégica e as disputas na Ásia Central, sob o enfoque das expressões
do Poder Nacional.

Compreender o protagonismo russo na região.

Interpretar o potencial do continente asiático no atual ordenamento mundial.

a. A POSIÇÃO ESTRATÉGICA E AS DISPUTAS NA ÁSIA CENTRAL, SOB O ENFOQUE DAS EXPRESSÕES DO


PODER NACIONAL

1) Político
a) Países: Cazaquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Quirguistão e Tadjiquistão
b) Proximidade dessa região com Afeganistão, Irã, Rússia e China.
c) CEI (1991): marcou a dissolução da URSS (forma da Rússia manter influência na Ásia Central)
i) Países da Ásia Central (Bielorrússia, Ucrânia, Rússia, Armênia, Azerbaidjão,
Cazaquistão, Moldávia, Uzbequistão, Quirguistão, Tajiquistão)
ii) antigo rublo soviético é a moeda comum dos estados-membros;
d) União Econômica Euroasiática (EURASEC)- Armênia, Bielorrussia, Cazaquistão, Quirguistão
e Rússia - liderança da Rússia, visa abolir tarifas aduaneiras, política econômica, tarifária.
e) Reg Crimeia - posição estratégica por a Rússia poder acessar mares quentes, trânsito comercial
e contato canal liga Mar Negro ao Mar Azov. (Base Militar - Sebastopol) + Plebiscito na
Crimeia - (96% foi a favor de sua adesão à Rússia) - Anexada em 2014

90
Democracias instáveis

2) Econômico
a) Energia
i) Cazaquistão: usina de energia solar SES SARAN (100 Megawatts)/petróleo, gás natural,
carvão e urânio.
ii) Turcomenistão: gás natural e petróleo
iii) Uzbequistão: gás natural, petróleo, carvão mineral, ouro, cobre, tungstênio, algodão e
bismuto
iv) Quirguistão: possui antimônio, mercúrio, chumbo, zinco, carvão, petróleo (em pouca
quantidade), gás natural e recursos hídricos, ouro.
v) Tadjiquistão: petróleo, ouro, urânio, mercúrio, couro, zinco, cobre, carvão e tungstênio e
recursos hídricos
vi) Acordo petroleiro China-Uzbeq em 2005 (Ignorou o ataque do Uzbeq a sua população -
pragmatismo chinês)
vii) Construção de oleodutos pelos EUA como BTC (Baku-Tblisi-Ceyhan) em 2003 e
gasoduto BTE (Baku-Tbilissi-Erzurum) - transporta óleo e gás sem passar pela Rússia.
viii) EUA - TAPI (Turcom, Afeganistão, Paquistão, Índia)

b) Transporte
i) Cazaquistão: possui ferrovia que atravessa o país; e ferrovia que liga o país ao
Uzbequistão, a Rússia e Quirguistão (Turquestão-Sibéria)/possui dois aeroportos
internacionais
c) Ásia Central é afastada do litoral, encarecimento do transporte de mercadorias.
d) Tadjiquistão e Quirguistão rico em água (Projeto Casa-1000)
e) Os principais rios são o Syr Darya e Amu Darya, que desembocam no Mar de Aral.
f) Aquecimento global leva ao derretimento das geleiras - ameaça ecologicamente Mar Aral com
diminuição oxigênio
g) Mar Aral está secando. Motivo: desvio do rio Amu Darya, para atender as necessidades de
irrigação para o plantio de culturas como arroz e o algodão.
h) Lago no Turcomenistão vem desviar um volume considerável de água do Uzbequistão. Isso
prejudica a criação de animais e plantio.
i) Uzbequistão é um dos maiores produtores de algodão do mundo. Isso causa danos ao meio
ambiente e população, podendo gerar conflitos.
91
j) A região mais fértil da Ásia Central é atravessada pelo vale do rio Syr Darya.
k) Nova Rota da Seda passa pela Ásia Central (China)
l) Fatores de conflituosidade:
a. Rotas de comércio
b. Rotas de ligação do interior com zonas costeiras
c. Rotas de transporte de hidrocarbonetos
d. Rotas de pontos de passagem obrigatória.

3) Social
a) islamismo é a maior religião
b) Região instabilidade social- presença de grupos radicais e terroristas e conflitos étnicos e
religiosos (Movimento Islâmico Uzbeque-MIU)

4) Militar
a) Rússia instalou bases militares (Quirguistão, Tajiquistão, Uzbequistão)
b) Rússia possui tratado de defesa bilateral com Cazaquistão.
c) EUA possui base militar no Afeganistão é pcp rota entrada americana na Ásia Central.
d) Org Coop Shangai (OCS)- 2001 - composto por Rús, China, Cazaq, Quirg, Tajiq, Uzbeq visa
contrabalançar a influência americana na Ásia Central.
i) Luta contra os 3 males: separatismo, terrorismo e extremismo
ii) Bloco energético-financeiro (aproximação com India, Irã, Mongólia e Paquistão)
iii) Acordo petroleiro China-Uzbeq em 2005 (Ignorou o ataque do Uzbeq a sua população -
pragmatismo chinês)
iv) Não se envolve em assuntos internos (China líder atraente para países que não tem
intenção de mudar políticas internas)
e) Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC): exercícios militares, combate ao
narcotráfico e a ataques terroristas conduzidos pela Rússia (preocupação na região periférica
russa).
f) EUA mantém bases no Afeganistão como uma maneira de impor sua influência na Ásia Central.

Objetivos da UE na Ásia Central:


- Evoluindo da indiferença para envolvimento ativo
- 1992 - UE viria a concluir Acordos de Parceria e Cooperação com o Cazaquistão e o Quirguistão
e, mais tarde, Uzbequistão
- Programa “Rota para Europa” - UE e Cazaquistão - ligação entre a Europa e o Extremo
Oriente e entre a Rússia e o sul da Ásia. Visa aprofundar a nossa cooperação em matéria de
energia, transporte e conectividade digital
- Europa cada vez mais dependente recursos energéticos estrangeiros, principalmente petróleo e
gás natural)
- Embates da UE com os Direitos Humanos desrespeitados na Ásia Central (Repressão em
Andijan - 2005 - Uzebq)

Objetivos da Rússia na Ásia Central


- Ásia Central continua a depender da Rússia energeticamente
- domina as exportações de gás natural do Turcomenistão (Empresa Russa Gazprom)
- Influência psicossocial de afinidade Rússia-Ásia Central devido colonização assemelhar a
cultura de ambos
- explora as reservas de petróleo e gás natural no Mar Cáspio, em cooperação com os Governos do
Azerbaijão, Cazaquistão e Turquemenistão.
- o espaço pós-soviético, incluem as Repúblicas da Ásia Central, como área prioritária de atuação
92
- a proteção das suas fronteiras meridionais com a Ásia Central - segurança doméstica
- Jogada geopolítica russa criando um mecanismo similar ao OCS sem a China, consolidando sua
influência na Ásia Central.
- Rússia: maiores reservas de gás natural do mundo e fornecedor mais importante para a Europa
- Maiores Companhias russas de petróleo e gás: Lukoil e Gazprom.
- Relações com o Ocidente e com a Ásia (China e Índia) - OCS - 2001

b. COMPREENDER O PROTAGONISMO RUSSO NA REGIÃO.

1) Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC)


2) CEI (1991)
3) EURASEC
4) Questão Reg Crimeia
5) Herança do sistema soviético
6) Rússia instalou bases militares (Quirguistão, Tajiquistão, Uzbequistão)
7) Rússia possui tratado de defesa bilateral com Cazaquistão
8) OCS
9) Ásia Central depende da Rússia energicamente
10) Empresa Russa Gazprom no Turcomenistão
11) explora as reservas de petróleo e gás natural no Mar Cáspio, em cooperação com os Governos do
Azerbaijão, Cazaquistão e Turquemenistão
12) proteção das suas fronteiras meridionais com a Ásia Central - segurança doméstica
13) Maiores Companhias russas de petróleo e gás: Lukoil e Gazprom.
14) Gasoduto Nord Stream: RUS-mar báltico-ALE
15) Gasoduto South Stream: RUS-mar Negro -Europa (Bulgária/Grécia)

c. INTERPRETAR O POTENCIAL DO CONTINENTE ASIÁTICO NO ATUAL ORDENAMENTO MUNDIAL.

1) O Novo Grande Jogo - competição entre os EUA, o Reino Unido e os países da OTAN contra a
Rússia, a China e os países da Organização para Cooperação de Xangai (OCX), com o fim de
"influência, poder, hegemonia e lucros na Ásia Central e no Cáucaso".
2) Localização geográfica: eurásia
3) Segurança energética: fonte alternativa à energia russa
4) Presença de grupos terroristas
5) Instabilidade política da área
6) China: NRS e busca evitar separatismos (uigures)
7) EUA: Política de contenção da Rússia
93
3. ASSUNTO 25: ORIENTE MÉDIO: REGIÕES DE GRANDES CONFLITOS
Objetivos:

- Analisar a posição estratégica e as disputas no Oriente Médio, segundo as expressões do


Poder Nacional.

a. A POSIÇÃO ESTRATÉGICA E AS DISPUTAS NO ORIENTE MÉDIO, SEGUNDO AS EXPRESSÕES DO PODER


NACIONAL

1) Político
a) Acordo Sykes-Picot - partilha do Oriente Médio entre França e Inglaterra
b) Autoridade Nacional Palestina (1993) - reivindica a criação do Estado soberano da
Palestina - proximidade da ANP com Hamas fez ela perder credibilidade na comunidade internacional
c)

2) Econômico
a) 70% das reservas mundiais de petróleo
b) OPEP (1960) - criado por países como Arabia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Irã,
Catar, Kuwait, Iraque, Líbia, Indonésia, Nigéria,Venezuela e Argélia - nacionaliza poços de petróleo.
c) Conflitos pela água (escassez):
- disputa entre Israel, Líbano, Síria e Jordânia pelo domínio da Bacia do Rio Jordão
- Possível construção de UHE pela Turquia nos rios Tigres e Eufrates para realização de
irrigação (agricultura) pode comprometer o abastecimento da Síria e do Iraque.
d) Agricultura: pouca expressividade. Clima árido prejudica a mesma.
e) Indústria: pouco desenvolvida. Destaque para as refinarias nos países petrolíferos.
f) Turismo: Israel, Turquia, EAU
g) Grupo P5+1 - Acordo Nuclear do Irã (2015): EUA saiu. Resultado: prejuízo à economia
iraniana.

3) Social
a) Busca incessante pelo petróleo trouxe desigualdade social, concentração de renda,
guerras.
b) Avanço fundamentalismo islâmico gerou atentados: 11 set e carro-bomba em Madri
2004.
c) Eixo Moderado (Arábia SAudita, Egito, Jordânia e Paquistão) X Eixo Fundamentalista
(Irã, IRaque, Afeganistão e Síria)
d) Rivalidade entre Grupos Sunitas (maioria) (Hamas e Fatah) X Xiita (Hezbollah) (minoria)

4) Político-Militar

Árabe-Israelense
a) Conflito Étnico, Religioso
b) Disputa por território
c) 1948 - Cria-se o Estado de Israel / Árabes Invadem (Ch Egito) / Israel rebate
d) 1967 - Guerra dos 6 dias - Israel anexa o Sinai / Cisjordânia / Golã / Gaza
e) 1973 - Guerra do Yon Kippur - 1º Choque do Petróleo
f) 1978 - Acordo Camp David - Devolução Sinai ao Egito e este reconhece Israel
g) 1987 - 93 - Primeira Intifada
h) 1993 - Devolução de Gaza e parte da Cisjordânia (Trat Oslo)
i) 2000 - 05 - Segunda Intifada
j) Atuação do Hamas em Gaza
94
k) Israel e EUA - Rlz acordo de reconhecimento dos assentamentos judeus - Palestina reage

1) Guerra Civil no Líbano (1975 - 90)


a) Conflito Religioso (18 religiões diferentes)
b) Disputa pelo poder
c) Coalizão de países (Egito, Arábia Saudita, Jordânia e Paquistão) X Eixo
fundamentalista (Irã, Síria, Afeganistão e Iraque)
d) Maioria da população Sunita - rivalidades com povos Xiitas e Maronitas
e) Atual governo plurireligioso (Presidente - Cristão Maronita / 1º Min - Sunita /
Pres Parlam - Xiita)

2) Revolução Iraniana (1979) - 2º Choque do Petróleo


a) Deposição do Xá Reza Pahlevi (alinhado com EUA e GBR)
b) Aiatolá Khomeini assumiu o governo.
c) Centralização do poder decisório no clero conservador.
d) Episódios: invasão da embaixada norte-americana em Teerã e a crise dos reféns. -
E DAÍ? - Simbolizou um movimento de autonomia diante do Ocidente no Oriente
Médio

3) Guerra Irã X Iraque (1980 / 88)


a) Conflito Político
b) Disputa territorial
c) Ascensão de Saddam Hussein (Sunita)
d) Iraque - Maioria Xiita, mas com presença de Curdos
e) Irã - Maioria Xiita
f) Iraque invade preventivamente o Irã em 1980 para evitar suposta disseminação
dos ideais revolucionários iranianos (revolução 1979)

4) A Guerra do Golfo (1990/91)

5) Guerra do Afeganistão (2001)

6) Guerra do Iraque (2003)


a) alegação de que Iraque possuía armas químicas.
b) Sem apoio do CS ONU.

7) A Primavera Árabe (2010/11)


a) Conjunto de mobilizações populares no Oriente Médio e no norte da África.
b) Causada por problemas sociais (ex: pobreza e desemprego) - Tunísia, Egito,
Iêmen, Síria, etc
c) Características: “despertar das massas”, demanda de autodeterminação e
democracia
d) E DAÍ? Levou ao fim de alguns regimes ditatoriais. Instabilidade política a nível
mundial.

8) A Guerra na Síria (2011/até hj)

9) Conflito entre Curdos, Turquia e Síria

95
10) Iêmen : Em 2019, reunião entre EUA, Arábia Saudita e EAU sobre guerra civil no
Iêmen. País com crise humanitária desde 2015, com 70 mil mortos. Acordo de
Hodeida foi realizado em 2018 entre rebeldes (apoiados pelo Irã) e forças
governamentais (apoiados pela Arábia Saudita). Iêmen possui localização estratégica
(acesso ao Mar Vermelho e Oc Indico).

11) Tensão no Golfo Pérsico : Maio de 2019, 4 navios (EAU, Noruega, Arab Saud)
atacados próx do Golfo de Ormuz. Atq ocorreram em cenário de tensão entre EUA e
Irã devido determinação de Trump em reduzir exportação do petróleo iraniano,
classificar IRGC como gp terrorista e deslocar um porta-aviões para o golfo. Em
maio 2018, Trump abandonou o acordo nuclear com o Irã que fora assinado em
2015.

12) Morte de Qasem Soleimani (2020)

13) Egito e Irã disputam corrida armamentista convencional

14) Caso do Irã


a) Egito e Irã estão em corrida armamentista convencional.
b) Irã tem certa vantagem devido ao programa nuclear.
c) Apoiam o Hamas e o Hezbolah, como forças desestabilizadoras no Iraque.
d) Maior poderio militar convencional do Golfo Pérsico
e) Disputa com Arábia Saudita (xita X sunita)
f) Morte de Soleimani - Ch militar do Irã.
g) Saída dos EUA do acordo nuclear com Irã.
h) E DAÍ? - Relevante disputa pela hegemonia regional entre Egito e Irã.
i) E DAÍ? Atualmente, o jogo de poder está concentrado entre Arábia Saudita e Irã
(Guerra por procuração no Iemen)

4. ASSUNTO 26: SUDESTE ASIÁTICO E EXTREMO ORIENTE


Objetivos:

- Examinar o Sudeste Asiático e o Extremo Oriente segundo as expressões do Poder Nacional.

a. O SUDESTE ASIÁTICO E O EXTREMO ORIENTE SEGUNDO AS EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL

SUDESTE ASIÁTICO
1) Político
a) Tigres Asiáticos: Hong Kong, Cingapura, Coreia do Sul e Taiwan (Formosa) - “HSCT”
b) Novos Tigres Asiáticos: Indonésia, Vietnã, Malásia, Tailândia e Filipinas - “FMI TV”

96
c) Coreia do Sul e Taiwan: cinturão capitalista X China
d) Singapura e Hong Kong: rotas estratégicas e paraísos fiscais

2) Econômico
a) Tigres Asiáticos - elevado crescimento econômico elevado e repentino (anos 1980)
- Plataforma de exportação
Passado:
- Forte presença do Estado
- Incentivos fiscais
- Desvalorização da moeda
- Medidas protecionistas contra concorrentes estrangeiros
- INvestimentos em educação
- Infraestrutura de transporte e energia
Atualmente:
- Produtos de alto valor agregado: computadores e eletrônicos
- Aumento da renda per capita
- Aumento do mercado consumidor interno
- Aumento do custo da mão de obra
- Valorização da moeda

b) Novos Tigres Asiáticos:


- Abertura econômica.
- Produção de manufaturas com maior valor agregado (tecnologias).
- Mercado voltado para a exportação. “Plataformas de exportação”.
- Últimas décadas - aumento de importações (a escassez de recursos naturais, melhoria
do padrão de vida da população e abertura econômica)
- Vulnerável às oscilações de mercado mundial
- Blocos econômicos: ASEAN (1967), APEC e Parceria Transpacífica (TPP), RCEP
- Energia (importação):
- Taiwan - Petróleo, Carvão, Gás e Nuclear
- Coréia do Sul - Petróleo e Carvão
- Hong Kong - Petróleo e Carvão
- Singapura - Petróleo e Gás
- Principal fonte de energia de todos é o petróleo
c) Transporte
- Evoluída rede de transporte - destaque para o setor portuário e metroviário
97
- Singapura: Ligação Rodoferroviária com a Malásia
- Fácil interligação entre os países: portos e aeroportos (Hong Kong e Singapura estão
entre os 20 maiores do mundo)/ oceanos Pacífico e Índico.
d) Comércio
- Singapura: a rota comercial Estreito de Malaca contribuiu para o crescimento
econômico.
e) Infraestrutura
- Fortes investimentos em infraestruturas
- Grande estrutura portuária: porto de Singapura, de Hong Kong e de Busan (Coreia do
Sul) estão entre os 10 maiores do mundo (utilização de containers)
f) Agricultura
- Frágil em geral, exceção de Taiwan.
- A segurança alimentar depende da China.
- Poucas terras cultiváveis
g) Indústria
- Indústrias de alta tecnologia (Invst EUA e Jap)
- Petroquímica
- Eletrônicos
- Estaleiros navais (Invst EUA, Ing e Jap)
- Equipamentos siderúrgicos, automobilístico (SAMSUNG-Hyundai)
- Manufaturados (destaque: têxtil)
h) Novos Tigres
- Economia:
> Mão de obra barata
> Altas taxa de crescimento econômico a partir de 2012
> Baixa taxa de juros
> facilidades fiscais para exportação
> Forte presença do Estado
> proteção à indústria nacional
> Investimentos externos
> Elevado consumo interno
> Vietnã: Ainda em crescimento, com investimentos chineses
> Malásia: Região equatorial - fonte de recurso florestal
> Malásia, Indonésia e Tailândia - habilidades manuais especializadas -
manufaturados
> Indonésia - Elevado consumo interno
> Filipinas - Elevado consumo interno
> Indústria
- Manufaturados - têxteis, calçados, alimentos, brinquedos e produtos
eletrônicos
- Decorrente da expansão dos Tigres Asiáticos
i)

3) Psicossocial
a) Alto investimento em educação
b) Melhoria da qualidade de vida populacional
c) Coreia do Norte:
- Violações a direitos humanos
- Um dos países mais pobres do mundo

4) Militar
a) Coreia do Sul
- Presença de militares dos EUA
- Aparelhamento militar (Frente a Coreia do Norte)
98
b) Hong Kong - Depende militarmente da China
c) Taiwan - Dependente dos EUA na importação de armas, tensão China x EUA, governo de
Taipei pró-independência
d) Singapura - possui tecnologia de emprego militar
e) Disputas geopolíticas
- EUA:
- Taiwan - Pressão sobre a China com presença militar e política
- Coréia do Sul - Pressão sobre a China e Rússia com presença militar
f) Coréia do Norte
- Conflito com a Coreia do Sul, constantes ameaças.
- Tecnicamente ainda estão em guerra.
- Possui armamento Nuclear
g) China
- Hong Kong - Revolução dos Guarda Chuvas (2014).
h) - 2019 - Lei da extradição gerou série de manifestações, pressão internacional, EUA,
Reino Unido.

ÁSIA ORIENTAL
a) Ásia Oriental: China, Japão, Coreia do Norte e Coreia do Sul

b) Uma das regiões mais ricas do planeta.


c) Duas potências mundiais: China e Japão
d) China:
- Grande base agrícola
- Indústria desenvolvida
- 2ª maior economia mundial
e) Japão
-3ª maior economia mundial
- 6º maior importador
- 4º maior exportador
- membro do G8
f) Coreia do Norte
- Economia fechada e centralizada
- Socialista
- Indústria pouco desenvolvida
- Restrição comercial

99
RESUMO 2021

UD X - BRASIL - FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO DO TERRITÓRIO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

OBJETIVO ENGLOBANTE: Avaliar a formação e evolução do território brasileiro, para concluir sobre a inserção
do País no cenário internacional.

1. ASSUNTO 40. FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO


Objetivos:
Analisar o processo de formação e evolução geoeconômica do território brasileiro
a. Formação Geoeconômica do território (1500 - 1822)
1) O Processo de Conquista do Litoral
a) Pau-Brasil (1500-1532)- extrativismo
b) Capitanias Hereditárias - 1532, distribuição controlada de terras para exploração da colônia
c) Cana-de-Açúcar (após 1532) - sistema de plantation (mão de obra escrava, exportação,
monocultura e latifúndios)
d) Estabelecimento no litoral de fortes para defesa do território (contra invasões francesas,
holandesas, inglesas)
e) Portos para escoamento da produção do interior: Salvador e Rio de Janeiro (capital em 1763)

2) O Processo de Interiorização (entradas, bandeiras, monções e missões jesuítas)


a) Pecuária no nordeste (secundária à cana, 10 léguas para o interior) - Carta Régia de 1701
b) Entradas/Bandeiras (Séc XVI): Deslocamento para o interior (apresamento índio, busca por
metais preciosos e sertanismo de contrato)
c) União Ibérica: incentivou o deslocamento além das Tordesilhas. 1580-1640
d) Mineração: Expansão para o oeste (MG/MT) - 1718, ouro em Cuiabá; 1725, ouro em Goiás
(início das monções - expedições fluviais)
e) Pecuária no Sul: Charque
f) Drogas do Sertão: Amazonas, mão-de-obra índigena, Jesuítas
g) Criação de Fortes na Foz do Amazonas (1616, Forte do Presépio foi o primeiro, Belém)
h) Missões religiosas: incentivo da coroa portuguesa para catequizar os índios e garantir o
comércio de matérias-primas.

100
3) Os Tratados de Limites
a) Tratado de Tordesilhas (1494)
b) Tratado de Madrid (1750) - Uti Possidetis (a terra deve pertencer a quem ocupou- limites
naturais)
c) Tratado de El Pardo (1761) - Anulou Madrid,
d) Tratado de Santo Ildefonso (1777) - Restituiu Madrid, mas manteve Sete Povos com a Espanha
e) Tratado de Badajós (1801) - Brasil Retoma Sete Povos das Missões

Data Tratado O que? Quem?

1494 Tordesilhas 370 léguas a W de Cabo Verde Portugal e Espanha

1532 - Capitanias Hereditárias

1580-1730 - Bandeirismo - MG - ciclo do ouro

1616 - Fundação de Belém - Forte do Presépio

1680 - Colônia do Sacramento

1718 - Descoberta de ouro em Cuiabá bandeirantes de SP


(início das monções)

1750 Tratado de Legalizava a ocupação de ⅔ do território atual Portugal e Espanha


Madri
Colônia do Sacramento - Espanha
Sete Povos das Missões - Portugal

2 Princípios: Uti Possidetis e Fronteiras Naturais

101
1761 El Pardo Anulou o Tratado de Madri Portugal e Espanha
Colônia do Sacramento - Portugal
Sete Povos das Missões - Espanha

1777 Santo Retomou as fronteiras do Tratado de Madri Portugal e Espanha


Ildefonso
Região dos Sete Povos das Missões permaneceram
com a Espanha
(1801 - conquistadas por tropas gaúchas na guerra
entre POR e ESP)

Colônia do Sacramento - Espanha


Sete Povos das Missões - Espanha

1801 Badajós Colônia do Sacramento - Espanha Portugal e Espanha


Sete Povos das Missões - Portugal

E Daí? Conclui-se, parcialmente, que a formação geoeconômica do Território Brasileiro foi marcada por duas
fases distintas, ocupação litorânea e interiorização, voltadas para o escoamento de produtos para a Metrópole,
contribuindo para a formação de "arquipélagos econômicos".

b. Evolução Geoeconômica
1) Evolução
f) Café passa a ser o principal produto no século XIX. Inicialmente Rio de Janeiro, depois São
Paulo e Minas (Vale do Paraíba);
g) Proibição do Tráfico negreiro em 1850 (lei Eusébio de Queiroz) → encarecimento do escravo
→ atração da mão de obra de imigrantes (excedentes populacionais europeus)
h) Lei de Terras (1850) - terras devolutas deixam de ser doadas e passam a ser vendidas
i) Crescente produção de borracha a partir de 1850 - atração de contingentes de nordestinos para
o Norte somada à navegação à vapor - Mudança na vida econômica da Amazônia
a. ligação com o Norte pelo Rio Madeira

j) A Diplomacia Imperial
(1) Norte → Duarte da Ponte Ribeiro → Acordos: Peru (1851) ; Venezuela (1859); Bolívia
(1867)
(2) Os acordos sobre Cisplatina de 1851
(3) Fronteiras e Guerras: Guerra contra Aguirre - Uruguai -1864;
102
(4) Fronteiras e Guerras: Paraguai - 1804-1870
(5) Limites → Barão do Rio Branco → Argentina (1895); Amapá (FRA) 1900; Palmas
(1902); Acre (1903) - (Não foram no império)
k) Chegada de imigrantes é acompanhada da expansão da indústria (expertise) e comércio - Ex:
japoneses em SP; finlandês em Penedo, alemão e italiano no RS;
l) industrialização se intensifica a partir de 1930 → 1ª Guerra Mundial + Crise de 1929 =
Substituição de importações - êxodo rural
m) Independência + Industrialização + ligação do Brasil por ferrovias, hidrovias (barco a vapor) →
início da ruptura da economia de arquipélagos;
n) Após a 2ª GM → Nacional Desenvolvimentismo, entrada de capital estrangeiro,
internacionalização da economia, integração da infraestrutura de transportes do País =
integração econômica das macrorregiões brasileiras - JK (rodoviarismo)/ Gov Mil (BR-230)
o) Expansão da fronteira agrícola, a partir da segunda metade do Séc XX, ampliou agricultura e
pecuária do Sul para as regiões Centro-Oeste e Norte
p) Revolução Verde década de 1960 e 1970 (intensificou o êxodo rural)
q) Estatuto da terra (1964) - cria o módulo rural

c. EB Aula
1) Dificuldades de comunicações entre Belém e RJ - Criação do estado do Maranhão
2) As comunicações fluviais contribuíram para a unidade do Brasil
a) ligando o interior, Centro Oeste e Norte ao RJ
b) Únicas alternativas ao transporte marítimo e ligações marítimas com o RJ

E Daí? Conclui-se, parcialmente, que a evolução geoeconômica do Território Brasileiro caracterizou-se pela
ocupação e busca por locais possuidores de riquezas, apoiada pela industrialização e investimento em infra
estruturas que permitiram ligar os Complexos Regionais Brasileiros, favorecendo a integração do território
brasileiro e a ruptura da estrutura econômica de arquipélagos.

2. ASSUNTO 41. O BRASIL NO ATUAL ORDENAMENTO MUNDIAL


Objetivos:
- Examinar as inserções comerciais do Brasil no ordenamento mundial

- Compreender as relações entre a política externa atual e a Política Nacional de Defesa

a. Histórico Econômico
1) Decreto Presidencial 5484/2005 - Aprova a Política Nacional de Defesa e define orientações para a
agenda internacional brasileira.
a) Artigo 4º da CF/88 define os princípios que regem as Relações Internacionais brasileiras.
I - independência nacional;
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
VII - solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX - cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;
X - concessão de asilo político
103
2) A partir da década de 1990 o Brasil adotou modelos econômicos competitivos e buscou aumentar sua
participação nos principais regimes e organismos internacionais. “Consenso de Washington”
a) Tal postura foi ampliada nos anos 2000 - viés de cooperação Sul-Sul - fazendo do país um
"Global Trader" e "Player"
b) Nova Ordem Mundial - Multipolar - complexa teia de situações de conflito, competição e
cooperação entre Estados (inclusive com atores não-estatais)
(1) O Brasil reforçou o multilateralismo, favorecido pela PEB mais agressiva, autônoma e
participativa desde 1990. (CP)
(2) A inserção brasileira nos principais centros e fóruns decisórios aumentou o poder de barganha
e negociação em relação às questões de ordem econômica, ambiental e social. Contudo esse
aumento não foi acompanhado pelo aumento da capacidade de impor sua vontade em termos
militares.
3) A postura brasileira a partir de 2003 indica a consolidação de uma orientação Sul-Sul mais afastada
da esfera de influência dos EUA (BRICS, IBAS e não adesão à ALCA) / abertura de embaixadas na
África (Camarões)

b. O Brasil no Contexto da Multipolaridade


1) MERCOSUL - criado em 1991, instrumento capaz de proporcionar ao Brasil um melhor
posicionamento regional, abrindo caminho para a formação de uma área de livre comércio na região
a) 1991 - Tratado de Assunção - adesão de Paraguai e Uruguai - criação do Mercosul
b) Personalidade Jurídica internacional (Protocolo de Ouro Preto - 1994)
c) Membros (Estados Partes) : BRA/ARG/PAR/URU/VEN (Aderiu em 2012 e está suspensa desde
2016, sendo aplicada a Cláusula Democrática do Protocolo de Ushuaia, em 2016)
d) Demais países sul-americanos - Estados Associados.
e) A Bolívia tem status de associado em processo de adesão.
f) 70% da população sul-americana
g) 76,2 % PIB da AS (2016) / PIB: US$ 2,7 tri
h) estabelecimento de uma Tarifa Externa Comum (TEC-1994) (política tarifária comum)
i) União aduaneira em fase de consolidação
j) Bloco econômico para desenvolvimento interno e integração sul-americana, com destaque para
exportação de commodities (minerais e agrícolas) - cinco principais culturas alimentares globais
(trigo, milho, soja, açúcar e arroz) - segurança alimentar
k) Obj: desenvolver economia e democracia
l) Eliminação dos entraves à circulação dos fatores de produção
m) Aumento do comércio intrabloco aumentou mais de dez vezes de 1991 até 2012
n) Fundo de Convergência Estrutural do MERCOSUL (FOCEM) - desde 2007 - visa reduzir
assimetrias (áreas da habitação, transporte, incentivos à microempresa, biossegurança,
capacitação tecnológica e infraestrutura sanitária) - infraestrutura
o) Setor que mais se beneficia automotivo (BRA e ARG) - 3º maior mercado global de
automóveis. Ford 2021
p) Não se limita à dimensão econômica e social (ciência e tecnologia à educação, agricultura
familiar ao meio ambiente, cooperação fronteiriça ao combate aos ilícitos transnacionais, direitos
humanos)
q) acordo entre o FOCEM e o FONPLATA - Fundo de Desenvolvimento Financeiro da Bacia do
Prata - (2018) - organismo multilateral integrado de 5 países (ARG/BOL/BRA/PAR/URU)
apoio financeiro para o desenvolvimento regional

104
r) Concluiu acordo comercial com países do EFTA (2019) - Associação Européia de Livre
Comércio (Suíça, Noruega, Islândia, e Liechtenstein) - Suíça 5º maior investidor estrangeiro
direto no Brasil - Setor financeiro, seguros, indústria de transformação e comércio
s) Acordo MERCOSUL-UE iniciado em junho de 2019, dependente do processo de ratificação
(redução e eliminação de tarifas de produtos agrícolas, peixes, crustáceos e óleo vegetal):
manufaturados europeus/carnes, suco de laranja, café, soja e frutas brasileiros (Questão das
Patentes do setor farmacêutico) - Vídeo Entrave nas questões ambientais. Ainda não está em
vigor. (Fonte Descomplica - Atualidades 2019).
t) UE é um dos maiores parceiros comerciais do MERCOSUL
u) Vitória de Alberto Fernandez e Kirchner (Conjuntura atual) - estremeceu relações no Mercosul
(Brasil)
v) 2016 - Acordo de Comércio Preferencial [ACP] Mercosul-SACU (África do Sul, Namíbia,
Botsuana, Lesoto e Suazilândia) - União Aduaneira da África Austral
w) Acordo Livre-Comércio Mercosul-Egito
x) Embora tenha sido instituído como bloco de viés unicamente econômico, o Mercosul vem
abarcando também pautas de caráter político, como a coordenação de políticas externas, a
cooperação em matéria de segurança internacional, a cooperação na segurança interna e de
assuntos judiciários ou, ainda, da educação. Um exemplo emblemático é o “Estudar em países do
Mercosul”, programa que abrange praticamente a educação de todos os níveis. (AS2 - 2020)
y) O Brasil tem posição de liderança no Mercosul, que visa a integração dos Estados-membros por
intermédio da livre circulação de bens, serviços e fatores produtivos e do estabelecimento de
uma tarifa externa comum (TEC). Tais iniciativas buscam o fortalecimento da economia regional
e das iniciativas de integração sul-americanas. Vale destacar que o Mercosul tem buscado a
integração dos sistemas energéticos e tal processo tem ocorrido em seus diversos campos: as
interconexões elétricas, o aproveitamento de empreendimentos hidrelétricos binacionais e as
trocas de insumos energéticos fósseis, tais como petróleo bruto e gás natural. (AS2 - 2020)
2) Área de Influência Atlântico Sul
a) Zona Econômica Exclusiva - 200 milhas náuticas da costa
(1) Extensão da Plataforma Continental
(2) A Amazônia Azul

105
c) Amazônia Azul = ZEE + Plataforma Continental Jurídica Brasileira (PCJB)
- totalizará 4,5 milhões de Km2 (50% territorio) após incorporação dos 900 mil km² solicitados
(necessidade de investimento na marinha para proteção da soberania na Amazônia Azul)
d) 1988 - Convenção das Nações Unidas sobre o Direito no Mar (CNUDM)

e) Economia
● minérios - óxidos de ferro e manganês, níquel, o cobre e o cobalto. (exploração inviável dados
de 2009)
● Crescimento da Pesca - 40% em 2020
● BR do Mar - projeto para melhorias na infra-estrutura portuária (concessão), reduzindo o custo-
Brasil - navegação de cabotagem
● Cerca de 80 portos - navegação de cabotagem
● 95% do comércio brasileiro passa pela Amazônia Azul, destaque para o Porto de Santos
● 91% do nosso petróleo e 73% do nosso gás natural
● Outros
● Turismo
● Esportes Náuticos

f) Ambiental
● Desenvolvimento Sustentável - Agenda 2030
● Promoção da Mentalidade Marítima (PROMAR)
● 2019 - Operação Amazônia Azul, Mar Limpo é Vida - operação do Governo Federal na
preservação do meio ambiente e no zelo pela saúde da população e dos turistas (Msg C)

h) Soberania
● Marinha do Brasil desenvolve atividades de Inspeção Naval, Patrulha Naval e Ações de
Presença
● Saída UNIFIL

106
i) 2004 Proposta para ONU para aumentar a área
Argumentos:
● Arquipélago São Pedro e São Paulo (a 540 milhas de Natal),
● Ilha de Trindade e Vaz de Lima (a 760 milhas do Rio de Janeiro)
● Arquipélago de Fernando de Noronha (a 200 milhas de Natal)
● Arquipélago de Abrolhos e Atol das Rocas.
(1) 2006 - Descoberta do Pré-sal
(2) 2007 ONU aprova cerca de 80% do pleito
(3) 2015 nova investida para aumento da área
(4) 2019 cerca de 170 mil km² são aprovados pela ONU

j) Petróleo (20% da produção mundial está no Atlântico Sul)


(1) A partir da déc 70 - Bacia de Santos
(2) Dec 2000 autossuficiente em petróleo
(3) atualmente 90% produção offshore
(4) Programa de Capacitação Tecnológico em Águas Profundas (Procap) (1986)
(5) Pré-sal irá aumentar a reserva brasileira de 15 para 30 bilhões de barris de petróleo

k) Estratégia Nacional de Defesa 2008 prioriza a Amazônia, Atlântico Sul e fronteiras - Proteção das
plataformas e defesa das instalações em ilhas
- Joint Venture com a França para produção de submarinos (PROSUB)

m) 90% dos fluxos comerciais brasileiros são pelo mar


(1) Aumentou os investimentos nos portos e produção naval
Atuação do EB - Apoio à Operação Amazônia Azul - Atividade cujo objetivo é a remoção de
óleo da faixa litorânea dos estados brasileiros atingidos, atuando no recolhimento desse resíduo e no
apoio à população local. A finalidade dessa operação é mitigar o impacto ambiental nas praias
afetadas pelo derramamento de óleo ocorrido em 2019.
3) Participação em Fóruns e acordos
a) IBAS (Fórum)
- Formado por Brasil, Índia e África do Sul, é um mecanismo de coordenação entre 3 países
emergentes, democracias multiétnicas e multiculturais, que estão determinados a contribuir
para uma nova arquitetura internacional, unir vozes e aprofundar seu relacionamento mútuo.
- A participação brasileira no fórum IBAS (Índia-Brasil-África do Sul) objetiva a reforma dos
mecanismos de tomada de decisão a nível global, em especial no tocante ao Conselho de
Segurança das Nações Unidas, além do reforço da política de subsídios agrícolas adotada
pelos países mais desenvolvidos. Tal convergência leva o Brasil, a Índia e a África do Sul a
buscarem uma ordem internacional de caráter multipolar, que proporcione maior atenção às
reivindicações dos países em desenvolvimento. (AS2 - 2020)

b) BRICS (Fórum)
(1) Índices:
107
● 45% da Força de Trabalho do mundo
● 40% da população mundial
● 21% do PIB mundial

● Contribuição de cada país:


- África do Sul: Mineração (Platina) / Commodities (carvão)
- India: Serviços e Softwares (call center, Tata Motors) e automóveis
- Rússia: Mineração e Energia / Commodities (Trigo)
- China: Indústria (produtos tecnológicos - celular)
- Brasil: Agricultura / Commodities

(2) Breve histórico:


● Iniciada informalmente em 2006 (BRIC)
● Adesão da África do Sul 2011 (BRICS)
● Cúpula anual desde 2009 (Após a crise de 2008)
● Novo Banco de Desenvolvimento (2014) - "Banco do BRICS"

(3) Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS (NDB)


● criação remonta à Cúpula de Fortaleza (2014)
● Sede em Xangai
● Investimentos em Programa Parceria Investimento no Brasil
● maior flexibilidade em relação ao FMI
● Abertura dos escritório em Brasília (2019)
● 4 projetos brasileiros que abrangem as áreas de energia renovável (eólica, solar e
hidrelétrica), construção de estradas, reconstrução de rodovia férrea, esgotamento
sanitário, telecomunicações e refinarias da Petrobras (US$ 621 milhões)

(4) Áreas de Cooperação


● ECONÔMICO-FINANCEIRA
- Novo Banco de Desenvolvimento: investimentos em infraestrutura e
desenvolvimento sustentável
- Arranjo Contingente de Reservas (ACR): visa a respaldar os países membros,
especificamente em eventuais cenários de crise em seus balanços de pagamentos -
US$ 100 bi, sendo China (US$ 41bi); Brasil (US$ 18bi); Rússia (US$ 18bi); Índia
(US$ 18bi) e África do Sul (US$ 5bi)
- Conselho Empresarial do BRICS (CEBRICS)
- Aproximar comunidades empresariais
(5) O Brasil tem o 3º maior produto interno bruto (PIB) dos BRICS. Projeta comercialmente
o País e atrai investimentos. Além disso, as parcerias e acordos comerciais, oriundos dos
encontros desse grupo, têm representado cifras significativas na balança comercial
brasileira. (AS2 - 2020)

(6) Relações do Brasil dentro do BRICS

● África do Sul
- Empresas: Vale X Anglo Gold (MG)
- Militar: Míssil A-Darter (Ar-Ar, equipará os Gripen)
- Acordo Preferencial SACU - Mercosul
- Exporta: Frango e Carne Suína
- Importa: Alumínio
108
● Rússia
- Rosneft - Gás Natural (exploração Bacia de Solimões)
- Defesa - Míssil Igla
- Espacial - Glonass (Brasil maior usuário fora da Rússia) / Astronauta Brasileiro
- CT&I - SJC e UFRJ (intercâmbio)
- Exportação - Soja, Açúcar e Carne
- Importa - Fertilizantes
- SPUTNIK V

● China
- Investimento Estrangeiro Direto: Porto de Açu (RJ)
- Participação no leilão do Pré-Sal 2019
- Empresas na China: EMBRAER, Vale
- Espaço: CBERS (satélite Sino-brasileiro de Recursos Terrestres) - 2014 (CBERS-4)
- Financeiro: BB em Xangai / Banco da China no Brasil
- Exporta: Petróleo, Soja, Minério de Ferro
- Importa: Manufaturados e eletrônicos
- CORONA VAC (cooperação com Butatã)A

● Índia
- CT&I - Conselho Científico Brasil-Índia
- IED: Arcelormittal (Siderurgia no Brasil)
- Importa: Fertilizantes e Herbicidas
- Exporta: Soja, Açúcar e Petróleo
- OXFORD/ ASTRAZENECA/COVAXIN
- 19 acordos (2020) - (principais - veículos, agricultura, armamento (taurus), ciência e
tecnologia, medicamentos)

(7) outras ideias


● XI Cúpula: Brasília, Brasil, novembro de 2019
● Nova rede de inovação para parques tecnológicos, iBRICS, criada em 2019. Para
operar nos temas: Desenvolvimento Tecnológico e Inovação;

c) FOCALAL - Foro de Cooperação América Latina - Ásia do Leste


(1) Criado em 1999
(2) iniciativa do Chile e Cingapura
(3) Fazem parte Nova Zelândia e Austrália, BRA, ARG, CHINA, INDONÉSIA, JAPÃO
(4) Obj:
● estimular a interação e intensificar cooperação
● conhecimento mútuo entre as duas regiões
● promover maior diálogo político
(5) 36 países ( 20 da AL e 16 Ásia do Leste) - criação do fundo FOCALAL (2018) gerido
pela CEPAL (Comissão Econ. para AL e Caribe) - OBJ: financiar projetos de cooperação

d) PROSUL - Foro para o Progresso da América do Sul


(1) Criado em Santiago (Chile) - 2019
(2) Adotou a “Declaração Presidencial sobre a Renovação e o Fortalecimento da Integração
da América do Sul”. Nesta declaração 8 países
109
(ARG/BRA/CHILE/COL/EQU/GUI/PAR/PER) indicaram sua vontade de construir e
consolidar um espaço regional de coordenação e cooperação, estabelecendo as bases para
o lançamento do PROSUL. A iniciativa substituirá, para esses países, o papel
inicialmente conferido à UNASUL.
(3) Perfil mais liberal no tocante à inserção da América Latina na economia global
(4) temas prioritários
- infraestrutura
- energia
- saúde
- defesa
- segurança e combate ao crime
- prevenção e resposta a desastres naturais

e) G-20 - Financeiros (UE, Brasil e Outros) - 20 maiores economias do mundo


- Grupo Criado em 1999 - formado pelos 19 países mais ricos mais a União Europeia.
Aumentou a participação brasileira nas decisões sobre a política financeira internacional

f) G-20 (2003) - Países em desenvolvimento (Agricultura)


- Liderança brasileira na criação do G-20 Agricultura, no âmbito da Reunião da OMC em
Cancun. Defendendo os pilares do mandato agrícola da Rodada de Doha: Acesso a
mercados (redução de tarifas).
- Eliminação de subsídios à exportação e Redução de subsídios de apoio interno.

g) ONU - Organização das Nações Unidas


(1) No período de 2012 até 2019, o brasileiro José Graziano da Silva foi diretor-geral da
Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) - trabalha
integrada à ONU na ampliação da produtividade agrícola dos países, na melhoria da
qualidade de vida das populações rurais e na segurança nutricional das pessoas.
- Naquele OI, o Brasil, por intermédio de seu antigo diretor-geral, introduziu o
conceito de segurança alimentar. (AS2 -2020)
(2) Na ONU, o Brasil tem contribuído, com assertividade, desde sua fundação, em 1945.
- participação de Osvaldo Aranha, presidência
- atuação brasileira nas Forças de Paz da ONU
- busca brasileira por um assento permanente no Conselho de Segurança da
ONU (CSNU),
- Anuência brasileira nas pautas estatuídas na Agenda 2030, a respeito da
questão energética.(AS2-2020)
(3) Operações de Paz - MINUSTAH (2004-2018), Liderança da Força-Tarefa Marítima
(FTM) da Força Interina das Nações Unidas no Líbano - UNIFIL (desde 2011 - retirada
do navio brasileiro em 2020)
(4) O Brasil tem sido atuante na membresia da Organização das Nações Unidas para a
Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), sediada em Paris. Tal atuação amplia o
poder de persuasão ou o “soft power” brasileiro em relação aos demais países em
desenvolvimento. Salienta-se que o País tem procurado atingir as metas preconizadas
pela ONU para o setor educacional, enquadradas na Agenda 2030 (a busca incessante por
um sistema educacional “de qualidade, inclusivo e equitativo”). (AS2 - 2020)
(5) O Brasil participa nas missões no Congo (onde a missão inclusive é comandada por um
general brasileiro), no Saara Ocidental, no Chipre, na República Centro Africana, no
Sudão, no Sudão do Sul, em Darfur e no próprio Líbano, onde manterá militares na
missão mesmo após a saída do navio. (link)
110
h) OEA - Organização dos Estados Americanos
- Obj: Paz social e justiça
- Ação nas eleições de Evo Morales na Bolívia (final década de 2010)
- Braço da ONU no continente americano
- O Brasil foi um dos 21 fundadores da OEA. Hoje, congrega 35 Estados americanos e constitui o
principal fórum governamental político, jurídico e social do hemisfério sul. crise da democracia
venezuelana, o Brasil tem acompanhado a maioria dos integrantes da OEA no apoio a Juan
Guaidó, como Presidente da República interino da Venezuela. Nessa questão, tem sido
suscitada uma possível invocação do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) e
a consequente adoção de uma intervenção de caráter militar, caso a situação da Venezuela tenha
impacto desestabilizador no subcontinente e represente uma ameaça à paz regional. (AS2 -2020)

i) G4
- Brasil, Alemanha, Japão e Índia - Pleiteando um assento permanente no Conselho de
Segurança das Nações Unidas (AS2-2020)

j) CELAC - Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (1975)


- foro regional sediado em Caracas, para cooperação e integração da América Latina e
Caribe relacionadas às estratégias econômicas comuns.
- O Brasil e os demais países latino-americanos e caribenhos têm procurado fazer da
Cúpula América Latina, Caribe e União Europeia (ALC-UE) um instrumento de
cooperação efetiva, cujo progressivo aperfeiçoamento poderá ensejar a formação de uma
associação estratégica birregional. (AS2 - 20202)
- A Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) é um bloco
regional intergovernamental composto por 33 países. Foi criada em 2010, sendo herdeira
do Grupo do Rio e da Cúpula da América Latina e do Caribe (CALC). A participação
brasileira no grupo pode facilitar o processo de integração econômica brasileira, uma vez
que o México faz parte do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA),
além de contar com integrantes da Comunidade Andina (Bolívia, Colômbia, Equador e
Peru) e Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Chile, Colômbia, México e Peru). (AS2 -
2020)

k) Agenda 2030 -
- Plano de ação global que reúne 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável e 169
metas, visando erradicar a pobreza e promover vida digna sem comprometer próximas
gerações.

