Você está na página 1de 3

ADESÃO DO MUNICÍPIO DA MAIA À ASSOCIAÇÃO DO PARQUE

DE CIÊNCIA
E TECNOLOGIA DO PORTO

O pedido de autorização de adesão do Município da Maia à


Associação do Parque de Ciência e Tecnologia do Porto,
apresentado pela Câmara Municipal a esta Assembleia Municipal,
como condição de eficácia da deliberação tomada por unanimidade
pela Câmara Municipal, constitui, quanto a nós, uma honra para o
Município e para os munícipes, atentas as finalidades da
Associação, designadamente a “promoção, instalação e
desenvolvimento de um parque de ciência e tecnologia que
possa contribuir para a investigação científica e tecnológica do
país” e, do qual, a Maia passará a ser um dos seus pólos, à
semelhança do que acontece com outros, já instalados nas regiões
do Porto, Stª Maria da Feira e Vale do Ave.

Subida honra, porquanto a iniciativa parte da referida Associação,


através de um convite endereçado à Câmara Municipal, no sentido
de o Município passar a integrar a lista dos conceituados membros
efectivos da APCT-P.

O que a Câmara Municipal peticiona, é simplesmente, uma


autorização da adesão do Município à APCT-P e, não mais do que
isso.
O facto de a APCT-P passar a integrar o TECMAIA – Parque de
Ciência e Tecnologia da Maia – evidencia quão acertada foi a
política da Câmara Municipal em matéria de promoção e
desenvolvimento da investigação científica e tecnológica, ao criar
um parque próprio na Maia, pelo que, e ao contrário do que a
Oposição não se tem cansado de apregoar, o convite é também o
reconhecimento de que:

1 - O Projecto Político de Desenvolvimento da maioria que governa


a Maia, há já quase três décadas, não está esgotado;

2 - De que a Câmara Municipal da Maia há muito está no caminho


certo em matéria de política de desenvolvimento científico-
tecnológico, e que sabe muito bem da sua importância enquanto
mola propulsora do desenvolvimento sustentado, a par das políticas
de ambiente e das políticas sociais.

Continuando a apostar forte no domínio da investigação científica e


tecnológica, assim como na instalação de empresas de tecnologia
de ponta, a Câmara Municipal através do acordo celebrado com a
APCT-P, criou condições para que os actuais 12.000 m2 de
edificação acima do solo, existentes no TECMAIA, passem para
77. 345 m2, dos quais 66.893 m2 se destinam a edifícios para
empresas e instituições de Investigação e Desenvolvimento.

Atenta à evolução do nosso parque tecnológico e, sabendo da


importância de ser parte activa neste processo de desenvolvimento
na Maia, a APCTP assegurou a aquisição de um edifício com 3.000
m2, sendo que, 2.400 m2 já se encontram reservados para a
instalação de um empresa de referência internacional na área das
tecnologias de Informação e Comunicação (TIC’s).
Senhores Deputados, é com redobrado orgulho que passaremos a
integrar uma lista de instituições e organizações de elevado
prestígio e reconhecido mérito, como as Universidades, Fundações,
Associações, Institutos e Empresas, públicas e privadas, que
constam da lista anexa aos Estatutos da APCT-P, mas pensamos
que é também prestigiante para a própria APCTP integrar o nosso
parque tecnológico.

Concluindo, Senhores Deputados, a bancada da maioria


congratula-se com a decisão da Câmara Municipal, que com este
convite foi expressamente considerada pela Associação do Parque
de Ciência e Tecnologia do Porto, um parceiro privilegiado na
promoção da investigação científica e tecnológica, tão necessária
ao Desenvolvimento do País, inscrevendo uma vez mais o nome da
Maia em Maiúsculas, num processo de reconhecido interesse
público, para o País em geral e para a Maia em particular.

Mário Duarte
(Grupo Parlamentar “Primeiro as Pessoas”)