Você está na página 1de 13

Universidade Católica de Moçambique

Instituto de Educação à Distância

Tema: Documentos Normativos da Escola

Nome e Código do Estudante: Benedito Jaime Ernesto - 708208135

Curso: Licenciatura em Ensino de História


Disciplina: Práticas Pedagógicas II
Ano de frequência: 2° Ano
Turma: A

Docente: dr. João Uane Magenje

Beira, Maio, 2021


Critérios de avaliação (disciplinas teóricas)

Classificação
Categorias Indicadores Padrões Nota
Pontuação
do Subtotal
máxima
tutor
 Índice 0.5
 Introdução 0.5
Aspectos
Estrutura  Discussão 0.5
organizacionais
 Conclusão 0.5
 Bibliografia 0.5
 Contextualização
(Indicação clara do 2.0
problema)
Introdução  Descrição dos
1.0
objectivos
 Metodologia adequada
2.0
ao objecto do trabalho
 Articulação e domínio
do discurso académico
Conteúdo (expressão escrita 3.0
cuidada, coerência /
Análise e coesão textual)
discussão  Revisão bibliográfica
nacional e internacional
2.0
relevante na área de
estudo
 Exploração dos dados 2.5
 Contributos teóricos
Conclusão 2.0
práticos
 Paginação, tipo e
Aspectos tamanho de letra,
Formatação 1.0
gerais paragrafo, espaçamento
entre linhas
Normas APA
 Rigor e coerência das
Referências 6ª edição em
citações/referências 2.0
Bibliográficas citações e
bibliográficas
bibliografia
Folha de Feedback dos tutores:

___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
Índice

1. Introdução ............................................................................................................................... 3

1.2. Objectivos ............................................................................................................................ 3

1.2.1. Objectivo geral ................................................................................................................. 3

1.2.2. Objectivos específicos ...................................................................................................... 3

1.3. Metodologias ....................................................................................................................... 3

2. Documentos Normativos da Escola ........................................................................................ 4

2.1. Documentos do sector pedagógico ...................................................................................... 4

2.1.1. Documentos normativos da Secretaria ............................................................................. 4

3. Organização do livro de turma ............................................................................................... 4

3.1. Importância do livro de turma ............................................................................................. 5

4. Plano de Estudo ...................................................................................................................... 5

5. Regulamento da Avaliação ..................................................................................................... 5

5.1. Circulares ............................................................................................................................. 7

5.1.1. Mapas Estatísticos ............................................................................................................ 7

5.2. Processo do funcionário....................................................................................................... 8

5.2.1 Os principais documentos no processo do funcionário ..................................................... 8

5.3. Processo de aluno ................................................................................................................ 8

5.4. Planificação quinzenal ......................................................................................................... 8

5.5. Planificação de aulas ........................................................................................................... 8

Conclusão ................................................................................................................................. 10

Referências bibliográficas ........................................................................................................ 11


1. Introdução
A cadeira de Práticas Pedagógicas II proporciona aos estudantes a possibilidade de entrar em
contacto com a realidade educativa, que centra-se no ensino. Como é sabido, no decurso das
actividades das PPII nos cursos de formação de quadros da educação na Universidade
Católica de Moçambique (UCM), através do seu Centro de Ensino à Distância (CED).

Neste presente trabalho da cadeira de Práticas Pedagógicas II trata sobre “Documentos


Normativos da Escola”, onde faz-se referência do estudo das normas, regulamentos que
permitem melhor funcionamento das suas actividades educativas. Por tanto, vamos estudar
essas normas com realce para o regulamento interno da escola, regulamento das escolas
básicas e regulamento de avaliação.

1.2. Objectivos
1.2.1. Objectivo geral

 Conhecer os Documentos Normativos da Escola.

1.2.2. Objectivos específicos

 Identificar os documentos normativos existentes na escola;


 Estudar o cumprimento das normas criadas na escola;
 Descrever a utilidade de tais documentos e o funcionamento dos mesmos.

1.3. Metodologias
Para o desenvolvimento do presente trabalho foi utilizada a metodologia de pesquisa
bibliográfica, utilizando a abordagem qualitativa, que é uma técnica de pesquisa que utiliza
como base de dados conteúdos materiais já publicados em revistas, livros, artigos e teses,
assim como também materiais disponíveis na internet (GIL, 2010).

3
2. Documentos Normativos da Escola

2.1. Documentos do sector pedagógico

 Instrução ministerial;
 Regulamento interno da Escola;
 Regulamento de Escola;
 Regulamento de Avaliações;
 Estatuto do professor;
 BR;
 O regulamento do MEC;

A instituição faz o estudo dos documentos normativos, que foram recolhidos por nós. Nesta
perspectiva a Escola divulga o regulamento interno nas reuniões de turmas e nos encontros
entre professores. O registo académico por parte dos professores é feito nas cadernetas e no
sector pedagógico é feito em pautas.