111
-

l) CPLP - Comunidade de Países de Língua Portuguesa


(1) Brasil, Portugal, Timor-Leste, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial,
Cabo Verde, São Tomé e Príncipe.
(2) Agência Brasileira de Cooperação
(3) Macau não faz parte da CPLP
(4) Importância para o Brasil e outros integrantes:
(a) Projeção de Poder no Atlântico Sul;
(b) Difusão da Doutrina Militar Brasileira;
(c) Transmissão de aspectos culturais brasileiros;
(d) Incremento do Turismo;
(e) Combate à fome;
(f) Consolidação da democracia nos países membros;
(g) Melhoria nos índices de saúde da População de países membros;
(h) Massificação, Valorização e Padronização da língua portuguesa (Instituto
Internacional da Língua Portuguesa).
(5) Política de cooperação em defesa - intercâmbio nas formações militares, medicina
militar, missões de paz. Exercícios Combinados (FELINO)
(6) Criação do Fundo Especial
(7) Brasil-Guiné Bissau: Acordo Básico de Cooperação Técnica e Científica (1975) - áreas
de formação profissional, agricultura e saúde. Projeto de Cooperação Técnica - Produção
de Arroz. Formação de inspetores do trabalho e segurança social. Ação de aparelhamento
da Faculdade de Direito Bissau.
(8) Brasil-Cabo Verde: Acordo Básico de Cooperação Técnica e Científica (1977) -
formação profissional, educação, meio ambiente, tecnologia da informação e saúde
(combate ao HIV)
(9) Brasil-Moçambique: Programa Bilateral de Cooperação Técnica Brasil-Moçambique:
Diversos projetos em execução, Ex: Capacitação Jurídica de Formadores e Magistrados e
Modernização da Previdência Social de Moçambique.
(10) Brasil-São Tomé e Príncipe: Acordo Básico de Cooperação Técnica e Científica
(1984) - Educação
(11) Capacitação na Agropecuária - Angola, Cabo Verde e Moçambique

112
(12) Contribui para a consolidação e bom relacionamento dos integrantes da
ZOPACAS
(13) A CPLP visa ampliar a influência geopolítica do Brasil na África lusófona e,
colateralmente, proporcionar acesso aos mercados com grande capacidade de expansão
no Continente Negro. O Brasil tem sido o grande protagonista deste OI. (AS2 -2020)

m) ZOPACAS - Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul


(1) 1986 - Zona desnuclearizada
(2) Visa a segurança militar e o fomento da paz na região
(3) Prioridade do Brasil na ZOPACAS (Nigéria, Angola e África do Sul)
(4) Possui 4 áreas de atuação:
● meio ambiente, relacionada à proteção dos recursos marinhos no Atlântico Sul.
Criação de uma rede de vigilância que poderia prevenir acidentes ecológicos e
implementação de medidas para a questão da poluição das águas acarretadas pelos
navios que se servem da rota sul-atlântica
● desnuclearização do Atlântico Sul, com vistas ao desmantelamento dos seis artefatos
nucleares construídos na África do Sul ao longo dos anos 80.
● cooperação econômica e comercial
(5) Disputa regional com China: Link

(6) EUA criaram o United States Africa Command (AFRICOM), com o objetivo de garantir
a segurança da região, em função das ameaças terroristas, da pirataria e dos conflitos.
(7) O Brasil responde com a criação de um Conselho de Defesa Sul-Americano, integrado à
UNASUL. Os EUA responderam com a reativação da Quarta Frota, em 2008, que havia
sido desativada em 1950, com a mesma alegação que foi feita para os africanos, de
proteção da navegação e de luta contra o terrorismo

n) OMC - Organização Mundial do Comércio


113
(1) Em 2013 o Brasil obteve a Presidência da OMC, participando ativamente da política
internacional no tocante a regulamentação dos mercados
(2) O Brasil se envolveu em disputas na OMC envolvendo subsídios agrícolas e patentes de
remédios.
(3) Em 2001 - Rodada de Doha - negociações na OMC que visavam diminuir as barreiras
comerciais em todo o mundo, com foco no livre comércio para países em
desenvolvimento.
● Os subsídios agrícolas são o principal tema de controvérsia nas negociações -
Colidem com os interesses dos EUA (Etanol)
(4) O Brasil é membro da Organização Mundial do Comércio (OMC), que teve no diplomata
brasileiro Roberto Azevêdo seu chefe até o mês de agosto deste ano (2020). A
participação brasileira buscou insistentemente desbloquear a chamada Rodada de Doha.
Com isso, pretendeu a diminuição do protecionismo comercial e das barreiras
alfandegárias, bem como resolver questões referentes a patentes comerciais. (AS2 -
2020)
o) ASPA (Cúpula América do Sul-Países Árabes)
- É um mecanismo fundado na cooperação entre nações em desenvolvimento e na coordenação
política em foros multilaterais, cujo objetivo é aproximar os líderes e as sociedades dos países
das duas regiões. (AS2 - 2020)
p) ALADI - Associação Latino Americana de Desenvolvimento e Integração
- O Brasil reforça seu protagonismo regional com a participação na Associação Latino Americana
de Desenvolvimento e Integração (ALADI), que é o maior mecanismo latino-americano de
integração, composto por 12 países membros: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba,
Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. No âmbito do bloco, pratica-se uma
preferência tarifária, que é aplicada a produtos originários dos países membros frente às tarifas
em vigor nas nações exógenas. O potencial de enlaces comerciais do bloco se desdobram além
da América Latina, ampliando o rol de parceiros comerciais brasileiros. (AS2 - 2020)

Conclui-se primariamente que o atual estágio das relações políticas do Brasil, frente aos principais OI é de
avanço e concentra-se na busca de maior participação nas instâncias decisórias globais, visando ao aumento de
sua liderança no cenário internacional. (AS2 - 2020)

Pode-se concluir em caráter preliminar que o atual estágio das relações econômicas indica uma evolução da
proeminência do Brasil frente aos principais OI. Além disso, concentra-se na prática do multilateralismo e da
cooperação, visando estender o alcance da influência econômica brasileira em todo o globo. (AS2 - 2020)

4) Relações Bilaterais:
a) Comércio exterior brasileiro
(1) Exportação
(a) Principais produtos exportados e destino:
(a) Soja (China)
(b) Petróleo Bruto (China, EUA)
(c) Minério (China)
(d) Celulose (China)
(e) Milho (Japão, Irã, Vietnã)
(f) Carne Bovina (Variados, mas principalmente China, UE)
(g) Carne de Frango (China, Japão, Arábia Saudita)
(h) Café (EUA, Alemanha, Japão e Turquia)
(i) Produtos Manufaturados (Argentina, EUA).

114
(b) Em 2019 o Brasil exportou US$ 225 Bilhões e importou US$ 177 Bilhões
gerando assim um Superávit de US$ 48 Bilhões na Balança Comercial;
(c) Principais Compradores de Produtos Brasileiros e valor exportado (em Bilhões
USD): China (69 Bilhões), EUA (30 bilhões), Países Baixos (10 Bilhões), Argentina (10
Bilhões), Japão, Chile, México, Alemanha, Espanha e Coreia do Sul (Cerca de 5
Bilhões/cada)

(2) Importação
(a) Principais produtos importados:
(a) Óleos Combustíveis
(b) Adubos e Fertilizantes Químicos (Rússia);
(c) Produtos da Indústria de transformação;
(d) Equipamentos de telecomunicações (UE);
(e) Válvulas, Diodos e transistores;
(f) Compostos Organo-inorgânicos;
(g) Obras de Ferro ou Aço;
(h) Peças e acessórios de automóveis (Argentina);
(i) Óleos Brutos de Petróleo;
(j) Plataformas, embarcações e estruturas flutuantes;
(b) Origem das importações e valor importado (em Bilhões USD): China (35
Bilhões); EUA (30 Bilhões); Argentina (10 Bilhões); Alemanha (10 Bilhões); Coreia do
Sul (5 Bilhões); Índia, México, Japão, Itália e Rússia (4 Bilhões cada)

b) Brasil - APEC
2ª AT PEP 2021 Quanto as oportunidades para o Brasil, em relação a APEC, podemos concluir
que o interesse do fórum em sustentabilidade e energias renováveis representa um grande
potencial de proximidade com o Brasil, tendo em vista o conhecimento e capacidade brasileira
no setor. Ademais, a presença de países que se relacionam com o Brasil, no âmbito do
MERCOSUL e do BRICs, pode facilitar e potencializar estas oportunidades.
c) Brasil - EUA
(1) Colaboração intensa no desenvolvimento do Veículo de Lançamento de Satélites
(2) KC-390 - Parceria entre EMBRAER e Rockwell Collins - aumento da participação da
empresa americana no programa da FAB em 30% em relação ao contrato anterior
(3) Acordo de Salvaguardas tecnológicas para uso da Base de Lançamento de foguetes de
Alcântara

d) Brasil - Ásia
(1) Brasil - China:
(a) Vende: Soja, Minério, Óleo Bruto
(b) Compra: plataformas de perfuração, dragas, circuitos eletrônicos; motores e
geradores e transformadores elétricos; semicondutores
(2) Brasil - Índia
- Visita Bolsonaro 2020 (assinatura 19 acordos - agricultura, armamentos (Taurus),
medicamentos, automóveis)
- Lançamento Satélite brasileiro Amazônia I - 2021
(3) Brasil - Rússia
● Joint Venture, na cidade de Maringá-PR para a manutenção de helicópteros
comprados pelo Brasil. MI 24
● Acordo para a utilização do Centro de Lançamento de Alcântara-MA e investimentos
russos para melhorias (AT3 2016)
115
(8) Brasil - Israel
- Dessalinização de águas no Nordeste
- Resgate de pessoas em Brumadinho
- Tratamento COVID (spray nasal)
- Criação do escritório comercial em Jerusalém

e) Brasil-África

OBS: PETROBRÁS FORA DA ÁFRICA


(1) Brasil - Angola (3ª maior economia subsaariana)
(2) Brasil - Nigéria
(3) Brasil - Moçambique
(4) Brasil - África do Sul
(5) Brasil - Congo
(6) Brasil - Gana
(7) Outras relações entre Brasil e África
(8) Importância da geopolítica econômica na relação entre o Brasil e África
116
f) Brasil - América Latina
(1) O Livro Branco de Defesa Nacional define que o Brasil deve fortalecer a sua liderança
regional, projetando sua influência no cenário internacional e ampliando o mercado para
produtos brasileiros.
(2) Integração Energética e Viária com países da América do Sul por meio da Iniciativa
para a Integração da Infraestrutura (IIRSA), visa fortalecer a presença econômica
brasileira no entorno estratégico, atraindo países do Pacto Andino para a esfera de
influência do Brasil (Projetos Corredor Bioceânico e Anel Energético).
(3) Rodovia Interoceânica Central
(4) Parágrafo único Artigo 4ª CF/88: o Brasil deve fazer uma integração econômica,
cultural, política entre países da América Latina.

g) Brasil - UE
(1) Programa Horizon 2020 (Ciência e Tecnologia) lançado em 2015, durante o 7º Encontro
do Comitê Diretivo Conjunto entre Brasil e União Europeia. Destina-se ao
financiamento de pesquisa e inovação com o aporte de 80 bilhões de euros (2014-2020)
- Alavancou as relações do Brasil com a UE na área científica.
(2) 2ª AT PEP 2021
Em relação à UE, é válido ressaltar o acordo de livre comércio firmado com
MERCOSUL em 2019. O acordo ainda está em fase de análise e precisa ser ratificado pelas
partes, mas, sem dúvida é uma grande oportunidade para o Brasil ampliar seus mercados e
aumentar a produtividade das empresas tendo em vista a grande exigência do mercado europeu.
(3) O Brasil é o oitavo maior sócio comercial da UE, que absorve cerca de 20% das
exportações brasileiras e responde por 21% das importações, favorecendo o princípio
multilateralista adotado pelo Estado brasileiro ao longo dos últimos anos. Com esse OI,
relaciona-se comercialmente de forma direta ou sob a égide dos blocos regionais dos
quais é signatário. (AS2 - 2020)

h) Brasil - Oriente Médio


(1) Questão do Programa Nuclear do Irã. Brasil e Turquia tentaram acordo em relação ao
enriquecimento de urânio pelo Irã. O Irã iria enriquecer levemente e mandar para a
Turquia, que enriqueceria a 20% e mandaria para o Irã. A iniciativa brasileira foi contra
os interesses dos EUA. 2010 - Declaração de Teerã ( Brasil, Turquia e Rússia) - (Petit
Journal)
G
Obj. Compreender as relações entre a política externa atual e a Política Nacional de Defesa.

PND e END https://www.gov.br/defesa/pt-br/assuntos/copy_of_estado-e-defesa/pnd_end_congresso_.pdf


Resumo da PND: https://www.gov.br/defesa/pt-br/arquivos/2012/mes07/pnd.pdf

- Política Nacional de Defesa é o principal documento de planejamento da defesa do país. Ele


estabelece objetivos e diretrizes para o preparo e emprego da capacitação nacional, com o envolvimento
dos setores militar e civil, em todas as esferas de poder. Voltada essencialmente para ameaças externas,
estabelece objetivos e orientações para o preparo e o emprego dos setores militar e civil em todas as
esferas do Poder Nacional, em prol da Defesa Nacional.
- A Estratégia Nacional de Defesa, por sua vez, pretende definir como fazer o que se determinou na
PND.

117
- O Livro Branco de Defesa Nacional apresenta uma visão geral da defesa e das Forças Armadas, tendo
como principal propósito permitir transparência, promovendo assim a confiança mútua entre os países.

A Política Nacional de Defesa alinha-se à política externa brasileira, que prega, em uma visão ampla e
atual, a solução pacífica das controvérsias, o fortalecimento da paz e da segurança internacionais, o reforço do
multilateralismo e a integração sul-americana.
A América do Sul é o ambiente regional no qual o Brasil se insere. Buscando aprofundar seus laços de
cooperação, o País visualiza um entorno estratégico que extrapola a região sul americana e inclui o Atlântico
Sul e os países lindeiros da África, assim como a Antártica e Caribe. Ao norte, a proximidade do mar do
Caribe impõe que se dê crescente atenção a essa região.
Entre os fatores que contribuem para reduzir a possibilidade de conflitos no entorno estratégico
destacam-se:
- o fortalecimento do processo de integração, a partir do Mercosul;
- o estreito relacionamento entre os países amazônicos, no âmbito da Organização do Tratado de
Cooperação Amazônica;
- a intensificação da cooperação e do comércio com países da África, da América Central e do Caribe,
inclusive a Comunidade dos Estados Latino Americanos e Caribenhos (Celac), facilitada pelos laços
étnicos e culturais;
- o desenvolvimento de organismos regionais, como o MERCOSUL;
- a integração das bases industriais de defesa Ex: Projeto de 5ª geração Míssil Ar-Ar com a África do Sul
- A-Darter ;
- a consolidação da Zona de Paz e de Cooperação do Atlântico Sul (ZOPACAS) e o diálogo continuado
nas mesas de interação inter regionais, como a cúpula América do Sul-África (ASA) e o Fórum de
Diálogo Índia-Brasil-África do Sul (Ibas).
- A ampliação, a modernização e a interligação da infraestrutura da América do Sul, com a devida
atenção ao meio ambiente e às comunidades locais, podem concretizar a ligação entre seus centros
produtivos e os dois oceanos, facilitando o desenvolvimento e a integração (IIRSA - corredor
bioceânico e estrada do pacífico)

O Brasil defende uma ordem internacional baseada na democracia, no multilateralismo, na cooperação,


na banimento das armas químicas, biológicas e nucleares, na busca da paz entre as nações e na condenação,
prevenção e combate ao terrorismo.

OBJETIVOS NACIONAIS DE DEFESA


I – garantir a soberania, o patrimônio nacional e a integridade territorial;
II – defender os interesses nacionais e as pessoas, os bens e os recursos brasileiros no exterior;
III – contribuir para a preservação da coesão e da unidade nacionais;
IV – contribuir para a estabilidade regional;
V – contribuir para a manutenção da paz e da segurança internacionais;
VI – intensificar a projeção do Brasil no concerto das nações e sua maior inserção em processos
decisórios internacionais;
VII – manter Forças Armadas modernas, integradas, adestradas e balanceadas, e com crescente
profissionalização, operando de forma conjunta e adequadamente desdobradas no território nacional;
VIII – conscientizar a sociedade brasileira da importância dos assuntos de defesa do País;
IX – desenvolver a indústria nacional de defesa, orientada para a obtenção da autonomia em tecnologias
indispensáveis;
X – estruturar as Forças Armadas em torno de capacidades, dotando-as de pessoal e material
compatíveis com os planejamentos estratégicos e operacionais;
XI – desenvolver o potencial de logística de defesa e de mobilização nacional.

118
Os setores estratégicos para a Defesa do País; devem, portanto, ser fortalecidos.
- espacial: Aeronáutica - Programa Estratégico Sistema Espacial
- cibernético: Exército - Comando de Defesa Cibernética
- nuclear - Marinha - ProSub
As políticas externa e de defesa são complementares e indissociáveis. A manutenção da estabilidade
regional e a construção de um ambiente internacional mais cooperativo, de grande interesse para o Brasil, serão
favorecidos pela ação conjunta dos Ministérios da Defesa (MD) e das Relações Exteriores (MRE).

EMPRESA PRODUTO INTERCÂMBIO COM PAÍSES


BRASILEIRA

Avibrás Astros Arábia Saudita, Bahrein, Catar , Líbia, Iraque, Emirados


Árabes ,Malásia, Indonésia

Embraer KC 390 Portugal, Hungria

IVECO Guarani Líbano

AGRALE Marruá Argentina - Emirados Árabes Unidos

MarcoPolo África do Sul, China

HELIBRAS EC-725

INACE Lancha Patrulha Namíbia

Míssil A-darter África do Sul

SAAB Caça Grippen Joint Venture com Suécia

Embraer Tucano e Super Colômbia, Chile, Equador, Guatemala, Senegal,


Tucano Angola, Afeganistão, Filipinas, Indonésia

TAURUS Fábrica nos EUA


Joint-Venture com Índia

Submarinos classe Joint-Venture com França


Scorpene

POLÍTICA EXTERNA ATUAL E POLÍTICA NACIONAL DE DEFESA:


1) Amazônia como vulnerabilidade estratégica (PND 2015)
2) Política Externa bem sucedida sem gerar tensões com outros países - soberania no Mar Territorial e
ZEE
a) Diplomacia na ONU
3) Pesquisas na Antártica:
a) Tratado Antártico (1975)
b) Programa Antártico Brasileiro (1982) - Proantar
c) Estação Científica Comandante Ferraz (1984) - Marinha do Brasil
4) Importância Geopolítica do Atlântico Sul
a) Bordas continentais com jazidas de petróleo e gás mais promissoras do mundo
b) 20% da produção mundial
c) Nigéria e Angola exportam petróleo para os EUA e China
d) Presença da Inglaterra no Atlântico Sul: Malvinas, Ilhas Ascensão e Santa Helena
119
e) Reativação da IV Frota dos EUA (2008) - América do Sul e Central

5) Alargamento da presença brasileira no Atlântico Sul sem fricção com países vizinhos
a) ZOPACAS - Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul (desnuclearizada)
i) América do Sul e África
b) Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)
c) Acordo Militar com a Namíbia
6) Estratégia Nacional de Defesa (2008)
a) Prioridades: Amazônia, Fronteira Terrestre e Atlântico Sul
b) Amazônia: Operação Verde-Brasil (2020)
c) Fronteira Terrestre: Operação Ágata - SISFRON
d) Atlântico Sul:
i) defesa das plataformas petrolíferas
ii) defesa dos portos, arquipélagos e ilhas oceânicas
iii) prontidão para responder ameaças marítimas
iv) carência de meios da Marinha - Término da UNIFIL
7) Cooperação Militar com a África:
a) Acordo Militar de cooperação com 12 Estados africanos (África do Sul)
b) Escolas brasileiras formam militares africanos (Angola - AMAN)
c) Venda de aeronaves Super Tucano (Nigéria, Mali, Angola)
d) Projeto de 5ª geração Míssil Ar-Ar com a África do Sul - A-Darter
e) Cooperação Naval (Namíbia e Camarões)
f) Participação do Exercício Militar em países do Golfo da Guiné
g) Op FelinoCPLP
8) Cooperação com países do BRICS
a) Programa Míssil Ar-Ar com a África do Sul;
b) Cooperação na área espacial com a Rússia (Glonass);
c) Míssel Igla (com a Rússia)
d) Programa CBERS com a China - satélite de observação;
e) Projeto do avião 145 da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) com radar indiano
(embrião para futura cooperação com a Índia na área de defesa)
f) Lançamento satélite Amazônia-1 (com a Índia)

120
3. ASSUNTO 42. O BRASIL E A AGENDA INTERNACIONAL
Objetivos:
- Analisar os posicionamentos de governos brasileiros diante dos principais temas da agenda internacional

a. Temas da Agenda Internacional


1) Defesa do multilateralismo:
a) Participação do Brasil em Organizações Internacionais (ONU, OEA);
b) Participação em Blocos, Fóruns e Cúpulas (Mercosul, Prosul, IBAS, BRICS, FOCALAL, ASPA,
ASA, CPLP, ZOPACAS, Grupo de Lima, G-20 (econômico), G-20 (agrícola)
c) Signatário em tratados e acordos de interesse internacional: TNP, Acordo de Paris (COP-21),
Convenções de Genebra.

2) A defesa da democracia e dos direitos humanos;


a) Protocolo de Ushuaia: Cláusula Democrática do MERCOSUL (Suspensão do Paraguai 2012 e da
Venezuela em 2016)
b) Grupo de Lima (2017-19)-grupo de discussão a respeito da crise política e econômica da Venezuela
(1) "presos políticos"
(2) "falta de eleições livres"
(3) "ruptura da ordem democrática na Venezuela".
(4) "preocupação com a crise humanitária" venezuelana
c) 2020 - 22: Brasil integra o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas - eleito para compor
entre os 14 membros
d) Integra a OEA - 2013 aprovou a Convenção Interamericana contra Toda Forma de Discriminação e
Intolerância
e) PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) - Combate à Pobreza - ODS 01 -
Agenda 2030
f) Crise Migratória da Venezuela - Missão Acolhida (2018 - Até hoje)
g) Brasil foi fiscalizado nas eleições pela OEA em 2018 - Garantia da democracia - Logo em seguida
recebeu elogios e a missão de acompanhar na fiscalização de outros países
h) Ações de Garantia da Votação e Apuração (GVA) Nesta década, o Exército Brasileiro, seguindo o
previsto na legislação, desencadeou, em quase todo o território nacional, missões de apoio logístico e
atividades para garantia da normalidade e das condições necessárias para que a população tivesse
acesso aos locais de votação, bem como a devida tranquilidade para a realização da apuração dos
vários pleitos eleitorais (AD 2020)

3) A promoção da paz
a) Os três pilares das operações de manutenção da paz:
(1) o uso da força apenas em autodefesa ou na defesa do mandato concedido pelo CS/ONU;
(2) a imparcialidade; e
(3) o consentimento dos Estados em que as operações ocorrem.
b) Operação Ágata, executada desde 2011 (Crimes Transfronteiriços)
c) SISFRON (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras)
d) ZOPACAS (Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul)
e) Bolsonaro endossou o Plano de Paz “Paz para a prosperidade” proposto por Donald Trump (Israel-
Palestina)
f) Apoio ao Programa de Atletas de Alto Rendimento (PAAR) do Ministério da Defesa O objetivo do
PAAR é fortalecer a equipe da Força Terrestre e a Seleção Militar brasileira em eventos esportivos de
alto nível. Entre os dias 26 de julho e 11 de agosto de 2019, foram disputados os Jogos Pan-
121
Americanos na cidade de Lima, no Peru. A delegação brasileira reuniu 486 atletas em 49 modalidades
e conquistou o 2º lugar no quadro geral de medalhas. Cabe destacar, nesse cenário, a participação dos
48 militares do Exército Brasileiro, sendo 43 do Programa de Atletas de Alto Rendimento e 5 militares
de carreira. Cabe destaque à participação dos atletas deste programa nos JOP de 2016. (AD 2020)
g) Apoio à Intervenção Federal na Área de Segurança do estado do Rio de Janeiro Durante a
intervenção federal, em 2018, cerca de 14 mil militares do Exército realizaram ações integradas com as
forças de segurança do estado do Rio de Janeiro. Foram mais de dez meses de reforço à proteção da
população carioca e em apoio ao combate ao crime. (AD 2020)

4) As missões de paz e assistência humanitária


a) Op Acolhida - "preocupação com a crise humanitária" venezuelana - Acolhimento de refugiados
venezuelanos – Operação Acolhida A Operação Acolhida teve início em março de 2018 e conseguiu
dar uma resposta rápida ao grande fluxo migratório dirigido ao Brasil. Envolve as Forças Armadas,
lideradas pelo EB, em ações logísticas e humanitárias. Tem como objetivo a manutenção do equilíbrio
regional, executando um trabalho de logística humanitária e monitorando o reflexo da imigração na
fronteira brasileira. (AD 2020)
b) Missões da ONU:
(1) Saara Ocidental - MINURSO - Autodeterminação do Povo
(2) Chipre - Monitoramento do conflito entre turcos e gregos na ilha
(3) Rep Centro Africana - Proteção de Civis no país
(4) Congo - Treinamento de tropas (CIGS)
(5) Sudão - Manutenção da Paz
(6) Sudão do Sul - Prevenção contra Guerra Civil
(7) Líbano - Marinha do Brasil - Guerra Civil agravada em 2006 - 2011 a 2021
c) MINUSTAH - Haiti (2004 - 2017)
d) Cmt brasileiro - MONUSCO
e) Apoio à Defesa Civil na situação emergencial em Mariana O EB enviou pessoal, viaturas e
aeronaves em apoio à Defesa Civil, na busca e resgate de desaparecidos, além de elementos de
Engenharia para reconhecimento das áreas atingidas.(AD 2020)
f) Apoio à Defesa Civil na situação emergencial em Brumadinho O EB participou dos trabalhos de
apoio às ações de resgate em Brumadinho, em estreita coordenação com os órgãos estaduais de Minas
Gerais e de outros Estados da Federação. Realizou, além dos voos regulares dos helicópteros militares
no transporte das diferentes equipes de busca, o reforço dos efetivos dedicados ao funcionamento da
estrutura de identificação dos corpos, garantindo a integridade e a segurança dos locais de perícia.
Contribuiu, ainda, com o apoio logístico para assegurar a operacionalidade de militares israelenses, o
que incluiu a segurança das bases avançadas que abrigaram os equipamentos de varredura e detecção.
Militares do Exército, encarregados da fiscalização de produtos controlados, foram deslocados para a
área de operações, a fim de acompanhar a remoção segura de artefatos explosivos encontrados.(AD
2020)
g) Lançamento de pontes em apoio à Defesa Civil Outro convênio firmado entre o DNIT e o Exército
Brasileiro foi a montagem de pontes provisórias emergenciais. O objetivo é garantir o tráfego
emergencial nas rodovias federais e o aceso às áreas isoladas por meio das pontes tipo LSB – “Logistic
Support Bridge”. Desde dezembro de 2015, já houve cerca de 11 mobilizações das instituições.(AD
2020)

5) O combate à fome e à pobreza


a) Intercâmbio com países africanos para a "exportação" de seus programas sociais: MCMV e Bolsa
Família;
b) Brasil celeiro do mundo (2º maior fornecedor de alimentos e produtos agrícolas mundial)
122
c) O Brasil integra a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), cooperando
em assistência técnica.
d) Intercâmbio para replicação do Fome Zero e Bolsa Família em Honduras, Paraguai, África do Sul,
Moçambique e Cabo Verde.
e) Fundo IBAS para o Alívio da Fome e da Pobreza – Financia projetos de Cooperação Sul-Sul para o
benefício de populações de países em desenvolvimento (Ex: Burundi, Cabo Verde, Guiné Bissau,
Serra Leoa)
f) PNUD (Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento) - Desenvolvimento sustentável das
economias e combater a pobreza.
g) Programa Fome Zero: projetou o Brasil internacionalmente para o combate à fome (resolução de
problemas internos).

6) Soberania da Amazônia
a) Vivificação das Fronteiras (PEF); Sivam/Sipam; Zona Franca de Manaus; Op Ágata; Op Verde Brasil;
OTCA; Calha Norte
b) área geopoliticamente estratégica
(1) dimensões continentais
(2) vastas riquezas naturais
(3) fonte de biodiversidade
c) Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA): 8 países amazônicos - Brasil, Bolívia,
Equador, Colômbia, Guiana, Peru, Venezuela e Suriname + Guiana Francesa - 1995 - implementar
ações conjuntas para o desenvolvimento harmônico da Bacia Amazônica, preservando o meio
ambiente e usando racionalmente os recursos naturais.
d) Incondicional soberania sobre a Amazônia Brasileira.
e) Busca o desenvolvimento sustentável da Amazônia = integração econômica com preservação do meio
ambiente
f) Monitoramento da Amazônia Legal (2020) - duas antenas – a antena principal na área do 6º Grupo de
Mísseis e Foguetes (6º GMF), no Campo de Instrução de Formosa (CIF), em Goiás e a secundária em
área da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em Manaus (AM)
g) Na esfera ambiental, a posição internacional do Brasil nos fóruns multilaterais foi reforçada. Durante
os focos de incêndio na Amazônia, o Governo Federal criou a primeira Operação de Garantia da Lei e
da Ordem de caráter ambiental na história do País, para debelar incêndios e desconstruir campanha
internacional voltada a atingir a soberania brasileira na Amazônia e outros interesses nacionais, como a
competitividade do agronegócio. Op Verde Brasil
h) O Fundo Amazônia busca captar doações para investimentos em ações de prevenção, monitoramento e
combate ao desmatamento, e de promoção da conservação e do uso sustentável das florestas no Bioma
Amazônia (2008) - Noruega, Alemanha e Petrobrás
i) Conselho da Amazônia: coordenar as ações voltadas para a proteção, defesa e desenvolvimento
sustentável da Amazônia (Presidido pelo VPR)
j) Extensão da Plataforma Continental (Amazônia Azul)
k) Retomada do Parlamento Amazônico (Parlamaz) em 2020
l) Combate às queimadas na região Amazônica O EB está participando da Operação Verde Brasil,
desde agosto de 2019. Tratase de uma ação governamental voltada ao combate aos incêndios e crimes
ambientais na Amazônia. O Governo Federal decretou a Garantia da Lei e da Ordem (GLO)
“Ambiental”, a fim de ampliar as equipes atuantes no combate ao fogo e na investigação de ilícitos em
que estão atuando nas regiões afetadas da Amazônia. (AD 2020)
m)

7) A questão energética e o biocombustível


123
a) Assinatura do Protocolo de Kyoto em 1997 - redução das emissões de gases de efeito estufa
b) Conferência Mundial sobre o Clima 2015 (COP-21), na França, foi assinado acordo de combate ao
aquecimento global.
(1) Brasil foi cumprimentado por ter apresentado Código Florestal
c) O Brasil concordou com as metas: 1,5º C de aquecimento do planeta até 2100. Diminuição de gases do
efeito estufa em 37% até 2025 e 47% até 2030 (ano base 2005). Alcance de 45% de energia renovável
na matriz
d) Brasil se destaca pela participação de fontes renováveis em sua matriz energética
(1) Mundo: 14,3 % (fonte renovável) MENOS DE 15
(2) Brasil: 43,5% MAIS DE 40
e) O Pré-Sal e a liderança brasileira em energias renováveis – como bioenergia e hidroeletricidade –
são credenciais que reforçam o papel do Brasil nessa área.
f) A política externa brasileira na área de energias renováveis está orientada pelos objetivos
principais a seguir:
(1) promover parcerias e cooperação, especialmente Sul-Sul, a fim de buscar soluções criativas que
atendam às necessidades locais e específicas dos países para ampliar o acesso a energia em prol
do desenvolvimento socioeconômico;
(2) promover o uso de fontes energéticas de tecnologia consolidada e acessíveis, entre as quais a
bioenergia e a hidroeletricidade
(a) Financiamento da Hidrelétrica Lauca na Angola- via BNDES
(b) Ampliar a participação dos biocombustíveis na matriz energética mundial: Implantação de
usinas de etanol em Sudão, Zimbábue, Angola, Gana e no Senegal;
g) Agência Brasileira de Cooperação = Exporta tecnologia de Etanol
h) Brasil é o 2º maior produtor de biocombustível do mundo.
i) Brasil e EUA maiores exportadores etanol mundo.

8) O Comércio Internacional
a) Representatividade junto a OMC; Estabelecimento de acordos comerciais (EUA (2019); Índia (2019);
b) Participação em Blocos e Fóruns econômicos (Mercosul, BRICS, G-20, IBAS)
c) Adesão à OMC em 1995 (fundação)
d) Pleito de entrada do BR na OCDE
e) MERCOSUL
f) Utilização da OMC para arbitrar conflitos: Atualmente o Brasil já participou de 23 casos como
reclamante, 14 como reclamado e ainda 49 como terceira parte.
g) As sucessivas vitórias do Brasil em face aos países desenvolvidos, principalmente contra Estados
Unidos e UE, foram lhe garantindo cada vez mais credibilidade e conferindo um peso cada vez
maior às suas opiniões.
h) Os casos mais importantes são o caso do Brasil vs. Canadá (Embraer X Bombardier), o Brasil
vs. Estados Unidos (algodão), e o Brasil vs. União Europeia (açúcar). Queixa brasileira é
principalmente sobre concessão de subsídios.
i) Brasileiro Roberto Azevêdo foi o Presidente da OMC até 2020
j) Atenção à Reforma da OMC = de Multilateralismo para Plurilateralismo.
k) Rota bioceânica (Mato Grosso do Sul - Chile - Paraguai - Argentina - Ásia)

9) O Combate à propriedade intelectual em casos de grande interesse: Quebra de patentes


(medicamentos contra a AIDS);
a) A Divisão de Propriedade Intelectual do MRE, em coordenação com outros órgãos com
competência sobre a matéria, é responsável pelas posições do Governo brasileiro em relação
aos debates e negociações internacionais sobre propriedade intelectual, em organismos como a
Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI)
124
b) A necessidade de utilização consciente das flexibilidades de patentes com o objetivo de garantir o
acesso a medicamentos Programa de genéricos governo FHC 1999. Ex. Embate EUA x Brasil
medicamento HIV.

10) Os incentivos à cooperação técnica


a) Agência Brasileira de Cooperação (ABC)
(1) Vinculada ao MRE, 1987 (Sarney) para coordenar, executar e avaliar os programas e ações da
cooperação técnica e humanitária internacionais do Brasil, em parceria com governos estrangeiros
ou com organismos internacionais.
(2) Cooperação Técnica entre países em desenvolvimento (CGPD) - África-América do Sul e
Caribe-Ásia e Leste Europeu.
(3) Cooperação Técnica Multilateral (CGCM) - UNICEF, União Européia, ONU-Mulher
(4) Cooperação Técnica Bilateral (CGCB) - Alemanha, França, EUA, Canadá, Reino Unido,
Argentina...)
b) EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Tem uma Agência em Gana.
c) SENAI (Alemanha, França, Finlândia, Paraguai, Rússia e Emirados Árabes etc)
d) Cotton 4 (Benin, Burkina Faso, Mali e Chade) + Togo - algodão na África.

11) A não proliferação de armamentos nucleares


a) Desde a Dec 1990, o Brasil tem participado, com pessoal, das campanhas de desminagem do Programa
de Ação Integral contra Minas Antipessoal nas Américas e na África MARMINCA (AC encerrada) e
MARMINAS (PER/EQU encerrada) GMI (Colômbia)
b) O TNP foi criado em 1 de julho de 1968 e entrou em vigor internacionalmente em 5 de março de 1970.
O Brasil aderiu ao Tratado em 1998.
c) A Constituição Federal veda a utilização da energia nuclear para fins não pacíficos: Art. 21, XXIII, a)
“toda atividade nuclear em território nacional somente será admitida para fins pacíficos e mediante
aprovação do Congresso Nacional”
d) ZOPACAS (1986): objetivo de evitar a introdução de armamentos nucleares e outros de destruição em
massa na região.

12) O Terrorismo
a) Condena o terrorismo em todas as suas formas e manifestações
b) Defende que a comunidade internacional deve estabelecer uma coalizão internacional genuinamente
ampla de contraterrorismo, de acordo com os princípios do direito internacional, e a apoiar o papel
central de coordenação das Nações Unidas na cooperação internacional contra o terrorismo.
c) Defende sanções específicas relacionadas ao terrorismo (tem debatido na ONU).
d) Condenação dos ataques terroristas do 11-Set-01; Charlie Hebdo; Ataques de Paris 2017, Madrid
2004; Londres 2005
e) Ações nas Olimpíadas e Copa do Mundo de Proteção Preventiva contra o Terrorismo
f) Criação da Brigada de Operações Especiais em 2004
g) Tipificação do Terrorismo no Brasil: Lei Antiterrorismo é a denominação dada à lei nacional
brasileira nº 13.260/2016 . Uma lei ordinária de autoria do poder executivo que trata da tipificação,
julgamento e punição para crimes de natureza terrorista no território nacional do Brasil.
h) Extradição de Cesare Batisti - terrorista italiano (ordem para extradição em 2018)
i) Apoio à realização dos Grandes Eventos Internacionais De julho de 2011 até setembro de 2016, o
Brasil sediou sete grandes eventos, a saber: Jogos Mundiais Militares (de 16 a 24 de julho de 2011),
Conferência Rio +20 (de 13 a 22 de junho de 2012), Copa das Confederações (de 15 a 30 de junho de
2013), Jornada Mundial da Juventude (de 23 a 28 de julho de 2013), Copa do Mundo (de 12 de junho a
13 de julho de 2014), Jogos Olímpicos (de 3 a 21 de agosto de 2016) e Jogos Paralímpicos (de 7 a 18
de setembro de 2016). Em todos, o Exército teve uma importante participação em áreas que foram
125
muito além das ações de segurança, tais como: construção e adaptação de instalações, manobras
patrimoniais, preparação do Serviço de Saúde para atuação em emergências, aquisição de material para
os Jogos Olímpicos e Paralímpicos (JOP), e ações na área do meio ambiente.

13) Combate aos diferentes Tráficos e outros ilícitos internacionais


a) Art 5º inc. XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da
tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes
hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se
omitirem;
b) Reconhecimentos de Fronteiras dos PEF
c) Apoio mútuo nas fronteiras (Guiana Francesa e Colômbia)
d) Monitoramento do Sistema Carcerário
e) Pacote anticrime (2020)
f) Ações do Governo Federal para coibir: Op Ágata (MD) e Op Sentinela (MJ)
g) SISFRON
h) SIVAM/SIPAM
i) Operações Fronteira Sul

14) Recursos Marinhos


a) Posicionamento: Exercer o direito de jurisdição sobre os recursos econômicos em uma área de cerca
de 4,5 milhões de Km2 (Amazônia Azul)
(1) Camada do pré-sal - imprescindível para o desenvolvimento do país
(2) existência de potencial pesqueiro, mineral e outros recursos naturais
(3) cerca de 95% do comércio exterior é feito pelo mar
b) Participação internacional:
(1) ZOPACAS (1986)
(2) Convenção das Nações Unidas de Direitos do Mar - CNUDM (Brasil ratificou em 1988)
(3) Pleito em 2004 e 2015 -
(a) (Leplac) 1989 - Plano de Levantamento da Plataforma Continental Brasileira
c) Apoio à Operação Amazônia Azul Atividade cujo objetivo é a remoção de óleo da faixa litorânea dos
estados brasileiros atingidos, atuando no recolhimento desse resíduo e no apoio à população local. A
finalidade dessa operação é mitigar o impacto ambiental nas praias afetadas pelo derramamento de
óleo ocorrido em 2019. (AD 2020)

15) O Meio Ambiente


a) Brasil: maior faixa contínua de floresta tropical do planeta e campeão de megadiversidade
b) Legislação ambiental brasileira é considerada uma das mais completas e bem elaboradas do mundo
c) A Convenção da Diversidade Biológica (CDB) (ECO 92) está assentada sobre três pilares: a
conservação da biodiversidade; seu uso sustentável; e a distribuição justa e eqüitativa dos benefícios.
d) Considera seriamente as dimensões ambientais da Agenda 2030 (ONU), fortalecendo a posição
brasileira de que o meio ambiente e o desenvolvimento econômico devem caminhar juntos,
fomentando o crescimento sustentável.
e) Em temas multilaterais relacionados ao meio ambiente e ao desenvolvimento sustentável, o Brasil é
comprometido em conciliar produção e preservação ambiental.
f) No campo da redução das emissões de carbono (Contribuição Nacionalmente Determinada do Brasil -
Acordo de Paris) manterá a trajetória de cumprimento dessas metas voluntariamente acordadas
g) Água consiste no 6º ODS da Agenda 2030
h) Brasil 12% da água doce mundial (Bacia Amazônica, Aquífero Alter do Chão e Aquífero Guarani)
i) O comércio das Águas Virtuais entre Brasil e China (Motiva a Compra de soja e carne do Brasil)
j) Operação Verde Brasil
126
Tratado (data) Objeto Importância Brasil

Conferência Conscientização Primeira a se preocupar com os Liderou os países em


de Estocolmo Mundial sobre os danos ao Meio Ambiente desenv
(1972) impactos ambientais Desenv x Em desenv “Desenvolver primeiro e
pagar os custos da
poluição mais tarde”
Protocolo de Diminuição de CFC Resultados mais expressivos Modelo latino para
Montreal (clorofuorcarboneto) que Kyoto implantação do
(1987) (Camada de Ozônio) protocolo (ONU disse)
ECO 92 -|Desenv Sustent grande % de ratificação, Sede
-Equilíbrio Ecológico diferente de Kyoto
-Ecoturismo
-Transporte
alternativo
-Chuva Ácida
- Ar e água
Kyoto (1997) Redução Gases Diferente metas Desenv e Ratificou 2002 (sem
Estufa (CO²) emergentes metas)
Ratificou em 2017 com
metas
Estocolmo POP - poluentes Ratificação por produto Brasil Ratificou vários
(2001) orgânicos persistentes POP
RIO + 20 Renovação do Compromisso Sede
ECO 92
Protocolo de Acordo suplementar (Brasil não ratificou -
Nagoya (2010) a CDB (Eco 92) - Soja e cana)
combate a
biopirataria por meio
do pgto de royalties
Paris (2015) Restringir Aq Global em 2º C Compromisso com
efeito estufa (-37% até
2025) fontes renováveis
e desmatamento
k) Ações do EB:
Apoio à Operação Amazônia Azul Atividade cujo objetivo é a remoção de óleo da faixa
litorânea dos estados brasileiros atingidos, atuando no recolhimento desse resíduo e no apoio à
população local. A finalidade dessa operação é mitigar o impacto ambiental nas praias afetadas pelo
derramamento de óleo ocorrido em 2019. (AD 2020)

16) Antártica
a) Posicionamento: (PND) defender a liberdade de exploração científica do continente, em regime de
cooperação internacional.
b) Adesão ao Tratado Antártico em 1975 (determina o uso do continente para fins pacíficos, estabelece o
intercâmbio de informações científicas e proíbe novas reivindicações territoriais)
c) Criação do Proantar (1982)
127
d) Reconstrução da Estação Científica Comandante Ferraz (2020) - China

17) Fronteiras
a) Posicionamento: (PND) - Respeito à soberania dos Estados
b) A vivificação das fronteiras (a proteção do meio ambiente e o uso sustentável dos recursos naturais) é
um aspecto essencial para o desenvolvimento e a integração da região.
c) O adensamento da presença das FFAA, ao longo das nossas fronteiras é condição relevante para o
desenvolvimento sustentável da amazônia
d) Doutrina conciliatória e Pacifista do Barão do Rio Branco permitiu a consolidação de fronteiras sem
resquícios de conflitos acentuados
e) Programa Calha Norte
f) PEFs
g) Programa Rondon (intercâmbio de professores)
h) SISFRON
i) Op Agata
j) Mapeamento do território nacional e demarcação de fronteiras Os engenheiros da Diretoria do
Serviço Geográfico têm mapeado o território do Brasil. Têm participado também da demarcação de
alguns trechos fronteiriços e renovado os marcos atingidos pela ação do tempo, muitas vezes em locais
de difícil acesso e insalubres. (AD 2020)
k) Ação nacionalizadora Ontem foram os fortes, em nossas fronteiras, que transmitiram noções de
patriotismo às populações que se aglutinavam em seu redor. Hoje são os Pelotões de Fronteira, nos
limites do território brasileiro, a transmitirem às populações próximas os valores atinentes à
nacionalidade, como patriotismo e civismo. (AD 2020)

18) Espaço
a) Posicionamento: defende a adoção de um instrumento internacional juridicamente relevante nesta
matéria.
b) (PND) A dimensão (continental, marítima) aeroespacial, são de suma importância para a Defesa
Nacional, o controle do espaço aéreo e sua boa articulação com países vizinhos, assim como o
desenvolvimento de nossa capacitação aeroespacial, constituem objetivos setoriais prioritários
c) Base de Alcântara (MA) como instrumento de relacionamento internacional com outros países. Acordo
de salvaguardas tecnológicas
d) Parcerias: CBERS (China), SGDC (França) e GLONASS (Rússia)
e) AST -
f) Starlink -

128
BUNKER 2021

UD XI – INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO NO BRASIL

OBJETIVO ENGLOBANTE: Avaliar os processos de industrialização e urbanização do Brasil, para concluir


sobre os possíveis desafios ao desenvolvimento e à gestão dos espaços urbanos no contexto da reestruturação
produtiva.

1. ASSUNTO 43: O processo de industrialização do Brasil


Objetivos:
Analisar o processo de industrialização do Brasil

Conceitos:
•INDÚSTRIAS DE INFRAESTRUTURA: são as indústrias indispensáveis às atividades de produção:
extrativismo, eletricidade, transportes, comunicações, construção civil e serviços públicos.
•INDÚSTRIAS DE BASE : são as indústrias que fornecem os materiais ou a matéria-prima para as indústrias
de transformação: metalurgia, siderurgia e indústria química.
•INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL : As indústrias de bens de capital atuam no sentido de prover
elementos para as companhias de outros segmentos como a indústria pesada e a de bens de consumo. Ex:
Máquinas e equipamentos.
•INDÚSTRIAS DE BENS DE CONSUMO DURÁVEIS: Produtos não-perecíveis como os eletrodomésticos,
eletroeletrônicos, móveis, veículos, dentre outros. Recebe esse nome visto que os produtos gerados possuem
uma longa durabilidade.
•INDÚSTRIAS DE BENS DE CONSUMO NÃO-DURÁVEIS: envolvem produtos perecíveis considerados
de primeira necessidade, por exemplo, os alimentos, bebidas, remédios, cosméticos, etc.
•INDÚSTRIAS DE TRANSFORMAÇÃO : são as indústrias que recebem produtos das indústrias de base,
transformando-os em bens utilizáveis: veículos, equipamentos, utensílios etc.
•SETOR SECUNDÁRIO: é o que transforma matéria-prima, extraídas e/ou produzidas pelo setor primário,
em produtos de consumo, ou em máquinas industriais.
•MINISTÉRIO DA ECONOMIA - englobou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC)
, que agora é uma Secretaria.
•CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL: aglomerado tecnológico e econômico diante de uma cidade ou
localidade. Essa concentração é caracterizada pela presença de grandes empresas, indústrias e sedes
empresariais. (Barema AT4 PEP 2021)

a. O processo de industrialização do Brasil


1) 1785 - O Governo português proibiu o funcionamento de fábricas na colônia - não atrapalhar a
venda de tecidos e roupas, adquiridos na Inglaterra e comercializados por portugueses no Brasil.
2) Visconde de Mauá (1850-1870) - e grupos estrangeiros, principalmente ingleses, investem em
estradas de ferro, estaleiros, empresas de transporte urbano e gás, bancos e seguradoras.
3) Final do século XIX e início do século XX - indústria brasileira: pequenas oficinas,
marcenarias, tecelagens, chapelarias, serrarias, moinhos de trigo, fiações e fábricas de bebidas e de conserva.
a) O país importa os bens de produção, matérias-primas, máquinas e equipamentos e grande
parte dos bens de consumo.
129
4) A Industrialização foi o motor do processo de desenvolvimento da sociedade brasileira -
associado à modernização do campo e urbanização.

5) Século XVI até 1930 (principais produtos):


a) Cana-de-açúcar
b) algodão
c) ouro
d) borracha
e) café
f) Fenômeno “Arquipélago Econômico Regional”: centros econômicos com pouca
integração entre eles (economia voltada para o mercado externo). Estrutura autônoma.
g) A industrialização do país teve como condição estruturante o crescimento da produção de
café (séc XIX e XX), que:
(1) propiciou um volumoso acúmulo de capitais;
(2) incentivou a imigração;
(3) criou um mercado consumidor; e
(4) produziu infraestrutura - utilizada no avanço da industrialização.
h) Censo de 1920 - concentração industrial na Região Centro-Sul:
(1) cerca de 80% dos estabelecimentos industriais, trabalhadores e da produção.

6) Era Vargas
a) Crise de 1929 - transferência de capitais da economia cafeeira para a produção industrial.
b) Utilizou o Modelo de Substituição de importações - produção nacional voltada para o
mercado interno, para superar a falta de produtos importados com a Crise de 1929 e diminuir a dependência e
influência sofrida pela economia nacional.
c) Produção industrial - relacionada com a redução da exportação do café e a diminuição de
produtos importados.
d) A intervenção do Estado propiciou o desenvolvimento industrial brasileiro - processo de
modernização do Estado brasileiro e o maior apoio deste à industrialização.
e) O Governo promoveu a integração dos “Arquipélagos Regionais” através do sistema de
transporte ligando os Estados.
f) Criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio (1931)
g) IBGE (1931)
h) Salário-mínimo
i) Sistema “S”
j) CLT
k) Largo investimento estatal em setores estratégicos (nacionalização de subsolos);
l) Predomínio do investimento pautado no capital nacional – estatal e privado.
m) Companhia Siderúrgica Nacional (CSN)
n) Companhia Vale do Rio Doce (MG)
o) Fábrica Nacional de Motores (1943)
p) Petrobras (2º governo Vargas).
q) Resultou na concentração de investimentos estatais e de potencialidades para o
desenvolvimento industrial do Sudeste. Invasão dos produtos do Sudeste causou falência de indústrias nas
demais regiões.
r) Entre 1933 e 1939 - produção industrial cresceu 7,2% ao ano.

130
7) Pós-2ª Guerra Mundial, a partir de 1950 - Alteração da Divisão Internacional do Trabalho
(DIT)
a) maior exportação de capitais produtivos e tecnologia por parte dos países desenvolvidos.
b) estabelecimento de multinacionais em países subdesenvolvidos.

8) Governo JK (1956-1960) - grande transformação do pilar de desenvolvimento industrial do


país.
a) Maior estímulo à entrada de capital estrangeiro (multinacionais) no setor produtivo da
economia (Ford e VW).
b) Plano de Metas - criar condições estruturais favoráveis ao investimento produtivo
estrangeiro e ao crescimento da economia nacional.
(1) estímulos à construção civil;
(2) investimentos na agricultura;
(3) investimento na indústria de base;
(4) investimento na infraestrutura de transportes;
(5) investimento na produção de energia.

c) Plano Tripé Macroeconômico:


(1) Capital Estatal: Infraestrutura (Ex: Rodovias)
(2) Capital Estrangeiro: Indústria de Bens Duráveis (Ex: automóveis)
(3) Capital Privado Nacional: Indústria de Bens Não-Duráveis (Ex: alimentos)

d) Estímulo à entrada de grandes montadoras de automóveis - opção pela construção de


rodovias (vantagens imediatas - mais rápida e menos custosa)
(1) Estímulo à compra de veículos produzidos no país.
(2) Perdurou ao longo das 4 décadas seguintes.
f) Final da década de 1950, governo passa a intervir na concentração industrial do SE e
estagnação econômica das outras regiões via órgãos de planejamento (SUDENE,) e pela criação de pólos
siderúrgicos e petroquímicos e hidrelétricas no NE.

E daí? A opção pelo relativo abandono do desenvolvimento de outros meios de transporte no país traz hoje uma
série de obstáculos para o crescimento da economia brasileira.

E daí? A partir deste momento, o modelo de substituição de importações, sobre o qual se pautou a
industrialização brasileira, irá se basear na produção dos bens de consumo duráveis (como automóveis e
eletrodomésticos).

Região Sudeste - articuladora do mercado interno nacional e base de ampliação das multinacionais no país.

9) Governo Militar (1964-1985)


a) Prática protecionista - controle da entrada de divisas e multinacionais
b) Investimento em setores estratégicos (indústria aeronáutica (Embraer) e bélica (Imbel),
desenvolvimento de tecnologia nuclear (Angra I e II)
c) Controle movimentos sindicais
d) Arrocho salarial na mão-de-obra
e) Milagre Econômico (1969-1973) - crescimento PIB médio 10%
(1) ocorreu por meio de empréstimos do governo para investimento interno
(2) entrada capital estrangeiro
131
(3) expansão consumo
(4) aumento exportação
(5) diversificação parque industrial brasileiro
f) 1973 - a crise do petróleo e a alta internacional dos juros desaceleraram a expansão
industrial.

10) Até a década de 80


a) Fatores da concentração espacial da indústria no SE:
(1) Complementaridade industrial (presença das indústrias de base e fornecedores)
(2) Concentração de investimentos públicos nos setores de energia e transportes
(3) Maior densidade de consumo
(4) Imigração (trabalhador qualificado europeu)

11) Década de 1990


a) Política neoliberal (liberalização da economia, queda de barreira protecionista,
privatizações) - Consenso de Washington
b) Isso gerou prejuízos à indústria nacional (não conseguiu competir com mercado externo)
- gerou falência, venda de empresas.

12) Últimas décadas


a) Dispersão da atividade industrial e queda de participação da região Sudeste
b) “deseconomia” de aglomeração - efeitos negativos causados pelo aglomeração de
atividades industriais e pessoas (encarecimento dos terrenos, impostos, mão de obra) - gera a Desconcentração
Industrial para N, CO e NE (décadas de 1960, 1970 e 1980)
c) A Desconcentração é favorecida pela ampliação da infraestrutura de transportes, energia
e comunicações e o poder público oferece benefícios fiscais para atrair investimentos.
d) Motivações para desconcentração industrial:
(1) mão-de-obra barata em outros lugares
(2) menores impostos
(3) terrenos baratos
(4) menor preocupação com preservação meio-ambiente em outros Estados
(5) proximidade países Mercosul
(6) melhoria de infraestrutura no interior do Brasil
(7) fuga de violência urbana e poluição atmosférica
(8) fuga da pressão de sindicatos
(9) fuga do congestionamento de trânsito

13) Século XXI


a) Questionamento quanto política neoliberal
b) Incentivo setor produtivo
c) Programa de Aceleração do Crescimento - PAC (construção civil e infraestrutura)
d) Crescimento da relevância das multinacionais
e) Desconcentração industrial

14) Consequências da desconcentração industrial


a) migração de retorno
b) aumento taxa desemprego áreas de repulsão
c) extinção postos trabalho em áreas de repulsão
132
d) fortalecimento setor terciário
e) desmetropolização
f) expansão fronteira agrícola (agropecuária e extrativista)
g) investimento em infraestrutura em local “desconcentrado” - refuncionalização do
território
h) DESAFIO: O equilíbrio entre desenvolvimento econômico e uso sustentável dos
recursos.
(1) expansão fronteira agrícola
(2) geração de energia
(3) expansão extrativismo vegetal

15) Região Sudeste


a) Mais de 70% da produção industrial do Brasil.
b) 70% do volume de vendas do setor
c) 65% da mão-de-obra da indústria
d) Fatores:
(1) mercado consumidor e financeiro pujante;
(2) crescimento urbano, especialmente em São Paulo e Rio de Janeiro
(3) maior número de universidades e centros de pesquisa
(4) desenvolvimento infraestrutura transporte
(5) fluxo imigratório estrangeiro
(6) recursos naturais favoráveis (potencial hidroelétrico-furnas e Ribeirão das Lages,
reservas de ferro e manganês e solos férteis)
e) Barema AT4 PEP 2021 - Analisar a concentração industrial do SE
(1) A Região Sudeste é a mais industrializada e urbanizada do Brasil.
(2) Uma grande parcela das maiores empresas instaladas no Brasil tem sede no Sudeste.
(3) A grande disponibilidade na região de energia oriunda de diversas fontes, renováveis e
não renováveis: Ilha Solteira, Três Marias e Furnas.
(4) A existência de boa malha ferroviária, de extensa rede de estradas e a proximidade com
portos de grande capacidade. BR 101 e a BR 116
(5) Na região Sudeste, iniciou-se a industrialização do País, tornando-se a indústria de
transformação a principal fonte de divisa e trabalho nos seus estados.
(6) São Paulo tornou-se o maior parque industrial da América do Sul. 1970, 45% do total de
fábricas instaladas no País, somente na Grande São Paulo
(7) A concentração industrial não só atraiu, como incentivou a formação de mão de obra
mais especializada a fim de capacitar a operação de máquinas e equipamentos pesados.
(8) Ciência e Tecnologia: Na Região Sudeste estão instaladas indústrias de alto valor
tecnológico, os tecnopolos, como o bélico e o aeronáutico em São Paulo.
(9) A existência de recursos naturais próximos à região. As jazidas de ferro e manganês do
Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais. A produção de petróleo na indústria
petroquímica, petrolífera e naval, no Rio de Janeiro.
(10) Grandes mercados consumidores do País, gerando grande circulação e
acumulação de riqueza na região Sudeste
(11) Aumento do desequilíbrio social regional. Marginalização e criminalidade.
(12) Fortalecimento dos sindicatos: A CUT e a Força Sindical
(13) Área de atração populacional e de migração de outras regiões do Brasil, pcp N e
NE.

133
(14) A circulação social permitiu a interação dos imigrantes com a população local.
Aculturação e miscigenação.
(15) Mobilidade Social: oportunidades de acesso de integrantes de classes sociais mais
baixas ascender às camadas superiores por intermédio da oferta de empregos e pela
possibilidade de acesso aos serviços básicos como saúde, habitação, educação e
comunicações.

16) São Paulo


a) Maior polo industrial do país
b) 40,3% dos estabelecimentos industriais do país
c) Responsável por cerca de 51,8% da produção nacional
d) Região Metropolitana de São Paulo - área de maior concentração industrial da América
Latina - grande diversificação industrial (metalurgia, mecânica, química, petroquímica, têxtil, alimentícia,
construção, transporte, elétrica e eletrônica, etc.).
e) São Paulo e ABCD Paulista (Santo An
f) dré, São Bernardo do Campo, São Caetano, Diadema), Campinas, Jundiaí e São José dos
Campos.
g) Tecnopolos - São Paulo, Campinas, São José dos Campos - centros de produção e
difusão de tecnologia de ponta.
h)
i) Agroindústria - Ribeirão Preto
j) Baixada Santista - Beneficiada pelo porto de Santos
k) Centro da 4ª Revolução Industrial instalado em SP (Site do Ministério) - Internet das
Coisas, cidades inteligentes, robótica, Inteligência artificial e blockchain.
l) Em 2010, o PIB de São Paulo representou 33,1% do nacional.
m) Eixos de industrialização de São Paulo:
(1) Vale do Paraíba (via Dutra, com São José dos Campos como principal centro).
(2) Via Anchieta e Imigrantes (até Baixada Santista).
(3) Via Anhanguera (em direção a Jundiaí, Campinas e Ribeirão Preto).
(4) Via Raposo Tavares e Via Castelo Branco (em direção à Sorocaba).
(5) Washington Luís (em direção a São Carlos, Rio Claro, São José do Rio Preto)

17) Rio de Janeiro


a) Área metropolitana do Rio de Janeiro e o Vale do Paraíba (com Volta Redonda e
Campos).
b) Indústrias de refino de petróleo, automobilístico, material de transporte, têxtil, roupas,
alimentos.

18) Minas Gerais


a) Região Metropolitana de BH (zona siderúrgica e metalúrgica) extraindo o minério de
ferro e manganês do Quadrilátero Ferrífero.

19) Região Sul


a) Segunda região industrial do país.
b) Ramos - metalúrgico, mecânico e químico.
c) Localizada na fronteira dos principais parceiros brasileiros do Mercosul - grande
crescimento de seu setor industrial a partir da segunda metade da década de 1990.

134
d) RS: Grande Porto Alegre, Caxias do Sul e São Lourenço (indústria vinícola), Novo
Hamburgo (artesanato de couro) e Rio Grande (indústria química e alimentícia).
e) Paraná: Curitiba (indústrias de material de transporte e de material elétrico e químico),
Londrina, Ponta Grossa, Apucarana e Maringá. Agroindústria - Guarapuava.
f) SC: Itajaí, Blumenau, Brusque e Joinville (setor têxtil, alimentício, agroindustrial, de
vestimentas, calçados)

20) Região Nordeste


a) Grandes incentivos fiscais - Guerra Fiscal : BA x RS (Ford)
b) Melhoria na infraestrutura de transporte
c) Bahia: Região Metropolitana de Salvador e Polo Petroquímico de Camaçari.
d) Pernambuco: Região Metropolitana de Recife - Porto de Suape.
e) Ceará: Região Metropolitana de Fortaleza
f) Maranhão - Indústria Metalúrgica (Alumar) - Porto de Itaqui.

21) Região Norte


a) Amazonas: Zona Franca de Manaus - eletrônica e indústria de motos
b) Pará: Região Metropolitana de Belém
(1) Siderúrgica do Pará - Serra do Carajás (escoado pelo Porto de Santarém e Itaqui)

22) Região Centro-Oeste


a) Agroindústria

23) Doença Holandesa e Desindustrialização no Brasil: de volta a um país primário-


exportador? (TEXTO EBAula) - BUNKER 2020
a) Desindustrialização - cenário foi ainda mais agravado pelo BOOM das commodities
aliado à baixa cotação do dólar nos anos de 2008 a 2011.
b) Tornou a importação de industrializados barata e dificultou a concorrência nacional. Ao
mesmo tempo, a expansão econômica chinesa tornava a exportação de commodities como o minério de ferro
muito compensadora, causando surto de desindustrialização precoce conhecido como "DOENÇA
HOLANDESA" e aprofundando a condição da economia brasileira de primário-exportadora.
c) Desindustrialização precoce do Brasil
(1) Avaliações do Processo:
(a) Positiva: uma consequência natural do amadurecimento do processo industrial
nos países desenvolvidos, o Setor de Serviços se expande e passa a empregar mais e a ter maior participação no
PIB.
(b) Precoce: reversão da pauta de exportações para produtos de baixo valor agregado
ou commodities (caso do Brasil, segundo o texto EBAula)
(2) Conceito: relação entre a exportação de recursos naturais e o declínio do setor
manufatureiro.
(3) A abundância de recursos naturais gera vantagens comparativas para o país que os
possui, levando-o a se especializar na produção desses bens e a não se industrializar ou mesmo a se
desindustrializar - o que, a longo prazo, inibe o processo de desenvolvimento econômico. [o nome faz
referência o aumento das receitas oriundas da exportação de gás natural holandês Déc 1960]
(4) No Brasil: Boom das commodities/crescimento chinês/descoberta pré-sal/ taxa de câmbio
/ taxas de juros
(5) Formas de neutralização da doença holandesa:
(a) Sobretaxar produtos importados que causam a doença (industrializados);
135
(b) Reinvestir o excedente no setor prejudicado (industrial) em forma de subsídios.
(6) Lei Kandir - legislação criada por FHC para melhorar o desempenho da balança
comercial. Esse recurso sobretaxa os produtos industrializados para desonerar a produção primária
(commodities). Esse empreendimento agravou a vocação primário exportadora e contribuiu com a
desindustrialização precoce.
(7) Populismo cambial - políticas que sobrevalorizam o valor da moeda nacional. Agradam
camadas da população, a curto prazo (acesso a bens importados e sofrem menos com a inflação). Entretanto,
tais políticas têm efeitos negativos como a desindustrialização e déficits na balança comercial.
(8) Ex: Lula manteve dólar a 2,00 reais. (acho o caso dizer que um dos mecanismos é o
aumento da taxa de juros para atrair capital externo.)Taxa de juros alta >> atração capital externo (mais
especulativo que estruturante) >> lastro em dólar permite Mnt Real valorizado >> favorece importação >>
redução competitividade produto nacional / aumento de indústrias maquiladoras.

24) Indústria 4.0 (EBAula)


a) Conceitos
- Indústria 4.0 (4ª Revolução Industrial) é uma expressão que engloba algumas tecnologias
para automação e troca de dados e utiliza conceitos de Sistemas ciber-físicos, Internet das Coisas e Computação
em Nuvem, com foco na melhoria da eficiência e produtividade dos processos (Fábricas inteligentes)

b) Exigências de adaptação do profissional:


(1) formação multidisciplinar
(2) capacidade de adaptação - Os profissionais deverão aprender a lidar com máquinas e
robôs inteligentes.
(3) senso de urgência - entender o que é urgente e o que pode ser resolvido depois
(4) bom relacionamento - passar pelo processo de mudanças sem grandes traumas

c) Reflexos do uso de tecnologias digitais:


(1) aumento da eficiência operacional
(2) redução de custos
(3) flexibilização das linhas de produção
(4) customização em larga escala
(5) criação de novos modelos de negócio.
(6) Postos de trabalho (redução ou novas oportunidades)
136
(7) Interação homem-máquina
(8) Operações em tempo real
(9) Otimização

d) Desafios para o Brasil:


(1) Empresas precisam elevar os investimentos em capital humano e em pesquisa e
desenvolvimento.
(2) Alinhar as políticas industriais e de comércio exterior, para reduzir o viés anti exportação
e intensificar acordos comerciais.
(3) Melhorar o ambiente de negócios.
(4) Reformar o sistema tributário.
(5) Reduzir o custo de capital
(6) Modernizar as relações de trabalho
(7) Diminuir o tamanho do Estado.

e) Internet das Coisas na indústria. (5G)


f) inteligência artificial;
g) Robotização, automatização e inovações, todas necessitando de infraestrutura da rede de
informações para o salto tecnológico.
h) Atuação do sistema S para capacitar a mão de obra.
i) Tendência ao desemprego da mão de obra não especializada.
j) Startups, Fintechs e "Unicórnios" - programa de Bolsonaro para incentivar e financiar
essas empresas (indústrias).
k) Países Desenvolvidos vem investindo mais em treinamento e software do que em
equipamentos e instalações (mais no abstrato que no físico)

25) Barema AT4 PEP 2021 - os efeitos da concentração industrial do SE no setor de comunicações
do Brasil.
a) Concentração industrial demandou o aumento do setor de comunicações
b) Indústrias de alto valor tecnológico, os tecnopolos, como o bélico e o aeronáutico em São
Paulo, beneficiam o setor de comunicações, viabilizando e potencializando o parque
industrial.
c) A circulação de riqueza forçou o desenvolvimento de redes mais rápidas e confiáveis,
para o fluxo de informações entre estabelecimentos financeiros nacionais.
d) A integração com setores de alto valor agregado facilitou o desenvolvimento das
comunicações em nível nacional.
e) atração populacional e de migração de outras regiões do Brasil: natural incremento dos
meios de comunicação, contato com áreas de origem.
f) criou novas demandas que desenvolveram o setor de comunicações do Brasil.
g) O setor de comunicações se aperfeiçoou, atendendo a demandas geradas pela instalação
das indústrias e pelo significativo fluxo populacional advindo de outras regiões.
h) A ampliação das redes de telefonia móvel e fixa, instalação de fibra ótica, redes bancárias
e de internet foram efeitos implementados pela necessidade regional e replicados,
posteriormente, para o restante do País.
i) A reunião de várias indústrias de grande valor agregado contribui para aumentar a
inovação e a evolução da tecnologia no setor de comunicações no País.

137
b. As principais indústrias do Brasil na atualidade

1) Região Sudeste (70% da produção industrial do Brasil)


a) Refinaria Duque de Caxias
b) Companhia Siderúrgica Nacional - Volta Redonda
c) São José dos Campos (Embraer) (ITA, INPE)
d) Campinas (Tecnologia - Unicamp)
e) ABCD Paulista (Metalurgia)
f) Quadrilátero Ferrífero / Vale do Aço (Rg Centro-Sul de Minas Gerais) - Mineração
(Vale)
g) Refinaria em Campos
h) Refinaria Região dos Lagos

2) Região Nordeste
a) Expansão Fronteira Agrícola (MATOPIBA)
b) Petrolina e Juazeiro (vinícola/fruticultura)
c) Porto Digital (PE) (Softwares)
d) Transposição Rio São Francisco
e) Pólo Petroquímico Camaçari (BA)
f) Textil (Ceará)

3) Região Sul
a) Tramontina (RS)
b) Vinícolas (Bento Gonçalves, Caxias do Sul, São Lourenço)
c) Novo Hamburgo (Couro)
d) Rio Grande (indústria química e alimentícia)
e) Curitiba (Indústria de tecnologia avançada e de grande escala)
f) Gerdau
g) Marcopolo

4) Região Centro-Oeste
a) Sorriso (indústria soja)
b) CAI - DAIA Anápolis
138
5) Região Norte
a) Zona Franca de Manaus
b) Expansão Fronteira agrícola
c) Vale (extração minério de ferro em Carajás)

2. ASSUNTO 44: O processo de urbanização do Brasil


Objetivos:
Examinar o processo de urbanização
a. O processo de urbanização no Brasil
1) Formação do território (Brasil Colônia)
a) Até o século XVIII, Cidades representavam a metrópole, função político-administrativa;
b) A partir do final do século XVIII, começam a ter função socioeconômica;
c) As cidades passaram a abrigar estruturas políticas, econômicas e sociais;

2) Evolução da Urbanização
a) Herança colonial na urbanização: esfera pública tomada de interesses privados
(clientelismo) ;
b) Acesso seletivo a bens e serviços públicos pela população (Ex: saneamento básico
disponível para cerca de 50% da população);
c) Planos diretores ignoram as necessidades da maior parte da população;
d) 1940 → 26% da população urbana;
e) 1970 → 50% da população brasileira urbana, por influência do Sudeste;
f) 1990 → Todas as Regiões do Brasil maioria vivendo em cidades;
g) atualmente: Cerca de 80% urbano
h) Êxodo Rural e migrações fizeram que parte da mão-de-obra não fosse absorvida pelas
empresas, ampliando as mazelas sociais, desemprego e violência urbana;
i) O nível de informalidade na economia e a insuficiência da ação estatal associam-se à
ilegalidade na ocupação do solo, urbanização desordenada e na ocupação de ambientes vulneráveis;
j) Ocupação irregular, desordenada e autoconstrução = favelização, segregação espacial;
k) Década de 80 e 90 → movimento de reforma urbana originou o estatuto da cidade,
estrutura jurídica para política urbana no País
l) O Brasil é considerado uma das referências na produção de conhecimento sobre as
políticas e o espaço urbanos. Ex: orçamento participativo (participação da população na decisão do uso dos
recursos), democratização na decisão de alocar recursos através de consultas à comunidade em assembleias

3) Vídeo Descomplica no EB Aula


a) primeiras áreas ocupadas no litoral, por conta da produção de açúcar
b) interiorização se deu pela descoberta do ouro e interiorização da pecuária
c) No século XIX, graças ao café, núcleos econômicos melhoram a renda no eixo Rio-São
Paulo, gerando concentração de renda e de população nesse eixo.
d) Industrialização também se deu nesse eixo, por esse motivo
e) Século XX, principalmente após 1950 → processo de industrialização se intensifica e
urbanização aumenta;
f) Motivos: industrialização, revolução verde, oferta de empregos na cidade →
crescimento da população urbana

139
g) Gerou os problemas metropolitanos: favelização, poluição de rios, poluição sonora,
poluição do ar, intensificação de enchentes, ilhas de calor
h) Redução do processo de urbanização do Sudeste: Construção de Brasília (interiorização e
integração), Políticas de incentivo em outras áreas

4) Mobilidade Urbana (Eb aula)


a) Condições de deslocamento da população no espaço geográfico das cidades;
b) Problemas excesso de pedestres em áreas centrais e congestionamentos de veículos;
c) Causas: transporte público ruim, melhora na renda dos brasileiros, herança rodoviarista,
avanço desordenado das cidades;
d) entre 2002 e 2012, população aumentou 12%, número de veículos aumentou 138%;
e) soluções: Melhora e incentivo ao transporte urbano, adequação do trânsito com foco ao
transporte público (Ex: BRT), rodízio, ciclovias, metrô;

5) Problemas socioambientais urbanos (Eb aula)


a) Ligados a má distribuição de renda e contradições sociais
b) Segregação Urbana: preço elevado de imóveis levam pessoas de baixa renda a residirem
em regiões distantes. Ex: Baixada Fluminense
c) Infraestrutura, Transporte público e saneamento precário nessas regiões;
d) Aumento dos índices de violência;
e) Grande quantidade de lotes vagos e espaços vazios.
f) Favelização
g) Os problemas urbanos, como a favelização, contribuem para a ocorrência ou
agravamento de outros problemas, como violência, enchentes, problemas ambientais (gestão do lixo),
surgimento de ilhas de calor, inversão térmica, poluição de rios e mares, chuvas ácidas;

Principais problemas urbanos na região centro-sul


a. Falta de esgotamento sanitário: 50% da população sem coleta de esgoto
b. Deficiência na oferta e acesso à saúde pública: falta de estrutura e equipamentos, medicamentos e
recursos humanos.
c. Problemas na coleta de lixo.
d. Aumento do tráfico de drogas.
e. Déficit habitacional.
f. Crise na segurança pública: facções criminosas de milícias.
g. Alta densidade populacional no ambiente urbano: superior a 120 habitantes por quilômetro quadrado em
algumas regiões.
h. especulação imobiliária.
i. Problema no transporte público: insuficiente e ineficiente.
j. Enchentes.
k. Aumento dos moradores de rua.
l. Congestionamentos

Observe gerados pelo fluxo migratório campo cidade:


a. Aumento da demanda do sistema único de saúde.
b. Aumento do adensamento populacional na periferia.
c. Aumento da favelização e adensamento precário
d. Aumento do desemprego
e. Aumento da violência
140
f. Aumento do número de pessoas cooptados pelo tráfico
g. Aumento da demanda do transporte público
h. Aumento dos moradores de rua

6) Rodoviarismo no Brasil (Eb aula)


a) Predomínio do modal rodoviário no Brasil (62%) levou a deixar outros modais de lado;
b) industrialização do período JK demandava a integração do território.
c) Chegada de indústrias automobilísticas corroborou o rodoviarismo
d) década de 90 → privatização de estradas, passou a manutenção para iniciativa privada,
permitiu que recursos fossem destinados a finalização de obras em outras rodovias
e) Atualmente: Ministério da infraestrutura tem investido em outros modais (Ex: Ferrovia
Norte-Sul)

7) Barema AT4 PEP 2021 - Destacar pcp motivos da migração para o SE


a) Nessa região, estão as principais metrópoles brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro e Belo
Horizonte, o que a torna um forte pólo de atração migratória em razão do processo de
industrialização desenvolvido.
b) Construção de rodovias, como a BR 101 e a BR 116, contribuiu para a maior integração
entre os entes da região
c) Fonte de divisa e trabalho.
d) Abertura de numerosos postos de trabalho para diversas atividades complementares e de
apoio.
e) Oferta de empregos gerada não garantiu os direitos básicos de cidadania de parcela do
contingente populacional. Periferias, aumento da marginalização e da criminalidade.
f) Acesso aos serviços básicos como saúde, habitação, educação e comunicações.

3. ASSUNTO 45: Reestruturação produtiva e transformações no espaço urbano


Objetivos:
Analisar os atuais desafios para o desenvolvimento e a gestão dos espaços urbanos
a. Conceitos
1) Reestruturação Produtiva
a) Momento do capitalismo caracterizado por:
(1) Revolução tecnológica
(2) Surgimento de forma informacional de produção econômica e gestão
(3) Globalização das metrópoles
b) Implica na desconcentração industrial e no crescimento do setor terciário
2) Tipos de movimentos de urbanização
- decorrente da concentração de capital, poder e recursos do bem estar-social
- gerado pelo êxodo rural nos países subdesenvolvidos

b. Desafios para o Desenvolvimento


1) A redução dos custos de transporte e comunicação e as novas formas de gestão empresarial
aumentam a mobilidade do capital, gerando mais um desafio para as políticas de desenvolvimento urbano.
2) O crescimento das cidades médias e pequenas relaciona-se à saída de investimentos dos grandes
centros devido à busca de vantagens locais (como áreas com custos menores de produção e transporte ou com
mercados consumidores emergentes). Também pode estar associado ao maior desenvolvimento da agroindústria
e do setor extrativo em certas regiões.
3) Atuais desafios para o desenvolvimento e gestão no espaço urbano (Bunker 2020)
a) Equilíbrio entre desenvolvimento e uso sustentável dos recursos;
b) Redução da informalidade e aumento da fiscalização do Estado;
141
c) Implementação ampla de planos diretores e reforma urbana;
d) Acesso à moradia legal (”desfavelização");
e) Adaptação a “Economia do conhecimento”: na qual a TIC (tecnologia da informação e
comunicações), a inovação e a pesquisa tem mais importância em relação aos processos industriais;
f) Simplificação tributária, para viabilização de investimentos;
g) Maior integração regional pela modernização e diversificação da matriz de transportes;
h) investimento em educação para qualificação da mão de obra, educação 4.0;
i) Redução do Custo Brasil link

4) Fatores de desenvolvimento das cidades no período pós-fordista


a) Se constituíram como meios geradores de inovação
b) Proporcionaram condições de coesão social e qualidade de vida

5) Investimentos da Hyundai (Piracicaba) EBAULA


a) Ocorreu em momento em que Ford anunciou sua retirada do ABC Paulista e a General
Motors realizava negociações com o governo em busca de cortes de gastos para manter-se no Brasil
b) Confirmação de tendência de afastamento da capital e crescimento de cidades médias e
pequenas;
c) Formação de arranjos populacionais;
d) Distanciamento entre o Centro de Gestão e o local de produção;
e) Geração de empregos nas cidade que recebe os investimentos, incentivo a urbanização;

6) Investimentos da General Motors em fábricas de SP - EBAULA


a) Motivado por incentivos fiscais.
b) "guerra fiscal" entre estados e entre municípios;
(1) Programa IncentivAuto do Governo do estado de SP
(2) ProAuto do Município de São Caetano.