2.1.1. Documentos normativos da Secretaria


 Livro de ponto;
 Livro de registo de expediente;
 Uma lista de docentes e trabalhadores;
 Regulamento das Escolas do ensino básico;
 Processos individuais dos alunos;
 Minutas para diversos tipos de regulamentos;
 Modelos para o processamento de salários.

3. Organização do livro de turma


Livro de turma e um instrumento que consta informações de:

 Nomes completos dos alunos


 Dados bibliográficos
 Notas dos alunos
 Actividades extras curriculares que os alunos realizam na escola
 Horário da turma
 Espaço onde os professores marcam faltas e preenchem a meteria dada

4
3.1. Importância do livro de turma
Permite conhecer e controlar todas actividades dos professores e dos alunos. Actividades
pedagógicas, presenças dos alunos assim como dos professores. Em suma controlar todas
actividades de ensino e aprendizagem e conservar as informações de todos processos da
escola.

4. Plano de Estudo
É um documento que orienta as actividades lectivas de um ano e junta-se ao calendário
escolar de todos os níveis de ensino, o plano de estudo resume-se em mapas de cumprimentos
do programa e ensino, onde cada disciplina esta planificada, as aulas que devem ser dadas até
ao final do ano.

5. Regulamento da Avaliação
Segundo Libâneo (2006) considera avaliação como sendo uma apreciação qualitativas
relevantes do processo de ensino e aprendizagem que auxilia o professor a tomar decisões
sobre seu trabalho (p.196).

Portanto, avaliação permite conhecer e controlar todas actividades dos professores e dos
alunos. Actividades pedagógicas, presenças dos alunos assim como dos professores. Em suma
controlar todas actividades de ensino e aprendizagem e conservar as informações de todos
processos da escola.

No regulamento geral das escolas do ensino básico do diploma ministerial número 79/96 de
28 de Agosto está disposto nos seguintes:
Artigo 46 Definição de avaliação
Este artigo define avaliação como uma componente de prática educativa que permite uma
recolha sistemática de informação.
Artigo 47 Local de realização da avaliação
Incide sobre aprendizagem competências definidas nos programas de ensino para diferentes
áreas de disciplina de ensino de cada ciclo e grau, esta é feita no recinto de aula podendo ser
em salas de aulas, e em outros locais propícios para a realização desta actividade.

5
Artigo 48 Objectivos de avaliação
Permite ao professor tirar conclusão de resultados alcançados para o comportamento
pedagógico, apoia o processo educativo de modo a sustentar o PEA.
Artigo 49 Princípios de avaliação
Consistência entre os processos de avaliação e aprendizagem.
Avaliação formativa tem a valorização dos processos de auto-avaliação.
A valorização do aluno ao longo do ciclo de aprendizagem, transparência no processo de
avaliação e a diversificação dos intervenientes da avaliação
Artigo 50 Intervenientes da avaliação

Os principais intervenientes da avaliação são: os professores e alunos


Artigo 5 Modalidades da avaliação
Abrange os seguintes tipos de avaliação:

 Avaliação diagnostica - que se faz no início do ano lectivo com vista avaliar o nível
de aproveitamento pedagógico que os alunos têm.
 Avaliação formativa – é contínua e sistemática com a finalidade de ver o grau
assimilação da matéria por parte dos alunos.
 Avaliação somática – ocorre no fim de cada ano lectivo e de cada ciclo, tem a função
de avaliar o aproveitamento pedagógico final dos alunos e o seu registo é obrigatório.
 Avaliação aferida - destina-se a recolher dados sobre o currículo.

Artigo 56 formas da avaliação

Existem 3 formas de avaliação:

 Avaliação contínua e sistemática (ACS)


 Avaliação contínua parcial (ACP)
 Avaliação final (AF)

Existem também avaliação qualitativa e quantitativa:

De 0 aos 6 valores – não satisfatória

De 7 aos 9 valores – aceitável

6
De 10 aos 13 valores – satisfatório

De 14 aos 17 valores – bom

De 18 aos 20 valores – muito bom

Artigo 64 Duração dos testes

A realização dos testes pode ser de curta ou longa duração.

De longa duração – realizam-se dentro de um tempo lectivo duma determinada disciplina


fazendo parte deste os de um tempo lectivo 45 minutos, 60 minutos ou 90 minutos.

Os de curta duração – faz-se antes do início da aula, ao decorrer ou no final da aula podendo
durar de 10, 15 ou 20 minutos.