7) Reestruturação Produtiva e Regeneração Urbana - EBAula


a) Reestruturação produtiva: Modificações surgidas com a forma informacional de
produção econômica. (Desconcentração industrial e crescimento do setor terciário)
b) Desativação de indústrias em grandes centros - busca de vantagens em cidades menores
c) Causas da desconcentração industrial:
(1) redução da capacidade produtiva das empresas
(2) crises econômicas
(3) Busca de vantagens fiscais
(4) busca por menores restrições legais
(5) busca por mão-de-obra mais barata
(6) busca por qualificação específica
(7) proteção contra movimentos sindicais
(8) Melhoria nas infraestruturas de transporte, energia e comunicações.
d) Indústrias que optam por permanecer nos grandes centros devem se adequar e diminuir
custos
e) Geração de espaços ociosos nos centros urbanos (abandono/ diminuição de empresas)

f) Fatores Econômicos

(1) Produção Fordista:


(a) Concorrência de preço e barateamento do custo unitário, por meio da
padronização de produtos e técnicas repetitivas de produção em série
(b) Visava o aumento da produtividade e se dirigia a mercados em massa

142
(c) Caracterizava-se pela hegemonia norte-americana
((1)) Permitiu impor as regras de livre troca, e
((2)) Fazer valer a sua própria moeda de troca, o dólar, como moeda
internacional
(d) Permitiu a divisão espacial do trabalho
(e) Permitiu a descentralização da produção em direção aos países de baixos salários
(f) Década 1970 – decadência do modelo desenvolvimentista fordista
(g) Ganhos com a produtividade começaram a desacelerar

(2) Reestruturação Produtiva (pós-fordista):


(a) No Brasil iniciou-se na década de 1980, de forma lenta e seletiva
(b) Ampliou-se na década de 1990 com o processo de liberalização do comércio e
investimentos estrangeiros
(c) Plano Real contribuiu para esse processo com a estabilização da economia
(d) Soluções para a crise do Fordismo:
((1)) EUA, França e Inglaterra: Concentração de empresas de ponta em
grandes cidades, permitindo a dispersão das de menor qualificação produtiva para outros territórios
((a)) Origem da chegada das multinacionais no Brasil
(e) Japão e Coreia: Combinação de revolução tecnológica com questionamentos do
taylorismo (Especialização flexível, inovação, mão-de-obra qualificada e equipamentos flexíveis, são uma
busca permanente)

(3) Modelo Pós-Fordista


(a) Características:
((1)) Flexibilidade
(b) Adaptação às novas tecnologias
(c) Geração de uma tendência de re-aglomeração da atividade econômica
((1)) Base para o surgimento de distritos economicamente efervescentes, os
novos espaços industriais
(d) A base da concorrência transfere-se do preço para a diferenciação do produto
(e) Conceitos para a nova fase da economia:
((1)) Economia informacional: Aplicação de conhecimentos e informação à
gestão, à produção e à distribuição, tanto em processos como em produtos
((2)) Economia Cognitiva: Desafio de conhecer os mercados, mobilizar
ciências e técnicas, inventar respostas rápidas e inovadoras para enfrentar incertezas e escolhas complexas
((3)) Economia do conhecimento: Junção de pessoas criativas que adicionam
valor ao trabalho através de troca de informações, gerando, assim, novas ideias
((a)) Ideias são forças motoras do desenvolvimento, pois permitem avanços
tecnológicos e inovadores

(4) Impactos territoriais do modelo Pós-Fordista:


(a) Parte crescente da produção industrial passa a ocorrer fora das indústrias, a
cidade como um todo, torna-se um território produtivo
(b) Funções industriais e empresariais descentralizam-se e se tornam independentes
(c) Espalhamento das unidades produtivas pelo território
(d) Surgimentos de novos complexos concentrados de produção
(e) Distribuição conforme os novos fatores de desenvolvimento e riqueza
((1)) pesquisa, inovação, atividades de alta tecnologia, patentes
143
(f) Espaços residuais subutilizados (fábricas, depósitos, armazéns) (Desafios):
((1)) Vazios urbanos
((2)) espaços improdutivos
((3)) fragmentação das cidades

(5) A Revolução Tecnológica


(a) Ocorrência: A partir de 1970 nos centros tecnológico-industriais dos EUA
(b) Difusão: Primeiramente tecnologia militar e nas finanças internacionais,
chegando às fábricas industriais na década de 1980 (Internet, GPS, computador…)
(c) Inovação passa a ser o elemento crucial
(d) O avanço tecnológico aplicado não apenas a produção, mas ao processo de
produção, permitindo que a economia atual se dirija à individualização das tarefas e fragmentação do processo
de trabalho
(e) Permite concentrações de atividades em pontos urbanos dispersos (uma das
causas do abandono das grandes áreas urbanas

(6) Globalização
(a) Coloca diversas sociedades em um mesmo processo produtivo através da rede de
fluxo internacional
(b) As metrópoles passam a ser centros de referência, de inovação, de comando
mundial e de uma sofisticada rede de informações acumulada e distribuída em um sistema disperso no território
(c) A diversidade nas cidades é fator fundamental para contínua geração de
inovações e para o dinamismo econômico, uma vez que a concentração de pessoas e culturas favorece o
surgimento de ideias.

(7) Dispersão Industrial


(a) Desindustrialização:
((1)) Decréscimo ou abandono pontual de instalações produtivas
((2)) Pode ser medido pela queda da taxa de emprego nas indústrias
tradicionais
((3)) Desindustrialização no Brasil:
((a)) Em São Paulo, polo dinâmico do país, observa-se um forte processo de
desindustrialização, acompanhado da terceirização da economia.

(b) Desconcentração industrial


((1)) Saída das unidades produtivas rumo a outras áreas
((2)) Centro de comando e gestão permanece na região, mantendo-se como
pólo de controle produtivo e administrativo
((3)) Possibilitada pela telecomunicação e pela informática

(c) Desterritorialização:
((1)) Abandono territorial de parcela da produção industrial

(8) Estratégias de Refuncionalização do Território


(a) Atração de empresas cada vez mais qualificadas, por meio do: Desafio:
((1)) Fomento a presença de pessoas com características inovadoras
((2)) Fomento a presença de boas universidades e / ou renomados centros de
pesquisa
144
(b) Essas empresas geram crescimento e desenvolvimento

(9) Planos estratégicos de desenvolvimento: Desafio


(a) Devem solucionar problemas como:
((1)) Congestão de tráfego;
((2)) Contaminação do ar e da água;
((3)) Déficits de moradia e serviços básicos;
(b) Devem ter por base o estabelecimento de Parcerias Público-Privadas (PPPs)
((1)) Forma de viabilização de grandes projetos, de reforma política e
financeira
((2)) Devem fomentar as inovações
((a)) Base principal da competitividade e do crescimento da economia, que não
mais dependem apenas dos recursos naturais, energéticos, da base industrial, da posição geográfica, da
acumulação de capital, ou da vontade política de um estado produtor

(10) Implantação de habitats de inovação


(a) Alia a demanda de produção, às áreas industriais obsoletas
(b) Possibilidade de reutilizar os espaços vagos para atividades voltadas para os
setores de informação e comunicação
(c) Possibilidade de atrair e reter recursos humanos qualificados
((1)) Ambientes com alta concentração de pessoas criativas, atraem mais gente
talentosa
(11) Clusters
(a) Outra possibilidade de habitats inovadores
(b) Resultante das relações entre setores público e privado
(c) Existem vários tipos:
((1)) Incubadora de empresas: Serviços especializados de apoio às novas
empresas (está crescendo no Brasil)
((2)) Condomínio de empresas: Local para onde vão as empresas oriundas das
incubadoras – maturidade técnica, administrativa e comercial
((3)) Parque tecnológico: Receber empresas inovadoras / promover interação
com instituições de ensino e pesquisa – Estimulam a transferência de tecnologia
((4)) Polo tecnológico: Tem o objetivo de agregar ações e facilitar o surgimento
de produtos, processos e serviços onde a tecnologia seja o insumo principal
((5)) Tecnópole: Cidades ou regiões que fazem uso da capacidade produtiva
advinda da integração dos agentes do setor público, empresarial e institucional

(12) Ambientes inovadores:


(a) Vale do Silício:
(b) Terceira Itália:
(c) Route 128: Boston
(d) Keiretsu: Japão / Mitsubishi, Toyota
(e) Brasil: A maioria não pode ser considerada (desafios):
((1)) Não engloba bom número de organizações
((2)) Não engloba instrumentos de colaboração e cooperação
((3)) Existência de barreiras comerciais que geram baixa competitividade
((4)) Recursos humanos ineficientes
((5)) Ausência de universidades
145
((6)) Estruturas administrativas deficientes
((7)) Estrutura física é fraca
((8)) Incentivos limitados
((9)) Mercado de trabalho insuficiente

c. Desafios para a gestão dos espaços urbanos

(a) A redução dos custos de transporte e comunicação e as novas formas de gestão


empresarial aumentam a mobilidade do capital;

Atuais desafios Gestão/Ação governamental (O que fazer?)

Planos Estratégicos de Desenvolvimento - Devem solucionar problemas como:


- Congestão de tráfego;
- Contaminação do ar e da água;
- Déficits de moradia e serviços básicos;
- Devem ter por base o estabelecimento de Parcerias Público-
Privadas (PPPs)
Devem fomentar as inovações (Base principal da
competitividade e do crescimento da economia)
- Estabelecer diretrizes para contrapor, com políticas públicas, a
mobilidade de capital, causado pela redução dos custos de
transporte e comunicação e as novas formas de gestão
empresarial. (tendência de saída de grandes centros)

Equilíbrio entre desenvolvimento e uso - Acordo de Paris


sustentável dos recursos/ Preservação - legislações restritivas à emissão de GEE
ambiental/ Poluição do ar - Legislações restritivas ao despejo de resíduos líquidos
em massas d'água
- Amazônia 1
- TerraClass

Adaptação à “Economia do - Relacionamento público-privado para criação de


conhecimento”: na qual a TIC Clusters - Espaços para inovação
(tecnologia da informação e - Criação de Ambientes inovadores (Ex: incubadoras de
comunicações), a inovação e a pesquisa StartUps em SP/ Vale do Silício-EUA)
tem mais importância em relação aos - Utilização dos espaços residuais subutilizados (fábricas,
processos industriais; armazéns, galpões vazios)
-

- Déficit habitacional (5,4 milhões de Planejamento e construção de bairros residenciais (Casa Verde-
residências – 9% do total do país) - Amarela)
Favelização

- Ocupação irregular/Áreas de risco Redução da informalidade e aumento da fiscalização do estado;


Implementação ampla de planos diretores e reforma urbana;

- Acesso a eletricidade Universalização da energia elétrica pela ANEEL, de 2002-


Exemplo: projeto de Lei 4842/20 voltado para promover o
acesso a eletricidade na Amazônia Legal (
146
LUZ PARA TODOS

- Investimento em educação para - Sistema S (SENAI, SENAC, SENAT, SESCOOP, SENAR)


qualificação da mão de obra - educação 4.0

- Mobilidade urbana - Planos Estratégicos de Desenvolvimento


- Parcerias Público-Privadas (PPP)
- Melhoria do transporte público (aumento da quantidade de
linhas de ônibus e metrô bem como suas ligações).
- Construção de áreas de estacionamentos fora das ruas (prédios
e subterrâneos).
- Construção de Ciclovias.
- Investimento em trens de superfície (BRT).
- Pedágio urbano (ex: Londres).
- Carona Solidária (Ex. Carpool).
- Construção de corredores e faixas exclusivas para transportes
coletivos.
- Reorganização dos espaços (casas próximas do emprego).
- Restrição de tráfego e estacionamento (ex:proibição de
automóveis pesados em determinadas áreas).

- Busca por uma maior integração - Investimentos em ferrovias - Ferrogrão


regional, pela modernização e - Outros modais na ligação RJ-SP - Megalópole
diversificação da matriz de - Investimentos em hidrovias
transportes
(Redução do Custo Brasil)

- Saneamento básico/ Tratamento de Políticas de saneamento básico e construção de obras para


Esgoto tratamentos de esgoto

- Abastecimento de água potável Realização de obras para captação e armazenamento de água -


poços - Perfuração de poços pelo EB (CMA, CMN, CMNE -
147)

- Descarte do Lixo Utilização aterros sanitários (erradicar lixões) - Coleta seletiva


de resíduos

Violência urbana Educação, aparelhamento dos OSP

Dificuldade de investimentos Simplificação tributária, para viabilização de investimentos


privados em infraestrutura

Acesso ao Sistema de saúde Diversificação de locais de oferta de serviços públicos


(Hospitais em diferentes áreas).

147
Justificar os atuais desafios para o desenvolvimento e a gestão dos espaços urbanos brasileiros. (AvR-17)

1 - Herança colonial tem influência sobre a urbanização. A cultura do patrimonialismo se reflete, por
exemplo, na tomada da esfera pública por interesses privados.

2 - Ambiguidade presente na aplicação dos planos e leis urbanas. Apenas uma parte da cidade é fiscalizada,
o que engendra uma seleção no acesso à modernidade e aos direitos básicos;

3 - Migração do campo para a cidade intensificada a partir de 1940, durante 50 (cinquenta) anos em que o
Brasil se transformou numa sociedade urbana (80% da população é considerada urbana).

4 - Baixo crescimento econômico iniciado nos meados dos anos 70 acentuou as mazelas sociais urbanas

5 - Políticas neoliberais também surtiram efeitos para a vida urbana. Pode-se incluir a privatização de serviços
públicos.

6 - Circuito econômico informal e a insuficiência da ação estatal em vários aspectos da vida social, associam-
se ao alto grau de ilegalidade na ocupação do solo, o que implica numa urbanização desordenada e na ocupação
de ambientes mais vulneráveis (como encostas, manguezais e etc.).

7 - Acesso à moradia legalizada é uma das questões centrais para o desenvolvimento urbano e o avanço da
sociedade brasileira

8 - Lideranças urbanas precisam descobrir como oferecer lares acessíveis, transporte público, empregos,
infraestrutura básica e serviços necessários para apoiar as crescentes populações urbanas. E, ao mesmo tempo,
como fazer isso causando o mínimo impacto ambiental e preparando-se para vulnerabilidades e mudanças
climáticas.

9 - Processo de urbanização é essencial para conquistar um crescimento sustentável. E o desafio vai muito
além do planejamento: os governos precisam encontrar maneiras inovadoras de financiar a infraestrutura.

10 - Soluções dos dilemas econômicos, sociais e ambientais que nortearão as políticas públicas de forma
inovadora, quebrando hábitos arraigados e gerando novos modelos de uso da infraestrutura urbana.

11 - Tecnologia tem um papel fundamental neste processo. Entretanto, as soluções para cada cidade não serão
necessariamente as mesmas. As características específicas de cada uma demandam soluções próprias, mas
todas, sem dúvida, ancoradas no uso intensivo de tecnologia.

148
RESUMO 2021

UD XII – ORDENAMENTO TERRITORIAL DO CAMPO BRASILEIRO

OBJETIVO ENGLOBANTE: Analisar o ordenamento territorial no campo brasileiro, para concluir sobre seu
potencial para a economia nacional.

1. ASSUNTO 46: O processo de modernização da agricultura


Objetivos:
Analisar as consequências do processo de modernização da agricultura brasileira na organização de seu
espaço agrário
Apresentar as principais ações e incentivos do Estado na reorganização do campo brasileiro

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA): responsável pela gestão das políticas
públicas de estímulo à agropecuária, pelo fomento do agronegócio e pela regulação e normatização de serviços
vinculados ao setor.

Agronegócio: contempla o pequeno, o médio e o grande produtor rural e reúne atividades de fornecimento de
bens e serviços à agricultura, produção agropecuária, processamento, transformação e distribuição de produtos
de origem agropecuária até o consumidor final.

O agronegócio foi responsável por 21,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018. (Fonte MAPA)
A Agropecuária foi responsável por 5,2% do PIB e 20% da PEA. (AT-3 2021)

Fatores para o crescimento do setor agrícola


- Investimentos em infraestrutura
- aumento da tecnologia
- aumento da demanda interna
- aumento da demanda internacional
- aspectos climáticos e tropicalização de culturas
- dinamismo empreendedor
- políticas macroeconômicas de estabilização

a. O processo de modernização da agricultura


Antecedentes:
- Nos anos de 1950 e 1970 o Brasil passou por um período de industrialização e desenvolvimento de
infraestrutura.
- Tal fato ocorreu através de empréstimos no exterior e endividamento do estado.
- O aumento da produção agrícola foi visto como solução para o aumento das exportações, do Produto
Interno Bruto e para a entrada de divisas no país.
- Nesse contexto ocorreu a modernização da agricultura brasileira, por meio de novas tecnologias,
mecanização, organismos geneticamente modificados (OGMs), preparação do solo, uso de fertilizantes
e pesticidas.
- Fases da modernização da agricultura:
- Primeira fase: revolução verde (décadas 1960-70)
149
- Segunda fase: agro-industrialização
- Terceira fase: formação dos complexos agro-industriais.
- CAI - integração dos 3 setores do agronegócio:
- Indústria para a Agropecuária (Adubos químicos / Sementes Modificadas / Máquinas / GPS) Ex:
Bayer, Monsanto, Agrale, John Deere
- Agropecuária (cultivo propriamente dito, mais rápida e Produtiva)
- Agroindústria (Processamento do Produto Colhido - Agregar Valor)
- Exemplo de CAI: Soja em Cascavel-PR, MATOPIBA, Vale do São Francisco
- A partir da Revolução Verde, o produtor do Sul migrou para o Centro Oeste visando produtividade
maior (Plantio da Soja). Esse foi o movimento da expansão da fronteira agrícola (desmatamento do
cerrado).
- Com a chegada da soja no Centro Oeste, a pecuária (já presente na região) migrou para a região Norte,
sendo responsável por parte do desmatamento da Amazônia.
- A partir da década de 1990, setor agrícola passou a ser o principal responsável pelo superávit da balança
comercial brasileira (de 1990 até 2017 aumento de quase 10x) - atualmente 50% da exportações
brasileiras.
- O Brasil foi se transformando em grande player no negócio agrícola global. (aumento na produção de
grãos).
- Revolução Verde (governos militares) - desenvolvimento de tecnologia em Universidades e centros de
pesquisa. Ex: EMBRAPA
- A produção agrícola voltada para exportação recebeu incentivos e financiamentos do Estado. Cultivo de
soja, trigo, café e laranja. Maior valor no mercado internacional.
- Investimento na aquisição de maquinário - grandes proprietários rurais.
- Aspectos negativos da modernização do campo: desemprego no campo, êxodo rural (urbanização),
poluição água e solo
- Entrada de Transnacionais - Insumos (Bayer e Cargill) e processamento de produtos (Nestlé, Unilever)
- Agricultura de exportação torna-se maior beneficiada pelos créditos e financiamentos rurais.

E Daí? Resultado: em 40 anos o Brasil passou de importador de produtos agrícolas para um dos maiores
exportadores mundiais.

- Do 1.0 ao 5.0
- “Agricultura 1.0”> cultivo era manual ou com tração animal.
- Agricultura “2.0”> A chegada do motor à combustão para tratores e máquinas, além do uso
intensivo de adubos químicos e pesticidas. Ex: Revolução Verde, Embrapa
- “agricultura 3.0”> Já nos anos 1990 vieram as primeiras análises por satélite, o uso de sementes
geneticamente modificadas. EX: OGM e transgênico.
- A Agricultura 4.0 > Cerca de 10 anos depois, anos 2000, refere-se a um conjunto de tecnologias
digitais de ponta integradas e conectadas por meio de softwares, sistemas e equipamentos capazes de
otimizar a produção agrícola, em todas as suas etapas.
- Agricultura 5.0 > Agora, começou a época de promessas de máquinas autônomas, drones,
conectividade rápida, agrupamento de dados como nunca foi visto e a internet das coisas. Tudo
controlado pelo celular.

- Processo de modernização da agropecuária na expressão econômica.


- O surgimento dos CAI’S
- A mecanização da agropecuária.
- O uso intensivo de agrotóxicos e defensivos agrícolas. O aumento da produtividade no campo em
diversas áreas do país. (Ex: laranja no interior de São Paulo)
- O efeito da biotecnologia na agropecuária.
150
- O aumento dos subsídios governamentais para a agricultura.
- A ação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A Embrapa gerou avanços
na agropecuária nacional devido às pesquisas e orientações de seus especialistas, através de suas unidades
distribuídas por todo o país. Destaque para o grande aumento da produção de soja no Brasil central.
- A expansão da fronteira agrícola (Cerrado e Amazônia). Os Programas de desenvolvimento do
governo, gerando a incorporação de novos espaços produtivos liderados pelo agronegócio empresarial
comercial. Destaque para o aumento da produtividade de soja no mercado nacional.
- A logística deficiente dos modais de transporte. Os modais vivenciam a falta de investimentos em
ferrovias e hidrovias resultam em custos mais elevados. Destaca-se que a perda de grãos (soja, café e trigo) é
um dos fatores que inibe um maior crescimento das exportações.
- A logística de armazenagem. A falta de silos para armazenamento de grãos. Ex: nos portos

- Processo de modernização da agropecuária na expressão psicossocial.


- A diminuição de postos de trabalho na produção agropecuária.
- O êxodo rural associado à modernização. (migração) A expansão da fronteira agrícola, bem como
mudanças sociais no campo, como o êxodo rural, disparidade de renda, e aumento da taxa de exploração da
força de trabalho, entre outros, resultam em uma problemática social. Destaca-se, em contrapartida, o aumento
da produtividade no campo brasileiro.
- A melhoria do padrão de vida (chegada de luz, água, internet, etc)
- A melhoria do padrão educacional da população. A modernização reformulou os padrões familiares
e sociais das regiões. Num primeiro momento, demonstrou a necessidade de um aprimoramento do manuseio
técnico para melhor uso da tecnologia oferecida. Destaca-se a formação de mão de obra mais qualificada a ser
aplicada na agricultura. Ex: SENAR.
- O aumento da produção de alimentos. O êxodo rural e a urbanização com a elevação do número de
população acabou por exigir maior produção de alimentos. Destaca-se o aumento da capacidade da agricultura
em produzir alimentos para o mercado interno.

b. As consequências do processo de modernização da agricultura brasileira na organização de seu


espaço agrário
- O aumento da produtividade do solo agrícola.
- O uso da técnica do plantio direto.
- A aplicação da revolução verde no meio rural.
- Intensificação do êxodo rural.
- Expansão da fronteira agrícola.
- Intensificação de políticas públicas no espaço agrário.
- Diminuição da produção de gêneros alimentícios para a pecuária.
- A ação da Embrapa no espaço agrário.
- Esgotamento dos solos.
- Contaminação causada pelo uso intensivo de fertilizantes.
- Maior centralização das terras (8% das propriedades geram 80% da produção)
- Estrutura fundiária desigual (50% das terras concentrada em 1% grandes proprietários)
- Surgimento dos CAI
- Desemprego.
- Poluição das águas
- Contaminação genética. Ex: Milho “Star link” nos EUA
- Reordenamento do campo a partir da industrialização - setores industriais exigem atividades agrícolas
fornecedoras de matéria-prima para produção.
- Surgimento de indústrias voltadas para produção de insumos e equipamentos agrícolas.
- O setor agrícola é o responsável pelo superávit da balança comercial (2019) - cerca de 50% das
exportações nacionais (PIB 2020 o setor primário foi o único que cresceu 2%)
151
- O Brasil é uma das grandes potências agrícolas do mundo. (grande produtor mundial de: soja, café,
laranja, proteína animal, milho…)
- aumento das tensões e conflitos no campo: expansão da fronteira agrícola colocou em choque
interesses dos grandes proprietários, agricultores familiares, posseiros, sem terra, ONGs, terra indígena.
Exemplo: MST, GreenPeace
- Fome, miséria e exclusão social: as cidades não estavam preparadas para receber tantos trabalhadores do
campo, que ficaram marginalizados na sociedade devido ao êxodo rural
- Deficiência na infraestrutura de transporte (ferrovias) e de armazenagem (silos): os investimentos e
obras de infraestrutura para o escoamento da produção não acompanharam o seu rápido crescimento.

c. As principais ações e incentivos do Estado na reorganização do campo brasileiro


1) Nordeste
a) Transposição do Rio São Francisco - proporcionar irrigação ao semi-árido nordestino
de estados como PE, PB, RN e CE.
b) AgroNordeste
(1) Impulsionar o desenvolvimento econômico e social sustentável na região nordeste
e desenvolver a capacidade produtiva dos pequenos agricultores
(2) Irrigação/ induzir novas formas de agricultura - assistência técnica
(3) estimular cadeias produtivas como fruticultura, apicultura, fibras de sisal e
ovinocultura
(4) SUDENE - Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste
(a) Fomentar o desenvolvimento includente e sustentável
(b) Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (2001) - recursos para SUDENE

2) Brasil
a) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR - capacitação e acompanhamento
técnico (máquinas condensadoras em Feira de Santana e Maceió)
b) Programa Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF) - programa do MAPA que
visa a otimização do uso da terra por meio da diversificação das atividades nela realizadas. Realiza acordo com
empresas privadas como Bradesco e John Deere - recuperação de pastagens
c) Plano Agrícola de baixa emissão de carbono (Plano ABC): redução da emissão de
gases de efeito estufa na agropecuária (Tratamento de dejetos de animais) - tecnologias de produção
sustentável.
d) Crédito rural: governo financia investimentos agropecuários - BNDES - Apoio às
atividades agropecuárias, incluindo a pesca, a aquicultura e a produção florestal, e agroindustriais -
financiamentos projetos de investimentos e para aquisição isolada de máquinas e equipamentos
e) Programa Nacional de fortalecimento da Agricultura familiar (PRONAF):
financiamento de projetos que estimulam a agricultura familiar (R$ 500 milhões, para construir ou reformar
suas casas).
f) Estatuto da Terra: lei que tem como objetivo realizar a reforma agrária e desenvolver a
agricultura (1964) - Definiu: Módulo Rural e Tamanho dos estabalecimentos.
g) Criação do Instituto Nacional de colonização e Reforma Agrária - INCRA (1970)
h) Programa Terra Class: EMBRAPA E INPE monitoram e qualificam os
desmatamentos na Amazônia.
i) Investimento em infraestrutura para o escoamento e armazenamento da produção
(BR-163, Ferrogrão)
j) Investimentos em pesquisa e desenvolvimento:
(1) EMBRAPA (Empresa pública, vinculada ao MAPA). Melhoria genética da soja e do
arroz nacional.

152
(2) Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER) dos Estados têm sido
fundamentais na pesquisa e no assessoramento agronômico.(AT-3 2021)
k) Governo Federal tem buscado uma aproximação com o Estado de Israel, na busca por
soluções tecnológicas para os problemas da agropecuária nacional. (AT-3 2021)
l) Plano Safra da Agricultura Familiar (fortalecer agricultura familiar e produção
sustentável - Recursos, inovação, sustentabilidade - 2020/2021)
m) Extensão rural - levar, diretamente, aos adultos e jovens do meio rural, ensinamentos
sobre a agricultura, pecuária e economia doméstica, visando modificar hábitos e atitudes da família, nos
aspectos técnico, econômico e social.
n) Agroenergia - incentivo aos produtores de etanol (lei de mistura etanol e gasolina - 27%
- Mandato de adição).

o) PLANAPO - Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica - orientações


para desenvolvimento sustentável (2016-2019)
p) Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019 - baixar a emissão de carbono
q) Fundo Amazônia (prevenção e monitoramento - desmatamento, uso sustentável,
preservação).
r) A Lei da Regularização Fundiária de 2017 - auxiliando na redução da quantidade de
latifúndios no País e favorecendo à produtividade no setor. (Desburocratização da regularização do acesso a
terra (Ex: Distribuição de títulos de posse por Bolsonaro.
s) DECRETO Nº 10.592/2020 - Regularização fundiária das terras da Amazônia.
t) Legislação Ambiental: Código Florestal e a obrigatoriedade da adoção da reserva legal
das propriedades rurais (área a ser preservada com vegetação nativa). (Expressão política)
(1) caráter restritivo à atividade agropecuária (cerceia o aproveitamento integral do
potencial agropecuário nacional) (AT3-2021).
(2) Governo busca a conciliação entre a necessidade do aumento da produção agropecuária e
a preservação do meio ambiente.
u) Isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), insumos e equipamentos
destinados à produção de leite e derivados, objetivando estimular a modernização da pecuária leiteira.
(AT3-2021)
v) Luz Para Todos, do Governo Federal, que viabiliza o fornecimento de energia elétrica
para o homem do campo.
w) Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER) - assessoramento
agronômico aos grandes e pequenos produtores rurais.
x) Política Nacional de Incentivo à Produção de Café de Qualidade - 2019. (AT3-2021)
y) Política Nacional de Incentivo à Ovinocaprinocultura - 2019. (AT3-2021)
z) Lei dos Agrotóxicos (Lei 7802/89) - altamente restritivo ao uso dos defensivos (8 anos -
outros países 18 a 24 meses)
(1) Projeto de Lei 6.299/2002, ainda em trâmite, que atualiza as regras sobre análise e
registro de agrotóxicos, visando a agilizar o processo de aprovação de novos produtos. (AT3-2021)
(2) De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura
(FAO), sem a utilização de defensivos agrícolas a perda da produção nacional poderia ser de 20% a 40%.

2. ASSUNTO 47: A estrutura fundiária brasileira


Objetivos:
Examinar os processos que caracterizam o quadro da distribuição de terras no Brasil
Apresentar as principais motivações e os desafios para a implementação da reforma agrária para o Brasil

a. A estrutura fundiária no Brasil

153
1) Estrutura fundiária é a forma como as propriedades rurais estão distribuídas, de acordo com suas
dimensões.
2) A estrutura fundiária brasileira é caracterizada pela concentração de grandes propriedades rurais.
3) Latifúndios que são 1% das propriedades com cerca de 50% das terras.
4) Legislação fundiária no Brasil privilegia a formação de pequenas e médias propriedades rurais e
a distribuição da terra para pequenos produtores agropecuários. (Expressão Política)

b. Dados da estrutura fundiária atual (censo Agro 2017)


1. 77% dos estabelecimentos são voltados para a agricultura familiar. Esses estabelecimentos
correspondem a 23% da área plantada e 23% da produção. A atividade ocupa 67% da população
empregada no campo.
2. Relação (agricultura familiar/total produzido por região) → Sul e Norte (40%), Nordeste (30%),
Sudeste (20%), Centro-Oeste (10%)
3. Cerca de 80% dos estabelecimentos têm até 50 hectares; 10% entre 50 e 100; 10% maior que 100
4. Divisão das áreas: 18% Lavouras, 45% pastagens, 33% matas
5. As grandes propriedades são responsáveis majoritariamente pela produção comercial de carne bovina,
soja, cana-de-açúcar e arroz. (AT3 - 2021)
6. As médias e pequenas propriedades são responsáveis pela produção de milho, batata, feijão, mandioca,
carnes suínas e de aves, ovos, leite, verduras, legumes e frutas. (AT3 - 2021)
7. A produção das médias e pequenas propriedades está voltada principalmente para o mercado interno e
tem impacto contundente no abastecimento do mercado interno e na fixação do homem no campo.
(AT3 - 2021)

8. Origens da concentração fundiária no Brasil:


9. Capitanias hereditárias - capitão donatário escolhido pela Coroa Portuguesa
10. Lei das sesmarias (1500-1822) - Terras adquiridas somente por doação
11. Plantation: mão-de-obra escrava, monocultura e latifúndio e exportação
12. Regime de Posse Livre (1822-1850) - Era permitido o acesso às terras consideradas livres. Não
deu certo porque a mão de obra rural era escrava e a presença do imigrante, à exceção do português,
ainda não era legalizada.
13. Lei Eusébio de Queiroz [1850]: proibiu o tráfico de escravos para o país. Resultado: preço do
escravo aumenta, tornando insustentável a escravidão. Fomento à imigração
14. Lei das terras (1850): a compra como a única forma de acesso à terra, aboliu as sesmarias.
Resultado: dificultou ainda mais o acesso à terra para grande parte da população.
15. Estatuto de terra [1964]. Finalidade reforma agrária.
- A estrutura fundiária foi estabelecida pelo Estatuto da Terra, em 1964.
- Criação do Módulo Rural (unidade de medida padrão) porção de terra que oferece subsistência a
uma família de 4 pessoas. Seu tamanho varia de acordo com local, clima e fertilidade da região
e produto cultivado.
16. A concentração na distribuição de terras permanece inalterada nos últimos 20 anos (1985-2006).
17. Nordeste, Centro-Oeste e Norte - regiões de maior concentração de terras
18. Amazônia - maiores latifúndios do país.
19. Processo de Grilagem - aquisição de terras públicas a partir de um conjunto de procurações falsas de
loteamentos vizinhos ao latifúndio (fator para concentração de terras)

c. Reforma agrária no Brasil


- Reforma agrária: reorganização da estrutura fundiária, favorecendo a distribuição mais justa e igualitária
de terras.
154
- Maior desenvolvimento em meados Séc XX, com a criação da Superintendência Regional de Política
Agrária (SUPRA - 1962) e com o Estatuto da Terra (1964).
- Embate entre a regulamentação de minifúndios a pequenos agricultores e a manutenção da
produtividade dos latifúndios.
- A partir de 1970, o Instituto Nacional da Colonização e Reforma Agrária (INCRA) gerencia o processo
de reforma agrária no Brasil.
- Governo Atual: criou medidas para facilitar a obtenção de títulos de posse de terra (digitalização /
desburocratização).
- Lei da Regularização Fundiária de 2017 - Tem auxiliado na redução da quantidade de latifúndios no
País e favorecido à produtividade no setor, além do acesso à terra pelo pequeno produtor. (Expressão
Política)
-

d. Problemas no Solo
- Queimadas
- Desmatamento
- Criação de pasto para animal
- plantações indevidas
- uso de agrotóxicos
- poluição de mares e rios
- erosão (degradação solos e rochas)
E daí: pode comprometer biodiversidade de flora e fauna/ pode ocorrer deslizamentos, enchentes, assoreamento
de rios.

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DA REFORMA AGRÁRIA


- Implantar modelos sócio-econômicos compatíveis com as potencialidades de cada bioma
- Fomentar a integração dos espaços
- Manter as atuais reservas ambientais
- Recuperar e desenvolver de forma sustentável os assentamentos existentes
- Ampliar a atividade Agrícola Nacional.

- Vantagens/Motivações decorrentes do processo de reforma agrária para a sociedade brasileira


- Regulamentação da atividade (INCRA);
- Aumento de produção nos latifúndios - Risco de desapropriação fez o latifúndio buscar produzir em
toda área;
- Transferência de tecnologia por empresa estatal - Apoio EMBRAPA;
- Plano Safra 2014/2015 - aumento linha de créditos agricultura familiar;
- Investimento na educação dos assentados - Inclusão Social;
- Regulamentação do Módulo Rural - aumento da produtividade, estabilidade econômica e bem estar
agricultor;
- Impossibilidade de desapropriação de terras produtivas - Art 185 CF (Função Social da terra)
- Surgimento de Cooperativas pelo Brasil;
- Aumento da produtividade com a mecanização da lavoura - Graças a facilidade de crédito;
- Geração de trabalho e renda;
- Combate à fome e miséria;
- Redução do êxodo rural;
- Interiorização dos serviços públicos básicos
- Diminuição dos movimentos sociais - MST

- Óbices/Desafios decorrentes do processo de reforma agrária para a sociedade brasileira


155
- Conflito social no campo lentidão do processo, burocracias e ideologias geram tensões e conflitos
- Êxodo rural - Reforma Agrária, porém sem infraestrutura
- Diminuição de postos de trabalho - mecanização
- Planos de contingência incipientes em caso de grandes intempéries
- Desamparo de encargos sociais para os trabalhadores temporários
- Surgimento das fazendas especializadas utilizando grande quantidade de produtos químicos
- Aumento do desmatamento da Floresta Amazônica
- Aumento da inflação derivada da insegurança alimentar - falta de produtos no mercado interno
- Contratação de trabalhadores temporários: nova preferência dos latifúndios sem vínculo de
emprego
- Grilagem de terras: obtenção de terras públicas a partir de documentos falsos
- Dificuldade no Fornecimento de infraestrutura de transporte adequada
- Limitada infraestrutura logística para armazenamento
- Unidades de conservação ambiental - Reservas indígenas e Áreas de Proteção Ambiental
- Reduzida quantidade de propriedades improdutivas

AMAZÔNIA LEGAL

EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA NA AMAZÔNIA AT1 PEP 2019


- A Expansão da Fronteira agrícola é o resultado da migração interna a partir da região Sul brasileira, passando
pelo centro-oeste e incorporando novas áreas da Amazônia
- Predomínio no Sul da Amazônia Legal - agricultura moderna de soja e outros grãos - CAI
- Abundância de água - favorece a agricultura
- Extensa Malha Hidroviária - favorece escoamento da produção
- Bons portos para escoamento da produção: Miritituba, Santarém e Santana
- Potencial hídrico para geração de energia - favorece a expansão da agricultura
- Integração sul-americana - Amazônia é um espaço privilegiado para a integração econômica e logística do
Pacto Andino com o Mercosul
- Fortalecimento do "Eixo Amazonas" - Colômbia, Peru, Equador, Brasil - Rede eficiente de transporte entre a
Bacia Amazônica e o Litoral do Pacífico
- Saída para o mar - Foz do Rio Amazonas - escoamento

156
ATUAL CENÁRIO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NA AMAZÔNIA LEGAL - AT2 PEP2020
- Cerca de ⅓ da produção de soja do Brasil se concentra na Amazônia Legal (MT, TO, RO, PA, RR)
- Rebanho bovino em expansão - MT concentra cerca de 35% da criação de gado em toda a Amazônia Legal.
- Terra-Class - Parceria entre EMBRAPA e INPE - monitoramento e mapeamento das áreas desflorestadas da
Amazônia
- Amazônia 1

ATUAL CENÁRIO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NA AMAZÔNIA LEGAL - AF2 CP 2020


- Criação de Búfalos - 70% do rebanho nacional no PA. O Búfalo é menos oneroso que o gado e se adaptou
bem às áreas alagadas da Amazônia, ensejando grande potencialidade econômica para essa fronteira agrícola.
- Produção Agropecuária se encontra em expansão. Grande potencial
- Reservas de água doce - Bacia do Rio Amazonas e Aquífero Alter do Chão
- Monoculturas - exaustão do solo amazônico - uso de adubos e pesticidas - desequilíbrio de ecossistemas e
possibilidade de contaminação
- A inserção de animais domesticados no bioma amazônico causa a proliferação de doenças nos animais
nativos. Além disso, o extravio de animais (boi, porco, galinha e peixes) domesticados provoca impactos na
dinâmica da cadeia alimentar
- A compactação do solo, gerada pelo intenso uso de máquinas agrícolas, cria condições favoráveis para a
erosão.
- Em que pese a contundente contribuição do setor agropecuário amazônico para a economia nacional, mostra-
se irrefutável o elevado potencial de degradação ambiental

3. ASSUNTO 48: As relações de produção e de trabalho no campo


Objetivos:
Compreender as relações de produção e de trabalho no campo brasileiro
Apresentar os principais movimentos sociais no campo

a. As relações de produção e de trabalho no campo brasileiro


- A escravidão foi a primeira forma de relação de trabalho no campo.
- Com a vinda dos imigrantes teve-se o colonato (custeamento da vinda do imigrante pelo
Governo/proprietário).
- Somente no século XX o trabalho assalariado passou a estar presente
- Atualmente vive-se o problema dos assalariados temporários - cerca de 50% dos trabalhadores no
campo (Sazonalidade).

- Trabalho familiar: pequenos proprietários rurais com base no núcleo familiar


- Cerca de 70% dos trabalhadores rurais
- produz cerca de 70% dos produtos consumidos no mercado interno
- grandes empresas (Perdigão e Sadia) incorporam a estrutura para produção de aves e suínos.
- Cooperativas agrícolas: grupo de pequenos proprietários que se unem com objetivo de
compartilhar infraestrutura de armazenamento e transporte e obter vantagens na negociação de seus
produtos.
- A Agricultura familiar reduz o fluxo migratório - êxodo rural
- A modernização do campo fez predominar o trabalho assalariado.

- Relações de trabalho:
- Trabalho assalariado permanente (cerca de 10% da mão-de-obra rural)
> Ocupam posições fixas
> Administradores e tratoristas
> Salário e direitos trabalhistas
157
- Trabalho assalariado temporário (ex: bóias-frias)
> Sem salário fixo
> Contrato por período de colheita (recebem por tarefa realizada)
> Sem garantias trabalhistas
> Modernização do campo fez crescer esse tipo de relação trabalhista

- Modernização do campo vem mudando as relações de trabalho:


● Houve o aumento da comercialização de máquinas no Séc XXI
● As máquinas substituíram a mão-de-obra humana. Grandes lavouras de grãos já se encontram
100% mecanizadas.
● Necessidade de mão de obra qualificada para operar o maquinário (capacitação).
● Os trabalhadores que se qualificam são empregados em outros setores.
● Tx de desemprego no campo é menor que na cidade.

b. Principais movimentos sociais no campo


- Ligas Camponesas (1940-1960) [orientada pelo PCB]
- Pastoral da Terra (1975)
(1) Ordem dos Bispos - Ponte de conversa com o Gov Mil
(2) Diálogo com o Governo
- Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST (1984)
(1) Origem: Cascavel-PR (1984)
(2) Agenda: reforma agrária, luta pela terra, transformação social
(3) Atuação: ocupações, assentamentos. Após a ocupação exige do Estado
infraestrutura como rede elétrica.
(4) Estratégia da invasão (idéia de produtividade)
(5) Principais casos:
(a) Caso de Corumbiara - RO (1995) - 12 mortes
(b) Caso de Eldorado dos Carajás - PA (1996) - 19 mortes
(c) Caso do Bico do Papagaio - TO, PA e MA
(d) MAPITOBA (Região de maior violência no Campo) - Ação do
Banditismo de Jagunços
- Posseiros X Grileiros
(1) Posseiros - Usucapião (Só pode ser feito uma vez)
(2) Grileiro - Falsificador (Costumam ser autoridades)

- Gato e a Escravidão por Dívida


(1) Gato: Engana o trabalhador e a família - endivida o “escravo”
(2) Escravo por Dívida
(3) Ação de Jagunços

- Reservas Indígenas
(1) 12% do território é para reservas indígenas
(2) Ação de ONGs (na área Raposa Serra do Sol) - Nióbio e a maior jazida de ouro
(3) FUNAI (1967) - Indígenas
(4) IBAMA - Reservas
(5) Antagonismo com madeireiras ilegais e Garimpos

158
4. ASSUNTO 49: A produção agropecuária brasileira
Objetivos:
Compreender os principais aspectos da produção agropecuária brasileira
Interpretar as consequências do modelo agrário-exportador para a segurança alimentar
Apresentar os aspectos positivos e os óbices para a utilização de organismos geneticamente modificados

IC: O setor agropecuário abarca o rol de atividades produtivas ligadas ao cultivo de vegetais e à criação animal,
enquadradas no setor primário da economia. (AT3-2021)
Espaço contextualizado: O posicionamento continental brasileiro, na porção centro-oriental da América do Sul
e sua extensão territorial portentosa reúnem um rol de condições fisiográficas peculiares, propícias ao seu
desenvolvimento agropecuário.

a. A produção agropecuária brasileira


- https://www.foodchainid.com/br/principais-produtos-agricolas-exportados-pelo-brasil/
- https://www.coladaweb.com/geografia-do-brasil/produtos-agricolas-brasileiros
- https://blog.ruralvende.com.br/os-5-principais-produtos-agricolas-no-brasil/

- Brasil entrou no Acordo de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (1994):


- Âmbito OMC
- Estabelece medidas a serem adotadas pelos países com a finalidade de assegurar a qualidade dos
produtos comercializados internamente e para o exterior.

- Dados:
- Agropecuária 5% PIB (agronegócio 21%)
- 20% da força de trabalho (PEA)
- ¼ da PEA empregado no agronegócio
- O Brasil utiliza somente 7,6% de seu território para a agricultura.
- Cerca de 50% das exportações no Brasil
- O Brasil é um dos maiores exportadores de: soja, carne bovina, frango, café, açúcar, suco de laranja e
etanol de cana. (Soja - Ultrapassou os EUA em 2018)
- Nas relações exteriores, o setor agropecuário nacional tem considerável protagonismo.
- Segurança alimentar mundial.
- Influencia os preços praticados nos “commodities” rurais.
- Brasil é o um dos maiores exportadores de produtos agropecuário (UE, EUA, Brasil, China) link
- Principais destinos: China 35%, União europeia 17%, Estados Unidos 7%.
- Principais produtos para consumo interno: arroz, feijão, carne de frango, milho, trigo.
- O potencial de expansão da agricultura, especialmente na região do cerrado - 90 milhões de hectares ou
10,5% do território (áreas agricultáveis disponíveis e ainda não utilizadas). (AT3-2021)

- Pressão de Grupos na questão ambiental - Contraponto às práticas consagradas na agropecuária de


mercado. (Expressão Política) - (AT3-2021)
- proibição de pesticidas, da adubação química e da utilização sistemática dos recursos hídricos
pelo setor agropecuário comercial).
- Atuação nas casas legislativas - normas de fiscalização mais rígidas (limitou o potencial agrícola
brasileiro). Preceitos da sustentabilidade.

- ONU e a agenda ambiental. (Expressão Política) (AT3-2021)


- Agenda 2030 - desenvolvimento sustentável.
159
- uso razoável dos recursos da terra e da preservação das espécies e os habitats naturais.
- Afetado o setor agropecuário brasileiro ao refletir, na política interna brasileira, os
imperativos da sustentabilidade e na viabilização de novas fronteiras agrícolas.
E daí: Pode-se depreender preliminarmente que a política doméstica e internacional relacionam-se com
o setor agropecuário brasileiro sob o viés do binômio sustentabilidade-produtividade.

- Agricultura temporária (cultura de curta e média duração):


- Soja, milho e trigo
- maior custo

- Agricultura permanente (cultura de longa duração)


- Café
- Laranja
- menor custo

- Pecuária
- mais de 210 milhões de gados
- 30 bilhões de litros de leite

- Aves
- Maior rebanho (1,45 bilhão de cabeças)

- Trabalhadores e equipamentos
- 15 milhões de empregados (queda de 1,5 milhão entre 2006 e 2017)
- Tratores cresceu cerca de 50%
- Uso de agrotóxicos (Bolsonaro 2019 - proposta para reavaliação do uso de agrotóxicos, visando maior
liberação de produtos)
- Uso da irrigação (gotejamento no NE)
- Aumento no uso de internet e telefone no campo

INFRAESTRUTURA INFRAESTRUTURA
PRODUTO REGIÃO EXPORTAÇÃO
TRANSPORTE PORTOS

CANA Sudeste (SP = 70% BR-116 Porto Santos China, Indonésia,


Muller prod BR) BR-101 Porto Rio de Janeiro Índia, Arábia Saudita
e Nigéria.
Etanol da cana - EUA

CAFÉ Sudeste BR-116 Porto de Santos EUA, Alemanha,


dos anjos Japão e Turquia

SOJA Centro Oeste BR 163 - Porto Miritituba CHINA(80%) e UE


pic Ferrovia Norte-Sul Porto Belém
Porto de Itaqui

CARNE Sul (RS = 20% BR 262 Porto Paranaguá (SC) China


BOVINA prod BR) BR 290 Porto de SFS UE
jonas Centro-Oeste BR 116 Porto de Vitória Rússia
Pará BR 101 Porto de Santarém Egito
Rondônia BR 163
160
CARNE Sul, Sudeste e BR 290 - BR 101 Porto Paranaguá (SC) Rússia
SUÍNA Centro-Oeste BR 262 Porto de SFS Hong Kong
flama BR 153 Porto de Vitória Angola
Porto de Ilhéus

FRANGO Sul, Sudeste e BR 290 - BR 101 Porto Paranaguá (SC) China


ferr Centro-Oeste BR 262 Porto de SFS Arábia Saudita
Porto de Vitória Japão
Porto de Ilheus EUA

FUMO Sul - Canguçu/RS e BR 290 - BR 101 Porto Paranaguá (SC) 1 - BÉLGICA


90% Venâncio Aires/RS 2- EUA
exportação 3 - CHINA
10% RS pcp - Vale do
mercado Rio Pardo
interno

MILHO Centro-Oeste, Sul e - BR 101 (Santos) Porto de Santos Japão, Irã, Vietnã,
mateus Sudeste - Rodovia Anchieta- Porto Paranaguá (PR) Coreia do Sul e Egito
*Maior produtor: Imigrantes(Santos) Porto de Itaqui - MA
SC - BR 163 (Itaqui) (Arco Norte)
- Ferrovia Norte-Sul Porto de Miritituba
(Itaqui) (PA)
- BR 277 (Paranaguá)
- Ferrovia Paranaguá

LARANJA Sao Paulo (77%), Sistema Rdv Porto de Santos Bélgica, Holanda,
Nardi Paraná e Minas Br 116, Rdv EUA, China e RU
Gerais Washington Luís (SP- (2020)
310) e Rdv
Anhanguera (SP-330)

Algodão Maranhão China, Vietnã,


Paquistão

https://www.embrapa.br/macrologistica

161
- A Logística do Escoamento Produtivo
- Problemas na produção (desperdícios):
- armazenagem
- qualidade das rodovias
- modalidade de transporte e canal de comercialização - 2 bilhões de reais em perdas em
2015
- segurança pública
- intermodalidade (falta de conexão)
- excesso de rodoviarismo
- Custo de transporte de modais (do mais barato ao mais caro): Hidrovia, Ferrovia e Rodovia.
- A BR-101 Nordeste, BR-050, BR-262 Sudeste, BR-277 Sul e a Ferrovia Rumo Logística com
destino a Santos estão entre as rotas mais usadas para escoamento da cana-de-açúcar.
- Brasil é um país essencialmente rodoviário, 66% das cargas vão por rodovias.

1) Infraestrutura Ruim - perda de R$ 2 bi (EB AULA)


a) Safra milho/soja 2015. Perda de 1,3% da produção (2 bilhões de reais)
b) Exemplo: EUA gasta metade (US$ 56,00) do que Brasil (US$ 102,00) no transporte de
grãos até Porto de Xangai
c) Causas: deficiência Atv Log:
i) Armazenamento: 39%
ii) Transporte: 22%
d) Possíveis soluções:
i) Aumento da capacidade de armazenagem;
ii) Melhor qualidade da infraestrutura de armazenagem
iii) aumento da concorrência (concessões e privatizações)
iv) Melhoria condições das rodovias
v) Ampliação de modais mais eficientes: Hidroviário e Ferroviário
(1) 01 NAVIO = 2.000 CAMINHÕES

162
E daí (concessão trecho Ferrovia Norte-Sul entre São Paulo e Tocantins):
- redução custos (transporte e produtos)
- menor impacto ambiental
- redução de frota em estradas
- possibilidade de interligação com outros modais
- maior rapidez no escoamento

- Fronteiras agrícolas e o Nordeste Brasileiro (AT3- 2021)


- A cultura mais explorada na fronteira agrícola é a soja, sobretudo a transgênica, destinada à
exportação.
- Expansão dos complexos agroindustriais (CAI) - complementaram a cadeia do agronegócio de
exportação naquelas regiões, ampliando as ofertas de emprego no meio rural.

- Agropecuária no Nordeste Brasileiro (AT3-2021)


- Recebido atenção especial no que tange ao combate à seca crônica e à busca de soluções para atividade
rural local.
- Transposição do Rio São Francisco;
- Perfuração de poços artesianos no sertão semiárido.

163
- Recursos naturais (solo, clima, disponibilidade hídrica, etc) e agropecuária - eleva o potencial do Brasil.
(Expressão econômica) - (AT3-2021)
- Grande extensão de áreas agricultáveis;
- Recursos hídricos;
- Relevo sem grandes movimentos orográficos;
-Diversidade de climas com grande nível de insolação.

- Diferenças regionais e climáticas - possibilita grande diversidade de culturas agrícolas e de espécies de


rebanho. - (AT3-2021)

- Aspectos da produção agropecuária brasileira de alimentos voltada para o consumo interno (AT 1 -
2015)
- A produção das médias e pequenas propriedades está voltada principalmente para o mercado interno.
- O crescimento dos mercados urbanos favoreceu o cultivo de novos produtos e a ampliação das áreas
destinadas à produção agrícola para o mercado interno.
- A produção avícola e suína experimentou grande crescimento nos Estados de SC, RS e PR.
- O cultivo da soja, em rodízio com o trigo, cresceu nos Estados de SC, RS, PR e MS.
- Na última década foi a pecuária bovina a atividade que mais cresceu e se expandiu no território
brasileiro, impactando favoravelmente a economia brasileira.
- O Brasil de 1995 a 2005 dobrou a sua produção de grãos
- A produção de arroz é concentrada no sul do país.
- A produção do feijão está mais equilibrada no território nacional
- O Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (PLANSAN 2012-2015) contempla ações
voltadas para a produção, o fortalecimento da agricultura familiar e o abastecimento alimentar.
- Mercado interno.
- Crescimento dos mercados urbanos favoreceu o cultivo de novos produtos e ampliação das
áreas destinadas à produção agrícola para o mercado interno. O aumento populacional brasileiro, bem
como a melhoria do
padrão de vida (em virtude de programas sociais) e o consequente acesso a
produtos antes considerados supérfluos na mesa do brasileiro tornaram o
mercado interno uma opção atrativa para o produtor agrícola comercial. Como
destaques na produção, temos os itens da dieta básica brasileira, como o feijão,
arroz, o frango e a carne bovina. A produção de arroz, alimento básico da dieta
do cidadão brasileiro, é concentrada no sul do país. A produção do feijão está
mais equilibrada no território nacional. São impactantes igualmente no mercado
nacional o milho, a carne suína, o leite e o trigo.

- Principais produtos agropecuários do Brasil que contribuíram para o seu elevado crescimento neste
início do século XXI
- Cana-de-açúcar
- Café
- Soja
- Carne bovina
- Fumo
- Milho
- Cacau
- Carne de frango
- Carne suína
164
- Laranja

- Alimentos para a exportação (AF2 2017)


- Soja (21 % do total exportado no mundo) (CO e S)
- Carne de Frango (40 % do total exportado no mundo)
- Carne Bovina
- Cana-de-açúcar (SE, litoral NE, CO)
- Suco de laranja (SP e Triângulo Mineiro)
- Café (MG e SP)

- Alimentos para o mercado interno (AF2 2017)


- Farináceos (trigo e centeio)
- Feijão
- Carne Suína (Sul)
- Leite
- Carne de aves
- Milho (CO, SE e S)
- Arroz

- Reflexos da Agropecuária para o desenvolvimento do país (AT3 2021):


- Atuação do Estado Brasileiro tem concorrido para o acesso à terra pelo pequeno produtor
(incentivos, infraestrutura, internet).
- Favorece à agricultura de subsistência e o suprimento do mercado interno.
- Aumenta a oferta de alimentos. e, por conseguinte, potencializa o desenvolvimento
- As safras agrícolas e a produção pecuária têm atendido o mercado internacional e a população
brasileira.
- Especialização da mão de obra rural e a melhoria de seu padrão de vida.
- As CAI ampliaram as ofertas de emprego no meio rural.
- As divisas auferidas pelas exportações - cresceu a economia.
- Geração de emprego.
- Benefícios para população.

E daí: Infere-se parcialmente que o setor agropecuário brasileiro, na expressão econômica, encontra-se em
franca expansão, atendendo ao mercado interno e promovendo uma significativa captação de divisas com
exportações de “commodities rurais”. (AT3 2021)

E daí: O estágio atual de modernização da agropecuária exigiu uma melhoria na capacitação, mas elevou o
padrão de vida e as condições necessárias à fixação do homem do campo, ao mesmo tempo em que tornou a
alimentação mais acessível ao mercado interno em evolução, sendo portanto favorável ao desenvolvimento
humano do País.(AT3 2021)

b. Agropecuária e segurança alimentar (EbAula)


- Segurança alimentar: disponibilidade e acesso aos alimentos em quantidade e qualidade suficiente para
que você tenha uma vida saudável e ativa.
- Em 2014 o Brasil saiu do mapa da fome da ONU.
- Alimentação: um dos temas Agenda 2030 e previsto na CF/88.
- Brasil país de extremos: 7 milhões de pessoas com insegurança alimentar e 60% com sobrepeso.

165
- E daí: Conclui-se, parcialmente, que o Brasil, ao suprir vastos mercados consumidores (interno e
externo), interfere significativamente na segurança alimentar a nível nacional e global. (AT3-2021).

- Consequências do modelo agro exportador para a segurança alimentar:


- Maior suscetibilidade a pragas e doenças devido à monocultura
- A concentração de terra reduz a diversificação dos produtos monocultura
- Desabastecimento do mercado interno: foco no exterior.
- Redução da produção de produtos básicos (gera inflação- arroz 2020)
- Aumento do uso de agrotóxicos gerando alimentos com resíduos - Saúde
- O Governo adquire alimentos da agricultura familiar para segurança alimentar dos mais
necessitados.
- Programas - Merenda Escolar/ Bolsa Família

E daí: Conclui-se, parcialmente, que a crescente evolução do setor ao patamar atual tem sido favorável ao
desenvolvimento humano do País, ao captar divisas, promover o acesso à propriedade rural pelo pequeno
produtor e garantir segurança alimentar à população brasileira. (AT3-2021).

c. Agropecuária e biotecnologia
● Protocolo de Cartagena (2003): objetivo de assegurar a proteção adequada na transferência,
manuseio e uso de organismos vivos resultantes da tecnologia moderna
● Revolução verde: utilizou a biotecnologia para aumento da produção
● Organismos geneticamente modificados (OGM): Também chamados de transgênicos,
são aqueles produzidos pela engenharia genética, a partir da incorporação de genes de espécies que não
se reproduziram em condições naturais.
● País é o segundo maior semeador de transgênicos do mundo - impulsionou o agronegócio para a
exportação. (AT3-2021)
● A EMBRAPA atualmente vem preparando a proposta para modificar alguns itens na Lei de
Biossegurança (Lei 11105/2005) no sentido de desregulamentar a pesquisa e o uso comercial dos OGM.
(AT3-2021) - Expressão Política.
● O Brasil tem a 2ª maior área cultivada de produtos transgênicos no mundo (dado 2017).
Cerca de 60% das exportações de graõ s do Brasil saõ de produtos transgênicos. (EB Aula)
● Principais produtos com esta tecnologia no Brasil (dados 2017)
○ soja transgênica 97% do cultivo;
○ milho transgênico 90%;
○ algodão transgênico (algodão BT) 80%
○ Destaque para projetos de melhoramento genético de algodão e feijão da Embrapa

- Aspectos POSITIVOS do uso de organismos geneticamente modificados:


- Plantas maiores e mais resistentes
- Tempo de maturação menor
- Aumento da produtividade
- Redução do uso de agrotóxico
- Redução do uso de terras, maior produtividade
- Capacidade de corrigir artificialmente características de plantas e animais, de modo a aprimorar
a qualidade
- Permite o desenvolvimento da cadeia produtiva agropecuária (agronegócio)
- Uso sustentável da terra
- Possibilita o aumento das exportações (maior tempo de conservação dos alimentos-soja)
166
- ÓBICES do uso de organismos geneticamente modificados:
- Risco a saúde humana (alergia e relações reações- milho Star Link)
- Poluição genética, dispersão para plantas comuns (danos ao mercado de alimentos livres de
transgênicos)
- O monopólio no controle de sementes por grandes empresas
- Surgimento de pragas mais resistentes
- Incerteza de impactos ambientais
- Desequilíbrio ecológico

167
RESUMO DO BUNKER - 2021

UD XIII – POPULAÇÃO NO BRASIL

OBJETIVO ENGLOBANTE: Comparar o crescimento, a estruturação e os fluxos migratórios da população


brasileira, para concluir sobre o ordenamento territorial nacional.

Conceitos
1) Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) - medida resumida do progresso: considera renda,
educação e saúde
a) Programa Governamental Criança Feliz - Ministério da Cidadania
b) Brasil ocupa a 84ª posição no ranking mundial - 2020
c) IDH Brasil 2020 - 0,765 (médio)
2) Índice de Pobreza Humana (IPH) - criado pela ONU em 1997, para medir a pobreza humana
baseada em três dimensões: longevidade, conhecimento e nível de vida
3) Taxa de Mortalidade Infantil: até 1 ano.
4) Taxa de Analfabetismo: Pessoas analfabetas com mais de 15 anos.
5) População Economicamente Ativa (PEA): população empregada + população desempregada que
está procurando emprego.
6) População Economicamente Inativa (PEI): aposentados, crianças, estudantes, domésticas.
7) Desemprego Estrutural: causado pela inovação tecnológica, ocorrendo em países industrializados.
Há a perda dos postos de trabalho, substituídos por máquinas.
8) Desemprego Conjuntural: causado por crises momentâneas, sem perda dos postos de trabalho.

1. ASSUNTO 50: O crescimento e a distribuição da população


Objetivos:
- Analisar o crescimento e a distribuição populacional brasileira

a. Crescimento da População
1) 1890 (1º Salto populacional)
a) Alta taxa natalidade
b) Pequena redução taxa de mortalidade
c) Chegada de imigrantes (portugueses, alemães, italianos, finlandeses)

2) 1940 - 1970 (aumento crescimento vegetativo)


a) Manutenção taxa de natalidade
b) Grande Redução taxa mortalidade
(1) Revolução médico-sanitária
(2) investimento em previdência social
(3) difusão medicina
(4) universalização ensino
(5) higiene social
(6) saneamento básico
(7) urbanização
(8) melhoria das condições de vida

3) Década 1970 (diminuição crescimento vegetativo)


a) Manutenção da baixa taxa de mortalidade
b) Redução taxa natalidade
(1) intensificação industrial do Brasil
(2) inclusão mão-de-obra feminina no mercado de trabalho
(3) Planejamento familiar - métodos contraceptivos
(4) Aumento do nível de instrução

168
4) Atualmente Branquinho
a) Crescimento vegetativo Brasil: 1,9%
b) taxa fecundidade: 2 filhos por mulher
c) Considera-se próxima de países desenvolvidos

E daí:
- Brasil está com redução na taxa de natalidade
- Brasil com aumento na expectativa de vida
- Brasil está com bônus demográfico (PIA maior que população idade não-ativa)
- Aumento na carga previdenciária
- Pirâmide característica de país emergente

E daí: A tendência brasileira é se igualar às pirâmides etárias dos países desenvolvidos.


- Aumento na expectativa de vida com o passar dos anos
- Aumento da natalidade até 2015 e depois redução
- redução taxa de mortalidade

b. Distribuição da população
1) Irregular no Brasil
2) Reflexo da ocupação e colonização território brasileiro (litoral mais povoado e interior rarefeito)
a) Região Norte: densidade 4 habitantes/km² (45%do território e 8% da população)
b) Região Sudeste: densidade 87 habitantes/km²
3) Taxa urbanização: cerca de 85% vivendo urbano (transição na década de 1970)
169
a) Contraste: RJ (96%) x Piauí (62%)
4) Urbanização contribui para aumento na expectativa de vida
5) Mercado de trabalho (Ebaula)
a) Impactos envelhecimento da população:
(a) Previdência e assistência social
(b) transportes
(c) educação
(d) consumo de bens e serviços
(e) habitação / mobilidade
(f) segurança pública
(g) saúde
(h) mercado de trabalho

b) Fatores para mudança na estrutura etária


- Fecundidade
- Mortalidade
- Migrações
- Guerras
- Epidemias

c) Redução Taxa fecundidade


- promoção planejamento familiar - Gastos com filhos
- inclusão mulher mercado de trabalho
- evolução na saúde reprodutiva
- Aumento do nível de instrução

d) Bônus demográfico
- Proporção População Idade Ativa (PIA) superior população idade inativa
- Brasil: iniciou na década 2010 e tem previsão de terminar em 2030.

e) Mão de obra Idosa


- Visualiza-se aumento uso mão de obra aposentada (menor custo e recebe menor salário)
- Idoso possui dificuldade de adaptar-se a novas tecnologias
- Idoso passa conhecimento aos mais jovens (coaching)
- Estatuto Idoso: maior de 60 anos

Distribuição por cor no Brasil


- Grande efetivo de negros no RJ e BA (Salvador) devido esses portos serem os principais no país
onde se realizava o comércio do tráfico de escravos.
- Grande concentração de brancos na Região Sul motivada pela política imigratória da República
Velha e semelhança com o clima europeu.

Analfabetismo
- Concentração maior analfabetos nas Regiões Norte e Nordeste:
- falta de infraestrutura de estradas (dificulta locomoção)
- dificuldade no acesso à internet (EaD)
- menor quantidade de Ensino Superior em relação ao Centro-Sul
- qualidade de vida menor
- renda per capita menor em relação ao Centro-Sul
- Trabalho infantil
- estrutura precária

Concentração Populacional no Litoral (faixa de 200 km)


- reflexo colonização portuguesa (extrativismo do pau-brasil e cana-de-açúcar)
- comércio com o tráfico de escravos (Colônia e Império)
- Sede de duas capitais no período colonial, império e República (Salvador e RJ)
- existência de melhor infraestrutura de estradas
170
- principais capitais estaduais
- concentração de universidades
- qualidade de vida
- concentração de indústrias (Camaçari, Rio de Janeiro)
- melhores oportunidades de empregos

Previdência Social
Reforma realizada em 2019, por meio da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 06
Motivos da Mudança:
- questões demográficas (inversão da pirâmide demográfica)
- queda taxa natalidade
- aumento da expectativa de vida
- crescimento da dívida pública (previdência como um dos fatores)
- altos gastos com previdência (cerca de 13% PIB)
- Diferença nos valores pagos (setor público privilegiado)

Principais Mudanças:
Idade mínima para todos: 62 anos mulheres e 65 para homens
Tempo mínimo de contribuição: 15 anos para mulheres e 20 para homens
Igualdade do teto de valor a ser pago (setor público e privado)

2. ASSUNTO 51: Estrutura populacional


Objetivos:
- Interpretar a estrutura da população brasileira, a partir das expressões do Poder Nacional

a. Estrutura populacional do Brasil, no aspecto econômico


1) Predomínio de mulheres: 51,7% Mulheres e 48.3% homens
a) Diferença salarial entre os gêneros: Mulheres (R$ 1.868) Homens (R$ 2.410)
2) Composição étnica - Miscigenação de raças: 54% brancos; 39,9% pardos; 5,4% negros; 0,5%
amarelos; 0,2% indígenas.
a) Diferença de Renda entre Brancos e Negros.
b) O rendimento médio Brancos (R$ 2.814), Pardos (R$ 1.606) e Pretos (R$ 1.570).
3) Aumento da Força de Trabalho:
- Bônus ou Janela demográfica (descomplica) - Maior porcentagem da população na PEA:
- Brasil 65% da Pop está na PEA (descomplica)
- atração de investimentos externo
- Crescimento econômico x atual crise 2014
- Janela Demográfica - A previsão de aumento da PIA permite concluir aumento
da força de trabalho, gerando potencial econômico até os anos de 2050* em
função do BÔNUS DEMOGRÁFICO, quando o peso da pirâmide se inverterá
pelo grande número de idosos. (2030 no EB aula)*

4) Alteração no Mercado:
- Consumo de bens e serviços
- Pirâmide atual:
- maior consumo tecnológico
- Inversão da Pirâmide nos próximo anos (década 2050)
- o idoso é menos consumista e mais pragmático
- Tendência de crescimento no setor de Saúde: farmacêutico, médico e
hospitalar e Planos de Saúde;
5) Reforma econômica dentro do sistema previdenciário - 2019 (Pol/Eco/Psi)
6) Ajustes no mercado de trabalho (envelhecimento na mão-de-obra)
7) Trabalhos informais: grande parte da mão-de-obra brasileira (um dos maiores do mundo)
171
8) Aposentados no mercado de trabalho - menores salários
9) Crescimento do número de idosos:
a) Transporte:
(1) Mobilidade urbana
(2) Reserva de assentos
(3) Gratuidade para maiores de 65 anos
(4) prioridade de embarque e desembarque
(5) Acessibilidade

b. Estrutura populacional do Brasil, no aspecto Político


1) Políticas Públicas de Desenvolvimento Urbano (municípios) - Curitiba
2) Políticas Públicas para a população jovem
a) Pico da população jovem em fase escolar entre os anos 2010 e 2020, seguido de suave queda até
os anos 2030.
b) Necessidade de investimento na educação pública, pois há a concentração da população jovem
na camada mais pobre (PRONATEC, FIES)

3) Políticas para a PEA


a) São necessárias devido o seu aumento até 2050, atingindo cerca de 180 mi hab.
b) Buscar aumentar a oferta de empregos.
c) A emigração das últimas décadas não surtiu efeito no desemprego.
d) Reforma Trabalhista (2020)
(1) A maior flexibilidade favorece o aumento dos empregos formais.
(2) A desobrigatoriedade do imposto sindical favorece a contratação de novos funcionários.

4) Crescimento de idoso:
a) Lei de Acessibilidade (2000)
b) Lei 1048 (2000) - Atendimento Prioritário
c) Estatuto do Idoso (2003):
(1) Gratuidade de transporte
(2) Benefícios tarifários
(3) Prioridades de atendimento
(4) CF/88 - responsabilidade do município (acessibilidade)
d) A construção de condomínios públicos adaptados para idosos de baixa renda (Residencial Cidade
Madura - PB)
5) Reforma da Previdência (2019)
6) Segurança Pública - Postura do Presidente e Governadores na eleição de 2018 (Pol/Psi)
a) o índice de criminalidade é mais presente entre pessoas jovens
(1) Redução de cerca de 23% na taxa de homicídios no Brasil
(2) Redução da criminalidade - Tendência maior no envelhecimento populacional -
principalmente o masculino
7) Programas de esclarecimento sobre o controle familiar - Propagandas? Inserção de assuntos na
grade escolar?
8) Política de Estímulo à Imigração (Séc XIX)

c. Estrutura populacional do Brasil, no aspecto militar


1) Tendência de redução do efetivo disponível para recrutamento
2) Tendência de aumento do nível educacional do EV
3) Transformações legais dentro da pensão militar
4) Reestruturação da carreira
172
5) vivificação das fronteiras produtivas, Roraima e Centro Oeste
6) Presença nacional

d. estrutura populacional do Brasil, no aspecto psicossocial


1) 12,5 milhões de brasileiros (6,7%) possuem alguma deficiência (enxergar, ouvir, caminhar ou subir
degraus, ou tem deficiência mental/ intelectual)
a) Acarreta necessidade de políticas quanto à acessibilidade e inclusão social.
b) 11,7% frota totalmente adaptada para a acessibilidade de pessoas com deficiência /48,8% frota
parcialmente adaptada.
2) Queda na mortalidade infantil desde os anos 70 - RS com a menor taxa do País
3) Composição por sexo (branquinho)
a) Média nacional - 100 mulheres para 95 homens (homem vive menos devido violência urbana,
acidente cardiovascular e acidente de trânsito)
b) Predomínio feminino no interior do NE, devido ao êxodo da PEA Masculino.
c) Predomínio feminino após os 60 anos de idade
i) Maior expectativa de vida e menor exposição à violência
4) Composição étnica marcada pela miscigenação
5) A melhoria no IDH (renda, escolaridade e saúde) desde os anos 70

6) Fases da transição demográfica brasileira


a) 1ª Fase - CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO
i) Até meados dos anos 70
ii) Queda na Tx de mortalidade
iii) Aumento da Tx de fecundidade
b) 2 ª Fase - DESACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO
i) Até meados dos anos 2040
ii) Queda na Tx de fecundidade
iii) Brasil apresentou queda mais acentuada que a média dos países desenvolvidos,
principalmente nos anos 80.
c) 3ª Fase - ESTACIONÁRIA
i) Até o início dos anos 2060
ii) Pop para de crescer
iii) Expectativa de 255 mil hab em 2050
iv) Envelhecimento da população. Cerca de 49 mi de idosos em 2050 (gráfico em formato de
tubo.
d) 4ª Fase - DECLÍNIO
i) Após 2063
ii) Queda da população

7) Impactos da atual estrutura populacional brasileira


a) Previdência e assistência Social
b) Educação
(1) Adaptação ao idoso dos sistemas informatizados
(2) População: + tempo de estudo - tempo PEA - retarda o início da contribuição para
previdência
(3) A inversão da pirâmide significa menos gastos com educação jovem
(4) Os mais velhos sendo empregados na função de Mentoring
(5) A estabilização e queda no crescimento da população jovem nos anos de 2020
acarretará na maior oferta per capita de recursos investidos na área da educação.
c) Saúde:
173
(1) Aumento gastos na saúde com idosos.
(2) Transformação no sistema de saúde com o envelhecimento população (estrutura x tipo
atendimento)
(3) A redução da pressão demográfica sobre o sistema de saúde permite o enfoque da
melhoria do serviço em detrimento da expansão da infraestrutura.

d) Habitação:
(1) A população tende a viver com seus pais em suas casas por mais tempo - muda a
estrutura da habitação)
- Minha Casa Minha Vida para idosos (financiamento até 80 anos de idade)
- Caso do Residencial "Cidade Madura" na PB (Condomínio para idosos de 60
anos em diante) (aluguel solidário)
- República de Idosos

e) Trabalho:
(1) Aumento da expectativa de Sobrevida
- Após aposentadoria - 20% regressa ao mercado de trabalho (mão-de-obra +
barata)
- Disputa com os jovens
- Estabilidade + Experiência x Tecnologia + especialização
- Impactos nos índices de desemprego (desocupados PEA)
- Vantagens na contratação dos idosos:
- Experiência
- Responsabilidade
- Cultura Organizacional
- Diversidade de idéias
- Lealdade à empresa

- Desvantagens na contratação dos idosos


- Inflexível a mudanças
- Dificuldade com inovações tecnológicas
- Defasagem na atualização do mercado
- Acomodação dentro do cargo
- Dificuldade de reconhecer a liderança empresarial

(2) Trabalho feminino


- Se aposenta mais cedo
- recebimento de pensões
- Maior tempo na velhice (expectativa de sobrevida)

(3) A redução esperada do número de jovens favorecerá a entrada no mercado de trabalho

f) Outras Ideias do Campo Psicossocial


- Adaptações na mobilidade urbana - envelhecimento pop
- Qualidade de calçadas
- Semáforos inteligentes (Caso de Curitiba do Semáforo mais lento)
- Impactos nas gratuidades futuras (pouca arrecadação das empresas 2030 -
impacto de 13% na tarifa para jovens)
- Adaptação cultural das capacidades e limitações dos idosos
- Distribuição irregular da população em relação ao IDH dentro das Macrorregiões
174
- Urbanização demanda saneamento às populações

3. ASSUNTO 52: Migrações internas e externas


Objetivos:
Compreender os diferentes fluxos migratórios e suas relações com as Expressões do Poder Nacional

a. Considerações Gerais
1) Fluxo imigratório foi maior que o emigratório até 1980. Em 1990, forte Emigração,
principalmente para EUA, Japão, Paraguai, Europa.
2) Pode-se identificar quatro importantes períodos de fluxos imigratórios para o Brasil.
a) 1º: 1530 a 1808: imigração forçada de africanos para trabalho escravo;
b) 2º: 1808 a 1850: Abertura dos portos, fluxo de Portugueses dos Açores, Alemães e Suíços;
c) 3º: 1850 a 1934: Leis que incentivaram a imigração (Eusébio de Queiroz e Lei de Terras)
maior fluxo, (portugueses, italianos, alemães, eslavos) → Fuga de guerra e crises na Europa, Cafeicultura e
industrialização proeminentes no Brasil, regime de "Colonato";
d) 4º: 1934 - hoje: Lei de cotas para imigração (retração nos fluxos migratórios); menos empregos
por conta da crise de 1929;

b. Migrações Internas
1) Migrações para atender a demanda de mão-de-obra:
2) Nordeste → Centro-Sul, de 1960 a 1980, para a crescente indústria e fugindo das condições
precárias e da concentração fundiária no NE;
3) Nordeste e Centro-Sul → Amazônia: durante o ciclo da Borracha, em meados do Século
XX;
4) Êxodo Rural: processo se iniciou nos anos 50, fruto da modernização do Campo. Em 1970 o
Brasil era majoritariamente urbano; em 1990, todas as regiões tinham maioria vivendo nas cidades. Atualmente,
84% da população é urbana. No Sudeste, 93% urbana; No Nordeste, 26% Rural;
5) Expansão da Fronteira Agrícola: 1930-50, do Sul para o Centro-Oeste e depois Norte, em busca
de terras livres e baratas;
6) Exploração de recursos minerais na Amazônia (garimpo - Serra Pelada e Carajás) entre 1960 e
1990;
7) Migração de Retorno: Ex: Do Sudeste para o Nordeste, a partir da década de 80, intensificada
nos anos 2000. Inchaço urbano, integração territorial, desconcentração industrial, recuperação econômica
nordestina;
8) Migração intrarregional: principalmente dos grandes centros para cidades no interior, motivada
pela desconcentração industrial e inchaço urbano (indústrias no Vale do Paraíba);
9) Migração Pendular: Mora nas cidades do entorno, trabalha na cidade grande (Ex: ABC Paulista,
Grande Rio)
10) Nordeste e Sul são as regiões com maior porcentagem de população natural (97% e 94%)
11) Centro-Oeste, menor porcentagem de população natural (67%). 30% migrantes, 22% do
Nordeste e Sudeste;
12) Em 2007, 54% dos emigrantes eram do Nordeste, ⅔ desses viviam no Sudeste;
13) 20% dos emigrantes eram do Sudeste, ⅓ vivendo no Centro-Oeste;

c. Migrações externas
1) Imigração
a) Fatores de Repulsão na Europa: guerras (unificações Alemã e Italiana); Guerras Mundiais;
Desemprego e difícil acesso a terra, crise econômica 1929.

175
b) Fatores de Atração no Brasil: Indústria e Agricultura carentes de mão-de-obra, facilidade de
acesso a terra, Brasil não foi atingido diretamente pelas guerras;
c) Lei de Acesso a terras, dificultou o acesso a terra.
d) Regime de Colonato: Imigrante pagava pelo uso da terra (semi-escravidão) a partir de 1850;
e) Posteriormente Imigrantes passaram a ser subsidiados (Governo pagava ao fazendeiro os custos
para trazer o imigrante e auxiliava no sustento por um ano);
f) Vantagens: expertise nas técnicas utilizadas na agricultura e indústria;
g) Ao Longo do Século XX os imigrantes participaram da urbanização, atuando no comércio
(1) Rio de Janeiro - Portugueses
(2) São Paulo - Japoneses, Sírio-Libaneses, Judeus, Italianos, Chineses e Coreanos
h) Novos Fluxos: Onda neoliberal pós-1990: Coreanos, Chineses, Latino-Americanos e Africanos
i) Haitianos a partir de 2010: Terremoto, Cólera, Problemas Sociais, aproximação pela presença
brasileira (MINUSTAH). Entrada pelo Acre e Amazonas, Necessidade de interiorização para evitar problemas
sociais nesses estados;
j) Venezuelanos: a partir de 2015, em Roraima, desencadeamento da Op Acolhida. Surgimento de
problemas Sociais e antagonismos no Estado, Questão da hidrelétrica de Guri (interrupção do fornecimento de
energia); Operação acolhida prossegue ocorrendo;
2) Emigração
a) Após a década de 1980: EUA, Paraguai, Japão e Europa (devido crise econômica no Brasil,
materializado por década perdida, moratória e planos econômicos (Cruzado))
b) Emigrantes brasileiros da década de 1990 eram em geral constituídos por jovens de classe
média, com escolaridade nível médio, comerciários, bancários, professores do ensino fundamental ou médio,
além de empreendedores da Agricultura, Comércio e Serviços;

4. ASSUNTO 53: Fatores psicossociais de relevância


Objetivos:
Analisar a atuação dos fatores psicossociais de relevância para o desenvolvimento do País

9) Expectativa de vida:
a) Brasileiro 76 anos
b) Homem 72 anos
c) Mulher 79 anos

a. Taxas:
1) Obesidade: 26%
2) Índice Natalidade: 1,7 filho/ mulher
3) Alfabetização: 99%
4) Adultos com Ensino Médio: 48,8%
5) Mortalidade Infantil: 12
6) Leito UTI/ 1000 habitantes: 2
7) Médico/ 1000 habitantes: 4,31
8) Densidade Demográfica: 24

b. Fatores psicossociais de relevância (POPO)


1) Envelhecimento Populacional
a) Gastos públicos com Previdência Social e Saúde
b) Formas de mitigar seus efeitos:
i) Favorecer a reprodução (mulher no mercado - Ex: aumento de licença maternidade)
ii) Reduzir custo de educação
iii) Facilitar acesso à tecnologia reprodutiva
176
2) Migrações
a) Internas - Mudança dos ciclos econômicos/ modernização do campo (Ex: Nordestinos para
Sudeste e Norte)
b) Externas - Mão-de-obra (substituição do escravo)/ Busca de melhores condições de vida (Ex:
Europeus a partir de 1850)
3) Trabalho
a) Governo investe em infraestrutura, incentiva política de distribuição de rendas, incentiva a
construção civil e reduz impostos da cadeia produtiva industrial, tudo para conter o desemprego
no Brasil (Ex: Construção de malha viária, Bolsa Família, construção de edificações,etc)
b) Essas ações governamentais aumentam a renda e consumo da família, movimentando a
economia brasileira
c) Surgimento de mão-de-obra qualificada, causada pela inovação tecnológica
d) A Lei Orgânica de Assistência Social 2011 - Instituiu o Programa de Erradicação do Trabalho
Infantil (PETI)

4) Habitação
a) Melhoria das condições de habitação verificada com o declínio da mortalidade infantil e o
aumento relativo do número de domicílios com saneamento básico adequado.
b) Dificuldade nas grandes cidades por conta do crescimento desordenado (favelização)
c) Ação do Governo:
i) Programa Minha Casa, Minha Vida (Lula - 2009) MCMV - Ministério do
Desenvolvimento Regional - financiamento para aquisição de casa própria para
População de baixa renda
ii) Programa Casa Verde Amarela (Bolsonaro) - mais amplo que MCMV - regime
fundiário + melhoria habitacional e sanitária - prioridade Norte e Nordeste - Ministério
do Desenvolvimento Regional
5) Alimentação
a) Programa Brasil Sem Miséria
i) garantia de renda, para alívio imediato da situação de pobreza;
ii) acesso a serviços públicos, para melhorar as condições de educação, saúde e cidadania
das famílias;
iii) inclusão produtiva, para aumentar as capacidades e as oportunidades de trabalho e
geração de renda entre as famílias mais pobres do campo e da cidade.
b) Programa Fome Zero - assegurar o direito humano à alimentação adequada, promovendo a
segurança alimentar e nutricional
i) O Programa Bolsa Família (PBF) - Subordinado ao Fome Zero - programa de
transferência direta de renda com condicionalidades, que beneficia famílias em situação
de pobreza e extrema pobreza
(1) Pautado em 3 dimensões:
(a) transferência direta de renda para alívio da pobreza
(b) reforço ao exercício de direitos sociais básicos nas áreas de Saúde e
Educação (Ex: Acompanhamento do calendário de vacinação e frequência
escolar mínima)
(c) coordenação de programas complementares (Ex: alfabetização de adultos,
fornecimento de registro civil)

6) Assistência e Previdência Social


a) Programa “Criança Feliz”, criado pela prefeitura de Boa Vista. Atende famílias com crianças
de zero a seis anos - objetivo de garantir o desenvolvimento infantil integral na primeira
infância.
177
7) Turismo- geração de emprego e renda, assim como a criação de novos negócios e aumento da
produção de bens e serviços, uma vez que traz com ela, desenvolvimento às localidades, e possíveis
melhorias na infraestrutura.

8) Saúde
a) Reforço ao exercício de direitos sociais básicos nas áreas de Saúde (Ex: Acompanhamento do
calendário de vacinação)

9) Instrução e Educação
a) Melhoria no acesso à educação, mas persiste evasão no ensino médio, repetência e qualidade
média.
b) Avaliações internacionais indicam que o nível médio do desempenho escolar de alunos
brasileiros está bem próximo ao de vários países latino-americanos, mas bem abaixo dos níveis
educacionais observados para os países desenvolvidos.
c) Programas Governamentais
i) PRONATEC- Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego
ii) PECIM - Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares
iii) PNA - Programa Nacional de Alfabetização

d) Analfabetismo Funcional (15 anos ou mais, com menos de 4 anos de estudo)


i) Brasil: 6,8% (2018) - 11,3 milhões de analfabetos

10) Desequilíbrio Social


a) Elevado no Brasil, fruto de questões históricas, alta concentração fundiária e de renda.
Programas Assistencialistas (distribuição de renda) criados para mitigar os problemas (PBF).
b) Desigualdade na distribuição de renda (alta concentração)
c) Programas Governamentais
i) Bolsa Família
ii) Progredir - ações do governo federal para promover a autonomia, por meio da geração de
emprego e renda, das famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do
Governo Federal e beneficiárias do Programa Bolsa Família

11) Problemas socioambientais


a) Segregação e favelização são alguns dos principais problemas socioambientais urbanos.
b) Poluição excessiva pode causar pressões externas e problemas de saúde que afetam o
desenvolvimento.

Conclui-se, parcialmente, que o Brasil apresentou melhoria em alguns fatores psicossociais,


particularmente nas áreas de educação, saúde e renda. No entanto, tais fatores ainda constituem obstáculos para
o desenvolvimento do país.