Artigo 65 utilidade do TPC


O TPC serve para consolidar os conteúdos tratados numa ou mais aulas.
Serve para avaliar o aluno sempre possível deve ser de forma oral.
Na avaliação d TPC deve se ter em a apresentação, caligrafia, organização e a limpeza.
A classificação do TPC deve ser registada no grupo de ACS.

5.1. Circulares
Passam por esta escola vários documentos normativos provenientes do MEC e outros
ministérios velando pelo bom funcionamento, dentre estes destacam-se as circulares que são
documentos oficiais provenientes de órgãos hierarquicamente superiores reportando assuntos
que o seu conhecimento e cumprimento e de carácter obrigatório. Estas são enumeradas,
datadas, assinadas e carimbadas.

5.1.1. Mapas Estatísticos


Nestes documentos são afixados os resultados ou aproveitamento trimestral, semestral e
anual, são colocadas em percentagens individuais e colectivas obtidas durante o ano lectivo.
Nas escolas existem documentos legais de carácter normativo, onde vem escritas as leis
aprovadas pela assembleia da república e pelo governo, as quais devem ser cumpridas pelos
funcionários do estado. Aparecem igualmente os direitos e deveres dos funcionários em
artigos formulados e ordenados duma maneira simplificada e compreensível.

7
5.2. Processo do funcionário
O processo individual é como um dossier que compulsa toda situação que o funcionário
manifesta e é de grande importância na vida funcionário. Para o progresso e promoção do
próprio funcionário. É no processo individual onde se pode constar o currículo vitae do
funcionário, em caso da morte deste, é onde pode constar o testamento.

5.2.1 Os principais documentos no processo do funcionário


 Certificado de habilidades literárias
 Cópia do bilhete de identidade
 Cartão de nascimento
 Termo de início de função
 Termo de tomada de posse
 Ficha de avaliação anual do desempenho do funcionário.

5.3. Processo de aluno


Contem todos dados do aluno que são organizados em classes e turmas em ordem
cronológica, a sua existência é de carácter obrigatório e sua respectiva conservação com a
maior segurança.

5.4. Planificação quinzenal


Pode se definir planificação quinzenal como sendo, o estudo e previsão de estratégias que são
usadas numa dada aula em função das condições que a escola apresenta, com particular
destaque a problemática das fontes que é muito saliente nos dias de hoje.

5.5. Planificação de aulas


Segundo Libaneo (1994) diz que ˮ aula é um conjunto de meios e condições pelas quais, o
professor dirige e estimula o processo de ensino, em função das actividades próprias do aluno
no processo de ensino e aprendizagem escolar, ou seja a assimilação consciente e activa dos
conteúdos. Em outras palavras, o processo de ensino através de aulas possibilita o encontro
directo entre o professor, os alunos e os conteúdos preparados didacticamente no plano de
ensino e no plano de aulas (p.177).

8
Para Piletti (2002) a planificação de aula é a especificação dos comportamentos esperados do
professor e alunos em relação aos conteúdos e procedimentos bem como os recursos que
serão utilizados para a sua realização.

9
Conclusão
Concluímos que os regulamentos das instituições de ensino, documentos normativos podem
ser vistas como sendo um conjunto de instrumentos empregues na orientação do corpo
directivo, professores, alunos e trabalhadores na uniformização de métodos e na tomada de
consciência de medidas perante situações anómalas que possam acontecer no decurso das
actividades escolares. Contudo, a aplicação destes documentos que regulam o funcionamento
da escola proporcionam um ensino bem sistematizado e organizado, estabelecendo relações
entre escolas, com a comunidade e com outras instituições afins em suma permite a comunhão
de objectivos, métodos e tarefas entre diversas escolas.

O plano de actividade anual, trimestral, mensal e semanal tem por objectivo programar os
trabalhos a serem desenvolvidos no espaço de tempo em causa e atribuir as responsabilizações
as pessoas envolvidas para o cumprimento dos deveres pedagógicos. Estes reflectem
actividades desde o período das matrículas até a época dos exames. Portanto, no novo
currículo de ensino básico espelha a situação actual da educação respeitante as novas
perspectivas de ensino bem como os novos métodos de avaliação. Pela sua importância há
toda necessidade do seu aprimoramento, apesar de algumas inovações constantes destes não
estarem em implementação como, por exemplo os ciclos de aprendizagens, ensino básico
integrado e introdução de novas disciplinas.

10
Referências bibliográficas
Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.
Libâneo, Carlos José. (2006). Didáctica Geral. Cortez, São Paulo.
MINED. (2008). Regulamento Geral das Escolas do Ensino Básico. Editora Escolar. Maputo.
Piletti, Claudino. (2002). Didáctica Geral. 23° ed. Editora Ática, São Paulo.

11

Você também pode gostar