5. LEGENDAS
ideias - BAREMA
ideias - dúvida
ideias - IMPORTANTE
Ideias - julgadas erradas
Responsável do assunto
E Daí?

178
BUNKER 2021

UD XIV - COMPLEXOS REGIONAIS

OBJETIVO ENGLOBANTE: Analisar o potencial dos complexos regionais brasileiros, para concluir
sobre sua importância para o desenvolvimento nacional.

ASSUNTO 54. Ordenamento territorial e desenvolvimento regional no Brasil


Objetivos:
Analisar o papel das ações estatais e do capital privado para o ordenamento do território e para o
desenvolvimento regional

a. Introdução ao Assunto:

1) A formação de arquipélagos econômicos foi motivada pela colonização.


2) Contribuiu na desigualdade de regiões brasileiras (produção focada no mercado externo,
o que prejudicou o desenvolvimento regional do interior).
3) Estudos acerca da questão regional no Brasil datam da década de 1950.
4) Em 1967, o geógrafo brasileiro Pedro Pinchas Geiger. Divisão regional do país, em três
regiões geoeconômicas ou complexos regionais.
5) Divisão por critérios geoeconômicos.

● Amazônia:
- Abarca 9 estados da Federação (Amazonas, Pará, Acre, Rondônia, Roraima,
Amapá, Tocantins e parte do Mato Grosso e do Maranhão) (AF 2 - 2020)
- Resumo: compreende todos os Estados da região Norte (com exceção do extremo
sul de Tocantins), o oeste do Maranhão e praticamente todo o Mato Grosso.
- 60% do território.

1
179
● Centro-Sul: estados da região Sul, a maior parte da região Sudeste (exceção do
Norte de MG) e partes da região Centro-Oeste e Norte. Cerca de 20% do território.
- O Centro Sul abrange as regiões Sul e Sudeste (exceto o norte de Minas Gerais),
Mato Grosso do Sul, sul de Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal e o sul de Tocantins.
AT 3 2015.

● Nordeste: praticamente composta pelos estados da região Nordeste, exceção do


oeste do MA, acrescido pelo norte de MG. Cerca de 20% do território

Complexos geoeconômicos Regiões pelo IBGE

6) Processo de globalização - maior fluidez do capital - estratégias de especialização


regional e a realizar uma maior fragmentação do espaço brasileiro.
7) Reestruturação produtiva
8) Desconcentração espacial a partir de 1940.
9) Disparidades no nível de desenvolvimento das suas macrorregiões.
10) Agricultura e a mineração: indutores para as regiões.

b. Papel das ações estatais para o ordenamento do território e desenvolvimento regional


Ordenamento territorial: Interação homem/espaço. Consiste no planeamento das ocupações, no
potencial do aproveitamento das infraestruturas existentes e no assegurar da preservação de recursos
limitados.
E daí? Complementa o papel do Estado

2
180
PAPEL AÇÃO EXEMPLO

Compensar e induzir regiões Planos Regionais de Superintendência de


menos privilegiadas ao desenvolvimento Desenvolvimento da Amazônia
desenvolvimento (SUDAM) , do Nordeste
(SUDENE), do Centro Oeste
(SUDECO)

Integrar os complexos regionais Investimento em infraestrutura Ferrovia N-S, Transamazônica


brasileiros (entre 1940 e 90 e FIOL, BR do MAR(cabotagem)
atual)

Integrar espaços nacionais ao Obras de integração Rodovia Bioceânica e


mercado externo (após 1990, Interoceânica (escoa produtos
neoliberalismo/consenso de pelo Oceano Índico)
washington) Obras na Bacia Paraná Paraguai

Estimular ao desenvolvimento Investimento no setor EMBRAPA


Científico Tecnológico agropecuária

Proporcionar mercado Participação em Blocos Acordos com China


consumidor internacional Econômicos e acordos Acordo Mercosul - UE
internacionais Acordo bilateral Índia - BR

Aumentar a competitividade do Participação em organismos OMC e G20 agrícola e o pleito


produto nacional no exterior internacionais pela redução de taxas de
importação e incentivos
agrícolas em países
desenvolvidos

Reduzir a concorrência interna Taxação de produtos importados Taxa de 60% para produtos
com produtos importados importados por pessoa física

Financiar o desenvolvimento Disponibilizar recursos para Fundo de desenvolvimento:


regional desenvolvimento com taxas - da Amazônia (FDA)
menores que o mercado - do Centro-Oeste (FDCO)
- do Nordeste (FDNE)

Elaborar políticas de governo / - Flexibilizar tarifas fiscais Zona Franca de Manaus


de Estado - Distribuição de renda Casa Verde Amarela

Otimizar a exploração das Investimento em tecnologia Pré-Sal


riquezas naturais para exploração do petróleo

Reduzir os desequilíbrios social - Instalação de Região que Zona Franca de Manaus


e econômico estimulem o desenvolvimento
econômico e psicossocial Bolsa Família/ Auxílio
- Distribuição de renda Emergencial

Atrair o capital privado Realização de Leilões de Leilões de Infraestrutura no

3
181
infraestrutura governo Bolsonaro. Aeroportos,
portos e FIOL - Infra Week
Leilões do pré-Sal

Disponibilizar Recurso Acordos Bilaterais e obras de Acordo Itaipu binacional


energéticos para o infraestrutura GASBOL
desenvolvimento regional Venezuela - Guri (UHE)
Uruguai - Artilleros(Parque
Eólico)

Estimular o desenvolvimento Obras de infraestrutura Transposição do Rio São


regional Francisco, Perfuração de poços
artesianos

c. Dados de EB Aula
1) 48% da população brasileira não tem coleta de esgoto
a) Grande impacto ambiental
b) Implica no aumento de doenças e queda no padrão de saúde (prejudica IDH)
2) Para cada real gasto com saneamento há retorno de 5 reais - Infraestrutura que mais traz
benefícios sociais
3) 35 milhões de brasileiros não possuem acesso a água tratada
4) Grande ineficiência brasileira na distribuição de água
a) vazamentos, gato, fraudes em hidrômetros
5) Ação do governo: aprovação do Marco Legal do Saneamento, para viabilizar o
investimento privado na infraestrutura de saneamento
6) Percentual atendido por coleta de esgoto por região
Sudeste 78%

Centro-Oeste 53%

Sul 43%

Nordeste 26%

Norte 10%

d. Papel do capital privado para o ordenamento do território e desenvolvimento regional


1) Ordenamento territorial: Interação homem/espaço. Consiste no planeamento das
ocupações, no potencial do aproveitamento das infraestruturas existentes e no assegurar da preservação
de recursos limitados.
E daí? Complementa o papel do Estado

2) Psicossocial:
a) Melhora o padrão de vida local
b) Aumenta a expectativa de vida/diminui taxa de mortalidade
c) Vivifica a região (Zona Franca de Manaus)
d) Geração de empregos
e) Atrai o estabelecimento de escolas e universidades

4
182
f) Reduz o desequilíbrio regional
g) Adensamento populacional
h) Redução êxodo rural
i) Promove urbanização
j) Fortalece o turismo

3) Político
a) Valoriza politicamente a área
b) Circulação Política (capital privado na FIOL)
c) Fiscalização da iniciativa privada - agências reguladoras
d) Fronteira
e) Imigração

4) Econômico
a) Aquecer/dinamiza a economia
b) Melhoria de infraestrutura
c) Realizar investimentos
d) Gestão de Concessões (CCR Nova Dutra, Aeroportos)
e) Fortalece o comércio
f) Capacitação de mão-de-obra
g) Reduz desequilíbrio econômico
h) Produção tecnológica
i) Melhoria nas comunicações
j) Favorece circulação econômica
k) Privatizações
l) Crescimento de cidades
m) Aumento renda per capita
n) desconcentração industrial

ASSUNTO 55. Amazônia: desafios para o desenvolvimento sustentável

Objetivos:
Compreender o processo de ocupação do espaço amazônico (MD)
Analisar a importância estratégica da Amazônia nos contextos nacional e internacional (REN/ANG)

Ideias introdutórias:
- A Amazônia Legal é uma área que corresponde a 60% do território brasileiro e engloba a
totalidade de sete estados da Região Norte (Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e
Tocantins), parte do Estado do Mato Grosso e parte do Estado do Maranhão.
- Área: 5,0 milhões de km2.
- 56% da população indígena brasileira.
- 60% do território nacional e se estende também pelo território de oito países vizinhos e Guiana
Francesa.

1. Processo de ocupação da Amazônia


a. Maior complexo regional brasileiro.
b. Amazônia apresenta os menores índices de povoamento, com densidades demográficas
em níveis muito baixos - Isso se deve pela predominância dos elementos naturais nessa
5
183
região, por um lado, e pela ocupação histórica do território brasileiro, que privilegiou as
demais regiões do país.
c. Séc XVII - Passou a ser definitivamente ocupado pelos portugueses - Ultrapassagem dos
limites do Tratado de Tordesilhas (1494).
d. Séc XVII e XVIII - economia baseada na extração de drogas do sertão (missões jesuíticas
e comerciantes).
e. Séc XIX - Produção da borracha - largo processo de povoamento e ocupação -
nordestinos (principalmente) e imigrantes.
f. Séc XX -
i. Governo JK: Rodovias Belém-Brasília (BR-010) e Brasília-Acre (BR-364) -
marcos no processo de ocupação - População passou de 1 milhão para 5 milhões
ii. Governos Militares:
1. 1º planejamento estatal efetivo para ocupação e exploração.
2. Estratégia de controle e defesa contra interesses estrangeiros.
3. Possibilidade de expansão do espaço produtivo
4. Solução de conflitos sociais internos (devido à modernização do campo)
5. Redes de circulação rodoviária e de telecomunicações
6. Investimento na expansão urbana
7. Incentivos para investimentos privados - Zona Franca de Manaus
iii. Anos de 1980
- Esgotamento do projeto desenvolvimentista
- Pressões internas e externas voltadas à preservação ambiental - Influencia
as ações do Estado
- Capital externo passou a ser voltado para preservação e conservação do
ambiente amazônico. Ex: Fundo Amazônia.
- Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras
(PP-G7).
- SIVAM
- SIPAM
- Programa Brasileiro de Ecologia Molecular de Diversidade Amazônica
(PROBEM)
- Reativação do Projeto Rondon
- Expansão do Calha Norte.
- Satélite Amazônia 1 – monitoramento de crimes ambientais

g. Situação Atual de ocupação


i. Linear - seguindo os eixos de transporte
ii. Os fluxos para ocupação da floresta partem dos referidos eixos - grande pressão
social e ambiental
iii. Expansão das rodovias - alterou o padrão de ocupação e circulação regional -
População nas áreas de terra firme.
E daí? As rodovias contribuíram para a modernização da região e urbanização desordenada.
E daí? Possibilidade de gerar óbice: aumento dos problemas sociais e ambientais, devido a urbanização
desordenada.
iv. Formação de um arco de povoamento na borda da floresta
1. Impulsionado pela agropecuária, onde se situa a base econômica da
região.
2. Exceções:
6
184
a) Enclaves de extração (mineração, como a Vale em Carajás-PA e a
Alumínio Brasileiro S.A. - "Albrás" - próximo de Belém-PA).
b) Manaus (ZFM) e Belém (ambas com cerca de 2 milhões de
habitantes).
E daí? Hoje a ocupação é reflexo de interesses econômicos variados.
h. Ocupação Produtiva
i. Sul da Amazônia Legal: agropecuária moderna (Ex: soja e outros grãos) -
expansão da agroindústria acima da média nacional.
ii. Norte: extrativismo e pecuária (Bubalinos, em Marajó e Extração de ferro, na
Serra do Navio/AP).

i. Fluxo Migratório
i. Imigração intrarregional no sentido rural-urbano.
ii. Não representa a fronteira móvel das décadas de 1960 a 1980.

j. Ações Estatais de Incentivo à ocupação e à economia


i. Zona Franca de Manaus (ZFM) - 1967
1. Regime diferenciado de incentivos fiscais e tarifação
2. Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima, além das cidades de Macapá e
Santana, no estado do Amapá
3. Estimularam a ida de centenas de empresas para o polo industrial de
Manaus - concentrou a maior parte dos investimentos da ZFM. Exemplo:
eletrodomésticos e automóveis (Honda - moto)
4. Desenvolvimento econômico aliado à proteção ambiental, proporcionando
melhor qualidade de vida às suas populações.
5. Três polos econômicos: comercial, industrial (base de sustentação) e
agropecuário.
6. Mais de 600 indústrias de alta tecnologia gerando mais de meio milhão de
empregos.
7. O pólo Agropecuário abriga projetos voltados à atividades de produção de
alimentos, agroindústria, piscicultura, turismo, beneficiamento de
madeira, entre outras.
8. Porto de Manaus - muito importante para intensificar as trocas comerciais
do país.

ii. Projeto Calha Norte - 1985


1. Sarney
2. Promove a ocupação e a estruturação de uma faixa de fronteira no
extremo norte do país.
3. Melhoria na infraestrutura urbana, de transporte e de moradia.
4. Acesso e controle de vasta área (14% do Brasil).
5. Ex: cooperação junto aos PEF (Vila Bitencourt e Clevelândia do Norte).

iii. Programa Grande Carajás - 1979


1. Um dos maiores programas de exploração mineral do mundo.
2. Maior jazida de ferro do planeta (Serra do Carajás-PA)

7
185
3. Estrutura: projetos agropecuários e de assentamento, construção de
cidades, da estrada de ferro de Carajás, da usina de Tucuruí e incentivos às
siderúrgicas e metalúrgicas.

Ideia englobante: Em síntese, a Amazônia deixou de ser ilha com produção voltada ao exterior, tem
passado por forte processo de urbanização e está consolidada como grande produtora da indústria
mineral e de bens de consumo duráveis.

2. IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA AMAZÔNIA NOS CONTEXTOS NACIONAL E


INTERNACIONAL
a. POLÍTICO
1) disponibilidade hídrica, 20% água doce - (valor político da área)
2) extensa fronteira terrestre (fronteiras/Seg Nacional)
3) ligação entre os oceanos Atlântico e Pacífico (ligações)
4) abrange o território de nove países (oito constituem a OTCA) - (território)
5) discurso internacional de securitização da Amazônia (influência)
6) Influência no clima - preservação (valor político da área)
7) área relativamente isolada dos centros de poder (deficiência circulação política)
8) ⅓ florestas tropicais (valor político da área)
9) maior biodiversidade (30%) – país megadiverso – fauna - flora (valor político da área)
10) 1978 Pacto Amazônico (TCA). Origem da OTCA. Coop, preservação, uso racional
água, desenvolvimento e integração (valor político da área)
11) Aquífero: Alter do chão (valor político da área)
12) Queimadas e desmatamento (pressão política)

b. ECONÔMICO

1)
2) recursos estratégicos –ferro, ouro, nióbio – estanho - Carajás/Serra Pelada (matéria-prima)
3) potencial hidrelétrico (energia) UHE Belo Monte/Tucuruí
4) Crescente desenvolvimento de pólos industriais (ZFM) (indústria/tecnologia)
5) gás natural – petróleo – Bacia de Urucu – Coari (energia)
6) solo agricultável (soja - expansão da fronteira agrícola) (agricultura)

8
186
7) grandes reservas de nióbio (chips) (matéria- prima) - possui 96% do mundo (12% São
Gabriel da Cachoeira)
8) potencial indústrias cosmética, nutrição, farmacêutica e fitoterápica (açaí, cupuaçu,
andiroba, castanha do pará, buriti) (indústria) (Natura - sustentabilidade)
9) potencial pecuário - grandes terras disponíveis (pecuária extensiva principalmente)
(bubalino-Marajó) (PA, MT, RO) 30% do gado bovino brasileiro
10) 30% da reserva de capital genético (capital)
11) Grande reserva de biodiversidade (cerca de 12% do mundo)
12) Fundo Amazônia (2008) Recursos estrangeiros (Alemanha e Noruega) (capital)
13) transporte hidroviário/ Escoamento da produtividade agrícola do Centro Oeste (transporte)
a) Porto de Miritituba, na Hidrovia Tapajós / Teles-Pires
b) Hidrovia Madeira/ Hidrovia Amazonas
14) Projeto Ferrogrão/ Estrada de Ferro Carajás/Ferrovia Norte-Sul
15) Disponibilidade de recursos hídricos (20% da água potável do mundo)

c. PSICOSSOCIAL
1) baixa densidade populacional (imensos vazios demográficos) (população)
2) deslocamento populacional (migrações)
3) miséria (padrão de vida)
4) baixo nível educacional (educação)
5) falta de infraestrutura sanitária e de saúde (saúde)
6) cultura indígena preservada (costumes/comunidades)
7) isolamento (baixa circulação social)
8) Ecoturismo. Hotéis de selva, pesca esportiva. (turismo)

d. MILITAR
1) chuvas torrenciais em parte do ano – apoio às enchentes- (cond meteorológicas)
2) boa capacidade para mobilização de pessoal – exercícios de Bda e com outros países
(mobilização)
3) a selva dificulta a capacidade de evacuação (trnp e evacuação)
4) 3º maior efetivo de militares do Brasil (efetivos)
5) dificuldade de realizar as funções suprimento e manutenção - utl dos Rios (supri\ mnt)
6) comunicações dificultada pela conformidade do terreno (comunicações )
7) Difícil transposição com acidentes restritivos (terreno)
8) COS, preparação para combate na Selva (guerra)
9) condições sanitárias prejudicada pela umidade (cond sanitárias)
10) Presença Militar nas fronteiras – PEF (FFAA)
11) CIGS (ensino pesq e inst Mil) - referencia mundial
12) Ensino do Combate de Resistência
13) Combate a crimes transfronteiriços (Op Ágata)
14) Auxílio Humanitário Internacional (Op Acolhida)
15) Capacidade Logística Estratégica - AmazonLog - Projeção Internacional
16) GLO ambiental (Op Verde Brasil)

E daí?
- Localização estratégica na geopolítica no subcontinente sul-americano.
- Maior valorização da região do ponto de vista de sua inserção internacional.

9
187
e. Repercussão da importância no cenário internacional
1) Pressões pelas questões ambientais
- E daí? Exerce influência sobre o caráter das ações do Estado, com a alteração na
essência dos projetos de infraestrutura e de produção para conservação do meio
ambiente.
2) Projetos para a preservação do meio ambiente
- PP-G7 – Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais.
- SIVAM – Sistema de Vigilância da Amazônia.
- SIPAM – Sistema de Proteção da Amazônia.
- PROBEM – Programa Brasileiro de Ecologia Molecular da Diversidade
Amazônica.
- Rondon – Reativação
- Calha Norte – Expansão
- Satélite Amazônia 1 – monitoramento de crimes ambientais
3) Interesse na biodiversidade
- Narrativa de mercantilização da natureza.
- Uma das últimas fronteiras naturais do planeta.
- Reserva de capital natural.
4) Disputas pela apropriação e controle de recursos naturais
5) Maior organização da sociedade civil
- ONGs, como GreenPeace e Corredor “Triplo A” (Fundação Gaia).
6) Construção de rede socioambiental
- Novas formas de apropriação do território.
7) Constituição de áreas protegidas
- Terras indígenas.
8) Projetos de conservação
- Unidades de Conservação.
9) Manutenção da temperatura
- Queimadas e desmatamentos geram aumento da temperatura.
- Relação com o Acordo de Paris e emissão de GEE.
10) Ideia englobante
- Óbice para a soberania nacional.
- Óbices ao planejamento estatal brasileiro: interesses da geopolítica, questão ambiental,
gestão dos recursos naturais e da biodiversidade.
- Grande desafio: equilibrar as oportunidades econômicas (intensificação da produção)
com desenvolvimento sustentável (conservação do meio ambiente, distribuição de renda e
melhoria das condições de vida)

f. EB Aula
1) Óbices
- Biopirataria, contrabando, tráfico de armas e de pessoas; o transporte fluvial e a
mobilidade transfronteiriça, entre outros.
- E daí? Demandam ações com outros países amazônicos.
- Iniciativas de integração física regional, como a IIRSA, deverão ser reavaliadas
para colocá-las ao benefício da região e não somente ao serviço dos mercados globais.

g. OTCA

10
188
- A Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) apresenta
dificuldades para implementar seu Plano Estratégico.
- A legislação ambiental diverge de país para país, dificultando iniciativas de
gestão ambiental em áreas de fronteira, como acontece, por exemplo, com a gestão dos
recursos hídricos na tríplice fronteira de Brasil/Peru/Colômbia.

h. ODS – Agenda 2030


- A Amazônia torna-se cada vez mais relevante.

(BAREMA 5ª AT/2018 ) Importância estratégica da Amazônia no contexto nacional


- Reservas minerais (ferro, manganês, cobre, etc) (bauxita no vale do Rio Trombetas).
- Biodiversidade (fauna e flora).
- Terras indígenas (mais de 400, em áreas com grande quantidade de minerais estratégicos).
- 20% da Reserva de água doce do mundo (Aquífero de Alter do Chão).
- Usinas hidrelétricas vitais (Belo Monte-AM e Tucuruí-PA).
- Expansão da fronteira agrícola (soja, em MT e café, em RO).
- Preservação ambiental (sofre impacto fruto da urbanização).
- Terras raras (fertilizantes agrícolas, baterias elétricas e super ímãs).
- Reserva de nióbio (material para industrialização, como aeroespacial e nuclear).

Ideia englobante
- Cobiça internacional (em fóruns).
- Ameaças à soberania nacional.
- Presença de ONG.
- Escassez de recursos hídricos no mundo.
- Pressão internacional que condena queimadas e desmatamento.

BAREMA AF2 CP 2020


Analisar o atual cenário da agropecuária na Amazônia Legal
Espaço Amazonia Legal: A Amazônia Legal constitui-se na região brasileira definida pela bacia do rio
Amazonas e coberta em grande parte pela Hileia Amazônica e minoritariamente pelo Cerrado. Abarca 9
estados da Federação(Amazonas, Pará, Acre, Rondônia, Roraima, Amapá, Tocantins e parte dos Estados
do Mato Grosso e Maranhão), o que corresponde a cerca de 60 por cento do território nacional. A região
também é detentora de inúmeras riquezas minerais e de vasta biodiversidade, ainda pouco exploradas.
Enquadra majoritariamente o bioma amazônico, o bioma brasileiro de maior extensão, possuidor de um
terço das florestas tropicais úmidas e de 20 por cento de toda a água potável do planeta. Tais
características tornam a região um espaço de fundamental importância para os interesses pátrios e um
foco da cobiça de entes internacionais, sob o pretexto de ideais ecológicos.

1. Aspectos Econômicos
a. Soja: 1/3 da produção nacional, exporta para a Ásia e Europa.
b. Café: em expansão, grande relevância. Acre, Amapá, Pará, Rondônia.
c. Arroz: produção em queda mas ainda relevante. Plantação em áreas de queimadas.
d. Pecuária: em expansão. Grande participação nacional (25% da carne). Principalmente no
Mato Grosso.
e. Pecuária bubalina: 70% do rebanho nacional, principalmente no Pará
2. Aspectos Ambientais
11
189
a. Obtenção de área para atividade agropecuária: 75 milhões de Km quadrados desmatados.
b. Uso das reservas de água doce. Aquífero Alter do Chão.
c. Monocultura comercial (soja)
d. Adubação do solo e combate às pragas
e. Inserção de espécies animais domésticas no bioma amazônico
f. Efeitos da mecanização: compactação e erosão do solo
g. Impactos sociais

3. Ações governamentais para promover a integração da Região Norte com as Rg NE (AR


2020)
a. A pavimentação da BR 163 - Cuiabá-Santarém
b. A pavimentação e a manutenção da BR-230 Transamazônica
c. Concessões / conclusão da ferrovia Norte-Sul
d. A conclusão das eclusas de Tucuruí, ligando Barra do Garças-MT a Belém-PA
e. Operação da hidrovia Tocantins-Araguaia
f. Operação da hidrovia do rio Madeira conectada a BR-364
g. A construção e operação de Instalações Portuárias Públicas de Pequeno Porte (IP4)
h. Ampliação da infraestrutura portuária da região (Manaus, Macapá e Marabá)
i. Ações passíveis de adoção
i. pavimentação e concessões na BR-364
ii. pavimentação e concessões na BR-153 - Belém-Brasília
iii. A modernização dos portos de Santarém, Belém, Manaus e Macapá.
iv. Regulamentação da navegação de cabotagem - BR do Mar
4. Destacando ações do governo na promoção do desenvolvimento sustentável da Amazônia
Legal
a. Exigente legislação ambiental e rígida fiscalização (Código Florestal-Reserva Legal)
b. Inserção de técnicas de cultivo ou menos agressivas pela EMATER e EMBRAPA
c. Terra Class: EMBRAPA e Inpe, mapeamento do desmatamento.
d. Projeto inovação nas cadeias produtivas da agropecuária para conservação florestal na
Amazônia Legal
e. Modelo sustentável de atividade agropecuária na região: exploração racional dos recursos
naturais e comprometimento com a preservação do meio ambiente.

ASSUNTO 56. O dinamismo do Centro-Sul

Objetivos:
Analisar o papel do Centro-Sul nas expressões do Poder Nacional

1. Aspectos Gerais
a. (AF 2 - 2020) Complexo regional formado pelas Rg Sul, Sudeste (com exceção do norte
de MG), CO (com exceção do N do MT) e o extremo S do Tocantins.
b. Núcleo geoeconômico BR.

2. Político
a. Centro Político Brasileiro: Brasília
b. Território: Com aproximadamente de 2,2 milhões de km2.

12
190
c. Ligações e Circulação Política: Caracterizado pelas ligações existentes entre o centro da
tomada das decisões político/econômicas e as demais áreas periféricas da Rg. A
facilidade é permitida pela infraestrutura de transporte, bem como acesso à internet.

3. Econômico
a. Distribuição da atividade industrial:
i. O eixo Rio - São Paulo - Belo Horizonte: maior concentração industrial do país.
ii. EMBRAER (centro de excelência - pesquisa),
iii. indústrias siderúrgicas (CSN),
iv. as principais refinarias de petróleo,
v. indústrias de automóveis. Ex: no Sul o Vale do Itajaí, ABCD Paulista
b. Agricultura:
i. Reprimarização - Celeiro Agrícola Mundial
ii. 30% é baseado na Soja - vai para a China
iii. Crescimento do AGRONEGÓCIO (Centro - Oeste)
iv. A modernização da agricultura à complexo agroindustrial, baseado na pesquisa
e no desenvolvimento da biotecnologia (EMBRAPA centro de excelência -
pesquisa), principalmente à criação de técnicas de melhoramento genético, tanto
de plantas e sementes como de rebanhos, fazendo com que ela seja mais
produtiva do Brasil. Ex. São Paulo é o maior produtor de laranja e cana de açúcar
BR.
v. Ascensão das commodities agrícolas - aumento da população mundial fez crescer
a demanda por alimentos.
c. Transporte e integração: Boa malha ferroviária e extensa rede de estradas Região com
melhor integração e base logística no território nacional, o que favorece sua condição de
principal centro econômico. Melhores rodovias, aeroportos.
i. O custo do excesso de carros nas ruas traduz-se em poluição, acidentes de
trânsito, aumento dos gastos com combustível, estresse e tantas doenças causadas
pela poluição, além, é claro, do tempo perdido na produção.
ii. Necessidade de melhor qualidade do transporte público nacional
iii. Soluções do engarrafamento nacional: Pedágio Urbano (Como ocorre em
Londres), Transporte Público, Ausência de Garagens em novos prédios (Munique
- Alemanha), Rede Integrada de Transportes (Investimentos do PAC no Brasil em
Metrô), Rodízio de placas em SP.
d. Tecnologia:
i. Na Região Sudeste, estão instaladas indústrias de alto valor tecnológico, os
tecnopolos, como o bélico e o aeronáutico em São Paulo.
ii. A região concentra o maior número de Institutos Nacionais de Ciência e
Tecnologia (INCTs) do Brasil (IME-ITA-USP-UNICAMP),
e. Mercado de trabalho: É o mais diversificado do país, porém atravessa um período de
diminuição de oferta de vagas no setor industrial. Tal fato acontece nos grandes parques
industriais e em áreas ligadas ao setor automotivo.
f. Mercado consumidor: Concentra aproximadamente 30% da PEA e representa o maior
mercado consumidor do Brasil.
g. PIB: Maior PIB do Brasil, cerca de 75%. (Somente SP responde por cerca de 30% PIB
BR). (80% da riqueza produzida no País. -AF2 - 2020)
h. Cidades:
13
191
i. 91% dos municípios mais desenvolvidos e apresenta as duas maiores metrópoles
do País, RJ e SP.
ii. CO melhorou a situação de seus municípios devido ao agronegócio, atingindo
atualmente cerca de 7% dos 500 municípios mais desenvolvidos do País e só
possui 1% entre os menos desenvolvidos.
i. Energia:
i. A grande disponibilidade na região de energia oriunda de diversas fontes,
renováveis e não renováveis, contribuiu para a concentração industrial.
Importantes usinas hidrelétricas estão localizadas na área, tais como: Ilha Solteira
(SP), Três Marias (MG) e Furnas (SP).
ii. Itaipu, Angra I e Angra II, Petróleo (Bacia de Campos, Santos e do Espírito
Santo) – Offshore. 2 milhões barril petróleo p/ dia
j. Comunicações: (AT 4 - 2021)
i. A concentração industrial no SE demandou o aumento do setor de comunicações.
ii. O desenvolvimento de redes de fibra óptica, internet, redes de telefonia móvel e
bancárias são frutos da referida proximidade e beneficiam tanto a região quanto o
restante do País.
k. Setor serviços: Turismo Dsv, Praias, Pcp pontos turísticos, cidades históricas, Pantanal.
l. Matéria-prima:
i. Ferro - Quadrilátero Ferrífero em MG.
ii. Petróleo - Rio de Janeiro - petróleo pesado (Refinaria brasileira não consegue
refinar - 17 refinarias - 13 são da Petrobras)/ Bacia de Santos e Campos
iii. Aquífero Guarani
m. Mão-de-obra
i. Presença de mão-de-obra especializada a fim de trabalhar nas indústrias
ii. A grande concentração de mão de obra na área gerou um ambiente propício para
o fortalecimento dos sindicatos (ABCD Paulista)
n. Comércio: Exportação das commodities
o. Indústria:
i. Na região Sudeste, iniciou-se a industrialização do País, tornando-se a indústria
de transformação a principal fonte de divisa e trabalho nos seus estados. São
Paulo tornou-se o maior parque industrial da América do Sul. Ao longo da década
de 1970, dados estatísticos chegaram a registrar uma concentração industrial de
45% do total de fábricas instaladas no País, somente na Grande São Paulo.
ii. Corredor industrial de BH até Porto Alegre
iii. Desconcentração da produção industrial das metrópoles (Resende - Nissan/
Programa ProAuto)
iv. Processo de desindustrialização brasileiro:
v. https://descomplica.com.br/cursos/enem-semiextensivo-2019/aulas/ao-vivo-desin
dustrializacao-do-brasil-12-09-2019-17h-15/videos/desindustrializacao-do-brasil-
120819-17h15/ (Vídeo - Descomplica)
vi. CAI em Chapecó (Aves e suínos), Cascavel (Soja)
vii. Indústria responsável por 25% do PIB em 1985, já em 2016 passou a representar
15%. Fatores que contribuíram:
1. Competição chinesa
2. Câmbio supervalorizado
3. Falta de inovação
4. Juros elevados
14
192
5. Custo Brasil
4. Psicossocial
a. População: Possui o maior número de habitantes do país, chegando a mais de 120
milhões de habitantes (mais de 60% da Pop BR) e tendo uma densidade superior a 20
hab/km².Rg Mais populosa e mais povoada. Predominantemente URBANA
b. Migrações:
i. Área de atração migratória (AT 4 - 2021)
ii. destino de migrantes durante Séc XX. Boa parte do fluxo veio do Nordeste do
Brasil. Motivos, como terras a preços mais acessíveis, a expansão agrícola e
oportunidades de progresso relativamente rápido. Atualmente os centros urbanos
encontram-se saturados e ocorre o fluxo inverso. O Censo IBGE 2010 aponta o
NE como única Rg com saldo positivo de migrantes. S, N e CO permanecem
estáveis, enquanto o SE é a Rg "exportadora".
c. Padrão de Vida: Mão de obra mais valorizada, aumento do consumo e melhora da
qualidade de vida. Maior IDH do BR.
d. Turismo: Potencial de exploração do turismo (Rg Sul, Praias do RJ, SP, SC). Captação
de turistas estrangeiros.
e. Trabalho: Melhores oportunidades de trabalho. Onde estão localizados os principais
pólos industriais brasileiros.
i. Setor terciário tem se desenvolvido nos grandes centros (Uber)
ii. novas oportunidades de trabalho longe das grandes metrópoles - desconcentração
da produção industrial(Vale do Itajaí- SC- frigoríficos)
f. Circulação Social: A integração da Rg, proporcionada pelos modais mais desenvolvidos
(Pcp portos, aeroportos e Rdv), favorece o fluxo de circulação de pessoas, bem como as
migrações, contribuindo para a diversificação cultural da Rg.
i. Nos grandes centros essa circulação é prejudicada pelo elevado número de
veículos em detrimento do transporte de uso coletivo, ocasionando
engarrafamentos
ii. Algumas cidades têm adotado o sistema de transporte coletivo integrado,
permitindo o transporte com uma única passagem (Curitiba)
g. Habitação: Favelas nas grandes metrópoles (RJ, SP e BH). Ex. RJ tem cerca de 2,5
milhões de pessoas morando em favelas/ Rocinha, uma das maiores do mundo.
i. crescimento horizontal desordenado nos grandes centros, gerando dificuldades de
mobilidade urbana
h. Saúde: FioCruz e Butantã (Coronavac)
i. Mobilidade social: O parque industrial instalado na Rg Sudeste criou oportunidades de
acesso de integrantes de classes sociais mais baixas, imigrantes ou não, ascender às
camadas superiores por intermédio da oferta de empregos.
j. Desequilíbrios sociais: a concentração industrial no Sudeste contribuiu para aumentar o
desequilíbrio social regional.
k. Instrução e Educação: IME, ITA, AMAN, Tecnopólos, etc
l. Crime Organizado: Facções (PCC, CV e ADA)
m. Principais problemas urbanos da Rg (AF 2 - 2020)
i. Falta de esgoto sanitário
ii. Deficiência na oferta de saúde pública
iii. Problemas na coleta de lixo
iv. Aumento do tráfico de drogas
v. Déficit habitacional
15
193
vi. Crise na segurança pública
vii. Alta densidade populacional
viii. Especulação imobiliária
ix. Oferta insuficiente de transportes de massa
x. Enchentes nas áreas metropolitanas
xi. Aumento do número das pessoas em situação de rua
xii. Grandes congestionamentos
xiii. Poluição do ar

5. Militar
a. chuvas distribuídas ao longo do ano – apoio às enchentes e desmoronamentos –
Petrópolis (cond meteorológicas)
b. Muito boa capacidade para mobilização de pessoal – exercícios de Bda e com outros
países, Grandes eventos. (mobilização)
c. Região possui diversos modais- Rod, Aéreo, Fluvial (trnp e evacuação)
d. maior efetivo de militares do Brasil (efetivos)
e. Muito boa capacidade de realizar as funções suprimento e manutenção - utl das rodovias
(sup\ mnt)
f. comunicações favorecidas pela estrutura material e tecnológica (comunicações)
g. acidentado (terreno)
h. Presença de OM com participação na II GM (guerra)
i. apresenta muito boas condições sanitárias pela infraestrutura da região (cond sanitárias)
j. Diversas especialidades (FFAA)
k. IME, AMAN (ensino pesq e inst Mil)

6. Idéias Conclusivas

Analisar o potencial dos complexos regionais brasileiros, com base na documentação referenciada, para
concluir sobre sua importância para o desenvolvimento nacional.

O Centro Sul se constitui na base da economia nacional, sendo o polo com maior potencial
financeiro baseado nos 3 setores econômicos (primário, sec e terc), cuja capacidade permite
investimentos nos setores de pesquisa para o desenvolvimento nacional.

O Centro Sul tem a economia mais diversificada.

Maior índice de aproveitamento de terras para agricultura e pecuária do Brasil.

Elevadas taxas de urbanização e industrialização. Maior parte PIB nacional (75%).

Abarca as pcp ferrovias e rodovias do País

Presença dos tecnopólos brasileiros

Concentração de militares

As Escolas Militares presente neste Complexo Regional

As Melhores Universidades do País


16
194
ASSUNTO 57. O Nordeste Brasileiro
Objetivos:
Analisar o papel do Nordeste Brasileiro nas expressões do Poder Nacional

Formado pelos estados do NE, exceto o oeste do MA e acrescido do Norte de Minas Gerais.

a. PSICOSSOCIAL
1) Expectativa de vida: 71 anos, mas abaixo da média nacional de 75
2) Taxa de mortalidade infantil: 19,5/1000, maior que a média nacional (13/1000)
3) Taxa de analfabetismo: Maior do país
4) Condições médico-sanitárias: No Agreste e Sertão estão abaixo da média nacional.
5) População: 56 milhões, 36/km2, IDH 0,659 (menor do país)
6) Agricultura familiar: 50% dos estabelecimentos, 88% da população empregada,
7) Habitação: déficit habitacional- maior do país
b. POLÍTICO
1) TERRITÓRIO
- 20% do território nacional.
- Potencial de exploração de riquezas naturais ( caatinga, cerrado, agreste e zona da mata)
- PARTIDOS
- Predominam os de esquerda. O NE tem força no Senado porque tem 9 estados.
- SEGURANÇA NACIONAL
- Solicita apoio federal repetidamente (greves de Polícia Militar)
- Estados com maiores taxas de homicídios do Brasil: RN, AC (da rg N), CE, SE e PE.
- VALOR POLÍTICO DA ÁREA
- Posição Estr, com ampla costa. Base de Lç de Foguetes em Alcântara - MA.
- Posição Estr do Saliente Nordestino - proximidade Europa e África
- POLÍTICAS DE GOVERNO
- Transposição do Rio São Francisco
- SUDENE - catalisa as potencialidades locais
- Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR): Desenvolvimento sustentável e
redução de desigualdades regionais, por meio do PRDNE.
- Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE) - diretrizes para o
desenvolvimento sustentável. Seis eixos estratégicos, como segurança hídrica e conservação ambiental.
Objetiva:
- sustentabilidade socioambiental
- Fortalecer os governos estaduais e municipais como agentes do
desenvolvimento
- fortalecer os órgãos e instrumentos de regulação econômica e
ambiental dos estados;
- Operação Carro-Pipa

c. ECONÔMICO
1) FINANÇAS PÚBLICAS
a) SUDENE
b) CODEVASF Companhia de Desenvolvimento do Vale do Rio São Francisco
c) PRDNE
17
195
d) Programa Bolsa Família (grande número de beneficiários, 50%)
2) MERCADO
a) Interno: Matérias-primas, frutas (Petrolina), têxtil, Cana-de-Açúcar
b) Externo: Soja (MATOPIBA)
3) INDUSTRIALIZAÇÃO
a) Pólo Petroquímico de Camaçari (exploração e refino de petróleo)
b) Porto Digital de Recife (indústria de softwares)
c) Vale do Rio São Francisco (agroindústria)
d) Ceará, indústria Têxtil, Couro e Calçados (Penalty/ Grendene)
e) Complexo Agroindustrial de MATOPIBA
4) COMUNICAÇÕES
a) Aumentos do número de cidades atendidas pela fibra óptica (eixo Fortaleza-Porto
Alegre).
5) PECUÁRIA E PISCICULTURA
a) Gado Bovino (maiores rebanhos BA, MA, CE, PE, PI)
b) Grandes pólos pesqueiros nas capitais litorâneas (CE, BA, RN)
6) RENDA PER CAPITA
a) baixa
7) CIDADES
a) Cidades e Regiões mais dinâmicas: Salvador, Recife, Fortaleza, Região do Vale do Rio
São Francisco, MATOPIBA.
8) ENERGIA
a) Eólica: Fortaleza e Natal (Ventos do Araripe)
b) Hidrelétricas: Sobradinho, Xingó, Paulo Afonso (as 3 no Rio São Francisco)
c) Solar: Parque São Gonçalo e Nova Olinda (Piauí) e placas sobre a água em Sobradinho
(experimental)
d) Maremotriz: Ceará
9) MATÉRIA PRIMA
a) Urânio: Caetité-BA - Brasil autossuficiente
10) POLÍTICA ECONÔMICA
a) FIOL (concessão)
11) ESTRUTURA FUNDIÁRIA
a) Maior concentração de latifúndios
12) TECNOLOGIA
13) EXTRATIVISMO
14) COMÉRCIO
15) AGRICULTURA
a) Cana-de-Açúcar é o principal produto (AL, PE, PB)
b) Soja: Maranhão e Bahia produzem 10% da soja Brasileira/MATOPIBA
c) Algodão: Bahia é o maior produtor
16) SERVIÇOS
17) TRANSPORTE
a) Corredor de exportação Norte: Escoamento da produção do Maranhão e Regiões
Interioranas pelo porto de Itaqui-MA
b) Principais Portos: Pecém-CE, Suape-PE, Itaqui-MA, Aratu-BA, Ilhéus-BA
c) Principais aeroportos: Salvador, Recife, Fortaleza, Natal
d) Leilões de aeroportos realizados entre 2019 e 2021 (Ex: São Gonçalo do Amarante-RN)
e) Principais Estradas: BR-101, BR-116, BR-135, BR-230
18
196
f) Ferrovias: Parcialmente acabadas, em obras ou processo de autorização no TCU:
Transnordestina (Suape-Pecém); FIOL (Ilhéus- Ferrovia Norte-Sul), Norte-Sul (Corta o Maranhão)
18) CIRCULAÇÃO ECONÔMICA
a) Tem aumentado: Desconcentração industrial do SE (Mão-de-obra e terras mais baratas),
Migrações de Retorno, Integração Nacional (estradas, Ferrovias), Novas tecnologias agrícolas (irrigação
por gotejamento, OGM), Ações governamentais.
19) DOUTRINAS ECONÔMICAS
20) CAPITAL
a) Estatal: Por meio do MAPA, SUDENE, CODEVASF
b) Privado Interno: Empresas Nacionais. Ex: Queiroz Galvão no Pólo petroquímico de
Camaçari, OAS, Odebrecht
c) Privado Externo:
21) EQUILÍBRIO E DESEQUILÍBRIO ECONÔMICO
22) FORÇA DE TRABALHO

d. MILITAR
1) Poucas chuvas distribuídas ao longo do ano - (cond meteorológicas)
2) Boa capacidade para mobilização de pessoal – exercícios de Bda e com outros
3) países, Grandes eventos (mobilização)
4) Região possui diversos modais - Rod, Aéreo, Fluvial (trnp e evacuação)
5) OM distribuídas pelas capitais (efetivos)
6) Muito boa capacidade de realizar as funções suprimento e manutenção - utl das
7) rodovias (supri/ mnt)
8) Comunicações favorecidas pelas estrutura de Mat e tecnológica (comunicações)
9) Apresenta boas condições sanitárias pela infraestrutura levada pelas FFAA (cond
sanitárias)
10) Capacitação em ambiente de caatinga. (ensino pesq e inst Mil)
11) Condução da Operação Caminhão Pipa - integração do EB com a população

e. CIENTÍFICO TECNOLÓGICO

RE S I Pro C E N I

1) RECURSOS NATURAIS E MATERIAIS


Exploração de Urânio em Caetité -
2) SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL
3) INFRAESTRUTURA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA
- Porto Digitall de Recife l é considerado um dos principais parques tecnológicos do
Brasil
4) INSTITUIÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS
5) PROJETOS MOBILIZADORES
6) COMUNICAÇÕES
7) EDUCAÇÃO
8) NÍVEL DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO
9) INSTITUIÇÕES
10) TECNOLOGIAS CRÍTICAS E
11) DINÂMICA PRODUTIVA

19
197
BUNKER - 2021
UNIDADE DIDÁTICA XV – INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBJETIVO ENGLOBANTE: Analisar os sistemas de energia, transporte e informação do Brasil, com


base na documentação referenciada, para concluir sobre sua integração e reflexos para desenvolvimento
nacional.

IDEIAS PARA INTRODUÇÃO - A infraestrutura é uma área vital para o desenvolvimento


socioeconômico de um país. Ela é formada pelos serviços de saneamento, transporte, energia e
telecomunicação (Redes de Informação) – todos contribuindo para o progresso e evolução de uma
determinada região.

ASS. 58 - O SISTEMA ENERGÉTICO


Obj: Analisar a constituição da matriz energética brasileira e sua importância estratégica para o
desenvolvimento do País.

1. Generalidades
a. Pela sua grande dotação de recursos naturais, o Brasil apresenta facilidades para manter
elevada a participação das energias renováveis na matriz energética nacional.
b. O país é um dos líderes mundiais em hidroeletricidade e em bioenergia, fontes que
contribuem para diversos benefícios ambientais, como as reduções da emissão de gás de
efeito estufa (GEE) e a mitigação da elevação da temperatura global
c. Dispõe de flexibilidade operacional no fornecimento (???PIC)
d. Matriz Energética = reunião das fontes de energia renováveis e não-renováveis que o país
utiliza, consome, faz uso para manter suas atividades
e. Oferta Interna de Energia (OIE) - energia produzida no país. Difere da matriz
f. Matriz elétrica: conjunto de fontes disponíveis apenas para geração de energia elétrica.
g. Energia renovável: Proveniente dos recursos naturais que são reabastecidos
espontaneamente e com relativa rapidez, como solar, eólica, chuva, marés e energia
geotérmica.
h. Energia não renovável: Proveniente do recurso energético que, depois de utilizado, não
pode ser regenerado pelo ser humano ou pela natureza em um prazo útil.

2. Constituição Da Matriz Energética Brasileira


a. Matriz Energética Brasileira
i. Fontes não Renováveis - 55%
1. Petróleo - 36%
2. Gás Natural - 12%
3. Carvão Mineral - 5,6%
4. Nuclear - 1,4%
5. Gás Industrial - 1,7%
6. Xisto Betuminoso - baixo aproveitamento (custo e poluição)

ii. Fontes Renováveis - 45%


1. Biomassa - 17%
2. Hidráulica - 12%
3. Carvão Vegetal - 8%
198
4. Eólica - 1,3%
5. Solar - 1%
6. Energia das Ondas - Porto de Pecém (1ª da América Latina)
7. Energia Maremotriz - Altura da Maré (incipiente - elevado custo)

iii. Principais setores consumidores de energia:


1. Transporte: Cerca de 32%
2. Indústrias: Cerca de 31%
3. Setor energético: Cerca de 11%
4. Residências: Cerca de 10%
5. Agropecuária: Cerca de 4%

- E daí: O setor de transporte e o industrial consomem cerca de 60% de toda a energia gerada no país
- E daí? O consumo per capita brasileiro é 7.5 vezes menor que o norte-americano e 3 vezes menor que o
europeu (UE) e o chinês. (Eb/Aula)
- E daí? Ao mesmo tempo em que tem grande consumo nos transportes, o Brasil consome grande volume
de biocombustíveis (que são mais limpos que o petróleo).

- E daí? Apresenta uma das matrizes energéticas mais sustentáveis do mundo, com cerca de 45% de fontes
renováveis.
b. Matriz Energética do Setor de Transporte
i. 44% - Diesel
ii. 26% - Gasolina
iii. 23% - Biocombustíveis
1. 27% - Etanol - Gasolina
2. 15% - Biodiesel - Diesel (até 2023)

c. Matriz Elétrica Brasileira


i. Fontes Renováveis - 83%
1. Hidráulica - 67%
2. Biomassa - 8%
3. Eólica - 8%
199
4. Solar - 0,5%
ii. Fontes não-Renováveis - 17%
1. Gás Natural - 9%
2. Carvão - 4%
3. Petróleo - 2%
4. Nuclear - 2%

d. Dados brasileiros
i. Energia Eólica
1. 5ª Maior capacidade instalada
2. Maior produtor da América Latina
3. 50% da energia elética gerada no Nordeste é eólica
4. Destaque: Rio Grande do Norte
5. 9º maior em capacidade acumulada
6. Ex: Parque eólico nos arredores de Natal-RN

ii. Energia Hidrelétrica


1. 2º Maior produtor mundial (1º - China)
2. Cerca de 70% da energia elétrica
3. Ex: Itaipu e Tucuruí

iii. Biocombustíveis
1. 2º maior produtor de biocombustível (1º EUA) - Ex: Etanol e Biodiesel -
Etanol e Biodiesel

iv. Xisto Betuminoso


1. 2ª maior reserva de xisto betuminoso (1º EUA)
a. Não aproveitado (alto custo, degradação ambiental)

v. Energia Solar
1. Setor de comércio e serviço (15%), indústria e residência (79%).
2. Ex: Parque Solar Nova Olinda e São Gonçalo (PI)
e. O Brasil assinou compromisso na COP 21 sobre aumentar em 33% o uso de fontes
renováveis.

3. Principais fontes de Energia por região


a. América do Sul
i. Bolívia - GasBol - 20% da demanda nacional de gás
ii. Argentina e Peru - 10% da demanda nacional de gás natural
iii. Colômbia - Carvão Mineral - cerca de 70% da demanda nacional
200
iv. Venezuela - Hidrelétrica de Guri - Roraima - Fora do Sistema Integrado Nacional
v. Uruguai - Parque Eólico de Artilleros
vi. Paraguai - Itaipu binacional

b. Outros Países
i. O Brasil exporta petróleo pesado e importa petróleo leve - capacidade de refino
insuficiente
ii. Arabia Saudita - 33% da demanda nacional de petróleo (petróleo leve)
iii. EUA - 23% da demanda nacional (petróleo leve)

c. Sul
i. Hidreletrica - Itaipu - PR - Rio Paraná
ii. Xisto Betuminoso - PR
iii. Carvão Mineral no Vale do Tubarão - SC (baixa qualidade)
iv. Energia Eólica - Parque Eólico de Osório-RS

d. Sudeste
i. Biomassa - Cana-de-açúcar no interior de SP
ii. Xisto Betuminoso - Interior de SP
iii. Energia Nuclear - Angra I, II
iv. Petróleo
1. Off Shore
a. Bacia de Campos e de Santos
b. Pré-Sal - Descoberto em 2006 - Exploração 2011
c. Megaleilão em 2019 da Bacia de Santos (China)
e. Nordeste
i. Biomassa - Cana-de-açúcar no litoral nordestino
ii. Energia Eólica
1. 85% dos parques eólicos
2. RN - maior parque eólico do país
3. Existente também em RN, CE e BA.
iii. Energia Solar
1. Parque solar de São Gonçalo - PI - maior do Brasil
2. Parque Solar de Nova Olinda-PI
3. Parque Solar Sobradinho - Usina fotovoltaica flutuante
iv. Energia das Ondas - Usina de Ondas - Pecém- CE (caráter experimental)
v. Petróleo - On-Shore - Recôncavo baiano
vi. Hidrelétrica
1. Sobradinho - BA
2. Paulo Afonso - BA
f. Norte
i. Petróleo - On Shore - Bacia de Urucu - AM
ii. Hidrelétricas
1. Tucuruí - Rio Tocantins
2. Belo Monte - Rio Xingu
3. Hidrelétrica de Balbina - 50% energia de Manaus (Questão ambiental x
Eficiência)
iii. Xisto Betuminoso - Amazonas
iv. Gás Natural - Campo do Azulão em Silves - AM
201
4. Ações Governamentais
a. Voltadas para a produção de energia de Fontes Renováveis
i. Programa Prioritário de Termeletricidade (2000) - estipulou melhores preços do
Gás Natural para viabilizar a operação de termelétricas.

ii. Biocombustíveis:
1. Proálcool (1975) - subsídios para a produção de etanol.
2. Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (2005) - incentivar o
Biodiesel. Aumentou a mistura do biodiesel no diesel para 15% até 2023.
3. Política Nacional de Biocombustíveis - RenovaBio (2017) - fomentar seu
uso e atender ao prometido pelo Brasil no Acordo de Paris de reduzir a
emissão de GEE.

iii. O financiamento do BNDES - maior fonte de financiamento da fonte eólica.


1. Programa Fundo Clima - da aquisição de equipamentos com maiores índices
de eficiência energética e com menor emissão de GEE.

iv. Incentivos fiscais para energia eólica e solar - Isenção de ICMS para as peças das
torres aerogeradoras e dos geradores fotovoltaicos e isenção do PIS e Cofins para
bens e serviços para a implantação dessas energias.

v. O incentivo às Pequenas Centrais Hidrelétricas - simplificação na autorização da


exploração de potencial hidráulico. Ex: Queluz e Lavrinhas.

vi. Estímulo à geração distribuída (2015)- regulamentou a micro e minigeração,


incentivando a produção residencial (solar).

vii. Programa de P&D da Aneel - obriga as concessionárias a aplicarem, anualmente,


um percentual mínimo de sua receita operacional líquida em projetos de P&D.

viii. Leilões de contratação de energia da Aneel - menor preço.

b. Voltadas para a produção de fontes energia de fontes não renováveis


i. Nuclear
1. Acordo bilateral com a Alemanha (Gov Geisel) - Angras I e II
2. A retomada do Programa Nuclear (Gov Bolsonaro) - concluir Angra III.

ii. O Fundo Clima do BNDES - financiar projetos para melhorar a eficiência


energética e a redução da emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE)

5. Desafios para a expansão energética brasileira


a. Matriz diversificada e de grande diversidade.
b. Dificuldade de expansão das Usinas Hidrelétricas, pois os projetos se encontram na
Amazônia.
c. Oposição de ambientalistas à exploração na Amazônia. Ex: Belo Monte (PA) e Balbina
(AM) - alagamento de áreas, retirada de pessoas e prejuízo à fauna para pouca geração de
energia.
d. Dificuldade de expandir UHE faz com que se use combustíveis fósseis - eleva emissão gases
poluentes
202
e. Necessidade de mais reservatórios de água como reserva para outras matrizes.
f. Expansão na energia eólica e solar - complementariedade

6. O Sistema Energético Brasileiro, a Agenda 2030 da ONU e o Acordo de Paris


a. A Agenda 2030 da ONU - Em 2015, a Assembleia Geral da ONU (em NY) traçou 17
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Globais para diversas áreas.

1) As principais metas da Agenda 2030 para o setor energético e o Brasil


a) Meta 7.1 – Até 2030, assegurar o acesso universal, confiável, moderno e a preços
acessíveis a serviços de energia.
b) Meta 7.2 – Até 2030, manter elevada a participaçaõ de energias renováveis na matriz
energética nacional . O Brasil assumiu a responsabilidade de atingir 45% da Matriz
Energética em fontes renováveis (já atingiu a meta).
c) Meta 7.3 – Até 2030, aumentar a taxa de melhoria da eficiência energética da
economia brasileira. O Brasil se propôs a aumentar a sua taxa de eficiência
energética sem estipular metas específicas.
d) Meta 7.a – Até 2030, reforçar a cooperação internacional para facilitar o acesso a
pesquisa e tecnologias de energia limpa. (APEC/ AMÉRICA LATINA)
e) Meta 7.b – Até 2030, expandir a infraestrutura e aprimorar a tecnologia para o
fornecimento de serviços de energia modernos e sustentáveis para todos . O Brasil
adotou medidas para expandir a sua infraestrutura de energia limpa (expandiu GN,
solar, eólica e biocombustíveis).

b. O Acordo de Paris - firmado em Paris durante a COP-21, em 2015, que rege medidas de
redução de emissões de gás carbônico a partir de 2020 e combate o aumento da temperatura
média global.

1) As metas estipuladas pelo Brasil para atender ao Acordo de Paris.


a) Reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005,
em 2025.
b) Em sucessão, reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 43% abaixo dos
níveis de 2005, em 2030.

7. Importância Estratégica Para O Desenvolvimento Do País


a. Segurança Energética
i. Atualmente faz combinação entre hidrelétrica e termelétrica
ii. Ideal: Combinação entre Eólica, Solar e Hidrelétrica - energia intermitente que
garante distribuição constante
iii. Diversificação da matriz energética
1. Biomassa
2. Energia eólica e solar
3. Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH)
b. Abastecimento do Parque Industrial - crescimento econômico do país
c. Aumento da Qualidade de vida
d. Alinhamento com Organismos e Tratados Internacionais
i. Atração de parcerias e investimentos
e. Dificuldades da Energia Hidrelétrica
203
i. Redução das Chuvas - Diminuição da capacidade de armazenamento/ produção
ii. Aumento da demanda energética
iii. Questões ambientais
f. Abastecimento energético do Brasil
i. Programa Nacional do Álcool - Proálcool 1975
1. Resposta à Crise do Petróleo de 1973

ii. Anos 1990 - Programa Nacional de Desestatização


1. Ministério das Minas e Energia
2. Agência Nacional de Energia Elétrica (devido privatização de estaduais
Light)

iii. Crise do Apagão dos anos 2000


1. baixo investimento na década de 1980 e 1990 (FHC)
2. aumento do consumo
3. escassez de chuvas
4. Racionamento em 2001 - Atingiu os setores produtivos do Brasil
5. Evidenciou distorções na distribuição energética a nível nacional - Sistema
não integrado
6. Mostrou que a PND deveria impor prazos e investimentos mínimos iniciais
para ampliação das capacidades

7. Programa Prioritário de Termeletricidade - 2000


a. Construção de Termelétricas - Atender regiões com dificuldades de
abastecimento energético (menor tempo e custo)
b. Aumento da demanda por Gás Natural - GasBol

8. Programa de Incentivo de Fontes Alternativas (ProInFA 2004)


a. Início da participação eólica na matriz - dificuldades: custo

9. Utilização do Gás Natural


a. Fábrica da Mercedes Benz em Iracemápolis-SP - 100% Gás
b. Grande adesão no comércio e residências

10. Expansão do Sistema Hidrelétrico


a. Possibilidade de exploração do potencial amazônico
b. Oposição de setores ambientalistas - alagamento de grandes áreas
i. Belo Monte inunda área pequena - gera menos energia que seu
potencial
ii. Hidrelétrica de Balbina - Manaus - Mau Exemplo - Alaga área
imensa e produz pouca energia

iv. Crise hídrica entre 2013 e 2015 (Dilma) - Cantareira (SP)

204
ASS. 59 - O SISTEMA DE TRANSPORTE
Objetivo: Examinar a constituição do sistema de transporte brasileiro e seu papel no processo de
integração do território.

1. A constituição do sistema de transporte brasileiro


a. Matriz de transporte brasileira:
- Rodoviário: 65% a 75%
- Ferroviário: 20%
- Hidroviário: 16% (Hidrovias Costeiras-11% e demais hidrovias- 5%)
- Aéreo: 1,1%
b. Políticas governamentais do século XX- baixa diversificação das modalidades de
transportes do país
c. Expansão da rede de transporte- ocorreu simultaneamente com a expansão das
telecomunicações durante a modernização da economia
d. Utilização da matriz de transporte:
- Destaque para o setor rodoviário, cujo crescimento está associado com
desenvolvimento da indústria automobilística no país (JK - Ford e VW)
- ferrovias - 20% para o transporte de cargas, mas também é empregada no setor
turístico (Tiradentes -MG)
e. Matriz Rodoviária
i. Escoamento de 75% produção brasileira
ii. Malha rodoviária federal: 75,8 mil Km (65,4 mil Km pavimentadas e 10,4 mil Km
não pavimentadas)
iii. Divide-se em:
- Rodovias Radiais (0): denominação que recebem as rodovias federais do
Brasil que partem de Brasília em direção às extremidades do país. Ex: BR-
040 (Bsb-RJ) e BR-010 (Belém-Bsb)
- Rodovias Longitudinais (1): São as rodovias que cortam o país na direção
Norte-Sul. BR-163, BR-116, BR-101
- Rodovias Transversais (2): São as rodovias que cortam o país na direção
Oeste-Leste. BR-230 (Transamazônica)
- Rodovias Diagonais (3): denominação recebida pelas rodovias federais
brasileiras que cruzam o país em dois modos de orientação: noroeste-sudeste
ou nordeste-sudoeste. BR-364
iv. Administração : Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT)
v. 12,8% da malha rodoviária são privatizadas, reguladas pela Agência Nacional de
Transporte Terrestre (ANTT)
Concessões: Atrai investimentos para as rodovias, por meio da qual o Governo
Federal garante a manutenção constante em trechos estratégicos para o
desenvolvimento da infraestrutura do país. Passa para a Iniciativa Privada
temporariamente.
Ex: NOVA DUTRA/CCR (402 km) BR-116 São Paulo/SP - Rio de
Janeiro/RJ;
AUTOPISTA RÉGIS BITTENCOURT/ARTERIS (402 km) BR-
116 (São Paulo/SP – Curitiba/PR)
vi. Nordeste (AS2 - 2020)
1) Modal rodoviário deficitário

205
vii. Principais Rodovias:

Rodovia Trecho Importância Produtos

Fortaleza (CE) - Pcp Rod. Bras.


BR-116 Soja, milho, feijão, aves e
Jaguarão (RS) Corta o País acompanhando toda a costa marítima do Nordeste
(1) suínos.
4660Km ao Sul.

Touros (RN)---
Também corta o Brasil do Nordeste ao Sul. Mais próximo do industrializados de origem
BR-101 -São José do
litoral do que a BR-116 animal, químicos, celulose,
(2) Norte (RS)
construída pelo Exército na década de 1950 grãos, aves e suínos.
4482Km

Limeira (SP)—
BR-364 Rodrigues Alves Soja, milho, produtos de
Rod. que corta o País na diagonal, de SP até o Acre
(3) (AC) mineração e pecuária.
4309 Km

Iniciada em 1972, com objetivo de integrar a Rg Amazônica


Cabedelo/PB
BR 230 (Escoamento da produção agroindustrial) hortifrutis,grãos, minérios e
Lábrea/AM
(4) Liga o litoral nordestino ao sertão produtos industrializados
4309Km

Tenente
BR 163 Portela/RS
Escoamento produção agrícola Soja
(5) Santarém/PA
4057 Km

BR 153 Marabá(PA) à soja,milho e produtos de


escoamento agrícola do Centro Oeste
(6) Aceguá (RS) pecuária

Soja, milho, feijão, algodão,


Redenção(PA) à
BR 158 cana-de-açúcar e bovinos,
Santana do escoamento agrícola e minérios
(7) além de minérios como
Livramento(RS)
ferro, bauxita e manganês

Manaus/
BR 174 Boa Vista agronegócio
soja,milho e pecuária
(8) Rondonia-Mato ligação da região do MT com a Venezuela
Grosso

São Luís (MA) à interseção com a BR 116


BR 135 soja e milho e
Belo Horizonte escoamento da safra de grãos do MATOPIBA-acesso ao porto
(9) fibras(algodão)
(MG) de Itaqui(MA)

agrícolas(café e soja),
BR 262 Corumbá(MS)/
favorável para o turismo(Pantanal e praias capixabas) pecuária(carne bovina) e
(10) Vitória(ES)
indústria brasileiras

derivados de parque
BR-040 Pt inicial em Brasília no entroncamento com a BR-450 e BR- siderúrgico, carvão,
RJ----Brasília
(11) 251 e ponto final no RJ. eucaliptos, móveis e
industrializados.

206
viii. Vantagens e desvantagens do Sistema Rodoviário
VANTAGENS DESVANTAGENS

-acessibilidade, capilaridade alcança quase -baixa capacidade de carga;


todos os locais do território brasileiro; -alcance de pouca distância em comparação ao
-facilidade para organizar o transporte e tempo gasto com o transporte;
contratar terceirizados; -maiores chances de extravio de carga, devido a
-flexibilidade na organização de rotas. roubos e acidentes.
-custo do combustível, condições das estradas,
restrição na circulação de cargas, impostos.
- 12% do custo dos produtos - gastos com
transporte - CUSTO BRASIL

ix. Rodovia Bioceanica (em construção)


1. Liga Campo Grande-MS ao Antofagasta-CHI (oceano pacífico)
2. Permitirá o escoamento da Soja do MS para o Pacífico (mercado Asiático).
Economia de 17 dias no tempo de viagem em relação a rota pelo Canal do Panamá
x. Ponte sobre o Rio Madeira (BR 364 / RO) em Abunã (Ebaula)
1. Obj: ligação do território brasileiro à Rodovia Interoceânica Central (Peru).
2. Vai facilitar o trânsito de passageiros e cargas ao longo de um corredor de
2.250 km de estradas pavimentadas entre as cidades de Porto Velho, no
Brasil, e San Juan de Marcona, no Peru.
3. Escoamento para o mercado asiático sem passar pelo Canal do Panamá.
4. Peru poderá aumentar exportações de combustíveis, fertilizantes, cimento,
ferro e alimentos ao Brasil.

E DAÍ? Permite o escoamento de produtos brasileiros para o pacífico. Maior acesso à China

f. Matriz Ferroviária
i. Escoamento de 5,4% produção brasileira
ii. Programa Nacional de Desestatização (PND) 1990 - concessão de malhas ferroviárias da
RFFSA
iii. Privatização CVRD - 1998
iv. 2002 - Criada a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), responsável por
acompanhar e fiscalizar o desempenho das concessões ferroviárias.
207
v. Extensão da malha ferroviária concedida é de 28.190 km. (Total de 30.000 km)

vi. Principais Ferrovias

1. Ferrovia Norte-Sul:
a. espinha dorsal da logística do país.Quando totalmente concluída, terá a
extensão de 4.155,6 km.
b. Ligação: Açailândia (MA) a Estrela d'Oeste (SP).
c. Apenas o trecho entre Açailândia (MA) e Porto Nacional (TO) está
totalmente operacional.
d. Concessão trecho SP-TO (2019)
e. Conexão em Açailândia com Estrada de Ferro Carajás.

2. Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL): (EM CONSTRUÇÃO)


a. Transporte de minério de ferro de Caetité (Urânio) e Tanhaçu, no Sul do
Estado da Bahia.
b. Escoamento de grãos no Oeste da Bahia e no Sudeste do Tocantins
(MATOPIBA).
c. Ligação: Barreiras - Ilhéus. Quando concluído, o projeto terá 1.527 Km.

3. Ferrogrão (PROJETO)
a. Visa conectar a região produtora de grãos do Centro-Oeste ao Estado do
Pará, desembocando no Porto de Miritituba.
208
b. Expansão da fronteira agrícola
c. Ligação: Sinop, no Mato Grosso, e Itaituba, no Pará.

4. Ferrovia Integração Centro-Oeste (PROJETO)


a. Ligação Campinorte (GO) e Água Boa (MT)

5. Estrada de Ferro Carajás (em operação)


a. Ligação: São Luís (Maranhão) e Parauapebas (Pará).
b. É a maior ferrovia de passageiros do Brasil

6. Estrada de Ferro Vitória-Minas


a. Ligação: Grande Vitória no Espírito Santo a cidade de Belo Horizonte
(MG).

7. Ferrovia Nova Transnordestina (EM CONSTRUÇÃO)


a. Ligação: do Porto de Pecém (Ceará) ao Porto de Suape
(Pernambuco), passando pelo cerrado do Piauí.

8. Ferrovia do Pantanal (EM CONSTRUÇÃO)


a. Ligação: Mato Grosso do Sul ao interior de São Paulo.

9. Ferroeste
a. Ligação: Cascavel e Guarapuava.

209
vii. Vantagens e desvantagens do Sistema Ferroviário

VANTAGENS DESVANTAGENS

● baixo custo: baixa incidência de taxas e ● inflexível: rotas fixas;


combustível mais barato; ● pode precisar de outros modais: para a
● capacidade alta de carga; entrega do produto ao destino final
● menor impacto ambiental

g. Principais Dutos

- Principais gasodutos:
- Gasoduto Brasil-Bolívia
- Reduc (RJ),
- São Paulo (SP),
- Betim (MG),
- Urucu-Coari-Manaus (AM)
- ANP (Fortaleza-POA)

h. Matriz Hidroviária
i. Portos

Região Sudeste Rio de Janeiro Automóveis, metalurgia

Santos - Maior fluxo de comércio internacional


- Navio pode ficar meses na fila

Vitória Minerais, metalurgia e carvão para Usiminas


210
Açu-RJ Investimento chinês

Região Norte Manaus ZFM e escoamento de motocicletas e caminhonetes

Miritituba-PA Escoamento de soja e grãos

Santarém - PA

Região Nordeste Salvador Cobre, petróleo e veículos automotivos

Aratu-BA Atende o Pólo Petroquímico de Camaçari


Comércio de petróleo, veículos, minerais

Itaqui - MA Atende Estrada Ferro Carajás (minério de ferro)/ Ferrovia Norte-


Sul
Escoamento soja e milho do MAPITOBA

Suape - PE Comércio automóveis, minério


Flexibilidade

Pecém - CE Permite armazenagem de contêineres


Flexibilidade

Região Sul Itajaí - SC

Paranaguá - PR 2º maior porto do Brasil


- Um dos mais movimentados (principais produtos soja e milho)

São Francisco -
SC

Rio Grande - RS Conexão com o Mercosul

Hidrovias
1. Bacia Amazônica

211
(1) Hidrovia Amazonas:
- pcp via de transporte e escoamento de carga da Rg N (65% material)
- Ligação hidrovia Madeira e Tocantins-Araguaia
- Navegação de interior
- Direcionados aos grandes centros – Belém (PA) e Manaus (AM)
- Produtos: borracha, castanha do Pará, madeira de lei e peles silvestres, derivados de
petróleo, produtos agrícolas, grãos e minérios, celulose, bauxita e caulim
- Exp: Europa, EUA, Ásia (via canal do Panamá)

(2) Hidrovia Madeira


- corredor logístico norte
- escoamento de soja, milho e açúcar (MT - Porto Velho)
- intermodal com a BR-364 até Manaus
- Vai até o Rio Abunã
- Exp Europa, EUA, Ásia (via canal do Panamá)

(3) Hidrovia Tapajós-Teles Pires


- Escoa madeira, soja e outros grãos
- Intermodal BR-230 e BR-163
- Liga Rg CO à Rg N
- Liga SINOP e Sorriso (MT) até Miritituba (PA) e segue para Belém (PA)

212
2. Bacia do Nordeste
(1) Hidrovia Parnaíba
- Soja, Arroz, Babaçu e Mandioca
- Pq e Md embarcações
- Envolve os estados MA, PI e CE

3. Bacia do São Francisco


(1) Dados gerais
- Liga o Centro-Sul com o NE
- Abrange MG, BA, PE, AL e SE
- Pq, Md e Gd embarcações
- Eclusa na Barragem de Sobradinho
- Pólo de Juazeiro/Petrolina voltado para mercado interno e exportação
- Integração com Barreiras
- Escoa Grãos, cana de Açúcar, algodão, frutas, avicultura

213
4. Bacia Tocantins Araguaia
(1) Hidrovia Tocantins-Araguaia
- Corredor Centro-Norte
- Soja e Milho, Combustíveis e Óleos Minerais
- Principais vias de transporte do corredor Centro-Norte brasileiro
- Possui eclusa em Tucuruí
- Escoamento de grãos do MT, GO, PA e TO
- 2ª maior bacia do Brasil

5. Bacia Tietê Paraná


(1) Hidrovia Paraná-Tietê
- Abrange os Estados São Paulo (SP), Paraná (PR), Mato Grosso do Sul (MS), Goiás
(GO) e Minas Gerais (MG)
- Possui 8 (6 no Tietê) eclusas para viabilizar navegação
- Liga 23 Polos industriais
- Se conecta com o MERCOSUL
- Gira ½ do PIB nacional de forma direta ou indireta

214
6. Hidrovia Paraná Paraguai
(1) Hidrovia Paraná-Paraguai
- Liga Cáceres (MT) ao Uruguai
- Abrange Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai
- Escoa grãos, minérios e produtos agrícolas
- Exportações ao mercado asiático também.

7. Bacia do Sul
(1) Hidrovia Mercosul
- Escoa Soja, Trigo, Celulose e Carvão Mineral
- Possui 6 Eclusas
- Ligação entre Brasil e Uruguai
- Turismo
- Fertilizantes e adubos, combustíveis, óleos minerais, produtos químicos orgânicos,
grãos, principalmente soja e trigo, celulose e carvão mineral

215
8. Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF) - Transposição do Rio São Francisco - Com
extensão de 477 km, tem como meta abastecer adutoras e ramais que irão perenizar rios e açudes e
garantir o fornecimento regular de água a 12 milhões de pessoas nos Estados de Pernambuco,
Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

9. Papel No Processo De Integração Do Território


a. Interligar a Região Sudeste ao Interior do País (principalmente ao Norte e Centro-Oeste)
b. Interligar os demais pólos industriais ao pontos fornecedores de matérias primas
c. Ampliar/ facilitar o escoamento da produção
d. Ligação da produção com as zonas portuárias nacionais
e. Aumento das ligações entre os diversos modais viários ( desenvolvimento da matriz de
transportes)
f. Ampliação da circulação econômica
g. Contribuir para circulação política
h. Colabora para o aumento do turismo
i. Aumento da circulação de pessoas
j. Contribui para o surgimento de novos pólos industriais (fuga dos grandes centros)
k. Ligação com pontos longínquos do país (interior da Amazônia)
l. Melhora da infraestrutura nacional
m. Redução Custo-Brasil
10. Justificar os óbices existentes nos setores de energia, de transporte e de tecnologia (NORDESTE -
AS2 -2020)
a. Setor de Transportes
1) Modal rodoviário deficitário - rodovias se encontram entre aquelas com os piores
estados de conservação, o que prejudica o desenvolvimento da atividade agropecuária;
2) Restrições do modal aeroviário - A capacidade do transporte aéreo no Nordeste
Brasileiro é um grande entrave, pois, sofre tanto pelas enormes restrições devido às
limitações físicas estruturais dos aeroportos, quanto pelo espaço disponível para o
estoque de cargas;
3) Modal ferroviário de pequena extensão - pequena extensão e densidade da malha e a
deficiências na infraestrutura;
4) Falta de integração ao modal aquaviário - Há necessidade de ampliação e modernização
das estruturas operacionais dos principais portos da Região e de integração aos demais
modais existentes para tornar o agronegócio mais competitivo;
216
5) Incipiente capacidade de armazenamento agrícola - infraestrutura deficiente de
armazenamento da produção (silos e galpões);
6) Deficiência em armazenamento e de tanques para resfriamento de leite - A atividade de
produção de leite de vaca é a quinta atividade com maior valor de produção total no
Nordeste. Apesar da importância dessa atividade na região, o número de
estabelecimentos que possuem estrutura para armazenamento e resfriamento adequado
do leite, bem como a capacidade total desses estabelecimentos, é pequeno em todos os
estados da região. Essa falta de estrutura prejudica a qualidade do produto e dificulta a
sua comercialização.
b. Setor de Tecnologia
1) Irregularidade na Assistência Técnica - Apenas uma pequena parte dos estabelecimentos
agropecuários recebe algum tipo de assistência técnica, dificultando a atividade
agrícola;
2) Limitadas pesquisas em C&T vocacionadas para o combate aos efeitos do clima - Há
necessidade de, por intermédio de tecnologias dedicadas utilizando-se de, por exemplo,
meios satelitais e pesquisas meteorológicas, ampliar o levantamento climático
nordestino, a fim de minimizar esses efeitos climáticos;
3) Defasagem tecnológica no processo de adubação e melhoramento de solos - Em uma
região onde os solos, em sua maioria, possuem baixíssima fertilidade natural, a prática
da adubação dos solos é fundamental para obtenção de maior produtividade agrícola.
4) Atraso tecnológico nos processos de irrigação - As restrições naturais a determinados
locais nos projetos de irrigação exige a implementação de técnicas específicas
c. Setor de Energia
1) Reduzida utilização de energias alternativas - A utilização de alternativas sustentáveis,
como células fotovoltaicas e aerogeradores, tem sido incentivada para complementar a
oferta de energia;
2) Irregular distribuição de energia elétrica - Os sistemas de fornecimento de energia
elétrica, para serem viáveis, precisam de um fator de carga alto, o que torna pouco
atrativo atender às populações rurais nordestinas localizadas de forma dispersa e
afastadas das redes de distribuição. Limitantes de caráter geográfico e ambiental
impossibilitam a extensão da rede elétrica, tornando ainda menos atrativo esse perfil de
atendimento;
3) Geração de energia dependente das condições climáticas - A seca na região, por vezes,
impacta a geração de energia produzida nas usinas hidrelétricas do rio São Francisco
(Sobradinho, Paulo Afonso, Xingó, dentre outras), afetando os níveis dos reservatórios,
com reflexos importantes, inclusive para a piscicultura que é desenvolvida nos lagos
formados pelas barragens.

11. Ações do Exército Brasileiro


- Participação EB reforma BR-163
- Modal rodoviário deficitário (Nordeste) - Trabalho do EB em conjunto com o Departamento
Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) na construção e manutenção de vários
trechos de rodovias, como a BR-230, BR-226 e BR101. (AS2 - 2020)
- Restrições do modal aeroviário (Nordeste) - A parceria do EB com a Empresa Brasileira de
Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO) para a realização de obras aeroportuárias, entre
as quais se destaca a construção do Aeroporto Internacional da Grande Natal, sediado no
município de São Gonçalo do Amarante (RN), beneficiando o escoamento de produtos
regionais. (AS2 - 2020)
- Modal ferroviário de pequena extensão (Nordeste) - A parceria do Governo Federal com o
217
Exército Brasileiro para a construção de 18,3 km de um trecho da Ferrovia de Integração
Oeste-Leste (Fiol), próximo a Correntina na Bahia, facilitando o escoamento de grãos do
oeste baiano. (AS2 - 2020)
- Limitadas pesquisas em C&T vocacionadas para o combate aos efeitos do clima (Nordeste)
- O EB realiza a perfuração de poços artesianos e distribui água para a região do semiárido,
aumentado a disponibilidade de água e a segurança hídrica da população. (AS2 - 2020)
- Atraso tecnológico nos processos de irrigação (Nordeste) - A participação do EB em trechos
das obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco, que levará água para regiões do
Complexo Nordestino onde não há rios perenes, viabilizando a irrigação. (AS2 - 2020)
- Duplicação BR-101 e 116 (AD 2020) - Apoio à realização de obras de infraestrutura viária
É tradicional a participação do EB na construção e reparação de estradas no interior do
Brasil. A qualidade, a celeridade e o judicioso emprego dos recursos têm concorrido para
ampliar o emprego da Engenharia de Construção na capilarização da malha viária nacional.
Recentemente, o Exército Brasileiro vem atuando em conjunto com o Departamento
Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em empreendimentos de construção e
manutenção rodoviária. Dentre os empreendimentos, destaca-se a duplicação da BR-
116/RS.
- 12 km BR-230 (Transamazônica)
- 1º e 2º Batalhões Ferroviários (Lages e Araguari)
- Transposição do São Francisco (AD 2020) - Apoio às obras de transposição do Rio São
Francisco O projeto foi dividido em 14 lotes e os trechos que ficaram sob a responsabilidade
do Exército estão prontos. Os militares executaram trabalhos de topografia e construção de
uma barragem e dois canais de aproximação do rio com as estações de bombeamento, na
região de Cabrobó (PE).(AD 2020)
- Obras para atenuação da seca no semiárido - Essa contribuição do Exército, a partir da
década de 1950, ocorreu por intermédio da construção de diversos açudes na área em que a
seca tem ocorrência crônica. Para tanto, o EB teve, à época, a celebração de convênio com a
Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE). Recentemente, o EB tem
realizado perfurações de poços artesianos em sete estados do Nordeste e em Minas Gerais.
Trata-se da Operação Semiárido. Iniciada em maio de 2016, a obra prevê a perfuração de
cerca de 500 poços por ano e é produto de uma parceria com o Ministério da Integração
Nacional.(AD 2020)
- Apoio à distribuição de água na região do semiárido brasileiro - Ao final da década de
1990, o Exército foi incumbido da distribuição de água com a Operação Pipa (Programa
Emergencial de Distribuição de Água). Trata-se de um projeto criado pelo Governo Federal
e que tem como objetivo principal levar água para consumo humano nas áreas atingidas pela
seca na região Nordeste, norte de Minas Gerais e norte do Espírito Santo. O programa foi
resultante de uma cooperação técnica e financeira entre os Ministérios da Integração
Nacional (MI) e da Defesa (MD). (AD 2020)
- Aeroporto São Gonçalo do Amarante (RN) (AD 2020) Apoio à realização de obras de
infraestrutura aeroportuária O EB realizou serviços de terraplenagem, pavimentação,
infraestrutura de sinalização e balizamento nas pistas de pouso e pátio e nas vias de acesso,
no aeroporto de São Gonçalo do Amarante (RN), a

218
12. Ações Governo atual (Bolsonaro)
- Concessão Ferrovia Norte-Sul
- Eclusas Rio Tucuruí
- Manutenção Hidrovias Madeira e Tocantins-Araguaia
- Instalações Portuárias Públicas de Pequeno Porte (IP4) - construção de pequenos portos para
municípios ribeirinhos para auxiliar escoamento de pessoas e mercadorias
- Ampliação aeroportos Manaus, Marabá, Rio Branco, Macapá e Foz do Iguaçu
- Pavimentação BR-364
- Pavimentação BR-153
- Ampliação Porto Santarém
- Regulamentação Navegação cabotagem (BR do Mar) - visa ampliar a oferta de serviços na
costa brasileira
- Ampliação dos portos Belém, Manaus e Macapá
- 2 ponte sobre o Rio Paraná (Itaipu Binacional)
- Viabilização de ferrovias FIOL, Norte-Sul, Ferrogão, Transnordestina

ASS. 60 - REDES DE INFORMAÇÃO


Objetivo: Compreender a importância das redes de informação para a integração e o desenvolvimento
nacionais.

219
1. A Importância Das Redes De Informação Para A Integração E O Desenvolvimento Nacionais
a. A partir da década de 80 houve ampliação dos fluxo de informação por meio de: Satélites,
Redes telefônicas, Cabos de fibra ótica, Redes celulares e ampliação das tecnologias da
informática
b. Acesso ao Conhecimento e informação oferecem oportunidades de redução da pobreza e
desigualdade. Porém, não é fator determinante, por si só, para essa redução.
c. As redes de informação possuem papel fundamental no mundo globalizado, pois permitem:
1) Desenvolvimento do comércio internacional;
2) Crescimento de empresas multinacionais;
3) Circulação de capital;
4) Comunicação em massa;
5) Circulação de informações;
6) Armazenamento e acesso global a informações;
7) Desconcentração Industrial; (distanciamento entre a produção e a administração da
empresa);
8) Redução do "inchaço urbano" (Home Office)
9) uso de plataforma ―streaming‖ (Netflix)
d. A infraestrutura de informação possibilita a difusão de conhecimento e educação,
necessários ao desenvolvimento do País. Ex: EAD
e. Tem crescido de importância pela implementação da "Internet das Coisas". Interligando
diversos equipamentos de uso cotidiano.
f. Principais Redes de Informação:
1) Rádio: muito utilizado até a década de 80. já foi o principal meio de informação. Ex:
Voz do Brasil
2) Televisão: Muito centralizada, monopólio da informação. 3 grandes empresas
controlam as emissoras menores.
3) Mídias Alternativas: Uso das Redes Sociais e plataformas de streaming têm
democratizado a difusão e o acesso à conteúdos e informação, com capacidade de
rivalizar com grandes plataformas de mídia. Ex: Canal Conexão Política
4) Satélites: tem crescido de importância com os avanços da tecnologia.
a) Brasil Sat foi o primeiro sistema de satélites disponibilizado no Brasil, mas
dependia de outros países (Canadá e EUA)
b) Brasil tem 9 satélites, divididos em 3 tipos: De Coleta de dados (SDC 1 e 2); de
Sensoriamento Remoto (CBERS I a IVa); De defesa e comunicação estratégica
(SGDC),
c) CBERS I a IV. Parceria com a China. Satélite apenas de imagem.
d) Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações estratégicas: comunicação e
defesa. Controla as comunicações militares e fornece internet Banda Larga a
regiões remotas. Parceria com a França, lançado em 2017.
e) Visiona Tecnologias Espaciais: empresa (joint venture) criada para parceria
Telebrás-Embraer que viabilizou o SGDC.
f) Satélites, em geral, possuem tecnologia protegida em seus países.
Compartilhamento dessa tecnologia depende de Relações Exteriores e Geopolítica
adequadas;
g) Satélite "AMAZÔNIA 1": Desenvolvido, integrado, testado e operado no Brasil,
previsto para ser lançado em Fevereiro de 2021 na Índia. Parceria do INPE,
Agência Espacial Brasileira e coordenação do MCTI.
h) Glonass: "GPS" russo. Brasil é o maior usuário fora da Rússia. Escritório no Brasil.
Parceria com UnB.
220
5) Fibra Óptica: Cabeamento Submarino para difusão no litoral. Interiorização
acompanhando rodovias, ferrovias, dutos e linhas elétricas e de telefonia. Garante
estabilidade nas conexões.
a) O Projeto Amazônia Conectada - visa ampliar o acesso a internet Banda
Larga na Amazônia - 1000 km de cabos de Fibra Ótica aliado a internet via
satélite (SGDC)
b) 72% dos municípios atendidos com conexão de Fibra ótica em 2020
(Fonte:Anatel)
c) Fibra Ótica Fortaleza-Camarões (projeto da HuaWei)

6) Internet: aumento da difusão devido às conexões 3G e 4G e difusão da Fibra Ótica.


a) 5G: 10x mais rápida que a 4G. Há discussão sobre a adoção da tecnologia 5G. A
implementação da rede com equipamentos dos EUA depende de alto investimento
enquanto o uso de material Chinês levanta questionamentos sobre a segurança.

2. Distribuição Internet no Brasil


a. menos 1% dos municípios tem mais de 50% dos acessos à internet banda larga fixa no país -
Desigualdade
b. Vários municípios possuem fornecedores não computados pela Anatel
c. empresas buscam investir em locais de maior demanda, concentração de renda e pessoas
d. Lei das Antenas - O Governo brasileiro estabeleceu parâmetros para instalação de cabos de
fibra óptica e estação de antenas. Antes era realizado pelos próprios municípios.

3. A atual situação das principais redes de informação no Brasil (AS 2/ CP 2019)


a. Aumento do comércio eletrônico - dinamiza e integra a economia
b. Investimentos da iniciativa privada em tecnologias - Contribuem para integração e
desenvolvimento
c. Participação no mercado financeiro - Redes são fundamentais para circulação do capital
financeiro
d. expansão do mercado consumidor - por meio do incremento nos setores de Informação e
comunicação
e. Concentração regional dos recursos humanos especializados - O Centro sul concentra esses
recursos por conta dos melhores salários e infraestruturas nas áreas de comunicação e
informação
f. Construção e lançamento de Satélites, como o CBERS e SGDC, em parceria com outros
países
g. Expansão das telefonias fixas e celular - pelo aumento da demanda, aumentando a
integração nacional
h. Novas tecnologias aplicadas à aviação - principalmente nas áreas de georreferenciamento e
microeletrônica, pela EMBRAER

221
i. Incentivo a formação de Tecnopólos - ITA (São José dos Campos) e o Porto Digital em
Recife, cluster de desenvolvimento de softwares
j. Difusão da internet no Brasil - popularização de redes sociais e aplicativos, favorecendo
integração comercial e social
k. Ampliação do uso da Fibra Ótica - maior qualidade, estabilidade e velocidade nas conexões
l. Uso do Rádio - Um dos primeiros meios de difusão de informações do Brasil
m. Utilização do EAD - democratização do acesso à educação
n. Incentivo a pesquisa e desenvolvimento - o Brasil desenvolve estudos nas áreas de
microeletrônica, meios de transporte, satélites, cabos de fibra ótica, tecnologia da
informação e comunicação.

222
RESUMO 2021

UD XVII - O SISTEMA EDUCACIONAL DO BRASIL

OBJETIVO ENGLOBANTE: Avaliar o sistema educacional brasileiro para concluir sobre as necessidades de
aprimoramento diante das demandas impostas pela conjuntura internacional

IDEIAS PARA A INTRODUÇÃO


- Ensino Jesuíta
- Era Pombalina - Educação Laica
- Período Joanino - Academias Militares e Escolas de Medicina e Direito - foco no ensino superior e
técnico
- Brasil Império - CF/1824 - Educação gratuita
- Era Vargas
- Reformulação de Escolas Militares (AMAN - 1944, ECEME)
- Ministério da Educação (1931)
- Censo 1940 - 56% de analfabetos
- A partir de 1946
- CF/46 - autorizou a criação de escola privada
- Escolas e universidades particulares ligadas à igreja (Marista/ PUC-SP)
- Universidades Federais (PE) e particulares
- Criação do ITA
- Foco no ensino técnico - Industrialização brasileira
- JK - Analfabetismo - 30%
- Governos Militares
- Criação dos Estudos Sociais
- Educação Moral e Cívica
- MOBRAL (1968)

- 1985-2003 - Sistema Nacional de Educação - responsabilidade da União


- Educação Particular e das Igrejas - suplantou o ensino público
- Brasil possui cerca de 58 universidades federais
- PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - determina diretrizes, metas e estratégias para a política
educacional no período de 2014 a 2024.
- MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) - Frentes de atuação:
Alfabetização/ Educação Básica/ Educação Profissional e Tecnológica/ Educação Superior

- Modalidades Especializadas de Educação/ Regulação e Supervisão da Educação Superior

- Desenvolvimento de mentalidade inovadora, competitiva e empreendedora no Brasil - Indústria 4.0

AGENDA 2030 - ODS 4 - Educação de Qualidade

223
ASSUNTO 65. ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO
Objetivos:
Analisar a atual situação do sistema educacional brasileiro

1. Estrutura e funcionamento do Sistema Educacional Brasileiro


a. Sistema Educacional Brasileiro (SEB): É a forma de como se organiza a educação regular no
Brasil. Essa organização se dá em sistemas de ensino da União, dos Estados, do Distrito Federal
e dos Municípios.

b. Legislação
1) Constituição Federal
- Art 6: Educação é um direito social
- Art 205: A educação, direito de todos e dever do Estado e da Família, será promovida e
incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da
pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho
- CF 88 - Fundeb (fundo de manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental e
valorização do magistério)
> determina que União aplique, no mínimo, 18% para educação e os estados, o Distrito
Federal e os municípios, 25%.

2) Lei de Diretrizes e Bases da Educação - regulariza a educação brasileira com base nos
princípios presentes na Constituição. A LDB foi atualizada em 2019 com relação à guarda
religiosa e em 2020 sobre carga horária mínima, por conta do COVID-19.
3) Plano Nacional de Educação (PNE) - 2014-2024 - vigência de 10 anos a contar de 2014
(diretrizes, estratégias e metas para educação). Principais diretrizes: melhoria na qualidade
da educação, educação para todos, erradicação do analfabetismo e valorização do
profissional de saúde.

c. Educação Básica
- Objetivo: Desenvolver no educando a formação comum indispensável para o exercício da
cidadania - meios para progredir em estudos posteriores.
1) Educação Infantil
- Dsv integral da criança em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social. A maioria das
escolas públicas são municipais.
i) Creches (0-3 anos)
ii) Pré-Escolas (de 4 a 5 anos) Mudança na LDB em 2013 tornou obrigatória
a fase da Pré-escola (APD 4 anos).

2) Ensino Fundamental (de 6 a 14 anos)


-Formação básica do cidadão (obrigatório e gratuito nas escolas públicas). Há uma equidade
entre escolas estaduais e municipais.

3) Ensino Médio (de 15 a 17 anos)


- Etapa final da educação básica, consolidação dos obj adquiridos no ensino fundamental - .
Obrigatório e gratuito desde 2013. A maioria das escolas públicas são estaduais. Responsabilidade dos estados.

e. Educação Superior
224
- estímulo à criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento
reflexivo. Dsv da ciência e tecnologia e criação e difusão da cultura.
1) Graduação
2) Pós Graduação
3) Extensão

f. Modalidades especializadas de ensino


1) Educação Profissional
- Destinada ao aluno matriculado/egresso do ensino fundamental, médio e superior, bem
como ao trabalhador em geral, jovem ou adulto. Divide-se em:
- Educação profissional técnica de nível médio (escolas técnicas) (CEFET)
- EPT de graduação e pós-graduação (cursos de tecnólogo)
- demais cursos profissionalizantes para indústria e comércio (SENAC, SENAI,
PRONATEC etc).
2) Educação Especial
- Educandos portadores de necessidades especiais
3) Educação de Jovens e Adultos
- Aqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos no ensino fundamental e
médio na idade própria (Supletivo)
4) Educação Indigena
- visa manter a cultura e tradições indígenas. Aulas bilíngues.
5) Educação à Distância
- Modalidade educacional na qual alunos e professores estão separados, física ou
temporalmente e, por isso, faz-se necessária a utilização de meios e tecnologias de
informação e comunicação.
6) Educação no Campo
a) 2012 - Programa Nacional de Educação do Campo (Pronacampo): escolas
adaptadas às peculiaridades da vida rural - Apoiar técnico e financeiramente os
Estados, Distrito Federal e Municípios para a implementação da política de
educação do campo (básica e superior)
b) 46% das escolas rurais não possuem acesso a internet
c) Procampo: Programa de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em
Educação do Campo apoia cursos regulares de licenciatura em educação do
campo nas instituições públicas de ensino superior de todo o país, voltados para a
formação de educadores para a docência nos anos finais do ensino fundamental e
ensino médio nas escolas rurais.

E Daí? O funcionamento do Sistema Brasileiro de Educação é regulamentado por leis e planos que estruturam a
educação, na tentativa de atender todas as demandas em cada faixa etária, nível profissional/ educacional, e
situação socioeconômica.

2. A Atual situação do Sistema Educacional Brasileiro


a. Brasil investe atualmente 6% do PIB em educação pública. Meta 2024 10%
b. Ranking da OCDE: 58º/65º
c. Educação Básica:
i. Desafios de infraestrutura: Acesso à água, esgoto, internet
ii. Baixo acesso à creche - 0 a 3 anos - 30% - Falta creche/dificulta a inserção no mercado
de trabalho da mulher
225
iii. Educação Infantil: crianças de 4 a 5 anos na escola atingiu 92%
iv. O ensino fundamental já atende 95% da pop. de 6 a 14 anos
1. Desafio: evasão escolar: 75% completam o ensino fundamental
2. Baixa qualidade - cerca de 40% com nota superior na PROVA BRASIL
v. 87% da pop. de 15 a 17 anos frequenta Ensino Médio
1. Desafio: evasão escolar: 60% completam o ensino médio

d. Educação superior
i. Instituto Nacional de Pesquisa Educacional (INPE) realiza o Censo da Educação
Superior
ii. Grande evasão no ensino superior
iii. O Brasil tem cerca de 7 doutores a cada 100 mil habitantes, enquanto que a média da
OCDE é 40 por 100 mil.
iv. Ofertado em modalidades presencial, semi-presencial e EAD (PEP 2020)
v. Aumento da proporção do EAD
vi. matrículas da pop. de 18 a 24 anos foi de 19,7%
vii. Elevado Número de Instituições de Ensino Superior (IES)
viii. Predomínio de Faculdades Particulares (cerca de 80% das IES)
ix. Predomínio de cursos noturnos
x. Predomínio de mulheres
xi. Baixa valorização das carreiras relacionadas ao magistério - explica a baixa remuneração
dos professores
xii. Integração deficiente entre universidades e empresas
xiii. Infraestrutura deficiente - laboratórios, quadras esportivas, salas de computadores
xiv. Baixa qualidade do ensino superior
xv. Concessão de bolsas de estudos e ajuda financeira - amplia o acesso às IES (CP2019)
e. Gasto do Tesouro de R$117,2 bilhões, sendo cerca de 64% com ensino superior e 30% com
educação básica(2018) -
f. Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM)
g. Sistema de Seleção Unificada (SISU)

3. NOVO CADERNO ODS 4 - EDUCAÇÃO DE QUALIDADE - AGENDA 2030


a. ODS 4: Assegurar a Educação Inclusiva e Equitativa e de Qualidade, e Promover Oportunidades
de Aprendizagem ao Longo da Vida para todos
b. Meta 4.1 - Até 2030, garantir que todas as meninas e meninos completem o ensino primário e
secundário livre, equitativo e de qualidade, que conduza a resultados de aprendizagem
relevantes e eficazes.
i. Situação do BRASIL (2017) - baixo índice de completamento dos ensinos em questão e
com baixa qualidade.
1. 75% dos jovens entre 16 e 19 terminaram o ensino fundamental.
2. 60% dos jovens entre 16 e 19 terminaram o ensino médio.
3. Menos de 40% obteve nota superior em Por e Mat na prova Brasil para o ensino
fundamental.

c. Meta 4.2 (ONU) – Até 2030, garantir que todos os meninos e meninas tenham acesso a um
desenvolvimento de qualidade na primeira infância, cuidados e educação pré-escolar, de modo
que estejam prontos para o ensino primário.
i. Situação no Brasil - baixa frequência nas creches e alta frequência na pré-escola.
1. 35% de frequência nas creches (0 a 3 anos). O Programa Nacional de Reestruturação
e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil
226
(Proinfância), criado em 2007, que financia a construção e a melhoria de creches e
pré-escolas no país, busca melhorar esse índice.
2. 93% de frequência na pré-escola (4 a 5)

d. Meta 4.3 (ONU) – Até 2030, assegurar a igualdade de acesso para todos os homens e
mulheres à educação técnica, profissional e superior de qualidade, a preços acessíveis, incluindo
a universidade.
i. Situação no Brasil - A taxa de participação das mulheres em relação à dos homens nas
matrículas da educação profissional e técnica e do ensino superior (2016-2017) é cerca
de 10% maior.
ii. Dois programas federais, o Programa Universidade para Todos (Prouni) e o Fundo de
Financiamento Estudantil (Fies) - contribuem para o acesso e a permanência de
estudantes em IES privadas.

e. Meta 4.4 (ONU) – Até 2030, aumentar substancialmente o número de jovens e adultos que
tenham habilidades relevantes, inclusive competências técnicas e profissionais, para emprego,
trabalho decente e empreendedorismo.
i. Brasil - O nível de formação profissional e superior da população brasileira é baixo,
apenas 8,2% de jovens e adultos tinham um diploma profissional e técnico de nível
médio e 15,5%, um diploma do ensino superior.
ii. Ações do Governo:
1. PRONATEC - visa aumentar a oferta de cursos na área profissional e tecnológica.
2. PROUNI - bolsas em Instituições de Ensino Superior (IES)
3. FIES - financiamento para alunos IES

f. Meta 4.5 (ONU) – Até 2030, eliminar as disparidades de gênero na educação e garantir a
igualdade de acesso a todos os níveis de educação e formação profissional para os mais
vulneráveis, incluindo as pessoas com deficiência, os povos indígenas e as crianças em situação
de vulnerabilidade.
i. Brasil - sem índice de acompanhamento
ii. Ação do Governo: Lei de Cotas (2012) - instituições federais de ensino superior e de
ensino técnico em nível médio devem destinar 50% das vagas por curso e turno a
estudantes oriundos integralmente do ensino médio público. A preferência para a
ocupação dessas vagas é para aqueles que se autodeclararem pretos (ou negros), pardos
(ou mulatos ou mestiços) ou indígenas, em uma proporção no mínimo igual à de pretos,
pardos e indígenas da respectiva população da Unidade da Federação (UF)

g. Meta 4.6 (ONU) – Até 2030, garantir que todos os jovens e uma substancial proporção dos
adultos, homens e mulheres, estejam alfabetizados e tenham adquirido o conhecimento básico
de matemática.
i. Situação no Brasil: alto índice de alfabetização da população jovem.
1. População de 15 anos de idade ou mais analfabeta (7%) e analfabeta funcional
(14%) em 2017.
2. Alfabetização entre 15 a 24 anos de idade = 99% em 2017

h. Meta 4.7 (ONU) – Até 2030, garantir que todos os alunos adquiram conhecimentos e
habilidades necessárias para promover o desenvolvimento sustentável e conhecimentos em
Direitos Humanos
i. Sem índices

227
ii. Ações do Brasil - O Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA) foi criado
com o intuito de planejar, executar e avaliar políticas públicas voltadas à educação
ambiental.
iii. Alteração e inclusão de assuntos na Base Nacional Comum Curricular e consequente
avaliação (Ex: ENEM)

i. Meta 4.a (ONU) – Construir e melhorar instalações físicas para a educação, apropriadas para
crianças e sensíveis às deficiências e ao gênero, e que proporcionem ambientes de aprendizagem
seguros e não violentos, inclusivos e eficazes para todos.
i. Situação no Brasil:
1. O acesso ao abastecimento de água e à eletricidade alcança mais de 90% das
escolas brasileiras;
2. Já o acesso à internet no ensino fundamental apresenta diferenças relevantes entre
as regiões do País;
3. No caso das escolas que oferecem ensino fundamental, somente 41,6% contam
com rede de esgoto e 52,3%, apenas com fossa.
4. Na região Norte o abastecimento de água atinge apenas 65,8% das escolas.
5. Brasil: deficiência em água, esgoto, luz, acessibilidade e internet.

j. Meta 4.b (ONU) – Até 2020, substancialmente ampliar globalmente o número de bolsas de
estudo disponíveis para os países em desenvolvimento.
i. Situação no Brasil:
1. O Brasil forma a maior parte de sua elite científica e de dirigentes no próprio país.
2. A questão no Brasil é reforçar a vinda de estudantes de outros países, para poder
interagir com os brasileiros e criar oportunidades de intercâmbio.
ii. Ações Gov:
1. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes),
vinculada ao MEC, que atua na concessão de bolsas para mestrado e doutorado.
2. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), ligado
ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para
incentivo à pesquisa.
3. Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila.)
4. Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab).

k. Meta 4.c (ONU) – Até 2030, substancialmente aumentar o contingente de professores


qualificados.
i. Situação no Brasil:
1. Baixa renda dos professores: A renda dos professores igual a 67% da média
nacional salarial dos profissionais com ensino superior em 2016,
2. Baixo índice de especialização dos professores

ASSUNTO 66: A EDUCAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO NACIONAL


Objetivos:
Interpretar os indicadores da educação no Brasil
Explicar a importância da educação no processo de desenvolvimento econômico, social e político do
Brasil

1. Os indicadores da educação no Brasil e sua interpretação


a. Acesso à Educação
228
i. 98%
ii. O Desafio é a qualidade e equidade - Uma solução - ensino integral - mais tempo na
escola
iii. Desistência ensino fundamental - cerca de 20% (Entram 95%, concluem 75%)
iv. Desistência ensino médio - cerca de 17% (Entram 87%, concluem 60%)
v. E daí: grande evasão nos ensino fundamental e médio.

b. Educação Infantil
i. creches atendem cerca de 30% (meta 50%)
ii. pré-escola atende 90 %
iii. PROINFÂNCIA: aumento do número de vagas e melhoria das existentes.
E Daí? Baixa adesão nas creches dificulta a inserção da mulher no mercado de trabalho

c. Ensino Fundamental
i. Atende cerca de 95% (meta 100%)
ii. 75% dos jovens de 16 anos concluíram o ensino fundamental (meta 95%)

d. Ensino Médio
i. atende cerca de 90% (meta 100%)
ii. 60% dos jovens de 19 anos concluíram o Ensino Médio
E Daí? Dificuldade de inserção no mercado de trabalho - mão-de-obra não capacitada - concorrência

e. Ensino Superior
i. 25% dos jovens tem acesso ao ensino superior
ii. Programas Governamentais como Prouni e Fies aumentam esse acesso
E Daí? Acesso ao ensino superior restrito

f. Alfabetização até os 8 anos


i. O previsto é alfabetizar com 5 anos.
ii. somente 45% é alfabetizada (meta 100%) - dados da Agência Nacional de Alfabetização
iii. Programa Alfabetização na Idade Certa

g. Programa Internacional de Avaliação do Estudante (PISA):


i. O Brasil figura nas últimas posições do PISA Matemática: 70º/79 - Ciencia: 66º/79 -
Leitura:57º/79

h. Educação Profissional
i. baixo percentual de alunos, cerca de 10% em jovens de 15 a 19 anos (países
desenvolvidos mais de 50%)
ii. PRONATEC e Programa Novos Caminhos

i. Desigualdades sociais
i. Mulheres mais escolarizadas que homens
ii. Programas de inclusão racial - Cotas - inexistência de dados para verificar o alcance do
programa

j. Agenda 2030
i. O Plano Nacional de Educação (PNE) abarca 7 metas das 10 previstas no ODS 4
1. Necessidades de inclusão de assuntos na BNCC
a. Direitos Humanos
229
b. Desenvolvimento sustentável
2. Necessidade de superar desafios nas estruturas das escolas. Água, esgoto,
internet.

2. A importância da educação no processo de desenvolvimento econômico, social e político do Brasil


a. ECONÔMICO:
i. Melhoria da qualidade da Força de Trabalho
ii. Aumento da produtividade
iii. Melhoria da competitividade no mercado de trabalho
iv. Inserção na economia global
v. Aumento da renda
vi. Aumento do PIB
vii. Redução dos gastos do governo
viii. Aumento do desenvolvimento e produção Científico-Tecnológico
ix. redução no desequilíbrio econômico no país
x. qualificação dos recursos humanos

b. POLÍTICO
i. Exercício da cidadania
ii. conscientização política
iii. votação qualitativa
iv. gestores públicos melhores qualificados
v. fortalecimento da democracia
vi. melhoria na qualidade do eleitorado
vii. melhoria na qualidade de lideranças políticas

c. PSICOSSOCIAL
i. Redução da violência
ii. Redução da pobreza
iii. Redução das diferenças sociais
iv. Melhoria na qualidade de vida
v. Melhoria na saúde
vi. Preservação do Meio Ambiente
vii. Aumento da empregabilidade
viii. Inclusão Social (deficientes e baixa renda)
ix. Melhoria na mobilidade social
x. Melhoria da integração
1. Sistema de Acreditação Regional de Cursos de Graduação do MERCOSUL
(ARCU-SUL) - Estados membros e associados do MERCOSUL reconhecem
mutuamente a qualidade acadêmica dos títulos ou diplomas outorgados por
Instituições Universitárias
2. Sistema Integrado de Mobilidade do MERCOSUL (SIMERCOSUL) -
aperfeiçoar, ampliar e articular as iniciativas de mobilidade acadêmica em
educação no âmbito do MERCOSUL
xi. Contribuição para a formação da nação

230
ASSUNTO 67: PROGRAMAS E AÇÕES GOVERNAMENTAIS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO
Objetivos:
Apresentar os programas e ações governamentais vigentes no Brasil, com destaque para a área de educação
básica, profissional e tecnológica, continuada, superior e a distância
Compreender os atuais desafios da educação no Brasil

1. Programas e Ações governamentais vigentes no Brasil (MEC - Ações e Programas)

a. Alfabetização
1) Política Nacional de Alfabetização (PNA) - visa orientar a condução do ensino e
reverter a crise de aprendizagem sofrida no Brasil. Tem dois programas como base: Tempo de
Aprender e Conta Pra Mim.
Programa Tempo de Aprender: efetiva aprendizagem da leitura e da escrita. Destinado
às crianças da pré-escola e do 1º e 2º ano do ensino fundamental das escolas públicas
brasileiras.
Programa Conta pra Mim: . Estimular, por meio de campanhas nas mídias sociais e
site do MEC, a literacia familiar e fortalecimento dos vínculos familiares.

b. Educação Básica
1) Clique Escola - aplicativo gratuito que visa incentivar o acesso da comunidade escolar e
da sociedade as principais informações educacionais e financeiras da escola.
2) Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) - ação em parceria com o
Ministério da Defesa, centrado na melhoria de gestão nas áreas educacional, didático-pedagógica e
administrativa, baseado no padrão dos Colégios Militares do Exército.
3) Programa de Apoio ao Novo Ensino Médio (ProNEM) - apoiar as secretarias de
educação estaduais e do DF na implementação de novo currículo do Novo Ensino Médio, por meio
de: apoio técnico para a elaboração e execução do Plano de Implementação do Novo Ensino Médio;
apoio técnico à implantação de escolas-piloto do Novo Ensino Médio; apoio financeiro; e formação
continuada.
4) Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral (EMTI) -
ampliação da oferta de educação em tempo integral no ensino médio nos estados e Distrito Federal,
por meio da transferência de recursos para as secretarias estaduais e Distrital de educação. Mais de
1400 escolas participantes;
5) Programa Educação em Prática - incentiva as instituições do ensino superior, públicas
e privadas, a abrirem seus espaços para estudantes dos anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º
ano) e do ensino médio vivenciarem as profissões, mediante pagamento de Bônus a ser definido
pelo MEC.
6) Programa de Apoio à Manutenção da Educação Infantil - Novos Estabelecimentos
(ProInfância) - recursos financeiros do governo federal para os Estados, municípios e o Distrito
Federal para a manutenção de novos estabelecimentos públicos da educação infantil. AGENDA
2030
7) Programa de Apoio à Manutenção da Educação Infantil - Novas Turmas (Brasil
Carinhoso) - Recursos para novas turmas em estabelecimentos já existentes. Em 2019 foram
repassados aproximadamente R$ 49 milhões, atendendo 145 municípios, 1.305 turmas e 21.897
novas matrículas
8) Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede
Escolar Pública de Educação Infantil (Proinfância) - executado pelo Fundo Nacional de
Desenvolvimento da Educação (FNDE). Tem por objetivo geral garantir o acesso de crianças a

231
creches e escolas, bem como a melhoria da infraestrutura física da rede de educação infantil.
AGENDA 2030
9) Programa de Apoio à Implementação da Base Nacional Comum Curricular
(ProBNCC) - apoiar as secretarias estaduais e municipais de Educação e a Secretaria de Educação
do Distrito Federal no processo de revisão, elaboração e implementação dos currículos alinhados à
BNCC. Pagamentos de bolsas ProBNCC Educação Infantil e Ensino Fundamental e ProBNCC
Ensino Médio (2019 e 2020) - AGENDA 2030
10)Programa de Inovação Educação Conectada - apoiar a universalização do acesso à
internet em alta velocidade e fomentar o uso pedagógico de tecnologias digitais na educação básica.
Conexão via satélite de 8.000 escolas rurais em banda larga (2018-2020). Transferência de recursos
para conectividade terrestre em banda larga de 70.000 escolas urbanas. (2018-2020) - AGENDA
2030.
11)Trabalho em Rede para Articulação de Sistemas e Políticas Educacionais -
contribuir para o alcance das metas e a implementação das estratégias definidas pelo Plano Nacional
de Educação (PNE).
12)Plataforma PDDE Interativo - ferramenta on-line de apoio ao planejamento e à gestão
escolar. Disponível para 181.939 escolas.
13)Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) - oferece alimentação escolar e
ações de educação alimentar e nutricional a estudantes da educação básica pública. O governo
federal repassa, a estados, municípios e escolas federais, valores financeiros de caráter suplementar
AGENDA 2030
14)Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) - avaliar e a
disponibilizar obras didáticas, pedagógicas e literárias, de forma sistemática, regular e gratuita, às
escolas públicas de educação básica das redes federal, estaduais, municipais e distrital e às
instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos e conveniadas com o
Poder Público
15)Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem) - Projovem Urbano e
Projovem Campo-Saberes da Terra. promover a reintegração de jovens com idade entre 15
(quinze) e 29 (vinte e nove) anos ao processo educacional, à qualificação profissional e ao
desenvolvimento humano AGENDA 2030
16)Programa de Apoio aos Sistemas de Ensino para Atendimento à Educação de
Jovens e Adultos (PEJA) - aumentar as matrículas na educação de jovens e adultos (EJA) na
modalidade presencial. Os recursos transferidos apoiam a manutenção e o desenvolvimento de
novas turmas de EJA abertas pelos estados, municípios e Distrito Federal
17) Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos
(Encceja)
18)Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (PNATE) - transferência
automática de recursos financeiros para custear despesas com manutenção, seguros, licenciamento,
impostos e taxas para o transporte de alunos da educação básica pública residentes em área rural ou
pagamento de serviços contratados junto a terceiros para o transporte escolar. AGENDA 2030

c. Educação Profissional e Tecnológica


1) Pronatec - ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica por meio de
ações de assistência técnica e financeira, expansão das redes federal e estaduais de EPT, ampliação
da oferta de cursos a distância. - AGENDA 2030
2) Novos Caminhos - fortalecimento da política de Educação Profissional e Tecnológica
(EPT), apoiando as redes e instituições de ensino no planejamento da oferta de cursos, alinhadas às
demandas do setor produtivo, e na incorporação das transformações produzidas pelos processos de
inovação tecnológica.
232
3) Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SisTec) -
registro e a divulgação dos dados da educação profissional e tecnológica, além da validação de
diplomas de cursos técnicos de nível médio;
4) Educação 4.0 - Ações estruturantes para a Educação no Mundo 4.0 - Planejamento
Estratégico, Curso de Pós-Graduação em Educação Digital, Fomento a projetos de Iniciação
Tecnológica, Aquisição de equipamentos de infraestrutura para treinamentos nas áreas de energias
renováveis e eficiência energética, Polos de Inovação, atendimento das demandas do setor
produtivo por pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) e à formação profissional para as
atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I)
5) Reformulação da Política de Certificação Profissional (Re-Saber) - promover o
aperfeiçoamento e a desburocratização do processo de reconhecimento de saberes e competências,
para fins de exercício profissional ou para prosseguimento de estudos
6) Governança da Rede Federal Educação Profissional, Científica e Tecnológica -
ampliação, interiorização e diversificação da educação profissional e tecnológica no país. A Rede
Federal é composta por 38 Institutos Federais, dois Centros Federais de Educação Tecnológica
(Cefet), a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), 22 escolas técnicas vinculadas às
universidades federais e o Colégio Pedro II. Ações: Laboratórios de Prototipagem, Habilitação e
autorização de cursos técnicos de instituições privadas de ensino superior (Ipes), disseminação das
estatísticas oficiais da Rede Federal de EPCT.

d. Modalidade Especializada de Educação


1) Programa Nacional de Educação do Campo (Pronacampo) - formação inicial e
continuada de professores, distribuição de material didático específico, acesso e recuperação da
infraestrutura em todas as etapas e modalidades de ensino da educação do campo.
2) Programa de Apoio à Formação Superior e às Licenciaturas Interculturais
(Prolind) - cursos específicos para a habilitação de professores indígenas para a docência nos anos
finais do ensino fundamental e no ensino médio. Em 2019, foram descentralizados recursos no valor
aproximado de 8,2 milhões para oferta de 1.759 vagas por 12 Instituições Federais de Ensino
Superior (IFES)
3) Ação Saberes Indígenas na Escola - ofertar cursos específicos de formação continuada
para professores indígenas que atuam, preferencialmente, nos anos iniciais do ensino fundamental.
De 2016 a 2018, foram descentralizados 61,4 milhões para oferta de 13.208 vagas.
4) Planejamento Intergovernamental de Educação Escolar Indígena - PNEEI -
implementar as propostas deliberadas na II Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena
(CONEEI); fortalecer a colaboração entre os entes federados, a participação social, a transparência
das ações e a gestão por resultados.
5) Construção, ampliação e reforma de escolas - apoio técnico e financeiro aos Estados,
Distrito Federal e Municípios para a melhoria das condições de infraestrutura das escolas, atendendo
às necessidades da educação do campo, indígena, quilombola e de povos e comunidades tradicionais
AGENDA 2030
6) Acompanhamento da frequência escolar dos estudantes/beneficiários do Programa -
Bolsa Família (PBF) - frequência mínima deve ser acima de 75%
7) Programa Escola Acessível - promover condições de acessibilidade ao ambiente físico,
aos recursos didáticos e pedagógicos e à comunicação e informação nas escolas públicas de ensino
regular. AGENDA 2030
8) Programa Nacional do Livro Didático Acessível (PNLD Acessível) - Disponibilizar,
em formatos acessíveis, às escolas públicas de ensino fundamental e médio, livros didáticos e acervos
de obras literárias e obras complementares para atender aos estudantes deficientes visuais e surdos
sinalizantes AGENDA 2030
233
9) Formação de Profissionais da Educação Básica em Educação Especial - Fomentar,
acompanhar e avaliar a formação continuada em Educação Especial para potencializar a efetividade
nos processos de ensino-aprendizagem do público da educação especial. Em 2020, foi elaborado o
curso de formação continuada “Alfabetização para Estudantes com Deficiência” para 1.100
professores

e. Educação Continuada
1) Disponibilização de 17 cursos auto instrucionais de formação continuada para
professores e demais profissionais da educação básica, com certificação.
2) Programa Nacional de Formação Continuada a Distância - Voltado para a
capacitação de profissionais de ensino, técnicos e gestores públicos municipais e estaduais.

f. Educação Superior
1) ProUni - desde 2005, o Programa Universidade para Todos (Prouni) concede bolsas de
estudo integrais e parciais de 50% em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, para
estudantes brasileiros ainda não graduados, em instituições privadas de ensino superior. 2 milhões de
vagas ofertadas em 2019 e 2020. Usa a nota do ENEM/SISU. AGENDA 2030
2) FIES - financiamento a estudantes de cursos superiores não gratuitos e com avaliação
positiva no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Direcionada aos
estudantes com renda familiar per capita de até três salários mínimos e oferece taxa de juros reais
zero. Parte da operação é garantida pelo Fundo Garantidor Fies, o que elimina a necessidade de
fiador. Em 2020 foram autorizados 100 mil novos financiamentos. (PFIES - opção para estudantes
com renda maior - de 3 a 5 salários mínimos)
3) Sistema de Seleção Unificada SISU - sistema informatizado gerenciado pelo MEC, que
seleciona candidatos a vagas em cursos de graduação ofertadas pelas instituições públicas de
educação superior com base nos resultados obtidos no Enem AGENDA 2030
4) Bolsa Permanência - auxílio financeiro a estudantes de graduação matriculados nas
Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes), em situação de vulnerabilidade socioeconômica,
especialmente indígenas e quilombolas, visando contribuir para a permanência e a diplomação dos
beneficiados.150.740 bolsas concedidas em 2020.
5) Bolsa Permanência ProUni - oferece auxílio financeiro (400,00/mês) ao bolsista
integral do Prouni, com renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo. Em 2020 foram pagas
107.117 bolsas
6) Programa Future-se - busca o fortalecimento da autonomia administrativa, financeira e
da gestão das universidades e institutos federais. Essas ações serão desenvolvidas por meio de
parcerias com organizações sociais. aproximar as instituições das empresas, para facilitar o acesso a
recursos privados
7) Idiomas sem Fronteiras - Propiciar a formação inicial e continuada e a capacitação em
idiomas de estudantes, professores e corpo técnico-administrativo das instituições de educação
superior, bem como a formação e a capacitação de estrangeiros em língua portuguesa. 591.842
inscrições em 4 anos (2016 a 2019).
8) Programa de Acessibilidade no Ensino Superior (Incluir) - Adequação arquitetônica
ou estrutural de espaço físico reservado à instalação e funcionamento na instituição. Adequação de
sanitários, alargamento de portas e vias de acesso, construção de rampas, instalação de corrimão e
colocação de sinalização tátil e visual. Formação de profissionais para o desenvolvimento de práticas
educacionais inclusivas e para o uso dos recursos de tecnologia assistiva.2,4 milhões alocados em
2019. AGENDA 2030
9) Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) - Democratizar o acesso e
permanência na educação superior de estudantes de baixa renda matriculados em cursos de graduação
234
presencial das instituições federais de ensino superior, Reduzir as taxas de evasão e retenção,
minimizar os efeitos das desigualdades sociais e regionais na permanência e conclusão da educação
superior
10) Programa Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G) - Qualificar e formar
estudantes estrangeiros por meio de oferta de vagas gratuitas em cursos de graduação em Instituições
de Ensino Superior - IES brasileiras. Há 1.815 alunos de 53 países diferentes regularmente
matriculados em 89 IES brasileiras. Entre 2009 e 2020, mais de 2.300 alunos se formaram.
11) Programa de Apoio a Extensão Universitária (ProExt) - financiamento às instituições
públicas e comunitárias de ensino superior no desenvolvimento de programas ou projetos de extensão
que contribuam para a implementação de políticas públicas, com ênfase na inclusão social. 55
milhões investidos e mais de 100 instituições beneficiadas em 2016.
12) Programa de Educação Tutorial (PET) - Desenvolver atividades acadêmicas em
padrões de qualidade de excelência, por meio de grupos de aprendizagem tutorial de natureza
coletiva e interdisciplinar. 12.332 estudantes de graduação participaram dos grupos de tutoria do
PET, 107.736 bolsas concedidas.
13) Programa Mobilidade Acadêmica Regional para Carreiras Acreditadas pelo
sistema ARCU-SUL (MARCA) - Melhorar a qualidade acadêmica do sistema educacional do
Mercosul, por meio de sistemas de avaliação e acreditação, e da mobilidade de estudantes, docentes e
pesquisadores entre instituições e países.
14) Reconhecimento e Revalidação de Diplomas Estrangeiros - Oferece um sistema
coordenado para revalidação / reconhecimento de títulos e diplomas estrangeiros no Brasil,
contribuindo para dar agilidade, transparência, coerência e previsibilidade aos processos. A
plataforma Carolina Bori permite que o diplomado faça todo o trâmite on-line.
15) Projeto Mais Médicos para o Brasil - Supervisão Acadêmica com foco na educação
permanente em saúde, na integração ensino serviço, da atenção básica, na formação de profissionais
nas redes de atenção à saúde. Conta com 57 Instituições Supervisoras.
16) Programa de Certificação de Hospitais de ensino - Certificar estabelecimentos de
saúde como Hospital de Ensino em conjunto com o Ministério da Saúde

g. EAD e Digitalização
1) AVAMEC - Plataforma de Ambiente Virtual de Aprendizagem do MEC
2) Educação 4.0
3) Diploma Digital
4) ID Estudantil Digital
5) EBAula

6) Vantagens do ensino a distância no Brasil (AT3-2021)


1. Flexibilidade de locais e horários (popularização do ensino).
2. Custo reduzido (facilita o ingresso das pessoas de quase todos os estratos sociais).
3. Diploma reconhecido.
4. Variedade de cursos no ensino a distância.
5. Comodidade (TI, principalmente os “smartphones”, possibilitou o advento da
Educação Ubíqua, que tende a ser a nova fronteira da pedagogia moderna)..
6. Desenvolvimento de habilidades e atributos.
7. Economia de tempo.
8. Novas ferramentas pedagógicas (TI possibilita ferramentas de apoio à
aprendizagem inovadoras e interação).
9. Inclusão.

235
10. Intensa vivência digital (desenvolvimento de uma competência transversal
àquelas curriculares do curso desenvolvido.

2. Os Atuais Desafios da Educação no Brasil


a. Educação básica:
Desafio Programa

-
Aumentar a qualidade da alfabetização e - Programa Conta para Mim
equidade do sistema escolar - Programa Nacional de Alfabetização
- Melhoria no índice de alfabetização infantil - EMITI - Ensino Integral (mais tempo na
(Somente 45% das crianças alfabetizadas até 8 escola, mais aprendizado)
anos/ 7% da população analfabeta) - Pró-infância

Diminuir taxa de analfabetismo - Programa Brasil Alfabetizado


- Programa Nacional de Alfabetização

Diminuir a evasão escolar - Programa Educação em Prática


- Programa Caminho da Escola

Manter os alunos na rede pública - Programa Bolsa Família (frequência mínima


75%)

Aumentar a qualidade do ensino na rede pública - PECIM


- Programa Nacional Biblioteca na Escola

Reajuste salarial dos docentes - Piso Salarial Profissional Nacional – Lei nº


Valorizar o profissional da educação 11.738/2008 - para os profissionais do
magistério público da educação básica

Oferecer cursos de qualificação pedagógica aos - Formação Continuada para Professores


docentes - Formação de Profissionais da Educação
Básica em Educação Especial

Aperfeiçoar e melhorar a infraestrutura escolar - FUNDEB


(Ex: saneamento, água, luz e internet) - Programa de Inovação Educação Conectada
- Pró-Infância

- Universalizar acesso na educação infantil - Pró-infância


- Aumentar número de vagas nas creches - Brasil Carinhoso
(Somente 30% das crianças)

Universalizar ensino fundamental - Programa Bolsa Família


- Projovem - Programa Nacional de Inclusão
de Jovens

Universalizar ensino médio - PEJA


- Projovem - Programa Nacional de Inclusão
de Jovens

Melhorar educação profissional técnica - PRONATEC


(Somente cerca de 10% dos estudantes entre 15 e - Programa Novos Caminhos
19 anos estudam em escolas técnicas) - Educação 4.0

Melhorar a Integração educacional com outras - Simercosul


nações

Melhorar a acessibilidade - Programa escola Acessível


(65% das escolas possuem alunos com deficiência e - Livro didático acessível
muitas delas não possuem a acessibilidade correta)

236
b. Educação Superior:
Desafio Programa

Ampliar e democratizar o acesso à educação - FIES


superior de qualidade - PROUNI
(Somente 40% dos jovens entre 18 e 24 anos) - SISU
- PNAES

Aumentar a quantidade de mestres e doutores - PROEXT


- Bolsas de Mestrado e Doutorado - MEC
(CAPES)

Aumentar a oferta de cursos de extensão - ProExt


universitária

Incrementar a integração entre ensino, pesquisa e - CAPES


extensão - FUTURE-SE

Criar mecanismos de motivação para o exercício da - PET


docência superior

- Evitar a evasão de graduandos - PNAES


(50% dos que ingressam não se formam) - Bolsa Permanência
- Combater “fuga de cérebros”

Superar desigualdades no ensino - Incluir


- Sistema de cotas

- Melhorar a Integração educacional com - MARCA - Arcu-sul


outras nações
- Validação de diplomas e reconhecimento de
estudos

Contribuições do EB na educação
- Educação militar - Colégios Militares e IME (AD 2020) - Os Colégios Militares (CM) e o Instituto
Militar de Engenharia (IME) têm preparado jovens com educação de alta qualidade, destacando-se
positivamente na sociedade. O IME é um estabelecimento de ensino que, além de formar de grande
número de engenheiros civis e militares, constitui-se em um polo de excelência na realização de
pesquisas e desenvolvimento de tecnologia.
- Escola Superior de Guerra (AD 2020) - É notória a contribuição acadêmica da Escola Superior de
Guerra (ESG), a partir da década de 1950, onde passou-se a estudar a formulação de políticas de estado
e a capacitar lideranças expressivas no País. Neste estabelecimento de ensino, desde a sua fundação,
contou-se com a colaboração do EB e de seus integrantes, mormente nos estudos da Geopolítica. Alguns
expoentes, oriundos do Exército, prestaram relevantes contribuições na busca pelas soluções dos
grandes problemas nacionais. Destacam-se, nesse seleto rol, Mário Travassos, Meira Mattos e Golbery
do Couto e Silva
- Preparação para o mercado de trabalho As organizações militares especializadas, como arsenais,
fábricas de material bélico e batalhões de engenharia de construção, têm contribuído com a capacitação
técnica de reservistas. Tal ação se presta tanto para o exercício da atividade militar, quanto para a
qualificação de recursos humanos para o mercado de trabalho nacional, essencial ao desenvolvimento
do País.
LEGENDA
ideias - BAREMA
ideias - DÚVIDA
ideias - IMPORTANTE/ FORTE
Ideias - julgadas ERRADAS E DAÍ? PLADIS

237